AS FIGURAS DE LINGUAGEM E SEU PAPEL NA CONTRUÇÃO DO SLOGAN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS FIGURAS DE LINGUAGEM E SEU PAPEL NA CONTRUÇÃO DO SLOGAN"

Transcrição

1 AS FIGURAS DE LINGUAGEM E SEU PAPEL NA CONTRUÇÃO DO SLOGAN CAMPOS, Ludmila e VIANA, Flávia 1 Resumo: O texto publicitário tem por objetivo convencer e persuadir um determinado público, fazendo-o adotar uma postura positiva com relação ao produto, serviço ou ideia que está sendo anunciado. Por isso, os profissionais da área de propaganda procuram ter grande domínio da Língua para que possam utilizar seus diversos artifícios de forma a construir a mensagem mais adequada ao seu públicoalvo. O presente trabalho tem por objetivo analisar um desses artifícios - as figuras de linguagem - aplicado aos slogans publicitários. Para isso, foram utilizadas referências de autores da área e exemplos de anúncios publicitários, alguns veiculados recentemente, e outros que, apesar de antigos e não mais utilizados, permanecem ainda na lembrança do público. Através do estudo realizado, pôde-se concluir que as figuras de linguagem contribuem de diferentes maneiras na redação dos slogans, produzindo diferentes efeitos nos mesmos, e, quando bem utilizadas, são de grande valia para os profissionais da aérea. Palavras-chave: slogan; publicidade; figuras de linguagem. Fundamental para construção da identidade de uma marca, o slogan traduz em poucas palavras os conceitos-chave que o produto ou serviço deseja passar e, principalmente, fixar na mente de seu público. Para que a mensagem seja a mais eficiente possível, o publicitário deve saber combinar a habilidade em usar a Língua a um profundo conhecimento da mesma. Alguns recursos linguísticos são recorrentes na construção dos slogans. Neste trabalho, serão abordadas as figuras de palavras, pensamento e construção, utilizadas para conferir dinamismo, expressividade, ritmo etc a essa frase tão importante nos anúncios. As figuras de palavras são também chamadas de figuras metafóricas. A metáfora consiste em empregar uma palavra em um contexto que lhe atribua um sentido diferente de seu sentido próprio, literal. Essa figura de linguagem pode ser ainda subdividida em diversos tópicos, sendo eles a comparação, a metonímia, a 1 Alunas regularmente matriculadas no terceiro período do curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Federal Fluminense sob a orientação da Profª. Drª. Arlete Eni Granero.

2 2 catacrese e a perífrase. Todos eles são diferentes formas de aplicação da metáfora (IASBECK, 2002). As figuras de pensamento, ou figuras de significação, tem por efeito chamar a atenção do receptor da mensagem, já que se tratam da utilização de construções curiosas e impactantes, podendo até mesmo causar, em certos casos, a quebra de um pensamento linear. Podem ser citadas como exemplo de figuras de pensamento as antíteses, as hipérboles, as ironias, os eufemismos e as prosopopéias (IASBECK, 2002). Por fim, as figuras de construção são aquelas que se relacionam a funções sintagmáticas, extrapolando o âmbito da produção de sentido e abrangendo também o âmbito sintático-gramatical. São exemplos disso: a silepse; o pleonasmo; a elipse; o zeugma e o anacoluto. Para a realização desse trabalho foram consultadas obras de Luiz Carlos Iasbeck, Rafael Sampaio, Dieno Castanho, William Sunners e entre outros. A partir do embasamento teórico fornecido por esses autores, foi possível aplicar os conhecimentos adquiridos em diversas peças publicitárias, realizando assim variadas análises de slogans com relação aos recursos utilizados em sua elaboração. 1 O slogan De acordo com sua origem, o termo slogan designava o grito de guerra de um clã. Oriundo do idioma gaélico, língua do povo céltico, a expressão Slaugh- Ghairm era utilizada pra reunir guerreiros para batalha. Com o passar dos anos, esse grito de guerra foi se transformando e recebendo diferentes significados. Segundo Sunners (1953), o termo já representou o lema que identificava certas famílias nobres, que o faziam gravar em seus brasões e insígnias. Complementando, Iasbeck (2002) mostra que na França, sob uma carga pejorativa, a palavra significava doutrinamento, propaganda, reclame, se aproximando então, do seu significado atual. Porém, durante o século XIX, na Inglaterra, utilizava-se a palavra slogan para designar a divisa de um partido político, de uma ideologia ou de uma linha filosófica. Somente mais tarde, ainda no século XIX, coube aos Estados Unidos o papel de, realmente, tornar o slogan um termo intrínseco à área da propaganda mercadológica.

3 3 Atualmente, conforme define Dieno Castanho (1957), slogan pode ser definido como uma frase pequena e marcante com que um industrial, comerciante ou uma instituição procura fixar seu produto, serviço ou marca na mente do público. Portanto, assim como afirma Sant anna (1998), ele deve consistir de uma frase curta, concisa e eufônica; deve ser simples, claro, apropriado e distinto, com um toque de originalidade, se possível. Deste modo, a publicidade desenvolveu a arte dos slogans usando-os como um meio eficaz da retórica persuasiva, utilizando para este fim diversos recursos, elementos e técnicas da Língua, como as figuras de linguagem, os recursos fônicos, os provérbios e os trocadilhos, por exemplo. Para a realização do presente trabalho foi considerada a definição de Sampaio (2003), segundo o qual o slogan é uma frase-tema de uma campanha ou marca, que procura resumir e definir seu posicionamento. 2 Figuras de Palavras Iasbeck (2002) cita em uma de suas obras a definição de metáfora concebida por Jakobson. Segundo ele, as metáforas são construções sintagmáticas que acionam procedimentos paradigmatizantes. De uma perspectiva mais didática, pode-se dizer que a metáfora consiste em deslocar um termo de seu contexto habitual atribuindo-lhe dessa forma um sentido diferente, já que há entre o determinado termo e a ideia que se quer passar uma relação de semelhança. A metáfora é, então, uma comparação subentendida (PASCHOALIN E SPADOTO, 1996). Tal recurso estilístico é muito utilizado, tanto no dia-a-dia quanto na produção de textos literários. Os textos publicitários não são diferentes, e também se utilizam dos diversos tipos de metáforas existentes pelos mais variados motivos, seja para causar uma maior aproximação com o consumidor através de uma linguagem cotidiana e informal ou até mesmo explicar de maneira simplificada atributos do produto que está sendo anunciado. No entanto, com relação aos slogans, o uso de metáforas exige maior cuidado. Devido a sua natureza, essa figura de linguagem, se mal aplicada, pode prejudicar ou até mesmo impossibilitar o entendimento da mensagem que se quer passar. Segundo Iasbeck (2002), o uso errôneo da metáfora nos slogans pode prejudicar uma de suas principais funções: a de ser memorizado

4 4 pelo receptor. De acordo com autor, é por este motivo que os publicitários recorrem a estereótipos, chavões e clichês: por seus sentidos já estarem cristalizados no entendimento coletivo, a possibilidade de que haja um mau entendimento da mensagem é reduzida. Um exemplo que ilustra o que foi acima exposto é o slogan utilizado pelo inseticida Rodasol: Figura 1: Slogan Rodasol Antes de dormir, não esqueça de apagar os insetos Fonte: COMUNICCA. Disponível em: <http://comunicca.blogspot.com/2009/09/top-10-slogans.html> Acesso em 20/10/2009 às 15h06. Analisando-o, vemos que nele a palavra apagar está sendo empregada de forma metafórica, significando, na verdade, matar. Neste caso, não há nenhum prejuízo de entendimento, já que o verbo apagar utilizado com este sentido já é de uso corriqueiro na linguagem coloquial. A comparação também é muito utilizada no discurso publicitário. Porém, seu uso deve atentar para certas exigências feitas pelo Código de Auto-regulamentação Publicitária: caso a comparação feita seja com um outro produto concorrente, devese manter uma postura ética para com ele e o consumidor. Por esse motivo, as comparações entre produtos são feitas, grande parte das vezes, através de insinuações, evitando confrontos diretos que possam ser considerados inapropriados (IASBECK, 2002). Como um exemplo, temos o slogan da companhia de detetização Insetisan: Figura 2: Slogan Insetisan É um pouco mais cara, mas é muito melhor Fonte: IASBECK, Luiz Carlos. A arte dos slogans: as técnicas de construção das frases de efeito do texto publicitário. São Paulo: Annablume, 2002, p. 84. A frase realiza uma comparação com a concorrência, sem, no entanto, citar nomes, o que torna o confrontamento entre os serviços bastante sutil. Com essa observação, é possível perceber que ela é uma versão menos agressiva do que poderia ser um slogan vetado pelo CONAR: é um pouco mais cara que a Empresa X, mas é muito melhor. A marca de vestimentas de malhas Malwee também se utiliza de um slogan comparativo:

5 5 Figura 3: Slogan Malwee Malwee. Gostosa como um abraço Fonte: MÍDIA INTERESSANTE. Disponível em: <http://www.midiainteressante.com/2009/02/36- slogans-que-fixaram-na-mente-dos.html> Acesso em 20/10/2009 às 14h56. Contudo, examinando tal frase, percebe-se que a marca não compara seus produtos a nenhum concorrente. Nesse caso, foi feita uma associação com uma ação positiva através da frase tema. Dessa forma, o slogan conquista a simpatia do público através de um sentimento de ternura atrelado diretamente a uma qualidade do produto oferecido, e é um exemplo perfeito do que seria considerado um slogan eficiente por Sandage. Para ele, o primeiro requisito para um bom lema é a seleção de uma idéia que toque a corda sensível do consumidor e inclua uma qualidade meritória do produto (apud CASTANHO, 1957, p.77). Já a metonímia é um recurso através do qual há a substituição do sentido de uma palavra ou expressão por outro sentido, havendo entre eles uma relação lógica (PASCHOALIN & SPADOTO, 1996). Segundo Iasbeck (2002), através da metonímia pode-se conhecer traços culturais do interlocutor, já que a escolha e a substituição de determinados termos numa frase evidencia características e valores que acredita-se que devam ser destacados em detrimento de outros. Observe alguns exemplos: Figura 4: Slogan Caloi Não esqueça a minha Caloi Fonte: CALOI. Disponível em: <http://www.caloi.com.br/> Acesso em 20/10/2009 às 15h30. Tendo sido veiculado entre as décadas de 1970 e 1980, tal slogan fez parte do dia-a-dia de milhares de crianças ávidas por ganharem de presente a tão desejada bicicleta. Neste slogan a palavra Caloi substitui o genérico bicicleta. Esse recurso funciona de forma a atribuir grande valor à marca, já que o locutor a estaria exigindo enfaticamente. Indo mais fundo, a frase ainda nos induz ao raciocínio de que não sendo uma Caloi, não é uma bicicleta. O mesmo foi feito em outro slogan brasileiro extremamente aclamado: Figura 5: Slogan Valisère O primeiro Valisère a gente nunca esquece

6 6 Fonte: NETLOG. Disponível em: <http://pt.netlog.com/go/explore/videos/videoid=pt > Acesso em 20/10/2009 às 15h51. Tal frase até hoje emociona o público. Nela, o nome da marca vem substituindo o substantivo comum sutiã. Para ilustrar com um exemplo atual, pode-se citar o slogan de uma recente promoção da Coca-Cola: Figura 6: Slogan Coca-Cola Mãe, você é essa Coca-Cola toda Fonte: COCA-COLA. Disponível em: <http://www.cocacola.com.br/promomae2009/> Acesso em 20/10/2009 às 15h55. É interessante observar que, diferentemente dos casos acima, o substantivo próprio da marca veio substituindo um adjetivo, e não outro nome, o que remete ao caráter intangível da marca, que está associada a aspectos positivos. Com relação à perífrase, outra modalidade de metáfora, pode-se dizer que é uma expressão utilizada na substituição de um substantivo. Essa expressão contém características do nome que foi substituído ou um fato que o tornou conhecido (PASCHOALIN E SPADOTO, 1996). Para exemplificar, podem ser citadas as expressões Cidade Luz, referindo-se a Paris, ou Bruxo do Cosme Velho, referindo-se ao escritor realista brasileiro Machado de Assis. Um caso famoso de uso de perífrase no slogan é das sandálias Havaianas. Após a mudança de posicionamento da marca, a assinatura utilizada pela mesma passou a ser: Figura 7: Slogan Havaianas As legítimas Fonte: WIKIPÉDIA. Disponível em:<http://pt.wikipedia.org/wiki/havaianas#campanhas_publicitc3.a 1rias> Acesso em 20/10/2009 às 16h13. Nesse caso, a utilização desse artifício conferiu à marca maior status e diferenciação com relação à concorrência. Ainda relacionado ao emprego de metáforas, é interessante observar a função da catacrese. Essa figura de linguagem consiste na utilização de termos aos quais são atribuídos sentidos conotados, devido a inexistência de um termo próprio para

7 7 designar determinados objetos. Alguns exemplos de catacrese são asa da xícara ou maçãs do rosto (PASCHOALIN E SPADOTO, 1996). Para exemplificar, analisemos o slogan dos cinemas Cinemark: Figura 8: Slogan Cinemark É mais que cinema. É Cinemark. Fonte: MUNDO DAS MARCAS. Disponível em <http://mundodasmarcas.blogspot.com/2006/09/slogan s-brasileiros.html> Acesso em: 14/11/2009 às 13h30. Essa frase exprime o conceito de que os serviços oferecidos pelo Cinemark não são como os outros serviços de cinemas e, por terem qualidade tão diferenciada, não poderiam ser encaixados numa mesma categoria. Por ser tão superior àqueles que seriam apenas cinemas, não haveria termos que poderiam definir os serviços do Cinemark de maneira adequada, sendo necessária, portanto, uma nomenclatura própria para eles. A campanha criou para a marca uma catacrese, elevando-a ao máximo da diferenciação e originalidade. Da mesma forma fez o canal de televisão HBO, que assumiu características de exclusividade e singularidade, ao adotar o slogan: Figura 9: Slogan HBO Não é TV, é HBO Fonte: MUNDO DAS MARCAS. Disponível em <http://mundodasmarcas.blogspot.com/2006/09/slogan s-brasileiros.html> Acesso em: 14/11/2009 às 13h38. 3 Figuras de pensamento São agrupadas sob essa denominação algumas técnicas estilísticas pelas quais lingüisticamente se expressa algo de forma contraditória, exagerada, incongruente, suavizada ou atribuindo anima a existentes inanimados. Pelo aparente absurdo ou por mera curiosidade, essas figuras tem a competência de explicitar o inconfessável ou o não-previsto, criando novidade ou interrompendo, de certa forma, a linearidade do pensamento. Pelo fato de serem concisas, compactas e curiosas, elas têm uma grande receptividade nos slogans que pretendem criar impacto (IASBECK, 2002, p.91). Tendo como base a explicação de Iasbeck (2002) referente às figuras de pensamento (ou figuras de significação), será analisada nesse momento a utilização dos seguintes recursos na construção dos slogans: antítese, hipérbole, ironia, eufemismo e prosopopéia.

8 8 A antítese consiste em utilizar na mensagem palavras que tenham sentidos opostos, criando dessa forma um conflito na mente de seu receptor. Ela rompe com os padrões convencionais e instiga o interlocutor (IASBECK, 2002). Por esses motivos, sua aplicação nos slogans publicitários deve ter parcimônia: Iasbeck (2002) explica que a dosagem ideal será definida por fatores referentes às características do que está sendo anunciado e do público-alvo. Com relação a este último, devem ser consideradas suas expectativas, suportabilidade e referências culturais. Como exemplo de slogan que utiliza a antítese em sua composição, temos o da marca de lingeries Valisère: Figura 10: Slogan Valisère Quando uma menina vira mulher, os homens viram meninos Fonte: PORTAL DA PROPAGANDA. Disponível em <http://www.portaldapropaganda.com/marketin g/meu_conceito/2003/08/0001/index_html?pagina=1> Acesso em: 14/11/09 às 13:45. Nessa frase, há a contraposição entre os termos menina / meninos; homens / mulher; meninos / homens e menina / mulher. Com a utilização desse recurso, a frase foi capaz de expressar sensualidade, através de conceitos que vêm embutidos implicitamente nas palavras que se opõem. Em se tratando de hipérbole exagero utilizado de forma a conferir mais expressividade a mensagem, Iasbeck (2002) comenta que é difícil encontrá-la em bons slogans, já que ela acabaria por tornar o enunciado ridículo e, até mesmo, contribuiria para que o consumidor percebesse uma possível tentativa de o enganar. No entanto, alguns slogans com hipérboles se tornaram célebres e caíram no gosto do público, como, por exemplo, o da palha de aço Bombril: Figura 11: Slogan Bombril Tem 1001 utilidades Fonte: MUNDO DAS MARCAS. Disponível em: <http://mundodasmarcas.blogspot.com/2006/05/bo mbril-1001-utilidades.html> Acesso em 14/11/2009 às 13h17. Criada pela agência DPZ em 1978, a determinada frase obteve grande aceitação. Os motivos que possibilitaram tal resultado podem ser desde a clareza da hipérbole (o consumidor não a entende como uma forma de enganá-lo, mas sim um modo de dizer comum no dia-a-dia, o que acaba por gerar uma aproximação entre

9 9 ele e o produto) até o carisma do garoto propaganda que o enunciava, Carlos Moreno. Com relação à ironia, esta é uma figura de linguagem através da qual se diz uma coisa querendo dizer outra (PASCHOALIN E SPADOTO, 1996). Considerando um sentido mais amplo, pode-se considerar tal figura de pensamento como qualquer expressão que visa à ridicularização ou à sátira (SAVIOLI, 1995). Esse recurso lingüístico, além de chamar atenção do interlocutor, muitas vezes tem um resultado que tangencia o cômico. Observe o exemplo do slogan da empresa Sinaf enquanto prestava serviços de assistência funerária: Figura 12: Slogan Sinaf Nossos clientes nunca voltaram para reclamar Fonte: SINAF SEGUROS. Disponível em: <http://www.sinaf.com.br/v1/> Acesso em 14/11/2009 às 13h20. Nesse caso, a ironia se dá quando a frase é associada ao serviço que a enuncia. Caso a associação não seja feita, perde-se a essência do slogan, que acaba por não ter um diferencial. A empresa Sinaf, que lida com questões delicadas associadas diretamente a sentimentos desagradáveis, utilizou-se da leveza trazida pelo humor para associar a sua marca a aspectos mais positivos. Um outro recurso que também poderia ter sido utilizado pela empresa com esse fim é o eufemismo. Geralmente empregado para apaziguar diferenças que dificilmente seriam suportadas pela cultura, ele é utilizado como um meio de suavizar expressões chocantes, rudes ou de forte impacto emocional (IASBECK, 2002). Conforme cita Iasbeck (2002), eufemismos são, portanto, mais recorrentes quando se trata de assuntos delicados, tais como: a morte, as enfermidades, a ameaça de violência, ou quando se discute temas que envolvem tabus, crenças e dogmas da sociedade, como a sexualidade, por exemplo. Sendo assim, os slogans que mais utilizam esse artifício são os de empresas que anunciam produtos ligados a tais questões, como é o caso da indústria farmacêutica, dos seguros de vida, das empresas de assistência médica e das marcas de produtos pessoais como lingeries, absorventes etc.

10 10 Um exemplo de slogan que utiliza eufemismo em sua construção é o da marca de absorventes íntimos Always: Figura 13: Slogan Always Seja feliz também naqueles dias Fonte: ALWAYS. Disponível em: <http://www.soentreamigas.com.br/brasil/> Acesso em 14/11/2009 às 13h45. Nesse slogan a expressão naqueles dias é utilizada como uma forma de referencia ao período menstrual da mulher. Deste modo, evitou-se o emprego do termo original, mais direto - associado diretamente às sensações de desconforto e incômodo pela maioria das mulheres - substituindo-o por uma expressão mais agradável e já conhecida pelo público, passando perfeitamente a ideia que se deseja transmitir. Com relação à prosopopéia também chamada de personificação -, sabe-se que se trata de uma figura de linguagem através da qual se atribuem características animadas a seres inanimados (SAVIOLI, 1995), ou mais especificamente, qualidades referentes aos humanos a outros seres (PASCHOALIN E SPADOTO, 1996). Aplicando a teoria à redação publicitária, Iasbeck (2002) explica que, por conferirem certa poeticidade às frases, a personificação é utilizada quando se está anunciando produtos através de aspectos intangíveis do mesmo, embora sejam ainda captados pelos sentidos humanos. Observe o slogan do desodorante Rexona: Figura 14: Slogan Rexona Rexona não te abandona Fonte: REXONA. Disponível em <http://www.rexona.com.br/site/women.php> Acesso em 21/11/2009 às 14h08. Pode-se perceber que a prosopopéia humaniza o produto, e confere a ele características que o homem considera como virtuosas (IASBECK, 2002). No exemplo apresentado, ela acaba por transformar o produto anunciado num amigo do consumidor, já que não o abandonaria em nenhum momento, contribuindo para sua segurança e bem-estar. Assim, é possível se observar um uso claro da prosopopéia, pois a marca (Rexona) torna-se algo vivo.

11 11 4 Figuras de construção As chamadas figuras de construção surgem de recursos técnicos de operações sintagmáticas que provocam efeitos pela supressão de tratamento, pela redundância enfática, pela omissão de certos termos apenas insinuados ou que se localizam em orações anteriores, pela inversão de ordenamento da frase ou pela quebra do pensamento (IASBECK, 2002, p.98). As figuras de construção, comuns em poesias, quando utilizadas em slogans, transmitem grande valor, facilitando a brevidade e a condensação (ou dispersão controlada) de idéias (IASBECK, 2002). A seguir, serão explicitadas, através da análise de slogans, cada uma dessas figuras. Sendo assim, será observado o uso da silepse, do pleonasmo, da elipse, do zeugma e do anacoluto. A silepse é uma figura que consiste em se efetuar a concordância com palavras ou noções pressupostas na frase, e não com as palavras explícitas (SAVIOLI, 1995). Ou seja, o enunciado denota concordância ideológica ao nível do sintagma, e não com a natureza dos termos efetivamente expressos (IASBECK, 2002). Podem ocorrer três formas de silepse: de número (um termo no plural concordando com outro no singular, ou vice-versa), de gênero (masculino concordando com feminino) e de pessoa (verbo no singular e sujeito no plural, ou vice-versa) (IASBECK, 2002). Em slogans, esse recurso não é muito utilizado, já que pode ser malinterpretado, e assim, visto como um erro de concordância gramatical, o que poderia acabar prejudicando a imagem da marca anunciante. Deste modo, a maioria das empresas optam por evitar o seu uso. Como exemplo de silepse em slogan, temos o do Governo Federal: Figura 15: Slogan Governo Federal O Brasil somos todos nós Fonte: IASBECK, Luiz Carlos. A arte dos slogans: as técnicas de construção das frases de efeito do texto publicitário. São Paulo: Annablume, 2002, p. 99. Nesse slogan o verbo somos não concorda com o sujeito Brasil mas sim com a ideia de que o país é composto por todas as pessoas que vivem nele (nós). Dessa forma, a frase promove uma aproximação entre o anunciante o Governo

12 12 Federal e o público, pois a figura de linguagem utilizada acaba por dar mais destaque ao pronome nós. Já o pleonasmo é a repetição de um termo, ou reforço do seu significado (PASCHOALIN & SPADOTO, 1996). Ele, segundo Iasbeck (2002), corresponde a uma redundância enfática de idéias, o que funciona como um meio indicado para reforçar conceitos através de formas diferenciadas, mas que mantêm entre si um significativo grau de identidade. Conforme Arlindo Machado, teórico da informação, a redundância serve para garantir que a comunicação vai ocorrer, apesar de todos os ruídos degeneradores do ambiente (apud IASBECK, 2002, p.99). Portanto, no texto publicitário devido a toda a interferência que existe entre o emissor e o receptor da mensagem, a redundância torna-se um elemento muito valorizado. Porém, como lembra Iasbeck (2002), deve ser tratada de forma ponderada, para que o texto não fique desagradável e acabe por afastar o interesse do leitor. Logo, é recomendável que a redundância seja distribuída por toda a peça publicitária, na interação entre imagem, texto e slogan, por exemplo. Existe ainda, o que Olivier Reboul denomina como slogans-legenda. Estes seriam os slogans que funcionam pleonasticamente em relação à mensagem contida na ilustração (apud IASBECK, 2002, p.100). Essa ênfase criada em torno do conceito-chave de uma propaganda, conforme diz Iasbeck (2002), tem a finalidade de não deixar dúvidas ou de aparar possíveis interpretações consideradas indevidas porque não previstas pelo criador do anuncio ou não desejadas pelo anunciante. Danette: Servindo como exemplo de uso do pleonasmo, temos o slogan da sobremesa Figura 16: Slogan Danette O creme cremoso da Danone Fonte: MUNDO DAS MARCAS. Disponível em: <http://mundodasmarcas.blogspot.com/2009/08/ danette.html> Acesso em 14/11/2009 às 14h20. Na frase, o adjetivo cremoso funciona como uma redundância que reitera a ideia de cremosidade da sobremesa. Além disso, a repetição do mesmo radical (crem-) nas duas palavras torna o slogan simples e fácil de ser lembrado.

13 13 No caso da elipse, há o ocultamento de um termo que fica subentendido pelo contexto e que é facilmente identificado (PASCHOALIN & SPADOTO, 1996). Segundo Iasbeck (2002), seja pelo contexto da peça publicitária como um todo, seja por informações culturais preexistentes, adquiridas em experiências colaterais com a natureza ou alguns dos atributos do produto anunciado, os termos omitidos podem ser subentendidos. Assim sendo, a elipse gera um espaço a ser preenchido pelo leitor, convocando-o a completar o sentido da frase, o que acaba por produzir uma aproximação entre o consumidor e o produto ou serviço (IASBECK, 2002). Além disso, Iasbeck (2002) afirma que ao dar sua contribuição para que o slogan ganhe sentido, o receptor pode, de certa forma, sentir-se cúmplice do enunciado e, por decorrência, oferecerá menor resistência à persuasão. Utilizando esse recurso da elipse, temos o exemplo do slogan do Sedex: Figura 16: Slogan Sedex Mandou, chegou. Fonte: CORREIOS. Disponível em: <http://www.correios.com.br/institucional/marcas/sol_web.cfm> Acesso em 14/11/2009 às 14h25. Nesse caso, fica subentendido na mente do leitor o objeto da frase. Mesmo não estando explícito, fica fácil identificar que se trata da correspondência enviada. Logo, não há prejuízo no entendimento do slogan, pelo contrário: como o termo está oculto e é facilmente reconhecível, ele contribui para que a frase se torne breve e concisa. Já a figura de linguagem denominada zeugma é aquela na qual há a omissão de um termo que já fora citado anteriormente (PASCHOALIN E SPADOTO, 1996). Esse recurso, portanto, não é muito apropriado quando o autor busca a fácil memorização um dos principais objetivos do slogan já que pressupõe, em grande parte dos casos, a existência de mais de uma oração (IASBECK, 2002). Um exemplo da presença de zeugma no slogan é o que atualmente ilustra as campanhas do Neston: Figura 18: Slogan Neston Existem mil maneiras de mixar Neston. Invente uma! Fonte: NESTON. Disponível em: <http://www.nestle.com.br/neston/campanha.aspx> Acesso em 20/11/2009, às 17h33.

14 14 No segundo período da frase acima foi omitida toda a expressão maneira de preparar Neston, que pode ser facilmente subentendida por já ter sido enunciada antes. O sentido expresso no segundo período é, portanto, dependente do primeiro, não sendo possível que este seja enunciado separadamente sem que haja um prejuízo da mensagem. Nesse caso, o zeugma, apesar de exigir que o slogan seja composto por duas frases, imprime maior agilidade à segunda delas, já que evita a repetição desnecessária. O mesmo acontece com o serviço de plano de saúde UNIMED, que tem por slogan a frase: Figura 19: Slogan UNIMED O melhor plano de saúde é viver. O segundo melhor é UNIMED. Fonte: UNIMED. Disponível em: <http://www.unimed.com.br/pct/index.jsp?cd_canal=49146> Acesso em 20/11/2009 às 20h48. Em seu segundo período, foi omitida a expressão plano de saúde, que viria logo após a palavra melhor. Já o anacoluto, segundo Savioli (1995), é um termo solto na frase (sem função sintática), em vista da troca de uma construção sintática por outra. Iasbeck (2002) explica que, se bem utilizado, tal recurso lingüístico contribui de diversas formas para a construção do slogan já que a ele confere força, novidade e compactação. Como exemplo a ser analisado pode ser citado o slogan da Rede Globo: Figura 20: Slogan Rede Globo Globo, a gente se vê por aqui Fonte: WIKIPÉDIA. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/rede_globo> Acesso em 21/11/2009 às 13h44. Nele, a palavra Globo fica isolada, sem função sintática definida, funcionando apenas como uma chamada e uma identificação da empresa que enuncia a frase.

15 15 Considerações Finais Com base no que foi exposto, pode-se perceber que o bom conhecimento da Língua é indispensável aos redatores publicitários. A Língua Portuguesa oferece diversos recursos, que contribuem das mais variadas maneiras para conferir ao texto características que o diferenciam e enriquecem. As figuras de linguagem, uma das ferramentas que podem ser utilizadas na produção de um texto criativo e original, podem gerar grande valor, desde que usadas adequadamente. Em se tratando da redação de um slogan, elas podem ser o ponto crucial que definirá seu sucesso ou sua falha, por isso devem ser usadas com atenção e prudência. Sendo a frase-tema um dos elementos mais importantes na construção da imagem de uma campanha ou marca, é fundamental que ela seja muito bem pensada para que atinja o objetivo desejado, seja ele qual for: ser memorizado, fazer rir, ou até emocionar. O Slogan dispensa explicações, teorias, exegeses. Um bom slogan basta-se a si mesmo, por si só. (...) Inútil divagar. Só há uma força capaz de enfrentar um bom slogan: outro Slogan melhor (CID PACHECO apud MAGALHÃES, 1991, p.7).

16 16 Referências CASTANHO, Dieno. Museu Virtual Memória da Propaganda, 20/11/2009, <http://www.memoriadapropaganda.org.br/artigos/ _slogans.html> IASBECK, Luiz Carlos. A arte dos slogans: as técnicas de construção das frases de efeito do texto publicitário. São Paulo: Annablume, MAGALHÃES, Cláudio et al. Slogans. Rio de Janeiro: Letter, PASCHOALIN, Maria Aparecida; SPADOTO, Neuza Terezinha. Gramática: teoria e exercícios. São Paulo: FTD, SAMPAIO, Rafael. Propaganda de a a z:como usar a propagada para construir marcas e empresas de sucesso. Rio de Janeiro: Elsevier, SANT ANNA, Armando. Propaganda: Teoria, Técnica e Prática. São Paulo: Cengage Learning, SAVIOLI, Francisco Platão. Gramática em 44 lições com mais de 1770 exercícios. São Paulo: Ática, SUNNERS, William. American Slogans. American Newspaper Syndicate, 1952.

O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS

O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS CARNEIRO, Carla Maria Bessa e STANCATO, Francine Teles 1 RESUMO: Este estudo tem como objetivo mostrar a eficácia da metáfora nos slogans para a construção de um anúncio.

Leia mais

LINGUAGEM DENOTATIVA E CONOTATIVA

LINGUAGEM DENOTATIVA E CONOTATIVA LINGUAGEM DENOTATIVA E CONOTATIVA RESPOSTA: Letra A CONOTAÇÃO X DENOTAÇÃO Texto Explicativo do Conceito Profa. Marina Cabral Nos textos literários nem sempre a linguagem apresenta um único sentido, aquele

Leia mais

FIGURAS DE LINGUAGENS. Profª. Patrícia Fernandes

FIGURAS DE LINGUAGENS. Profª. Patrícia Fernandes FIGURAS DE LINGUAGENS Profª. Patrícia Fernandes LINGUAGEM CONOTATIVA E DENOTATIVA Denotação: Significado restrito, objetivo,exato. Sentido do dicionário. Conotação: Significado amplo, expressivo, criativo.

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Búzio Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra. Português 11ºano Ficha Informativa sobre PUBLICIDADE

Agrupamento de Escolas do Búzio Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra. Português 11ºano Ficha Informativa sobre PUBLICIDADE Agrupamento de Escolas do Búzio Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra Português 11ºano Ficha Informativa sobre PUBLICIDADE A. PUBLICIDADE A publicidade é o ato de divulgar um produto ou uma ideia com o

Leia mais

Equipe de Língua Portuguesa Ensino Fundamental

Equipe de Língua Portuguesa Ensino Fundamental Equipe de Língua Portuguesa Ensino Fundamental Figuras de linguagem As caracterizações ampliam a visão do leitor e, para tal, é possível que o emissor utilize vocabulário figurado a fim de trazer o leitor

Leia mais

SLOGAN E INTERAÇÃO DE TEMPO, SUJEITO E ESPAÇO: UM ESTUDO DE CASO DO GUARANÁ ANTÁRTICA

SLOGAN E INTERAÇÃO DE TEMPO, SUJEITO E ESPAÇO: UM ESTUDO DE CASO DO GUARANÁ ANTÁRTICA 1 SLOGAN E INTERAÇÃO DE TEMPO, SUJEITO E ESPAÇO: UM ESTUDO DE CASO DO GUARANÁ ANTÁRTICA Bruna Carreira Barcaroli Jéssica Gonçalves Evangelista¹ Orientadora: Profª. Drª. Sheila F. P. de Oliveira Resumo:

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

linguagem de cobra estilística e metalinguagem

linguagem de cobra estilística e metalinguagem FIGURAS DE LINGUAGEM OU DE ESTILO.: linguagem de cobra São recursos utilizados para reforçar a expressividade da mensagem ou idéia através de palavras ou construções incomuns, conferindo originalidade,

Leia mais

Figuras de linguagem

Figuras de linguagem Figuras de linguagem Figuras de estilo / figuras de retórica (Portugal) ou figuras de linguagem (Brasil) são estratégias que o escritor pode aplicar ao texto para conseguir um determinado efeito na interpretação

Leia mais

SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL. 1. Artigos científicos e técnicos

SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL. 1. Artigos científicos e técnicos SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL 1. Artigos científicos e técnicos Textos que tratam áreas específicas do saber, sendo normalmente escritos por especialistas, o

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA Themis Rondão Barbosa 1 IFMS Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um texto publicitário da SKY publicado na revista Veja (n.

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Amanda DIAS 2 Ana Carolina SACCOMANN 3 Beatriz REBELO 4 Bruna CLARA 5 Isabela SANTOS 6 Nathalia COBRA 7 Antonio

Leia mais

Etapas Planejamento de Campanha de Propaganda PARTE 4

Etapas Planejamento de Campanha de Propaganda PARTE 4 Etapas Planejamento de Campanha de Propaganda PARTE 4 UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 12.05.11 Tema Vários termos são utilizados para denominar

Leia mais

ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO

ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO 1 INTRODUÇÃO Dulcinéia de Castro Viana Fernando da Silva Negreiros Lays Cristina Fragate Natalia Lamino Camilo Ulisses

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

O que são? O ato de desviar-se da norma padrão no intuito de alcançar uma maior expressividade refere-se às figuras de linguagem.

O que são? O ato de desviar-se da norma padrão no intuito de alcançar uma maior expressividade refere-se às figuras de linguagem. Filipe Teotônio O que são? Figuras de linguagem são estratégias que o escritor pode aplicar ao texto para conseguir um determinado efeito na interpretação do leitor, que são características globais do

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

Aula 09 ELEMENTOS ESTRUTURAIS DO TEXTO

Aula 09 ELEMENTOS ESTRUTURAIS DO TEXTO Aula 09 ELEMENTOS ESTRUTURAIS DO TEXTO Olá, assistiu ao filme sugerido na aula passada?? Espero que tenha gostado, pois ele é um clássico do cinema. Quanto mais lemos percebemos que temos muito ainda para

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa ENSINO FUNDAMENTAL O processo de sondagem Colégio Sion busca detectar, no aluno, pré-requisitos que possibilitem inseri-lo adequadamente no ano pretendido. As disciplinas de Língua Portuguesa e são os

Leia mais

Matéria: literatura Assunto: Figuras de linguagem Prof. IBIRÁ

Matéria: literatura Assunto: Figuras de linguagem Prof. IBIRÁ Matéria: literatura Assunto: Figuras de linguagem Prof. IBIRÁ Literatura Figuras de Linguagem (Recursos da Língua) Figuras de Som a) Aliteração: consiste na repetição ordenada de mesmos sons consonantais.

Leia mais

Denotação e Conotação

Denotação e Conotação Gêneros T Língua Portuguesa LINGUAGENS MATERIAL COMPLEMENTAR - ANO 2015 FIGURAS DE LINGUAGEM - 3ºANO PROFESSOR (A): Cláudia Ferraresi Denotação e Conotação A significação das palavras não é fixa, nem estática.

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS RECURSOS COESIVOS NAS PROPAGANDAS DA BOMBRIL

ANÁLISE COMPARATIVA DOS RECURSOS COESIVOS NAS PROPAGANDAS DA BOMBRIL ANÁLISE COMPARATIVA DOS RECURSOS COESIVOS NAS PROPAGANDAS DA BOMBRIL Flávia Barbosa Ilidio Luciana Garcia Monica M. M. Trindade Vinicius Ezau da Silva Michelle Ap.dos Santos Jenyffer S. S. Pereira (G-CLCA-UENP/C

Leia mais

Comunicação Integrada de marketing.

Comunicação Integrada de marketing. Comunicação Integrada de marketing. - COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO - 4 A s - 4 C s Comunicação: é a transmissão de uma mensagem de um emissor para um receptor, de modo que ambos a entendam da mesma maneira.

Leia mais

Surpresas do Cotidiano: Campanha para a Loja Virtual Surpreenda

Surpresas do Cotidiano: Campanha para a Loja Virtual Surpreenda Surpresas do Cotidiano: Campanha para a Loja Virtual Surpreenda Rita Carla da Conceição SILVA 1 Adriely Cristiny de Lima CUNHA 2 Rafael Duarte SILVA 3 Paula Apolinário ZAGUI 4 Universidade Do Estado do

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

4ª, 6ª e 8ª séries / 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio SARESP. Escala de Proficiência de Língua Portuguesa (Leitura)

4ª, 6ª e 8ª séries / 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio SARESP. Escala de Proficiência de Língua Portuguesa (Leitura) 4ª, 6ª e 8ª séries / 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio SARESP Escala de Proficiência de Língua Portuguesa (Leitura) ESCALA DE PROFICIÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA LEITURA A

Leia mais

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Alexandre COELHO 2 Catarina CARVALHO 3 Danielle RIBEIRO 4 Leoni ROCHA 5 Paloma HADDAD 6 Professor/Orientador: Daniel CAMPOS 7 Universidade Fumec,

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3- Funções e Conceitos de publicidade e propaganda professor Rafael Ho mann Setores envolvidos Anunciante também conhecido como cliente, é a empresa, pessoa ou

Leia mais

O ensino de redação no curso de Publicidade e Propaganda: uma proposta metodológica 1

O ensino de redação no curso de Publicidade e Propaganda: uma proposta metodológica 1 O ensino de redação no curso de Publicidade e Propaganda: uma proposta metodológica 1 Lucilene dos Santos Gonzales Unesp-Unimar 2 Resumo Como ensinar redação no curso de Publicidade e Propaganda? Esta

Leia mais

CURSO de COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Gabarito

CURSO de COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2006 e 1 o semestre letivo de 2007 CURSO de COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Gabarito Verifique se este caderno contém: INSTRUÇÕES

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA As questões de Língua Portuguesa deverão ser respondidas com base no texto A publicidade sempre está um passo além

LÍNGUA PORTUGUESA As questões de Língua Portuguesa deverão ser respondidas com base no texto A publicidade sempre está um passo além LÍNGUA PORTUGUESA As questões de Língua Portuguesa deverão ser respondidas com base no texto A publicidade sempre está um passo além, de Bia Abramo, extraído da Folha de São Paulo, de 3 de abril de 2005.

Leia mais

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 RESPOSTAS AOS RECURSOS Cargo: ART - PROFESSOR P2 / ARTE Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA (LPO) 5 - Gab.:V B 5 - Gab.:W C 5 - Gab.:X D 8 - Gab.:V

Leia mais

Utilização da interdisciplinaridade na formulação de questões avaliativas no Ensino Superior. UMC - Janeiro 2015

Utilização da interdisciplinaridade na formulação de questões avaliativas no Ensino Superior. UMC - Janeiro 2015 Utilização da interdisciplinaridade na formulação de questões avaliativas no Ensino Superior UMC - Janeiro 2015 1 Agenda Objetivo Matriz de Referência Encomenda Itens Características do Item Estrutura

Leia mais

5 Sintaxe dos verbos haver e existir

5 Sintaxe dos verbos haver e existir 5 Sintaxe dos verbos haver e existir Há aspectos envolvidos em construções com haver e existir que são muito importantes, para encontrar as raízes das dificuldades que se apresentam no uso desses dois

Leia mais

A linguagem publicitária e os recursos lingüísticos utilizados nas campanhas de prevenção à AIDS

A linguagem publicitária e os recursos lingüísticos utilizados nas campanhas de prevenção à AIDS A linguagem publicitária e os recursos lingüísticos utilizados nas campanhas de prevenção à AIDS Neide Aparecida Arruda de Oliveira Carla Brant Wurthmann Saad Cátia Aparecida de Carvalho Nunes Elem Nepomuceno

Leia mais

Jingle Sabores do Brasil para a marca Chocolates Brasil Cacau 1

Jingle Sabores do Brasil para a marca Chocolates Brasil Cacau 1 Jingle Sabores do Brasil para a marca Chocolates Brasil Cacau 1 Simone MARIANO 2 Sheilla REIS 3 Mariana BRASIL 4 Mariane FREITAS 5 Amanda CARVALHO 6 Jéssica SANTOS 7 Suelen VALENTE 8 Universidade Católica

Leia mais

Análise Semiótica de Anúncio de TV

Análise Semiótica de Anúncio de TV Análise Semiótica de Anúncio de TV DADOS TÉCNICOS: Título: Segredos; Anunciante: Etti ; Criação: Fábio Fernandes e Renata Flori; Agência: F/Nazca; Produto: Molho de Tomate Salsaretti; Ano de veiculação

Leia mais

ANÚNCIO PROPOSTA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. Ronaldo Martins (http://www.ronaldomartins.pro.br)

ANÚNCIO PROPOSTA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. Ronaldo Martins (http://www.ronaldomartins.pro.br) ANÚNCIO Você está cotidianamente exposto a vários tipos de texto em que predomina a função apelativa da linguagem, caracterizada pelo desejo de co(n)ação, ou seja, de persuasão e de convencimento do interlocutor,

Leia mais

ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS

ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E NED Núcleo de Estudos Dirigidos ED 2/ED Comunicação e Expressão /2012/2 Prof. Cleuber Cristiano de Sousa ATIVIDADE DISCURSIVA 2 Habilidade: ED 2: Compreender e expressar Temáticas

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais

ANAIS 2010 ISSN 1808-3579 CARACTERÍSTICAS DO GÊNERO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO SOB AS ÓTICAS DE BAKHTIN E BRONCKART RESUMO

ANAIS 2010 ISSN 1808-3579 CARACTERÍSTICAS DO GÊNERO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO SOB AS ÓTICAS DE BAKHTIN E BRONCKART RESUMO CARACTERÍSTICAS DO GÊNERO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO SOB AS ÓTICAS DE BAKHTIN E BRONCKART Tatiele J. Faria (GP - Leitura e Ensino CLCA-UENP/ CJ) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora - GP Leitura e Ensino CLCA

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1

Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1 Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1 Larissa OLIVEIRA 2 Júlia MARTINS 3 Aline LEONARDI 4 Regiane OLIVEIRA 5 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP RESUMO A Livraria Cultura

Leia mais

Objetivo Geral: Levar o aluno a se apropriar das características sócio-discursivas do gênero anúncio publicitário social.

Objetivo Geral: Levar o aluno a se apropriar das características sócio-discursivas do gênero anúncio publicitário social. IDENTIFICAÇÃO Área: Língua Portuguesa. Professora PDE: Marli Gorla. Professora Orientadora: Lílian Cristina Buzato Riter. Material Didático Seqüência Didática. Plano de Aula = Módulo I = Leitura e Análise

Leia mais

CONAR: NOVAS RESTRIÇÕES PARA A PUBLICIDADE DE BEBIDAS ALCOÓLICAS

CONAR: NOVAS RESTRIÇÕES PARA A PUBLICIDADE DE BEBIDAS ALCOÓLICAS : NOVAS RESTRIÇÕES PARA A PUBLICIDADE DE BEBIDAS ALCOÓLICAS Conheça todas as novidades que o Conar está implantando a partir de 10 de abril de 2008 para a publicidade de cervejas, vinhos, aguardentes,

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público O que é Relato de Experiência? Faz parte dos gêneros pertencentes ao domínio social da memorização

Leia mais

Campanha ONG Animais 1

Campanha ONG Animais 1 Campanha ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera Santa Bárbara, Santa

Leia mais

RECURSOS DA FUNÇÃO POÉTICO-ESTÉTICA NA PUBLICIDADE. FEDRIZZI, Giulia; VASCONCELLOS, Nathália e CASTRO, Renata 1

RECURSOS DA FUNÇÃO POÉTICO-ESTÉTICA NA PUBLICIDADE. FEDRIZZI, Giulia; VASCONCELLOS, Nathália e CASTRO, Renata 1 RECURSOS DA FUNÇÃO POÉTICO-ESTÉTICA NA PUBLICIDADE FEDRIZZI, Giulia; VASCONCELLOS, Nathália e CASTRO, Renata 1 Resumo: O artigo constrói um paralelo entre a renovação da publicidade realizada pelos literatos,

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice AULA 1 REDAÇÃO DE DOCUMENTOS... 3 Carta Comercial... 3 Requerimento... 6 Procuração... 7 Memorando... 8 Ofício... 9 Recibo...

Leia mais

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda PUBLICIDADE X PROPAGANDA PUBLICIDADE Deriva de público (latim: publicus) Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

O segredo é começar com um grande título.

O segredo é começar com um grande título. Qual estratégia inicial que o redator deve lançar mão para amarrar o receptor na leitura do anúncio impresso? O segredo é começar com um grande título. Vanessa Ribeiro Redação Publicitária I 2010 Universidade

Leia mais

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Jacqueline Calisto Costa Raquel de Paula Pinto Soares RESUMO A abordagem semiótica entende o texto como uma unidade de sentido, independente da linguagem.

Leia mais

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010 Regional Julho de 2010 Pesquisa de Avaliação Campanha Brasil 2010 - Regional No período entre 28 de junho e 02 de julho de 2010 foram realizados os Grupos Focais

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

03. Resposta: E. Página 552 02.

03. Resposta: E. Página 552 02. Orações coordenadas Página 550 a) O aquecimento excessivo do planeta é um fato incontestável [1], por isso muitos países já implantaram programas de redução de poluentes [2], mas / porém / no entanto o

Leia mais

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Professor Rafael Cardoso Ferreira O que é linguagem? A linguagem é o instrumento graças ao qual o homem modela seu pensamento, seus sentimentos, suas emoções,

Leia mais

Faça viver! 1. Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2. Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5

Faça viver! 1. Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2. Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5 Faça viver! 1 Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2 Rodrigo Mendonça de OLIVEIRA 3 Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5 Universidade Potiguar - UnP, Natal, RN RESUMO O outdoor

Leia mais

MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01. Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota

MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01. Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01 Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota MÍDIA Definição Mídia. Sf (ing. mass media) Propag. 1 Veículo ou meio de divulgação

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO... 15 PARTE I ENTENDA AS BANCAS... 19 PARTE II ACENTUAÇÃO... 25 ORTOGRAFIA E SEMÂNTICA... 43. Sumário 5

Sumário APRESENTAÇÃO... 15 PARTE I ENTENDA AS BANCAS... 19 PARTE II ACENTUAÇÃO... 25 ORTOGRAFIA E SEMÂNTICA... 43. Sumário 5 Sumário 5 Sumário APRESENTAÇÃO... 15 PARTE I ENTENDA AS BANCAS... 19 1. Introdução... 19 2. Entenda as bancas... 19 3. Editais... 19 3.1. TRT 2 São Paulo FCC (prova aplicada em 2014)... 19 3.2. TRF 1 FCC

Leia mais

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011).

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Resenha Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Bruno Ribeiro NASCIMENTO 1 Dominique Wolton costuma nadar contra a corrente: quando os críticos da indústria cultural

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

Uma chaminé esfumaçante em forma de arma apontada contra a cabeça só pode colocar a poluição como uma arma letal.

Uma chaminé esfumaçante em forma de arma apontada contra a cabeça só pode colocar a poluição como uma arma letal. 1. A legenda mais apropriada para a charge é: A poluição é uma arma que pode matar. Uma chaminé esfumaçante em forma de arma apontada contra a cabeça só pode colocar a poluição como uma arma letal. 02.

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PUBLICIDADE E PROPAGANDA REDAÇÃO PUBLICITÁRIA II - Prof.: Alice Selles

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PUBLICIDADE E PROPAGANDA REDAÇÃO PUBLICITÁRIA II - Prof.: Alice Selles UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PUBLICIDADE E PROPAGANDA REDAÇÃO PUBLICITÁRIA II - Prof.: Alice Selles Objetivos da comunicação em propaganda: A definição dos objetivos é tarefa do planejamento, e tanto pode

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

Chamada Ufpa Na Madrugada 1. Erik Paiva LOPES 2 Helaine Ferreira CAVALCANTE 3 Luciana Miranda COSTA 4 Universidade Federal do Pará, Belém, Pará

Chamada Ufpa Na Madrugada 1. Erik Paiva LOPES 2 Helaine Ferreira CAVALCANTE 3 Luciana Miranda COSTA 4 Universidade Federal do Pará, Belém, Pará Chamada Ufpa Na Madrugada 1 Erik Paiva LOPES 2 Helaine Ferreira CAVALCANTE 3 Luciana Miranda COSTA 4 Universidade Federal do Pará, Belém, Pará RESUMO Com a estréia do programa Ufpa na Madrugada, a Rádio

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

MONTAGEM DO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO. Profa. Katiuscia Linguagem Publicitária

MONTAGEM DO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO. Profa. Katiuscia Linguagem Publicitária MONTAGEM DO ANÚNCIO PUBLICITÁRIO Profa. Katiuscia Linguagem Publicitária TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO Texto literário: aquele em que há predomínio da função poética e uso especial da linguagem para

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Jakobson (1987) revolucionou o mundo da linguística ao apresentar AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM NA PROPAGANDA*

Jakobson (1987) revolucionou o mundo da linguística ao apresentar AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM NA PROPAGANDA* AS FUNÇÕES DA LINGUAGEM NA PROPAGANDA* Nellie Rego Santee** Goiamérico Felício Carneiro dos Santos*** Resumo: as funções da linguagem são determinadas pelos atores no processo de comunicação, e não há

Leia mais

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade

Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Programa e Metas Curriculares de Português do Ensino Secundário Oralidade Helena C. Buescu, Luís C. Maia, Maria Graciete Silva, Maria Regina Rocha 10.º Ano: Oralidade Compreensão do Oral Objetivo Compreender

Leia mais

A SUBSTITUIÇÃO HIPERONÍMICA: O PAPEL ARTICULADOR NA CONTINUIDADE DO TEXTO

A SUBSTITUIÇÃO HIPERONÍMICA: O PAPEL ARTICULADOR NA CONTINUIDADE DO TEXTO A SUBSTITUIÇÃO HIPERONÍMICA: O PAPEL ARTICULADOR NA CONTINUIDADE DO TEXTO Amanda Luiza Vizoto de Oliveira Jhonatas Garagnani de Souza Juliano Cesar Teixeira Paula Fernanda Leite de Carvalho Robson Aparecido

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade contemporânea

Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade contemporânea Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade

Leia mais

AS PROPAGANDAS DE CERVEJA: UMA ANÁLISE DO DISCURSO MASCULINO

AS PROPAGANDAS DE CERVEJA: UMA ANÁLISE DO DISCURSO MASCULINO 307 AS PROPAGANDAS DE CERVEJA: UMA ANÁLISE DO DISCURSO MASCULINO Ana Paula Ferreira da Silva * - UNIVERSO Lílian Jordão Pessoa Duarte ** - UNIVERSO 0 Considerações Iniciais Por meio dos recursos técnicos

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

OS RECURSOS MOTIVACIONAIS NA PUBLICIDADE DO BOTICÁRIO. Palavras-Chave: publicidade; persuasão; onirismo; sedução; hedonismo; positivismo.

OS RECURSOS MOTIVACIONAIS NA PUBLICIDADE DO BOTICÁRIO. Palavras-Chave: publicidade; persuasão; onirismo; sedução; hedonismo; positivismo. 1 OS RECURSOS MOTIVACIONAIS NA PUBLICIDADE DO BOTICÁRIO ESTEVES, Julia Werneck; SILVA, Samantha R. P. 1 Resumo: O Boticário é uma importante empresa que atua no segmento de cosméticos e perfumes no Brasil.

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda professor Rafael Ho mann Campanha Conjunto de peças com o mesmo objetivo, conjunto de peças publicitárias

Leia mais

FIGURAS.. Metáfora - figura que carrega em si a comparação,sem apresentar expresso o termo comparativo. Ex: Xuxa é uma flor

FIGURAS.. Metáfora - figura que carrega em si a comparação,sem apresentar expresso o termo comparativo. Ex: Xuxa é uma flor FIGURAS Figuras são alterações da forma que não influem no sentido Figuras de Linguagem. Metáfora - figura que carrega em si a comparação,sem apresentar expresso o termo comparativo. Ex: Xuxa é uma flor.

Leia mais

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 Andrey Scariott FILIPPI 2 Lucas Paiva de OLIVEIRA 3 Marcelo Barbosa CORRÊA 4 Virgínia FEIX 5 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Modo: indicativo O modo indicativo expressa um fato de maneira definida, real, no presente, passado ou futuro, na frase afirmativa, negativa ou interrogativa. Presente Presente Passado (=Pretérito) Pretérito

Leia mais

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10.

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10. Question 1 Question Question LETRA: E Fácil Question 4 LETRA: A Fácil Question 5 Gabarito de Inglês Question 6 LETRA: D Difícil Question 7 LETRA: A Média Question 8 LETRA: C Difícil Question 9 Question

Leia mais

Dicas: texto mais claro e objetivo

Dicas: texto mais claro e objetivo Nome: Redação 3º º ano Dicas: texto mais claro e objetivo Nº: Mérope Turma: Abr/09 DICAS PARA TORNAR O SEU TEXTO MAIS CLARO E OBJETIVO Use palavras que seu leitor reconheça instantaneamente. As mais fáceis

Leia mais

A Resolução CFM nº 1.974/2011

A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 Publicada no Diário Oficial da União em 19/8/2011. Entra em vigor 180 dias após sua publicação. Ementa: Estabelece os critérios norteadores da

Leia mais

2. Abordagens empíricas da Comunicação

2. Abordagens empíricas da Comunicação 2. Abordagens empíricas da Comunicação A Abordagem Empírico-Experimental (ou da Persuasão) é o nome dado a um conjunto de estudos de base psicológica (ainda sob forte influência behaviorista, mas já se

Leia mais

Emoção CONSTRUÇÃO DE MARCAS

Emoção CONSTRUÇÃO DE MARCAS Emoção Grande parte das nossas decisões de compra são feitas por impulso, de forma irracional, instintiva. Se temos dinheiro, compramos as marcas com as quais nos relacionamos emocionalmente. Cada marca

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul NÚMERO DA VAGA: 22 MOTIVO ALEGADO PELO CANDIDATO: A questão

Leia mais

Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. FUVEST e UNESP

Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. FUVEST e UNESP Singular-Anglo Vestibulares Professora Natália Sanches Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. Retirado do site oficial do vestibular. FUVEST e UNESP Na correção, três

Leia mais