ESCOLA ESTADUAL Dr. ELIAS MASSUD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA ESTADUAL Dr. ELIAS MASSUD"

Transcrição

1 Plano Gestão I - Identificação da Escola... II - Caracterização da Unidade Escolar... Recursos Humanos... III Linhas Básicas da Proposta Pedagógica da Unidade Escolar... Gestão de Resultados Educacionais... Gestão Participativa... Gestão Pedagógica... Gestão de Pessoas... Gestão de Serviços de Apoio, Recursos Físicos e Financeiros... IV Planos dos Cursos Objetivo dos Cursos Integração e Seqüência dos Componentes Curriculares... 3 Sínteses dos Objetivos dos Conteúdos Programáticos... 4 Cargas Horárias dos Cursos... V Plano de Trabalho dos Diferentes Núcleos... Núcleo de Direção... Núcleo Técnico Pedagógico... Núcleo de Docentes... Núcleo de Administração... Núcleo de Operacionais... VI Procedimentos para Acompanhamento, Controle e Avaliação... VII Quadro de Metas e Ações... Bibliografia... VIII Anexos do Plano de Gestão... 1

2 Plano Gestão I - Identificação da Escola NOME: E.E. Dr. Elias Massud ENDEREÇO: Rua Fauze Calil nº 30 MUNICIPIO: Monte Mor/SP CEP: TELEFONE - FAX: (0XX19) CIE: CÓD. FDE: CNPJ: DATA DA INSTALAÇÃO/CRIAÇÃO: A Escola foi criada pela Lei Estadual nº 4623 de 09/01/1958 e Res. SE 23 DOE: 27/01/1976 e publicada a 28/01/1976. JURISDIÇÃO: ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA CURSOS: Ensino Fundamental 5ª a 8ª série e Ensino Médio TURNOS: Ensino Fundamental 5ª a 8ª série Escola de Tempo Integral Ensino Médio regular - Manhã, Tarde e Noite HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS: Período Integral: das 07:00 às 16:10 h. Manhã: das 07:00 às 12:20. Tarde: das 12:30 às 17:50. Noite: das 19h às 23 h EQUIPE DE GESTÃO DIRETOR: Ana Beatris Gonçalves VICE-DIREÇÃO: Paulo Roberto Trova PROFESSORES COORDENADORES: João Roberto Araujo Marli Antonia QuagliatoZanuni II Caracterização da Unidade Escolar A Escola é importante para a comunidade por ser a única de Período Integral na cidade, onde nossos alunos possuem uma diversidade cultural e projetos e para com isso suprir as carências da comunidade como: afetiva, familiar, cultural e financeira, influenciando o sucesso da aprendizagem. Outra participação a se destacar é no Programa Escola da Família, onde a escola passou a ser um pólo, acontecendo assim reuniões, capacitação, cursos..a escola mantém um bom relacionamento com a comunidade, apesar disso, não é grande a participação da mesma nas atividades regulares da Escola, restringindo-se a um numero pequeno de pais mais conscientes e cooperativos 2

3 O patrono Dr. Elias Massud, nasceu em Monte Mor, Estado de São Paulo, no dia 08 de Setembro de e faleceu no dia 11/04/1963 em Monte Mor.. Fez seus estudos primários no Grupo Escolar Cel. Domingos Ferreira de Monte Mor. Deu continuidade aos estudos já em nível ginasial no Ginásio Santa Maria, de Campinas, tendo concomitantemente, cursado a Academia do Comercio São Luiz, nessa cidade, formando-se Guarda livro. Em 1934 ingressou na Faculdade de Medicina de Niterói, Estado do Rio de Janeiro, transferindo-se em 1936, para a escola de medicina de cirurgia do Rio de Janeiro, formando Medico no ano de A par de sua brilhante e bem sucedida carreira de médico, foi também político de grande prestigio no município e na região. Vereador de 1948 a 1951 e de 1956 a 1959 e Prefeito Municipal de Monte Mor de 1952 a 1955 e de 1960 a 1963, desenvolvendo intensa atividade política, pontilhada sempre no desejo de servir, com dignidade e altivez, a cidade que amou com um carinho muito especialmente Monte Mor. Foi o idealizador e fundador da Associação Beneficente Hospital Sagrado Coração de Jesus, desta cidade. A homenagem que a cidade lhe tributou dando a esta Escola o seu nome honrado e digno, é o reconhecimento mais eloqüente a uma vida inteiramente dedicada no próximo, com devoção, com humildade, com respeito humano, com a alegria de quem veio ao mundo para servir e que soube faze-lo com amor. O prédio escolar foi ocupado no ano de 1958, com poucas mudanças estruturais das atuais. O espaço compreende uma área de metros quadrado, sendo metros quadrados de área construída. Hoje conta com os seguintes espaços físicos: 08 Salas de aula; 01 laboratório de informática; 01 quadra poli esportiva coberta; Sala para arquivo; Cozinha; Ala administrativa (sala dos Professores, Secretaria, Sala do Professor Coordenador, Diretoria); 01 sala do Grêmio Estudantil/Radio; 01 sala de Educação Física; 01 galpão; Sanitários; 01 depósito de material; 3

4 Os recursos pedagógicos disponíveis para o uso da equipe escolar são: 02 Retro projetor; 01 Projetor de Slides; 04 televisores; 04 DVDs; 02 DVDokê 04 aparelhos de som portáteis; 02 aparelhos de som 3 em 1; 18 computadores na sala de informática; 05 computadores administrativos; 05 impressoras; Biblioteca organizada com aproximadamente livros; Biblioteca para o professor com aproximadamente livros; Jogos e matérias específicos para as aulas de Educação Física (bolas para diversas modalidades de esportes, colchonetes, etc.); Murais nos corredores e pátio; Livros didáticos; 02 mesas de ping pong; 02 mesa de pimbolim. RECURSOS HUMANOS: Núcleo de Direção: * Ana Beatris Gonçalves, RG , Diretora de Escola Designada. Licenciada em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia e Letras Nossa Senhora do Patrocínio, Licenciada em História pela Faculdade de Filosofia e Letras Plínio Augusto do Amaral. Professora da Rede Publica Estadual desde 1986,PEB I Titular de Cargo e PEB II Titular de Cargo na disciplina de História, Curso de Especialização (Pós Graduação Lato Sensu ) em Gestão Escolar Pela Unicamp. Atuou como, Diretora, Vice diretora em outras Unidades Escolares e supervisora de ensino na Diretoria de Ensino Região de Capivari. * Paulo Roberto Trova, RG Vice Diretor de Escola. Formado em Engenharia Civil pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Licenciado em Matemática pela Universidade Estadual de Campinas, Licenciado em Pedagogia pela Universidade Bandeirantes de São Paulo. Professor da Rede Estadual desde 1.989, Titular de Cargo na Disciplina de Matemática. Atuou como Vice Diretor em outra Unidade Escolar e Professor Coordenador nesta Unidade Escolar. 4

5 Núcleo Técnico Pedagógico: João Roberto de Araújo, RG Coordenador Pedagógico do Ensino Médio. Licenciado em Matemática, pela Faculdade Ciências e Letras Ministro Tarso Dutra de Dracena. Marli Antonia Quagliato Zanuni, RG Coordenadora Pedagógica do Ensino Fundamental. Habilitação Especifica de 2º grau para o magistério e Pré Escola na E.E. PSG Profª Jeni Apprilante,Conclusão Especifica de 2º grau para o magistério e Estudos Sociais 1º grau pela Faculdade de Filosofia e Letras de Tatuí, Licenciada em História, pela Faculdade de Filosofia e Letras de Tatuí,Curso de Especialização ( pós graduação Lato Sensu ) em Gestão Escolar Faculdade Cenecista de Capivari, Curso de Especialização em Arte, Educação e Terapia ( Pós Graduação Lato Sensu ) Faculdade do Noroeste de Minas - Núcleo Docente: Paulo Henrique de Queiroz, - RG 12, RSPV PEB II Categoria F; Licenciado em Matemática. Trabalha na Rede Estadual desde Mariana de Fátima Pinheiro - RG 1,142,323 RSPV PEB II Categoria L Licenciada em Letras e Espanhol. Trabalha na Rede Estadual desde Rita de Cássia Jalbut - RG RSPV PEB II Titular de Cargo, licenciada em Educação Física. Trabalha na Rede Estadual desde Marisa Bete Romanini Alves - RG RSPV PEB II Titular de Cargo. Licenciada em Ciências Sociais com habilitação em Historia. Trabalha na Rede Estadual desde Pierângele Pessoa de Almeida - RG RSPV PEB II Titular de Cargo Licenciada em Letras. Trabalha na Rede Estadual desde 1989 Rita Josefa Langeli Felipe - RG RSPV PEB II Titular de Cargo. Titular de Cargo, Licenciada em Letras. Trabalha na Rede Estadual desde 1989 Amauri Aparecido de Jesus Ribeiro RG X RSPV PEB II Titular de Cargo Licenciado em Estudos Sociais com habilitação em Historia. Trabalha na Rede Estadual desde Luciane Valeria Zaentti da Silva RG RSPV PEB II Categoria F Licenciada em Matemática. Trabalha na Rede Estadual desde Renata do Prado RG RSPV PEB II Categoria F; Licenciada em Química. Trabalha na Rede Estadual desde Luciana Cristina Correa RG RSPV PEB II Categoria L; Licenciada em Ciências Sociais e Geografia. Trabalha na Rede Estadual desde

6 Renata Aparecida Valério RG RSPV PEB II Categoria L Licenciada em Matemática. Trabalha na Rede Estadual desde Cristiane Cavallaro RG RSPV PEB II Categoria F Licenciada em Letras. Arlete Duarte Rodrigues RG RSPV PEB II Titular de Cargo Licenciada em Ciências com habilitação em Biologia. Mônica Aparecida Barbosa RG RSPV PEB II Categoria F Licenciada em Letras.Trabalha na Rede Estadual desde Juliana Gonçalves RG RSPV PEB II Categoria L Licenciada em Letras. Trabalha na Rede Estadual desde Maria Inês Souza Guedes RG PEB II Categoria F Licenciada em Letras. Trabalha na Rede Estadual desde Maria de Lourdes Rodrigues Forti - RG RSPV PEB II Titular de Cargo Licenciada em Matematica Trabalha na Rede Estadual desde Elizabeth Ravin Marini RG RSPV PEB II Categoria O Licenciada em Educação Física Trabalha na Rede Estadual desde Maria Aparecida Cirino Pimentel RG X RSPV , PEB II Categoria L Licenciada em Letras. Trabalha na Rede Estadual desde Aparecida Vieira da Rocha RG RSPV PEB II Categoria L Licenciada em Filosofia. Trabalha na Rede Estadual desde Sandra Elisa Maffeis de Sá RG RSPV Categoria F Licenciada em Artes. Trabalha na Rede Estadual desde Dariane Tavares Filliettaz RG RSPV Titular de Cargo Licenciada em Letras. Trabalha na Rede Estadual desde Maria Izabel dos Santos RG RSPV Categoria F Licenciada em Letras. Trabalha na Rede Estadual desde Adriana Augusto Braga RG RSPV Categoria O Licenciada em Letras. Trabalha na Rede Estadual desde Ricardo Martins RG RSPV Categoria L Estudante de Matemática. Trabalha na Rede Estadual desde Erika Cristina de Sena RG RSPV Categoria O Licenciada em Matemática. Trabalha na Rede Estadual desde Izabel Cristina Menin Ruiz RG RSPV Categoria L Licenciada em Sociologia. Trabalha na Rede Estadual desde Ronei Cesar Ribeiro RG RSPV Categoria O Estudante de Filosofia. Trabalha na Rede Estadual desde Helen Cristina Tancredo RG RSPV Categoria F Licenciada em Biologia. Trabalha na Rede Estadual desde Nanci Berganton Scovoli RG> RSPV Categoria O Estudante de Química. Trabalha na Rede Estadual desde Gabriela Dias de Oliveira RG RSPV Categoria F Licenciada em Matemática. Trabalha na Rede Estadual desde 6

7 Maria do Carmo Maia da Silva - RG X, RSPV Categoria O Estudante de Geografia. Trabalha na Rede Estadual desde Núcleo Administrativo: Edna Lima Pinheiro RG Agente de Organização Escolar, Designada Secretário de Escola, Ensino Médio Completo. Maria Inês Giorgetti RG RSPV Agente de Organização Escolar, Ensino Fundamental Completo. Edite de Fátima Zacarias RG RSPV Agente de Organização Escolar; Ensino Fundamental Completo. Núcleo Operacional: Maria Aparecida de Paula RG Ensino Fundam. Incompleto Alejandra Patrícia Ferraz RG Ensino Médio Completo Maria Neta Olimpio da Silva RG Ensino Fundam. Incompleto Cristina Ferreira da Silva RG Ensino Fundam. Incompleto Funcionários Readaptados: Cristina Lídia Emke RG Agente de Organização Escolar (Readaptada) Ensino Médio completo. Sandra Regina de Oliveira do Carmo.. RG RSPV Licenciada em Matemática com habilitação em Ciências. Trabalha na rede desde

8 III Linhas Básicas da Proposta Pedagógica da Unidade Escolar A função da escola encontra-se em: oportunizar o desenvolvimento integral do ser humano como cidadão criativo, crítico, participativo e digno, através de um ensino de qualidade que possibilite o sucesso dos alunos, formando cidadãos capazes de agir para refletir sobre os fatos sociais e modificá-los quando necessário, visando o bem a todos. Para tanto, é fundamental que a Escola conheça o contexto social de sua vizinhança e do entorno a que serve, adequando a elas seu trabalho de atendimento educacional, formando assim o elo entre o interesse da comunidade e o currículo ofertado pela Escola. Fundamentada nesse compromisso com a vida e no exercício pleno da cidadania, a EE Dr. Elias Massud, tem claro que, o domínio do conhecimento é vital para a realização pessoal, para interferência positiva na vida da sociedade e para capacitar o indivíduo a fazer escolhas adequadas que lhe proporcione felicidade e dignidade, bem como da melhor forma de inserção no ambiente social. Essa opção leva ao comprometimento com a participação em colaborar na construção de uma sociedade mais justa e democrática, que possibilite vida digna para milhões de brasileiros excluídos dos benefícios produzidos por essa mesma sociedade e que têm grande dificuldade de verem suas necessidades básicas (físicas, emocionais e espirituais) ser atendidas. A verdadeira cidadania se forma sob a dimensão ética-valorativa, que concebe o indivíduo como um ser responsável pela suas ações através da reflexão. Conceber uma proposta pedagógica sob a ótica da Ética e de Valores significa aperfeiçoar as relações entre professores, alunos, funcionários e administradores de forma a buscar melhorias contínuas que os tornem competentes no exercício profissional e guardiões da condição humana plena no exercício da cidadania. Assim, educação para todos com qualidade pressupõe uma escola na qual o aluno entre, permaneça, progrida e aprenda. Gestão de Resultados Educacionais: Tabulação dos dados do rendimento escolar dos últimos 3 anos: Fonte:Prodesp Ensino Fundamental - Ano 2008 Diurno 5ª Série 6ª Série 7ª Série 8ª Série APROVADOS APROVADOS PARCIALMENTE RETIDOS RETIDOS POR FREQUÊNCIA RETIDOS POR RENDIMENTO RETENÇÃO PARCIAL 100% ,18% - 2,82% 2,82% % ,24% - 4,76% - 4,76% - 8

9 Ensino Médio - Ano 2008 Noturno 1º ano 2º ano 3º ano APROVADOS APROVADOS PARCIALMENTE RETIDOS POR FREQUÊNCIA RETIDOS POR RENDIMENTO RETIDOS PARCIALMENTE 73,61% 12,50% 2,78% 11,11% - 82,66% 6,67% 4,00% 6,67% - 87,50% - 3,75% 8,75% - Ensino Fundamental - Ano 2009 Diurno 5ª Série 6ª Série 7ª Série 8ª Série APROVADOS APROVADOS PARCIALMENTE RETIDOS RETIDOS POR FREQUÊNCIA RETIDOS POR RENDIMENTO RETENÇÃO PARCIAL 91,43% - 8,57% 8,57% ,48% - 1,52% 1,52% ,92% - 3,08% 3,08% ,80% - 9,20% - 5,75% 3,45% Ensino Médio - Ano 2009 Noturno 1º ano 2º ano 3º ano APROVADOS APROVADOS PARCIALMENTE RETIDOS POR FREQUÊNCIA RETIDOS POR RENDIMENTO RETIDOS PARCIALMENTE 76,36% - 5,46% 18,18% - 85,92% - 7,04% 7,04% - 94,94% - 5,06% - - 9

10 Ensino Fundamental - Ano 2010 Diurno 5ª Série 6ª Série 7ª Série 8ª Série APROVADOS APROVADOS PARCIALMENTE RETIDOS RETIDOS POR FREQUÊNCIA RETIDOS POR RENDIMENTO RETENÇÃO PARCIAL 97,06% - 2,94% 2,94% % ,68% - 11,32% 11,32% ,21% - 15,79% 7,02% 8,77% - Ensino Médio - Ano 2010 Manhã 1º ano APROVADOS APROVADOS PARCIALMENTE RETIDOS POR FREQUÊNCIA RETIDOS POR RENDIMENTO RETIDOS PARCIALMENTE 94,83% - 1,72% 3,45% - Ensino Médio - Ano 2010 Tarde 1º ano APROVADOS APROVADOS PARCIALMENTE RETIDOS POR FREQUÊNCIA RETIDOS POR RENDIMENTO RETIDOS PARCIALMENTE 94,23% - 3,85% 1,92% - 10

11 Ensino Médio - Ano 2010 Noturno 1º ano 2º ano 3º ano APROVADOS APROVADOS PARCIALMENTE RETIDOS POR FREQUÊNCIA RETIDOS POR RENDIMENTO RETIDOS PARCIALMENTE 72,98% - 24,32% 2,70% - 89,40% - 9,09% 1,51% - 82,90% - 7,89% 9,21% - Os paradigmas do sistema da progressão continuada, ainda são uma constante no cotidiano escolar, pois numa sociedade onde a valorização a educação é mínima, o trabalho escolar está sempre agregado a fatores exteriores como: o apoio da família do educando; o interesse e a motivação do professor e a própria compreensão do sistema da progressão continuada em um sistema seriado e com constantes trocas de professores No ensino médio também temos um índice mais baixo de aprovação no ano de 2005, o que nos leva a acreditar que a conscientização sobre o funcionamento do sistema educacional também refletiu sobre as ações do professor do ensino médio. Outro fator relevante é a relação entre números de alunos por classe com o número de aprovados, evidenciando que salas menores apresentam um número maior de aprovação. No Ensino Médio supletivo a maior evidência é o percentual da retenção por freqüência, índices que comprovam as dificuldades de continuidade dos estudos para os alunos trabalhadores e com idade incompatível a série cursada, apesar de toda a busca do corpo docente em amenizar tais fatos. Os índices de aproveitamento são trabalhados pontualmente nos períodos de planejamento (fevereiro) e replanejamento (julho) quando são analisados, discutidos e utilizados como ponto inicial para as ações e projetos a serem realizados. Também é utilizado nas orientações e na execução da proposta pedagógica, traçando o perfil dos trabalhos. Gestão Participativa A Equipe escolar possui os colegiados da escola ativos e com eleições regulares, conforme os seus estatutos: APM (Associação de Pais e Mestres), o Conselho de Escola e o Grêmio Estudantil. Apesar disso, não é grande a participação da comunidade nas atividades regulares da escola, restringindo a um número pequeno de pais conscientes e cooperativos. Os membros da APM, do presente ano, que não convivem no cotidiano escolar, se envolvem de forma limitada e apenas quando são por várias vezes convidadas, no entanto o trabalho dos 11

12 demais membros continua a beneficiar e enriquecer as atividades e os projetos desenvolvidos. A participação limitada talvez se deva ao fato de acreditar que seja necessário ser um conhecedor da educação para se envolver, paradigmas difíceis de serem combatidos. O Conselho de Escola atua sempre que convocado, porém ainda atua de forma limitada, mas está a caminho de uma conscientização maior de seu potencial. O Grêmio Estudantil é um ponto a ser destacado na gestão participativa, pois é muito atuante, criando e dirigindo diversos eventos escolares que trazem maior socialização entre alunos, professores e funcionários As parcerias da escola se limitam a outras escolas de informática e de cursos profissionalizantes que oferecem bolsas de estudos e outros prêmios como uma forma de ficarem conhecidas no meio estudantil. Há também participação de algumas lojas colaborando nas ações de projetos que a escola desenvolve ao longo do ano. Na elaboração da Proposta Pedagógica e do Regimento Escolar há poucas iniciativas de participação, originado metas de maior interação entre pais e escola de modo colaborativo, envolvendo trocas de idéias para diferentes dificuldades, através de reuniões diferenciadas e de pesquisas onde seja possível analisar sistematicamente os indicadores de satisfação em relação à gestão e as práticas pedagógicas desenvolvidas. Um outro aspecto a ser considerado como bem desenvolvido, mas que necessita de atenção regular são os canais de comunicação, que envolve: cartazes, comunicados escritos e publicações em jornais locais e no jornal da própria escola. O HTPC é também um espaço onde ocorre a socialização dos diversos eventos e capacitações pelas quais os professores participam e espaços para estudos e discussões da política educacional. As reuniões de pais possuem dinâmicas que buscam a compreensão dos diversos trabalhos desenvolvidos na escola e de seus documentos: Regimento Escolar e Proposta Pedagógica através da orientação dada pelos professores coordenadores de classe Gestão Pedagógica O currículo desenvolvido organiza-se através dos parâmetros curriculares nacionais, por planos de curso feitos por área de conhecimento onde a maioria dos professores se envolve para buscar a contextualização eficiente considerando os avanços da sociedade e as diretrizes da Proposta Pedagógica da escola. O plano de curso após traçado para o ano letivo é sempre trabalho em HTPC, em capacitações promovidas pela Diretoria Regional de Ensino de Capivari e em reuniões específicas. A coordenação pedagógica busca regularmente trazer aspectos que levem a reflexão dos trabalhos desenvolvidos e também de idéias inovadoras para a motivação tanto de alunos como de professores. Outro ponto bastante motivado pela equipe da coordenação pedagógica são os trabalhos inovadores desenvolvidos pelos professores que utilizam outros espaços e outros materiais, atendendo aos diferentes ritmos de aprendizagem e modificando o ritual diário das aulas. Destacamse neste item os trabalhos desenvolvidos nas oficinas curriculares. SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO 12

13 Almejando o respeito às diferenças, têm-se regularmente ações solidárias e campanhas que busquem tanto a compreensão de outro modo de vida como a colaboração a entidades e pessoas. através dos projetos desenvolvidos integralmente bem como com as oficinas curriculares. O planejamento da prática pedagógica considera os textos dos livros didáticos como base, mas principalmente as expectativas de aprendizagem de diversos sistemas de avaliação: ENEM, SARESP, Prova Brasil e vestibulares diversos. A prática acontece com a utilização de xérox desses materiais, disponibilizados com recursos da própria escola, evidenciando neste aspecto a iniciativa dos professores, pois todo esse trabalho tem origem devido à iniciativa própria. O HTPC espaço específico para melhoria da qualidade pedagógica acontece nas quartas e sextas-feiras onde se agrupam todos os professores com sede de controle e freqüência facilitando os estudos, planejamentos, discussões, socializações e acordos assegurando a busca do sucesso da aprendizagem dos alunos. Gestão de Pessoas A Escola como um grupo social, possui sua dinâmica própria, com as condições variáveis de alegria, entusiasmo, moderação, insegurança, medo e hostilidade de cada participante. Dessa forma, o convívio democrático é um processo desafiador, que se constrói a cada dia, envolve toda a comunidade escolar e suas relações com o ambiente externo. É na escola que há o espaço de diversas formas de expressão, onde agem interesses que se opõem, ora para padronizar, ora para estimular o diferente, gerando muitas vezes comportamentos contraditórios. Nessas circunstâncias é que nascem as necessidades de se buscar um ambiente mais democrático. Porém, para haver modificações no ambiente de trabalho mudando a postura do autoritarismo para a prática da autocrítica e do convívio democrático é necessário a disposição para mudança e um grupo de pessoas comprometidas com o que fazem. Na EE Dr. Elias Massud essa relação é difícil de ser conquistada por ter muitos professores com poucas aulas, não criando dessa forma uma equipe coesa e colaborativa. A Coordenação pedagógica se empenha então, na eficiência dos canais de comunicação, mas mesmo assim não se obtém os resultados planejados, porém confia que o trabalho contínuo facilite o alcance dessas metas, e que a escola seja um ambiente no qual alunos, professores e funcionários tenham o sentimento de pertinência e criem laços com ela; desenvolvendo assim atitudes de compromisso e responsabilidade para com a escola e com a comunidade. O quadro de funcionários dificilmente se encontra completo ou por afastamentos que fogem do controle da direção da escola. Contudo, o trabalho procura ser sempre desenvolvido no prazo e com o empenho necessário. A equipe docente apresenta bastante afastamento por motivos de saúde e muitas faltas individuais, e há uma dificuldade de encontrar professores substitutos dentro da área do professor ausente, fatos que também colaboram para a diminuição do sucesso escolar. As faltas são maiores no segundo semestre onde o estresse profissional se agrava. 13

14 Gestão de Serviços de Apoio, Recursos Físicos e Financeiros A manutenção do prédio é regularmente realizada, através de recursos estaduais destinadas para este fim. As salas de aula são periodicamente pintadas para oferecer um ambiente agradável e limpo para os alunos se estimularem na conservação. Anualmente é realizada a limpeza da caixa d água e detetização Outra cooperação provem da parceria da Secretaria de Obras limpando o terreno, as calhas e fazendo a manutenção de torneiras e válvulas. O trabalho de limpeza numa escola de tempo integral como a EE Dr. Elias Massud é regular visto os poucos funcionários disponíveis para a função, porém conta-se com várias colaborações de alunos e professores diretamente ou através de projetos Os recursos físicos são sempre colocados à disposição da equipe escolar para enriquecimento das aulas e o sucesso da aprendizagem. Sempre que possível, através de campanhas e/ou de verbas, adquiri-se mais equipamentos de acordo com as prioridades levantadas pela equipe escolar. Os alunos e a comunidade utilizam bastante os espaços e recursos. A sala de leitura com muitos títulos e revistas é constantemente procurada, a sala de informática, onde desenvolvem aulas de informática, parte curricular da Escola de Tempo Integral. Os recursos financeiros originados de verbas ou de recursos próprios são sempre colocados em discussão para o levantamento das prioridades e orçamentos, de acordo com a proposta pedagógica e os projetos em desenvolvimento, onde conclui-se quais itens serão adquiridos e como serão utilizados e armazenados. O espírito de participação deve estar sempre presente, para cultivar o sentimento de pertencimento (descrito na gestão de pessoas), onde a maioria deve se envolver nas atividades de preservação, manutenção, conservação e segurança do patrimônio escolar. Além das ações descritas, convém ressaltar que os trabalhos são sempre pautados nos princípios da administração pública: legalidade, impessoalidade, moralidade, igualdade e publicidade. IV Planos dos Cursos 1 - Objetivos dos Cursos Ensino Fundamental O Ensino Fundamental, através de conteúdos, metodologias e formas de acompanhamento e avaliação visa a que o aluno, ao final do Ensino Fundamental, seja capaz de: 14

15 - compreender a cidadania como participação social e política, assim como exercício de direitos e deveres políticos, civil e social, adotando, no dia a dia, atitudes de solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças, respeitando o outro e exigindo para si o mesmo respeito; - posicionar-se de maneira crítica, responsável e construtiva nas diferentes situações sociais, utilizando o diálogo como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas; - conhecer características fundamentais do Brasil nas dimensões sociais, materiais e culturais como meio para construir progressivamente a noção de identidade nacional e pessoal e o sentimento de pertinência ao país; - conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sócio-cultural brasileiro, bem como aspectos sócio-culturais de outros povos e nações, posicionando-se contra qualquer discriminação baseada em diferenças culturais, de classe social, crenças, sexo, etnia ou outras características individuais e sociais. - perceber-se integrante, dependente e agente transformador do ambiente, identificando seus elementos e as interações entre eles, contribuindo ativamente para melhoria do meio ambiente; - desenvolver o conhecimento ajustado de si mesmo e o sentimento de confiança em suas capacidades afetiva, física, cognitiva, ética, estética, de inter-relação pessoal e de inserção social, para agir com perseverança na busca de conhecimento e no exercício da cidadania; - conhecer o próprio corpo e dele cuidar, valorizando e adotando hábitos saudáveis como um dos aspectos básicos da qualidade de vida e agindo com responsabilidade em relação a sua saúde e à saúde coletiva; - utilizar as diferentes linguagens - verbal, musical, matemática, gráfica, plástica e corporal - como meio para produzir, expressar e comunicar suas idéias, interpretar e usufruir das produções culturais, em contextos públicos e privados, atendendo a diferentes intenções e situações de comunicação; - saber utilizar diferentes fontes de informação e recursos tecnológicos para adquirir e construir conhecimentos; - questionar a realidade formulando-se problemas e tratando de resolvê-los, utilizando para isso o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise crítica, selecionando procedimentos e verificando sua adequação; Ensino Médio O Ensino Médio objetiva, através de conteúdos, metodologias e formas de acompanhamento e avaliação a que o aluno demonstre: - a consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no ensino fundamental, possibilitando o prosseguimento de estudo.. - a preparação básica para o trabalho e a cidadania do educando, para continuar aprendendo, de modo a ser capaz de se adaptar com flexibilidade a novas condições de ocupação ou aperfeiçoamento posteriores; - o aprimoramento do educando como pessoa humana, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico; - a compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a teoria com a prática, no ensino de cada disciplina; 15

16 - conhecimento das formas contemporâneas de linguagem; - domínio dos conhecimentos de ciências humanas e ambientais necessários ao exercício da cidadania 2 - Integração e Seqüência dos Componentes Curriculares Através da interdisciplinaridade haverá a integração e a seqüência dos componentes curriculares do Ensino Fundamental e do Ensino Médio, abordadas nos planos escolares e com amplas discussões nos planejamentos e reuniões, sempre com embasamento nas diretrizes traçadas nos Parâmetros Curriculares Nacionais - PCN. Os temas transversais serão trabalhados em todo o Ensino Fundamental e nas séries do Ensino Médio, favorecendo e complementando a formação do cidadão e levando à construção do conhecimento, seja em termos de conteúdos, seja em termos de habilidades buscando as expectativas de aprendizagem. Os componentes curriculares serão integrados por meio de projetos específicos, envolvendo as diferentes áreas do conhecimento e/ou os diferentes componentes curriculares de uma mesma área,a partir de temas que sejam significativos para os alunos, partindo sempre de um determinado contexto. Os professores reunidos nas HTPCs e/ou nas respectivas áreas irão planejar cada etapa dos referidos projetos que serão avaliados quinzenalmente pelos mesmos. Alem dos projetos, durante os bimestres, sempre que possível professores dos diferentes componentes curriculares, estarão verificando a possibilidades de trabalharem em conjunto determinados conteúdos, cada um aprofundando-se nas suas especificidades. 2.1 Projetos da SEE 1) Escola da Família 2) Game SuperAção Jovem Instituto Airton Senna 3) Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas.(OBMEP) 4) Decatlo 2.2 Projetos da Escola: 1) Sala Azul 2) Adote um Bairro 3) Horta 4) Biblioteca (pesquisa) 5) Cantinho da Leitura 6) Café Colonial 7) Radio 16

17 3 - Sínteses dos Objetivos dos Conteúdos Programáticos Ensino Fundamental Quinta Série Língua Portuguesa - aprimorar a leitura oral, exercitando a partir de orientação sobre a entonação; - conhecer, observar e produzir bilhete, convite, cartão, cartão postal e carta, levando em consideração a estrutura, a coerência e a adequação da linguagem aos fins propostos; - produzir textos a partir de desenhos, rótulos, cardápios, recibos, fichas, jogos, anúncios, "outdoors"; - interpretar textos do cotidiano; - elaborar acrósticos; - observar a previsão do tempo; - destacar a função do verbo na frase; - motivar o educando para a formação de conceitos de vivência de ética, moral e conscientização geral, para a formação da cidadania; - conscientizar o educando sobre o uso e perigo de drogas; - observar e utilizar gírias; - dramatizar históricas, fatos do cotidiano; - estudar as rimas; - consultar com coerência os dicionários; - conceituar comunicação, linguagem e língua; - reconhecer os substantivos e classificá-los; - identificar e classificar o adjetivo; - classificar e reconhecer o artigo; - empregar corretamente o pronome. Matemática Levar o aluno a desenvolver os conhecimentos básicos da teoria e da prática da matemática necessários para sua perfeita integração com a sociedade em que vive; Dar a conhecer ao aluno: Números Naturais: 17

18 - sistema de numeração; - as operações no conjunto dos números naturais; - múltiplos e divisores - radiciação; - máximo divisor comum; - mínimo múltiplo comum; - o conjunto de números fracionários; - operações fundamentais com números fracionários; - problemas com números fracionários; - Introdução à geometria; - Medidas de comprimento; - perímetro e área dos polígonos História - introduzir conceitos de diferenças sociais; - mostrar a importância da vida em sociedade para o ser humano; destacar que a vida social implica na existência de regras sociais; - mostrar a importância do ensino de História, trabalhar a noção de tempo; familiarizar o aluno com o uso da cronologia e com as divisões utilizadas na contagem do tempo; - mostrar a importância das grandes navegações para o descobrimento do Brasil; - mostrar a submissão e a destruição das culturas indígenas e o papel da igreja católica na submissão dos índios; - mostrar como foi administrada a colônia brasileira no início do descobrimento; - mostrar as primeiras atividades econômicas no Brasil; - conhecer e identificar as comunidades, seus hábitos e costumes; relacionar, comparar modos de vida e organização de cada comunidade; - - atualidade: fazer com que o aluno conheça seus direitos e deveres e que com isso tenha senso crítico com relação à realidade brasileira. Língua estrangeira Inglês - aprender as expressões mais comuns da língua inglesa; - compreender e reconhecer as palavras e seus significados; - aplicar e compreender as estruturas gramaticais da língua inglesa; - pronúncia correta; - aprimoramento do vocabulário; - identificação de tempos verbais; - aplicação e reconhecimento do Present Simple; - elaboração de questões diretas e indiretas; - aplicar e reconhecer o Present Continuous; 18

19 - infiltrar na formação do educando conceitos x ética, moral e conscientização geral para a formação da cidadania; - levar o educando a tornar-se um ser consciente e participativo. Educação Artística - identificar os elementos fundamentais na composição plástica; - conceituar cores primárias, secundárias, terciárias, monocrômica; - conceituar e aplicar cores neutras, quentes e cores frias; - perceber formas a partir de sugestões de linhas; - organizar composições; - conceituar e diferenciar linhas complexas; - obter formas positivas e negativas; - expressar por meio das atividades artísticas as vivências emocionais; - desenvolver e apreciar os valores éticos, morais e estéticos; - valorizar o texto verbal na composição teatral; - adquirir hábitos de disciplina e concentração no trabalho individual e grupal; - desenvolver a habilidade de usar o lazer construtivamente; - adquirir uma linguagem própria. Ciências - Observar e organizar informações sobre a duração do dia em diferentes épocas do ano e sobre os horários de nascimento e ocaso do Sol, da Lua e das estrelas ao longo do tempo, reconhecendo a natureza cíclica desses eventos e associando-os aos ciclos dos seres vivos e ao calendário; - Buscar e organizar informações sobre cometas, planetas e satélites do Sistema Solar e outros corpos celestes para elaborar uma concepção de Universo; - Caracterizar a constituição da Terra e das condições existentes para a presença da vida; -Valorizar os conhecimentos de povos antigos para explicar os fenômenos celestes; - Identificar, mediante observação direta, de algumas constelações, estrelas e planetas recorrentes no céu do hemisfério sul durante o ano. - Identificar a atração gravitacional da Terra como força que mantém pessoas e objetos presos ao solo ou que os faz cair, que causa marés e que é responsável pela manutenção de um astro em órbita do outro; - identificar o conhecimento historicamente acumulado, considerando o papel de novas tecnologias e o embate de idéias nos principais eventos da história da Astronomia até os dias de hoje. - trabalhar com a coleta, organização, interpretação e divulgação de informações sobre transformações nos ambientes provocadas pela ação humana e medidas de proteção e recuperação, particularmente da região em que vivem e em outras regiões brasileiras, valorizando medidas de proteção ao meio ambiente; 19

20 - Investigar a diversidade dos seres vivos compreendendo cadeias alimentares e características adaptativas dos mesmo, valorizando-os e respeitando-os; - Comparar os diferentes ecossistemas brasileiros quanto à vegetação e fauna, suas inter-relações e interações com o solo, o clima, a disponibilidade e luz e de água e com as sociedades humanas; - Investigar diferentes explicações sobre a vida na Terra sobre a formação dos fósseis e comparação entre espécies extintas e atuais Geografia - construir os conceitos de ciência e encarar a geografia como tal; - entender o ponto de partida da localização e saber se orientar no tempo e no espaço; - saber orientar-se por meio de mapas; - distinguir os diferentes tipos de astros; - localizar a Terra e o Universo; - compreender os movimentos do planeta e suas conseqüências em nosso dia a dia; - conhecer o processo de formação das camadas da Terra; - identificar as diferentes formas de presença de água na Terra; - compreender a relação entre oceanos e mares; - reconhecer as possibilidades de aproveitamento econômico dos mares; - reconhecer a importância dos rios e lagos; - compreender a influência dos rios na caracterização regional; - valorizar a necessidade de preservação de rios. Educação Física Fazer com que o aluno: - desenvolva a criatividade; - explore e supere, de modo progressivo, suas capacidades físicas e habilidades motoras; - demonstre controle corporal executando movimentos com economia de esforço; - amplie noções de lateralidade, espaço e tempo; - demonstre habilidade no manuseio de diferentes materiais; - assuma seu papel nas atividades grupais; - modifique e amplie as regras do jogo; - demonstre adaptação do ritmo individual ao ritmo do grupo; Sexta Série Ciências - conhecer a célula como elemento fundamental dos seres vivos; - conhecer a diferença entre célula vegetal e célula animal; SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO 20

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Pibid 2013 Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência

Pibid 2013 Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência Proposta Edital nº. 61/2013 Número da proposta 128395 ID Projeto - UFU Instituição de Ensino Superior Nome UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA/UFU Código INEP 17 CNPJ 25.648.387/0001-18 Categoria administrativa

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2011 Educação Infantil III Área de conhecimento: Linguagem Série: Infantil III Educação Infantil Competências Habilidades a serem desenvolvidas Eixo/Conteúdos

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE O Colégio Estadual Djenal Tavares de Queiroz, foi fundado

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) Resumo DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 Eunice Piccin 2 Fabiano Bolzan Scherer² Fernanda Dalosto Moraes² Marcos Vinicius Conceição

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA 6º ANO "... A minha contribuição

Leia mais

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O Colégio Ceom, fundamenta seu trabalho educacional na área da Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Fundamental II e Ensino Médio, a partir das teorias de Jean Piaget e Emília

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: CIENCIAS DA NATUREZA, MATEMATICA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular:

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

Coordenadora Institucional Profª Helenise Sangoi Antunes. Coordenadora Adjunta Profª Liane Teresinha Wendling Roos

Coordenadora Institucional Profª Helenise Sangoi Antunes. Coordenadora Adjunta Profª Liane Teresinha Wendling Roos SONHE Seja o que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só se tem uma chance de fazer aquilo que quer. Tenha felicidade bastante para fazê-la doce. Dificuldades para fazê-la forte. Tristeza

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

Plano de Gestão 2013-2015

Plano de Gestão 2013-2015 Plano de Gestão 2013-2015 CANDIDATAS DIRETORA: MARIA MAGARI INDA DA ROCHA VICE-DIRETORA: LUCI MEIRE RISSO BARBOSA PLANO DE GESTÃO A escola onde trabalho está baseada nos valores humanistas, tendo como

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

Projeto de Redesenho Curricular

Projeto de Redesenho Curricular AÇÕES DAS ESCOLAS PARTICIPANTES DO ProEMI COM TI Equipamentos midiáticos e tecnológicos adquiridos pelo PROEMI EE DONA ELISA DE COMPOS LIMA NOVELLI - DER ITARARÉ Objetivos Projeto de Redesenho Curricular

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

Educação Nutricional. Por quê?

Educação Nutricional. Por quê? Educação Nutricional Por quê? CRIANÇAS COM DOENÇAS DE ADULTOS CAUSAS: * Estilo de Vida = Sedentarismo * Má Alimentação * Hereditariedade CONSEQÜÊNCIAS: * Hipertensão * Diabetes - tipo 2 * Colesterol e

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA A ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESCOLAR O Planejamento é o principal instrumento norteador da ação dos coordenadores e profissionais

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE. MATEMÁTICA 7º ano

PLANEJAMENTO ANUAL DE. MATEMÁTICA 7º ano COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA 7º ano PROFESSORAS: SANDRA MARA

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

1 o Período Educação Infantil

1 o Período Educação Infantil 1 o Período Educação Infantil Eixo temático: O tema Imaginação visa a estimular as distintas áreas de desenvolvimento integral das crianças, bem como favorecer o crescimento de suas habilidades e competências.

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2015. Ensino Médio. Habilitação Profissional: Técnico em Informática para Internet Integrado ao Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: CIÊNCIAS DA NATUREZA Componente Curricular: BIOLOGIA Série: 1ª Eixo Tecnológico:

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PREFEITO WILLIAMS DE SOUZA ARRUDA PROFESSOR: PEDRO ROMÃO BATISTA COMPONENTE CURRICULAR: MATEMÁTICA

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PREFEITO WILLIAMS DE SOUZA ARRUDA PROFESSOR: PEDRO ROMÃO BATISTA COMPONENTE CURRICULAR: MATEMÁTICA ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PREFEITO WILLIAMS DE SOUZA ARRUDA PROFESSOR: PEDRO ROMÃO BATISTA COMPONENTE CURRICULAR: MATEMÁTICA PLANOS DE CURSO PARA 6º E 7º ANOS Campina Grande, 2011 -

Leia mais

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO O GRUPO DOM BOSCO Este é o momento de dar espaço à curiosidade, de fazer novas descobertas e formar suas próprias ideias. SEDE HORTO - Berçário - Educação Infantil - 1º Ano

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÂO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE VOTORANTIM EE PROF

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÂO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE VOTORANTIM EE PROF SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÂO EE PROF.ª MARIA IGNÊS ARAÚJO PAULA SANTOS" PLANO DE GESTÃO QUADRIÊNIO 2014/2018 1. Identificação e Caracterização da Escola 1.1 - Identificação EE Profª. Maria Ignês Araújo

Leia mais

RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998

RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998 RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio O Presidente da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação, de conformidade

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ

PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ TEMA PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES Educação para a Paz Aplicadores:

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Componente Curricular: BIOLOGIA Série:

Leia mais

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental.

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental. NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO: EDUCAÇÃO INFANTIL: Maternal III: 3-4 anos 1º Período: 4-5 anos 2º Período: 5-6 anos ENSINO FUNDAMENTAL: Novatos: 1º ano matrícula com 6 anos completos (até 31 de março)

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2014 Conhecimento e Expressão nas Artes e nas Ciências

PROVA TEMÁTICA/2014 Conhecimento e Expressão nas Artes e nas Ciências PROVA TEMÁTICA/2014 Conhecimento e Expressão nas Artes e nas Ciências 5 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS. (LÍNGUA PORTUGUESA E REDAÇÃO) Competência

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O E. M. E. F. P R O F ª. D I R C E B O E M E R G U E D E S D E A Z E V E D O P

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES Disciplina: Linguagem. Períodos: Infantil 4 1º, 2º, 3º. Conteúdo

DIRETRIZES CURRICULARES Disciplina: Linguagem. Períodos: Infantil 4 1º, 2º, 3º. Conteúdo Linguagem Letras do alfabeto Nome próprio, nome da escola, histórias Nome das profissões, histórias, músicas Histórias, nome das plantas Histórias em quadrinho, brincadeiras, nome dos brinquedos Nome dos

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente 2014 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03 PROJETO RECICLAGEM 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

Colégio Dom Bosco Ensino Médio Integral e Curso LTDA CNPJ 14.055.114/0001-43 Quadra ACSU SE 20, Avenida NS B. Conjunto 2, Lote 5 - Estado do Tocantins

Colégio Dom Bosco Ensino Médio Integral e Curso LTDA CNPJ 14.055.114/0001-43 Quadra ACSU SE 20, Avenida NS B. Conjunto 2, Lote 5 - Estado do Tocantins Colégio Dom Bosco Ensino Médio Integral e Curso LTDA CNPJ 14.055.114/0001-43 Quadra ACSU SE 20, Avenida NS B. Conjunto 2, Lote 5 - Estado do Tocantins EDITAL N.º 01/2015 PROCESSO SELETIVO PARA COLÉGIO

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica.

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. ENSINO FUNDAMENTAL De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. Art. 32 "o Ensino Fundamental, com duração mínima de oito

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO EQUIPE TÉCNICO-PEDAGÓGICA PLANO DE ENSINO

COORDENAÇÃO DE ENSINO EQUIPE TÉCNICO-PEDAGÓGICA PLANO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE ENSINO EQUIPE TÉCNICO-PEDAGÓGICA 1 - IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO CURSO: Técnico Subsequente em Agricultura DISCIPLINA/ COMPONENTE CURRICULAR: Matemática Aplicada a Agricultura ANO/ CARGA

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Integração do grupo; Sensibilização para os problemas e potencialidades

Leia mais

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem A avaliação no Programa de Alfabetização é processual. O seu propósito é o de

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR INFORMAÇÕES GERAIS: Denominação: Curso Técnico em Infraestrutura Escolar Eixo Tecnológico: Apoio Educacional Titulação Conferida:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Maternal 3 anos Educação Infantil

Maternal 3 anos Educação Infantil Maternal 3 anos Educação Infantil Eixo temático: Tema: Joca e suas aventuras As crianças, nesta fase, caracterizam-se pelo movimento e pela ação. Agem ativamente em seu entorno, acompanhando seus movimentos

Leia mais

COLÉGIO SANTA MARCELINA INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE ENSINO FUNDAMENTAL I 5º ANO - 2016

COLÉGIO SANTA MARCELINA INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE ENSINO FUNDAMENTAL I 5º ANO - 2016 COLÉGIO SANTA MARCELINA INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE ENSINO FUNDAMENTAL I 5º ANO - 2016 LÍNGUA PORTUGUESA Reconhecer o gênero de um texto a partir de seu contexto; Analisar textos de diferentes gêneros;

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 6ºANO CONTEÚDOS-1º TRIMESTRE Números naturais; Diferença entre número e algarismos; Posição relativa do algarismo dentro do número; Leitura do número; Sucessor e antecessor;

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I SÉRIE: EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais