UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Graziane Andréia Ubiali. Thaís Vieira REDES SOCIAIS DIGITAIS E O TERCEIRO SETOR: UM ESTUDO DE CASO DO PORTAL SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Graziane Andréia Ubiali. Thaís Vieira REDES SOCIAIS DIGITAIS E O TERCEIRO SETOR: UM ESTUDO DE CASO DO PORTAL SOCIAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Graziane Andréia Ubiali Thaís Vieira REDES SOCIAIS DIGITAIS E O TERCEIRO SETOR: UM ESTUDO DE CASO DO PORTAL SOCIAL FLORIANÓPOLIS 2011

2 REDES SOCIAIS DIGITAIS E O TERCEIRO SETOR: UM ESTUDO DE CASO DO PORTAL SOCIAL FLORIANÓPOLIS 2011

3 Graziane Andréia Ubiali Thaís Vieira REDES SOCIAIS DIGITAIS E O TERCEIRO SETOR: UM ESTUDO DE CASO DO PORTAL SOCIAL Trabalho de conclusão apresentado ao curso de Especialização em Gestão da Comunicação Pública e Empresarial, da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas, da Universidade Tuiuti do Paraná, como requisito para obtenção do grau de especialista. Orientador: Professor Doutor Ângelo Augusto Ribeiro. FLORIANÓPOLIS 2011

4 TERMO DE APROVAÇÃO Graziane Andréia Ubiali Thaís Vieira REDES SOCIAIS DIGITAIS E O TERCEIRO SETOR: UM ESTUDO DE CASO DO PORTAL SOCIAL Esta monografia foi julgada e aprovada para obtenção do grau de especialista em Comunicação Pública e Empresarial no curso de Gestão da Comunicação Pública e Empresarial da Universidade Tuiuti do Paraná. Florianópolis, dezembro de 2011 Pós-graduação em Gestão da Comunicação Pública e Empresarial Universidade Tuiuti do Paraná Orientador: Prof. Dr. Angelo Augusto Ribeiro

5 AGRADECIMENTOS Agradecemos a Deus pelo dom da vida e por tornar possível todas as nossas conquistas e realizações; Aos nossos pais pelo apoio em todas as etapas de nossas vidas, pela presença constante e pela ajuda incondicional; Aos nossos irmãos por fazerem parte de nossas vidas; Aos nossos maridos pelo apoio e ajuda quando precisamos e paciência nas nossas ausências e momentos difíceis e por sempre estarem ao nosso lado; Ao nosso orientador professor doutor Angelo Augusto Ribeiro que nos atendeu, foi paciente em todas as nossas dúvidas e solicitações e acreditou na nossa capacidade enquanto pesquisadoras. Ao Portal Social por aceitar ser objeto de estudo e contribuir para a concretização deste trabalho. Em especial à coordenadora da Fundação Maurício Sirotski Sobrinho em Santa Catarina, Cheila Zortéa.

6 As mídias sociais on-line são ferramentas, sem custos, que contribuem para formar redes sociais online e divulgar ações, produtos, atividades sem custos, por isso, se bem utilizadas pelas instituições de terceiro setor, podem ser uma grande aliada. São caminhos de comportamento social que podem conectar as instituições sem fins lucrativos a diversas outras redes sociais, que antes não mantinham contato. Beth Kanter e Allison H. Fine

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos ESTRUTURA DO TRABALHO A INTERNET, WEB E COMUNICAÇÃO DIGITAL WEB MÍDIAS SOCIAIS DIGITAIS REDES SOCIAIS INSTITUIÇÕES DO TERCEIRO SETOR NA INTERNET O PORTAL SOCIAL ANÁLISE DOS DADOS COLETADOS E RESULTADOS METODOLOGIA ANÁLISE DOS DADOS Perfil das instituições Participação nas redes sociais digitais Percepções da atuação do Portal Social RESULTADOS CONSIDERAÇÕES E RECOMENDAÇÕES RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS APÊNDICES QUESTIONÁRIO APLICADO NAS INSTITUIÇÕES CADASTRADAS ENTREVISTAS COM O PORTAL SOCIAL Entrevista via teleconferência... 60

8 8.2.2 Entrevista via

9 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1 - LOCALIZAÇÃO GRÁFICO 2 TEMPO DE EXISTÊNCIA DAS INSTITUIÇÕES GRÁFICO 3 PORTE DAS INSTITUIÇÕES GRÁFICO 4 ÁREA DE ATUAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES GRÁFICO 5 TIPO DE INSTITUIÇÃO GRÁFICO 6 FREQUÊNCIA DE ACESSOS ÀS REDES SOCIAIS GRÁFICO 7 REDES SOCIAIS QUE PARTICIPAM GRÁFICO 8 PERCEPÇÃO DAS INSTITUIÇÕES EM RELAÇÃO AO PORTAL SOCIAL GRÁFICO 9 EM QUE O PORTAL SOCIAL PODERIA MELHORAR GRÁFICO 10 SATISFAÇÃO COM A ATUAÇÃO DO PORTAL SOCIAL NAS REDES SOCIAIS GRÁFICO 11 RETORNO NA ATUAÇÃO DAS REDES SOCIAIS GRÁFICO 12 FREQUÊNCIA DE ACESSOS AO PORTAL SOCIAL GRÁFICO 13 FERRAMENTA DO PORTAL SOCIAL MAIS ACESSADA... 47

10 RESUMO O presente trabalho foi elaborado para compreender como as redes sociais digitais impactam na atuação do Portal Social e verificar como esta instituição adotou iniciativas para integrar seus projetos às mídias sociais digitais. Para a realização da pesquisa, foram aplicados questionários em instituições de Terceiro Setor dos Estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul que estão cadastradas no Portal Social, bem como, uma entrevista realizada com a coordenação deste veículo. O trabalho conta ainda com capítulos que abordam a internet e Web 2.0, traçam diferenças entre as mídias sociais e as redes sociais digitais, além da atuação do Terceiro Setor na internet. Como resultado, a pesquisa aponta os benefícios da atuação nas redes sociais digitais e comprova que a percepção das instituições entrevistadas atinge o objetivo da atuação do Portal Social, que é dar visibilidade para as mesmas. Este trabalho é relevante a medida que aponta as possibilidades da atuação de uma instituição do Terceiro Setor nas redes sociais digitais, tendo em vista seu baixo custo e grande poder de alcance. Palavras-chave: redes sociais digitais; mídias sociais digitais; terceiro setor; internet; web 2.0

11 9 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho foi elaborado para compreender como as redes sociais impactam na atuação do Portal Social e verificar de que modo esta instituição adotou iniciativas para integrar seus projetos às mídias sociais digitais. De acordo com dados divulgados pelo IBOPE Nielsen Online, no segundo trimestre de 2011, o Brasil atingiu a marca de 77,8 milhões de pessoas com acesso a internet. Esse número é 5,5% superior ao do segundo trimestre de 2010 e 20% maior que o do segundo trimestre de Considerando a facilidade de acesso a informação proporcionada pela internet, que hoje já é comum na vida das pessoas, seja no trabalho ou uso pessoal, os usuários perceberam que podiam contribuir com as informações divulgadas na web. Isso pode ser percebido pelo aumento do número de usuários que, de acordo com a pesquisa IBOPE Nielsen Online, foi de 45,4 milhões de usuários ativos na internet no mês de agosto de 2011, número que representa um aumento de 1,2% em relação ao mês anterior e 9,2% em comparação ao mesmo período de A Web 2.0, termo criado por Tim O Reilly, fundador da O Reilly Media, para caracterizar a segunda geração da World Wide Web (WWW), promove a interação e colaboração entre os usuários da internet e o aparecimento de novas tecnologias. A Web 2.0 alastrou-se e os usuários tornaram-se cada vez mais presentes no ciberespaço, criando páginas pessoais, impondo suas opiniões e interagindo com universo digital. A velocidade dos conteúdos gerados na web, provocou nos internautas a ânsia pelo imediatismo, o que criou o ambiente propicio para o surgimento de novos formatos de ferramentas on-line, tais como as redes sociais digitais. Segundo Telles (2010), a era das redes sociais no meio on-line começou em

12 quando Jonathan Abrams lançou o Friendster, para que fosse um site de encontros e não para namoros. As redes sociais digitais possibilitam que seus membros compartilhem notícias e estimulem discussões e os administradores das redes podem enviar mensagens públicas e privadas. Como é o caso do Twitter, um microblog que tem a função de passar informações rapidamente em 140 caracteres (SPYER et alii, 2009). As redes sociais digitais caíram no gosto também das empresas, que passaram a utilizá-las para aproximar-se dos seus clientes ou públicos-alvo. Este cenário também se aplica às instituições do Terceiro Setor que aproveitaram desta nova ferramenta on-line para divulgar suas ações e conquistar parcerias, atingindo um universo geográfico ainda maior. Como é o caso do Portal Social, que já nasceu no ambiente digital e atua em diversas redes sociais digitais. O Brasil vive, desde o final da década de 80, uma expansão das instituições de Terceiro Setor com atuação nos diversos setores da sociedade civil. Recentemente, passou a conviver com o crescimento do uso das ferramentas online possibilitadas pela internet, como por exemplo, as redes sociais digitais, que são facilitadoras para a comunicação de massa e propagação de conteúdo com baixo custo e elevado alcance. Neste sentido, este trabalho visa analisar a atuação do Portal Social no Orkut, Facebook, Twitter, Youtube e Blog, e qual o impacto que estas ações trouxeram para a instituição, além de verificar se estas ferramentas atingem seus públicos e agregam valor ao trabalho desenvolvido por elas. Sendo assim, esta pesquisa se apresenta relevante, pois os resultados poderão servir de embasamento

13 11 para que outras instituições venham a se beneficiar do uso das redes sociais digitais, além de contribuir com estudos futuros sobre o assunto. Para a realização da pesquisa, foram aplicados questionários para instituições de Terceiro Setor dos Estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul que estão cadastradas no Portal Social, bem como uma entrevista realizada com a coordenação deste veículo. Por fim este trabalho pretende responder a seguinte pergunta: Como as redes sociais digitais impactam na atuação do Portal Social? 1.1 OBJETIVOS Objetivo geral Compreender como as redes sociais digitais impactam na atuação do Portal Social Objetivos específicos - Avaliar os resultados obtidos pelo Portal Social a partir das ações realizadas nas redes sociais digitais; - Qualificar os resultados obtidos; - Verificar junto às instituições do Terceiro Setor quais resultados obtiveram com a presença do Portal Social nas redes sociais digitais; - Analisar como é a relação entre o Portal Social e as redes sociais digitais; - Identificar como o Portal Social reagiu à atuação nas redes sociais digitais.

14 ESTRUTURA DO TRABALHO Este trabalho, além da conclusão, conta com mais quatro capítulos, os quais apresentam e contextualizam o atual cenário das redes sociais digitais e do Terceiro Setor. Para iniciar a discussão, o primeiro capítulo traz um histórico sobre o surgimento da internet, ainda em 1969, e como se apresenta no cenário atual, com o advento da Web 2.0, que trouxe inovações para as ferramentas on-line, como a interatividade, melhorias nos conteúdos e funcionalidades. Estas novidades são relatadas com maior ênfase nos subitens que discorrem sobre as mídias sociais digitais e as redes sociais digitais e buscam esclarecer a diferença entre estes dois meios on-line. O segundo capítulo aborda o ingresso das instituições do Terceiro Setor na internet, os benefícios e as dificuldades encontradas por estas organizações na atuação neste universo. Na sequência, o terceiro capítulo apresenta o Portal Social, objeto deste estudo, com informações sobre o ingresso e atuação nas redes sociais digitais. Para conhecer e avaliar o impacto da atuação do Portal Social das redes sociais digitais foi aplicada uma pesquisa com as instituições do Terceiro Setor cadastradas no site. Após aplicação da pesquisa, os resultados foram mensurados e detalhados no quinto capítulo, que traz a análise dos dados obtidos. Seguem então as considerações nas quais estão relatadas as principais impressões com os resultados da pesquisa aplicada em contraponto com a pesquisa bibliográfica.

15 13 2 A INTERNET, WEB E COMUNICAÇÃO DIGITAL A comunicação social viveu uma revolução com o surgimento da internet. Novas meios de se comunicar foram criadas com o conhecimento aprofundado das possibilidades oferecidas pela rede mundial de computadores. Esta forma de comunicação proporcionou o estreitamento dos relacionamentos, sejam eles, profissionais ou pessoais. Para Matos (2004) a comunicação é o fio condutor de todas as atividades e relacionamentos humanos. Josaphat (2006) aprofunda este pensamento e aborda que o apetite por informação e a necessidade por comunicação manifestada pela sociedade revela o papel social da comunicação. Desde sua criação, a internet vem tomando proporções inimagináveis. Concebida em 1969, pela Advanced Research Projects Agency (ARPA) organização do Departamento de Defesa norte-americano, a internet tinha inicialmente apenas a finalidade de proporcionar a comunicação emergencial nos Estados Unidos, caso este fosse atacado por outros países, sendo denominada Arpanet. Hoje está intrinsecamente ligada ao dia a dia das pessoas, tanto no meio profissional quanto pessoal. Ao final da década de 80 o cenário desta nova ferramenta que possibilita a comunicação já estava modificado, pois as redes de computadores estavam mais disseminadas e a internet se tornara importante na vida das pessoas. Entretanto, a estética, formato e usabilidade desta rede, não se parecia com o que se tem acesso atualmente. Para se chegar às formatações e aparências atuais, muitos anos de pesquisa e construção foram necessários. Só em 1989, após anos de programação,

16 14 Tim Berners Lee propôs o hoje conhecido WWW (World Wide Web), rede baseada em hipertexto e sistemas de recursos para a Internet, que já se caracterizava a internet que temos hoje em nossos computadores. No Brasil desde 1992, quando a internet teve seu espaço aberto nas principais universidades brasileiras, a nova tecnologia passou a ser incluída na sociedade. Ainda em 1995, o Jornal do Brasil, primeiro site jornalístico brasileiro foi instituído, JB On-line, seguido de O Globo, Agência Estado, e tantos outros, que passaram a transcrever para a internet as matérias e conteúdos de seus meios de comunicação impresso, televisivos ou radiofônicos, sem se preocupar com a criação de um novo formato, mais apropriado à internet. Nessa primeira fase a característica era a oferta abundante de conteúdos (FERRARI, 2006). Além de ter contribuído para o jornalismo, a internet aos poucos foi se consolidando como um meio comunicacional eficiente. Empresas, instituições e mesmo pessoas físicas passaram a utilizar o meio virtual para comunicar-se com o mundo (PINHO, 2003). A internet possibilita diversas formas de comunicação, são novos formatos de distribuição da informação, como por exemplo, internet via cabo, internet móvel, televisão interativa. É o que se entende por convergência das tecnologias com a comunicação/informação. Por meio de celulares modernos, computadores portáteis, a informação chega rápido, com imediatismo e precisão. A comunicação digital ou multimídia é composta por aparelhos portáteis aptos a carregar textos, fotos, áudios e vídeos, para qualquer um e em qualquer lugar. Segundo Costa: A expressão nova mídia não se refere apenas a uma nova maneira de gerar e veicular informação e uma nova interlocução com o público que a consome. Mas abarca a velha mídia, uma vez que as novas maneiras de fazer e distribuir informação se imiscuíram nas práticas daqueles que veiculam seus conteúdos em suportes tradicionais, incorporando-as,

17 15 trazendo para si os novos preceitos e uma nova forma de relacionamento com a informação e com o público interativa, participativa (2009, p. 16). A participação mais ativa do usuário originou um novo cenário no ambiente virtual, onde a colaboração e a interatividade passaram a ser mais frequentes, originando assim a segunda geração da internet, conhecida como Web WEB 2.0 O termo Web 2.0 foi citado pela primeira vez em 2004, pelo empresário irlandês Tim O Reilly durante uma conferência. A expressão, patenteada por ele, foi utilizada na ocasião para explicar a segunda geração da Web, que tem como principal característica a promoção da interação e a colaboração via internet. No Brasil, esse termo começou a ganhar mais ênfase a partir de 2006 (MORAIS, 2009). Mais do que uma expressão técnica, ela (a Web 2.0) expressa uma mudança radical de atitude em relação à internet. (SEGALLA, RIBEIRO, BARIFOUSE, 2007). Para Rosa (2007), com a Web 2.0 acabou o modelo emissor receptor, todos conversam entre si. Se, no passado, bastava às empresas colocarem no ar um site elegante com informações atualizadas a Web 1.0, isso tornou-se francamente insuficiente. Estar bem posicionado na rede exige atenção permanente, interação profunda e reação rápida ao que acontece no mundo virtual. Com audiência global de quase 1 bilhão de pessoas, e taxa de crescimento exponencial, a internet é o espelho do planeta no que ele tem de mais dinâmico e o impacto dessa multidão virtual sobre as empresas não pode ser exagerado. (SEGALLA, RIBEIRO, BARIFOUSE, 2007). Nesse cenário, os sites passaram a usar ferramentas de interação com o leitor, como por exemplo, enquetes, chat, comentário, fóruns, avaliação e formulários fale conosco (ROSA, 2007). Grandes portais também passaram a instigar os usuários a enviarem conteúdos produzidos por eles mesmos.

18 16 Com a Web 2.0 outro fenômeno tornou-se bastante frequente na internet, as redes sociais. Com voz ativa dada pela nova geração da internet, qualquer usuário que esteja conectado se transforma num potencial editor de conteúdo (ROSA, 2007). Com a Web 2.0 essa interatividade ganhou mais força. Você pode escrever um artigo e publicar em um site, este artigo será lido por várias pessoas que vão comentar, esses comentários serão enviados para você que vai ler e responder então surge um relacionamento. (MORAIS, 2010, p. 36). As empresas precisam entender que este relacionamento é importante para que exista interação com os seus públicos. Esse é o futuro da comunicação. Agora quem manda nas marcas no mundo digital não são mais os profissionais de marketing, são os usuários! (MORAIS, 2010, p. 190). Os sites não devem ser considerados depósitos de informação com canais de comunicação de uma só via, como os veículos tradicionais, mas fontes de conteúdo e funcionalidade que permita a interatividade com os usuários (BRIGGS, 2007). Desta forma, segundo Morais (2010) a colaboração do usuário é um dos pilares que sustenta a Web 2.0, assim como os Blogs e as redes sociais digitais. 2.2 MÍDIAS SOCIAIS DIGITAIS Antes de falar sobre mídias sociais digitais é necessário esclarecer o conceito de mídia social. O termo mídias sociais digitais é comumente confundido com redes sociais digitais. Diversos autores conceituam cada um dos termos de maneira diferente. Para Telles (2010) redes sociais é uma categoria das mídias sociais. Sites de relacionamento ou redes sociais são ambientes que focam reunir pessoas que podem expor seu perfil, postar fotos e vídeos, textos e interagir com outros membros, criando assim uma lista de amigos. Altermann (2010) explica que

19 17 uma rede social on-line é uma categoria dentro da mídia social, impossibilitando que haja uma separação entre ambas, pois a rede social é um pedaço da mídia social. Enquanto LARISCY et alii. (2009 citado por RIBEIRO, 2010, p.130), descreve a mídia social como qualquer tecnologia que permita a uma pessoa, a um grupo ou a uma organização compartilhar conteúdos, opiniões, experiências, ideias e até mesmo uma mídia própria. De acordo com Altermann (2010), antes da internet as mídias sociais estavam ligadas a maneira de difundir informação dos grandes meios de comunicação de massa. Corroborando com o autor, Ramalho (2010) explica que o que se entende hoje como mídias sociais nada mais é do que a forma moderna de se praticar uma das principais necessidades do ser humano: a socialização. Com o surgimento da internet e da Web 2.0 o termo mídias sociais ganhou novos conceitos. Atualmente, também são consideradas ferramentas on-line usadas para divulgar conteúdo ao mesmo tempo em que permitem alguma relação com outras pessoas (ALTERMANN, 2010). Ribeiro (2010) explica também, que inicialmente, o conteúdo publicado na Web era acessado de forma independente, isolada. Com a popularização do acesso à internet, houve um barateamento dos meios de produção de conteúdo e os usuários da internet se apropriaram das ferramentas de comunicação oferecidas neste novo ambiente. O conceito de mídia sociais utilizado por Altermann (2010), representado no exemplo (Figura 1), demonstra com mais proximidade a realidade deste trabalho.

20 18 FIGURA 1 MÍDIA SOCIAL E DIGITAL FONTE: Dennis Altermann - Redes Sociais e Mídias Sociais, quais as diferenças? Extraído do site Acesso: 10 jul Para Telles (2010), mídias sociais são ambientes que permitem existir a conversação entre os usuários. A rede de relacionamento que pode acontecer neste ambiente é denominada rede social digital. Piris (2010) concorda com Telles e acrescenta que rede social é uma comunidade ou rede de pessoas que não está limitada a uma estrutura ou meio. Mídia social é um meio o qual determinada rede social utiliza para se comunicar. As mídias sociais possuem características que as tornam diferentes das mídias one-way, como televisão, jornais e revistas. Elas não são uma alternativa às mídias convencionais, mas requerem uma abordagem diferente devido à mão dupla causada pela possibilidade de participação de todos que recebem a mensagem. (RAMALHO, 2010, p. 17 e 18)

21 19 Altermann (2010) e Telles (2010) concordam com Ramalho (2010) e consideram as redes sociais como uma categoria das mídias sociais. A Figura 2 representa como as redes sociais estão ligadas às mídias sociais. FIGURA 2 MÍDIAS SOCIAIS E REDES SOCIAIS FONTE: Dennis Altermann - Redes Sociais e Mídias Sociais, quais as diferenças? Extraído do site Acesso: 10 jul Atualmente, podem-se citar como mídia social os blogs, os canais no Youtube, o Facebook e o Twitter, embora esses dois últimos sejam, também, redes sociais digitais. Todos os exemplos acima permitem a exposição e o compartilhamento de conteúdo, sem que seja necessária a interação com outros usuários.

22 20 Ao longo dos anos essas ferramentas ganharam grandes proporções. Diversas pesquisas mostram o sucesso das mídias sociais. De acordo com Telles (2010), no Brasil mais de 80% dos usuários de internet utilizam alguma mídia social. Telles (2010) cita ainda outros números sobre a utilização das mídias sociais. Segundo ele, existem na internet 126 milhões de Blogs criados; 27,3 milhões de postagens no Twitter por dia; 500 mil aplicativos ativos no Facebook; e em média 1 bilhão de vídeos exibidos no Youtube por dia. Este cenário demonstra que cada vez mais as pessoas estão se relacionando através de ferramentas de mídias sociais, particularmente redes sociais, pois estas permitem uma rápida atividade coletiva. De acordo com Kanter e Fine (2011), as mídias sociais são revolucionárias em seu poder e alcance, além disso, segundo Ribeiro (2010), viabilizam a construção de redes de relacionamento sustentadas pelo interesse de segmentos da sociedade, em temas de utilidade pública e social como saúde, ciência, educação, políticas públicas, direitos humanos e política eleitoral. A partir do momento em que há interação entre os membros de uma determinada mídia social ela passa a ser considerada uma rede social. (PIRIS, 2010). 2.3 REDES SOCIAIS Conforme explanado no item anterior, as redes sociais digitais são definidas como uma categoria das mídias sociais. Ramalho (2010) complementa que as redes sociais são a essência das mídias sociais, pois é através delas que é possível interagir com outras pessoas, já que o principal propósito das mesmas é permitir a socialização entre os membros.

23 21 Assim sendo, do mesmo modo que se formam grupos sociais devido aos objetivos comuns, também se formam as redes sociais na internet, ou seja, pessoas que se conectam ao redor de determinados temas. Por isso, as instituições de Terceiro Setor conectadas podem ter nestas redes, grandes aliadas, mudando o foco, como explicam Kanter e Fine (2011), pois deixam de ser isoladas para fazer parte de uma rede social mais ampla, que existe dentro e fora das organizações. Isso permite que elas transformem em um instante uma ideia ou um descontentamento em um exército de patrocinadores apaixonados pela mudança social (KANTER, FINE, 2011, p. 33). Mortani Junior (2010), ressalta ainda que as mídias sociais podem ser usadas para causar impactos sociais para mudança de comportamento e mudança social. O autor conclui que as mídias sociais podem ser utilizadas para fortalecer o vínculo com as pessoas interessadas em formar redes e multiplicar essas ações. Uma pesquisa encomendada por The Columbus Foundation, The Saint Paul Foundation e The San Francisco Foundation para o projeto social Filantropia 2.0 revelou que as mídias sociais podem cultivar doadores. O estudo foi realizado no ano de 2008 e teve a participação de 426 entrevistados, em três faixas etárias menos de 30 anos, de 30 a 49 e mais de 50 anos. O objetivo dos pesquisadores foi identificar se as mídias sociais são um espaço para cultivar doadores potenciais. Os resultados demonstraram que apesar de as mídias sociais serem um ambiente favorável às ações do Terceiro Setor para atingir seus públicos, percebese a falta de predominância nas doações por meio dessas redes. Os dados representados no Quadro 1 mostram o que os entrevistados buscam nas mídias sociais, de acordo com a pesquisa Filantropia 2.0.

24 22 De 30 a 49 anos 80% estão preocupados com o impacto da organização 74% querem saber sobre histórias de sucesso 71% querem aprender mais sobre as organizações que ajudam 70% querem informações sobre as causas que com as quais se preocupam 43% querem informações sobre prestação de contas QUADRO 1 PESQUISA FILANTROPIA 2.0 Perfil dos entrevistados Mais de 50 anos O impacto de 86% organizacionais 80% histórias de sucesso 80% aprender mais sobre as organizações que ajudam 78% querem informações sobre as causas que preocupam 47% querem informações sobre prestação de contas FONTE: Informações extraídas da Pesquisa encomendada por The Columbus Foundation, The Saint Paul Foundation e The San Francisco Foundation para o projeto social Filantropia 2.0 O estudo concluiu que as instituições sem fins lucrativos têm nas mídias sociais uma grande oportunidade de se tornar um canal de informações confiáveis e, assim, ampliar o contato com pessoas interessadas nas causas e que poderão ser futuros doadores. As plataformas digitais como as redes sociais oferecem, além de visibilidade para a organização, um espaço para as transmissões de ideias pessoais, comerciais ou de responsabilidade social. Cabe às instituições do Terceiro Setor entenderem a mudança social, a inclusão das mídias sociais on-line e suas redes como algo a somar, e se tornar instituições conectadas contando com o apoio de todas as ferramentas das redes sociais digitaispara trazer resultados significativos. Funcionar como redes sociais, simplificar o trabalho, tornar-se transparente e construir relacionamentos externos. (KANTER, FINE, 2011, p. 28). Mortani Junior corrobora com as autoras e enfatiza: As redes sociais podem agregar diversas informações, link para a página da instituição, vídeos, enquetes, mais possibilita principalmente a criação de

25 23 uma rede de contatos. E esses contatos também se tornam multiplicadores da causa (2010). As redes sociais digitais modificaram toda uma sociedade, que hoje está conectada com o mundo todo, com amigos presentes e amigos distantes, informada sobre tudo o que ocorre, por meio de ferramentas como o Twitter, Facebook. Para Mortani Junior (2010), redes sociais como Orkut e Facebook permitem que as instituições criem um perfil e estreitem o contato com o público interessado em suas causas. Ainda de acordo com o autor, o Twitter, por ter uma característica de fácil e rápido atualização e acesso, pode tornar o contato com as pessoas ainda mais dinâmico. Amplia as possibilidades de comunicação, não só com o público de interesse, mas também com investidores e parceiros.

26 24 3 INSTITUIÇÕES DO TERCEIRO SETOR NA INTERNET O Terceiro Setor surgiu na sociedade brasileira em meados da década de 70 com o objetivo de suprir e atender as necessidades das classes sociais menos favorecidas. Segundo Szazi (2006), o Terceiro Setor é fruto de uma reorganização na sociedade brasileira, redistribuindo os papéis de cada ator social, e a sociedade civil assumiu novas responsabilidades em defesa e proteção aos seus direitos, o que antes era função exclusiva do Estado (Primeiro Setor). O Segundo Setor era ocupado pelas instituições privadas, que tinham como compromisso o pagamento de impostos e a geração de empregos. Silva (2010) ainda ressalta, que devido ao agravamento das carências sociais no país durante aquela época, em que o Estado já não atendia a todas as demandas, as organizações sociais passaram a ocupar papel de destaque no desenvolvimento de ações sociais com enorme repercussão em determinadas camadas da população. O crescimento do número de organizações da sociedade civil verificado desde os anos 70 fez surgir um novo ator social, o denominado Terceiro Setor, o conjunto de agentes privados com fins públicos, cujos programas visam atender direitos sociais básicos e combater a exclusão social e, mais recentemente, proteger o patrimônio ecológico Brasileiro. (SZAZI, 2006, p.22). Este novo ator social vem ganhando espaço na sociedade e se inserindo em meios distintos, inclusive nos digitais. Cada instituição do Terceiro Setor forma redes de pessoas em prol de um objetivo comum. Segundo Rocha (2002), com a expansão e importância dessas instituições surge a necessidade de informação e criação de redes de contatos e a internet passa a ser uma ferramenta que contribui neste sentido. Por isso, organizações sem fins lucrativos conectadas à internet interagem com pessoas que vão além de suas paredes, constroem relacionamentos que disseminam o trabalho da instituição pelo meio virtual. Desta forma abrangem públicos distintos, conquistam parcerias e voluntários on-line.

27 25 Todas as organizações sem fins lucrativos conectadas se sentem confortáveis em utilizar os set de ferramentas da nova mídia social ferramentas digitais como s, Blogs e Facebook, que encorajam conversações bidirecionais entre pessoas e entre pessoas e organizações, para ampliar esforços com rapidez, facilidade e a custos baixos. (KANTER, FINE, 2011, p. 4). Essas ferramentas são disponibilizadas por meio da internet, que oferece novas possibilidades de participação. Segundo Lima e Selaimen (2011), a internet possibilita o fortalecimento e iniciativas locais, que tomam outras dimensões quando multiplicadas entre os diversos atores de uma rede regional ou nacional. As mídias sociais on-line podem ser aliadas das instituições do Terceiro Setor que utilizam a internet como um meio de comunicação com os seus públicos, pois são ferramentas sem custos, que contribuem para formar redes sociais on-line e divulgar ações e produtos. São caminhos de comportamento social que podem conectar as instituições sem fins lucrativos às diversas outras redes sociais, que antes não mantinham contato (KANTER, FINE, 2011). Assim, levam suas contribuições, colaborações e serviços para muito mais lugares do que se estivessem apenas em um escritório, fechados em quatro paredes. Apesar de todos os benefícios que a presença na internet pode trazer para uma instituição do Terceiro Setor, ainda percebe-se um receio em entrar no ambiente virtual. Dados levantados por Lima e Selaimen (2011) na Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) demonstram que a participação das organizações na internet não passa de 2,3% do total, com domínios registrados, com informações coletadas em março de Kanter e Fine (2011) ressaltam ainda, que muitas organizações sem fins lucrativos perdem espaço devido ao medo de ingressar neste universo on-line. As autoras citam algumas possíveis razões para esta ausência, como por exemplo, o

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA A IMPORTÂNCIA DAS REDES SOCIAIS PARA A COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

Workshop Comunicação e Marketing para terapeutas e administradores de espaços holísticos. Lançamento do site Portal do Bem Rio de Janeiro, 31/05/2012

Workshop Comunicação e Marketing para terapeutas e administradores de espaços holísticos. Lançamento do site Portal do Bem Rio de Janeiro, 31/05/2012 Workshop Comunicação e Marketing para terapeutas e administradores de espaços holísticos Lançamento do site Portal do Bem Rio de Janeiro, 31/05/2012 Marketing criar produtos e serviços que atendam necessidades

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

A Comunicação da Rede Social de Cidades. Maio de 2012

A Comunicação da Rede Social de Cidades. Maio de 2012 A Comunicação da Rede Social de Cidades Maio de 2012 Sistematização da pesquisa virtual realizada entre os integrantes da Rede no período de abril a maio de 2012 A pesquisa de satisfação da Comunicação

Leia mais

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Curso de Marketing Disciplina: Web Marketing Professor: Roberto Marcello Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Web Marketing Web Marketing é qualquer esforço promocional realizado

Leia mais

Thursday, October 18, 12

Thursday, October 18, 12 O Site Legado do IFP é uma comunidade online e global dos ex-bolsistas do programa. É um recurso e um lugar para você publicar notícias profissionais, recursos e teses para a comunidade global do IFP,

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

CONTEÚDOS. Blog REDES SOCIAIS VIDEOS ONLINE PARTILHA DE FOTOGRAFIAS PARTILHA DE APRESENTAÇÕES

CONTEÚDOS. Blog REDES SOCIAIS VIDEOS ONLINE PARTILHA DE FOTOGRAFIAS PARTILHA DE APRESENTAÇÕES CONTEÚDOS ANTES DE INICIAR A SUA AVENTURA NAS REDES, TENHA EM CONTA AS SEGUINTES DICAS: Atribua a administração de cada canal e/ou estratégia a alguém que faça parte da sua empresa; Dê formação à sua equipa

Leia mais

Título: ESTRATÉGIAS DE AMPLIAÇÃO DA PRESENÇA DO FLEURY MEDICINA E SAÚDE NAS REDES SOCIAIS

Título: ESTRATÉGIAS DE AMPLIAÇÃO DA PRESENÇA DO FLEURY MEDICINA E SAÚDE NAS REDES SOCIAIS Título: ESTRATÉGIAS DE AMPLIAÇÃO DA PRESENÇA DO FLEURY MEDICINA E SAÚDE NAS REDES SOCIAIS Autores: William Malfatti 1 ; Thaís Arruda 2 ; Sergio Auerbach 3 ; Kleber Soares Filho 4 ; Alex Fernandes 5 ; Melina

Leia mais

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico O Dia D e a culturalização de um posicionamento estratégico 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE Centro Universitário Franciscano uma universidade para suas aspirações Santa Maria é um polo educacional

Leia mais

Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS

Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS PRÁTICA 1) TÍTULO Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: O Hotsite da Carta de Serviços ao Cidadão do MDS foi um projeto realizado pela Ouvidoria

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais.

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais. The New Conversation: Taking Social Media from Talk to Action A Nova Conversação: Levando a Mídia Social da Conversa para a Ação By: Harvard Business Review A sabedoria convencional do marketing por muito

Leia mais

Porque as mulheres seguem empresas no Twitter?

Porque as mulheres seguem empresas no Twitter? Porque as mulheres seguem empresas no Twitter? Metodologia Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. A pesquisa foi realizada com 737 mulheres com idade entre

Leia mais

Tabela de Preços Sugeridos

Tabela de Preços Sugeridos WEBSITE Estrutura básica Área institucional Área estática: quem somos, o que fazemos, onde estamos etc. Área de contato E-mail, telefone, formulário etc. Área core Gerenciador de conteúdo para cadastro

Leia mais

REDES SOCIAIS. Profº Thiago Arantes

REDES SOCIAIS. Profº Thiago Arantes REDES SOCIAIS Profº Thiago Arantes Todos os direitos reservados - IAB 2014 - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros

Leia mais

Plano de trabalho ABMES 2013

Plano de trabalho ABMES 2013 1. Apoio às IES de pequeno porte (eventos presenciais e a distância) Diretoria, Assessoria, Consultores e IES apoiadoras Realizar seminário na com o objetivo de identificar a situação atual das PMIES Contratar

Leia mais

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Serena Veloso GOMES² Thamara Rocha Ribeiro FAGURY³ Kalyne Menezes SOUZA4 Silvana Coleta Santos PEREIRA5 Universidade Federal

Leia mais

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal?

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal? Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL O que é Marketing Multicanal? Uma campanha MultiCanal integra email, SMS, torpedo de voz, sms, fax, chat online, formulários, por

Leia mais

E-books. Introdução às Mídias Sociais. Sebrae

E-books. Introdução às Mídias Sociais. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Introdução às Mídias Sociais O que fazer com as mídias sociais Tipos de ações As principais mídias sociais Dicas e considerações finais Autor Felipe Orsoli 1 SUMÁRIO 1

Leia mais

www.intermidiabrasil.com.br Apresentação Presença Digital

www.intermidiabrasil.com.br Apresentação Presença Digital Apresentação Presença Digital 2012 ÍNDICE 1. GESTÃO MÍDIAS SOCIAIS... 03 2. ESTRATÉGIAS COMPLEMENTARES... 04 3. PERSONALIZAÇÃO... 05 4. CASES... 06 5. SOBRE A INTERMIDIA BRASIL... 13 6. CLIENTES... 14

Leia mais

SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL. Expositor. Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com.

SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL. Expositor. Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com. SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL Expositor Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com.br (61) 9613-6635 5 PILARES DO MARKETING DIGITAL 1 2 3 4 5 Presença digital: Ações

Leia mais

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br Desde 2008 Mídia Kit 2015 encontrasãopaulo www.encontrasaopaulo.com.br Introdução O Mídia Kit 2015 do guia online Encontra São Paulo tem o objetivo de contextualizar a atuação do site no segmento de buscas

Leia mais

Publicidade. Monitoramento: Percepções sobre Publicidade. Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações

Publicidade. Monitoramento: Percepções sobre Publicidade. Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações Crédito da imagem: ronnestam.com Anúncio Upex Publicidade Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações Introdução Foram realizadas buscas na mídia social Twitter, através de ferramenta de monitoramento

Leia mais

Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC II PORTAL COLABORATIVO. Raimar van den Bylaardt Gerente de Tecnologia - IBP

Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC II PORTAL COLABORATIVO. Raimar van den Bylaardt Gerente de Tecnologia - IBP Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC II PORTAL COLABORATIVO Raimar van den Bylaardt Gerente de Tecnologia - IBP POR QUE PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS? agregar informações aproximar a oferta e a demanda

Leia mais

SISTEMÁTICA WEBMARKETING

SISTEMÁTICA WEBMARKETING SISTEMÁTICA WEBMARKETING Breve descrição de algumas ferramentas Sobre o Webmarketing Web Marketing é uma ferramenta de Marketing com foco na internet, que envolve pesquisa, análise, planejamento estratégico,

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

Jornalismo Interativo

Jornalismo Interativo Jornalismo Interativo Antes da invenção da WWW, a rede era utilizada para divulgação de informações direcionados a públicos muito específicos e funcionavam através da distribuição de e-mails e boletins.

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO. 1.1. Objetivo Geral

1. APRESENTAÇÃO. 1.1. Objetivo Geral PRÁTICA 1) TÍTULO FEEDBACK DE INTERAÇÕES CLIENTES E GESTORES REDES SOCIAIS 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: 1. APRESENTAÇÃO O Serviço de Monitoramento em Redes Sociais da Infraero,

Leia mais

SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA

SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA Paula Junqueira 7º CONGRESSO RIO DE EDUCAÇÃO CONSTRUINDO A SUA MARCA A marca é o ativo mais importante, independente do tamanho de sua empresa. As mídias sociais são

Leia mais

Assessoria de imprensa para projeto Revelando Olhares 1

Assessoria de imprensa para projeto Revelando Olhares 1 RESUMO Assessoria de imprensa para projeto Revelando Olhares 1 Isadora Nicastro Schwanke Julião 2 Emerson de Castro Firmo da Silva 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR Este trabalho é um estudo de caso

Leia mais

REDES SOCIAIS. Prof. Thiago Arantes

REDES SOCIAIS. Prof. Thiago Arantes REDES SOCIAIS Prof. Thiago Arantes - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

Relatório do Portal Rádio Margarida do 2º trimestre de 2011

Relatório do Portal Rádio Margarida do 2º trimestre de 2011 O portal da Rádio Margarida em Defesa dos Direitos de Crianças e Adolescentes na Amazônia já está online desde fevereiro de 2010. O objetivo do veículo é disponibilizar materiais educativos que contribuam

Leia mais

Uso estratégico do Facebook Como sua empresa pode explorar a rede social ao máximo

Uso estratégico do Facebook Como sua empresa pode explorar a rede social ao máximo Uso estratégico do Facebook Como sua empresa pode explorar a rede social ao máximo www.talk2.com.br 03 Introdução 3 05 06 07 10 10 12 20 CONSTRUÇÃO DE ESTRATÉGIAS 2.1Facebook e a predileção pelas marcas

Leia mais

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes FLORIANÓPOLIS 2014 2 RESUMO: O projeto apresentado é resultado

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

Redes Sociais, SEO, Blog ou Adwords: O que devo usar para minha empresa?

Redes Sociais, SEO, Blog ou Adwords: O que devo usar para minha empresa? Redes Sociais, SEO, Blog ou Adwords: O que devo usar para minha empresa? Você já pensou em posicionar sua marca na internet? Construir um relacionamento com seu cliente é uma das formas mais eficazes de

Leia mais

A compra de TI e as redes sociais

A compra de TI e as redes sociais Solicitada por A compra de TI e as redes sociais Como as redes sociais transformaram o processo de compras B2B e as melhores práticas para adaptar as suas estratégias de marketing à nova realidade BRASIL

Leia mais

Marketing Digital de resultado para PMEs. Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas

Marketing Digital de resultado para PMEs. Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas 1 Sumário I II V Porque monitorar? O que monitorar? Onde monitorar? Como engajar? 2 Por que Monitorar? 3 I II V Nas mídias sociais

Leia mais

REDES DE RELACIONAMENTO: MAIS QUE UM MEIO DE CONTATO, UM LUGAR ONDE SE CONSTROEM MARCAS RESUMO. Palavras-chave: redes - público-alvo - fidelização.

REDES DE RELACIONAMENTO: MAIS QUE UM MEIO DE CONTATO, UM LUGAR ONDE SE CONSTROEM MARCAS RESUMO. Palavras-chave: redes - público-alvo - fidelização. REDES DE RELACIONAMENTO: MAIS QUE UM MEIO DE CONTATO, UM LUGAR ONDE SE CONSTROEM MARCAS Djúlia Denise Bohn 1 Lidiane Kasper 2 Alexandre Rafael Mattjie 3 RESUMO Este artigo pretende trazer uma contribuição

Leia mais

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR josuevitor16@gmail.com @josuevitor Marketing Digital Como usar a internet

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

Aline Santos Carlos Augusto Peterson Almeida Rafael Rodrigues Ramon Assis

Aline Santos Carlos Augusto Peterson Almeida Rafael Rodrigues Ramon Assis Aline Santos Carlos Augusto Peterson Almeida Rafael Rodrigues Ramon Assis Marketing Digital Trabalho científico apresentado ao Professor Edvaldo Jr., docente da matéria Marketing Digital, da turma de Produção

Leia mais

Proposta Comercial. Democratizar a internet é um dever de todos

Proposta Comercial. Democratizar a internet é um dever de todos Proposta Comercial Democratizar a internet é um dever de todos E-mail / MSN Messenger comercial@gentecnologia.com.br Skype gentecnologia.comercial Endereço Av. Presidente Epitácio Pessoa, 2234 (Sl 302

Leia mais

Assessoria de Imprensa

Assessoria de Imprensa R e l a t ó r i o Telefone: (31) 3532-5100 www.salaodoencontro.org.br salaodoencontro@terra.com.br Rua João da Silva Santos, 34 Santa Lúcia - 32630-730 - Betim - MG Assessoria de Imprensa Jornalista responsável:

Leia mais

Política de Privacidade amaiseducacao.org

Política de Privacidade amaiseducacao.org Política de Privacidade amaiseducacao.org Este documento contém as práticas de privacidade para o site de amaiseducacao.org. Este site é de propriedade e operado por ou em nome de amaiseducacao.org ("A+").

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil Após um mais de ano de trabalho e experiências adquiridas a CRIC apresenta à diretoria regional as diretrizes que regem

Leia mais

Minuto Enfermagem. Idealizado em 2013 pelo Núcleo IPÊ Soluções Interativas. No ar há 2 anos conhecendo novos amigos e espalhando conhecimento.

Minuto Enfermagem. Idealizado em 2013 pelo Núcleo IPÊ Soluções Interativas. No ar há 2 anos conhecendo novos amigos e espalhando conhecimento. 2015-1º semestre Minuto Enfermagem O Minuto Enfermagem é um portal que dispõe de notícias, artigos, reportagens, entrevistas, fotos, vídeos, divulgação de eventos entre outros, que prima pela qualidade

Leia mais

Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1

Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1 Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1 Andreia Solange Bos 2 Rodrigo Moreira 3 Instituto Federal Farroupilha- Campus Alegrete Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí,

Leia mais

G e s t ã o Colaborativa, Humanizada e Sustentável. Luiz Ildebrando Pierry Coordenador Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade

G e s t ã o Colaborativa, Humanizada e Sustentável. Luiz Ildebrando Pierry Coordenador Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade G e s t ã o Colaborativa, Humanizada e Sustentável Luiz Ildebrando Pierry Coordenador Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Mudanças Estratégias Escolhas Circunstâncias O momento que vivemos:

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

Como gerar Relacionamentos MÍDIAS SOCIAIS

Como gerar Relacionamentos MÍDIAS SOCIAIS Como gerar Relacionamentos MÍDIAS SOCIAIS REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA 50 milhões de usuários IDADE MÍDIA 90 milhões de brasileiros na WEB, 70 milhões na rede social Facebook e mais de 30 milhões no Twitter ADEUS

Leia mais

AGRONEGÓCIOS Nov/2012

AGRONEGÓCIOS Nov/2012 AGRONEGÓCIOS Nov/2012 Internet Acesso Brasil O total de brasileiros com acesso à internet chegou a 83,4 milhões de internautas no segundo trimestre de 2012, um crescimento de 13,1% sobre o segundo trimestre

Leia mais

SERÁ UM ORGULHO TÊ-LO EM NOSSO TIME!!!

SERÁ UM ORGULHO TÊ-LO EM NOSSO TIME!!! A MVP é uma agência de Comunicação e Marketing Esportivo que atua de forma diferenciada no mercado, gerenciando a imagem de grandes atletas do esporte nacional desde 2006, passando pelos ciclos olímpicos

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

1 Seminário FEAC 2014 Gestão no Terceiro setor 22 de maio

1 Seminário FEAC 2014 Gestão no Terceiro setor 22 de maio 1 Seminário FEAC 2014 Gestão no Terceiro setor 22 de maio Gestão de comunicação e marketing Lisa Gunn Diretora de Comunicação e Mobilização Greenpeace Brasil O Greenpeace é uma organização independente

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL IDEIAS QUE VÃO LONGE

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL IDEIAS QUE VÃO LONGE REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL IDEIAS QUE VÃO LONGE A Associação Social Good Brasil, instituição sem fins lucrativos, com sede na Rua Deodoro, 226, Centro, Florianópolis SC, registrada no Registro Civil

Leia mais

7º PASSO CAMPANHA ELETRÔNICA

7º PASSO CAMPANHA ELETRÔNICA 7º PASSO CAMPANHA ELETRÔNICA O que é uma campanha eletrônica? EM MARKETING POLÍTICO... CAMPANHA ELETRÔNICA Refere-se ao uso das ferramentas de e-marketing e das possibilidades disponíveis na web 2.0 para

Leia mais

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br MIDIA KIT Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br Sobre nosso site O Notícias de Alagoinhas hoje é o portal mais completo da cidade. Somos um Canal de comunicação online que integra

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

MARKETING NAS REDES SOCIAIS. Carlos Henrique Cangussu (Discente do 2º ano do curso de Administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS)

MARKETING NAS REDES SOCIAIS. Carlos Henrique Cangussu (Discente do 2º ano do curso de Administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) 1 MARKETING NAS REDES SOCIAIS Angela de Souza Brasil (Docente Esp. Faculdades Integradas de Três Carlos Henrique Cangussu Daniel Barbosa Maia Elisandra Inês Peirot Schneider Marcelo Da Silva Sivestre Tiago

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 Palestras informativas Promover ações educativas para a promoção do voluntariado transformador. Mobilizar voluntários. Toda a comunidade de Curitiba e Região Metropolitana

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO INTRODUÇÃO: As mídias sociais estão cada vez mais presentes no dia-a-dia das pessoas, oferecendo soluções e transformando as relações pessoais e comerciais.

Leia mais

Guia de Mídias Sociais. para JORNALISTAS

Guia de Mídias Sociais. para JORNALISTAS Guia de Mídias Sociais para JORNALISTAS sumário >> Introdução... 3 >> Planeje o posicionamento de sua marca nas Mídias Sociais... 6 >> Defina o seu público-alvo... 8 >> Decida em qual mídia social entrar...

Leia mais

Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Twitter @MarcelAyres Linkedin Meadiciona Renata Cerqueira Diretora de Monitoramento Online. Twitter @renatacbc

Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Twitter @MarcelAyres Linkedin Meadiciona Renata Cerqueira Diretora de Monitoramento Online. Twitter @renatacbc Marcel Ayres Diretor de Planejamento. Também faz parte, como pesquisador, do Grupo de Pesquisa em Interações, Tecnologias Digitais e Sociedade. Desenvolve pesquisas sobre Realidade Aumentada, Mídias Digitais

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

Marketing. Conrado Adolpho Vaz. O Guia Definitivo de Marketing Digital. Novatec

Marketing. Conrado Adolpho Vaz. O Guia Definitivo de Marketing Digital. Novatec Google Marketing O Guia Definitivo de Marketing Digital Conrado Adolpho Vaz Novatec Sumário Prefácio à 1ª edição... 21 Prefácio à 2ª. edição... 23 Prefácio à 3ª edição... 25 Introdução... 27 Parte I O

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Relato da iniciativa

Relato da iniciativa 1 Relato da iniciativa 5.1 Nome da iniciativa ou projeto Implantação do perfil da Prefeitura (@VitoriaOnLine) na rede social Twitter 5.2 Caracterização da situação anterior A Prefeitura Municipal de Vitória

Leia mais

Cases. Estratégias de Marketing de Conteúdo por quem entende do assunto

Cases. Estratégias de Marketing de Conteúdo por quem entende do assunto Cases Estratégias de Marketing de Conteúdo por quem entende do assunto ContaAzul O ContaAzul é um sistema de gestão empresarial para micro e pequenas empresas. O objetivo é ajudá-las a crescer de forma

Leia mais

COMUNICAÇÃO SOCIAL PARA GRUPOS ESCOTEIROS

COMUNICAÇÃO SOCIAL PARA GRUPOS ESCOTEIROS PROJETO INSÍGNIA DA MADEIRA COMUNICAÇÃO SOCIAL PARA GRUPOS ESCOTEIROS COMO ORGANIZAR SEU GRUPO ESCOTEIRO PARA UMA MELHOR COMUNICAÇÃO COM A COMUNIDADE, MEMBROS JUVENIS E ADULTOS UTILIZANDO A INTERNET. LUÍS

Leia mais

Marketing digital NARCISO SANTAELLA

Marketing digital NARCISO SANTAELLA Marketing digital 1 Introdução As agências de publicidade recorrem ao marketing digital para conquistar o público que hoje tem na web uma das principais fontes de informação. Utilizar todos os recursos

Leia mais

A importância da internet na relacionamento das empresas. Pollyana Ferrari

A importância da internet na relacionamento das empresas. Pollyana Ferrari Pollyana Ferrari 1 Redes sociais: as novas ferramentas de negócios e relacionamentos Seremos 3 bilhões de pessoas, em 2010, utilizando equipamentos sem fio No Brasil já temos 76 milhões de brasileiros

Leia mais

Guia Herbalife BOAS PRÁTICAS NA INTERNET

Guia Herbalife BOAS PRÁTICAS NA INTERNET Guia Herbalife BOAS PRÁTICAS NA INTERNET :: Índice O mundo ficou pequeno... 03 O que a Internet representa... 05 Vários caminhos levam a um só lugar: a informação... 06 Reputação positiva na Internet...

Leia mais

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY A Rock Content ajuda você a montar uma estratégia matadora de marketing de conteúdo para sua empresa. Nós possuimos uma rede de escritores altamente

Leia mais

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail...

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... FACEBOOK Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... 8 Características do Facebook... 10 Postagens... 11

Leia mais

REDES SOCIAIS: Oportunidade de diálogo com a comunidade

REDES SOCIAIS: Oportunidade de diálogo com a comunidade REDES SOCIAIS: Oportunidade de diálogo com a comunidade Prof. Thiago Costa facebook.com/thicosta @thicosta thicosta@gmail.com www.profthiagocosta.wordpress.com www.evcom.com.br QUEM É O NOVO LEITOR? Online

Leia mais

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção.

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. estratégias online Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. serviços consultoria Benchmark Planejamento

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Instituto Lojas Renner Instituto Lojas Renner Promover a inserção de mulheres no mercado de trabalho por meio de projetos de geração de renda é o objetivo do Instituto Lojas

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

BIBLIOTECA 2.0 uso das ferramentas Web 2.0 na biblioteca INATEL

BIBLIOTECA 2.0 uso das ferramentas Web 2.0 na biblioteca INATEL Temática 2: Direito à Informação, Acesso à Informação e Inclusão Social BIBLIOTECA 2.0 uso das ferramentas Web 2.0 na biblioteca INATEL Alexander Willian Azevedo aw.azevedo@yahoo.com.br Universidade Federal

Leia mais

Idade 28 anos Portfólio www.andersonmoco.com.br E-mail andersonmoco2@gmail.com. Celular + 55 11 99339-5893 Fixo + 55 11 3624-1917

Idade 28 anos Portfólio www.andersonmoco.com.br E-mail andersonmoco2@gmail.com. Celular + 55 11 99339-5893 Fixo + 55 11 3624-1917 Anderson Moço www.andersonmoco.com.br Jornalista com experiência em criação e desenvolvimento de sites, edição de textos, produção de reportagens e vídeos, planejamento e estratégias de ação em mídias

Leia mais

Portal Ethos de RSE 2008-2009

Portal Ethos de RSE 2008-2009 Portal Ethos de RSE 2008-2009 O Portal Institucional do Instituto Ethos é o principal meio de comunicação com as empresas associadas, a mídia, a academia e o público em geral. Criado há nove anos, tornou-se

Leia mais