MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIRECÇÃO-GERAL DAS ALFÂNDEGAS E DOS IMPOSTOS ESPECIAIS SOBRE O CONSUMO Direcção de Serviços dos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIRECÇÃO-GERAL DAS ALFÂNDEGAS E DOS IMPOSTOS ESPECIAIS SOBRE O CONSUMO Direcção de Serviços dos"

Transcrição

1 MANUAL DO DOCUMENTO ADMIINIISTRATIIVO DE ACOMPANHAMENTO - DAA - WEB-FORM (FORMULÁRIIO IINTERNET) 2ªª VERSÃO

2 ÍÍNDIICE II- IINTRODUÇÃO PÁG O FORMULÁRIO DO DAA 2-- IIMPRESSÃO DO DAA 3-- EXEMPLARES DO DAA 4-- PRAZOS DE ENVIO DO DAA 5-- ALTERAÇÕES AO DAA 6-- APURAMENTO DO DAA PELO OPERADOR PELAS ESTÂNCIAS ADUANEIRAS IIII-- EXPEDIIÇÃO PÁG IINSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DO DAA IIIIII- RECEPÇÃO PÁG IINSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DO DAA ANEXO PÁG LISTA DE CÓDIGOS 2

3 I- INTRODUÇÃO Todos os operadores IEC, com excepção dos Operadores Não Registados, estão habilitados a enviar o Documento Administrativo de Acompanhamento (DAA), a partir do momento em que lhe seja atribuída uma senha de acesso na sequência de um pedido efectuado no site das declarações electrónicas da DGAIEC. Após atribuição de senha poderá o operador gerir e nomear representantes através do menu Serviços on line >IEC>DAA>GERIR>GESTÃO DE REPRESENTAÇÕES. Neste caso deverá ser apresentada junto da Direcção Regional de Contencioso e Controlo Aduaneiro de Lisboa ou do Porto e, para as Regiões Autónomas, nas Alfândegas de Ponta Delgada e do Funchal, uma Procuração emitida pelo operador onde conste a identificação do representante e a autorização para este enviar DAA electronicamente em seu nome. Após este procedimento, será enviada pela DGITA a respectiva senha de acesso ao sistema de envio dos DAA por via electrónica. 1. O FORMULÁRIO DO DAA O formulário do DAA respeita o modelo constante do Anexo I ao Regulamento (CEE) Nº2719/92 da Comissão de 11 de Setembro de 1992, relativo ao Documento Administrativo de Acompanhamento dos produtos sujeitos a imposto especial sobre o consumo que circulem em regime de suspensão. As especificações gerais relativas ao papel a utilizar e às dimensões das casas, satisfazem o disposto no Aviso constante no JOC nº164/89 de 1 de Julho. 3

4 O papel utilizado é de cor branca para todos os exemplares e, tem as dimensões de 210 milímetros por 297 milímetros, com uma tolerância máxima de 5 milímetros para menos e 8 milímetros para mais, no que respeita o seu comprimento. Por motivos de segurança a impressão do DAA é efectuada numa folha de formato A4, em papel especial, com marca de água e fiscal - o holograma da DSIEC - na casa A, pré numerado e já com o verso préimpresso. Os formulários poderão ser adquiridos junto das Estâncias Aduaneiras. 2. IMPRESSÃO DO DAA No módulo de impressão disponível para o operador o sistema reconhece, automaticamente, o número de exemplares a imprimir, de acordo com o tipo de operação de circulação. Antes de cada impressão, o sistema questiona o operador sobre qual o número da primeira folha onde irá iniciar a impressão do DAA. A impressão do DAA está disponível para o operador de acordo com as seguintes regras: a) É sempre efectuada a partir no site das declarações electrónicas da DGAIEC; b) É possível imprimir o DAA após aceitação ou através de consulta. Na emissão de um DAA de recepção (emitido por um operador de outro Estado Membro) o operador não está obrigado a imprimir o exemplar 4 do 4

5 DAA, dado que ao enviar o DAA de recepção por via electrónica já está a remeter o exemplar 4 à respectiva estância aduaneira de controlo. Impressos não utilizados Em relação aos impressos do DAA para os quais já foi dada uma ordem de impressão, mas que por algum motivo não foram utilizados, o operador pode dirigir-se a uma Estância Aduaneira com os mesmos e solicitar a sua reutilização. Impressos danificados Em relação aos impressos do DAA para os quais já foi dada uma ordem de impressão, mas que por algum motivo foram danificados, o operador pode dirigir-se a uma Estância Aduaneira com os mesmos e solicitar a sua anulação. Anulação de impressos Se por algum motivo o operador pretender proceder à anulação de impressos adquiridos e não utilizados, pode dirigir-se a uma Estância Aduaneira com os mesmos e solicitar a sua anulação. 3. EXEMPLARES DO DAA O documento administrativo de acompanhamento processado electronicamente é emitido nos seguintes exemplares: a) Na circulação nacional dois exemplares destinando-se: Exemplar nº.1 ao expedidor; Exemplar n.º 2 ao destinatário. 5

6 b) Na circulação intracomunitária em quatro exemplares destinando-se: Exemplar n.º 1 ao expedidor; Exemplar n.º 2 ao destinatário; Exemplar n.º3 a ser reenviado ao expedidor para apuramento; Exemplar n.º4 a ser entregue às autoridades competentes do Estado Membro de destino. 4. PRAZOS DE ENVIO DO DAA NA EXPEDIÇÃO, com uma antecedência mínima de 6 horas em relação à saída do meio de transporte, sendo interrompida a contagem deste prazo fora das horas normais de funcionamento da estância aduaneira de controlo, incluindo sábados, domingos e feriados. Em casos excepcionais e devidamente justificados, salvaguardando-se sempre a possibilidade de um efectivo controlo prévio, poderá o director da Alfândega autorizar, a pedido do operador ou do seu representante, o envio do DAA com uma antecedência inferior à referida no parágrafo anterior. NA RECEPÇÃO, de imediato caso ocorra em dia útil ou, no caso contrário, no primeiro dia útil seguinte à data da recepção. 5. ALTERAÇÕES AO DAA Até à saída efectiva do meio de transporte, são permitidas alterações a todas as casas de um DAA já aceite à excepção da casa 19 do DAA (código pautal). 6

7 Como tal, as alterações feitas ao DAA podem ser efectuadas dentro do período das 6 horas úteis após aceitação do DAA, não implicando a interrupção deste prazo. No caso de um DAA, relativo a uma expedição com certificação/ prévalidação já aceite, só serão permitidas alterações na Casa Matrícula e/ou Nome (casa 11). 6. APURAMENTO DO DAA 6.1- PELO OPERADOR OU RESPECTIVO REPRESENTANTE Na circulação nacional: Feito automaticamente como output da comunicação do destinatário a acusar a recepção das mercadorias no sistema. Na circulação intracomunitária: Quando o expedidor nacional acusar a recepção do exemplar 3 do DAA e fornecer ao sistema os seguintes elementos: Data de recepção; Dados referentes às quebras/excessos. No caso de uma Exportação/ Destino equiparado, em que a estância de saída do território aduaneiro da comunidade se situa fora do território nacional, o apuramento é feito da mesma forma. No caso de uma Recepção, não obstante o destinatário nacional enviar electronicamente o DAA de Recepção (no qual fornecerá os dados relativos à data da recepção e às quebras/excessos), deverá até ao final do mês em que ocorreu a expedição, apresentar o exemplar 3 à estância aduaneira de controlo para ser 7

8 visado e posteriormente remetê-lo ao expedidor do outro Estado Membro até ao dia 15 do mês seguinte PELAS ESTÂNCIAS ADUANEIRAS Na circulação nacional entre o Continente e as Regiões Autónomas e vice-versa, em que o destinatário é um Operador Não Registado, o apuramento é efectuado pelas estâncias aduaneiras de controlo através da aplicação SIC-DA (apuramento). Na Exportação/ Destino equiparado em que a estância aduaneira de saída do território da Comunidade se situa no território nacional, o apuramento é efectuado por esta estância aduaneira. 8

9 II EXPEDIÇÃO Este ponto do Manual aplica-se aos casos em que um DAA é emitido por um depositário autorizado nacional no âmbito de operações de circulação nacional, circulação intracomunitária e ainda operações de exportação/destinos equiparados. 9

10 1- PREENCHIMENTO DAS CASAS Casa DADOS DA DECLARAÇÃO - Tipo Preenchimento automático pelo sistema com a opção previamente escolhida (Expedição/ Expedição com certificação/pré-validação). Casa DADOS DA DECLARAÇÃO - Cat. Imposto Preenchimento obrigatório, escolhendo uma das opções disponíveis no scroll (Álcool e Beb. Alc./ Óleos Minerais/ Tabacos). Casa DADOS DA DECLARAÇÃO - Tipo de Operação Preenchimento obrigatório, escolhendo uma das opções disponíveis no scroll (Cir. Nacional/ Cir. Intracomunitária/ Exportação/Destino Equiparado). Casa DADOS DO UTILIZADOR - NIF Preenchimento automático pelo sistema com o Número de Identificação Fiscal do Operador. Casa DADOS DO UTILIZADOR - Estatuto Preenchimento automático pelo sistema. Casa DADOS DO UTILIZADOR - Entregar como Preenchimento automático pelo sistema. Casa 1- EXPEDIDOR Nome Preenchimento automático pelo sistema, após aceitação do DAA. Endereço Preenchimento automático pelo sistema, após aceitação do DAA. 10

11 Casa 2 - Nº IEC DO EXPEDIDOR Preenchimento automático pelo sistema, com o número de registo, para efeitos de IEC, atribuído ao depositário autorizado expedidor, pelas autoridades fiscais do país de expedição. Casa 3 - N.º REFERÊNCIA Preenchimento obrigatório. Indicar o número utilizado para a identificação da expedição nos registos contabilísticos do expedidor. Se não for indicado o n.º. de referência, o sistema preencherá automaticamente com o n.º de factura constante da casa 5, após aceitação do DAA. Não permite a utilização da mesma referência em mais que um DAA. No caso da mesma referência ser utilizada em vários DAA deverá ser inscrito esse número de referência com recursos a dígitos adicionais obedecendo a uma sequência (Exemplo: 637; 637/1; 637/2 ou 637/A; 637/B). Casa 4 - N.º IEC DESTINATÁRIO Preenchimento obrigatório mas com as seguintes particularidades: No caso do destinatário ter estatuto de Depositário Autorizado ou de Operador Registado indicar o número de registo, para efeitos de IEC, atribuído pelas autoridades fiscais do país de destino. Na circulação nacional, quando o destinatário for um Representante Fiscal deve ser inscrito o respectivo número IEC. No caso do destinatário ser um Operador Não Registado, deve ser indicado consoante o caso: 11

12 Se o destino for Portugal, o número atribuído ao Certificado de Garantia; Se o destino for outro Estado Membro, o número de autorização da remessa atribuído pela autoridade fiscal do Estado Membro de destino. Na circulação intracomunitária de óleos minerais, por via marítima, deverá ser inscrita a referência *ANPD (opção ainda não disponível). Numa Exportação/Destino Equiparado, deve ser indicado consoante o caso: Se a saída for efectuada através de estância aduaneira no território nacional, o código desta estância de saída; Se a saída for efectuada através de outro Estado Membro, a menção EXPORT (em maiúsculas). Botão [validar] Utilização obrigatória, imediatamente após o preenchimento da Casa 4 - N.º IEC DESTINATÁRIO e da Casa 13 - PAÍS de DESTINO. Casa 5 - N.º DE FACTURA Preenchimento obrigatório. Indicar o número da factura relativa à transacção comercial dos produtos, ou no caso de esta não ter sido ainda emitida, o número da guia de remessa ou de outro documento comercial equivalente ou do documento de transporte. 12

13 Casa 6 - DATA DA FACTURA Preenchimento obrigatório. Indicar a data de emissão do documento identificado na casa 5. Casa 7 - DESTINATÁRIO Nome Circulação Nacional - Preenchimento automático pelo sistema, excepto quando o destinatário é um Operador Não Registado (neste caso deverá ser inscrito o nome do destinatário). Circulação Intracomunitária - Preenchimento com excepções: Se após validação do número aposto na casa 4, Nº IEC do Destinatário (utilizando o botão [validar]), este for reconhecido pelo sistema, esta casa será, após envio do DAA, automaticamente preenchida com os dados relativos ao nome do destinatário. Se após validação do número aposto na casa 4, Nº IEC do Destinatário (utilizando o botão [validar]), o sistema enviar uma mensagem dizendo que não reconhece o número aposto naquela casa, deverá o operador inscrever nesta casa os dados relativos ao nome do destinatário. Na circulação intracomunitária de óleos minerais por via marítima, o preenchimento desta casa não é obrigatório (opção ainda não disponível). Exportação/Destino Equiparado - Indicar o nome da Estância de Saída do Território Aduaneiro da Comunidade, e, se for o caso, o nome da pessoa que actua por conta do expedidor neste local. 13

14 No caso da Estância Aduaneira de Saída se situar noutro Estado Membro da Comunidade e o expedidor pretender obter o exemplar 3 do DAA de forma mais directa e célere, deverá indicar, também na casa 7, um representante, pessoa singular ou colectiva, a quem a Estância de Saída entregará aquele exemplar para que o devolva ao expedidor. Endereço Circulação Nacional - Preenchimento automático pelo sistema, excepto quando o destinatário é um Operador Não Registado (neste caso deverá ser inscrito o endereço do destinatário). Circulação Intracomunitária - Preenchimento com excepções: Se após validação do número aposto na casa 4, Nº IEC do Destinatário (utilizando o botão [validar]), este for reconhecido pelo sistema, esta casa será, após o envio do DAA, automaticamente preenchida com os dados relativos ao endereço do destinatário. Se após validação do número aposto na casa 4, Nº IEC do Destinatário (utilizando o botão [validar]), o sistema devolver uma mensagem de erro dizendo que não reconhece o número aposto naquela casa, caberá ao operador inscrever nesta casa os dados relativos ao endereço do destinatário. Na circulação intracomunitária de óleos minerais por via marítima, o preenchimento desta casa não é obrigatório (opção ainda não disponível). Exportação/ Destino Equiparado - Indicar o endereço da Estância de saída do Território Aduaneiro da Comunidade (caso esta se situe noutro Estado Membro, preencher o endereço, se conhecido). 14

15 Casa 7a - LOCAL DE ENTREGA Preenchimento com excepções. Na circulação intracomunitária de óleos minerais por via marítima, o seu preenchimento não é obrigatório (opção ainda não disponível). Entreposto De preenchimento obrigatório com o respectivo número de Entreposto Fiscal, apenas no caso do destinatário ser Depositário Autorizado de qualquer Estado Membro. Estância O seu preenchimento é obrigatório nas seguintes situações: Numa operação de Circulação Nacional : Se o destinatário for um Depositário Autorizado, o sistema preenche automaticamente com o código da Estância Aduaneira que controla o Entreposto Fiscal de destino das mercadorias; Se o destinatário for um Operador Registado/Representante Fiscal/Operador Não Registado, preencher com o código da Estância Aduaneira que controla o local de entrega das mercadorias. Numa operação de Exportação/Destino equiparado, quando a estância aduaneira de saída do território aduaneiro da comunidade se situe no território nacional: Preencher com o código da Estância Aduaneira de saída. Premindo o botão [Lista] o sistema apresentará todos os códigos e respectivas designações, das Estâncias Aduaneiras existentes em território nacional, podendo seleccionar o código da Estância Aduaneira pretendida. 15

16 Esta casa só admite códigos de Estâncias existentes em território nacional. Local de Entrega O seu preenchimento é obrigatório nas seguintes situações: Circulação Nacional - nas excepções previstas no Código dos IEC, para destinatários com estatuto diferente de Depositário Autorizado, esta casa deverá ser preenchida com o local de entrega das mercadorias, se este for diferente do identificado na casa 7 do DAA. Circulação Intracomunitária : - Para destinatários com estatuto diferente de Depositário Autorizado, esta casa deverá ser preenchida com o local de entrega das mercadorias, se este for diferente do identificado na casa 7 do DAA. - Para destinatários com estatuto de Depositário Autorizado, esta casa só deverá ser preenchida com o local do Entreposto Fiscal de destino das mercadorias no caso do N.º IEC do Destinatário aposto na casa 4 não ter sido reconhecido pelo sistema. Exportação/Destino equiparado - preencher com o local efectivo da entrega das mercadorias na Estância Aduaneira de saída do Território da Comunidade. Deverá também ser sempre inscrita a menção EXPORTAÇÃO PARA FORA DA COMUNIDADE. Casa 8 - AUTORIDADES COMPETENTES NO LOCAL DE EXPEDIÇÃO Preenchimento automático pelo sistema com os dados relativos à Estância Aduaneira de controlo do Entreposto Fiscal de expedição (código, nome e endereço). 16

17 Casa 9 - TRANSPORTADOR Preencher com dados relativos ao(s) NIF, nome(s) e endereço(s) do(s) transportador(es) envolvido(s) na operação de circulação. Código Indicar o Número de Identificação Fiscal (NIF) do transportador, se conhecido. Nome Preencher com os dados relativos ao nome/denominação social do transportador. Tratando-se de expedições que envolvam a realização de operações de grupagem, o seu preenchimento não é obrigatório (opção ainda não disponível). Endereço Preencher com os dados relativos ao endereço (morada, localidade, cód. postal, país) do transportador. Tratando-se de expedições que envolvam a realização de operações de grupagem, o seu preenchimento não é obrigatório (opção ainda não disponível). Botão [Adicionar Transportador] Premir este botão caso intervenham mais transportadores nesta operação de circulação. Casa 10- GARANTIA Tipo Preencher escolhendo uma das opções disponíveis no scroll. 17

18 Ano Preencher escolhendo uma das opções disponíveis no scroll. Número Preencher com o número da garantia. Cód. Titular Preencher escolhendo uma das opções disponíveis no scroll. O seu preenchimento permite identificar a entidade garante, ou seja, a pessoa que prestou a garantia de circulação. Poderá apenas ser utilizada, consoante o caso, uma das seguintes menções: expedidor, transportador ou destinatário. Obs. Titular Casa de texto livre, a preencher com eventuais observações sobre o titular da garantia. Casa 11 - OUTROS PORMENORES RELATIVOS AO TRANSPORTE Preencher com dados relativos ao(s) Meio(s) de Transporte - tipo(s), matrícula(s) e/ou nome(s), selo(s) - envolvido(s) na operação de circulação. Tratando-se de expedições que envolvam a realização de operações de grupagem, o seu preenchimento não é obrigatório (opção ainda não disponível). Meio de transporte Preencher escolhendo uma das opções disponíveis no scroll. Matrícula e/ou Nome 18

19 Preencher com os nome e/ou matrícula do meio de transporte utilizado na operação de circulação, bem como com os dados relativos a Contentores, caso estes existam. Botão [Adicionar transporte] Premir este botão caso intervenham mais meios de transporte nesta operação de circulação. Selos Preencher caso sejam utilizados selos, indicando o respectivo tipo e número. Botão [Adicionar selo] Premir este botão, caso sejam utilizados mais selos nesta operação de circulação. Casa 12 - PAÍS DE EXPEDIÇÃO Preenchimento automático pelo sistema (Portugal). Casa 13 - PAÍS DE DESTINO Preenchimento com excepções. Numa Circulação intracomunitária, escolher, dentro das opções disponíveis no scroll, o Estado Membro em que termina a operação de circulação. Numa circulação intracomunitária de óleos minerais por via marítima, o preenchimento não é obrigatório (opção ainda não disponível). 19

20 Numa Circulação nacional, escolher, dentro das opções disponíveis no scroll, Portugal. Numa Exportação/Destino Equiparado, escolher, dentro das opções disponíveis no scroll, o Estado Membro da Estância aduaneira de saída do território aduaneiro da comunidade. Casa 14 - REPRESENTANTE FISCAL Caso o expedidor disponha de um operador com o estatuto de Representante Fiscal no local de destino das mercadorias, este deve ser identificado nas seguintes casas: Nome Preencher com o respectivo nome/denominação social. Endereço Preencher com o respectivo endereço. Casa 15 - LOCAL DE EXPEDIÇÃO Preenchimento obrigatório. Preencher com o número do Entreposto Fiscal pertencente ao expedidor onde se inicia a operação de circulação. Botão [Lista] Premindo este botão irá aparecer uma listagem de todos os Entrepostos Fiscais pertencentes ao expedidor, devendo seleccionar-se o número do Entreposto de onde a mercadoria vai sair. Casa 16 - DATA DE EXPEDIÇÃO Preenchimento obrigatório. 20

21 Preencher com a data de início da operação de circulação das mercadorias, não podendo ser inferior à data em que o DAA é enviado para aceitação pelo sistema. Casa 17 - TEMPO DE VIAGEM Preenchimento com excepções. Indicar o período de tempo (expresso em dias) previsto para a operação de circulação, tendo em conta o meio de transporte utilizado e a distância a percorrer. Na circulação intracomunitária de óleos minerais por via marítima, o preenchimento não é obrigatório (opção ainda não disponível). Casa DADOS RELATIVOS À EXPORTAÇÃO Preenchimento com excepções. Numa Exportação/Destino equiparado, identificar nas respectivas casas o ano do DU de exportação, o N.º do DU de exportação e o Tipo do DU de exportação (opção ainda não disponível).. Casa DADOS CERTIFICADO DE GARANTIA/PAR Preenchimento com excepções. Tratando-se de uma operação de circulação em que é obrigatória a prévia constituição de um PAR (Pedido de Autorização de Recepção), deve ser identificado, nas casas respectivas, o ano do Certificado de Garantia e o N.º do Certificado de Garantia. Casa 18 - MARCAS E NÚMEROS, Nº E TIPO DE EMBALAGENS. DESCRIÇÃO DAS MERCADORIAS 21

22 Preenchimento obrigatório. IMPOSTO SOBRE O TABACO MANUFACTURADO Indicar as designações comerciais (marcas). IMPOSTO SOBRE OS ÓLEOS MINERAIS Indicar a densidade a 15ºC. Indicar as marcas, números de identificação e número de embalagens (exteriores e interiores - v.g. número de contentores) e designação comercial das mercadorias. IMPOSTO SOBRE O ÁLCOOL E AS BEBIDAS ALCOÓLICAS Indicar a marca, o tipo de produto bem como os demais dizeres exigíveis por parte das entidades que exercem funções de certificação/prévalidação. Casa N.º ADIÇÃO Preenchimento automático pelo sistema. Identifica o número da adição. Por DAA, apenas são permitidas três adições com seis elementos cada. Casa 19 - CÓDIGO DE MERCADORIA Preenchimento obrigatório. Preencher com o código TARIC, acrescido de um código adicional com 4 dígitos, se for caso disso. 22

23 Só deverão ser indicados nesta casa os códigos correspondentes a produtos que o expedidor esteja autorizado a expedir. Casa 20 - QUANT. Preenchimento obrigatório. As quantidades totais dos produtos, deverão ser expressas nas seguintes unidades: -Cigarros...Milhares -Charutos e Cigarrilhas......Milhares -Tabaco corte fino e Restantes tabacos de fumar...embalagens -Fuelóleo e Gases.....Toneladas -Restantes Óleos Minerais....Quilolitros a 15º C -Álcool Litros de álcool puro a 20ºC -Cerveja.... Litros -Vinho...Litros -Produtos Intermédios Litros -Bebidas espirituosas......litros de álcool puro a 20ºC Casa 21 - PESO BRUTO Preenchimento obrigatório. Preencher com o peso bruto da remessa, expresso em quilos. Casa 22 - PESO LÍQUIDO Preenchimento obrigatório. Preencher com o peso dos produtos sujeitos a IEC sem embalagem, com excepção dos cigarros, expresso em quilos. 23

24 Botão [Adicionar Elemento] Utilização Obrigatória. Premindo este botão irá aparecer um campo relativo aos elementos desta adição. Este campo corresponde a uma descrição mais detalhada dos produtos constantes nesta adição. Sempre que se deseje adicionar um novo elemento à mesma adição, dever-se-á premir este botão. Casa 18 - ELEMENTOS* Preenchimento com Excepções. IMPOSTO SOBRE OS TABACOS MANUFACTURADOS Cód. Documento No caso dos tabacos manufacturados homologados para introdução no consumo em Portugal, deverá ser inscrita a referência *TABH/*CPHA. Nos casos dos tabacos manufacturados que não possuem autorização para serem introduzidos no consumo em Portugal, deverá ser inscrita a referência *TNHE. Núm. Documento Preencher com o código correspondente ao *TABH/*CPHA/*TNHE referido na casa anterior. Quantidade Preencher com o número de embalagens de venda ao público (maços/caixas/bolsas/latas) correspondentes ao *TABH/*CPHA/*TNHE referido na casa Cód. Documento. 24

25 IMPOSTO SOBRE O ÁLCOOL E AS BEBIDAS ALCOÓLICAS Quantidade Preencher com o número de embalagens. Caso se trate de um Granel deverá ser inscrito o número1. Tipo Emb. Preencher escolhendo uma das opções disponíveis no scroll. Capacidade Preenchimento com excepções, não se tratando de um granel, deve ser preenchida, obrigatoriamente, com a respectiva capacidade da embalagem, no caso de ser um granel, não deverá ser preenchida (opção ainda não disponível). Esta casa deverá apresentar sempre três casas decimais. Un. Medida Preenchimento automático pelo sistema (LTR). Grad. Preencher com a graduação alcoólica do respectivo produto. Esta casa não deverá ser preenchida caso se trate de cerveja. IMPOSTO SOBRE OS PRODUTOS PETROLÍFEROS Tipo de Embalagem Scroll de escolha obrigatória para seleccionar o tipo de embalagem, de entre os vários permitidos. Quantidade de Embalagens De preenchimento obrigatório com o número de embalagens respectivas, só pode admitir números inteiros e positivos. Se se tratar de um granel, deve ser inscrito o número 1. Capacidade da Embalagem 25

26 Preenchimento com excepções, não se tratando de um granel, deve ser preenchida, obrigatoriamente, com a respectiva capacidade da embalagem, no caso de ser um granel, não deverá ser preenchida (opção ainda não disponível). Esta casa deverá apresentar sempre três casas decimais. Botão [Eliminar Adição] Premindo este botão o sistema eliminará a última adição efectuada. Botão [+ adição] Premindo este botão o sistema abrirá um campo relativo a uma nova adição. Este botão está localizado no final do formulário do DAA. Botão [Adicionar Certificado] Premindo este botão irá aparecer a Casa 23 - CERTIFICADOS onde deverão ser indicados os códigos constantes no ANEXO a este Manual. Sempre que se pretenda adicionar um novo código, dever-se-á premir este botão. Os códigos são de inscrição obrigatória nas seguintes situações: *GRUP Código a inscrever na Casa 23 sempre que se trate de uma expedição que envolva operações de grupagem (opção ainda não disponível). *PEQ Código a inscrever na Casa 23 sempre que se trate de uma operação de circulação em que o expedidor possui o estatuto de pequena destilaria/cervejeira. 26

27 Ao preencher este código o sistema fica habilitado a inserir na Casa 23 do DAA impresso o seguinte texto: Certifica-se que o produto descrito foi fabricado por uma pequena empresa independente (pequena destilaria) cuja produção do ano precedente foi de... hectolitros de cerveja (de álcool puro). *REG Código a inscrever na Casa 23 sempre que se trate de uma operação de circulação nacional de Bebidas Alcoólicas/Álcool/Tabacos cujo destinatário é Operador Registado/Operador Não Registado/Representante Fiscal e que se realize entre o continente e as regiões autónomas e vice-versa e também entre as regiões autónomas. *AUT Código a inscrever na Casa 23 sempre que se trate de uma operação de circulação nacional de Bebidas Alcoólicas/Álcool entre entrepostos fiscais de produção ou entre entrepostos fiscais de armazenagem. *POST Código a inscrever na Casa 23 sempre que se trate de um DAA feito a posteriori. *CVRA, B,...N / *IVV1, 2,...8 / *VDP1, 2 / *IVM Código a inscrever na Casa 23 sempre que se trate de uma operação de circulação cujos produtos se encontram sujeitos a certificação/pré-validação. Estes códigos permitem ao sistema identificar a entidade responsável para certificar/pré-validar. *CV1, 2,...14/ *IVV/ *IVDP/ *IVM1 Código a inscrever na Casa 23 sempre que se trate de produtos vitivinícolas enviados ao abrigo de uma operação de expedição normal. 27

28 Estes códigos permitem ao sistema seleccionar os respectivos movimentos de produtos, remetendo-os para a entidade de controlo. *MI1, 2,...5 / *AA1/ *ABAG/ *AC1/ *ALV/ *AVIN/ *BARO/ *CONT/ *DEPO / *DEST / *ORIG / *NPRO / *PAJU / *RCDO / *RMT1,2,3 / *TDT / *VAO1 / *VAR1 / *VQ1 / *VR1/ *VR / *VM Código(s) a inscrever na Casa 23 sempre que se trate de uma operação de circulação cujos produtos se encontram sujeitos a certificação/pré-validação. Ao preencher os seguintes códigos o sistema fica habilitado a inserir na Casa 23 do DAA impresso os seguintes textos: Códigos *VQ1 *VR1 *VAO1 *VAR1 *AA1 *AC1 *MI1, *MI2, *MI3, *MI4, *MI5 Texto impresso O presente documento vale como certificado de denominação de origem para os VQPRD dele constantes. O presente documento vale como certificado de proveniência para os vinhos de mesa dele constantes Vinho apto à concessão da denominação de origem Vinho apto a dar origem a vinho regional Aguardente apta à concessão da denominação de origem O presente documento vale como certificado de denominação de origem para a aguardente dele constante Validação N.º (número de aceitação do DAA) em xx/ xx/ xxxx (data de aceitação do DAA). Estes códigos deverão ser indicados após a aposição do código identificativo da entidade encarregue da certificação/pré-validação, de acordo com os produtos envolvidos na operação de circulação. *SBEB - Código a inscrever na Casa 23 sempre que se trate de uma operação de circulação nacional (entre dois EF) de bebidas alcoólicas que se encontram seladas com a estampilha especial para as bebidas espirituosas. Neste caso deverá também ser declarado na Casa Número o Modelo de estampilha (A ou B) e a quantidade de estampilhas utilizadas. O preenchimento do número de estampilhas envolvidas na operação de circulação tem como objectivo possibilitar um controlo das contas 28

29 correntes de estampilhas dos respectivos depositários autorizados envolvidos. *NBEB - Código a inscrever na Casa 23 sempre que se trate de uma operação de circulação de bebidas alcoólicas que não se encontram seladas com a estampilha especial para as bebidas espirituosas. Casa 23 - CERTIFICADOS Preenchida com os códigos acima referidos. Casa 24- DECLARANTE Preencher apenas quando o declarante for um representante do expedidor, devendo neste caso indicar o número fiscal/número de cédula de despachante oficial. No DAA impresso deve constar a assinatura do expedidor ou de quem agiu em seu nome. Botão [Validar] Premindo este botão o sistema informará se todas as casas sujeitas a regras de validação se encontram preenchidas. Botão [Gravar] Premindo este botão o sistema irá gravar o DAA presentemente a ser preenchido. A escolha desta opção implicará a eliminação do último DAA gravado. Botão [Enviar] Premindo este botão o DAA será submetido para aceitação pelo sistema. Se aceite ser-lhe-á atribuído um número identificativo, que irá figurar no canto superior direito do DAA impresso. 29

MANUAL DA DECLARAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO CONSUMO

MANUAL DA DECLARAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO CONSUMO MANUAL DA DECLARAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO CONSUMO DIC -WEB-FORM (FORMULÁRIO INTERNET)Versão 2.0 Atualização de Dezembro 2014 Direção de Serviços dos Impostos Especiais de Consumo e do Imposto sobre Veículos

Leia mais

Novo Código dos Impostos Especiais de Consumo 13 e 15 de Julho 2010

Novo Código dos Impostos Especiais de Consumo 13 e 15 de Julho 2010 Conferência IEC Novo Código dos Impostos Especiais de Consumo 13 e 15 de Julho 2010 PwC PwC Novo Código dos Impostos Especiais de Consumo 13 e 15 de Julho 2010 PwC Índice I Preâmbulo Fundamentos e objectivos

Leia mais

Regime de bens em circulação e SAF-T

Regime de bens em circulação e SAF-T Regime de bens em circulação e SAF-T Novas regras Julho 2013 Legislação Quem está abrangido Emissão de documentos transporte Comunicação de documentos à AT SAF-T Oportunidades comerciais Sage Portugal

Leia mais

Operadores Económicos Alfândegas DSAFA

Operadores Económicos Alfândegas DSAFA MOD 052.01 Classificação: 100.01.01 Seg.: U_INT Proc.: 1 0 0. 0 1. 0 1-1 4 / 1 4 Direção de Serviços dos Impostos Especiais de Consumo e do Ofício Circulado N.º: 35.038/2014 2014-12-31 Entrada Geral: N.º

Leia mais

Princalculo Contabilidade e Gestão

Princalculo Contabilidade e Gestão COMUNICAÇÃO EXTERNA Junho/2013 REGIME DOS BENS EM CIRCULAÇÃO A obrigação é a partir de quando? 1 de Julho de 2013 Quem está obrigado? Os que no ano anterior tiveram um volume de negócios superior a 100.000

Leia mais

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Índice 1. Introdução...3 2. Home Page...3 3. Pedido de Senha...4 3.1 Proponente...5 3.2 Técnico Qualificado...5 3.3 Proponente/Técnico

Leia mais

OS ÓLEOS LUBRIFICANTES NO CONTEXTO DO ISP ENQUADRAMENTO E OBRIGAÇÕES DOS OPERADORES

OS ÓLEOS LUBRIFICANTES NO CONTEXTO DO ISP ENQUADRAMENTO E OBRIGAÇÕES DOS OPERADORES OS ÓLEOS LUBRIFICANTES NO CONTEXTO DO ISP ENQUADRAMENTO E OBRIGAÇÕES DOS OPERADORES Luís Barata Chefe de Divisão do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos e Energéticos 1.ª Convenção SOGILUB 9 de Novembro

Leia mais

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO 1 de 6 Considerando que o Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, I.P. (IVDP), procurando agilizar e simplificar os procedimentos legais exigíveis, quer para a denominação de origem (DO) Porto, quer

Leia mais

Decreto-Lei 104/93, de 5 de Abril - I Série A Decreto-Lei 104/93

Decreto-Lei 104/93, de 5 de Abril - I Série A Decreto-Lei 104/93 Decreto-Lei 104/93, de 5 de Abril - I Série A Decreto-Lei 104/93 Estabelece o novo regime do imposto especial sobre o consumo de bebidas alcoólicas Publicação: DR nº 80/93 I Série A O presente diploma

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO GABINETE DA MINISTRA DESPACHO N.º 404/11

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO GABINETE DA MINISTRA DESPACHO N.º 404/11 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO GABINETE DA MINISTRA DESPACHO N.º 404/11 Na sequência da aprovação do Decreto Presidencial n.º 265/10, de 26 de Novembro, sobre os procedimentos administrativos

Leia mais

Obter Recibos Electrónicos

Obter Recibos Electrónicos Obter Recibos Electrónicos Início > Os seus serviços > Obter > Recibos verdes electrónicos>emitir Início > Os seus serviços > Obter > Recibos verdes electrónicos>emitir Recibo Acto isolado Início > Os

Leia mais

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CONSELHO DIRECTIVO N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA N.º 007 ENTRADA EM VIGOR: 30-07-2010 Âmbito: GESTÃO E CONTROLO DAS GARANTIAS FEADER E FEP DATA DE APROVAÇÃO:30-07-2010 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 1.1

Leia mais

Banco de Portugal. Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012

Banco de Portugal. Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012 Banco de Portugal Carta-Circular nº 2/2012/DET, de 25-01-2012 ASSUNTO: Regime Excepcional de Regularização Tributária de Elementos Patrimoniais colocados no exterior (RERT III). Regras de Transferência

Leia mais

ADSE DIRECTA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE MANUAL DE APOIO AOS ORGANISMOS

ADSE DIRECTA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE MANUAL DE APOIO AOS ORGANISMOS ADSE DIRECTA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE MANUAL DE APOIO AOS ORGANISMOS Este documento destina-se a apoiar os serviços processadores na elaboração dos protocolos dos documentos de despesa em

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL Versão: 1.0 Data: 05-06-2009 Índice Acesso e estados dos Formulários... 3 Escolha do Formulário e submissão... 4 Bases para a navegação

Leia mais

Exportação de mercadorias do país de origem para países terceiros e/ou importação pelo país de mercadorias com origem em países terceiros.

Exportação de mercadorias do país de origem para países terceiros e/ou importação pelo país de mercadorias com origem em países terceiros. ÁREA TEMÁTICA DESIGNAÇÃO CONTEÚDO COMÉRCIO ESPECIAL Sistema de comércio que inclui nas entradas, as chegadas, as importações em regime normal e as mercadorias importadas para aperfeiçoamento activo e após

Leia mais

Regulamento Interno para a Produção e Comercialização de Produtos Vínicos com direito a DO Alentejo e a IG Alentejano. 1 de Fevereiro de 2010

Regulamento Interno para a Produção e Comercialização de Produtos Vínicos com direito a DO Alentejo e a IG Alentejano. 1 de Fevereiro de 2010 Regulamento Interno para a Produção e Comercialização de Produtos Vínicos com direito a DO Alentejo e a IG Alentejano 1 de Fevereiro de 2010 * - Última actualização 11-02-2011 1 Índice INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Guia Utilizador do Serviço WebEDI da

Guia Utilizador do Serviço WebEDI da Guia Utilizador do Serviço WebEDI da Índice Activar conta WebEDI... 1 Aceder ao serviço WebEDI... 2 Recuperar dados de acesso... 3 WebEDI... 4 Editar dados do utilizador... 5 Consultar dados da Empresa...

Leia mais

Simplex Exportações Exportações mais Simplex

Simplex Exportações Exportações mais Simplex Simplex Exportações Exportações mais Simplex Este é o primeiro SIMPLEX dedicado a um tema específico: as EXPORTAÇÕES. É por isso um programa diferente. Mais participado e feito em verdadeira co produção:

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: DL n.º 147/2003, de 11/07

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: DL n.º 147/2003, de 11/07 Diploma: DL n.º 147/2003, de 11/07 Artigo: Assunto: 1º, 2º, 3º, FICHA DOUTRINÁRIA RBC DT - circulação de tabaco para destruição, no trajeto entre o entreposto fiscal e o local onde vai ser inutilizado.

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

Circular n.º 71/2010 Série II

Circular n.º 71/2010 Série II Ministério das Finanças e da Administração Pública E DOS IMPOSTOS ESPECIAIS SOBRE O CONSUMO Proc. 205.15.04/13-2/2010/DSIVAVA Circular n.º 71/2010 Série II Assunto: IVA Vendas efectuadas a exportadores

Leia mais

Actualização. Versão 5.3.1

Actualização. Versão 5.3.1 Actualização Versão 5.3.1 Janeiro 2011 2 JURINFOR Rua de Artilharia 1, Nº 79 3º Dtº - 1250-038 LISBOA PORTUGAL 1 Índice 2 Facturação Certificada Conformidade de procedimentos... 4 2.1 Documentos Certificados...

Leia mais

APLICAÇÕES INFORMÁTICAS DECLARATIVAS DA DGAIEC

APLICAÇÕES INFORMÁTICAS DECLARATIVAS DA DGAIEC AUTOR: DGITA/DGAIEC DATA: 2007-10-31 VERSÃO: 1.0 APLICAÇÕES INFORMÁTICAS DECLARATIVAS DA DGAIEC ϖ MANUAL DE CREDENCIAÇÃO ϖ INDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. CREDENCIAÇÃO...3 2.1. REQUISITOS...3 2.1.1. Operador/Declarante...3

Leia mais

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação?

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Índice Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Como efectuar uma operação de confirmação de estimativas? Como aceder ao Serviço de Certificação

Leia mais

Manual de Utilizador Aplicação Cliente Web Versão 1.0.00

Manual de Utilizador Aplicação Cliente Web Versão 1.0.00 Manual de Utilizador Aplicação Cliente Web Versão 1.0.00 Edição 1 Agosto 2011 Elaborado por: GSI Revisto e Aprovado por: COM/ MKT Este manual é propriedade exclusiva da empresa pelo que é proibida a sua

Leia mais

ACÇÃO 1.1.2 INVESTIMENTOS DE PEQUENA DIMENSÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO

ACÇÃO 1.1.2 INVESTIMENTOS DE PEQUENA DIMENSÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ACÇÃO 1.1.2 INVESTIMENTOS DE PEQUENA DIMENSÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO Funcionamento genérico Os formulários estão disponíveis apenas nos

Leia mais

Internet e Email no Akropole. Internet e Email no Akropole

Internet e Email no Akropole. Internet e Email no Akropole Internet e Email no Akropole Internet e Email no Akropole O Akropole tira proveito da ligação à internet, podendo efectuar várias operações de maior valia, com ou sem intervenção directa do utilizador.

Leia mais

FACTURAÇÃO E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE. Porto, Maio de 2013 Vieira de Abreu

FACTURAÇÃO E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE. Porto, Maio de 2013 Vieira de Abreu FACTURAÇÃO E DOCUMENTOS DE TRANSPORTE Porto, Maio de 2013 Vieira de Abreu FACTURAÇÃO Decreto-Lei 197/2012, de 24/8: Transpõe artº 4º da Directiva 2008/8/CE, de 13/2, e Directiva 2010/45/UE, de 13/7, que

Leia mais

a) A utilização da via informática para a troca da informação entre as instituições de crédito;

a) A utilização da via informática para a troca da informação entre as instituições de crédito; Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 26/96 ASSUNTO: Regulamento do Serviço de Compensação Com vista a proporcionar às instituições de crédito um serviço de compensação de valores dotado de maior

Leia mais

I OBJECTO II GARANTIAS DE ENTREGA

I OBJECTO II GARANTIAS DE ENTREGA TRANSPORTA TRANSPORTES PORTA A PORTA, S.A. CONDIÇÕES GERAIS I OBJECTO As presentes condições gerais têm como objecto a prestação de serviços de recolha e transporte de remessas do expedidor até aos destinatários

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica Versão 2 Departamento de Segurança Privada Março de 2014 Manual do Utilizador dos Serviços Online do SIGESP Versão 2. (Março de 2014)

Leia mais

Regime dos Bens em Circulação (RBC)

Regime dos Bens em Circulação (RBC) 1 Regime dos Bens em Circulação (RBC) Decreto-Lei n.º 147/2003, de 11/7 Alterado pelo Decreto-Lei n.º 198/2012, de 24/8 Alterado pela Lei n.º 66-B/2012 (OE/2013) Portaria 160/2013 de 23 de Abril Portaria

Leia mais

Divisão de Informação Legislativa e Parlamentar

Divisão de Informação Legislativa e Parlamentar Lei n.º 15/2001, de 5 de junho Regime Geral das Infrações Tributárias Artigo 42.º Duração do inquérito e seu encerramento 1 - Os actos de inquérito delegados nos órgãos da administração tributária, da

Leia mais

Perguntas frequentes

Perguntas frequentes Documentos de transporte Perguntas frequentes Posso utilizar um software de faturação não certificado para emitir documentos de transporte? A partir de 1 de Julho de 2013, qualquer documento emitido num

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA 2014 CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Direcção Municipal de Habitação e Desenvolvimento Social [DOCUMENTO DE APOIO À CANDIDATURA ON LINE ] Para mais esclarecimentos, ligue para 21 798 86 01/ 86 55 ou através

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA AS ENTIDADES FORMADORAS ÍNDICE OBJECTIVOS

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest/ZSPos FrontOffice... 4 4. Produto... 5 Activar gestão de stocks... 5 5. Armazém... 7 a) Adicionar Armazém... 8 b) Modificar Armazém... 8 c)

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Portaria n.º 198/2011 de 18 de Maio O objectivo essencial definido no programa do XVIII Governo Constitucional em matéria

Leia mais

Portal Web de Apoio às Filiadas

Portal Web de Apoio às Filiadas Portal Web de Apoio às Filiadas Manual de Utilizador Externo Titularidade: FCMP Data: 2014-02-03 Versão: 1 1 1. Introdução 3 2. Descrição das Funcionalidades 4 2.1. Entrada no sistema e credenciação de

Leia mais

Novo Formato TMENU. Instruções

Novo Formato TMENU. Instruções Novo Formato TMENU Instruções Após validação de utilizador e password é exibido o MENU referente às bases de dados disponíveis para acesso: Identificação Civil, Registo Automóvel, Pessoas Colectivas, Registo

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 16.7.2008 Jornal Oficial da União Europeia L 188/7 REGULAMENTO (CE) N. o 669/2008 da Comissão de 15 de Julho de 2008 que completa o anexo I-C do Regulamento (CE) n. o 1013/2006 do Parlamento Europeu e

Leia mais

ADSE DIRETA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE

ADSE DIRETA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE ADSE DIRETA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE MANUAL DE APOIO ÀS ENTIDADES EMPREGADORAS Este documento destina-se a apoiar as entidades empregadoras na elaboração dos protocolos dos documentos de

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011 Manual Avançado Gestão de Stocks Local v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest FrontOffice... 4 4. Produto... 5 b) Activar gestão de stocks... 5 i. Opção: Faz gestão de stocks... 5 ii.

Leia mais

GUIÃO DE PREENCHIMENTO DO FOMULÁRIO DE PEDIDO DE APOIO PRODERAM SUBPROGRAMA 3 MEDIDAS 3.1 E 3.2 ABORDAGEM LEADER SETEMBRO DE 2009

GUIÃO DE PREENCHIMENTO DO FOMULÁRIO DE PEDIDO DE APOIO PRODERAM SUBPROGRAMA 3 MEDIDAS 3.1 E 3.2 ABORDAGEM LEADER SETEMBRO DE 2009 GUIÃO DE PREENCHIMENTO DO FOMULÁRIO DE PEDIDO DE APOIO PRODERAM SUBPROGRAMA 3 MEDIDAS 3.1 E 3.2 ABORDAGEM LEADER SETEMBRO DE 2009 1 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO Nota: Antes de

Leia mais

Condições de Gerais de Utilização

Condições de Gerais de Utilização Condições de Gerais de Utilização O presente contrato estabelece condições de relacionamento comercial acordadas entre Marinartes - Artes Decorativas Online, doravante designado por Marinartes e por pessoas

Leia mais

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL Plataforma eletrónica Versão 1.0 Departamento de Segurança Privada Abril de 2012 Manual do Utilizador dos Serviços Online do SIGESP Versão 1.0 (30 de abril

Leia mais

Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Verde Desmaterialização do Anexo VII

Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Verde Desmaterialização do Anexo VII Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Verde Desmaterialização do Anexo VII Versão 2.4 agosto de 2015 Perfil SILiAmb O perfil de utilizador 3. Pessoa que trata da transferência em Movimentos Transfronteiriços

Leia mais

Relatório SHST - 2003

Relatório SHST - 2003 Relatório da Actividade dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Relatório SHST - 2003 Programa de Validação e Encriptação Manual de Operação Versão 1.1 DEEP Departamento de Estudos, Estatística

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Email: ssgeral@saudadeesilva.com NOVO REGIME DE FATURAÇÃO Alterações para 2013, em matéria de faturação e transporte de mercadorias. Legislação aplicável:

Leia mais

MANUAL DO REGISTO CENTRAL DE AUXÍLIOS DE MINIMIS

MANUAL DO REGISTO CENTRAL DE AUXÍLIOS DE MINIMIS Instituto Financeiro para o Desenvolvimento Regional, IP outubro 2008 Registo do Controlo de MINIMIS Registo Central de auxílios de minimis Índice 1. As comunicações regulares 5 2. Alterações às comunicações

Leia mais

Obrigações Fiscais 2013

Obrigações Fiscais 2013 Obrigações Fiscais 2013 Caros Associados, A publicação do Decreto-Lei n.º 197/2012 e do Decreto-Lei n.º 198/2012, ambos de 24 de agosto, vieram introduzir importantes alterações nas normas relativas à

Leia mais

RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias

RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias CAPÍTULO I - INCIDÊNCIA ARTIGO 1º - Incidência objectiva INCIDÊNCIA - RITI Estão sujeitas a imposto sobre o valor acrescentado (IVA): a) As aquisições

Leia mais

Gescom Enterprise 8.9. Questões legais

Gescom Enterprise 8.9. Questões legais Gescom Enterprise 8.9 A versão GESCOM Enterprise 8.9 sofreu várias alterações com o intuito de permitir uma maior usabilidade, cumprir com as obrigações legais (despacho n.º 8632/2014) e garantir uma maior

Leia mais

Em termos conceptuais, a operação de

Em termos conceptuais, a operação de 40 Fiscalidade Este artigo versa sobre o enquadramento em sede de IVA da prestação de transporte de bens e surge com o objectivo de compilar e esquematizar as diversas normas relativas ao tema. Espera-se,

Leia mais

Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro

Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro O Decreto-Lei n.º 76-A/2006, de 29 de Março, aprovou um vasto conjunto de medidas de simplificação da vida dos cidadãos e das empresas. Destas, destacam-se a

Leia mais

Manual de Serviços WEB

Manual de Serviços WEB Manual de Serviços WEB Guias www.expresso24.pt Env_R1.1 Pag. 1 de 6 I Guias inserção de nova guia A opção de Guias permite fazer a gestão de guias do dia: Gravação Consulta Eliminação Logo que entra na

Leia mais

Imposto sobre o Valor Acrescentado

Imposto sobre o Valor Acrescentado Imposto sobre o Valor Acrescentado 19 de Dezembro de 2011 O IVA na receita fiscal +12,6% IVA Page 2/26 Artigos alterados 9.º - Isenções nas operações internas 16.º - Valor tributável nas operações internas

Leia mais

1. Instalação e Registro

1. Instalação e Registro 1. Instalação e Registro 1.1. Instalando o Controle de Transportadoras Para instalar o Controle de Transportadoras, acesse o site da Bsoft (www.bsoft.com.br), entre na seção de Downloads e baixe o instalador

Leia mais

Anexo VII REGISTOS E DOCUMENTOS A SEREM MANTIDOS PELOS OPERADORES DE UM ARMAZÉM DE REGIME ADUANEIRO COM APERFEIÇOAMENTO DA MERCADORIA

Anexo VII REGISTOS E DOCUMENTOS A SEREM MANTIDOS PELOS OPERADORES DE UM ARMAZÉM DE REGIME ADUANEIRO COM APERFEIÇOAMENTO DA MERCADORIA REGISTOS E DOCUMENTOS A SEREM MANTIDOS PELOS OPERADORES DE UM ARMAZÉM DE REGIME ADUANEIRO COM APERFEIÇOAMENTO DA MERCADORIA I. Registo dos dados de base constantes da autorização do armazém DADOS DE BASE

Leia mais

Passo a Passo do Orçamentos de Entrada no SIGLA Digital

Passo a Passo do Orçamentos de Entrada no SIGLA Digital Passo a Passo do Orçamentos de Entrada no SIGLA Digital Página 1 de 9 Este é um dos principais módulos do SIGLA Digital. Utilizado para dar entrada de produtos no estoque, essa ferramenta segue a seguinte

Leia mais

SCADE * Sistema de Credenciação. Adesão. às Declarações Electrónicas DGAIEC. ϖ MANUAL DE INSTRUÇÕES ϖ AUTOR: DGITA/DGAIEC DATA: 2010-07-14 VERSÃO: 2.

SCADE * Sistema de Credenciação. Adesão. às Declarações Electrónicas DGAIEC. ϖ MANUAL DE INSTRUÇÕES ϖ AUTOR: DGITA/DGAIEC DATA: 2010-07-14 VERSÃO: 2. DIRECÇÃO-GERAL DAS ALFÂNDEGAS E DOS IMPOSTOS ESPECIAIS SOBRE O CONSUMO SCADE AUTOR: DGITA/DGAIEC DATA: 2010-07-14 VERSÃO: 2.2 SCADE * Sistema de Credenciação & Adesão às Declarações Electrónicas Da DGAIEC

Leia mais

Sistema Online de Emissão de Declarações

Sistema Online de Emissão de Declarações Sistema Online de Emissão de Declarações OBJECTIVOS DO SISTEMA A ANET, satisfazendo um compromisso assumido com os Engenheiros Técnicos, passou a disponibilizar um sistema online para a emissão de declarações

Leia mais

4200-314 PORTO 1250-102 LISBOA Telef. 22 5512000 Telef. 21 3976961/2 Fax 22 5512099 Fax 21 3962187

4200-314 PORTO 1250-102 LISBOA Telef. 22 5512000 Telef. 21 3976961/2 Fax 22 5512099 Fax 21 3962187 Gestão Definição A Gestão determina as características da actividade da empresa no mercado, controlando as relações entre a tesouraria, o potencial e a rotação de produtos, os vendedores, os clientes,

Leia mais

LIVRO V Dos declarantes e representantes perante a alfândega. TÍTULO I De quem pode declarar. Artigo 426º.* I

LIVRO V Dos declarantes e representantes perante a alfândega. TÍTULO I De quem pode declarar. Artigo 426º.* I LIVRO V Dos declarantes e representantes perante a alfândega TÍTULO I De quem pode declarar Artigo 426º.* I A solicitação nas alfàndegas de qualquer declaração aduaneira ou fiscal de mercadorias ou de

Leia mais

Manual Gestix Guia do Utilizador. Gestix.com

Manual Gestix Guia do Utilizador. Gestix.com Manual Gestix Guia do Utilizador Gestix.com Copyright Este documento é Copyright 2008 Westix TI Lda. Todos os direitos reservados. Todas as marcas registadas referidas neste Manual são propriedade dos

Leia mais

EoL Empresa Online Manual de Utilização

EoL Empresa Online Manual de Utilização EoL Empresa Online Manual de Utilização Procedimentos da Empresa Online 1. Reservar o Nome da Empresa 2. Inserir informação da Empresa 3. Inserir informação da Empresa (Participantes da Sociedade) 4. Aderir

Leia mais

Paulo Mota (versão 1.2)

Paulo Mota (versão 1.2) Paulo Mota (versão 1.2) 2007 C.N.E. Núcleo de S. Miguel Departamento de Formação 2 ÍNDICE 1. Aceder à aplicação SIIE... 3 2. Importar dados... 4 2.1. Dados gerais dos elementos... 4 2.2. Dados gerais do

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

Importação: Regras básicas

Importação: Regras básicas Importação: Regras básicas Pagamentos de importação de mercadorias em Angola 1 Procure o Ministério do Comércio (MINCO) para proceder ao registo de Exportador e Importador (REI). 3 Negocie com seu Exportador/Fornecedor:

Leia mais

MANUAL DA DECLARAÇÃO ADUANEIRA DE IMPORTAÇÃO

MANUAL DA DECLARAÇÃO ADUANEIRA DE IMPORTAÇÃO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MANUAL DA DECLARAÇÃO ADUANEIRA DE IMPORTAÇÃO LISBOA, MARÇO DE 2007 ÍNDICE TÍTULO I: NOTA PRÉVIA... 4 TÍTULO II: INTRODUÇÃO... 6 TÍTULO III: GENERALIDADES...

Leia mais

GUIA DE APOIO ÀS CANDIDATURAS

GUIA DE APOIO ÀS CANDIDATURAS GUIA DE APOIO ÀS CANDIDATURAS Recomendações Gerais para Preenchimento do Formulário de Candidatura: ANTES do preenchimento da candidatura: o que precisa saber/ fazer? Reunir informação: Consultar as Normas

Leia mais

NORMA DE PAGAMENTOS. 1.1. A presente norma de pagamentos aplica-se aos projectos aprovados ao abrigo dos seguintes Sistemas de Incentivos do QREN:

NORMA DE PAGAMENTOS. 1.1. A presente norma de pagamentos aplica-se aos projectos aprovados ao abrigo dos seguintes Sistemas de Incentivos do QREN: ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 04.REV2.1/2010 NORMA DE PAGAMENTOS SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN Nos termos do previsto nos Contratos de Concessão de Incentivos estabelece-se a norma de pagamentos aplicável aos

Leia mais

FAQ s Portaria nº 161/2013 de 23 de Abril

FAQ s Portaria nº 161/2013 de 23 de Abril FAQ s Portaria nº 161/2013 de 23 de Abril O que é considerado um documento de transporte? Consideram-se documentos de transporte: Faturas, Guias de Remessa, Guias de Transporte, Notas de Devolução, Guias

Leia mais

Designação de Áreas de Informação e Ícones

Designação de Áreas de Informação e Ícones Designação de Áreas de Informação e Ícones Login Opção para entrar na aplicação com um Utilizador e Senha exclusiva para cada Motorista/Viatura Existe a possibilidade de efectuar um Login automático com

Leia mais

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto -

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - 1 Agenda Decreto-Lei nº 197/2012 de 24 de Agosto Decreto-Lei nº 198/2012 de 24 de Agosto 2 Novas Regras de Facturação

Leia mais

MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS

MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS GLOSSÁRIO... 2 INTRODUÇÃO... 3 Objectivo... 3 DEFINIÇÕES... 3 Certificado de um medicamento

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS Departamento: Fiscalidade, Direito Comum e do Trabalho MANUAL DE PROCEDIMENTOS 01 de Janeiro de 2013 NOVO REGIME DE FACTURAÇÃO 2013 ASPETOS A TER EM CONTA NA FATURAÇÃO VIA INFORMATICA Pedro Moreira Fiscalista

Leia mais

Transporte de mercadorias

Transporte de mercadorias Transporte de mercadorias A portaria 161/2013 de 23 de Abril vem estabelecer novas regras para a comunicação dos dados de transporte que constam do Regime de Bens em Circulação. Esta entra em vigor desde

Leia mais

NORMA DE PAGAMENTOS. 1.1. A presente norma de pagamentos aplica-se aos projectos aprovados ao abrigo dos seguintes Sistemas de Incentivos do QREN:

NORMA DE PAGAMENTOS. 1.1. A presente norma de pagamentos aplica-se aos projectos aprovados ao abrigo dos seguintes Sistemas de Incentivos do QREN: ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 04.REV2/2010 NORMA DE PAGAMENTOS SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN Nos termos do previsto nos Contratos de Concessão de Incentivos estabelece-se a norma de pagamentos aplicável aos Sistemas

Leia mais

Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos dos Açores. Sistema de apoio financeiro ao transporte marítimo de resíduos

Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos dos Açores. Sistema de apoio financeiro ao transporte marítimo de resíduos Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos dos Açores Sistema de apoio financeiro ao transporte marítimo de resíduos 2012 1. Qual a finalidade deste sistema de apoio? Este sistema de apoio tem

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES MANUAL DE APOIO Este manual de apoio destina-se aos docentes do ensino oficial que pretendam requerer autorização para acumular funções. Exceptuam-se aqueles que se encontram na situação

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições)

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições) CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM Artigo 1.º (Âmbito e Definições) 1 As presentes condições gerais regulam a venda, incluindo o registo e a encomenda, de produtos através da página/sítio

Leia mais

SCA Sistema de Contabilidade Aduaneira

SCA Sistema de Contabilidade Aduaneira AUTOR: DGITA DATA: 2007-01- 20 VERSÃO: 1.0 Sistema de Contabilidade Aduaneira Aplicação EFAPI Entrega de Ficheiros Aduaneiros Por Internet MANUAL DO UTILIZADOR 25-10-2007 VERSÃO: 1.0 EFAPI PÁGINA: 1/31

Leia mais

Microempreendedor Individual. Passo a Passo Como requerer uma Nota Fiscal Avulsa

Microempreendedor Individual. Passo a Passo Como requerer uma Nota Fiscal Avulsa Microempreendedor Individual Passo a Passo Como requerer uma Nota Fiscal Avulsa Acesse o link https://www2.fazenda.mg.gov.br/sol/ctrl/sol/nfae/servico_007?acao=novo&acesso_ex TERNO=1 da Secretaria de Estado

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ACÇÃO 2.4.1 APOIO À GESTÃO DAS INTERVENÇÕES TERRITORAIS INTEGRADAS GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO Fevereiro 2010 PRODER Pág. 1 de 11 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO Funcionamento

Leia mais

Apresentar Propostas vortalgov

Apresentar Propostas vortalgov Guia de utilização Apresentar Propostas Janeiro 2008 Índice Preâmbulo... 3 Acesso à Plataforma... 3 Área de Trabalho... 4 PPA / C. Públicos... 4 Funcionalidades da pasta PPA / C. Públicos - Activos...

Leia mais

Cadastro de Pessoa Jurídica

Cadastro de Pessoa Jurídica Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo Cadastro de Pessoa Jurídica CADASTRAMENTO NO NOVO SISTEMA Novembro/2012 2 Índice 1 Introdução 03 2 Entrando no sistema de cadastro 03 3 Cadastramento eletrônico

Leia mais

Complemento ao Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC

Complemento ao Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC Complemento ao Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC Direccionado para as escolas www.estagiostic.gov.pt Índice 1. Objectivo da Plataforma... 2 2. Acesso restrito... 2 3. Perfis... 2 3.1. O administrador...

Leia mais

Descrição de Funcionalidades

Descrição de Funcionalidades Gestão Integrada de Documentos Descrição de Funcionalidades Registo de documentos externos e internos O registo de documentos (externos, internos ou saídos) pode ser efectuado de uma forma célere, através

Leia mais

Guia de utilização. Acesso Universal

Guia de utilização. Acesso Universal Guia de utilização Março de 2009 Índice Preâmbulo... 3 Acesso à Plataforma... 4 Área de Trabalho... 5 Apresentar Propostas... 12 Classificar Documentos... 20 Submeter a Proposta... 21 Solicitação de Esclarecimentos/Comunicações...

Leia mais

consideradas como efectuadas nas Regiões Autónomas.

consideradas como efectuadas nas Regiões Autónomas. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DO IVA Ofício n.º: 30118 2010-06-30 Processo: T120 2010329/4008 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770004407 Sua Ref.ª: Técnico: Cód. Assunto:

Leia mais

PASSO A PASSO REQUERIMENTO DE NFA MEI. Acessar a página da Secretaria de Estado de Fazenda na internet. Endereço: www.fazenda.mg.gov.

PASSO A PASSO REQUERIMENTO DE NFA MEI. Acessar a página da Secretaria de Estado de Fazenda na internet. Endereço: www.fazenda.mg.gov. 1 PASSO A PASSO REQUERIMENTO DE NFA MEI Acessar a página da Secretaria de Estado de Fazenda na internet. Endereço: www.fazenda.mg.gov.br Clicar em SIARE conforme indicação abaixo: Clicar em Sistema Integrado

Leia mais

Sistema de Tratamento Automático da Declaração de Introdução no Consumo e do Documento Administrativo de Acompanhamento

Sistema de Tratamento Automático da Declaração de Introdução no Consumo e do Documento Administrativo de Acompanhamento AUTOR: DGITA DATA: 2007-02-22 VERSÃO: 1.0 Sistema de Tratamento Automático da Declaração de Introdução no Consumo e do Documento Administrativo de Acompanhamento Sistema de Impostos Especiais sobre o Consumo

Leia mais

República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas

República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas CIRCULAR À TODAS AS ESTÂNCIAS ADUANEIRAS Nº /DESP/DTA/DNA/07 ASSUNTO: NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO TERMINAL DE VIATURAS DA MULTIPARQUES.

Leia mais

As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS. Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS.

As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS. Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS. As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS. Índice 1. Documentos que deixam de ser utilizados... 3 2. Factura

Leia mais

FAQ S Certificação Software GM

FAQ S Certificação Software GM FAQ S Certificação Software GM Macwin - Sistemas Informáticos S.A. A Portaria nº 363/2010, de 23 de Junho de 2010, regulamentou o processo de certificação dos programas informáticos de facturação tendo

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO VINHOS DE PORTUGAL (2015)

REGULAMENTO DO CONCURSO VINHOS DE PORTUGAL (2015) REGULAMENTO DO CONCURSO VINHOS DE PORTUGAL (2015) O Concurso Vinhos de Portugal 2015, adiante designado por CVdP, decorrerá no período da manhã dos dias 11 a 15 de Maio de 2015. 1. OBJECTIVOS Os objectivos

Leia mais

TERMINAIS FERROVIÁRIOS DE MERCADORIAS DE LEIXÕES E DA BOBADELA REGULAMENTO DE ACESSO E TARIFA DE UNIDADES DE TRANSPORTE INTERMODAL (UTI)

TERMINAIS FERROVIÁRIOS DE MERCADORIAS DE LEIXÕES E DA BOBADELA REGULAMENTO DE ACESSO E TARIFA DE UNIDADES DE TRANSPORTE INTERMODAL (UTI) TERMINAIS FERROVIÁRIOS DE MERCADORIAS DE LEIXÕES E DA BOBADELA REGULAMENTO DE ACESSO E TARIFA DE UNIDADES DE TRANSPORTE INTERMODAL (UTI) Artigo 1.º Objeto Pelo presente estabelece-se as condições que regem

Leia mais