PROMOVE NOÇÕES DA CADEIA DE PETRÓLEO 2 MEIO AMBIENTE

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROMOVE NOÇÕES DA CADEIA DE PETRÓLEO 2 MEIO AMBIENTE"

Transcrição

1 2 MEIO AMBIENTE

2 2 MEIO AMBIENTE 2.a INTRODUÇÃO: Uma das principais preocupações do Século XXI Qualidade de vida Criação de cursos superiores na área ambiental Valorização do profissional Surgimento de Leis, normas e resoluções Necessidade empresarial: se adequar às regras!

3 2 MEIO AMBIENTE 2.a INTRODUÇÃO: A Cadeia de Produção do Petróleo: Alto Potencial Poluidor (vazamentos, emissões, resíduos...) Efeitos decorrentes da Poluição Atmosférica: - Agressão à saúde(visão; Sist. Respiratório, Cardiovascular...) - Impacto sobre Materiais - Redução de Visibilidade - Geração de Odores - Efeitos Globais (Aquecimento, Instabilidade...)

4 2 MEIO AMBIENTE 2.b IMPACTOS AMBIENTAIS: Principais Impactos decorrentes da Cadeia de Petróleo: O processo de Refino ( Intenso e Contínuo) Emissões Atmosféricas Efluentes Hídricos Resíduos Sólidos Acidentes (na Perfuração, Extração, no Refino...)

5 2 MEIO AMBIENTE 2.b IMPACTOS AMBIENTAIS: Água: Monitoramento tanto da utilizada quanto da descartada Problemas associados a uma má política de manutenção: - Fonte de doenças - Escassez da água de boa qualidade - Elevação do custo de tratamento - Prejuízo à vida aquática local

6 2 MEIO AMBIENTE 2.c ATIVIDADES COMPENSATÓRIAS: Substituição de tanques de teto fixo pelos de teto flutuante Otimização dos processos reduz emissões de poluentes Utilização de combustíveis menos poluidores para geração de calor Constante manutenção de equipamentos (boas prática de operação) Prioridade a processos menos agressivos sempre que possível Processamento de Petróleos com baixos teores de Enxofre sempre que possível e viável

7 2 MEIO AMBIENTE 2.d LEGISLAÇÃO: Leis, Resoluções, Normas técnicas Controle das atividades Industriais: Reduzir Impactos Ambientais Regulamentar as Especificações dos Produtos

8

9 3.a PROSPECÇÃO: Procura Sistematizada por Reservatórios de Petróleo Análises Geológicas Métodos Geofísicos Sísmico Magnético Gravimétrico Aero fotométrico

10 3.a PROSPECÇÃO: Método Sísmico Principio da propagação e reflexão de ondas sonoras As ondas são produzidas artificialmente

11 3.a PROSPECÇÃO: Método Magnético Equipamento: Magnetômetro Identificação da presença de metais ferrosos Rochas vulcânicas base para a deposição sedimentar Mapa magnético

12 3.a PROSPECÇÃO: Método Gravimétrico Equipamento: Gravímetro relativo Baseado na Relação: Campo gravitacional Densidade (superfície) (subterrâneo) É um dos métodos menos custosos

13 3.a PROSPECÇÃO: Método Aero fotométrico Satélites Fotografias da superfície Baseado nas fotografias: Computadores Mapa da região subterrânea

14 3.a PROSPECÇÃO: Outros Métodos Geofísicos Elétrico Eletromagnético Radioativo

15 3.b PERFURAÇÃO: Estudo Inicial Viabilidade Técnica (Local do reservatório / Equipamentos) Viabilidade Econômica (Riscos / Gastos) Impactos Ambientais

16 3.b PERFURAÇÃO: Análise da Rocha Geometria das rochas Permeabilidade Porosidade Espessura Granulometria (variedade de diâmetro dos grãos) Fator de compressibilidade

17 3.b PERFURAÇÃO: Componentes da Sonda (Torre de Perfuração) Broca Coluna de revestimento Coluna de produção Válvulas de Controle

18 3.b PERFURAÇÃO: Sonda (Torre de Perfuração)

19 3.b PERFURAÇÃO: Broca (Triturador)

20 3.b PERFURAÇÃO: A Lama de Perfuração Bombeada através de bombas volumétricas triplex A lama percorre o caminho até o fundo da sonda (pelo centro) e retorna à superfície (pelas bordas) A composição pode ser: - Baseada em água - Baseada em óleo - Baseada em emulsão (óleo-água)

21 3.b PERFURAÇÃO: Mecanismo de Perfuração 1- Inserção da Sonda 2- Modo Rotatório 3- O peso da Coluna de Perfuração auxilia a Broca na trituração 4- Adição da Lama 5- Análise periódica do material triturado

22 3.b PERFURAÇÃO: Mecanismo de Perfuração 6- Completação 7- Cimentação 8- Canhoneio 9- Coluna de Produção condução dos fluidos à superfície 10- Controle das válvulas

23 3.b PERFURAÇÃO: Tipos de Perfuração Onshore Offshore (transição da perfuração onshore para offshore)

24 3.b PERFURAÇÃO: Tipos de plataformas de exploração Offshore: Fixa Auto-elevável Semi-submersível Navios-sonda

25 3.b PERFURAÇÃO: Possíveis Complicações Quebra de peça Poço seco Necessidade de mudança de direção na perfuração

26 3.b PERFURAÇÃO: Possíveis Complicações Kicks (fluxo descontrolado de fluidos do reservatório para o poço) Prisão de Coluna

A estrutura da Terra

A estrutura da Terra A estrutura da Terra As descontinuidades nas velocidades das ondas sísmicas indicam a presença de camadas na Terra. - Descontinuidade de Mohorovicíc (Moho): profundidade de algumas dezenas de km (38 a

Leia mais

Curso de Petróleo e Gás Natural

Curso de Petróleo e Gás Natural Curso de Petróleo e Gás Natural Autor: Prof. Eng. Octávio Mathedi Instituição de Ensino: METHODUS - Ensino a Distância http://www.methoduscursos.com.br Descrição: O curso de Petróleo e Gás Natural foi

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: ENGENHARIA DE PETRÓLEO SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia de Petróleo da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnica nas áreas

Leia mais

Soluções tecnológicas para o setor elétrico

Soluções tecnológicas para o setor elétrico Soluções tecnológicas para o setor elétrico O IPT dispõe de uma grande variedade de competências tecnológicas e infraestrutura moderna para apoiar os projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação das

Leia mais

Combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás natural*) Hidroelétricas Energia nuclear Solar Eólica Biomassa

Combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás natural*) Hidroelétricas Energia nuclear Solar Eólica Biomassa Combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás natural*) Hidroelétricas Energia nuclear Solar Eólica Biomassa São substâncias de origem compostos de carbono mineral, formados pelos São originados

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 04. Plataformas Flutuantes Parte 1

PLATAFORMAS MARÍTIMAS. Aula 04. Plataformas Flutuantes Parte 1 PLATAFORMAS MARÍTIMAS Aula 04 Plataformas Flutuantes Parte 1 INTRODUÇÃO Produzir Plataformas Flutuantes Armazenar Produzir e Armazenar INTRODUÇÃO Plataformas Flutuantes Semi-Submersível FPSO TLP SPAR Semi-Submersível

Leia mais

Steel Cord. Introdução

Steel Cord. Introdução Steel Cord Introdução Cabo de aço é um tipo de corda feita de vários arames de aço enrolados em forma de hélice. Quando foi inventado, era comum a utilização de ferro forjado na fabricação destes arames,

Leia mais

FREE PHASE REMOVAL BY IN SITU HEATING

FREE PHASE REMOVAL BY IN SITU HEATING V Seminário Internacional sobre Remediação e Revitalização de Áreas Contaminadas São Paulo, 5 a 7 de Novembro de 2007 REMOÇÃO DE FASE LIVRE POR AQUECIMENTO IN SITU FREE PHASE REMOVAL BY IN SITU HEATING

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Curso de Graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental Grade Curricular válida a partir de 29/11/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Curso de Graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental Grade Curricular válida a partir de 29/11/2011 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Curso de Graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental Grade Curricular válida a partir de 29/11/2011 Natureza Créditos Horas-aula Disciplinas Obrigatórias 210 3.150

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE TECNOLGIA FT

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE TECNOLGIA FT UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE TECNOLGIA FT Disciplina: CET- 0307 - Amostragens e Análises Físico-Químicas de Ar, Águas de Abastecimento e Residuárias e Solo. 1 RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA

Leia mais

USO DA CASCA DA BANANA COMO BIOADSORVENTE EM LEITO DIFERENCIAL NA ADSORÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS

USO DA CASCA DA BANANA COMO BIOADSORVENTE EM LEITO DIFERENCIAL NA ADSORÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS USO DA CASCA DA BANANA COMO BIOADSORVENTE EM LEITO DIFERENCIAL NA ADSORÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS COSTA, Franciele Oliveira. 1 SILVA, André Miranda. 1 CARVALHO, Emanoel da Silva. 1 SILVA, Vera Lúcia Moraes

Leia mais

5 Captação de águas subterrâneas

5 Captação de águas subterrâneas 5 Captação de águas subterrâneas É um conjunto de estruturas e dispositivos, construídos ou montados junto ao manancial, para retirada de água para suprir o sistema de abastecimento Manancial Subterrâneo:

Leia mais

FACULDADE DE GEOFÍSICA (FAGEOF)

FACULDADE DE GEOFÍSICA (FAGEOF) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS FACULDADE DE GEOFÍSICA (FAGEOF) ENSINO A atividade docente do FAGEOF é rotineiramente desenvolvida através do ensino de disciplinas no Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Água Subterrânea Parte 2 de 2

Água Subterrânea Parte 2 de 2 Universidade de São Paulo PHA 2307 Hidrologia Aplicada Escola Politécnica Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Água Subterrânea Parte 2 de 2 Aula 25-2015 Prof. Dr. Arisvaldo Méllo Prof. Dr.

Leia mais

&RQFHLWRV%iVLFRV5HODFLRQDGRVD3HWUyOHR

&RQFHLWRV%iVLFRV5HODFLRQDGRVD3HWUyOHR 15 &RQFHLWRV%iVLFRV5HODFLRQDGRVD3HWUyOHR Neste capítulo serão abordados tópicos relacionados com o petróleo como definições e classificações. 'HILQLo}HVGH3HWUyOHR Segundo Thomas (2001), a nomenclatura

Leia mais

II-341 - PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA INDUSTRIA DE PETRÓLEO: O CASO DA ÁGUA PRODUZIDA NO CAMPO DE CARMÓPOLIS/SE.

II-341 - PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA INDUSTRIA DE PETRÓLEO: O CASO DA ÁGUA PRODUZIDA NO CAMPO DE CARMÓPOLIS/SE. II-341 - PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA INDUSTRIA DE PETRÓLEO: O CASO DA ÁGUA PRODUZIDA NO CAMPO DE CARMÓPOLIS/SE. André Luís de Oliva Campos (1) Engenheiro Químico - Universidade Federal de Sergipe. Mestre em

Leia mais

ÍNDICE P+L ÍNDICE P+L ÍNDICE DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA PARA A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

ÍNDICE P+L ÍNDICE P+L ÍNDICE DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA PARA A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ÍNDICE P+L ÍNDICE P+L ÍNDICE DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA PARA A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DO ESTADO DE MINAS GERAIS + O QUE É PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente,

Leia mais

IV. FONTES DE ENERGIA

IV. FONTES DE ENERGIA IV. FONTES DE ENERGIA A civilização moderna está baseada fortemente em um desenvolvimento tecnológico que necessita, cada vez mais, de suprimentos de energia. Essa energia é encontrada na natureza sob

Leia mais

Aplicação da ferramenta Produção Mais Limpa

Aplicação da ferramenta Produção Mais Limpa Aplicação da ferramenta Produção Mais Limpa na Reciclagem de Plástico Flávia Pinheiro Faria e Elen B. A. V. Pacheco Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Macromoléculas Professora Eloisa

Leia mais

Lia Weigert Bressan Agosto de 2008

Lia Weigert Bressan Agosto de 2008 Recuperação Avançada ada de Petróleo Lia Weigert Bressan Agosto de 2008 Introdução Recuperação Primária Recuperação Secundária Recuperação Terciária ou Avançada Projetos relacionados à Recuperação Avançada

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 CADERNO DE PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 PROGRAMA DE REDUÇÃO DO VOLUME E DESTINAÇÃO DA COLETA SELETIVA DOS MATERIAIS DESCARTADOS Programa Nº 05/2016

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 14

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 14 Ondas 5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Introdução: elementos básicos sobre ondas De maneira geral, uma onda é qualquer sinal que se transmite de um ponto a outro

Leia mais

Betão de baixo carbono

Betão de baixo carbono Betão de baixo carbono 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Betão de baixo carbono O betão é o material de construção

Leia mais

maior lucro menores custos

maior lucro menores custos maior lucro menores custos aumente os lucros da sua empresa através da eficiência energética O setor industrial é responsável por 43% do consumo anual de energia em nosso país. Dentro deste setor, onde

Leia mais

AUTORES: Orestes Lise Manco 1. Luíza Arcuri Nasser 2. Comissão Consumo Consciente 3. Hospital e Maternidade Unimed Leste Paulista/SP

AUTORES: Orestes Lise Manco 1. Luíza Arcuri Nasser 2. Comissão Consumo Consciente 3. Hospital e Maternidade Unimed Leste Paulista/SP AUTORES: Orestes Lise Manco 1 Luíza Arcuri Nasser 2 Comissão Consumo Consciente 3 Hospital e Maternidade Unimed Leste Paulista/SP INTRODUÇÃO: A água é fonte da vida, um dos recursos naturais fundamentais

Leia mais

2 A Indústria do Petróleo no Brasil

2 A Indústria do Petróleo no Brasil 2 A Indústria do Petróleo no Brasil Neste capítulo serão apresentados os principais aspectos da indústria de petróleo brasileira na atualidade, assim como também suas principais nomenclaturas, atividades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I. Máquinas Térmicas I

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I. Máquinas Térmicas I Eu tenho três filhos e nenhum dinheiro... Porque eu não posso ter nenhum filho e três dinheiros? - Homer J. Simpson UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO RESÍDUO DE PÓ DE PEDRA ORNAMENTAL ADICIONADO À ARGAMASSA EM SUBSTITUIÇÃO PARCIAL AO CIMENTO

CARACTERIZAÇÃO DO RESÍDUO DE PÓ DE PEDRA ORNAMENTAL ADICIONADO À ARGAMASSA EM SUBSTITUIÇÃO PARCIAL AO CIMENTO CARACTERIZAÇÃO DO RESÍDUO DE PÓ DE PEDRA ORNAMENTAL ADICIONADO À ARGAMASSA EM SUBSTITUIÇÃO PARCIAL AO CIMENTO A. K. C. NOBREGA 1, M. V. V. A. de SÁ 2, R. A. AMARAL 3, S. E. GOIS 4, G. M. DANTAS 5 1 Universidade

Leia mais

Ar de combustão. Água condensada. Balanço da energia. Câmara de mistura. Convecção. Combustível. Curva de aquecimento

Ar de combustão. Água condensada. Balanço da energia. Câmara de mistura. Convecção. Combustível. Curva de aquecimento Ar de combustão O ar de combustão contém 21% de oxigênio, que é necessário para qualquer combustão. Além disso, 78% de nitrogênio está incorporado no ar. São requeridos aproximadamente 10 metros cúbicos

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS. Fonte: PRESS, Frank et al. Para entender a Terra. Porto Alegre: Bookman, 2006. p. 37.

QUESTÕES OBJETIVAS. Fonte: PRESS, Frank et al. Para entender a Terra. Porto Alegre: Bookman, 2006. p. 37. QUESTÕES OBJETIVAS 1) Observe a figura. Fonte: PRESS, Frank et al. Para entender a Terra. Porto Alegre: Bookman, 2006. p. 37. Todas as partes do nosso planeta e todas as suas interações, tomadas juntas,

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia

Fontes Alternativas de Energia UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Química DQM Curso de Engenharia de Produção e Sistemas Fontes Alternativas de Energia DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas

Leia mais

APRESENTAÇÃO... IN MEMORIAM...

APRESENTAÇÃO... IN MEMORIAM... APRESENTAÇÃO.... IN MEMORIAM.... XI XIII Capítulo 1 NOÇÕES SOBRE GEOLOGIA... 1 1.1 Conceito e Escopo... 1 1.2 A Terra e Suas Camadas... 2 1.2.1 Aspectos gerais... 2 1.2.2 Divisão das camadas... 2 1.3 A

Leia mais

AULA 2 O PAPEL DA LOGÍSTICA NA CADEIA DE SUPRIMENTOS/ CADEIA PRODUTIVA/ CADEIA DE VALOR DA INDÚSTRIA DE PETRÓLEO LOGÍSTICA DE ANTIGAMENTE

AULA 2 O PAPEL DA LOGÍSTICA NA CADEIA DE SUPRIMENTOS/ CADEIA PRODUTIVA/ CADEIA DE VALOR DA INDÚSTRIA DE PETRÓLEO LOGÍSTICA DE ANTIGAMENTE AULA 2 O PAPEL DA LOGÍSTICA NA CADEIA DE SUPRIMENTOS/ CADEIA PRODUTIVA/ CADEIA DE VALOR DA INDÚSTRIA DE PETRÓLEO Durante o processo produtivo tem-se a logística de entrada de matéria prima, e a de saída

Leia mais

Incidente no Campo Frade

Incidente no Campo Frade Incidente no Campo Frade Chevron Brasil Petróleo Ltda. 29 de novembro de 2011 As melhores parcerias Atingindo Resultados da Maneira Correta Os alicerces da nossa empresa são os nossos valores, que nos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO MECÂNICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO MECÂNICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO MECÂNICA 26. Considere o desenho abaixo: Dentre as vista apresentadas a seguir, qual representa corretamente a elevação (vista frontal)? a) b) c) d) e)

Leia mais

Recursos Minerais GEOGRAFIA DO BRASIL

Recursos Minerais GEOGRAFIA DO BRASIL GEOGRAFIA DO BRASIL Recursos Minerais FERRO - O Brasil possui a quinta maior reserva do mundo, possuindo um grande volume de minério. Com o alto teor de ferro contido nesses minérios, o Brasil está entre

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS 53 CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG

SOLDAGEM DOS METAIS 53 CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG SOLDAGEM DOS METAIS 53 CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG SOLDAGEM DOS METAIS 54 PROCESSO MIG/MAG (METAL INERT GAS/METAL ACTIVE GAS) MIG é um processo por fusão a arco elétrico que utiliza um arame eletrodo consumível

Leia mais

GEOANALISYS CONSULTORIA GEOFÍSICA LTDA.

GEOANALISYS CONSULTORIA GEOFÍSICA LTDA. GEOANALISYS CONSULTORIA GEOFÍSICA LTDA. A EMPRESA Experiência acumulada da Mineragua, fundada em 1994: Hidrogeologia, Água mineral, meio ambiente, mineração. Reestruturação em 2010 e criação de departamentos.

Leia mais

A aplicação de processos químicos no tratamento de poluentes gerados pela extração e refino do petróleo

A aplicação de processos químicos no tratamento de poluentes gerados pela extração e refino do petróleo 5º Encontro Regional de Química & Blucher Chemistry Proceedings 4º Encontro Nacional de Química Novembro de 2015, Volume 3, Número 1 A aplicação de processos químicos no tratamento de poluentes gerados

Leia mais

Classificação dos recursos naturais

Classificação dos recursos naturais O que são recursos naturais? Painéis solares. Pesca. Diamantes. Água. Plataforma petrolífera. O que são recursos naturais? Matéria ou energia presentes na Natureza essenciais ou úteis para o Homem. Os

Leia mais

Estrutura Interna da Terra

Estrutura Interna da Terra LITOSFERA Estrutura Interna da Terra Uma diferença notável entre a Terra e os demais planetas rochosos é a variedade de formas da superfície terrestre. A superfície de Mercúrio parece-se bastante com a

Leia mais

PERFIL DA COMPANHIA. Engenharia de minas. Hidrogeologia Geologia e geofísica aplicada. Geotermia e Hidrotermia

PERFIL DA COMPANHIA. Engenharia de minas. Hidrogeologia Geologia e geofísica aplicada. Geotermia e Hidrotermia PERFIL DA COMPANHIA Hidrogeologia Geologia e geofísica aplicada Engenharia de minas Geotermia e Hidrotermia Quem somos Sociedade de Engenharia (desde 1992) Especialistas em proteção ambiental 16 Engenheiros

Leia mais

Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental.

Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental. A implantação e o desenvolvimento do Curso de Gestão Ambiental da Unisul, curso na modalidade EaD, do Campus Unisul Virtual, fez surgir algumas lacunas e demandas novas que começaram a estimular novos

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DA PARAÍBA

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DA PARAÍBA ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E DO MEIO AMBIENTE SECTMA AGÊNCIA EXECUTIVA DE GESTÃO DAS ÁGUAS DO ESTADO DA PARAÍBA - AESA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

CORROSÃO DE MATERIAIS

CORROSÃO DE MATERIAIS CRONOGRAMA INTRODUÇÃO: O QUE É CORROSÃO? A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO DA CORROSÃO TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE PROCESSOS CORROSIVOS EM CAMPO EM LABORATÓRIO CONSIDERAÇÕES FINAIS O QUE É CORROSÃO? A CORROSÃO É A

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO BIODIESEL NA ESTABILIDADE OXIDATIVA DO FLUIDO DE PERFURAÇÃO BASE ÓLEO

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO BIODIESEL NA ESTABILIDADE OXIDATIVA DO FLUIDO DE PERFURAÇÃO BASE ÓLEO ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO BIODIESEL NA ESTABILIDADE OXIDATIVA DO FLUIDO DE PERFURAÇÃO BASE ÓLEO Marília Medeiros Melgaço Pereira 1 ; Carla Corina dos Santos Porto 2 ; Carla Crislan de Souza Bery³; Victor

Leia mais

Legislação Aplicável Licenciamento Ambiental

Legislação Aplicável Licenciamento Ambiental Legislação Aplicável Licenciamento Ambiental Normas sobre Procedimentos Administrativos - LEI FEDERAL nº 6.938/81, dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação

Leia mais

II-388 - REDUÇÃO E ECONOMIA DE ÁGUA NO SETOR INDUSTRIAL DE CURTUME COM O REUSO DO SEU EFLUENTE TRATADO

II-388 - REDUÇÃO E ECONOMIA DE ÁGUA NO SETOR INDUSTRIAL DE CURTUME COM O REUSO DO SEU EFLUENTE TRATADO II-388 - REDUÇÃO E ECONOMIA DE ÁGUA NO SETOR INDUSTRIAL DE CURTUME COM O REUSO DO SEU EFLUENTE TRATADO Maria de Fátima Almeida Vieira (1) Engenheira Química pela Universidade Federal da Paraíba. Mestre

Leia mais

Aula 16 assíncrona Conteúdo:

Aula 16 assíncrona Conteúdo: Aula 16 assíncrona Conteúdo: Fontes alternativas de energia: eólica e nuclear. Fontes alternativas de energia: Solar e biogás Habilidade: Valorizar os progressos da química e suas aplicações como agentes

Leia mais

Sustentabilidade da Mineração Ferramentas de análises e aplicações

Sustentabilidade da Mineração Ferramentas de análises e aplicações Sustentabilidade da Mineração Ferramentas de análises e aplicações Recursos Minerais e Comunidade: Impactos humanos socioambientais e econômicos. CETEM- 14/11/2014 FRANCISCO MARIANO/DSc. COPM/ SDPM SUMÁRIO

Leia mais

Projetos Selecionados da Educação Profissional

Projetos Selecionados da Educação Profissional Projetos Selecionados da Educação Profissional Território de Identidade do Litoral Sul Centro Estadual de Educação Profissional do Campo Milton Santos Arataca Eixos Tecnológicos: Ambiente e Saúde / Recursos

Leia mais

_ CONTABILIDADE AMBIENTAL

_ CONTABILIDADE AMBIENTAL Formulários Índice 1. Formulário para Identificação dos Componentes Ambientais 2. Formulário para a Para aceder aos formulários em formato EXCEL, utilize a opção disponível no lado esquerdo, ver anexos

Leia mais

1. As fontes de energia

1. As fontes de energia 1. As fontes de energia Qual é o elemento em comum das imagens? O consumo de energia no mundo América do Sul Brasília e Goiânia São Paulo e Rio de Janeiro Ligados pela rodovia Dutra. Manaus Salvador EUROPA

Leia mais

Técnicas de Monitoramento e Controle de Processos Corrosivos

Técnicas de Monitoramento e Controle de Processos Corrosivos Técnicas de Monitoramento e Controle de Processos Corrosivos METODOLOGIA DE MONITORAMENTO DA Seleção dos pontos de monitoramento (localização dos provadores) Histórico de agressividade do fluido; Histórico

Leia mais

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Programa de Redução de Consumo de Recursos Naturais - Água Sumário 1. Objetivo: Descrição completa do objeto a ser executado --------------------------------- 3 2. Meta

Leia mais

3. CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO E O PROCESSO DE PLANEJAMENTO

3. CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO E O PROCESSO DE PLANEJAMENTO 34 3. CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO E O PROCESSO DE PLANEJAMENTO 3.1 CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO A cadeia de suprimentos do petróleo envolve todas as atividades logísticas relacionadas a um bom

Leia mais

Biodiesel: Vantagens e desvantagens numa comparação com o diesel convencional

Biodiesel: Vantagens e desvantagens numa comparação com o diesel convencional Bio: Vantagens e desvantagens numa comparação com o convencional Hugo Machado Carvalho* Aldinei Barreto Ribeiro** Resumo Em meio ao alerta global que estamos vivendo é importante a procura por alternativas

Leia mais

Ementário do Curso Técnico em Petróleo e Gás Concomitante/Subsequente Campus Duque de Caxias

Ementário do Curso Técnico em Petróleo e Gás Concomitante/Subsequente Campus Duque de Caxias 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ Pró-reitoria de Ensino Técnico Concomitante/Subsequente Campus Duque de Caxias Disciplina:

Leia mais

Quadro VI.1. - Que Significa o Gerenciamento do Risco?

Quadro VI.1. - Que Significa o Gerenciamento do Risco? Quadro VI.1. - Que Significa o Gerenciamento do Risco? Dentro de várias opções, selecionar ações para chegar a um objetivo, tendo em mente que existem - diferenças nos objetivos - escassez de recursos

Leia mais

Estudo sobre o descarte e coleta de óleo residual pelas residências em Poços de Caldas - MG

Estudo sobre o descarte e coleta de óleo residual pelas residências em Poços de Caldas - MG Estudo sobre o descarte e coleta de óleo residual pelas residências em Poços de Caldas - MG Patrícia Neves Mendes 1 Roni Antonio Mendes 1 Bianca Freire Moreira 1 Bruna Rage Baldone Lara 1 Bruno Cardoso

Leia mais

3,8 bilhões em vendas. > 20.000 empregados. 1,4 milhão de toneladas produzidas

3,8 bilhões em vendas. > 20.000 empregados. 1,4 milhão de toneladas produzidas Em resumo 2016 Líder mundial em seus mercados, a Vallourec fornece soluções tubulares que são referência para os setores de energia e para as aplicações mais exigentes. Seus tubos, conexões e serviços

Leia mais

A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO OFFSHORE ESTÁ PRONTA PARA MUDAR? NÓS ESTAMOS!

A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO OFFSHORE ESTÁ PRONTA PARA MUDAR? NÓS ESTAMOS! A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO OFFSHORE ESTÁ PRONTA PARA MUDAR? NÓS ESTAMOS! APRESENTAMOS A FORU. A ÚNICA SOLUÇÃO DE SEGURANÇA EM REDE OFFSHORE PARA QUALQUER DERRAME DE PETRÓLEO As grandes catástrofes de derrame

Leia mais

Utilização da Perfilagem Ótica na Avaliação de Poços Tubulares

Utilização da Perfilagem Ótica na Avaliação de Poços Tubulares Utilização da Perfilagem Ótica na Avaliação de Poços Tubulares Pedro Antonio Roehe Reginato 1, Siclério Ahlert 2 1 DHH/IPH/UFRGS (pedro.reginato@ufrgs.br) 2 UCS/CARVI (sahlert@ucs.br) Resumo Este trabalho

Leia mais

O Petróleo no Mundo RESERVAS PRODUÇÃO CONSUMO

O Petróleo no Mundo RESERVAS PRODUÇÃO CONSUMO O Petróleo ORIGEM DO PETRÓLEO O petróleo é uma substância oleosa, inflamável, menos densa que a água, com cheiro característico e de cor variando entre o negro e o castanho escuro. Embora objeto de muitas

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 024/2002-CEMA, de 26 de agosto de 2.002

RESOLUÇÃO N.º 024/2002-CEMA, de 26 de agosto de 2.002 RESOLUÇÃO N.º 024/2002-CEMA, de 26 de agosto de 2.002 O CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE CEMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Estadual n.º 7.978, de 30 de novembro de 1984, alterada

Leia mais

Eficiência Energética no regime de compras públicas. Diogo Roxo

Eficiência Energética no regime de compras públicas. Diogo Roxo Eficiência Energética no regime de compras públicas Diogo Roxo Proposta a Nível Europeu e Nacional As entidades públicas são hoje um dos grandes consumidores ao nível europeu, despendendo em aquisições

Leia mais

Princípios de Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. MSc. Raoni W. D. Bosquilia

Princípios de Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. MSc. Raoni W. D. Bosquilia Princípios de Sensoriamento Remoto Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. MSc. Raoni W. D. Bosquilia Princípios de Sensoriamento Remoto Procedimentos destinados a obtenção de imagens mediante o registro

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Engenharia, Meio Ambiente, Matéria e Energia Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Lei da Conservação da Matéria Em qualquer sistema, físico ou químico,

Leia mais

Compreende-se o risco tecnológico, definido como o potencial de ocorrência de eventos

Compreende-se o risco tecnológico, definido como o potencial de ocorrência de eventos Potencial de Risco Tecnológico Cláudio Egler 1 Compreende-se o risco tecnológico, definido como o potencial de ocorrência de eventos danosos à vida, em curto, médio e longo prazo, em conseqüência das decisões

Leia mais

ANÁLISE DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE UM CONDOMÍNIO RESIDENCIAL CERTIFICADO PELO PBQP-H.

ANÁLISE DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE UM CONDOMÍNIO RESIDENCIAL CERTIFICADO PELO PBQP-H. ANÁLISE DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE UM CONDOMÍNIO RESIDENCIAL CERTIFICADO PELO PBQP-H. Rafael Oliveira de Paula Universidade Estadual de Maringá rafael.odp@gmail.com Manoel Francisco Carreira Universidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP INFORMAÇÂO 094/2012 DAP São Paulo, 19 de outubro de 2012 PROTOCOLO Nº. 145606/12 INTERESSADO: Fernando ASSUNTO: Consulta sobre atribuições profissionais de Técnicos de Nível Médio na área de mineração

Leia mais

Química - 9º ano. Água Potável. Atividade complementar sobre as misturas e suas técnicas de separação

Química - 9º ano. Água Potável. Atividade complementar sobre as misturas e suas técnicas de separação Química - 9º ano Atividade complementar sobre as misturas e suas técnicas de separação Água Potável A água é o constituinte mais característico da terra. Ingrediente essencial da vida, a água é talvez

Leia mais

Incentivar o segmento da construção civil, incorporação imobiliária. Amparar os legítimos interesses dos associados.

Incentivar o segmento da construção civil, incorporação imobiliária. Amparar os legítimos interesses dos associados. Fundada em agosto de 1975, por 13 empresas, a ADEMI-BA completa em 2015, 40 anos de existência sempre optando por projetos alinhados às necessidades da população, colocando em primeiro plano as exigências

Leia mais

DIRETRIZ TÉCNICA Nº. 001/2010 DIRETRIZ TÉCNICA PARA A ATIVIDADE DE INCORPORAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS

DIRETRIZ TÉCNICA Nº. 001/2010 DIRETRIZ TÉCNICA PARA A ATIVIDADE DE INCORPORAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS DIRETRIZ TÉCNICA Nº. 001/2010 DIRETRIZ TÉCNICA PARA A ATIVIDADE DE INCORPORAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS 1. INTRODUÇÃO As ações estratégicas promovidas por meio da Agenda 21, na Conferência

Leia mais

Valor de Repasse. Valor Contrapartida. Fim do prazo. Início do prazo. Valor Total dos recursos. Nome do Conveniado Nº Contrato Objeto

Valor de Repasse. Valor Contrapartida. Fim do prazo. Início do prazo. Valor Total dos recursos. Nome do Conveniado Nº Contrato Objeto Nome do Conveniado Nº Contrato Objeto Implantação do laboratório de catálise do Departamento de Engenharia Química da 4600220673 sergipe, visando estudar o craqueamento de frações pesadas de petróleo sobre

Leia mais

AUTOMAÇÃO. Breve descrição. Breve descrição.

AUTOMAÇÃO. Breve descrição. Breve descrição. CATÁLOGO2015 HISTÓRIA Fundada em 1997 a empresa foi instituída na cidade de Cascavel - PR, com o objetivo de fornecer mais uma opção de qualidade e seriedade em componentes WEG. Atendendo em todos os segmentos

Leia mais

ESTUDO PARA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE REÚSO E APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM INDÚSTRIA

ESTUDO PARA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE REÚSO E APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM INDÚSTRIA IV-MIERZWA-BRASIL-2 ESTUDO PARA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE REÚSO E APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM INDÚSTRIA José Carlos Mierzwa (1) Professor Pesquisador do Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária

Leia mais

Noções de Geologia. João Paulo Nardin Tavares

Noções de Geologia. João Paulo Nardin Tavares Noções de Geologia João Paulo Nardin Tavares A crosta A crosta rochosa da Terra é uma estrutura rígida, delgada e fragmentada em grandes placas tectônicas que sustentam os continentes e as bacias oceânicas.

Leia mais

Materiais 24-02-2016. Os materiais naturais raramente são utilizados conforme os encontramos na Natureza.

Materiais 24-02-2016. Os materiais naturais raramente são utilizados conforme os encontramos na Natureza. Manual (10-13) Constituição do mundo material Substâncias e misturas de substâncias Propriedades físicas dos Separação dos componentes de uma mistura Transformações físicas e transformações químicas Vídeo

Leia mais

MUNICÍPIO DE ITÁPOLIS SP

MUNICÍPIO DE ITÁPOLIS SP MUNICÍPIO DE ITÁPOLIS SP PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Medições de Vazões) AGOSTO/2012 3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 05 2. ATIVIDADES REALIZADAS... 13 2.1. Medições de vazão nos poços do sistema de

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE LÂMPADAS FLUORESCENTES E LED APLICADO NO IFC CAMPUS LUZERNA

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE LÂMPADAS FLUORESCENTES E LED APLICADO NO IFC CAMPUS LUZERNA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE LÂMPADAS FLUORESCENTES E LED APLICADO NO IFC CAMPUS LUZERNA Autores: Marina PADILHA, Felipe JUNG, Ernande RODRIGUES Identificação autores: Estudante de Graduação de Engenharia

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM PARA PROTEÇÃO DE GEOMEMBRANA EM ATERRO SANITÁRIO CAXIAS DO SUL RS

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM PARA PROTEÇÃO DE GEOMEMBRANA EM ATERRO SANITÁRIO CAXIAS DO SUL RS APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM PARA PROTEÇÃO DE GEOMEMBRANA EM ATERRO SANITÁRIO CAXIAS DO SUL RS Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Fernando Spinelli Alves JULHO 1998 Revisado

Leia mais

4ª Jornada Científica e Tecnológica da FATEC de Botucatu 7 a 9 de Outubro de 2015, Botucatu São Paulo, Brasil.

4ª Jornada Científica e Tecnológica da FATEC de Botucatu 7 a 9 de Outubro de 2015, Botucatu São Paulo, Brasil. Fabricação do biodiesel a partir do reaproveitamento do óleo de fritura José Arthur Bassetto Junior 1, Ivan Fernandes de Souza 2 1 Aluno do Curso Superior de Tecnologia em Logística, FATEC, Botucatu, São

Leia mais

Planificação anual de Ciências Naturais 8º Ano de escolaridade

Planificação anual de Ciências Naturais 8º Ano de escolaridade Departamento de Ciências Experimentais Grupo de Recrutamento 520 - Biologia e Geologia Planificação anual de Ciências Naturais 8º Ano de escolaridade 2013/14 Tema Organizador: Terra no Espaço Conteúdos

Leia mais

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 15 TURBINAS A VAPOR PROF.: KAIO DUTRA

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 15 TURBINAS A VAPOR PROF.: KAIO DUTRA MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 15 TURBINAS A VAPOR PROF.: KAIO DUTRA Usinas Termoelétricas As turbinas a vapor são máquinas que utilizam a elevada energia cinética da massa de vapor expandido em trabalho de

Leia mais

Estrutura do Ministério

Estrutura do Ministério Biocombustíveis: Geopolítica e Sustentabilidade MMA UnB USP Ministério do Meio Ambiente MMA Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental SMCQ Estrutura do Ministério Departamento de Licenciamento

Leia mais

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia 26 de novembro de 2015 10h às 17h30 Sistema FIRJAN Rio de Janeiro Gestão Eficiente de Água Case Casa da Moeda Marcos Pereira Casa da Moeda CASA DA MOEDA DO BRASIL

Leia mais

ENGENHARIA DE MINAS 1. INTRODUÇÃO.

ENGENHARIA DE MINAS 1. INTRODUÇÃO. 1. INTRODUÇÃO. ENGENHARIA DE MINAS A Engenharia de Minas é um dos ramos da engenharia que envolve a ciência, a tecnologia e a prática da extração e do processamento dos minérios oriundos de jazidas existentes

Leia mais

PESQUISA SOBRE A SITUAÇÃO DAS EMPRESAS PARANAENSES EM RELAÇÃO AO MEIO AMBIENTE

PESQUISA SOBRE A SITUAÇÃO DAS EMPRESAS PARANAENSES EM RELAÇÃO AO MEIO AMBIENTE PESQUISA SOBRE A SITUAÇÃO DAS EMPRESAS PARANAENSES EM RELAÇÃO AO MEIO AMBIENTE Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico. Pós-graduado em Engenharia Sanitária e Ambiental, com especialização

Leia mais

Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS O aumento populacional, o modo de produção atual dependente primariamente de combustível fóssil e o estilo de consumo moderno se baseiam

Leia mais

I TORNEIO DE INTEGRAÇÃO CIENTÍFICA TIC

I TORNEIO DE INTEGRAÇÃO CIENTÍFICA TIC I TORNEIO DE INTEGRAÇÃO CIENTÍFICA TIC EDITAL DO DESAFIO ÁREA: RECURSOS HÍDRICOS TEMA: BOMBEAMENTO ALTERNATIVO DE ÁGUA Maceió 2012 1- Introdução Diante da preocupação atual com a preservação do meio ambiente,

Leia mais

PETRÓLEO BRASILEIRO S/A ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL PARA A ATIVIDADE DE PERFURAÇÃO MARÍTIMA NO BLOCO BM-J-1, BACIA DO JEQUITINHONHA.

PETRÓLEO BRASILEIRO S/A ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL PARA A ATIVIDADE DE PERFURAÇÃO MARÍTIMA NO BLOCO BM-J-1, BACIA DO JEQUITINHONHA. i/xi PETRÓLEO BRASILEIRO S/A ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL PARA A ATIVIDADE DE PERFURAÇÃO MARÍTIMA NO BLOCO BM-J-1, BACIA DO JEQUITINHONHA. Volume 2/4 SUMÁRIO II.6. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

CONSIDERAÇÕES HIDROQUÍMICAS DA FORMAÇÃO CAIUÁ NO ESTADO DO PARANÁ

CONSIDERAÇÕES HIDROQUÍMICAS DA FORMAÇÃO CAIUÁ NO ESTADO DO PARANÁ CONSIDERAÇÕES HIDROQUÍMICAS DA FORMAÇÃO CAIUÁ NO ESTADO DO PARANÁ André Celligoi 1 e Uriel Duarte 2 Resumo - O aproveitamento de água subterrânea na região noroeste do Estado do Paraná, tem sido utilizado

Leia mais

Combustíveis fósseis. Carvão mineral e petróleo no Brasil

Combustíveis fósseis. Carvão mineral e petróleo no Brasil Combustíveis fósseis Carvão mineral e petróleo no Brasil Carvão mineral formação Carvão mineral Brasil Carvão mineral Aquecimento Perda de água, enxofre e impurezas COQUE Problemas veios Brasil: 2008 importação

Leia mais

Despacho Conjunto dos Ministérios do Ambiente e Saúde nº761/99 de 31 de Agosto Aprova o Plano Estratégico Sectorial dos Resíduos Hospitalares (PERH)

Despacho Conjunto dos Ministérios do Ambiente e Saúde nº761/99 de 31 de Agosto Aprova o Plano Estratégico Sectorial dos Resíduos Hospitalares (PERH) LEGISLAÇÃO NO ÂMBITO DOS RESÍDUOS HOSPITALARES Resíduos Hospitalares Despacho Conjunto dos Ministérios do Ambiente e Saúde nº761/99 de 31 de Agosto Aprova o Plano Estratégico Sectorial dos Resíduos Hospitalares

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 7 AGRICULTURA e RECURSOS NATURAIS Ação 7.5 USO EFICIENTE da ÁGUA Enquadramento Regulamentar Artigo 28º - Agroambiente e Clima do Regulamento

Leia mais

Capítulo 7.3. Programa de Controle de Poluição - PCP

Capítulo 7.3. Programa de Controle de Poluição - PCP Página 1 de 12 Capítulo 7.3. Programa de Controle de Poluição - PCP PCP 1 de 12 Página 2 de 12 Sumário Programa de Controle de Controle de Poluição Capítulo 7.3. Programa de Controle de Poluição - PCP...

Leia mais

Formação, composição e litologia das Geosferas -AULA 3-

Formação, composição e litologia das Geosferas -AULA 3- Formação, composição e litologia das Geosferas -AULA 3- GEOLOGIA GERAL Prof. Alexandre Paiva da Silva CCTA/UACTA/UFCG Estrutura geral da Terra Nome Características químicas Características físicas Atmosfera

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012 O Planejamento Energético deve considerar: Segurança Energética Sustentabilidade Ambiental

Leia mais