Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros"

Transcrição

1 Manejo de Solos Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

2 Aula prática: Amostragem de Solo

3 FINALIDADES DA ANÁLISE DE SOLO Determinar a disponibilidade de nutrientes; Indicar ao agricultor o nível de deficiências ou toxidez de nutrientes; Determinar a necessidade de adubos, em bases econômicas; Determinar a necessidade de calcário para correção de acidez.

4 VANTAGENS DA ANÁLISE DE SOLO: Baixo custo operacional; Evita gastos desnecessários e perda de tempo; Maior rapidez na obtenção dos resultados; Recomendação de calagem e adubação buscando maior aproveitamento e produtividade.

5 Qualquer época do ano. ÉPOCA DE AMOSTRAGEM Ideal: 2 a 3 meses antes do plantio ou da semeadura. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Em pastagens já estabelecidas, amostrar o solo de 2 a 3 meses antes do máximo crescimento vegetativo. Em culturas perenes recomenda-se amostrar o solo após a colheita.

6 AMOSTRA REPRESENTATIVA: Heterogeneidade característica dos solos A amostra deve representar a condição real média da fertilidade do solo. Qual o n adequado de sub-amostras a serem coletadas para formar a amostra representativa de uma gleba (amostra composta)?

7 Clique para editar o estilo do subtítulo mestre

8 AMOSTRADORES DE SOLO: Clique para editar o estilo do subtítulo mestre 13/10/09

9 AMOSTRADORES DE SOLO: Amostradores de solo: conforme local, tipo de solo, grau de compactação e teor de umidade ** Pá-de-corte: usada na maioria dos casos

10 AMOSTRADORES DE SOLO: ** Trado holandês: menos afetada pela textura e teor de umidade do solos do que o trado de rosca e o trado calador.

11 AMOSTRADORES DE SOLO: ** Trado holandês e trado de rosca: dificultam a coleta de solo pela perda de parte da camada superficial (1 a 2cm) do solo.

12 AMOSTRADORES DE SOLO: ** Trado caneca ou trado calador: Evitam perda da camada superficial = essencial em lavouras de PD, corretivos e adubos superficiais

13 AMOSTRADORES DE SOLO: ** Trado caneca: Dificultada em solos muito argilosos e úmidos.

14 AMOSTRADORES DE SOLO: ** Trado fatiador: Amostragem até 10cm de profundidade. Usado em pastagens Clique para editar o estilo do subtítulo mestre 13/10/09

15 PROCEDIMENTO DE COLETA DE AMOSTRAS DE SOLO 1. Subdivisão da propriedade em glebas homogêneas Considerar: - Tipo de solo (cor, textura, profundidade) - Topografia (declividade) - Vegetação - Histórico de utilização (rotação de cultura, adubação, calagem)

16 PROCEDIMENTO DE COLETA DE AMOSTRAS DE SOLO Clique para editar o estilo do subtítulo mestre

17 PROCEDIMENTO DE COLETA DE AMOSTRAS DE SOLO 1 dividir a propriedade em glebas homogêneas Considerar: - Tipo de solo (cor, textura, profundidade) - Topografia (declividade) - Vegetação - Histórico de utilização (rotação de cultura, adubação, calagem)

18 PROCEDIMENTO DE COLETA DE AMOSTRAS DE SOLO

19 PROCEDIMENTO DE COLETA DE AMOSTRAS DE SOLO 2. Amostragem Camada + usada: 0-20cm N de subamostras por área homogênea é de 10 a 20 (média de 15) Quantidade de solo: ½ Kilo

20 PROCEDIMENTO DE COLETA DE AMOSTRAS DE SOLO

21 Clique para editar o estilo do subtítulo mestre 13/10/09

22

23

24 PROCEDIMENTO DE COLETA DE AMOSTRAS DE SOLO 2. Amostragem nos sistemas de preparo convencional e cultivo mínimo Culturas anuais (milho, trigo, soja, arroz e pastagem): amostragem da camada mobilizada (0 a 20cm) Culturas perenes (frutíferas, florestais): amostragem da camada de 0 a 20cm e alguns casos de 20 a 40cm O número de sub-amostras a coletar por área homogênea é de 10 a 20 (média de 15)

25 PROCEDIMENTO DE COLETA DE AMOSTRAS DE SOLO Exemplo: culturas perenes

26 PROCEDIMENTO DE COLETA DE AMOSTRAS DE SOLO 3. Amostragem em sistema plantio direto Pá-de-corte é a mais indicada N médio de sub-amostras = 15 pontos Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Quantidade de solo: ½ Kilo Camada: 0 a 20cm 13/10/09

27

28

29 AMOSTRAGEM DO SOLO PARA CULTURA DE PRECISÃO Agricultura de precisão: Aplicação de tecnologia de avaliação e manejo da variabilidade espacial dos parâmetros do solo e das culturas.

30 AMOSTRAGEM DO SOLO PARA CULTURA DE PRECISÃO Uso: -Sistemas geo-referenciados (localização geográfica precisa) -Maior n de amostras coletadas -Após análise de solos, dados são transferidos a um software -Geração de mapas de recomendação de adubação

31 AMOSTRAGEM DO SOLO PARA CULTURA DE PRECISÃO a) Amostragem sistemática em grades Clique para editar o estilo do subtítulo mestre b) Amostragem dirigida Realizada quando houver um conhecimento prévio da lavoura Procedimento igual ao anterior 13/10/09

32 Informações úteis: -Manejo da adubação -Calagem -Produtividade da cultura FORMULÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO Ajudam a interpretar os dados e indicar doses de fertilizantes e corretivos Informações de identificação e localização da lavoura: -Município -Distrito -Vila -Propriedade -Gleba

33

34

35

36 MANUSEIO E ARMAZENAGEM DE AMOSTRAS DE SOLO Cuidados com a preservação do material: -Ferramenta enferrujada -Embalagem com resíduo de fertilizante -Não expor o solo ao sol (especialmente se embalado em recipiente plástico) -Amostra deve ser seca ao ar antes de enviada ao laboratório (espalhar sobre lona plástica à sombra ou local ventilado) = amostra pode ser armazenada -Amostra úmida = secagem dispensada se for encaminhada na mesma semana de coleta ao laboratório.

Coleta de amostra de solo para análise

Coleta de amostra de solo para análise Coleta de amostra de solo para análise COLETA DE AMOSTRA DE SOLO PARA ANÁLISE Receita de produtividade para o sucesso de uma plantação A realização de análise química de amostras de solo garante ao produtor

Leia mais

AMOSTRAGEM DO SOLO PARA AVALIAÇÃO DE SUA FERTILIDADE

AMOSTRAGEM DO SOLO PARA AVALIAÇÃO DE SUA FERTILIDADE AMOSTRAGEM DO SOLO PARA AVALIAÇÃO DE SUA FERTILIDADE Amostragem do solo Envio ao laboratório Preparo da amostra Confirmação dos procedimentos Recomendação adubação/calagem Interpretação dos resultados

Leia mais

Análise química do solo: amostras para análise

Análise química do solo: amostras para análise Análise química do solo: Amostragem de solos e Preparo das amostras para análise Análise do solo A análise de solo conjunto de procedimentos físicos e químicos que visam avaliar as características e propriedades

Leia mais

AMOSTRAGEM DE SOLO. Pedro Marques da Silveira. III Encontro de Laboratório do PAQLF. Goiânia GO 16/09/2009

AMOSTRAGEM DE SOLO. Pedro Marques da Silveira. III Encontro de Laboratório do PAQLF. Goiânia GO 16/09/2009 AMOSTRAGEM DE SOLO Pedro Marques da Silveira III Encontro de Laboratório do PAQLF Goiânia GO 16/09/2009 ANÁLISE DO SOLO: OBJETIVO: Conhecer o grau de fertilidade para uma adequada recomendação de corretivos

Leia mais

Amostragem do solo em Pastagens manejadas intensivamente

Amostragem do solo em Pastagens manejadas intensivamente Amostragem do solo em Pastagens manejadas intensivamente Por que fazer análise do solo? Para: Conhecer a diversidade das características químicas do solo; Avaliar sua fertilidade; Recomendar adubação e

Leia mais

Comunicado Técnico 05

Comunicado Técnico 05 Comunicado Técnico 05 ISSN 2177-854X Julho. 2010 Uberaba - MG Amostragem do Solo para Recomendação de Calagem e Adubação Instruções Técnicas Responsável: Ricardo Moreira de Mendonça Agrônomo; MSc.Fitotecnia

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO

AGRICULTURA DE PRECISÃO AGRICULTURA DE PRECISÃO AGRICULTURA DE PRECISÃO A agricultura de precisão C.Vale é uma atividade que tem como objetivo aperfeiçoar o uso dos insumos agrícolas dentro da propriedade. Permite aplicação localizada

Leia mais

Soja: manejo para alta produtividade de grãos. André Luís Thomas, José Antonio Costa (organizadores). Porto Alegre: Evangraf, 2010. 248p. : il.

Soja: manejo para alta produtividade de grãos. André Luís Thomas, José Antonio Costa (organizadores). Porto Alegre: Evangraf, 2010. 248p. : il. Soja: manejo para alta produtividade de grãos. André Luís Thomas, José Antonio Costa (organizadores). Porto Alegre: Evangraf, 2010. 248p. : il., 23 cm. ISBN 978-85-7727-226-6 Apresentação Este livro contempla

Leia mais

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO: Amostragem, interpretação, recomendação de calagem e adubação.

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO: Amostragem, interpretação, recomendação de calagem e adubação. MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO: Amostragem, interpretação, recomendação de calagem e adubação. A produção agrícola depende de uma série de fatores bióticos e abióticos. Dentre os fatores mais importantes

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO

IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO Palestra apresenta no I Seminário alusivo ao Dia Nacional do Calcário, no dia 23 de maio de 2013, no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Manejo de Solos Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Aula 6: Acidez e calagem Acidez Acidez Acidez Faixa de acidez e alcalinidade encontradas na maioria dos solos agrícolas Acidez Acidez Amplitude

Leia mais

Feijão. 9.3 Calagem e Adubação

Feijão. 9.3 Calagem e Adubação Feijão 9.3 Calagem e Adubação Fonte: Fageria et al. (1996). 1996 CORREÇÃO DO SOLO -CALAGEM -GESSAGEM -SILICATAGEM CALAGEM -Aumento da eficiência dos adubos -Produtividade -Rentabilidade Agropecuária. Lopes

Leia mais

OPORTUNIDADE DE OTIMIZAÇÃO DO SISTEMA DE CULTURAS AGRICOLAS (ARROZ, SOJA, MILHO) Santa Maria, 09 de junho de 2016

OPORTUNIDADE DE OTIMIZAÇÃO DO SISTEMA DE CULTURAS AGRICOLAS (ARROZ, SOJA, MILHO) Santa Maria, 09 de junho de 2016 OPORTUNIDADE DE OTIMIZAÇÃO DO SISTEMA DE CULTURAS AGRICOLAS (ARROZ, SOJA, MILHO) PROF. TITULAR ENIO MARCHESAN UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Santa Maria, 09 de junho de 2016 ROTEIRO 1 - Caracterização

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ADUBAÇÃO PARA RENDIMENTO DE GRÃOS DE MILHO E SOJA NO PLANALTO SUL CATARINENSE 1 INTRODUÇÃO

ESTRATÉGIAS DE ADUBAÇÃO PARA RENDIMENTO DE GRÃOS DE MILHO E SOJA NO PLANALTO SUL CATARINENSE 1 INTRODUÇÃO 1 ESTRATÉGIAS DE ADUBAÇÃO PARA RENDIMENTO DE GRÃOS DE MILHO E SOJA NO PLANALTO SUL CATARINENSE 1 Carla Maria Pandolfo 2, Sérgio Roberto Zoldan 3, Milton da Veiga 4 INTRODUÇÃO O município de Campos Novos

Leia mais

CaLETA DE AMOSTRA DE TERRA PARA ANALISES QUiMICAS DO SOLO

CaLETA DE AMOSTRA DE TERRA PARA ANALISES QUiMICAS DO SOLO CaLETA DE AMOSTRA DE TERRA PARA ANALISES QUiMICAS DO SOLO Ana Candida P.A. Primavesi' Odo Primavesi' A caleta de amostra de terra e uma das principais fases daanalise qufmica do solo, embora muitas vezes

Leia mais

EFICIÊNCIA DA ADUBAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR RELACIONADA AOS AMBIENTES DE PRODUÇÃO E AS ÉPOCAS DE COLHEITAS

EFICIÊNCIA DA ADUBAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR RELACIONADA AOS AMBIENTES DE PRODUÇÃO E AS ÉPOCAS DE COLHEITAS EFICIÊNCIA DA ADUBAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR RELACIONADA AOS AMBIENTES DE PRODUÇÃO E AS ÉPOCAS DE COLHEITAS André Cesar Vitti Eng. Agr., Dr. PqC do Polo Regional Centro Sul/APTA acvitti@apta.sp.gov.br Entre

Leia mais

Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos

Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos Murillo Freire Junior Embrapa Agroindústria de Alimentos Rio de Janeiro, RJ 15/03/2016 Perdas e Desperdícios de

Leia mais

Composição do solo e relação entre as fases. Atributos físicos e químicos do solo -Aula 3- Prof. Alexandre Paiva da Silva.

Composição do solo e relação entre as fases. Atributos físicos e químicos do solo -Aula 3- Prof. Alexandre Paiva da Silva. Composição do solo e relação entre as fases Atributos físicos e químicos do solo -Aula 3- Prof. Alexandre Paiva da Silva Introdução Conceito de solo Formação e tipos de solo Importância dos solos Função

Leia mais

PNAG MÓDULO TECNOLOGIAS, PRÁTICAS AGRÍCOLAS E AMBIENTE. Estudo para elaboração de questionário Rio de Janeiro, 25 de outubro de 2011

PNAG MÓDULO TECNOLOGIAS, PRÁTICAS AGRÍCOLAS E AMBIENTE. Estudo para elaboração de questionário Rio de Janeiro, 25 de outubro de 2011 PNAG MÓDULO TECNOLOGIAS, PRÁTICAS AGRÍCOLAS E AMBIENTE Estudo para elaboração de questionário Rio de Janeiro, 25 de outubro de 2011 O uso agrícola é o principal condicionante das transformações do território

Leia mais

n novembro

n novembro n. 73 - novembro - 2009 mostragem de solo para o cultivo da bananeira 1 Maria Geralda Vilela Rodrigues 2 lex Teixeira ndrade 3 Maurício Mendes Cardoso 4 Otacílio Gomes Filho 5 INTRODUÇÃO Uma amostra de

Leia mais

GIRASSOL: Sistemas de Produção no Mato Grosso

GIRASSOL: Sistemas de Produção no Mato Grosso GIRASSOL: Sistemas de Produção no Mato Grosso Clayton Giani Bortolini Engº Agr. MSc Diretor de Pesquisas Fundação Rio Verde Formma Consultoria Agronômica Produção Agrícola no Mato Grosso Uma safra / ano:

Leia mais

EFICÁCIA DO TRADO HOLANDÊS NA AMOSTRAGEM DE SOLO EM LAVOURAS NO SISTEMA PLANTIO DIRETO

EFICÁCIA DO TRADO HOLANDÊS NA AMOSTRAGEM DE SOLO EM LAVOURAS NO SISTEMA PLANTIO DIRETO EFICÁCIA DO TRADO HOLANDÊS NA AMOSTRAGEM DE SOLO EM LAVOURAS NO SISTEMA PLANTIO DIRETO EFFICIENTY OF THE DUTCH AUGER FOR SAMPLING SOIL IN NO-TILLAGE SYSTEM SALET, Roberto L. 1 ; NICOLODI, Margarete 2 *;

Leia mais

Otrigo é uma das principais culturas para produção

Otrigo é uma das principais culturas para produção 171 Manejo da fertilidade do solo na cultura de trigo Geraldino Peruzzo Sirio Wiethölter Otrigo é uma das principais culturas para produção de grãos no inverno. Em adição, ele tem muita importância para

Leia mais

Coleta de amostras de raízes e solo para análise nematológica. Wilson Roberto T. Novaretti

Coleta de amostras de raízes e solo para análise nematológica. Wilson Roberto T. Novaretti Coleta de amostras de raízes e solo para análise nematológica Wilson Roberto T. Novaretti COLETA DE AMOSTRAS DE RAÍZES E SOLO PARA ANÁLISE NEMATOLÓGICA Wilson Roberto T. Novaretti Engenheiro Agrônomo Dr.

Leia mais

Poros Bloqueados ou Porosidade Livre de Água. Nota: A Porosidade Livre de Água é importante na aeração do solo.

Poros Bloqueados ou Porosidade Livre de Água. Nota: A Porosidade Livre de Água é importante na aeração do solo. POROSIDADE DO SOLO Definição: representa a porção do solo em volume, não ocupada por sólidos. Var + Vágua Vt Determinação da Porosidade Total: a) Porosidade Total Calculada = Vporos Vt b) Porosidade Total

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS - SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS - SIG SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS - SIG Prof. Dr. Cristiano Zerbato Prof. Dr. David L. Rosalen Agricultura de Precisão CONCEITOS AGRICULTURA DE PRECISÃO (AP) PRECISION AGRICULTURE or PRECISION FARM (PRECISION

Leia mais

11 dicas sobre amostragem do solo agrícola.

11 dicas sobre amostragem do solo agrícola. 11 dicas sobre amostragem do solo agrícola. 1 Encontre o começo. 2 Faça a sua escolha e aproveite bem os serviços. 3 Conheça as condições. 4 Seja cauteloso. 5 Delimite a área. 6 Conheça os critérios. 7

Leia mais

ISSN Junho, Amostragem e Cuidados na Coleta de Solo para Fins de Fertilidade

ISSN Junho, Amostragem e Cuidados na Coleta de Solo para Fins de Fertilidade ISSN 1517-3135 Junho, 2014 115 Amostragem e Cuidados na Coleta de Solo para Fins de Fertilidade ISSN 1517-3135 Junho, 2014 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Ocidental Ministério

Leia mais

Tecnologias da Geoinformação aplicadas a Agricultura de Precisão. EAD CR Campeiro7 Edição 2015

Tecnologias da Geoinformação aplicadas a Agricultura de Precisão. EAD CR Campeiro7 Edição 2015 Tecnologias da Geoinformação aplicadas a Agricultura de Precisão EAD CR Campeiro7 Edição 2015 Fonte - AGCO Como a agricultura de precisão ainda é considerada por muitos no Brasil A agricultura de precisão

Leia mais

ANÁLISE DE SOLO E FOLIAR: INÍCIO DO SUCESSO DA LAVOURA

ANÁLISE DE SOLO E FOLIAR: INÍCIO DO SUCESSO DA LAVOURA ANÁLISE DE SOLO E FOLIAR: INÍCIO DO SUCESSO DA LAVOURA André Guarçoni M. D.Sc. Solos e Nutrição de Plantas Pesquisador do Incaper Dentro do processo produtivo de qualquer cultura, uma etapa de extrema

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Produção Vegetal

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Produção Vegetal Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Produção Vegetal AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS SEMENTES DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS ANA D. L. C. NOVEMBRE adlcnove@usp.br

Leia mais

NABO FORRAGEIRO E BIOCOMBUSTÍVEL

NABO FORRAGEIRO E BIOCOMBUSTÍVEL NABO FORRAGEIRO ROTAÇÃO DE CULTURA E BIOCOMBUSTÍVEL 1 ESPÉCIE E USOS É uma planta da família das Crucíferas, muito utilizada para adubação verde no inverno, rotação de culturas e alimentação animal. Fonte:

Leia mais

Gesso agrícola em solos do Cerrado brasileiro

Gesso agrícola em solos do Cerrado brasileiro Gesso agrícola em solos do Cerrado brasileiro Henrique José Guimarães Moreira MALUF¹; Diogo Santos CAMPOS²; Phyllypi Fernandes de MELO 3 ; Guilherme Ebelem Guimarães Moreira MALUF 1. ¹Graduando em Agronomia

Leia mais

AMOSTRAGEM DO SOLO PERGUNTAS E RESPOSTAS

AMOSTRAGEM DO SOLO PERGUNTAS E RESPOSTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA SETOR DE CIENCIAS AGRARIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENG. AGRICOLA PROJETO DE EXTENSAO UNIVERSITARIA SOLO PLANTA AMOSTRAGEM DO SOLO PERGUNTAS E RESPOSTAS Beatriz Monte Serrat

Leia mais

Protocolo coleta de solos

Protocolo coleta de solos MATERIAL NECESSÁRIO - Sacos plásticos reforçados com capacidade para 2kg - Esparadrapo - Marcador permanente - Trado Holandês - Espátula - Terçado - Lima - Pano úmido ONDE COLETAR 1) A coleta deve ser

Leia mais

XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo

XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo EDUCAR para PRESERVAR el suelo y conservar la vida en La Tierra Cusco Perú, del 9 al 15 de Noviembre del 2014 Centro de Convenciones

Leia mais

Amostragem Georreferenciada

Amostragem Georreferenciada 02 Amostragem Georreferenciada André F. Colaço¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, MSc, Doutorando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (USP-ESALQ); ² Prof. Dr. Associado III, coordenador do Laboratório de

Leia mais

3.4.2. Época 2: Semeadura da pastagem simultaneamente com a semeadura do milho safrinha numa única operação

3.4.2. Época 2: Semeadura da pastagem simultaneamente com a semeadura do milho safrinha numa única operação Tecnologia e Produção: Milho Safrinha e Culturas de Inverno - 2008 espaçamento de 45 cm. O método leva em consideração que parte das sementes da pastagem serão incorporadas na operação de semeadura do

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO E ADUBAÇÃO

PROGRAMA DE MONITORAMENTO E ADUBAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA DEPTO DE CIÊNCIA DO SOLO E ENG. AGRÍCOLA PROGRAMA DE MONITORAMENTO E ADUBAÇÃO Prof. Dr. Adriel F. da Fonseca Professor Adjunto Bolsista PQ do CNPq Estratégia da Apresentação

Leia mais

A PRÁTICA DA CALAGEM EM SISTEMA PLANTIO DIRETO

A PRÁTICA DA CALAGEM EM SISTEMA PLANTIO DIRETO A PRÁTICA DA CALAGEM EM SISTEMA PLANTIO DIRETO Eduardo Fávero Caires Professor e Pesquisador Fertilidade do Solo UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Seminário sobre o Dia Nacional do Calcário Brasília

Leia mais

Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde

Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde Julio Cezar Franchini Eleno Torres Luiz Gustavo Garbelini Mario

Leia mais

Aspectos comerciais e produtivos do Mogno Africano. José Leonardo A. S. Monteiro

Aspectos comerciais e produtivos do Mogno Africano. José Leonardo A. S. Monteiro Aspectos comerciais e produtivos do Mogno Africano José Leonardo A. S. Monteiro Agenda Aspectos Estratégicos: Tipos de espécies Aspectos Estratégicos: Espaçamento Manejo Custos de implantação e manutenção

Leia mais

Estudante da UPF; 2 Prof. Da UPF. CAMPUS I - BR 285, km 171, Bairro São José, Caixa Postal 611. CEP Passo Fundo/RS

Estudante da UPF; 2 Prof. Da UPF. CAMPUS I - BR 285, km 171, Bairro São José, Caixa Postal 611. CEP Passo Fundo/RS VARIAÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA, FÓSFORO, POTÁSSIO E ENXOFRE, EM FUNÇÃO DA PROFUNDIDADE DE AMOSTRAGEM E DO RELEVO, DE UM LATOSSOLO COM SISTEMA PLANTIO DIRETO CONSOLIDADO FALCÃO, F.V. 1 ; ESCOSTEGUY P.A.V.

Leia mais

RENDIMENTO EM ÓLEO DAS VARIEDADES DE GIRASSOL CULTIVADAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PARA O PROJETO RIOBIODIESEL

RENDIMENTO EM ÓLEO DAS VARIEDADES DE GIRASSOL CULTIVADAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PARA O PROJETO RIOBIODIESEL RENDIMENTO EM ÓLEO DAS VARIEDADES DE GIRASSOL CULTIVADAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PARA O PROJETO RIOBIODIESEL Leonardo Moreira de Lima, UFRRJ, wanderpesagro@yahoo.com.br Rafael Silveira Chiaro, UFRRJ,

Leia mais

Economia, Ambiente e Ética

Economia, Ambiente e Ética Programa de Ensino e Difusão de Tecnologias O Bem-Estar na Fazenda Economia, Ambiente e Ética na produção de alimentos, madeira e biomassa. Ciência, Técnica e Prática Acreditamos que as empresas e as organizações

Leia mais

Comunicado Técnico. 150 ISSN 1806-9185 Dezembro, 2006 Pelotas, RS. Calagem e adubação para a cultura da mamona no Sul do Brasil.

Comunicado Técnico. 150 ISSN 1806-9185 Dezembro, 2006 Pelotas, RS. Calagem e adubação para a cultura da mamona no Sul do Brasil. Comunicado Técnico 150 ISSN 1806-9185 Dezembro, 2006 Pelotas, RS Calagem e adubação para a cultura da mamona no Sul do Brasil Walkyria Bueno Scivittaro 1 Clenio Nailto Pillon 1 Introdução A mamoneira é

Leia mais

79 ISSN Dezembro, 2009 Corumbá, MS

79 ISSN Dezembro, 2009 Corumbá, MS 79 ISSN 98-723 Dezembro, 2009 Corumbá, MS Análise de Solos: Finalidade e Procedimentos de Amostragem Evaldo Luis Cardoso Ana Helena Bergamim Marozzi Fernandes 2 Fernando Antonio Fernandes 3 Introdução

Leia mais

Protocolo coleta de solos para determinar perfis deformados.

Protocolo coleta de solos para determinar perfis deformados. OBJETIVO D COLET coleta de amostras de solos deformada possibilita a realização de análise de nutrientes, carbono e granulometria do solo. Dessa forma, este tipo de coleta se torna complementar à coleta

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE ALFACE EM SISTEMA DE CULTIVO ORGÂNICO

CUSTO DE PRODUÇÃO DE ALFACE EM SISTEMA DE CULTIVO ORGÂNICO CUSTO DE PRODUÇÃO DE ALFACE EM SISTEMA DE CULTIVO ORGÂNICO Fernando Bergantini Miguel Adm. Emp., Ms., PqC do Polo Regional da Alta Mogiana/APTA fbmiguel@apta.sp.gov.br Regina Kitagawa Grizotto Eng. Alim.,

Leia mais

Nutrição, Adubação e Calagem

Nutrição, Adubação e Calagem Nutrição, Adubação e Calagem Importância da nutrição mineral Embora o eucalipto tenha rápido crescimento, este é muito variável. Os principais fatores que interferem no crescimento estão relacionados com

Leia mais

Continente asiático maior produtor (80%) Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja

Continente asiático maior produtor (80%) Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja Alimento de importância mundial Continente asiático maior produtor (80%) Brasil 9º país produtor RS - 70% da produção nacional Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja CONAB Nitrogênio é bastante

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO. Prof. Dr. Reges Heinrichs UNESP - Dracena

AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO. Prof. Dr. Reges Heinrichs UNESP - Dracena AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO Prof. Dr. Reges Heinrichs UNESP - Dracena 2010 Introdução Inicialmente: realizada de forma subjetiva e empírica como referência o desenvolvimento da vegetação. Atualmente:

Leia mais

Mitigação dos gases do efeito estufa pelo agronegocio no Brasil. Carlos Clemente Cerri

Mitigação dos gases do efeito estufa pelo agronegocio no Brasil. Carlos Clemente Cerri Mitigação dos gases do efeito estufa pelo agronegocio no Brasil Carlos Clemente Cerri PLANO DE APRESENTAÇÃO Aquecimento global Opções de mitigação Redução do desmatamento Pecuária Reflorestamento Agricultura

Leia mais

PROJETO AMBIENTAL LIXO RURAL

PROJETO AMBIENTAL LIXO RURAL PROJETO AMBIENTAL LIXO RURAL NATUREZA: Coleta de resíduos sólidos domiciliares da zona rural. LOCAL: Zona rural do município de Santa Rita d Oeste - SP. EMPREENDEDOR: Secretaria Municipal de Agricultura,

Leia mais

Resposta a Gesso pela Cultura do Algodão Cultivado em Sistema de Plantio Direto em um Latossolo de Cerrado

Resposta a Gesso pela Cultura do Algodão Cultivado em Sistema de Plantio Direto em um Latossolo de Cerrado Resposta a Gesso pela Cultura do Algodão Cultivado em Sistema de Plantio Direto em um Latossolo de Cerrado Djalma M. Gomes de Sousa, Thomaz A. Rein, Julio Cesar Albrech (Embrapa Cerrados, BR 020, Km 18,

Leia mais

Introdução à Meteorologia Agrícola

Introdução à Meteorologia Agrícola LCE 306 Meteorologia Agrícola Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci Aula # 1 Introdução à Meteorologia Agrícola ESALQ/USP 2009 O que é Meteorologia Agrícola? Por que se cultiva uma cultura

Leia mais

DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL E ANÁLISE FOLIAR

DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL E ANÁLISE FOLIAR Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Agrárias Departamento de Solos e Engenharia Agrícola AL 320 - Nutrição Mineral de Plantas DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL E ANÁLISE FOLIAR Professor: Volnei Pauletti

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DE TRILHAS RETAS E PARCELAS EM CURVA DE NÍVEL EM FLORESTAS NA REGIÃO DE SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA.

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DE TRILHAS RETAS E PARCELAS EM CURVA DE NÍVEL EM FLORESTAS NA REGIÃO DE SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA. TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DE TRILHAS RETAS E PARCELAS EM CURVA DE NÍVEL EM FLORESTAS NA REGIÃO DE SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA. 1. Objeto Contratação de serviço especializado de topografia plani-altimétrica

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 Etimologia e evolução histórica Etimologia Evolução histórica A erva-mate nas diferentes regiões produtoras CAPÍTULO 2

SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 Etimologia e evolução histórica Etimologia Evolução histórica A erva-mate nas diferentes regiões produtoras CAPÍTULO 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... CAPÍTULO 1... Etimologia e evolução histórica... 1. Etimologia... 2. Evolução histórica... 3. A erva-mate nas diferentes regiões produtoras... 3.1. A erva-mate na Argentina... 3.2.

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Campus de Dracena Disciplina: Solos. Estrutura do Solo. Prof. Dr. Reges Heinrichs 2010

Universidade Estadual Paulista Campus de Dracena Disciplina: Solos. Estrutura do Solo. Prof. Dr. Reges Heinrichs 2010 Universidade Estadual Paulista Campus de Dracena Disciplina: Solos Estrutura do Solo Prof. Dr. Reges Heinrichs 2010 Estrutura do Solo É o resultado da agregação das partículas primárias, originando formas

Leia mais

Módulo 2. Conceitos do MIP

Módulo 2. Conceitos do MIP Módulo 2 Conceitos do MIP O que fazer para conter essa praga? A solução não está no MIP por cultura! MIP Soja Identificação das Pragas e dos Inimigos Naturais Monitoramento Tomada de decisão MIP Algodão

Leia mais

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO NO CERRADO

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO NO CERRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE RONDONÓPOLIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E TECNOLÓGICAS MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO NO CERRADO Edicarlos Damacena

Leia mais

ENSAIOS DE CAMPO SPT (Santard Penetration Test)

ENSAIOS DE CAMPO SPT (Santard Penetration Test) ENSAIOS DE CAMPO SPT (Santard Penetration Test) NORMAS - NBR 8036: Programação de sondagens de simples reconhecimento dos solos; - NBR 7250: Identificação e descrição de amostras de solo obtidas em sondagens

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 127. Janeiro/1981

CIRCULAR TÉCNICA N o 127. Janeiro/1981 IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS PBP/3.4.1. CIRCULAR TÉCNICA N o 127 Janeiro/1981 ISSN 0100-3453 TRATABILIDADE DE LÂMINAS DE MADEIRA DE Pinus spp. PARA CONFECÇÃO

Leia mais

GERAÇÃO DE UM ÍNDICE DE FERTILIDADE PARA DEFINIÇÃO DE ZONAS DE MANEJO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

GERAÇÃO DE UM ÍNDICE DE FERTILIDADE PARA DEFINIÇÃO DE ZONAS DE MANEJO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO GERAÇÃO DE UM ÍNDICE DE FERTILIDADE PARA DEFINIÇÃO DE ZONAS DE MANEJO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ¹L.M.Gimenez, ²J.P. Molin (orientador): Departamento de Engenharia Rural ESALQ/USP RESUMO: A realização

Leia mais

Incremento Diamétrico de Trichilia claussenii C.DC. em uma Floresta Estacional Subtropical no Interior do Estado do Rio Grande do Sul

Incremento Diamétrico de Trichilia claussenii C.DC. em uma Floresta Estacional Subtropical no Interior do Estado do Rio Grande do Sul Incremento Diamétrico de Trichilia claussenii C.DC. em uma Floresta Estacional Subtropical no Interior do Estado do Rio Grande do Sul Táscilla Magalhães Loiola (1) ; Marcos Corrêa Kemmerich (1) ; Bruna

Leia mais

Técnicas de Monitoramento e Controle de Processos Corrosivos

Técnicas de Monitoramento e Controle de Processos Corrosivos Técnicas de Monitoramento e Controle de Processos Corrosivos METODOLOGIA DE MONITORAMENTO DA Seleção dos pontos de monitoramento (localização dos provadores) Histórico de agressividade do fluido; Histórico

Leia mais

Manejo da adubação para produção de grãos em solos de fertilidade construída. Álvaro V. Resende

Manejo da adubação para produção de grãos em solos de fertilidade construída. Álvaro V. Resende Manejo da adubação para produção de grãos em solos de fertilidade construída Álvaro V. Resende Roteiro Solo de fertilidade construída: base para produção intensiva Construção de um ambiente de alto potencial

Leia mais

Amostragem do solo. Aula 10. Adilson de C. Antônio. e-tec Brasil - Solos

Amostragem do solo. Aula 10. Adilson de C. Antônio. e-tec Brasil - Solos Adilson de C. Antônio Aula 10 e-tec Brasil - Solos Amostragem do solo Meta Apresentar como é realizada a amostragem de solos. Objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: 1. distinguir estratos

Leia mais

PLANTIO DIRETO DO TOMATEIRO. Roberto Botelho Ferraz Branco Eng. Agr., Dr., PqC do Polo Regional Centro Leste/APTA branco@apta.sp.gov.

PLANTIO DIRETO DO TOMATEIRO. Roberto Botelho Ferraz Branco Eng. Agr., Dr., PqC do Polo Regional Centro Leste/APTA branco@apta.sp.gov. PLANTIO DIRETO DO TOMATEIRO Roberto Botelho Ferraz Branco Eng. Agr., Dr., PqC do Polo Regional Centro Leste/APTA branco@apta.sp.gov.br A agricultura moderna está pautada em elevadas produtividades e conservação

Leia mais

CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO

CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO 526 Adubos e Adubação CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO Prof.

Leia mais

Produtividade de cafeeiros adultos e na primeira colheita pós-recepa adubados com materiais orgânicos em propriedades de base familiar

Produtividade de cafeeiros adultos e na primeira colheita pós-recepa adubados com materiais orgânicos em propriedades de base familiar Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013. Belo Horizonte Produtividade de cafeeiros adultos e na primeira colheita pós-recepa adubados com materiais orgânicos em propriedades de base

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA ESTRUTURAS DE MADEIRA PROPRIEDADES FÍSICAS DA MADEIRA AULAS 2 e 3 EDER BRITO GENERALIDADES A madeira é um material não homogêneo com muitas variações. Além disto, existem diversas espécies com diferentes

Leia mais

Capítulo 6. Amostragem de Solo

Capítulo 6. Amostragem de Solo Como citar este artigo: 168 ARAÚJO, E. A. ; AMARAL, Eufran Ferreira Do ; LANI, João Luiz. Amostragem de solo. In: Paulo Guilherme Salvador Wadt. (Org.). Manejo do solo e recomendação de adubação para o

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2012 Plano de Trabalho Docente 2012 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Ensino Técnico Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Síntese de seleção de atributos relevantes para estimativa de gesso agrícola

Síntese de seleção de atributos relevantes para estimativa de gesso agrícola Síntese de seleção de atributos relevantes para estimativa de gesso agrícola Rayson Bartoski Laroca dos Santos 1, Alaine Margarete Guimarães 1, Karine Sato da Silva 1, Eduardo Fávero Caires 2 1 Departamento

Leia mais

Armazenamento e Beneficiamento de Grãos FER Amostragem dos Grãos

Armazenamento e Beneficiamento de Grãos FER Amostragem dos Grãos Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Faculdade de Engenharia Campus de Ilha Solteira Departamento de Fitossanidade, Engenharia Rural e Solos Armazenamento e Beneficiamento de Grãos FER

Leia mais

FEHIDRO Fundo Estadual de Recursos Hídricos

FEHIDRO Fundo Estadual de Recursos Hídricos VIVEIRO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS NATIVAS PROJETO DE CONSTRUÇÃO OU AMPLIAÇÃO DE VIVEIRO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS NATIVAS introdução Para elaboração de um projeto de construção/ampliação de

Leia mais

Capítulo 6 Sistemas Computadorizados de Auxílio ao Diagnóstico Médico

Capítulo 6 Sistemas Computadorizados de Auxílio ao Diagnóstico Médico 25 Capítulo 6 Sistemas Computadorizados de Auxílio ao Diagnóstico Médico Existem diversos tipos de aplicações já desenvolvidas envolvendo o uso de processamento de imagens médicas, a fim de auxiliar o

Leia mais

A Cultura do Cevada (Hordeum vulgare)

A Cultura do Cevada (Hordeum vulgare) A Cultura do Cevada (Hordeum vulgare) INTRODUÇÃO: - Origem: - Mesopotâmia; - Produção: - Ásia; - Europa; - América do Norte; - 80%. INTRODUÇÃO: - Características das regiões produtoras; - Brasil: - 1920-1930;

Leia mais

econômica, utilizando-se, para isso, do índice obtido pela relação preço de quilograma âe adubo para preço de quilograma de algodão em caroço.

econômica, utilizando-se, para isso, do índice obtido pela relação preço de quilograma âe adubo para preço de quilograma de algodão em caroço. EMPREGO DE COMPUTADOR, NA ELABORAÇÃO DE RECOMENDAÇÕES DE ADUBAÇÃO E DE CALAGEM ( 1 ). A. C. MONIZ e TOSHIO IGUE ( 2 ). A utilização de computador para processamento de dados, a fim de efetuar recomendações

Leia mais

Avaliação econômica da floresta nativa em propriedades rurais, em face do novo Código Florestal

Avaliação econômica da floresta nativa em propriedades rurais, em face do novo Código Florestal Avaliação econômica da floresta nativa em propriedades rurais, em face do novo Código Florestal Marcelo Leoni Schmid marcelo@indexambiental.com.br Como o recurso florestal é visto no Brasil? Parte I...

Leia mais

Palavras chave: doses de calcário, ph do solo, formas de manejo, produção.

Palavras chave: doses de calcário, ph do solo, formas de manejo, produção. APLICAÇÃO DE CALCÁRIO EM SUPERFÍCIE E INCORPORADO EM CAMPO NATIVO. Edilceu João da Silva Santos 1,Flávio Moreira Xavier 1, Danilo dos Santos Rheinheimer 1, João Kaminski 1, Dalvan Reinert 1, Antônio Nolla

Leia mais

Construção de Perfil do Solo

Construção de Perfil do Solo Gargalos Tecnológicos para Produção Agrícola Construção de Perfil do Solo Eduardo Fávero Caires Universidade Estadual de Ponta Grossa Solos com Fertilidade Baixa ou Muito Baixa Acidez Excessiva Teor tóxico

Leia mais

A CALAGEM COM FATOR DE COMPETITIVIDADE NO AGRONEGÓCIO. Álvaro Resende

A CALAGEM COM FATOR DE COMPETITIVIDADE NO AGRONEGÓCIO. Álvaro Resende A CALAGEM COM FATOR DE COMPETITIVIDADE NO AGRONEGÓCIO Álvaro Resende LEM 04/06/2015 Roteiro A calagem como fator de competitividade Manejo da acidez do solo Síntese A calagem como fator de competitividade

Leia mais

ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA CALAGEM, ADUBAÇÃO ORGÂNICA E POTÁSSICA

ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA CALAGEM, ADUBAÇÃO ORGÂNICA E POTÁSSICA ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA CALAGEM, ADUBAÇÃO ORGÂNICA E POTÁSSICA Andrei de Souza da Silva¹, José Ricken Neto 1, Vanderson Mondolon Duarte 1, Fernando José Garbuio

Leia mais

Mobilização = propiciar às culturas condições próximas às ideais para o seu desenvolvimento.

Mobilização = propiciar às culturas condições próximas às ideais para o seu desenvolvimento. 1 INTRODUÇÃO Mobilização = propiciar às culturas condições próximas às ideais para o seu desenvolvimento. Preparo do solo, objetivo: ambiente favorável ao desenvolvimento e produção cultura - capacidade

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO - NÍVEL DE APERFEIÇOAMENTO, EM NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO RACIONAL DE CULTURAS DE LAVOURA

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO - NÍVEL DE APERFEIÇOAMENTO, EM NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO RACIONAL DE CULTURAS DE LAVOURA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO - NÍVEL DE APERFEIÇOAMENTO, EM NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO RACIONAL DE CULTURAS DE LAVOURA PROMOÇÃO Instituto de Ciências Agronômicas Professor Elmar Luiz Floss Instituto Incia Passo Fundo-RS

Leia mais

BENFEITORIAS PARA A CRIAÇÃO DO BICHO-DA-SEDA

BENFEITORIAS PARA A CRIAÇÃO DO BICHO-DA-SEDA 1 BENFEITORIAS PARA A CRIAÇÃO DO BICHO-DA-SEDA As benfeitorias para a criação do bicho-da-seda são chocadeira ou criadeira, sirgaria ou barracão, depósito de ramos da amoreira, depósito de bosques, depósito

Leia mais

RESISTÊNCIA DO SOLO À PENETRAÇÃO APÓS A CULTURA DA SOJA SOBRE AVEIA PRETA E NABO FORRAGEIRO EM DOIS MANEJOS DO SOLO

RESISTÊNCIA DO SOLO À PENETRAÇÃO APÓS A CULTURA DA SOJA SOBRE AVEIA PRETA E NABO FORRAGEIRO EM DOIS MANEJOS DO SOLO RESISTÊNCIA DO SOLO À PENETRAÇÃO APÓS A CULTURA DA SOJA SOBRE AVEIA PRETA E NABO FORRAGEIRO EM DOIS MANEJOS DO SOLO Alberto Kazushi Nagaoka 1 Pedro Castro Neto 2 Antônio Carlos Fraga 3 Marcos Antonio Piccini

Leia mais

Mapeamento de colheita para Agricultura de Precisão

Mapeamento de colheita para Agricultura de Precisão Mapeamento de colheita para Agricultura de Precisão Prof. Dr. Rouverson Pereira da Silva Prof. Dr. Cristiano Zerbato LABORATÓRIO DE MÁQUINAS E MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA Quais são as dificuldades atuais da mecanização?

Leia mais

O LIVRO DIDÁTICO DE GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE DO CONTEÚDO GEOGRAFIA FÍSICA DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO

O LIVRO DIDÁTICO DE GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE DO CONTEÚDO GEOGRAFIA FÍSICA DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO O LIVRO DIDÁTICO DE GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE DO CONTEÚDO GEOGRAFIA FÍSICA DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO ALVES, Joselma Ferreira Universidade Estadual da Paraíba Joselmaferreira133@hotmail.com

Leia mais

1 van 1 11/04/2008 19:30

1 van 1 11/04/2008 19:30 Calcareadora Tração Animal http://www.iadel.com.br/prod07.htm 1 van 1 11/04/2008 19:30 Calcareadora Tração Animal Dados técnicos: Capacidade total de carga de 400 kg de calcário ou esterco orgânico. Com

Leia mais

Resíduos culturais e resultado de análise de solo coletado com diferentes amostradores no sistema de plantio direto

Resíduos culturais e resultado de análise de solo coletado com diferentes amostradores no sistema de plantio direto Ciência Resíduos Rural, Santa culturais Maria, e resultado v.35, n.1, de p.69-75, análise de jan-fev, solo coletado 2005 com diferentes amostradores no sistema de plantio direto. ISSN 0103-8478 69 Resíduos

Leia mais

TECNOLOGIAS PARA UMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL

TECNOLOGIAS PARA UMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL TECNOLOGIAS PARA UMA AGRICULTURA SUSTENTÁVEL FERNANDO PENTEADO CARDOSO ENG. AGRÔNOMO PRESIDENTE DAFUNDAÇÃOAGRISUS DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL É aquele que satisfaz as necessidades do presente sem prejudicar

Leia mais

Fabricio Bianchini; Carlos Carraro; Roberto Martins de Souza; Celina Wisniewski 1.

Fabricio Bianchini; Carlos Carraro; Roberto Martins de Souza; Celina Wisniewski 1. Desenvolvimento Rural Monferrer 288 - AVALIAÇÃO DA ANÁLISE QUÍMICA DO SOLO COMPARANDO OS SISTEMAS CONVENCIONAL E AGROECOLÓGICO DE PRODUÇÃO TRADICIONAL, COMO UM INDICADOR DA SUSTENTABILIDADE NA AGRICULTURA

Leia mais

Estatística. Aula 1 -Fundamentos e conceitos básicos (Notas de aula) Prof. Idemauro Antonio Rodrigues de Lara

Estatística. Aula 1 -Fundamentos e conceitos básicos (Notas de aula) Prof. Idemauro Antonio Rodrigues de Lara Estatística Aula 1 -Fundamentos e conceitos básicos (Notas de aula) Prof. Idemauro Antonio Rodrigues de Lara Objetivo da disciplina Adquirir conhecimento dos fundamentos da Estatística, em seus campos

Leia mais

PROGRAMA DE PRÉ-REQUISITOS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS - BPA

PROGRAMA DE PRÉ-REQUISITOS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS - BPA PROGRAMA DE PRÉ-REQUISITOS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS - BPA Leonora Mansur Mattos Laboratório de Pós-Colheita Embrapa Hortaliças BOAS PRÁTICAS PRÁTICAS E PROCEDIMENTOS ESTABELECIDOS PARA A PRODUÇÃO PRIMÁRIA

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO REPUBLICADA EM 04-06-09 SEÇÃO I PÁG. 44 RESOLUÇÃO SMA Nº 31, DE 19 DE MAIO DE 2009 Dispõe sobre os procedimentos para análise dos pedidos de supressão de vegetação nativa para parcelamento

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Aglomerados subnormais Primeiros resultados

Censo Demográfico 2010. Aglomerados subnormais Primeiros resultados Censo Demográfico 2010 Aglomerados subnormais Primeiros resultados Rio de Janeiro, 21 de dezembro de 2011 Conceito de Aglomerado Subnormal Conceito de Aglomerado Subnormal no IBGE É um conjunto constituído

Leia mais