Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 04 TCP/IP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 04 TCP/IP"

Transcrição

1 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo V1.0 Introdução: Histórico O DoD (Department of Defense) criou a ARPANET (ARPA - Advanced Research Projects Agency) que era uma rede com 4 nós e foi o primeiro experimento que demonstrou a viabilidade de uma rede com tecnologia de chaveamento de pacotes O experimento foi publicamente demonstrado contando com a inclusão de várias universidades e centros de pesquisa. Neste ano foram iniciados os trabalhos de elaboração de uma segunda geração de protocolos baseados no conhecimento adquirido com o experimento realizado A família de novos protocolos foi especificada, implementada e submetida a exaustivos testes. Os dois primeiros membros desta família foram o Transmission Control Protocol (TCP) e o Internet Protocol (). O termo passou então a ser utilizado para referir-se a toda a família de protocolos o tornou-se o protocolo padrão utilizado pela DoD Internet o Brower Mosaic provoca uma tempestade na Internet. O WWW criado 2 anos antes prolifera numa taxa de crescimento anual de % em termos de tráfego. No final dos 90s o dominou o cenário das redes, sendo adotado além da Internet, nas redes dentro das empresas e das residências. Praticamente todas as outras arquiteturas desapareceram ou convergiram para. Em 2005 uma nova onda chamada de Triple Play está no foco das operadoras de telecomunicações para oferecer serviços de dados, voz e imagem sobre. É a convergência total para as comunicações sobre.

2 Introdução: Recordando o MR OSI Para estudarmos o devemos relembrar o modelo de referência OSI Data transport Application 7. Aplicação 6. Apresentação 5. Sessão 4. Transporte 3. Rede Fisica Aplicação: Fornece uma interface para que o programa aplicativo fale através da rede Apresentação: Cuida de aspectos como conversão de códigos, compressão e criptografia. Sessão: Estabelece e sincroniza o dialogo entre as maquinas participantes da comunicação Transporte: Garante que a mensagem chegue ao seu destino. Controla fluxo. Multiplexa conexões. Rede: Cuida do endereçamento e escolha do melhor caminho dentro da rede. Trata pacotes. : Manuseia a entrega da mensagem até o próximo nó através do enlace. Pode corrigir erros ocorridos na camada física. Trata frames. Física: Aspectos mecânicos, elétricos e funcionais da interface. Trata bits, transformando-os em pulsos no meio. Introdução: MR OSI x Arquitetura OSI 7. Aplicação 6. Apresentação 5. Sessão 4. Transporte 3. Rede Física Aplicação Transporte Internet Física As funções das camadas 5,6 e 7 do OSI são englobadas na camada de aplicação do As camadas 3 e 4 tem níveis funcionais semelhantes ao MR OSI. A arquitetura não define padrões para as camadas 1 (física) e 2 (enlace) como acontece no MR OSI. Inclusive alguns documentos tratam as duas conjuntamente como camada de subrede No nosso estudo continuaremos distinguindo as camadas 1(física) e 2 (enlace). Aqui comparamos a arquitetura OSI com a arquitetura, lembrando que o OSI não decolou mas passou a ser usada como referência para estudo

3 Introdução: Encapsulamento na transmissão HOST A Aplicação Application Data Application Segment Application Datagram Application Frame Frame Application Frame trailer Física Os dados da aplicação entram pela camada de aplicação onde ganham o da aplicação e posteriormente são enviados a camada de transporte onde ganham o de TCP ou UDP e passa a se chamar segmento Na camada após ganhar o desta camada passa a se chamar Datagrama ou pacote Na camada de enlace ganha o e o trailer e passa a se chamar quadro (frame) Na camada física os bits são transformados em pulsos elétricos, óticos ou de RF são enviados pelo meio físico Introdução: Desencapsulamento na recepção HOST B Data Application Aplicação Segment Application Datagram Application Frame Frame Application Frame trailer Física Os pulsos elétricos, óticos ou de RF chegam pelo meio físico e na camada física são transformados em bits e entregues a camada de enlace que recompõe o Frame Na camada de enlace os campos e trailer, do Frame, são lidos, tratados e retirados, enviando-se o Datagrama para a camada (rede) Na camada o do Datagrama é lido, tratado e retirado, enviando-se então o Segmento para a camada TCP ou UDP Na camada TCP ou UDP o do Segmento é lido, tratado e retirado, enviando-se então os dados da aplicação para a camada de aplicação Na camada de aplicação o de aplicação é retirado e o dado é passado ao aplicativo

4 Introdução: Relação client/server entre aplicações HOST A HOST B HOST C Aplicação X Client Aplicação X Server Aplicação Y Client Aplicação Y Server Física Física Física As aplicações em trabalham no modelo client-server. Exemplo: Para acessar um web server precisamos de um web client, o browser no caso. Um host pode rodar ao mesmo tempo algumas aplicações em modo client e outras em modo server. No exemplo acima o Host B esta rodando uma Aplicação X server para o Host A ao mesmo tempo que roda uma Aplicação Y client que acessa o Aplicação Y Server no Host C. Arquitetura protocolos básicos Aplicação WWW SMTP TELNET FTP DNS SNMP TFTP BOOTP RTP Transporte Transmission Control Protocol User Datagram Protocol Rede Internet Protocol Física Ethernet Token Ring PPP Frame Relay

5 Apicações: WEB e protocolo HTTP Web Client (Browser) Rede Web Server HTTP Request (GET URL/Gif) HTTP Response (Página requerida) WWW utiliza o protocolo HTTP (HyperText Transfer Protocol) e provê uma interface gráfica que permite a transmissão de dados multimídia (texto, imagens, audio e vídeo). O WWW popularizou e impulsionou a explosão do uso da Internet. O Web client é o browser como Netscape, Firefox ou Internet Explorer para citar alguns exemplos. São exemplos de Web server: Apache e IIS (Internet Information Services) Abaixo um exemplo de um GET de HTTP: GET / HTTP/1.1 Accept: */* Accept-Language: pt-br Accept-Encoding: gzip, deflate User-Agent: Mozilla/4.0 (compatible; MSIE 6.0; Windows NT 5.0) Host: Connection: Keep-Alive e os protocolos SMTP e POP3/IMAP Empresa Alfa Server Server Empresa Beta João SMTP SMTP Server POP3 Server SMTP Rede SMTP SMTP Server POP3 Server POP 3 Maria SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é um dos protocolos utilizados no sistema de correio eletrônico das redes. No exemplo acima, João envia um para Através do protocolo SMTP a estação de João se comunica com o SMTP Server no Server da empresa Alfa. Este por sua vez contacta via SMTP o server da empresa Beta e envia o . Dentro do Server de Beta o é repassado ao POP3 server. O enviado por João não é imediatamente entregue a Maria, mas fica a disposição para quando ela se conectar. Maria ativa o seu cliente de ao chegar ao trabalho e contacta o Server utilizando o protocolo POP3 e finalmente recebe a mensagem de João. Usando IMAP ao invés de POP3, o fica no Server. È possível organizar os s em pastas dentro do Server. Esta abordagem permite que um usuário recupere o seu de qualquer maquina, acessando inclusive suas pastas organizadas

6 Telnet Emulação de Terminal HOST A HOST B TELNET CLIENT Rede TELNET SERVER APLICAÇÃO TELNET Permite acessar um host remotamente se conectando a sua console através de um terminal virtual Telnet permite: Acessar a console de um servidor linux ou unix por exemplo. Acessar a console de um equipamento de rede como um roteador ou switch. O Telnet não é um protocolo seguro e alguém com um sniffer (analizador de dados) pode capturar o trafego entre o Host A e o Host B e descobrir as senhas de acesso. FTP File Transfer Protocol FILE A Rede FILE B FTP Client FTP Server FTP File Transfer Protocol É um protocolo de transferência de arquivos que permite: Transferir arquivos entre hosts. Renomear, apagar, criar diretórios e etc no host remoto Um comando PUT no Host A envia um arquivo para o Host B. Um comando Get no Host A, enquanto um comando de GET busca um arquivo no Host B. Assim como o Telnet o FTP não é um protocolo seguro porque os nomes de usuários e senhas passam em texto claro pela rede e podem ser monitorados e copiados.

7 SSH Secure Shell FILE A Rede FILE B SSH Client SSH Server SSH é um programa destina a permitir que usuários acessem outros computadores em um rede, executem comandos e façam transferência de arquivos. Efetivamente o SSH substitui o Telnet, o FTP e ainda outros utilitarios como rcp, rsh e remsh. A vantagem é que o SSH utiliza um esquema de autenticação forte e encripta os dados. Embora nenhum esquema de criptografia seja 100% seguro, conseguir exito em hackear uma conexão SSH demandaria muito esforço e recursos, o que desencoraja qualquer Hacker. São exemplos de programs freeware que utilizam SSH: Putty: para substituir Telnet Winscp: para substiruir FTP DNS Domain Name Server DNS Server Qual o de fsa.br? O de fsa.br é Home page da FSA Rede DNS Domain Name Server É um serviço que permite resolver nomes de domínios em endereços É muito mais fácil guardar fsa.br do que Quando fazemos qualquer tipo de acesso a um site na Internet e digitamos o nome de um domínio, o computador que estamos utilizando faz uma solicitação ao DNS para resolver o nome e informar qual o endereço As solicitações seguintes são destinados ao endereço informado pelo DNS

8 Outras aplicações e protocolos SNMP Utilizado em gerenciamento de redes. Define-se um componente gerente em um computador central e em cada host da rede pode haver um agente. Através de comandos snmp o gerente pode acessar um agente para ler variáveis da MIB que é um data base com informações sobre estatísticas de tráfego, erros e etc. O agente pode também enviar expontânemante TRAPs ao gerente, alertando sobre uma interface desconectada por exemplo. TFTP Trivial File Transfer Protocol Permite a transferência de arquivos, porém sem nenhum controle de usuario/password. Mais usado para atualização de firmwares e sotwares de equipamentos de rede BOOTP Utilizado em DHCP para atribuição de endereçamento dinâmico RTP Real Time Protocol Usado para transmissão de tráfego multimedia em Arquitetura Protocolos de Transporte TCP e UDP são os protocolos de transporte da arquitetura. Os dois provêem serviços de multiplexação para que múltiplas aplicações utilizem a rede. Porém os dois diferem quanto a outros aspectos: O TCP trabalha orientado a conexão e com garantia de entrega. É mais confiável porém menos eficiente. O UDP trabalha sem conexão e sem garantia de entrega. É mais eficiente porém não é confiável. WWW TELNET FTP DNS TFTP Transmission Control Protocol User Datagram Protocol Multiplexação através de ports no TCP e UDP

9 Protocolos de Transporte Numeração de s Os ports das aplicações geralmente são numerados de 0 a 1023, e são pré definidos e estabelecidos por normas. São os well known ports. Por exemplo: 80 TCP = HTTP server 21 TCP = Telnet server 69 UDP = TFTP server Os ports acima de 1024 e até podem ser usados por outras aplicações. Os processos clientes também podem assumir qualquer valor entre 1024 e TELNET Client TELNET Server HTTP Server PORT 1024 source TCP PORT 23 destination TCP PORT 80 UDP User Datagram Protocol FORMATO DO HEADER UDP Source port Message length Destination port Checksum Data UDP é um protocolo de transporte simples e eficiente realizando basicamente 3 funções: Transferência de dados Multiplexação Detecção de erros O UDP cuida da multiplexação através dos uso de ports. No layout acima vemos que o contém um source (origem) e um destination (destinatário) port. O UDP tem um campo de checksum usado somente para detecção de erro. A correção, através de retransmissão, não é de responsabilidade do UDP. Se o UDP percebe um pacote com checksum errado o pacote é descartado. O UDP não possui método de trabalho com conexão, por isso é chamado de conectionless O UDP não tem mecanismos para detectar se as mensagens estão duplicadas ou fora de ordem.

10 TCP Transmission Control Protocol O protocolo de transporte TCP é um protocolo completo e muito mais complexo que o UDP. Ele oferece os seguintes serviços: Transferência de dados Multiplexação Detecção e correção de erros Estabelecimento e liberação de conexão Segmentação Controle de fluxo Garantia de ordem das mensagens Priorização de dados urgentes A Multiplexação é feita com o uso de ports como no UDP Pacotes com CRC errados são descartados e transmissor retransmite após um time-out ou após receber um triple-ack do receptor. O TCP tem seqüências específicas para estabelecer e encerrar uma conexão. O TCP pode segmentar as mensagens recebidas da aplicação mantendo um controle seqüencial de cada segmento obtido. O controle de fluxo evita que o receptor transborde por receber excesso de dados. O TCP garante a entrega das mensagens na mesma ordem em que foram submetidas, sem perda ou duplicação e também sem erros. TCP Formato do Header Source port Destination port Sequence number Acknowledgement Number Data offset URP ACK PSH RST SYN FIN Window Checksun Options Urgent Pointer Padding Data Note os vários campos adicionais no do TCP, os quais permitem as várias funções adicionais desempenhados por este protocolo. Na página seguinte uma breve descrição de cada campo.

11 TCP Campos do Header Source : identifica o port de origem. Destination : identifica o port de destino. Sequence Number: número de seqüência do primeiro octeto do segmento. Acknowledgement: número do próximo ACK que o transmissor de um segmento está esperando receber. Aplicado apenas quando o control bit ACK estiver ligado. Data Offset: especifica o número de words de 32 bits do indicando, conseqüentemente, onde iniciam os dados no segmento. Este campo é necessário devido ao campo Options ser variável. Reserved: campo reservado e sempre preenchido com zeros. Control Bits: estabelecimento e término de conexões e outras importantes funções. Window: número de octetos (começando com o que está no campo acknowledgment) que podem ser aceitos pelo transmissor deste segmento. Checksum: verifica se o segmento foi transmitido sem erros. Urgent Pointer: este valor é um offset positivo a partir do campo Sequence Number e indica o final dos dados urgentes. Válido apenas se o control bit URG estiver ligado. Options: campo de tamanho variável disponível para indicar as opções do TCP. Este campo poderia ser utilizado, por exemplo, para indicar o tamanho máximo de segmento que o transmissor deseja receber. Padding: bits adicionais para garantir um de tamanho múltiplo de 32 bits. Arquitetura - Protocolo O (Internet Protocol) tem 3 funções básicas: Transfere pacotes chamados de datagramas (contendo dados + TCP ou UDP), mas faz isto de forma não confiável, ou seja não confirma se entregou ou não. Em função disso, os pacotes podem ser perdidos, duplicados ou entregue fora de ordem sem que a camada superior seja notificada. Trata endereçamento e conseqüentemente roteamento a nível de rede. O endereço é composto de 32 bits (V4) e um roteador é uma estação que tem pelo menos duas interfaces participando em redes com endereços diferentes. Fragmenta os datagramas para tamanhos compatíveis com os suportados pela subrede (enlace+física), por exemplo a rede Ethernet suporta pacotes de no máximo 1500 Bytes.

12 Formato do Header VERS HLEN Service Type Total Length Identification Flags Fragment Offset Time to Live Protocol Header Checksum Source address Destination address Options (may be null) Padding Datagram Data (up to bytes) Campos do Header Version: indica o formato do. As versões mais conhecidas são a 4 e a 6. Hlen (Header Length): indica o tamanho do em palavras de 32 bits. Type of Service: especifica a precedência e o TOS solicitado pelo host origem. Total Length: indica o tamanho do datagrama em octetos incluindo e data. Identification: assinalado pela origem para auxiliar na montagem de fragmentos de datagrama. Flags: utilizadas para controlar a fragmentação de datagramas. BIT 1 ( 0 = pode fragmentar, 1 = não pode fragmentar) BIT 2 ( 0 = último fragmento, 1 = existem mais fragmentos) Fragment Offset: indica a posição (em octetos) deste fragmento no datagrama original. Time to Live (TTL): indica quantos roteadores, no máximo, queo datagrama poderá atravessar na rede. Protocol: indica o protocolo do próximo nível (TCP, UDP, ICMP, OSPF etc). Checksum: checksum apenas do. Source Address: endereço de 32 bits divididos em 4 octetos do host origem. Destination Address: endereço de 32 bits divididos em 4 octetos do host destino. Options: campo de tamanho variável que pode ou não aparecer no datagrama. Padding: bits adicionais para garantir um de tamanho múltiplo de 32 bits.

13 Endereçamento Classe Formato Range #Redes # Hosts Exemplos A R.H.H.H M , , B R.R.H.H K 65.K , , C R.R.R.H M , , s e A s0 s D s1 s B e s s0 C e1 s R = Usado p/ Rede H = Usado p/ Host 7 bits => 0 a bits => 0 a => reservado => reservado Endereçamento com Subnet Internet Vendas Admin Fabril No exemplo acima a empresa usou o terceiro octeto do seu endereço para designar suas redes internas. Note que a mascara natural é mas internamente usou-se Subnets são subdivisões lógicas de um determinado endereço de rede feitas através da utilização das máscaras. Por razões técnicas ou administrativas, muitas organizações dividem suas redes em várias redes diferentes. A utilização de subnets permite um melhor aproveitamento e prove uma maior flexibilidade de atribuição de endereços.

14 Roteamento Conceitos Forma Direta Na mesma subrede, no mesmo fio, não passa por um router Indireta Em outra subrede, em outro fio, tem que passar por um router e A s s0 s1 B e e Tipo Estático O administrador de rede insere entradas na tabela de roteamento atraves de comandos no router. Dinâmico Os routers, conversam entre si através de protocolos de roteamento, e constroem automáticamente a tabela de roteamento. X e0 10 Mbps (cost 1) Header do Roteamento - Funcionamento Routing table Network IF cost e s s s s s s s s1 101 A B A s s0 s0 2 Mbps (cost 50) 2 Mbps (cost 50) S= D= TCP DADOS S=source D=destination C Network = Rede conhecida por este router IF = Interface de saída para se atingir esta rede Cost = Custo para chegar nesta rede por esta interface s0 D s1 B s1 s0 1 Mbps (cost 100) s Mbps (cost 50) C e0 Cost depende da velocidade Y Mbps (cost 1) A) Router lê o address de destino no pacote B) Router lê a tabela de roteamento na sua memória C) Router faz envio pela Interface escolhida D) Escolheu enviar por s1 devido ao menor custo

15 Arquitetura protocolos auxiliares do Aplicação WWW SMTP TELNET FTP DNS SNMP TFTP BOOTP RTP Transporte Transmission Control Protocol User Datagram Protocol IGMP ICMP Rede Internet Protocol ARP Física Ethernet Token Ring PPP Frame Relay Arquitetura protocolos auxiliares do ARP resolve endereço em endereço de enlace. Para enviar o datagrama para o correto uma estação precisa saber antes para qual MAC address vai enviar, se estiver numa rede local Ethernet, por exemplo. HOST A Frame Frame source destination source destinat 02:00:7D:4C:21:F1 02:00:7D:4C:21:F1 02:00:7D:81:30:1F Subrede Fisica Frame trailer ARP CACHE =02:00:7D:81:30:1F Quem é o ? MAC 02:00:7D:4C:21:F1 Eu sou o ! 2 MAC 02:00:7D:81:30:1F

16 Arquitetura protocolos auxiliares do ICMP tem duas funcionalidade importantes: Notificar a estação transmissora que um nó não pode encaminhar um datagrama, uma vez que o não faz nenhum tipo de confirmação Permitir testes de conectividade entre estações. Os comandos PING e TRACERT utilizam o protocolo ICMP ICMP Echo Request ICMP Echo Reply Routing Table Datagrama para host ICMP Destination unreachable! IGMP é utilizado para tráfego Multicast. Isto permite que uma transmissão de pacotes seja feita simultaneamente para um grupo de estações economizando banda da rede. Por exemplo uma transmissão de um vídeo de treinamento para um grupo de funcionários de uma empresa. Arquitetura protocolos de roteamento Aplicação WWW SMTP TELNET FTP DNS SNMP TFTP BOOTP RTP Transporte Transmission Control Protocol R User Datagram Protocol IGMP OSPF ICMP Rede Internet Protocol ARP Física Ethernet Token Ring PPP Frame Relay

17 Para ativar um roteamento dinâmico na rede o administrador de rede deve: Planejar a estrutura dos protocolos em função da topologia. Ativar os protocolos de roteamento nos roteadores ou mesmo hosts da rede. Definir quais interfaces ou subredes nas quais os protocolos atuarão. São exemplos bastante utilizados de protocolos de roteamento: Arquitetura protocolos de roteamento R é um protocolo de roteamento simples baseado em um algorítimo distance vector que leva em consideração somente o número de roteadores a ser atravessado entre dois nós da rede. Pode portanto ser utilizado em redes pequenas ou quando um dispostivo precisa participar do roteamento mas não aceita outro protocolo. OSPF é um protoclo de roteamento avançado baseado em um algorítimo link state que leva em consideração outros aspectos como a banda passante existente entre dois nós da rede. Cada roteador da rede consegue saber a cada instante, todos os enlaces ativos da rede. Com estas informações as rotas são calculadas utilizando o algoritmo SPF (Shortes Path First) de Djikstra. Pode ser utilizado em redes pequenas ou grandes, tem segurança devido a autenticação etc. Arquitetura - O caminho de um pacote WWW TELNET FTP DNS TFTP TCP UDP 69 X PROTOCOL PROTOCOL 17 PROTOCOL 03FF PROTOCOL :00:5A:FD:FB:45 MAC Address Part trançado / Fibra ótica

18 FINAL DO MÓDULO 4

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 04

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 04 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 04 TCP/IP 2006 V1.0 Introdução: Histórico 1969 - O DoD (Department of Defense) criou a ARPANET (ARPA - Advanced Research

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores.

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores. HISTÓRICO! 1969, Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA) cria um projeto de pesquisa para criar uma experimental de comutação de pacotes ARPANET que deveria prover: robustez; confiabilidade;

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores.

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores. HISTÓRICO 1969, Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA) cria um projeto de pesquisa para criar uma rede experimental de comutação de pacotes ARPANET que deveria prover: robustez; confiabilidade;

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP Programação TCP/IP Protocolos TCP e UDP Tecnologia em Redes de Computadores Unicesp Campus I Prof. Roberto Leal Visão Geral da Camada de Transporte 2 1 Protocolo TCP Transmission Control Protocol Protocolo

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

7 Introdução ao TCP/IP

7 Introdução ao TCP/IP APÊNDICE 7 7 Introdução ao TCP/IP 7.1 Histórico A arquitetura TCP/IP (ou Internet) teve seu início quando a Agência de Projetos Avançados de Pesquisa em Defesa (Defense Advanced Research Projects Agency

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP

Introdução ao Protocolo TCP/IP Introdução ao Protocolo TCP/IP Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento na Rede

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte TCP/IP 2 Introdução à Camada de Transporte As responsabilidades principais da camada de

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Transporte

Redes de Computadores. Camada de Transporte Redes de Computadores Camada de Transporte Objetivo! Apresentar as características da camada de transporte da arquitetura TCP/IP! Apresentar os serviços fornecidos pela camada de transporte! Estudar os

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

TCP/IP Internet não segue o modelo OSI. É anterior a ele.

TCP/IP Internet não segue o modelo OSI. É anterior a ele. TCP/IP Internet não segue o modelo OSI. É anterior a ele. UTP - UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Arquitetura de Redes de Computadores II Prof. André Luiz PROGRAMA 1. Conceitos Básicos de Rede 2. Camada de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Software de IP nos hosts finais O software de IP consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores TCP/IP Fabricio Breve Fundamentos Atualmente é o protocolo mais usado em redes locais Principal responsável: Popularização da Internet Mesmo SOs que antigamente só suportavam seu

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada de Transporte Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Março de 2011 1 / 59 Camada de Transporte Os protocolos dessa camada supervisionam o fluxo de

Leia mais

3. Arquitetura TCP/IP

3. Arquitetura TCP/IP 3. Arquitetura TCP/IP A arquitetura internet foi criada pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos, com o objetivo de se ter uma rede interligando várias universidades e órgãos do governo de maneira

Leia mais

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP Serviço de datagrama não confiável Endereçamento Hierárquico Facilidade de Fragmentação e Remontagem de pacotes Identificação da importância

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto

Redes de Computadores. Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto Redes de Computadores Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto Internet G G G Introdução Protocolo: Conjunto de regras que determinam como o hardware e o software de uma rede devem interagir para

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com

Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Prof. Marcelo Cunha Parte 5 www.marcelomachado.com Criado em 1974 Protocolo mais utilizado em redes locais Protocolo utilizado na Internet Possui arquitetura aberta Qualquer fabricante pode adotar a sua

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Conhecer o conceito da camada de transporte e seus principais protocolos: TCP e UDP. O principal objetivo da camada de transporte é oferecer um serviço confiável,

Leia mais

Fundamentos de Redes. Protocolos de Transporte. Djamel Sadok Dênio Mariz. {jamel,dmts}@cin.ufpe.br

Fundamentos de Redes. Protocolos de Transporte. Djamel Sadok Dênio Mariz. {jamel,dmts}@cin.ufpe.br Fundamentos de Redes Protocolos de Transporte Djamel Sadok Dênio Mariz {jamel,dmts}@cin.ufpe.br Cin/UFPE, JUN/2003 1 Internet e TCP/IP Internet Agrupamento de grande quantidade de redes ao redor do mundo,

Leia mais

1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur

1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur 1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur TCP/IP O protocolo TCP/IP atualmente é o protocolo mais usado no mundo. Isso se deve a popularização da Internet, a rede mundial de computadores, já que esse

Leia mais

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet)

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet) Protocolos da Camada de Inter- (Internet) IP Protocolo da Internet. Não Confiável; Não Orientado à conexão; Trabalha com Datagramas; Roteável; IPv 4 32 bits; IPv 6 128 bits; Divisão por Classes (A,B,C,D,E);

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Pilha de Protocolos TCP/IP

TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES. Pilha de Protocolos TCP/IP Camadas do Modelo TCP TÉCNICO EM REDES DE COMPUTADORES Pilha de Protocolos TCP/IP 1 A estrutura da Internet foi desenvolvida sobre a arquitetura Camadas do Modelo TCP Pilha de Protocolos TCP/IP TCP/IP

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Open Systems Interconnection Modelo OSI No início da utilização das redes de computadores, as tecnologias utilizadas para a comunicação

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

P L A N O D E D I S C I P L I N A

P L A N O D E D I S C I P L I N A INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ SC CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES / REDES DE COMPUTADORES P L A N O D E D I S C I P L I N A DISCIPLINA: Redes de Computadores Carga Horária: 95 HA

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Introdução ao protocolo TCP/IP Camada de aplicação Camada de transporte Camada de rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É o protocolo mais usado da atualidade 1 :

Leia mais

Permite o acesso remoto a um computador;

Permite o acesso remoto a um computador; Telnet Permite o acesso remoto a um computador; Modelo: Cliente/Servidor; O cliente faz um login em um servidor que esteja conectado à rede (ou à Internet); O usuário manipula o servidor como se ele estivesse

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP Camada de Rede Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br Redes de Computadores Conceitos Básicos Endereçamento IP Internet e TCP/IP Internet Conjunto de redes de escala mundial, ligadas pelo protocolo IP TCP/IP

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula)

Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2013.09 v2 2013.09.10 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Arquiteturas

Leia mais

Análise de tráfego em redes TCP/IP com tcpdump

Análise de tráfego em redes TCP/IP com tcpdump Análise de tráfego em redes TCP/IP com tcpdump João Eriberto Mota Filho João Pessoa, PB, 28 maio 2015 Sumário A análise de tráfego A estrutura de um protocolo O protocolo IP O protocolo TCP O protocolo

Leia mais

Camada de rede. Camada de enlace. Meio Físico

Camada de rede. Camada de enlace. Meio Físico Instituto Federal do Pará - IFPA Ricardo José Cabeça de Souza ricardo.souza@ifpa.edu.br 2010 Redes Básicas S-12 Modelo OSI Camada de Transporte Responsável pela transferência eficiente, confiável e econômica

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores 2 1 Multiplexação e Desmultiplexação Acontece entre vários módulos na estrutura de SW de comunicação A nível de interface de rede: IP Interface

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 TCP-IP - Introdução Aula 02 Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 História 1969 - Advanced Research Project Agency (ARPA) financia a pesquisa e o

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Camada de Aplicação A camada de Aplicação é a que fornece os serviços Reais para os usuários: E-mail, Acesso a Internet, troca de arquivos, etc. Portas

Leia mais

6.1. TELNET 6.2. FTP 6.3. SNMP 6.4. DSN 6.5. SMTP 6.6. RPC 6.7. NFS

6.1. TELNET 6.2. FTP 6.3. SNMP 6.4. DSN 6.5. SMTP 6.6. RPC 6.7. NFS Arquitetura TCP/IP Por André Luís Santos de Aguiar Visitantes: http://www.siteflow.com/hvb2e/stats.cgi?andrelsatcpip http://www.siteflow.com/hvb2e/stats.cgi?andrelsatcpip Índice 1. HISTÓRICO 2. MODELO

Leia mais

Capítulo 1 PROTOCOLOS FUNDAMENTAIS DA INTERNET

Capítulo 1 PROTOCOLOS FUNDAMENTAIS DA INTERNET Capítulo 1 PROTOCOLOS FUNDAMENTAIS DA INTERNET protocolos TCP/IP são um conjunto de standards que permitem que computadores de todas marcas e feitios comuniquem entre si Algumas datas históricas: 1968

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet Arquitetura TCP/IP Filosofia da Internet foi projetada p/: ser aberta o bastante p/ permitir a execução em uma grande variedade de equipamentos de resistir a possíveis danos que prejudicassem seu funcionamento

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback Modelos de Camadas Professor Leonardo Larback Modelo OSI Quando surgiram, as redes de computadores eram, em sua totalidade, proprietárias, isto é, uma determinada tecnologia era suportada apenas por seu

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Tecnologia Revisão 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Comunicação de Dados As redes de computadores surgiram com a necessidade de trocar informações, onde é possível ter acesso

Leia mais

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Função A camada de Transporte fica entre as camadas de nível de aplicação (camadas 5 a 7) e as de nível físico

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Fundamentos de Redes de Computadores Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Histórico O TCP/IP é um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes

Leia mais

TCP/IP. Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI

TCP/IP. Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI TCP/IP Luís Moreira 2014/2015 Módulo 8 - IMEI Protocolo TCP/IP Em 1974, Vinton Cerf e Bob Kahn definiram o TCP (Transmission Control Protocol); Largamente usado hoje em dia, nomeadamente na INTERNET. Conjunto

Leia mais

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede e o protocolo IP... 2 O protocolo IP... 2 Formato do IP... 3 Endereçamento IP... 3 Endereçamento com Classes

Leia mais

Regras de funcionamento (Unreliable Delivery, etc.) Método de roteamento (Sem conexão) Formato dos dados em um datagrama

Regras de funcionamento (Unreliable Delivery, etc.) Método de roteamento (Sem conexão) Formato dos dados em um datagrama IP - Internet Protocol Histórico O protocolo internet (IP), definido e aprovado pelo DoD (Departamento de Defesa Americano), foi concebido para uso em sistemas de computação interconectados através de

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Unidade III CAMADAS FUNDAMENTAIS PARA TRANSFERÊNCIA DE MENSAGENS ATRAVÉS DA REDE Esta unidade tem como principal característica apresentar as camadas sem dúvida mais importantes, a qual deve

Leia mais

Aula prática. Objetivo IPCONFIG. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br. Informa a configuração atual de rede da máquina;

Aula prática. Objetivo IPCONFIG. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br. Informa a configuração atual de rede da máquina; Aula prática Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Objetivo Nesta aula, você aprenderá a utilizar alguns utilitários de rede que podem ajudá-lo a identificar problemas na rede. No windows existem

Leia mais

Introdução. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados

Introdução. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados Introdução Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de Dados 1 Objetivo Apresentar os conceitos básicos do: Modelo de referência OSI. Modelo de referência TCP/IP.

Leia mais

Modelo e arquitectura do TCP/IP

Modelo e arquitectura do TCP/IP Modelo e arquitectura do / 3ª aula prática de Engenharia de Redes Resumo Introdução a protocolos de rede Protocolos comuns Introdução ao / Análise protocolar Introdução a protocolos de rede Tipos de protocolos

Leia mais

Modulo 4. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Modulo 4. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Modulo 4 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol 2 ICMP Internet Control Message Protocol IP funciona

Leia mais

genérico proteção de rede filtragem dos pacotes Sem estado (stateless) no próprio pacote. Com estado (stateful) outros pacotes

genérico proteção de rede filtragem dos pacotes Sem estado (stateless) no próprio pacote. Com estado (stateful) outros pacotes FIREWALLS Firewalls Definição: Termo genérico utilizado para designar um tipo de proteção de rede que restringe o acesso a certos serviços de um computador ou rede de computadores pela filtragem dos pacotes

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

Protocolos de Comunicação (Tanenbaum, 1.3)

Protocolos de Comunicação (Tanenbaum, 1.3) Protocolos de Comunicação (Tanenbaum, 1.3) O quê são: São um conjunto de regras que regem o formato e significado dos pacotes ou mensagens que são trocadas por uma camada e sua entidade par em outra máquina.

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

Camadas da Arquitetura TCP/IP

Camadas da Arquitetura TCP/IP Camadas da Arquitetura TCP/IP A arquitetura TCP/IP divide o processo de comunicação em quatro camadas. Em cada camada atuam determinados protocolos que interagem com os protocolos das outas camadas desta

Leia mais

Comunicação entre computadores o Modelo OSI

Comunicação entre computadores o Modelo OSI Comunicação entre computadores o Modelo OSI Antes de avançar, vamos ver o significado de alguns conceitos. A nível das tecnologias de informação, há um conjunto de normas, padrões e protocolos que são

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Modelo OSI, TCP/IP e outros protocolos de comunicação

Modelo OSI, TCP/IP e outros protocolos de comunicação Modelo OSI, TCP/IP e outros protocolos de comunicação 43 O Modelo OSI Para que sistemas diferentes possam comunicar em rede, é necessário garantir que todos eles respeitem as mesmas regras. Para isso,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 90 minutos * 24.05.2013 =VERSÃO A= 1 1. Esta teste serve como avaliação de frequência às aulas teóricas. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. São 70 perguntas de escolha múltipla. 3. Escreva

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Protocolos de Rede FALANDO A MESMA LÍNGUA Um protocolo pode ser comparado a um idioma, onde uma máquina precisa entender o idioma de outra máquina

Leia mais

Bacharelado em Informática TCP/IP TCP/IP. Disciplina: Internet e Arquitetura TCP/IP. Protocolos Inter-rede. Inter-rederede

Bacharelado em Informática TCP/IP TCP/IP. Disciplina: Internet e Arquitetura TCP/IP. Protocolos Inter-rede. Inter-rederede Bacharelado em Informática Disciplina: Internet e Arquitetura Arquitetura OSI Arquiteturas de Arquitetura IEEE Arquitetura Internet Inter-rede Apresentação Sessão Prof. Sérgio Colcher colcher@inf.puc-rio.br

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.09.05 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Arquiteturas

Leia mais

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL 1 HTTP Uma página WWW é composta de objetos e endereçado por uma

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais