REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistema de Informação de Finanças

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistema de Informação de Finanças"

Transcrição

1 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistema de Informação de Finanças NOVA DATA DE ENTREGA DAS PROPOSTA (21/10/2013) vide o anuncio publicado jornal do dia 9/10/13 Concurso Público Nº 26/UGEA/CEDSIF-MF/2013 FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA TERMOS DE REFERÊNCIA O Ministério das Finanças celebrou um contrato com a Delegação da União Europeia, com vista a capacitar os quadros deste Ministério, através do CEDSIF, no âmbito das matérias sobre apoio à gestão e reforma das Finanças Públicas. Neste sentido, havendo necessidade de contratar empresas especializadas na formação sobre as áreas técnicas de suporte as actividades de reforma das finanças públicas, o CEDSIF pretende contratar empresas capacitadas para prestarem serviços de consultoria especializada na formação dos Objectos contratuais abaixo descriminados:

2 Objecto Data ONTAP Cluster-Mode Administration (DCADM) O curso deve habilitar os administradores de dados com capacidades comprovadas na realização de apoio em profundidade nas funções administrativas e de gestão de desempenho para os controladores de armazenamento de Dados através NetApp executando o Data ONTAP utilizando o sistema operacional com NFS e CIFS em ambientes de multi-protocolo. O curso deve ainda permitir que os administradores capazes de implementar configurações de controlador de alta disponibilidade e contínua os dados e respectiva recuperação rápida em caso de um desastre. Número de formandos: 6 Duração da formação: 5 dias (duração do curso oficial) Data da realização da formação: logo que possível, após assinatura do Contrato Objectivos Tópicos Listar os benefícios do sistema operacional Data ONTAP e explicar os seus dois modos de operação Enumerar e descrever as etapas para a criação de um cluster Gerir os recursos físicos e virtuais dentro de um cluster Gerir os recursos para garantir operações não destrutivas Identificar os componentes de rede e recursos de rede de um cluster Implementar cluster com suporte e gestão de switches de rede Desenhar o Diagrama da arquitetura de um cluster Configurar um Flash Pool Configurar um cluster que hospeda um volume infinito de dados Instalar e configurar protocolos SAN e NAS Administrar a tecnologia de mirroring e proteção de dados em um cluster Explicar os recursos de notificação de um cluster Escalabilidade de um cluster horizontal Descrever as características de um cluster que afetam a performance do cluster a. Módulo 1: Visão geral Identificar as características únicas do Data ONTAP operando em Cluster-Mode em relação à Data ONTAP operacional em 7-Mode Explique os três principais benefícios do agrupamento Data ONTAP Identificar o âmbito dos conceitos ONTAP de dados, tais como servidores de nós virtuais (vservers), vservers administrativas e aglomerado vservers

3 Discutir as características e vantagens do armazenamento estratégia camadas NetApp b. Modulo 2: Instalação e configuração Configuração de Nós e instalação de sistema operativo DATA ONTAP Inicializar, Atribuir e Alocar Discos Criar Cluster Multimodo Adicionar licenças para recursos do cluster Definir data, horas e fusos horários do nós em Cluster c. Modulo 3: ArchitectureShow, percurso ponto-a-ponto de um ficheiro após solicitação de escrita pelo Cluster Responde questões sobre o conceito de base de dados replicados (RDB) Identificar diferenças entre o volume raiz (root volume) vol0 e o volume raiz (root volume) do servidor virtual de cluster (Vserver) d. Module 4: Comparação dos Interfaces CLI e GUIs Determinar quais comandos estão disponíveis para um directório de comando Determinar se os parâmetros são obrigatórios ou opcionais para um comando Intercalar entre os diferentes níveis de privilégio e. Modulo 5: Armazenamento físico de Dados Desenho de conectividade dos pares de controladores de alta disponibilidade (HA) para as gavetas de armazenamento de discos rígidos; Congregar Listar passos necessários para activar failover do Storage (SFO) Explicar e activar o modo de Alta disponibilidade (HA) em dois nós para Cluster de dois nós Activar e desactivar a capacidade de armazenamento entre nós dos pares de alta disponibilidade (HA) Enumerar os passos para expansão e agregação de 32-bits para 64-bits Criação de Flash Pool f. Modulo 6: Criar Volume de Armazenamento virtual de dados Construir um namespace usando vários volumes Descrever cotas de utilizadores e de grupos Configurar um volume infinito g. Modulo 7: Desenho físico de rede das ligações dos cabos de rede vindo das três redes para um controlador Explicar a função das portas Criar VLAN e interface de grupo Discutir requisitos de switching para o Cluster e Gestão de Redes h. Modulo 8: Criação de interfaces virtuais lógicos de rede (LIFs) para cada servidor em cluster virtual (Vserver)

4 Criar rotas estaticas para os dados dos LIFs Migrar e reverter os dados do LIF Descrever os grupos de LIF failover i. Module 9: Criação de Protocolos NAS, uma política de exportação para um servidor virtual de cluster (Vserver) Criar uma configuração NFS para o cluster Vserver Criar um domínio CIFS, servidores, e partilhas Montar e exportações e partilha de clientes NFS e CIFS Criar regras de mapeamento de nomes entre NFS e CIFS j. Modulo 10: Protocolos SAN, Explicação das diferenças existentes entre os protocolos SAN Identificar os componentes de implementação de SAN escalável num cluster num ambiente operacional DATA ONTAP em Cluster Identificar os componentes de implementação de SAN escalável num cluster num ambiente operacional DATA ONTAP em Modo-Cluster Configuração de iscsi num cluster e criação de LUN Configurar um iniciador iscsi do Windows k. Modulo 11: Eficiencia do Storage, discutir as funcionalidades inclusas no DATA ONTAP operando em Modo-Cluster Identificar os comandos necessários para gerir a eficiência do Storage no DATA ONTAP cluster l. Module 12: Protecção de dados Listar os benefícios de mirroring engine Criar partilha de carga e mirror copies de protecção de informação Replicação manual e automática de mirror copies Promover mirror copies de modo a replicar seus volumes (leitura/escrita) Implementar intercluster data protection mirrors Recuperação de desastre usando data protection mirrors Criar uma cópia Snapshot de um volume e criar políticas Snapshot Promover uma copia Snapshot para ser um volume(leitura/escrita) Responder questões sobre estratégias de backup NDMP m. Modulo 13: Troubleshooting básico e desempenho Explicar como configurar e como utilizar a ferramenta Autosupport para Cluster Demonstrar a utilidade de cluster Event Management Sistema (SEM) Identificar qualquer Storage que esteja Offline Revisão dos passos necessários para forçar um dump do núcleo do sistema Descrever as características do cluster que afecta o desempenho do cluster n. Modulo 14: Gestão de Cluster, No disruptively upgrade (NDU) na aplicação Data ONTAP Escalar a capacidade de armazenamento do Cluster adicionando discos a um agrupamento (aggregate)

5 Movimentar volumes de um agrupamento (aggregate) e apagar o agrupamento Remover um Nó do cluster Descrever o papel administrativo de um servidor virtual (Vserver) Configurar Protecção de antivírus onboard o. Modulo 15: Praticas recomendadas, Identificar praticas recomendadas para DATA ONTAP no modo cluster em alta disponibilidade Listar algumas formas de equilibrar Data ONTAP Recursos do modo Cluster Descrever alguns dos métodos para gestão de cluster Enumerar algumas formas para proteger e recuperar um cluster de um desastre 2. Qualificações específicas do consultor (pessoa colectiva), dos formadores (agentes da pessoa colectiva) e apetrecho da sala de aulas a) Qualificações específicas do consultor (pessoa colectiva) I. A empresa deverá ser um centro oficial de formação acreditado e reconhecido; II. No final de cada um dos cursos deverá ser fornecido um certificado de participação individual, sendo confeccionada em papel filigranado com numeração única, possibilitando a verificação de sua integridade tão pronto quanto seja necessário. b) Metodologia I. Aulas expositivas; II. Leitura de diversos textos e cases; III. Dinâmicas de grupo simulação de resolução de problemas; IV. Elaboração de análises; V. Actividades de casa/classe. Qualificações específicas dos formadores i. O formador deve possuir certificados oficiais que lhe habilitam a ministrar cursos acima indicados; ii. O formador deverá colocar no seu C.V. a referência das instituições em que ministrou essas formações; iii. O formador deve falar e escrever fluentemente Português; iv. O formador deve possuir uma formação pedagógica adequada, nomeadamente: a. O formador deve ter uma boa capacidade de transmissão de conhecimentos; b. Experiência de trabalho como formador (mínimo 3 anos); c. Domínio nas matérias a leccionar (possuindo certificado oficial para cada uma das formações que irá ministrar). Responsabilidades da empresa contratada I. A empresa deverá fornecer manuais de acompanhamento contendo todos módulos da formação em formato digital e impresso;

6 II. A empresa deverá garantir a disponibilização do local (espaço), dos equipamentos/infraestrutura de TI e outros necessários para a realização das formações; III. A empresa deverá fornecer de forma detalhada todo o conteúdo programático de cada um dos cursos pretendidos; IV. A empresa deverá garantir e disponibilizar a formação de forma prática; V. No final de cada um dos cursos deverá ser fornecido um certificado de participação oficial. Em matéria de condições de apetrecho da Sala de aulas de formação O consultor (pessoa colectiva) deve criar as seguintes condições: i. Quadro branco; ii. Vídeo projector; iii. Um posto de trabalho para cada participante se necessário iv. Manuais oficiais de acompanhamento contendo todos módulos da formação em formato digital e impresso. v. Lanches para os formandos durante o período da formação Local e material para realização do curso Local: Cidade de Maputo A disponibilização do local (salas de aulas e equipamentos ) e outros bens julgados pertinentes para a realização das formações é da total responsabilidade da empresa Contratada. N.B. As propostas Técnica e Financeira não devem ser apresentadas na fase da Manifestação de Interesse ONTAP CIFS Administration(CIFS) Número de formandos: 6 Duração da formação: 5 dias (duração do curso oficial) Data da realização da formação: logo que possível, após assinatura do Contrato Objectivos Após a conclusão deste curso espera-se que o formando tenha os seguintes conhecimentos: Configurar CIFS SMB 1.0 no Data ONTAP operando no Modo-7 e Modo-Cluster Configurar CIFS SMB 2.0 no Data ONTAP operando no Modo-7 e Modo-Cluster Configurar CIFS SMB 2.1 no Data ONTAP operando no Modo-7 e Modo-Cluster Configurar o Storage para multiprotocol user name mapping Discutir tópicos avançados de CIFS como oplocks e Politicas de grupo(grouppolicy) Explicar os benefícios da utilização do interface de linha de comando do PowerShell e beneficios de scripting usando Data ONTAP SDK Diagnosticar e discutir o monitoramento do desempenho para o storage e clientes

7 Tópicos a. Modulo 1 Visão Global do CIFS Diferença entre as versões dos protocolos CIFS Listar os ambientes suportados pelo CIFS Explicar como CIFS autenticam os recursos em vários ambientes (grupo de trabalho e domínio) Discutir os dois modos de DATA ONTAP Configurar um sistema de armazenamento de dois-nós no Modo-Cluster b. Modulo 2 Configuração de SMB Configurar um sistema de armazenamento com DATA ONTAP operando em Modo-7 para um grupo de trabalho Configurar um sistema de armazenamento com DATA ONTAP operando em Modo-7 para um domínio Windows Configurar um sistema de armazenamento com DATA ONTAP operando em Modo-Cluster para um domínio Windows c. Modulo 3 Secções e Partilhas Listar das partilhas padrão Mostrar tudo que esta partilhado no sistema de armazenamento Configurar maquinas clientes para acederem a qualquer partilha Difinir ficheiros partilhados e seus atributos Identificar secções CIFS estabelecidas quando as partilhas no sistema de armazenamento e acedido Adicionar, modificar e apagar partilhas d. Module 4 Controle de acesso Utilização de CLI no sistema de gestão de comandos, ou ferramentas da Microsoft para adicionar, apagar e modificar as permissões de acesso as partilhas; Utilização de ferramentas Microsoft para adicionar, apagar e modificar permissoes de acesso aos ficheiro e partilhas Utilização de acesso baseado em enumeração em Modo-7 Criar utilizadores locais Criar grupos locais Determinar e verificar mapeamento de utilizadores, para utilizadores CIFS que acedam volumes NTFS e UNIX e. Modulo 5 Tópicos Avançados Discutir implementação de bloqueios (oplocks) dentro do sistema operativo Data ONTAP

8 Descrever suporte metachache para modo-cluster Descrever suporte para BranchCache no Modo-7 Configurar auditoria no Modo-7 Configurar partilha do directório Home Descrever a implementação de políticas de grupo (GPO) dentro do sistema operativo DATA ONTAP Configuração de segurança CIFS em Modo-7 Implementação de Links Simbólicos e Widelinks f. Modulo 6 PowerShell e ferramenta PowerShell do Data ONTAP Descrever Powershell da Microsoft Configurar uma maquina Microsoft para funcionar com o kit aplicativo de desenvolvimento (SDK) Data ONTAP; Explicar como o Data ONTAP SDK pode ser utilizado para fazer scripts de recursos de storage Listar os métodos de utilização do PowerShell Explicar como criar um script simples Redireccionar resultados para ficheiros log(log files) Utilizar PowerShell para fazer Windows Management Instrumentation (WMI) calls g. Modulo 7 Desempenho e troubleshooting básico Discutir que factores que influenciam o desempenho CIFS Lista de ferramentas utilizadas para capturar as estatísticas de desempenho do CIFS Reconhecimento de zonas e/ou areas onde os problemas podem surgir Descrever o troubleshooting básico de CIFS entre sistemas de armazenamento, cliente Windows, mecanismo de autenticação e redes. 3. Qualificações específicas do consultor (pessoa colectiva), dos formadores (agentes da pessoa colectiva) e apetrecho da sala de aulas c) Qualificações específicas do consultor (pessoa colectiva) III. IV. A empresa deverá ser um centro oficial de formação acreditado e reconhecido; No final de cada um dos cursos deverá ser fornecido um certificado de participação individual, sendo confeccionada em papel filigranado com numeração única, possibilitando a verificação de sua integridade tão pronto quanto seja necessário. d) Metodologia VI. Aulas expositivas; VII. Leitura de diversos textos e cases; VIII. Dinâmicas de grupo simulação de resolução de problemas; IX. Elaboração de análises; X. Actividades de casa/classe. Qualificações específicas dos formadores

9 v. O formador deve possuir certificados oficiais que lhe habilitam a ministrar cursos acima indicados; vi. O formador deverá colocar no seu C.V. a referência das instituições em que ministrou essas formações; vii. O formador deve falar e escrever fluentemente Português; viii. O formador deve possuir uma formação pedagógica adequada, nomeadamente: a. O formador deve ter uma boa capacidade de transmissão de conhecimentos; b. Experiência de trabalho como formador (mínimo 3 anos); c. Domínio nas matérias a leccionar (possuindo certificado oficial para cada uma das formações que irá ministrar). Responsabilidades da empresa contratada VI. A empresa deverá fornecer manuais de acompanhamento contendo todos módulos da formação em formato digital e impresso; VII. A empresa deverá garantir a disponibilização do local (espaço), dos equipamentos/infraestrutura de TI e outros necessários para a realização das formações; VIII. A empresa deverá fornecer de forma detalhada todo o conteúdo programático de cada um dos cursos pretendidos; IX. A empresa deverá garantir e disponibilizar a formação de forma prática; X. No final de cada um dos cursos deverá ser fornecido um certificado de participação oficial. Em matéria de condições de apetrecho da Sala de aulas de formação O consultor (pessoa colectiva) deve criar as seguintes condições: vi. Quadro branco; vii. Vídeo projector; viii. Um posto de trabalho para cada participante se necessário ix. Manuais oficiais de acompanhamento contendo todos módulos da formação em formato digital e impresso. x. Lanches para os formandos durante o período da formação Local e material para realização do curso Local: Cidade de Maputo A disponibilização do local (salas de aulas e equipamentos ) e outros bens julgados pertinentes para a realização das formações é da total responsabilidade da empresa Contratada. N.B. As propostas Técnica e Financeira não devem ser apresentadas na fase da Manifestação de Interesse.

10 Curso sobre Desaster Recovery e Planos de Contingências Objectivo O principal objectivo do curso é capacitar o aluno a elaborar planos e estratégias para Recuperação de Desastre visando manter a operação da organização, mesmo perante a um cenário adverso. Elaborar o mapeamento de Processos de Negócio e activos críticos de uma Organização; Realizar as seguintes Analises: Ameaças, Riscos e Vulnerabilidades realização de entrevistas; Apurar os resultados e orientar ao comité executivo a adoptar uma estratégia para Gestão de Recuperação de Desastre; Elaboração dos Planos; Construir um planeamento de testes para os planos e estratégia; Apresentar o resultado dos testes, custos e demais informações. Todos os passos deverão ser elaborados em sala de aula contextualizando todo o programa de Gestão de Continuidade de Negócios. Aulas práticas com a formação de duas ou mais empresas fictícias, dividindo a turma em dois grandes grupos. a) Público-alvo Gestores de Infraestrutura, Gestores de Compliance e Controles Internos, Analistas de Infraestrutura, Analistas de Segurança da Informação, Analistas de Compliance, Analista de Suporte e demais profissionais responsáveis de Tecnologias de Informação, Facilites e Segurança Física da organização. b) Benefícios Adquirir conhecimento necessário para o mapeamento e elaboração de estratégias e planos para a recuperação de activos após um desastre, como por exemplo, incêndio ou qualquer outro factor que compromete a operação do datacenter, produção ou facilites, gerador, sistema de detecção e combate a incêndio, etc. 4. Cursos a serem ministrados O plano contempla a formação oficial dos seguintes módulos: a) Curso em Disaster Recovery I. Número de formandos: 5 II. Duração da formação: 5 dias (duração do curso oficial) III. Data da realização da formação: logo após assinatura do Contrato 5. Qualificações específicas do consultor (pessoa colectiva), dos formadores (agentes da pessoa colectiva) e apetrecho da sala de aulas e) Qualificações específicas do consultor (pessoa colectiva) V. A empresa deverá ser um centro oficial de formação acreditado e reconhecido; VI. No final de cada um dos cursos deverá ser fornecido um certificado de participaçãoindividual, sendo confeccionada em papel filigranado com numeração única, possibilitando a verificação de sua integridade tão pronto quanto seja necessário. f) Metodologia XI. Aulas expositivas; XII. Leitura de diversos textos e cases; XIII. Dinâmicas de grupo simulação de resolução de problemas; XIV. Elaboração de análises;

11 XV. Actividades de casa/classe. g) Qualificações específicas dos formadores (agentes da pessoa colectiva) I. Possuir pelo menos um certificado da ISACA (CISA, CISM, CGEIT ou CRISC); II. Experiência em elaboração de Planos de Contingência, Recuperação de Desastres, Acções Emergenciais, Resposta à Incidentes, Gestão de Crises Corporativas, Crises tecnológicos e Planeamento Estratégico; III. Experiência em Construção de site de Disaster Recovery e implementação de plano de continuidade de negócio; IV. Experiência de Gestão de Infraestrutura Tecnológica e Facilities; V. Experiência em Segurança de Sistemas de Informação. VI. O formador deverá colocar no seu C.V. a referência das instituições em que ministrou as formações pretendidas; VII. O formador deve falar e escrever fluentemente Português; VIII. O formador deve possuir uma formação pedagógica adequada, nomeadamente: O formador deve ter uma boa capacidade de transmissão de conhecimentos; Experiência de trabalho como formador (mínimo 3 anos); Domínio nas matérias a leccionar. 6. Conteúdo Programático I. Entendendo a Organização a) Levantamento de Critérios; b) Análise de Riscos e Ameaças; c) Entendendo a Analise de Impacto nos Negócios; d) Levantamento de Tempos - RTO e RPO; e) Estratégia de Continuidade de Negócios - Site Alternativo e Site Disaster Recovery. II. Construindo um Site Disaster Recovery e um Site Alternativo a) Construindo um site Disaster Recovery; b) Construindo um Site Alternativo; c) Alinhando as expectativas - Negócio x Tecnologia da Informação. III. Elaboração de Planos e Relatórios a) Elaborando um Plano de Mobilização; b) Elaborando um Disaster Recovery Plan; c) Elaborando um Plano de Resposta à Incidente Tecnológico; d) Relatório de Incidente; e) Relatório Pós Incidente.

12 IV. Planeamento de Treinamento e Teste a) Elaborando uma Grade de Teste; b) Roteiro de Treinamento e Teste; c) Tipos de Treinamentos e Testes; d) Relatório de efectividade dos Testes; e) Evidência dos Treinamentos e Testes para auditoria. V. Simulado para Certificação f) Elaboração de um teste de preparação para exame de certificação do curso de Disaster Recover. Qualificações específicas dos formadores ix. O formador deve possuir certificados oficiais que lhe habilitam a ministrar cursos acima indicados; x. O formador deverá colocar no seu C.V. a referência das instituições em que ministrou essas formações; xi. O formador deve falar e escrever fluentemente Português; xii. O formador deve possuir uma formação pedagógica adequada, nomeadamente: a. O formador deve ter uma boa capacidade de transmissão de conhecimentos; b. Experiência de trabalho como formador (mínimo 3 anos); c. Domínio nas matérias a leccionar (possuindo certificado oficial para cada uma das formações que irá ministrar). Responsabilidades da empresa contratada XI. XII. XIII. XIV. XV. A empresa deverá fornecer manuais de acompanhamento contendo todos módulos da formação em formato digital e impresso; A empresa deverá garantir a disponibilização do local (espaço), dos equipamentos/infraestrutura de TI e outros necessários para a realização das formações; A empresa deverá fornecer de forma detalhada todo o conteúdo programático de cada um dos cursos pretendidos; A empresa deverá garantir e disponibilizar a formação de forma prática; No final de cada um dos cursos deverá ser fornecido um certificado de participação oficial. Em matéria de condições de apetrecho da Sala de aulas de formação O consultor (pessoa colectiva) deve criar as seguintes condições: xi. Quadro branco; xii. Vídeo projector; xiii. Um posto de trabalho para cada participante se necessário

13 xiv. xv. Manuais oficiais de acompanhamento contendo todos módulos da formação em formato digital e impresso. Lanches para os formandos durante o período da formação Local e material para realização do curso Local: Cidade de Maputo A disponibilização do local (salas de aulas e equipamentos ) e outros bens julgados pertinentes para a realização das formações é da total responsabilidade da empresa Contratada. N.B. As propostas Técnica e Financeira não devem ser apresentadas na fase da Manifestação de Interesse DATAONTAP NFS Administration (NFS) Número de formandos: 6 Duração da formação: 5 dias (duração do curso oficial) Data da realização da formação: logo que possível, após assinatura do Contrato Objectivos Após a conclusão deste curso espera-se que o formando tenha os seguintes conhecimentos: Definir e descrever as versões do protocolo NFS Descrever e configurar Data ONTAP operando em Modo-7 para as seguintes versões de NFS: NFSv3 NFSv4 Descrever e configurar Data ONTAP operando em Modo-Cluste para as seguintes versões de NFS: NFSv3 NFSv4 NFSv4.1, including Parallel NFS (pnfs) Rever a gestão de desempenho para ambientes NFS Técnicas detalhados de troubleshooting para sistema de armazenamento Netapp e clientes utilizando o protocolo NFS Tópicos Modulo 1 Visão Geral NFS

14 Definir NFS Listar casos de uso para NFS Diferença entre as versões do protocolo NFS Configurar um sistema de armazenamento de dois-nós no Modo-Cluster Modulo 2 NFS Versão 3, Discutir características do NFS versão 3 (NFSv3) Descrever o suporte do Data ONTAP para NFSv3 Explicar casos de uso para NFSv3 Configurar Data ONTAP operando em Modo-7 para utilizar o protocolo NFSv3 Configurar Data ONTAP operando em Modo-Cluster para utilizar o protocolo NFSv3 Descrever segurança em NFSv3 Modulo 4 NFS Versão 4 Discutir características do NFS versão 4 (NFSv4) Descrever o suporte do Data ONTAP para NFSv4 Explicar casos de uso para NFSv4 Configurar Data ONTAP operando em Modo-7 para utilizar o protocolo NFSv4 Configurar Data ONTAP operando em Modo-Cluster para utilizar o protocolo NFSv4 Descrever segurança em NFSv4 Modulo 4 NFS Versão 4.1 Discutir características do NFS versão 4.1 (NFSv4.1) e NFS paralelo (pnfs) Descrever o suporte do Data ONTAP para NFSv4.1 e pnfs Explicar casos de uso para NFSv4.1 e pnfs Configurar Data ONTAP operando em Modo-Cluster para utilizar o protocolo NFSv4.1 Configurar maquina Linux para utilizar o protocolo NFSv4.1 Modulo 5 Desempenho e troubleshooting básico Discutir que factores que influenciam o desempenho NSF Lista de ferramentas utilizadas para capturar as estatísticas de desempenho do NFS Reconhecimento de zonas e/ou areas onde os problemas podem surgir Explicar a interacção entre CIFS e mapeamento de nomes NFS Descrever o troubleshooting básico de NFS entre sistemas de armazenamento, cliente Linux e redes. Discuss troubleshooting locks and leases NFS

15 7. Qualificações específicas do consultor (pessoa colectiva), dos formadores (agentes da pessoa colectiva) e apetrecho da sala de aulas h) Qualificações específicas do consultor (pessoa colectiva) VII. VIII. A empresa deverá ser um centro oficial de formação acreditado e reconhecido; No final de cada um dos cursos deverá ser fornecido um certificado de participação individual, sendo confeccionada em papel filigranado com numeração única, possibilitando a verificação de sua integridade tão pronto quanto seja necessário. i) Metodologia XVI. Aulas expositivas; XVII. Leitura de diversos textos e cases; XVIII. Dinâmicas de grupo simulação de resolução de problemas; XIX. Elaboração de análises; XX. Actividades de casa/classe. Qualificações específicas dos formadores xiii. xiv. xv. xvi. O formador deve possuir certificados oficiais que lhe habilitam a ministrar cursos acima indicados; O formador deverá colocar no seu C.V. a referência das instituições em que ministrou essas formações; O formador deve falar e escrever fluentemente Português; O formador deve possuir uma formação pedagógica adequada, nomeadamente: a. O formador deve ter uma boa capacidade de transmissão de conhecimentos; b. Experiência de trabalho como formador (mínimo 3 anos); c. Domínio nas matérias a leccionar (possuindo certificado oficial para cada uma das formações que irá ministrar). Responsabilidades da empresa contratada XVI. XVII. XVIII. XIX. XX. A empresa deverá fornecer manuais de acompanhamento contendo todos módulos da formação em formato digital e impresso; A empresa deverá garantir a disponibilização do local (espaço), dos equipamentos/infraestrutura de TI e outros necessários para a realização das formações; A empresa deverá fornecer de forma detalhada todo o conteúdo programático de cada um dos cursos pretendidos; A empresa deverá garantir e disponibilizar a formação de forma prática; No final de cada um dos cursos deverá ser fornecido um certificado de participação oficial. Em matéria de condições de apetrecho da Sala de aulas de formação O consultor (pessoa colectiva) deve criar as seguintes condições: xvi. Quadro branco;

16 xvii. xviii. xix. xx. Vídeo projector; Um posto de trabalho para cada participante se necessário Manuais oficiais de acompanhamento contendo todos módulos da formação em formato digital e impresso. Lanches para os formandos durante o período da formação Local e material para realização do curso Local: Cidade de Maputo A disponibilização do local (salas de aulas e equipamentos ) e outros bens julgados pertinentes para a realização das formações é da total responsabilidade da empresa Contratada. N.B. As propostas Técnica e Financeira não devem ser apresentadas na fase da Manifestação de Interesse.

17 Objecto CCNA-Data Center - Introducing Cisco Data Center Networking (DCICN) Objectivos a. Descrever como uma rede funciona b. Configurar, verificar e troubleshoot um switch de Centro de Dados c. Implementar esquemas de endereçamento para Centro de Dados d. Configurar, verificar e troubleshoot de roteamento em switches Nexus da Cisco. Número de formandos minimo: 6 Duração da formação: 5 dias (duração do curso oficial) Data da realização da formação: logo que possível, apos assinatura do Contrato Topicos a. Modulo 1: Criação de uma rede simples (7 lições) b. Modulo 2:Implementacao de uma rede comutada (6 lições) c. Module 4: Endereçamento IP(4 lições) d. Module 4: Roteamento no switch Nexus da cisco (4 lições) 8. Qualificações específicas do consultor (pessoa colectiva), dos formadores (agentes da pessoa colectiva) e apetrecho da sala de aulas j) Qualificações específicas do consultor (pessoa colectiva) IX. A empresa deverá ser um centro oficial de formação acreditado e reconhecido; X. No final de cada um dos cursos deverá ser fornecido um certificado de participação individual, sendo confeccionada em papel filigranado com numeração única, possibilitando a verificação de sua integridade tão pronto quanto seja necessário. k) Metodologia XXI. Aulas expositivas; XXII. Leitura de diversos textos e cases; XXIII. Dinâmicas de grupo simulação de resolução de problemas; XXIV. Elaboração de análises; XXV. Actividades de casa/classe. Qualificações específicas dos formadores xvii. O formador deve possuir certificados oficiais que lhe habilitam a ministrar cursos acima indicados;

18 xviii. xix. xx. O formador deverá colocar no seu C.V. a referência das instituições em que ministrou essas formações; O formador deve falar e escrever fluentemente Português; O formador deve possuir uma formação pedagógica adequada, nomeadamente: a. O formador deve ter uma boa capacidade de transmissão de conhecimentos; b. Experiência de trabalho como formador (mínimo 3 anos); c. Domínio nas matérias a leccionar (possuindo certificado oficial para cada uma das formações que irá ministrar). Responsabilidades da empresa contratada XXI. XXII. XXIII. XXIV. XXV. A empresa deverá fornecer manuais de acompanhamento contendo todos módulos da formação em formato digital e impresso; A empresa deverá garantir a disponibilização do local (espaço), dos equipamentos/infraestrutura de TI e outros necessários para a realização das formações; A empresa deverá fornecer de forma detalhada todo o conteúdo programático de cada um dos cursos pretendidos; A empresa deverá garantir e disponibilizar a formação de forma prática; No final de cada um dos cursos deverá ser fornecido um certificado de participação oficial. Em matéria de condições de apetrecho da Sala de aulas de formação O consultor (pessoa colectiva) deve criar as seguintes condições: xxi. Quadro branco; xxii. Vídeo projector; xxiii. Um posto de trabalho para cada participante se necessário xxiv. Manuais oficiais de acompanhamento contendo todos módulos da formação em formato digital e impresso. xxv. Lanches para os formandos durante o período da formação Local e material para realização do curso Local: Cidade de Maputo A disponibilização do local (salas de aulas e equipamentos ) e outros bens julgados pertinentes para a realização das formações é da total responsabilidade da empresa Contratada. N.B. As propostas Técnica e Financeira não devem ser apresentadas na fase da Manifestação de Interesse CCNA- CCNA-Data Center - Introducing Cisco Data Center Technologies (DCICT)

19 Objectivos a. Descrever e verificar fundamentos de Centro de Dados Cisco b. Descrever e verificar Virtualização Cisco c. Descrever e verificar Cisco Data Center Storage Networking d. Descrever e verificar Cisco Data Center Unified Fabric e. Descrever e verificar Cisco Unified Computing System. Número de formandos: 6 Duração da formação: 5 dias (duração do curso oficial) Data da realização da formação: logo que possível, após assinatura do Contrato Tópicos a. Modulo 1: Fundamentos e conceitos de Centro de Dados Cisco (11 lições) b. Module 2: Data Center Unified Fabric (5 locoes) c. Module 3: Storage Networking (8 lições) d. Module 4: Virtualização de Centro de Dados (4 lições) e. Module 5: Unified Computing (7 lições) 9. Qualificações específicas do consultor (pessoa colectiva), dos formadores (agentes da pessoa colectiva) e apetrecho da sala de aulas l) Qualificações específicas do consultor (pessoa colectiva) XI. XII. A empresa deverá ser um centro oficial de formação acreditado e reconhecido; No final de cada um dos cursos deverá ser fornecido um certificado de participação individual, sendo confeccionada em papel filigranado com numeração única, possibilitando a verificação de sua integridade tão pronto quanto seja necessário. m) Metodologia XXVI. Aulas expositivas; XXVII. Leitura de diversos textos e cases; XXVIII. Dinâmicas de grupo simulação de resolução de problemas; XXIX. Elaboração de análises; XXX. Actividades de casa/classe. Qualificações específicas dos formadores xxi. O formador deve possuir certificados oficiais que lhe habilitam a ministrar cursos acima indicados; xxii. O formador deverá colocar no seu C.V. a referência das instituições em que ministrou essas formações; xxiii. O formador deve falar e escrever fluentemente Português;

20 xxiv. O formador deve possuir uma formação pedagógica adequada, nomeadamente: a. O formador deve ter uma boa capacidade de transmissão de conhecimentos; b. Experiência de trabalho como formador (mínimo 3 anos); c. Domínio nas matérias a leccionar (possuindo certificado oficial para cada uma das formações que irá ministrar). Responsabilidades da empresa contratada XXVI. XXVII. XXVIII. XXIX. XXX. A empresa deverá fornecer manuais de acompanhamento contendo todos módulos da formação em formato digital e impresso; A empresa deverá garantir a disponibilização do local (espaço), dos equipamentos/infraestrutura de TI e outros necessários para a realização das formações; A empresa deverá fornecer de forma detalhada todo o conteúdo programático de cada um dos cursos pretendidos; A empresa deverá garantir e disponibilizar a formação de forma prática; No final de cada um dos cursos deverá ser fornecido um certificado de participação oficial. Em matéria de condições de apetrecho da Sala de aulas de formação O consultor (pessoa colectiva) deve criar as seguintes condições: xxvi. Quadro branco; xxvii. Vídeo projector; xxviii. Um posto de trabalho para cada participante se necessário xxix. Manuais oficiais de acompanhamento contendo todos módulos da formação em formato digital e impresso. xxx. Lanches para os formandos durante o período da formação Local e material para realização do curso Local: Cidade de Maputo A disponibilização do local (salas de aulas e equipamentos ) e outros bens julgados pertinentes para a realização das formações é da total responsabilidade da empresa Contratada. N.B. As propostas Técnica e Financeira não devem ser apresentadas na fase da Manifestação de Interesse CCDA- Designing for Cisco Internetwork Solutions (DESGN) Objectivos

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. SQC Serviço de Qualidade e Certificação

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. SQC Serviço de Qualidade e Certificação REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistema de Informação de Finanças SQC Serviço de Qualidade e Certificação Maputo, Junho de 2013 1 1 Âmbito do Serviço

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

(FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA) LOTE 1: ITEM 2. CMMI for DEV Intermediate V. 1.3 TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A COMPONENTE DE FORMAÇÃO

(FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA) LOTE 1: ITEM 2. CMMI for DEV Intermediate V. 1.3 TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A COMPONENTE DE FORMAÇÃO República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

SERVIÇO DE OPERAÇÕES

SERVIÇO DE OPERAÇÕES República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) OUTUBRO/2010

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) OUTUBRO/2010 PROCEDIMENTOS DE INSTALAÇÃO DO SERVIDOR WINDOWS SERVER 2003 R2 COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) OUTUBRO/2010 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

(FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA) LOTE 4: Serviço de Operações

(FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA) LOTE 4: Serviço de Operações República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

(FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA) LOTE 2: ITEM 4. Formação em PMI Risk Management Professional (PMI RMP) SSSI

(FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA) LOTE 2: ITEM 4. Formação em PMI Risk Management Professional (PMI RMP) SSSI República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

Curso preparatório para a certificação COBIT 4.1 Fundation

Curso preparatório para a certificação COBIT 4.1 Fundation Curso preparatório para a certificação COBIT 4.1 Fundation Dentro do enfoque geral em conhecer e discutir os fundamentos, conceitos e as definições de Governança de TI - tecnologia da informação, bem como

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE)

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) Possuir capacidade instalada, livre para uso, de pelo menos 5.2 (cinco ponto dois) TB líquidos em discos SAS/FC de no máximo 600GB 15.000RPM utilizando RAID 5 (com no

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

(FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA) LOTE 5: ITEM 4. Termos de Referência para a componente de Formação

(FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA) LOTE 5: ITEM 4. Termos de Referência para a componente de Formação República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

Governança de TI. Heleno dos Santos Ferreira

Governança de TI. Heleno dos Santos Ferreira Governança de TI Heleno dos Santos Ferreira Agenda Governança de TI Heleno dos Santos Ferreira ITIL Publicação dos Livros revisados 2011 ITIL Correções ortográficas e concordâncias gramaticais; Ajustes

Leia mais

Líder em Treinamentos de Bacula no Brasil

Líder em Treinamentos de Bacula no Brasil Apresentação A VANTAGE Educacional é uma referência no Brasil em Treinamento e Capacitação das principais soluções corporativas Open Source. Nosso Centro Oficial de Treinamento e Capacitação está situado

Leia mais

CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças. Anúncio de Concurso para 20 Vagas

CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças. Anúncio de Concurso para 20 Vagas MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças Anúncio de Concurso para 20 Vagas 1. O CEDSIF- Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças

Leia mais

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR 6292: INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO WINDOWS 7, CLIENT Objetivo: Este curso proporciona aos alunos o conhecimento e as habilidades necessárias para instalar e configurar estações de trabalho utilizando a

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

(FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA) LOTE 8: ITEM 3 Termos de Referência para a componente de Formação SSSI

(FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA) LOTE 8: ITEM 3 Termos de Referência para a componente de Formação SSSI República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

Implantação da Governança a de TI na CGU

Implantação da Governança a de TI na CGU Implantação da Governança a de TI na CGU José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União I Workshop de Governança de TI da Embrapa Estratégia utilizada para

Leia mais

DRH- Departamento de Recursos Humanos

DRH- Departamento de Recursos Humanos República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local

Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL SECRETARIA NACIONAL DE JUVENTUDE Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local a) COORDENADOR ADJUNTO: 01 (Contratação Temporária

Leia mais

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Windows Server 2012 Virtualização Hyper-v Firewall Pfsense C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on 2 Sumário 1 Conteúdo Windows 2012... 3 2 Conteúdo Virtualização...

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que garantem

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL PARA TREINAMENTOS DE TI

PROPOSTA COMERCIAL PARA TREINAMENTOS DE TI PROPOSTA COMERCIAL PARA TREINAMENTOS DE TI Curso: Formação para certificação MCSA em Windows Server 2012 Prepara para as provas: 70-410, 70-411 e 70-412 Em parceria com Pág. 1 Objetivo Adquirindo a formação

Leia mais

Serviço de Qualidade e Certificação

Serviço de Qualidade e Certificação República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

arcserve Unified Data Protection Resumo da solução de virtualização

arcserve Unified Data Protection Resumo da solução de virtualização arcserve Unified Data Protection Resumo da solução de virtualização Hoje a virtualização de servidores e desktops é uma realidade não só nas empresas, mas em todos os tipos de negócios. Todos concordam

Leia mais

Implantação da Governança a de TI na CGU

Implantação da Governança a de TI na CGU Implantação da Governança a de TI na CGU José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União Palestra UNICEUB Estratégia utilizada para implantação da Governança

Leia mais

EDUCAÇÃO CONTINUADA Auditoria de Sistemas e de Tecnologia da Informação Curso com Laboratório (Estudo de Caso)

EDUCAÇÃO CONTINUADA Auditoria de Sistemas e de Tecnologia da Informação Curso com Laboratório (Estudo de Caso) EDUCAÇÃO CONTINUADA Auditoria de Sistemas e de Tecnologia da Informação Curso com Laboratório (Estudo de Caso) Veja os depoimentos de quem participou do Curso de Auditoria de Sistemas e de TI realizado

Leia mais

Parceiro Oficial de Treinamentos Proxmox no Brasil

Parceiro Oficial de Treinamentos Proxmox no Brasil Apresentação Parceiro Oficial de Treinamentos Proxmox no Brasil A VANTAGE Educacional é uma referência no Brasil em Treinamento e Capacitação das principais soluções corporativas Open Source. Nosso Centro

Leia mais

Serviço de Qualidade e Certificação

Serviço de Qualidade e Certificação REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistema de Informação de Finanças (FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA) LOTE 1: ITEM 7 Termos de Referência para a componente

Leia mais

Parceiro Oficial de Treinamentos Zabbix no Brasil

Parceiro Oficial de Treinamentos Zabbix no Brasil Apresentação Parceiro Oficial de Treinamentos Zabbix no Brasil A VANTAGE Educacional é uma referência no Brasil em Treinamento e Capacitação das principais soluções corporativas Open Source. Além de possuir

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

Cláusula 1.º Objecto. Cláusula 2.º Especificação da prestação

Cláusula 1.º Objecto. Cláusula 2.º Especificação da prestação CADERNO DE ENCARGOS CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJECTO DE ARQUIVO DIGITAL DE INFRA-ESTRUTURAS DE IT O presente Caderno de Encargos compreende as cláusulas a incluir no contrato

Leia mais

Serviço de Qualidade e Certificação

Serviço de Qualidade e Certificação República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

PORTARIA ANAC 2530/SCD, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA ANAC 2530/SCD, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA ANAC 2530/SCD, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011 Estabelece o Programa de Capacitação Específica em Tecnologia da Informação no âmbito da Agência Nacional de Aviação Civil ANAC. A SUPERINTENDENTE DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

AUDITORIA DE PROCESSOS BASEADA EM RISCOS. Diorgens Miguel Meira

AUDITORIA DE PROCESSOS BASEADA EM RISCOS. Diorgens Miguel Meira AUDITORIA DE PROCESSOS BASEADA EM RISCOS Diorgens Miguel Meira AGENDA 1 2 3 4 5 O BANCO DO NORDESTE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO BNB AUDITORIA NO BANCO DO NORDESTE SELEÇÃO DE PROCESSOS CRÍTICOS AUDITORIA

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

Parceiro Oficial de Soluções Zabbix no Brasil

Parceiro Oficial de Soluções Zabbix no Brasil Apresentação A Vantage TI conta uma estrutura completa para atender empresas de todos os segmentos e portes, nacionais e internacionais. Nossos profissionais dedicam-se ao desenvolvimento e criação de

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Líder em Treinamentos de Samba 4 no Brasil

Líder em Treinamentos de Samba 4 no Brasil Apresentação Líder em Treinamentos de Samba 4 no Brasil A VANTAGE Educacional é uma referência no Brasil em Treinamento e Capacitação das principais soluções corporativas Open Source. Nosso Centro Oficial

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20

Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20 Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20 Relatório elaborado sob contrato com a EMC Corporation Introdução A EMC Corporation contratou a Demartek para realizar uma avaliação

Leia mais

Rotina de Discovery e Inventário

Rotina de Discovery e Inventário 16/08/2013 Rotina de Discovery e Inventário Fornece orientações necessárias para testar a rotina de Discovery e Inventário. Versão 1.0 01/12/2014 Visão Resumida Data Criação 01/12/2014 Versão Documento

Leia mais

Soluções em Segurança

Soluções em Segurança Desafios das empresas no que se refere a segurança da infraestrutura de TI Dificuldade de entender os riscos aos quais a empresa está exposta na internet Risco de problemas gerados por ameaças externas

Leia mais

Número do Recibo:83500041

Número do Recibo:83500041 de 6 8/6/22 7:32 Número do Recibo:8354 Data de Preenchimento do Questionário:. Comitête Gestor de Informática do Judiciário - Recibo de Preenchimento do Questionário: INFRAESTRUTURA - 22 3.. Infraestrutura

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%.

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%. Números de tecnologia 630 mil é o número de novos postos de trabalho em TI até 2009 9 em cada 10 PC s vendidos saem com Microsoft Windows 47% da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado

Leia mais

Apresentação do Treinamento

Apresentação do Treinamento Apresentação do Treinamento COBIT 5 Foundation 1 O COBIT 5 fornece um framework completo que ajuda as organizações a alcançar seus objetivos para a Governança e Gestão da TI Empresarial. Em outras palavras,

Leia mais

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo:

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo: INFRAESTRUTURA Para que as empresas alcancem os seus objetivos de negócio, torna-se cada vez mais preponderante o papel da área de tecnologia da informação (TI). Desempenho e disponibilidade são importantes

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Administração de Banco de Dados - Oracle

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Administração de Banco de Dados - Oracle Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Administração de Banco de Dados - Oracle Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Administração de Banco de Dados tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Sumário. Especificações de experiência e conhecimento para as equipes de profissionais... 2. Perfi s Profissionais... 2

Sumário. Especificações de experiência e conhecimento para as equipes de profissionais... 2. Perfi s Profissionais... 2 ANEXO 5 - DO PROJETO BÁSICO Especificações de experiência e conhecimento para as equipes de profissionais disponibilizadas para a execução dos serviços Sumário Especificações de experiência e conhecimento

Leia mais

Apresentação da Empresa e seus Serviços.

Apresentação da Empresa e seus Serviços. Apresentação da Empresa e seus Serviços. 1 Conteúdo do Documento Sobre a MSCTI... 3 Portfólio de Serviços... 4 O que a consultoria MSCTI faz?... 5 Outros Serviços e Soluções... 6 Certificações... 7 Clientes

Leia mais

TRAINING PARTNER TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO OFICIAL ZABBIX

TRAINING PARTNER TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO OFICIAL ZABBIX TRAINING PARTNER TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO OFICIAL ZABBIX A VANTAGE Educacional é parceira oficial da ZABBIX SIA para oferecer o Treinamento e Certificação Oficial Zabbix Certified Specialist e Certified

Leia mais

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento MBA em Sistemas de Informação CobiT Conteúdo 1. Sumário Executivo 2. Estrutura 3. Objetivos de Controle 4. Diretrizes de Gerenciamento 5. Modelo de Maturidade 6. Guia de Certificação de TI 7. Implementação

Leia mais

ESTRUTURA E ASPECTOS. 3S Networks. Tecnologia alinhada ao seu negócio

ESTRUTURA E ASPECTOS. 3S Networks. Tecnologia alinhada ao seu negócio ESTRUTURA E ASPECTOS 3S Networks. Tecnologia alinhada ao seu negócio A 3S Networks surgiu com a proposta de oferecer as mais avançadas soluções tecnológicas a empresas dos setores privado e público, atuamos

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

Curso Especialização em Gerenciamento Operacional de Serviços de TI Baseado no ITIL V3 e Cobit 4.1

Curso Especialização em Gerenciamento Operacional de Serviços de TI Baseado no ITIL V3 e Cobit 4.1 Curso Especialização em Gerenciamento Operacional de Serviços de TI Baseado no ITIL V3 e Cobit 4.1 Todos nossos cursos são preparados por profissionais certificados e com larga experiência em Governança

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRA/1123 FNDE -EDITAL Nº 01/2009 1. Perfil: Consultor ESPECIALISTA EM PLANO DE METAS ANALISTA PROGRAMADOR DELPHI - Código 1 - CGETI. 2. Nº de vagas:

Leia mais

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Visão geral do Serviço Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Os Serviços de gerenciamento de dispositivos distribuídos ajudam você a controlar ativos

Leia mais

ANEXO II PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER

ANEXO II PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER 1. FORMAÇÃO, CONHECIMENTO E HABILIDADES EXIGIDAS 1.1. PERFIL DE TÉCNICO EM INFORMÁTICA: 1.1.1.DESCRIÇÃO DO PERFIL: O profissional desempenhará

Leia mais

Governança de TIC. CobiT 4.1

Governança de TIC. CobiT 4.1 Governança de TIC CobiT 4.1 Conceitos Governança: A expressão governar tem origem na expressão navegar... E o que quem navega faz? Ele faz um mapa, dá a direção, faz as regras de convivência. Tomáz de

Leia mais

TRAINING PARTNER TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO OFICIAL ZABBIX

TRAINING PARTNER TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO OFICIAL ZABBIX TRAINING PARTNER TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO OFICIAL ZABBIX A VANTAGE Educacional é parceira oficial da ZABBIX SIA para oferecer o Treinamento e Certificação Oficial Zabbix Certified Specialist e Certified

Leia mais

por: Eliandro Alves, Elvio Filho, Julio Xavier e Sérgio Cordeiro Professor: Everton Rennê

por: Eliandro Alves, Elvio Filho, Julio Xavier e Sérgio Cordeiro Professor: Everton Rennê por: Eliandro Alves, Elvio Filho, Julio Xavier e Sérgio Cordeiro Professor: Everton Rennê ROTEIRO Histórico; Definição; Objetivos e/ou propósitos; Estrutura; Aplicação do modelo; Vantagens e desvantagens;

Leia mais

Portfólio de Serviços Dominit 2016

Portfólio de Serviços Dominit 2016 Portfólio de Serviços Dominit 2016 A Dominit é uma empresa nacional que atua como integradora de soluções de tecnologia da informação. Temos como diferencial a proposta de parceria para nossos clientes

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

Nossa relação com o Mercado TIC

Nossa relação com o Mercado TIC Nossa relação com o Mercado TIC Consulting Services Consultoria Técnica e Gerencial em Processos de TI e Aplicações, redesenhando-os à maximização de resultados. Gestão Estratégica: Outsourcing do Desenvolvimento,

Leia mais

APRENDA COMO GERENCIAR SEUS SERVIÇOS

APRENDA COMO GERENCIAR SEUS SERVIÇOS APRENDA COMO GERENCIAR SEUS SERVIÇOS Treinamento ISO 20000 Foundation Presencial ou EAD O Gerenciamento de Serviços de TI tem como foco o fornecimento eficiente e eficaz de serviços que assegura a satisfação

Leia mais

No final do curso, os alunos devem ser capazes de:

No final do curso, os alunos devem ser capazes de: BEHAVIOUR GROUP Bringing value to you Certified Information Systems Security Professional (CISSP) Treinamento Reconhecimento global em segurança da informação Introdução Este curso, com a duração de cinco

Leia mais

Desenvolvimento de Macros em VBA - Microsoft Excel

Desenvolvimento de Macros em VBA - Microsoft Excel República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

BEM-VINDO. Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Governança de TI.

BEM-VINDO. Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Governança de TI. Apresentação Inicial BEM-VINDO Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Governança de TI. 1 COBIT 4.1 FOUNDATION Vamos dar inicio 2 Avaliando o seu Conhecimento Simulado Agora!!! 3 INTRODUÇÃO

Leia mais

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%.

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%. Informações de Tecnologia A tecnologia virou ferramenta indispensável para as pessoas trabalharem, se comunicarem e até se divertirem. Computação é a área que mais cresce no mundo inteiro! Esse constante

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Modelagem de Processos para Automação

Modelagem de Processos para Automação Treinamentos em Gestão por Processos Modelagem de Processos para Automação [ipe03] Implementando a Visão Futura: um curso prático para vencer a barreira existente entre negócio e TI. Implantar processos

Leia mais

RESPOSTA Nº 02 DO EDITAL ADG 002/2015 - Contratação de prestação dos serviços de Service Desk.

RESPOSTA Nº 02 DO EDITAL ADG 002/2015 - Contratação de prestação dos serviços de Service Desk. RESPOSTA Nº 02 DO EDITAL ADG 002/2015 - Contratação de prestação dos serviços de Service Desk. PERGUNTA 1: Sobre o Item Minuta Contratual: CONSIDERANDO QUE O ONS É UMA PESSOA JURÍDICA DE DIREITO PRIVADO

Leia mais

Hospedagem Virtualizada

Hospedagem Virtualizada Conheça também Desenvolvimento de sistemas Soluções de Segurança Soluções com o DNA da Administração Pública Há 43 anos no mercado, a Prodesp tem um profundo conhecimento da administração pública e também

Leia mais

Proposta Técnica. Desenvolvimento de software QUICKSITE

Proposta Técnica. Desenvolvimento de software QUICKSITE Proposta Técnica Desenvolvimento de software CONTEÚDO Resumo Executivo...3 1.1 Duração e Datas Especiais... 3 1.2 Fatores Críticos de Sucesso... 3 A Hi Level...3 Solução Proposta...4 1.3 Escopo... 4 1.4

Leia mais

Especialização em Gestão de Segurança da Informação

Especialização em Gestão de Segurança da Informação Especialização em Gestão de Segurança da Informação Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 06 --> Com a ampliação da utilização das Tecnologias da Informação em todos os setores produtivos

Leia mais

www.aker.com.br parcerias de sucesso 200 maiores Construindo top Sobre a Aker Curiosidades Aker Security Solutions A Aker está entre as

www.aker.com.br parcerias de sucesso 200 maiores Construindo top Sobre a Aker Curiosidades Aker Security Solutions A Aker está entre as Sobre a Aker Investir em tecnologia de ponta é garantir a segurança dos dados de sua empresa, aumentando a produtividade de seus funcionários e a rentabilidade do seu negócio. A Aker Security Solutions,

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Diretoria de Pós-Graduação Divisão de Admissão e Mobilidade EDITAL PROPPG/DPG/DAM 071/2013

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Diretoria de Pós-Graduação Divisão de Admissão e Mobilidade EDITAL PROPPG/DPG/DAM 071/2013 PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Diretoria de Pós-Graduação Divisão de Admissão e Mobilidade EDITAL PROPPG/DPG/DAM 071/2013 A PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da UNIVERSIDADE ESTADUAL DE

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI)

A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI) A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI) Os principais modelos de melhores práticas em TI Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP, ITIL

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup

Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup Serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution Installation and Startup HP Technology Services O serviço HP StoreEasy 1000/3000 and X1000/3000 Network Storage Solution fornece a

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

Servidor de OpenLAB Data Store A.02.01 Lista de Preparação do Local. Objetivo do Procedimento. Responsabilidades do cliente

Servidor de OpenLAB Data Store A.02.01 Lista de Preparação do Local. Objetivo do Procedimento. Responsabilidades do cliente Servidor Lista de Preparação de OpenLAB do Data Local Store A.02.01 Objetivo do Procedimento Assegurar que a instalação do Servidor de OpenLAB Data Store pode ser concluída com sucesso por meio de preparação

Leia mais

Este programa tem como objetivo consolidar conhecimentos sobre as melhores práticas de Governança em TI com base nos modelos propostos pela

Este programa tem como objetivo consolidar conhecimentos sobre as melhores práticas de Governança em TI com base nos modelos propostos pela GOVERNANÇA EM TI Controles do COBIT v4.1 integrados às boas práticas da ITIL v3. Requisitos das principais Normas de TI (ISO 20000 e ISO 27000) no contexto da Governança. Frameworks para outsourcing (escm-cl

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

MBA EM ARQUITETURAS DE REDES E CLOUD COMPUTING

MBA EM ARQUITETURAS DE REDES E CLOUD COMPUTING MBA EM ARQUITETURAS DE REDES E CLOUD COMPUTING Você é um profissional de infraestrutura capaz de integrar Redes, Sistemas/Software e Banco de Dados em datacenters e utilizar técnicas de virtualização em

Leia mais

Apresentação. Objetivo. Público alvo. Dados Principais. Tecnologia Abordada Microsoft SQL Server 2012

Apresentação. Objetivo. Público alvo. Dados Principais. Tecnologia Abordada Microsoft SQL Server 2012 Apresentação Este curso fornece capacitação técnica e administrativa necessária para o desenvolvimento, administração e manutenção de soluções de dados utilizando o Microsoft SQL Server 2012. O aluno terá

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

Serviço de Qualidade e Certificação

Serviço de Qualidade e Certificação República de Moçambique Ministério das Finanças CEDSIF - Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças UGEA-Unidade Gestora Executora das Aquisições UNIÃO EUROPEIA (FINANCIADO PELA UNIÃO

Leia mais

NÃO É NECESSÁRIO UMA GRANDE CASA PARA TER UM GRANDE NEGÓCIO

NÃO É NECESSÁRIO UMA GRANDE CASA PARA TER UM GRANDE NEGÓCIO NÃO É NECESSÁRIO UMA GRANDE CASA PARA TER UM GRANDE NEGÓCIO Instalações deficientes, falta de segurança, equipamentos e software obsoletos são problemas com que muitas Organizações têm que se debater no

Leia mais