Karen Vendramini Itabaraci N. Cavalcante Rafael Mota Aline de Vasconcelos Silva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Karen Vendramini Itabaraci N. Cavalcante Rafael Mota Aline de Vasconcelos Silva"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA ASPECTOS HIDROGEOLÓGICOS E HIDROQUÍMICOS DO BAIRRO BENFICA FORTALEZA, CEARÁ Karen Vendramini Itabaraci N. Cavalcante Rafael Mota Aline de Vasconcelos Silva Setembro/2014

2 INTRODUÇÃO Ø O aspecto quantitativo na captação da água subterrânea não constitui, isoladamente, o fator mais importante, pois a qualidade é outro aspecto essencial a ser considerado, tendo em vista o uso proposto para a água a ser captada. Ø JUSTIFICATIVA: necessidade de se avaliar os aspectos hidrogeológicos e hidroquímicos das águas subterrâneas da área, tendo em vista a ausência de estudos dessa natureza.

3 Localização Ø Fortaleza - CE Ø Área: 1,45 km 2 Ø Benfica Ø Ponto de Referência: Reitoria da UFC

4 Objetivo & Metodologia Avaliar as águas subterrâneas sob o ponto de vista hidrogeológico e de qualidade físico-química. Cadastro de poços (72); Coleta, in situ, de dados de condutividade elétrica (CE), Sólidos Totais Dissolvidos (STD), ph (19); Realização de análises físico-químicas das águas subterrâneas (4). Medidor multi-parâmetros Metter Toledo phmetro modelo MA 522/P Marconi

5 ASPECTOS GEOAMBIENTAIS Temperatura: 26º a 28ºC; Precipitação: 1600mm/ano ( Estação Meteorológica do Campus do Pici/UFC). Geologia: Paleodunas (Aflorante); Barreiras e Complexo Gnáissico-Migmatítico (Não aflorante).

6 ASPECTOS HIDROGEOLÓGICOS Ø DOMÍNIOS HIDROGEOLÓGICOS: Ø Sedimentar Clástico (aflorante): Sistema Paleodunas. Ø Domínio Cristalino Fraturado (não aflorante).

7 CADASTRO DE POÇOS Cadastro da COGERH (2002) - 44 poços; Etapa de campo - 28 novos poços; Total - 72 poços cadastrados na área.

8

9 SITUAÇÃO DAS OBRAS DE CAPTAÇÃO Situação dos Poços 1% 17% 4% 7% Em uso Desa.vados Abandonados Não instalado 71% Sem informação Nº de dados: 72 Situação dos poços cadastrados na área de estudo.

10 SITUAÇÃO DAS OBRAS DE CAPTAÇÃO Tipos de poços cadastrados na área de estudo.

11 SITUAÇÃO DAS OBRAS DE CAPTAÇÃO Poço tubular localizado no bairro Benfica. Coord.: / Poço manual localizado no bairro Benfica. Coord.: /

12 SITUAÇÃO DAS OBRAS DE CAPTAÇÃO Uso dos poços cadastrados na área de estudo.

13 SITUAÇÃO DAS OBRAS DE CAPTAÇÃO Finalidade dos poços cadastrados na área de estudo.

14 ASPECTOS HIDROQUÍMICOS Ø Classificação de Potabilidade (Consumo Humano); A água potável é definida como aquela que pode ser consumida pelo homem sem ocasionar danos à saúde. No Brasil o padrão de potabilidade para o consumo humano é recomendado pela Portaria nº 2914/2011 do Ministério da Saúde.

15 ASPECTOS HIDROQUÍMICOS Ø Classificação de Potabilidade (Consumo Humano) Nº poço Latitude Longitude Tipo de Poço ph (6 a 9,5) CE (µs/ cm) STD (mg/ L) (1000 mg/l) Tubular 7, Tubular 7, Tubular 7, Tubular 7, Tubular 7, Tubular 7, Tubular 7, Tubular 6, Tubular 6, Tubular 6, Tubular 7, Tubular 7, Tubular 7, Tubular 6, Cacimba 7, Tubular 5, Tubular 7, Tubular 6, Cacimba 6,

16 ASPECTOS HIDROQUÍMICOS Ø Classificação de Potabilidade (Consumo Humano) Ordem Lat Long Sódio (Na + ) (200mg/L) Cloreto (Cl - ) (250mg/L) Fluoreto (F - ) (1,5 mg/l) Dureza Total (CaCO 3 ) (500 mg/l) , , , ,1 152 Metodologia: Foram seguidas as diretrizes gerais do Standard Methods (APHA, 2005); Concentração em mg/l. Valores máximos permitidos recomendados pela Portatia nº 518/2004 do MS.

17 ASPECTOS HIDROQUÍMICOS Ø Classificação de Potabilidade (Consumo Humano) Ordem Lat Long Turbidez (UNT) (5 UNT) Nitrato (N-NO 3 - ) (10 mg/l) Ferro (0,3 mg/l) Nitrito (N-NO 2 - ) (1 mg/l) ,4 24 0,0 0, ,9 2 0,0 0, ,2 6 0,4 0, ,1 20 0,1 1,6 Metodologia: Foram seguidas as diretrizes gerais do Standard Methods (APHA, 2005); Concentração em mg/l. Valores máximos permitidos recomendados pela Portatia nº 518/2004 do MS.

18 Mistas Cloretadas Sódicas ASPECTOS HIDROQUÍMICOS Classificação Iônica Classificação pelo Diagrama de Piper

19 ASPECTOS HIDROQUÍMICOS Ø Classificação do U.S.S.L. (Uso na Irrigação) Médio a alto risco de salinidade (plantas com tolerância salina); Baixo risco de sódio (classificadas como de excelente qualidade). Classificação das águas subterrâneas pelo Diagrama de U.S.S.L

20 CONCLUSÕES A área está no Domínio Hidrogeológico Sedimentar (aflorante), representado pelo Sistema Aquífero Paleodunas; Existem 72 poços cadastrados na área, sendo a maior parte para uso particular (87%), estando a maioria em uso (71%) e sendo destinados para o uso doméstico (67%); Pode-se constatar na área o predomínio de poços tubulares, com 71%, em relação aos poços manuais (cacimbas), com 29%;

21 CONCLUSÕES Dureza, sódio, cloreto, fluoreto e sulfato - dentro dos padrões Portaria nº 2914/2011 MS; Algumas amostras apresentam turbidez (3 amostras), ferro (1 amostra), nitrito (1 amostra) e nitrato (2 amostras) fora dos padrões da Portaria nº 2914/2011 MS; Águas predominantemente Cloretadas Sódicas; Águas com médio a alto risco de salinidade e baixo risco de sódio.

22 OBRIGADA!

STD E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO SEMIÁRIDO CEARENSE

STD E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO SEMIÁRIDO CEARENSE STD E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO SEMIÁRIDO CEARENSE Antonia Mayra de Morais França 1 (IC) Antonia Mayza de Morais França 2 (IC) Helena Gomes Loiola 2 (IC) José Ossian Gadelha de Lima

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA O ABASTECIMENTO PÚBLICO NA CIDADE DE NOVA OLINDA-CE

QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA O ABASTECIMENTO PÚBLICO NA CIDADE DE NOVA OLINDA-CE QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA O ABASTECIMENTO PÚBLICO NA CIDADE DE NOVA OLINDA-CE Glauciane Nunes Diniz de Oliveira¹; Roberto Felismino Lima²; Larissa Silva e Silva 3 ; Maria da Conceição Rabelo

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO LITORAL NORTE DO RIO GRANDE DO SUL. Nelson Luna Caicedo 1

HIDROGEOLOGIA DO LITORAL NORTE DO RIO GRANDE DO SUL. Nelson Luna Caicedo 1 HIDROGEOLOGIA DO LITORAL NORTE DO RIO GRANDE DO SUL Nelson Luna Caicedo 1 Resumo - O presente trabalho analisa o comportamento hidrogeológico dos aqüíferos costeiros do Litoral Norte do Rio Grande do Sul,

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA E GEOESTATÍSTICA DOS TEORES DE NITRATO E CLORETO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA REGIÃO CÁRSTICA DE IRECÊ, BAHIA

ANÁLISE ESTATÍSTICA E GEOESTATÍSTICA DOS TEORES DE NITRATO E CLORETO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA REGIÃO CÁRSTICA DE IRECÊ, BAHIA GRUPO DE PESQUISA GEOQUÍMICA DAS INTERFÁCES ANÁLISE ESTATÍSTICA E GEOESTATÍSTICA DOS TEORES DE NITRATO E CLORETO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA REGIÃO CÁRSTICA DE IRECÊ, BAHIA SANTOS, R. A; FERREIRA, J.C.S;

Leia mais

VARIABILIDADE ESPACIAL DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO DISTRITO DE BOQUEIRÃO DO ARARAS, MUNICÍPIO DE CAUCAIA/CE

VARIABILIDADE ESPACIAL DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO DISTRITO DE BOQUEIRÃO DO ARARAS, MUNICÍPIO DE CAUCAIA/CE VARIABILIDADE ESPACIAL DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO DISTRITO DE BOQUEIRÃO DO ARARAS, MUNICÍPIO DE CAUCAIA/CE Isabelle Felício Lira 1a, Johny Leanderson Lima dos Santos 1b, Maria Marlúcia Freitas

Leia mais

OCORRÊNCIA DE VANÁDIO NO AQUÍFERO BOTUCATU. Samir Felício Barcha 1

OCORRÊNCIA DE VANÁDIO NO AQUÍFERO BOTUCATU. Samir Felício Barcha 1 OCORRÊNCIA DE VANÁDIO NO AQUÍFERO BOTUCATU Samir Felício Barcha 1 Resumo - A presença de vanádio em água de poços profundos que exploram o Botucatu, na cidade de São José do Rio Preto, permite caracterizar

Leia mais

I-167 - DESEMPENHO DE UNIDADES DE DESSALINIZAÇÃO DE ÁGUA LOCALIZADAS NO ESTADO DO CEARÁ

I-167 - DESEMPENHO DE UNIDADES DE DESSALINIZAÇÃO DE ÁGUA LOCALIZADAS NO ESTADO DO CEARÁ I-167 - DESEMPENHO DE UNIDADES DE DESSALINIZAÇÃO DE ÁGUA LOCALIZADAS NO ESTADO DO CEARÁ Jeruza Feitosa de Matos (1) Engenheira Química e mestre em Saneamento Ambiental pela UFC e Engenheira do Núcleo de

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA e MICROBIOLOGICA CERTIFICADO N 0261/2009

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA e MICROBIOLOGICA CERTIFICADO N 0261/2009 CERTIFICADO N 0261/2009 Amostra: 0261 Solicitante: PROGEL Origem: Ponto 01 Coordenadas Georeferenciadas: E = 229059 N = 9282462 PARÂMETROS V.M.P (*) Ponto 01 Oxigênio dissolvido, mg/l de O 2 5,00 9,00

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIOS Nº151401000001 Nº Processo: Ponto 01

RELATÓRIO DE ENSAIOS Nº151401000001 Nº Processo: Ponto 01 Nº151401000001 Nº Processo: Ponto 01 DADOS DO SOLICITANTE Nome: SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE DE IBIRAMA (CNES: 6379869) DADOS DA COLETA Finalidade: VIGIAGUA MENSAL Motivo: POTABILIDADE Local: RESIDÊNCIA

Leia mais

A QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA PORÇÃO OESTE DA FAIXA COSTEIRA DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA, CEARÁ

A QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA PORÇÃO OESTE DA FAIXA COSTEIRA DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA, CEARÁ A QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA PORÇÃO OESTE DA FAIXA COSTEIRA DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA, CEARÁ Sulani Pereira 1 ;Itabaraci Nazareno Cavalcante 2 ; Diolande Ferreira Gomes 3 ; Maria da Conceição

Leia mais

INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1

INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1 1 INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1 Yanna Julia Dantas de Souza 2, Jardson Álvaro Freitas Bezerra 3, Hozineide Oliveira Rolim 4,

Leia mais

Padrões de Potabilidade da Água e Estação de Tratamento de Água

Padrões de Potabilidade da Água e Estação de Tratamento de Água Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Saneamento Básico Padrões de Potabilidade da Água e Estação de Tratamento de Água Renato

Leia mais

I-020 REMOÇÃO DE FLUORETO DE ÁGUAS PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO PELO PROCESSO DE OSMOSE REVERSA

I-020 REMOÇÃO DE FLUORETO DE ÁGUAS PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO PELO PROCESSO DE OSMOSE REVERSA I-020 REMOÇÃO DE FLUORETO DE ÁGUAS PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO PELO PROCESSO DE OSMOSE REVERSA Ana Helena Teixeira Berenhauser (1) Engenheira Química pela FAAP São Paulo. Mestranda em Saúde Ambiental pela

Leia mais

NTA 60. Decreto Estadual n.º 12.486, de 20/10/78

NTA 60. Decreto Estadual n.º 12.486, de 20/10/78 NTA 60 Decreto Estadual n.º 12.486, de 20/10/78 ÁGUAS DE CONSUMO ALIMENTAR 1. DEFINIÇÃO São consideradas águas potáveis, as águas próprias para a alimentação. Esta Norma trata somente de águas potáveis,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES HIDROQUÍMICAS DA FORMAÇÃO CAIUÁ NO ESTADO DO PARANÁ

CONSIDERAÇÕES HIDROQUÍMICAS DA FORMAÇÃO CAIUÁ NO ESTADO DO PARANÁ CONSIDERAÇÕES HIDROQUÍMICAS DA FORMAÇÃO CAIUÁ NO ESTADO DO PARANÁ André Celligoi 1 e Uriel Duarte 2 Resumo - O aproveitamento de água subterrânea na região noroeste do Estado do Paraná, tem sido utilizado

Leia mais

Eixo Temático ET-08-010 - Recursos Hídricos MANEJO, PERCEPÇÃO E AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS DO MUNICÍPIO DE ARARUNA-PB

Eixo Temático ET-08-010 - Recursos Hídricos MANEJO, PERCEPÇÃO E AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS DO MUNICÍPIO DE ARARUNA-PB Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 3: Congestas 2015 833 Eixo Temático ET-08-010 - Recursos Hídricos MANEJO, PERCEPÇÃO E AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS

Leia mais

ANÁLISE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO AQUÍFERO JANDAÍRA EM APOIO AO PROGRAMA ÁGUA DOCE NO RIO GRANDE DO NORTE (PAD/RN)

ANÁLISE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO AQUÍFERO JANDAÍRA EM APOIO AO PROGRAMA ÁGUA DOCE NO RIO GRANDE DO NORTE (PAD/RN) ANÁLISE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO AQUÍFERO JANDAÍRA EM APOIO AO PROGRAMA ÁGUA DOCE NO RIO GRANDE DO NORTE (PAD/RN) Autor(es): Alexandre Endres Marcon; Carlos Alberto Mar7ns & Paula Stein Introdução O Programa

Leia mais

OCUPAÇÃO URBANA E AS CONCENTRAÇÕES DE NITRATO NO SISTEMA AQUÍFERO BAURU

OCUPAÇÃO URBANA E AS CONCENTRAÇÕES DE NITRATO NO SISTEMA AQUÍFERO BAURU SEMINÁRIO NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO ESTADO DE SÃO PAULO: DESAFIOS FRENTE AO PANORAMA ATUAL OCUPAÇÃO URBANA E AS CONCENTRAÇÕES DE NITRATO NO SISTEMA AQUÍFERO BAURU Dra. Claudia Varnier Núcleo de

Leia mais

MONITORAMENTOS DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA UNIDADE DE TRATAMENTO E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE

MONITORAMENTOS DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA UNIDADE DE TRATAMENTO E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE MONITORAMENTOS DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA UNIDADE DE TRATAMENTO E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE RIBEIRO, M. R. 1 ; OLIVEIRA, M. M. N. 2 ; FISCHER, T. M. 3 RESUMO

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PH DE AMOSTRAS DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CÂMPUS CAMBORIÚ. Instituto Federal Catarinense, Camboriú/SC

DETERMINAÇÃO DO PH DE AMOSTRAS DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CÂMPUS CAMBORIÚ. Instituto Federal Catarinense, Camboriú/SC DETERMINAÇÃO DO PH DE AMOSTRAS DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CÂMPUS CAMBORIÚ. Gubertt, Leticia 1 ; Silveira, Vitor Terra Munari da 1 ; Teixeira, Ana Cristina Franzoi 1 ; Martendal,

Leia mais

Miriam Suzana Rodrigues Schwarzbach 1 & Iara Conceição Morandi 2

Miriam Suzana Rodrigues Schwarzbach 1 & Iara Conceição Morandi 2 AVALIAÇÃO DA VARIABILIDADE TEMPORAL DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO- QUÍMICAS DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL. Miriam Suzana Rodrigues

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DA FAIXA COSTEIRA DE AQUIRAZ-CE

HIDROGEOLOGIA DA FAIXA COSTEIRA DE AQUIRAZ-CE HIDROGEOLOGIA DA FAIXA COSTEIRA DE AQUIRAZ-CE José Gonzaga da Silva 1 & Jaime Quintas dos Santos Colares 2 Resumo - A realização desse trabalho compreende a pesquisa hidrogeológica da região costeira do

Leia mais

Escritório Central: Av. Getúlio Vargas, 455 Centro CEP: 89.245-000 Araquari SC Fone: (47) 3447-1195

Escritório Central: Av. Getúlio Vargas, 455 Centro CEP: 89.245-000 Araquari SC Fone: (47) 3447-1195 RELATORIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA CASAN - COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO AGÊNCIA DE ARAQUARI Responsável legal: Diretor Presidente Valter Gallina As informações complementares

Leia mais

OFERTA X CUSTO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO PICI/UFC

OFERTA X CUSTO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO PICI/UFC OFERTA X CUSTO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO PICI/UFC Maria da Conceição Rabelo Gomes 1 Itabaraci Nazareno Cavalcante 2 Ediu Carlos Lopes Lemos 3 1 Doutoranda em Hidrogeologia/Centro de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UM SISTEMA DE DESSALINIZAÇÃO VIA OSMOSE INVERSA PARA ÁGUAS SALOBRAS. M. C. Silveira e K. B. França 1

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UM SISTEMA DE DESSALINIZAÇÃO VIA OSMOSE INVERSA PARA ÁGUAS SALOBRAS. M. C. Silveira e K. B. França 1 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UM SISTEMA DE DESSALINIZAÇÃO VIA OSMOSE INVERSA PARA ÁGUAS SALOBRAS M. C. Silveira e K. B. França 1 Resumo - O presente trabalho tem como objetivo avaliar o comportamento de

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-025 - AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS FÍSIC0-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS DO CÓRREGO BEBEDOURO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO BAIXO PARDO/GRANDE, MUNICÍPIO DE BEBEDOURO-SP Joaquim Ozório Manoel de Souza Pinto (1) Licenciado

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DOS BAIRROS JOAQUIM TÁVORA, DIONÍSIO TORRES E SÃO JOÃO DO TAUAPE, FORTALEZA CEARÁ

QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DOS BAIRROS JOAQUIM TÁVORA, DIONÍSIO TORRES E SÃO JOÃO DO TAUAPE, FORTALEZA CEARÁ QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DOS BAIRROS JOAQUIM TÁVORA, DIONÍSIO TORRES E SÃO JOÃO DO TAUAPE, FORTALEZA CEARÁ Victor Ygor Bomfim de Melo 1 ; Itabaraci Nazareno Cavalcante 2 ; Maria da Conceição Rabelo

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE 1.º TRIMESTRE DE 2016 MAPA DE RESULTADOS DA VERIFICAÇÃO DE QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE 1.º TRIMESTRE DE 2016 MAPA DE RESULTADOS DA VERIFICAÇÃO DE QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO A29 A2 A35 A4 A30 A6 CR1 Unidades 6-jan 20-jan 3-fev 17-fev 2-mar 16-mar Eschericia Coli (E. Coli) UFC/100ml 0 0 0 0 0 0 0 Bactérias Coliformes UFC/100ml 0 0 0 0 0 0 0 Cloro livre mg/l 0,5 0,5 0,4 0,3

Leia mais

Resultados das análises referentes aos parâmetros básicos de qualidade da água na rede de distribuição N ANÁLISES REALIZADAS N ANÁLISES REALIZADAS

Resultados das análises referentes aos parâmetros básicos de qualidade da água na rede de distribuição N ANÁLISES REALIZADAS N ANÁLISES REALIZADAS Turbidez 51 59 59 Cloro Residual Livre 51 59 59 Cor Aparente 10 59 59 atenderam atenderam atenderam 51 59 01 amostra apresentou presença de CT (*) 03 Ausência Constatada a presença de CT em 01 amostra,

Leia mais

Oliveira, I. B 1.;Negrão, F. I 2. & Rocha, T. S. 3

Oliveira, I. B 1.;Negrão, F. I 2. & Rocha, T. S. 3 DETERMINAÇÃO DO INDÍCE DE QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA IQAS, COM BASE NOS DADOS DE POÇOS TUBULARES DO ESTADO DA BAHIA: ÁREAS PILOTO: RECÔNCAVO E PLATÔ DE IRECÊ Oliveira, I. B 1.;Negrão, F. I 2. & Rocha,

Leia mais

FLUXOS SUBTERRÂNEOS E QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DA ÁREA DE IMPLANTAÇÃO DA ALÇA RODOVIÁRIA DO ESTADO DO PARÁ.

FLUXOS SUBTERRÂNEOS E QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DA ÁREA DE IMPLANTAÇÃO DA ALÇA RODOVIÁRIA DO ESTADO DO PARÁ. FLUXOS SUBTERRÂNEOS E QUALIDADE DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DA ÁREA DE IMPLANTAÇÃO DA ALÇA RODOVIÁRIA DO ESTADO DO PARÁ. Milton Antonio da Silva Matta 1 & Raimundo Oliver Brasil dos Santos 2 INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE TRATAMENTO DE ÁGUA SETOR DE QUALIDADE MONITORAMENTO DA ÁGUA TRATADA

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE TRATAMENTO DE ÁGUA SETOR DE QUALIDADE MONITORAMENTO DA ÁGUA TRATADA LOCAL : ETA DR ARMANDO PANNUNZIO SAÍDA Dezembro /2015 PADRÕES INORGÂNICOS E FÍSICO-QUÍMICOS Alumínio mg/l 0,2 0,10 Alcalinidade Bicarbonatos mg/l 250 16,3 Alcalinidade Carbonatos mg/l 120 0 Alcalinidade

Leia mais

XI-028 - QUALIDADE BACTERIOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DO MANACIAL SUBTERRÂNEO DE FEIRA DE SANTANA-BA - JUNHO 1999

XI-028 - QUALIDADE BACTERIOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DO MANACIAL SUBTERRÂNEO DE FEIRA DE SANTANA-BA - JUNHO 1999 XI-028 - QUALIDADE BACTERIOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DO MANACIAL SUBTERRÂNEO DE FEIRA DE SANTANA-BA - JUNHO 1999 Rita de Cassia Assis da Silva (1) Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Católica

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: S. BARTOLOMEU (M16)

SISTEMA AQUÍFERO: S. BARTOLOMEU (M16) SISTEMA AQUÍFERO: S. BARTOLOMEU (M16) Figura M16.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero S. Bartolomeu Sistema Aquífero: S. Bartolomeu (M16) 585 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla

Leia mais

CARACTERÍSTICAS HIDROQUÍMICAS DA ÁREA DOS BAIRROS JOAQUIM TÁVORA, DIONÍSIO TORRES E SÃO JOÃO DO TAUAPE.

CARACTERÍSTICAS HIDROQUÍMICAS DA ÁREA DOS BAIRROS JOAQUIM TÁVORA, DIONÍSIO TORRES E SÃO JOÃO DO TAUAPE. CARACTERÍSTICAS HIDROQUÍMICAS DA ÁREA DOS BAIRROS JOAQUIM TÁVORA, DIONÍSIO TORRES E SÃO JOÃO DO TAUAPE. Victor Ygor Bonfim de Melo 1 ; Itabaraci Nazareno Cavalcante 2 ; Maria da Conceição Rabelo Gomes

Leia mais

Tratamento de Águas I

Tratamento de Águas I Tratamento de Águas I Tecnologia em Gerenciamento Ambiental Prof. Dr. Eduardo Eyng QUALIDADE DAS ÁGUAS E PARÂMETROS IMPORTANTES Disponibilidade e usos da água Embora a maior parte do nosso planeta esteja

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA PARA CONSUMO ANIMAL NO PARÂMETRO MAGNÉSIO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DO NORTE DE BOA-VISTA, PB

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA PARA CONSUMO ANIMAL NO PARÂMETRO MAGNÉSIO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DO NORTE DE BOA-VISTA, PB MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA PARA CONSUMO ANIMAL NO PARÂMETRO MAGNÉSIO E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DO NORTE DE BOA-VISTA, PB Rafaela Felix Basílio da Silva 1, Soahd Arruda Rached Farias 2, Mayra Gislayne

Leia mais

Programa Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental relacionada à Qualidade da Água para Consumo Humano - VIGIAGUA

Programa Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental relacionada à Qualidade da Água para Consumo Humano - VIGIAGUA Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental Programa Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental relacionada à Qualidade da Água para Consumo

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA ÁREA DO CAMPUS UNIVESITÁRIO DO PICI, FORTALEZA-CE

QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA ÁREA DO CAMPUS UNIVESITÁRIO DO PICI, FORTALEZA-CE QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA ÁREA DO CAMPUS UNIVESITÁRIO DO PICI, FORTALEZA-CE 1. Mestranda da Pós-Graduação em Geologia, UFC 2. Depto de Geologia da UFC, sabadia@ufc.br 3. Depto de Física da UFC,

Leia mais

OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL

OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL Luciana Vaz do Nascimento Marcos von Sperling (*) (*) Departamento de Engenharia Sanitária

Leia mais

HIDROQUÍMICA DO AQÜÍFERO CABEÇAS NA BORDA SUDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA PI

HIDROQUÍMICA DO AQÜÍFERO CABEÇAS NA BORDA SUDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA PI HIDROQUÍMICA DO AQÜÍFERO CABEÇAS NA BORDA SUDESTE DA BACIA SEDIMENTAR DO PARNAÍBA PI Francisco Lages C. Filho 1 ; Adson Brito Monteiro 2 ; A. Reinaldo Soares Filho 3 ; Edilton Carneiro Feitosa 4 & Ney

Leia mais

V-070 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN

V-070 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN V-7 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN André Luís Calado de Araújo (1) Engenheiro Civil pela UFPA (199). Mestre em Engenharia Civil pela UFPB (1993). PhD em

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO SERRA GERAL NA REGIÃO NORDESTE DO RIO GRANDE DO SUL

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO SERRA GERAL NA REGIÃO NORDESTE DO RIO GRANDE DO SUL Águas Subterrâneas (2013) 27(1): 65-78. CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DO SISTEMA AQUÍFERO SERRA GERAL NA REGIÃO NORDESTE DO RIO GRANDE DO SUL HYDROCHEMICAL CHARACTERIZATION OF SERRA GERAL AQUIFER SYSTEM

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2016. PROFESSORA: Núbia de Andrade. DISCIPLINA:Química SÉRIE: 2º. ALUNO(a):

GOIÂNIA, / / 2016. PROFESSORA: Núbia de Andrade. DISCIPLINA:Química SÉRIE: 2º. ALUNO(a): GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSORA: Núbia de Andrade DISCIPLINA:Química SÉRIE: 2º ALUNO(a): Lista de Exercícios P1 I Bimestre No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente CERTIFICADO DE CADASTRO DE LABORATÓRIO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90 e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto nº 33.765, de 28/12/90, registrado

Leia mais

XII ENCONTRO TÉCNICO DE ALTO NÍVEL. REÚSO uma alternativa hídrica para o. Nordeste brasileiro. Sheila Pitombeira

XII ENCONTRO TÉCNICO DE ALTO NÍVEL. REÚSO uma alternativa hídrica para o. Nordeste brasileiro. Sheila Pitombeira XII ENCONTRO TÉCNICO DE ALTO NÍVEL REÚSO uma alternativa hídrica para o Nordeste brasileiro Breve Histórico década 1970 1971 - OMS reconheceu a importância dos riscos à saude na reutilização de águas residuárias;

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS POÇOS TUBULARES E A QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO MUNICIPIO DE JUAZEIRO DO NORTE, CEARÁ

DIAGNÓSTICO DOS POÇOS TUBULARES E A QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO MUNICIPIO DE JUAZEIRO DO NORTE, CEARÁ DIAGNÓSTICO DOS POÇOS TUBULARES E A QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO MUNICIPIO DE JUAZEIRO DO NORTE, CEARÁ José Joeferson Soares dos Santos 1 Ricardo Souza Araújo 2 Nayanne Lis Morais Sampaio 3 Thais

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS DO AQÜÍFERO FURNAS NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS (MT).

QUALIDADE DAS ÁGUAS DO AQÜÍFERO FURNAS NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS (MT). QUALIDADE DAS ÁGUAS DO AQÜÍFERO FURNAS NA CIDADE DE RONDONÓPOLIS (MT). Alterêdo Oliveira Cutrim ; Ana Lícia Fonseca Cutrim ABSTRACT This research was carried out in Rondonopolis city, Mato Grosso state,

Leia mais

Volnei Pauletti ADUBOS

Volnei Pauletti ADUBOS Volnei Pauletti ADUBOS ADUBOS Definição: Toda substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, fornecedora de um ou mais nutrientes das plantas. São subdivididos em: Adubo Simples - formado de um

Leia mais

USO E QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ESTADO DE SÃO PAULO

USO E QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ESTADO DE SÃO PAULO USO E QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ESTADO DE SÃO PAULO Maria de Fátima B. da Silva 1, Aimar Nicoletti 2, Alfredo C. C. Rocca 3 e Dorothy C. P. Casarini 1 Resumo - O presente

Leia mais

CONFORMIDADE DE PADRÕES MICROBIOLÓGICOS DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO DE UMA SOLUÇÃO ALTERNATIVA DE ABASTECIMENTO EM ATALHO, PETROLINA, PE.

CONFORMIDADE DE PADRÕES MICROBIOLÓGICOS DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO DE UMA SOLUÇÃO ALTERNATIVA DE ABASTECIMENTO EM ATALHO, PETROLINA, PE. CONFORMIDADE DE PADRÕES MICROBIOLÓGICOS DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO DE UMA SOLUÇÃO ALTERNATIVA DE ABASTECIMENTO EM ATALHO, PETROLINA, PE. Miriam Cleide C de Amorim 1 ; Everaldo R. Porto 2 ; & Ana Nery

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO HUMANO POÇO ARTESIANO CRISTALLITE TIMÓTEO - MG (MÊS/ANO REF. 10/2014)

RELATÓRIO TÉCNICO CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO HUMANO POÇO ARTESIANO CRISTALLITE TIMÓTEO - MG (MÊS/ANO REF. 10/2014) RELATÓRIO TÉCNICO CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO HUMANO POÇO ARTESIANO CRISTALLITE TIMÓTEO - MG (MÊS/ANO REF. 10/2014) 1 RELATÓRIO ANALÍTICO N O 20 10/2014 CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA PARA

Leia mais

Condições meteorológicas e Clima

Condições meteorológicas e Clima Anexo 6 Condições meteorológicas e Clima xvii Condições meteorológicas e Clima As condições meteorológicas locais, nomeadamente a temperatura do ar, a precipitação e o vento, podem influenciar o comportamento

Leia mais

ANÁLISE FISICO-QUIMICA DA ÁGUA DO POÇO CACIMBÃO DA CIDADE DE BREJO DO CRUZ-PB

ANÁLISE FISICO-QUIMICA DA ÁGUA DO POÇO CACIMBÃO DA CIDADE DE BREJO DO CRUZ-PB ANÁLISE FISICO-QUIMICA DA ÁGUA DO POÇO CACIMBÃO DA CIDADE DE BREJO DO CRUZ-PB Jéssica Ferreira dos Santos; Geovana do Socorro Vasconcelos Martins Universidade Estadual da Paraíba, jfs_msn@hotmail.com,

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO VALE DO CARIRI - ÁREA EM CRATO, JUAZEIRO DO NORTE E BARBALHA - ESTADO DO CEARÁ, BRASIL

QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO VALE DO CARIRI - ÁREA EM CRATO, JUAZEIRO DO NORTE E BARBALHA - ESTADO DO CEARÁ, BRASIL QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO VALE DO CARIRI - ÁREA EM CRATO, JUAZEIRO DO NORTE E BARBALHA - ESTADO DO CEARÁ, BRASIL 1 Cícero Roberto Martins Lopes; 2 Itabaraci Nazareno Cavalcante; 3 Wellington

Leia mais

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL

CONTROLO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL - ZONA DE ABASTECIMENTO PINHEL DO CONCELHO DE PINHEL % N.º de Cumprimento superiores ao VP Valor mínimo Valor máximo do VP Agendadas Realizadas Escherichia coli - UFC/100 ml 0 0 0 0 100 6 6 100 Coliformes

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE CONDUTIVIDADE E SÓLIDOS TOTAIS DISSOLVIDOS EM AMOSTRAS DE ESGOTO BRUTO E DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO

RELAÇÃO ENTRE CONDUTIVIDADE E SÓLIDOS TOTAIS DISSOLVIDOS EM AMOSTRAS DE ESGOTO BRUTO E DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO RELAÇÃO ENTRE CONDUTIVIDADE E SÓLIDOS TOTAIS DISSOLVIDOS EM AMOSTRAS DE ESGOTO BRUTO E DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO Rui de Oliveira (1) Engenheiro Civil pela UEMA. Mestre em Engenharia Civil pela UFPB. PhD

Leia mais

MEDIDAS HIDROQUÍMICAS NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA REGIÃO DE IRAUÇUBA, NORTE DO CEARÁ

MEDIDAS HIDROQUÍMICAS NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA REGIÃO DE IRAUÇUBA, NORTE DO CEARÁ MEDIDAS HIDROQUÍMICAS NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA REGIÃO DE IRAUÇUBA, NORTE DO CEARÁ Oderson Antônio de Souza Filho ; Liano Silva Veríssimo ; Carla Maria S. Vidal Silva & Maria Marlúcia Freitas Santiago

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS FONTES HÍDRICAS DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA PARAÍBA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS FONTES HÍDRICAS DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA PARAÍBA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS FONTES HÍDRICAS DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA PARAÍBA Silvia Noelly Ramos de Araújo (1), Jana Yres Barbosa de Sousa (1), Rafaela Felix Basílio da Silva (2), Débora Samara Cruz Rocha

Leia mais

Química - 9º ano. Água Potável. Atividade complementar sobre as misturas e suas técnicas de separação

Química - 9º ano. Água Potável. Atividade complementar sobre as misturas e suas técnicas de separação Química - 9º ano Atividade complementar sobre as misturas e suas técnicas de separação Água Potável A água é o constituinte mais característico da terra. Ingrediente essencial da vida, a água é talvez

Leia mais

MODELAGEM DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ÁREA DO CAMPUS DA UFMG PROHBEN; AVALIAÇÃO PRELIMINAR.

MODELAGEM DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ÁREA DO CAMPUS DA UFMG PROHBEN; AVALIAÇÃO PRELIMINAR. MODELAGEM DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA ÁREA DO CAMPUS DA UFMG PROHBEN; AVALIAÇÃO PRELIMINAR. Adriana Jeber de Lima Barreto Marra 1 e Celso de Oliveira Loureiro 2 Resumo - Este artigo trata do trabalho

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUA DE CORPO HÍDRICO E DE EFLUENTE TRATADO DE ABATEDOURO DE BOVINOS

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUA DE CORPO HÍDRICO E DE EFLUENTE TRATADO DE ABATEDOURO DE BOVINOS CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUA DE CORPO HÍDRICO E DE EFLUENTE TRATADO DE ABATEDOURO DE BOVINOS Marco Sathler da Rocha 1 ; Erlon Alves Ribeiro 1 ; Michael Silveira Thebaldi 2 ; Alberto Batista Felisberto

Leia mais

A ORIGEM DOS SAIS NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DOS AQUÍFEROS COSTEIROS NO MUNICÍPIO DE CAUCAIA CEARÁ

A ORIGEM DOS SAIS NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DOS AQUÍFEROS COSTEIROS NO MUNICÍPIO DE CAUCAIA CEARÁ A ORIGEM DOS SAIS NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DOS AQUÍFEROS COSTEIROS NO MUNICÍPIO DE CAUCAIA CEARÁ Robério Bôto de Aguiar 1 ; Marlúcia Freitas Santiago 2 ; Josué Mendes Filho 2 & Horst Frischkorn 3 Resumo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA E AVALIAÇÃO DE USO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA MICRORREGIÃO DE UNAÍ, BACIA DO SÃO FRANCISCO, NW DE MINAS GERAIS - BRASIL.

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA E AVALIAÇÃO DE USO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA MICRORREGIÃO DE UNAÍ, BACIA DO SÃO FRANCISCO, NW DE MINAS GERAIS - BRASIL. CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA E AVALIAÇÃO DE USO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA MICRORREGIÃO DE UNAÍ, BACIA DO SÃO FRANCISCO, NW DE MINAS GERAIS - BRASIL. Maria Antonieta A. Mourão 1 ; Angélica Garcia Soares

Leia mais

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Castellón, 23-24 de julio de 28. IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Resumo Nóbrega, C.C.; Souza, I.M.F.; Athayde Júnior, G.B.; Gadelha, C.L.M. Departamento de Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NOS MUNICÍPIOS DE MISSÃO VELHA E MILAGRES, VALE DO CARIRI BACIA DO ARARIPE, CEARÁ BRASIL

AVALIAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NOS MUNICÍPIOS DE MISSÃO VELHA E MILAGRES, VALE DO CARIRI BACIA DO ARARIPE, CEARÁ BRASIL AVALIAÇÃO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NOS MUNICÍPIOS DE MISSÃO VELHA E MILAGRES, VALE DO CARIRI BACIA DO ARARIPE, CEARÁ BRASIL Larissa Silva e Silva 1 ; Itabaraci N. Cavalcante 2 ; Wellington G. Guerra Junior

Leia mais

Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELO IBAMA URÂNIO EM ÁGUA DE POÇO EM LAGOA REAL, CAETITÉ / BA. Audiência Pública na Comissão de Meio Ambiente

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA BACIA DO PIANCÓ PARA USO MUNICIPAL E DE IRRIGAÇÃO.

QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA BACIA DO PIANCÓ PARA USO MUNICIPAL E DE IRRIGAÇÃO. QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA BACIA DO PIANCÓ PARA USO MUNICIPAL E DE IRRIGAÇÃO. Lourdes Lucena Agostinho 1 ; Bernardete Cavalcanti 2 & Luciano Nascimento 1. Resumo Águas subterrâneas representadas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE Wilma Gomes da Silva CARMO*; Nora Katia SAAVEDRA Escola de Engenharia Civil - Programa de

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO GREEN LAB ANÁLISES QUÍMICAS E TOXICOLÓGICAS LTDA /

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BRASÁGUA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES DO BRASIL LTDA

Leia mais

& Francisca Robênia Soares

& Francisca Robênia Soares CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NOS BAIRROS AEROLÂNDIA, ENGENHEIRO LUCIANO CAVALCANTE, JARDIM DAS OLIVEIRAS E CIDADE DOS FUNCIONÁRIOS, FORTALEZA - CEARÁ Raimundo Correia da Silva

Leia mais

INSTITUTO DE GESTÃO DE ÁGUAS DO RN IGARN PROCEDIMENTOS DE OUTORGA E LICENÇA DE OBRA HIDRÁULICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE BACIA PIRANHAS AÇU

INSTITUTO DE GESTÃO DE ÁGUAS DO RN IGARN PROCEDIMENTOS DE OUTORGA E LICENÇA DE OBRA HIDRÁULICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE BACIA PIRANHAS AÇU PROCEDIMENTOS DE OUTORGA E LICENÇA DE OBRA HIDRÁULICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE BACIA PIRANHAS AÇU Brasília julho/2015 SUMARIO Base legal para emissão de outorgas e licenças de obra hidráulica.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ANÁLISES HIDROQUÍMICAS E DA METODOLOGIA COP PARA DETERMINAÇÃO DA VULNERABILIDADE DO AQUÍFERO CÁRSTICO SALITRE NA REGIÃO DE IRECÊ-BA.

UTILIZAÇÃO DE ANÁLISES HIDROQUÍMICAS E DA METODOLOGIA COP PARA DETERMINAÇÃO DA VULNERABILIDADE DO AQUÍFERO CÁRSTICO SALITRE NA REGIÃO DE IRECÊ-BA. UTILIZAÇÃO DE ANÁLISES HIDROQUÍMICAS E DA METODOLOGIA COP PARA DETERMINAÇÃO DA VULNERABILIDADE DO AQUÍFERO CÁRSTICO SALITRE NA REGIÃO DE IRECÊ-BA. Tereza Cristina Bittencourt Nossa 1 ; Luiz Rogério Bastos

Leia mais

ÁGUA NO SEMIÁRIDO: A IMPORTÂNCIA DA ANALISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE BOQUEIRÃO UTILIZADA PARA IRRIGAÇÃO DE HORTALIÇAS

ÁGUA NO SEMIÁRIDO: A IMPORTÂNCIA DA ANALISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE BOQUEIRÃO UTILIZADA PARA IRRIGAÇÃO DE HORTALIÇAS ÁGUA NO SEMIÁRIDO: A IMPORTÂNCIA DA ANALISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE BOQUEIRÃO UTILIZADA PARA IRRIGAÇÃO DE HORTALIÇAS Vitória de Andrade Freire 1, Kaline Rosário Morais Ferreira 1, Rayane Reinaldo Santiago

Leia mais

ÁGUA SUBTERRÂNEA BAIXO MONDEGO

ÁGUA SUBTERRÂNEA BAIXO MONDEGO ÁGUA SUBTERRÂNEA BAIXO MONDEGO Ana Isabel Andrade Departamento de Ciências da Terra FCTUC ÁGUA SUBTERRÂNEA BAIXO MONDEGO Enquadramento geológico NW SE Quaternário: depósitos aluvionares Mesozóico: formações

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA, QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA QUALIDADE DA AGUA PARA FINS DE PISICULTURA

AVALIAÇÃO FÍSICA, QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA QUALIDADE DA AGUA PARA FINS DE PISICULTURA AVALIAÇÃO FÍSICA, QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA QUALIDADE DA AGUA PARA FINS DE PISICULTURA SPERLING,Caio 1 ; ROTH, Alfredo 1 ; RODRIGUES, Silvana 1 ; NEBEL, Álvaro Luiz Carvalho 2 ; MILANI, Idel Cristiana

Leia mais

Estudo da interacção água subterrânea/água superficial nos sistemas associados à Lagoa de Albufeira, em periodo de barra aberta

Estudo da interacção água subterrânea/água superficial nos sistemas associados à Lagoa de Albufeira, em periodo de barra aberta Estudo da interacção água subterrânea/água superficial nos sistemas associados à Lagoa de Albufeira, em periodo de barra aberta Ana Sofia Duarte Paula G. Fernandes M. Rosário Carvalho 1. Introdução e objectivos

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA-SDA COORDENAÇÃO GERAL DE APOIO LABORATORIAL-CGAL LABOR TRÊS Nome Empresarial: LABOR TRÊS LABORATÓRIOS E CONSULTORIA TÉCNICA LTDA. CNPJ: 02.021.076/0001-29 Endereço: Avenida Damasceno Vieira, nº 542 Bairro: Vila Mascote CEP: 04.363-040 Cidade: São Paulo/SP

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CASCARDI SANEAMENTO BÁSICO LTDA S BIOLÓGICOS NORMA E /OU PROCEDIMENTO CONSUMO HUMANO, ÁGUA TRATADA E Contagem Padrão de

Leia mais

ÁGUA DA CHUVA PARA ABASTECIMENTO: GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR NA AMAZÔNIA

ÁGUA DA CHUVA PARA ABASTECIMENTO: GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR NA AMAZÔNIA ÁGUA DA CHUVA PARA ABASTECIMENTO: GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR NA AMAZÔNIA A.L.F. Rezende 1, J.A.P. Neto 2, R.L.R. Mendes 3, R.S. Lemos 4, F.C.A. Nascimento 5 1- Instituto de Ciências da Saúde Universidade

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 5 Determinação de Cor Aparente - Espectrometria UV / VIS LQ: 2,5 PtCo/L Determinação de Aspecto - APPPEARANCE LQ: não se aplica Determinação de Turbidez por Turbidimetria LQ: 0,4 NTU Determinação

Leia mais

LEGISLAÇÃO SANITÁRIA FEDERAL DE LEITE E DERIVADOS

LEGISLAÇÃO SANITÁRIA FEDERAL DE LEITE E DERIVADOS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL SERVIÇO DE INSPEÇÃO DE LEITE E DERIVADOS LEGISLAÇÃO SANITÁRIA

Leia mais

POTABILIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA O CONSUMO HUMANO NA ÁREA DO POLO INDUSTRIAL DE BARCARENA-PARÁ

POTABILIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA O CONSUMO HUMANO NA ÁREA DO POLO INDUSTRIAL DE BARCARENA-PARÁ POTABILIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA O CONSUMO HUMANO NA ÁREA DO POLO INDUSTRIAL DE BARCARENA-PARÁ Jeferson Stiver Oliveira de Castro 1, Benedito Tavares Bechara Resque Júnior 2, Altem Nascimento Pontes

Leia mais

REA Revista de estudos ambientais (Online) v. 14, n. 2esp, p. 39-48, 2012

REA Revista de estudos ambientais (Online) v. 14, n. 2esp, p. 39-48, 2012 C REA Revista de estudos ambientais (Online) ISSN 1983 1501 o n s AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NO MUNICÍPIO DE IBIPORÃ-PR Josilaine Amancio Corcóvia 1 e André Celligoi 2 Resumo:

Leia mais

Jackeline Mondini 1, Érica Almeida Pontes 2, Léia Carolina Lucio 3, Lígia Maria Molinari Capel 4

Jackeline Mondini 1, Érica Almeida Pontes 2, Léia Carolina Lucio 3, Lígia Maria Molinari Capel 4 ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA IN NATURA DE UMA MINA DO MUNICÍPIO DE KALORÉ, PR Jackeline Mondini 1, Érica Almeida Pontes 2, Léia Carolina Lucio 3, Lígia Maria Molinari Capel 4 RESUMO:

Leia mais

FREE PHASE REMOVAL BY IN SITU HEATING

FREE PHASE REMOVAL BY IN SITU HEATING V Seminário Internacional sobre Remediação e Revitalização de Áreas Contaminadas São Paulo, 5 a 7 de Novembro de 2007 REMOÇÃO DE FASE LIVRE POR AQUECIMENTO IN SITU FREE PHASE REMOVAL BY IN SITU HEATING

Leia mais

t 1 t 2 Tempo t 1 t 2 Tempo

t 1 t 2 Tempo t 1 t 2 Tempo Concentração 01)Uma reação química atinge o equilíbrio químico quando: a) ocorre simultaneamente nos sentidos direto e inverso. b) as velocidades das reações direta e inversa são iguais. c) os reatantes

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

INTRODUÇÃO E CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA INTRODUÇÃO E CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE ÁGUAS DE CISTERNAS NA COMUNIDADE RURAL DE SANTA LUZIA, EM PICUÍ-PB

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE ÁGUAS DE CISTERNAS NA COMUNIDADE RURAL DE SANTA LUZIA, EM PICUÍ-PB AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE ÁGUAS DE CISTERNAS NA COMUNIDADE RURAL DE SANTA LUZIA, EM PICUÍ-PB Carolina Pereira Dantas (1); Márcia Izabel Cirne França (2); Valéria Kelly Alves da Silva (3); Sonáli Amaral

Leia mais

Análise dos Efeitos do Uso da Terra na Qualidade da Água em Micro Bacia: Estudo de Caso Rio Cotia Rondônia Brasil

Análise dos Efeitos do Uso da Terra na Qualidade da Água em Micro Bacia: Estudo de Caso Rio Cotia Rondônia Brasil 4ª Reunião Cientifica do Ore Hybam Hidrologia e Geodinâmica Atual das bacias Sul Americanas Análise dos Efeitos do Uso da Terra na Qualidade da Água em Micro Bacia: Estudo de Caso Rio Cotia Rondônia Brasil

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DA REGIÃO DE MARCO E BELA CRUZ, ESTADO DO CEARÁ.

HIDROGEOLOGIA DA REGIÃO DE MARCO E BELA CRUZ, ESTADO DO CEARÁ. HIDROGEOLOGIA DA REGIÃO DE MARCO E BELA CRUZ, ESTADO DO CEARÁ. Zulene Almada Teixeira 1 ; Maria Kátia de Vasconcelos 2 ; Itabaraci N. Cavalcante 3 ; Alcides Frangipani 3 & Sônia Maria de Vasconcelos 3

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO TOMMASI ANALÍTICA LTDA ALIMENTOS E BEBIDAS ALIMENTOS

Leia mais

DEMANDA X OFERTA DE ÁGUA SUBTERRÂNEA: ESTUDO DE CASO

DEMANDA X OFERTA DE ÁGUA SUBTERRÂNEA: ESTUDO DE CASO DEMANDA X OFERTA DE ÁGUA SUBTERRÂNEA: ESTUDO DE CASO Maria da Conceição Rabelo Gomes 1 ; Itabaraci Nazareno Cavalcante 2 ; Karen Vendramini de Araújo 3 ; João Thiago Viana Maia 4 & Darlyane Rocha do Nascimento

Leia mais

A VALE. É uma empresa de mineração diversificada com foco global e negócios em logística e geração de energia.

A VALE. É uma empresa de mineração diversificada com foco global e negócios em logística e geração de energia. Planejamento e Gestão da Dragagem de Manutenção: Porto de Tubarão A VALE É uma empresa de mineração diversificada com foco global e negócios em logística e geração de energia. É um dos maiores produtores

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS SISTEMAS DE ABASTECIMENTO EMERGENCIAIS DO MUNICÍPIO DE NAZAREZINHO-PB

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS SISTEMAS DE ABASTECIMENTO EMERGENCIAIS DO MUNICÍPIO DE NAZAREZINHO-PB AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS SISTEMAS DE ABASTECIMENTO EMERGENCIAIS DO MUNICÍPIO DE NAZAREZINHO-PB Felipe Augusto Rodrigues Marques 1, Caio Henrique Pontes Fonteles 1, Francisco Josimar de Queiroz

Leia mais

SITUAÇÃO DAS OBRAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICIPIO DE FORTALEZA - CEARÁ

SITUAÇÃO DAS OBRAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICIPIO DE FORTALEZA - CEARÁ SITUAÇÃO DAS OBRAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICIPIO DE FORTALEZA - CEARÁ Maria da Conceição Rabelo Gomes 1 ; Itabaraci Nazareno Cavalcante 2 ; Napoleão Quesado Júnior 3 & Milton A. da Silva

Leia mais

TIPOS HIDROQUIMICOS DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NAS BACIAS DOS RIOS DE ONDAS, FÊMEAS E GRANDE NA REGIÃO OESTE DA BAHIA

TIPOS HIDROQUIMICOS DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NAS BACIAS DOS RIOS DE ONDAS, FÊMEAS E GRANDE NA REGIÃO OESTE DA BAHIA TIPOS HIDROQUIMICOS DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NAS BACIAS DOS RIOS DE ONDAS, FÊMEAS E GRANDE NA REGIÃO OESTE DA BAHIA Villar, Paulo Cesar Carvalho Machado 1 ; Silva, Cristiane Neres 1 ; Santos, Cristovaldo

Leia mais

IV INDICADORES HIDROQUÍMICOS OBTIDOS A PARTIR DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM ALGUNS POÇOS DO CEARÁ

IV INDICADORES HIDROQUÍMICOS OBTIDOS A PARTIR DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM ALGUNS POÇOS DO CEARÁ IV 34 - INDICADORES HIDROQUÍMICOS OBTIDOS A PARTIR DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA EM ALGUNS POÇOS DO CEARÁ Fernando José Araújo da Silva (1) Engenheiro Civil, Universidade de Fortaleza UNIFOR. Mestre em Engenharia

Leia mais

DISPOSITIVO DIGITAL UTILIZANDO ARDUÍNO COMO MEDIDOR DE ULTRA VIOLETA VISÍVEL PARA QUANTIFICAR Fe 3+ DISSOLVIDO EM ÁGUA

DISPOSITIVO DIGITAL UTILIZANDO ARDUÍNO COMO MEDIDOR DE ULTRA VIOLETA VISÍVEL PARA QUANTIFICAR Fe 3+ DISSOLVIDO EM ÁGUA DISPOSITIVO DIGITAL UTILIZANDO ARDUÍNO COMO MEDIDOR DE ULTRA VIOLETA VISÍVEL PARA QUANTIFICAR Fe 3+ DISSOLVIDO EM ÁGUA Vanessa F. Pinto¹, Flávia F. Stelzer², João Vitor M. Santos³, Bárbara M. dos Santos

Leia mais