NORMATIVA PROVISÓRIA APLICÁVEL À REMOÇÃO DO AMIANTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMATIVA PROVISÓRIA APLICÁVEL À REMOÇÃO DO AMIANTO"

Transcrição

1 NORMATIVA PROVISÓRIA APLICÁVEL À REMOÇÃO DO AMIANTO Devido ao fato de que ainda não foi publicada a normativa que regulará os processos de remoção do amianto e dos materiais de amianto, este documento provisório foi preparado para responder a diferentes situações. Foi possível apresentar, dependendo da situação em particular, determinados aspectos de algumas das atividades do processo de remoção que poderiam não ser necessariamente aplicados, especialmente aspectos relacionados aos procedimentos administrativos. No caso de dúvida, consulte a Autoridade Sanitária Ambiental Competente (Secretaria Geral de Saúde Ambiental e Controladoria Sanitária do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social). DO SEU ABSOLUTO INTERESSE Todo processo de remoção de amianto ou de materiais de amianto, deve ser previamente autorizado pelo Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social. A Autorização de Remoção somente será concedida, quando os Protocolos de Trabalho aplicados para o caso em particular forem aprovados. As atividades compreendidas nas fases do processo de remoção de amianto ou dos materiais contendo amianto serão supervisionadas pelos servidores da Secretaria Geral de Saúde Ambiental e Controladoria Sanitária do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social e do respectivo Serviço Regional de Engenharia Sanitária. A Autoridade Sanitária Ambiental competente disporá de um prazo não superior a quarenta e cinco (45) dias úteis, contados a partir da data de apresentação dos respectivos Protocolos de Trabalho e de toda a documentação exigida, para emitir a sua resposta. A empresa que realizará a remoção, uma vez obtida a respectiva Autorização, deve informar, com pelo menos 15 dias úteis de antecedência, a Secretaria General de Saúde Ambiental e Controladoria Sanitária e o Serviço de Engenharia Sanitária da entidade federal correspondente, a data de início das atividades para a respectiva supervisão. A empresa que fará a remoção será responsável pelos Protocolos de Trabalho e outros documentos necessários. Para as atividades que irá desenvolver deverá apresentar no Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social, pessoal qualificado em suas respectivas áreas de conhecimento que estejam no exercício legal da sua profissão, garantindo o cumprimento de todas as exigências técnicas e científicas do processo de remoção. Todo tratamento ou prática aplicável a rejeitos de amianto ou materiais de amianto, seja para o seu armazenamento temporário ou para seu descarte final, deverá contar com a Aprovação do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social.

2 Durante o desenvolvimento das atividades de um processo de remoção de amianto ou de materiais de amianto, tanto a área envolvida como as proximidades, devem ser previamente delimitadas, através da colocação de avisos de precaução que contenham informação sobre o risco que esta substância implica para a saúde. Recomenda-se o modelo estabelecido pela Norma Venezuelana COVENIN Serão permitidas apenas pessoas autorizadas no local. Todo material ou substância que se misture com rejeitos de amianto ou com materiais de amianto constitui-se em um rejeito perigoso. A suspensão ou paralisação de qualquer atividade no processo de remoção, apenas poderá ocorrer quando o amianto ou os materiais de amianto estejam em condições tais que não representem mais um fator de risco para as pessoas. A empresa encarregada de fazer a remoção que precise paralisar ou suspender temporariamente qualquer fase no processo de remoção deve notificar tal fato, imediatamente, por escrito, à Autoridade Sanitária Ambiental Competente, indicando, no mínimo: Motivo da suspensão ou paralisação. Situação ou condições de segurança sob as quais o amianto ou matérias de amianto será mantido. Data de reinício. Para facilitar a análise do presente documento incorporamos no final um breve glossário, com enfoque no aspecto sanitário. AUTORIZAÇÃO PARA PROCESSOS DE REMOÇÃO: A Solicitação de Autorização para realizar um processo de remoção de amianto deverá ser apresentada pela empresa que realizará a remoção, na Secretaria Geral de Saúde Ambiental e Controladoria Sanitária do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social, indicando o que se segue: Identificação da empresa; Endereço e telefones; Identificação do Representante Legal; Identificação e localização do imóvel onde será realizada a remoção; Tipo, condições físicas e quantidade de amianto ou materiais de amianto que serão removidos; Cópia da solicitação de prestação de serviço, por parte do proprietário ou do responsável pelo local onde se realizará a remoção; As atividades da fase do processo de remoção na qual o serviço será prestado. Esta comunicação deve estar acompanhada dos seguintes documentos: Cópia da Inscrição no Registro como Administrador de Substâncias e Materiais Perigosos, do Ministério do Meio Ambiente e Recursos Naturais. Cópia do Documento de Notificação de Riscos entregue a cada trabalhador.

3 Quando for o caso, a Autorização expedida pelo Órgão competente, para uso do lugar de armazenamento temporário ou descarte final, o qual estará sujeito à aprovação sanitária. Quando for o caso, o Certificado emitido pelo Ministério da Infra-estrutura (Instituto Nacional de Transporte e Trânsito Terrestre) de que os veículos estão aptos para o transporte de mercadorias perigosas. Os Protocolos de Trabalho correspondentes às atividades da fase do processo de remoção que será realizado. Plano de emergência/contingência de acordo com as atividades do processo de remoção, elaborados segundo o estabelecido pela Norma Venezuelana COVENIN 2226: Guia para a elaboração de planos para o controle de emergências vigente, e a 3058: Materiais Perigosos. Plano de emergência que deve acompanhar a guia do transportador vigente, quando for o caso. O interessado deve notificar à Secretaria Geral de Saúde Ambiental e Controladoria Sanitária, com pelo menos quinze dias de antecedência, o início das atividades. ASPECTOS QUE DEVERÃO SER DESENVOLVIDOS NOS PROTOCOLOS DE TRABALHO Para o desenvolvimento do conteúdo dos Protocolos de Trabalho deverá ser considerada a normativa técnica nacional que rege os diferentes aspectos envolvidos no processo de remoção do amianto ou de outros fatores de risco que coexistem nas áreas envolvidas, aos quais podem estar expostos a comunidade, ou os trabalhadores que intervenham neste processo. Os Protocolos de Trabalho deverão estar assinados pelo profissional responsável pela elaboração dos mesmos e quando assim for solicitado, devem estar acompanhados dos respectivos documentos de credenciamento e respaldo, no que tange os aspectos de seu conteúdo. Para cada processo de remoção, os protocolos de trabalho deverão conter uma introdução, com a descrição ou exposição do caso em particular, assinalando: o tipo de zoneamento do lugar onde será realizada a remoção (residencial, comercial, industrial etc.), localização geográfica, localização com relação a moradias e edificações presentes no local, endereço exato; quantidade de amianto ou de material de amianto que deverá ser removida expressa em unidades de longitude, área, peso, volume ou qualquer outra que seja aplicável, características, condições físicas, localização espacial e outros aspectos que devam ser mencionados. Quando for necessário realizar alterações ou modificações em algumas das atividades compreendidas nas fases dos processos de remoção, que impliquem a mudança do conteúdo do respectivo Protocolo de Trabalho aprovado, o Responsável pela atividade deverá apresentar previamente tais mudanças à Autoridade Sanitária Ambiental Competente, para a aprovação dos mesmos.

4 O PROTOCOLO DE TRABALHO PARA A FASE DE DESMONTAGEM DE MATERIAIS DE AMIANTO, deve conter pelo menos: O pessoal que participará na atividade, indicando no caso dos Supervisores, o número designado no Registro de Removedores de Amianto, do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social. Equipamento de proteção pessoal utilizado pelas pessoas que irão intervir nesta atividade, indicando o tipo, o nível de proteção e a certificação. O tratamento prévio do material instalado, técnica/metodologia que será utilizada para a desmontagem que garanta a não dispersão de fibras de amianto. Indicar também os materiais, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes. Quando as condições do material forem tais que este se encontre disperso na área, indicar o tratamento previsto, prévio à intervenção, com o objetivo de garantir a não dispersão de fibras de amianto durante o desenvolvimento da atividade, indicando além da metodologia, materiais, equipamentos e insumos que serão utilizados, além de outros aspectos pertinentes. A técnica/metodologia utilizada para a localização no solo do material, caso esteja instalado em um local alto, garantindo a não dispersão de fibras de amianto, incluindo materiais, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes. A técnica/metodologia utilizada para a descontaminação do pessoal e dos equipamentos envolvidos; incluindo materiais, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes. O protocolo para a amostragem do ar, de acordo com a sua aplicação (pessoal ou pessoal e área) durante a atividade; indicando entre outros: critérios para a realização da amostragem, equipamentos (tipo, características, especificações), lugares onde será realizada a amostragem, características das amostras (números das amostras, tempo da amostragem e seu volume) e o método analítico. O PROTOCOLO DE TRABALHO PARA A FASE DE COLETA E ARMAZENAMENTO PRIMÁRIO DE AMIANTO OU MATERIAIS DE AMIANTO, deve conter pelo menos: O pessoal que realizará a atividade, indicando no caso dos Supervisores, o número designado no Registro de Removedores de Amianto, do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social. O tratamento/técnica/metodologia para a coleta e armazenamento primário do material, incluindo o acondicionamento primário, que possa garantir a não dispersão de fibras de amianto durante esta atividade e durante o seu transporte, indicando além dos materiais, substâncias, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes. Quando as condições do material indicarem que este se encontra disperso na área, recomendar o tratamento previsto antes da intervenção, com o objetivo de garantir a não dispersão de fibras de amianto durante o desenvolvimento da atividade, indicando além da técnica/metodologia, materiais, equipamentos, insumos e outros aspectos pertinentes. O equipamento de proteção individual utilizado para a intervenção nesta atividade, indicando: tipo, nível de proteção e certificação.

5 A técnica/metodologia utilizada para a descontaminação do pessoal e dos equipamentos envolvidos; incluindo materiais, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes. O protocolo para a amostragem do ar, de acordo com a sua aplicação (pessoal ou pessoal e área) durante a atividade; indicando entre outros: critérios para a realização da amostragem, equipamentos (tipo, características, especificações), lugares onde será realizada a amostragem, características das amostras (números das amostras, tempo da amostragem e seu volume) e o método analítico. O PROTOCOLO DE TRABALHO PARA A FASE DE TRANSPORTE DE AMIANTO OU MATERIAIS DE AMIANTO, deve conter pelo menos: Pessoal autorizado para realizar o transporte, treinamento recebido para o transporte de materiais perigosos, segundo o estabelecido na Norma Venezuelana COVENIN 3061: Materiais perigosos. Guia para o treinamento de pessoas que manuseiam, armazenam e/ou transportam materiais perigosos, vigente; equipamento de proteção pessoal o qual estará disponível caso seja exigido, indicando: tipo, nível de proteção e certificação. Indicar para o caso dos Supervisores o número designado no Registro de Removedores de Amianto, do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social. Descrição da área da carga do veículo que garanta a permanência do material, o sistema ou mecanismo de segurança, a identificação e a sinalização utilizada neste caso. A garantia de contar com avisos portáteis para serem utilizados em caso de acidente, que permitam avisar às pessoas do risco que envolve a exposição ao amianto, cujo conteúdo deve se ajustar ao estabelecido pela Norma Venezuelana COVENIN Croquis da rota que será feita pelo veículo, desde o lugar da geração até o lugar do armazenamento temporário ou descarte final. Sempre que possível preferir as vias menos transitadas e locais menos povoados. Uma folha de dados de segurança do material, ajustada ao estabelecido na Norma Venezuelana COVENIN 3059: Materiais perigosos. Requisitos mínimos que devem constar da folha de dados dos materiais não radioativos, vigente. Os elementos ou insumos que estarão disponíveis para isolar e coletar o material no caso de acidente, que impeçam a sua dispersão e a exposição das pessoas. A técnica/metodologia para a descontaminação dos equipamentos envolvidos; incluindo os veículos, materiais, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes. O PROTOCOLO DE TRABALHO PARA A FASE DE ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO OU DESCARTE FINAL DE AMIANTO OU MATERIAIS DE AMIANTO, deve conter pelo menos, conforme o caso: O pessoal que realizará a atividade, indicando no caso dos Supervisores, o número designado no Registro de Removedores de Amianto, do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social. O equipamento de proteção pessoal utilizado para a intervenção nesta atividade, indicando: o tipo, o nível de proteção e a certificação.

6 Tratamento/técnica/prática que será utilizada para o armazenamento temporário ou para o descarte final dos rejeitos, para que garanta, em termos sanitários, a sua não dispersão e que ninguém tenha acesso ao mesmo no primeiro caso, ou a sua eliminação total no segundo caso. Identificar e descrever o lugar do armazenamento temporário ou descarte final, indicando as condições de segurança. A técnica/metodologia para a descontaminação do pessoal e dos equipamentos envolvidos; incluindo veículos, materiais, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes. O PROTOCOLO DE TRABALHO PARA A ATIVIDADE DE SANEAMENTO DAS ÁREAS QUE ESTIVERAM ENVOLVIDAS COM O AMIANTO OU MATERIAIS DE AMIANTO, deve conter pelo menos: O pessoal que realizará a atividade, indicando no caso dos Supervisores, o número designado no Registro de Removedores de Amianto, do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social. O equipamento de proteção pessoal utilizado para a intervenção nesta atividade, indicando: o tipo, o nível de proteção e a certificação. Tratamento/técnica/metodologia que será utilizada para fazer o saneamento da área, que garanta sua condição de área livre de amianto, incluindo materiais, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes. O protocolo para a amostragem do ar, de acordo com a sua aplicação (pessoal ou pessoal e área) durante a atividade e para a amostragem do ar na área posterior ao seu saneamento; indicando entre outros: critérios para a realização da amostragem, equipamentos (tipo, características, especificações), lugares onde a amostragem será realizada, características das amostras (números das amostras, tempo da amostragem e seu volume) e o método analítico. A técnica/metodologia para a descontaminação do pessoal e dos equipamentos envolvidos; incluindo materiais, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes.

7 GLOSSÁRIO (COM ENFOQUE SANITÁRIO ESPECÍFICO PARA A REMOÇAO DE AMIANTO) Acondicionamento Primário: procedimento que consiste na atividade de coleta e armazenamento primário do amianto ou de materiais de amianto, o qual deve ser realizado quando o amianto em questão seja friável ou estiver esmigalhado ou quando os materiais removidos se tenham quebrado ou deteriorado de tal forma, que possa ocorrer a liberação de fibras durante a manipulação dos mesmos, durante sua coleta. Armazenamento Temporário: atividade que implica o isolamento ou confinamento, sob condições sanitárias seguras, do amianto ou de materiais de amianto até seu descarte final em um aterro de segurança. No processo de remoção, esta atividade pode não existir, ocorrendo apenas o descarte final. Autoridade Sanitária Ambiental Competente: vinculada ao Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social à qual foram atribuídas faculdades administrativas e de controle, legais ou de regulamentação, para aplicar ou executar as leis e demais normativas da área de saúde ambiental aos sujeitos aos quais estas normativas se aplicam. Autorização de Remoção: documento expedido pela Autoridade Sanitária Ambiental Competente, que faculta a quem receber a autorização realizar o processo de remoção de amianto ou de materiais de amianto que nela esteja indicado. Quando um processo de remoção for realizado por Administradores diferentes, haverá dois tipos de Autorização: a Autorização de Remoção para a desmontagem, coleta, armazenamento primário, armazenamento temporário ou descarte final e saneamento da área e a Autorização de Remoção para o Transporte. Amianto (asbesto): denominação genérica utilizada para designar uma família de fibras inorgânicas finas (silicatos minerais), pertencentes aos grupos da serpentina e anfibólios, que compreende a actinolita, a amosita, a antofilita, o crisotila, a crocidolita e a tremolita. No texto da presente norma, quando se fizer referência ao amianto, ficará entendido que esta referência se aplica a fibras de amianto sem processamento. Desmontagem de materiais de amianto: atividade que compreende, desde a retirada ou desincorporação de material de amianto, até que este seja deixado no solo para a sua coleta e armazenamento primário, considerando os aspectos prévios relacionados quando for o caso, de preparação ou acondicionamento do mesmo para que se garanta em todo o momento a não exposição de pessoas. Esta atividade não se aplica para o amianto e nem para materiais de amianto que não se encontrem instalados. Descarte final: atividade que implica a eliminação definitiva, sob condições sanitárias seguras, de amianto ou materiais de amianto; pode contemplar a aplicação de algum tratamento ou adequação destes rejeitos, antes de seu descarte final.

8 Edificação: qualquer estrutura pública ou privada, qualquer que seja o tipo de material utilizado em sua construção, encontrando-se ocupado ou não, contando ou não com alguma das obras definidas como instalação; e cujo uso pode ser residencial, industrial, comercial, de recreação, militar etc. Instalação: compreende aquelas áreas ou lugares abertos como pátios, instalações destinadas a serviços sanitários como esgoto, reservatório de água, drenagens de água de chuva, tubulação para a condução de vapor e similares. Livre de Amianto: condição que deve apresentar uma área na qual tenham sido realizados trabalhos de remoção. Uma área será considerada área livre de amianto quando o resultado de amostragem do ar realizada na área em questão for menor ou igual a 0,01 f/cc. Administrador de Amianto: pessoa jurídica qualificada pelo Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social para desenvolver ou executar atividades em um processo de remoção de amianto ou de materiais de amianto. Materiais de amianto: qualquer produto, substância ou material cuja composição contenha fibras de amianto, tais como: material para rejunte, reforços, tabiques de revestimento, revestimento térmo-acústico, materiais refratários, telhas, materiais têxteis, revestimento cerâmico para pisos, reservatórios para armazenamento de água, tubulação, entre outros. Amostragem do ar: captar amostras do ar para determinar a concentração de fibras de amianto, sempre utilizando métodos padronizados. Há dois tipos básicos: amostragem da área e do pessoal. A amostragem pessoal se aplica durante a realização de qualquer operação que implique a exposição dos trabalhadores ou pessoas envolvidas na remoção; o de área é para as situações onde possa existir exposição de pessoas não envolvidas no processo de remoção, no local de armazenamento temporário e na área envolvida, durante e após o seu saneamento; a amostragem de área também deve considerar as áreas adjacentes onde exista exposição potencial ao risco. O número de amostras exigidas dependerá do tamanho, natureza da área e alcance do trabalho realizado. A amostragem deve ser realizada ou supervisionada por um profissional de demonstrável experiência na área de higiene ocupacional. Coleta e Armazenamento Primário: atividade do processo de remoção que implica a coleta e armazenamento, sob condições sanitárias seguras, e considerando os aspectos prévios relacionados quando for exigido, de preparação ou acondicionamento do amianto ou materiais de amianto, antes de seu transporte ao lugar do armazenamento temporário ou descarte final, garantindo em todo o momento a não exposição das pessoas. Remoção de amianto: processo destinado a retirar amianto ou materiais de amianto instalados ou não, de edificações ou instalações de qualquer natureza, sob condições sanitárias seguras e no qual são identificadas duas fases: aquela que compreende as atividades de: desmontagem de material, coleta, armazenamento primário, armazenamento temporário ou descarte final e saneamento da área e aquela que compreende a atividade de transporte.

9 Removedor de amianto: pessoa física qualificada pelo Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social para desempenhar a atividade de Supervisor em processos de remoção de amianto ou de materiais de amianto, sempre sob a responsabilidade de um Administrador de amianto. Saneamento da Área: atividade destinada a garantir a condição de área livre de amianto da área comprometida ou envolvida no processo de remoção de amianto ou de materiais de amianto. Supervisor: pessoa que mantém uma relação de trabalho com um Administrador de amianto e responsável por vigiar durante todo o processo de remoção, o cumprimento da normativa legal vigente na matéria que se relacionada à saúde ambiental, com ênfase na proteção dos trabalhadores e das pessoas em geral, assim como dos procedimentos seguros de trabalho, durante as atividades ou operações desenvolvidas no processo de remoção de amianto ou matérias de amianto. Transporte de amianto ou de materiais de amianto: atividade que compreende o deslocamento, sob condições sanitárias seguras, do amianto ou de materiais de amianto previamente acondicionados desde o local da geração até o lugar de armazenamento temporário ou de descarte final.

AMIANTO Risco de Exposição Ambiental/Profissional AMIANTO AMIANTO. 2º Encontro Riscos Ambiente e Qualidade do Ar

AMIANTO Risco de Exposição Ambiental/Profissional AMIANTO AMIANTO. 2º Encontro Riscos Ambiente e Qualidade do Ar AMIANTO Risco de Exposição Ambiental/Profissional 2º Encontro Maria do Departamento de Saúde Ambiental Unidade de Ar e Saúde Ocupacional AMIANTO Amianto é o termo genérico para designar um grupo de seis

Leia mais

Doenças Causadas pelo Asbesto ou Amianto

Doenças Causadas pelo Asbesto ou Amianto Doenças Causadas pelo Asbesto ou Amianto Asbestose que é o endurecimento lento do pulmão e que causa falta de ar progressiva, cansaço, emagrecimento, dores nas pernas e costas. Não tem cura e progride

Leia mais

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos.

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos. ANEXO CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO, RECONHECIMENTO, EXTENSÃO DE ESCOPO E MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS NO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA Art. 1º Os critérios constantes deste

Leia mais

AMIANTO, APLICAÇÕES, MERCADO E

AMIANTO, APLICAÇÕES, MERCADO E AMIANTO, APLICAÇÕES, MERCADO E RESÍDUOS O QUE É AMIANTO? Amianto ou asbesto é um termo genérico de um grupo heterogêneo de minerais naturais, que apresentam diversas composições químicas e cristalográficas,

Leia mais

9.2. A rotulagem deverá, sempre que possível, ser impressa no produto, em cor contrastante, de forma visível e legível.

9.2. A rotulagem deverá, sempre que possível, ser impressa no produto, em cor contrastante, de forma visível e legível. NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 12 LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA POEIRAS MINERAIS ASBESTO (Instituído pela Portaria SSST n.º 01, de 28 de maio de 1991) 1. O presente Anexo aplica-se a

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Resíduos da Construção e Demolição com Amianto (Versão de Abril de 2014) 1. Quais as atividades que se encontram abrangidas pela Portaria n.º 40/2014, de 17 de fevereiro? Com referência

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 371, de 2011, do Senador Eduardo Suplicy, que dispõe sobre a proibição da extração, da importação,

Leia mais

Utilização do Amianto com Segurança 2

Utilização do Amianto com Segurança 2 1 CONVENÇÃO N. 162 Utilização do Amianto com Segurança 2 I Aprovada na 72ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1986), entrou em vigor no plano internacional em 16.6.89. II Dados referentes

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto.

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 162 da Organização

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Inteiro Teor do Acórdão - Página 2 de 38 MEDIDA CAUTELAR NA ARGÜIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL 234 DISTRITO FEDERAL RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO REQTE.(S) :ASSOCIACAO NACIONAL DO TRANSPORTE

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

Programa de Vigilância à Saúde do Trabalhador Exposto ao Amianto

Programa de Vigilância à Saúde do Trabalhador Exposto ao Amianto Programa de Vigilância à Saúde do Trabalhador Exposto ao Amianto São Paulo, 03 de setembro de 2015 Simone Alves dos Santos Coordenadora Estadual da Saúde do Trabalhador dvst@cvs.saude.gov.br PVISAT AMIANTO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Transportes de Produtos Perigosos, Ações Emergenciais, Produtos Perigosos, Transporte de Produtos Perigosos em Áreas de Mananciais.

PALAVRAS-CHAVE: Transportes de Produtos Perigosos, Ações Emergenciais, Produtos Perigosos, Transporte de Produtos Perigosos em Áreas de Mananciais. 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-012 PLANO DE AÇÃO EMERGENCIAL PARA ACIDENTES ENVOLVENDO O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

Leia mais

1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5. 2. O que é Inspeção Periódica de Gás, ou Inspeção de Autovistoria?

1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5. 2. O que é Inspeção Periódica de Gás, ou Inspeção de Autovistoria? Sumário 1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5 2. O que é, ou Inspeção de Autovistoria? 6 3. Qual a diferença entre manutenção e inspeção? 6 4. Quem faz manutenção e quem

Leia mais

Portaria n.º 108, de 06 de março de 2012.

Portaria n.º 108, de 06 de março de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 108, de 06 de março de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

SISTEMA DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES POLUIDORAS - SLAP IDENTIFICAÇÃO DA ATIVIDADE

SISTEMA DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES POLUIDORAS - SLAP IDENTIFICAÇÃO DA ATIVIDADE SISTEMA DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES POLUIDORAS - SLAP N.º PROCESSO CADASTRO DE EMPRESAS TRANSPORTADORAS RESÍDUOS RUBRICA FL. PARA USO EXLCUSIVO DA FEEMA 1) Código Empresa 2) Data Cad. Dia Mês Ano 3)

Leia mais

Sumário 1. INTRODUÇÃO

Sumário 1. INTRODUÇÃO Registro profissional dos contabilistas Em face da publicação da Resolução CFC nº 1.461/2014 - DOU 1 de 17.02.2014, este procedimento foi atualizado. Tópico atualizado: 1.1 Sujeição e aprovação em exame

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO 1. VIA DE ACESSO 1.1 - GENERALIDADES Será utilizada como acesso às obras, durante a fase de construção, as vias já existentes

Leia mais

Avaliação da Exposição

Avaliação da Exposição Seminário Prevenção de riscos de exposição a materiais contendo amianto AMIANTO NOS EDIFÍCIOS Avaliação da Exposição Maria do Departamento de Saúde Ambiental Unidade de Ar e Saúde Ocupacional Coimbra,

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO LEVANTAMENTO DE EDIFICIOS, INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PÚBLICOS COM AMIANTO

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO LEVANTAMENTO DE EDIFICIOS, INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PÚBLICOS COM AMIANTO AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO LEVANTAMENTO DE EDIFICIOS, INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PÚBLICOS COM AMIANTO 1 AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO LEVANTAMENTO DE EDIFÍCIOS, INSTALAÇÕES TÍTULO DA E APRESENTAÇÃO EQUIPAMENTOS PÚBLICOS

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos VEDAPREN FAST - TERRACOTA

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos VEDAPREN FAST - TERRACOTA 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Códigos internos de identificação do produto: 111690, 111691, 121714 e 111689 Nome da empresa: Otto Baumgart Ind. e Com. S/A Endereço: Rua Coronel

Leia mais

FPI PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA INTEGRADA TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO PROVIDÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS

FPI PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO PREVENTIVA INTEGRADA TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO PROVIDÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS PROVIDÊNCIAS NECESSÁRIAS PARA REALIZAÇÃO DE EVENTOS Em atendimento à determinação da Juíza de Direito e Diretora do Foro do Juizado da Infância e Adolescência Portaria Nº005/2003/COORD/JIA, a equipe constituída

Leia mais

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman DO de 08/08/13 NOVA ESTRUTURA 043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman Cumprir e fazer cumprir no Município do Rio de

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região 2ª VARA DO TRABALHO SÃO JOSÉ RUA VEREADOR WALTER BORGES, 133, CAMPINAS, SÃO JOSÉ - SC - CEP: 88101-030

Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região 2ª VARA DO TRABALHO SÃO JOSÉ RUA VEREADOR WALTER BORGES, 133, CAMPINAS, SÃO JOSÉ - SC - CEP: 88101-030 Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região 2ª VARA DO TRABALHO SÃO JOSÉ RUA VEREADOR WALTER BORGES, 133, CAMPINAS, SÃO JOSÉ - SC - CEP: 88101-030 Processo nº.: 0000318-38.2014.5.12.0032 Autor: MINISTÉRIO

Leia mais

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010.

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil do Município de Porto Alegre, estabelece as diretrizes, os critérios e os procedimentos

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos. SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos. SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa Nome do produto: COLA PVA EXTRA FORMICA Nome da empresa: Formiline Indústria de Laminados Ltda. Endereço: Estrada Portão do Honda, 120 Rio Abaixo

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104 Código: FSP-261 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TIN 3104 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas ANEXO IV Referente ao Edital de Pregão nº. 010/2015 Especificações Técnicas 1. OBJETIVO 1.1. A presente licitação tem como objeto a prestação de serviços para realização de cursos para os colaboradores

Leia mais

13h10min, na sala de audiências da 2ª Vara do Trabalho de São José, presente a Exmª. Juíza MARIA

13h10min, na sala de audiências da 2ª Vara do Trabalho de São José, presente a Exmª. Juíza MARIA Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região 2ª VARA DO TRABALHO SÃO JOSÉ RUA VEREADOR WALTER BORGES, 133, CAMPINAS, SÃO JOSÉ - SC - CEP: 88101-030 Processo nº.: 0000173-79.2014.5.12.0032 Autor: MINISTÉRIO

Leia mais

LEI Nº 8.234, DE 17 DE SETEMBRO DE 1991

LEI Nº 8.234, DE 17 DE SETEMBRO DE 1991 LEI Nº 8.234, DE 17 DE SETEMBRO DE 1991 Regulamenta a profissão de Nutricionista e determina outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO

ROTEIRO PARA AUTO INSPEÇÃO Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde Gerência de Produtos e Serviços de Interesse da Saúde Subgerência de Produtos Para a Saúde, Saneantes Domissanitários e Cosméticos Roteiro

Leia mais

FISPQ N 193 N da Revisão 04 FIREGUARD

FISPQ N 193 N da Revisão 04 FIREGUARD Página 1 de 5 1 - Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Nome da empresa: Anchortec Industrial e Comercial Ltda. Endereço: Rua Tenente Onofre Rodrigues de Aguiar, 800, Mogi das Cruzes -

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Qualidade da Água de Abastecimento da sede do Município de Coimbra Belo Horizonte Dezembro de 2014 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR

Leia mais

CAPÍTULO II 1. DA RESPONSABILIDADE DA CONTRATADA/SERVIÇOS PRELIMINARES

CAPÍTULO II 1. DA RESPONSABILIDADE DA CONTRATADA/SERVIÇOS PRELIMINARES A presente especificação técnica trata da Obra DEMOLIÇÃO E REMOÇÃO DE ENTULHO DO PRÉDIO SEDE DA ANTIGA RETÍFICA AO LADO DA MATERNIDADE ESCOLA SANTA MÔNICA, LOCALIZADO NA AV. COMENDADOR LEÃO, S/Nº, NO BAIRRO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. Estabelece as diretrizes e os critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos por meio de caminhão-pipa em corpos de água

Leia mais

CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO

CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO a) Requerimento através do Formulário N o 14 Licenciamento Ambiental, devidamente preenchido e assinado pelo representante legal da empresa; no mesmo formulário informar

Leia mais

Cadastro e dúvidas frequentes SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS

Cadastro e dúvidas frequentes SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS Cadastro e dúvidas frequentes SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS Sumário Parte I - Cadastro... 3 Parte II - Dúvidas frequentes... 6 1. Como fazer o inventário no SNGPC?... 6 2. A

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA - EUSÉBIO ANÁLISE DOCUMENTAL PARA ANUÊNCIA DE LICENCIAMENTO

LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA - EUSÉBIO ANÁLISE DOCUMENTAL PARA ANUÊNCIA DE LICENCIAMENTO SIT Nº ÍTEM 1 LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA - EUSÉBIO ANÁLISE DOCUMENTAL PARA ANUÊNCIA DE LICENCIAMENTO Requerimento (formulário de solicitação) devidamente assinado pelo proprietário ou representante legal,

Leia mais

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL São Paulo, 26/09/2011 VALÉRIA APARECIDA FARIA Bióloga Especialização em Gestão Ambiental pela Faculdade

Leia mais

Tatuagem e Colocação de Adornos

Tatuagem e Colocação de Adornos ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde Tatuagem e Colocação de Adornos Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

DECISÃO:Vistos em liminar,sama S/A - MINERAÇÕES ASSOCIADAS, devidamente qualificada nos autos, impetrou este mandado de segurança, com pedido de

DECISÃO:Vistos em liminar,sama S/A - MINERAÇÕES ASSOCIADAS, devidamente qualificada nos autos, impetrou este mandado de segurança, com pedido de DECISÃO:Vistos em liminar,sama S/A - MINERAÇÕES ASSOCIADAS, devidamente qualificada nos autos, impetrou este mandado de segurança, com pedido de liminar, contra atos do DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO COMERCIAL

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

Port. DRF/CUIABÁ 30/13 - Port. - Portaria DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CUIABÁ - DRF/CUIABÁ nº 30 de 15.03.2013

Port. DRF/CUIABÁ 30/13 - Port. - Portaria DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CUIABÁ - DRF/CUIABÁ nº 30 de 15.03.2013 Port. DRF/CUIABÁ 30/13 - Port. - Portaria DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CUIABÁ - DRF/CUIABÁ nº 30 de 15.03.2013 D.O.U.: 20.03.2013 (Publica o Regulamento Operacional da Área de Controle Integrado

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departamento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 39/2009 Credenciamento

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP DPS 38.008-13 EDP Natureza do documento Versão Data Emissor Procedimento de Segurança (DPS) R4 14-12-2012

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico.

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico. CONTROLE DE REVISÃO Código do Documento: Nome do Documento: ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Responsável pela Elaboração: Gerente de Segurança e Meio NE/SE Responsável

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 50/02 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Prefeitura Municipal de Fortaleza Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente - SEUMA Coordenadoria

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A Nota: A lista de critérios ou regramentos de acesso às ações e serviços constantes da RENASES está prevista no art. 7º da Portaria nº 842/GM/MS,

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (MODELO BÁSICO) I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE

Leia mais

TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO

TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO NOME DO EVENTO OU FESTA: LOCAL: DATA: TERMO DE RESPONSABILIDADE E COMPROMISSO RESPONSÁVEL PELA ORGANIZAÇÃO: ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIACIDADE: FONE: CPF: ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS A SEREM SEGUIDOS

Leia mais

1 FINALIDADE Orientar os aspectos relativos à Segurança e Saúde do Trabalho na Integração de Prestadores de Serviços à CPFL.

1 FINALIDADE Orientar os aspectos relativos à Segurança e Saúde do Trabalho na Integração de Prestadores de Serviços à CPFL. SUMÁRIO 1 Finalidade 2 Âmbito de Aplicação 3 Conceitos Básicos 4 Procedimentos 5 Elaboração 6 Anexo 1 FINALIDADE Orientar os aspectos relativos à Segurança e Saúde do Trabalho na Integração de Prestadores

Leia mais

RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015 RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015 Altera os critérios e procedimentos para requerimento, emissão, revisão, extensão, suspensão e cancelamento do Credenciamento Institucional para

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS ANTES DO INÍCIO DOS TRABALHOS Fornecer cópia deste manual a sua equipe de liderança, e exigir o seu cumprimento de acordo com o Artigo 157 Item I

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

PRÉ - REQUISITOS PARA ABERTURA DE PROCESSOS DOCUMENTOS GERAIS

PRÉ - REQUISITOS PARA ABERTURA DE PROCESSOS DOCUMENTOS GERAIS PESSOA FÍSICA PRÉ - REQUISITOS PARA ABERTURA DE PROCESSOS - Requerimento (modelo Secretaria) - RG e CPF (cópia) - Telefone para contato DOCUMENTOS GERAIS - Documento da Propriedade (Título Definitivo,

Leia mais

REMOÇÃO OU ENCAPSULAMENTO DE AMIANTO

REMOÇÃO OU ENCAPSULAMENTO DE AMIANTO REMOÇÃO OU ENCAPSULAMENTO DE AMIANTO 1991 2007 2010 2011-2014 Caetano Coatings Covering your Ideas desde 1991 Aquisição das Instalações do Carregado e início da actividade de Decapagem, Metalização e Pinturas

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 16, de 05/03/07 Plano de Intervenção

Leia mais

Nome do produto: BIOCOMPOSTO BLF. Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5

Nome do produto: BIOCOMPOSTO BLF. Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5 Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Biocomposto BLF - Código interno de identificação do produto: 020 - Nome da empresa: Biotecma Biotecnologia

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL Promotoria de Justiça da Comarca de São José do Campestre R E C O M E N D A Ç Ã O Nº 04/2011

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL Promotoria de Justiça da Comarca de São José do Campestre R E C O M E N D A Ç Ã O Nº 04/2011 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL Promotoria de Justiça da Comarca de São José do Campestre R E C O M E N D A Ç Ã O Nº 04/2011 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE,

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC 1.0 DADOS DO GERADOR/CONSTRUTOR (folha de 8 itens) PROCESSO Nº: CAD Nº: 1.1. Razão Social: 1.2 Endereço: 1.3 Fone: Fax: 1.4 E-mail: 1.5 CPF:

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005.

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a

Leia mais

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ON LINE PARA RENOVAÇÃO DE LICENÇAS DE OPERAÇÃO PARA COMÉRCIO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS

Leia mais

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS Drogarias; Ervanária, posto de medicamento, dispensário de medicamentos; Distribuidora com fracionamento de cosmético, perfume, produtos de higiene; Distribuidora

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página: 1 de 5 FISPQ Nº: 037 Data da última revisão: 26/10/2010 Nome do Produto: Betugrout 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Código do Produto: 026050025. Nome da Empresa:

Leia mais

Of. nº 38/2014 - CODEMAT Porto Alegre, 17 de junho de 2014.

Of. nº 38/2014 - CODEMAT Porto Alegre, 17 de junho de 2014. Of. nº 38/2014 - CODEMAT Porto Alegre, 17 de junho de 2014. Ilustríssimo Senhor Rinaldo Marinho Costa Lima Diretor do Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho - DSST Secretaria de Inspeção do Trabalho

Leia mais

III - Pontos de Entrega (Pequenos Volumes) - os equipamentos públicos destinados ao recebimento de resíduos da construção civil e resíduos volumosos

III - Pontos de Entrega (Pequenos Volumes) - os equipamentos públicos destinados ao recebimento de resíduos da construção civil e resíduos volumosos Ano 47 - Número 134 - São Paulo, sexta-feira, 19 de julho de 2002 DECRETO Nº 42.217, DE 24 DE JULHO DE 2002 Regulamenta a Lei nº 10.315, de 30 de abril de 1987, no que se refere ao uso de áreas destinadas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL 1252 Diário da República, 1.ª série N.º 42 2 de março de 2015 ANEXO Montantes dos apoios a atribuir à «Manutenção e recuperação de galerias ripícolas» (a que se refere o n.º 1 do artigo 13.º) Escalões

Leia mais

4. O que fazer quando tiver dúvidas sobre o número de registro do medicamento? O Farmacêutico Responsável Técnico deve realizar as seguintes ações:

4. O que fazer quando tiver dúvidas sobre o número de registro do medicamento? O Farmacêutico Responsável Técnico deve realizar as seguintes ações: 1 de 6 Site: http://www.solucaosistemas.com.br Gerado pela Solução Sistemas - Fonte: Anvisa Acesse o Portal do Perguntas Freqüentes atualizado em 19/04/2013 Funcionalidades do SNGPC 1. Como fazer o inventário

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA GERADORES AUXILIARES (GERADOR MÓVEL) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos específicos de operação e ligação de gerador auxiliar móvel à rede de distribuição

Leia mais

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013 NATAL/RN NOV/2013 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RSS Documento que aponta e descreve ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nos estabelecimentos assistenciais de saúde Considerando as Características

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ SEÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO Produto: Empresa: TWISTER OFFICER INDÚSTRIA QUÍMICA LTDA R.Senador Giovanni Agnelli, 927-galpão

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 22/11/2011 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto LW Impercit Nome da empresa Lwart Química Ltda. Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis Paulista-SP

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único SeÄÅo IX Das InstalaÄÉes ElÑtricas Art. 179 - O Ministério do Trabalho disporá sobre as condições de segurança e as medidas

Leia mais

Anexo contratual: Health and Safety (HAS)

Anexo contratual: Health and Safety (HAS) Com a premissa fundamental de perpetuar a visão preventiva e o controle eficaz dos riscos operacionais, este anexo contratual determina os princípios legais e gerenciais para a manutenção da integridade

Leia mais

PATENTES E SUAS ETAPAS. Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas.

PATENTES E SUAS ETAPAS. Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas. PATENTES E SUAS ETAPAS Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas. A busca de anterioridade não é obrigatória, mas é altamente

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUÍMICO Nome do Produto: Nome da Empresa: SEÇÃO I Identificação do Produto Químico e da Empresa CITIMANTA CITIMAT MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA. RUA COMENDADOR SOUZA 72/82 AGUA BRANCA SÃO PAULO SP CEP: 05037-090

Leia mais

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil.

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. RESÍDUOS SÓLIDOSS 1 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. 2 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do

Leia mais

Produtos Perigosos em Edificação e Áreas de Risco

Produtos Perigosos em Edificação e Áreas de Risco SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 32/2004 Produtos Perigosos em Edificação e Áreas de Risco 1

Leia mais

ANEXO I IDENTIFICADOR DO PRODUTO. Fato Gerador (DV)

ANEXO I IDENTIFICADOR DO PRODUTO. Fato Gerador (DV) ANEXO I TABELA DE DESCONTOS DA TAXA DE FISCALIZAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA IDENTIFICADOR DO PRODUTO TIPO DE EMPRESA ITENS DESCRIÇÃO DO FATO GERADOR Fato Gerador (DV) GRUPO I GRANDE GRUPO II GRANDE GRUPO

Leia mais

Proposta de Projeto de Lei

Proposta de Projeto de Lei Proposta de Projeto de Lei Dispõe sobre o fechamento de via e o controle de acesso de pessoas e veículos estranhos aos moradores de vilas, ruas sem saída e ruas e travessas com características de ruas

Leia mais