Ações Preparatórias. Seja bem-vindo à Rede de Parceiros Multiplicadores do Programa Jovens Urbanos.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ações Preparatórias. Seja bem-vindo à Rede de Parceiros Multiplicadores do Programa Jovens Urbanos."

Transcrição

1

2 Introdução 1. Constituição da Equipe de Gerenciamento do Programa Jovens Urbanos 2. Formação Inicial para a Equipe de Gerenciamentodo Programa Jovens Urbanos 3. Estrutura da Equipe de Gerenciamento 4. Análise do Contexto 4.1. Avaliar Oportunidades de Exploração, Experimentação e Produção 5. Prospecção e Escolha de Territórios de Atuação 5.1. Relatório de Justificativa para Definição do Território de Intervenção 6. Definição das ONGs Executoras 7. Seleção do Coordenador 8. Seleção de Educadores 8.1. Triagem de Currículos 8.2. Dinâmica/Capacitação Seletiva 8.3. Seleção Final 9. Formação Inicial de Coordenadores e Educadores 10. Divulgação do Programa Jovens Urbanos para Jovens Materiais de Divulgação Divulgação Em Salas de Aula Em Pontos de Encontros de Jovens 11. Seleção dos Jovens Realização do Evento Orientações para a ONG Ficha de Inscrição Seleção Final 12. Seleção de Assessores Tecnológicos Apresentação do Programa Avaliação dos Planos de Trabalho Recebidos Apresentação para os Jovens Contratação 13. Constituição da Rede de Apoio e Parcerias na Cidade Princípios da Política de Parceirização do Programa Jovens Urbanos Parcerias 14. Planejamento dos Temas e Encontros 15. Anexo 1 Modelo de Contrato de Prestação de Serviços Assessor Tecnológico 16. Anexo 2 Termo de Referência/Proposta para Contratação de Assessores Tecnológicos 17. Anexo 3 Ficha Cadastral Assessoria Tecnológica Introdução 1. Formação dos Jovens 2. Encontros de Formação de Profissionais 3. Encontros Gerais 4. Encontros Públicos 5. Criação dos Blogs das ONGs 6. Acompanhamento das Assessorias Tecnológicas 7. Acompanhamento dos Projetos de Intervenção 8. Prestação de Contas pelas ONGs Introdução 1. Monitoramento Programa Jovens Urbanos Indicadores das ONGs 2. Gestão do Conselho de Acompanhamento 3. Gestão dos Parceiros Tecnológicos 4. Gestão dos Assessores Tecnológicos 5. Gestão do Comitê Executivo 6. Constituição do Conselho Local e Ações de Irradiação 7. Avaliação do Programa 8. Repasse de Recursos para ONGs 9. Controle de Uso dos Recursos Repassados 10. Prestação de Contas para o Financiador

3

4 Ações Preparatórias Seja bem-vindo à Rede de Parceiros Multiplicadores do Programa Jovens Urbanos. Neste Manual, você encontrará todas as ações preparatórias que devem ser realizadas para implementacão do Programa Jovens Urbanos até que tudo esteja pronto para iniciar sua execução. O Manual foi estruturado na forma de processos que estão dispostos na ordem cronológica em que as atividades ocorrem, facilitando assim o entendimento do que deve ser feito. Algumas ações preparatórias serão de sua responsabilidade e outras caberá a você orientar a ONG Executora para que ela implemente. Ao longo da descrição das atividades, serão apresentadas as respectivas ferramentas de apoio e controle especialmente desenvolvidas para auxiliar suas execuções e tornar as tarefas mais simples. As ações preparatórias são de sua responsabilidade, porém, você receberá todo o suporte necessário do Consultor de Campo da Equipe Rede, que lhe entregou este Manual e que o acompanhará em todo o processo de implementação do Programa e sempre que tiver dúvidas. A seguir, um resumo das ações preparatórias: Ações Preparatórias

5 Ações Preparatórias Abaixo, o modelo do Programa Jovens Urbanos e as responsabilidades das partes: Constituição da Equipe de Gerenciamento Orientação inicial para a Equipe de Gerenciamento Estrutura da Equipe de Gerenciamento Fundação Itaú Social + Cenpec Formam o Comitê Fundação Itaú Social/Cenpec; Conceito e formatação do Programa; Revisão contínua de aprimoramento do mesmo; Aprovação de novos Parceiros Multiplicadores do Programa Jovens Urbanos Definição das ONGs Executoras Prospecção e escolhas dos territórios de atuação Análise do Contexto Cenpec São Paulo Execução do Programa Jovens Urbanos em São Paulo; Laboratório do Programa: todas as grandes mudanças e os ajustes propostos pelo Conselho de acompanhamento devem ser testados em São Paulo com o acompanhamento da equipe do Cenpec, antes de serem multiplicados na rede Seleção de Coordenadores Seleção dos Assessores Tecnológicos Seleção de Educadores Seleção dos jovens Formação Inicial de Coordenadores e Educadores Divulgação do Programa Jovens Urbanos para os jovens Equipe Rede Transferência de know-how de execução do Programa para a Transferência de Tecnologia Social; Capacitação da equipe do Parceiro Multiplicador para que estejam aptos a prospectar, selecionar e capacitar as ONGs, Coordenadores e Educadores a executar o Programa em sua região; Acompanhamento e controle dos Programas; Garantir que os Parceiros Multiplicadores estejam aplicando o Programa, respeitando os valores do Programa Jovens Urbanos. Parceiro Multiplicador Parceiro Multiplicador e ONG ONG Executora Constituição da Rede de Apoio e Parcerias na cidade Planejamento dos Temas e Encontros Parceiro Multiplicador Financiamento do Programa e equipe de execução na área designada; Desenvolvimento de parcerias com o poder público e privado; Capacitação da equipe (Educadores e Coordenadores) para execução do Programa; Acompanhamento das ONGs na execução do Programa. Ações Preparatórias

6 Ações Preparatórias Sobre a Formação Você e sua equipe serão devidamente capacitados para que conheçam e se apropriem da metodologia do Programa Jovens Urbanos. 1. Constituição da Equipe de Gerenciamento do Programa Jovens Urbanos Por meio dessa formação, você tomará conhecimento das ações preparatórias para implementação do Programa e como executá-lo e monitorá-lo. Parceiro Multiplicador O material utilizado na formação abrange este e os demais Manuais do Parceiro Multiplicador, que poderão ser utilizados como apostilas de formação. Abaixo, uma descrição das ações preparatórias e os responsáveis pela implementação do Programa que serão detalhadas neste Manual: Avaliar vínculo do Parceiro Multiplicador com possível gerenciador Não possui instituto para realizar o Programa Entender perfil desejado para a realização do Programa Mostrar interesse em particular pelo Programa Jovens Urbanos Equipe Rede [Gerenciadora da Rede] Fundação Itaú Social + Cenpec Equipe Rede Status do Parceiro Multiplicador Possui instituto e só é necessária a formação Entender a articulação necessária junto a órgãos públicos e parceiros tecnológicos Autoavaliar grau de experiência em trabalhos com juventude Receber visitas técnicas da Equipe Rede para ajuste de detalhes Formação Inicial para a Equipe de Gerenciamento do Programa Jovens Urbanos Parceiro Multiplicador Região 1 Equipe Gerenciadora Financiador + ONG Local ONG Local Jovens ONG Local Parceiro Multiplicador Região 2 Financiador + Equipe Gerenciadora ONG Local ONG Local Jovens ONG Local Sua organização foi selecionada para ser um Parceiro Multiplicador do Programa Jovens Urbanos, o que quer dizer que ela foi avaliada e aprovada com relação à disponibilidade de investimento, documentação, adequação do perfil institucional e aos conhecimentos, experiências e habilidades que detém. Foi feita a busca e seleção de uma ONG gerenciadora (no caso de sua ONG não ter um instituto) e o alinhamento sobre a articulação necessária junto a órgãos públicos e experiência com a juventude. Ao longo do processo, você recebeu uma visita técnica para ajustar os detalhes. O processo de ações preparatórias para implantação do Programa começa justamente onde termina o processo seletivo para Parceiro Multiplicador, ou seja, a partir da assinatura do Termo de Parceria. Ações Preparatórias

7 Ações Preparatórias 2. Formação Inicial para a Equipe de Gerenciamento do Programa Jovens Urbanos Modelo de Cronograma de Implantação No momento seguinte, o Consultor de Campo orientará você sobre o potencial de realização do Programa na região. Também irá lhe fornecer a lista geral de formulários e ferramentas de monitoramento, execução e ações preparatórias. Constituição da Equipe de Gerenciamento do Programa Jovens Urbanos Parceiro Multiplicador Receber kit de Manuais Entender sobre o potencial de realização do Programa na região Receber formulários e ferramentas de monitoramento, gestão e operação Você também será orientado sobre a seleção e formação de Coordenadores, Educadores e Assessores, processos esses descritos detalhadamente neste Manual. Ser-lhe-á apresentado o plano executivo e fundamentos do Programa, contextualizando experiências com órgãos públicos, parceiros institucionais e tecnológicos, assim como sugestões de melhores práticas de relacionamento com as ONGs, orientações de ações preparatórias, acompanhamento e execução do Programa, e acompanhamento dos projetos de intervenção. CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO DO PARCEIRO MULTIPLICADOR PARCEIRO MULTIPLICADOR: Receber orientações sobre contratação e formação de Coordenadores, Educadores e Assessores Assistir à apresentação do plano executivo e fundamentos do Programa Reiterar experiências com órgãos públicos, parceiros institucionais e tecnológicos Entender as melhores práticas de relacionamento com as ONGs Receber orientações sobre ações preparatórias DATA PREVISTA: CRONOGRAMA JANEIRO FEVEREIRO MARÇO Dt de início Semana nº AÇÕES RESPONSÁVEL STATUS Fase de planejamento - Reuniões Parceiro Multiplicador / Equipe Rede Formação da Equipe de Execução do Parceiro Multiplicador Equipe Rede / CONSULTOR DE CAMPO Escolha dos Territórios-Área de Intervenção Equipe Rede / Parceiro Multiplicador Definição das ONGs Executoras Parceiro Multiplicador Para consultar este instrumento na íntegra, acesse o CD que acompanha este Manual. Seleção de Educadores e Coordenadores Formação Inicial das ONGs Executoras - Coordenadores e Educadores Seleção de Jovens Seleção de Assessores Tecnológicos Estabelecimento de Parcerias Planejamento dos Temas e Encontros Parceiro Multiplicador / ONG Executora Parceiro Multiplicador / ONG Executora ONG Executora Parceiro Multiplicador Parceiro Multiplicador / Equipe Rede Parceiro Multiplicador / Equipe Rede Receber orientações sobre acompanhamento da execução do Programa Receber orientações sobre aompanhamento dos projetos de intervenção Receber orientações sobre análise econométrica realizada pós-programa Análise do Contexto O início do planejamento da implantação se dá por meio de uma reunião formal, na qual o Gestor da Equipe Rede, em conjunto com o Consultor de Campo, fornecerá a você, Parceiro Multiplicador, o kit de Manuais do Programa Jovens Urbanos. Nessa reunião, também será fornecido o Cronograma de Implantação. Ações Preparatórias

8 Ações Preparatórias 3. Estrutura da Equipe de Gerenciamento 4. Análise do Contexto Parceiro Multiplicador Líder de Projeto Programa Jovens Urbanos Gestão da Equipe Desenvolvimento da parceria pública e parceiros tecnológicos 1 Funcionário Formação Inicial para a Equipe de Gerenciamento do Programa Jovens Urbanos Avaliar Edições anteriores realizadas em outros territórios Extrair experiências do laboratório de São Paulo Avaliar contexto socioeconômico regional Relações Institucionais Desenvolvimento das Relações Institucionais, desenvolvimento de explorações e experimentações aos jovens 1 Funcionário Operação Formação de Educadores Acompanhamento e controle da execução do Programa: visitas técnicas, encontros regionais, comitês Variável: 1 Funcionário para até 8 ONGs Capacitação inicial e continuada dos Coordenadores e Educadores Opção por equipe própria ou terceira Sugestão: equipe terceira como o laboratório de SP O Consultor de Campo, com a anuência do Cenpec e de acordo com a modalidade de cada intervenção, irá lhe fornecer orientações quanto aos cargos que serão necessários e as funções a serem desempenhadas, para que você possa adequar sua equipe. O perfil necessário para as funções será baseado no definido atualmente pelo Cenpec SP. Avaliar condições gerais da juventude Avaliar oportunidades de exploração, experimentação e produção Prospecção do contexto é conhecer melhor o território onde você atuará, o ambiente no qual o território está inserido, sua realidade socioeconômica, ou seja, como é e quais são as principais informações; avaliar a condição da juventude e as oportunidades de circulação, exploração, experimentação e produção; e identificar as instituições ligadas às temáticas do Programa Jovens Urbanos: educação, mundo do trabalho, artes, comunicação, ciências e tecnologia, entre outros. Para iniciar a etapa de prospecção de contexto, você utilizará como base sua orientação inicial, na qual conheceu um pouco sobre as Edições anteriores realizadas em outras cidades e, ainda, sua experiência junto ao laboratório de São Paulo. Contextualizar propostas para formas de atuação Nossa primeira ação é ajudálo a pensar sobre como entrar no território de intervenção do Programa. Para tanto, o Consultor de Campo da Equipe Rede irá lhe fornecer todo o suporte necessário e indicadores que possui do território, para que possa analisar e conhecer melhor a realidade do local, o contexto socioeconômico regional e avaliar as condições gerais da juventude. Ações Preparatórias

9 Ações Preparatórias 4.1. Avaliar oportunidades de exploração, experimentação e produção Explorar, experimentar e produzir são movimentos que proporcionamos aos jovens para conhecer a cidade, suas comunidades, o mundo do trabalho e a si próprios. jovens, amalgamando diferentes sentidos em torno de reflexões e ações comuns. Quadro resumido com sugestões práticas de territórios para exploração, experimentação e produção: Para poder avaliar as oportunidades de exploração, experimentação e produção, você precisa, primeiro, entender o que significa cada uma das etapas e suas características. Assim entenderá melhor que tipo de parceiros precisará e as oportunidades que há na cidade. Exploração Explorar significa identificar o funcionamento, as especificidades e os códigos das relações sociais, dos equipamentos, serviços, etc. presentes na cidade. As práticas de exploração na cidade visam aguçar o olhar sobre a cultura presente nos cenários urbanos. Acontece por meio de incursões a ambientes urbanos nos distritos e bairros onde os jovens residem e nos espaços da cidade. Tais experiências são mobilizadas tanto por você Parceiro Multiplicador, via parceiros e Assessores Tecnológicos, quanto pelos Educadores das ONGs Executoras. Experimentação Experimentar significa envolver-se em situações diferentes das referências habituais; conhecer e experimentar diferentes tecnologias; experimentar saberes e repertórios culturais que compõem a vida na cidade. Letramento Artes Saúde, Esporte e Lazer Cidade e Sustentabilidade Política Mundo do Trabalho para explorar Bibliotecas, salas e centros de leitura, salas de aula, escolas, livrarias, grupos de estudos, grupos de trabalho, encontros de pesquisas, etc. Shows, peças teatrais, cinema, mostras, exposições, apresentações, etc. Postos de saúde, hospitais, ruas, centros esportivos, academias, escolas de expressão corporal, praças, etc. Laboratórios, centros de pesquisa, instituições científicas, espaços públicos, residências, etc. Grêmios escolares, grupos comunitários, organizações, associações de bairro, movimentos urbano-sociais, sindicatos, instituições de governo (Assembleia Legislativa, Câmara dos Vereadores, Palácio dos Bandeirantes), etc. Comércios, centros comerciais, empresas, indústrias, universidades, organizações do Terceiro Setor, etc. Promover vivências ativas, tendo como perspectiva principal fomentar ideias e práticas para a elaboração de projetos pessoais e de intervenção na cidade. Ocorrem tanto com parceiros como com Assessores Tecnológicos em oficinas com, no mínimo, 32 horas de duração. Produção Produzir significa inventar e atuar na cidade, dando oportunidade a novas produções, tanto individuais quanto coletivas. Visa movimentar potências inventivas dos jovens na cidade. Os produtos dão concretude às descobertas proporcionadas pelas explorações e experimentações realizadas no percurso formativo dos Ações Preparatórias

10 Ações Preparatórias para Experimentar para Experimentar Letramento Artes Saberes, competências e tecnologias de escrita: elaboração de textos nos mais variados gêneros poesia, opinião, cartas, memórias, etc. Leitura dramatizada, contação de histórias, declamação, etc. Elaboração, revisão, divulgação de textos escritos em diversos suportes (jornais, fanzines, revista, blogs, sites, etc.). Saberes, competências e tecnologias de criação de vídeos, programas de televisão, espetáculos de dança, de teatro, de música e performance (roteiro, captação de sons e imagens, digitalização, montagem, produção, figurino, cenário, roteiro, arte, fotografia, etc.). Saberes, competências e tecnologias de intervenções artísticas na cidade (lambe-lambe, decalque, grafite, etc.). Montagem e produção de exposições/mostra/catálogos/de fotografias, de esculturas, de pinturas. Técnicas e saberes de design, arte gráfica, etc. Cidade e Sustentabilidade Política Ciência e tecnologias do meio ambiente (paisagismo, reflorestamento e arborização, utilização de reciclagem de entulhos na construção civil, vias públicas e circulação humana, reuso da água, eletricidade residencial e energia solar, manejo do solo urbano uso, ocupação e conservação, reciclagem e compostagem de resíduos sólidos, tratamento de água nas cidades, trânsito e poluição atmosférica e ecossistema urbano). Saberes, competências e tecnologias da produção de alimentos (hortas urbanas, reaproveitamento de alimentos, cozinha industrial, etc.). Saberes, competências e tecnologias da produção de cosméticos e outras, conforme vocação econômica dos distritos. Concepção e função das políticas públicas, conhecimento e problematização das prioridades das políticas públicas no distrito e do Estatuto da Juventude. Concepção, formatos e funcionamento dos poderes do Estado e das instâncias e estratégias de participação política: sufrágio, movimentos estudantis, sindicais, grupos organizados da sociedade civil. Conselhos (municipais, estaduais, federais, etc.). Saúde, Esporte e Lazer Ciências e tecnologia do esporte: programas computadorizados que permitem estudar músculos, articulações e forças presentes no gesto esportivo, medicina esportiva (prevenção e formas de tratamento), técnicas de treinamento e equipamentos tecnológicos (bicicletas aerodinâmicas, tecidos que aceleram a evaporação do suor, radares que detectam a velocidade da bola nas cortadas e saques do tênis de campo e do vôlei, chips que registram constantemente a posição dos competidores em provas de percurso, como maratonas, feixes de luz que medem cada etapa do salto triplo e dão o alcance real do salto em altura, etc.). Psicologia do esporte. Competição x cooperação, esporte como profissão, etc. Técnicas de expressão corporal e atividades psicofísicas (ioga, massagem, meditação, etc.). Saberes sobre saúde pública (formas de combate às doenças e ao sedentarismo urbano, modelos de prevenção, saneamento básico, técnicas hospitalares e medicinais, agentes de Saúde Pública). Saberes, competências e tecnologias de Saúde Laboral e de promoção de qualidade de vida no trabalho. Mundo do Trabalho Administração de negócios (tipos de empresa, cooperativas, plano de negócio, plano financeiro, pesquisas de mercado, compras, estabelecimento de preços, marketing, propaganda e vendas). Administração de pessoas (cooperativismo, divisão do trabalho, relação interpessoal no trabalho, remuneração, comunicação assertiva, prevenção à saúde e promoção de qualidade de vida no trabalho). Terceirização de serviços e funcionamento empresarial. Serviços informatizados. Processo de produção industrial (tipos de produto, maquinarias, controle de qualidade e impactos sociais, etc.). Ações Preparatórias

11 Ações Preparatórias para Produzir Letramento Saraus, encontros de estudos. Rodas de leitura. Contação de histórias. Fanzines, revistas, jornais, cadernos de memórias, de poesias, etc. Peças teatrais. Artes Espetáculos teatrais, de dança, performance. Intervenções artístico-urbanas. Exposições de arte: escultura, fotografia, pintura. Catálogos de arte: fotografia, escultura, pintura. Mostras de vídeos. Saúde, Esporte e Lazer Campanhas de saúde preventiva ou de redução de danos à saúde. Campanhas de divulgação e realização de atividades esportivas e psicofísicas no bairro. Realização de eventos esportivos. Pesquisa sobre condições de saúde no bairro. Projeto de Saúde Pública para o bairro: formação de Agentes de Saúde Comunitários. Cidade e Sustentabilidade Projeto de intervenção urbana: paisagismo, de arborização e reflorestamento do bairro. Projeto de conscientização ambiental e tratamento de resíduos sólidos. Hortas urbanas coletivas. Campanhas sobre reaproveitamento de alimentos, reciclagem, compostagem. Linha de cosméticos artesanais. Livro de culinária sobre organização e organização e feitura de jantares ou degustações. Política Grêmios nas escolas. Conselho jovem na ONG. Caderno de Propostas dos jovens para a cidade via conselhos de juventude, partidos e candidatos políticos, associação de moradores de bairro, movimentos organizados da sociedade civil, exemplo: Todos pela Educação. Mundo do Trabalho Projeto de profissionalização com escolhas de carreira. Projetos de cooperativas, associações ou pequenos negócios. Estratégias de propaganda e marketing para os projetos de intervenção, etc. Tendo em vista este contexto apresentado e as análises feitas, pode-se então contextualizar propostas. Ações Preparatórias

12 Ações Preparatórias Buscar informações com a rede interna da Fundação Itaú Social 5. Prospecção e Escolha de Territórios de Atuação Avaliar volume demográfico da cidade Buscar informações com a rede interna do Cenpec Parceiro Multiplicador Mínimo 1 milhão de pessoas? Não Sim Parceiros na cidade? A Não Sim Não Conglomerado urbano denso? Falar com parceiros atuantes na cidade Sim A Buscar informações e indicadores sociais em órgãos públicos Levantar lista de possíveis regiões com o perfil adequado ao Programa Jovens Urbanos Para a escolha da região, deve ser levada em consideração a avaliação do volume demográfico da cidade. Se apresentar mais de um milhão de habitantes ou for um conglomerado urbano, pode seguir nos processos de prospecção, se não, deverá ser validada junto à Fundação Itaú Social. Esse é um fator importante, pois a cidade precisa ter condições de promover experimentações ao jovem. O próximo passo é buscar os indicadores sociais. A primeira fonte é a própria Equipe Rede e a Fundação Itaú Social. Caso não tenham essas informações, você deve entrar em contato com os órgãos públicos, como as Secretarias Sociais. Já com os indicadores em mãos, o próximo passo é entrar em contato com a Equipe Rede para verificar se já há parceiros na região. Em caso positivo, você deve entrar em contato com eles e levantar a lista de possíveis regiões com o perfil adequado ao Programa Jovens Urbanos. Para se avaliar esse perfil, deve-se levar em conta os indicadores de análises socioeconômicas e da realidade juvenil da região, além do grau de vulnerabilidade do local. Para definição do local, é importante avaliar entre as regiões de alta vulnerabilidade, pois são as que apresentam os índices e características que respondem aos critérios definidos pelo Programa. Avaliar referências de análises socioeconômicas do território Avaliar indicadores da realidade juvenil do território Avaliar grau de vulnerabilidade do território Levantar volume de possíveis ONGs com perfil adequado na região Realizar visitas técnicas na região Deve ser levantado o número de ONGs com o perfil desejado no local. São critérios exigidos para elegibilidade das ONGs: Constituição jurídica; Região condizente? Sim Preparar texto de justificativa técnica Levar justificativa ao Comitê Gestor do Programa Validado? Sim Definição de ONGs Executoras Rede de articulação local com reconhecimento, acesso e participação da comunidade; Infraestrutura que permita investimentos; Não A Não A Gestão administrativa-financeira estruturada; Após a análise do contexto, do melhor conhecimento do cenário e da região de atuação, inicia-se o processo de prospecção, busca e escolha dos territórios de intervenção. Contrapartida referente à alimentação e ao acompanhamento das ações de intervenção dos jovens na cidade. Ações Preparatórias

13 Ações Preparatórias É importante ressaltar que somente avaliar os indicadores não indica que a informação está correta; e, portanto, deve ser realizada uma visita técnica na região de interesse para comprovar a veracidade das informações e conhecer de perto sua realidade. Caso seja verificado que a região não é condizente com os indicadores, deve-se buscar na lista de regiões outro local com o perfil adequado ao Programa. Durante essa visita técnica, deve-se aproveitar para conhecer não apenas a região, mas as ONGs também, valendo-se do Modelo de Relatório de Visita Técnica. Para aprovação do território de intervenção, você deve elaborar um relatório de justificativa, que deve ser enviado para o Consultor de Campo da Equipe Rede, que, por sua vez, o enviará para avaliação do Comitê Fundação Itaú Social/Cenpec. Uma vez aprovado, você será informado pelo Consultor de Campo e poderá dar início ao processo de definição das ONGs Executoras Relatório de Justificativa para Definição do Território de Intervenção RELATÓRIO DE JUSTIFICATIVA TERRITÓRIOS DE INTERVENÇÃO Cidade: Território de Intervenção: Número de Edição do Programa Jovens Urbanos: Responsável pelo Preenchimento: CONSIDERAÇÕES INICIAIS ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DE SELEÇÃO DAS ONGS O processo de seleção das regiões para a execução do Programa Jovens Urbanos (Programa Jovens Urbanos) na sua...(colocar número da Edição) Edição, na cidade..., adotou como método a pesquisa e análise de índices e indicadores intraurbanos que, de forma conjunta, permitem justificar a escolha das áreas. Este trabalho utiliza-se de dados e análises presentes, sobretudo, nos seguintes documentos: Para consultar este instrumento na íntegra, acesse o CD que acompanha este Manual. ONG: Distrito: Contato: Responsáveis pela visita: Data: 1. Localização: Citar Bairro do Distrito Citar Bairro do Distrito Citar Bairro do Distrito Citar Bairro do Distrito Outra Citar Bairro do Distrito Citar Bairro do Distrito Citar Bairro do Distrito Citar Bairro do Distrito Outra 2. Infraestrutura do espaço de trabalho com os jovens: Adequado(a) Inadequado(a) Com Ressalvas/Observações Adequado(a) Inadequado(a) Com Ressalvas Acústica Área Útil Mobiliário Ventilação Limpeza Armazenamento das Produções Iluminação O objetivo primordial foi coletar e sistematizar informações capazes de alimentar a construção da presente justificativa, na qual a região administrativa da... (colocar local de interesse de intervenção; exemplo: Subprefeitura de Socorro) é apresentada como uma das áreas de intervenção do Programa Jovens Urbanos. Além disso, outros dados foram coletados a partir de fontes secundárias que são citadas no corpo do texto, a saber: Objetivo: Utilizado para a definição dos territórios de intervenção. Quando usar: Sempre que iniciar o processo de elegibilidade de um território de intervenção. Como usar: Preenchendo as informações que vão sendo solicitadas no relatório, juntamente com a pesquisa das informações necessárias. Para consultar este instrumento na íntegra, acesse o CD que acompanha este Manual. 3. Outros itens relacionados aos espaços: Adequado(a) Inadequado(a) Com Ressalvas/Observações Adequado(a) Inadequado(a) Com Ressalvas Computadores Ações Preparatórias

14 Ações Preparatórias 6. Definição das ONGs Executoras Parceiro Multiplicador Depois de feita a prospecção e a escolha do território de atuação, você deve definir as ONGs Executoras que respondam aos critérios e às expectativas do Programa Jovens Urbanos. Para lhe servir de orientação para essa etapa, seguem abaixo os critérios de elegibilidade das ONGs: Critérios de Elegibilidade da ONG Atuar na região definida; Prospecção e Escolha do Território de Atuação Levantar ONGs já parceiras da Equipe Rede Levantar ONGs cadastradas em órgãos públicos Visitar território para registrar ONGs não listadas Ser Pessoa Jurídica; Atuação articulada em rede local com reconhecimento; Boa reputação; Não Não Experiência no desenvolvimento de projetos voltados aos jovens; Realizar apresentação do Programa Jovens Urbanos para ONGs do território ONG interessada? Sim Enviar Ficha de Inscrição Premissas básicas ok a princípio? Sim Realizar visita técnica Rede de articulação local estabelecida com reconhecimento, acesso e participação da comunidade; Preferencialmente que atue em consonância com os princípios do Programa; Entregar roteiro do Plano de Trabalho Avaliar articulação regional e pública da ONG Avaliar infraestrutura e recursos humanos da ONG Avaliar perfil do público atendido pela ONG Estudar documentos e análises das visitas técnicas Infraestrutura que permita continuidade dos aportes/investimentos nas ONGs (espaços adequados/computador e conexão com internet); Gestão administrativa-financeira estruturada (corpo administrativo e/ou recursos humanos); A ONG deve viabilizar, como contrapartida, lanche para os jovens; Decisão? Não Dar feedback negativo explicando o motivo Seleção do Coordenador Oferecer apoio institucional (cessão de espaço/infraestrutura e disponibilização de um profissional de referência) na realização dos projetos junto aos jovens. Sim A partir da definição dos territórios de intervenção, e contando com o apoio da ampla rede de contatos da Equipe Rede, a equipe Ações Preparatórias

15 Ações Preparatórias técnica inicia as ações de prospecção, objetivando acessar diferentes organizações que atuam nos territórios definidos ou que atuem em outros territórios, mas que trabalhem com essas informações. Modelo de Ficha de Inscrição Levante, junto à Equipe Rede, as ONGs já parceiras e também as cadastradas em órgãos públicos. Feito isso, você deve visitar o território para conhecer as ONGs não listadas e fazer a divulgação do Programa. Durante a visita, e com o apoio do poder público previamente contatado, são realizados encontros para apresentação e divulgação do Programa na cidade, com convite às ONGs listadas para participar. Esse convite pode ser por ou por telefone. Algumas ONGs podem não ter acesso a . Devem ser utilizados como material de divulgação a apresentação do Programa e folhetos informativos para ser entregues aos convidados. Esses devem conter as informações sobre o Programa, critérios, objetivo e informações para contato. Entre em contato com o atendimento da Equipe Rede para solicitar tal material. Toda a divulgação precisa ser aprovada pela Equipe Rede. As ONGs que demonstrarem interesse em participar do processo de seleção durante o evento podem entregar a Ficha de Inscrição preenchida no próprio local ou posteriormente, por . Por isso, lembre-se de levar para o evento a Ficha de Inscrição. Ações Preparatórias Para consultar este instrumento na íntegra, acesse o CD que acompanha este Manual. FICHA DE INSCRIÇÃO Seleção de ONG 1. Nome: 2. CNPJ: 3.Endereço: Complemento: 4. Nº: 5. Bairro: 6. Comunidade: 7. Município 8. UF: CEP: 9. Telefone: Nome do dirigente responsável: 12. CPF: 13. RG: 14. Telefone: 15. Celular: Registros e inscrições em conselhos, convênios, certificados etc. 18. Ano de fundação: 19. Âmbito de atuação da organização: Deve 1. ( ) ser Local feita uma análise 6. ( de ) Estadual cada ficha e eliminados aqueles que 2. ( ) Distrital 7.( ) Nacional fogem 3. ( ) Regional do perfil e do território 8. ( ) Internacional procurado. Apenas seguirão no processo 4. ( ) Municipal os candidatos 9. que ( ) Não passarem sabe na triagem. 5. ( ) Metropolitano Os candidatos que não forem Pessoa Jurídica (que não tenham CNPJ) serão 20. Indique automaticamente o número desclassificados beneficiários e atendidos convidados pela a ser ONG parceiros segundo a população-alvo: em Segmento outros momentos do Programa. Qtde. 01. Crianças Adolescentes Jovens

16 Ações Preparatórias Aos não habilitados deve ser enviado um agradecendo pelo interesse. 7. Seleção do Coordenador Junto aos qualificados deve ser agendada uma visita técnica para verificar se a organização interessada atende aos requisitos do Programa e apresentar o Plano de Trabalho a ser elaborado conforme o roteiro a seguir: ONGs Parceiro Multiplicador PLANO DE TRABALHO DAS ONGS Definição das ONGs Executoras Apresentar o Programa Jovens Urbanos ao candidato Convidar candidatos para o processo seletivo Seleção de Educadores Nome da organização: Contatos: Responsável(is) pela elaboração do plano: Data de elaboração: Distrito de atuação: Importante: Este plano de trabalho é peça técnico-institucional fundamental no processo de seleção das entidades que atuarão no Programa Jovens Urbanos. Por este motivo, as informações indicadas aqui possuem caráter de compromisso institucional e deverão, obrigatoriamente e sem exceção, ser contempladas caso a instituição seja eleita. Avaliar faixa etária do candidato Verificar situação acadêmica do candidato Avaliar endereço residencial do candidato Avaliar periodicamente o trabalho realizado pelo Coordenador A partir da proposta apresentada pelo Parceiro Multiplicador à ONG (inserir nome da ONG), fica estabelecido o seguinte plano de trabalho: 1. Referente à contratação dos profissionais: 1.1 Qual regime de contratação será utilizado? ( ) Carteira; ( ) RPA (Autônomo); ( ) via PJ (Pessoa Jurídica); 1.2 Nome e currículo do profissional da Organização que assumirá a coordenação é importante que este profissional tenha habilidades formativas de acompanhamento pedagógico e de gestão domínio pacote Office, bons conhecimentos em internet e boa articulação institucional. Avaliação Quando o interessado enviar o Plano de Trabalho preenchido, você 1.3 Currículo de possíveis educadores do Programa segundo os critérios explicitados em documento deve avaliá-lo apresentação e do checar Programa se (mínimo está de adequado três currículos); aos critérios de elegibilidade, avaliar 2. Referente a articulação ao acompanhamento regional do trabalho e pública dos profissionais da ONG, envolvidos infraestrutura no Programa: e 2.1 Como serão organizados os espaços de orientação e supervisão das atividades e qual sua recursos humanos, perfil do público atendido e análise das visitas frequência? técnicas. Cabe a você decidir a aprovação ou não da ONG. Às não qualificadas deve ser enviado um agradecendo pelo interesse. A ONG aprovada deve assinar os termos de cooperação técnica. 1 Para consultar este instrumento na íntegra, acesse o CD que acompanha este Manual. Avaliar experiência do candidato com juventude Citar obrigatoriedade de fazer parte da ONG O objetivo do processo é selecionar o Coordenador que atuará diretamente nas ONGs Executoras. Ele será responsável por garantir as condições pedagógicas, administrativas e logísticas para a execução do Programa Formativo. O Coordenador tem papel fundamental, pois é Aprovação mútua? Não Sim ele quem acompanha, dá suporte e responde às demandas e necessidades do Educador e do grupo de jovens no cotidiano das organizações. Tal seleção é de responsabilidade da ONG, cabendo a você, Parceiro Multiplicador, somente orientar sobre o perfil necessário (ver a seguir) e passar a descrição do cargo. Ações Preparatórias

17 Ações Preparatórias Perfil dos coordenadores Perfil dos coordenadores Atuação/ Experiência Preferencialmente ser do quadro de profissionais da ONG; Preferencialmente com experiência anterior em ações socioeducativas com jovens e coordenação de projetos. Zelar pela metodologia do Programa Jovens Urbanos no planejamento das atividades com os jovens; Coordenar o bom relacionamento entre os profissionais e a ONG; Contribuir na pesquisa e providenciar os diversos materiais selecionados pelos Educadores; Região Preferencialmente ser morador da região da ONG. Garantir que os objetivos previstos no quadro de aposta programática da formação sejam cumpridos; Formação Preferencialmente ter formação universitária (concluída ou cursando). Responsabilizar-se pelo correto e total preenchimento dos instrumentos de coletas de dados encaminhados pela Equipe Gestora, bem como pelo envio de tais ao Parceiro Multiplicador Programa Jovens Urbanos; Habilidades Ter experiência e competências de gestão pedagógica: planejamento, acompanhamento, registro e avaliação; Capacidade de possibilitar o compartilhamento das ações de planejamento dos Educadores e demais ações do Programa Jovens Urbanos; Capacidade de mediar os planejamentos dos Educadores do Programa Jovens Urbanos com as demais atividades da ONG, sem prejudicar as ações previstas pelo Programa; Conhecimento e capacidade de estimular as ações de pesquisa junto aos Educadores; Conhecimento sobre procedimentos administrativos, de prestação de contas e logística; Saber usar computador: Word, Excel e . Utilizar 30 horas semanais de trabalho para as ações previstas no Programa Jovens Urbanos; Atribuições Viabilizar com antecedência o transporte e o lanche que os jovens levarão na circulação pela cidade; Responsabilizar-se pelo correto e total preenchimento das listas de frequência dos jovens; Zelar pela boa implementação do Programa, contribuindo com a organização de ações na ONG e na localidade; Informar toda e qualquer definição do planejamento e do calendário do Programa Jovens Urbanos aos Educadores, de forma que esses se apropriem de todas as diretrizes definidas; Comunicar à equipe do Parceiro Multiplicador Programa Jovens Urbanos toda e qualquer questão que coloque a boa execução do Programa Jovens Urbanos em risco; Atribuições Participar, sempre que convocado, de todos os encontros definidos pela equipe do Parceiro Multiplicador Programa Jovens Urbanos; Acessar frequentemente os s (meio privilegiado de comunicação do Programa Jovens Urbanos) e responder a todas as mensagens; Realizar reuniões semanais com a equipe da ONG para planejamento, comunicados importantes e viabilização dos recursos solicitados pelos Educadores. Realizar, juntamente com os Educadores, avaliações constantes dos procedimentos definidos pela equipe do Parceiro Multiplicador Programa Jovens Urbanos, de forma a qualificar as ações de implementação do Programa por escrito; Realizar (ou fornecer as informações à área administrativa da ONG) a prestação de contas do repasse financeiro, garantindo a realização do combinado no início da Edição e durante sua execução. Ações Preparatórias

18 Ações Preparatórias As etapas do processo que devem ser realizadas pela ONG são: Apresentar o Programa Jovens Urbanos, juntamente com a explanação da vaga de Coordenador e dos critérios de elegibilidade, para as pessoas internas integrantes do quadro de funcionários da ONG; 8. Seleção de Educadores Convidar os interessados para participar do Processo Seletivo; Parceiro Multiplicador Analisar os candidatos interessados; Importante: Mesmo sendo especificados na apresentação os critérios de elegibilidade para a vaga, provavelmente ainda haverá candidatos interessados que não se encaixam no perfil, por isso, é importante fazer essa análise e desclassificá-los. Selecionar os melhores currículos que estão de acordo com o perfil desejado, compará-los e definir qual se enquadra melhor na vaga. Seleção do Coordenador Receber indicações para Educador da ONG e do Coordenador Avaliar base própria de possíveis nomes de Educadores Prazo para a próxima Edição Longo Curto A Cabe a você, Parceiro Multiplicador, por meio de sua equipe de operação, avaliar constantemente o trabalho do Coordenador selecionado. Organizar dinâmica com candidatos A Realizar capacitação seletiva Realizar apresentação do Programa Jovens Urbanos Avaliar perfil do candidato com Coordenador Tudo ok? Não Dar feedback negativo ao candidato, explicando o motivo Formação inicial de Coordenadores e Educadores Sim A seleção de um Educador deve ser baseada nas competências e habilidades do profissional para o cargo. Sendo assim, a contratação desse profissional é uma tarefa muito importante, pois influencia a dinâmica e o desempenho dos componentes da equipe e, por consequência, do Parceiro Multiplicador. Eles serão responsáveis pela execução do Processo Formativo. Ações Preparatórias

19 Ações Preparatórias Para essa seleção, você deve solicitar às ONGs os currículos de Educadores sociais que se enquadrem nos critérios definidos. Concomitantemente, divulgue o Processo de Seleção para contatos do banco de relacionamentos, parceiros, colaboradores do Parceiro Multiplicador e cheque em sua na base interna possíveis candidatos. Os profissionais interessados que estejam dentro do perfil procurado são convidados a participar de uma dinâmica, um encontro de formação seletiva. Perfil dos educadores A seguir, a descrição do cargo a ser utilizada para a seleção do Educador: Utilizar 30 horas semanais de trabalho para as ações previstas no Programa Jovens Urbanos, sendo 12 nos encontros com os jovens e 18 para cumprir as atribuições previstas; Perfil dos educadores Participar, sempre que convocado, de todos os encontros definidos pela equipe do Parceiro Multiplicador Programa Jovens Urbanos; Faixa etária Preferencialmente acima de 24 anos; Acessar frequentemente os s (meio privilegiado de comunicação do Programa Jovens Urbanos) e responder a todas as mensagens; Atuação/ Experiência Apresentar trabalhos anteriores como Educador; Preferencialmente experiência anterior em ações com jovens. Participar das reuniões semanais com a equipe da ONG para planejamento, comunicados importantes e solicitação antecipada dos recursos necessários para as ações com a turma; Região Preferencialmente ser morador da região da ONG. Considerar a metodologia do Programa Jovens Urbanos no planejamento das atividades com os jovens; Formação Preferencialmente ter formação universitária (concluída ou cursando). Atribuições Planejar e registrar as etapas formativas, bem como as atividades realizadas com os jovens frequentemente; Ter vínculo ou conhecer o território de atuação do Programa; Pesquisar e colocar à disposição diversos materiais e roteiros que ampliem o repertório Habilidades Capacidade para mediar grupos de diferentes jovens; Capacidade de investigação, proposição e criação; Capacidade de estimular as ações de pesquisa junto aos jovens; Capacidade de articular e trabalhar com os diferentes espaços que constituirão a rotina formativa; dos jovens; Cumprir os objetivos previstos no quadro de aposta programática da formação; Planejar e orientar os jovens sobre os percursos e as experimentações realizadas na cidade; Possibilitar que os jovens elaborem de forma autônoma diferentes produtos; Colaborar na aplicação dos instrumentos de coletas de dados definidos pela Equipe Gestora; Disposição para experimentar novas situações e conhecimentos; Acompanhar a frequência dos jovens preenchendo os instrumentos do Programa Jovens Urbanos; Capacidade de sistematizar e divulgar as ações formativas; Informar toda e qualquer definição do planejamento e calendário do Programa Jovens Saber usar computador: Word, Excel e . Urbanos aos jovens, de forma que esses se apropriem de todas as diretrizes definidas. Ações Preparatórias

20 Ações Preparatórias 8.1. Triagem de Currículos Após a divulgação, começarão a chegar vários currículos de pessoas interessadas na vaga disponível. Você poderá observar que, apesar de ter sido especificado na divulgação o perfil desejado, aparecerão vários candidatos que nele não se enquadram. Portanto, você deve agir da seguinte forma: Elimine os currículos que não preenchem o perfil exigido para o cargo; Separe os currículos selecionados em dois blocos: os que melhor se enquadraram no perfil do cargo e os que poderão ser chamados como segunda opção. Participantes Objetivos Requisitos e Habilidades (preferencialmente) 8.2. Dinâmica/Capacitação Seletiva O Consultor de Campo irá orientá-lo no processo da dinâmica. Educadores e Coordenadores. Selecionar 2 Educadores por ONG que atuarão diretamente com os jovens; Conhecer os Educadores que atuarão diretamente com os jovens; Proporcionar um espaço de debate sobre juventude com pessoas que atuam na área; Constituir um banco de profissionais que possam compor a equipe, independentemente do momento do projeto. Capacidade para mediar grupos de diferentes jovens; Capacidade de investigação e criação; Capacidade de estimular as ações de pesquisa nos jovens; Capacidade de articular e trabalhar em diferentes espaços que constituirão a rotina formativa; Disposição para experimentar novas situações e conhecimentos; Conhecimento da legislação: ECA e Estatuto da Juventude; Preferencialmente ser morador da região da ONG; Preferencialmente ter formação universitária (concluída ou cursando); Indicação da ONG ou rede de parceiros. Pauta Participantes Horário Capacitação Seletiva. Coordenadores e candidatos à vaga de Educador. Das 9 às 12 horas. O que é A Capacitação Seletiva caracteriza-se, primeiramente, como um encontro formativo para profissionais que possivelmente atuarão com grupos de jovens do Programa Jovens Urbanos/Poupança Jovem. Espera-se que as questões apresentadas e discutidas durante esse encontro contribuam para formação dos profissionais, mesmo que tais não venham a trabalhar no Programa. Durante o desenvolvimento das atividades, os participantes serão avaliados de acordo com os seguintes aspectos: Produção de texto com coerência e coesão; Fluência comunicativa; Capacidade para trabalhar em equipe; Competência para planejar atividades socioeducativas; Postura profissional. Objetivo Selecionar Educadores para a execução do Programa Jovens Urbanos. Ações Preparatórias

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Introdução Introdução Introdução Introdução 1. Planejamento da Expansão 1.1. Definição das Principais Cidades e Regiões Brasileiras de Interesse 1.2. Análise dos Dados e Indicadores Sociais das Cidades

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS.

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA 2016 A Política de Responsabilidade Social da AngloGold Ashanti define como um de seus princípios que a presença de nossa

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo Convênio nº 05/2015, como parte integrante do Projeto Fortalecendo

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO UTRAMIG / Nº 01 / 2012. Processo de Seleção e Contratação de Profissionais

EDITAL DE SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO UTRAMIG / Nº 01 / 2012. Processo de Seleção e Contratação de Profissionais EDITAL DE SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO UTRAMIG / Nº 01 / 2012 1 Processo de Seleção e Contratação de Profissionais A em atendimento ao Plano de Trabalho do Convênio de Cooperação Financeira n 044/2012, comunica

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2 MINISTÉRIO DA CULTURA Diretoria de Infraestrutura Cultural Secretaria Executiva Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2 1. Objetivos A Praça do PAC é de

Leia mais

EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA

EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA Consultor por Produto para Projeto da Organização das Nações Unidas para a Educação, a

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES - TELECENTROS.BR

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES - TELECENTROS.BR PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES - TELECENTROS.BR REDE NACIONAL DE FORMAÇÃO PARA INCLUSÃO DIGITAL PROGRAMANDO O FUTURO - POLO REGIONAL CENTRO-OESTE DA REDE NACIONAL DE FORMAÇÃO

Leia mais

Coordenação Técnica Agosto/2010. Iniciativa

Coordenação Técnica Agosto/2010. Iniciativa Coordenação Técnica Agosto/2010 Iniciativa FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL NOSSA CAUSA O Itaú, por meio da Fundação Itaú Social, se dedica a formular, implantar e disseminar metodologias voltadas à melhoria de políticas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL 2014-011. Perfil: Consultor em políticas públicas em educação e gestão educacional

TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL 2014-011. Perfil: Consultor em políticas públicas em educação e gestão educacional TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL 2014-011 CÓDIGO Nº 2014-011-01 (10 vagas) Perfil: Consultor em políticas públicas em educação e gestão educacional Objeto: Realizar estudos avaliativos de 20 experiências inovadoras

Leia mais

EDITAL N.º: 003/2015/RM

EDITAL N.º: 003/2015/RM EDITAL N.º: 003/2015/RM A COORDENAÇÃO DO PROJETO RONDON LOCAL DIREITOS HUMANOS, no uso de suas atribuições legais e de acordo com as disposições da legislação em vigor, faz saber que estarão abertas as

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Edital 01/2015 Serviço de Inclusão Produtiva

PROCESSO SELETIVO Edital 01/2015 Serviço de Inclusão Produtiva PROCESSO SELETIVO Edital 01/2015 Serviço de Inclusão Produtiva A Casa de Acolhimento e Orientação à Crianças e Adolescentes (CAOCA), em parceria com a Secretaria de Assistência Social de Vitória (Semas),

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

Coordenação Técnica. Iniciativa

Coordenação Técnica. Iniciativa Coordenação Técnica Iniciativa Características do programa Conjunto de ações de formação para jovens entre 16 a 21 anos moradores das periferias das grandes metrópoles. Objetivos compartilhados Coordenação

Leia mais

2.1. Serão aceitas e analisas somente as inscrições que obedecerem às condições abaixo expostas:

2.1. Serão aceitas e analisas somente as inscrições que obedecerem às condições abaixo expostas: A ESCOLA DE MÚSICA E ORQUESTRA FILARMÔNICA MUSICALIZAR, pessoa jurídica de direito PRIVADO sem fins lucrativos, faz saber que fará realizar chamamento público para cadastro de pessoas físicas, para preenchimento

Leia mais

EDITAL PROEX N 03/2013 CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM EDUCAÇÃO INFANTIL, INFÂNCIAS E ARTE

EDITAL PROEX N 03/2013 CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM EDUCAÇÃO INFANTIL, INFÂNCIAS E ARTE Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1454. (35) 3299-1077 EDITAL PROEX N 03/2013 CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM EDUCAÇÃO INFANTIL, INFÂNCIAS E ARTE A Pró-Reitoria de

Leia mais

3. Cronograma. Encaminhamento da solicitação de apoio, formatada conforme Roteiro de elaboração de projetos estabelecido no Anexo I.

3. Cronograma. Encaminhamento da solicitação de apoio, formatada conforme Roteiro de elaboração de projetos estabelecido no Anexo I. PROPOSTA DE EDITAL O Instituto de Compromisso com o Desenvolvimento Humano, fundado aos 09 (nove) dias do mês de Maio de 2007, tendo como objetivo promover o desenvolvimento humano em diversos âmbitos,

Leia mais

Brincar de ler e escrever

Brincar de ler e escrever I Edital FNA 2015 Brincar de ler e escrever A Fundação Negro Amor - FNA foi criada em 2008 e, desde então, desenvolve ações na área socioeducativa e cultural, com foco na promoção da educação infantil

Leia mais

EDITAL REFITIFCADO 01/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO

EDITAL REFITIFCADO 01/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO Universidade Federal de Juiz de Fora Pró-Reitoria de Assuntos Acadêmicos EDITAL REFITIFCADO 01/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO PROJETO DE EXTENSÃO: Casa da Criança / IBPeron / Axé Criança

Leia mais

Edital Nº 001/2013 COTAÇÃO PRÉVIA TIPO MELHOR TÉCNICA

Edital Nº 001/2013 COTAÇÃO PRÉVIA TIPO MELHOR TÉCNICA Edital Nº 001/2013 COTAÇÃO PRÉVIA TIPO MELHOR TÉCNICA Dispõe sobre o cadastramento e seleção de Consultores para atuar nos projetos desenvolvidos pela entidade, no âmbito do Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE EDITAL N 20/2015 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo Convênio nº 05/2015, como parte integrante

Leia mais

Edital para Exposições na Galeria de Artes do SESC

Edital para Exposições na Galeria de Artes do SESC Edital para Exposições na Galeria de Artes do SESC A Coordenação Cultura do SESC-TO; através da Promotoria de Artes Plásticas, comunica aos interessados que estará recebendo de 20 de março a 20 de novembro

Leia mais

COORDENAÇÃO INSTITUCIONAL DO PROJETO RONDON EDITAL DE CONVOCAÇÃO 01/2015, DE 10 DE JULHO DE 2014

COORDENAÇÃO INSTITUCIONAL DO PROJETO RONDON EDITAL DE CONVOCAÇÃO 01/2015, DE 10 DE JULHO DE 2014 COORDENAÇÃO INSTITUCIONAL DO PROJETO RONDON EDITAL DE CONVOCAÇÃO 01/2015, DE 10 DE JULHO DE 2014 A Universidade Santa Cecília UNISANTA, por intermédio do Prof. Dr. Celso Volpe, Coordenador Institucional

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL PROEX - 075/2010 A Pró-Reitora de Extensão da Universidade Estadual de Londrina, considerando a seleção de projetos para o Programa de Extensão Universitária Universidade

Leia mais

Projeto Frutificando nas Caatingas- Fortalecimento das Cadeias de Valor do Umbu e Licuri no Sertão da Bahia

Projeto Frutificando nas Caatingas- Fortalecimento das Cadeias de Valor do Umbu e Licuri no Sertão da Bahia MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE EXTRATIVISMO E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DIRETORIA DE EXTRATIVISMO / GERÊNCIA DE FOMENTO E PROJETOS PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Leia mais

Portaria nº 73, de 24 de abril de 2014.

Portaria nº 73, de 24 de abril de 2014. Portaria nº 73, de 24 de abril de 2014. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que lhe conferem o artigo 105, parágrafo único, III, da Lei Orgânica do Distrito Federal

Leia mais

EDITAL DE PARTICIPAÇÃO LEAN START YOU UP - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA ABRIL/2015

EDITAL DE PARTICIPAÇÃO LEAN START YOU UP - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA ABRIL/2015 1. DADOS GERAIS EDITAL DE PARTICIPAÇÃO LEAN START YOU UP - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA ABRIL/2015 Carga Horária: 48h presenciais e 32h de atividades extras. Período de Realização: Dias 15 e 16;

Leia mais

Cronograma de Atividades. Processo Seletivo Simplificado Edital 04/2015 CRONOGRAMA

Cronograma de Atividades. Processo Seletivo Simplificado Edital 04/2015 CRONOGRAMA Cronograma de Atividades Processo Seletivo Simplificado Edital 04/2015 CRONOGRAMA ATIVIDADE DATAS Publicação de Extrato de Abertura de Inscrições 25 de março 2015 Período de Inscrições, Entrega de Títulos

Leia mais

M A. Projeto Exposições 2010. Museu Universitário de Arte

M A. Projeto Exposições 2010. Museu Universitário de Arte M A Museu Universitário de Arte Projeto Exposições 2010 Termos para inscrições de artistas, curadores e demais interessados em participar do calendário de exposições do ano de 2010/2011 do Museu Universitário

Leia mais

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações?

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? SESI Empreendedorismo Social Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? REGULAMENTO SESI Empreendedorismo Social A inovação social é o ponto de partida para um novo modelo que atende

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012

EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012 EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012 A Associação de Apoio ao AAPQ faz saber que realizará processo seletivo para contratação de: 02 Psiquiatras 01Farmacêutico 01 Assistentes Social 01

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL 007/2010 A Pró-Reitora de Extensão da Universidade Estadual de Londrina, considerando a seleção de projetos para o Programa de Extensão Universitária Universidade Sem Fronteiras,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura e Teatro de Anônimo apresentam

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura e Teatro de Anônimo apresentam Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura e Teatro de Anônimo apresentam EDITAL DO PROCESSO DE SELEÇÃO PROGRAMA POLO CARIOCA DE CIRCO CASA ESCOLA BENJAMIM Inscrições Abertas!

Leia mais

EDITAL PARA A SELEÇÃO DE AÇÕES VOLUNTÁRIAS DO PROGRAMA VOLUNTÁRIOS VALE

EDITAL PARA A SELEÇÃO DE AÇÕES VOLUNTÁRIAS DO PROGRAMA VOLUNTÁRIOS VALE EDITAL PARA A SELEÇÃO DE AÇÕES VOLUNTÁRIAS DO PROGRAMA VOLUNTÁRIOS VALE A VALE S.A., no cumprimento de sua missão de transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável, tem implementado

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES - TELECENTROS.BR REDE NACIONAL DE FORMAÇÃO PARA INCLUSÃO DIGITAL

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES - TELECENTROS.BR REDE NACIONAL DE FORMAÇÃO PARA INCLUSÃO DIGITAL PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À INCLUSÃO DIGITAL NAS COMUNIDADES - TELECENTROS.BR REDE NACIONAL DE FORMAÇÃO PARA INCLUSÃO DIGITAL PROGRAMANDO O FUTURO - POLO REGIONAL CENTRO-OESTE DA REDE NACIONAL DE FORMAÇÃO

Leia mais

Edital n.º 014/2015 - Gestão Cultural Boa Vista, 11 de fevereiro de 2015.

Edital n.º 014/2015 - Gestão Cultural Boa Vista, 11 de fevereiro de 2015. Edital n.º 014/2015 - Gestão Cultural Boa Vista, 11 de fevereiro de 2015. EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE EXTENSÃO EM GESTÃO CULTURAL. A Diretora Executiva pro tempore da Fundação AJURI de

Leia mais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais CARAVANA ESPORTIVA Seleção Pública P de Projetos Esportivos Educacionais Programa Petrobras Esporte & Cidadania Fomentar o desenvolvimento do esporte olímpico brasileiro; Democratizar o acesso ao esporte

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS >>> Rodas de Conversa A SEE, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (unicef) e com a colaboração de ONGs,

Leia mais

MANUAL DO ALUNO PARA O CURSO INTENSIVO DE QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE PINTURA INDUSTRIAL NÍVEL 1

MANUAL DO ALUNO PARA O CURSO INTENSIVO DE QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE PINTURA INDUSTRIAL NÍVEL 1 INDUSTRIAL NÍVEL Pág.: /7 Elaborado/Data: dezembro/204. OBJETIVO O Manual do aluno é um importante guia para a realização do curso INTENSIVO de Inspetor de Pintura Industrial Nível. Aqui contém informações

Leia mais

ANEXO I TABELA DE CARGOS, SALÁRIOS, JORNADA DE TRABALHO E PRÉ-REQUISITOS: CARGA PRÉ-REQUISITOS

ANEXO I TABELA DE CARGOS, SALÁRIOS, JORNADA DE TRABALHO E PRÉ-REQUISITOS: CARGA PRÉ-REQUISITOS CA RGOS Professor Língua Portuguesa Professor Língua Inglesa Prefeitura de Marabá Secretaria Municipal de Educação SEMED Comissão Especial de Seleção do PROJOVEM URBANO - PJU. ANEXO I TABELA DE CARGOS,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 003/2013 PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL

EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 003/2013 PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL EDITAL DE SELEÇÃO Nº. 003/2013 PROCESSO SELETIVO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL A Fundação Interuniversitária de Estudos e Pesquisa sobre o Trabalho (UNITRABALHO), criada em 1996 com a missão de integrar universidades

Leia mais

EDITAL 002 Perfil 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018

EDITAL 002 Perfil 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 EDITAL 002 Perfil 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 DESENVOLVIMENTO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA POR MEIO DA ESPECIALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE JUVENTUDE E DOS

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA O CURSO DE EXTENSÃO ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA (ESPOCC) - TURMAS 2015/2016

EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA O CURSO DE EXTENSÃO ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA (ESPOCC) - TURMAS 2015/2016 EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA O CURSO DE EXTENSÃO ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA (ESPOCC) - TURMAS 2015/2016 O Observatório de Favelas do Rio de Janeiro, com o patrocínio da Petrobras e o apoio

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL EDITAL Nº 02/2014

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL EDITAL Nº 02/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL EDITAL Nº 02/2014 EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE COORDENADORES DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, QUE ATENDERÃO

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS.

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. NS-036-15C_Cartilha_ChamadaPublica_42x15cm.indd 1 NS-036-15C_Cartilha_ChamadaPublica_42x15cm.indd 2 CHAMADA PÚBLICA 2016 A Política de Responsabilidade

Leia mais

Edital FAPESB/SECTI/SECOMP/SEBRAE/IEL/REDE SOCIAL 001/2006 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO - EMPREENDEDOR SOCIAL -

Edital FAPESB/SECTI/SECOMP/SEBRAE/IEL/REDE SOCIAL 001/2006 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO - EMPREENDEDOR SOCIAL - Edital FAPESB/SECTI/SECOMP/SEBRAE/IEL/REDE SOCIAL 001/2006 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO - EMPREENDEDOR SOCIAL - A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB e a Secretaria

Leia mais

EDITAL 05 Perfil 02 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018

EDITAL 05 Perfil 02 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 EDITAL 05 Perfil 02 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL PROJETO UNESCO 914BRZ3018 DESENVOLVIMENTO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA POR MEIO DA ESPECIALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE JUVENTUDE E DOS

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PLANO DE TRABALHO

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PLANO DE TRABALHO ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PLANO DE TRABALHO DADOS CADASTRAIS PLANO DE TRABALHO - ENTIDADE ÓRGÃO / ENTIDADE PROPONENTE: CNPJ: ENDEREÇO: ENDEREÇO ELETRÔNICO (E-MAIL): CIDADE: UF: CEP: (DDD) FONE: CONTA CORRENTE:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ FUNDAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COORDENADORIA DE POLÍTICAS ESTRATÉGICAS DE DESENVOLVIMENTO DO ATENDIMENTO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ FUNDAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COORDENADORIA DE POLÍTICAS ESTRATÉGICAS DE DESENVOLVIMENTO DO ATENDIMENTO EDITAL Nº 001/2012/FCRIA PROJETO ADOLESCENTE DE BRAÇOS DADOS COM A CIDADANIA SOCIAL CONTRATO 6000.0065086.11.2/PETROBRAS/GEA/FCRIA A DO ESTADO DO AMAPÁ FCRIA executa o Projeto ADOLESCENTE DE BRAÇOS DADOS

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP:

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP: PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP: A oportunidade de se tornar um facilitador de aprendizagem e/ou consultor para o sucesso das micro e pequenas empresas APRESENTAÇÃO Esta cartilha

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS 1. INTRODUÇÃO O Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos pretende contratar instituição de pesquisa com a finalidade de produção de análises estatísticas e econômicas

Leia mais

EDITAL N 003/2015/UNA SUS/UFSC PROCESSO SELETIVO DE TUTORES PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ATENÇÃO DOMICILIAR

EDITAL N 003/2015/UNA SUS/UFSC PROCESSO SELETIVO DE TUTORES PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ATENÇÃO DOMICILIAR EDITAL N 003/2015/UNA SUS/UFSC PROCESSO SELETIVO DE TUTORES PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ATENÇÃO DOMICILIAR A Coordenadora do Curso de Especialização em Atenção Domiciliar, no uso de suas atribuições

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO Nº 0004/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO Nº 0004/2014 Universidade Federal de Juiz de Fora Diretoria de Gerenciamento de Projetos da UFJF EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO Nº 0004/2014 PROJETOS DE EXTENSÃO: Casa da Criança / IBPeron / Axé Criança

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 05/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 05/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 05/2014 O Instituto Aliança com o Adolescente, associação civil sem fins lucrativos e qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP, MJ nº 08015.013735/2002-16,

Leia mais

CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE PROJETOS DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP

CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE PROJETOS DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP CHAMADA PERMANENTE Nº 01/2014 DE DE INCUBAÇÃO O Programa de Incubação de Projetos, através da coordenação da

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015.

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015. REV.: 03 Pág.: 1 de 6 A Manaus Ambiental torna público que estão abertas as inscrições para a seleção de Instituições e Projetos Sociais para o 14º Dia do Voluntariado. A empresa realizará o processo de

Leia mais

PROJETO DESENVOLVIMENTO DE JOVENS LÍDERES 2014

PROJETO DESENVOLVIMENTO DE JOVENS LÍDERES 2014 PROJETO DESENVOLVIMENTO DE JOVENS LÍDERES 2014 1. Objetivo [REGULAMENTO] Contribuir para um futuro melhor para todos, a partir do investimento em desenvolvimento de jovens talentosos e com potencial para

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2011 - SMDS O Município de Canoas, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, torna público o presente e convida os interessados e as interessadas a apresentar

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

CARDÁPIO ATUALIZADO DE ATIVIDADES DE FORMAÇÃO COMPLEMENTAR

CARDÁPIO ATUALIZADO DE ATIVIDADES DE FORMAÇÃO COMPLEMENTAR SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS CARDÁPIO

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014 O Observatório de Favelas torna pública, por meio desta chamada, as normas do processo de seleção de alunos para

Leia mais

10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã

10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã 10ª Edição 2015 SESI EMPREENDEDORISMO SOCIAL Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã REGULAMENTO O SESI/PR torna público o regulamento para participação no Programa SESI Empreendedorismo Social

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRA DO SUL PRINCESA DO JACUÍ CAPITAL NACIONAL DO ARROZ Secretaria Municipal de Administração

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRA DO SUL PRINCESA DO JACUÍ CAPITAL NACIONAL DO ARROZ Secretaria Municipal de Administração ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRA DO SUL PRINCESA DO JACUÍ CAPITAL NACIONAL DO ARROZ Secretaria Municipal de Administração EDITAL N 009/2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO A

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS ESTUDANTIS PROCESSO SELETIVO PARA BOLSISTA DE EXTENSÃO ESPORTE E LAZER: estratégias socioeducativas de inclusão e melhoria da qualidade vida EDITAL/UFU/PROEX/ N 56/2015 A Pró-reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos

Leia mais

Valorizando ideias e experiências participativas que promovam o direito humano à educação REGULAMENTO

Valorizando ideias e experiências participativas que promovam o direito humano à educação REGULAMENTO REGULAMENTO 1. O RECONHECIMENTO PÚBLICO DE OLHO NOS PLANOS 1.1. O Reconhecimento Público é uma ação da iniciativa De Olho nos Planos, composta pelos seguintes parceiros: Ação Educativa, UNICEF, Campanha

Leia mais

PROJETO IMAGINAR CONTADORES DE HISTÓRIA DA UNICARIOCA

PROJETO IMAGINAR CONTADORES DE HISTÓRIA DA UNICARIOCA PROJETO IMAGINAR CONTADORES DE HISTÓRIA DA UNICARIOCA A UniCarioca, por meio do Núcleo de Ação Socioambiental (NASA) convida seus alunos a participarem da SEGUNDA EDIÇÃO do projeto IMAGINAR (inicialmente

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL POR TEMPO DETERMINADO

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL POR TEMPO DETERMINADO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL POR TEMPO DETERMINADO A torna pública a realização Processo Seletivo Simplificado - PSS de profissionais para compor a Equipe de Coordenação Regional

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 24/2013, de 11 de outubro de 2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 24/2013, de 11 de outubro de 2013 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 24/2013, de 11 de outubro de 2013 Seleção de Orientadores de Aprendizagem do projeto Caminhos do Cuidado - Formação em Saúde Mental (crack, álcool e outras drogas) para Agentes Comunitários

Leia mais

Programa de Aprendizagem em Consultoria Acadêmica - CONSAC. Processo de Seleção de Empresas. EDITAL nº 1/2013

Programa de Aprendizagem em Consultoria Acadêmica - CONSAC. Processo de Seleção de Empresas. EDITAL nº 1/2013 Programa de Aprendizagem em Consultoria Acadêmica - CONSAC Processo de Seleção de Empresas EDITAL nº 1/2013 Brasília, 01 de Junho de 2013 Apresentação É com satisfação que a Projetos Consultoria Integrada,

Leia mais

Programa do Voluntariado Paranaense Londrina

Programa do Voluntariado Paranaense Londrina EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 051/2013 O Programa do Voluntariado Paranaense de Londrina - Provopar LD, visando garantir os princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade consubstanciados

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO / CCCE Edição 2014 2016 A INSTITUIÇÃO (NOME POR EXTENSO E SIGLA DA INSTITUIÇÃO DE ORIGEM)

TERMO DE COMPROMISSO / CCCE Edição 2014 2016 A INSTITUIÇÃO (NOME POR EXTENSO E SIGLA DA INSTITUIÇÃO DE ORIGEM) TERMO DE COMPROMISSO / CCCE Pelo presente instrumento, nesta e na melhor forma de direito, o COMITÊ OLÍMPICO BRASILEIRO (COB), associação civil de natureza desportiva, sem fins econômicos, considerado

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS-CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC AVENIDA DR

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS-CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC AVENIDA DR SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS-CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC AVENIDA DR. ARNALDO, 351-6º ANDAR - SP/SP - CEP: 01246-902. EDITAL TURMA

Leia mais

Módulo: Gestão de Pessoas

Módulo: Gestão de Pessoas O Sistema FIRJAN, por meio do Instituto Euvaldo Lodi (IEL-RJ), apresenta o Programa de Capacitação Empresarial Inovando na Gestão. O objetivo é atualizar e capacitar os empresários e dirigentes empresariais

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as atividades de incubação de empreendimentos produtivos. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012. Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012. Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012 Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO Este anexo estabelece o programa de trabalho e resultados para a OSCIP com a fixação de direitos, obrigações, prazos de execução e critérios

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE FORTALEZA-CE (TERRITÓRIO CEARÁ PACÍFICO VICENTE PINZON)

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE FORTALEZA-CE (TERRITÓRIO CEARÁ PACÍFICO VICENTE PINZON) EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE FORTALEZA-CE (TERRITÓRIO CEARÁ PACÍFICO VICENTE PINZON) EDITAL Nº 21/2015 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo

Leia mais

PROGRAMA MAIS CULTURA - EDITAL MICROPROJETOS TERRITÓRIOS DE PAZ ANEXO 3 FORMULÁRIO PESSOA JURÍDICA 1. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA TÍTULO: ÁREA

PROGRAMA MAIS CULTURA - EDITAL MICROPROJETOS TERRITÓRIOS DE PAZ ANEXO 3 FORMULÁRIO PESSOA JURÍDICA 1. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA TÍTULO: ÁREA 1 PROGRAMA MAIS CULTURA - EDITAL MICROPROJETOS TERRITÓRIOS DE PAZ ANEXO 3 FORMULÁRIO PESSOA JURÍDICA 1. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA TÍTULO: ÁREA: ÁREA Artes Visuais Artes Cênicas Música Literatura Audiovisual

Leia mais

SESI Empreendedorismo Social

SESI Empreendedorismo Social SESI Empreendedorismo Social 9ª Edição 2014 Transforme sua ideia de hoje na prática do amanhã REGULAMENTO O SESI/PR torna público o regulamento para participação no Programa SESI Empreendedorismo Social

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DA JUVENTUDE E DO TRABALHO

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DA JUVENTUDE E DO TRABALHO EDITAL DE SELEÇÃO PARA PARTICIPAÇÃO DE JOVENS NO NÚCLEO DE FORMAÇÃO DE AGENTE CULTURAL DA JUVENTUDE NEGRA NUFAC EDITAL N. 002 /2014 SEJUT Seleção para preenchimento de vagas para as atividades do Núcleo

Leia mais

EDITAL N 001/ 2015 - PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE MONITORES PARA ATUAREM NO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO

EDITAL N 001/ 2015 - PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE MONITORES PARA ATUAREM NO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO EDITAL N 001/ 2015 - PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE MONITORES PARA ATUAREM NO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO A SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA, DE BOA SAÚDE/RN, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO PRAÇA DAS PROFISSÕES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO PRAÇA DAS PROFISSÕES Edital Praça das Nº 1-2015 Seleção de Bolsistas e Voluntários -2016 Aos estudantes dos Cursos de Graduação da UFCG: A Unidade Suplementar Praça das, desta Universidade, nos termos das disposições normativas

Leia mais

NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351

NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: INSTRUTORIA INTERNA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 463, de 10/09/2012 VIGÊNCIA: 10/09/2012 NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351 01/07 ÍNDICE 1. FINALIDADE...

Leia mais

PROCESSO SELETIVO N 04-2010 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL

PROCESSO SELETIVO N 04-2010 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PROCESSO SELETIVO N 04-2010 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL A unidade nacional do Sescoop Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo, personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB TERMO ADITIVO AO EDITAL nº 02/2013 PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS ALTERAÇÃO DE DATAS E FORMA DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Apoio: Brasília, 28 de agosto de 2013.

Leia mais

MANUAL DO ALUNO OFICINA SOCIAL DE TEATRO (OST)

MANUAL DO ALUNO OFICINA SOCIAL DE TEATRO (OST) MANUAL DO ALUNO OFICINA SOCIAL DE TEATRO (OST) Prezado aluno, o MANUAL DA OFICINA SOCIAL DE TEATRO (OST) é um instrumento para que você, aluno, possa obter informações e orientações durante a sua permanência

Leia mais

Sobre o Grupo Pão de Açúcar. Participe do programa de Trainee 2011 do Grupo Pão de Açúcar!

Sobre o Grupo Pão de Açúcar. Participe do programa de Trainee 2011 do Grupo Pão de Açúcar! Participe do programa de Trainee 2011 do Grupo Pão de Açúcar! Venha fazer parte de uma empresa multiformato, composta por supermercados, hipermercados, lojas de produtos eletrônicos/eletrodoméstios, lojas

Leia mais

Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento

Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento A organização Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento informa aos interessados os procedimentos para o envio de projetos artísticos para a programação de 2014 do projeto Plateias Hospitalares

Leia mais

FAQ (Frequently Asked Questions) PERGUNTAS FREQUENTES

FAQ (Frequently Asked Questions) PERGUNTAS FREQUENTES 1. Onde faço a inscrição dos meus projetos? No site www.oifuturo.org.br. 2. Há alguma forma de fazer inscrição dos projetos por outro meio? Não, somente online. Os anexos não serão aceitos por correio.

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015

PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015 PROCESSO SELETIVO Nº 045/2015 REDE NACIONAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA E FEMINISTA A GUAYÍ, Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, sediada na Rua José do Patrocínio 611, Bairro Cidade Baixa, Porto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS FCP

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS FCP PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS FCP EDITAL Nº. 007/2015 FCP CONCESSÃO DE PAUTA PARA USO PÚBLICO DA GALERIA MUNICIPAL DE ARTES DO NÚCLEO INTEGRADO DE LEITURA E ARTES NILA DO ESPAÇO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B TERMO DE REFERÊNCIA DO PROCESSO CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES EXECUTORAS DE AÇÕES DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL E

Leia mais