MOBILIDADE URBANA E SUSTENTABILIDADE A Contribuição das Alternativas Tecnológicas para Ônibus

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MOBILIDADE URBANA E SUSTENTABILIDADE A Contribuição das Alternativas Tecnológicas para Ônibus"

Transcrição

1 PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES (PET) MOBILIDADE URBANA E SUSTENTABILIDADE A Contribuição das Alternativas Tecnológicas para Ônibus Márcio de Almeida D Agosto PET/COPPE/UFRJ

2 SUMÁRIO 1.Quem somos? 2.O que nos motiva? 3.Como pensar? 4.Como agir? 5.O que aprendemos? 6.CONVITE - Participe do XXIX ANPET

3 QUEM SOMOS?

4 INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) A COPPE é o mais importante centro de pesquisa de engenharia e educação na América Latina. Seus Programas já concederam mais de 11,5 mil títulos de Mestrado e Doutorado e tem 116 modernos laboratórios, que, juntos, constituem o maior complexo de laboratórios de pesquisa e ensino em engenharia do país Alunos 300 Professores Engenharia Biomédica Engenharia Civil Engenharia Elétrica Engenharia Mecânica Engenharia Metalúrgica Engenharia Nuclear Engenharia Oceânica Planejamento Energético Engenharia de Produção Engenharia Química Engenharia de Sistemas de Computação Engenharia de Transportes (PET)

5 PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTE (PET) O PET (PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES) é um dos 12 programas que compõem a COPPE/UFRJ. Avaliado pela CAPES como nível 4, o maior nível alcançado dentre as pós-graduações de engenharia de transportes do país, o programa tem assumido destacada posição na produção e propagação de conhecimento técnico e científico no Brasil. AREAS DE PESQUISA: Engenharia de Tráfego Planejamento de Transporte Transporte de Carga Transporte e Meio Ambiente Transporte Público Transporte Rodoviário

6 LABORATÓRIO DE TRANSPORTE DE CARGA (LTC) O Laboratório de Transporte de Carga (LTC) tem como missão desenvolver pesquisa no âmbito, público e privado, na área de transportes de carga e apoiar/complementar a formação de recursos humanos, promovendo seu aperfeiçoamento contínuo. Instituições Parceiras Linhas de Pesquisa: Logística/Transporte Sustentável Transporte, Energia e Meio Ambiente *Ênfase no transporte rodoviário de carga Centro de Estudo de Ônibus e Caminhões

7 O QUE NOS MOTIVA?

8 O DESAFIO DAS CIDADES População em áreas urbanas: Mundial 60% / Brasil 70% Aglomeração de pessoas! Rápida urbanização! Melhores oportunidades de emprego e renda! NECESSIDADE DE MAIOR MOBILIDADE!

9 O DESAFIO DA MOBILIDADE NAS CIDADES NECESSIDADE DE MAIOR MOBILIDADE? Mudanças climáticas Poluição atmosférica Problemas de saúde Ruído Stress Acidentes

10 A NOSSA ESCOLHA POR TRANSPORTE... EM UMA SELEÇÃO DE CIDADES DO MUNDO... E NO BRASIL... ITA (2011) ANTP (2015)

11 TRANSPORTE E USO DE ENERGIA (UM RECURSO ESGOTÁVEL...) 2,3 X 72 % IPCC (2014)

12 TRANSPORTE E USO DE ENERGIA (UM RECURSO ESGOTÁVEL...) OLHANDO MELHOR O BRASIL... ANTP (2014)

13 TRANSPORTE E USO DE ENERGIA (UM RECURSO ESGOTÁVEL...) OLHANDO MELHOR O BRASIL... 16,7% EPE (2014)

14 COMO PENSAR?

15 ? INTEGRAÇÃO MODAL CADA UM COM O SEU PAPEL

16 COMO AGIR?

17 NÃO MOTORIZADOS COLETIVOS MOTORIZADOS INDIVIDUAIS TRANSFERÊNCIA MODAL Modo de Transporte 0, , , ,000 Automóvel médio (Gasolina) 20 km/h Automóvel médio (Etanol) 20 km/h 80% Automóvel médio (GNV) 20 km/h Ônibus urbano convencional (Diesel) 20 km/h 10x Ônibus urbano convencional (GNV) 20 km/h Ônibus urbano híbrido (diesel-elétrico) 20 km/h 12 km/h 30 km/h Metrô 30/km/h Caminhada 5 km/h Bicicleta 12 km/h Energia [kj/pass.km]

18 Options Options TECNOLOGIAS E COMBUSTÍVEIS + LIMPOS INVESTIMENTO INICIAL RENDIMENTO ENERGÉTICO [km/l] R R Elétrico APS_Fcell Híbrido APS_H APS_Fcell APS_H I I Metanol CPS_M CPS_ED95 Etanol CPS_M CPS_ED95 I I Diesel CPS_AMD10 Cana Biodiesel CPS_B20 CPS_AMD10 CPS_B20 I I Diesel CPS_DG Gás Gás CPS_CNGD Natural CPS_DG CPS_CNGD 0,0% 50,0% 100,0% 150,0% 200,0% 250,0% 300,0% 350,0% 400,0% -80,0% -60,0% -40,0% -20,0% 0,0% 20,0% 40,0% 60,0% Mundo Bibliographical review Brasil Brasil - case study Mundo Bibliographical review Brasil Brasil - case study 10 a 2 m, 2 portas estreitas, piso alto, 80 pass, motor dianteiro I INCREMENTAL 10 a 12 m, 3 portas estreitas, piso alto, 80 pass, motor traseiro 12 m, 3 portas largas, piso baixo, 100 pass, motor traseiro R RUPTURA

19 Options Options TECNOLOGIAS E COMBUSTÍVEIS + LIMPOS CUSTOS OPERACIONAIS EMISSÃO DE CO2 R R APS_Fcell Elétrico APS_H Híbrido APS_Fcell APS_H I I CPS_M Metanol CPS_ED95 Etanol CPS_M CPS_ED95 I I CPS_AMD10 Diesel Cana CPS_B20 Biodiesel CPS_AMD10 CPS_B20 I I Diesel CPS_DGGás CPS_CNGD Gás Natural CPS_DG CPS_CNGD -20,0% 0,0% 20,0% 40,0% 60,0% 80,0% 100,0% 120,0% -110,0% -90,0% -70,0% -50,0% -30,0% -10,0% 10,0% 30,0% Mundo Bibliographical review Brasil Brasil - case study Mundo Bibliographical review Brasil Brasil - case study 10 a 2 m, 2 portas estreitas, piso alto, 80 pass, motor dianteiro I INCREMENTAL 10 a 12 m, 3 portas estreitas, piso alto, 80 pass, motor traseiro 12 m, 3 portas largas, piso baixo, 100 pass, motor traseiro R RUPTURA

20 O DESAFIO DA COMPARAÇÃO NO BRASIL 4,3 x 11,5% 13% Notas: Ônibus Rio : 2,5 km/l e 60 pass; BRT Rio : 1,7 km/l e 100 pass, Ônibus: 1,3 km/l e 30 pass.

21 O QUE APRENDEMOS?

22 O que aprendemos? 1. Mobilidade urbana com sustentabilidade exige mudança na nossa forma de pensar transportes. 2. O ônibus desempenha um papel integrador (troncoalimentador) nesta forma de pensar (ontem, hoje e sempre). 3. Ganhos representativos na redução de custos e impactos ambientais podem ser obtidos por transferência modal e gestão dos transportes (ônibus incluso).

23 O que aprendemos? 4. Tecnologias inovadores (incrementais ou de ruptura) para ônibus tem papel importante na prática da mobilidade sustentável (uso de energia e impactos ambientais). 5. Critérios de compensação (custo/efetividade) devem ser considerados para o entendimento sobre a contribuição destas tecnologias. 6. Uma evolução no entendimento sobre a contribuição destas tecnologias passa pela equidade de comparação (qualificação do transporte público por ônibus).

24 O que aprendemos? Iniciativas relacionadas: Consulte sobre trabalhos relacionados ao tema. Cooperação para o Desenvolvimento Sustentável (MDIC) Propulsão Eficiente. BNDES Estudos para o financiamento de veículos elétricos.

25 PARTICIPE DO XXX ANPET Congresso de Pesquisa e Ensino em Transportes O LEGADO DOS MEGAEVENTOS PARA OS TRANSPORTES NAS CIDADES 14 a 18 de novembro de 2016 SEDE DA FIRJAN (Centro do Rio de Janeiro)

26 PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES (PET) MOBILIDADE URBANA E SUSTENTABILIDADE A Contribuição das Alternativas Tecnológicas para Ônibus Márcio de Almeida D Agosto LTC/PET/COPPE/UFRJ (21) /8139 (21)

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO TRANSPORTE DE CARGA Uma Proposta de Estrutura Política Adequada a Realidade Brasileira

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO TRANSPORTE DE CARGA Uma Proposta de Estrutura Política Adequada a Realidade Brasileira LABORATÓRIO DE TRANSPORTE DE CARGA PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTE/COPPE/UFRJ EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO TRANSPORTE DE CARGA Uma Proposta de Estrutura Política Adequada a Realidade Brasileira Márcio

Leia mais

Fórum Global de Mobilidade Elétrica

Fórum Global de Mobilidade Elétrica PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES (PET) Fórum Global de Mobilidade Elétrica PLANEJANDO O USO DE TRAÇÃO ELÉTRICA PARA O TRANSPORTE URBANO. EXPERIÊNCIA DA COPPE NO BRASIL. MÁRCIO D AGOSTO dagosto@pet.coppe.ufrj.br

Leia mais

MOBILIDADE URBANA E SUSTENTABILIDADE Um pouco da nossa experiência pensando transporte e uso de energia!

MOBILIDADE URBANA E SUSTENTABILIDADE Um pouco da nossa experiência pensando transporte e uso de energia! PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES (PET) MOBILIDADE URBANA E SUSTENTABILIDADE Um pouco da nossa experiência pensando transporte e uso de energia! Márcio de Almeida D Agosto PET/COPPE/UFRJ SUMÁRIO 1.

Leia mais

Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas

Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas São Paulo, 26 de Junho de 2015 1 Emissões de GEE do Setor Energia, (2013) 2 Milhões de toneladas de CO2e 250 200 150 100 50 Transportes Industrial Geração de

Leia mais

E o que estamos fazendo sobre os pneus?

E o que estamos fazendo sobre os pneus? PROGRAMAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA I PNEUS Vamos aos pneus! E o que estamos fazendo sobre os pneus? - O CONPET, programa criado pelo Governo Federal em 1991 e executado pela Petrobras, promove a eficiência

Leia mais

Visão Global do Programa Veículo Elétrico

Visão Global do Programa Veículo Elétrico Visão Global do Programa Veículo Elétrico 26 de junho de 2013 Diretoria Geral Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável Histórico do Programa VE Itaipu/KWO Acordo de cooperação tecnológico ITAIPU -KWO

Leia mais

Campus UFSCar de Sorocaba Experiências em Sustentabilidade

Campus UFSCar de Sorocaba Experiências em Sustentabilidade Colóquio Sustentabilidade, Educação Ambiental e Eficiência Energética: um desafio para as instituições de ensino e para a sociedade. CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Secretaria Especial do

Leia mais

A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc

A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc VII Encontro de Logística e Transporte São Paulo, 21 de maio 2012 Transporte Sustentável Deve atender as necessidades de mobilidade da

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EDUCAÇÃO PARA A VIDA PROFISSIONAL

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EDUCAÇÃO PARA A VIDA PROFISSIONAL EDUCAÇÃO CORPORATIVA EDUCAÇÃO PARA A VIDA PROFISSIONAL O que é o SENAI? Criado em 1942, por iniciativa do empresariado do setor, o SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) é hoje um dos mais

Leia mais

Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica.

Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica. Imagine um futuro para a sua empresa, em que as deslocações são feitas de forma inovadora, económica, sem emissões e totalmente adequada às suas necessidades. Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica.

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Processo de seleção para Analistas Temáticos A SPI está reestruturando sua atuação, buscando reforçar

Leia mais

ÔNIBUS A ETANOL UMA SOLUÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO

ÔNIBUS A ETANOL UMA SOLUÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO ÔNIBUS A ETANOL UMA SOLUÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO 1997: A HISTÓRIA DO ÔNIBUS A ETANOL NO BRASIL COMEÇOU EM SÃO PAULO. O ÔNIBUS A ETANOL É UM PRODUTO DE TERCEIRA GERAÇÃO AMPLAMENTE TESTADO. O COMBUSTÍVEL

Leia mais

Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas

Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas Professora Suzana Kahn Professora da COPPE-UFRJ; Vice Presidente do Grupo de Trabalho III do IPCC; Coordenadora Executiva

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília - IFB. Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação - PRPI Coordenação de Pesquisa - CDPQ

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília - IFB. Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação - PRPI Coordenação de Pesquisa - CDPQ CNPq Chamada Universal - MCTI/CNPq Nº 14/2013 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília - IFB Ag. Edital Inscrições Objetivo Áreas de interesse 09/04/2013 a 23/05/2013 A presente

Leia mais

Alternativas tecnológicas para ônibus no Rio de Janeiro.

Alternativas tecnológicas para ônibus no Rio de Janeiro. Alternativas tecnológicas para ônibus no Rio de Janeiro. Guilherme Wilson da Conceição 1 ; Gustavo Henrique de Campos Peterlini 1 ; Morgana Batista Alves Rangel 1 ; Viviane Japiassú Viana; Giselle Smocking

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E T

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E T SETEC EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA XXXV ENDP Porto Alegre, 02 de setembro de 2015. Histórico Organização da Educação Brasileira EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Formação Inicial e Continuada

Leia mais

A Política e a Estratégia Nacional do Ar em Portugal

A Política e a Estratégia Nacional do Ar em Portugal A Política e a Estratégia Nacional do Ar em Portugal Qualidade do Ar: um caso de jurisprudência para Portugal Filomena Boavida 19 maio 2015 Regulamentação da política do ar Recuperação do vapor da gasolina,

Leia mais

O Ingresso de Engenheiros Recém-formados no Mercado de Trabalho Brasileiro Comparação de perfil entre mulheres e homens na Engenharia

O Ingresso de Engenheiros Recém-formados no Mercado de Trabalho Brasileiro Comparação de perfil entre mulheres e homens na Engenharia Formação - Mulheres Formação - Homens Outras 16,1% Outras 13,9% Engenharia Civil 5,1% Engenharia Civil 6,8% Engenharia Elétrica 5,1% Engenharia Elétrica 15,7% Engenharia Química 44,1% Engenharia Química

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Roberto de Aguiar Peixoto

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Roberto de Aguiar Peixoto Departamento de Meio Ambiente DMA Divisão de Mudança do Clima Programa DMA Discussões Internas sobre Mudança do Clima Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Roberto de Aguiar Peixoto SUMARIO

Leia mais

Pós-Graduação. Ampliação da abrangência da pós-graduação da UFMG, através de mudanças

Pós-Graduação. Ampliação da abrangência da pós-graduação da UFMG, através de mudanças Pós-Graduação Ampliação da abrangência da pós-graduação da UFMG, através de mudanças Na concepção do processo seletivo, de modo a ampliar a abrangência regional e nacional da pós-graduação; Número de Alunos

Leia mais

CARGO 1: TÉCNICO EM GESTÃO DE INOVAÇÃO ÁREA: ADMINISTRAÇÃO TIPO A CARGO 2: TÉCNICO EM GESTÃO DE DESENVOLVIMENTO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E

CARGO 1: TÉCNICO EM GESTÃO DE INOVAÇÃO ÁREA: ADMINISTRAÇÃO TIPO A CARGO 2: TÉCNICO EM GESTÃO DE DESENVOLVIMENTO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E Agenda I 12 e 13/5/2008 Período provável para entrega dos documentos referentes à avaliação de títulos (para cargos de nível superior) e para a entrega dos documentos necessários à comprovação de idade

Leia mais

Mestrados Profissionais em Ensino: Características e Necessidades

Mestrados Profissionais em Ensino: Características e Necessidades Mestrados Profissionais em Ensino: Características e Necessidades Carlos Eduardo Aguiar Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Instituto de Física, Universidade Federal do Rio de Janeiro www.if.ufrj.br/~pef/

Leia mais

4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação

4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Aureliano da Costa Representante Sudeste João Weyl Representante Norte Janesmar Cavalcante Representante Nordeste João Carlos de Souza Maia Representante

Leia mais

PROGRAMA MOBILIDADE URBANA DE BAIXO CARBONO EM GRANDES CIDADES

PROGRAMA MOBILIDADE URBANA DE BAIXO CARBONO EM GRANDES CIDADES PROGRAMA MOBILIDADE URBANA DE BAIXO CARBONO EM GRANDES CIDADES OBJETIVO DO PROGRAMA Desenvolvimento de conhecimento e ferramentas que promovam a inclusão da redução de GEEs nos projetos de transporte urbano

Leia mais

EMISSÕES DE CO 2 E EQUIVALÊNCIA ENERGÉTICA

EMISSÕES DE CO 2 E EQUIVALÊNCIA ENERGÉTICA PROGRAMA DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES (PET) EMISSÕES DE CO 2 E EQUIVALÊNCIA ENERGÉTICA V SIMPÓSIO DE COMBUSTÍVEIS MATRIZ ENERGÉTICA AUTOMOTIVA DESAFIOS ATÉ 2020 20 de junho de 2012 (quarta-feira) Milenium

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS Balanço e próximos passos 1 de dezembro de 2015

CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS Balanço e próximos passos 1 de dezembro de 2015 1 de dezembro de 2015 1.Caraterísticas e objetivos dos CTeSP 2.Fases de registo de cursos 3.Ações de divulgação 4.Cursos registados em números 5.Próximos passos 1. Caraterísticas e objetivos Interação

Leia mais

O ENGENHEIRO, a UNIVERSIDADE e o SISTEMA CONFEA-CREA. Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

O ENGENHEIRO, a UNIVERSIDADE e o SISTEMA CONFEA-CREA. Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo FEC O ENGENHEIRO, a UNIVERSIDADE e o SISTEMA CONFEA-CREA Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Prof. Paulo Barbosa Diretor da FEC-UNICAMP 2012 FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NO BRASIL: ASPECTOS

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA REQUISITOS PARA INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO, Nº 065/01/2016 de 05/04/2016. Processo nº 2216/2016.

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012 O Planejamento Energético deve considerar: Segurança Energética Sustentabilidade Ambiental

Leia mais

Etanol e o Efeito Anti-Estufa Alfred Szwarc

Etanol e o Efeito Anti-Estufa Alfred Szwarc Etanol e o Efeito Anti-Estufa Alfred Szwarc SUSTENTAR 2013 - Fórum Mudanças Climáticas: Novos Rumos Belo Horizonte, 30 de agosto de 2013 Contribuição das Emissões Veiculares para o Aquecimento Global Efeito

Leia mais

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria C, T & I e a Defesa Nacional: A visão da indústria C,T&I e a Defesa: a visão da indústria A indústria e a Defesa Nacional Os desafios de C,T&I no País e a visão da CNI para a Política de Inovação Os desafios

Leia mais

O QUE É E O QUE OFERECE?

O QUE É E O QUE OFERECE? O QUE É E O QUE OFERECE? O que é? Um programa gratuito de aceleração em larga escala para negócios inovadores de qualquer setor e lugar do Brasil, realizado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria

Leia mais

Os grandes balizamentos estabelecidos para condução dos negócios estão descritos a seguir:

Os grandes balizamentos estabelecidos para condução dos negócios estão descritos a seguir: O Plano Estratégico 2015-2030 Em setembro de 2012, a Medida Provisória 579/12, convertida na Lei 12.783, de 11/01/2013, estabeleceu a forma de prorrogação dos contratos de concessão de geração, transmissão

Leia mais

Plano de Ação para a Energia Sustentável. Go Local Por Uma Cidade Sustentável Sesimbra, 9 de maio de 2014

Plano de Ação para a Energia Sustentável. Go Local Por Uma Cidade Sustentável Sesimbra, 9 de maio de 2014 Plano de Ação para a Energia Sustentável Go Local Por Uma Cidade Sustentável Sesimbra, 9 de maio de 2014 Plano de Ação para a Energia Sustentável de Palmela (PAESP) Alterações climáticas? Pacto de Autarcas

Leia mais

M. M. P. Rosa, M. C. B. Gameiro, J. I. J. Rodrigues R. M. A. Alves

M. M. P. Rosa, M. C. B. Gameiro, J. I. J. Rodrigues R. M. A. Alves PADRÕES DE MOBILIDADE URBANA NUM CONTEXTO DE CRISE ECONÓMICA E SOCIAL O CASO DA CIDADE DE FARO M. M. P. Rosa, M. C. B. Gameiro, J. I. J. Rodrigues R. M. A. Alves Estrutura da comunicação Introdução Dinâmicas

Leia mais

Masterclass. Novas Tendências na Gestão de Resíduos Urbanos

Masterclass. Novas Tendências na Gestão de Resíduos Urbanos Masterclass Novas Tendências na Gestão de Resíduos Urbanos Academia Lipor A LIPOR, como Entidade Formadora Certificada pela Fundação CEFA - Fundação para os Estudos e Formação Autárquica, pretende com

Leia mais

3) A imagem a seguir representa nitidamente, entre outros, dois problemas atuais:

3) A imagem a seguir representa nitidamente, entre outros, dois problemas atuais: 1) A seguinte frase faz uma crítica aos grandes centros urbanos. Os grandes centros urbanos são, em sua maioria, um formigueiro onde trabalhamos incessantemente para promover o regresso da humanidade.

Leia mais

EDITAL N.º 058/2016 CHAMADA DE PRÉ-SELEÇÃO PARA O PROGRAMA CAPES BRAFITEC

EDITAL N.º 058/2016 CHAMADA DE PRÉ-SELEÇÃO PARA O PROGRAMA CAPES BRAFITEC CHAMADA DE PRÉ-SELEÇÃO PARA O PROGRAMA CAPES BRAFITEC O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna pública a seleção de alunos na área de engenharia

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Fontes de Energia Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 5min 58seg Habilidades: H.47, H.49 e H.50 (Ensino

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO Estratégias de Desenvolvimento em Minas Gerais Raphael Guimarães Andrade Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais Belo Horizonte, 09 de outubro

Leia mais

TABELA DE PONTUAÇÃO PARA PROVA DE TÍTULOS

TABELA DE PONTUAÇÃO PARA PROVA DE TÍTULOS ANEXO IV TABELA DE PONTUAÇÃO PARA PROVA DE TÍTULOS Títulos acadêmicos; atividades de ensino; atividades administrativas/profissionais; produção científica, técnica e/ou cultural, literária, filosófica

Leia mais

Caminhos da sustentabilidade no Recife

Caminhos da sustentabilidade no Recife Caminhos da sustentabilidade no Recife CB27, Fortaleza 2016 SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE População: 1,6 mi hab RECIFE Área: 218 Km² BRASIL Densidade média: 72,52 hab/hectare Economia:

Leia mais

Planejamento para o Desenvolvimento Urbano Sustentável.

Planejamento para o Desenvolvimento Urbano Sustentável. Planejamento para o Desenvolvimento Urbano Sustentável. UNESP/Campus de Rio claro rbraga@rc.unesp.br SUSTENTABILIDADE São finitos: Estoque dos recursos naturais Capacidade do meio em absorver os impactos

Leia mais

PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento

PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento Jorge Abrahão de Castro Diretor de Temas Sociais da SPI/MPOG Brasília-DF, 26 de agosto de 2015 1 Inovações para o PPA 2016-2019 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (PCSF)

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (PCSF) PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (PCSF) Criado pelo Decreto nº 7642 de 13 de dezembro de 2011 Dezembro de 2013 Elaborado por: (Vice-Diretoria da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública - Coordenação

Leia mais

Índice de Sustentabilidade Empresarial ISE. Índice Janeiro de 2016 Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1

Índice de Sustentabilidade Empresarial ISE. Índice Janeiro de 2016 Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1 Índice de Sustentabilidade Empresarial ISE Índice Janeiro de 2016 Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Uso Interno x Público 1 Sustentabilidade em Bolsas de Valores Estímulo à transparência

Leia mais

Departamento de Ciência da Computação. Universidade Federal de Minas Gerais

Departamento de Ciência da Computação. Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Por: Antônio Otávio Fernandes SUMÁRIO A UFMG O DCC Graduação Pós-graduação Principais áreas de interesse do Programa de Pós- Graduação

Leia mais

Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS O aumento populacional, o modo de produção atual dependente primariamente de combustível fóssil e o estilo de consumo moderno se baseiam

Leia mais

6 O Modal Ferroviário na Matriz de Transportes e o Transporte Ferroviário de Combustíveis

6 O Modal Ferroviário na Matriz de Transportes e o Transporte Ferroviário de Combustíveis 6 O Modal Ferroviário na Matriz de Transportes e o Transporte Ferroviário de Combustíveis O setor ferroviário participou com 20,86% na matriz de transporte de carga geral do Brasil no ano de 2000, considerando

Leia mais

Quadro VI.1. - Que Significa o Gerenciamento do Risco?

Quadro VI.1. - Que Significa o Gerenciamento do Risco? Quadro VI.1. - Que Significa o Gerenciamento do Risco? Dentro de várias opções, selecionar ações para chegar a um objetivo, tendo em mente que existem - diferenças nos objetivos - escassez de recursos

Leia mais

Ensinando a Aprender sem Fronteiras. I SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO MÉDICA PERMANENTE DO CEARÁ 17 e 18 de Outubro de 2011

Ensinando a Aprender sem Fronteiras. I SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO MÉDICA PERMANENTE DO CEARÁ 17 e 18 de Outubro de 2011 Ensinando a Aprender sem Fronteiras I SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO MÉDICA PERMANENTE DO CEARÁ 17 e 18 de Outubro de 2011 EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: CONCEITOS BÁSICOS Definição Caracteriza-se a educação a

Leia mais

O código florestal e a intensificação sustentável

O código florestal e a intensificação sustentável O código florestal e a intensificação sustentável da produção de alimentos Como intensificar a produção de alimentos massivamente com redução da expansão de área e impactos ao meio ambiente? O dilema ambiental

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE HISTÓRIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE HISTÓRIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação 40.hist@capes.gov.br COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE HISTÓRIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012

Leia mais

Chamada Pública MCTI/CNPq/SPM-PR/Petrobras nº 18/2013 ANEXO I

Chamada Pública MCTI/CNPq/SPM-PR/Petrobras nº 18/2013 ANEXO I ANÁLISE DE SISTEMAS ANÁLISE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ANÁLISE ESTATÍSTICA ASTROFÍSICA ASTROFÍSICA E FÍSICA COMPUTACIONAL

Leia mais

Pecha Kucha Ciência Viva 23 de Setembro IMPACTO AMBIENTAL. Impacto Efeito forte provocado por algo ou alguém.

Pecha Kucha Ciência Viva 23 de Setembro IMPACTO AMBIENTAL. Impacto Efeito forte provocado por algo ou alguém. José Lino Costa IMPACTO AMBIENTAL Impacto Efeito forte provocado por algo ou alguém. Impacto ambiental Conjunto das alterações produzidas pelo Homem a nível ambiental numa determinada área, que afectam

Leia mais

Ministério de Minas e Energia

Ministério de Minas e Energia PLANO NACIONAL DE ENERGIA HORIZONTE 2030 Altino Março Ventura de 2007 Filho Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético SPE/MME LAS / ANS SYMPOSIUM 2008 SETOR ENERGÉTICO PROCESSO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DE DOUTORADO

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DE DOUTORADO DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DE DOUTORADO 1) Apresentação Este documento descreve as diretrizes e parâmetros de avaliação de propostas de cursos

Leia mais

Edital de Licitação Nº XX/Ano Concessão do Serviço de Transporte Rodoviário Intermunicipal de Passageiros do Estado de Goiás TRIP-GO

Edital de Licitação Nº XX/Ano Concessão do Serviço de Transporte Rodoviário Intermunicipal de Passageiros do Estado de Goiás TRIP-GO ANEXO IX TERMOS DE COMPROMISSO Termo de Compromisso I Eu,, RG nº, CPF nº, representante legal da empresa ou consórcio _, CNPJ nº e atuando em seu nome, venho declarar que a Concessionária manterá, durante

Leia mais

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DE DOUTORADO

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DE DOUTORADO DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DE DOUTORADO 1) Apresentação Este documento descreve as diretrizes e parâmetros de avaliação de propostas de cursos

Leia mais

INCLUSÃO PELA CIDADANIA EM SERGIPE: CENTRO DE ATENDIMENTO AO CIDADÃO

INCLUSÃO PELA CIDADANIA EM SERGIPE: CENTRO DE ATENDIMENTO AO CIDADÃO INCLUSÃO PELA CIDADANIA EM SERGIPE: CENTRO DE ATENDIMENTO AO CIDADÃO Jorge Alberto Teles Prado José Leite Prado Filho Heribaldo Vieira Santos Filho Marco Antônio Sousa Guimarães II Congresso Consad de

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO

REGULAMENTO DE CONCURSO Índice 1. Objetivos... 2 2. Entidades Beneficiárias... 2 3. Dotação Orçamental... 2 4. Financiamento... 2 5. Despesas elegíveis... 3 6. Condições de Acesso ao Concurso... 3 7. Metodologia de Seleção dos

Leia mais

Carreira 170 Economia Empresarial e Controladoria Ribeirão Preto Curso 35: Bacharelado em Economia Empresarial e Controladoria

Carreira 170 Economia Empresarial e Controladoria Ribeirão Preto Curso 35: Bacharelado em Economia Empresarial e Controladoria Carreira 100 Administração Ribeirão Preto Curso 10: Administração Diurno Curso 11: Administração Noturno Carreira 105 Arquitetura FAU Curso 12: Arquitetura e Urbanismo Carreira 110 Arquitetura São Carlos

Leia mais

PROPOSTA DE PERFIS PV PARA ÁREAS DE VACÂNCIA OBSERVAÇÕES INICIAIS

PROPOSTA DE PERFIS PV PARA ÁREAS DE VACÂNCIA OBSERVAÇÕES INICIAIS PROPOSTA DE PERFIS PV PARA ÁREAS DE VACÂNCIA OBSERVAÇÕES INICIAIS I) A definição dos perfis propostos abaixo se deu a partir da análise do Cadastro de Pesquisas promovida pela Vice-Direção de Pesquisa

Leia mais

Incentivar o segmento da construção civil, incorporação imobiliária. Amparar os legítimos interesses dos associados.

Incentivar o segmento da construção civil, incorporação imobiliária. Amparar os legítimos interesses dos associados. Fundada em agosto de 1975, por 13 empresas, a ADEMI-BA completa em 2015, 40 anos de existência sempre optando por projetos alinhados às necessidades da população, colocando em primeiro plano as exigências

Leia mais

VOCAÇÃO MUNICIPAL E DESENVOLVIMENTO LOCAL SUSTENTÁVEL

VOCAÇÃO MUNICIPAL E DESENVOLVIMENTO LOCAL SUSTENTÁVEL VOCAÇÃO MUNICIPAL E DESENVOLVIMENTO LOCAL SUSTENTÁVEL Prof.º Msc. Mario Pascarelli Filho Graduado em Engenharia Mecânica pela FEI. Pós-Graduado em Administração de Empresas pela FAAP. Mestre em Educação,

Leia mais

Pesquisa, Inovação e Capacitação em Energia a experiência da FGV. Paulo César Cunha FGV Energia

Pesquisa, Inovação e Capacitação em Energia a experiência da FGV. Paulo César Cunha FGV Energia Pesquisa, Inovação e Capacitação em Energia a experiência da FGV Paulo César Cunha FGV Energia Há 70 anos a FGV nasceu com o objetivo de preparar pessoal qualificado para a administração pública e privada

Leia mais

ARITI Gerador de Hidrogênio Veicular Melhora o desempenho de motores e reduz o consumo de combustível

ARITI Gerador de Hidrogênio Veicular Melhora o desempenho de motores e reduz o consumo de combustível ARITI Gerador de Hidrogênio Veicular Melhora o desempenho de motores e reduz o consumo de combustível Sumário ARITI... 2 APLICAÇÕES... 2 COMO FUNCIONA?... 3 SIMULAÇÃO... 4 Custo Combustível... 4 Economia

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA

ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS Maria Graciette Cardoso Pitra Engª Química CHEFE DO DPTº Da BIOMASSA MINEA/DNER INTRODUÇÃO Angola, país actualmente com grande crescimento económico,

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS ENGENHARIA QUÍMICA PADRÃO DE RESPOSTA O estudante deve redigir um texto dissertativo, em que: a) aborde pelo menos duas das seguintes consequências: aumento

Leia mais

3,8 bilhões em vendas. > 20.000 empregados. 1,4 milhão de toneladas produzidas

3,8 bilhões em vendas. > 20.000 empregados. 1,4 milhão de toneladas produzidas Em resumo 2016 Líder mundial em seus mercados, a Vallourec fornece soluções tubulares que são referência para os setores de energia e para as aplicações mais exigentes. Seus tubos, conexões e serviços

Leia mais

CURSO: Engenharia de Controle e Automação Campus Praça XI Missão

CURSO: Engenharia de Controle e Automação Campus Praça XI Missão CURSO: Engenharia de Controle e Automação Campus Praça XI Missão O Curso de Engenharia de Controle e Automação da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólidos conhecimentos

Leia mais

Impactos ambientais da mobilidade urbana: o que discutem as revistas científicas brasileiras?*

Impactos ambientais da mobilidade urbana: o que discutem as revistas científicas brasileiras?* Conceitos ambientais AN P Impactos ambientais da mobilidade urbana: o que discutem as revistas científicas brasileiras?* Wesley Medeiros E-mail: wesley.arquitetura@gmail.com Fabio Duarte de Araujo Silva

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE GESTÃO DA POLITICA DE DIREITOS HUMANOS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE GESTÃO DA POLITICA DE DIREITOS HUMANOS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE GESTÃO DA POLITICA DE DIREITOS HUMANOS ESCLARECIMENTOS REFERENTE AO PREGÃO SRP Nº 12/2013 Pergunta 1: Venho por meio deste solicitar

Leia mais

Perspectivas Estruturais do Mercado de Trabalho na Industria Brasileira - 2020

Perspectivas Estruturais do Mercado de Trabalho na Industria Brasileira - 2020 Perspectivas Estruturais do Mercado de Trabalho na Industria Brasileira - 2020 Fevereiro 2012 Sistema FIRJAN Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo Gerência de Pesquisas e Estatística Objetivo

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO A RMRJ NO CONTEXTO NACIONAL: ATUALMENTE EXISTEM 41 REGIÕES METROPOLITANAS NO BRASIL, SENDO QUE 21 POSSUEM MAIS DE 1 MILHÃO DE HABITANTES,

Leia mais

Parecer. À Câmara Técnica de Controle e Qualidade Ambiental, 13 de abril de 2011

Parecer. À Câmara Técnica de Controle e Qualidade Ambiental, 13 de abril de 2011 À Câmara Técnica de Controle e Qualidade Ambiental, 13 de abril de 2011 Assunto: Proposta de Resolução do CONAMA para regulamentar nova fase, mais restrita, do Programa de Controle da Poluição do Ar por

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Ribeirão Preto 1 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO PRIORIDADE DE INVESTIMENTO: INVESTIMENTO NA SAÚDE E NAS INFRAESTRUTURAS SOCIAIS QUE CONTRIBUAM PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL, REGIONAL E LOCAL, PARA A REDUÇÃO

Leia mais

O ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS NO ÂMBITO DA COOPERAÇÃO

O ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS NO ÂMBITO DA COOPERAÇÃO O ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS NO ÂMBITO DA COOPERAÇÃO PALOP E TIMOR-LESTE ANTÓNIO MORÃO DIAS DIRECTOR-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Centro de Congressos de Lisboa, 22 de Abril de 2010 DIRECÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

EDITAL 001/2014 SELEÇÃO PARA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) EM EDUCAÇÃO MÉDICA / 2014

EDITAL 001/2014 SELEÇÃO PARA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) EM EDUCAÇÃO MÉDICA / 2014 EDITAL 001/2014 SELEÇÃO PARA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) EM EDUCAÇÃO MÉDICA / 2014 A Universidade Federal da Integração Latino Americana torna pública a abertura de inscrições

Leia mais

ÁREA: ARQUITETURA E URBANISMO + DESIGN

ÁREA: ARQUITETURA E URBANISMO + DESIGN MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação ÁREA: ARQUITETURA E URBANISMO + DESIGN TRIÊNIO 2008-2010 Coordenador: Benamy Turkienicz (UFRGS)

Leia mais

REGULAMENTO NUGAI - IFSul. Dos Núcleos de Gestão Ambiental Integrada (NUGAI)

REGULAMENTO NUGAI - IFSul. Dos Núcleos de Gestão Ambiental Integrada (NUGAI) REGULAMENTO NUGAI - IFSul Capítulo I Dos Núcleos de Gestão Ambiental Integrada (NUGAI) Art. 1º. O Núcleo de Gestão Ambiental Integrada, responsável pela implementação e monitoramento do Sistema de Gestão

Leia mais

Núcleo de Inovação Tecnológica

Núcleo de Inovação Tecnológica Núcleo de Inovação Tecnológica Pró-reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação Paulo Roberto Barbosa paulorb@ifsp.edu.br Fórum da Educação Profissional do Estado de São Paulo 10 de junho de 2014 Equipe

Leia mais

Tabela 1. Síntese metodológica. Tema Sub-tema Metodologia

Tabela 1. Síntese metodológica. Tema Sub-tema Metodologia Avaliação das externalidades do regadio em Portugal Sumário executivo Junho 2013 á Em Portugal, a produção nacional de bens alimentares assegura cerca de 70% do consumo, gera aproximadamente 2% do PIB

Leia mais

Sumário PARTE I INTRODUÇÃO 1 PARTE II FERRAMENTAS ANALÍTICAS 41. Capítulo 1 O que é economia ambiental? 2

Sumário PARTE I INTRODUÇÃO 1 PARTE II FERRAMENTAS ANALÍTICAS 41. Capítulo 1 O que é economia ambiental? 2 PARTE I INTRODUÇÃO 1 Capítulo 1 O que é economia ambiental? 2 Análise econômica 2 A importância dos incentivos 4 Incentivos: um exemplo residencial 5 Incentivos e o aquecimento global 7 A criação de políticas

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 PORTO SEGURO S/A Nome fantasia: PORTO SEGURO S/A - CNPJ: 02.149.205/0001-69 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico:

Leia mais

Sonia Maria José Bombardi Assessora Especial de Projetos

Sonia Maria José Bombardi Assessora Especial de Projetos IV Reunião para o Desenvolvimento Institucional dos Orgãos Gestores de Saúde Ambiental dos Ministérios de Saúde e Primeiro Fórum de Saúde e Ambiente das Américas Brasil Sonia Maria José Bombardi Assessora

Leia mais

UNESP. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Programa de Integração de Novos Servidores

UNESP. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Programa de Integração de Novos Servidores UNESP Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Programa de Integração de Novos Servidores Agenda Das 14h00 às 16h00 Explanação sobre o Plano de Carreira Institutos de Promoção ADP Institutos

Leia mais

Portanto, esse Termo de Referência visa orientar os GTs do FOPROP para responder à seguinte questão central, definida em nosso Plano de Trabalho:

Portanto, esse Termo de Referência visa orientar os GTs do FOPROP para responder à seguinte questão central, definida em nosso Plano de Trabalho: MINUTA DE TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS GRUPOS DE TRABALHO DO FOPROP Elaborado pela Diretoria Executiva em 23 de março para discussão no Fórum de Cuiabá em 25, 25 e 27 de Março de 2010 O que é o Termo de

Leia mais

Planificação anual de Ciências Naturais 8º Ano de escolaridade

Planificação anual de Ciências Naturais 8º Ano de escolaridade Departamento de Ciências Experimentais Grupo de Recrutamento 520 - Biologia e Geologia Planificação anual de Ciências Naturais 8º Ano de escolaridade 2013/14 Tema Organizador: Terra no Espaço Conteúdos

Leia mais

Centro Rio+ Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável

Centro Rio+ Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável Comunicado à Imprensa Fonte: Ministério das Relações Exteriores Centro Rio+ Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável O Governo Federal, em coordenação com o Governo do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento

OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento 28 de Novembro de 2006 Agenda Como surgiu Missão Objectivos Estrutura organizativa Principais linhas de

Leia mais

PANORAMA GERAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL

PANORAMA GERAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL PANORAMA GERAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL Celso Costa Diretor de Educação a Distância CAPES-MEC TEMAS A Nova CAPES e a Diretoria de Educação a Distância; Implementação do Sistema Universidade Aberta

Leia mais

Bolsas de Estudos da Fundación Iberdrola. Convocatória para estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente na Espanha 2014

Bolsas de Estudos da Fundación Iberdrola. Convocatória para estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente na Espanha 2014 Bolsas de Estudos da Fundación Iberdrola Convocatória para estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente na Espanha 2014 Índice 1 A Iberdrola 2 Iberdrola no Brasil 3 A Fundación Iberdrola 4 O Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM POLÍTICAS PÚBLICAS (PET-PP) RELATÓRIO DE ATIVIDADE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS ABRIL DE

Leia mais

ANÁLISE DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE UM CONDOMÍNIO RESIDENCIAL CERTIFICADO PELO PBQP-H.

ANÁLISE DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE UM CONDOMÍNIO RESIDENCIAL CERTIFICADO PELO PBQP-H. ANÁLISE DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE UM CONDOMÍNIO RESIDENCIAL CERTIFICADO PELO PBQP-H. Rafael Oliveira de Paula Universidade Estadual de Maringá rafael.odp@gmail.com Manoel Francisco Carreira Universidade

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável SEMAD, apresenta o Primeiro Inventário de Emissões

Leia mais

INDICADORES CORK SERVICES JUNHO 2014

INDICADORES CORK SERVICES JUNHO 2014 Página1 1. APRESENTAÇÃO INDICADORES CORK SERVICES JUNHO 2014 Os indicadores Cork Services contemplam os principais números de referência para a gestão de frotas, incluindo índices de inflação e variação

Leia mais

Município de Chapecó tem aumento de 0,75% no preço da gasolina em janeiro de 2016

Município de Chapecó tem aumento de 0,75% no preço da gasolina em janeiro de 2016 Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 5, Nº 1 Janeiro/2016 Município de Chapecó tem aumento de 0,75% no preço da gasolina em janeiro de

Leia mais

MESTRADO ACADÊMICO. 1. Proposta do programa

MESTRADO ACADÊMICO. 1. Proposta do programa MESTRADO ACADÊMICO Os projetos de cursos novos serão julgados por uma comissão de avaliação da área de antropologia/arqueologia com base nos dados obtidos pela aplicação dos critérios abaixo relacionados

Leia mais