ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO DE LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO DE LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE FARMÁCIA JOÃO VICENTE ROLIM DE MOURA ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO DE LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CRICIÚMA, JUNHO DE 2010.

2 ROTEIRO PARA IMPLANTAÇÃO DE LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS* GUIDEBOOK FOR ESTABLISH A CLINICAL LABORATORY JOÃO VICENTE ROLIM DE MOURA; CLEONICE MARIA MICHELON *UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC Resumo: O crescimento da preocupação com a qualidade de produtos e serviços acabou refletindo em novas exigências, portarias e resoluções que definem os requisitos para o funcionamento dos laboratórios clínicos e postos de coleta laboratorial públicos ou privados que realizam atividades na área de análises clínicas, patologia clínica e citologia. O objetivo deste estudo foi a elaboração de um roteiro para a implantação de laboratório de análises clínicas. Foram pontuados de modo resumido os requisitos necessários para abertura de uma empresa de prestação de serviços na atividade de laboratório clínico, bem como a legislação que rege o funcionamento e as condições de infraestrutura exigidas para a atividade. Do ponto de vista metodológico, é importante salientar que as informações contidas no trabalho foram obtidas mediante pesquisa bibliográfica. Palavras chave: laboratório de análises clínicas; exigências; resoluções; legislação; infraestrutura. Summary: The growth of concern with the quality of products and services just reflecting on new requirements, governmental decree and resolutions that define the qualification for the operation of clinical laboratories and laboratorial points to gather, public or private that conduct activities in the area of clinical analysis, clinical pathology and cytology. The aim of this study was to elaborate a guidebook for establish a clinical laboratory. Were scored so summarized the requirements for starting a business service activity in clinical laboratory, as well as legislation governing the operation and conditions for the infrastructure required for the activity. From the methodological point of view, it is important to note that the information contained in this work was obtained by literature search. Keywords: Clinical laboratory analysis; requirements; resolutions; laws; infrastructure. INTRODUÇÃO A área de análises clínicas apresentou seu desenvolvimento juntamente com a medicina, não como um serviço de apoio nos moldes de hoje, mas sim como uma atividade estritamente experimental, com o objetivo da descoberta de algo novo ou desconhecida (BECKER 2004) 4. O progresso da ciência médica teve, na segunda metade do século XIX, um grande impulso na Europa, sobressaindo-se países como França, Inglaterra, Alemanha e Itália. Nessa época a Patologia Clínica já dava seus primeiros passos, mas o berço dos laboratórios é considerado aqueles instituídos nas

3 universidades alemãs de Wurzburg (1849) e de Berlim (1852) (SANNAZZARO, 1998) 8. Os testes laboratoriais são parte importante na prática médica. Apesar do consagrado adágio de que a clínica é soberana, a participação das informações oriundas do laboratório clínico na tomada de decisões nunca foi tão importante como neste momento. Certamente continuará a crescer de maneira acentuada, em um futuro próximo, com a incorporação de novos testes, especialmente na área da biologia celular e molecular (XAVIER et al, 2005) 17. O laboratório clínico é certamente o setor da assistência em saúde que sofre em primeiro lugar o impacto dos avanços da pesquisa biomédica. Como esses avanços estão ocorrendo em grande velocidade, é facilmente compreensível o enorme progresso que esse setor tem apresentado nas últimas décadas, em especial na variedade e qualidade dos testes laboratoriais que são oferecidos aos médicos e demais profissionais da saúde (OGUSHI,1998) 7. Nos últimos anos o crescimento da preocupação com a qualidade de produtos e serviços acabou refletindo em novas exigências estruturais e organizacionais, na promulgação de portarias e resoluções definem os requisitos para o funcionamento dos laboratórios clínicos e postos de coleta laboratorial públicos ou privados que realizam atividades na área de análises clínicas, patologia clínica e citologia. O presente estudo objetiva elaborar um roteiro para abertura de laboratório de análises clínicas, apontando os requisitos legais, estruturais e funcionais. Materiais e Métodos Os dados relacionados ao cumprimento dos objetivos foram obtidos através de revisão bibliográfica. Obtendo informações através de: Consulta a legislação do Conselho Federal de Farmácia-CFF e do Conselho Regional de Farmácia - CRF, que regem a profissão de Farmacêutico-bioquímico; da Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA órgão responsável pela regulamentação sanitária, epidemiológica e de infraestrutura; da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas SBAC, entidade científica-profissional que objetiva promover o desenvolvimento da especialidade análises clínicas e dos laboratórios clínicos; Sites de Consultoria que prestam assistência a Laboratórios de Análises Clínicas; sites e manuais de equipamentos utilizados em análises laboratoriais; Revisão de literatura sobre administração laboratorial, implantação de laboratório de análises clínicas e empreendedorismo. Resultados As providências iniciais para a abertura de um laboratório de análises clínicas assemelham-se as exigidas para qualquer estabelecimento comercial. Tratando-se de estabelecimento de saúde existem obrigações adicionais vinculadas ao Conselho Regional de Farmácia, Vigilância Sanitária e órgão de meio ambiente.

4 Os procedimentos para abertura de um laboratório de análises clínicas podem variar de acordo com as legislações estaduais e municipais de acordo com o domicílio. De uma maneira geral, os seguintes passos devem ser observados para abertura de um laboratório de análises clínicas. I Requisitos para abertura: Consulta de Viabilidade -Consultar a prefeitura de seu município sobre a viabilidade do negócio desejado, ou seja, se é permitido desenvolver tal atividade no endereço escolhido (SEBRAE) 13. -Verificar se a edificação escolhida atende as condições referidas a espaço físico segundo a RDC nº 50/2002(ANVISA) 2. Registro do Contrato Social e CNPJ Elaborar o contrato social e registrá-lo na Junta Comercial do Estado. Dar entrada no pedido de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) na Receita Federal através do Documento Básico de Entrada (DBE) (SEBRAE) 13. Alvará Sanitário Para o licenciamento sanitário é necessário preencher o Formulário de Petição (modelo DIVIS), anexá-lo a documentação exigida e encaminhar o pedido a Vigilância Sanitária Municipal, e também é necessário procurar uma empresa, que faça o serviço de detetização no local. (VIGILANCIA SANITARIA) 16. Alvará Municipal Providenciar o registro da empresa na prefeitura municipal para requerer o Alvará Municipal de Funcionamento, é necessário também licenciamento junto ao órgão de meio ambiente do município, perante apresentação de Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviço de Saúde (PGRSS) (SEBRAE) 13. Registro no órgão de Classe Solicitar registro do estabelecimento junto ao Conselho Regional de Farmácia (CRF-PR) 6. Área trabalhista Providenciar documentos e programas das áreas trabalhista e previdenciária, como Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional (PCMSO) e Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) (COSTA, 2002) 5. II Requisitos para funcionamento: Regulamento técnico da ANVISA Estar em conformidade com a RDC 302/2005 que define as condições gerais de funcionamento bem como os requisitos relacionados aos recursos humanos e infraestrutura (ANVISA) 3.

5 Equipamentos e materiais Equipamentos básicos necessários para cada área: A tabela 01 aponta os principais equipamentos e mobiliários necessários para cada área do laboratório de análises clínicas. Em todos os setores são necessários também os EPI s, reagentes, vidrarias e materiais de consumo (UNIPAR) 14. Além dos setores mencionados, temos ainda os ambientes de apoio, que necessitam de equipamentos, mobiliário e outros materiais. Tabela 01: Equipamentos e outros materiais necessários nas diferentes áreas do laboratório de análises clínicas. Área Coleta Área para classificação e distribuição de amostras e sala de preparo de reagentes Setor de Parasitologia, Microbiologia e Urinálise. Setor de Hematologia Setor de Imunologia Setor de Bioquímica Equipamentos/Mobiliário/Outros Maca; Cadeira para coleta; Mobiliário. Computador; Impressora; Geladeira. Microscópio; Centrífuga; Estufa; autoclave; Geladeira; Balança. Analisador hematológico; Microscópio; Homogeinizador. Banho-maria; Microscópio. Analisador bioquímico; Banho-maria. * Em todos os setores são necessários também os EPI s, reagentes, vidrarias e outros materiais. Discussão Na avaliação da viabilidade de abertura da empresa no endereço pretendido deve-se verificar o plano diretor do município, lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade (SEBRAE) 9. E também a área de zoneamento que é um instrumento amplamente utilizado nos planos diretores, através do qual a cidade é dividida em áreas sobre as quais incidem diretrizes diferenciadas para o uso e, especialmente os índices urbanísticos (URBANIDADES) 15. A RDC nº 50 de 21 de fevereiro de 2002 dispõe sobre o regulamento técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação dos projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. O laboratório deve atender a todas as especificações descritas na RDC 50/2002, dentre as inúmeras exigências descritas na mesma estão o projeto arquitetônico (planta baixa+memorial descritivo), instalações elétricas, eletrônicas e hidráulicas (ANVISA) 2. Destacamos na tabela 2 o dimensionamento das subdivisões exigidas para laboratório clínico, segundo a RDC 50/2002.

6 Tabela 02: Metragem mínima exigida pela RDC 50/2002 para cada setor do laboratório de análises clínicas. Unidade/Ambiente Dimensionamento Sala para coleta de material 3,6 m² Área para classificação e distribuição 3,0 m² de amostras Sala de preparo de reagentes 3,0 m² Laboratório geral * 14,0 m² Laboratório de Parasitologia 6,0 m² Laboratório de Urinálise 6,0 m² Laboratório de Imunologia 6,0 m² Laboratório de Bioquímica 6,0 m² Laboratório de Microbiologia 6,0 m² Laboratório de Hematologia 6,0 m² * Os laboratórios podem estar localizados em um único salão, separados por áreas e bancadas específicas. A depender do nível de biossegurança exigido pelos procedimentos realizados em cada um dos laboratórios, pode ou não ser necessária a existência de sala exclusiva, inclusive com antecâmara. A RDC 50/2002 prevê além da área técnica, normatizações quanto aos ambientes de apoio. Área para registro de pacientes: 1,2 m² por pessoa; Depósito de material de limpeza: 1,0 m²; Sala de espera para pacientes e acompanhantes: 1,2 m² por pessoa; Sala de esterilização de material: 1,5 m²; Sanitários para pacientes e acompanhantes: 1,7 m²; Sanitários para portadores de necessidades especiais: 1,7 m² (min); Sanitários para funcionários: 1,7 m²; Salas administrativas: 5,5 m² por pessoa; Depósito de equipamentos e materiais: 1,0 m². Para a implantação de um laboratório clínico a empresa pode se enquadrar como empresa individual ou sociedade limitada, ambas tem por objetivo o exercício de atividade própria de empresário sujeito à registro independentemente de seu objeto, devendo inscrever-se na junta comercial do respectivo estado (SEBRAE) 13. Sob ambas as formas, o laboratório que auferir receita bruta anual de até R$ 240 mil e se enquadrar nas demais condições previstas na Lei Geral, pode atuar no mercado como microempresa (SEBRAE) 11. Para que o estabelecimento seja registrado no Conselho Regional de Farmácia, o profissional farmacêutico que atuará como responsável técnico deve estar inscrito no respectivo conselho regional e ter habilitação em análises clínicas ou formação generalista (CRF-PR) 6. Em relação aos requisitos funcionais existe a RDC 302, de 13 de outubro de 2005, que dispõe sobre regulamento técnico para funcionamento de laboratório

7 clínico (ANVISA) 3. Apresentamos abaixo um resumo das determinações da referida Resolução: O laboratório deve possuir um profissional legalmente habilitado como responsável técnico, o mesmo tem a responsabilidade de planejar, programar e garantir a qualidade dos processos e a rastreabilidade; Todo laboratório clínico deve estar inscrito no cadastro nacional de estabelecimentos de saúde (CNES); O laboratório clínico deve dispor de instruções escritas e atualizadas das rotinas técnicas implantadas e também possuir estrutura organizacional documentada; Todos os profissionais devem ser vacinados conforme legislação vigente; A admissão de funcionários deve ser precedida de exames médicos em conformidade com o PCMSO da NR-7 da portaria MTE nº 3214 de 08/06/1978 e lei nº 6514 de 22/12/1977; Os equipamentos e instrumentos utilizados como produtos para diagnóstico, reagentes, insumos e saneantes devem estar regularizados junto a ANVISA/MS, de acordo com a legislação vigente e registrar a aquisição dos mesmos de forma a garantir a rastreabilidade; Devem ser mantidos registros dos processos de preparo e do controle da qualidade dos reagentes e insumos preparados; O laboratório deve implantar o plano de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde (PGRSS) atendendo aos requisitos da RDC/ANVISA nº 306 de 07/12/2004 (ANVISA) 1 ; O laboratório deve manter atualizado e disponibilizar, a todos os funcionários, instruções escritas de biossegurança, de limpeza, desinfecção e esterilização; O responsável técnico pelo laboratório deve documentar o nível de biossegurança dos ambientes e/ou áreas, baseado nos procedimentos, equipamentos e microorganismos envolvidos, adotando as medidas de segurança compatíveis. A aquisição de equipamentos e outros materiais para realização das análises deve ser avaliada de acordo com a demanda pretendida. É importante salientar que a depender do número de atendimentos/dia pode-se utilizar automação, semi-automação e até técnicas manuais, desde que validadas, para realização das análises (ANVISA) 3. Para os exames de maior complexidade existe também a possibilidade de terceirização com Laboratórios de Apoio. Conclusões Diante dos dados levantados concluímos que para implantação de um laboratório de análises clínicas, é necessário providenciar autorização para funcionamento da prefeitura do município, da vigilância sanitária e do respectivo conselho de classe, bem como cadastrado junto ao CNPJ e ao CNES. O estabelecimento deve ainda atender aos requisitos da ANVISA/MS dispostos na RDC 50/2002, RDC 302/2005 e 306/2004.

8 Sugerimos aos profissionais que pretendem implantar um laboratório clínico, a elaboração de um plano de negócios sobre o empreendimento. O plano de negócios analisa os riscos e oportunidades existentes no mercado no qual o empreendedor pretende atuar; a localização; equipamentos; o investimento necessário e o seu retorno; a formação dos custos e do preço de serviços relacionados ao empreendimento, entre outros (SEBRAE, 1994) 10. O objetivo maior do plano de negócios é garantir a viabilidade do empreendimento, através de um documento pelo qual o empreendedor formaliza os estudos a respeito de suas idéias, transformando-as em um negócio (SEBRAE) 12 Referências: 1. ANVISA, Resolução RDC n: 306, de 17 de dezembro de Disponível em: <http://e-legis.anvisa.gov.br/leisref/public/showact.php> acesso em 18 de abr ANVISA, Resolução RDC nº 50, de 21 de fevereiro de Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/2002/50_02rdc.pdf> acesso em: 28 de Fev ANVISA, Resolução RDC nº 302, de 13 de outubro de Disponível em: <http://elegis.anvisa.gov.br/leisref/public/showact.php?id=19176> acesso em: 25 de Mar BECKER, A. A. A gestão do Laboratório de Análises Clínicas Por Meio de Indicadores de Desempenho Através da Utilização do Balanced Card Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS, BRASIL. Leis, etc; COSTA, Armando Casimiro; FERRARI, Irany. Consolidação das leis do trabalho. 29. ed São Paulo: Editora LTR, p. 6. CRF-PR, Registro de estabelecimento. Disponível em: <http://www.crfpr.org.br/inner/reg-estabelecimento%20.php> acesso em: 23 de Mar OGUSHI, Q., ALVES, S.L. Administração em laboratórios Clínicos. São Paulo: Atheneu, SANNAZZARO, C.A.C. Administração de Laboratórios de Análises Clínicas. São Paulo: Sociedade Brasileira de Análises Clínicas SEBRAE. A importância do plano diretor para o desenvolvimento municipal. Disponível em: <http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/bds.nsf/44272b5bf450a48c C /$File/NT00033FD6.pdf> acesso em: 17 de abr

9 10. SEBRAE.. Como abrir e administrar sua empresa: registro da firma, registro da marca, organização do negócio. Brasília: SEBRAE, p. 11. SEBRAE, Microempreendedor individual. Disponível em: <http://www.sebraesp.com.br/midiateca/publicacoes/artigos/juridico_legislacao/ micro_empreendedor_individual> acesso em 10 de mai SEBRAE, O que é plano de negócios. Disponível em: <http://www.sebraesp.com.br/faq/criacao_empresa/criacao_empresa/plano_ne gocios> acesso em: 21 de mai SEBRAE, Passos para uma abertura de uma empresa prestadora de serviços. Disponível em: <http://www.sebraesc.com.br/ideais/default.asp?vcdtexto=1552> acesso em: 2 de Mar UNIPAR, Laboratório de análises clínicas. Disponível em: <http://www.unipar.br/home/arquivos/catalogo_institucional_vi_ Descricao_dos_Laboratorios_Instalados_Francisco_Beltrao_637.pdf> acesso em: 10 de abr URBANIDADES, Zoneamento e planos diretores. Disponível em: <http://urbanidades.arq.br/2007/11/zoneamento-e-planos-diretores/> acesso em: 26 de abr VIGILÂNCIA SANITÁRIA, Documentos necessários para alvará sanitário. Disponível em: <http://www.vigilanciasanitaria.sc.gov.br/index.php?option=com_content&task= view&id=176&itemid=39> acesso em: 15 de mar XAVIER, et al. Laboratório na Prática clínica. Porto Alegre: artmed, 2005.

LABORATÓRIO DE ANÁLISES E PATOLOGIA CLÍNICA ROTEIRO DE INSPEÇÃO RDC 302/05

LABORATÓRIO DE ANÁLISES E PATOLOGIA CLÍNICA ROTEIRO DE INSPEÇÃO RDC 302/05 LABORATÓRIO DE ANÁLISES E PATOLOGIA CLÍNICA ROTEIRO DE INSPEÇÃO RDC 302/05 Data da inspeção: Equipe: Pessoa contactada: I - DA ORGANIZAÇÃO - DADOS CADASTRAIS Identificação da Unidade: Nome do estabelecimento:

Leia mais

laboratórios clínicos e vigilância sanitária

laboratórios clínicos e vigilância sanitária laboratórios clínicos e vigilância sanitária Corina Charlotte Keller Farm. Industrial / Bioquímica Curitiba, Agosto 2014 Laboratórios de análises clínicas Regulamentos aplicáveis Lei federal nº 6437/77

Leia mais

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS.ª ANA MARIA SILVEIRA MACHADO DE MORAES EMENTA: Assinatura

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 146/12

DELIBERAÇÃO Nº 146/12 DELIBERAÇÃO Nº 146/12 Dispõe sobre a Responsabilidade Técnica e o Exercício Profissional de Farmacêutico apto a atuar em Análises Clínicas e Postos de Coleta e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS)

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) 1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) DROGARIAS (CONFORME LEI FEDERAL 5991/73, RESOLUÇÃO RDC ANVISA 44/09 E OUTRAS PERTINENTES)

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DOS TÉCNICOS EM ANÁLISES CLÍNICAS NO BRASIL. Primeiras aproximações. Bianca Veloso Flávio Paixão

PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DOS TÉCNICOS EM ANÁLISES CLÍNICAS NO BRASIL. Primeiras aproximações. Bianca Veloso Flávio Paixão PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DOS TÉCNICOS EM ANÁLISES CLÍNICAS NO BRASIL Primeiras aproximações. Bianca Veloso Flávio Paixão Objetivo geral Compreender o processo de constituição histórica e social e seus

Leia mais

Dispõe sobre Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos.

Dispõe sobre Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos. RESOLUÇÃO RDC/ANVISA Nº. 302, de 13 de outubro de 2005. Dispõe sobre Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária,

Leia mais

ANEXO 7 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE LABORÁTORIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS E OUTRAS ESPECIALIDADES

ANEXO 7 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE LABORÁTORIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS E OUTRAS ESPECIALIDADES ANEXO 7 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE LABORÁTORIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS E OUTRAS ESPECIALIDADES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS

Leia mais

considerando a necessidade de normalização do funcionamento do Laboratório Clínico e Posto de Coleta Laboratorial;

considerando a necessidade de normalização do funcionamento do Laboratório Clínico e Posto de Coleta Laboratorial; RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 302, DE 13 DE OUTUBRO DE 2005. Dispõe sobre Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC

Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 302, DE 13 DE OUTUBRO DE 2005. Dispõe sobre Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006.

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006. Página 1 de 6 Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Funcionamento de Serviços que prestam Atenção

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 302, DE 13 DE OUTUBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 302, DE 13 DE OUTUBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 302, DE 13 DE OUTUBRO DE 2005. Dispõe sobre Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 302, DE 13 DE OUTUBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 302, DE 13 DE OUTUBRO DE 2005. Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 302, DE 13 DE OUTUBRO DE 2005. Dispõe sobre Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos. A Diretoria Colegiada

Leia mais

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar.

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. 09/02/2006 Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. Os pacientes que recebem atendimento médico em casa têm agora um regulamento para esses serviços. A Anvisa publicou, nesta segunda-feira

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS Instruções de preenchimento - Somente itens cumpridos integralmente pelo serviço devem ser considerados SIM ; - Nos casos em que o serviço realize apenas parte do disposto no item avaliado, este deve ser

Leia mais

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS RDC/ANVISA nº 50 de 21 de fevereiro de 2002 RDC/ANVISA nº 307 de 14/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento,

Leia mais

Título: Solicitação para Credenciamento de Pessoa Jurídica - Laboratório Clínico Tipo de Anexo: Formulário Número e Versão do Anexo: RQ-SCPJLC - V.

Título: Solicitação para Credenciamento de Pessoa Jurídica - Laboratório Clínico Tipo de Anexo: Formulário Número e Versão do Anexo: RQ-SCPJLC - V. Senhor Presidente, Eu,,CPF nº. RG. nº Profissão Solicito o credenciamento Laboratório Declaro para os devidos fins, que tenho conhecimento das normas, instruções e tabelas vigentes do de Assistência dos

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS Drogarias; Ervanária, posto de medicamento, dispensário de medicamentos; Distribuidora com fracionamento de cosmético, perfume, produtos de higiene; Distribuidora

Leia mais

2 As contribuições recebidas serão públicas e permanecerão à disposição de todos no sítio da Anvisa na internet.

2 As contribuições recebidas serão públicas e permanecerão à disposição de todos no sítio da Anvisa na internet. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 37, de 11 de julho de 2011 D.O.U de 12/07/2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da

Leia mais

Gestão da Qualidade em Laboratório Clínico. Profa. Silvia Cardoso Junho/2012

Gestão da Qualidade em Laboratório Clínico. Profa. Silvia Cardoso Junho/2012 Gestão da Qualidade em Laboratório Clínico Profa. Silvia Cardoso Junho/2012 Histórico da Qualidade Diferentes fases da qualidade: Empirismo (até 1920) produção artesanal; durabilidade Era da Inspeção produção

Leia mais

LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS

LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS FICHA TÉCNICA Setor da Economia: Terciário Ramo de Atividade: Análises Clínicas Produtos Ofertados: Exames de sangue e outros. APRESENTAÇÃO Para a montagem de um laboratório

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre os Requisitos de Boas Práticas de Funcionamento para os Serviços de Saúde A Diretoria

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 63, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre os Requisitos de Boas Práticas de Funcionamento para os Serviços de Saúde A Diretoria

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC

Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC Trav. Olindina Alves Pereira, 35 - Caixa Postal 472-88020-095 Fone/Fax (48) 222-4702 - Florianópolis - SC. url:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 ORIENTAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTO PARA TRANSPLANTES Formular o processo de

Leia mais

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MEDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 E Ótica; Creches; Instituições de longa permanência para idosos; Instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 594/2003

DELIBERAÇÃO N.º 594/2003 DELIBERAÇÃO N.º 594/2003 Dispõe sobre o Exercício Profissional de Farmacêuticos-Bioquímicos em Laboratórios de Análises Clínicas. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO PARANÁ - CRF/PR,

Leia mais

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS Para efeito de seleção das categorias que possuem divisão de 1 o, 2 o,3 o, vigoram os seguintes paramentos abaixo listados: 1 o categoria Contrato social acima de R$ 30.000,00

Leia mais

Formalizando o negócio

Formalizando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Formalizando o negócio Manual Etapa 3/Parte 2 Bem-vindo! É um prazer ter você participando da Etapa 3 do Programa de Auto-Atendimento Negócio Certo,

Leia mais

www.cmqv.org CNPJ 04536-435-0001-06 Fonefax: (12) 3941 7242 Central (11) 5055 4931 cmqv@cmqv.org

www.cmqv.org CNPJ 04536-435-0001-06 Fonefax: (12) 3941 7242 Central (11) 5055 4931 cmqv@cmqv.org I- APRESENTAÇÃO A INSTITUIÇÃO A CMQV é uma Instituição do Terceiro Setor, privada, fundada e coordenada por profissionais multidisciplinares vinculados à Universidade de São Paulo e a Fundação Universitária

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999

BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999 RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999 Dispõe sobre requisitos exigidos para a dispensação de produtos de interesse à saúde em farmácias e drogarias. BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA

Leia mais

Segurança e Controle de Qualidade no Laboratório de Microbiologia Clínica

Segurança e Controle de Qualidade no Laboratório de Microbiologia Clínica Segurança e Controle de Qualidade no Laboratório de Microbiologia Clínica Módulo II ÍNDICE 1. Regulamento Técnico para laboratórios Clínicos...1 Objetivo... 2 Abrangência... 2 Definições... 2 Condiçoes

Leia mais

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA Dr. Alessandro Vieira De Martino Farmacêutico Bioquímico CRF 33754 Formado no curso de Farmácia e Bioquímica pela Universidade Bandeirante de São Paulo UNIBAN Pós-Graduado

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

Onde os Biomédicos atuam?

Onde os Biomédicos atuam? Onde os Biomédicos atuam? Os profissionais Biomédicos estão distribuídos por todas as esferas científicas públicas e privadas das universidades, faculdades, centros universitários, institutos de pesquisas,

Leia mais

CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012

CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012 CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012 GERÊNCIA GERAL DE LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA Abril/2013 - Curitiba/PR Por Lais Santana Dantas Gerente Geral/ AGENDA: Regulação de Laboratórios Analíticos Laboratórios

Leia mais

Fase extra-estabelecimentoestabelecimento de saúde

Fase extra-estabelecimentoestabelecimento de saúde GESTÃO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE Fase extra-estabelecimentoestabelecimento de saúde INTRODUÇÃO A política de gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde - RSS

Leia mais

Formulário de Solicitação de Habilitação de Centro de Equivalência Farmacêutica

Formulário de Solicitação de Habilitação de Centro de Equivalência Farmacêutica Formulário de Solicitação de Habilitação de Centro de Equivalência Farmacêutica Coordenação de Equivalência Farmacêutica (CEFAR/GTFAR/GGMED/Anvisa) www.anvisa.gov.br Brasília, de de 201 Formulário de Solicitação

Leia mais

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Análise e Aprovação dos Projetos dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS junho 2013 RDC ANVISA 51 de 06/10/2011 Dispõe sobre os requisitos mínimos para a análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC N 49, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC N 49, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA-RDC N 49, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013

Leia mais

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN Contadores Maio / 2008 Índice Introdução... 3 Pedido de Consulta da Viabilidade... 4 Acompanhamento do Pedido de Viabilidade... 11 Registro

Leia mais

Os 1 Item(ns) da lista de documentos que não foram cumprido(s):

Os 1 Item(ns) da lista de documentos que não foram cumprido(s): Agência Nacional de Vigilância Sanitária Unidade de Atendimento e Protocolo - UNIAP Listagem de Encaminhamento de Documentação em Caráter Precário Data: 14.11.05 EMPRESA: ANCHIETA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

Importação de Produtos para Saúde

Importação de Produtos para Saúde Importação de Produtos para Saúde Gerência de Inspeção de Produtos e Autorização de Empresas em Portos, Aeroportos Fronteiras e Recintos Alfandegados GIPAF Mônica Cristina A. F. Duarte Organograma - ANVISA

Leia mais

RENOVAÇÃO GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

RENOVAÇÃO GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ESTABELECIMENTOS DESTINADOS À PRODUÇÃO, FABRICO, PREPARO, BENEFICIAMENTO, MANIPULAÇÃO, ACONDICIONAMENTO, TRANSPORTE, DEPÓSITO, VENDA OU CONSUMO DE ALIMENTOS (BARES, LANCHONETES, RESTAURANTES, PADARIAS

Leia mais

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF:

Leia mais

Instruções para o preenchimento do Formulário 3

Instruções para o preenchimento do Formulário 3 Instruções para o preenchimento do Formulário 3 O Formulário 3 tem como finalidade a requisição para Inscrição ou Reativação de um estabelecimento no CRF-SP. A imagem foi dividida de acordo com o esquema

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

RDC 302: 2005 - Edição Comentada Compreendendo o Regulamento

RDC 302: 2005 - Edição Comentada Compreendendo o Regulamento RDC 302: 2005 - Edição Comentada Compreendendo o Regulamento FICHA CATALOGRÁFICA Material exclusivo. Reprodução permitida somente com a autorização expressa da Labtest Diagnóstica S.A. Comentários: Dra.

Leia mais

RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1628 DE 10 DE SETEMBRO DE 2010

RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1628 DE 10 DE SETEMBRO DE 2010 RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1628 DE 10 DE SETEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e Considerando a Resolução Municipal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 202/08 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 202/08 - CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 202/08 - CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: que as ações e serviços de saúde são de relevância pública, estando sujeitos à regulamentação,

Leia mais

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP)

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) Edição 2013 01) O que é Microempreendedor Individual - MEI? Considera-se Microempreendedor Individual - MEI o empresário individual

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que RE 2605/2606

Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que RE 2605/2606 Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que Constam da Lista de Proibições RE 2605/2606 Luciana Pereira de Andrade Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária Gerência Geral de

Leia mais

ANEXO II 1 NORMAS GERAIS DE CREDENCIAMENTO/ HABILITAÇÃO

ANEXO II 1 NORMAS GERAIS DE CREDENCIAMENTO/ HABILITAÇÃO ANEXO II NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E CREDENCIAMENTO/HABILITAÇÃO DE UNIDADES DE ASSISTÊNCIA EM ALTA COMPLEXIDADE NO TRATAMENTO REPARADOR DA LIPODISTROFIA E LIPOATROFIA FACIAL DO PORTADOR DE HIV/AIDS 1 NORMAS

Leia mais

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos

Formalização do Funcionamento de. Nutrição. Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos Formalização do Funcionamento de Unidades de Alimentação e Nutrição Profª. Mônica de Caldas Rosa dos Anjos A sobrevivência de agrupamentos humanos está diretamente relacionada à existência de objetivos

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES

CONTRATAÇÃO DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES MERCOSUL/GMC/RES. Nº 26/06 CONTRATAÇÃO DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº 20/02 do Conselho

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 95, de 09 de outubro de 2014 D.O.U de 10/10/2014

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 95, de 09 de outubro de 2014 D.O.U de 10/10/2014 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 95, de 09 de outubro de 2014 D.O.U de 10/10/2014 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

8. Regularização do Negócio

8. Regularização do Negócio 8. Regularização do Negócio Conteúdo 1. Forma Jurídica das Empresas 2. Consulta Comercial 3. Busca de Nome Comercial 4. Arquivamento do contrato social/requerimento de Empresário 5. Solicitação do CNPJ

Leia mais

Art. 11. O Enfermeiro exerce todas as atividades de enfermagem, cabendo-lhe: I - privativamente: i) consulta de enfermagem;

Art. 11. O Enfermeiro exerce todas as atividades de enfermagem, cabendo-lhe: I - privativamente: i) consulta de enfermagem; Trata-se de estudo acerca da Decisão COREN/RJ n.º 1178/98, que dispões sobre colheita de material para exames de análise clínica pelo pessoal de enfermagem. A nossa proposição visa a formalizar uma posição

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 189, DE 18 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre a regulamentação dos procedimentos de análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos de estabelecimentos

Leia mais

NOTA TÉCNICA CONJUNTA Nº 002/2014 GGTES/GGTPS/Anvisa

NOTA TÉCNICA CONJUNTA Nº 002/2014 GGTES/GGTPS/Anvisa NOTA TÉCNICA CONJUNTA Nº 002/2014 GGTES/GGTPS/Anvisa Assunto: utilização de equipamentos para a visualização, registro, armazenamento e impressão de imagens médicas, para fins de diagnóstico. Gerência

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG) I. INFORMAÇÕES GERAIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG) I. INFORMAÇÕES GERAIS ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG) I. INFORMAÇÕES GERAIS Período da Inspeção: / / a / / BCTG Tipo 1 ( ) BCTG Tipo 2 ( ) Tipo de Inspeção: Licença inicial ( ) Renovação

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA CONCURSO PARA TÍTULO DE ESPECIALISTA EM FARMÁCIA HOSPITALAR SBRAFH BIBLIOGRAFIA SUGERIDA BORGES FILHO, WM; FERRACINI, FT. Prática Farmacêutica no Ambiente Hospitalar. 2 ed, Rio de Janeiro: Atheneu, 2010.

Leia mais

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN Contadores Janeiro / 2010 1 Índice ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 PEDIDO DE VIABILIDADE MATRIZ... 4 PEDIDO DE VIABILIDADE FILIAL... 10

Leia mais

RESOLUÇÃO ANVISA Nº 22, DE 17 DE JUNHO DE 2010 DOU 18.06.2010

RESOLUÇÃO ANVISA Nº 22, DE 17 DE JUNHO DE 2010 DOU 18.06.2010 RESOLUÇÃO ANVISA Nº 22, DE 17 DE JUNHO DE 2010 DOU 18.06.2010 Dispõe sobre a regulamentação da transferência de titularidade de registro de produtos sujeitos à vigilância sanitária em razão de operações

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Decreto Nº 94.406 / 1987 (Regulamentação da Lei nº 7.498 / 1986) Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da

Leia mais

Assistência técnica em genética forense: esferas de atuação e o mercado de trabalho no Brasil

Assistência técnica em genética forense: esferas de atuação e o mercado de trabalho no Brasil Assistência técnica em genética forense: esferas de atuação e o mercado de trabalho no Brasil Maria Elizabeth Menezes,MSc,Ph.D MELMENEZES2001@YAHOO.COM A assistência técnica na área de genética forense

Leia mais

DECRETO Nº 9.541, DE 17 DE AGOSTO DE 2009.

DECRETO Nº 9.541, DE 17 DE AGOSTO DE 2009. DECRETO Nº 9.541, DE 17 DE AGOSTO DE 2009. Regulamenta a Lei Complementar nº 3.901, de 14 de agosto de 2009, que Dispõe sobre o licenciamento para funcionamento de atividades econômicas no Município de

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73 DECISÃO COREN-RS Nº 006/2009 Dispõe sobre as normatizações para o exercício do profissional Enfermeiro em relação à constituição e funcionamento das Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs).

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

Por que os Certificados ou Diplomas de Massagem ou Massoterapia devem ser registrados e qual a validade do registro?

Por que os Certificados ou Diplomas de Massagem ou Massoterapia devem ser registrados e qual a validade do registro? 1 Por que os Certificados ou Diplomas de Massagem ou Massoterapia devem ser registrados e qual a validade do registro? A profissão de Massagista ou Massoterapeuta ainda é regida pela "arcaica" de Lei nº

Leia mais

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos.

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos. Documento 1 Estatuto ou Contrato Social consolidado com todas as alterações realizadas, devidamente arquivado no registro de comércio da sede da sociedade participante. É o documento pelo qual uma empresa

Leia mais

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013 NATAL/RN NOV/2013 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RSS Documento que aponta e descreve ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nos estabelecimentos assistenciais de saúde Considerando as Características

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE FUNDAÇÃO EZEQUIEL DIAS

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE FUNDAÇÃO EZEQUIEL DIAS Conforme Portaria n 007 de 29 de março de 2007, publicada no Diário Oficial de Minas Gerais de 30/03/2007, que dispõe sobre o pagamento de GIEFS e Portaria n 010 de 04 de março de 2008, publicada no Diário

Leia mais

CONGRESSO ENQUALAB-RESAG/2014

CONGRESSO ENQUALAB-RESAG/2014 Ministério da Saúde CONGRESSO ENQUALAB-RESAG/2014 A QUALIDADE DA ÁGUA NO ÂMBITO DA SAÚDE São Paulo,SP 31 de outubro de 2014 Por Mariângela Torchia do Nascimento Gerência de Laboratórios de Saúde Pública/GELAS/ANVISA

Leia mais

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o elenco de medicamentos e aprova o regulamento dos procedimentos de aquisição e dispensação de medicamentos especiais para tratamento ambulatorial

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

Telefone: Fax: E-mail:

Telefone: Fax: E-mail: PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE CONTROLE E VIGILANCIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE versão 06/03/2007 ROTEIRO PARA LABORATÓRIO

Leia mais

ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS

ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS A ANVISA (AGENCIA NACIONAL DE VIGILANCIA SANITARIA) ABRIU A CONSULTA PUBLICA N. 76, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008, DOCUMENTO QUE SUBSTITUIRA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (consolidada com as alterações da Resolução CGSIM nº 17/2010)

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (consolidada com as alterações da Resolução CGSIM nº 17/2010) RESOLUÇÃO Nº 16, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (consolidada com as alterações da Resolução CGSIM nº 17/2010) Dispõe sobre o procedimento especial para o registro e legalização do Microempreendedor Individual.

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Prezado cliente, Este material foi criado com o objetivo de esclarecer todas as dúvidas que podem surgir a respeito da inspeção de

Leia mais

Segurança e Controle de Qualidade no Laboratório de Microbiologia Clínica

Segurança e Controle de Qualidade no Laboratório de Microbiologia Clínica Segurança e Controle de Qualidade no Laboratório de Microbiologia Clínica Módulo II ÍNDICE 1. Regulamento Técnico para laboratórios Clínicos...1 Consulta Pública nº 50, de 05 de agosto de 2004... 1 D.O.U

Leia mais

Guia do Requerente. Orientações de preenchimento

Guia do Requerente. Orientações de preenchimento Guia do Requerente Orientações de preenchimento Bem-vindo (a) ao nosso novo sistema on-line de atendimento Empresa Legal. Este documento é o Guia do Requerente. Ele o (a) ajudará em seu contato com o ambiente

Leia mais

LICENÇA INICIAL GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

LICENÇA INICIAL GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ESTABELECIMENTOS DESTINADOS À PRODUÇÃO, FABRICO, PREPARO, BENEFICIAMENTO, MANIPULAÇÃO, ACONDICIONAMENTO, TRANSPORTE, DEPÓSITO, VENDA OU CONSUMO DE ALIMENTOS (BARES, LANCHONETES, RESTAURANTES, PADARIAS

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA Norma: RESOLUÇÃO Órgão: Agência Nacional de Vigilância Sanitária Número: 63 Data Emissão: 25-11-2011 Ementa: Aprova o Regulamento Técnico que estabelece os Requisitos de Boas Práticas para Funcionamento

Leia mais

Cartilha Orientativa de Drogaria da ABRAS

Cartilha Orientativa de Drogaria da ABRAS Cartilha Orientativa de Drogaria da ABRAS Cartilha _ Comitê de farmácias.indd 1 11/12/2009 16:10:15 2 Cartilha _ Comitê de farmácias.indd 2 11/12/2009 16:10:16 Introdução A Cartilha Orientativa de Drogaria

Leia mais

FARMÁCIAS E DROGARIAS

FARMÁCIAS E DROGARIAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE FARMÁCIAS E DROGARIAS Nome Fantasia: Razão Social: Endereço: Responsável Técnico: CRF: Telefone: CNPJ: Secretaria Municipal de Saúde de Feira de Santana - Av. João Durval

Leia mais

PORTARIA Nº 32, DE 19 DE JUNHO DE 2015 DOE ES DE 22/06/2015

PORTARIA Nº 32, DE 19 DE JUNHO DE 2015 DOE ES DE 22/06/2015 PORTARIA Nº 32, DE 19 DE JUNHO DE 2015 DOE ES DE 22/06/2015 Dispõe sobre o processo de licenciamento sanitário de estabelecimentos/serviços de interesse da vigilância sanitária no Estado do Espírito Santo.

Leia mais

O LABORATÓRIO DE PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA: VISÃO GERAL PAULO MURILLO NEUFELD UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

O LABORATÓRIO DE PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA: VISÃO GERAL PAULO MURILLO NEUFELD UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO O LABORATÓRIO DE PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA: VISÃO GERAL História da Medicina Veterinária Pai da Medicina Veterinária: Aristóteles (383 ac / 322aC): De Historia Animalium De Partibus Animalium De Generatione

Leia mais

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL São Paulo, 26/09/2011 VALÉRIA APARECIDA FARIA Bióloga Especialização em Gestão Ambiental pela Faculdade

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DOS ROTEIROS DE INSPEÇÃO SANITÁRIA EM CNCDO e OPO

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DOS ROTEIROS DE INSPEÇÃO SANITÁRIA EM CNCDO e OPO ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DOS ROTEIROS DE INSPEÇÃO SANITÁRIA EM CNCDO e OPO 1. Considerações iniciais Este documento tem por objetivo instruir a Vigilância Sanitária no preenchimento dos roteiros

Leia mais

Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica Código: FAR - 106 Pré-requisito: - Período

Leia mais