Independência. Clareza. Resultados. Kinea Investimentos. Politica de Voto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Independência. Clareza. Resultados. Kinea Investimentos. Politica de Voto"

Transcrição

1 Independência. Clareza. Resultados. Kinea Investimentos Politica de Voto

2 Diretriz Geral Politica de Voto A execução da politica de voto ficará sob responsabilidade da equipe de gestão da Kinea Investimentos na figura do sócio responsável pela área, observado que o departamento de compliance da Kinea Investimentos acompanhará todo o processo e verificará se a política de voto está sendo seguida corretamente. A Kinea Investimentos como gestora de fundos imobiliários atua em benefício dos cotistas. Norteia-se pelos princípios da boa-fé, eficiência e diligência, buscando, de forma sustentável e tendo em vista o potencial retorno financeiro, as melhores condições nas operações dos fundos de investimento imobiliários sob sua gestão. Caso ocorram situações de potencial conflito de interesses envolvendo o gestor, o mesmo estará impedido de votar e, portanto, deixará de exercer o seu direito de voto.

3 Tipos de Assembleias A presente política tem por objeto disciplinar o exercício de direito de voto da Kinea Investimentos com relação aos ativos dos fundos de investimento imobiliário sob sua gestão que contemplem o direito de voto em assembleias de condomínios e assembleias de detentores de CRI ( Ativos ). Todo mês de janeiro de cada ano o gestor de operações da Kinea Investimentos elaborará o cronograma com as datas previstas das assembleias ordinárias dos Ativos em condomínio que componham a carteira dos fundos imobiliários. Para cada condomínio haverá uma assembleia ordinária anual. Temas usualmente discutidos nas assembleias ordinárias de condomínio: Aprovação do orçamento anual do condomínio Aprovação das contas do condomínio

4 Tipos de Assembleias Poderão ocorrer assembleias extraordinárias a serem convocadas quantas vezes se fizerem necessárias. Temas usualmente discutidos nas assembleias extraordinárias: Investimentos a serem realizados pelos proprietários dos imóveis Troca de administradora predial Troca do síndico de imóveis em condomínio Alteração da convenção de condomínio adotada para imóveis Alteração do regulamento Alteração do orçamento anual do condomínio Alteração da destinação das receitas de áreas comuns do imóvel Com relação ao investimento em Certificados de Recebíveis Imobiliários ( CRIs ), as assembleias dos titulares de CRIs são realizadas apenas extraordinariamente. Caso determinado CRI tenha relevância inferior a 1% do patrimônio líquido do fundo, faculta-se ao gestor a decisão de participar ou não da assembleia.

5 Fluxograma Kinea elabora cronograma anual de assembleias ordinárias Administradora ou agente fiduciário convoca assembleia ordinária ou extraordinária Kinea submete pauta da assembleia ao Comiitê Interno Comitê analisa a pauta e define como se dará o voto Preposto da Kinea vota em nome do Fundo na assembleia

6 Fluxograma Nas datas previstas no cronograma ou extraordinariamente, as administradoras prediais e os agentes fiduciários de CRIs enviarão para a Kinea Investimentos a convocação da assembleia obedecendo aos prazos estabelecidos na convenção/regulamento interno dos condomínios e termo de securitização dos CRIs, contendo a pauta a ser discutida. Assim que a Kinea Investimentos receber a convocação, será agendada reunião do Comitê Interno para discutir a pauta em até 5 dias. O Comitê Interno será composto por 3 funcionários da Kinea Investimentos sendo 1 diretor estatutário (ou alguém por ele indicado via procuração) e 2 funcionários ligados à gestão do fundo imobiliário em questão. A instalação do comitê depende da presença do diretor estatutário ou seu representante e a aprovação das matérias depende de seu voto favorável. Após discussões com as pessoas envolvidas, o Comitê Interno elaborará um memorando onde constará a o direcionamento do voto a ser exercido pelo fundo na assembleia. Após a emissão do memorando, o preposto da Kinea Investimentos receberá a orientação sobre como votar na assembleia. Após a realização da assembleia, as administradoras terão até 30 dias para enviar para a Kinea Investimentos as atas das assembleias com as decisões tomadas registradas em cartório.

7 O que será disponibilizado? Tendo em vista o caráter estratégico de algumas informações, a Kinea Investimentos, a seu exclusivo critério determinará quais informações das assembleias serão disponibilizadas aos cotistas. Informações que serão disponibilizadas pela Kinea Investimentos aos cotistas: Investimentos a serem realizados nos imóveis que individualmente excedam 5% da receita anual do fundo sob sua gestão; Decisões referentes a CRIs que correspondam a montante superior a 9,5% do valor patrimonial do Fundo; Demais matérias que o gestor julgue relevante.

8 Envio/Armazenamento das Informações Todos os arquivos relacionados às assembleias serão guardados em via digital e impressa pelo período de 5 anos. Secretaria da Kinea Investimentos será responsável pelo arquivamento dos documentos Arquivos que deverão ser armazenados pelo prazo acima: Convocação das assembleias Ata das assembleias Material suporte utilizado pelo Comitê Interno para direcionamento do voto pelo preposto (quando houver) Memorando que formaliza a orientação de voto ao preposto da Kinea Investimentos Comunicações aos cotistas envolvendo o exercício de direito de voto Fundamentos para considerar decisão como estratégica para fins de comunicação aos cotistas Outros arquivos que o gestor julgar relevantes As decisões relevantes tomadas nas assembleias de condomínio deverão ser enviadas para a ANBIMA no endereço Adicionalmente, as decisões descritas no slide anterior deverão ser publicadas no site do administrador.

Independência. Clareza. Resultados. Kinea Investimentos. Politica de Voto

Independência. Clareza. Resultados. Kinea Investimentos. Politica de Voto Independência. Clareza. Resultados. Kinea Investimentos Politica de Voto Diretriz Geral Politica de Voto A execução da politica de voto ficará sob responsabilidade da equipe de gestão da Kinea Investimentos

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS Responsável: Ricardo da Cruz Gouveia Vieira Área: Risco e Compliance Esta política de exercício de direito de voto ( Política de Voto ) tem por objetivo

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS TOV GESTÃO DE RECURSOS LTDA. ( Sociedade ) CNPJ: 12.747.548/0001-89

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS TOV GESTÃO DE RECURSOS LTDA. ( Sociedade ) CNPJ: 12.747.548/0001-89 POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS TOV GESTÃO DE RECURSOS LTDA. ( Sociedade ) CNPJ: 12.747.548/0001-89 CAPÍTULO I DEFINIÇÃO E FINALIDADE Artigo 1⁰ A presente Política de Exercício

Leia mais

Política de Exercício de Voto em Assembleias Gerais

Política de Exercício de Voto em Assembleias Gerais Política de Exercício de Voto em Assembleias Gerais Propriedade da EUROVEST ASSET MANAGEMENT LTDA. Proibida a reprodução total ou parcial deste código sem a devida autorização prévia. 27 de abril de 2016

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a Operação

Perguntas e Respostas sobre a Operação Perguntas e Respostas sobre a Operação 1. O que é a Operação? A Operação abrange um desdobramento de ações ordinárias e aumento dos direitos patrimoniais das ações preferenciais na mesma proporção, e alterações

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ HORTO GESTORA DE RECURSOS LTDA. ABRIL / 2014

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ HORTO GESTORA DE RECURSOS LTDA. ABRIL / 2014 MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ HORTO GESTORA DE RECURSOS LTDA. ABRIL / 2014 ATUALIZADO EM JUNHO / 2016 1 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez abrange todos os fundos

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS MAIO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 1.1. Objetivo... 3 1.2. Princípios Gerais... 3 1.3. Metodologia... 3 1.4. Diretor e Organograma da Área de Risco... 6

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE COTISTAS DO FIDC CADEIAS PRODUTIVAS MINAS GERAIS REALIZADA EM 17/09/2014 CNPJ: 12.987.060/0001-29

ASSEMBLEIA GERAL DE COTISTAS DO FIDC CADEIAS PRODUTIVAS MINAS GERAIS REALIZADA EM 17/09/2014 CNPJ: 12.987.060/0001-29 ASSEMBLEIA GERAL DE COTISTAS DO FIDC CADEIAS PRODUTIVAS MINAS GERAIS REALIZADA EM 17/09/2014 CNPJ: 12.987.060/0001-29 Cumprindo as diretrizes da ANBIMA e as normas de conduta do Banrisul sobre a Política

Leia mais

Fundos de Investimento em Imobiliário FII Reforma da ICVM 472

Fundos de Investimento em Imobiliário FII Reforma da ICVM 472 Fundos de Investimento em Imobiliário FII Reforma da ICVM 472 Bruno Luna Superintendência de Relações com Investidores Institucionais SIN Workshop FII ANBIMA-SP, 26/11/2015 1 As opiniões e conclusões aqui

Leia mais

BOREAL FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF n.º 08.389.335/0001-55

BOREAL FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF n.º 08.389.335/0001-55 BOREAL FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF n.º 08.389.335/0001-55 Ata da Assembleia Geral de Quotistas do Fundo realizada em 18 de junho de 2012 DATA, HORA E LOCAL: Aos 18 dias do mês de junho

Leia mais

CAPÍTULO I DA COMISSÃO, FINALIDADES E CONSTITUIÇÃO

CAPÍTULO I DA COMISSÃO, FINALIDADES E CONSTITUIÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO ELEITORAL, DE ESTATUTO, REGIMENTOS E REGULAMENTOS DA SOBED CAPÍTULO I DA COMISSÃO, FINALIDADES E CONSTITUIÇÃO Art. 1º.- A Comissão Eleitoral, de Estatuto, Regimentos e Regulamentos,

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRAS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRAS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRAS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO O Conselho de Administração da Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobras, no uso de suas atribuições

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração

Regulamento do Conselho de Administração Regulamento do Conselho de Administração Regulamento do Conselho de Administração Artigo 1.º Objeto O presente regulamento visa fixar os princípios de atuação do Conselho de Administração da Oitante, S.A.

Leia mais

Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria empreendimento imobiliário

Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria empreendimento imobiliário Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria empreendimento imobiliário O Prêmio Planeta Casa 2012 busca valorizar empresas, organizações da sociedade civil e profissionais das áreas de arquitetura,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA REGIMENTO da Comissão Permanente de Pessoal Docente da Universidade Federal de Juiz de Fora Capítulo I FINALIDADE, ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO Art.

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA PARPÚBLICA - PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS),S.A

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA PARPÚBLICA - PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS),S.A REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA PARPÚBLICA - PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS),S.A Artigo 1.º (Composição) 1. A sociedade é gerida por um conselho de administração composto por sete membros eleitos

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE. Regimento Interno do Comitê de Auditoria

SUZANO PAPEL E CELULOSE. Regimento Interno do Comitê de Auditoria SUZANO PAPEL E CELULOSE Regimento Interno do Comitê de Auditoria Este Regimento estabelece a composição, a forma de funcionamento e as competências do Comitê de Auditoria ( Comitê ) da Suzano Papel e Celulose

Leia mais

POLÍTICA FORMAL DE DECISÃO DE INVESTIMENTO, DE SELEÇÃO, DE ALOCAÇÃO DE ATIVOS E DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS

POLÍTICA FORMAL DE DECISÃO DE INVESTIMENTO, DE SELEÇÃO, DE ALOCAÇÃO DE ATIVOS E DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS POLÍTICA FORMAL DE DECISÃO DE INVESTIMENTO, DE SELEÇÃO, DE ALOCAÇÃO DE ATIVOS E DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS SG Brasil Gestora de Investimentos (Asset Management) Brasil Ltda. Versão 1.0 Junho/2016 1

Leia mais

Estado de Pernambuco

Estado de Pernambuco Estado de Pernambuco Recife, 09 de abril de 2012 GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS SEDSDH REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO ESTADUAL DE

Leia mais

COMITÊ DE BACIA DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DA BAÍA DA ILHA GRANDE CBH-BIG

COMITÊ DE BACIA DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DA BAÍA DA ILHA GRANDE CBH-BIG Anexo I EDITAL Convocação do Processo Eleitoral para composição das vagas restantes no Plenário do Comitê de Bacia da Região Hidrográfica da Baía da Ilha Grande Biênio 2012-2014 CBH-BIG O Comitê de Bacias

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3921 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3921 RESOLVEU: RESOLUÇÃO Nº 3921 Dispõe sobre a política de remuneração de administradores das instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO

BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO OBJETO Art. 1º. O presente Regimento Interno ( Regimento ), elaborado com base nas melhores práticas de governança corporativa,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE SUPERVISÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE SUPERVISÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO ARTIGO 1º - Este Regimento Interno tem por objetivo disciplinar o funcionamento do Conselho de Supervisão da BM&FBOVESPA Supervisão de Mercados ( BSM ), sendo as suas disposições

Leia mais

MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO

MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO Prezados Acionistas, A Marfrig Global Foods S.A., em conformidade com suas políticas de governança corporativa e respeitando a transparência para com seus investidores, convida

Leia mais

Informe Técnico Agência das Bacias PCJ n 01/2015

Informe Técnico Agência das Bacias PCJ n 01/2015 Informe Técnico Agência das Bacias PCJ n 01/2015 Procedimentos e Requisitos Necessários para a Solicitação de inclusão no Mecanismo Diferenciado de Pagamento Abatimento do ValorDBO, referente a cobrança

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NEW BRANDING INNOVATION MBA EAD 2º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NEW BRANDING INNOVATION MBA EAD 2º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NEW BRANDING INNOVATION MBA EAD 2º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para

Leia mais

Regulamento de realização de referendo interno. Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se à realização de referendos internos.

Regulamento de realização de referendo interno. Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se à realização de referendos internos. Regulamento de realização de referendo interno Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se à realização de referendos internos. Artigo 2.º Tipos de referendos internos 1. Os referendos

Leia mais

Perguntas e Respostas mais Frequentes sobre a CIPA

Perguntas e Respostas mais Frequentes sobre a CIPA Perguntas e Respostas mais Frequentes sobre a CIPA Entre estes questionamentos estão os feitos na videoconferência O que é CIPA? R: A CIPA é uma comissão constituída por empregados que consiste, basicamente,

Leia mais

DECRETO Nº 4.613, DE 11 DE MARÇO DE

DECRETO Nº 4.613, DE 11 DE MARÇO DE DECRETO Nº 4.613, DE 11 DE MARÇO DE 2003 (Publicado no Diário Oficial de 12 de março de 2003) com nova redação dada pelo DECRETO Nº 5.263, de 05 de novembro de 2004 (Publicado no Diário Oficial de 06 de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Julho/2015 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Art. 1º. O Comitê de Governança Corporativa

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS CADEIAS PRODUTIVAS DE MINAS GERAIS CNPJ/MF n.º 12.987.060/0001-29

FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS CADEIAS PRODUTIVAS DE MINAS GERAIS CNPJ/MF n.º 12.987.060/0001-29 FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS CADEIAS PRODUTIVAS DE MINAS GERAIS CNPJ/MF n.º 12.987.060/0001-29 Ata da Assembleia Geral Extraordinária de Cotistas realizada em 19 de abril de 2013 1. DATA,

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS BANCO GMAC FINANCIAMENTO A CONCESSIONÁRIAS CNPJ nº 09.577.075/0001-04

FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS BANCO GMAC FINANCIAMENTO A CONCESSIONÁRIAS CNPJ nº 09.577.075/0001-04 FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS BANCO GMAC FINANCIAMENTO A CONCESSIONÁRIAS CNPJ nº 09.577.075/0001-04 Ata da Assembleia Geral de Cotistas do Fundo realizada em 9 de dezembro de 2013 DATA

Leia mais

Edital de Eleição para formação do Conselho de Usuários da Nextel Telecomunicações LTDA

Edital de Eleição para formação do Conselho de Usuários da Nextel Telecomunicações LTDA Edital de Eleição para formação do Conselho de Usuários da Nextel Telecomunicações LTDA Triênio 2014/2016 São Paulo, 20 de setembro de 2014 A Comissão Eleitoral, no uso de suas atribuições legais, de acordo

Leia mais

COMISSÃO BRASILEIRA DE AGRICULTURA DE PRECISÃO REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA EXECUTIVA

COMISSÃO BRASILEIRA DE AGRICULTURA DE PRECISÃO REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA EXECUTIVA COMISSÃO BRASILEIRA DE AGRICULTURA DE PRECISÃO REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA EXECUTIVA CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º - À Comissão Brasileira de Agricultura de Precisão (CBAP), órgão específico

Leia mais

Se você for substituir o seu bem por um USADO, providenciar a vistoria do bem (se for um bem NOVO, passar para o 2º passo)

Se você for substituir o seu bem por um USADO, providenciar a vistoria do bem (se for um bem NOVO, passar para o 2º passo) Orientações para Substituição de Garantia Bens Móveis Nesse documento você encontra todas as orientações para concluir a substituição do bem adquirido no Consórcio, de maneira ágil e fácil. Esse processo

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS, Rateio e Divisão de Ordens

MANUAL DE POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS, Rateio e Divisão de Ordens MANUAL DE POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS, Rateio e Divisão de Ordens Junho de 2016 1. OBJETIVOS 2. ENTIDADES/ARÉAS ENVOLVIDAS 3. REGRAS E PARÂMETROS 4. OPERACIONALIZAÇÃO DE ORDENS 4.1. Tipos

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÂO CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÂO CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO - DAGA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Telefone: (41) 3360-4360 Fax: (41) 3360-4360 REGULAMENTO DE

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PESSOAL

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PESSOAL POLÍTICA DE INVESTIMENTO PESSOAL MAIO DE 2016 Sumário POLÍTICA DE INVESTIMENTO PESSOAL... 3 1 Aplicabilidade... 3 2 Objetivo... 3 3 Princípios Norteadores dos Investimentos Pessoais... 4 4 Regras Gerais...

Leia mais

ANEXO I PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES - ANO FISCAL 2016 FLEURY S.A. CNPJ/MF 60.840.055/0001-31

ANEXO I PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES - ANO FISCAL 2016 FLEURY S.A. CNPJ/MF 60.840.055/0001-31 ANEXO I PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES - ANO FISCAL 2016 FLEURY S.A. CNPJ/MF 60.840.055/0001-31 25 de julho de 2016 Anexo à ata da Assembleia Geral Extraordinária realizada em 25 de julho de 2016 O

Leia mais

RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL (RAN) REGULAMENTO INTERNO DA ENTIDADE REGIONAL DA RAN DO CENTRO (ER-RAN.C)

RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL (RAN) REGULAMENTO INTERNO DA ENTIDADE REGIONAL DA RAN DO CENTRO (ER-RAN.C) RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL (RAN) REGULAMENTO INTERNO DA ENTIDADE REGIONAL DA RAN DO CENTRO (ER-RAN.C) (Artigo 35º do Decreto - Lei n.º 73/2009, de 31 de Março) O DL 73/2009,de 31 de Março, veio introduzir

Leia mais

CÓDIGO CIVIL CAPÍTULO VII DO CONDOMÍNIO EDILÍCIO. Seção I. Disposições Gerais

CÓDIGO CIVIL CAPÍTULO VII DO CONDOMÍNIO EDILÍCIO. Seção I. Disposições Gerais CÓDIGO CIVIL CAPÍTULO VII DO CONDOMÍNIO EDILÍCIO Seção I Disposições Gerais Art. 1.331. Pode haver, em edificações, partes que são propriedade exclusiva, e partes que são propriedade comum dos condôminos.

Leia mais

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Olímpia/SP

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Olímpia/SP Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Olímpia/SP EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Olímpia, entidade sindicato de primeiro

Leia mais

POLO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS I. CNPJ/MF n.º 14.080.689/0001-16

POLO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS I. CNPJ/MF n.º 14.080.689/0001-16 POLO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS I CNPJ/MF n.º 14.080.689/0001-16 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL DE COTISTAS REALIZADA EM 10 DE SETEMBRO DE 2014 DATA, HORA E LOCAL: Aos dez dias

Leia mais

AGFA FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES. CNPJ/MF n.º 10.566.009/0001-18 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL DE COTISTAS REALIZADA EM 13 DE NOVEMBRO DE 2013

AGFA FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES. CNPJ/MF n.º 10.566.009/0001-18 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL DE COTISTAS REALIZADA EM 13 DE NOVEMBRO DE 2013 AGFA FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF n.º 10.566.009/0001-18 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL DE COTISTAS REALIZADA EM 13 DE NOVEMBRO DE 2013 DATA, HORA E LOCAL: Aos treze dias do mês de novembro

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA EXECUTIVA DE FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO PORTARIA GSEF - Nº 240/2005.

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA EXECUTIVA DE FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO PORTARIA GSEF - Nº 240/2005. PORTARIA GSEF - Nº 240/2005. O SECRETÁRIO EXECUTIVO DE FAZENDA, no uso de suas atribuições legais, CONSIDERANDO a necessidade de rever o modelo de gestão da Secretaria Executiva de Fazenda, institucionalizado

Leia mais

Seleção: Dinâmica de Grupo com as Diretorias acontecerá no dia 16 de abril 2016, de 09h ás 12h. Local: FS- Faculdade de Ciências da Saúde.

Seleção: Dinâmica de Grupo com as Diretorias acontecerá no dia 16 de abril 2016, de 09h ás 12h. Local: FS- Faculdade de Ciências da Saúde. PROCESSO SELETIVO 1/2016 PARA PROGRAMA TRAINEE TERAPEUTICA JR. A Terapêutica Empresa Júnior de Farmácia da Universidade de Brasília faz saber que estão abertas as inscrições para candidatos ao Processo

Leia mais

SC SKY FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS FINANCIAMENTO A CONCESSIONÁRIAS CNPJ/MF Nº 12.796.046/0001-48

SC SKY FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS FINANCIAMENTO A CONCESSIONÁRIAS CNPJ/MF Nº 12.796.046/0001-48 SC SKY FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS FINANCIAMENTO A CONCESSIONÁRIAS CNPJ/MF Nº 12.796.046/0001-48 ATA DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE COTISTAS REALIZADA EM 9 DE DEZEMBRO DE 2014

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA REUNIÃO DE MINISTRAS E ALTAS AUTORIDADES DA MULHER DO MERCOSUL

REGULAMENTO INTERNO DA REUNIÃO DE MINISTRAS E ALTAS AUTORIDADES DA MULHER DO MERCOSUL MERCOSUL/RMAAM/P.RES. N /12 REGULAMENTO INTERNO DA REUNIÃO DE MINISTRAS E ALTAS AUTORIDADES DA MULHER DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, o Protocolo de Ushuaia

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 9 PROPOSTA REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA PREÂMBULO A Lei n,º 33/98, de 18 de Julho, veio criar os Conselhos Municipais de Segurança, qualificando-os de entidades de natureza

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA EMPRESARIAL

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA EMPRESARIAL CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA EMPRESARIAL As Indústrias Romi S.A. ( ROMI ou Companhia ) têm os seus negócios orientados por um conjunto de valores que observam os mais elevados padrões éticos e morais. Todos

Leia mais

Art. 1º O Concurso AGIR é uma iniciativa do GOB-PR a ser realizado bienalmente, quando do seu Congresso. Tem como objetivos principais:

Art. 1º O Concurso AGIR é uma iniciativa do GOB-PR a ser realizado bienalmente, quando do seu Congresso. Tem como objetivos principais: CAPÍTULO 1 DOS OBJETIVOS Art. 1º O Concurso AGIR é uma iniciativa do GOB-PR a ser realizado bienalmente, quando do seu Congresso. Tem como objetivos principais: Divulgar ações filantrópicas, fraternas,

Leia mais

POLÍTICA GERAL E SERVIÇO PESSOAL

POLÍTICA GERAL E SERVIÇO PESSOAL POLÍTICA GERAL E SERVIÇO PESSOAL POLÍTICA CORPORATIVA 2 Área responsável Vice-Presidência aprovação Diretor responsável Gestor responsável Recursos Humanos Vice-Presidência Administrativa, Financeira e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 39/2002 CSPP RESOLVE: Juiz de Fora, 29 de agosto de 2002. Prof. Dr. Murilo Gomes Oliveira Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa

RESOLUÇÃO Nº. 39/2002 CSPP RESOLVE: Juiz de Fora, 29 de agosto de 2002. Prof. Dr. Murilo Gomes Oliveira Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa CONSELHO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA RESOLUÇÃO Nº. 39/2002 CSPP Ética para Trabalho Científico com Animais na Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF O Conselho Setorial de Pós-Graduação e

Leia mais

DESENVIX ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CNPJ/MF n 00.622.416/0001-41 NIRE n 423.001.413.86

DESENVIX ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CNPJ/MF n 00.622.416/0001-41 NIRE n 423.001.413.86 DESENVIX ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CNPJ/MF n 00.622.416/0001-41 NIRE n 423.001.413.86 PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA A REALIZAR-SE NO DIA 21 DE JANEIRO DE 2015 EM ATENDIMENTO

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO. Siguler Guff Brasil Gestora de Investimentos (Asset Management) Brasil Ltda.

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO. Siguler Guff Brasil Gestora de Investimentos (Asset Management) Brasil Ltda. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO Siguler Guff Brasil Gestora de Investimentos (Asset Management) Brasil Ltda. Versão 1.0 Junho / 2016 INTRODUÇÃO A Política de Gestão de Risco tem como objetivo definir os procedimentos

Leia mais

Do Condomínio Geral. Seção I Do Condomínio Voluntário. Subseção I Dos Direitos e Deveres dos Condôminos

Do Condomínio Geral. Seção I Do Condomínio Voluntário. Subseção I Dos Direitos e Deveres dos Condôminos Do Condomínio Geral Lei no 4.591, de 16-12-1964 (Lei do Condomínio e Incorporações). Seção I Do Condomínio Voluntário Subseção I Dos Direitos e Deveres dos Condôminos Capítulo VII Do Condo mínio Edilício

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objetivos e Duração

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objetivos e Duração ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objetivos e Duração Art. 1º - Sob a denominação de ACONTAR - Associação dos Contabilistas de Atibaia e Região, fica constituída uma associação, sem fins

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Gestão de Riscos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Gestão de Riscos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Gestão de Riscos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS... 2 (A) Aplicação e Objeto... 2 (B) Princípios... 2 (C) Metodologia... 3 (D) Organograma

Leia mais

GUIA PARA ACOMPANHAMENTO DOS PROJETOS APROVADOS COMPONENTE 4

GUIA PARA ACOMPANHAMENTO DOS PROJETOS APROVADOS COMPONENTE 4 FUNDO MULTILATERAL DE INVESTIMENTOS PROGRAMA REGIONAL DE FORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL COM INCLUSÃO SOCIAL- ConectaDEL GUIA PARA ACOMPANHAMENTO DOS PROJETOS APROVADOS COMPONENTE 4 1.

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Comitê Gestor da Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos, nos termos do anexo a esta Resolução.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Comitê Gestor da Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos, nos termos do anexo a esta Resolução. RESOLUÇÃO N o 01, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento Interno do Comitê Gestor da Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos. O COMITÊ GESTOR DA REDE INTEGRADA DE BANCOS DE PERFIS GENÉTICOS,

Leia mais

PORTARIA Nº 53, DE 13 DE JUNHO DE 2008.

PORTARIA Nº 53, DE 13 DE JUNHO DE 2008. PORTARIA Nº 53, DE 13 DE JUNHO DE 2008. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições legais que lhe conferem os incisos I, XII e XIII do art. 19 da Lei nº 9.503, de

Leia mais

Aprova o Regimento Interno do Fundo Estadual de Recursos para o Meio Ambiente - FERFA.

Aprova o Regimento Interno do Fundo Estadual de Recursos para o Meio Ambiente - FERFA. RESOLUÇÃO Nº 001 DE 07 DE OUTUBRO DE 2010. Aprova o Regimento Interno do Fundo Estadual de Recursos para o Meio Ambiente - FERFA. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO FUNDO ESTADUAL DE RECURSOS PARA O MEIO AMBIENTE,

Leia mais

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Resolução n o 623, de 18 de Outubro de 2013 1. Qual a Resolução que trata sobre Conselho de Usuários e onde ela está disponível? Trata-se da Resolução n

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ 2 Introdução Este manual tem como objetivo apresentar o tratamento de risco de liquidez utilizado pela Azimut Brasil Wealth Management Ltda. ( AZBWM ), tendo

Leia mais

PROJETO DE LEI 00/2015 Cria o Conselho Estadual de Juventude CEJUV/RN e dá outras providências. CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DAS COMPETÊNCIAS

PROJETO DE LEI 00/2015 Cria o Conselho Estadual de Juventude CEJUV/RN e dá outras providências. CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DAS COMPETÊNCIAS PROJETO DE LEI 00/2015 Cria o Conselho Estadual de Juventude CEJUV/RN e dá outras providências. CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DAS COMPETÊNCIAS Art. 1º. O Conselho Estadual de Juventude do Rio Grande do Norte,

Leia mais

PREFEITURA DE CONTAGEM. SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Rua Portugal, 20 Bairro: Novo Glória CEP: 32.340-010 CONCURSO CULTURAL

PREFEITURA DE CONTAGEM. SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Rua Portugal, 20 Bairro: Novo Glória CEP: 32.340-010 CONCURSO CULTURAL PREFEITURA DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Rua Portugal, 20 Bairro: Novo Glória CEP: 32.340-010 CONCURSO CULTURAL CRIAÇÃO DE PAINEL ARTÍSTICO COM O TEMA - A MOBILIDADE NO MEU BAIRRO EDITAL

Leia mais

CONSELHO FISCAL REGULAMENTO

CONSELHO FISCAL REGULAMENTO CONSELHO FISCAL REGULAMENTO (Aprovado na reunião do Conselho Fiscal de 5 de Março de 2009, com alterações introduzidas nas reuniões de 21 de Maio de 2009, de 19 de Julho de 2010, 28 de Setembro de 2011

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS V2 INVESTIMENTOS LTDA.

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS V2 INVESTIMENTOS LTDA. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS V2 INVESTIMENTOS LTDA. JUNHO / 2016 I OBJETIVO A Política de Gestão de Riscos ( Política ) da V2 Investimentos Ltda. ( V2 Investimentos ) tem o objetivo de definir os procedimentos

Leia mais

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE PROTOCOLO PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO O manual foi devidamente aprovado através do Decreto 60.334, de 03/04/2014 com o objetivo de PADRONIZAR

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DE INVESTIMENTO NO VAREJO

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DE INVESTIMENTO NO VAREJO CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DE INVESTIMENTO NO VAREJO DIRETRIZES PARA ENVIO DE INFORMAÇÕES À BASE DE DADOS DATA VIGÊNCIA: 17/12/2014 CAPÍTULO I -

Leia mais

FUNDO ESTADUAL DE CULTURA EDITAL DE CONVOCAÇÃO DAS CÂMARAS SETORIAIS PARITÁRIAS EDITAL CSP 01/2012

FUNDO ESTADUAL DE CULTURA EDITAL DE CONVOCAÇÃO DAS CÂMARAS SETORIAIS PARITÁRIAS EDITAL CSP 01/2012 FUNDO ESTADUAL DE CULTURA EDITAL DE CONVOCAÇÃO DAS CÂMARAS SETORIAIS PARITÁRIAS EDITAL CSP 01/2012 O Secretário de Estado de Cultura, no uso de suas atribuições legais e em consonância com a Lei nº 15.975/2006,

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA. TELOS - Fundação Embratel de Seguridade Social

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA. TELOS - Fundação Embratel de Seguridade Social REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA TELOS - Fundação Embratel de Seguridade Social 1 CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II DO GLOSSÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO III DAS FONTES E LIMITES DE CUSTEIO ADMINISTRATIVO

Leia mais

SELETIVA OLIMPÍADA RIO 2016

SELETIVA OLIMPÍADA RIO 2016 SELETIVA OLIMPÍADA RIO 2016 Versão 2.0 (10/11/2015) DA COMPOSIÇÃO DA EQUIPE OLÍMPICA ARTIGO 1 O presente documento tem por finalidade estabelecer as regras do Sistema de Seletiva para vaga na Seleção Brasileira

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DAYCOVAL ORBIS MACRO FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO Versão: 1.0 Competência: 29/04/2016 Data de Geração: 29/05/2016 CNPJ/MF

Leia mais

Prêmio de TI do sistema Unimed

Prêmio de TI do sistema Unimed UNIMED DO BRASIL Prêmio de TI do sistema Unimed Regulamento Tecnologia da Informação 04/06/2013 Versão 1.4 04/06/2013 O objetivo deste documento é esclarecer o regulamento e os critérios que serão utilizados

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA VALE S.A.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA VALE S.A. REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA VALE S.A. O Conselho de Administração da Vale S.A. ("Vale" ou "Sociedade"), no uso de suas atribuições, aprovou o Regimento Interno do Conselho de Administração

Leia mais

CONVOCATÓRIA PARA A PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS NO NÚMERO ESPECIAL DA REVISTA TIP BRASIL

CONVOCATÓRIA PARA A PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS NO NÚMERO ESPECIAL DA REVISTA TIP BRASIL CONVOCATÓRIA PARA A PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS NO NÚMERO ESPECIAL DA REVISTA TIP BRASIL Brasil: um gigante paradiplomático A Revista Trabajos de Investigación en Paradiplomacia, TIP, abre convocatória para

Leia mais

5 - O que significa ser voltado para orientação, análise e avaliação dos serviços?

5 - O que significa ser voltado para orientação, análise e avaliação dos serviços? 1 - Qual é a Resolução que fala sobre os Conselhos de Usuários? Resolução N o 623, de 18 de Outubro de 2013, e pode ser encontrada no site da ANATEL (www.anatel.gov.br) 2 - O que é o Conselho de Usuários?

Leia mais

1 O Seminário do Programa de Pós- Graduação em Engenharia Civil da UTFPR, Campus Pato Branco

1 O Seminário do Programa de Pós- Graduação em Engenharia Civil da UTFPR, Campus Pato Branco 15 e 16 de setembro de 2016 1. Introdução O programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil realizará entre 15 e 16 de setembro de 2016 o 1 o Seminário do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil da.

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COMISSÃO INTERGESTORES BIPARTITE REGIMENTO INTERNO

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COMISSÃO INTERGESTORES BIPARTITE REGIMENTO INTERNO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COMISSÃO INTERGESTORES BIPARTITE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO ART. 1º - A Comissão Intergestores Bipartite, instituída através da Portaria

Leia mais

I 02 (dois) representantes do Poder Público Municipal, sendo:

I 02 (dois) representantes do Poder Público Municipal, sendo: LEI MUNICIPAL Nº 1.022, DE 03 DE MAIO DE 2016. Dispõe sobre o Conselho Municipal da Cidade do Município de Tabaporã /MT e dá outras providências. Art. 1º O Conselho Municipal da Cidade de Tabaporã/MT é

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n.º /06 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira que expresso em termos de valores, para um período de tempo definido,

Leia mais

Rua Armando Salles de Oliveira, 473 Vila Todos os Santos 13330-585 Indaiatuba SP PABX: (19) 3825-4600 www.seprev.com.br CNPJ 68.004.

Rua Armando Salles de Oliveira, 473 Vila Todos os Santos 13330-585 Indaiatuba SP PABX: (19) 3825-4600 www.seprev.com.br CNPJ 68.004. RESOLUÇÃO Nº 150 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009 O CONSELHO ADMINISTRATIVO DO SEPREV Serviço de Previdência e Assistência Social dos Funcionários Municipais de Indaiatuba, usando das atribuições que lhe são

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA ALMACO

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA ALMACO ALMACO A ALMACO ASSOCIAÇÃO LATINO-AMERICANA DE MATERIAIS COMPÓSITOS e suas Associadas resolvem estabelecer e consolidar o presente CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA, consoante o estabelecido abaixo : Considerando

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM 01, de 03 de janeiro de 2006

RESOLUÇÃO CNRM 01, de 03 de janeiro de 2006 RESOLUÇÃO CNRM 01, de 03 de janeiro de 2006 Dispõe sobre a estrutura, organização e funcionamento das Comissões Estaduais de Residência Médica O PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA - CNRM,

Leia mais

COMISSÃO DE GESTÃO DO EDIFÍCIO SADO

COMISSÃO DE GESTÃO DO EDIFÍCIO SADO DO EDIFÍCIO 1.º Objecto do presente regulamento O presente regulamento tem por objecto a fixação das competências da Comissão de Gestão do Edifício Sado (de ora em diante, CGES), a fixação das normas de

Leia mais

Orientações sobre Convenções

Orientações sobre Convenções Orientações sobre Convenções Companheiras, companheiros, O período de Convenções, de 20 de julho a 05 de agosto, está se aproximando e queremos alertar os Diretórios sobre as exigências legais a serem

Leia mais

Artigo 2º - O FUNDO destina-se a acolher investimentos de investidores em geral, a critério da ADMINISTRADORA, doravante designados, Cotista.

Artigo 2º - O FUNDO destina-se a acolher investimentos de investidores em geral, a critério da ADMINISTRADORA, doravante designados, Cotista. FUNDO Artigo 1º - O Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento CAIXA OAB Renda Fixa Crédito Privado Longo Prazo, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é um Fundo de Investimento em

Leia mais

Perguntas Frequentes Edital de Seleção Pública nº 2014/005 - Redes ECOFORTE

Perguntas Frequentes Edital de Seleção Pública nº 2014/005 - Redes ECOFORTE Perguntas Frequentes Edital de Seleção Pública nº 2014/005 - Redes ECOFORTE 1 - Universidade, ONG, Conselho de Desenvolvimento Territorial e Instituição de Assistência Técnica que fazem trabalhos em parceria

Leia mais

LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA

LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA LEYA BIKES CARTA- CONVITE LICITAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA 1. OBJETO 1.1. A LEYA BIKES S.A realizará licitação para a prestação dos serviços de Consultoria em Comunicação, levando em conta

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O Comitê de Ética em Pesquisa da União das Instituições de Serviço, Ensino e Pesquisa Ltda - UNISEPE - CEP-UNISEPE, é órgão

Leia mais

CAMPANHA CELSO LISBOA JORNAL EXTRA REGULAMENTO

CAMPANHA CELSO LISBOA JORNAL EXTRA REGULAMENTO CAMPANHA CELSO LISBOA JORNAL EXTRA REGULAMENTO 1. Esta campanha é uma promoção realizada em parceria pela INFOGLOBO COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A. (Infoglobo), empresa sediada na capital do estado do

Leia mais

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR 1 Preâmbulo O presente regimento interno, adiante designado por regimento, é o documento que define o regime de funcionamento

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 01/2016 CONCURSO PARA INGRESSO DE MONITOR

CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 01/2016 CONCURSO PARA INGRESSO DE MONITOR 1 CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 01/2016 A Coordenação do Curso de Engenharia de Produção da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições

Leia mais

AUDITORIA INTERNA Secretaria de Educação

AUDITORIA INTERNA Secretaria de Educação 1. Objetivo Esta norma estabelece o procedimento, requisitos básicos e a metodologia a ser obedecida para o planejamento, a execução e o registro de auditorias internas do Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira - IMIP Escola de Pós-Graduação em Saúde Materno Infantil Instituição Civil Filantrópica

Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira - IMIP Escola de Pós-Graduação em Saúde Materno Infantil Instituição Civil Filantrópica EDITAL O Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira IMIP em parceria com a Faculdade Pernambucana de Saúde FPS tornam público que será realizada, SELEÇÃO DE TÍTULOS para vagas dos Programas

Leia mais

Ministério da Saúde Secretária de Vigilância em Saúde Comitê de Ética em Pesquisa do Instituto Evandro Chagas. Regimento Interno

Ministério da Saúde Secretária de Vigilância em Saúde Comitê de Ética em Pesquisa do Instituto Evandro Chagas. Regimento Interno Ministério da Saúde Secretária de Vigilância em Saúde Comitê de Ética em Pesquisa do Instituto Evandro Chagas Regimento Interno Capítulo I Categoria e Finalidade Art. 1º. O Comitê de Ética em Pesquisa

Leia mais

Manual de Processo de Licitações

Manual de Processo de Licitações T Manual de Processo de Licitações Processos e Conformidade 6/2/2015 1 SUMÁRIO 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA...3 3. DESENHO...4 4. PASSO A PASSO...5 5. FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES...9 6/2/2015 2 1. OBJETIVO

Leia mais

REGULAMENTO DO CHAVEIRO DA CASA DO ESTUDANTE DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DO CHAVEIRO DA CASA DO ESTUDANTE DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Regulamento do Chaveiro da Casa do Estudante 2012 REGULAMENTO DO CHAVEIRO DA CASA DO ESTUDANTE DA ASSOCIAÇÃO ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Preâmbulo A Casa do Estudante, Loja e Arrumos, bem como

Leia mais

REGULAMENTO DOS CONSELHOS DE CLASSE

REGULAMENTO DOS CONSELHOS DE CLASSE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE QUÍMICA DE NILÓPOLIS - RJ REGULAMENTO DOS CONSELHOS DE CLASSE Anexo à Portaria nº 093,

Leia mais