Este trabalho foi motivado basicamente por três fatores:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Este trabalho foi motivado basicamente por três fatores:"

Transcrição

1 Introdução à ITIL ITIL vem do inglês IT infra-structure library e, como o próprio nome diz, é uma biblioteca ou um conjunto de livros que apresenta melhores práticas para a gestão dos serviços de TI. Esta biblioteca é considerada um padrão e é adotada por inúmeras empresas no Brasil e no mundo. Não é de domínio público, pois foi desenvolvida e é de propriedade do governo britânico, representada pela Office Government Commerce (OGC). É uma biblioteca não prescritiva, o que significa dizer que as recomendações contidas em seus livros não devem ser diretamente aplicadas em sua empresa. Elas devem ser adaptáveis à realidade de cada empresa e que essas recomendações servem de inspiração. Falando um pouco sobre a história da ITIL, na década de 1980, a qualidade dos serviços de TI fornecida ao governo britânico levou a Central Computer and Telecommunications Agency (CCTA), hoje Office of Government Commerce (OGC), a desenvolver melhorias em processos para tornar os recursos de TI mais eficientes e financeiramente eficazes para o governo britânico. Este trabalho foi motivado basicamente por três fatores: insatisfação com o custo e a qualidade dos serviços de TI fornecidos ao governo britânico; dependência crítica do negócio com os serviços de TI; necessidade de interdependência de fornecedores. O foco era desenvolver uma biblioteca independente de fabricante, e isto resultou na biblioteca ITIL. A biblioteca fornece descrição de práticas de TI, com processos cobrindo a maioria das atividades dos serviços de

2 TI. Foi desenvolvida para ser baseada em processos e, ainda, ser flexível para ser adaptada em qualquer organização, independente de seu porte. Conceito: Em resumo, a ITIL é um conjunto de práticas para a definição de processos necessários ao funcionamento de uma área de TI. A biblioteca recomenda como devem ser tratados os principais processos para a gestão dos serviços de TI, promovendo uma abordagem de qualidade dos requisitos de negócio. Com o objetivo de identificar as práticas utilizadas, a equipe do CCTA iniciou os trabalhos, realizando um levantamento junto às empresas que são referência no gerenciamento de serviços. A equipe compilou todo este trabalho em livros e, no final dos anos 1980, publicou a primeira versão, que era composta por 40 livros. Durante a década de 1990, a estrutura da biblioteca e seus processos despertaram interesse de várias empresas de TI, porém o governo britânico decidiu não vender a biblioteca e transferiu o controle para o OGC, substituindo o antigo CCTA. O OGC ficou responsável por desenvolver e manter a biblioteca. O governo britânico não tinha como foco ganhar dinheiro com a ITIL, e também não estava preocupado com a realização de treinamentos e sua divulgação pelo mundo. Desta forma, em 1991 é criada uma comunidade para difundir estas práticas, conhecida com ITSMF, que possui um capítulo no Brasil. A partir de então, a biblioteca começa a ser vista pelo mercado como um padrão e, em 2000, é lançada sua nova versão, chamada de ITIL V2. No ano de 2005, surge no Brasil a ISO , criada com base na BS , para certificação de empresas em gerenciamento dos serviços de TI. A ITIL V2 começa então a ficar desatualizada, motivando o desenvolvimento de uma nova versão.

3 Importante: A implantação dos processos da ITIL é um bom começo para adquirir a certificação ISO Em 2006, muitas empresas no mundo inteiro já adotavam estas práticas e já havia mais de profissionais certificados. Com isso, o OCG criou o projeto ITIL refresh, com o objetivo de revisar as práticas descritas na biblioteca. Foram convidados autores de empresas e universidades para desenvolver esta nova versão, que foi totalmente reescrita. Em maio de 2007, é lançada então a última versão, chamada de ITIL V3. Desde o seu lançamento, a ITIL passou por duas revisões, de onde surgiram a ITIL V2 e ITIL V3. A versão com maior aceitação e mais difundida, até este momento, é a versão 2, formada por um conjunto de sete livros, como pode ser observado na figura a seguir. Segundo o OGC (2006), esses livros ou módulos constituem o corpo da ITIL V2. Veja a seguir um pouco sobre cada um dos livros: Entrega de serviços Neste livro são descritos os serviços necessários ao cliente para suportar os seus negócios e o que é necessário para fornecer estes serviços. Trata dos seguintes assuntos: gerenciamento de níveis de serviço, gerenciamento financeiro para serviços de TI, gerenciamento da capacidade, gerenciamento da continuidade dos serviços de TI e gerenciamento da disponibilidade. Suporte a serviços Neste livro descreve-se como os clientes e os usuários podem ter acesso a serviços adequados para apoiar as atividades de negócio e como se suportam estes serviços. Cobre os seguintes assuntos: central de serviços, gerenciamento de incidentes, problemas, configuração, mudanças e gerenciamento de

4 liberações. Gerenciamento de segurança Neste livro são descritos os aspectos de proteção das informações no que diz respeito à integridade, confidencialidade e disponibilidade. Gerenciamento da infraestrutura Neste livro são abordados os processos da organização e as ferramentas necessárias para se tornar a infraestrutura de TI estável, junto às necessidades de negócio e com um custo aceitável. Os processos incluem o gerenciamento e a administração dos recursos necessários, da equipe, das habilidades e das qualificações exigidas Gerenciamento de aplicações Neste livro descreve-se como gerenciar aplicações a partir das necessidades de negócio, passando por todos os estágios do ciclo de vida de uma aplicação. Perspectiva de negócio Este livro serve como um guia aos gerentes de negócio, para que possam compreender as ofertas de serviços de TI. Aborda a continuidade de negócio, parcerias e terceirização. Planejamento para implementar o gerenciamento de serviços Neste livro são abordados aspectos relacionados ao planejamento, implementação e aperfeiçoamento dos processos de gestão dos serviços de TI em uma organização. Também são focados os aspectos culturais e de mudança organizacional. A versão 2 é considerada desatualizada. É uma questão de tempo para as empresas começarem a aderir à versão 3, que traz uma nova visão: o serviço de TI só agregará valor para o cliente e para o negócio se for acompanhado pelo gerenciamento de serviços de TI ao longo de todo o seu ciclo de vida (BON, 2008). As principais diferenças da ITIL versão 3 em relação à versão 2 são: 1. foco maior no valor para o cliente e o seu negócio;

5 2. maior consistência na estrutura e nos processos; 3. orientação na seleção de ferramentas de apoio; 4. mostrar mais como fazer; 5. foco no valor do serviço para o negócio durante todo o ciclo de vida do serviço; 6. a estrutura foi reduzida para cinco livros; 7. os processos estão organizados de acordo com as fases do ciclo de vida do serviço. ITIL versão 3 Esta nova versão da biblioteca é composta por cinco livros, onde cada um representa uma fase do ciclo de vida do serviço. Estas etapas são: estratégia de serviço; desenho de serviço; transição de serviço; operação de serviço; melhoria de serviço continuada. Fazendo uma analogia com o ciclo de vida do ser humano, a fase de estratégia consiste na concepção, o desenho na gestação, a transição é o nascimento, a operação é a vida e a melhoria continuada representa a maturidade, por fim, o serviço morre na fase de estratégia, completando assim o ciclo de vida.

6 Como você pôde observar na figura acima, o ciclo de vida é formado por cinco fases. A seguir, descreve-se cada uma das fases e nas próximas unidades você estudará em detalhes cada uma delas. É na etapa de estratégia de serviço que o serviço é planejado, as políticas e objetivos do serviço são discutidos e é definido o valor que cada serviço deve entregar ao negócio. Esta etapa é composta pelos seguintes processos: processo de estratégia de serviço, gerenciamento do portfólio do serviço, gerenciamento da demanda e gerenciamento financeiro. Na etapa de desenho de serviço, o serviço é desenhado. Esta etapa preocupa- se particularmente com arquiteturas e padrões. É composta pelos seguintes processos: gerenciamento do nível de serviço, gerenciamento do catálogo de serviço, gerenciamento da disponibilidade, gerenciamento da segurança da informação, gerenciamento de fornecedor, gerenciamento de

7 capacidade e gerenciamento da continuidade do serviço de TI. É na etapa de transição de serviço que o serviço novo ou modificado é enviado para o ambiente de produção. Nesta etapa, a preocupação é com o plano de transição, testes, garantindo que toda a documentação seja atualizada. Esta etapa é composta pelos processos: gerenciamento de mudança, gerenciamento da configuração e ativo de serviço e gerenciamento de liberação e implantação. Na etapa de operação de serviço é que o serviço gera valor de fato ao negócio, trata-se do dia a dia do serviço. É composta pelos processos: gerenciamento de incidentes, gerenciamento de eventos, cumprimento de requisições, gerenciamento de problemas e gerenciamento de acesso. E, por fim, a etapa de melhoria de serviço continuada é onde o serviço é avaliado e são identificadas as formas de melhoria do serviço. Esta etapa corresponde ao processo de melhoria. Referências: BON, Jan von et al. Foundations of IT service management based on ITIL V3. Zaltbommel: Van Haren Publishing, OFFICE OF GOVERNMENT COMMERCE (OGC). Introdução ao ITIL. Norwich: OGC, RHINO, Consulting. Treinamento para certificação em fundamentos ITIL. Porto Alegre: Rhino, Autor: Rodrigo Santana

Este trabalho foi motivado basicamente por três fatores:

Este trabalho foi motivado basicamente por três fatores: Introdução à ITIL ITIL vem do inglês IT infra-structure library e, como o próprio nome diz, é uma biblioteca ou um conjunto de livros que apresenta melhores práticas para a gestão dos serviços de TI. Esta

Leia mais

Qualidade de Software Normatização

Qualidade de Software Normatização Qualidade de Software Normatização Norma ISO/IEC 12207 processo do ciclo de vida de software Norma criada em 1995 com o objetivo de fornecer uma estrutura comum para adquirente, fornecedor, desenvolvedor,

Leia mais

O que é? Prof. Ms. Ricardo J Marques

O que é? Prof. Ms. Ricardo J Marques 1 O que é? O CobiT auxilia as organizações a ter uma Governança de TI mais controlada. Pode dizer-se que se posiciona a um nível superior ao da Gestão de Serviços de TI (ITIL) e da própria norma de Serviços

Leia mais

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer Qualidade de Produto Maria Cláudia F. P. Emer Introdução Qualidade diretamente ligada ao produto final Controle de qualidade Adequação do produto nas fases finais no processo de produção Software Atividades

Leia mais

Introdução. Qualidade de Produto. Introdução. Introdução ISO/IEC 9126. Normas

Introdução. Qualidade de Produto. Introdução. Introdução ISO/IEC 9126. Normas Qualidade de Produto Maria Cláudia F.P. Emer Introdução z Qualidade diretamente ligada ao produto final z Controle de qualidade Adequação do produto nas fases finais no processo de produção z Software

Leia mais

SIMULADO A - COBIT 5 PORTUGUES

SIMULADO A - COBIT 5 PORTUGUES SIMULADO A - COBIT 5 PORTUGUES 1. Que atributo está associado a um processo já estabelecido? a. Definição do Processo b. Medida do Processo c. Otimização do Processo d. Gerenciamento de Desempenho 2. Que

Leia mais

LINHAS MESTRAS; FASES; DISCIPLINAS; PRINCÍPIOS E MELHORES PRÁTICAS.

LINHAS MESTRAS; FASES; DISCIPLINAS; PRINCÍPIOS E MELHORES PRÁTICAS. INTRODUÇÃO O processo de engenharia de software define quem faz o quê, quando e como para atingir um determinado objetivo. Neste trabalho, iremos dissertar sobre o Rational Unified Process, ou RUP, que

Leia mais

A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PORTFÓLIO COMO INDUTORA DO FORTALECIMENTO DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UMA EMPRESA DE SAÚDE SUPLEMENTAR.

A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PORTFÓLIO COMO INDUTORA DO FORTALECIMENTO DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UMA EMPRESA DE SAÚDE SUPLEMENTAR. A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PORTFÓLIO COMO INDUTORA DO FORTALECIMENTO DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UMA EMPRESA DE SAÚDE SUPLEMENTAR Francisco Tavares Contexto Fonte: relatório de Sustentabilidade 2015 Execução

Leia mais

Metodologias de alinhamento PETI. Prof. Marlon Marcon

Metodologias de alinhamento PETI. Prof. Marlon Marcon Metodologias de alinhamento PETI Prof. Marlon Marcon Introdução O Alinhamento Estratégico tem por objetivo: alinhar os recursos organizacionais com as ameaças e as oportunidades do ambiente; Obter melhoria

Leia mais

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do 5. PROCEDIMENTOS 5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do Manual Brasileiro de Acreditação das

Leia mais

Tecnisa: dados confiáveis para planejamento efetivo com SAP Business Planning & Consolidation

Tecnisa: dados confiáveis para planejamento efetivo com SAP Business Planning & Consolidation SAP Customer Success Story Construção Civil Tecnisa S/A Tecnisa: dados confiáveis para planejamento efetivo com SAP Business Planning & Consolidation Geral Executiva Nome da Tecnisa S/A Indústria Construção

Leia mais

ASSESSORIA, CONSULTORIA E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA O UP DA START-UP

ASSESSORIA, CONSULTORIA E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA O UP DA START-UP ASSESSORIA, CONSULTORIA E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA O UP DA START-UP Temas Introdução a Inovação O que é Inovação? Quais os tipos de Inovação? Por que Inovar? Como Inovar? O ciclo

Leia mais

TREINAMENTO PARA OS COLABORADORES DA ÁREA DE TI RESPONSÁVEIS PELO DESENVOLVIMENTO DO SERVIDOR WEB

TREINAMENTO PARA OS COLABORADORES DA ÁREA DE TI RESPONSÁVEIS PELO DESENVOLVIMENTO DO SERVIDOR WEB TREINAMENTO PARA OS COLABORADORES DA ÁREA DE TI RESPONSÁVEIS PELO DESENVOLVIMENTO DO SERVIDOR WEB 1. Levantamento de Necessidades: Objetivos gerais: Desenvolvimento de um treinamento voltado para a implementação

Leia mais

Atividades coordenadas para direcionar e controlar uma organização no que se refere a riscos.

Atividades coordenadas para direcionar e controlar uma organização no que se refere a riscos. Gestão de Riscos Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas Faculdade Taboão da Serra Atividades coordenadas para direcionar e controlar uma organização no que se refere a riscos. ABNT

Leia mais

Gerenciamento de projetos (Project Management).

Gerenciamento de projetos (Project Management). Gerenciamento de projetos (Project Management). A gestão de projetos é uma das áreas fundamentais de qualquer departamento de sistemas de informação, estando hoje em dia amplamente difundido dentro das

Leia mais

Abc BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Abc BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Abc BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ÚLTIMA REVISÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração Gestão de Risco Operacional Pág. 1 de 8 ÍNDICE

Leia mais

Rhino Get Contact. Página 1. Excelência de TI pela Gestão de Serviços. Excelência de serviços de TI.

Rhino Get Contact.  Página 1. Excelência de TI pela Gestão de Serviços. Excelência de serviços de TI. 1 de 21 Excelência de TI pela Gestão de Serviços Rhino Excelência Get Essentials! de serviços de TI Versão 2 de 21 230 3.2 www.rhinoconsulting.com.br Página 1 Apresentações Pier Roberto Riboni Tecnólogo

Leia mais

O USO DO ITIL PARA GOVERNANÇA DE TI Resumo

O USO DO ITIL PARA GOVERNANÇA DE TI Resumo 1ºCONTECSI Congresso Internacional de Gestão de Tecnologia e Sistemas de Informação 21-23 de Junho de 2004 USP/São Paulo/SP - Brasil O USO DO ITIL PARA GOVERNANÇA DE TI Resumo Wagner Okida Vieira MBA TI

Leia mais

GESTÃO POR PROCESSOS. Formação de Facilitadores para Melhoria de Processos

GESTÃO POR PROCESSOS. Formação de Facilitadores para Melhoria de Processos GESTÃO POR PROCESSOS Formação de Facilitadores para Melhoria de Processos GESTÃO POR PROCESSOS GRUPO GEPRO: Adauto - AUDINT Eneida - HC Gláucia - PRDU Jane - PRDU Maria Bernadete - HC Maria do Rosário

Leia mais

Escola Superior de Redes

Escola Superior de Redes Escola Superior de Redes Por que uma Escola Superior de Redes? Capacitação em TIC é um dos objetivos do Programa Prioritário de Informática do MCT/SEPIN (PPI RNP). A ESR é um novo instrumento na realização

Leia mais

Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação de Sistemas de Gestão da Segurança de Informação

Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação de Sistemas de Gestão da Segurança de Informação Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação de Sistemas de Gestão da Segurança de Informação Sub-título da Apresentação Data Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação

Leia mais

Gerenciamento da Comunicação 1

Gerenciamento da Comunicação 1 O que é um projeto? Gestão Projetos TI (PMBOK) Prof. Paulo Alberto Um projeto é um empreendimento temporário com o objetivo criar um produto ou serviço único. Esse empreendimento tem metas estabelecidas

Leia mais

Jornada do CFO 2015 A caminho da transparência

Jornada do CFO 2015 A caminho da transparência Jornada do CFO 2015 A caminho da transparência Camila Araújo, sócia de Gestão de Riscos Empresariais e responsável do Centro de Governança Corporativa da Deloitte A pauta da ética e da transparência nunca

Leia mais

Manutenção total aplicada em ferramentarias

Manutenção total aplicada em ferramentarias Manutenção total aplicada em ferramentarias Por: Sérgio Borcato Roberto Mariotti A medição da eficiência dos equipamentos de manufatura vem se tornando essencial para a resolução de problemas e para melhoria

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Gerencial em Gestão de Projetos Instituto Brasileiro do Algodão - IBA

Programa de Desenvolvimento Gerencial em Gestão de Projetos Instituto Brasileiro do Algodão - IBA Programa de Desenvolvimento Gerencial em Gestão de Projetos Instituto Brasileiro do Algodão - IBA Proposta Ibmec Programa de Desenvolvimento Gerencial em Gestão de Projetos Módulo Planejamento e Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento e Administração de Redes

Gerenciamento e Administração de Redes Gerenciamento e Administração de Redes ITIL 1 O que é ITIL? Information Technology Infrastructure Library (ITIL) é uma biblioteca de boas práticas (do inglês best practices), de domínio público, desenvolvida

Leia mais

POLÍTICA DE COMPLIANCE

POLÍTICA DE COMPLIANCE Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 DEFINIÇÕES... 4 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PAINÉIS DE CONTRIBUIÇÃO

CERTIFICAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PAINÉIS DE CONTRIBUIÇÃO CERTIFICAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PAINÉIS DE CONTRIBUIÇÃO Certificações O MPF passa por um processo de certificação de qualidade em suas várias instâncias. A certificação pode ser: Por exemplo, Certificação

Leia mais

NBR ISO9001 versão 2008 Conheça as mudanças propostas. Breve Histórico. Dificuldades enfrentadas com a ISO 9001:1994:

NBR ISO9001 versão 2008 Conheça as mudanças propostas. Breve Histórico. Dificuldades enfrentadas com a ISO 9001:1994: As mudan udanças da NBR ISO9001 / 2008 Referenciado em: 1 Breve Histórico Dificuldades enfrentadas com a ISO 9001:1994: Sistema de Garantia da Qualidade; Visão departamentalizada e a abordagem por requisito

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas

Título do Slide Máximo de 2 linhas Título do Slide Máximo de 2 linhas 13ª Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos Gestão de Projetos de Tecnologia da Ecorodovias Afranio Lamy Spolador Junior, Set, 17, 2013 Título Agenda do

Leia mais

Desenvolvimento Organizacional

Desenvolvimento Organizacional Desenvolvimento Organizacional O desenvolvimento Organizacional nasceu na década de 1960 devido as mudanças no mundo das organizações e em função das estruturas convencionais serem inadequadas a essas

Leia mais

Modelagem de processos e gestão da qualidade da fundação uniselva. Prof. Dr. Cristiano Maciel Diretor

Modelagem de processos e gestão da qualidade da fundação uniselva. Prof. Dr. Cristiano Maciel Diretor Modelagem de processos e gestão da qualidade da fundação uniselva Prof. Dr. Cristiano Maciel Diretor Fundação UNISELVA Missão: Apoiar as atividades de pesquisa, ensino, extensão, trinômio de sustentação

Leia mais

Seguindo a análise de pensamento Estratégico, o gerenciamento de projetos

Seguindo a análise de pensamento Estratégico, o gerenciamento de projetos FUNDAMENTOS DA GESTÃO DE PROJETOS Mauro Lúcio Batista Cazarotti Aluno do Curso de Gerenciamentos de Projetos - FIJ/Rio de Janeiro é: Seguindo a análise de pensamento Estratégico, o gerenciamento de projetos

Leia mais

Modernização da Gestão 22-Apr-2013

Modernização da Gestão 22-Apr-2013 Modernização da Gestão 22-Apr-2013 Acesso à Informação As informações atualizadas relativas à política, organização e atividades exercidas pelos Órgãos e Entidades da Administração Direta e Indireta do

Leia mais

Processo gerenciamento financeiro

Processo gerenciamento financeiro Processo gerenciamento financeiro As áreas de TI começam a dirigir as suas atividades sob a orientação do negócio. Desta mesma forma, o gerenciamento dos ativos de TI precisa estar alinhado a este enfoque.

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - MÓDULO V - GOIÂNIA - JUNHO 2016 ELABORAÇÃO Coordenadores do Projeto: Admo Danilo Camargo Da Silva Eudes

Leia mais

1.1. Definição do Problema

1.1. Definição do Problema 13 1 Introdução Uma das principais preocupações de área de engenharia de software diz respeito à reutilização [1]. Isso porque a reutilização no contexto de desenvolvimetno de software pode contribuir

Leia mais

Gerenciamento da Comunicação 1

Gerenciamento da Comunicação 1 O que é um projeto? Gestão Projetos TI (PMBOK) Prof. Raquel Silveira Um projeto é um empreendimento temporário com o objetivo criar um produto ou serviço único. Esse empreendimento tem metas estabelecidas

Leia mais

Denis Alcides Rezende Educação e Consultoria em Informação e Estratégia - 55 (41) 9974.1168-9D Consultoria

Denis Alcides Rezende Educação e Consultoria em Informação e Estratégia  - 55 (41) 9974.1168-9D Consultoria Denis Alcides Rezende Educação e Consultoria em Informação e Estratégia www.denisalcidesrezende.com.br - 55 (41) 9974.1168-9D Consultoria Funções Organizacionais Privadas ou Públicas As macroatividades

Leia mais

e ao Introdução ao BPM Guia BPM CBOK Instrutor: Eduardo Oliveira Slide XII Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas

e ao Introdução ao BPM Guia BPM CBOK Instrutor: Eduardo Oliveira Slide XII Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas Introdução ao BPM e ao Guia BPM CBOK Instrutor: Eduardo Oliveira 1. Conceitos básicos 1.1. Processos É um fluxo coordenado e padronizado de atividades executadas por pessoas ou máquinas, as quais podem

Leia mais

Curso de Microsoft Project 2016

Curso de Microsoft Project 2016 Curso de Microsoft Project 2016 Lucas Furlan Enteléquia Gerenciamento de Projetos via PMBOK Fundamentos do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos na prática Preparatório para Certificação

Leia mais

Rede Local - Administração Políticas de Backup, Redundância e Fiabilidade

Rede Local - Administração Políticas de Backup, Redundância e Fiabilidade Rede Local - Administração Políticas de Backup, Redundância e Fiabilidade Formador: Miguel Neto (migasn@gmail.com) Covilhã - Novembro 11, 2015 Segurança da Informação A informação é a alma da negócio,

Leia mais

Requisitos legais. Para obter mais informações, consulte o documento Homologação de tipo.

Requisitos legais. Para obter mais informações, consulte o documento Homologação de tipo. Informação geral sobre leis e regulamentos Informação geral sobre leis e regulamentos Todos os países possuem requisitos legais para veículos conduzidos em vias públicas. Na União Europeia, eles são regidos

Leia mais

Documento de Processo

Documento de Processo Documento de Processo versão 1.0 Desenvolvimento do Sistema de Gestão de Documentos Doc Manager Cliente: São José Agroindustrial Representante do cliente: Paulo José de Souza 2 Histórico de Alterações

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Ciclo de vida e organização do projeto

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Ciclo de vida e organização do projeto Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública Ciclo de vida e organização do projeto Áreas de especialização Ciclo de vida e organização do projeto Os projetos e o gerenciamento de projetos são executados

Leia mais

COBIT: Um kit de ferramentas para a excelência de TI

COBIT: Um kit de ferramentas para a excelência de TI COBIT: Um kit de ferramentas para a excelência de TI Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas de informações (TI), para manipular os dados operacionais e prover informações

Leia mais

Interpretações de Qualidade de Software. Interpretações de Qualidade de Software. Aspectos Importantes das Definições de Qualidade

Interpretações de Qualidade de Software. Interpretações de Qualidade de Software. Aspectos Importantes das Definições de Qualidade terpretações de de é um termo que pode ter diferentes interpretações e para se estudar a qualidade de software de maneira efetiva é necessário, inicialmente, obter um consenso em relação à definição de

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Princípios de Sistemas de Informação São Paulo, 13 de Abril de 2011 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Apresentação do Aplicação

Leia mais

PROGRAMA da Certificação Internacional em Integração Sensorial

PROGRAMA da Certificação Internacional em Integração Sensorial PROGRAMA da Certificação Internacional em Integração Sensorial A University of Southern California Divisão de Ciência Ocupacional e Terapia Ocupacional, juntamente com a Western Psychological Services

Leia mais

BABok 2.0, O Guia de Referência de Análise de Negócio

BABok 2.0, O Guia de Referência de Análise de Negócio Primeiro Módulo: Parte 2 BABok 2.0, O Guia de Referência de Análise de Negócio AN V 3.0 [60] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com

Leia mais

Categorização, Priorização e Balanceamento de Portfólio

Categorização, Priorização e Balanceamento de Portfólio , e de Gustavo Teixeira Silva 1 Palestrante Gustavo Teixeira é especialista em gerenciamento de projetos, certificado pelo PMI em 21 como Project Management Professional (PMP), Scrum Master e ITIL. Foi

Leia mais

A itsmf no mundo. www.itsmf.org. Única organização independente e reconhecida internacionalmente dedicada à Gestão de Serviços de TI

A itsmf no mundo. www.itsmf.org. Única organização independente e reconhecida internacionalmente dedicada à Gestão de Serviços de TI A itsmf no mundo Única organização independente e reconhecida internacionalmente dedicada à Gestão de Serviços de TI Sem fins lucrativos Representada em mais de 40 países, nos 5 continentes www.itsmf.org

Leia mais

Avaliação do Processo de Medição em Gerência de Incidentes e Gerência de Continuidade e Disponibilidade à Luz do MR-MPS-SV

Avaliação do Processo de Medição em Gerência de Incidentes e Gerência de Continuidade e Disponibilidade à Luz do MR-MPS-SV 1 Avaliação do Processo de Medição em Gerência de Incidentes e Gerência de Continuidade e Disponibilidade à Luz do MR-MPS-SV Bianca Trinkenreich bianca.trinkenreich@uniriotec.br Gleison Santos gleison.santos@uniriotec.br

Leia mais

Notas de Orientação da Corporação Financeira Internacional: Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental

Notas de Orientação da Corporação Financeira Internacional: Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental Notas de da Corporação Financeira Internacional: Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental SUMÁRIO Introdução às Notas de i Atualizações das Notas de de 2007 Modificar Matriz ii Nota

Leia mais

Gestão de desempenho com base em competências

Gestão de desempenho com base em competências Gestão de desempenho com base em competências Working Paper EXECUTIVE 2 de abril de 2008 Sergio Ricardo Goes Oliveira Gestão de desempenho com base em competências Working Paper Objetivo Este documento

Leia mais

Pós-graduação Lean Operations Management. Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT

Pós-graduação Lean Operations Management. Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT A Learning Factory tem actualmente como parceiros: 1. Plano curricular (módulos e carga horária) Formação Inicial (4 módulos) Learning Factory Workshop Estágio

Leia mais

Sistemas de Informação para Bibliotecas

Sistemas de Informação para Bibliotecas Sistemas de Informação para Bibliotecas Notas de Apoio ao Tópico 1 Henrique S. Mamede 1 Antes de mais nada: O QUE É MESMO INFORMAÇÃO?? Dados Informação Conhecimento Sabedoria 2 Dados São tipicamente voltados

Leia mais

O Diferencial Competitivo Empresarial através do Analista de Negócios & da Informação. Alexandra Hütner M.Sc. Engineer

O Diferencial Competitivo Empresarial através do Analista de Negócios & da Informação. Alexandra Hütner M.Sc. Engineer O Diferencial Competitivo Empresarial através do Analista de Negócios & da Informação Alexandra Hütner M.Sc. Engineer 1 O QUE REALMENTE MUDOU??? 2 O Que Realmente MUDOU??? 3 1958 O Que Realmente MUDOU???

Leia mais

Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos

Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos O presente documento tem como objetivo apresentar as diretrizes e orientar no preenchimento do formulário de inscrição

Leia mais

Universidade de São Paulo USP/RP. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto FEA-RP

Universidade de São Paulo USP/RP. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto FEA-RP Universidade de São Paulo USP/RP Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto FEA-RP Programa de Pós Graduação em Administração de Organizações Didática Curso de Inovação Docentes:Elisa

Leia mais

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Arquitetura de Sistemas

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Arquitetura de Sistemas Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Arquitetura de Sistemas Projeto de Modernização Fiscal do Tocantins (PMF/TO) Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

14/2/2011 GESTÃO POR PROCESSOS: INTRODUÇÃO MODELO FNQ DE EXCELÊNCIA NA GESTÃO (MEG) Antes de falarmos em processos, algumas perguntas:

14/2/2011 GESTÃO POR PROCESSOS: INTRODUÇÃO MODELO FNQ DE EXCELÊNCIA NA GESTÃO (MEG) Antes de falarmos em processos, algumas perguntas: GESTÃO POR PROCESSOS: INTRODUÇÃO Prof. Ms. Marco A. Arbex Antes de falarmos em processos, algumas perguntas: Todas as empresas têm um modelo de gestão? A sua empresa tem um modelo de gestão? Você conhece?

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC. Aluno: REGINALDO VEZARO ANÁLISE DO AMBIENTE INTERNO E EXTERNO

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC. Aluno: REGINALDO VEZARO ANÁLISE DO AMBIENTE INTERNO E EXTERNO UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Aluno: REGINALDO VEZARO ANÁLISE DO AMBIENTE INTERNO E EXTERNO CAÇADOR 2007 INTRODUÇÃO Se a principal preocupação da administração estratégica está na tentativa de projetar

Leia mais

Banco de Dados para Redes. Cassio Diego cassiodiego.com

Banco de Dados para Redes. Cassio Diego cassiodiego.com Banco de Dados para Redes Cassio Diego cassiodiego.com 1 Agenda 03/11 - Unidade 4 + Exercícios; 10/11 - Unidade 5 + Exercícios; 17/11 - Revisão; 24/11 - AV2; 01/12 - AV3. 2 Aula de hoje UNIDADE 4: ARQUITETURA

Leia mais

Título : B1 INTRODUÇÃO. Conteúdo : INTRODUÇÃO

Título : B1 INTRODUÇÃO. Conteúdo : INTRODUÇÃO Título : B1 INTRODUÇÃO Conteúdo : INTRODUÇÃO O termo documentação tornou se um conceito básico nos negócios, na administração, na ciência e na tecnologia da informação. A modelagem nada mais é que uma

Leia mais

Riscos Cibernéticos nos Sistemas e Equipamentos de Usinas de Geração de Energia. Alan Denis Bronaut Fernando Santos Varela

Riscos Cibernéticos nos Sistemas e Equipamentos de Usinas de Geração de Energia. Alan Denis Bronaut Fernando Santos Varela Riscos Cibernéticos nos Sistemas e Equipamentos de Usinas de Geração de Energia Alan Denis Bronaut Fernando Santos Varela Nesta apresentação veremos... Evolução do Sistemas de controle industriais. A tendência

Leia mais

Unidade II Atividades em PDS: Testes. Unidade III Suporte e Manutenção. Processo Desenvolvimento Software

Unidade II Atividades em PDS: Testes. Unidade III Suporte e Manutenção. Processo Desenvolvimento Software Unidade II Atividades em PDS: Testes Unidade III Suporte e Manutenção Atividades Básicas em um PDS Definição / Especificação: (o quê?) Análise econômica Análise de requisitos Especificação de requisitos

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas

Título do Slide Máximo de 2 linhas Título do Slide 13ª Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos Perfil das funções dos escritórios de projetos em empresas desenvolvedoras de novos produtos Sanderson César M. Barbalho Setembro,

Leia mais

NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAR ALTERAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO

NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAR ALTERAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAR ALTERAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO Referência: NT-AI.04.03.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.04.03.01.pdf Data: 31/07/2000 STATUS: EM VIGOR A Assessoria

Leia mais

(baseado nas sugestões do IATF)

(baseado nas sugestões do IATF) Polvo e Tartarugas Método de mapeamento de processos (identificação e determinação da seqüência e interação dos processos) (baseado nas sugestões do IATF) Princípios de Gestão da Qualidade Um dos oito

Leia mais

Regulamento paraa Certificação do Sistema de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional

Regulamento paraa Certificação do Sistema de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional Regulamento paraa Certificação do Sistema de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional Em vigor a partir de 01 de abril 2012 RINA Via Corsica, 12 16128 Genova - Itália Tel. +39 01053851 Fax: +39 0105351000

Leia mais

ISO 14001 - Sistemas de Gestão Ambiental. Sumário

ISO 14001 - Sistemas de Gestão Ambiental. Sumário Sumário Processo de Normalização Histórico da Revisão Sistema de Gestão Ambiental NBR ISO 14001: 2015 - Principais Alterações - Como se preparar para as mudanças? Whitepaper Processo de Normalização Processo

Leia mais

DOCUMENTO DE OFICIALIZAÇÃO DE DEMANDA

DOCUMENTO DE OFICIALIZAÇÃO DE DEMANDA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS DOCUMENTO DE OFICIALIZAÇÃO DE DEMANDA 1 - Demandante(s) 1.1 - Área(s) demandante(s) Marcelo Aparecido Moreno Coordenação-Geral

Leia mais

ABNT NBR 16001:2012 Sistema de gestão em responsabilidade social

ABNT NBR 16001:2012 Sistema de gestão em responsabilidade social ABNT NBR 16001:2012 Sistema de gestão em responsabilidade social III Seminário sobre o Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social José Salvador da Silva Filho Curso de Auditor Líder

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO TESTEMUNHO DE IMPLEMENTAÇÂO DA NORMA ISO/IEC 27001 12 DE MARÇO DE 2014

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO TESTEMUNHO DE IMPLEMENTAÇÂO DA NORMA ISO/IEC 27001 12 DE MARÇO DE 2014 SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO TESTEMUNHO DE IMPLEMENTAÇÂO DA NORMA ISO/IEC 27001 12 DE MARÇO DE 2014 A DIR. REG. DO EMPREGO E QUAL. PROF. MISSÃO DA DREQP APLICAR POLÍTICAS DE EMPREGO NA

Leia mais

Sistemas de Informação e Desempenho Portuário Brasília - DF

Sistemas de Informação e Desempenho Portuário Brasília - DF Sistemas de Informação e Desempenho Portuário Brasília - DF Rodolfo Monteiro Aquarela: PAULO MARTORELLI SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR AGOSTO-2015 AGENDA Sistemas de Informação

Leia mais

Processo de gerenciamento do catálogo de serviço

Processo de gerenciamento do catálogo de serviço Processo de gerenciamento do catálogo de serviço O provedor de serviço tem o catálogo de serviços como o repositório central de informações sobre os serviços de TI entregues. É nele que as áreas de negócio

Leia mais

PROVAS DISCURSIVAS P 3 (questões) e P 4 (parecer) RASCUNHO QUESTÃO 1

PROVAS DISCURSIVAS P 3 (questões) e P 4 (parecer) RASCUNHO QUESTÃO 1 PROVAS DISCURSIVAS P (questões) e P (parecer) Nestas provas, faça o que se pede, usando, caso deseje, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o CADERNO

Leia mais

PROVA DISCURSIVA. CESPE CEBRASPE TRT8 Aplicação: 2016

PROVA DISCURSIVA. CESPE CEBRASPE TRT8 Aplicação: 2016 PROVA DISCURSIVA CESPE CEBRASPE TRT8 Aplicação: 2016 Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso deseje, o espaço para rascunho indicado no presente caderno. Em seguida, transcreva o texto para a FOLHA

Leia mais

Projeto Integrador Gestão em TI II Gestão em Pessoas. Organograma DIRETOR DEPARTAMENTO DE T.I ANALISTA TÉCNICO

Projeto Integrador Gestão em TI II Gestão em Pessoas. Organograma DIRETOR DEPARTAMENTO DE T.I ANALISTA TÉCNICO Projeto Integrador Gestão em TI II Gestão em Pessoas Organograma - Gráfico da estrutura hierárquica de uma organização social complexa, que representa simultaneamente os diferentes elementos do grupo e

Leia mais

RESUMO DE MUDANÇAS ENTRE ISO 9001:2008 & ISO 9001:2015. A Norma agora possui texto e terminologia comum usada em várias normas de sistemas de gestão.

RESUMO DE MUDANÇAS ENTRE ISO 9001:2008 & ISO 9001:2015. A Norma agora possui texto e terminologia comum usada em várias normas de sistemas de gestão. RESUMO DE MUDANÇAS ENTRE ISO 9001:2008 & ISO 9001:2015 A Norma agora possui texto e terminologia comum usada em várias normas de sistemas de gestão. O produto agora passa a ser bens e serviços Remoção

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DATA CENTER VIRTUAL

DESCRIÇÃO TÉCNICA DATA CENTER VIRTUAL Arquitetura de rede Compare as arquiteturas: Data Center Virtual Híbrido Internet Detalhes: - Conexão Internet; - Transferência Outbound de 50GB p/ mês; - Integração com ambientes externos; - Máx. de 1

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS - INPE

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS - INPE INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS - INPE Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia Espaciais - ETE Lições Aprendidas Organização das lições aprendidas a partir do desastre do Japão Dinah Leite Simone

Leia mais

Apresentação da disciplina

Apresentação da disciplina FEUP MIEIG & MIEM Ano letivo 2013/14 Disciplina: Gestão da Qualidade Total Apresentação da disciplina (v1 em 2 de setembro) José A. Faria, jfaria@fe.up.pt Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto,

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Faculdade AIEC, mantida pela Associação Internacional de Educação Continuada AIEC, iniciou, em 2002, o curso de Bacharelado em Administração, na metodologia semipresencial. Foi pioneira e até hoje é

Leia mais

Gestão de Processos: Ciclo PDCA. Profa. Reane Franco Goulart

Gestão de Processos: Ciclo PDCA. Profa. Reane Franco Goulart Gestão de Processos: Ciclo PDCA Profa. Reane Franco Goulart O que é PDCA? É uma ferramenta da qualidade utilizada no controle do processo para a solução de problemas. É também chamado de Roda de Deming

Leia mais

Apoio aos profissionais brasileiros da qualidade para melhorar e aumentar eficiência e produtividade. Maximização dos esforços de melhoria contínua.

Apoio aos profissionais brasileiros da qualidade para melhorar e aumentar eficiência e produtividade. Maximização dos esforços de melhoria contínua. Apoio aos profissionais brasileiros da qualidade para melhorar e aumentar eficiência e produtividade. Maximização dos esforços de melhoria contínua. Baseado em Corpo de Conhecimentos específicos mundialmente

Leia mais

Gestão Estratégica da Qualidade

Gestão Estratégica da Qualidade UNIVERSIDADE DE SOROCABA Curso Gestão da Qualidade Gestão Estratégica da Qualidade Professora: Esp. Débora Ferreira de Oliveira Aula 1 09/08 Formação Acadêmica Tecnóloga em Mecânica - FATEC-Sorocaba; Pós-graduada/MBA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ARQUITETURA EM CAMADAS BASEADA NO MODEL VIEW CONTROLLER, EM APLICAÇÕES WEB

UTILIZAÇÃO DE ARQUITETURA EM CAMADAS BASEADA NO MODEL VIEW CONTROLLER, EM APLICAÇÕES WEB UTILIZAÇÃO DE ARQUITETURA EM CAMADAS BASEADA NO MODEL VIEW CONTROLLER, EM APLICAÇÕES WEB Viviani Priscila Piloni VILHEGAS 1 RESUMO: Este trabalho procura mostrar a importância da utilização de um modelo

Leia mais

Uma abordagem de gerência de configuração em ambiente de TI com as melhores práticas em I.T.I.L

Uma abordagem de gerência de configuração em ambiente de TI com as melhores práticas em I.T.I.L Uma abordagem de gerência de configuração em ambiente de TI com as melhores práticas em I.T.I.L MARCELO CLÁUDIO DANTAS SALLES RIBEIRO JUNIOR MARIA DE JESUS RODRIGUES DA SILVA OBJETIVO Avaliar processos

Leia mais

Gerencia de Projeto. Andreza Leite andreza.lba@gmail.com

Gerencia de Projeto. Andreza Leite andreza.lba@gmail.com Gerencia de Projeto Andreza Leite andreza.lba@gmail.com Vamos continuar a gestão de projeto Agenda Estrutura Organizacional Equipe de projeto Gerente Gerenciamento de múltiplos projetos e PMO Estrutura

Leia mais

Auditoria de Sistemas de Gestão de Segurança da Informação

Auditoria de Sistemas de Gestão de Segurança da Informação Auditoria de Sistemas de Gestão de Segurança da Informação Antes de verificar o escopo da auditoria de Sistema de Gestão de Segurança da Informação (SGSI), é necessário compreender a sua abrangência. A

Leia mais

APÊNDICE II PROGRAMA DE FORMAÇÃO E TREINAMENTO

APÊNDICE II PROGRAMA DE FORMAÇÃO E TREINAMENTO APÊNDICE II PROGRAMA DE FORMAÇÃO E TREINAMENTO Página 1 de 9 1. INTRODUÇÃO A CONCESSIONÁRIA deverá conceber e aplicar programa de capacitação e treinamento dos profissionais envolvidos na Operação UAI

Leia mais

DET NORSKE VERITAS. Paulo Franchi (Auditor Líder) 10 de dezembro de 2009.

DET NORSKE VERITAS. Paulo Franchi (Auditor Líder) 10 de dezembro de 2009. DET NORSKE VERITAS Paulo Franchi (Auditor Líder) 10 de dezembro de 2009. franchidnv@yahoo.com.br iso-quality@uol.com.br (48) 8412 10 64 Nosso objetivo: Salvaguardar a vida, a propriedade e o meio ambiente

Leia mais

AUTOMAÇÃO COMERCIAL UNIDADE VI

AUTOMAÇÃO COMERCIAL UNIDADE VI AUTOMAÇÃO COMERCIAL UNIDADE VI Automação Comercial e as Aplicações Ligadas ao ERP Os Sistemas de Enterprise Resource Planing ERP ERP (Enterprise Resource Planning, planeamento de Recursos Empresariais)

Leia mais

Trata-se do processo de gestão, organização e orientação da equipe do projeto;

Trata-se do processo de gestão, organização e orientação da equipe do projeto; Aula 19 1 2 Trata-se do processo de gestão, organização e orientação da equipe do projeto; A equipe do projeto refere-se às pessoas com papéis e responsabilidades para completar o projeto; É importante

Leia mais

GEPE MAT - Modelo de Monitorização e Reporte do MAT Breakfast com GEPEs

GEPE MAT - Modelo de Monitorização e Reporte do MAT Breakfast com GEPEs REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO DO TERRITÓRIO Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística GEPE MAT - Modelo de Monitorização e Reporte do MAT Breakfast com GEPEs Dr. Nazário Vilhena,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DIVIDENDOS 06.916.384/0001-73. Informações referentes a Julho de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DIVIDENDOS 06.916.384/0001-73. Informações referentes a Julho de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DIVIDENDOS 06.916.384/0001-73 Informações referentes a Julho de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) Procedimento CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS PR.01 Página 1 de 3 14001: 4.4.5, 4.5.4 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para o processo de elaboração,

Leia mais