INFORMAÇÕES E INDICADORES CULTURAIS: CAMINHO PARA O APERFEIÇOAMENTO DA DINÂMICA DE CONTROLE SOCIAL E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO DISTRITO FEDERAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMAÇÕES E INDICADORES CULTURAIS: CAMINHO PARA O APERFEIÇOAMENTO DA DINÂMICA DE CONTROLE SOCIAL E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO DISTRITO FEDERAL"

Transcrição

1 INFORMAÇÕES E INDICADORES CULTURAIS: CAMINHO PARA O APERFEIÇOAMENTO DA DINÂMICA DE CONTROLE SOCIAL E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO DISTRITO FEDERAL Gustavo Pereira Vidigal 1 RESUMO: O trabalho dispõe sobre a concepção e implantação inicial de um modelo de informação e comunicação entre governo, empresariado, sociedade civil e academia, para aperfeiçoar as dinâmicas de controle social e planejamento, execução e avaliação de políticas culturais. Como objetivo central da nova pasta de Indicadores Culturais do Governo do Distrito Federal, o sistema pressupõe a articulação de quatro elementos fundamentais: análise das políticas públicas locais de fomento, cartografia de ativos culturais, cenário socioeconômico desse recorte e uma rede social entre entes e agentes culturais. PALAVRAS-CHAVE: cultura, indicadores, controle social, política. Introdução 24 de agosto de Esta data representa o início efetivo do trabalho da nova subpasta de Indicadores Culturais, pensada desde abril daquele ano para integrar os novos setores da Secretaria de Cultura do Distrito Federal (SeCult DF). Como principal motivação imediata desse acontecimento, pode-se elencar a gestão do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) da capital do país. Criado em 1991 e regulamentado inicialmente por meio do Decreto /1992, atualmente o FAC consiste em um dos mais importantes fundos de fomento à cultura do Brasil. A partir de 2008, por meio da emenda número 52 à Lei Orgânica, 0,3% das receitas correntes líquidas do DF foram vinculados à constituição dos recursos do Fundo, elevando de R$ 7,6 milhões operados em 2007, para mais de R$ 35 milhões, em 2008 e, em 2012, chegando a R$ 53 milhões. Dessa forma, constatou-se que o atual maior fundo estadual de fomento à cultura, no que tange a editalização de recursos para seleção de projetos, carecia de informações mais precisas e conjunturais para orientar seu papel eminentemente estratégico e estrutural para a cultura local. Esse cenário desdobra-se de uma maneira ainda mais delicada ao se considerar a necessidade de compreensão do sistema cultural local como um todo e o estabelecimento de parcerias efetivas, como nos explicita a professora Isaura Botelho (2001): O Estado fomentador é aquele que vê com clareza os problemas que afetam a área cultural em todos os elos da cadeia da criação produção, difusão, consumo e sabe se posicionar, dividir responsabilidades com potenciais parceiros governamentais em todas as instâncias administrativas e, finalmente, conclamar a sociedade a assumir sua parte. 1 Diretor de Indicadores Culturais da Secretaria de Cultura do Distrito Federal. 1

2 Deve-se, entretanto, ampliar essa contextualização inicial. Além do caso particular do Fundo, pode-se colocar em um cenário geral da política pública de cultura do Distrito Federal uma necessidade latente de coleta e processamento de informações para tomada de decisões políticas e administrativas. Conjugado a esse locus interno, ainda era possível apontar a escassez de agentes, entes e produtos privados voltados à compreensão da dinâmica socioeconômica da cultura no âmbito das Regiões Administrativas que compõem aquela unidade da federação. Assim, a atuação da pasta de indicadores culturais - desde o primeiro momento atenta à importância da pauta do monitoramento e avaliação de políticas, com a devida atenção às particularidades metodológicas - ampliou-se organicamente para além do campo específico do fomento (convergente ao campo do financiamento e incentivo). Abraçou-se, dessa forma, demais pautas vinculadas à arquitetura de uma política pública integrada (como as das políticas estruturais ligadas ao patrimônio, diversidade cultural, economia criativa, entre outras). Com o cenário exposto, desenhou-se os princípios, objetivos e mecanismos principais para atuação de forma propositiva e participativa dentro desse mosaico de agendas e agentes. No intuito de sistematizar e difundir informações, gerir ferramentas para acompanhamento, avaliação e aperfeiçoamento de políticas culturais e nutrir espaços de e controle social ativo, alguns elementos se projetam. Entre estes, pode-se citar: observatório sobre o cenário socioeconômico da cultura no DF, grupo de trabalho governamental sobre monitoramento e avaliação de políticas públicas, relatórios e boletins sobre fomento local à cultura e, talvez em destaque, audiências públicas. Esta, como destacado por Soares (2002): ( ) está intimamente ligada às práticas democráticas. Ela representa, juntamente com a consulta popular, a democratização das relações do Estado para com o cidadão, aqui considerado não mais o administrado (...) mas sim um parceiro do administrador público, concretizando a participação popular externa na Administração Pública. Com a preocupação de enraizamento dessa iniciativa para que extrapole uma simples ação de governo, a estruturação de um processo técnico (com o desenvolvimento do modelo e das ferramentas), jurídico (normatizando a proposta nos espaços possíveis, principalmente em torno da adesão do DF ao Sistema Nacional de Cultura) e social (fortalecendo os canais de participação da esfera civil) são fundamentais. Nessa perspectiva, o desenvolvimento, implantação e teste de um modelo de informação e comunicação com foco no aperfeiçoamento das dinâmicas de controle social e gestão de políticas culturais é, nessa pasta, a síntese de um novo pacto entre a sociedade e governo do Distrito Federal. 2

3 Modelagem do Sistema Nessa segunda parte deste artigo, será explorado o modelo de geração, difusão e utilização de informações, indicadores e análises no Distrito Federal, incluindo suas orientações estratégicas, fundamentos e contextos. Vale salientar que o termo sistema utilizado refere-se para além de uma plataforma informatizada, sendo a compreensão posta de: um conjunto de partes coordenadas para realizar um conjunto de finalidades (Churchman, 1972). Inicialmente, foram definidos quatro objetivos principais para o sistema, a saber: (i) propiciar dinâmicas de acompanhamento, avaliação, aperfeiçoamento e controle social das políticas públicas de fomento da Secretaria; (ii) disponibilizar informações georeferenciadas sobre agentes, entes, equipamentos, eventos e manifestações culturais; (iii) gerar, sistematizar e difundir informações sobre o cenário cultural a partir de indicadores econômicos e sociais; e (iv) promover a articulação entre agentes culturais, com foco na geração e disseminação de oportunidades e conhecimentos. Com vistas a materialização desse conjunto de objetivos iniciou-se o levantamento de alguns balizadores conceituais e de modelagem para o desenvolvimento do trabalho. Nessa empreitada pelos parâmetros de conceito, destacam-se dois pontos principais. O primeiro deles refere-se à natureza do indicador, acerca do objeto sobre o qual ele se desdobra, o que pode ser bem esclarecido a partir da colocação de Lins e Alkmin (2008): O indicador cultural é aquele capaz de produzir um conhecimento relevante sobre a realidade, referido a teoria e conceitos, traduzido em sua expressão matemática ou estatística, geralmente diferenciado do dado bruto ou de uma variável. O segundo ponto apresenta a necessidade de sempre ater-se à função e limitações de um indicador do campo cultural, questão na qual pode-se utilizar a seguinte compreensão de Sartore (2008): Os indicadores somente indicam e são apenas instrumentos. Não por isso devemos desprezálos, nem tampouco tê-los como únicas lentes através da qual pretendemos observar a realidade. O valor da cultura não pode ser expresso somente com estatísticas. Imbuído dos dois paralelos apresentados, o indicador, na perspectiva do desenvolvimento em curso, surgiria eminentemente a partir de uma construção técnica e, principalmente, de uma análise de conjuntura. Ou seja, não se ater apenas ao universo da 3

4 avaliação quantitativa e econométrica, mas buscar subsídios desses ambientes para compreensão crítica da realidade cultural. A outra frente da empreitada, o levantamento de experiências nacionais e internacionais de sistemas de informações culturais, resultou numa apreensão de várias experiências que convergiam em algumas facetas de modelagem, são elas: (i) alimentação participativa (gerando canais e estímulos para levantamento de equipamentos, entes, agentes e manifestações); (ii) georeferenciamento das informações prospectadas (reforçando a pauta internacional vigente sobre cultura e territorialidade); e, em âmbito internacional, (iii) atenção ao comércio exterior de produtos e serviços da pasta (ligada à necessidade de construção de uma conta-satélite da cultura, discussão ainda em curso no Brasil). Em recorte nacional, podemos destacar as experiências do Rio Grande do Sul 2, Espírito Santo 3 e, em um estágio bem mais maduro de implantação, Ceará 4. Uma experiência muito interessante de plataforma existente no Distrito Federal surgiu de um projeto apoiado pelo FAC, a Cartografia da Cultura Candanga 5. Em contexto internacional, por sua vez, aponta-se experiências como a do México 6, Argentina 7 e do Mercosul Cultural 8. Após esses levantamentos iniciais, iniciou-se o design do Sistema de Informações e Indicadores Culturais do DF (SIIC DF), sobre o qual o artigo discorrerá diretamente a partir da figura 1 abaixo, que apresenta quatro áreas temáticas e quatro grupos de interesse principais: Fomento Cartogra ia SIIC DF Conjuntura Rede Social Figura 1 Sistema de Informações e Indicadores Culturais do Distrito Federal

5 Cada uma dessas frentes de temáticas do sistema podem ser exploradas um pouco mais para fim de compreensão. O Fomento, ou seja, as políticas empreendidas de investimento ou incentivo da SeCult DF operam três focos específicos, a saber: (i) sistematização de informações ligadas ao Fundo de Apoio à Cultura e, futuramente, à lei distrital de incentivo fiscal (com tramitação já em curso); (ii) propiciar, a partir de emissão de relatórios e realização de audiências, o monitoramento e controle por parte da sociedade civil desse processo; e (iii) induzir, com avaliações técnicas de impacto, o aperfeiçoamento das políticas. Em relação ao segundo eixo, Cartografia, pretende-se gerar informações georeferenciadas de entes, agentes, eventos, manifestações e equipamentos culturais. Em terceiro lugar, referente à Conjuntura, o objetivo é orquestrar um análise de conjuntura do cenário socioeconômico da cultura a partir do obtido pelos indicadores, tópico a ser aprofundado mais à frente. Por fim, o elemento intitulado Rede Social, muito mais que um outro bloco de informações e análise, implementa o conceito fundamental de geração e compartilhamento de informações pela plataforma a ser implantada; sendo que, a disponibilização pública das informações geradas e a possibilidade direta de interação da sociedade civil (formato de crowdsourcing) serão princípios inalienáveis. Como também apontado pela figura 1, os principais stakeholders, ou grupos de interesse, são um elemento de consideração na modelagem do sistema. O governo teria como principais espaços de interesse no sistema o aperfeiçoamento do seu planejamento e das próprias políticas, além da transparência de suas ações (numa realidade de crescentemente demanda por accountability frente aos governos). A sociedade civil, além de ter mais um espaço para intercâmbio de conhecimentos e oportunidades, poderia exercer de maneira mais veemente o controle social. À academia, o provimento de informações seriam úteis como subsídios, principalmente, para a produção acadêmica. O empresariado, por fim, teria a oportunidade de aperfeiçoamento de suas dinâmicas de planejamento e investimento junto a atividades e grupos de natureza cultural. Vale salientar que esses grupos poderão interagir na plataforma enquanto indivíduos, organizações ou redes. Um dos principais arcabouços teóricos para a modelagem, encontrado ao longo da investigação aprofundada sobre o tema, foi o conceito de circuitos culturais: ( ) el objeto de las políticas culturales no es la cultura, no es un objeto físico, no es siquiera una situación: es una constelación movible de circuitos culturales que se engarzan unos con otros y que entreveran, por así decir, desde dentro, a la sociedad. Circuitos, claro está, que poseen una materialidad y que se organizan en torno a unos componentes identificables, pero cuyo carácter más proprio es esa relativa indeterminación de los significados que a través de 5

6 ellos circulan y que se hallan continuamente sujetos a procesos conflictivos de reconocimiento y de resignificación. (Brunner, 1985) O Framework for Cultural Statistics 2009 (FCS), principal instrumento internacional de referencia para conceitu ação e implantação de indicadores culturais, retomando a construção teórica de Brunner, aponta a seguinte estrutura apresentada pela figura 2 abaixo: Figura 2 Circuitos Culturais Adaptado de UNESCO, 2009 A partir desse elemento, pode-se criar uma primeira lâmina de chave conceitual para categorização do levantamento de informações e geração de dados analíticos. Muito além de uma mera taxonomia acadêmica, esses elementos atuam diretamente na efetividade de definição e compreensão dos objetos de estudo e, dessa forma, o que é preeminente no âmbito governamental, gera subsídios diretos atuação. Segundo Calabre (2009): Para a elaboração de políticas culturais, temos que possuir - e tratar de maneira efetivamente diferenciada - os dados das práticas, da produção, do consumo, dos serviços, etc, pensando tais informações como essenciais para a construção de ferramentas de monitoramento da realidade. O ponto delicado, faz-se necessário ressaltar, é que não se pode cair em um simples diretismo estatal, mas conjugar elementos para, de maneira colegiada, criar mecanismos e dinâmicas para desenvolvimento social, econômico e cultural. Outro universo de exploração fundamental para a modelagem do sistema foram os domínios, ou seja, as áreas e categorias de intervenção da pesquisa e construção da base de dados. Nessa busca, o FCS apresenta a seguinte solução apontada na figura 3 abaixo: 6

7 Figura 3 Domínios Culturais e Correlatos Adaptado de UNESCO, 2009 Como a estrutura de política pública da SeCult DF adotava outras categorias (baseadas no conjunto de áreas definidas pelo Plano Nacional de Cultura), fez-se necessária uma construção paralela. Decidiu-se por criar uma malha de informação com duas chaves de categorização. Ou seja, a informação relacionada ao fomento ou ao cenário socioeconômico era organizada seguindo o parâmetro do FCS (para resguardar as possibilidades de comparação com outras bases de dados) e os conceitos utilizados pela Secretaria (resguardando a compreensão dos operadores internos e externos das políticas). No planejamento dos indicadores culturais propriamente ditos, deve-se pensar em pelo menos dois conjuntos de dimensões. No primeiro, que explora o campo de apreensão do instrumento, pode-se apontar a dimensão econômica e social; por mais que, obviamente, isso tenha um fundo de sistematização e que essas realidades se permeiem. O segundo conjunto, formado a partir da origem da informação, consiste na ótica da oferta (foco na criação, produção e difusão cultural) e da demanda (orquestrando os conceitos de participação e consumo cultural). Além dessas situações, como aponta Pfenniger (2004), um indicador deve possuir cinco características: (i) confiabilidade; (ii) atualização periódica; (iii) clareza; (iv) comparabilidade no tempo e espaço; e (v) acessibilidade e relevância para a política cultural. Com base na experiência da priorização do complexo de indicadores culturais a serem aplicados no Canadá, apresentada por Carvalho da Silva (2008), e retomando os conjuntos abordados no parágrafo anterior, construiu-se o seguinte quadro-base para a arquitetura dos 9 indicadores-chave no Distrito Federal: 7

8 Figura 4 Quadro-Base de Indicadores Culturais do DF Essas 9 frentes de compreensão do cenário socioeconômico da cultura do Distrito Federal desdobram-se em de 36 indicadores culturais. Esses desdobramentos referem-se, principalmente, à necessidade de contextualizar esses indicadores em três parâmetros, sendo eles domínios (os espaços de intervenção apresentados), circuitos (dentro do apontado anteriormente) e espaços (no contexto de georeferenciamento das informações); como podemos observar na esquematização apresentada pela figura 5 abaixo: Domínios Circuitos Espaços Social Econômico Figura 5 Grade Conceitual de Indicadores Culturais do DF Fora esse conjunto descrito, ligado a impactos ou estruturas culturais finais, ainda deve-se atentar a um segundo conjunto de indicadores de desempenho, interno à Secretaria de Cultura. Estes são importantes para o planejamento em âmbito organizacional, contexto administrativo que fornece o suporte necessário para a execução política. Para Januzzi (2002), os indicadores, no âmbito da avaliação, devem assumir três aspectos diferentes: indicadores para avaliação da eficiência dos meios e recursos empregados, indicadores para avaliação da eficácia no cumprimento das metas e indicadores para a avaliação da efetividade social do 8

9 programa. Vale ressaltar que, no processo de implantação de uma cultura de monitoramento e avaliação de políticas, deve-se sempre equalizar as necessidades/importâncias mais emergentes aos recursos/meios disponíveis, conduzindo a uma priorização inteligente de ações. Implantação do Sistema Com o objetivo de discorrer sobre o início da implantação do que foi apontado anteriormente, faz-se necessário apresentar o desenvolvimento de alguns elementos. O primeiro desses que se poderia destacar é o relatório desenvolvido chamado Estrutura e Análise dos Editais do FAC , de certa forma o primeiro produto da nova pasta, alinhado com o objetivo estratégico de sistematização de informações sobre o fomento. Apresentado internamente e à sociedade civil, o relatório foi composto basicamente pela apresentação da estrutura do processo seletivo, a análise estatística do fluxo de projetos, recurso investido e perfil do contemplado e uma pesquisa de percepção social realizada com os principais agentes diretamente envolvidos no processo. Seu objetivo principal foi instrumentalizar o debate em torno do aperfeiçoamento da editalização de recursos do FAC, sempre reforçando a delicadeza de se realizar análises mais robustas sem série histórica do objeto em estudo. Outra interface importante, se não fundamental, para a contextualização da implantação desse processo foi o interesse veemente na adesão ao Sistema Nacional de Cultura (SNC). Dentre outros elementos, a adesão requer a implantação, nos fundamentos do Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC), de um processo, como explicitado pelo artigo 9 da Lei /2010, que colete, sistematize, analise e disponibilize informações, dados, indicadores e avaliações frente à ações e atividades culturais. Dessa forma, a lógica permanece de adesão ao arcabouço nacional, centralizando alguns fluxos para manutenção geral do processo; entretanto, abrindo-se espaços próprios para necessidades mais latentes e específicas do Distrito Federal. Assim, no caminho de desenvolver de maneira unificada uma base de dados e um cadastro de agentes e entes culturais, o Distrito Federal, bem como os demais Estados, deverão potencializar seu papel mobilização e análise de informações. Nessa perspectiva, estabeleceu-se três projetos secundários estruturais: (i) aperfeiçoamento e informatização do CEAC 10 ; (ii) implantação de um Observatório; e (iii) 9 FAC publicação (DICult).pdf 10 CEAC refere-se ao Cadastro de Ente e Agente Cultural, um mecanismo utilizado pela SeCult DF para emissão de certificados que possibilitam que pessoas físicas e jurídicas acessem os recurso editalizados do FAC. 9

10 estruturação de plataforma virtual de comunicação do SIIC DF. Em relação ao primeiro ponto, foi necessário pensar o aperfeiçoamento em duas frentes: modernização da tecnologia de informação e remodelagem conceitual. Para iniciar, foi realizado um levantamento de experiências nacionais de cadastros nas secretarias estaduais de cultura, das quais, além da do Ceará, apontada anteriormente, a do Paraná 11 apresentou alguns elementos interessantes. Dos casos levantados, percebeu-se que os Estados que possuem fundos de fomento tendem a tornar vinculativo o cadastro para acesso e que todas as experiências caminhavam para apresentação virtual das informações obtidas. Dessa forma, com mais de entes e agentes cadastrados, foi pensado um convênio, atualmente em fase de finalização, com a Universidade de Brasília (UnB) para informatização do processo e desenvolvimento de uma plataforma para transparências desses cadastros. No que tange a revisão conceitual da ferramenta, está em curso a revisão de categorias e parâmetros atualmente utilizados. O segundo projeto, implantação de um grupo de estudos contínuo no formato de observatório, surge do cenário local com total escassez de informações específicas e adequadas aos objetivos traçados. Obviamente, como seria o processo natural, tentou-se partir para o recorte de informações de âmbito regional e nacional, como as apresentadas pelo Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais: (IBGE, 2007b), ou aglutinação de pesquisas municipais, como o Perfil dos Municípios Brasileiros: cultura (IBGE, 2007a). Entretanto, essas iniciativas foram parcialmente frustradas, não gerando todos os referenciais necessários para desenvolvimento. Nesse cenário, coligado ao fato da necessidade de se estruturar elementos para a continuidade do trabalho pós-governo, está em fase de desenvolvimento e arquitetura institucional um observatório com participação da academia, do governo e da sociedade civil. Dentre as experiências levantadas, podemos destacar como importantes referências: Observatório das Actividades Culturais de Portugal 12, Observatório das Indústrias Criativas de Buenos Aires 13 e, no Brasil, em Minas Gerais, o Observatório da Diversidade Cultural 14. A comunicação, dentro da dinâmica de monitoramento e avaliação de políticas públicas, para Joppert (2011): é um fator preponderante para a integração da organização e o desdobramento dos resultados em todos os níveis, internamente e externamente. (...) Em síntese, a comunicação gera consciência estratégica e cultura voltada para resultados

11 Nessa perspectiva, o desenvolvimento da plataforma de comunicação do SIIC DF, também no escopo do conveniamento em curso junto à UnB, terá um papel fundamental para a Secretaria e também para os diversos grupos de interesse que orbitam as políticas culturais locais. Seja por meio de relatórios, painéis de controle, matrizes de responsabilidade, ou salas de situação, uma plataforma que disponibilize dados e análises será fundamental para dar vazão aos processos de controle social e mobilização, em cenário externo, e, em ambiente interno, engajamento dos agentes, planejamento estratégico (com enfoque em metas e resultados) e alinhamento institucional. Formando o bojo de ações para implementação do modelo de informações e indicadores culturais, estão em fase de desenvolvimento três elementos: (i) avaliação de impacto do FAC, (ii) audiências e (iii) indicadores. O primeiro desses, que está em fase final de modelagem, realmente propiciará uma reengenharia de política pública para otimização de recurso e maximização de resultados apreendidos. Essa avaliação de impacto só pode ser feita a partir dos avanços obtidos na própria estruturação estratégica do Fundo, constituindo uma teoria do programa (conjunto de elementos articulados e estruturantes das linhas de política), como aponta Ferreira (2009), materializada em ferramentas como o Logical Framework, conhecido no Brasil como Modelo de Quadro Lógico 15. No que tange às audiências, a primeira a ser realizada está sendo planejada para novembro de 2012 e, antes disso, será realizado ao menos um ciclo de debate para fortalecer essa temática junto ao empresariado, governo, academia e sociedade civil. Por fim, os indicadores já foram desenhados e estruturados, aguardando os insumos informacionais a serem gerados pela realização de pesquisas específicas projetadas e recorte/aglutinação de pesquisas existentes. Conclusão Como se pode perceber ao decorrer da trajetória do presente trabalho, os grande pilares do caso apresentado são o controle social e o aperfeiçoamento de políticas públicas de cultura. A primeira questão converge para a compreensão da cultura como um direito social básico, como apontado pelo A Imaginação a Serviço do Brasil (PT, 2002). Vale-se dizer que: Em última análise, os direitos culturais têm como objeto o processo de formação dos indivíduos, o reconhecimento de suas formas de vida em suas dimensões simbólicas e materiais, o enriquecimento de seu repertório e a ampliação de sua capacidade de ação cultural

12 sobre a realidade. Os direitos culturais devem garantir aos indivíduos e às coletividades o direito à criação, à fruição, à difusão de bens culturais, além do direito à memória e à participação nas decisões das políticas culturais. Dizem respeito também à internalização, por indivíduos e grupos sociais, dos recursos sociais gerados no processo de desenvolvimento, envolvendo enriquecimento material e simbólico. Devem ser garantidos pelo Estado como indica o comando constitucional, de forma democrática e por políticas de desenvolvimento econômico e social. (Barbosa e Araújo, 2010). Com vistas ao aperfeiçoamento das ações provenientes do Estado, primeiramente temos que assegurar a natureza desse universo, como indicado na compreensão de Rubim (2007): somente políticas submetidas ao debate e crivo públicos podem ser consideradas substantivamente politicas públicas de cultura. Dessa forma, convergindo inclusive com a própria questão do controle social, podemos gerar espaços participativos de planejamento estratégico, avaliação e, por fim, qualificação desses mecanismos. Alguns alertas, que se resguardam como tal por não terem espaço para se desenvolverem no escopo desse trabalho, devem ser postos para que não sejam esquecidos. Um deles, Brizuela (2011) nos aponta: O campo de estudos multidisciplinares sobre políticas culturais na América Latina é relativamente recente; mas cresceu muito, em qualidade e quantidade, desde a década de 80. Ainda assim, é um espaço profundamente heterogêneo, onde não é fácil achar um mínimo de consenso sobre alguns conceitos e definições básicas. Se no plano geral, as diferenças de enfoques e entendimentos são importantes, no plano específico da avaliação resulta mais difícil ainda encontrar algum tipo de acordo sobre como proceder nestas análises. Outros elementos de fulcro técnico estruturais, como as limitações ainda existentes no Cadastro Brasileiro de Ocupações (CBO) e no Cadastro Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) e a não consolidação da conta satélite da cultura, ainda emperram algumas articulações, principalmente na tentativa de explorar transversalidades nas pesquisas existentes. Paralelo a essa realidade, ainda vemos relativamente poucos processos governamentais de exploração real de informações e indicadores culturais; sendo que, as experiências em curso, normalmente, ainda tendem a contar com um baixo contingente de recursos humanos e materiais (a própria Diretoria responsável pelo caso apresentado neste trabalho, pegando como exemplo prático, conta apenas com um agente efetivo). Enfim, o objetivo do presente artigo foi realizar essa apreensão geral da modelagem e implantação inicial de um conjunto de ferramentas e processos para geração, difusão e utilização de informações, indicadores e análises no Distrito Federal. Ao longo desse processo, foram apresentados várias referências de sistemas, cadastros e observatórios, bem como referenciais teóricos e ferramentas práticas. Desse modo, um desdobramento esperado 12

13 do presente artigo é o estímulo a mais discussões qualificadas sobre essa frente de trabalho, haja vista que a cooperação nesse ambiente pode ser muito profícua, seja para geração de mais bases de dados adequadas, ou até para o aperfeiçoamento da atuação da União, Estados e Municípios no campo cultural. Bibliografia BARBOSA, Frederico; ARAÚJO, Herton Ellery. Cultura Viva: avaliação do programa arte, educação e cidadania. Brasília: Ipea, BOTELHO, Isaura. Dimensões da Cultura e Políticas Públicas. In: São Paulo em Perspectiva; volume 15, número 2, páginas São Paulo: SEADE, BRIZUELA, Juan Ignacio. Como avaliar uma política cultural e fracassar na tentativa: o caso do programa Identidad Entrerriana. Rio de Janeiro: II Seminário Internacional de Políticas Culturais, BRUNNER, José Joaquín. La cultura como objeto de políticas. Chile: FLACSO, CALABRE, Lia. Políticas Públicas e Indicadores Culturais: algumas questões. Bahia: V ENECULT, CARVALHO DA SILVA, Rosimeri. Indicadores Culturais: reflexões para construção de um modelo brasileiro. In: Revista Observatório Itaú Cultural - n. 4. São Paulo: Itaú Cultural, CHURCHMAN, C. W. Introdução à Teoria dos Sistemas. Rio de Janeiro: Vozes, FERREIRA, H. et al. Uma experiência de desenvolvimento metodológico para avaliação de programas: o modelo lógico do Programa Segundo Tempo. Brasília: Ipea, IBGE. Perfil dos Municípios Brasileiros: cultura Rio de Janeiro: IBGE, 2007a.. Sistema de Informações e Indicadores Culturais: Rio de Janeiro: IBGE, 2007b. JANUZZI, Paulo de Martino. Considerações sobre o uso, mau uso e abuso dos indicadores sociais na formulação e avaliação de políticas públicas municipais. Rio de Janeiro: Revista de Administração Pública, JOPPERT, Márcia Paterno. Indicadores, Monitoramento e Avaliação na Administração Pública. São Paulo: Instituto Publix, LINS, Cristina Pereira de Carvalho; ALKMIN, Antonio Carlos. O sistema e o sistema : o projeto em curso do IBGE e o estudo sobre cultura. In: Revista Observatório Itaú Cultural - n. 4. São Paulo: Itaú Cultural, PARTIDO DOS TRABALHADORES. A imaginação a Serviço do Brasil. In: Caderno de 13

14 Campanha. São Paulo: PT, PFENNIGER, Mariana. Indicadores y estadísticas culturales: un breve repaso conceptual. Espanha: Boletín Gestión Cultural Nº7, RUBIM, Antonio Albino Canelas. Políticas Culturais: entre o possível e o impossível. In: NUSSBAUMER, Gisele Marchiori. Teorias e políticas da cultura: visões multidisciplinares. Salvador: EDUFBA, SATORRE, Cristina Pou. O uso de indicadores em pesquisa do setor cultural: o salto das estatísticas para a desconstrução do discurso. In: Revista Observatório Itaú Cultural - n. 4. São Paulo: Itaú Cultural, SOARES, Evanna. A Audiência Pública no Processo Administrativo. Teresina: PRT 22, UNESCO. Framework for Cultural Statistics. Canadá: UNESCO Institute for Statistics,

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

Gestão Ambiental Compartilhada

Gestão Ambiental Compartilhada Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Departamento de Articulação Institucional Gestão Ambiental Compartilhada Discussão: Licenciamento Ambiental de empreendimentos e atividades com características

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI O Processo de Construção do SNC Teresina-PI 04/Dez/2012 A Importância Estratégica do SNC Após os inúmeros avanços ocorridos nos últimos anos no campo da cultura

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

OBSERVATÓRIO DOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS E DO FEDERALISMO MARÇO DE 2015

OBSERVATÓRIO DOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS E DO FEDERALISMO MARÇO DE 2015 OBSERVATÓRIO DOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS E DO FEDERALISMO MARÇO DE 2015 Histórico Emenda Constitucional 19/98 Artigo 241 da Constituição A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios disciplinarão

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013 MONIB: Painel de Indicadores de Monitoramento do Plano Brasil Sem Miséria concepção e funcionalidades MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

BIBLIOTECAS PÚBLICAS

BIBLIOTECAS PÚBLICAS EDITAL DE FORTALECIMENTO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA (SNC) 2014 BIBLIOTECAS PÚBLICAS Orientações aos Sistemas Estaduais de Bibliotecas Públicas (SEBPs) integrantes do SNC O que é o Sistema Nacional

Leia mais

Sistemas de monitoramento

Sistemas de monitoramento Sistemas de monitoramento Prof. Marcos Pó Avaliação e Monitoramento de Políticas Públicas Definições Monitoramento: um processo sistemático e contínuo que, produzindo informações sintéticas e em tempo

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA Secretaria do Planejamento Superintendência de Planejamento Estratégico Março de 2015 PPA 2016-2019 Documento político, pactuado por todas

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

EDITAL AUDITAR PROCESSO SELETVO Nº 2/2010

EDITAL AUDITAR PROCESSO SELETVO Nº 2/2010 EDITAL AUDITAR PROCESSO SELETVO Nº 2/2010 Processo Seletivo para Participação no II Seminário Internacional de Contabilidade Pública e 3º Fórum Nacional de Gestão e Contabilidade Públicas 1. Considerações

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

BOLETIM DE ESTATÍSTICAS CULTURAIS

BOLETIM DE ESTATÍSTICAS CULTURAIS IV ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 28 a 30 de maio de 2008 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. BOLETIM DE ESTATÍSTICAS CULTURAIS Andréa Gomes da Silva Felipe

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho 1 2 Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretário da Saúde Jorge Solla Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho Equipe Técnica: Celurdes Carvalho Flávia Guimarães Simões

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, de modo a facilitar sua compreensão

Leia mais

PROJETO POR UM SISTEMA NACIONAL DE OUVIDORIAS PÚBLICAS: POSSIBILIDADES E OBSTÁCULOS

PROJETO POR UM SISTEMA NACIONAL DE OUVIDORIAS PÚBLICAS: POSSIBILIDADES E OBSTÁCULOS PROJETO POR UM SISTEMA NACIONAL DE OUVIDORIAS PÚBLICAS: POSSIBILIDADES E OBSTÁCULOS Natureza dos problemas ESTRUTURAL E CONJUNTURAL Estrutural 1. Ausência de efetividade em alguns modelos de ouvidorias.

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL 6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL O processo de implantação do Plano de Articulação Institucional (PAI) foi objeto de releitura, a partir da emissão do Ofício 02001.009795/2013-60 GABIN/PRESI/IBAMA,

Leia mais

Esfera: 10 Função: 06 - Segurança Pública Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 30101 - Ministério da Justiça

Esfera: 10 Função: 06 - Segurança Pública Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 30101 - Ministério da Justiça Programa 1127 Sistema Único de Segurança Pública - SUSP Numero de Ações 12 Ações Orçamentárias 2272 Gestão e Administração do Programa Produto: - Unidade de Medida: - Esfera: 10 Função: 06 - Segurança

Leia mais

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental Câmara Municipal de Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental PROJETO DE LEI Nº /2008 Dispõe sobre a Política Municipal de Educação Ambiental e dá outras providências.

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

Projeto Prominp IND P&G 75 Propostas de Política para Mobilização e Desenvolvimento de APLs para o Setor de Petróleo, Gás E Naval

Projeto Prominp IND P&G 75 Propostas de Política para Mobilização e Desenvolvimento de APLs para o Setor de Petróleo, Gás E Naval WORKSHOP INICIAL Plano de Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais para o Setor de Petróleo, Gás e Naval Projeto Prominp IND P&G 75 Propostas de Política para Mobilização e Desenvolvimento de APLs

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

Política cultural: Brasil; SP; São Paulo

Política cultural: Brasil; SP; São Paulo Política cultural: Brasil; SP; São Paulo Antônio Eleilson Leite eleilsonleite@hotmail.com São Paulo, maio, 2014 Política cultural Nacional As três dimensões da cultura: simbólica, cidadã e econômica Fortalecimento

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

Programa. orientações. Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br. Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva

Programa. orientações. Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br. Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva Programa Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva orientações @DiversidadeMinC e @CulturaViva cidadaniaediversidade Secretaria da Cidadania e da Diversidade

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Gustavo Figueiredo 2 Resumo O IBAMETRO - Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade, autarquia ligada

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 01/13 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS 2014/2017 Introdução: O planejamento em saúde configura-se como responsabilidade dos entes públicos, assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

PROGRAMA VIVER+ - QUALIDADE DE VIDA, PREVENÇÃO POSITHIVA E INCLUSÃO SOCIAL

PROGRAMA VIVER+ - QUALIDADE DE VIDA, PREVENÇÃO POSITHIVA E INCLUSÃO SOCIAL PROGRAMA VIVER+ - QUALIDADE DE VIDA, PREVENÇÃO POSITHIVA E INCLUSÃO SOCIAL PARA PVHA INOVANDO A GESTÃO DE PROJETOS: A EXPERIÊNCIA DOS COMITÊS DE ACOMPANHAMENTO DO VIVER+ Junho, 2009 RESUMO 1 Diversos projetos

Leia mais

EL SUS ANTE LA DUALIDAD DEL SISTEMA DE SALUD EN UN CONTEXTO FEDERATIVO: TENSIONES PARA LA CONSTRUCCIÓN DE LA UNIVERSALIDAD EN BRASIL

EL SUS ANTE LA DUALIDAD DEL SISTEMA DE SALUD EN UN CONTEXTO FEDERATIVO: TENSIONES PARA LA CONSTRUCCIÓN DE LA UNIVERSALIDAD EN BRASIL Seminario internacional El establecimiento y la renovación de pactos sociales para una protección social más inclusiva: experiencias, retos y horizontes en América Latina, desde una perspectiva internacional

Leia mais

CARTA DE FERRAZ DE VASCONCELOS

CARTA DE FERRAZ DE VASCONCELOS CARTA DE FERRAZ DE VASCONCELOS O Fórum de Inovação Tecnológica, Inclusão Social e Redes de Cooperação realizou-se nas dependências do Complexo Poli Esportivo Gothard Kaesemodel Junior Ferraz de Vasconcelos

Leia mais

O Plano Nacional de Extensão Universitária

O Plano Nacional de Extensão Universitária O Plano Nacional de Extensão Universitária Antecedentes A universidade brasileira surgiu tardiamente, na primeira metade do século XX, pela união de escolas superiores isoladas, criadas por necessidades

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária;

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária; DECRETO Nº. Institui o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt Art. 1º Fica instituído o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt constante deste Decreto, com o objetivo de promover a política

Leia mais

Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação

Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação pública (Projeto) PPG-AU/UFBA Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo 1 Contexto e justificativa Odesenvolvimento

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A VIGILÂNCIA SANITÁRIA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM. Versão 1.2

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A VIGILÂNCIA SANITÁRIA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM. Versão 1.2 GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA Planejamento, Programação, Pactuação e Monitoramento das ações de Visa Versão 1.2 ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO (APLAN/ANVISA)

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa?

Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa? Por que o empreendedorismo [junto com o capital intelectual] deve ser adotado como área estratégica no planejamento estratégico da Suframa? 1 O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes

AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA. Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA PROJETO AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Apresentação Geral, Objetivos e Diretrizes Outubro de 2005 Justificativa A grande expansão da estratégia

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO

ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Políticas públicas: a cultura como fator de desenvolvimento econômico

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Dezembro/2011 Instrumentos da Política SocioAmbiental Linhas de Instituições Financiamento participantes da pesquisa Participação de

Leia mais

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO

CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO Organização Pan-Americana da Saúde Ministério da Saúde CHAMADO À AÇÃO DE TORONTO 2006-2015 Rumo a uma Década de Recursos Humanos em Saúde nas américas Reunião Regional dos Observatórios de Recursos Humanos

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS Palmas/TO, setembro 2013 Relatório de conclusão: Plano

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência Programa Momento do Programa: Momento LOA+Créditos Tipo de Programa: Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Direitos da Cidadania e Movimentos Sociais R$ 50.000.000 Notas de usuário para Programa

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008 Presidência da República Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Subsecretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

Política Nacional de Educação Ambiental

Política Nacional de Educação Ambiental Política Nacional de Educação Ambiental Diretoria de Educação Ambiental Secretaria Executiva Coordenação da PNEA Ministério do Meio Ambiente Órgão Gestor da PNEA Ministério da Educação Diretoria de Educação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

ipea Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias

ipea Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias Sandra Faé Praxedes* Este artigo tem como objetivo oferecer ao leitor um breve balanço acerca do momento atual, das trajetórias

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Estratégias para o desenvolvimento humano

Estratégias para o desenvolvimento humano ofício Estratégias para o desenvolvimento humano A Olhar Cidadão é uma empresa de planejamento estratégico, gestão e inovação, na qual se desenvolvem soluções integradas, projetos e ideias que contribuam

Leia mais

Programa de Apoio Aos Municípios em Tributação Imobiliária

Programa de Apoio Aos Municípios em Tributação Imobiliária Oficina de Apoio Técnico às Questões Cadastrais: Discussão, Análise e Identificação de Soluções para Problemas e Casos Práticos Apresentação dos Painéis, Questões Debatidas, Síntese das Diretrizes, Conclusões

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais