NORMATIVA PROVISÓRIA APLICÁVEL À REMOÇÃO DO AMIANTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMATIVA PROVISÓRIA APLICÁVEL À REMOÇÃO DO AMIANTO"

Transcrição

1 NORMATIVA PROVISÓRIA APLICÁVEL À REMOÇÃO DO AMIANTO Devido ao fato de que ainda não foi publicada a normativa que regulará os processos de remoção do amianto e dos materiais de amianto, este documento provisório foi preparado para responder a diferentes situações. Foi possível apresentar, dependendo da situação em particular, determinados aspectos de algumas das atividades do processo de remoção que poderiam não ser necessariamente aplicados, especialmente aspectos relacionados aos procedimentos administrativos. No caso de dúvida, consulte a Autoridade Sanitária Ambiental Competente (Secretaria Geral de Saúde Ambiental e Controladoria Sanitária do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social). DO SEU ABSOLUTO INTERESSE Todo processo de remoção de amianto ou de materiais de amianto, deve ser previamente autorizado pelo Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social. A Autorização de Remoção somente será concedida, quando os Protocolos de Trabalho aplicados para o caso em particular forem aprovados. As atividades compreendidas nas fases do processo de remoção de amianto ou dos materiais contendo amianto serão supervisionadas pelos servidores da Secretaria Geral de Saúde Ambiental e Controladoria Sanitária do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social e do respectivo Serviço Regional de Engenharia Sanitária. A Autoridade Sanitária Ambiental competente disporá de um prazo não superior a quarenta e cinco (45) dias úteis, contados a partir da data de apresentação dos respectivos Protocolos de Trabalho e de toda a documentação exigida, para emitir a sua resposta. A empresa que realizará a remoção, uma vez obtida a respectiva Autorização, deve informar, com pelo menos 15 dias úteis de antecedência, a Secretaria General de Saúde Ambiental e Controladoria Sanitária e o Serviço de Engenharia Sanitária da entidade federal correspondente, a data de início das atividades para a respectiva supervisão. A empresa que fará a remoção será responsável pelos Protocolos de Trabalho e outros documentos necessários. Para as atividades que irá desenvolver deverá apresentar no Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social, pessoal qualificado em suas respectivas áreas de conhecimento que estejam no exercício legal da sua profissão, garantindo o cumprimento de todas as exigências técnicas e científicas do processo de remoção. Todo tratamento ou prática aplicável a rejeitos de amianto ou materiais de amianto, seja para o seu armazenamento temporário ou para seu descarte final, deverá contar com a Aprovação do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social.

2 Durante o desenvolvimento das atividades de um processo de remoção de amianto ou de materiais de amianto, tanto a área envolvida como as proximidades, devem ser previamente delimitadas, através da colocação de avisos de precaução que contenham informação sobre o risco que esta substância implica para a saúde. Recomenda-se o modelo estabelecido pela Norma Venezuelana COVENIN Serão permitidas apenas pessoas autorizadas no local. Todo material ou substância que se misture com rejeitos de amianto ou com materiais de amianto constitui-se em um rejeito perigoso. A suspensão ou paralisação de qualquer atividade no processo de remoção, apenas poderá ocorrer quando o amianto ou os materiais de amianto estejam em condições tais que não representem mais um fator de risco para as pessoas. A empresa encarregada de fazer a remoção que precise paralisar ou suspender temporariamente qualquer fase no processo de remoção deve notificar tal fato, imediatamente, por escrito, à Autoridade Sanitária Ambiental Competente, indicando, no mínimo: Motivo da suspensão ou paralisação. Situação ou condições de segurança sob as quais o amianto ou matérias de amianto será mantido. Data de reinício. Para facilitar a análise do presente documento incorporamos no final um breve glossário, com enfoque no aspecto sanitário. AUTORIZAÇÃO PARA PROCESSOS DE REMOÇÃO: A Solicitação de Autorização para realizar um processo de remoção de amianto deverá ser apresentada pela empresa que realizará a remoção, na Secretaria Geral de Saúde Ambiental e Controladoria Sanitária do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social, indicando o que se segue: Identificação da empresa; Endereço e telefones; Identificação do Representante Legal; Identificação e localização do imóvel onde será realizada a remoção; Tipo, condições físicas e quantidade de amianto ou materiais de amianto que serão removidos; Cópia da solicitação de prestação de serviço, por parte do proprietário ou do responsável pelo local onde se realizará a remoção; As atividades da fase do processo de remoção na qual o serviço será prestado. Esta comunicação deve estar acompanhada dos seguintes documentos: Cópia da Inscrição no Registro como Administrador de Substâncias e Materiais Perigosos, do Ministério do Meio Ambiente e Recursos Naturais. Cópia do Documento de Notificação de Riscos entregue a cada trabalhador.

3 Quando for o caso, a Autorização expedida pelo Órgão competente, para uso do lugar de armazenamento temporário ou descarte final, o qual estará sujeito à aprovação sanitária. Quando for o caso, o Certificado emitido pelo Ministério da Infra-estrutura (Instituto Nacional de Transporte e Trânsito Terrestre) de que os veículos estão aptos para o transporte de mercadorias perigosas. Os Protocolos de Trabalho correspondentes às atividades da fase do processo de remoção que será realizado. Plano de emergência/contingência de acordo com as atividades do processo de remoção, elaborados segundo o estabelecido pela Norma Venezuelana COVENIN 2226: Guia para a elaboração de planos para o controle de emergências vigente, e a 3058: Materiais Perigosos. Plano de emergência que deve acompanhar a guia do transportador vigente, quando for o caso. O interessado deve notificar à Secretaria Geral de Saúde Ambiental e Controladoria Sanitária, com pelo menos quinze dias de antecedência, o início das atividades. ASPECTOS QUE DEVERÃO SER DESENVOLVIDOS NOS PROTOCOLOS DE TRABALHO Para o desenvolvimento do conteúdo dos Protocolos de Trabalho deverá ser considerada a normativa técnica nacional que rege os diferentes aspectos envolvidos no processo de remoção do amianto ou de outros fatores de risco que coexistem nas áreas envolvidas, aos quais podem estar expostos a comunidade, ou os trabalhadores que intervenham neste processo. Os Protocolos de Trabalho deverão estar assinados pelo profissional responsável pela elaboração dos mesmos e quando assim for solicitado, devem estar acompanhados dos respectivos documentos de credenciamento e respaldo, no que tange os aspectos de seu conteúdo. Para cada processo de remoção, os protocolos de trabalho deverão conter uma introdução, com a descrição ou exposição do caso em particular, assinalando: o tipo de zoneamento do lugar onde será realizada a remoção (residencial, comercial, industrial etc.), localização geográfica, localização com relação a moradias e edificações presentes no local, endereço exato; quantidade de amianto ou de material de amianto que deverá ser removida expressa em unidades de longitude, área, peso, volume ou qualquer outra que seja aplicável, características, condições físicas, localização espacial e outros aspectos que devam ser mencionados. Quando for necessário realizar alterações ou modificações em algumas das atividades compreendidas nas fases dos processos de remoção, que impliquem a mudança do conteúdo do respectivo Protocolo de Trabalho aprovado, o Responsável pela atividade deverá apresentar previamente tais mudanças à Autoridade Sanitária Ambiental Competente, para a aprovação dos mesmos.

4 O PROTOCOLO DE TRABALHO PARA A FASE DE DESMONTAGEM DE MATERIAIS DE AMIANTO, deve conter pelo menos: O pessoal que participará na atividade, indicando no caso dos Supervisores, o número designado no Registro de Removedores de Amianto, do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social. Equipamento de proteção pessoal utilizado pelas pessoas que irão intervir nesta atividade, indicando o tipo, o nível de proteção e a certificação. O tratamento prévio do material instalado, técnica/metodologia que será utilizada para a desmontagem que garanta a não dispersão de fibras de amianto. Indicar também os materiais, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes. Quando as condições do material forem tais que este se encontre disperso na área, indicar o tratamento previsto, prévio à intervenção, com o objetivo de garantir a não dispersão de fibras de amianto durante o desenvolvimento da atividade, indicando além da metodologia, materiais, equipamentos e insumos que serão utilizados, além de outros aspectos pertinentes. A técnica/metodologia utilizada para a localização no solo do material, caso esteja instalado em um local alto, garantindo a não dispersão de fibras de amianto, incluindo materiais, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes. A técnica/metodologia utilizada para a descontaminação do pessoal e dos equipamentos envolvidos; incluindo materiais, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes. O protocolo para a amostragem do ar, de acordo com a sua aplicação (pessoal ou pessoal e área) durante a atividade; indicando entre outros: critérios para a realização da amostragem, equipamentos (tipo, características, especificações), lugares onde será realizada a amostragem, características das amostras (números das amostras, tempo da amostragem e seu volume) e o método analítico. O PROTOCOLO DE TRABALHO PARA A FASE DE COLETA E ARMAZENAMENTO PRIMÁRIO DE AMIANTO OU MATERIAIS DE AMIANTO, deve conter pelo menos: O pessoal que realizará a atividade, indicando no caso dos Supervisores, o número designado no Registro de Removedores de Amianto, do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social. O tratamento/técnica/metodologia para a coleta e armazenamento primário do material, incluindo o acondicionamento primário, que possa garantir a não dispersão de fibras de amianto durante esta atividade e durante o seu transporte, indicando além dos materiais, substâncias, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes. Quando as condições do material indicarem que este se encontra disperso na área, recomendar o tratamento previsto antes da intervenção, com o objetivo de garantir a não dispersão de fibras de amianto durante o desenvolvimento da atividade, indicando além da técnica/metodologia, materiais, equipamentos, insumos e outros aspectos pertinentes. O equipamento de proteção individual utilizado para a intervenção nesta atividade, indicando: tipo, nível de proteção e certificação.

5 A técnica/metodologia utilizada para a descontaminação do pessoal e dos equipamentos envolvidos; incluindo materiais, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes. O protocolo para a amostragem do ar, de acordo com a sua aplicação (pessoal ou pessoal e área) durante a atividade; indicando entre outros: critérios para a realização da amostragem, equipamentos (tipo, características, especificações), lugares onde será realizada a amostragem, características das amostras (números das amostras, tempo da amostragem e seu volume) e o método analítico. O PROTOCOLO DE TRABALHO PARA A FASE DE TRANSPORTE DE AMIANTO OU MATERIAIS DE AMIANTO, deve conter pelo menos: Pessoal autorizado para realizar o transporte, treinamento recebido para o transporte de materiais perigosos, segundo o estabelecido na Norma Venezuelana COVENIN 3061: Materiais perigosos. Guia para o treinamento de pessoas que manuseiam, armazenam e/ou transportam materiais perigosos, vigente; equipamento de proteção pessoal o qual estará disponível caso seja exigido, indicando: tipo, nível de proteção e certificação. Indicar para o caso dos Supervisores o número designado no Registro de Removedores de Amianto, do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social. Descrição da área da carga do veículo que garanta a permanência do material, o sistema ou mecanismo de segurança, a identificação e a sinalização utilizada neste caso. A garantia de contar com avisos portáteis para serem utilizados em caso de acidente, que permitam avisar às pessoas do risco que envolve a exposição ao amianto, cujo conteúdo deve se ajustar ao estabelecido pela Norma Venezuelana COVENIN Croquis da rota que será feita pelo veículo, desde o lugar da geração até o lugar do armazenamento temporário ou descarte final. Sempre que possível preferir as vias menos transitadas e locais menos povoados. Uma folha de dados de segurança do material, ajustada ao estabelecido na Norma Venezuelana COVENIN 3059: Materiais perigosos. Requisitos mínimos que devem constar da folha de dados dos materiais não radioativos, vigente. Os elementos ou insumos que estarão disponíveis para isolar e coletar o material no caso de acidente, que impeçam a sua dispersão e a exposição das pessoas. A técnica/metodologia para a descontaminação dos equipamentos envolvidos; incluindo os veículos, materiais, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes. O PROTOCOLO DE TRABALHO PARA A FASE DE ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO OU DESCARTE FINAL DE AMIANTO OU MATERIAIS DE AMIANTO, deve conter pelo menos, conforme o caso: O pessoal que realizará a atividade, indicando no caso dos Supervisores, o número designado no Registro de Removedores de Amianto, do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social. O equipamento de proteção pessoal utilizado para a intervenção nesta atividade, indicando: o tipo, o nível de proteção e a certificação.

6 Tratamento/técnica/prática que será utilizada para o armazenamento temporário ou para o descarte final dos rejeitos, para que garanta, em termos sanitários, a sua não dispersão e que ninguém tenha acesso ao mesmo no primeiro caso, ou a sua eliminação total no segundo caso. Identificar e descrever o lugar do armazenamento temporário ou descarte final, indicando as condições de segurança. A técnica/metodologia para a descontaminação do pessoal e dos equipamentos envolvidos; incluindo veículos, materiais, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes. O PROTOCOLO DE TRABALHO PARA A ATIVIDADE DE SANEAMENTO DAS ÁREAS QUE ESTIVERAM ENVOLVIDAS COM O AMIANTO OU MATERIAIS DE AMIANTO, deve conter pelo menos: O pessoal que realizará a atividade, indicando no caso dos Supervisores, o número designado no Registro de Removedores de Amianto, do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social. O equipamento de proteção pessoal utilizado para a intervenção nesta atividade, indicando: o tipo, o nível de proteção e a certificação. Tratamento/técnica/metodologia que será utilizada para fazer o saneamento da área, que garanta sua condição de área livre de amianto, incluindo materiais, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes. O protocolo para a amostragem do ar, de acordo com a sua aplicação (pessoal ou pessoal e área) durante a atividade e para a amostragem do ar na área posterior ao seu saneamento; indicando entre outros: critérios para a realização da amostragem, equipamentos (tipo, características, especificações), lugares onde a amostragem será realizada, características das amostras (números das amostras, tempo da amostragem e seu volume) e o método analítico. A técnica/metodologia para a descontaminação do pessoal e dos equipamentos envolvidos; incluindo materiais, equipamentos e insumos que serão empregados e outros aspectos pertinentes.

7 GLOSSÁRIO (COM ENFOQUE SANITÁRIO ESPECÍFICO PARA A REMOÇAO DE AMIANTO) Acondicionamento Primário: procedimento que consiste na atividade de coleta e armazenamento primário do amianto ou de materiais de amianto, o qual deve ser realizado quando o amianto em questão seja friável ou estiver esmigalhado ou quando os materiais removidos se tenham quebrado ou deteriorado de tal forma, que possa ocorrer a liberação de fibras durante a manipulação dos mesmos, durante sua coleta. Armazenamento Temporário: atividade que implica o isolamento ou confinamento, sob condições sanitárias seguras, do amianto ou de materiais de amianto até seu descarte final em um aterro de segurança. No processo de remoção, esta atividade pode não existir, ocorrendo apenas o descarte final. Autoridade Sanitária Ambiental Competente: vinculada ao Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social à qual foram atribuídas faculdades administrativas e de controle, legais ou de regulamentação, para aplicar ou executar as leis e demais normativas da área de saúde ambiental aos sujeitos aos quais estas normativas se aplicam. Autorização de Remoção: documento expedido pela Autoridade Sanitária Ambiental Competente, que faculta a quem receber a autorização realizar o processo de remoção de amianto ou de materiais de amianto que nela esteja indicado. Quando um processo de remoção for realizado por Administradores diferentes, haverá dois tipos de Autorização: a Autorização de Remoção para a desmontagem, coleta, armazenamento primário, armazenamento temporário ou descarte final e saneamento da área e a Autorização de Remoção para o Transporte. Amianto (asbesto): denominação genérica utilizada para designar uma família de fibras inorgânicas finas (silicatos minerais), pertencentes aos grupos da serpentina e anfibólios, que compreende a actinolita, a amosita, a antofilita, o crisotila, a crocidolita e a tremolita. No texto da presente norma, quando se fizer referência ao amianto, ficará entendido que esta referência se aplica a fibras de amianto sem processamento. Desmontagem de materiais de amianto: atividade que compreende, desde a retirada ou desincorporação de material de amianto, até que este seja deixado no solo para a sua coleta e armazenamento primário, considerando os aspectos prévios relacionados quando for o caso, de preparação ou acondicionamento do mesmo para que se garanta em todo o momento a não exposição de pessoas. Esta atividade não se aplica para o amianto e nem para materiais de amianto que não se encontrem instalados. Descarte final: atividade que implica a eliminação definitiva, sob condições sanitárias seguras, de amianto ou materiais de amianto; pode contemplar a aplicação de algum tratamento ou adequação destes rejeitos, antes de seu descarte final.

8 Edificação: qualquer estrutura pública ou privada, qualquer que seja o tipo de material utilizado em sua construção, encontrando-se ocupado ou não, contando ou não com alguma das obras definidas como instalação; e cujo uso pode ser residencial, industrial, comercial, de recreação, militar etc. Instalação: compreende aquelas áreas ou lugares abertos como pátios, instalações destinadas a serviços sanitários como esgoto, reservatório de água, drenagens de água de chuva, tubulação para a condução de vapor e similares. Livre de Amianto: condição que deve apresentar uma área na qual tenham sido realizados trabalhos de remoção. Uma área será considerada área livre de amianto quando o resultado de amostragem do ar realizada na área em questão for menor ou igual a 0,01 f/cc. Administrador de Amianto: pessoa jurídica qualificada pelo Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social para desenvolver ou executar atividades em um processo de remoção de amianto ou de materiais de amianto. Materiais de amianto: qualquer produto, substância ou material cuja composição contenha fibras de amianto, tais como: material para rejunte, reforços, tabiques de revestimento, revestimento térmo-acústico, materiais refratários, telhas, materiais têxteis, revestimento cerâmico para pisos, reservatórios para armazenamento de água, tubulação, entre outros. Amostragem do ar: captar amostras do ar para determinar a concentração de fibras de amianto, sempre utilizando métodos padronizados. Há dois tipos básicos: amostragem da área e do pessoal. A amostragem pessoal se aplica durante a realização de qualquer operação que implique a exposição dos trabalhadores ou pessoas envolvidas na remoção; o de área é para as situações onde possa existir exposição de pessoas não envolvidas no processo de remoção, no local de armazenamento temporário e na área envolvida, durante e após o seu saneamento; a amostragem de área também deve considerar as áreas adjacentes onde exista exposição potencial ao risco. O número de amostras exigidas dependerá do tamanho, natureza da área e alcance do trabalho realizado. A amostragem deve ser realizada ou supervisionada por um profissional de demonstrável experiência na área de higiene ocupacional. Coleta e Armazenamento Primário: atividade do processo de remoção que implica a coleta e armazenamento, sob condições sanitárias seguras, e considerando os aspectos prévios relacionados quando for exigido, de preparação ou acondicionamento do amianto ou materiais de amianto, antes de seu transporte ao lugar do armazenamento temporário ou descarte final, garantindo em todo o momento a não exposição das pessoas. Remoção de amianto: processo destinado a retirar amianto ou materiais de amianto instalados ou não, de edificações ou instalações de qualquer natureza, sob condições sanitárias seguras e no qual são identificadas duas fases: aquela que compreende as atividades de: desmontagem de material, coleta, armazenamento primário, armazenamento temporário ou descarte final e saneamento da área e aquela que compreende a atividade de transporte.

9 Removedor de amianto: pessoa física qualificada pelo Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social para desempenhar a atividade de Supervisor em processos de remoção de amianto ou de materiais de amianto, sempre sob a responsabilidade de um Administrador de amianto. Saneamento da Área: atividade destinada a garantir a condição de área livre de amianto da área comprometida ou envolvida no processo de remoção de amianto ou de materiais de amianto. Supervisor: pessoa que mantém uma relação de trabalho com um Administrador de amianto e responsável por vigiar durante todo o processo de remoção, o cumprimento da normativa legal vigente na matéria que se relacionada à saúde ambiental, com ênfase na proteção dos trabalhadores e das pessoas em geral, assim como dos procedimentos seguros de trabalho, durante as atividades ou operações desenvolvidas no processo de remoção de amianto ou matérias de amianto. Transporte de amianto ou de materiais de amianto: atividade que compreende o deslocamento, sob condições sanitárias seguras, do amianto ou de materiais de amianto previamente acondicionados desde o local da geração até o lugar de armazenamento temporário ou de descarte final.

Doenças Causadas pelo Asbesto ou Amianto

Doenças Causadas pelo Asbesto ou Amianto Doenças Causadas pelo Asbesto ou Amianto Asbestose que é o endurecimento lento do pulmão e que causa falta de ar progressiva, cansaço, emagrecimento, dores nas pernas e costas. Não tem cura e progride

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto.

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 162 da Organização

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

AMIANTO Risco de Exposição Ambiental/Profissional AMIANTO AMIANTO. 2º Encontro Riscos Ambiente e Qualidade do Ar

AMIANTO Risco de Exposição Ambiental/Profissional AMIANTO AMIANTO. 2º Encontro Riscos Ambiente e Qualidade do Ar AMIANTO Risco de Exposição Ambiental/Profissional 2º Encontro Maria do Departamento de Saúde Ambiental Unidade de Ar e Saúde Ocupacional AMIANTO Amianto é o termo genérico para designar um grupo de seis

Leia mais

MANUAL DE RASTREABILIDADE

MANUAL DE RASTREABILIDADE MANUAL DE RASTREABILIDADE A.P.C.B.R.H/RASTRECERT CNPJ: 76.607.597/0001-07 Inscrição Estadual: 101.15739-39 Endereço: Rua Professor Francisco Dranka, nº 608 Bairro Orleans - CEP: 81200-560 Curitiba-Paraná

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 01/2012/FUNED

CONSULTA PÚBLICA Nº 01/2012/FUNED CONSULTA PÚBLICA Nº 01/2012/FUNED A FUNDAÇÃO EZEQUIEL DIAS, instituída pela Lei 5.594 de 06 de novembro de 1970, regulamentada pelo Decreto nº 45.712, de 30 de agosto de 2011, por intermédio de sua Presidência,

Leia mais

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos.

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos. ANEXO CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO, RECONHECIMENTO, EXTENSÃO DE ESCOPO E MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS NO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA Art. 1º Os critérios constantes deste

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Resíduos da Construção e Demolição com Amianto (Versão de Abril de 2014) 1. Quais as atividades que se encontram abrangidas pela Portaria n.º 40/2014, de 17 de fevereiro? Com referência

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 91/93, 151/96 e 21/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 91/93, 151/96 e 21/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/GMC/RES. Nº 30/02 CRITÉRIOS PARA A GESTÃO SANITÁRIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PORTOS, AEROPORTOS, TERMINAIS INTERNACIONAIS DE CARGA E PASSAGEIROS E PONTOS DE FRONTEIRA NO MERCOSUL TENDO EM VISTA:

Leia mais

9.2. A rotulagem deverá, sempre que possível, ser impressa no produto, em cor contrastante, de forma visível e legível.

9.2. A rotulagem deverá, sempre que possível, ser impressa no produto, em cor contrastante, de forma visível e legível. NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 12 LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA POEIRAS MINERAIS ASBESTO (Instituído pela Portaria SSST n.º 01, de 28 de maio de 1991) 1. O presente Anexo aplica-se a

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 50/02 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº

Leia mais

Utilização do Amianto com Segurança 2

Utilização do Amianto com Segurança 2 1 CONVENÇÃO N. 162 Utilização do Amianto com Segurança 2 I Aprovada na 72ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1986), entrou em vigor no plano internacional em 16.6.89. II Dados referentes

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN n 042/DAT/CBMSC)

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO 1. VIA DE ACESSO 1.1 - GENERALIDADES Será utilizada como acesso às obras, durante a fase de construção, as vias já existentes

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2011 Instrução Técnica nº 34/2011 - Hidrante urbano 719 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 34/2011 Hidrante

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA EXECUÇÃO DE EXTENSÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PARA ATENDER A ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSOS LOGRADOUROS DE PORTO ALEGRE 1. GENERALIDADES O

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS PORTARIA Nº 118, DE 11.7.2000 - DOU 12.7.2000 Regulamenta as atividades de distribuição de gás natural liqüefeito (GNL) a granel e de construção,

Leia mais

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A Nota: A lista de critérios ou regramentos de acesso às ações e serviços constantes da RENASES está prevista no art. 7º da Portaria nº 842/GM/MS,

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA 1 PROJETO Nº 013/2014 Solicitação: MEMORIAL DESCRITIVO Tipo da Obra: PINTURA MURETA, POSTES, BRINQUEDOS DO PARQUE INFANTIL E TROCA PISO SALAS DE AULA Reforma: local indicado em planta Local: EMEI CRIANÇA

Leia mais

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 Aprova as Normas Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 371, de 2011, do Senador Eduardo Suplicy, que dispõe sobre a proibição da extração, da importação,

Leia mais

DOCUMENTOS E AVISOS DE AFIXAÇÃO OBRIGATÓRIA PELOS EMPREGADORES

DOCUMENTOS E AVISOS DE AFIXAÇÃO OBRIGATÓRIA PELOS EMPREGADORES DOCUMENTOS E AVISOS DE AFIXAÇÃO OBRIGATÓRIA PELOS EMPREGADORES info@qualityassociados.com.br Existem documentos e avisos que, por determinação legal, devem obrigatoriamente, permanecerem afixados em local

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá - Unifei Campus de Itabira

Universidade Federal de Itajubá - Unifei Campus de Itabira Revisão: 001 Página 1 de 7 Dispõe sobre conjunto de regras relativas à concessão do direito de uso dos espaços de convivência vinculados à Diretoria de Infraestrutura, da Universidade Federal de Itajubá

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO.

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO. ANEXO NORMAS SOBRE REQUISITOS, CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS PARA O REGISTRO DE ESTABELECIMENTO, BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO E EXPEDIÇÃO DOS RESPECTIVOS CERTIFICADOS. 1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO,

Leia mais

Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA

Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA Funcionamento de empresas especializadas na prestação de serviço de controle de vetores e pragas urbanas Tania Pich Gerente Geral de Saneantes - ANVISA A Nova RDC 18 Objetivo e Abrangência Definições Requisitos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. Estabelece as diretrizes e os critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos por meio de caminhão-pipa em corpos de água

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice REGULAMENTO INTERNO Índice Preâmbulo...... 3 Artigo 1º - Âmbito de aplicação........ 3 Artigo 2º - Definição......... 3 Artigo 3º - Princípios enquadradores do voluntariado...... 4 Artigo 4º - Perfil do

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Gerais

Capítulo I Das Disposições Gerais PLANO GERAL DE METAS DA QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º Este Plano estabelece as metas de qualidade a serem cumpridas pelas prestadoras do Serviço

Leia mais

1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5. 2. O que é Inspeção Periódica de Gás, ou Inspeção de Autovistoria?

1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5. 2. O que é Inspeção Periódica de Gás, ou Inspeção de Autovistoria? Sumário 1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5 2. O que é, ou Inspeção de Autovistoria? 6 3. Qual a diferença entre manutenção e inspeção? 6 4. Quem faz manutenção e quem

Leia mais

Edital GERIR HUGO Nº 003/2015 Processo Seletivo Simplificado para Contratação Engenheiro de Segurança do Trabalho

Edital GERIR HUGO Nº 003/2015 Processo Seletivo Simplificado para Contratação Engenheiro de Segurança do Trabalho Edital GERIR HUGO Nº 003/2015 Processo Seletivo Simplificado para Contratação Engenheiro de Segurança do Trabalho O Instituto GERIR, entidade de direito privado e sem fins lucrativos, classificado como

Leia mais

Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem

Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem I. Apresentação A ACQUALAB Laboratório e Consultoria Ambiental S/S Ltda. atua, desde a sua constituição, nas diversas áreas da ciência

Leia mais

Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina

Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina Termo de Referência para Posto de Combustível no Município de Teresina Requisitos e procedimentos para expedição do Licenciamento Ambiental de postos de combustíveis instalados/localizados e/ou a serem

Leia mais

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS MERCOSUL/GMC/RES Nº 25/98 PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013.

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013. LO N : 0019/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

AMIANTO, APLICAÇÕES, MERCADO E

AMIANTO, APLICAÇÕES, MERCADO E AMIANTO, APLICAÇÕES, MERCADO E RESÍDUOS O QUE É AMIANTO? Amianto ou asbesto é um termo genérico de um grupo heterogêneo de minerais naturais, que apresentam diversas composições químicas e cristalográficas,

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 Dispõe sobre Regulamento Técnico que estabelece requisitos sanitários para estabelecimentos destinados a eventos esportivos. A Diretora Técnica do Centro de Vigilância

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departamento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 39/2009 Credenciamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 3, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011

PORTARIA NORMATIVA N 3, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 PORTARIA NORMATIVA N 3, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2011 Cria o Assentamento Funcional Digital - AFD e estabelece orientação aos órgãos e entidades integrantes do Sistema de Pessoal Civil da Administração Publica

Leia mais

Programa de Vigilância à Saúde do Trabalhador Exposto ao Amianto

Programa de Vigilância à Saúde do Trabalhador Exposto ao Amianto Programa de Vigilância à Saúde do Trabalhador Exposto ao Amianto São Paulo, 03 de setembro de 2015 Simone Alves dos Santos Coordenadora Estadual da Saúde do Trabalhador dvst@cvs.saude.gov.br PVISAT AMIANTO

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 22, DE 23 DE ABRIL DE 2013 Aprova os Procedimentos Comuns para as Inspeções nos Fabricantes de Produtos Médicos e Produtos para Diagnóstico de Uso in vitro nos Estados Partes, e dá

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 16, de 05/03/07 Plano de Intervenção

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 Regulamenta os procedimentos relativos à certificação digital, para garantir a segurança das transações eletrônicas realizadas por meio dos sistemas, das aplicações e dos

Leia mais

Guia de Mobilização - Vale

Guia de Mobilização - Vale Guia de Mobilização - Vale 2ª Edição Nov/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. MACRO FLUXO DO PROCESSO DE MOBILIZAÇÃO... 3 3.1. CERTIFICAÇÃO... 3 3.2. CONTRATAÇÃO... 4 3.3. MOBILIZAÇÃO...

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº 9431/2015

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº 9431/2015 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº 9431/2015 TERMO DE CONTRADO QUE ENTRE SÍ CELEBRAM A [EMPRESA CLIENTE] E A PBSYS AUTOMAÇÃO COMERCIAL LTDA ME PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE IMPLANTAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP Nº 29, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999 Estabelece a regulamentação da atividade de distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo, álcool combustível, mistura

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GRADE CURRICULAR 2008-2010 RIO CLARO 2010 1 REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I Da Origem, Finalidades e das Modalidades Art. 1º -

Leia mais

Port. DRF/CUIABÁ 30/13 - Port. - Portaria DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CUIABÁ - DRF/CUIABÁ nº 30 de 15.03.2013

Port. DRF/CUIABÁ 30/13 - Port. - Portaria DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CUIABÁ - DRF/CUIABÁ nº 30 de 15.03.2013 Port. DRF/CUIABÁ 30/13 - Port. - Portaria DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM CUIABÁ - DRF/CUIABÁ nº 30 de 15.03.2013 D.O.U.: 20.03.2013 (Publica o Regulamento Operacional da Área de Controle Integrado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 Esta Norma dispõe sobre a Regulamentação e Controle das Condições Sanitárias

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A ADMINISTRAÇÃO SANITÁRIA DE DEJETOS LÍQUIDOS E ÁGUAS SERVIDAS EM PORTOS, AEROPORTOS, TERMINAIS E PONTOS DE FRONTEIRA, NO MERCOSUL

CRITÉRIOS PARA A ADMINISTRAÇÃO SANITÁRIA DE DEJETOS LÍQUIDOS E ÁGUAS SERVIDAS EM PORTOS, AEROPORTOS, TERMINAIS E PONTOS DE FRONTEIRA, NO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 34/01 CRITÉRIOS PARA A ADMINISTRAÇÃO SANITÁRIA DE DEJETOS LÍQUIDOS E ÁGUAS SERVIDAS EM PORTOS, AEROPORTOS, TERMINAIS E PONTOS DE FRONTEIRA, NO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS Revisão: setembro/2012 Escola SENAI Santos Dumont CFP 3.02 Rua Pedro Rachid, 304 Santana São José dos Campos - SP Fone: (12) 3519-4850 Fax: (12) 3922-9060 ELABORAÇÃO

Leia mais

Manual de Credenciamento como Emissor de Nota Fiscal Eletrônica

Manual de Credenciamento como Emissor de Nota Fiscal Eletrônica Manual de Credenciamento como Emissor de Nota Fiscal Eletrônica Este documento descreve o processo de credenciamento de contribuintes de ICMS estabelecidos no Estado de Minas Gerais como Emissores de Nota

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Para que um estabelecimento esteja legalizado, é necessário, inicialmente, obter um alvará de licença, documento concedido pela Prefeitura.

Para que um estabelecimento esteja legalizado, é necessário, inicialmente, obter um alvará de licença, documento concedido pela Prefeitura. CARTILHA DE ALVARÁ Este pequeno manual abordará, de maneira simplificada, os requisitos para obtenção de alvará de licenciamento para a abertura de casa noturna ou boate. Para que um estabelecimento esteja

Leia mais

Sistema Integrado de Licenciamento - SIL

Sistema Integrado de Licenciamento - SIL Sistema Integrado de Licenciamento - SIL CERTIFICADO DE LICENCIAMENTO INTEGRADO SECRETARIA ESTADUAL DE GESTÃO PÚBLICA Prefeitura do Município de Tatuí Governo do Estado de São Paulo É importante saber

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH Documentos pessoais do requerente; Certidão Negativa do IPTU; Documento de responsabilidade técnica emitido pelo CREA ou CAU; Declaração do engenheiro ou arquiteto responsável pela obra; Aprovação do projeto

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO REQUISITOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PROF. MARCOS FERGÜTZ ABRIL/14 INTRODUÇÃO - Legislação Portaria no. 51, de 28 de janeiro de 2014, do INMETRO,

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA - EUSÉBIO ANÁLISE DOCUMENTAL PARA ANUÊNCIA DE LICENCIAMENTO

LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA - EUSÉBIO ANÁLISE DOCUMENTAL PARA ANUÊNCIA DE LICENCIAMENTO SIT Nº ÍTEM 1 LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA - EUSÉBIO ANÁLISE DOCUMENTAL PARA ANUÊNCIA DE LICENCIAMENTO Requerimento (formulário de solicitação) devidamente assinado pelo proprietário ou representante legal,

Leia mais

Empresa: MS/Vigilância em Saúde Ambiental. Contribuinte: Eric Fischer. CAPÍTULO I - Do Objeto. Descrição da Contribuição:

Empresa: MS/Vigilância em Saúde Ambiental. Contribuinte: Eric Fischer. CAPÍTULO I - Do Objeto. Descrição da Contribuição: Empresa: MS/Vigilância em Saúde Ambiental Contribuinte: Eric Fischer CAPÍTULO I - Do Objeto Recomendação: Esta norma legal não deve ser aprovada antes da promulgação do decreto que regulamentará a PNRS,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE DEPARTAMENTO DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE DEPARTAMENTO DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE DEPARTAMENTO DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE PROJETO MAIS MÉDICOS PARA O BRASIL MANUAL ORIENTADOR AO DISTRITO FEDERAL E AOS MUNICÍPIOS

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Secretaria da Administração

Secretaria da Administração Secretaria da Administração Procedimento para Elaboração de Programas de Segurança para Empresas Contratadas PCMSO / PPRA / PCMAT / ARO Revisão 00 2014 1. Objetivo Estabelecer as exigências mínimas sobre

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS SUPERIORES SUMÁRIO Apresentação...03 Regulamentação de estágio Estágio...04 Matrícula de estágio...05 Carga Horária e prazo para conclusão...05

Leia mais

Manual de Instruções Depósito Horizontal D.H.

Manual de Instruções Depósito Horizontal D.H. Manual de Instruções Depósito Horizontal D.H. Atenção: é recomendável que este manual seja lido por todos que participarão direta ou indiretamente da utilização deste produto. CONHEÇA O NOSSO PRODUTO ASSUNTOS

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO

CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO MERCOSUL/GMC/RES. N 27/03 CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as

Leia mais

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL

TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL TÍTULO: LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE HIDRÔMETROS DA EMPRESA DE SANEAMENTO DE CAMPINAS - UNIDADE MÓVEL Autor: Maurício André Garcia: Cargo atual: Coordenador Técnico de Micromedição e Uso Racional Formação:

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

IBRACON NPA nº 08 - Serviços de Auditoria dos Processos de Privatização

IBRACON NPA nº 08 - Serviços de Auditoria dos Processos de Privatização IBRACON NPA nº 08 - Serviços de Auditoria dos Processos de Privatização INTRODUÇÃO 1. O processo de venda de ativos, de modo geral, e de participações societárias, principalmente as majoritárias, em particular,

Leia mais

a) garantindo que todos os produtos químicos sejam avaliados com o fim de determinar o perigo que apresentam;

a) garantindo que todos os produtos químicos sejam avaliados com o fim de determinar o perigo que apresentam; Convenção 170 PRODUTOS QUÍMICOS A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho convocada em Genebra pelo Conselho da Administração do Departamento Internacional do Trabalho, e congregada

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos a serem adotados para a utilização dos meios de transporte na COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma, poderá ser necessário consultar:

Leia mais

Brasil: Autorização de Funcionamento de Empresas Farmoquímicas

Brasil: Autorização de Funcionamento de Empresas Farmoquímicas Brasil: Autorização de Funcionamento de Empresas Farmoquímicas Portaria nº 231 de 27/12/1996 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA Nº 231, DE 27 DE DEZEMBRO DE 1996 O Secretário

Leia mais

RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015 RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015 Altera os critérios e procedimentos para requerimento, emissão, revisão, extensão, suspensão e cancelamento do Credenciamento Institucional para

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) RELATÓRIO ANUAL PARA BARRAGENS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO, 2015 Relatório Anual de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 039/2015 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Análise e Aprovação dos Projetos dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS junho 2013 RDC ANVISA 51 de 06/10/2011 Dispõe sobre os requisitos mínimos para a análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen 1 SUMÁRIO Conteúdo 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O CURSO... 3 3. PERFIL DO TECNÓLOGO EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL... 3 4. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 3 5. CONDIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO... 5 6. MATRÍCULA...

Leia mais