Cidades inteligentes para quem? Estudo do urbanismo high-tech no Rio de Janeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cidades inteligentes para quem? Estudo do urbanismo high-tech no Rio de Janeiro"

Transcrição

1 Cidades inteligentes para quem? Estudo do urbanismo high-tech no Rio de Janeiro Smart cities for whom? High-Tech Urbanism in Rio de Janeiro Ciudades inteligentes para quien? El urbanismo high-tech en Rio de Janeiro FELIPE VILLELA DE MIRANDA 1 RESUMO IBM, Cisco e prefeitura do Rio de Janeiro, endossados pelo Banco Mundial, concordam: equipar a cidade com tecnologias de informação e comunicação a torna melhor para viver e produzir. Este discurso, que privilegia soluções técnicas e científicas para os problemas urbanos, legitima investimentos para tornar uma cidade inteligente. No caso do Rio de Janeiro, por meio do levantamento de políticas da prefeitura identifica-se que o discurso sobre as cidades inteligentes é parte de estratégia para expansão do mercado de tecnologia da informação. Os gastos da prefeitura com a IBM, por exemplo, cresceram 1.400% desde que a campanha IBM Smarter Cities foi lançada. O urbanismo high-tech é fruto desta convergência de interesses entre governo e iniciativa privada. Mas, afinal, como atuam as empresas de tecnologia da informação com o objetivo de ampliar a reprodução do seu capital por meio da urbanização? Em que medida influenciam o planejamento e a gestão de suas cidades clientes? As cidades inteligentes são inteligentes para quem? cidades inteligentes, planejamento urbano, políticas públicas. ABSTRACT IBM, Cisco and the municipality of Rio de Janeiro, endorsed by the World Bank, agree: cities equipped with information and communication technologies are better to live in and to produce. This discourse that legitimates public investments to build a smart city emphasizes technical and scientific solutions for urban problems. In Rio de Janeiro, a collection of public policies with the smart tag reveals that this discourse is part of a strategy to expand information technology market. For example, municipality expenses with IBM services have grown 1,400% since the IBM Smarter Cities campaign came out. Hightech urbanism is, therefore, a symptom of the complicity between state and private initiative. In order to make this phenomenon clear this article intends to answer the following questions: how information technology companies work to expand the reproduction of its capital through urbanization? How much do they influence planning and management of their client cities? Smart cities are smart for whom? smart cities, urban planning, public policies. RESUMEN IBM, Cisco, Banco Mundial y el ayuntamiento de Rio de Janeiro están de acuerdo: equipar la ciudad con tecnologías de información y comunicación las hace mejor para vivir y producir. El discurso que privilegia soluciones técnicas y científicas para los problemas urbanos legitima inversiones para hacer una ciudad inteligente. En Rio de Janeiro, la investigación de una serie de políticas publicas que reproducen el discurso sobre las ciudades inteligentes expone una estrategia para expandir el mercado de tecnología de la información. Por ejemplo, las expensas publicas con servicios de IBM crecieran un 1.400% desde que se lanzó la campaña IBM Smarter Cities. El urbanismo high-tech surge de esta convergencia de intereses entre gobierno e iniciativa privada. Pero, cómo las empresas de tecnología de la información actúan para ampliar la reproducción de su capital por intermedio de la urbanización? Cuánto influencian el planeamiento y la gestión de sus ciudades clientes? Las ciudades inteligentes son inteligentes para quien? ciudades inteligentes, planeamiento urbano, políticas publicas. 1 Arquiteto e urbanista, faz especialização em Política e Planejamento Urbano no Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano IPPUR/UFRJ. 1

2 INTRODUÇÃO Existe uma cidade dentro do Centro de Operações Rio (COR). IBM e outras empresas de tecnologia da informação (TI) criaram, a pedido da prefeitura do Rio de Janeiro, uma representação digital baseada em dados extraídos de sensores espalhados pela cidade material. Nas telas do COR se observa, com olhar prospectivo, um Rio transparente onde o espaço real serve apenas como georreferência. Paul Virílio espantou-se, na década de 1980, com o surgimento de tecnologias de comunicação que inauguravam um novo modo de observar o mundo, um novo modo de estar no mundo. A popularização da televisão, por exemplo, representaria a superação das janelas que se abrem para o espaço vizinho. Da mesma forma, pedágios eletrônicos, câmeras, radares e detectores em locais de passagem obrigatória em aeroportos substituiriam as portas das cidades. Em O Espaço Crítico (1993), o autor identifica que um novo espaço-tempo tecnológico, estruturado em torno das capacidades dos meios de comunicação de massa, entrava em choque com uma faculdade essencial da arquitetura e do urbanismo: organizar o espaço e o tempo das sociedades. Para este autor, a generalização de tecnologias de comunicação produziria uma nova ordem invisível e insensível, oposta à arquitetura, que opera uma organização sensível e visível do cotidiano por meio do espaço construído. Àquela época, Virílio já identificava que o urbanismo estava em processo de renovação para considerar o papel estruturador das redes imateriais de informações, por meio de sistemas de transferência, de trânsito e de transmissão (...) cuja configuração imaterial renova a da organização cadastral (Virílio, 1993, pág. 16). Em 2014, quando mais da metade da humanidade vive em centros urbanos, as tecnologias de informação e comunicação (TICs) são consideradas indispensáveis. Estas tecnologias tendem à ubiquidade no ambiente humano com o surgimento de objetos capazes de operar coordenados com outros produtos, transferir dados de uso para servidores em nuvem e até funcionar de maneira autônoma (Porter & Heppelmann, 2014). Estas novas capacidades abrem a possibilidade de organização de grandes sistemas de objetos. O que se conhece atualmente como casa inteligente, edifício 2

3 inteligente e até cidade inteligente são, justamente, sistemas de produtos operando de maneira coordenada. A diversidade de aplicações das tecnologias inteligentes, que podem ser pulverizadas por toda a cidade, representa um grande negócio. Por isso, espera-se uma transformação na indústria com a introdução de sensores, processadores, software, portas de comunicação e antenas em diferentes mercadorias 2. Conforme Porter & Heppelmann (2014), os produtos inteligentes promovem uma reorganização da cadeia de valor, tanto porque a TIC agregará mais valor do que os componentes físicos tradicionais, quanto porque a produção exigirá um maior investimento inicial para o desenvolvimento de software, de projetos mais complexos de produtos e para a instalação de toda a infraestrutura de comunicação e informação necessária para a operação dos servidores. Esta perspectiva fortalece grandes empresas como IBM, Cisco e Microsoft, capazes de fornecer a tecnologia necessária para valorizar diversos produtos. A profusão de dados provenientes destes novos produtos representa uma oportunidade também para as empresas que os utilizam como matéria prima. Quando uma prefeitura decide equipar a cidade com sensores e centralizar informações dispersas em diferentes órgãos públicos, como acontece no Rio de Janeiro, o volume de dados cresce ainda mais. Se estes dados concentrados pela prefeitura também forem disponibilizados gratuitamente, as grandes empresas de TI, que acumulam suficiente investimento em tecnologia para processar estes dados e torná-los úteis, serão ainda mais beneficiadas. O Centro de Operações Rio (COR) centraliza informações dispersas em diferentes órgãos públicos e sensores de monitoramento (como câmeras de trânsito e pluviômetros espalhados pela cidade) para possibilitar a visualização integrada de dados em tempo real e, assim, agilizar a resposta da prefeitura a problemas como enchentes, deslizamentos, bloqueios no tráfego e outras situações de crise. Conforme discurso da própria empresa que projetou o sistema (IBM, 2012a). 2 Por exemplo, um pijama de bebê equipado com sensores que monitoram seus sinais vitais durante a noite. As informações são transmitidas do Mimo Smart Baby Monitor para o smartphone dos pais. 3

4 Mas as ferramentas do COR não monitoram apenas o espaço construído: com a suposta intenção de aperfeiçoar os serviços públicos, a prefeitura monitora também os cidadãos. A cidade digital que existe dentro do COR é formada pelo cruzamento de informações como as citadas acima com dados de localização de smartphones, por exemplo para avaliar o trânsito, monitoramento de redes sociais, supostamente para captar o sentimento do cidadão, e captura de tweets georreferenciados, para identificar o que as pessoas estão falando em determinada região da cidade. Assim, os usuários do Rio de Janeiro se tornam cidadãos sensores, enredados em um discurso que relaciona smart cities, smartphones e smart citizens. Equipamentos como o COR, para monitoramento e controle da cidade, representam a consolidação de um novo urbanismo que hoje recebe o aposto high-tech e que, conforme Virílio (1993), começou a surgir na década de Esta é uma ideia de gestão e planejamento da cidade que, por um lado, pretende melhorar a gestão de serviços públicos e oferecer novas ferramentas para o seu planejamento, e por outro, promove a expansão do mercado de tecnologia da informação. De olho no mercado carioca, IBM e Cisco estão cada vez mais próximas da prefeitura: a primeira elaborou o sistema do Centro de Operações Rio (COR) e promove globalmente a campanha Smarter Cities (IBM, 2012c); a segunda forneceu a infraestrutura de rede para as Naves e Praças do Conhecimento, e tem linha de produtos para cidades inteligentes chamada Smart+Connected Communities, antes chamada Connected Urban Development Program (Ponting, 2013). O esforço carioca em atrair o capital global de TI foi reconhecido, em 2013, por importantes agentes deste mercado. A cidade recebeu o prêmio Best Smart City, durante o evento Smart City World Congress, realizado em Barcelona após a conferência Citisense, promovida pelo Banco Mundial (2013). Não por acaso, alguns dos principais patrocinadores do prêmio, como IBM, Cisco e Microsoft 3, têm contratos com governos no Brasil. Também não por acaso, a construção do COR foi exigência do Comitê Olímpico Internacional para a cidade sediar os jogos de 2016, o que faz com que esta entidade se assemelhe ao Banco Mundial como promotora do mercado de tecnologias inteligentes. 3 Presta serviço ao governo do Estado de São Paulo para implementar o Detecta, um sistema de monitoramento de ocorrências policiais. Mundialmente, a empresa oferece aos governos o pacote de produtos CityNext. 4

5 À medida que tecnologias de informação e comunicação se tornam parte integral da cidade, o Rio de Janeiro tenta se transformar em uma cidade inteligente. Nada surpreendente para a primeira cidade do hemisfério sul a elaborar um Plano Estratégico (PE), em 1995, conforme afirmou Carlos Vainer (2011). A intenção de reproduzir localmente estratégias consideradas bem sucedidas em outras partes do mundo pode ser considerada característica histórica da prefeitura carioca, já que o atual prefeito Eduardo Paes, no governo desde 2009 e responsável pela adesão do Rio de Janeiro ao discurso sobre as cidades inteligentes, foi subprefeito de Cesar Maia, que governou a cidade de 1993 a 1996 (quando elaborou o primeiro PE) e de 2001 a O empresariamento (ou empreendedorismo) urbano praticado pelos governantes do Rio de Janeiro, assim como a articulação direta do capital internacional com o governo local, sinaliza que o discurso sobre as cidades inteligentes pode representar a consolidação de ideais neoliberais. Para Paul Virílio (1993) era imperativo questionar a face oculta das novas tecnologias, revelando conflitos e consequências da generalização destas tecnologias. Neste artigo pretende-se, de maneira semelhante, estudar o caso do Rio de Janeiro para revelar quais são e como agem as principais empresas fornecedoras de tecnologias inteligentes, que influenciam cada vez mais a gestão das suas cidades clientes, e relacionar o discurso global com ações governamentais locais criadas para beneficiá-las, destacando as negociações necessárias para engendrar tais parcerias. O DISCURSO GLOBAL SOBRE CIDADES INTELIGENTES Existe um aparente consenso no discurso das empresas e instituições que incentivam o uso de TICs para aprimorar a gestão das cidades e melhorar a vida dos cidadãos. Banco Mundial, Cisco, IBM e políticos empreendedores em diferentes lugares do mundo concordam tão plenamente que a impressão é que cidades inteligentes são o que todos nós queremos e simplesmente ainda não sabíamos. Foi dessa forma que Carlos Vainer (2011, p. 118) descreveu o primeiro Plano Estratégico da Cidade do Rio de Janeiro. Os diagnósticos e diretrizes foram construídos desde o princípio como 5

6 consensos. Coube ao Conselho da Cidade, um grupo de representantes da sociedade, apenas a ratificação do plano, conforme afirma Vainer. Aquele plano foi elaborado por consultores catalães da Tubsa (Tecnologies Urbanas Barcelona S.A.), capitaneados por Jordi Borja e conforme teoria urbana proposta por ele e Manuel Castells, que assumia o planejamento essencialmente econômico das cidades como uma tendência inescapável em um contexto mundial de acirrada competição por capital. Atualmente, na era da informação, Castells e Barcelona continuam sendo referências, embora a grande diferença seja que as empresas que prestam consultorias para os municípios não precisam mais ser especializadas apenas em planejamento urbano. Mayors of the world, may we kindly have 540 words with you? É dessa forma que a IBM (2012b) aborda líderes locais ao redor do mundo para oferecer suas ferramentas digitais para cidades. A empresa oferece consultoria para sugerir as ações mais valiosas para tornar uma cidade inteligente. O resultado é um plano de investimentos que, naturalmente, inclui softwares da empresa. O Banco Mundial, que também oferece consultorias para municípios, lançou em 2013 a cartilha Citisense durante um ciclo de debates em Barcelona, com a participação de representantes de prefeituras de diversos países. O documento parte de uma constatação de crise: as cidades ganham complexidade na medida em que concentram a maior parte da população da Terra, o que aumenta os desafios urbanos. As cidades teriam, então, que resolver o enigma do crescimento da demanda por serviços públicos frente à escassez de recursos. A solução seria aumentar a eficiência desses serviços através da incorporação de TICs na infraestrutura urbana. E como investir em tecnologias inéditas para muitos governantes? O próprio Banco Mundial (2013) lista quatro etapas para uma cidade tornar-se inteligente: 1. Elaboração inicial: Primeiro o Banco Mundial promove workshops com os gestores da cidade para identificar tecnologias úteis, apresentando soluções já adotadas em outros lugares, privilegiando softwares com código aberto ou 6

7 baseados em open data 4 e adaptando as soluções ao orçamento da cidade. Ao fim desta etapa, tem-se uma lista de tecnologias-chave para melhorar serviços públicos. 2. Plano de ação (Roadmap): Cria-se um plano de investimentos em longo prazo em infraestrutura para comunicação e plataformas para a abertura dos dados da cidade, que viabilizarão a implantação das tecnologias-chave e também o surgimento de outras inovações inesperadas. 3. Colaboração: Uma vez que a infraestrutura esteja instalada e os dados abertos, todas as ferramentas para a criação de soluções digitais para os desafios da cidade estarão disponíveis. A partir de então caberá ao governo não só contratar empresas privadas para prover esses serviços digitais, mas também estimular a colaboração da sociedade. Para tanto, o Banco Mundial indica ações como as apps challenges, que consistem em chamadas públicas para a criação de aplicativos (apps), com premiação em dinheiro oferecida pelo governo. Em Nova York, a BigApps Competition acontece anualmente desde Em Barcelona, o Open Cities Apps Challenge teve uma edição em No Rio de Janeiro, o evento chamou-se RioApps, teve a primeira edição em 2013 e distribuiu R$ 90 mil em prêmios Urban city lab: Por fim, indica-se a criação de uma incubadora pública de startups (novas empresas de tecnologia). Todas estas iniciativas são apresentas como etapas para a criação de uma comunidade inovadora, ou seja, aquela capaz de desenvolver novos produtos, processos e serviços. Estas inovações surgiriam a partir da interação entre diferentes agentes do desenvolvimento tecnológico, como centros de pesquisa, empresas e governo. Isto é o que Manuel Castells (1999) chama de meio de inovação, com a característica de que esses ambientes costumam surgir em lugares específicos, onde haja proximidade espacial entre os colaboradores. Este autor e o Banco Mundial concordam, portanto, que os meios de inovação são as fontes fundamentais de 4 Dados do governo disponibilizados de maneira gratuita. 5 Conforme divulgado pela prefeitura no site do evento: 7

8 inovação e geração de valor agregado no processo de produção industrial da era da informação (Castells, 1999, pág. 478). Veremos adiante como a prefeitura do Rio de Janeiro adere a este discurso. AS POLÍTICAS DA PREFEITURA DO RIO DE JANEIRO Desde moleque economizava meu dinheiro para comprar o computador de última geração. Não tem mulher que é tarada por sapato? A minha tara é a tecnologia, disse Eduardo Paes em entrevista 6 recente. Não por acaso, no seu primeiro mandato como prefeito ( ) criou o programa Rio Capital da Ciência, Tecnologia e Inovação, vinculado à também nova Secretaria Especial de Ciência e Tecnologia (SECT). As Naves do Conhecimento são realizações desta pasta e já consumiram mais de R$30 milhões do orçamento público desde As Naves são espaços para acesso gratuito à internet e experimentação com ferramentas digitais. Segundo a prefeitura, servem como complemento à educação formal dos estudantes da rede pública, mas também como mecanismo para inclusão digital e capacitação de mão de obra 8. A intenção seria transformar os bairros beneficiados em comunidades inteligentes. Soa familiar? A Cisco foi contratada pela prefeitura para instalar os sistemas de rede destes centros. Atualmente a empresa usa as Naves em seu material publicitário para divulgar pelo mundo o seu programa Smart+Connected Communities. A IBM também lucra alto com a prefeitura do Rio de Janeiro. Em consulta ao orçamento municipal através do Portal Rio Transparente, esta pesquisa registrou que a multinacional recebeu mais de R$ 14 milhões, entre 2010 e 2012, para desenvolver ferramentas digitais para o Centro de Operações Rio (COR). Este valor representa um aumento de aproximadamente 1.400% nos gastos públicos com serviços da IBM desde 6 O prefeito digital, Revista Info Exame - Inovação, nº 337, São Paulo, jan/ A pesquisa identificou o investimento nas Naves do Conhecimento a partir dos pagamentos feitos à Idaco, ONG que venceu o edital lançado em setembro de 2011 para a gestão do projeto. Orçamento municipal consultado no Portal Rio Transparente. 8 A Cisco oferece treinamento gratuito, nas Naves, sobre conceitos básicos de redes para capacitar interessados em trabalhar no mercado de TI. 8

9 que Paes foi eleito, se comparados com os contratos dessa empresa com a prefeitura em gestões passadas 9, e antes da campanha IBM Smarter Cities ser lançada, em Recentemente, o prefeito inaugurou um Centro de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) de produtos e serviços de alta tecnologia. A EMC Corporation e a prefeitura firmaram Acordo de Cooperação Técnica e Científica para a viabilização de uma Plataforma Inteligente para a Integração de Bases de Dados de serviço em nuvem para cidades inteligentes, conforme divulgado no blog da SECT 10. Para viabilizar a construção do Centro de P&D, que custou R$ 4 milhões à multinacional, foi oferecida isenção fiscal ao Processo Produtivo Básico (PPB) da empresa, via Lei de Informática. Outra política que beneficia empresas de TI é a disponibilização gratuita de dados pela prefeitura. Com ferramentas para análise de bases de dados heterogêneas (o big data analytics), os dados reunidos pelo governo passam a ser lucrativos. Um empreendedor pode trabalhar com estas informações para dar-lhes utilidade e, depois, oferecer serviços. Por exemplo, por meio de um aplicativo. Por isso, empresas de tecnologia aderem ao movimento mundial que pressiona governos a disponibilizarem os dados que reúnem de maneira gratuita. Esta estratégia para reduzir o custo de produção configura o que Harvey (2004, p. 124) chama de acumulação via espoliação. O que a acumulação por espoliação faz é liberar um conjunto de ativos (...) a custo muito baixo (em alguns casos, zero). O capital sobreacumulado pode apossar-se desses ativos e dar-lhes (...) um uso lucrativo. Para atender a essa demanda a prefeitura criou o portal Riodatamine. Por meio dele é possível acessar gratuitamente dados brutos da cidade, com a condição de que quem acessa disponha de suficiente investimento em tecnologia para interpretá-los de maneira útil. Sinteticamente, o Rio de Janeiro promove o mercado de TI por meio das seguintes estratégias: a) grandes contratos com empresas globais de TI; b) estímulo à inovação para 9 Registramos apenas outros dois contratos com a IBM, um em 2002 e outro em 2008, referentes ao fornecimento e manutenção de hardware. Esses contratos somam pouco mais de R$ 1 milhão. 10 Maior laboratório de Big Data da América Latina será inaugurado no Parque Tecnológico da UFRJ, publicado em maio de

10 o surgimento de novos produtos e serviços; c) isenções fiscais; d) disponibilização gratuita de dados da cidade; e) qualificação de mão de obra; f) marketing como cidade inteligente. Com estes estímulos, a prefeitura pretende criar um meio de inovação carioca, aquele considerado essencial por Manuel Castells (1999) para o crescimento econômico na era da informação. Diante da perpespectiva fortemente empreendedora das políticas cariocas que se apoiam no discurso sobre cidades inteligentes, resta a pergunta: as cidades inteligentes são inteligentes para quem? CRÍTICA À CIDADE INTELIGENTE As empresas de tecnologia da informação têm a oportunidade de ampliar seu mercado. Agora, podem investir na produção de tecnologias inteligentes e prestar serviços para clientes tão diversos quanto uma confecção de roupas ou uma prefeitura. No entanto, para que estes novos produtos equipados com sensores circulem pela cidade e funcionem coordenados em rede é preciso que o espaço urbano esteja equipado com tecnologias de informação e comunicação (TICs). Os governos municipais precisam assumir, então, o papel de agenciadores deste mercado na medida em que possuem a atribuição de gerir o espaço urbano. Este é o contexto em que surge o urbanismo high-tech nas cidades inteligentes. No que se refere às intervenções materiais na cidade, pode-se entender urbanismo como o conjunto de técnicas para a manipulação do espaço urbano conforme a intenção das forças econômicas dominantes (Alvarez, 2013). No caso do Rio de Janeiro, isto aparece com a instalação de câmeras de vigilância, sensores de tráfego, pluviômetros, entre outros dispositivos conectados ao COR. Mas urbanismo também pode significar um saber sobre a cidade, o campo de pesquisa de uma disciplina com olhar científico e transformador (Ribeiro, 1994). Neste sentido, urbanismo pode ser associado a planejamento urbano. Para Flávio Villaça (2010), a ideologia dominante que legitima esta disciplina em nossa sociedade confere grande respeito à ciência e à técnica. Este autor sugere que o planejamento 10

11 urbano aceito como legítimo é aquele baseado na análise científica da situação atual (dignóstico) e futura (prognóstico) da cidade, para subsidiar a elaboração de técnicas de organização do espaço formatadas em um plano. Este planejamento técnico e científico seria a chave para a solução dos problemas urbanos. De maneira semelhante, o Banco Mundial (2013) sugere tecnologias-chave para tornar uma cidade inteligente recorrendo à ideia de que apenas ferramentas tecnológicas seriam suficientes para contornar os desafios urbanos. No caso carioca, as políticas de fomento ao mercado de TI, como vimos, vão desde a concessão de isenções fiscais até a intervenção material na cidade. O projeto de transformação do Rio de Janeiro em cidade inteligente é, portanto, fruto de uma convergência de interesses entre Estado e empresas privadas. O caso carioca mostra que o entendimento de governo urbano deve ser expandido para governança urbana, que inclui o conjunto de agentes sociais (públicos e privados) que de fato organizam o espaço urbano (Harvey, 2005). Mas esta convergência de interesses não é apenas econômica. A principal ferramenta do COR, por exemplo, é um mapa georreferenciado com diversas camadas. Nele é possível selecionar uma região da cidade e consultar informações tão diversas quanto perfil da população residente (número de idosos e crianças), incidência de obras, eventos públicos cadastrados (por exemplo, um bloco de carnaval), além de acessar imagens de câmeras de vigilância. Segundo Alexandre Cardeman, assessor especial do COR, por meio das câmeras a prefeitura pode calcular o número de pessoas por metro quadrado e ainda identificar estas pessoas. Além disso, também é possível filtrar todos os tweets originados daquele local para saber do que as pessoas ali reunidas estão falando. Fundamental para fazer uma operação, dentro de um evento [protesto?], por exemplo, diz Cardeman 11. O COR também dispõe, desde 2013, de ferramenta para o monitoramento de redes sociais desenvolvida pela SAP outra multinacional de TI. A intenção, segundo os fornecedores do serviço, é que a prefeitura acompanhe o sentimento do cidadão. 11 Palestra Alexandre Cardeman, publicada em 23/04/2013 por Google Atmosphere Maps. Disponível em: 11

12 Como as análises feitas com estas ferramentas não são divulgadas, pergunta-se: quais seriam as implicações deste monitoramento na privacidade dos cidadãos? Ao contrário do que anunciam multinacionais de TI, a cidade inteligente não traz apenas benefícios, na medida em que reproduz formas de gestão e planejamento que privilegiam interesses privados sobre públicos. Além disso, o discurso sobre cidades inteligentes prefere a perspectiva técnica do planejamento urbano em detrimento da política. No entanto, para a contrução de cidades mais justas e igualitárias é preciso que o planejamento ultrapasse os limites da concepção tecnocrática e incorpore visão política da questão urbana 12 (Ribeiro & Cardoso, 1990). A tecnologia é apenas instrumento, portanto, sem capacidade para abordar graves problemas urbanos como exclusão social e desigualdade espacial. Ao contrário, tudo indica que a instalação de TICs no espaço urbano acentua a concentração de capital e poder político dos grupos dominantes. 12 O texto em referência indica que o embate entre a perspectiva ténica e a política no campo do planejamento urbano era uma discussão na década de

13 REFERÊNCIAS Alvarez, I. (2013): A segregação como conteúdo da produção do espaço urbano. In A cidade contemporânea. São Paulo: Contexto. Banco Mundial (2013). Citisense: innovation from within. Barcelona. Disponível em: OLOGIES/Resources/CitiSense_Booklet_Final.pdf Castells, M. (1999). A Sociedade em Rede, v. 1. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Harvey, D. (2004). A acumulação via espoliação. In O Novo Imperialismo. São Paulo: Edições Loyola. Harvey, D. (2005). Do administrativismo ao empreendedorismo: a transformação da governança urbana no capitalismo tardio. In A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume. IBM (2012a). IBM Intelligent Operations Center for Smarter Cities. Disponível em: IBM (2012b). Mayors of the world, may we kindly have 540 words with you? Disponível em: en_us cities city_leaders_wsj.pdf IBM (2012c). IBM Smarter Cities: creating opportunities through leadership and innovation. Disponível em: none smarter_citeies Smarte rcities_smartercitiessolutionbrochure 689KB.pdf Ponting, A. (2013). High-Tech Urbanism - The Political and Economic Implications of the Smart City. EUA: Program of Urban Studies, Stanford University. Disponível em: https://urbanstudies.stanford.edu/sites/default/files/ponting-finalthesis.pdf Porter, M., & Heppelmann, J. (2014). A Internet das Coisas. In Harvard Businnes Review Brasil, Edição no. 9211, Novembro. Ribeiro, L.C.Q., & Cardoso, A. L. (1990). Plano Diretor e gestão democrática da cidade. In G. De Grazia (Ed), Plano Diretor, intrumento de reforma urbana. Rio de Janeiro: Fase. 13

14 Ribeiro, L.C.Q. (1994). Urbanismo: olhando a cidade, agindo na sociedade. In R. Pechman (Ed), Olhares sobre a cidade. Rio de Janeiro: EDUFRJ. Vainer, C. (2011). Os liberais também fazem planejamento urbano? Glosas ao Plano Estratégico da Cidade do Rio de Janeiro. In O. Arantes & C. Vainer & E. Maricato (Ed), A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis, RJ: Vozes. Villaça, F. (2010). Uma contribuição para a história do planejamento urbano no Brasil. In C. Deák, & S. R. Schiffer (Ed), O processo de urbanização no Brasil. São Paulo: EDUSP. Virílio, P. (1993). O espaço crítico. Rio de Janeiro: Ed

Rio de Janeiro - Cidade inteligente? Empreendedorismo urbano no mercado da tecnologia da informação

Rio de Janeiro - Cidade inteligente? Empreendedorismo urbano no mercado da tecnologia da informação Rio de Janeiro - Cidade inteligente? Empreendedorismo urbano no mercado da tecnologia da informação Por: Felipe Villela de Miranda Disciplina: Avaliação da Teoria Intraurbana 2014/2 Profs. Csaba Deák,

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico RESUMO EXECUTIVO Objetivo Melhorar a vida dos moradores e ajudálos a serem bem-sucedidos na

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Apresentação da Proposta de Trabalho aos ICTs e as Empresas

Apresentação da Proposta de Trabalho aos ICTs e as Empresas Apresentação da Proposta de Trabalho aos ICTs e as Empresas 29 abril 2014 Fundamentação Lei da Inovação Nº 10.973, 02 Dez 2004 Regulamentada pelo Decreto Nº 5.563, 11 Out 2005 Artigo 20, do Decreto Nº

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1, Tiago Piperno Bonetti 1, Ricardo Germano 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

UM RESUMO EXECUTIVO. Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI

UM RESUMO EXECUTIVO. Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI UM RESUMO EXECUTIVO Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI Ao longo da última década, a TI da EMC tem passado por uma transformação para se tornar uma parceira estrategicamente

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

A TERCEIRA ONDA DA INTERNET A PERSONALIZAÇÃO EM MASSA A TECNOLOGIA, O PODER PÚBLICO E AS EMPRESAS À SERVIÇO DAS PESSOAS TÍTULO

A TERCEIRA ONDA DA INTERNET A PERSONALIZAÇÃO EM MASSA A TECNOLOGIA, O PODER PÚBLICO E AS EMPRESAS À SERVIÇO DAS PESSOAS TÍTULO A TERCEIRA ONDA DA INTERNET A PERSONALIZAÇÃO EM MASSA A TECNOLOGIA, O PODER PÚBLICO E AS EMPRESAS À SERVIÇO DAS PESSOAS TÍTULO A TERCEIRA ONDA DA INTERNET A PERSONALIZAÇÃO EM MASSA A TECNOLOGIA, O PODER

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002 Núcleo de Gestão do Porto Digital Plano Bi-anual 2001-2002 Identidade Missão A estruturação e gestão sustentável de um ambiente de negócios capaz de criar e consolidar empreendimentos de classe mundial

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009

Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009 Caminhos para as cidades digitais no Brasil Campinas, 26 de março de 2009 Atualmente, faz-se necessário o exame de meios que estimulem a difusão de cidades digitais sustentáveis pelo país, porque, além

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR. Assessoria da Área de Informática Educativa

Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR. Assessoria da Área de Informática Educativa Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR Assessoria da Área de Informática Educativa http://tinyurl.com/avaliacao-spe Assessoria da Área de Informática Educativa Marileusa G. de Souza mgsouza@positivo.com.br

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

Hackaton: A Cidade e a Participação do Cidadão. Regulamento. Data: 24-25 de setembro

Hackaton: A Cidade e a Participação do Cidadão. Regulamento. Data: 24-25 de setembro Hackaton: A Cidade e a Participação do Cidadão Data: 24-25 de setembro Período de inscrições: 08 até 22/09 Divulgação dos projetos selecionados: 23/09 Regulamento 1. Das Disposições Gerais 1.1. A Hackaton

Leia mais

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s Av Eng. Luiz Carlos Berrini 1645, 8 andar, 04571-000 Brooklin Novo, São Paulo SP Brazil. Tel: 55 11 5508-3400 Fax: 55 11 5508 3444 W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç

Leia mais

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar Ambiente virtual para inovar Secti lança Portal Paraense de Inovação para conectar atores estratégicos e aumentar investimento em inovação no Pará Por Igor de Souza Ana possui uma promissora empresa de

Leia mais

[ Empowering Business, Architecting IT. ]

[ Empowering Business, Architecting IT. ] SOA coloca TI da Rede Ipiranga em linha com os negócios Setembro/2012 Sumário Matéria publicada na Information Week... 4 Artigo Case Ipiranga... 7 SOA coloca TI da Rede Ipiranga em linha com os negócios

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Portal de Dados Abertos elaborado pela Emprel lança iniciativas que aproximam Prefeitura e cidadãos no Recife

Portal de Dados Abertos elaborado pela Emprel lança iniciativas que aproximam Prefeitura e cidadãos no Recife Portal de Dados Abertos elaborado pela Emprel lança iniciativas que aproximam Prefeitura e cidadãos no Recife Perfil A Empresa Municipal de Informática Emprel é uma empresa pública, dotada de personalidade

Leia mais

Oportunidades de Patrocínio. cloudstackday. 12/02/2015 São Paulo. Auditório István Jancsó Universidade de São Paulo

Oportunidades de Patrocínio. cloudstackday. 12/02/2015 São Paulo. Auditório István Jancsó Universidade de São Paulo Oportunidades de Patrocínio 12/02/2015 São Paulo Auditório István Jancsó Universidade de São Paulo Situação do mercado brasileiro de TI O Brasil vive um déficit de mão-de-obra qualificada, especialmente

Leia mais

Projeto Cidade Inteligente e Sustentável Smart City Módulo 1 CIS APPs

Projeto Cidade Inteligente e Sustentável Smart City Módulo 1 CIS APPs Projeto Cidade Inteligente e Sustentável Smart City Módulo 1 CIS APPs Projeto Cidade Inteligente O que é O Projeto Cidade Inteligente e Sustentável - Smart City é uma ação focada no uso da tecnologia e

Leia mais

Informações básicas. Perfil da jurisdição

Informações básicas. Perfil da jurisdição Perfil da jurisdição A iniciativa Cidade inteligente de Barcelona orientada pela IoE reduz as contas de abastecimento de água, aumenta as receitas de estacionamento, cria empregos e muito mais Informações

Leia mais

Governo Orientado por Serviços

Governo Orientado por Serviços Governo Orientado por Serviços Qual a Sociedade da Informação que Queremos? Uso das tecnologias da informação e da comunicação na administração pública - combinado com mudanças organizacionais e novas

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria da Informação e Tecnologia

Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria da Informação e Tecnologia Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria da Informação e Tecnologia A Governança de TIC na Cidade de Curitiba TIC nos governos PROs, 50 anos Até 1998 CPD do IPPUC Uma OS Instituto Curitiba de Informática

Leia mais

Principais Desafios para a Gestão dos Cursos Superiores em. Everaldo Artur Grahl

Principais Desafios para a Gestão dos Cursos Superiores em. Everaldo Artur Grahl Principais Desafios para a Gestão dos Cursos Superiores em Computação e Informática Everaldo Artur Grahl Sumário Objetivo Estudo da FIESC Macrotendências Temas importantes Fatores Críticos Sugestões de

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Disseminar a cultura empreendedora e inovadora em Santa Maria Ações de disseminação da Cultura Empreendedora Ações de trabalho conjunto entre Universidades e Comunidade Divulgação do trabalho pelo CEI

Leia mais

Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma

Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma 1 IDC - Equipe Pietro Delai Reinaldo Sakis João Paulo Bruder Luciano Ramos Gerente de Pesquisa e Consultoria -Enterprise Gerente de Pesquisa

Leia mais

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Santa Maria, 15 de Outubro de 2012 Pauta: 1) Contexto da Economia Criativa no Brasil de acordo com o Plano da Secretaria da Economia Criativa

Leia mais

Objetivos. Missão. Simplicidade. Transparência. Segurança no Negócio. Qualidade. Produtividade. Respeito pelo Ser Humano.

Objetivos. Missão. Simplicidade. Transparência. Segurança no Negócio. Qualidade. Produtividade. Respeito pelo Ser Humano. Intelbras S.A. Objetivos Missão Ser uma empresa competitiva internacionalmente, atuando no mercado de telecomunicações, mantendo padrões de qualidade e rentabilidade que satisfaçam clientes, colaboradores

Leia mais

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica Inteligência em redes sociais corporativas Como usar as redes internas de forma estratégica Índice 1 Introdução 2 Por que uma rede social corporativa é um instrumento estratégico 3 Seis maneiras de usar

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Simplifique: consolidando a gestão do ambiente de trabalho do usuário final

Simplifique: consolidando a gestão do ambiente de trabalho do usuário final Simplifique: consolidando a gestão do ambiente de trabalho do usuário final Para muitas organizações, a rápida proliferação das tecnologias para o usuário final tem demonstrado uma ambigüidade em seus

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

Adapte. Envolva. Capacite.

Adapte. Envolva. Capacite. Adapte. Envolva. Capacite. Ganhe produtividade em um Ambiente de trabalho digital #DigitalMeetsWork Os benefícios de um ambiente de trabalho digital têm impacto na competitividade do negócio. Empresas

Leia mais

A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações

A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações 24 de Março de 2011 As exigências de infraestrutura de TIC para a Copa do Mundo e Olimpíada no Brasil Desafios e Oportunidades na construção do IBC. A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Cidades Inteligentes

Cidades Inteligentes Cidades Inteligentes Além das Cidades Digitais Plenas Juliano Castilho Dall Antonia CTI 15/05/14 Conceituação Publicado em 2006 Creative Commons Você pode copiar, distribuir e exibir Você pode criar obras

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

Centro de Operações para governos mais inteligentes

Centro de Operações para governos mais inteligentes Centro de Operações para governos mais inteligentes Ricardo C. Mansano IBM Brazil - Smarter Cities Sales Manager Maio- 2014 Os problemas enfrentado pelos governantes não são atuais. Centro São Paulo década

Leia mais

Relato da Iniciativa

Relato da Iniciativa 1 Relato da Iniciativa 5.1 Nome da iniciativa ou projeto Novo portal institucional da Prefeitura de Vitória (www.vitoria.es.gov.br) 5.2 Caracterização da situação anterior A Prefeitura de Vitória está

Leia mais

A ERA DO BIG DATA NO CONTEÚDO DIGITAL: OS DADOS ESTRUTURADOS E NÃO ESTRUTURADOS

A ERA DO BIG DATA NO CONTEÚDO DIGITAL: OS DADOS ESTRUTURADOS E NÃO ESTRUTURADOS A ERA DO BIG DATA NO CONTEÚDO DIGITAL: OS DADOS ESTRUTURADOS E NÃO ESTRUTURADOS Pedro Henrique Tessarolo¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pedrotessarolo@gmail.com,

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Apresentações Técnicas. ciclo de seminários NOVOS MODELOS ORGANIZACIONAIS

Apresentações Técnicas. ciclo de seminários NOVOS MODELOS ORGANIZACIONAIS Apresentações Técnicas ciclo de seminários NOVOS MODELOS ORGANIZACIONAIS Seminário IV Novos Modelos Organizacionais de Ciência e Tecnologia Apresentações Técnicas São Paulo, 2007 APRESENTAÇÃO A área de

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

Nas Ruas de BH. BIENAL ANTP de MARKETING 2.006 Categoria: Marketing Institucional. Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte - BHTRANS

Nas Ruas de BH. BIENAL ANTP de MARKETING 2.006 Categoria: Marketing Institucional. Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte - BHTRANS BIENAL ANTP de MARKETING 2.006 Categoria: Marketing Institucional Nas Ruas de BH Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte - BHTRANS Responsável pela Experiência: Rodrigo César Magalhães Silva

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010 Estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no Município de Santa Maria e dá outras providências. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER,

Leia mais

CURSO: Superior de Tecnologia em Gestão Comercial Disciplina: Sistemas de Informação no Varejo Período Letivo: 3º Semestre Professora: Mariana Alves

CURSO: Superior de Tecnologia em Gestão Comercial Disciplina: Sistemas de Informação no Varejo Período Letivo: 3º Semestre Professora: Mariana Alves TI CURSO: Superior de Tecnologia em Gestão Comercial Disciplina: Sistemas de Informação no Varejo Período Letivo: 3º Semestre Professora: Mariana Alves Fuini Pergunta 3: o que a TI abrange e como ela é

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA An Innovations in Technology and Governance Case Study Desde o final dos anos 1980, diversos governos

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Institui a Política Municipal de Estímulo à Inovação e ao Desenvolvimento de Startups na Cidade

Leia mais

Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil

Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil lacerda e franze Escritório de Advocacia Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil CLIENTE Lacerda e Franze Advogados Associados V I S Ã O G E R A L

Leia mais

EXCELÊNCIA CONHECIMENTO IMPACTO. Ana Cristina Neves Lisboa 12 dezembro 2013

EXCELÊNCIA CONHECIMENTO IMPACTO. Ana Cristina Neves Lisboa 12 dezembro 2013 EXCELÊNCIA CONHECIMENTO IMPACTO Ana Cristina Neves Lisboa 12 dezembro 2013 O porquê? O que é? Metodologia de trabalho Resultados esperados O porquê? Após o Plano de Ação Ligar Portugal (2005-2010) - Espaços

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Dos Senhores PAULO TEIXEIRA e JORGE BITTAR) Dispõe sobre uso do Fundo Setorial para Tecnologia da Informação - CTInfo para financiar o desenvolvimento de software livre. O Congresso

Leia mais

Transferência de conhecimento, instituições e tradução: experiências recentes no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia - Inmetro

Transferência de conhecimento, instituições e tradução: experiências recentes no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia - Inmetro Transferência de conhecimento, instituições e tradução: experiências recentes no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia - Inmetro André Tortato Rauen, Dr. Pesquisador Tecnologista Objetivo:

Leia mais

Ericsson e Vivo levam educação via computação em nuvem para amazônia

Ericsson e Vivo levam educação via computação em nuvem para amazônia Ericsson e Vivo levam educação via computação em nuvem para amazônia Parceria entre a Ericsson e a Vivo promoverá o acesso à educação de qualidade no coração da Amazônia com a implementação de soluções

Leia mais

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento Aumente a eficiência de seu negócio O Versa é um poderoso software de gestão de negócios para editoras, distribuidoras e livrarias. Acessível e amigável, o sistema foi desenvolvido especificamente para

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL

GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL 4ª Edição QUANDO O BRASIL SE JUNTA, TODO MUNDO GANHA. Secretaria-Geral da Presidência da República Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Movimento Nacional

Leia mais

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 NOVO MODELO DE GESTÃO 1 ANO DE GOVERNO SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 DIAGNÓSTICO POSIÇÃO EM 31/12/2004 Dívidas de curto prazo 175,8 MILHÕES Disponibilidades

Leia mais

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil Pautas para a promoção da acessibilidade das TIC para pessoas com Deficiência na região das Americas Preâmbulo

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Governo Eletrônico. Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas. Leandro Carioni

Governo Eletrônico. Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas. Leandro Carioni Universidade Federal de Santa Catarina Mestrado de Engenharia de Produção e Sistemas Governo Eletrônico Capítulos 1, 2 e 3 do Livro Verde Leandro Carioni Cenário Futuro E-business E-Group E-Commerce E-Government

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas AGENDA Como Surgiu Situação Atual Variáveis Importantes Governança Conquistas Impacto na Região Linhas Estratégicas Rodrigo Fernandes Coordenador Executivo da COMTEC Como Surgiu A T.I. surgiu para prover

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br 03 a 05 Agosto 2015 São Paulo Brasil connectedsmartcities.com.br Por que Connected Smart Cities? As grandes e modernas cidades são, talvez, as mais importantes realizações do homem, por serem responsáveis,

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 4 DE JANEIRO DE 205 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Projeto BRA/07/004 Seleciona: Consultor para identificação das melhores

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos Eficiência operacional no setor público Dez recomendações para cortar custos 2 de 8 Introdução Com grandes cortes no orçamento e uma pressão reguladora cada vez maior, o setor público agora precisa aumentar

Leia mais

TECNOLOGIA PARA OS DESAFIOS DO BRASIL

TECNOLOGIA PARA OS DESAFIOS DO BRASIL TECNOLOGIA PARA OS DESAFIOS DO BRASIL Consultoria, tecnologia e outsourcing indracompany.com INDRA NO BRASIL UMA DAS PRINCIPAIS EMPRESAS DE CONSULTORIA E TECNOLOGIA DO PAÍS BRASIL. PRINCIPAL MERCADO INTERNACIONAL

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS Elaborar o projeto do Plano Municipal de Projeto do Plano Projeto realizado Cultura com ampla participação dos setores da sociedade Conferência Municipal de Cultura Conferência realizada PLANILHA DE OBJETIVOS

Leia mais

DUAS RODAS DESENVOLVE PORTAL COLABORATIVO E ELIMINA PROCESSOS EM PAPEL. Case de Sucesso

DUAS RODAS DESENVOLVE PORTAL COLABORATIVO E ELIMINA PROCESSOS EM PAPEL. Case de Sucesso DUAS RODAS DESENVOLVE PORTAL COLABORATIVO E ELIMINA PROCESSOS EM PAPEL PERFIL Em 1925, surgiu a primeira fábrica de óleos essenciais do Brasil, em Jaraguá do Sul - SC. A autenticidade, a qualidade de seus

Leia mais

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia.

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Leianne Theresa Guedes Miranda lannethe@gmail.com Orientadora: Arlete Moysés

Leia mais

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI)

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI) Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

Parque Científico e Tecnológico de Macaé

Parque Científico e Tecnológico de Macaé Parque Científico e Tecnológico de Macaé Carlos Eduardo Lopes da Silva¹ Ramon Baptista Narcizo² Joelson Tavares Rodrigues³ Resumo Este artigo apresenta os principais conceitos e estratégias que apóiam

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais