I A missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I A missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional"

Transcrição

1 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA AUO-AVALIAÇÃO INSIUCIONAL DO CEFE-BA PERIODO: 2007/2008 Instrumento A1- AVALIAÇÃO GLOBAL (Discentes) RELAÓRIO ANALÍICO I A missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional O CEFE PRECISAR MUDAR MUIA COISA, OU SEJA, A QUALIDADE EM GERAL DEIXA A DESEJAR. O CEFE-BA É UMA ÓIMA INSIUIÇÃO, SÓ ENHO A ELOGIAR E AGRADECER! EU ANDREIA, ESUDEI NO CEFE, ANO PASSADO, PUDE OBSERVAR VÁRIAS MODIFICAÇÕES PARA MELHORAR O ENSINO NESSE ANO DE 2008, ESSE ANO ESÁ PERFEIO E ESSA SEMANA DE PROVA FICOU LEGAL, POR ER MAIS EMPO PARA ESUDAR, PARA ODAS AS MAÉRIAS. O ENSINO ESÁ DE ÓIMA QUALIDADE. A UNIDADE DE SIMÕES FILHO ESÁ DE PARABÉNS, PORÉM PRECISA MUDANÇAS. ESPERO QUE ELAS VENHAM A SER ERMINADAS. O CEFE É O 3 MELHOR, PORÉM PRECISAR MELHORAR EM ALGUNS ASPECOS. O CEFE-BA É UMA DAS MELHORES ESCOLAS, NÃO ENHO DO QUE RECLAMAR. ODO O APOIO QUE UM ALUNO PRECISA AQUI EM, BASA AO ALUNO ER FORÇA DE VONADE. ODA ESRUURA QUANO A AENÇÃO PARA O ALUNO, AJUDA, ACOMODAMENO, ESPAÇO, PROFESSORES, LIMPEZA, EDUCADORES, EC. SÃO ODOS BONS E DEDICADOS PARA QUE OS ESUDANE ENHA UM BOM PROGRESSO AO ESUDAR. O CEFE É UM BOM LOCAL DE ENSINO, SÃO POUCAS AS CRÍICAS QUE DEVE DIRIGIR À U.E, SÓ QUE ALGUNS ALUNOS NÃO APROVEIAM A CHANCE. MAS SIM, A U.E ESÁ QUASE PERFEIA. RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 1/18

2 (3) Documentação, dados e indicadores para esta dimensão II A política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de pesquisa, de monitoria e demais A. ENSINO M A INSIUIÇÃO ESÁ NA BUSCA DO MELHOR ENSINO PARA NÓS ALUNOS, PORÉM, ACABAM DEIXANDO DE LADO ALGUM PONOS COMO POR EXEMPLO OS LABORAÓRIOS DE QUÍMICA E FÍSICA QUE POR SINAL, NÃO EXISEM NESA INSIUIÇÃO. OS PROFESSORES ESÃO QUALIFICADOS, MAIS DEVE HAVER A PRÁICA SOBRE OS ASSUNOS DADO. (B DIMENSÃO V) PASSAMOS QUASE DOIS ANOS ESUDANDO POUCO, AFINAL MUIAS VEZES NOS FALA AÉ PROFESORES, EMOS QUE CORRER ARÁS DE COISAS QUE NÃO ESÃO AO NOSSO ALCANCE, NÃO FAZEM PARE DE NOSSAS OBRIGAÇÕES NO FINAL DAS CONAS, QUANDO PRECISAMOS DE ORIENAÇÃO QUANO A ESÁGIOS, NÃO EMOS. (B DIMENSÃO V) QUANO A LIMPEZA DOS BANHEIROS, QUE SÓ ACONECE NO URNO MAUINO; ORGANIZAR MAIS RÁPIDO POSSÍVEL A VISIA ÉCNICA PARA O CURSO (P e G); UM RAAMENO MELHOR NO AENDIMENO DA CANINA. (B DIMENSÃO IV) A DIREÇÃO DO CEFE-SF, DEVERIA INVESIR MAIS NAS AULAS PRÁICAS, COM O OBJEIVO DE FORMAR PROFISSIONAIS MAIS QUALIFICADOS. QUER DIZER QUE OS ALUNOS DO CEFE-BA SÓ PODEM PASAR MAL DE ARDE? CADÊ A ENFERMEIRA NO URNO MAUINO? CADÊ A HIGIENE, CADÊ A ESRUURA, CADÊ A UNIÃO DA DIREÇÃO, COMO É O NOME DA DIREOR(A)? DESMAAMENO, FALA DE SEGURANÇA. O CEFE DEVERIA MODIFICAR ALGUMAS OPÇOES QUE MARQUEI E AMBÉM O ENSINO DA DISCIPLINA MAÉMAICA, POIS OS ALUNOS ÊM DIFICULDADES. RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 2/18

3 FALA DÁ UM RUMO AO NOSSO CURSO, POIS ESÁ PARECENDO UM CURSO DE MECÂNICA COM ALGUMAS MAÉRIAS DE PERÓLEO E GÁS. A ESCOLA DEVERIA ER MAIS RECURSOS EM QUESÃO DE MAERIAIS DISPONÍVEIS PARA OS ALUNOS COMO IMPRIMIR, PESQUISAR E COM QUE OS ALUNOS DE ELEROMECÂNICA POSSAM ER AULAS DE INFORMÁICA BÁSICA. (B DIMENSÃO IX) BIBLIOECA, ALGUMAS PESSOAS NÃO EM EDUCAÇÃO E FALAM ALO, ASSIM ARAPALHANDO QUEM QUER ESUDAR. A DIREÇÃO EM ALGUNS DIAS NÃO SE ENCONRA AS PESSOAS RESPONSÁVEIS DE MANHÃ E A ESCOLA FICA ENREGUE AOS ALUNOS. ISSO NÃO PODE ACONECER. O SEOR QUE PODERIA MELHORAR MAIS É O DA COORDENAÇÃO, NA ÁREA DE AVISOS. DESCOMPAÇO ENRE ESES E RABALHOS EM ORGANIZAÇÃO. AMONOAR OS ALUNOS PARA O ENSINO SER DE QUALIDADE. NÃO A FALA DE AIVIDADES EXRA-CURRICULAR ESÁ ORNANDO INSUPORÁVEL A RELAÇÃO ALUNO X CEFE-BA. O ALUNO NÃO POSSUI UMA VÁLVULA DE ESCAPE, SE ORNANDO UMA BOMBA AÔMICA URBULANE. INFORMAIZAR O SISEMA DA BIBLIOECA, MELHORAR O ACESSO A INERNE, INEGRAR O CURSO DE PERÓLEO E GÁS COM URGÊNCIA (EORIA E PRÁICA), MELHORAR O LANCHE DA CANINA. (B DIMENSÃO VII) O CURSO DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO DEVERIA ER DISCIPLINAS QUE ABRAMGECE A OPERAÇÃO E PERFURAÇÃO COM SONDAS, ALÉM DE AULAS PRÁICAS. PERCEBO NA GRADE CURRICULAR POUCAS HORAS PARA MAÉRIAS DE GRANDE UILIDADE PARA NOSSO FUURO PROFISSINAL; ALÉM DE AULAS QUE NÃO EM CABIMENO ER EM NOSSO CURRICULO. É O EXEMPLO DE INGLÊS, EMOS ÃO POUCA HORA AULA, QUE É PREFERÍVEL NÃO ER E SEM RESPOSO EM OURA MAÉRIA COMO PERFURAÇÃO. OPS! UM PEQUENO COMENÁRIO! PORQUE O DIREOR OU OURAS PESSOAS QUE POSSU CARGO SUPERIOR AO LAUNO, NÃO PARICIPA, NÃO CONVIVE COM OS ALUNOS E PROCURAR SABER O QUE ELES QUEREM DE VERDADE!? OBRIGADO. RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 3/18

4 QUANO AOS COORDENADORES, DEVERIA HAVER MAIS PREOCUPAÇÃO, QUANO AS DISCIPLINAS QUE ESÃO SEM PROFESSORES, E VIABILIZAR MAIS VISISAS ÉCNICAS. QUANO A DIREÇÃO, AMBÉM DEVERIAM ESAR A PAR DE UDO ISSO, E PROCURAR MELHORAR NESSES ASPECOS, JUNAMENE COM OS COORDENADORES DE CADA CURSO, BUSCAR O MELHOR DESENVOLVIMENO E APRENDIZADO DOS ALUNOS. (B DIMENSÃO V) OS VIGIAS DEVERIAM SER EDUCADOS COM OS ALUNOS DA INSIUIÇÃO "MANUELA AMBÉM". VISIAS ÉCNICAS. ACESSO OFICINA PONUALIDADE DOS PROFESSORES. COLOCAR O 5º SEMESRE PARA O URNO NOURNO, POIS NÃO APRENDEMOS NADA. E MUDAR E AUMENAR O PERÍODO DE EMPO DE UMA AULA, É MUIO CURO A NOIE. EU GOSARIA QUE OS PROFESSORES EXPLICASSEM MAIS A MELHORIA A QUALIDADE DE ENSINO. AMBÉM QUERIA QUE NÃO IVESSE HORÁRIO VAGO. DEVERIA ER AULA DE LÍNGUA ESRANGEIRA E AULA DE ESPORE. MAIS MOVIMENOS CULURAIS, INEGRAÇÃO ENRE OS CEFES, COM MÚSICA E ESPORES. OS ALUNOS DO 1 ANDAR ESÃO COM MUIA DIFICULDADE EM APRENDER MAÉMAICA, POR CAUSA DO ENSINO! DEVERIA MELHORAR, OBRIGADA PELA COMPREENSÃO. SUGESÃO SERIA A 1 E 2 UNIDADE, QUE PODERÍAMOS ER RECUPERAÇÃO DE CADA MAÉRIA PARA PODERMOS AUMENAR A NOA, CASO PRECISO. EM RELAÇÃO AOS ALUNOS, SENIMOS GRANDE FALA DE AULAS PRÁICAS NAS MAÉRIAS ESCOLARES. MELHORAR O AENDIMENO DO ALUNO; DIREÇÃO DA ESCOLA. PORQUE EM GENE MAL EDUCADA, RABALHANDO SEM EDUCAÇÃO. MELHORAR A CANINA (DEEIZAÇÃO URGENE). ESAMOS SENDO MALRAADOS, QUANDO BUSCAMOS ALGUM ESCLARECIMENO NA DIREÇÃO ADMINISRAIVA. SÓ ENHO A CRIICAR! (B DIMENSÃO V) A RESPEIO DO CURSO DE MEALURGIA, ACHO UMA FALA DE RESPEIO AOS ALUNOS, POIS NÃO EMOS AULA, DESDE O INICIO DO ANO, E AINDA ENDO QUE FAZER PROVAS, E ASSIM UM COLÉGIO QUE SE DIZ COMPEÊNCIA, ONDE O PROFESSOR SE RECUSA DARA AULA, E O COLÉGIO QUE SE SUBMEE À ESES ABSURDOS. RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 4/18

5 AULAS DE ESPANHOL, ORNEIOS, RABALHOS DIVERIDOS QUE NOS RAGA CONHECIMENOS. AUMENAR O ACESSO DOS ALUNOS AO LABORAÓRIO DE SEUS RESPECIVOS CURSOS. EM RELAÇÃO AS RECUPERAÇÕES, POIS AS CRÍICAS E SUGESÕES SERAM DIAS AO PASSAR DO EMPO. A RESPEIO DO CURSO DE MEARLUGIA, NÃO ENHO OPINIÕES, POIS DESDE O ÍNICIO DO ANO ESAMOS SEM AULA, PELO SIMPLES FAO DO PROFESSOR NÃO QUERER DAR AULA. ISSO NÃO EXISE! NÃO GOSO DO MODO DE ENSINO DA PROFESSORA AZLY, POIS ELA É MUIO RÁPIDA NAS EXPLICAÇÕES, DÁ O CONEÚDO MUIO RÁPIDO E OS ALUNOS NÃO CONSEGUEM ASSIMILAR OS ASSUNOS. ELA ENSINA EM UNIVERSIDADE E NÃO EM EXPERIÊNCIA NENHUMA COM OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. A CANINA NÃO É ORGANIZADA. GOSARIA QUE COLOCASSEM O QUALIAIVO DE VOLA. A ESCOLA DEVERIA PROVIDÊNCIAR OURA ESCOLAR PORQUE A SIUAÇÃO ESÁ CRÍICA. (B DIMENSÃO V) SERIA MELHOR REVER O HORÁRIO DAS AULAS, POIS CHEGAMOS CEDO ÁS 7:00HR E SAIRMOS AS 12:10HR E AINDA PERDEMOS A ESCALA (OS ALUNOS DO INEGRADO) E 2 ESCOLAS NÃO DAR PARA ANO ALUNO, SOB MEADE NA ESCOLA E O MOORISA, NÃO DEIXA A OURA PARE ENRAR, POIS JÁ ESÁ LOADADA. ISSO É UM ABSURDO! ODOS OS ASPECOS RELACIONADOS A ESA AVALIAÇÃO COMO NEGAIVO- 01 OU NÃO DEVEM SER MELHORADOS OU CONSRUIDOS JUNO AOS ALUNOS DA UNIDADE DE ENSINO, PRINCIPALMENE SOBRE O PONO DE VISA DE PRIORIDADE. A GESÃO DE RECURSOS PODE SER MELHOR CONDUZIDA COM A PARICIPAÇÃO DISCENE UMA VEZ QUE, SOMOS OS QUE EMOS MAIS CONAOS COM O ODO DA INSIUIÇÃO. (B DIMENSÃO VI) É EXREMAMENE ABSURDO, NUMA UNIDADE DE ENSINO COMO O CEFE, ERMINAR O CURSO PREJUDICADO, PERDER UM SEMESRE INEIRO POR CAUSA DE UMA DISCIPLINA. NO CEFE-BA É PRECISO ESUDAR MUIO, MAS MUIO MESMO, ENÃO AQUI EM SIMÕES FILHO O PRIMEIRO ANO DE ENSINO INEGRADO, EM UMA DISCIPLINA, QUE EU ACHO OALMENE SEM SENIDO, E NÃO ENHO A MÍNIMA VONADE DE ESUDAR A MAÉRIA DE ARES, A COORDENAÇÃO DIZ QUE É IMPORANE, MAS NÃO É, SE EU QUERO ME FORMAR EM ELEROMECÂNICA, NÃO ENHO NADA QUE ESUDAR ARES, ACHO QUE SE EU DEIXAR DE ESUDAR AS DISCIPLINAS IMPORANES PARA FAZER RABALHINHOS DE COLAGEM E DESENHO, EU VOU ME PREJUDICAR MUIO, DEIXAR DE FAZER ALGO IMPORANE PARA ESUDAR ARES, ISSO NÃO EM RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 5/18

6 CABIMENO, POR ISSO NÃO PARICIPO DE NENHUMA AIVIDADE DE ARE, E SE FOR O CASO É PORQUE SOU FORÇADO. A INSIUIÇÃO NÃO PEDE A OPINIÃO MAIS IMPORANE QUE É A DO ALUNO. MELHORIA NA ORGANIZAÇÃO ACADÊMICA, PRINCIPALMENE DAS AULAS ÉCNICAS, POIS O 1º NÃO EM. HORÁRIOS MAIS ADEQUADOS DOS ESCOLARES PARA QUE SE ENCAIXE COM O DO MUNICÍPIO, E AVISO PRÉVIO A ODAS AS SALAS QUANDO O ESCOLAR NÃO RODAR. A CANINA DEVERIA ER DOIS CAIXAS PARA MELHOR AENDER AOS ALUNOS, QUE PASSAM QUASE ODA HORA DO INERVALO PARA CONSEGUIR COMPRAR E DEPOIS INEGRAR A FICHA AÉ RECEBEREM O LANCHE. O EMPO DE INERVALO É MUIO PEQUENO. HÁ FALA DE LIVROS NA BIBLIOECA SUFICIENE PARA OS ALUNOS. O LABORAÓRIO DE QUÍMICA, FÍSICA E BIOLOGIA. RESSALO AQUI MEU REAL DESCONENAMENO COM AS PRÁICAS PEDAGÓGICAS UILIZADAS PELO CEFE-BA QUE SOBRECARREGAM OS ESUDANES DA INSIUIÇÃO. O CEFE-BA CONÍNUA SENDO ECNICISA, PRIVELIGIANDO MAÉRIAS ÉCNICAS E CIÊNCIAS EXAAS, EM DERIMENO DE OURA ÁREAS. AMBÉM AVALIO AQUI QUE A UNIDADE SEDE VEM, E CONÍNUA SENDO, A MAIOR BENEFICIADA EM MELHORIAS, PARA O CEFE, ANO FÍSICAS QUANO EDUCACIONAIS. HÁ UMA FALA DE PARICIPAÇÃO DISCENE NA OMADA DAS DECISÕES INSIUCIONAIS, VISO QUE NÃO EXISE O COLEGIADO ESCOLAR NESSA UNIDADE. HÁ UMA CARÊNCIA DE PROFESSORES NA ÁREA DE CIÊNCIAS HUMANAS. FALA AIVIDADES ACADÊMICAS E CULURAIS. (B DIMENSÃO VI) O CENRO DEVERIA INVESIR MAIS EM AIVIDADES PRÁICAS E EM LABORAÓRIOS QUE AVALIEM OS CONEÚDOS EÓRICOS DOS CURSOS E SE PREOCUPAR EM ENCAMINHAR OS ESUDANES QUE ESEJAM NO NÍVEL ÉCNICO PARA ESÁGIO INRA-CURRICULAR. FAZER PESQUISAS DE MERCADO DE RABALHO ANES DE ABRIR UM VESIBULAR PARA DEERMINADO CURSO PARA NÃO FICAR COM ESUDANES FORMADOS ABSOLEOS. PRECISAMOS ER MAIS AULAS PRÁICAS, EM RELAÇÃO ÀS MAERIAS ÉCNICAS. NO CEFE-BA SF, DEVERIAM EXISIR ALGUMAS AIVIDADES EXRAS, COMO POR EXEMPLO, GRUPOS DE MÚSICA, DANÇA, ARE. APESAR DE ERMOS UM GRANDE RESPEIO NA SOCIEDADE, AQUI DENRO, NÓS ALUNOS, NÃO EMOS LAZER NENHUM. RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 6/18

7 MINHA RECLAMAÇÃO É QUANO A QUANIDADE DE HORÁRIOS VAGOS QUE EMOS NA SEMANA, QUE SÃO 06 HORÁRIOS. O AENDIMENO DOS PROFESSORES, PEDAGOGAS E ASSISENES DE ALUNOS É APLAUSÍVEL, MOSRANDO ASSIM SUA OCUPAÇÃO EM SAISFAZER AS NECESSIDADES DOS ALUNOS. SEM DIREIO COMO RECUPERAÇÃO PARALELA E RECUPERAÇÃO FINAL, FICA DÍFICIL DE CONSEGUIR PASSAR DE ANO, POIS PROFESSORES COBRAM MUIO DA GENE. QUEREMOS AVALIAÇÃO QUALIAIAVA URGENE. PRECISAMOS DE UMA MONIORIA. ONDE ESAM OS CURSOS DE EXENSÃO, FALAM MUIOS LIVROS NA BIBLIOECA, ESAMOS COM OS HORÁRIOS VAGOS, ONDE ESÃO AS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA, FALAM ESPORES, IPO: ARES MARCIAIS NO CEFE- BA SF. EU ACHO QUE DEVERIA COLOCAR A MODALIDADE INEGRADA À NOIE AMBÉM, PARA QUEM RABALHAR DE DIA. (1) Núcleo de temas optativos B. PESQUISA C. EXENSÃO D. PÓS-GRADUAÇÃO (stricto e latu sensu) RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 7/18

8 (3) Documentação, dados e indicadores para esta dimensão III A responsabilidade social da instituição, considerada especialmente no que se refere à sua contribuição em relação à inclusão social, ao desenvolvimento econômico e social, à defesa do meio ambiente, da memória cultural, da produção artística e do patrimônio cultural (3) Documentação, dados e indicadores para esta dimensão IV A comunicação com a sociedade ER CONVÊNIOS COM EMPRESAS PARA O MELHOR DOS ÉCNICOS NO MERCADO DE RABALHO, EM ESPECIAL MEALURGIA. MELHORIA DOS LABORAÓRIOS, PARA AULAS PRÁICAS. (B DIMENSÃO VII) A DIREÇÃO A, DEVE BUSCAR PARCERIA COM AS EMPRESAS NO INUIO DE ENCAMINHAR OS ALUNOS PARA O PROGRAMA DE ESÁGIO. (B DIMENSÃO IX) O SEOR ADMINISRAIVO ESÁ CADA VEZ MAIS DISANCIANDO OS ALUNOS DO PAVILHÃO ADMINISRAIVO! (3) Documentação, dados e indicadores para esta dimensão V As políticas de pessoal, de carreiras do corpo docente e corpo técnico-administrativo, seu aperfeiçoamento, desenvolvimento profissional e suas condições de trabalho RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 8/18

9 M A INSIUIÇÃO ESÁ NA BUSCA DO MELHOR ENSINO PARA NÓS ALUNOS, PORÉM, ACABAM DEIXANDO DE LADO ALGUNS PONOS, COMO POR EXEMPLO: OS LABORAÓRIOS DE QUÍMICA E FÍSICA, QUE POR SINAL NÃO EXISEM NESA INSIUIÇÃO. OS PROFESSORES ESÃO QUALIFICADOS, MAS DEVE HAVER A PRÁICA SOBRE OS ASSUNOS DADO. (B DIMENSÃO II) PASSAMOS QUASE DOIS ANOS ESUDANDO POUCO, AFINAL MUIAS VEZES NOS FALA AÉ PROFESORES, EMOS QUE CORRER ARÁS DE COISAS QUE NÃO ESÃO AO NOSSO ALCANCE, NÃO FAZEM PARE DE NOSSAS OBRIGAÇÕES NO FINAL DAS CONAS, QUANDO PRECISAMOS DE ORIENAÇÃO QUANO A ESÁGIOS, NÃO EMOS. (B DIMENSÃO II) GOSARIA DE SOLICIAR UMA AVALIAÇÃO ESPECIAL PARA PROFESSORES AUANES NÃO CONCURSADOS, POIS HÁ UM EXEMPLO RECENE DE PROFESSOR AUANE NÃO SER APROVADO, PORÉM, SER MUIO EFICIENE EM SUA FUNÇÃO. GOSARIA QUE NÃO FOSSE ASSIM, MAIS ESPERO NO FUURO PRÓXIMO, OS NOVOS ALUNOS ENHAM UMA OPINIÃO DIFERENE DA MINHA. PORQUE RECURSOS EMOS, SÓ PRECISAMOS DE PESSOAS HONESAS E COM AIUDE PARA FAZER DO CEFE SIMÕES FILHO MELHOR. MELHORAR O AENDIMENO DO ALUNO; DIREÇÃO DA ESCOLA. PORQUE EM GENE MAL EDUCADA, RABALHANDO SEM EDUCAÇÃO. MELHORAR A CANINA (DEEIZAÇÃO URGENE). ESAMOS SENDO MALRAADOS QUANDO BUSCAMOS ALGUM ESCLARECIMENO NA DIREÇÃO ADMINISRAIVA. SÓ ENHO A CRIICAR! (B DIMENSÃO II) OS AUAIS FUNCIONÁRIOS DA BIBLIOECA NECESSIAM DE UM POUCO MAIS DE PACIÊNCIA, POIS RABALHAR COM PESSOAS, AINDA MAIS ELAS, SE RAANDO DE ESUDANES, REQUER UM POUCO MAIS DE COMPREENSÃO. PARABÉNS AOS DEMAIS, NÃO OBSANE, MUIAS DIFICULDADES. É NOÓRIO O EMPENHO E DEDICAÇÃO POR UMA INSIUIÇÃO MELHOR. MARQUEI COMO RUIM, NÃO AO ENSINO, QUE É EXCLUDENE, NÃO A ESRUURA A NADA DISSO E SIM A ARROGÂNCIA DA PEDAGOGA COM OS ALUNOS, ELA É MUIO IGNORANE, AUORIÁRIA E EU NÃO FALO SÓ POR MIM NÃO, É PELA GRANDE MAIORIA DE ALGUNS COVARDES QUE EM MEDO DE SE EXPRESSAR, MINHA CRÍICA É ESSA. MINHA SUGESÃO SERIA MUDAR ODO O QUADRO DA DIREORIA DO CEFE QUE É UM VERDADEIRO MANGUE. CRIÍICAS EU ENHO ODAS, AÉ HOJE NÃO ENHO PROFESSOR DE ORG. E SOC. DO RABALHO E NINGUÉM DA SAISFAÇÃO A RESPEIO DISSO. NÓS ALUNOS ESAMOS JOGADOS ÀS RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 9/18

10 RAÇAS, POIS EM ERMOS DE INFRA-ESRUURA, QUALIDADE, ENSINO, E ACIMA DE UDO, A ORGANIZAÇÃO DA DIREORIA DO CEFE SIMÕES FILHO, MOSRA NOA O. ISSO AQUI Á PRECISANDO DE MUDANÇAS DRÁSICAS, A INSIUIÇÃO É CONHECIDA ENRE OS ALUNOS COMO MANGUEADA. É SÓ ISSO, QUEM NÃO GOSOU, ME PROCURE. CONSIDERANDO QUE EXISEM FUNCIONÁRIOS QUE EM COMO DEVER PRESA APOIO AOS ALUNOS, ACHO QUE ELES (AS) DEVERIAM RAAR BEM OS ALUNOS PARA EVIAR CONSRANGIMENOS POR AMBAS AS PARES. ALGUNS PROFESSORES EM UM MÉODO DE ENSINO PÉSSIMO, COM POR EXEMPLO A PROFESSORA NÁBIA. MUOS ALUNOS ESAM RECLAMANDO DO MÉODO DE ENSINO DELA, MUIO RUIM, MUIO MESMO. DEVERIAM ROCAR DE PROFESSORA. NADA CONRA A PESSOA, MAS O ENSINO É PÉSSIMO, FALA DIDÁICA. QUANO AOS COORDENADORES, DEVERIA HAVER MAIS PREOCUPAÇÃO, QUANO AS DISCIPLINAS QUE ESÃO SEM PROFESSORES, E VIABILIZAR MAIS VISISAS ÉCNICAS. QUANO A DIREÇÃO, AMBÉM DEVERIAM ESAR A PAR DE UDO ISSO, E PROCURAR MELHORAR NESSES ASPECOS, JUNAMENE COM OS COORDENADORES DE CADA CURSO, BUSCAR O MELHOR DESENVOLVIMENO E APRENDIZADO DOS ALUNOS. (B DIMENSÃO II) AMBÉM QUERIA DIZER, EM RELAÇÃO A "PEZÃO", ELE É MUIO GROSSO E IRA MUIA ONDA, PARA MIM ELE É UMA MERDA. A RESPEIO DO CURSO DE MEARLUGIA, NÃO ENHO OPINIÕES, POIS DESDE O ÍNICIO DO ANO ESAMOS SEM AULA, PELO SIMPLES FAO DO PROFESSOR NÃO QUERER DAR AULA. ISSO NÃO EXISE! NÃO GOSO DO MODO DE ENSINO DA PROFESSORA AZLY POIS ELA É MUIO RÁPIDA NAS EXPLICAÇÕES, DÁ O CONEÚDO MUIO RÁPIDO E OS ALUNOS NÃO CONSEGUEM ASSIMILAR OS ASSUNOS. ELA ENSINA EM UNIVERSIDADE E NÃO EM EXPERIÊNCIA NENHUMA COM OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. A CANINA NÃO É ORGANIZADA. GOSARIA QUE COLOCASSEM O QUALIAIVO DE VOLA. (B DIMENSÃO II) A SALA DE MEALURGIA INEGRADA DO 2 ANO ESÁ INEGRADA SEM PROFESSOR DA MAÉRIA ÉCNICA. RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 10/18

11 A MINHA CRÍICA É A SEGUINE: UM MÉODOD DE ENSINO DA PROFESSORA DE MAÉMAICA(ADMILDES) UMA PESSOA ESIMA ER DIFICULDADE DE PASSAR OS CONEÚDOS PARA ERMINAR O 1 E 2 DO ENSINO MÉDIO. EM RELAÇÃO AO MEU CURSO (MEALURGIA): ESAMOS SEM PROFESSOR DA MAÉRIA ÉCNICA. O CEFE SIMÕES ESÁ EM PÉSSIMAS CONDIÇÕES LABORAÓRIAIS, CADE O GINÁSIO? NÃO EM. OS PROFESSORES ESÃO PREOCUPADOS EM REPROVAR OS ALUNOS, NÃO MANÊM O ENSINO DE BOA QUALIDADE. (B DIMENSÃO VII) O MODO DE ENSINO DO PROFESSOR DE FÍSICA - MARCOS EM BIOLOGIA, É HORRÍVEL, NÃO CONSIGO ENENDER NADA, SÓ ME ARAPALHA. (3) Documentação, dados e indicadores para esta dimensão VI Organização e gestão da instituição, especialmente o funcionamento e representatividade dos colegiados, sua independência e autonomia na relação com a mantenedora, e a participação dos segmentos da comunidade universitária nos processos decisórios ODOS OS ASPECOS RELACIONADOS A ESA AVALIAÇÃO COMO NEGAIVO- 01 OU NÃO DEVEM SER MELHORADOS OU CONSRUIDOS JUNO AOS ALUNOS DA UNIDADE DE ENSINO, PRINCIPALMENE SOBRE O PONO DE VISA DE PRIORIDADE. A GESÃO DE RECURSOS PODE SER MELHOR CONDUZIDA COM A PARICIPAÇÃO DISCENE UMA VEZ QUE, SOMOS OS QUE EMOS MAIS CONAOS COM O ODO DA INSIUIÇÃO. (B DIMENSÃO II) RESSALO AQUI MEU REAL DESCONENAMENO COM AS PRÁICAS PEDAGÓGICAS UILIZADAS PELO CEFE-BA QUE SOBRECARREAGM OS ESUDANES DA INSIUIÇÃO. O CEFE-BA CONÍNUA SENDO ECNICISA, PRIVELIGIANDO MAÉRIAS ÉCNICAS E CIÊNCIAS EXAAS EM DERIMENO DE OURA ÁREAS. AMBÉM AVALIO AQUI, QUE A UNIDADE SEDE VEM, E CONÍNUA SENDO, A MAIOR BENEFICIADA EM MELHORIAS PARA O CEFE, ANO FÍSICAS QUANO EDUCACIONAIS. HÁ UMA FALA DE PARICIPAÇÃO DISCENE NA OMADA DAS DECISÕES INSIUCIONAIS, VISO QUE NÃO RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 11/18

12 EXISE O COLEGIADO ESCOLAR NESSA UNIDADE. HÁ UMA CARÊNCIA DE PROFESSORES NA ÁREA DE CIÊNCIAS HUMANAS. FALAM AIVIDADES ACADÊMICAS E CULURAIS. (B DIMENSÃO II) (3) Documentação, dados e indicadores para esta dimensão VII Infra-estrutura física, especialmente a de ensino e de pesquisa, biblioteca, recursos de informação e comunicação. PODERIA MELHORAR AS ESRUURA E ER MAIS ESAGIOS, EC. (B DIMENSÃO IX) ER CONVÊNIOS COM EMPRESAS PARA O MELHOR DOS ÉCNICOS NO MERCADO DE RABALHO, EM ESPECIAL MEALURGIA. MELHORIA DOS LABORAÓRIOS, PARA AULAS PRÁICAS. (B DIMENSÃO IV) MANUENÇÃO O LABORAÓRIO GERAL. MELHORAR AS CONDIÇÕES DOS LABORAÓRIOS, PRINCIPALMENE O DE MEALURGIA. MELHORAR A CANINA, REFEIORIO E O BANHEIRO. INFORMAIZAR O SISEMA DA BIBLIOECA, MELHORAR O ACESSO A INERNE, INEGRAR O CURSO DE PERÓLEO E GÁS COM URGÊNCIA (EORIA E PRÁICA), MELHORAR O LANCHE DA CANI NA. (B DIMENSÃO II) NECESSIA DE QUADRAS DE ESPORES, POLIESPORIVA, E UMA MELHORIA NA CANINA. ACHO QUE PODERIA ASFALAR O AALHO PARA ER QUE DAR, ODA ESSA VOLA, ANDANDO PARA CHEGAR A ESCOLA. O BANHEIRO DEVERIA SER LIMPO, MAIS VEZES. RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 12/18

13 EM RELAÇÃO A BIBLIOECA PODERIAM HAVER MAIS LIVROS (UMA MAIOR QUANIDADE DE LIVROS) E OS COMPUADORES PRECISAM ESAR MAIS DISPONÍVEIS. O COLÉGIO DEVERIA PESQUISAR O LABORAÓRIO DE QUÍMICA, OU SEJA, PEDIR VERBA AO GOVERNO. (B DIMENSÃO X) A CANINA PRECISA SER CLIMAIZADA URGENE, SE NÃO AS ABELHAS VÃO ACABAR BOANDO A GENE PARA FORA DO REFEIÓRIO. AIVIDADE DE ENSINO DO CEFE EM SIMÕES FILHO, É PRECISO CONCLUIR O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL SUAS OBRAS, PARA RAZER SEGURANÇA AOS SEUS ALUNOS, POIS A AREA EM VOLA ESÁ OALMENE ABERA PARA ENRADA DE ODO IPO DE INDIVIDUO E ISSO PREOCUPA. É PRECISO MELHORAR AS CONDIÇÕES DE HIGIENE NA CANINA, POIS SE ENCONRA NA MESMA SIUAÇÃO. PODERIA SER CONSRUIDAS AREAS DE LAZER DENRO DA INSIUIÇÃO, PARA MELHOR RELACIONAMENO ENRE OS ALUNOS. M NA INSIUIÇÃO DE SIMÕES FILHO, DEVERIA MELHORAR NAS CONDIÇÕES DA BIBLIOECA, NÃO HÁ LIVROS SUFICIENES E A CADA ANO QUE PASSA A QUANIDADE DE ALUNOS AUMENA, DIFICULANDO AINDA MAIS O ACESSO AOS LIVROS, APOSILAS E MAERIAIS COMPLEMENARES. OURA COISA EM QUE O DINHEIRO DEVERIA SER APLICADO, É EM LABORAÓRIOS, ANO DE FÍSICA, QUANO DE QUÍMICA, POIS NÃO ADIANA DE NADA QUE ENHAMOS PROFESSORES QUALIFICADOS E DISPOSOS E NÃO ER COMO EXEMPLIFICAR E DEMONSRAR OS CONHECIMENOS ADQUIRIDOS EM SALA DE AULA, QUE POR SINAL EM UM PÉSSIMO QUADRO E UMA PÉSSIMA VENILAÇÃO. PARA PIORAR A SIUAÇÃO, A CANINA EM LANCHES DESAGRADÁVEIS E HIGIENE NÃO ADEQUADA PARA AL LOCAL. M O CEFE-BA UNIADADE DE SIMÕES FILHO, POSSUI DEFICIÊNCIA COM RELAÇÃO AOS LABORAÓRIOS. QUANO A LIMPEZA DOS BANHEIROS, QUE SÓ ACONECE NO URNO MAUINO; ORGANIZAR MAIS RÁPIDO POSSÍVEL A VISIA ÉCNICA PARA O CURSO (P e G); UM RAAMENO MELHOR NO AENDIMENO DA CANINA. (B DIMENSÃO II) RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 13/18

14 ODAS AS RESPOSAS SÃO DECORRENES AS GRANDES DIFICULDADES QUE NOSSA UNIDADE PASSA PELA FALA DE UMA INFRA-ESRUURA ADEQUADA E PELA FALA AMBÉM DE MAERIAL HUMANO, ALÉM É CLARO DA NÃO PREPARAÇÃO DE LABORAÓRIOS ADEQUADOS. UMA CRÍICA AO REFEIÓRIO (A LANCHONEE) AS CONDIÇÕES SÃO RUINS PARA QUEM CHEGA PARA LANCHAR PORQUE EM MUIOS INSEOS (MOSCAS E ABELHAS), ALVEZ PELO FAO DE SER NA PARE DE BAIXO DO PAVILHÃO ADMINISRAIVO. E AMBÉM AS CONDIÇÕES DO PREPARO DOS LANCHES SÃO RUINS, FALAM OS EQUIPAMENOS CORREOS PARA O MANUSEIO DOS ALIMENOS. QUERIA RECLAMAR DO BANHEIRO DOS MENINOS, QUANO A ILUMINAÇÃO, ESPELHOS E LIMPEZA DO AMBIENE, E AMBÉM DA GRANDE ÁREA QUE O CEFE POSSUI SEM USO, MUIO MAO, ACHO QUE PODERÍAMOS UILIZAR MAIS DESSE ESPAÇO. COM RESPEIO À BIBLIOECA, DEVERIAM COBRAR MAIS AOS ALUNOS OS DIAS QUE OS LIVROS DEVERIAM SER ENREGUES, ZELAR MAIS PELOS LIVRES PARA QUE ASSIM MAIS ALUNOS POSSAM USAR OS LIVROS. EXISEM POUCOS LIVROS, PRICIPALMENE MAÉRIAS EXAAS, COMO: FÍSICA, MAÉMAICA, E QUÍMICA. ESSAS DEVERIAM SER MAIS COBRADOS AOS ALUNOS, PELOS FUNCIONÁRIOS, EM RESPEIO A ENREGA. A MINHA OPINIÃO É EM RELAÇÃO A INFRA-ESRUURA QUE EU ACHO PÉSSIMA, POIS AS SALAS FAZEM CALOR, NÃO EM AR-CONDICIONADO, A ILUMINAÇÃO É MUIO ALA E CAUSA CANSAÇO NA VISÃO, O COLÉGIO EM SI EM MUIO MAO, NÃO ESÃO SABENDO BOM PROVEIO DO ESPAÇO. ENQUANO NOS FALA ACERVO DE MELHOR QUALIDADE É EM QUANIDADE SUFICIENE, ACESSO A INERNE E COMPUADORES, BANHEIROS EM BONS ESADOS, BEBEDOUROS, ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA, SALAS PARA AULAS PRÁICAS. A UNIDADE DE ENSINO, GASA RECURSOS COM AMPLIAÇÃO EXAGERADA DE ESACIONAMENO E "PAISAGISA" - CONCREO E ASFALO? (B DIMENSÃO X) INFELIZMENE A UNIDADE DO CEFE-BA DE SIMÕES FILHO, ESÁ COM O SEU LABORAÓRIO DESAIVADO, NÃO POSSIBILIANDO AULAS PRÁICAS DE FÍSICA, QUÍMICA, BIOLOGIA, E ENRE OURAS MAÉRIAS. A QUALIDADE DE AENDIMENO DA CANINA É PÉSSIMA. AS BALCONISAS SÃO AÉ INDELICADAS. NÃO EXISEM ALIMENOS NAURAIS, A QUALIDADE DOS LANCHES É INADEQUADA. A SEGURANÇA NAS ÁREAS VERDES DO CEFE É NULA. HÁ ASSALOS POR ALI. O CEFE-BA É UMA INSIUIÇÃO MUIO BOA, MAIS REPARO EM ALGUMAS FALHAS COMO FALA DE APROVEIAMENO OAL DA INSIUIÇÃO, RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 14/18

15 LABORAÓRIO DE QUÍMICA, QUADRA FECHADA, LEGALIZAÇÃO E MELHORIA DO CHAMADO (AALHO), SALA DE LAZER E OUROS. QUANO AOS LABORAÓRIOS QUE NÃO ESÁ FUNCIONANDO, DEVERIA SER MELHORADO! O ESPAÇO DA CANINA NÃO COMPORA ODOS OS ALUNOS, O LANCHE É SEMPRE FRIO. FALAM LIVROS À BIBLIOECA, COMO LIVROS NÃO RELACIONADOS DIREAMENE AOS CURSOS: MIOLOGIAS, IDIOMAS, RELIGIÃO, ARES, EC. O AENDIMENO NA CANINA É PÉSSIMO. AS BALCONISAS SÃO AÉ MESMO INDELICADAS. NÃO EXISEM ALIMENOS DIE/NAURAIS. A QUALIDADE DOS LANCHES É MUIO RUIM, A COMEÇAR PELO CACHUP E A MAIONESE! A MINHA CRÍICA É QUANO A QUADRA ESPORIVA, QUE PODERIA SER MELHOR, POIS HÁ BURACOS. OS COMPUADORES DO COLÉGIO QUE MAL FUNCIONAM, PRINCIPALMENE DA BIBLIOECA, SÃO PÉSSIMOS. O CEFE SIMÕES ESÁ EM PÉSSIMAS CONDIÇÕES LABORAÓRIAIS, CADÊ O GINÁSIO? NÃO EM. OS PROFESSORES ESÃO PREOCUPADOS EM REPROVAR OS ALUNOS, NÃO MANÊM O ENSINO DE BOA QUALIDADE. (B DIMENSÃO V) (3) Documentação, dados e indicadores para esta dimensão VIII Planejamento e avaliação, especialmente em relação aos processos, resultados e eficácia da auto-avaliação institucional. (3) Documentação, dados e indicadores para esta dimensão RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 15/18

16 IX Políticas de atendimento aos estudantes A ESCOLA DEVERIA ER MAIS RECURSOS EM QUESÃO DE MAERIAIS DISPONÍVEIS PARA OS ALUNOS, COMO IMPRIMIR, PESQUISAR E COM QUE OS ALUNOS DE ELEROMECÂNICA POSSAM ER AULAS DE INFORMÁICA BÁSICA. (B DIMENSÃO II) ESÁGIO CURSO MEALURGIA, PRINCIPALMENE SEXO FEMININO, INICIAIVA DOS RESPONSÁVEIS. PODERIA MELHORAR AS ESRUURA E ER MAIS ESAGIOS, EC. (B DIMENSÃO VII) PRECISA MELHORAR A COORDENAÇÃO DOS CURSOS PARA FACILIAR QUE OS ALUNOS ACHEM ESÁGIOS. A DIREÇÃO A, DEVE BUSCAR PARCERIA COM AS EMPRESAS NO INUIO DE ENCAMINHAR OS ALUNOS PARA O PROGRAMA DE ESÁGIO. (B DIMENSÃO IV) O SEOR DE ESÁGIO EM QUE PASSAR POR UMA AMPLA REFORMA OU SERÁ QUE EXISE? ALÉM DESSE FAOR, FALA INEGRAÇÃO ENRE ALUNOS QUE ESÃO ESAGIANDO E O QUE NÃO ESÃO ESAGIANDO, OU SEJA, FALAM CONEXÕES DE COADO. EM RELAÇÃO AO ÔNIBUS, RANSPORES COLEIVOS QUE VÊM DE SALVADOR DEVERIAM ENRAR NA PIAGUINHA E A ESCOLA DEVERIA PARAR EM ODOS OS PONOS. OS ALUNOS PRECISAM AENDIMENO ODONOLÓGICO. UM PONO MUIO IMPORANE A SER DESACADO É O FUNCIONAMENO DO AENDIMENO MÉDICO, NÃO POR QUESÃO DE AENDIMENO, MAIS SIM PELO HORÁRIO, POIS A ENFERMARIA NÃO SE ENCONRA DISPONÍVEL EM ODOS OS HORÁRIOS E ACHO QUE ISSO É MUIO IMPORANE. GRAA! PRECISAMOS DE AENDIMENO ODONOLÓGICO. RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 16/18

17 O COLÉGIO NÃO POSSUI ORGANIZAÇAÃO NO MONIORAMENO DO ÔNIBUS ESCOLAR. SE NÃO CHEGAMOS BEM NÃO EREMOS BOM DESEMPENHO. X Sustentabilidade financeira, tendo em vista o significado social da continuidade dos compromissos na oferta da educação superior ENQUANO NOS FALA ACERVO DE MELHOR QUALIDADE E EM QUANIDADE SUFICIENE, ACESSO A INERNE E COMPUADORES, BANHEIROS EM BOM ESADO, BEBEDOUROS, ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA, SALAS PARA AULAS PRÁICAS, A UNIDADE DE ENSINO GASA RECURSOS COM AMPLIAÇÃO EXAGERADA DE ESACIONAMENO E "PAISAGISA" - CONCREO E ASFALO? (B DIMENSÃO VII) O COLÉGIO DEVERIA PESQUISAR O LABORAÓRIO DE QUÍMICA, OU SEJA, PEDIR VERBA AO GOVERNO. (B DIMENSÃO VII) (3) Documentação, dados e indicadores para esta dimensão Outros Incluir outros itens não mencionados e que sejam importantes para a Instituição, tendo em vista as suas finalidades essenciais, suas especificidades e a sua missão (por exemplo: hospitais universitários, teatros, rádios, atividades artísticas, esportivas e culturais, museus, fazenda experimental, zoológico etc.). EDUCAÇÃO É UMA COISA SÉRIA, NÃO BRINQUE COM OS DIREIOS DOS ESUDANES. O COLÉGIO EM QUE MANDAR A PREFEIURA OBRIGAR OS ÔNIBUS DO LIORAL NORE A ENRAREM NA PIANGUINHA. GOSARIA DE FAZER UMA CRÍICA SOBRE O ESCOLAR. O ESCOLAR NÃO ESÁ ESPERANDO NO CIA E QUANDO PRECISAMOS DELE PARA IR PARA RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 17/18

18 CASA, ANO DE MANHÃ QUANO A NOIE, O MOORISA SAI ANES DO HORÁRIO. CORREMOS O RISCO DE CHEGAR EM CASA ARDE E DE CHEGARMOS MUIO ARDE NA AULA. OS ALUNOS ESÃO SOBRECARREGADOS EM MUIAS AIVIDADES. O GRÊMIO ESCOLAR EM UMA PÉSSIMA AUAÇÃO, APENAS FAZENDO DA SALA RESERVADA A ELES COMO PONO DE ENCONRO. EU ACHO QUE DEVERIA ER MAIS QUANIDADE NA MERENDA DA ESCOLA. FAZEM PERGUNA QUE EU NÃO ENHO IDÉIA DO QUE SEJA. LEGENDA: M = ENSINO MÉDIO // = ÉCNICO // S = SUPERIOR RELAORIO ANALIICO A1 _ SIMÕES FILHO 18/18

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

I A missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional

I A missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional COISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA AUO-AVALIAÇÃO INSIUCIONAL DO CEFE-BA PERIODO: 2007/2008 Instrumento A1- AVALIAÇÃO GLOBAL (Discentes) RELAÓRIO ANALÍICO I A missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

Experiências para o Ensino de Queda Livre

Experiências para o Ensino de Queda Livre Universidade Esadual de Campinas Insiuo de Física Gleb Waagin Relaório Final da disciplina F 69A - Tópicos de Ensino de Física I Campinas, de juno de 7. Experiências para o Ensino de Queda Livre Aluno:

Leia mais

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Análise de dados e probabilidade Guia do professor Experimeno O méodo de Mone Carlo Objeivos da unidade 1. Apresenar um méodo ineressane e simples que permie esimar a área de uma figura plana qualquer;.

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

Ampliador com estágio de saída classe AB

Ampliador com estágio de saída classe AB Ampliador com eságio de saída classe AB - Inrodução Nese laboraório será esudado um ampliador com rês eságios empregando ransisores bipolares, com aplicação na faixa de áudio freqüência. O eságio de enrada

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso:

MÉTODO MARSHALL. Os corpos de prova deverão ter a seguinte composição em peso: TEXTO COMPLEMENTAR MÉTODO MARSHALL ROTINA DE EXECUÇÃO (PROCEDIMENTOS) Suponhamos que se deseje dosar um concreo asfálico com os seguines maeriais: 1. Pedra 2. Areia 3. Cimeno Porland 4. CAP 85 100 amos

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13 CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD Noa Técnica Auarial 024/13 Julho/2013 0 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 2 2 MODALIDADE DOS BENEFÍCIOS... 3 2.1 BENEFÍCIOS PREVISTOS PELO PLANO... 3 2.2 INSTITUTOS... 3

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS. Instruções para a Alta Direção e o Responsável Ambiental (RA)

GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS. Instruções para a Alta Direção e o Responsável Ambiental (RA) GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS Insruções para a Ala Direção e o Responsável Ambienal (RA) DIS TR IBU IDO R Adapado de: MANUAL DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CONCESSIONÁRIAS DE

Leia mais

MOTIVAÇÃO: APLICAÇÕES NA BIBLIOTECA

MOTIVAÇÃO: APLICAÇÕES NA BIBLIOTECA 69 MOTIVAÇÃO: APLICAÇÕES NA BIBLIOTECA Carla Wier RESUMO WITTER, C. Moivação: aplicações na biblioeca. rran./n-formação, 2(1): 69-83, jan/ abro 1990 o presene arigo apresena definições de moivação e conceios

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE LOGARITMO A PARTIR DE UM PROBLEMA GERADOR

A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE LOGARITMO A PARTIR DE UM PROBLEMA GERADOR A CONSTRUÇÃO DO CONCEITO DE LOGARITMO A PARTIR DE UM PROBLEMA GERADOR Bárbara Lopes Macedo (Faculdades Inegradas FAFIBE) Carina Aleandra Rondini Marreo (Faculdades Inegradas FAFIBE) Jucélia Maria de Almeida

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

CONTRATO N.º 026/2.015

CONTRATO N.º 026/2.015 CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATO N.º 026/2.015 Insrumeno paricular de conrao que enre si fazem: de um lado, como conraane, a PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO QUENTE, e de ouro, como conraado, e a empresa

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE

APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E 2ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE 170 APÊNDICES APÊNDICE A - TEXTO DE INTRODUÇÃO ÀS EQUAÇÕES DIFERENCIAIS ORDINÁRIAS LINEARES DE 1ª E ª ORDEM COM O SOFTWARE MAPLE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUC MINAS MESTRADO PROFISSIONAL

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC

EXPERIÊNCIA 7 CONSTANTE DE TEMPO EM CIRCUITOS RC EXPERIÊNIA 7 ONSTANTE DE TEMPO EM IRUITOS R I - OBJETIVO: Medida da consane de empo em um circuio capaciivo. Medida da resisência inerna de um volímero e da capaciância de um circuio aravés da consane

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA. Amanda Zani Dutra Silva

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA. Amanda Zani Dutra Silva UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Amanda Zani Dura Silva Gerenciameno de Manuenção de Equipamenos de um Hospial São Paulo 006 Amanda Zani Dura Silva Gerenciameno

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir.

Com base no enunciado e no gráfico, assinale V (verdadeira) ou F (falsa) nas afirmações a seguir. PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) O gráico a seguir represena a curva de aquecimeno de 10 g de uma subsância à pressão de 1 am. Analise as seguines airmações. I. O pono de ebulição

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Julho 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Crisóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.p

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Capiulo V SISTEMA PÚBLICO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 5.1 - INTRODUÇÃO I - QUALIDADE DA ÁGUA A água em sua uilização obedece a padrões qualiaivos que são variáveis de acordo com o seu uso (domésico, indusrial,

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano. Curso. SIMULINK - Simulação de Modelos Quantitativos em Meio Ambiente

Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano. Curso. SIMULINK - Simulação de Modelos Quantitativos em Meio Ambiente Curso SIMULINK - Simulação de Modelos Quaniaivos em Meio Ambiene Prof.Dr. Marco Anonio Leonel Caeano Depo de Esaísica, Maemáica Aplicada e Compuacional UNESP - Rio Claro - SP 1997 1 1- Inegradores Numéricos

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

Previsão de demanda e monitoramento por sinal de rastreamento do modelo para produto classe A de uma empresa varejista de Belém do Pará.

Previsão de demanda e monitoramento por sinal de rastreamento do modelo para produto classe A de uma empresa varejista de Belém do Pará. Previsão de demanda e moniorameno por sinal de rasreameno do modelo para produo classe A de uma empresa varejisa de Belém do Pará. avi Filipe Vianna Moreira (UEPA) davifilipe@globo.com Jesse Ramon de Azevedo

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2013 DE ACORDO COM O MODELO DO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CONAES/INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6/2014 TÍTULO I: DOS OBJETIVOS

RESOLUÇÃO Nº 6/2014 TÍTULO I: DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO Nº 6/2014 O Diretor da Faculdade de Direito no uso de suas atribuições, altera a resolução 13/2005 que passará a ter a seguinte redação: TÍTULO I: DOS OBJETIVOS Art. 1º. A avaliação institucional

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO E EMPRESAS DE SÃO PAULO GVPESQUISA RICARDO RATNER ROCHMAN INSIDER TRADING E GOVERNANÇA CORPORATIVA: O PERFIL E PRÁTICA DOS INSIDERS DE EMPRESAS DE GOVERNANÇA

Leia mais

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi

Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriette Righi Faculdade de Engenharia São Paulo FESP Física Básica 1 (BF1) - Professores: João Arruda e Henriee Righi LISTA DE EXERCÍCIOS # 1 Aenção: Aualize seu adobe, ou subsiua os quadrados por negaivo!!! 1) Deermine

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO MODELO INTEGRADO PARA PREVISÃO DE VENDAS COMO UMA FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE: UM ESTUDO DE CASO EM UMA

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Dimensionamento dos tempos de entreverdes para veículos

Dimensionamento dos tempos de entreverdes para veículos Dimensionameno dos empos de enreverdes para veículos Luis Vilanova * Imporância do ema O dimensionameno dos empos de enreverdes nos semáforos para veículos é levado a ermo, freqüenemene, aravés de criérios

Leia mais

Avaliação do Fair Value dos Direitos de Exploração Mineral de Granito com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Estudo de Caso

Avaliação do Fair Value dos Direitos de Exploração Mineral de Granito com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Estudo de Caso Avaliação do Fair Value dos Direios de Exploração Mineral de Granio com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Esudo de Caso Resumo Ese esudo invesiga a aplicação da eoria de opções reais em reservas

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012 1 Análise econômica dos benefícios advindos do uso de carões de crédio e débio Ouubro de 2012 Inrodução 2 Premissas do Esudo: Maior uso de carões aumena a formalização da economia; e Maior uso de carões

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO ANDRÉ MAURO SANTOS DE ESPÍNDOLA

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO ANDRÉ MAURO SANTOS DE ESPÍNDOLA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA CURSO DE MESTRADO ANDRÉ MAURO SANTOS DE ESPÍNDOLA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA PREVISÃO DE CONSUMO:

Leia mais

CRITÉRIOS DE INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE SERVIÇOS DOS PRINCIPAIS TIPOS DE FUNDAÇÕES (VERIFICAÇÃO DO DESEMPENHO)

CRITÉRIOS DE INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE SERVIÇOS DOS PRINCIPAIS TIPOS DE FUNDAÇÕES (VERIFICAÇÃO DO DESEMPENHO) CRITÉRIOS DE INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE SERVIÇOS DOS PRINCIPAIS TIPOS DE FUNDAÇÕES (VERIFICAÇÃO DO DESEMPENHO) 1 - INTRODUÇÃO Urbano Rodriguez Alonso Engenheiro Consulor As fundações, como qualquer oura

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA No iem 3.1, apresena-se uma visão geral dos rabalhos esudados sobre a programação de horários de rens. No iem 3.2, em-se uma análise dos rabalhos que serviram como base e conribuíram

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU

RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU Estabelece objetivos e dimensões da avaliação institucional, cria a Comissão Central Permanente de Avaliação Institucional da Unioeste e as Comissões Setoriais de Avaliação nos

Leia mais

*Constrangimentos sociais e estratégias individuais: a dinâmica da escolha de um curso superior em uma grande universidade brasileira.

*Constrangimentos sociais e estratégias individuais: a dinâmica da escolha de um curso superior em uma grande universidade brasileira. XXVI Congreso de la Asociación Lainoamericana de Sociología. Asociación Lainoamericana de Sociología, Guadalajara, 2007. *Consrangimenos sociais e esraégias individuais: a dinâmica da escolha de um curso

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

CUSTOS POTENCIAIS DA PRODUÇÃO E OS BENEFÍCIOS DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

CUSTOS POTENCIAIS DA PRODUÇÃO E OS BENEFÍCIOS DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO XXII Enconro Nacional de Engenharia de rodução Curiiba R, 23 a 25 de ouubro de 2002 CUSTOS OTENCIAIS DA RODUÇÃO E OS BENEFÍCIOS DO LANEJAMENTO E CONTROLE DA RODUÇÃO Valério Anonio amplona Salomon José

Leia mais

Resumo. Palavras-chave:qualidade da educação, financiamento da educação, família, municípios. Classificação JEL: I2, H2, D6, R58.

Resumo. Palavras-chave:qualidade da educação, financiamento da educação, família, municípios. Classificação JEL: I2, H2, D6, R58. O impaco dos gasos públicos municipais sobre a qualidade da educação: uma análise de variáveis insrumenais enre 2007 e 2011 Darlan Chrisiano Kroh * Flávio Oliveira Gonçalves ** Resumo Grande pare do desempenho

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Composição Óima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Brasília 2011 MINISTRO DA FAZENDA Guido Manega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Henrique Barbosa Filho SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

Um estudo de Cinemática

Um estudo de Cinemática Um esudo de Cinemáica Meu objeivo é expor uma ciência muio nova que raa de um ema muio anigo. Talvez nada na naureza seja mais anigo que o movimeno... Galileu Galilei 1. Inrodução Nese exo focaremos nossa

Leia mais

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Faculdade de Sorocaba AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Sorocaba Dezembro 2014 1 Faculdade

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO. Avaliação Discente CPA 2013/2

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO. Avaliação Discente CPA 2013/2 Perfil: Curso: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Aluno Total de participantes: 426 Avaliação Discente CPA 2013/2 Engenharia Mecanica 1 - Período como discente 1 - Há quanto tempo você é discente da

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Cruzada Maranata de Evangelização UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Batista Brasileira, com sede no

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 40 DE 28 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regulamento do Processo de Auto- Avaliação da Universidade Estadual de Ponta Grossa.

RESOLUÇÃO UNIV N o 40 DE 28 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regulamento do Processo de Auto- Avaliação da Universidade Estadual de Ponta Grossa. RESOLUÇÃO UNIV N o 40 DE 28 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regulamento do Processo de Auto- Avaliação da Universidade Estadual de Ponta Grossa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

RONALDO NITO YAMAMOTO MODELO DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA UTILIZANDO UM MÉTODO QUANTITATIVO

RONALDO NITO YAMAMOTO MODELO DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA UTILIZANDO UM MÉTODO QUANTITATIVO RONALDO NITO YAMAMOTO MODELO DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA UTILIZANDO UM MÉTODO QUANTITATIVO Trabalho de Formaura apresenado à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

Planejamento CPA Metropolitana 2013

Planejamento CPA Metropolitana 2013 Planejamento CPA Metropolitana 2013 1 Planejamento CPA Metropolitana Ano 2013 Denominada Comissão Própria de Avaliação, a CPA foi criada pela Legislação de Ensino Superior do MEC pela Lei 10.861 de 10

Leia mais

UNIDADES DE ROLAMENTOS DE ESFERAS

UNIDADES DE ROLAMENTOS DE ESFERAS 280 UIDDE DE ROMETO DE EFER UIDDE DE ROMETO TIPO E DE FERRO FUDIDO COM PRFUO DE TRV UCP2 Diâmero do eixo 12-90... 286 1/2-3 1/2 polegada UIDDE DE ROMETO TIPO FGE DE FERRO FUDIDO COM PRFUO DE TRV UCF2 UCF2

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

Evidenciação Contábil: Um Estudo acerca da Conformidade da Evidenciação nas Empresas de Transporte Aéreo.

Evidenciação Contábil: Um Estudo acerca da Conformidade da Evidenciação nas Empresas de Transporte Aéreo. Evidenciação Conábil: Um Esudo acerca da Conformidade da Evidenciação nas Empresas de Transpore Aéreo. Msc. Igor Gabriel Lima Mesre em Ciências Conábeis Professor nas Faculdades Inegradas do Vale do Ribeira

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS 2 ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS A Análise de esruuras provavelmene é a aplicação mais comum do méodo dos elemenos finios. O ermo esruura não só diz respeio as esruuras de engenharia civil como pones

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO HIDRÁULICA DE RESERVATÓRIOS

SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO HIDRÁULICA DE RESERVATÓRIOS SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO HIDRÁULICA DE RESERVATÓRIOS Anasácio Sebasian Arce Encina 1, João Eduardo Gonçalves Lopes 2, Marcelo Auguso Cicogna 2, Secundino Soares Filho 2 e Thyago Carvalho Marques 2 RESUMO

Leia mais

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi

Dinâmica de interação da praga da cana-de-açúcar com seu parasitóide Trichogramma galloi Dinâmica de ineração da praga da cana-de-açúcar com seu parasióide Trichogramma galloi Elizabeh de Holanda Limeira 1, Mara Rafikov 2 1 Universidade Federal do ABC - UFABC, Sano André, Brasil, behmacampinas@yahoo.com.br

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO Pág.: 1/88 ÍNDICE Professor: Waldemir Loureiro Inrodução ao Conrole Auomáico de Processos... 4 Conrole Manual... 5 Conrole Auomáico... 5 Conrole Auo-operado... 6 Sisema

Leia mais

FUNÇÕES CONVEXAS EM TEORIA DE APREÇAMENTO DE OPÇÕES POR ARBITRAGEM UTILIZANDO O MODELO BINOMIAL

FUNÇÕES CONVEXAS EM TEORIA DE APREÇAMENTO DE OPÇÕES POR ARBITRAGEM UTILIZANDO O MODELO BINOMIAL FUNÇÕES CONVEAS EM EORIA DE APREÇAMENO DE OPÇÕES POR ARBIRAGEM UILIZANDO O MODELO BINOMIAL Devanil Jaques de SOUZA Lucas Moneiro CHAVES RESUMO: Nese rabalho uilizam-se écnicas maemáicas elemenares, baseadas

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA

GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA GABARITO DE QUÍMICA INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA Realizada em 8 de ouubro de 010 GABARITO DISCURSIVA DADOS: Massas aômicas (u) O C H N Na S Cu Zn 16 1 1 14 3 3 63,5 65,4 Tempo de meia - vida do U 38

Leia mais

PROFMAT- Mestrado Profissional em Matemática MARCELO ALBUQUERQUE LEMGRUBER KROPF APLICAÇÕES DOS LOGARITMOS NA ÁREA DE SAÚDE

PROFMAT- Mestrado Profissional em Matemática MARCELO ALBUQUERQUE LEMGRUBER KROPF APLICAÇÕES DOS LOGARITMOS NA ÁREA DE SAÚDE PROFMAT- Mesrado Profissional em Maemáica MARCELO ALBUQUERQUE LEMGRUBER KROPF APLICAÇÕES DOS LOGARITMOS NA ÁREA DE SAÚDE Rio de janeiro 2014 Marcelo Albuquerque Lemgruber Kropf Aplicações dos Logarimos

Leia mais

ESTIMATIVA DO NÚMERO MÍNIMO DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO REPARÁVEIS UTILIZANDO PROCESSOS ESTOCÁSTICOS MARCUS VINICIUS DA SILVA SALES

ESTIMATIVA DO NÚMERO MÍNIMO DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO REPARÁVEIS UTILIZANDO PROCESSOS ESTOCÁSTICOS MARCUS VINICIUS DA SILVA SALES ESTIMATIVA DO NÚMERO MÍNIMO DE EÇAS DE REOSIÇÃO REARÁVEIS UTILIZANDO ROCESSOS ESTOCÁSTICOS MARCUS VINICIUS DA SILVA SALES UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE - UENF CAMOS DOS GOYTACAZES - RJ MAIO

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

Compressão de projetos e leis de custos na era do conhecimento

Compressão de projetos e leis de custos na era do conhecimento IX ongresso Inernacional de usos - Florianópolis, S, Brasil - 28 a 30 de novembro de 2005 ompressão de projeos e leis de cusos na era do conhecimeno Márcio Boelho da Fonseca Lima (Universidade Federal

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais

Competências profissionais relevantes à qualidade no atendimento bancário*

Competências profissionais relevantes à qualidade no atendimento bancário* Compeências profissionais relevanes à qualidade no aendimeno bancário* Hugo Pena Brandão** Tomás de Aquino Guimarães*** Jairo Eduardo Borges-Andrade**** S UMÁRIO: 1. Inrodução; 2. Gesão baseada nas compeências:

Leia mais

II. Temos uma assimetria muito grande de diferenças entre III.

II. Temos uma assimetria muito grande de diferenças entre III. Aenção: LÍNGUA PORTUGUESA As quesões de números 1 a 3 referem-se aos exos I e II que seguem. Texo I 1. Na hisória em quadrinhos esá implício que a personagem Jon é céica quano a Garfield ornar-se um gao

Leia mais

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 1.1 Organização Institucional Q1 Cumprimento da missão da

Leia mais

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico.

2 Fluxos de capitais, integração financeira e crescimento econômico. 2 Fluxos de capiais, inegração financeira e crescimeno econômico. O objeivo dese capíulo é apresenar em dealhes as variáveis fundamenais enconradas na lieraura que deerminam o crescimeno de longo prazo

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO SÃO PAULO 2007 Livros Gráis hp://www.livrosgrais.com.br

Leia mais

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities 18 2 Relação enre câmbio real e preços de commodiies Na exensa lieraura sobre o cálculo da axa de câmbio de longo prazo, grande pare dos modelos economéricos esimados incluem os ermos de roca como um dos

Leia mais