Projeto BRA/12/018 - Desenvolvimento de Metodologias de Articulação e Gestão de Políticas Públicas para Promoção da Democracia Participativa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto BRA/12/018 - Desenvolvimento de Metodologias de Articulação e Gestão de Políticas Públicas para Promoção da Democracia Participativa"

Transcrição

1 Projeto BRA/12/018 - Desenvolvimento de Metodologias de Articulação e Gestão de Políticas Públicas para Promoção da Democracia Participativa Produto 4 - Documento contendo estratégias e boas práticas para mediação dos debates na plataforma do Portal da Participação Social e perfis nas redes, considerando o envolvimento de interlocutores temáticos e dos demais órgãos de governo parceiros do projeto Propostas para mediação do debate a partir de experiências bem sucedidas em outras plataformas digitais Grazielle Machado Fernandes Brasília 2014

2 Produto 4 Propostas para mediação do debate a partir de experiências bem sucedidas em outras plataformas digitais Contrato n /2013 Objeto da contratação: Consultor para o aporte de conhecimentos e metodologias para mapeamento e mobilização de interlocutores de governo e sociedade civil, disseminação de conteúdos de comunicação, mediação de debates e análises no âmbito do projeto do portal da participação social. Valor do produto: R$ 9.600,00 (nove mil e seiscentos reais) Data de entrega: Nome do consultor: Grazielle Machado Fernandes Nome do supervisor: Ricardo Augusto Poppi Martins

3 Fernandes, Grazielle Propostas para mediação do debate a partir de experiências bem sucedidas em outras plataformas digitais/2014. Total de folhas: 29 Supervisor: Ricardo Augusto Poppi Martins Secretaria: SNAS Secretaria-Geral da Presidência da República Palavras-chave: Palavras-chave: interação, participação social, debate, digital, redes sociais, colaborativa, Participa.br Esta obra é licenciada sob uma licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial- SemDerivações. 4.0 Internacional.

4 SUMÁRIO Resumo Introdução Contexto e importância da consultoria Contexto atual e Importância do Produto Desenvolvimento Analise de experiências de mobilização bem sucedidas no Facebook Por que é importante ter uma plataforma pública para a mediação desses debates Como mediar os debates que acontecem no Participa.br Como fomentar debates sociais utilizando o Participa.br Como outras plataformas digitais podem ajudar a ampliar os debates no Participa.br Conclusão...23 Referências...25 ANEXOS...26

5 Resumo Esse produto analisa o contexto atual do Brasil e como as interações acontecem nas principais redes sociais digitais do país. A partir da literatura pesquisada e das experiências analisadas, foram elaboradas sugestões metodológicas para que gestores públicos possam mediar e fomentar debates utilizando o Portal Federal da Participação Social (Participa.br). O objetivo é fortalecer o uso da ferramenta para que cada vez mais políticas públicas sejam elaboradas utilizando a Plataforma. São abordadas as teorias de comunicação sobre redes sociais e ações concretas de mobilização social na internet. Por fim, apresenta sugestões de ação e ferramentas que podem ser desenvolvidas para este fim. Palavras-chave: interação, participação social, debate, digital, redes sociais, colaborativa, Participa.br

6 1. Introdução O Brasil tem se transformado, ao longo dos últimos vinte anos, em um país democrático com diversas práticas participativas bem sucedidas que aproximam Estado e sociedade no processo de construção de políticas públicas e melhor distribuição de serviços (AVRITIZER, 2009). As praticas participativas vão desde as mais tradicionais, exercidas através do voto, como referendo e plebiscito, até a realização de conferências de políticas públicas, passando pelas audiências e consultas públicas, e até as menos utilizadas como ouvidorias públicas e mesas de dialogo. No campo digital podemos citar experiências ligadas aos chamados orçamentos participativos, consultas online e até o uso das redes sociais digitais (Facebook e Twitter, por exemplo) como mecanismos de interação entre poder público e sociedade. O uso das novas comunicações para a participação e mobilização social assume, de acordo com Henriques (2009), um papel estratégico para ampliar as relações da democracia representativa para democracia participativa. O autor reforça a necessidade de estimular a participação dos sujeitos através de diversos meios a fim de provocar nos participantes um sentimento de corresponsabilidade com a coisa pública. O Portal Federal da Participação Social (Participa.br) nasceu como um espaço onde governo e sociedade podem, juntos, gerir e exercitar os conceitos da democracia participativa. O Decreto Presidencial nº 8.243/2014 que institui a Política Nacional de Participação Social (PNPS) em seu Art. 6º inciso IX indica que: São instâncias e mecanismos de participação social, sem prejuízo da criação e do reconhecimento de outras formas de diálogo entre administração pública federal e sociedade civil: ambiente virtual de participação social. Diante disso, faz-se necessário que o governo brasileiro se empenhe cada vez mais em ampliar os canais de participação com o uso das novas tecnologias para aproximar ainda mais o

7 cidadão dos canais de dialogo com a sociedade. Este trabalho analisa a interação que já acontece nas principais redes sociais digitais (Facebook e Twitter) como forma de embasar e apontar sugestões de ações para que gestores públicos, das diversas esferas administrativas, possam potencializar, moderar e ampliar debates utilizando as ferramentas e comunidades temáticas do Participa.br como um canal de escuta e diálogo com a Sociedade. O presente trabalho também considera essencial o envolvimento dos interlocutores (toda a sociedade brasileira, neste caso) para haja de fato um debate qualificado sobre a ampliação das políticas públicas. 1.1 Contexto e importância da consultoria O trabalho realizado por meio de convênio entre a Secretária-Geral da Presidência da República (SG/PR) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) visa o desenvolvimento de metodologias para o mapeamento e mobilização de interlocutores para ampliação da participação social no âmbito da Política Nacional de Participação Social (Decreto Presidencial nº 8.243/2014) com foco no Portal Nacional da Participação Social (Participa.br). No contexto das pesquisas e atividades já realizadas até o momento este produto visa descrever e sugerir métodos de trabalho a partir das comunidades temáticas e da analise das trilhas de participação social (mecanismo onde governo e sociedade constroem colaborativamente processos participativos para diálogos e debates na plataforma) do Portal da Participação Social (Participa.br). Além disso, a integração do canal oficial com as redes sociais digitais já estabelecidas e amplamente utilizadas no Brasil se mostra um caminho viável para canalizar os debates já propostos pela sociedade. É necessário buscar (mobilizar) o cidadão nas redes sociais já estabelecidas onde as discussões naturalmente ocorrem, porém, onde o Governo não pode fazer a construção de políticas públicas por ser uma rede privada, e chamálos para ambientes apropriados onde a construção de processos colaborartivos e participativos podem ser efetivamente desenvolvidos em conjunto com o Governo Federal, canalizando e dando fluidez as demandas apresentadas pela Sociedade.

8 Nos próximos capítulos as formas de interação, mediação e fomento dos debates no âmbito do Participa.br serão melhor detalhados. Além disso, também existe um capitulo específico para mostrar como é possível que o Governo utilize as redes sociais digitais prioritárias como ferramenta de mobilização, interação e canalização de diálogos e debates para o Participa.br. 1.2 Contexto atual e Importância do Produto A participação social no Brasil representa princípio jurídico-institucional presente na Constituição Federal de 1988, que a definiu como forma de afirmação da democracia e da consolidação da cidadania. Ao incorporar esse princípio como referência para a gestão pública, o Governo Federal aprimora os processos de interação do Estado com a Sociedade e cria as condições institucionais para a prática da democracia participativa. Com isso, verifica-se que, além da crescente participação social nas decisões governamentais, as políticas públicas ganham maior legitimidade, uma vez que expressam as atuais condições socioeconômicas e culturais da população brasileira em suas diferentes realidades regionais. Na estrutura administrativa do Poder Executivo Federal, cabe à Secretaria-Geral da Presidência da República (SG/PR) a função de intermediar as relações do Governo com as entidades da sociedade civil, conforme competências definidas pela Lei /2003 e pelo Decreto nº /2012. Assim, a SG/PR é órgão incumbido de assessorar diretamente a Presidenta da República e outros órgãos e entidades do Governo Federal no relacionamento e na articulação com os movimentos sociais, o que inclui a criação e a implementação de canais que assegurem a consulta e a participação popular na discussão e na definição da agenda prioritária do país.

9 Para desempenhar suas prerrogativas de maneira eficiente e eficaz é importante que a SG/PR se adeque aos novos tempos, adotando novas tecnologias e metodologias de diálogo com a sociedade. Os processos de participação podem ser tencionadores da democracia, ao exigirem dos governos uma capacidade contínua de renovação dos canais de diálogo e escuta. Como consequência da ampliação dos meios de comunicação, da massificação da internet, da velocidade de produção e troca de informação entre as pessoas, os governos encaram o desafio de incorporar as novas tecnologias e repensar metodologias aos processos tradicionais. Do ponto de vista de nomenclatura, podemos citar diversos termos: democracia digital e-democracy, governo aberto, participação mediada por Internet, participação digital etc. As explicações e soluções caminham no sentido de adaptar os processos convencionais de participação social para os meios digitais, além de criar novas formas de interação possibilitadas pelo uso das novas tecnologias. Uma definição coerente foi proposta por Macintosh (2004) que considera e-democracia como a estratégia de utilizar tecnologias de informação e comunicação para engajar cidadãos, auxiliar no processo de decisão democrático e fortalecer a democracia participativa. Já existem, dentro e fora da administração pública, processos coletivos que auxiliam na tomada de decisões. Na administração pública federal, podemos destacar as conferências nacionais. De acordo com dados do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) foram realizadas, no Brasil, 87 conferências setoriais com a participação de mais de sete milhões de pessoas de 2003 a No campo da sociedade civil, podemos destacar o uso das petições online como forma de mobilização e pressão da sociedade civil, por exemplo. As experiências citadas demonstram a necessidade de interação entre governo e sociedade no sentido de ampliar as consultas com vistas à construção de políticas públicas. Este

10 produto visa mostrar como o Portal Nacional da Participação Social (Participa.br) pode ser um instrumento que auxilia o governo na tomada de decisões. Além disso, a plataforma tem vocação para ser o canal de diálogo e escuta entre cidadãos e gestores públicos. A moderação das chamadas comunidades temáticas do Participa.br e o correto monitoramento das trilhas de participação permitem ao gestor público obter um termômetro dos debates propostos e a sistematização das sugestões oferecidas pela sociedade para construção de políticas públicas. 2. Desenvolvimento A fim de demonstrar a importância e a efetividade da interação e do uso de novas formas de comunicação para mobilizar e engajar pessoas analisamos três comunidades do Facebook. Os critérios de escolha foram: quantidade elevada de membros, a não utilização de publicidade paga e a interação entre os integrantes. Durante um mês analisamos como as comunidades são geridas e como seus membros reagem a cada publicação. Também foi avaliada a qualidade dos eventos presenciais organizados por cada iniciativa, pois entendemos que os nestes casos os eventos presenciais são o resultado prático das mobilizações realizadas. Com essa observação espera-se descobrir as melhores práticas de moderação e interação em comunidades online para que gestores públicos possam ampliar e qualificar as iniciativas de participação social no âmbito da administração pública federal. Também observamos as ferramentas utilizadas para fomentar os debates que ocorreram em cada páginas (disparo de , tagueamento de pessoas, etc). A forma como os administradores dessas comunidades publicam e moderam o conteúdo também foi observada.

11 2.1 Analise de experiências de mobilização bem sucedidas no Facebook As comunidades avaliadas foram: - Página Movimento Infância Livre de Consumismo ( curtidas) https://www.facebook.com/infancialivredeconsumismo - Grupo Mães amigas de Águas Claras e Região ( membros) https://www.facebook.com/groups/maesamigasdf/ - Página DF em Movimento (552 curtidas) https://www.facebook.com/dfemmovimento Antes de falar dos resultados é preciso explicar a diferença entre Página e Grupo no Facebook. As páginas foram criadas para facilitar o contato do público com marcas ou artistas de forma mais abrangentes que os perfis pessoais. Já os Grupos são voltados para discussões privadas e por definição a um número pequeno de pessoas. Ambas possuem administradores. Nas Páginas seus nomes são mantidos ocultos, por que se supõe que elas próprias representem outras entidades. A página de um artista, por exemplo, pode ser gerenciada por várias pessoas diferentes que não querem ou não precisam ser identificadas. Todo o conteúdo do mural da página é publicado em nome dela mesma. Já os Grupos funcionam de forma um pouco diferente. Neles, os administradores são conhecidos e suas publicações são feitas no próprio nome. Ao contrário das Páginas, que são incentivadas a ter o maior número de fãs possível, os Grupos perdem funcionalidades quando o número de pessoas é muito grande s em massa, por exemplo, são bloqueados após 5 mil membros. Os Grupos, entretanto, oferecem mais controle para seus participantes, sendo possível aprovar ou não a entrada de um novo membro. Nas Páginas, isto não ocorre. As informações são da Central de Ajuda do Facebook.

12 A página Movimento Infância Livre de Consumismo, criada em março de 2012, se identifica como, movimento de mães, pais e cidadãos inconformados com a publicidade dirigida às nossas crianças. Desde a sua primeira postagem a página mostra capacidade de criar engajamento entre os membros do grupo. Falar em engajamento significa que os membros da página ou grupo se envolvem nos temas propostos e dialogam entre si. Ao curtir, comentar ou compartilhar a informação recebida em seu feed de notícias o internauta ajuda a divulgar o conteúdo, além disso, ele enriquece o debate ao concordar ou discordar com a publicação. O engajamento é essencial para que marcas, produtos e movimentos tornem-se conhecidos e ganhem força na internet. Ato ou efeito de engajar ou engajar-se. Ato pelo qual um cidadão declara querer servir nas forças armadas durante tempo determinado. Participação em batalha: o engajamento das reservas. Participação, posição em face das questões políticas e sociais. Dicionário online de português. Nas postagens podemos destacar: uso de imagem ilustrativa, texto explicativo, link para informações externas e tagueamento de pessoas possivelmente interessadas no tema. O resultado disso é que todas as postagens têm comentários, curtidas e compartilhamentos por parte dos membros do grupo. A página produz pouco conteúdo autoral, mas sempre traz informações relevantes sobre o tema tratado. Além isso, faz uso de posts que chamam as pessoas para participar e pedem opiniões. Outro fato que merece ser registrado é que a página sempre responde aos questionamentos que surgem ao longo do tempo. Em conversa com uma das moderadoras do Movimento Infância Livre de Consumismo, Raquel Fusaro, ela explica que o sucesso da página pode estar no fato de reunir pessoas realmente interessadas com o tema (em geral, pais que se preocupam os filhos). Segundo ela, não existe um segredo especial para que a iniciativa tenha alcançado sucesso, mas ela cita que fomentar o debate é essencial e é um papel dos administradores do grupo.

13 O grupo Mães amigas de Águas Claras e Região começou no Facebook, atualmente já conta com site e promove diversos eventos presenciais e conta com uma rede de estabelecimentos que fornece desconto às integrantes do grupo. A entrada de participantes no grupo é moderada pelas administradoras. As integrantes, só mulheres são aceitas, trocam dicas e conversam sobre as dificuldades do dia a dia. As postagens são feitas por qualquer pessoa do grupo. São excluídas apenas as que contrariam, as regras estabelecidas. Os assuntos são os mais diversos possíveis. Vão de dúvidas sobre temas ligados à maternidade até dicas para festa de casamento ou cirurgia plástica. Os eventos presenciais (feiras, passeios no parque, casamento coletivo, etc) são organizados pelas moderadoras do grupo. É delas a tarefa de organizar e divulgar o evento dentro e fora do grupo. A página DF em Movimento foi criada em julho de A iniciativa reúne organizações da sociedade civil do Distrito Federal (DF) com o objetivo de debater as propostas dos candidatos a deputado, senador e governador do DF. Além disso, o grupo se propôs a organizar uma série de encontros presenciais, transmitidos ao vivo pela internet, entre os candidatos e os moradores da cidade. Os integrantes da iniciativa divulgaram a página em suas próprias redes, ou seja, cada pessoa foi responsável por convidar outras pessoas. Além da página, os organizadores elaboraram uma carta de compromisso, onde enumeram o que consideram essencial para a área social do DF. Essa carta foi divulgada na plataforma Avaaz.org e qualquer pessoa pode assinar a petição online para demonstrar que está de acordo e ajudar a pressionar os candidatos (http://migre.me/llon7). Vale destacar a iniciativa dos organizadores do DF em Movimento para formar um mailing de s válidos: ao assinar a petição online a pessoa é obrigada a informar um

14 endereço de , os organizadores utilizam essa listagem para divulgar os debates sem depender apenas do Facebook. O resultado disso foi que o primeiro encontro presencial organizado (encontro com candidato a governador) lotou o auditório da Câmara Legislativa do DF em pleno sábado à tarde (ver anexo 5). sucesso: Chamaram atenção, nas três iniciativas avaliadas, os seguintes fatores críticos de - Uso de tagueamento de pessoas. Por exemplo, ao falar sobre educação destacar pessoas que têm interesse nesse tema, isso chama os integrantes do grupo/pagina para o debate. -Pedir opinião, expressões como concordam, qual e sua opinião, o que você pensa sobre isso e similares servem para acalourar as conversas. - Sempre responder. Os moderadores das páginas/grupos sempre respondem aos questionamentos. 2.2 Por que é importante ter uma plataforma pública para a mediação desses debates Nos últimos anos, observa-se a popularização de ambientes e ferramentas que digitalizam (ou potencializam) e amplificam as redes de colaboração e amizade, e permitem publicação fácil e instantânea. São exemplos desse processo os assim chamados blogs e serviços de redes sociais digitais (Facebook e Twitter, dentre outros). Esses ambientes, com grande adesão no Brasil, permitem a mobilização e a rápida disseminação de conteúdos. Possuem um grande alcance, pois trafegam por extensas redes de contatos. Percebendo as oportunidades desse novo canal de interação, diversas empresas buscam acompanhar o comportamento desses novos e potenciais clientes para estabelecer contato direto com esses novos atores sociais nas redes.

15 A porcentagem de brasileiros que acessa a internet via telefone celular mais do que dobrou em dois anos, chegando a 31% em o valor representa 52,5 milhões de pessoas com dez anos ou mais. Esse percentual vem apresentando forte crescimento nos últimos anos: 4% em 2010, 15% em 2011 e 20% em Os números que comprovam a força dos canais digitais são da pesquisa TIC Domicílios do Comitê Gestor da Internet (CGI), divulgada em Para mostrar a força e a capilaridade que os meios digitais têm alcançado lembro que diversos países, incluindo o Brasil, têm assistido a diversos movimentos de rua que tiveram seu início nas redes sociais digitais (Primavera Árabe, 15M na Espanha, Occupy Wall Street, os protestos de junho de 2013 e manifestações em todo o Brasil). Todos tiveram em comum a demonstração de insatisfação da população para com o governo local. As plataformas utilizadas para que os manifestantes se organizassem antes de ir às ruas foram majoritariamente Facebook e Twitter (MALINE e ANTOUN, 2013). Essas ferramentas são softwares proprietários, ou seja, todo conhecimento produzido (argumentos, debates, documentos compartilhados, etc) não está à disposição das autoridades públicas e também não pode ser sistematizados posteriormente. Desta forma, essa insatisfação dificilmente poderá ser transformada em insumo para diálogo, debate ou construção de propostas, ações ou políticas públicas de governo. O Portal Nacional da Participação Social (Participa.br) deve ser visto pelos brasileiros como uma rede social que possibilita o debate e a construção efetiva de políticas públicas. Para isso, é importante que a Administração Pública Federal utilize, de fato, o Participa.br como uma rede social. Essas redes são caracterizas pela forte interação entre os agentes que a compõem. Por isso é importante que agentes e órgãos públicos utilizem perfis, blogs e comunidades do Participa.br para interagir com a sociedade. Sem essa interação constante as pessoas tendem a não dar credibilidade à plataforma.

16 O Brasil conta hoje com uma estrutura executiva de 39 ministérios. Destes, 90% tem perfil nas principais redes sociais (Facebook e Twitter). Isso mostra a disposição que governo e sociedade demonstram em se comunicar utilizando as novas tecnologias É importante que além desses canais os órgãos se empenhem em adotar o Participa.br como instância formal de participação social. Além disso, o Participa.br está descrito como um dos compromissos assumidos pelo Brasil no Open Government Partnership (OGP) - Plano de Ação Brasileiro para a Parceria de Governo Aberto. 2.3 Como mediar os debates que acontecem no Participa.br O Portal Nacional da Participação Social (Participa.br) dispõe de ambientes interativos e participativos para consultas públicas e etapas virtuais de conferência, transmissão interativa de eventos e reuniões, tornando-se um repositório transparente e agregador do conhecimento sobre participação social disperso nas redes sociais digitais que, como dito anteriormente, são espaços de debates políticos. O Participa.br se propõe como um espaço onde a sociedade dialoga com diferentes agentes de governo, trazendo contribuições e colaboração nas diversas etapas das políticas públicas. A plataforma organiza seus debates em torno de comunidades temáticas criadas a partir do interesse da sociedade ou governo. A gestão das comunidades é conjunta. A construção de um processo participativo dentro de uma comunidade ocorre no objeto trilha a qual permite estabelecer um caminho colaborativo de participação com diversas etapas. Cada etapa está ligada a uma ferramenta digital de participação.

17 Figura 1 - Diagrama de concepção de funcionamento do participa.br: comunidade possui trilhas; trilha possui etapas; etapa possui ferramenta. Cada comunidade criada pode usufruir de uma ou mais trilhas de participação. Cada trilha pode ter uma ou mais etapas participativas, presenciais ou online. Cada etapa participativa possui uma ferramenta principal empregada no processo que está sendo desenvolvido naquela etapa. O gestor público precisa atendar para os critérios de analise dos debates que ocorrem no Participa.br. Henriques (2009) apresenta oito critérios para análise, em escala, que podem ser aplicados a uma segmentação de públicos em cada projeto institucional, e que podem caracterizar a natureza e a força dos vínculos entre o poder público e os cidadãos. A Figura 2 mostra tais critérios:

18 Figura 2 - Linha Progressiva de Critérios de Análise. Tais critérios permitem entender a criação, a manutenção e o fortalecimento dos vínculos com os projetos particiativos institucionais. Processo que deve ter em seu bojo o uso da interação e da comunicação para a mobilização e o engajamento social. A figura do gestor público nas comunidades é essencial para que haja a continuidade dos debates. Sem o gestor, a sociedade não tem mecanismos para interferir de fato nas ações e decisões do governo. Dentre os critérios a serem avaliados pelo gestor público, a participação institucional aparece como o que tem maior relevância. Esse aspecto reforça a necessidade de comprometimento por parte dos órgãos públicos para o fortalecimento do Participa.br como canal virtual de participação social. O gestor público também deverá julgar e sistematizar os debates ocorridos em cada comunidade temática. Nos processos participativos a sociedade é convidada a opinar sobre a coisa pública, portanto, cabe ao gestor dar vazão ao conhecimento produzido pela comunidade.

19 2.4 Como fomentar debates sociais utilizando o Participa.br Algumas comunidades do Portal Nacional da Participação Social (Participa.br) já possuem trilhas de participação em funcionamento. As Comunidades são ambientes que reúnem pessoas com interesses comuns. Facilitam a troca de ideias e a interação, organizando os debates e aumentando o engajamento. As trilhas de participação representam o caminho que se percorre até a criação e/ou alteração de uma determinada política pública (toda comunidade ou tema precisa ter como fim a incidência nas políticas publicas). Existem diversos mecanismos que são chamados de Trilhas de Participação: debate, fórum, consulta pública, etc. Basta que o gestor ou o representante da sociedade escolha qual dos mecanismos se encaixa melhor em cada etapa de construção do processo participativo de sua política pública. As trilhas de participação personificam o caminho que se percorre até a criação e/ou alteração de uma determinada política pública. As trilhas podem conter etapas (passos). Por exemplo, você vai organizar na sua comunidade uma consulta pública sobre o texto de uma lei específica. A sua trilha de participação vai conter uma etapa (passo) para debater o tema, outra etapa (outro passo) para escrever de forma colaborativa o texto da lei e uma última etapa (último passo) para comentários e intervenções no texto final. Um encontro on-line, uma web conferência e outros mecanismos de participação também podem ser considerados como uma trilha de participação, ou mesmo uma das etapas da sua trilha. Tudo vai depender de como as pessoas vão se organizar para debater um determinado assunto, ou ainda, da metodologia que irão construir ou utilizar para desenvolver seu processo participativo. O importante é que as comunidades tenham trilhas de participação (que incluam, preferencialmente, governo e sociedade) e que possibilitem essa troca de experiências e

20 colaborações na construção colaborativa de políticas públicas. O gestor público precisa estar atento para que as comunidades tenham o máximo de produtividade, ou seja, é essencial oferecer à sociedade temas que podem ser debatidos. Todas as comunidade ativas no Participa.br podem ser visualizadas no endereço abaixo 2.5 Como outras plataformas digitais podem ajudar a ampliar os debates no Participa.br Os atores da sociedade civil com potencial de mobilização, ou seja, grupos socialmente organizados, mas que por algum motivo não dialogam com agentes públicos, são público potencial para debater e formular politicas públicas no âmbito do Portal Nacional da Participação Social (Participa.br). A equipe trabalha para identificar tais atores, traduzir as pautas e dar início a debates temáticos (criação de comunidades e trilhas de participação) que possam resultar em políticas públicas. Esse trabalho é realizado com a ajuda do monitoramento das principais redes sociais (Facebook, Twitter, blogs, etc). A partir dos monitoramentos de redes sociais (já utilizado por grandes empresas para monitorar marcas e produtos) a equipe obtém insigths para aprimorar o planejamento continuo e obter feedbacks das ações que já estão sendo realizadas. Identificar perfis e páginas, influenciadores nas redes sociais digitais já estabelecidas, e trazer os debates já propostos para dentro da plataforma Participa.br (prospectar / mobilizar). Através da analise dos monitoramos de redes sociais a equipe foca em identificar os temas e anseios da sociedade civil (lembrando que as redes sociais são espaços constantes de trocas de impressão e mobilização social). Identificados os temas, a equipe foca nas lideranças sociais já estabelecidas e faz contato para proposição de temas com vistas à criação de novas políticas públicas.

21 Figura 3 - Diagrama de monitoramento das redes sociais digitais para fomentar debates no âmbito do Participa.br. Como mostra a imagem, a equipe entra em contato com gestores públicos e auxilia para que comunidades sejam criadas. Assim a sociedade poderá debater o tema diretamente com o gestor responsável e novas soluções podem ser pensadas e postas em prática. O dialogo entre gestores públicos e sociedade tende a se tornar cíclico, ou seja, à medida que os debates avançam outras questões surgem ampliando e consolidando o Participa.br como canal de diálogo entre governo e sociedade. O processo de sensibilização de gestores e o monitoramento das redes sociais como forma de aproximar gestores e sociedade foi mais bem detalhado no Produto 2 desta consultoria. O documento contém metodologias para identificação de públicos e interlocutores do Participa.br e estratégias para ativação de organizações e redes para disseminação dos conteúdos do projeto. Cabe reforçar que sem o envolvimento real dos gestores públicos as ferramentas de participação social podem tornar-se obsoletas. Como demonstrado nas analises, sem interação

22 real não há engajamento e sem isso é difícil afirmar que há envolvimento da sociedade na formulação de políticas públicas. Figura 4 Fluxo ideal com o debate de ideias até a formulação de políticas públicas no Participa.br.

23 3 Conclusão A partir das leituras realizadas, da analise de ações de comunicação e mobilização nas redes sociais digitais já massificadas no Brasil e da utilização do Portal Federal da Participação Social (Participa.br), percebeu-se a necessidade de mudança na postura dos gestores públicos no que diz respeito ao relacionamento e interação nas redes sociais e a criação de novas funcionalidades para a Plataforma. Importante ressaltar que qualquer gestor público, de qualquer esfera de governo, pode utilizar o Participa.br, pois trata-se de uma plataforma pública. Neste trabalho, presumimos que os gestores públicos estão de fato comprometidos em ouvir a sociedade. Tais ações devem ajudar a tornar o Participa.br mais atrativo, consolidando assim o seu uso pela sociedade. Além disso, os gestores devem se apropriar dessa nova forma de fazer comunicação com vista a tornar a participação social uma forma de fazer governo e política no Brasil. Quanto à metodologia de trabalho para que gestores públicos possam moderar e fomentar debates no âmbito do Participa.br é importante a mudança de postura frente à comunicação realizada na web. É preciso, como demonstrado nas analises realizadas, investir na interação para que se amplie o engajamento. Não basta apenas disponibilizar o conteúdo, é necessário dialogar com seus interlocutores e aplicar os conhecimentos produzidos durante cada debate. A mediação dos debates realizados nas comunidades do Participa.br pode ser proposta pelo gestor público ou por qualquer pessoa da sociedade (como explicado anteriormente, as comunidades precisam necessariamente reunir governo e sociedade em torno de uma temática). Indispensável que o gestor tenha o real domínio do tema em todas as iniciativas analisadas, os moderadores precisam ter domínio da temática abordada.

24 O gestor também precisa estar atento aos possíveis debates que surgem naturalmente nas redes sociais digitais, por isso a recomendação do monitoramento e prospecção das ideias surgidas. Por exemplo, se um grupo de cidadãos se organiza (mesmo que de maneira informal, sem formar uma associação ou ONG), eles formam um grupo do Facebook para debater a questão do transporte público. O gestor tem autonomia para convidar e sugerir que esse debate aconteça no âmbito do Participa.br, onde existe a possibilidade de fazer com as queixas de fato se tornem políticas públicas de estado. Por essa razão, a equipe do projeto criou, e alimenta, perfis do Participa.br nas principais redes sociais (Facebook, Twitter, Instagram e Google Plus). É preciso que haja uma sinergia entre os temas tratados pela sociedade e pelo poder público, sem isso a democracia não poderá ser chamada de participativa. As políticas criadas com a participação social precisam ser de fato criadas com o auxilio de toda a sociedade, esteja ela organizada ou não. Lembramos que as iniciativas de mobilização bem sucedidas tem um ponto forte em comum: tratam com públicos específicos. Ou seja, não se trata de uma comunicação de massa, mas para aquele público realmente interessado no tema. Do ponto de vista das ferramentas do Participa.br, é importante que as tecnologias estejam sempre se renovando. Importante avaliar a possibilidade de inserir a possibilidade do tagueamento de usuários da ferramenta (tal qual já existe no Facebook, por exemplo). Outra inovação seria a integração do Participa.br com as redes sociais, por exemplo, toda vez que o usuário atualizar seu perfil no Participa.br essa atualização aprece no Facebook< Google Plus ou Twitter. Com isso, acredita-se que o Participa.br possa dar um salto de qualidade no que diz respeito a comunicação, interação e mobilização. Também espera-se que gestores públicos possam assumir uma nova postura diante dos desafios que as redes sociais trazem para as estratégias de comunicação já conhecidas e utilizadas por órgãos públicos.

25 Referências MACINTOSH, A. Electronic Democracy and Young People. Social Science Computer Review 23. p , IPEA. Experiências de Monitoramento dos Resultados de Conferências Nacionais. Nota Técnica. Brasília, Outubro de AVRITZER, L.; SANTOS, B.S. Para ampliar o cânone democrático. Democracia, República e Participação. Módulo I do Programa de Formação de Conselheiros Nacionais, Belo Horizonte: DCP/FAFICH/UFMG, HERIQUES, Márcio S. Comunicação, comunidades e os desafios da mobilização social. Sociedade civil e participação. Módulo 4 do Programa de Formação de Conselheiros Nacionais. Belo Horizonte: UFMG, Portal do Cômite Gestor da Internet no Brasil (cgi.br) - - Acesso em agosto/2014 MALINE, Fábio. ANTOUN, Henrique. Ciberativismo e Mobilização nas redes sociais. Internet e rua. Editora Sulina, Central de ajuda do Facebook - https://www.facebook.com/help/ - Acesso em agosto/2014. Dicionário online de português - - Acesso em agosto/2014. Planalto.gov - - Acesso em setembro/2014 Site de notícias R Acesso em setembro/2014

26 ANEXOS Anexo 1 - Imagem que mostra o primeiro post na página Movimento Infância Livre de Consumismo.

27 Anexo 2 - Imagem que mostra detalhes sobre a página Movimento Infância Livre de Consumismo.

Secretária-Geral da Presidência da República - SG/PR Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD

Secretária-Geral da Presidência da República - SG/PR Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD Secretária-Geral da Presidência da República - SG/PR Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD Projeto BRA/12/018 Desenvolvimento de Metodologias de Articulação e Gestão de Políticas Públicas

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

Secretária-Geral da Presidência da República - SG/PR Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD

Secretária-Geral da Presidência da República - SG/PR Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD Secretária-Geral da Presidência da República - SG/PR Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD Projeto BRA/12/018 Desenvolvimento de Metodologias de Articulação e Gestão de Políticas Públicas

Leia mais

Local e data: Brasília/DF, ------- de ------------------ de 2013. Assinatura do Consultor:

Local e data: Brasília/DF, ------- de ------------------ de 2013. Assinatura do Consultor: Projeto PNUD BRA/12/018 Documento com as propostas de wireframes, telas e userstories para o tema padrão do portal contendo definições, orientações e códigos. Consultor (a): Fabiano Rangel Cidade Contrato

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

EDITAL 36/2014 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL

EDITAL 36/2014 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL EDITAL 36/2014 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao Desenvolvimento Rural

Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao Desenvolvimento Rural Universidade Federal da Paraíba - UFPB / Centro de Ciências Agrárias - CCA / Campus II Areia, Paraíba - 27 a 30 de outubro de 2014. Articulação da Participação Social e Processos Formativos Voltados ao

Leia mais

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 A proposta de plano de comunicação elaborada pela Coordenação- Geral de Comunicação e Editoração

Leia mais

Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS

Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS PRÁTICA 1) TÍTULO Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: O Hotsite da Carta de Serviços ao Cidadão do MDS foi um projeto realizado pela Ouvidoria

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Participação por meios digitais Ronald Costa

Participação por meios digitais Ronald Costa Participação por meios digitais Ronald Costa Assessor Técnico - Secretaria Geral da Presidência da República Subtenente - Exército Brasileiro ronald.costa@presidencia.gov.br Participação Social - Digital

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho

Secretaria de Saúde e Segurança no Trabalho PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL Projeto FORTALECIMENTO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR DA FORÇA SINDICAL PROTOCOLO DE

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO DA REDE SOCIAL BRASILEIRA POR CIDADES JUSTAS & SUSTENTÁVEIS

PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO DA REDE SOCIAL BRASILEIRA POR CIDADES JUSTAS & SUSTENTÁVEIS PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO DA REDE SOCIAL BRASILEIRA POR CIDADES JUSTAS & SUSTENTÁVEIS Brasília, 09 e 10 de abril de 2015 INESC - Sec. Ex. Movimento Nossa Brasília Moderação: TaEana Spíndola Essência

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 006/2011 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: WEB O Projeto BRA/06/032 comunica que estará

Leia mais

Projeto Empreendedores Cívicos

Projeto Empreendedores Cívicos Projeto Empreendedores Cívicos I. Conceito Empreendedores Cívicos são agentes de inovação social que fomentam e promovem transformações positivas em benefício da coletividade rumo a um Brasil Sustentável.

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

Sociedade no Acompanhamento da Parceria para. Governo Aberto. material de discussão. artigo_19_caderno.indd 1 16/04/12 01:21

Sociedade no Acompanhamento da Parceria para. Governo Aberto. material de discussão. artigo_19_caderno.indd 1 16/04/12 01:21 Sociedade no Acompanhamento da Parceria para Governo Aberto material de discussão artigo_19_caderno.indd 1 16/04/12 01:21 discussão sobre modelo de governança para a parceria para governo aberto no brasil

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no Projeto: Contratação de consultoria especializada para desenvolver e implementar estratégias de impacto e sustentabilidade da Campanha Coração Azul no

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Proposta de Participação social na revisão, elaboração e monitoramento do Plano de Ação Brasileiro

Proposta de Participação social na revisão, elaboração e monitoramento do Plano de Ação Brasileiro Proposta de Participação social na revisão, elaboração e monitoramento do Plano de Ação Brasileiro Referenciais Expectativas comuns OGP http://www.opengovpartnership.org/ogp-participation Declaração de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e a implementação das atividades do TC 50 - Qualidade do Sistema Único de Saúde - QUALISUS,

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

INOVAÇÃO PARA CIDADANIA

INOVAÇÃO PARA CIDADANIA INOVAÇÃO PARA CIDADANIA CONHECENDO O LABORATÓRIO HACKER DA CÂMARA DOS DEPUTADOS O Laboratório Hacker da Câmara dos Deputados - LabHacker - é um espaço destinado a promover o desenvolvimento colaborativo

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Dados Abertos, Transparência e Acesso à Informação Brasília, dezembro 2013

Dados Abertos, Transparência e Acesso à Informação Brasília, dezembro 2013 Dados Abertos, Transparência e Acesso à Informação Brasília, dezembro 2013 II Seminário sobre a Lei de Acesso à Informação e Encontro sobre Credenciamento e Segurança da Informação CONTEXTO G2C Brasil

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Responsabilidades e desafios do setor público quanto ao direito à educação

Responsabilidades e desafios do setor público quanto ao direito à educação Responsabilidades e desafios do setor público quanto ao direito à educação Cleuza Rodrigues Repulho Dirigente Municipal de Educação de São Bernardo do Campo/ SP Presidenta da Undime A Undime como organização

Leia mais

Relatório de comunicação digital da Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis Janeiro a Julho/2012

Relatório de comunicação digital da Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis Janeiro a Julho/2012 Relatório de comunicação digital da Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis Janeiro a Julho/2012 Índice Apresentação...2 Público-alvo...2 Plataformas utilizadas: Ning...3 Twitter...4 Facebook...5

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida profissionais

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo Datos generales: Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo 1. Nombre de la herramienta: Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (Programa Comunidade Ativa) 2. Organización

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Resenha Internet e Participação Política no Brasil

Resenha Internet e Participação Política no Brasil Resenha Internet e Participação Política no Brasil (Orgs. MAIA, Rousiley Celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Paulo Jamil Almeida. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.) Átila Andrade de CARVALHO 1 A democracia

Leia mais

Projeto BRA/12/018 - Desenvolvimento de Metodologias de Articulação e Gestão de Políticas Públicas para Promoção da Democracia Participativa

Projeto BRA/12/018 - Desenvolvimento de Metodologias de Articulação e Gestão de Políticas Públicas para Promoção da Democracia Participativa Projeto BRA/12/018 - Desenvolvimento de Metodologias de Articulação e Gestão de Políticas Públicas para Promoção da Democracia Participativa Produto 06 - Aplicativos de agregação de conteúdos das redes

Leia mais

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS.

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. GUIA DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO EM REDES SOCIAIS MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. APRESENTAÇÃO OBJETIVO A ABA - Associação Brasileira de Anunciantes, por meio de

Leia mais

Relato da Iniciativa

Relato da Iniciativa 1 Relato da Iniciativa 5.1 Nome da iniciativa ou projeto Novo portal institucional da Prefeitura de Vitória (www.vitoria.es.gov.br) 5.2 Caracterização da situação anterior A Prefeitura de Vitória está

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

DIRETRIZES PARA O USO SEGURO DAS REDES SOCIAIS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

DIRETRIZES PARA O USO SEGURO DAS REDES SOCIAIS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL 15/IN01/DSIC/GSIPR 00 11/JUN/12 1/5 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES PARA O USO SEGURO DAS REDES SOCIAIS NA

Leia mais

Estratégias para Gestão de Conteúdos e seu Alinhamento ao Desenho Curricular. Diretoria de Educação Profissional

Estratégias para Gestão de Conteúdos e seu Alinhamento ao Desenho Curricular. Diretoria de Educação Profissional Estratégias para Gestão de Conteúdos e seu Alinhamento ao Desenho Curricular Diretoria de Educação Profissional Elaboração e Implementação de Planos de Cursos Ação institucional organizada pelo Departamento

Leia mais

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Este guia pretende nortear os Grupos Escoteiros do Brasil a desenvolverem um

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2015

PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2015 PROGRAMA TALENTOS DA EDUCAÇÃO 2015 O programa Talentos da Educação é uma iniciativa da Fundação Lemann para apoiar pessoas talentosas e comprometidas com a melhoria da educação no Brasil. A proposta é

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL CONFERÊNCIAS NACIONAIS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL CONFERÊNCIAS NACIONAIS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL CONFERÊNCIAS NACIONAIS Participação Social no Governo Federal Conferências Nacionais 2009/2010 Conferências Nacionais

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

WWW.OUTSIDE.COM.BR Outside On-Line LTDA Telefone: +55 (19) 3869-1484 (19) 9 9441-3292 (claro) Email: carlos@outside.com.br

WWW.OUTSIDE.COM.BR Outside On-Line LTDA Telefone: +55 (19) 3869-1484 (19) 9 9441-3292 (claro) Email: carlos@outside.com.br MARKETING DIGITAL Ações de comunicação que as empresas podem se utilizar por meio da Internet e da telefonia celular e outros meios digitais para divulgar e comercializar seus produtos, conquistar novos

Leia mais

Cultura da informação e uso de mídias sociais: experiências, implicações e desafios para regulação

Cultura da informação e uso de mídias sociais: experiências, implicações e desafios para regulação Ciclo de Palestras Núcleo de Direito Setorial e Regulatório Faculdade de Direito Universidade de Brasília Marcos Legais e Mercados Regulados no Brasil Cultura da informação e uso de mídias sociais: experiências,

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

Planejamento estratégico 2016-2019

Planejamento estratégico 2016-2019 Planejamento estratégico 2016-2019 Fortalecer as instituições e a qualidade dos serviços públicos para fortalecer a democracia e a competitividade. www.agendapublica.org.br 2 GOVERNANÇA PARA UM FUTURO

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região.

Visa, como objetivo final, a promoção do desenvolvimento sustentável da região. Agenda 21 Comperj Iniciativa voluntária de relacionamento da Petrobras para contribuir para que o investimento na região retorne para a população, fomentando a formação de capital social e participação

Leia mais

EDITAL SAL/MJ Nº 6, DE 2 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional

EDITAL SAL/MJ Nº 6, DE 2 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Secretaria de Assuntos Legislativos Esplanada dos Ministérios, Ed. Sede, bloco T, 4º andar, sala 434 (6) 2025 3376 / 34 E-mail: sal@mj.gov.br EDITAL SAL/MJ Nº 6, DE 2 DE JULHO DE

Leia mais

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre FÓRUM DE SOFTWARE LIVRE - 2010 Valdir Barbosa Agenda Plano estratégico 2011 para uso de Software Livre Diretrizes Objetivos e indicadores

Leia mais

Participa.br e Dialoga Brasil, inovações e lições aprendidas

Participa.br e Dialoga Brasil, inovações e lições aprendidas Participa.br e Dialoga Brasil, inovações e lições aprendidas Nosso lema será: BRASIL, PÁTRIA EDUCADORA Trata-se de lema com duplo significado. Ao bradarmos "BRASIL, PÁTRIA EDUCADORA" estamos dizendo que

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Planejamento estratégico, Portal e Redes Sociais. A experiência da Assembleia de Minas

Planejamento estratégico, Portal e Redes Sociais. A experiência da Assembleia de Minas Planejamento estratégico, Portal e Redes Sociais A experiência da Assembleia de Minas Um pouco de história 1979: início da informatização 1995: lançamento do Portal da Assembleia de Minas segunda casa

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

OBJETO DA CONTRATAÇÃO

OBJETO DA CONTRATAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA Título do Projeto Designação funcional Tipo de contrato Duração do contrato Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de Gênero, Raça e Etnia (F079) Consultora SSA 5 meses Data

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

O Engajamento em Programas Empresariais: funcionários, gestão e áreas parceiras. Trabalho em Grupo Encontro de 03/08/2011

O Engajamento em Programas Empresariais: funcionários, gestão e áreas parceiras. Trabalho em Grupo Encontro de 03/08/2011 O Engajamento em Programas Empresariais: funcionários, gestão e áreas parceiras Trabalho em Grupo Encontro de 03/08/2011 Resumo Mesa 1 Questão 1 O que dá significado/contribui para a participação do funcionário

Leia mais

1. Objetivo do Projeto

1. Objetivo do Projeto PROPOSTA DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VISNET - INTERNET E COMUNICAÇÃO Desenvolvimento de Site para CDL 1. Objetivo do Projeto O CDL Online é o mais novo sistema interativo especialmente projetado para criar

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Governo 2.0. TerraForum. Inclusão, participação e inovação como estratégia. Dr. José Cláudio C. Terra. Junho 2009

Governo 2.0. TerraForum. Inclusão, participação e inovação como estratégia. Dr. José Cláudio C. Terra. Junho 2009 Governo 2.0 Inclusão, participação e inovação como estratégia Dr. José Cláudio C. Terra Junho 2009 TerraForum www.terraforum.com.br/governo Agenda Contexto e Tendências Governo 2.0 Objetivos Os 3 poderes

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo

Leia mais

www.intermidiabrasil.com.br Apresentação Presença Digital

www.intermidiabrasil.com.br Apresentação Presença Digital Apresentação Presença Digital 2012 ÍNDICE 1. GESTÃO MÍDIAS SOCIAIS... 03 2. ESTRATÉGIAS COMPLEMENTARES... 04 3. PERSONALIZAÇÃO... 05 4. CASES... 06 5. SOBRE A INTERMIDIA BRASIL... 13 6. CLIENTES... 14

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 4 DE JANEIRO DE 205 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Projeto BRA/07/004 Seleciona: Consultor para identificação das melhores

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 VISÃO GERAL Objetivo 1 - No âmbito da seção escoteira, apoiar a correta aplicação do método escoteiro, em especial as práticas democráticas previstas

Leia mais

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo

Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Planejamento estratégico do Movimento Nossa São Paulo Contribuições construídas pelo GT Juventude A avaliação das entidades e grupos que compõe o GT Juventude faz da atuação do Movimento em 2008 é extremamente

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

Mídias sociais: apoio a qualidade de vida e a mobilidade humana

Mídias sociais: apoio a qualidade de vida e a mobilidade humana Mídias sociais: apoio a qualidade de vida e a mobilidade humana Nuria Sampietro (01); Roberto Sganzerla (02); Sara Benenkanp (03). SBCTrans Endereço: Rua Monteiro Lobato, 151 Jd. Montanhão São Bernardo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais

NÚCLEO NÓS PODEMOS BAHIA. Plano de Ação. Articular e integrar os segmentos da sociedade e recursos para desenvolver ações que contribuam

NÚCLEO NÓS PODEMOS BAHIA. Plano de Ação. Articular e integrar os segmentos da sociedade e recursos para desenvolver ações que contribuam NÚCLEO NÓS PODEMOS BAHIA Plano de Ação A - MISSÃO Articular e integrar os segmentos da sociedade e recursos para desenvolver ações que contribuam diretamente para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais