CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÕES DE TI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÕES DE TI"

Transcrição

1 EAD Ensino à Distância do TCE-MT para a Gestão Pública CONTRATAÇÃO DE SOLUÇÕES DE TI Ministro-Substituto Augusto Sherman

2 Agenda 1. Relevância das contratações de TI para a APF 2. Antigo Modelo de Contratação de TI 3. Diretrizes do novo Modelo de Contratação de TI 4. Gestão Contratual 5. Benefícios Pretendidos 2

3 1. Relevância das contratações de TI para a APF 3

4 Alta dependência da TI O que ocorreria se falhassem, por exemplo, os sistemas que controlam:... o recebimento do IRPF?... o pagamento do Bolsa Família?... o pagamento de aposentadorias?... o andamento dos processos judiciais?... as sessões do Congresso Nacional?... as publicações da Imprensa Nacional? as eleições no País? 4

5 Relevância das contratações de TI para a APF em números Relevância Financeira Total orçado em 2012: R$ 14,5 bilhões (número que inclui o orçamento das empresas estatais) (Fonte: Observatório Sefti) 5

6 2. Antigo Modelo de Contratação de TI 6

7 Antigo modelo de contratação de TI Consiste na reunião de todos os serviços de TI da organização pública, em uma única licitação e um único e grande contrato, adjudicado a uma única empresa, com pagamentos realizados por hora-trabalhada. 7

8 Antigo modelo de contratação de TI Desvantagens (Acórdão 786/2006-TCU-Plenário) Ausência de parcelamento do objeto Antieconomicidade Pagamento por homem-hora (hh) Pagamento por posto de serviço (horas de disponibilidade) Monopolização do conhecimento e alta dependência em relação à contratada Riscos de Segurança Ausência de mecanismos adequados para gestão do contrato (devido à ausência de planejamento) 8

9 Necessidade de Novo Modelo A essencialidade dos serviços de TI e as significativas desvantagens do antigo modelo de contratação de serviços de TI para a administração pública apontaram a necessidade de um novo paradigma, um novo modelo! 9

10 3. Diretrizes do novo modelo de Contratação de TI 10

11 Novo modelo de contratação de TI O novo modelo não decorre de mudanças na legislação Decorre de interpretações dos dispositivos legais existentes (e.g. art. 37 da CF/88 - eficiência; art. 23, 1º da Lei 8.666/1993 divisão do objeto) IN - SLTI 4/2010 principal referencial normativo do novo modelo de contratação 11

12 Diretrizes: Pessoal 3.1 Pessoal Estruturação da área de pessoal de TI com servidores públicos efetivos, em carreira, com remuneração adequada e capacitados na gestão de TI 12

13 Diretrizes: Planejamento 3.2 Planejamento Construção de um referencial futuro 13

14 Diretrizes: Planejamento 3.2 Planejamento é obrigatório é dever político é dever jurídico-constitucional é dever jurídico-legal 14

15 Diretrizes: Planejamento 3.2 Planejamento Planejamento deve ser integrado Planejamento Estratégico Institucional Plano Diretor de TI Planejamento da Contratação 15

16 Diretrizes: Planejamento Planejamento da Contratação Equipe de Planejamento Documento de Oficialização da Demanda Análise de Viabilidade Técnica e Econômica Plano de Sustentação Estratégia da Contratação Análise de Riscos 16

17 Diretrizes: Planejamento Documento de Oficialização da Demanda Motivo Necessidade da Contratação Fonte de Recursos 17

18 Diretrizes: Planejamento Análise de Viabilidade Especificação do objeto Identificação de possíveis soluções Análise de custos Escolha da solução Necessidades de adequação ao ambiente 18

19 Diretrizes: Planejamento Plano de Sustentação Recursos materiais e humanos Plano de continuidade Transição contratual Estratégia de independência 19

20 Diretrizes: Planejamento Estratégia da Contratação Indicação da solução de TI a ser contratada Definição de responsabilidades contratuais Impacto econômico-financeiro Fonte de recursos Orçamento detalhado Termos contratuais Termo de compromisso e de ciência Critérios de julgamento 20

21 Diretrizes: Planejamento Análise de Riscos Principais riscos frustração de contrato e de contratação Probabilidade de ocorrência Ações de prevenção Ações de contingência Responsabilidades pelas ações 21

22 Diretrizes: Parcelamento 3.3 Parcelamento do Objeto Parcelamento das soluções de TI (objeto da licitação) em tantos itens quantos sejam técnica e economicamente viáveis: exigências de habilitação e de avaliação da proposta técnica específicas para cada parcela licitação independente (ou adjudicação independente) para cada um dos itens 22

23 Diretrizes: Resultado 3.4 Pagamento por Resultado Prestação e pagamento dos serviços mensurados por resultado alcançado e verificado (ex. Acordo de Nível de Serviço), e não por horas trabalhadas ou posto de serviço Avaliação de qualidade dos serviços 23

24 Diretrizes: Pregão 3.5 Pregão Contratação por pregão, preferencialmente eletrônico Acórdão 2.471/2008-TCU-Plenário 24 Art. 3º, 3º. da Lei 8.48/ o A aquisição de bens e serviços de informática e automação, considerados como bens e serviços comuns nos termos do parágrafo único do art. 1 o da Lei n o , de 17 de julho de 2002, poderá ser realizada na modalidade pregão (...) (Redação dada pela Lei nº , de 2004)

25 25 4. Gestão Contratual

26 Gestão Contratual Gestão Contratual Controle efetivo da execução do contrato, por meio de procedimento formal (aperfeiçoamento da gestão do contrato) como o contrato funcionará como o órgão acompanhará a execução 26

27 Gestão Contratual Gestão Contratual - Equipe de Gestão e Fiscalização; - Início do contrato; - Encaminhamento formal de demandas; - Monitoramento da Execução; e - Encerramento e transição contratual. 27

28 Gestão Contratual Início do Contrato - Plano de inserção da contratada - Repasse de conhecimentos - Disponibilização da Infraestrutura - Reunião Inicial - Apresentação do preposto - Termo de compromisso e de ciência - Esclarecimentos operacionais, administrativos e de gerenciamento 28

29 Gestão Contratual Encaminhamento de Demandas - Ordem de Serviço ou de Fornecimento - Especificação - Volume - Cronograma - Responsáveis 29

30 Gestão Contratual 30 Monitoramento da Execução - Avaliação de conformidade e qualidade - Encaminhamento de correções - Indicação de sanções - Verificação das condições classificatórias - Verificação de regularidade fiscal, trabalhista e previdenciária - Verificação das condições do Plano de Sustentação - Encaminhamento de pedidos de alteração contratual - Termos de recebimento - Manutenção do Histórico de Gerenciamento do Contrato

31 5. Benefícios Pretendidos 31

32 Benefícios Benefícios Alcançar, com a contratação, os resultados e benefícios planejados e, assim, atender efetivamente à necessidade de negócio (não de TI) que motivou a contratação. Desse modo, a TI logra apoiar o órgão público a cumprir sua missão e alcançar seus objetivos. 32

33 Benefícios Benefícios Efetuar contratações adequadas, econômicas e de qualidade, levando a contratos bem estruturados e bem gerenciados Objeto e sanções contratuais bem definidos Definição de como o contrato produz os benefícios esperados (dinâmica do contrato) Estabelecimento de mecanismos para acompanhar o contrato (e.g. reuniões e forma de recebimento) Clareza sobre papeis envolvidos na gestão contratual 33

34 34 Obrigado!

RESOLUÇÃO N 102, DE 23 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO N 102, DE 23 DE SETEMBRO DE 2013 (Publicada no DOU, Seção 1, de 11/10/2013, págs. 88 a 90) RESOLUÇÃO N 102, DE 23 DE SETEMBRO DE 2013 Disciplina no âmbito do Ministério Público Brasileiro, procedimentos relativos à contratação de soluções

Leia mais

IV Encontro Pedagógico do IFAM

IV Encontro Pedagógico do IFAM IV Encontro Pedagógico do IFAM Mesa temática III: Órgãos Reguladores e Processos de Auditoria na EPT Palestrante: Samara Santos dos Santos Responsável pela Auditoria Interna do IFAM Manaus, 01 de junho

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES 1.Conceito Gerenciamento de contrato consiste no conjunto de ações e procedimentos destinados a promover o acompanhamento e a fiscalização do contrato, a fim de garantir a adequada prestação dos serviços

Leia mais

FLUXOGRAMA DE INÍCIO DE UM PROCESSO LICITATÓRIO

FLUXOGRAMA DE INÍCIO DE UM PROCESSO LICITATÓRIO FLUXOGRAMA DE INÍCIO DE UM PROCESSO LICITATÓRIO INTERESSADO Elabora Termo de Referência (Decreto 5.450/2005 art. 9º, 2º) GABINETE Emite Autorização de Execução Orçamentária AE e encaminha para PPLAN PPLAN

Leia mais

Nota Técnica SEFTI/TCU nº 01 versão v2.0 Brasília, 27 de agosto de 2009.

Nota Técnica SEFTI/TCU nº 01 versão v2.0 Brasília, 27 de agosto de 2009. Nota Técnica SEFTI/TCU nº 01 versão v2.0 Brasília, 27 de agosto de 2009. Assunto: conteúdo mínimo de termo de referência ou projeto básico para contratação de serviços de tecnologia da informação - TI.

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas

Título do Slide Máximo de 2 linhas Título do Slide 13ª Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos Modelo para trabalho com projetos de softwares aplicativos com órgãos públicos que atendam à Lei 8.666 Airton Molena e Prof. Dr.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, Dispõe sobre a reavaliação e a renegociação dos contratos em vigor e das licitações em curso, no âmbito dos órgãos e entidades da Administração Pública Estadual. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE TRABALHO PARA AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ANO BASE 2014 2014 Apresentação A Comissão Própria de Avaliação CPA, órgão vinculado à Reitoria da Universidade Federal de Roraima, que tem por fundamentos

Leia mais

FLUXOGRAMA SIMPLIFICADO DE PROCESSOS LICITATÓRIOS

FLUXOGRAMA SIMPLIFICADO DE PROCESSOS LICITATÓRIOS FLUXOGRAMA SIMPLIFICADO DE PROCESSOS LICITATÓRIOS LICITAÇÃO - DEFINIÇÃO Procedimento adotado pela Administração Pública para contratar obras e serviços, ou para adquirir bens e mercadorias, tornando pública

Leia mais

ORÇAMENTO PÚBLICO. PPA Plano Plurianual. Planejar é o contrário de improvisar.

ORÇAMENTO PÚBLICO. PPA Plano Plurianual. Planejar é o contrário de improvisar. ORÇAMENTO PÚBLICO O QUE É PLANEJAR Planejar é o contrário de improvisar. PPA Plano Plurianual SE PLANEJA PARA: Estabelecer prioridades. Otimizar recursos. Se programar no tempo e no espaço. Se definir

Leia mais

PROGRAMA PREFEITO AMIGO DA CRIANÇA - GESTÃO 2013-2016 MAPA PPAC - MÓDULO PMIA

PROGRAMA PREFEITO AMIGO DA CRIANÇA - GESTÃO 2013-2016 MAPA PPAC - MÓDULO PMIA PROGRAMA PREFEITO AMIGO DA CRIANÇA - GESTÃO 2013-2016 MAPA PPAC - MÓDULO PMIA Aba de Abertura Mensagem de Entrada Prezado(a) Articulador(a), MUNICÍPIO/UF Na gestão 2013 2016, o Programa Prefeito Amigo

Leia mais

LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE

LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE EDUCACIONAL Palestra: Douglas Morato Ferrari Aspectos Normativos e a Manifestação Esporte Educacional. Enquadramento Normativo Elementos e Focos de Análise Técnica Disfunções

Leia mais

Justificativas de alteração do gabarito de itens (com base nos modelos de provas disponíveis no site do Cespe)

Justificativas de alteração do gabarito de itens (com base nos modelos de provas disponíveis no site do Cespe) MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO (MP) ESCOLA NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (ENAP) CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DO QUADRO DE PESSOAL DO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO,

Leia mais

Seminário: Controle Externo em Ação: Presente e Futuro da Fiscalização de TI

Seminário: Controle Externo em Ação: Presente e Futuro da Fiscalização de TI Seminário: Controle Externo em Ação: Presente e Futuro da Fiscalização de TI Cristiano Rocha Heckert Brasília, 02 de junho de 2015 Histórico Governo Eletrônico Decreto de 18 de Outubro de 2000 Decreto

Leia mais

PRINCIPAIS IRREGULARIDADES EM

PRINCIPAIS IRREGULARIDADES EM Irregularidades mais frequentes Municípios Irregularidades Licitações 1 GB 13. Ocorrência de irregularidades nos procedimentos licitatórios 2 GB 05. Fracionamento de despesas de um mesmo objeto para modificar

Leia mais

GESTÃO POR PROCESSOS

GESTÃO POR PROCESSOS GESTÃO POR PROCESSOS O que é um Processo: Uma série de ações que produz um resultado que agrega valor ao produto ou serviço. Gestão de Processos: Conjunto de ações sistemáticas, baseadas em fatos e dados

Leia mais

INDICADORES e METAS Planejamento Estratégico

INDICADORES e METAS Planejamento Estratégico INDICADORES e METAS Planejamento Estratégico INDICADOR 1: Índice de satisfação do cliente Percentual de satisfação dos usuários com os serviços prestados pelo TRT, e dos magistrados e servidores com a

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre o Plano Anual de Auditoria Interna (PAINT), os trabalhos de auditoria realizados pelas unidades de auditoria interna e o Relatório Anual

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 90, DE 29 DE SETEMBRO DE 2009. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais, e

RESOLUÇÃO Nº 90, DE 29 DE SETEMBRO DE 2009. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais, e Texto compilado a partir da redação dada pela Resolução nº 136/2011 RESOLUÇÃO Nº 90, DE 29 DE SETEMBRO DE 2009 Dispõe sobre os requisitos de nivelamento de tecnologia da informação no âmbito do Poder Judiciário.

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO N.º 563 (4 DE AGOSTO DE 2014)

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO N.º 563 (4 DE AGOSTO DE 2014) TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO N.º 563 (4 DE AGOSTO DE 2014) Dispõe sobre a Política de Gestão de Riscos e cria a Rede de Gestão de Riscos da Justiça Eleitoral do Ceará. O TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR SANTO ANDRÉ

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR SANTO ANDRÉ PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS. 1. INTRODUÇÃO O Instituto de Ensino Superior Santo André dispõe atualmente de infraestrutura de Tecnologia

Leia mais

NORMA OPERACIONAL DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS

NORMA OPERACIONAL DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS NORMA OPERACIONAL DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS 2.5 Condições de Habilitação e Desabilitação dos Municípios I. Da Habilitação Para habilitação dos municípios nos níveis de gestão definidos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 4. DESCRIÇÃO DO OBJETO 4.1. DESCRIÇÃO RESUMIDA Item Descrição Resumida. Preço médio total

TERMO DE REFERÊNCIA. 4. DESCRIÇÃO DO OBJETO 4.1. DESCRIÇÃO RESUMIDA Item Descrição Resumida. Preço médio total TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada em fornecimento de cópias de chaves para o Campus Birigui do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo IFSP.

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Eline Alcoforado Maranhão de Sá

INSTRUMENTOS DE GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Eline Alcoforado Maranhão de Sá INSTRUMENTOS DE GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Prof. Eline Alcoforado Maranhão de Sá 1 A Norma Operacional NOB/SUAS 2005, da Política Nacional de Assistência Social consagra os eixos estruturantes

Leia mais

Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS

Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS Sustentabilidade Contexto Aumento no número de pessoas Maior quantidade de recursos explorados Produção e consumo: compras

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PAINÉIS DE CONTRIBUIÇÃO

CERTIFICAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PAINÉIS DE CONTRIBUIÇÃO CERTIFICAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PAINÉIS DE CONTRIBUIÇÃO Certificações O MPF passa por um processo de certificação de qualidade em suas várias instâncias. A certificação pode ser: Por exemplo, Certificação

Leia mais

28 de abril - Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho Jorge Maia Alves Subdiretor

28 de abril - Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho Jorge Maia Alves Subdiretor 28 de abril - Dia Nacional de Prevenção e Segurança no Trabalho Jorge Maia Alves Subdiretor 1 Ações em curso no âmbito da segurança e saúde do Trabalho em Ciências ext. 24126 sht@ciencias.ulisboa.pt 4

Leia mais

BONCRED LEASING S/A. - Arrendamento Mercantil MANUAL DE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA)

BONCRED LEASING S/A. - Arrendamento Mercantil MANUAL DE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA) BONCRED LEASING S/A. - Arrendamento Mercantil MANUAL DE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA) BONCRED LEASING S/A. ARRENDAMENTO MERCANTIL Manual de Política de Responsabilidade Socioambiental

Leia mais

ANEXO ll DA RESOLUÇÃO Nº 023/11/DPR GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS - GAPES

ANEXO ll DA RESOLUÇÃO Nº 023/11/DPR GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS - GAPES ANEXO ll DA RESOLUÇÃO Nº 023/11/DPR GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS - GAPES 1.0 Objetivo Planejamento, desenvolvimento e gerenciamento das atividades relacionadas à administração de pessoas, relações

Leia mais

Fiscalização de Recebimento Indevido de Benefícios. Secretaria Nacional de Renda de Cidadania - Senarc Curitiba - PR, agosto de 2013

Fiscalização de Recebimento Indevido de Benefícios. Secretaria Nacional de Renda de Cidadania - Senarc Curitiba - PR, agosto de 2013 Fiscalização de Recebimento Indevido de Benefícios Secretaria Nacional de Renda de Cidadania - Senarc Curitiba - PR, agosto de 2013 Definições Fiscalização Polícia administrativa Fiscalização PBF Alteração

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Processo de seleção para Analistas Temáticos A SPI está reestruturando sua atuação, buscando reforçar

Leia mais

Estrutura do Gerenciamento de Riscos

Estrutura do Gerenciamento de Riscos Estrutura do Gerenciamento de Riscos 2016 01/01/2016 A CREFISA S.A. Crédito, Financiamento e Investimentos é uma instituição financeira privada independente, com ato constituivo realizado em 06 de maio

Leia mais

Objetivos de cada frente de trabalho. Modelo de gestão pública por resultados. Monitoramento e avaliação de resultados

Objetivos de cada frente de trabalho. Modelo de gestão pública por resultados. Monitoramento e avaliação de resultados 1) Gestão e Planejamento Objetivos de cada frente de trabalho Modelo de gestão pública por resultados Monitoramento e avaliação de resultados Sistemática de avaliação de desempenho individual do servidor

Leia mais

Política Anual de Investimentos

Política Anual de Investimentos Política Anual de Investimentos 2009 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 4 3. Modelo de Gestão:... 5 3.1. Acompanhamento da Gestão de Ente Credenciado:... 5 4. Estratégia de Alocação de Recursos:... 6 4.1.

Leia mais

Seminário Construções Sustentáveis

Seminário Construções Sustentáveis Seminário Construções Sustentáveis Agenda: Contratações Públicas Sustentáveis: O que, Como e Porque? Ferramentas de Gestão para Iniciativas Sustentáveis no Governo Federal: IN 1/2010, Decreto nº 7.746/2010,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E URBANISMO

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E URBANISMO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E URBANISMO LEGISLAÇÃO Lei Complementar nº 931, de 2012. Lei Complementar nº 937, de 2012. Lei Complementar nº 950, de 2013. CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL Lei

Leia mais

O PERFIL DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS

O PERFIL DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS carreira O PERFIL DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS O site RelGov em Foco, que mantém uma página no Facebook, em parceria com a ABRIG, a associação nacional da categoria, fez uma pesquisa com

Leia mais

Área: Gestão Pública EMENTAS

Área: Gestão Pública EMENTAS Av. Piauí, nº 330 Bairro dos Estados - 58.030-330 - João Pessoa PB Área: Gestão Pública EMENTAS Período: Junho a Julho de 2012 CURSO: Obtendo Resultados por meio da Satisfação do Contribuinte Promover

Leia mais

:: Processo de Negócio :: Edital Interno de Solicitação para Contratação de Soluções de Tecnologia da Informação (TI)

:: Processo de Negócio :: Edital Interno de Solicitação para Contratação de Soluções de Tecnologia da Informação (TI) (ANEXO DA RESOLUÇÃO Nº 116/2015 DO CONSU). :: Processo de Negócio :: Edital Interno de Solicitação para Contratação de Soluções de Tecnologia da Informação (TI) Comitê de Tecnologia da Informação (CTI)

Leia mais

MPV 691.2015 Dispõe sobre a administração, a alienação, a transferência de gestão de imóveis da União e seu uso para a constituição de fundos.

MPV 691.2015 Dispõe sobre a administração, a alienação, a transferência de gestão de imóveis da União e seu uso para a constituição de fundos. O Secovi Rio é uma entidade sindical que atua desde 1942 defendendo os interesses do setor da habitação. Articulando tradição e modernidade em sua atuação, o Secovi Rio é referência por apoiar transformações

Leia mais

Gestão do relacionamento com fornecedores

Gestão do relacionamento com fornecedores Fornecedores Só em 2009, mais de 8 mil organizações forneceram serviços e materiais ao conjunto empresarial. Para padronizar o relacionamento com tais fornecedores, as empresas Eletrobras definiram a Política

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE. Regimento Interno do Comitê de Auditoria

SUZANO PAPEL E CELULOSE. Regimento Interno do Comitê de Auditoria SUZANO PAPEL E CELULOSE Regimento Interno do Comitê de Auditoria Este Regimento estabelece a composição, a forma de funcionamento e as competências do Comitê de Auditoria ( Comitê ) da Suzano Papel e Celulose

Leia mais

Quadro Demonstrativos dos Indicadores X Objetivos Estratégicos

Quadro Demonstrativos dos Indicadores X Objetivos Estratégicos Índice de métodos e técnicas de gestão de pessoas revistos, estruturados, registrados e validados OBJETIVO 1: Aperfeiçoar Política, Métodos e Técnicas de Gestão de Pessoas (ênfase na gestão por competências)

Leia mais

LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA

LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA 1. OBJETO 1.1. A LEYA BIKES S.A realizará licitação para a prestação dos serviços de Consultoria em Comunicação, levando em conta

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DAS AUDITORIAS INTERNAS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - SIAIFEME

SISTEMA INTEGRADO DAS AUDITORIAS INTERNAS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - SIAIFEME ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DAS AUDITORIAS INTERNAS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESTRUTURA PARA DEBATER O PROJETO SISTEMA INTEGRADO DAS AUDITORIAS INTERNAS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - SIAIFEME

Leia mais

PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA EXERCÍCIO 2012

PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA EXERCÍCIO 2012 PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA EXERCÍCIO 2012 Em cumprimento ao disposto no art. 2º, inciso XVI, da Resolução nº. 504/2009 c.c. a Portaria nº. 7.800/2010, deste Egrégio Tribunal de Justiça, apresentar-se-á

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015 ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015 NOME DO PROJETO: ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: DATA : / / ÍNDICE DO PROJETO ASSUNTO PÁG. I - CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO - TÍTULO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1. IDENTIFICAÇÃO DO DOCENTE DOCENTE: NICOLLE MARRA IVANOSKI SIAPE: 2213521 REGIME DE TRABALHO: ( X ) Dedicação Exclusiva ( X ) 40 h ( ) 20 h CONTRATO: ( X ) EFETIVO ( ) TEMPORÁRIO

Leia mais

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016.

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. Estabelece as regras a serem observadas pelas sociedades seguradoras e entidades fechadas de previdência complementar para transferência de riscos

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO PAT 2016

PLANO ANUAL DE TRABALHO PAT 2016 PLANO ANUAL DE TRABALHO 1 PAT 2016 SINDICATO DOS SERVIDORES FAZENDÁRIOS DO ESTADO DO PARÁ - SINDSFEPA 2016 SUMÁRIO 2 APRESENTAÇÃO 03 I OBJETIVOS 03 II ESTRATÉGIA 04 III - PROJETOS 04 PROJETO 1 Acompanhar

Leia mais

Planejamento Governamental (PPA, LDO, LOA) Orçamento de 2014 ECA e Lei 12.696/12 (Conselhos Tutelares) Prestação de Contas Anual

Planejamento Governamental (PPA, LDO, LOA) Orçamento de 2014 ECA e Lei 12.696/12 (Conselhos Tutelares) Prestação de Contas Anual Planejamento Governamental (PPA, LDO, LOA) Orçamento de 2014 ECA e Lei 12.696/12 (Conselhos Tutelares) Prestação de Contas Anual Planejamento Governamental É a definição de objetivos e o estabelecimento

Leia mais

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrada

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrada A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrada As mudanças com a TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO INTEGRADA nos serviços de Garantia de Direitos Quais as mudanças percebidas na garantia de direitos

Leia mais

DECRETO Nº 31605 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 31605 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 31605 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009. Consolida os procedimentos para atestação de despesa, aplicação de multas contratuais e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso

Leia mais

Vale Inovação. Dezembro de 2011. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI QUALIFICAÇÃO PME)

Vale Inovação. Dezembro de 2011. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) 1 Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) Projecto Simplificado de Inovação Dezembro de 2011 2 Enquadramento: Apoiar de forma simplificada a aquisição de

Leia mais

Termo de Referência nº 2015.1006.00078-9

Termo de Referência nº 2015.1006.00078-9 1 BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL Termo de Referência nº 2015.1006.00078-9 Contratação de Consultor Individual para Realizar Diagnóstico, Avaliação e Recomendações sobre

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO I. Comprometimento da Alta Direção e Compromisso com a Ética 1. De que maneira a alta direção demonstra seu comprometimento com a ética e a integridade (incluindo a prevenção

Leia mais

Entendimentos sobre a aplicação da IN/04 no âmbito do DF conforme decisões do TCDF

Entendimentos sobre a aplicação da IN/04 no âmbito do DF conforme decisões do TCDF FÓRUM DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Entendimentos sobre a aplicação da IN/04 no âmbito do DF conforme decisões do TCDF 27/08/2014 Flávio José Fonseca de Souza flavio@tc.df.gov.br 1 Governança

Leia mais

Abc BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Abc BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Abc BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ÚLTIMA REVISÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração Gestão de Risco Operacional Pág. 1 de 8 ÍNDICE

Leia mais

AUDITORIA INTERNA BASEADA EM RISCOS (ABR)

AUDITORIA INTERNA BASEADA EM RISCOS (ABR) AUDITORIA INTERNA BASEADA EM RISCOS (ABR) Setembro de 2011 CONTEÚDO 1. Reflexões, Definições e Premissas 2. Variáveis a considerar na ABR 3. Matriz de Risco de Auditoria Referências e cálculos 4. Debate

Leia mais

Manual do Processo de Planejamento da UFSC. Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC

Manual do Processo de Planejamento da UFSC. Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC Manual do Processo de Planejamento da UFSC 2010 Departamento de Planejamento SEPLAN/UFSC Apresentação Este documento descreve o processo de planejamento que vem sendo implantado na Universidade Federal

Leia mais

Governo Eletrônico e Inclusão Digital

Governo Eletrônico e Inclusão Digital Governo Eletrônico e Inclusão Digital Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Componentes Estratégicos Inclusão digital Serviços e informações

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. A empresa contratada deverá providenciar local para a realização das provas escritas e pessoal para fiscalização.

MEMORIAL DESCRITIVO. A empresa contratada deverá providenciar local para a realização das provas escritas e pessoal para fiscalização. MEMORIAL DESCRITIVO Contratação de empresa especializada para realização de concurso público, visando a formação de banco de concursados para diversos cargos efetivos do Município, através da Secretaria

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. INSTRUMENTO: ( x ) Chamada Pública ( x) Encomenda ( x ) Convite

TERMO DE REFERÊNCIA. INSTRUMENTO: ( x ) Chamada Pública ( x) Encomenda ( x ) Convite TERMO DE REFERÊNCIA AÇÃO: ( X ) Transversal ( ) Vertical - CT INSTRUMENTO: ( x ) Chamada Pública ( x) Encomenda ( x ) Convite Objeto EXPANSÃO E CONSOLIDAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE C,T&I Linha de Ação Infraestrutura

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO N o 004, DE 14 DE SETEMBRO DE 1989 Dispõe sobre a organização administrativa do Conselho da Justiça Federal e dá outras providências O PRESIDENTE DO CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL, no uso das atribuições

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO I ORGANOGRAMA DA SECRETARIA

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO I ORGANOGRAMA DA SECRETARIA ANEXO I ORGANOGRAMA DA SECRETARIA da Presidência Controle Interno e Auditoria Presidência Assessoria de Comunicação Social Corregedoria Secretaria da Corregedoria Diretoria-Geral da Diretoria-Geral Assessoria

Leia mais

Estrutura de gerenciamento do risco operacional

Estrutura de gerenciamento do risco operacional Estrutura de gerenciamento do risco operacional 1. Sistema Sicoob A estrutura de gerenciamento do risco operacional das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: 2. Principais competências dos

Leia mais

Supremo Tribunal Federal Secretaria de Administração e Finanças Comissão Permanente de Licitação

Supremo Tribunal Federal Secretaria de Administração e Finanças Comissão Permanente de Licitação PREGÃO ELETRÔNICO Nº 167/2009 Processo nº 338.061 IMPUGNAÇÃO. EXIGÊNCIA DE CERTIFICADO DE MATURIDADE DE PROCESSO QUANDO DA ASSINATURA DO CONTRATO E NÃO PARA FINS DE HABILITAÇÃO. MOTIVAÇÃO DA EXIGÊNCIA.

Leia mais

Os grandes balizamentos estabelecidos para condução dos negócios estão descritos a seguir:

Os grandes balizamentos estabelecidos para condução dos negócios estão descritos a seguir: O Plano Estratégico 2015-2030 Em setembro de 2012, a Medida Provisória 579/12, convertida na Lei 12.783, de 11/01/2013, estabeleceu a forma de prorrogação dos contratos de concessão de geração, transmissão

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 207, DE 05 FEVEREIRO DE 1999 Dispõe sobre a transformação dos cargos efetivos e o enquadramento dos servidores do Quadro de Pessoal do Conselho da Justiça Federal e da Justiça Federal de Primeiro

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE CURSO EM EaD. JUSTIFICATIVA (análise de cenário / análise das características da Instituição):

PROJETO BÁSICO DE CURSO EM EaD. JUSTIFICATIVA (análise de cenário / análise das características da Instituição): PROJETO BÁSICO DE CURSO EM EaD JUSTIFICATIVA (análise de cenário / análise das características da Instituição): - Objetivos da Instituição; - Programas da Instituição (citar, indicar em que fase estão

Leia mais

Sumário A ESTRUTURAÇÃO DO LIVRO... 13 ÍNDICE CRONOLÓGICO REMISSIVO... 14 ÍNDICE ALFABÉTICO REMISSIVO... 14 APRESENTAÇÃO DA 1ª EDIÇÃO...

Sumário A ESTRUTURAÇÃO DO LIVRO... 13 ÍNDICE CRONOLÓGICO REMISSIVO... 14 ÍNDICE ALFABÉTICO REMISSIVO... 14 APRESENTAÇÃO DA 1ª EDIÇÃO... Sumário PREFÁCIO... 11 A ESTRUTURAÇÃO DO LIVRO... 13 ÍNDICE CRONOLÓGICO REMISSIVO... 14 ÍNDICE ALFABÉTICO REMISSIVO... 14 APRESENTAÇÃO DA 1ª EDIÇÃO... 15 Parte I LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

Leia mais

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrado

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrado A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrado Acompanhamento Familiar Construção do Meu ponto de Vista acerca do Protocolo e da Tipificação Quais as mudanças percebidas na gestão dos CRAS a partir da

Leia mais

Art. 2º A responsabilidade pelo cumprimento desta Instrução Normativa é da Gerência de Recursos Humanos ou equivalente.

Art. 2º A responsabilidade pelo cumprimento desta Instrução Normativa é da Gerência de Recursos Humanos ou equivalente. INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 008/ DGRH/SEA Orienta os procedimentos relativos a elaboração dos Planos de Capacitação no âmbito da Administração Direta, Autárquica e Fundacional mencionados no Decreto 3.917,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: Técnico em Farmácia Qualificação: Auxiliar

Leia mais

Desafios da Fiscalização na Área da Engenharia de Segurança a do Trabalho

Desafios da Fiscalização na Área da Engenharia de Segurança a do Trabalho Desafios da Fiscalização na Área da Engenharia de Segurança a do Trabalho Samuel Lishinsky Eng. Eletricista e de Segurança do Trabalho samuel@crea-rj.org.br DEFINIÇÕES PPP - Perfil Profissiográfico Previdenciário

Leia mais

Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 03/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JUN/09 1/5 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE POLÍTICA DE SEGURANÇA

Leia mais

Instrumento de Avaliação Perfil Governança das Aquisições (ciclo 2013)

Instrumento de Avaliação Perfil Governança das Aquisições (ciclo 2013) Instrumento de Avaliação Perfil Governança das Aquisições (ciclo 2013) Renato Braga, CISA, CIA, CGAP, CCSA, CRMA, CCI 1 Brasília, 26 de novembro de 2013 Agenda Visão geral do trabalho Onde conhecer a fundamentação

Leia mais

O MP E A FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS

O MP E A FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS O MP E A FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Redesenho/Reestruturação Orgânica da Política de Assistência Social estão Estabelecidos em 4 Instrumentos Básicos: Política Nacional de

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N.º 573, de 14 de dezembro de 2010. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CANDELÁRIA,

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL A DISTÂNCIA. Prof. Fernando Amorim - IFPR

PERSPECTIVAS PARA A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL A DISTÂNCIA. Prof. Fernando Amorim - IFPR PERSPECTIVAS PARA A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL A DISTÂNCIA Prof. Fernando Amorim - IFPR EPT marca início da EaD no Brasil A importância da educação profissional no contexto da educação a distância no Brasil,

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Direito Administrativo Licitações Lei 8.666/93 Professor Cristiano de Souza www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Administrativo LICITAÇÕES LEI 8.666/93 Conceito: Licitação é um procedimento administrativo

Leia mais

Gestão Estratégica de Portfólio de Projetos com BABOK. Marcelo Marchi Sergio Fernandes

Gestão Estratégica de Portfólio de Projetos com BABOK. Marcelo Marchi Sergio Fernandes Gestão Estratégica de Portfólio de Projetos com BABOK Marcelo Marchi Sergio Fernandes Agenda Gestão Estratégica de Projetos BABOK 2.0 Gestão Estratégica de Projetos com BABOK Na prática Se eu tivesse 100

Leia mais

AUDITORIA INTERNA Secretaria de Educação

AUDITORIA INTERNA Secretaria de Educação 1. Objetivo Esta norma estabelece o procedimento, requisitos básicos e a metodologia a ser obedecida para o planejamento, a execução e o registro de auditorias internas do Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO OUTUBRO DE 2013 SUMÁRIO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO... 1 1. Núcleo de Informações

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DA BAHIA ASSESSORIA ESPECIAL DA PRESIDÊNCIA OUVIDORIA RELATÓRIO DE ATIVIDADES **** Salvador ** Jan a Mar/2012 ****** O presente relatório resume as principais atividades desenvolvidas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto TR/CAPES/MEC

Leia mais

LEI Nº, DE DE 2003. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº, DE DE 2003. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI LEI Nº, DE DE 2003 Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2004/2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º

Leia mais

Gerenciamento de Integração. Prof. Anderson Valadares

Gerenciamento de Integração. Prof. Anderson Valadares Gerenciamento de Integração Prof. Anderson Valadares 1. Conceito A área de conhecimento em gerenciamento de integração do projeto inclui processos e as atividades necessárias para identificar, definir,

Leia mais

PARECER N, DE 2003. RELATOR: Senador GARIBALDI ALVES FILHO

PARECER N, DE 2003. RELATOR: Senador GARIBALDI ALVES FILHO PARECER N, DE 2003 Da COMISSÃO DE EDUCACÃO, sobre o Aviso nº 11, de 2003 (n 416, de 2003, na origem), que encaminha ao Senado Federal cópia do Acórdão n 318/2003 TCU (Plenário), bem como dos respectivos

Leia mais

PLANO ANUAL AUDITORIA. Serviço de. Auditoria Interna. Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro

PLANO ANUAL AUDITORIA. Serviço de. Auditoria Interna. Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro PLANO ANUAL DE AUDITORIA Serviço de Auditoria Interna Aprovado na reunião n.º 54/2015 do Conselho de Administração, realizada a 30 de dezembro PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA Introdução O presente Plano

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS.

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS. PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS. 1. INTRODUÇÃO O Instituto de Educação Superior de Boituva dispõe atualmente de infraestrutura de Tecnologia da Informação com rede de computadores que

Leia mais

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem)

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Características Básicas dos Incentivos Fiscais: Atende empresas que operam em regime de lucro real e que realizam atividades de P&D; Introduziu

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Auditoria de Tecnologia da Informação e a Experiência do TCU. Ministro Substituto Augusto Sherman Fortaleza, abril de 2011

Auditoria de Tecnologia da Informação e a Experiência do TCU. Ministro Substituto Augusto Sherman Fortaleza, abril de 2011 Auditoria de Tecnologia da Informação e a Experiência do TCU Ministro Substituto Augusto Sherman Fortaleza, abril de 2011 Agenda Introdução Histórico Estratégia de Atuação da Sefti Planejamento da Auditoria

Leia mais

PROCESSO LICITATÓRIO PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 88/2013

PROCESSO LICITATÓRIO PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 88/2013 PROCESSO LICITATÓRIO PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 88/2013 ÓRGÃO CONTEMPLADO: Secretaria de Governo OBJETO: Contratação de empresa para prestação de serviços de: e) controle de frotas. DATA DE INÍCIO DO PROCESSO:

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 47.140, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicado no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a

Leia mais

EDITAL Nº 001 / 2008

EDITAL Nº 001 / 2008 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS EDITAL Nº 001 / 2008 A comunica aos interessados que estão abertas as inscrições para seleção simplificada de candidatos(as) para preencher cadastro reserva para contratação

Leia mais

Anexo 03 Normas para a realização de Estágio

Anexo 03 Normas para a realização de Estágio Anexo 03 Normas para a realização de Estágio REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Capítulo I DA NATUREZA Art. 1º. O Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Civil do Setor de Tecnologia

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO I) Comprometimento da Alta Direção e Compromisso com a Ética e a Integridade 1) De que maneira a alta direção demonstra, tanto interna quanto externamente, seu comprometimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - A Unidade de Auditoria Interna do CEFETES, criada

Leia mais