MUNICÍPIO DO IPOJUCA LEI N 1554/2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MUNICÍPIO DO IPOJUCA LEI N 1554/2010"

Transcrição

1 MUNICÍPIO DO IPOJUCA LEI N 1554/2010 Ementa: Institui o Código de Vigilância Sanitária em Saúde e dá outras providências. O Prefeito do Município de Ipojuca, Estado de Pernambuco, no uso de suas atribuições conferidas pela Lei Orgânica Municipal, faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1 Esta Lei estabelece normas de ordem pública relativas à Vigilância Sanitária em Saúde, fundamentadas nos princípios expressos na Constituição Federal, nas normas de necessidades sociais para proteção, para defesa, para promoção, para prevenção e para recuperação da saúde, nos termos dos arts. 6 ; 23, II; 30, l, II, III, V, VII e VIII; 194 e 196 da Constituição Federal, da Lei federal n 8.080, de 19 de setembro de 1990 (Lei Orgânica da Saúde), da Lei Federal n 8.142, de 28 de dezembro de 1990, da Lei n de 3 de setembro de 1954 e na Lei Orgânica do Município do Ipojuca. Art. 2 A saúde constitui um direito fundamental do ser humano, sendo dever do Poder Público e da coletividade adotar medidas com o objetivo de assegurá-lo, mediante políticas ambientais e outras que visem à prevenção e à eliminação do risco de doenças e outros agravos à saúde, objetivando: l - garantir condições de segurança sanitária na produção, comercialização e no consumo de bens e serviços de interessp^ç sai incluindo procedimentos, métodos e técnicas de seu interesse:,

2 II - assegurar e promover ações destinadas à prevenção e ao controle de doenças, agravos e fatores de risco à saúde pública; III - assegurar e promover a participação da comunidade nas ações relativas à saúde. Art 3 Para a execução dos objetivos definidos nesta Lei, incumbe: I - ao Município, concorrentemente com a União e com o Estado, zelar pela promoção e recuperação da saúde e pelo bem-estar físico, mental e social das pessoas e da coletividade; II - à coletividade e aos indivíduos, em particular, cooperar com órgãos e entidades competentes na adoção de medidas que visem à promoção, à proteção e à recuperação da saúde dos indivíduos por meio da Vigilância Sanitária em Saúde; III - à Secretária Municipal de Saúde, a execução dos serviços ligados à Vigilância Sanitária em Saúde. CAPITULO l DAS COMPETÊNCIAS Art. 4 Os profissionais da equipe de Vigilância Sanitária em Saúde, investidos nas suas funções fiscalizadoras, e tendo como prerrogativa de suas ações o poder de polícia sanitária, são competentes para fazer cumprir as leis e os regulamentos sanitários, expedindo termos, autos de infração, impondo penalidades, referentes à prevenção e ao controle de tudo quanto compromete a saúde da coletividade. Art. 5 À Secretaria Municipal de Saúde, além de outras atribuições, nos termos da Lei, compete: l - executar serviços e programas de Vigilância Sanitária em Saúde; II - nos limites de sua competência, normatizar/eín) caráter complementar, procedimentos para controle de qualidade/pévprouutos e substâncias de consumo humano;

3 III - definir as instâncias e os mecanismos de controle e de fiscalização das ações e dos serviços de saúde; IV - participar, junto aos órgãos afins, do controle dos agravos do meio ambiente, incluindo o do trabalho que tenham repercussão na saúde individual ou coletiva; V - participar da formulação da política e da execução das ações de saneamento básico. CAPITULO II DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM SAÚDE Art 6 Ao Município do Ipojuca, com a cooperação técnica e financeira do Estado e da União, compete executar as ações de controle e de fiscalização dos serviços, dos produtos e dos estabelecimentos cuja atividade esteja submetida ao poder de polícia sanitária municipal. Pode, para tanto, legislar complementarmente sobre aquilo que não lhe é vedado. Art. 7 Compete à Vigilância Sanitária em Saúde exercer o controle e a fiscalização da produção, da manipulação, do armazenamento, do transporte, da distribuição, do comércio e do uso de: I - drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos, produtos biológicos, nutrientes e congêneres; II - cosméticos, produtos de higiene, de perfumaria e congêneres; III - saneantes domissanitários, compreendendo inseticidas, raticidas, defensivos agrícolas, desinfetantes e congêneres; IV alimentos, matéria-prima alimentar, alimento enriquecido, alimento dietético, alimento de fantasia e artificial, alimento irradiado, aditivo e produto alimentício; V - água para o consumo humano; VI - outros produtos ou substâncias que interessem à saúde da população. Parágrafo único. Ficam adotadas as definições con Legislação Federal e da Estadual, próprias, no que se refere acima citados.

4 Art. 8 No desempenho de sua ação fiscalizadora, a Vigilância Sanitária em Saúde exercerá o controle e a fiscalização dos estabelecimentos onde sejam produzidos, manipulados, armazenados, comercializados e distribuídos os produtos e substâncias citadas no artigo anterior. Pode ainda, colher amostras para análises e realizar apreensão de tudo que não satisfizer as exigências regulamentares de segurança e de qualidade ou forem utilizados inadequadamente, ou comercializados ilegalmente, como também, poderá interditar e inutilizar aqueles que, comprovadamente, possam causar riscos ou danos à saúde da população. Art. 9 De igual modo, a Autoridade Sanitária fiscalizará os dizeres dos rótulos, das bulas, dos prospectos e das embalagens dos produtos citados no art. 6, bem como os dizeres de propaganda, qualquer que seja o meio de divulgação. Art. 10. O controle e a fiscalização de que trata esta Lei, quando couber, atingirá a Administração Pública, as paraestatais e as associações privadas de qualquer natureza. Art. 11. A Vigilância Sanitária em Saúde exercerá o controle e a fiscalização dos serviços de saúde e das condições de exercício de profissões que se dediquem à promoção, à proteção e à recuperação da saúde. Parágrafo único. Pode a Vigilância Sanitária em Saúde fiscalizar, inspecionar, solicitar providências, ter acesso a tudo que possa comprometer a saúde da coletividade, inclusive, tendo livre acesso às residências, aos estabelecimentos e aos terrenos de pessoas físicas ou jurídicas, desde que os seus inspetores estejam devidamente identificados. Art. 12. À Autoridade Sanitária cabe licenciar e fiscalizar os serviços, tais como: I - hospitais; II - clínicas médicas de diagnóstico, odontológicas, veterinárias e congêneres; III - consultórios médicos, odontológicos, fisioterápicos, veterinários e congêneres; IV - laboratórios de análises clínicas, patológicas, toxicológicas e bromatológicas, e congêneres; V - hemocentros, bancos de sangue e agências transfusionais e congêneres; VI - bancos de leite humano, de olhos, de órgãos e cong

5 VII - laboratórios e oficinas de órteses e próteses odontológicas, ortopédicas e congêneres; congêneres; congêneres; VIII - institutos e clínicas de beleza, estética, barbearias, ginástica e IX - clubes sociais, estabelecimentos balneários, colônias de férias e X - hotéis, motéis, pensões, dormitórios e congêneres; XI - clínicas de repouso, casas psiquiátricas, geriátricas, de toxicomanias, de indigentes e congêneres; XII - casas de artigos cirúrgicos, ortopédicos, odontológicos e congêneres; XIII - casas que industrializem e comercializem lentes oftálmicas e de contato e congêneres; XIV - creches, escolas, orfanatos e congêneres; XV - unidade médica-sanitária; XVI -farmácias, drogarias, distribuidoras de medicamentos, ervanários e congêneres, XVII - delegacias, estabelecimentos prisionais e congêneres; XVIII - teatros, parques de diversão, cinemas, circos e congêneres; XIX - bares, refeitórios, restaurantes e congêneres; XX - comércio ambulante de alimentos e feiras livres; XXI - açougue, peixaria e congêneres, XXII - congêneres; mercados, supermercados, mercearias, vendas, fiteiros e XXIII - estabelecimentos que prestam serviços de desratização, desinsetização e congêneres; XXIV - casas funerárias, inumação, exumações, trasladações, cremações e congêneres; XXV - cemitérios, crematórios, necrotérios, locais e congêneres; XXVI - lavanderias, tinturarias e congêneres;

6 XXVII - extração, produção, armazenagem, envasamento, transporte, venda e distribuição de água para consumo humano ou animal; população. XXVIII - abatedouros, matadouros, criatórios e congêneres; XXIX - outros serviços e estabelecimentos que interessem à saúde da Parágrafo único. Em quaisquer dos estabelecimentos acima referidos, onde existam piscinas, banheiras e congêneres terão de atender às exigências da legislação em vigor. CAPITULO III DA CRIAÇÃO DE ANIMAIS EM ZONA URBANA Art. 13. A critério da Autoridade Sanitária será permitida a criação e/ou alojamento e/ou manutenção em residências particulares de animais de espécie canina e/ou felina, desde que atendidas às normas legais pertinentes, em especial observando-se que: l - é proibida a criação de animais ungulados e equídeos nas zonas urbanas; M - a criação e a manutenção de animais, de aves e de outros que sejam de interesse comercial, assim como os canis de propriedade privada e as atividades congêneres, somente poderão funcionar após vistoria técnica efetuada pela Autoridade Sanitária. Na oportunidade, serão examinadas as condições de alojamento e manutenção de animais. Após este procedimento, será expedida licença pela Vigilância Sanitária em Saúde, atendidas as disposições legais. Parágrafo único. As instalações existentes na data de publicação desta Lei, que contrariarem as condições estabelecidas nela, terão o prazo de até 6 (seis) meses para adequação, remoção ou desativação, podendo a Autoridade Sanitária, face à verificação de iminente risco à saúde, interditar qualquer instalação ou estabelecimento imediatamente. Art. 14. É de responsabilidade dos proprietários dos animais a perfeita condição de alojamento, de alimentação, de saúde e de bem-estar assim como as providências pertinentes à remoção dos dejetos por

7 Art. 15. O trânsito de animais em logradouros públicos somente será permitido quando não ofereçam riscos à saúde e à segurança de pessoas e estejam devidamente contidos, vacinados e acompanhados dos proprietários ou possuidores. 1 É proibido o trânsito de animais na faixa litorânea de areia, bem como banhá-los no mar das praias do Ipojuca. 2 É de responsabilidade de quem conduzir os animais, o recolhimento dos dejetos por eles produzidos. Art. 16. Os animais não poderão sofrer maus-tratos de espécie alguma por parte de seus proprietários, possuidores ou terceiros, constituindo tal prática infração grave, como definida neste código. Art. 17. As denúncias relativas a maus-tratos em animais de qualquer espécie serão encaminhadas à autoridade policial competente. Art. 18. É proibido manter quaisquer animais, que por sua espécie, quantidade ou pelas instalações inadequadas, possam ser ou concorrer para ocasionar insalubridade ou incômodo à vizinhança. Art. 19. Será apreendido todo e qualquer animal: l - encontrado solto, em logradouros ou em outros locais de livre acesso ao público, desobedecendo ao estabelecido em norma legal ou regulamentar; II - suspeito ou comprovadamente acometido por zoonose; III - que seja mantido em condições inadequadas de vida ou alojamento, contrários às normas de saúde; IV - cuja criação seja vedada em virtude de lei;

8 V - que cause incômodo à vizinhança ou risco à saúde e à segurança das pessoas; VI - a pedido dos responsáveis, desde que doentes ou que provoquem riscos à saúde e ou à segurança. Art. 20. Os animais apreendidos, com exceção daqueles especificados no inciso II do art. 19, ficarão à disposição dos respectivos proprietários ou dos possuidores, que somente poderão resgatá-los mediante pagamento de taxa à Secretaria de Saúde e confirmação de que tenham resolvido os motivos da apreensão. 1 O prazo de resgate dos animais apreendidos e encaminhados para o Centro de Vigilância Animal - CVA do Ipojuca é de 5 (cinco) dias para todas as espécies de animais, a contar da data da apreensão. 2 Se, após decorrido o prazo descrito no parágrafo anterior, nenhum proprietário, possuidor ou interessado efetuar o resgate, cabe a Secretaria de Saúde: l - alienar o animal, mediante leilão administrativo, na forma da lei; II - doar o animal a pessoas físicas ou jurídicas, que por eles se responsabilizarem, ou, preferencialmente, a instituições de ensino e/ou pesquisas ligadas à área de saúde; III - os animais apreendidos poderão ser castrados, a critério da Autoridade Sanitária; IV - disponibilizar para adoção, no prazo de 1 (um) mês da data da apreensão, podendo ser renovado por igual período. Art. 21. É proibido abandonar animais em qualquer área do território do Município do Ipojuca. Parágrafo único. Os animais indesejados serão encaminhados pelo proprietário ao Centro de Vigilância Animal - CVA do Ipojuca. Art. 22. A Prefeitura Municipal do Ipojuca não responde por indenizações, nos casos de danos e de óbitos relativos aos animais\ apreendidos ou deixados, salvo comprovação do dolo ou da qualquer agente público municipal. / f\ ü / f Ot 8

9 Art. 23. Para liberação do animal apreendido, o proprietário deverá recolher junto ao serviço de Vigilância Sanitária o valor correspondente a: I - apreensão: a) animais de pequeno porte - R$ 22,00 (vinte e dois reais); b) animais de médio porte - R$ 42,00 (quarenta e dois reais); c) animais de grande porte - R$ 84,00 (oitenta e quatro reais); II -diária por animal: a) animais de pequeno porte - R$ 11,00 (onze reais); b) animais de médio porte - R$ 21,00 (vinte e um reais); c) animais de grande porte - R$ 42, 00 (quarenta e dois reais). 1 Os valores arrecadados com o disposto neste artigo serão destinados ao próprio custeio dos serviços ali prestados. 2 Em caso de reincidência, as taxas dispostas neste artigo serão cobradas em dobro. 3 Todos os valores em reais (R$), dispostos nesta Lei, serão atualizados em janeiro de cada ano, pelo índice de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA, nos moldes do que prevê o Código Tributário Municipal do Ipojuca. Art. 24. O proprietário do animal fica obrigado a permitir o acesso da Autoridade Sanitária quando no exercício de suas funções, bem como acatar as determinações por ela emanadas. Art. 25. A manutenção de animais em edifícios condominiais será regulamentada pelas respectivas convenções, obedecendo a legislação municipal em vigor.

10 Art. 26. Todo proprietário de animal é obrigado a mantê-lo permanentemente imunizado contra a raiva, de acordo com a legislação sanitária. Art. 27. Em caso de falecimento do animal, cabe ao proprietário dar a disposição adequada ao cadáver, ou seu encaminhamento ao serviço de verificação de óbito competente. Art. 28. São proibidos no Município do Ipojuca, salvo em situações excepcionais, a juízo do órgão sanitário e do órgão do meio ambiente, a criação, a manutenção e o alojamento de animais selvagens ou que estejam protegidos pela legislação de proteção à fauna. Art. 29. É proibida a exibição de toda e qualquer espécie de animal, bravio ou selvagem, que cause danos à população, ainda que domesticado, em vias e logradouros públicos ou locais de livre acesso ao público. CAPITULO IV DA VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE Art. 30. Constitui finalidade das ações da Vigilância Ambiental em Saúde, o enfrentamento dos problemas ambientais e ecológicos relacionados à saúde, de modo a serem sanados ou minimizados a fim de não representarem risco à saúde da população. Parágrafo único. São fatores ambientais de risco à saúde aqueles decorrentes de qualquer situação ou atividade no meio ambiente, principalmente os relacionados ao ambiente construído em que haja condições para a permanência e ou proliferação de vetores e pragas, ao saneamento ambiental, à proliferação de artrópodes nocivos, a vetores e hospedeiros intermediários, às atividades produtivas e de consumo, às substâncias perigosas, tóxicas, explosivas, inflamáveis, corrosivas e radtdatwaa e a quaisquer outros fatores que ocasionem ou possam vir a oca^iorf^r ri/cos ou danos à saúde, à vida ou à qualidade de vida.

11 Art. 31. A Autoridade Sanitária, motivadamente, poderá determinar intervenções em saneamento ambiental, visando contribuir para a melhoria da qualidade de vida e da saúde da população. Art. 32. É proibido descarregar, lançar ou dispor de qualquer resíduo, industrial ou não, sólido, líquido ou gasoso, que não tenha recebido adequado tratamento determinado pela Autoridade de Saúde, em especial do órgão responsável pelo meio ambiente. Art. 33. É obrigatório dar o escoamento adequado das águas servidas ou residuárias, oriundas de qualquer atividade, e das pluviais, em sua propriedade, conforme as disposições regulamentares, normas e instruções da autoridade de saúde. 1 O Poder Executivo Municipal implementará política de realocação, a partir de cadastro do comércio informal de alimentos e de cosméticos; 2 Não poderá ser realizado nenhum procedimento que gere resíduos líquidos ou sólidos que venham a poluir o meio ambiente. Art. 34. Os proprietários ou responsáveis por edificações, por terrenos e por áreas anexas serão responsáveis pelas condições de limpeza e deverão destruir os focos existentes, bem como tornar estes locais desfavoráveis à proliferação de vetores e de animais que causam prejuízos à saúde e ao bemestar do ser humano, independentemente de qual seja a finalidade ou o uso do imóvel. Art. 35. O pessoal da execução das atividades de combate a endemias, tendo em vista o controle e, se possível, a erradicação das espécies responsáveis pela existência ou pela propagação de doenças, deverá ter acesso facilitado às áreas de trabalho e receber toda colaboração das autoridades locais e dos proprietários dos imóveis. CAPITULO V DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Art, 36. É obrigatória a notificação de casos e de óbitos, suspeitos ou confirmados, de doenças ou agravos, aos serviços de vigilânclsí^ííideraniológica municipal e estadual por médicos e ou outros profissionais/ox/saúcfe sempre que:

12 I - seja exigida pelo Regulamento Sanitário Internacional; II - esteja sob a vigilância da Organização Mundial de Saúde, a saber; III - seja exigida pela legislação federal vigente ou órgãos do Sistema Único de Saúde - SUS. Art. 37. É obrigatória a notificação de epidemias mesmo que não sejam decorrentes de doenças ou de agravos cuja notificação seja compulsória de caso individual. Art. 38. É obrigatória a notificação ao Estado e/ou Município sobre doenças e outros agravos que sejam de interesse epidemiológico. Parágrafo único. Os profissionais ligados à área de saúde estão obrigados a notificar os casos de doenças e de outros agravos às autoridades municipais, para que sejam tomadas as devidas providências. Art. 39. A informação sobre doenças ou agravos à saúde poderá ser feita pessoalmente, por telefone ou por outro meio qualquer, não prescindindo da notificação por escrito em nenhuma das situações. Art. 40. Todas as informações do Sistema de Vigilância Epidemiológica são sigilosas, ficando sujeitos às penas impostas pela quebra do segredo profissional, os profissionais de saúde do Sistema Público ou Privado, que pela natureza de suas atividades, tenham conhecimento das informações das doenças de notificação compulsória. Parágrafo único. Não constitui quebra do segredo médico a revelação dos casos de doenças de notificação compulsória à Autoridade Sanitária. Art. 41. A ocorrência de zoonoses em animais deverá ser notificada, imediatamente, à Autoridade Sanitária, por médico veterinário ou por qualquer outra pessoa que tenha conhecimento da doença. Art. 42. A Autoridade Sanitária poderá determinar realização de exames e de pesquisas que julgar necessários para o esclarecimento de qualquer caso suspeito de doenças de notificação compulsória ou de agravo que ponha em risco à saúde da coletividade. Parágrafo único. A recusa do doente, ou de se execução dos exames e das pesquisas poderá impl penalidade, nos termos do presente Lei.

13 Art. 43. A notificação de doenças e de outros agravos poderá ser feita por qualquer cidadão, sendo obrigatória para todos os profissionais de saúde e para todos os servidores que fazem parte da assistência à saúde. Art. 44. Compete à Autoridade Sanitária determinar e coordenar, em caso confirmado ou suspeito de doença de notificação compulsória, a execução de medidas de controle e de profilaxia estabelecidas pelas normas do Sistema Ünico Saúde - SUS. Art. 45. A Autoridade Sanitária poderá, na vigência de epidemias, promover a adoção de medidas de controle adequadas, podendo, inclusive, solicitar a colaboração de outros setores da Administração Pública e/ou Privada, quando julgar necessária. Art. 46. Serão dadas todas as facilidades de acesso a domicílios, a locais de trabalho, a escolas, a internatos, a hotéis e a outros locais, no sentido de que a Autoridade encarregada de realizar a investigação epidemiológica possa identificar a fonte de infecção, os meios de transmissão, a ocorrência de casos e secundários. Art. 47. A Autoridade Sanitária poderá determinar para os portadores de casos suspeitos de doenças de notificação compulsória e de outros agravos, a aplicação de medidas de controle e/ou interdição de atividades que ponham em risco a saúde da coletividade. Art. 48. A Autoridade Sanitária poderá exigir o tratamento, bem como o isolamento hospitalar ou domiciliar, dos indivíduos acometidos por uma das doenças de notificação compulsória como medida de proteção individual e coletiva: l - sempre que possível, o isolamento deverá ser mantiátífatélque o doente deixe de eliminar o agente etiológico da doen^a/^f? notificação compulsória;

14 II - quando a Autoridade Sanitária julgar indicado, o período de eliminação dos agentes etiológicos das doenças de notificação compulsória será verificado através dos resultados dos exames laboratoriais. Art. 49. A Autoridade Sanitária poderá exigir, para os comunicantes das doenças de notificação compulsória, a adoção de medidas que visem evitar a disseminação das mesmas. Parágrafo único. O tempo de adoção dessas medidas não poderá exceder o período máximo de incubação estabelecido para a doença considerada. Art. 50. Na iminência ou vigência de epidemia ou de surtos, a Autoridade Sanitária poderá determinar o fechamento total ou parcial de qualquer ponto comercial ou estabelecimento, público ou privado, desde que haja indícios de estar contribuindo para o contágio, para a propagação ou para a proliferação das doenças, Art. 51. A Autoridade Sanitária poderá, sempre que necessário, proceder ao exame dos registros de laboratórios ou de qualquer outro método diagnóstico relativos às doenças de notificação compulsória e de outros agravos de interesse a saúde coletiva. Art. 52. É obrigatório o preenchimento da Declaração de Nascidos Vivos para toda criança que, ao nascer, apresente qualquer sinal de vida, independente do tempo de vida intra-uterina. Art. 53. O modelo da Declaração de Nascidos Vivos e o de Declaração de Óbito no Município é o padronizado pela esfera federal, não podendo ser utilizado outro tipo de impresso. CAPÍTULO VI DA TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS SUJEITOS ÀS NORMAS DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA EM SAÚDE Art. 54. Todos os requerimentos, denúncias, queixas ou quaisquer documentos endereçados aos Órgãos Municipais e que tratarem de assuntos sujeitos às normas da Vigilância Sanitária em Saúde, serão encaminhados à Área de Vigilância Sanitária em Saúde da Secretaria MujtóÍGãrtctè Saudando Ipojuca, para formalização, fiscalização e demais providfncia$éatyveis. 14

15 Art. 55. Os estabelecimentos cadastrados na Área de Vigilância Sanitária em Saúde e Epidemiológica terão pastas próprias para arquivo de todas as ocorrências verificadas, bem como os resultados de processos administrativos, sanções aplicadas e outras informações de interesse da Vigilância Sanitária em Saúde. Parágrafo único. Dos documentos de que trata o caput, poderão ser solicitadas vistas pelo proprietário do estabelecimento ou pelo seu representante legal, não podendo os mesmos serem reproduzidos por qualquer meio, bem como serem divulgadas as informações neles contidas, sob pena de responsabilidade funcional. CAPITULO VII DA LICENÇA PARA CONSTRUIR Art. 56. Deverão ser obedecidas as normas sanitárias, quando da construção, da ampliação, da reforma e da reconstrução de qualquer imóvel comercial, habitacional ou para qualquer outro fim, no território do Município do Ipojuca. Parágrafo único. A Secretaria Municipal de Saúde, através da Vigilância Sanitária em Saúde, avaliará os aspectos sanitários e o impacto ambiental da obra esboçada no projeto arquitetônico, com emissão do laudo técnico de aprovação ou não. CAPÍTULO VIII DA CONCESSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Art. 57. O Alvará Sanitário é o documento emitido pela Vigilância Sanitária em Saúde, mediante requerimento, solicitado por todos os estabelecimentos, que pela natureza das atividades desenvolvidas, possam comprometer a proteção e a preservação da saúde pública e individual, sendo obrigatório para o exercício de suas atividades. 1 Ficam submetidas também à concessão de Alvará empresas responsáveis pelos serviços de abastecimento de ág

16 consumo humano, de serviços de tratamento e canalização de esgotos e águas pluviais e aquelas responsáveis pela coleta, transporte, tratamento, reciclagem e destinação final de resíduos sólidos de qualquer natureza, quer sejam públicas ou privadas. 2 O Alvará Sanitário poderá ser anulado ou cassado, a qualquer tempo, sem direito a indenizações, como resultado de conclusão de processo administrativo. CAPITULO IX DA LICENÇA PARA FUNCIONAMENTO Art. 58. A licença para o funcionamento será expedida pela Prefeitura Municipal do Ipojuca, através da repartição competente, mediante Alvará para Localização e Funcionamento. 1 A anulação da licença para funcionamento do estabelecimento implica suspensão temporária do Alvará Sanitário, que só será liberado novamente, caso as irregularidades sejam sanadas e as determinações feitas pelas autoridades sanitárias sejam cumpridas. 2 Todos os estabelecimentos industriais e comerciais são obrigados a possuir o Alvará de Localização e Funcionamento para o exercício de suas atividades. 3 Transcorridos 90 (noventa) dias, sem o atendimento das exigências para concessão da Licença, a contar da data de protocolização do requerimento de licença ou da Notificação, considerar-se-á indeferido o pedido. CAPITULO X DA CONCESSÃO DO HABITE-SE SANITÁRIO Art. 59. O documento de regularidade sanitária será obrigatório para todos os estabelecimentos comerciais, industriais e resj féfl iajs e ser expedido pela Vigilância Sanitária em Saúde mediante requerimento

17 Parágrafo único. A liberação de toda e qualquer construção, reparação ou modificação de imóveis somente será efetuada após vistoria da Autoridade Sanitária. CAPITULO XI DO FUNCIONAMENTO DE ESTABELECIMENTOS DE INTERESSE À SAÚDE Art 60. Todos os estabelecimentos de interesse à saúde, antes de iniciarem suas atividades, devem encaminhar à Vigilância Sanitária em Saúde declaração de que suas atividades, instalações, recursos humanos e equipamentos obedecem à legislação municipal vigente para fins de obtenção do Cadastro Municipal de Vigilância Sanitária em Saúde. 1 Os estabelecimentos devem comunicar à Vigilância Sanitária em Saúde as modificações nas instalações e nos equipamentos, bem como a inclusão de qualquer atividade ou outras alterações que repercutam na identidade, na qualidade e na segurança dos produtos oferecidos à população. 2 Constatado que as declarações e comunicações previstas neste artigo são inverídicas, deverá a Autoridade Sanitária comunicar o fato ao Ministério Público, para fins de eventual apuração de ilícito penal, sem prejuízo da adoção dos demais procedimentos administrativos. Art. 61. Todo estabelecimento que mantenha transporte de pacientes, bem como de produtos e de substâncias de interesse à saúde, deve apresentar, perante à Autoridade Sanitária competente, declaração individualizada de cada veículo, devendo nela constar equipamentos e recursos humanos para fins de cadastra me nto. CAPITULO XII DO PROCESSO ADMINISTRATIVO Art. 62. As infrações sanitárias serão apura^ás/feri yprocesso administrativo próprio, iniciado com a lavratura do auto d^nr^^ao, jzídservados o rito e os prazos estabelecidos nesta Lei. 17

18 Art. 63. O auto de infração será lavrado pela Autoridade Sanitária, na sede da repartição competente ou no local em que for verificada a infração, devendo conter: I - nome do infrator, seu domicílio e sua residência, bem como os demais elementos necessários à sua qualificação; II - local, data e horário da lavratura onde a infração foi verificada; III - descrição da infração, do dispositivo legal ou regulamentar transgredido; legal; IV - penalidade a que está sujeito o infrator, com o devido embasamento V - ciência, por parte do autuado, de que responderá pelo fato verificado pela Autoridade Sanitária, em sede de processo administrativo; VI - assinatura do autuado ou, na sua ausência ou recusa, de 2 (duas) testemunhas e da autoridade autuante; VII - prazo para interposição de recurso cabível; Parágrafo único. Havendo recusa do infrator em assinar o auto, será feita, neste, a menção do fato, com indicação precisa dos dados circunstanciais, como data, hora, local e alegações do autuado. Art. 64. O infrator será notificado para ciência da infração por qualquer dessas modalidades: I - pessoalmente, por escrito; II - pelo correio, na forma de aviso de recebimento - A.R.; III - por edital, se estiver em local incerto e/ou não sabido. Parágrafo único. O edital a que se refere o inciso publicado uma vez, na sede da Prefeitura do Município ou na da Vereadores do Município, considerando-se efetivada a notificaçã sua publicação.

19 CAPÍTULO XIII DA DEFESA Art 65. O infrator poderá oferecer defesa ou impugnação do auto de infração no prazo de 15 (quinze) dias, contado de sua notificação. 1 A petição da defesa, acompanhada dos documentos que a sustentam, deverá ser assinada pelo autuado ou pelo seu representante legal e protocolada na sede da repartição que deu origem ao processo. 2 Apresentada a defesa ou a impugnação ao auto de infração, será ele julgado pela autoridade sanitária competente. 3 Não apresentada defesa ou impugnação ao auto de infração, no prazo de 15 (quinze) dias após sua lavratura, o mesmo será considerado procedente. Art. 66. Os processos nos quais haja sido oferecida defesa serão julgados, em primeira instância, pelo Diretor responsável pela Vigilância Sanitária em Saúde, no prazo de 30 (trinta) dias. Art, 67. A decisão deverá ser clara, precisa e, sobretudo, fundamentada e conter: l - relatório do processo; U - os fundamentos de fato e de direito do julgamento; III - a precisa indicação dos dispositivos legais infringidos, bem como daqueles que cominam as penalidades aplicadas; IV - o valor da multa, quando couber. Art. 68. Do julgamento em primeira instância, será notificado o autuado através de expediente acompanhado da íntegra da decisão,/sejtdo-lhe dado prazo de 15 (quinze) dias para recurso à segunda instância/^/^co^imento da multa, se houver.

20 Parágrafo único. Após proferido o julgamento, havendo indício da ocorrência de crime contra a saúde pública, será remetida ao Ministério Público, cópia de inteiro teor do processo. Art. 69. Da decisão de primeira instância caberá recurso voluntário, que será apreciado e decidido pelo Secretário Municipal de Saúde e na sua ausência ou impedimento, pelo Prefeito do Município. Parágrafo único. Será irrecorrível, no âmbito administrativo, a decisão que julgar o recurso voluntário. Art. 70. Os recursos interpostos das decisões de primeira instância, somente terão efeito suspensivo relativamente ao pagamento da penalidade pecuniária, não impedindo a imediata exigibilidade do cumprimento da obrigação que deu origem ao auto de infração. CAPÍTULO XIV DAS NOTIFICAÇÕES Art. 71. As notificações serão procedidas: l - pessoalmente, e mediante aposição de assinatura do autuado ou de seu representante, sendo entregue ao autuado a primeira via do documento; II - por via postai, com AR, mediante o encaminhamento da primeira via do documento; III - por edital, quando a pessoa, a quem é dirigido o documento, estiver em lugar incerto e/ou não sabido. Parágrafo único. Presume-se, para efeito de notificação, representante legal da pessoa jurídica, aquele que for responsável pelo o estabelecimento no ato da notificação. Art. 72. Presumir-se-ão feitas as notificações: l - quando por via postal, da data da juntada do A.R. processo administrativo;

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro Lei Municipal Nº 3.704 1 SEÇÃO IV DAS PENALIDADES I DO COMÉRCIO DE FEIRAS LIVRES, AMBULANTES, QUIOSQUES E EVENTUAIS Artigo 35 - As infrações a este Código estão sujeitas às seguintes penalidades: a- sanção:

Leia mais

CRIA CODIGO MUNICIPAL DE VIGILANCIA SANITARIA DE DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS

CRIA CODIGO MUNICIPAL DE VIGILANCIA SANITARIA DE DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS LEI Nº 205/99 CRIA CODIGO MUNICIPAL DE VIGILANCIA SANITARIA DE DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Prefeito Municipal de Irupi, Estado da Espirito Santo, no uso de suas atribuições legais, faço saber que a Câmara

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.437, DE 20 DE AGOSTO DE 1977. Configura infrações à legislação sanitária federal, estabelece as sanções respectivas, e dá

Leia mais

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO ÚNICO

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO ÚNICO LEI N 2.232, DE 11 DE MAIO DE 1998 Institui o Sistema Municipal de Vigilância Sanitária e contém outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE QUIRINÓPOLIS APROVOU E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

Anvisa - Legislação - Leis

Anvisa - Legislação - Leis Page 1 of 11 Lei nº 6.437, de 20 de agosto de 1977 DOU de 24/08/1977 Configura infrações à legislação sanitária federal, estabelece as sanções respectivas, e dá outras providências. O Presidente da República,

Leia mais

DECRETO N.º 187, DE 09 DE AGOSTO DE l991

DECRETO N.º 187, DE 09 DE AGOSTO DE l991 DECRETO N.º 187, DE 09 DE AGOSTO DE l991 Regulamenta a Lei n.º 6.446, de 5 de outubro de 1977, que dispõe sobre a inspeção e fiscalização obrigatórias do sêmen destinado à inseminação artificial em animais

Leia mais

Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências.

Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências. LEI Nº 10.099, DE 07 DE FEVEREIRO DE 1994. Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço saber, em cumprimento

Leia mais

Lei Municipal Nº 3.704 1

Lei Municipal Nº 3.704 1 Lei Municipal Nº 3.704 1 EMENTA: INSTITUI O CÓDIGO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE VOLTA REDONDA. A Câmara Municipal de Volta Redonda aprova e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

Lei Municipal Nº 3.704 1

Lei Municipal Nº 3.704 1 Lei Municipal Nº 3.704 1 EMENTA: INSTITUI O CÓDIGO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE VOLTA REDONDA. A Câmara Municipal de Volta Redonda aprova e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

Lei Nº 000/2001 em 00 de abril de 2001. O PREFEITO MUNICIPAL DE MONTADAS, FAÇO SABER QUE O PODER LEGISLATIVO APROVOU E EU SANCIONO A PRESENTE LEI:

Lei Nº 000/2001 em 00 de abril de 2001. O PREFEITO MUNICIPAL DE MONTADAS, FAÇO SABER QUE O PODER LEGISLATIVO APROVOU E EU SANCIONO A PRESENTE LEI: Lei Nº 000/2001 em 00 de abril de 2001. DISPÕE SOBRE O CÓDIGO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DO MUNICÍPIO DE MONTADAS- PB, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE MONTADAS, FAÇO SABER QUE O PODER LEGISLATIVO

Leia mais

LEI Nº 6.437 DE 20 DE AGOSTO DE 1977(Publicado no D.O.U. de 24.8.1977, pág. 11145)

LEI Nº 6.437 DE 20 DE AGOSTO DE 1977(Publicado no D.O.U. de 24.8.1977, pág. 11145) LEI Nº 6.437 DE 20 DE AGOSTO DE 1977(Publicado no D.O.U. de 24.8.1977, pág. 11145) Configura infrações à legislação sanitária federal, estabelece as sanções respectivas, e dá outras providências. O Presidente

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária Lei nº 6.437, de 20 de agosto de 1977 Configura infrações à legislação sanitária federal, estabelece as sanções respectivas, e dá outras providências O Presidente da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.437, DE 20 DE AGOSTO DE 1977. Configura infrações à legislação sanitária federal, estabelece as sanções respectivas, e dá

Leia mais

REESTRUTURA o Sistema de Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Amazonas e dá outras providências.

REESTRUTURA o Sistema de Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Amazonas e dá outras providências. LEI N.º 3.097, de 27 de Novembro de 2006. REESTRUTURA o Sistema de Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Amazonas e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS FAÇO SABER a todos os habitantes

Leia mais

LEI Nº 744/2013 De 12 de junho de 2013.

LEI Nº 744/2013 De 12 de junho de 2013. LEI Nº 744/2013 De 12 de junho de 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS RELATIVOS À COLETA DE LIXO HOSPITALAR E/OU RESIDUOS PERIGOSOS NO MUNICÍPIO DE CARBONITA/MG E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º - Por resíduos perigosos entende-se todo o lixo produzido por:

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º - Por resíduos perigosos entende-se todo o lixo produzido por: 1 LEI Nº 897, DE 10 DE OUTUBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE "PROCEDIMENTOS RELATIVOS AOS RESÍDUOS PERIGOSOS" E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Mangaratiba faz saber que a Câmara Municipal de Mangaratiba,

Leia mais

Os documentos obrigatórios que devem estar presentes numa licitação para aquisição de correlatos

Os documentos obrigatórios que devem estar presentes numa licitação para aquisição de correlatos Os documentos obrigatórios que devem estar presentes numa licitação para aquisição de correlatos Aldem Johnston Barbosa Araújo Advogado da UEN de Direito Administrativo do Escritório Lima & Falcão e assessor

Leia mais

LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. LEO MIGUEL WESCHENFELDER, Prefeito Municipal de Porto Lucena, Estado do Rio Grande do Sul,

LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. LEO MIGUEL WESCHENFELDER, Prefeito Municipal de Porto Lucena, Estado do Rio Grande do Sul, LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO AMBIENTAL, AS INFRAÇÕES E PENALIDADES AMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DE PORTO LUCENA E INSTITUI TAXAS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. LEO MIGUEL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARGARIDA CEP 36.910-000 ESTADO DE MINAS GERAIS.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARGARIDA CEP 36.910-000 ESTADO DE MINAS GERAIS. CÓDIGO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA LEI Nº 1330 DE 2013 LEI N.º 1.330/2013 Cria Código de Vigilância Sanitária. O Prefeito Municipal de Santa Margarida, no uso de suas atribuições legais que lhe confere a Lei

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.963, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre a Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Acre. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado do Acre

Leia mais

RESPONSABILIDADE TÉCNICA T COMÉRCIO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS

RESPONSABILIDADE TÉCNICA T COMÉRCIO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS Serviço o Público P Federal Conselho Regional de Medicina Veterinária ria do RS Setor de Fiscalização RESPONSABILIDADE TÉCNICA T NO COMÉRCIO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS RIOS Mateus da Costa Lange Médico Veterinário

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

JOÃO DOMINGOS RODRIGUES DA SILVA, Prefeito Municipal de Almirante Tamandaré do Sul, Estado do Rio Grande do Sul.

JOÃO DOMINGOS RODRIGUES DA SILVA, Prefeito Municipal de Almirante Tamandaré do Sul, Estado do Rio Grande do Sul. JOÃO DOMINGOS RODRIGUES DA SILVA, Prefeito Municipal de Almirante Tamandaré do Sul, Estado do Rio Grande do Sul. Faço saber que o Legislativo aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte lei: LEI MUNICIPAL

Leia mais

LEI Nº 8. 565, DE 13 DE MAIO DE 2003. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 8. 565, DE 13 DE MAIO DE 2003. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 8. 565, DE 13 DE MAIO DE 2003 Dispõe sobre o controle da população de cães e gatos e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro Lei Municipal Nº 3.704 1 CAPÍTULO V DO LICENCIAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS Artigo 68 - Nenhum estabelecimento sediado no município e que se enquadram no presente Código Sanitário poderá funcionar sem prévia

Leia mais

DECRETO Nº 50.446 DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009

DECRETO Nº 50.446 DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009 DECRETO Nº 50.446 DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009 REGULAMENTA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS por veículos de carga nas vias públicas do Município de São Paulo, nos termos da legislação específica. GILBERTO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 096, 28 DE DEZEMBRO DE 2004 CAPÍTULO I DA TAXA DE VIGILÂNCIA E FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA

LEI COMPLEMENTAR Nº 096, 28 DE DEZEMBRO DE 2004 CAPÍTULO I DA TAXA DE VIGILÂNCIA E FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA LEI COMPLEMENTAR Nº 096, 28 DE DEZEMBRO DE 2004 DISPÕE SOBRE A FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA, EXPEDIÇÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA SANITÁRIA, INSTITUI A TAXA DE VIGILÂNCIA E FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA, CONFIGURA AS INFRAÇÕES,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 Altera a Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de setembro de 2003, que dispõe sobre o

Leia mais

LEI Nº 3106/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010.

LEI Nº 3106/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010. LEI Nº 3106/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010. CRIA A SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE, ABRE CRÉDITO ESPECIAL, REVOGA A LEI Nº 2689/2006, DE 23-05-2006, EXTINGUE O CARGO DE DIRETOR DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL

Leia mais

* 1º com redação determinada pela Lei 11.097/2005.

* 1º com redação determinada pela Lei 11.097/2005. LEI 9.847, DE 26 DE OUTUBRO DE 1999 Dispõe sobre a fiscalização das atividades relativas ao abastecimento nacional de combustíveis, de que trata a Lei 9.478, de 6 de agosto de 1997, estabelece sanções

Leia mais

DECRETO Nº 6.268, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007

DECRETO Nº 6.268, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 6.268, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007 Regulamenta a Lei nº 9.972, de 25 de maio de 2000, que institui a classificação de produtos vegetais,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS NO TRÂMITE DO PROCESSO ADMINISTRATIVO RELACIONADO A AGROTÓXICOS E AFINS, E AO COMÉRCIO DE SEMENTES E MUDAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS NO TRÂMITE DO PROCESSO ADMINISTRATIVO RELACIONADO A AGROTÓXICOS E AFINS, E AO COMÉRCIO DE SEMENTES E MUDAS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E AGRONEGÓCIO DEPARTAMENTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DIVISÃO DE INSUMOS E SERVIÇOS AGROPECUÁRIOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS NO TRÂMITE DO PROCESSO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO N 25, DE 25 DE ABRIL DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO N 25, DE 25 DE ABRIL DE 2008. -0> AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO N 25, DE 25 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre o processo administrativo para a apuração de infrações e aplicação de penalidades, no âmbito da competência da

Leia mais

LEI Nº 9.847, DE 26.10.1999 - DOU 27.10.1999

LEI Nº 9.847, DE 26.10.1999 - DOU 27.10.1999 LEI Nº 9.847, DE 26.10.1999 - DOU 27.10.1999 Dispõe sobre a fiscalização das atividades relativas ao abastecimento nacional de combustíveis, de que trata a Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997, estabelece

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012

LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012 LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012 (Publicação DOM 08/10/2012: 03) INSTITUI O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal aprovou e

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.847, DE 26 DE OUTUBRO DE 1999. Conversão da MPv nº 1.883-17, de 1999 Dispõe sobre a fiscalização das atividades relativas

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DAS MEDIDAS DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DAS MEDIDAS DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL LEI N. 1.486, DE 17 DE JANEIRO DE 2003 Dispõe sobre a Defesa Sanitária Animal no Estado do Acre e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/2015 - DIVIS/DESEG APLICAÇÃO DE PENALIDADES

Leia mais

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei.

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 947/2010 Institui a Política Municipal de Meio Ambiente, cria o Conselho e Fundo Municipal de Meio Ambiente e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado

Leia mais

Portaria nº 319 de 29 de julho de 2011. Considerando o disposto no artigo 8º da Lei nº 9.933, de 20 de dezembro de 1999;

Portaria nº 319 de 29 de julho de 2011. Considerando o disposto no artigo 8º da Lei nº 9.933, de 20 de dezembro de 1999; Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria nº 319 de 29 de julho de 2011

Leia mais

Município. Prefeitura Municipal de Várzea Nova - BA. Segunda-Feira - 04 de julho de 2011 - Ano VI - N º 43 TÓPICOS

Município. Prefeitura Municipal de Várzea Nova - BA. Segunda-Feira - 04 de julho de 2011 - Ano VI - N º 43 TÓPICOS do Município Prefeitura Municipal de Várzea Nova - BA Segunda-Feira - 04 de julho de 2011 - Ano VI - N º 43 TÓPICOS Título I Disposições Gerais. Capítulo I Competência e Atribuições Capítulo II Definições

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.467, DE 15 DE JUNHO DE 2010. (publicada no DOE nº 112, de 16 de junho de 2010) Dispõe sobre a adoção de

Leia mais

Dispõe sobre o controle sanitário do comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, e dá outras providências

Dispõe sobre o controle sanitário do comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, e dá outras providências 1 de 9 24/11/2008 13:09 Lei nº 5.991, de 17 de dezembro de 1973 Dispõe sobre o controle sanitário do comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, e dá outras providências O Presidente

Leia mais

I - Zoonoses: infecção ou doença infecciosa transmissível naturalmente entre animais vertebrados e o homem;

I - Zoonoses: infecção ou doença infecciosa transmissível naturalmente entre animais vertebrados e o homem; LEI Nº 2153, DE 23 DE NOVEMBRO DE 1999 DISPÕE SOBRE CONTROLE DE POPULAÇÕES ANIMAIS, BEM COMO SOBRE PREVENÇÃO E CONTROLE DE ZOONOSES NO MUNICÍPIO DE SANTANA DE PARNAÍBA E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. SILVIO

Leia mais

Decreta nº 26.978, (DOE de 05/07/06)

Decreta nº 26.978, (DOE de 05/07/06) Decreta nº 26.978, (DOE de 05/07/06) Introduz alterações no Decreto nº 16106, de 30 de novembro de 1994, que regulamenta a Lei nº 657, de 25 de janeiro de 1994 e consolida a legislação referente ao processo

Leia mais

Vigilância Sanitária

Vigilância Sanitária Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Vigilância Ambiental Vigilância Sanitária Setor de Produtos e Estabelecimentos de Interesse da Saúde SPEIS Comércio atacadista e varejista de alimentos de

Leia mais

O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o artigo 180 da Constituição, decreta:

O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o artigo 180 da Constituição, decreta: DECRETO-LEI Nº 9.295/46 Cria o Conselho Federal de Contabilidade, define as atribuições do Contador e do Guardalivros e dá outras providências. O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere

Leia mais

LEI Nº 4.695. Art. 1º - Fica instituído o serviço de transporte individual de passageiros denominado Moto Táxi. CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SERVIÇO

LEI Nº 4.695. Art. 1º - Fica instituído o serviço de transporte individual de passageiros denominado Moto Táxi. CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SERVIÇO LEI Nº 4.695 Institui o Serviço de Moto Táxi e dá outras providências Lei; O PREFEITO MUNICIPAL DE PELOTAS, Estado do Rio Grande do Sul. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA PROCON Nº 33, DE 1-12-2009 ALTERA A PORTARIA Nº 26, DE 15 DE AGOSTO DE

PORTARIA NORMATIVA PROCON Nº 33, DE 1-12-2009 ALTERA A PORTARIA Nº 26, DE 15 DE AGOSTO DE PORTARIA NORMATIVA PROCON Nº 33, DE 1-12-2009 ALTERA A PORTARIA Nº 26, DE 15 DE AGOSTO DE 2006, QUE DISPÕE SOBRE A ADOÇÃO DE PROCESSO SANCIONATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Informamos para conhecimento,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.590, DE 1º DE OUTUBRO DE 2008. Dispõe sobre o procedimento administrativo para aplicação de penalidades por infrações

Leia mais

LEI Nº 4.876 DISPÕE SOBRE A LIMPEZA DE FAIXA DE DOMÍNIO E DE TERRENOS URBANOS BALDIOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº 4.876 DISPÕE SOBRE A LIMPEZA DE FAIXA DE DOMÍNIO E DE TERRENOS URBANOS BALDIOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 1 LEI Nº 4.876 DISPÕE SOBRE A LIMPEZA DE FAIXA DE DOMÍNIO E DE TERRENOS URBANOS BALDIOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Povo do Município de Varginha, Estado de Minas Gerais, por seus representantes na Câmara

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS DECRETO N o 525, DE 11 DE JULHO DE 2013. Regulamenta a utilização de veículos oficiais pela administração direta e indireta do Município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso de suas atribuições que

Leia mais

CRIA OS FISCAIS VOLUNTÁRIOS DO MEIO AMBIENTE NO MUNICÍPIO DE VIAMÃO.

CRIA OS FISCAIS VOLUNTÁRIOS DO MEIO AMBIENTE NO MUNICÍPIO DE VIAMÃO. LEI MUNICIPAL Nº 2305/93 CRIA OS FISCAIS VOLUNTÁRIOS DO MEIO AMBIENTE NO MUNICÍPIO DE VIAMÃO. PEDRO ANTÔNIO PEREIRA DE GODOY, Prefeito Municipal de Viamão, no uso de suas atribuições legais, Faço saber

Leia mais

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente LEI Nº 4366 DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE PROTEÇÃO, CONTROLE E CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E DE MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM-ES. A Câmara Municipal de Cachoeiro de

Leia mais

GILMAR LUIZ ELY, Prefeito Municipal em Exercício de Almirante Tamandaré do Sul, Estado do Rio Grande do Sul.

GILMAR LUIZ ELY, Prefeito Municipal em Exercício de Almirante Tamandaré do Sul, Estado do Rio Grande do Sul. 1 GILMAR LUIZ ELY, Prefeito Municipal em Exercício de Almirante Tamandaré do Sul, Estado do Rio Grande do Sul. Faço saber que o Legislativo aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: LEI MUNICIPAL

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997.

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. CAPÍTULOXV DAS INFRAÇÕES Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste Código, da legislação complementar ou das resoluções

Leia mais

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências.

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL.

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE HIDROLÂNDIA-GO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE HIDROLÂNDIA-GO GABINETE DO PREFEITO PREFEITURA MUNICIPAL DE HIDROLÂNDIA-GO GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 98/91 HIDROLÂNDIA, 09 DE AGOSTO DE 1.991. Dispõe sobre o Código de Edificação do Município de Hidrolândia e dá outras providências. seguinte

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02)

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02) RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 (D.O.U. de 19/12/02) Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Técnico para a Autorização de Funcionamento de empresas interessadas em prestar serviços

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 21, de 06 de junho de 2013 D.O.U de 10/06/2013

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 21, de 06 de junho de 2013 D.O.U de 10/06/2013 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 21, de 06 de junho de 2013 D.O.U de 10/06/2013 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos.

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos. ANEXO CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO, RECONHECIMENTO, EXTENSÃO DE ESCOPO E MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS NO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA Art. 1º Os critérios constantes deste

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N.º 37, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI COMPLEMENTAR N.º 37, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI COMPLEMENTAR N.º 37, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Código Sanitário do Município. O PREFEITO MUNICIPAL DE UNAÍ, Estado de Minas Gerais, no uso da atribuição que lhe confere o art. 96, VII,

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002 MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS Gabinete do Prefeito Av. Cuia Mangabeira, 211 - Montes Claros - MG - CEP: 39.401-002 LEI N 4.158, DE 07 DE OUTUBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE FEIRAS ITINERANTES E CONTÉM OUTRAS DISPOSIÇÕES.

Leia mais

LEI Nº 0592/2007 CÓDIGO SANITÁRIO MUNICIPAL

LEI Nº 0592/2007 CÓDIGO SANITÁRIO MUNICIPAL 1 ESTADO DO RIO DE JANEIRO LEI Nº 0592/2007 CÓDIGO SANITÁRIO MUNICIPAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE 2 Índice Título I Disposições Introdutórias... 03 Título II Da Saúde da Pessoa e da Família Capítulo

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 333 DISPOSIÇÕES GERAIS

LEI COMPLEMENTAR Nº 333 DISPOSIÇÕES GERAIS DISPÕE SOBRE A INSTALAÇÃO, CONSERVAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE ELEVADORES E APARELHOS DE TRANSPORTE AFINS, REGULAMENTA A HABITAÇÃO DAS EMPRESAS PRESTADORAS DESSES SERVIÇOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI COMPLEMENTAR

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N 30, de 26.07.2002 (D.O 02.08.02)

LEI COMPLEMENTAR N 30, de 26.07.2002 (D.O 02.08.02) LEI COMPLEMENTAR N 30, de 26.07.2002 (D.O 02.08.02) Cria o Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor - DECON, nos termos previstos na Constituição do Estado do Ceará, e estabelece as normas

Leia mais

APROVADO EM 30/07/2010

APROVADO EM 30/07/2010 DISTRIBUIDOR PLENÁRIO RECEBEMOS 27/04/2010 às 08:00 hs APROVADO EM 30/07/2010 PROJETO DE LEI Nº 015/10 AUTORA: CHIRLEY DIAS BARRETO SILVA VEREADORA P.P. Dispõe sobre a criação de programa de prevenção

Leia mais

SEÇÃO II DA TAXA DE LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS

SEÇÃO II DA TAXA DE LICENÇA PARA LOCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS CAPÍTULO II DAS TAXAS DECORRENTES DO EXERCÍCIO DO PODER DE POLÍCIA ADMINISTRATIVA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 82 - As taxas de licença têm como fato gerador o exercício regular do poder de polícia

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE CORNÉLIO PROCÓPIO

CÂMARA MUNICIPAL DE CORNÉLIO PROCÓPIO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 002/2015 02/02/2015 EMENTA: Estabelece medidas com o intuito de se evitar a venda, oferta, fornecimento, entrega e o consumo de bebida alcoólica, ainda que gratuitamente,

Leia mais

DECRETO Nº 30033 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2008

DECRETO Nº 30033 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2008 DECRETO Nº 30033 DE 10 DE NOVEMBRO DE 2008 Regulamenta as Leis nº 2.475, de 1996, e nº 4.774, de 2008, e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

INSTRUMENTOS LEGAIS DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

INSTRUMENTOS LEGAIS DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA material INSTRUMENTOS LEGAIS DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasília, julho de 2010. 1 Presidente da República Luís Inácio Lula da Silva material Ministro da Saúde José Gomes Temporão Diretor-Presidente da Agência

Leia mais

DECRETO N. 41.258, DE 31 DE OUTUBRO DE 1996

DECRETO N. 41.258, DE 31 DE OUTUBRO DE 1996 DECRETO N. 41.258, DE 31 DE OUTUBRO DE 1996 Aprova o Regulamento dos artigos 9º a 13 da Lei n. 7.663, de 30 de dezembro de 1991 Alterações: Decreto n. 50667, de 30.03.06 Decreto n. 61117, de 06.02.15 MÁRIO

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC Nº 16, DE 1 DE ABRIL DE 2014

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC Nº 16, DE 1 DE ABRIL DE 2014 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC Nº 16, DE 1 DE ABRIL DE 2014

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA CAMPINA

CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA CAMPINA A Câmara Municipal de Nova Campina, Estado de São Paulo, APROVA a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Nº 067/14 Dispõe sobre o controle das populações animais, bem como a prevenção e o controle das zoonoses no

Leia mais

MULTA VALOR EM UFIR MULTA

MULTA VALOR EM UFIR MULTA MULTA -Imposta e arrecadada pelo órgão com circunscrição sobre a via onde haja ocorrido a infração. -O valor decorre da natureza da infração, assim como a respectiva pontuação. NATUREZA DA INFRAÇÃO MULTA

Leia mais

LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006.

LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006. LEI Nº 6.126, DE 27 DE ABRIL DE 2006. Autoria: Prefeito Municipal. INSTITUI O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS E DÁ PROVIDÊNCIAS CORRELATAS. O Prefeito do Município

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 3.763, DE 2008 (Apenso o PL 6.225, de 2009)

PROJETO DE LEI N o 3.763, DE 2008 (Apenso o PL 6.225, de 2009) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 3.763, DE 2008 (Apenso o PL 6.225, de 2009) Dispõe sobre a comercialização de óculos e lentes de contato. Autor: Deputado VITAL DO RÊGO FILHO

Leia mais

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 Dispõe sobre registro, cadastro, cancelamento e responsabilidade técnica das Pessoas Jurídicas da jurisdição do CRP16 e revoga a Resolução CRP 16 nº 004/2007, de 10 de novembro

Leia mais

MULTA MULTA VALOR EM R$

MULTA MULTA VALOR EM R$ - Aplicadas pela autoridade de trânsito (posteriormente): I - advertência por escrito; II - multa; III - suspensão do direito de dirigir; IV - apreensão do veículo; V - cassação da Carteira Nacional de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

LEI Nº 6.437, DE 20 DE AGOSTO DE 1977

LEI Nº 6.437, DE 20 DE AGOSTO DE 1977 LEI Nº 6.437, DE 20 DE AGOSTO DE 1977 Configura infrações à legislação sanitária federal, estabelece as sanções respectivas, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

DECRETO. nº 41.258, de 31 de outubro de 1996. (*) Alterado pelo Decreto nº 50.667, de 30de março de 2006

DECRETO. nº 41.258, de 31 de outubro de 1996. (*) Alterado pelo Decreto nº 50.667, de 30de março de 2006 1 de 6 DECRETO nº 41.258, de 31 de outubro de 1996 (*) Alterado pelo Decreto nº 50.667, de 30de março de 2006 Aprova o Regulamento dos artigos 9 o a 13 da Lei n o 7.663, de 30 de dezembro de 1991 Mário

Leia mais

LEI Nº1.469/03. A Câmara Municipal de São Mateus do Sul, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

LEI Nº1.469/03. A Câmara Municipal de São Mateus do Sul, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I LEI Nº1.469/03 Dispõe sobre a criação do Centro de Controle de Zoonoses e Endemias (C.C.Z.E.) da Secretaria da Agricultura e Meio-Ambiente do Município de São Mateus do Sul, na forma que especifica. A

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 461 DE 2 DE MAIO DE 2007. Ementa: e sanções éticas e disciplinares aplicáveis aos farmacêuticos.

RESOLUÇÃO Nº 461 DE 2 DE MAIO DE 2007. Ementa: e sanções éticas e disciplinares aplicáveis aos farmacêuticos. RESOLUÇÃO Nº 461 DE 2 DE MAIO DE 2007 1295 Ementa: e sanções éticas e disciplinares aplicáveis aos farmacêuticos. O Conselho Federal de Farmácia, com fundamento no artigo 6º, alínea g, da Lei nº 3.820,

Leia mais

REPUBLICA-SE POR TER VEICULA DA INCORRETA A LEI Nº 1.238 DE 18 DE DEZEMBRO DE 1991, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 3201, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1991

REPUBLICA-SE POR TER VEICULA DA INCORRETA A LEI Nº 1.238 DE 18 DE DEZEMBRO DE 1991, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 3201, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1991 REPUBLICA-SE POR TER VEICULA DA INCORRETA A LEI Nº 1.238 DE 18 DE DEZEMBRO DE 1991, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 3201, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1991 LEI Nº 1.238, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1991 Dispõe sobre o

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.664, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2000. Regulamenta a Lei n o 9.972, de 25 de maio de 2000, que institui a classificação de produtos vegetais, seus subprodutos e resíduos de valor econômico e dá outras

Leia mais

NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS

NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS APROVADA NA REUNIÃO REALIZADA EM 18/02/2011, DO CONSELHO DE AUTORIDADE PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS. SUMÁRIO 1. Objetivo... 3 2. Âmbito

Leia mais

LEGISLAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR QUE DETERMINA "OBRIGATÓRIA" REALIZAÇÃO DE INSPEÇÃO PREDIAL POR PROFISSIONAL HABILITADO NO CREA

LEGISLAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR QUE DETERMINA OBRIGATÓRIA REALIZAÇÃO DE INSPEÇÃO PREDIAL POR PROFISSIONAL HABILITADO NO CREA LEGISLAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR QUE DETERMINA "OBRIGATÓRIA" REALIZAÇÃO DE INSPEÇÃO PREDIAL POR PROFISSIONAL HABILITADO NO CREA Diário Oficial do Município ATOS DO PODER LEGISLATIVO LEI Nº 5.907/2001

Leia mais

DECRETO Nº. 2.469 DE 23 DE NOVEMBRO DE 2009

DECRETO Nº. 2.469 DE 23 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o procedimento de fiscalização para fins de SUSPENSÃO e CANCELAMENTO de Alvará de Funcionamento e INTERDIÇÃO em estabelecimentos empresariais e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução - RDC nº 52, de 22 de outubro de 2009 Dispõe sobre o funcionamento de

Leia mais

TERMO DE AJUSTE DE CONDUTAS n. 0026/2014/01PJ/SBS

TERMO DE AJUSTE DE CONDUTAS n. 0026/2014/01PJ/SBS Inquérito Civil n.º 06.2014.00002449-0 1.ª PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE SÃO BENTO DO SUL TERMO DE AJUSTE DE CONDUTAS n. 0026/2014/01PJ/SBS Pelo presente instrumento, o Órgão do MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Orientações 2014 Vigilância Sanitária Lei Federal 8.080 de 19 de setembro de 1990 1º Entende-se

Leia mais

ANEXO I IDENTIFICADOR DO PRODUTO. Fato Gerador (DV)

ANEXO I IDENTIFICADOR DO PRODUTO. Fato Gerador (DV) ANEXO I TABELA DE DESCONTOS DA TAXA DE FISCALIZAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA IDENTIFICADOR DO PRODUTO TIPO DE EMPRESA ITENS DESCRIÇÃO DO FATO GERADOR Fato Gerador (DV) GRUPO I GRANDE GRUPO II GRANDE GRUPO

Leia mais