Ferramentas de varredura de segurança para GNU/Linux

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ferramentas de varredura de segurança para GNU/Linux"

Transcrição

1 Ferramentas de varredura de segurança para GNU/Linux José Ricardo Simões Rodrigues Dezembro de Resumo Este breve texto procura falar acerca da experiência do autor no uso de ferrametas de varredura de segurança para GNU/Linux, principalmente quanto ao uso das ferramentas SARA e NMAP. Sumário 1 SARA The Security Auditor s Research Assistant Instalação Usando o SARA NMAP Network map Instalação do NMAP Escaneando hosts Métodos de Varredura Opções Gerais Conclusões 11 Lista de Figuras 1 Screenshot do SARA no console Screenshot do SARA via browser Screenshot do SARA via browser. Configuração do host Screenshot do SARA via browser. Relatório de vulnerabilidades possíveis Instalação do NMAP via rpm O autor é estudante do curso de Pós Graduação Lato Sensu em Administração de Redes Linux da Universidade Federal de Lavras. O presente artigo foi escrito como atividade da disciplina Segurança em Redes e Criptografia ministrada pelo Prof. Joaquim Quinteiro Uchôa. Endereço para correspondência eletrônica: 1

2 6 Screenshot do NmapFE Screenshot do nmap no console. Escaneando localhost Screenshot do nmap no console. Identificação do SO Lista de Tabelas 1 Uso do NMAP Introdução. 1 SARA The Security Auditor s Research Assistant Tendo como modelo o antigo SATAN, atual SAINT, o scanner SARA oferece praticamente as mesmas funcionalidades que o SAINT. SARA possui uma integração com o pacote NMAP, fornecendo Operating System fingerprinting, para descobrir via rede qual o sistema operacional do equipamento, provendo assim testes de vulnerabilidade mais eficiente por SO. Também é integrada com o pacote SAMBA, para verificar a segurança do protocolo SMB. 1.1 Instalação Figura 1: Screenshot do SARA no console. Obtivemos os arquivos a partir de e compilamos usando os comandos./configure, make e make install num terminal. Neste artigo, fizemos uso do SARA versão 4.2.5c num sistema Conectiva GNU/Linux cl. 2

3 Figura 2: Screenshot do SARA via browser. A figura 1 na página 2 mostra a execução do SARA a partir do console. Usamos a opção -n para suportar o NMAP que está instalado também, vide seção 2 na página 4. O pacote SARA possui como interface com usuário, modo e utilização e funcionalidades praticamente idênticas ao SAINT, apenas diferindo nos níveis de detecção, que tem 7 níveis, dados a seguir: Light: procura básica; Normal: detectado via logs; Heavy: pode provocar crash; Extreme: serviços sem os devidos patches podem ser atingidos; Custom: (somente SAMBA) Custom: (somente serviços WEB) Custom: (somente scan) O SARA tem algumas configurações como detecção do browser e utilização do browser devem ser feitas pelo próprio usuário e não pelo programa automaticamente. Necessita, para uma melhor utilização, os pacotes PERL, NMAP, Samba e Nestcape. O SARA roda em sistemas UNIX em geral e não tem nenhuma especificação de sistemas operacionais sugeridos para sua utilização. 3

4 1.2 Usando o SARA Como dissemos, o SARA tem uma interface que é acessada via browser. A configuração do host a ser explorado é feita clicanco-se no link Target selection no menu esquerdo da página principal. É possível especificar um host, uma subrede um um range de IPs, vide figura 3 na página 4. O SARA apresenta seus resultados de forma muito bem organizada e de fácil entendimento, como vemos na figura 4 na página 5. Cada possível vulnerabilidade é explicada detalhadamente, inclusive com textos originários do Computer Emergency Responce Team (CERT), o que facilita em muito a verificação da real existência da vulnerabilidade e sua correção. Figura 3: Screenshot do SARA via browser. Configuração do host. 4

5 Figura 4: Screenshot do SARA via browser. Relatório de vulnerabilidades possíveis. 5

6 2 NMAP Network map Este software foi desenvolvido para scanear redes extensas rapidamente, embora trabalhe melhor com hosts únicos. Nmap utiliza os pacotes IP em caminhos originais para determinar quais hosts estão disponíveis na rede, quais serviços estão oferecendo, qual sistema operacional estão executando, qual tipo de pacote de filtro / firewall estão usando, e uma dúzia de outras características. 2.1 Instalação do NMAP O NMAP foi primariamente feito para sistemas unix. Obviamente, a comunidade open source portou o software para inúmeras plataformas. NMAP é um programa para console mas existe interface (frontend) GTK: NmapFE. A vantagem de usar NmapFE é que o usuário novato poderia se perder com tantas opções disponíveis. Neste artigo, fizemos uso do NMAP e NmapFE versão 3.48 num sistema Conectiva GNU/Linux cl. Podemos instalar e configurar o NMAP em nosso sistema usando as duas formas tradicionais de instalação de programas sob GNU/Linux: compilando a partir do código-fonte ou instalando os binários. Obtenha os arquivos a partir de e instale: /root]# rpm -ivh nmap* Preparando... ###################### [100%] 1:nmap ###################### [ 50%] 2:nmap-frontend ###################### [100%] /root]# Figura 5: Instalação do NMAP via rpm. Se formos compilar a partir dos fontes, usaremos os comandos./configure, make e make install. O binário do frontend depende da biblioteca GTK. Para iniciar o programa via frontend digitamos num terminal nmapfe. A figura 6 na página 7 mostra uma captura da tela do NmapFE em ação. 2.2 Escaneando hosts Após a instalação podemos começar a escanear nossa própria máquina. As figura 7 na página 7 e 8 na página 8 mostram o nmap no console após escanear localhost. O que podemos escanear? A tabela 1 na página 8 mostra alguns usos simples do nmap. 6

7 Figura 6: Screenshot do NmapFE. Figura 7: Screenshot do nmap no console. Escaneando localhost. 7

8 Figura 8: Screenshot do nmap no console. Identificação do SO. Tabela 1: Uso do NMAP Objetivo Uso típico Exemplo hostname Scan de host individuis dos quais sabemos nmap localhost o nome. Podemos indicar vários hosts por vez. Endereço IP Podemos especificar um nmap endereço IP ao invés do nome. Sub-rede Com uma máscara de sub-rede, nmap /24 scannt podemos fazer um scan de um intervalo from to de IPs Curingas Com o curinga * podemos nmap 10.*.1.2 scannt especificar intervalos de IP de forma 10,0,1,2, 10,1, mais flexível. 1,2,

9 2.3 Métodos de Varredura -sp Ping scan: Algumas vezes é necessário saber se um determinado host ou rede está no ar. Nmap pode enviar pacotes ICMP echo request para verificar se determinado host ou rede está ativa. Hoje em dia, existem muitos filtros que rejeitam os pacotes ICMP echo request, então envia um pacote TCP ACK para a porta 80 (default) e caso receba RST o alvo está ativo. A terceira técnica envia um pacote SYN e espera um RST ou SYN-ACK. -sr RCP scan: Este método trabalha em conjunto com várias técnicas do Nmap. Ele considera todas as portas TCP e UDP abertas e envia comandos NULL SunRPC, para determinar se realmente são portas RPC. É como se o comando rpcinfo -p estivesse sendo utilizado, mesmo através de um firewall ( ou protegido por TCP wrappers ). -ss TCP SYN scan: Caso um pacote SYN-ACK seja recebido, a porta está aberta, enquanto um como resposta indica que a porta está fechada. A vantagem dessa abordagem é que poucos irão detectar esse scanning de portas. -st TCP connect() scan: É a técnica mais básica de TCP scanning. É utilizada a chamada de sistema (system call) connect() que envia um sinal as portas ativas. Caso a porta esteja aberta recebe como resposta connect(). É um dos scan mais rápidos, porém fácil de ser detectado. -su UDP scan: Este método é utilizado para determinar qual porta UDP está aberta em um host. A técnica consiste em enviar um pacote UDP de 0 byte para cada porta do host. Se for recebido uma mensagem ICMP port unreachable então a porta está fechada, senão a porta pode estar aberta. Para variar um pouco, a Microsoft ignorou a sugestão da RFC e com isso a varredura de máquinas Windows é muito rápida. -sv Version detection: Após as portas TCP e/ou UDP serem descobertas por algum dos métodos, o nmap irá determinar qual o serviço está rodando atualmente. O arquivo nmap-service-probes é utilizado para determinar tipos de protocolos, nome da aplicação, número da versão e outros detalhes. -sf, -sx, -sn Stealth FIN, Xmas Tree ou Null: Alguns firewalls e filtros de pacotes detectam pacotes SYN s em portas restritas, então é necessário utilizar métodos avançados para atravessar esses softwares. FIN: Portas fechadas enviam um pacote RST como resposta a pacotes FIN, enquanto portas abertas ignoram esses pacotes. (Esse método não funciona com a plataforma Windows, uma vez que a Microsoft não seguiu RFC 973) 9

10 Xmas Tree: Portas fechadas enviam um pacote RST como resposta a pacotes FIN, enquanto portas abertas ignoram esses pacotes. As flags FIN, URG e PUSH são utilizados no pacotes FIN que é enviado ao alvo. (Esse método não funciona com a plataforma Windows, uma vez que a Microsoft não seguiu RFC 973) Null: Portas fechadas enviam um pacote RST como resposta a pacotes FIN, enquanto portas abertas ignoram esses pacotes. Nenhuma flag é ligada no pacote FIN. (Esse método não funciona com a plataforma Windows, uma vez que a Microsoft não seguiu RFC 973) 2.4 Opções Gerais -D <decoy1 [,decoy2][,voce],...> Durante uma varredura, utiliza uma série de endereços falsificados, simulando que o scanning tenha originado desses vários hosts, sendo praticamente impossível identifiicar a verdadeira origem da varredura. Ex.: nmap -D IP1,IP2,IP3,IP4,IP6,SEU IP alvo -F Procura pelas portas que estão no /etc/services. Método mais rápido, porém não procurar por todas as portas. Ex.: nmap -F alvo -I Se o host estiver utilizando o ident, é possível identificar o dono dos serviços que estão sendo executados no servidor (trabalha com a opção -st) Ex.: nmap -st -I alvo -n Não irá resolver nome de hosts a ser varrido. Ex.: nmap -n alvo -O Ativa a identificação do host remoto via TCP/IP. Irá apresentar versão do Sistema Operacional e tempo ativo. Ex.: nmap -O alvo -p <lista de portas> Especifica quais portas devem ser verificadas na varredura. Por default, todas as portas entre 1 e 1024 são varridas. Ex.: nmap -p 22,80 alvo nmap -p U:53,111,137,T:21-25,80,139,8080 -P0 Não tenta pingar o host antes de iniciar a varredura. Isto permite varrer alvos que bloqueiam ICMP echo request (ou responses) através de firewall. Ex.: nmap -P0 alvo -PS[lista de portas] Usa pacotes SYN para determinar se o host está ativo. Ex.: nmap -PS80 alvo -PT[lista de portas] Usa TCP?ping? para determinar se o host está ativo. Ex.: nmap -PT80 alvo -R Irá resolver nome de hosts a ser varrido. Ex.: nmap -R alvo -r A varredura será feita nas portas randomicamente, não seguinte a ordem crescente. Ex.: nmap -r alvo 10

11 -T <Paranoid Sneaky Polite Normal Aggressive Insane> Esse parâmetro seta a prioridade de varredura do Nmap: Paranoid (-T5) é muito lento na esperança de prevenir a detecção pelo sistema IDS. Este serializa todos os scans (scanning não paralelo) e geralmente espera no mínimo 5 minutos entre o envio de pacotes. Sneaky (-T4) é similar ao Paranoid, exceto que somente espera 15 segundos entre o envio de pacotes. Polite (-T3) tem o significado para facilitar a carga na rede e reduzir as chances de travar a máquina. Ele serializa os testes e espera no mínimo 0.4 segundos entre eles. Normal (-T2) é o comportamento default do Nmap, o qual tenta executar tão rápido quanto possível sem sobrecarregar a rede ou perder hosts/portas. Aggressive(-T1) esse modo adiciona um timeout de 5 minutos por host e nunca espera mais que 1.25 segundos para testar as respostas. Insane (-T0) é somente adequando para redes muito rápidas ou onde você não se importa em perder algumas informações. Nesta opção o timeout dos hosts acontecem em 75 segundos e espera somente 0.3 segundos por teste individual. -ttl <valor> Altera o valor do TTL (Time to Live), dessa forma dificulta a origem do pacote. Ex.: nmap -ttl 55 alvo -v Modo verbose. Mostra tudo o que está se passando. Ex.: nmap -v alvo --scanflags Flag não documentada. Com ela é possível especificar flags arbitrárias usando nomes de flags ou número. Nesse exemplo estamos usando uma varredura SYN-FIN Ex.: nmap -ss?scanflags SYNFIN -O alvo 3 Conclusões Utilitários como o Nmap e SARA estão em constante atualização, cada vez mais sutis eles passam muitas vezes desapercebidos no firewalls e IDSs. O que pode diminuir os riscos é a configuração de firewalls com regras bem definidas, diminuição dos serviços ativos no gateway deixando apenas aqueles indispensáveis ao seu funcionamento e análise constante de seus arquivos de log. Um bom sistema de detecção de intrusos, como o SNORT, é indicado também. Tanto o Nmap quanto o SARA podem e devem serem usados para averiguação do estado do host, principalmente se tratar de um servidor e constantemente para monitorar o estado das portas e se elas pertencem a algum serviço legitimo ou não. Portas abertas podem significar trojans instalados, por isso devemos usar também o programa chkrootkit para identificar mais facilmente essa tentativa de ataque. O chkrootkit pode ser encontrado no endereço chkrootkit.org. 11

12 Ambos progrgamas podem ser considerados ferramentas cracker ouexcelentes utilitários para consultores de segurança e administradores de rede, o fato é que, pelo menos o NMAP, realiza de forma extremamente eficiente o que se propõe. 12

Usando o Nmap. A instalação do Nmap é bem simples. Após obter o código fonte execute os comandos abaixo: tar xjvpf nmap-3.48.tar.bz2 cd nmap-3.

Usando o Nmap. A instalação do Nmap é bem simples. Após obter o código fonte execute os comandos abaixo: tar xjvpf nmap-3.48.tar.bz2 cd nmap-3. Usando o Nmap Este artigo irá explicar como instalar e utilizar algumas funções do Nmap. Todos os comandos foram testados com a versão 3.48 do Nmap. É bem provável que alguns comandos não funcionem em

Leia mais

Nmap Diferenças entre estados de porta (Parte 1)

Nmap Diferenças entre estados de porta (Parte 1) Autor: ryuuu Contato: ryuuu @hotmail.com Nmap Diferenças entre estados de porta (Parte 1) Embora o Nmap tenha crescido em funcionalidade ao longo dos anos, ele começou como um eficiente scanner de portas,

Leia mais

Segurança de Redes. Funcionamento de um ataque. Varreduras Analisadores de vulnerabilidades. Levantamento de informações.

Segurança de Redes. Funcionamento de um ataque. Varreduras Analisadores de vulnerabilidades. Levantamento de informações. Segurança de Redes Varreduras Analisadores de vulnerabilidades Prof. Rodrigo Rocha Prof.rodrigorocha@yahoo.com Funcionamento de um ataque Levantamento de informações footprint fingerprint varreduras Explorações

Leia mais

Levantamento de informação (Fingerprint)

Levantamento de informação (Fingerprint) Levantamento de informação (Fingerprint) Continuação... Prof. Pedro Filho Objetivos Mapear hosts ativos na rede Obter versões dos sistemas operacionais Entender aquisição de banners Identificar os serviços

Leia mais

Firewall em estado ativo utilizando open-source software

Firewall em estado ativo utilizando open-source software Firewall em estado ativo utilizando open-source software Dagoberto Carvalio Junior Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação dago@icmc.usp.br Primeira Ação de um Cracker Estatisticamente os crackers

Leia mais

Manobras Evasivas: Técnicas de Evasão para Varreduras com o Nmap. Rafael Ferreira Sócio Diretor Técnico rafael@clavis.com.br

Manobras Evasivas: Técnicas de Evasão para Varreduras com o Nmap. Rafael Ferreira Sócio Diretor Técnico rafael@clavis.com.br Manobras Evasivas: Técnicas de Evasão para Varreduras com o Nmap Rafael Ferreira Sócio Diretor Técnico rafael@clavis.com.br $ whoami rafael@clavis.com.br @rafaelsferreira rafaelsoaresferreira Grupo Clavis

Leia mais

O projeto Metasploit é um framework que foi criado em 2003 por HD Moore e é uma plataforma que permite a verificação do estado da segurança dos

O projeto Metasploit é um framework que foi criado em 2003 por HD Moore e é uma plataforma que permite a verificação do estado da segurança dos O projeto Metasploit é um framework que foi criado em 2003 por HD Moore e é uma plataforma que permite a verificação do estado da segurança dos computadores existentes numa determinada rede, permitindo

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Capítulo 7: IDS e Honeypots Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Introdução IDS = Intrusion Detection Systems (Sistema de Detecção de Invasão) O IDS funciona sobre

Leia mais

AVDS Vulnerability Management System

AVDS Vulnerability Management System DATA: Agosto, 2012 AVDS Vulnerability Management System White Paper Brazil Introdução Beyond Security tem o prazer de apresentar a nossa solução para Gestão Automática de Vulnerabilidade na núvem. Como

Leia mais

genérico proteção de rede filtragem dos pacotes Sem estado (stateless) no próprio pacote. Com estado (stateful) outros pacotes

genérico proteção de rede filtragem dos pacotes Sem estado (stateless) no próprio pacote. Com estado (stateful) outros pacotes FIREWALLS Firewalls Definição: Termo genérico utilizado para designar um tipo de proteção de rede que restringe o acesso a certos serviços de um computador ou rede de computadores pela filtragem dos pacotes

Leia mais

Redes de computadores

Redes de computadores Redes de computadores Atividade realizada: Identificar serviços de portas aberta tanto na rede cabeada quanto wi-fi: Ferramenta utilizada para identificar serviços e portas abertas na rede foi o Nmap:

Leia mais

Características de Firewalls

Características de Firewalls Firewall Firewall é um sistema de proteção de redes internas contra acessos não autorizados originados de uma rede não confiável (Internet), ao mesmo tempo que permite o acesso controlado da rede interna

Leia mais

Sistemas de Detecção de Intrusão

Sistemas de Detecção de Intrusão Sistemas de Detecção de Intrusão Características Funciona como um alarme. Detecção com base em algum tipo de conhecimento: Assinaturas de ataques. Aprendizado de uma rede neural. Detecção com base em comportamento

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Capítulo 6: Firewall Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Introdução Qual a função básica de um firewall? Page 2 Introdução Qual a função básica de um firewall? Bloquear

Leia mais

Kaspersky Security Center 10 SP1 (KSC 10 SP1) Como criar Exclusões

Kaspersky Security Center 10 SP1 (KSC 10 SP1) Como criar Exclusões Kaspersky Security Center 10 SP1 (KSC 10 SP1) Como criar Exclusões Regras de exclusão são grupos de condições que o Kaspersky Endpoint Security utiliza para omitir um objeto durante uma varredura (scan)

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Se você tem mais que um computador ou outros dispositivos de hardware, como impressoras, scanners ou câmeras, pode usar uma rede para compartilhar

Leia mais

Nesse artigo abordaremos os principais aspectos de instalação e uso do NTOP no Fedora Core 4.

Nesse artigo abordaremos os principais aspectos de instalação e uso do NTOP no Fedora Core 4. Diego M. Rodrigues (diego@drsolutions.com.br) O NTOP é um programa muito simples de ser instalado e não requer quase nenhuma configuração. Ele é capaz de gerar excelentes gráficos de monitoramento das

Leia mais

Políticas de Segurança de Sistemas

Políticas de Segurança de Sistemas Políticas de Segurança de Sistemas Profs. Hederson Velasco Ramos Henrique Jesus Quintino de Oliveira Estudo de Boletins de Segurança O que é um boletim de segurança? São notificações emitidas pelos fabricantes

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes de Computadores

Infra-Estrutura de Redes de Computadores Infra-Estrutura de Redes de Computadores Atividade realizada: Identificar endereços ethernet das estações de trabalho e servidores. Método de uso: O Nmap ( Network Mapper ) uma ferramenta de código aberto

Leia mais

GUIA DE CONFIGURAÇÃO SERVIDOR DHCP

GUIA DE CONFIGURAÇÃO SERVIDOR DHCP GUIA DE CONFIGURAÇÃO SERVIDOR DHCP GUIA DE CONFIGURAÇÃO SERVIDOR DHCP Servidor DHCP O Serviço de DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol) permite que você controle a configuração e distribuição de endereços

Leia mais

TRABALHO INTRUSÃO DE REDES

TRABALHO INTRUSÃO DE REDES TRABALHO INTRUSÃO DE REDES Software Metasploit Framework O que é > Metasploit Framework é uma avançada plataforma Open Source, concebida especificamente com o objetivo de reforçar e acelerar o desenvolvimento,

Leia mais

Aspectos de Segurança na Internet: Evolução e Tendências Atuais

Aspectos de Segurança na Internet: Evolução e Tendências Atuais Aspectos de Segurança na Internet: Evolução e Tendências Atuais NIC BR Security Office nbso@nic.br http://www.nic.br/nbso.html Cristine Hoepers cristine@nic.br Klaus Steding-Jessen jessen@nic.br COMDEX

Leia mais

Ameaças e Contramedidas de Host

Ameaças e Contramedidas de Host Prof. Hederson Velasco Ramos Prof. Henrique Jesus Quintino de Oliveira quintino@umc.br Fonte: http://www.antispam.br/ Monitoramento (PortScan) Exemplos de monitoramento são varreduras de porta, varredura

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais

Professor Claudio Silva

Professor Claudio Silva Filtragem caso o pacote não seja permitido, ele é destruído caso seja permitido, ele é roteado para o destino Além das informações contidas nos pacotes o filtro sabe em que interface o pacote chegou e

Leia mais

Segurança com Iptables

Segurança com Iptables Universidade Federal de Lavras Departamento de Ciência da Computação Segurança com Iptables Alunos : Felipe Gutierrez e Ronan de Brito Mendes Lavras MG 11/2008 Sumário 1 - Introdução...1 2 Softwares de

Leia mais

1. Capturando pacotes a partir da execução do traceroute

1. Capturando pacotes a partir da execução do traceroute Neste laboratório, iremos investigar o protocolo IP, focando o datagrama IP. Vamos fazê-lo através da analise de um trace de datagramas IP enviados e recebidos por uma execução do programa traceroute (o

Leia mais

Comandos Linux Comando tcpdump, guia de referência e introdução. Sobre este documento

Comandos Linux Comando tcpdump, guia de referência e introdução. Sobre este documento Comandos Linux Comando tcpdump, guia de referência e introdução Sobre este documento Este documento pode ser utilzado e distribído livremente desde que citadas as fontes de autor e referências, o mesmo

Leia mais

Máscaras de sub-rede. Fórmula

Máscaras de sub-rede. Fórmula Máscaras de sub-rede As identificações de rede e de host em um endereço IP são diferenciadas pelo uso de uma máscara de sub-rede. Cada máscara de sub-rede é um número de 32 bits que usa grupos de bits

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores

Segurança de Redes de Computadores Segurança de Redes de Computadores Aula 8 Segurança nas Camadas de Rede, Transporte e Aplicação Firewall (Filtro de Pacotes) Prof. Ricardo M. Marcacini ricardo.marcacini@ufms.br Curso: Sistemas de Informação

Leia mais

A. Sniffer de redes Wireshark

A. Sniffer de redes Wireshark EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark e nmap Sniffer de rede e Scanner de portas Entregar um relatório contendo introdução, desenvolvimento e conclusão. A seção desenvolvimento

Leia mais

Segurança no Linux. Guilherme Pontes. Pós-graduação em Segurança de Redes com Linux. lgapontes@gmail.com www.guilhermepontes.eti.

Segurança no Linux. Guilherme Pontes. Pós-graduação em Segurança de Redes com Linux. lgapontes@gmail.com www.guilhermepontes.eti. Segurança no Linux Guilherme Pontes lgapontes@gmail.com www.guilhermepontes.eti.br Pós-graduação em Segurança de Redes com Linux Rede Local As redes de computadores nem sempre tiveram dimensão mundial.

Leia mais

Objetivos deste capítulo

Objetivos deste capítulo 1 Objetivos deste capítulo Identificar a finalidade de uma política de segurança. Identificar os componentes de uma política de segurança de rede. Identificar como implementar uma política de segurança

Leia mais

Segurança na Rede Local Redes de Computadores

Segurança na Rede Local Redes de Computadores Ciência da Computação Segurança na Rede Local Redes de Computadores Disciplina de Desenvolvimento de Sotware para Web Professor: Danilo Vido Leonardo Siqueira 20130474 São Paulo 2011 Sumário 1.Introdução...3

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 09 Firewall

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 09 Firewall www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício O que é Firewall Um Firewall é um sistema para controlar o aceso às redes de computadores, desenvolvido para evitar acessos

Leia mais

Implementando um sistema IDS Nível Básico v 1.0 IDS. http://pplware.sapo.pt/wp-content/uploads/2009/09/snort1.jpg. Nível Básico

Implementando um sistema IDS Nível Básico v 1.0 IDS. http://pplware.sapo.pt/wp-content/uploads/2009/09/snort1.jpg. Nível Básico IDS http://pplware.sapo.pt/wp-content/uploads/2009/09/snort1.jpg Nível Básico Índice Índice 2 Apresentação 3 O que é um IDS 4 Entendendo melhor o funcionamento de um IDS 4 Características de um IDS 5 Vantagens

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

DoS: Negação de Serviço e formas de defesa

DoS: Negação de Serviço e formas de defesa DoS: Negação de Serviço e formas de defesa Viva o Linux Day RJ http://volcon.org/volday1/ Elgio Schlemer Ulbra Gravataí http://gravatai.ulbra.tche.br/~elgio 06 de Março de 2010 Introdução Problemas de

Leia mais

Firewalls. Firewalls

Firewalls. Firewalls Firewalls Firewalls Paredes Corta-Fogo Regula o Fluxo de Tráfego entre as redes Pacote1 INTERNET Pacote2 INTERNET Pacote3 Firewalls Firewalls Barreira de Comunicação entre duas redes Host, roteador, PC

Leia mais

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br

Segurança de Redes. Firewall. Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Segurança de Redes Firewall Filipe Raulino filipe.raulino@ifrn.edu.br Introdução! O firewall é uma combinação de hardware e software que isola a rede local de uma organização da internet; Com ele é possível

Leia mais

FIGURA 9.5 Definir tipo de rede

FIGURA 9.5 Definir tipo de rede FIREWALLS 289 A grande maioria das firewalls comerciais, assim como as que vamos ver a seguir, por predefinição, bloqueia todas as portas de entrada, de maneira que se quisermos facilitar o acesso ao nosso

Leia mais

Trabalho realizado no âmbito da disciplina de Comunicação de Dados Por: José Gonçalves, n.º 7830 Nuno Oliveira, n.º 7836 Paulo Lopes, n.

Trabalho realizado no âmbito da disciplina de Comunicação de Dados Por: José Gonçalves, n.º 7830 Nuno Oliveira, n.º 7836 Paulo Lopes, n. Maio de 2013 Trabalho realizado no âmbito da disciplina de Comunicação de Dados Por: José Gonçalves, n.º 7830 Nuno Oliveira, n.º 7836 Paulo Lopes, n.º 6510 3 I. INTRODUÇAO... 5 II. HISTÓRIA... 5 III.

Leia mais

Algumas das características listada nela:

Algumas das características listada nela: Fazendo varredura e levantando vulnerabilidades com Nikto 5 DE NOVEMBRO DE 2015 O Nikto é uma ferramenta em Perl desenvolvida por Chris Solo e David Lodge, a qual foi escrita para validação de vulnerabilidade

Leia mais

Passo a Passo da instalação da VPN

Passo a Passo da instalação da VPN Passo a Passo da instalação da VPN Dividiremos este passo a passo em 4 partes: Requisitos básicos e Instalação Configuração do Servidor e obtendo Certificados Configuração do cliente Testes para saber

Leia mais

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: DNS Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Como descrito na seção 2.5 do livro, o Domain Name

Leia mais

LABORATÓRIO WIRESHARK: DNS

LABORATÓRIO WIRESHARK: DNS LABORATÓRIO WIRESHARK: DNS Conforme descrito na seção 2.5 do livro, o Domain Name System (DNS) traduz nomes de hosts para endereços IP, cumprindo um papel fundamental na infra-estrutura da Internet. Neste

Leia mais

Compartilhamento de recursos de forma a racionar e otimizar o uso de equipamentos e softwares. Servidores e Workstations. Segurança é um desafio, por

Compartilhamento de recursos de forma a racionar e otimizar o uso de equipamentos e softwares. Servidores e Workstations. Segurança é um desafio, por $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR $8',725,$'$7(&12/2*,$'$,1)250$d 2 &\QDUD&DUYDOKR F\QDUDFDUYDOKR#\DKRRFRPEU

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Tópicos Motivação Utilização cada vez maior da Internet e a criação de ambientes cooperativos, levam a uma crescente preocupação

Leia mais

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Manual do Nscontrol Principal Senha Admin Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Aqui, você poderá selecionar quais programas você quer que

Leia mais

Disciplina: Segurança de Redes. Professor: Roitier Campos

Disciplina: Segurança de Redes. Professor: Roitier Campos Disciplina: Segurança de Redes Professor: Roitier Campos NMAP O Nmap ( Network Mapper ) é uma ferramenta de código aberto para exploração de rede e auditoria de segurança. Ela foi desenhada para escanear

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação Professor: Cleber Schroeder Fonseca cleberfonseca@charqueadas.ifsul.edu.br 8 1 SEGURANÇA EM REDES DE COMPUTADORES 2 Segurança em redes de computadores Consiste na provisão de políticas

Leia mais

Mini Curso Pen Test UNIVEM

Mini Curso Pen Test UNIVEM Mini Curso Pen Test UNIVEM Evandro Villa Verde evandrovv@gmail.com Visão geral sobre o Pentest: O Teste de Intrusão é um processo de análise detalhada do nível de segurança de um sistema ou rede usando

Leia mais

Troubleshooting em rede básica

Troubleshooting em rede básica Troubleshooting em rede básica - 2 Sumário Capítulo 1 Troubleshooting em rede básica... 3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 14 2.1. Objetivos... 14 2.1. Troubleshooting...

Leia mais

Nessus Vulnerability Scanner

Nessus Vulnerability Scanner Faculdade de Tecnologia SENAC-RS Disciplina de Segurança em Redes Ferramentas de Segurança Nessus Vulnerability Scanner Nome: Rafael Victória Chevarria Novembro de 2013. 1. Introdução Nessus é um scanner

Leia mais

Modulo 4. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Modulo 4. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Modulo 4 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Protocolo ICMP Internet Control Message Protocol 2 ICMP Internet Control Message Protocol IP funciona

Leia mais

Uso do iptables como ferramenta de firewall.

Uso do iptables como ferramenta de firewall. Uso do iptables como ferramenta de firewall. Rafael Rodrigues de Souza rafael@tinfo.zzn.com Administração em Redes Linux Universidade Federal de Lavra UFLA RESUMO O artigo pretende abordar o uso de firewalls

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº2 Configuração de TCP/IP numa rede de computadores Utilização de Ipconfig, Ping e Tracert

Leia mais

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep

Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep Controlando o tráfego de saída no firewall Netdeep 1. Introdução Firewall é um quesito de segurança com cada vez mais importância no mundo da computação. À medida que o uso de informações e sistemas é

Leia mais

(In)Segurança Virtual. Técnicas de Ataque e Defesa

(In)Segurança Virtual. Técnicas de Ataque e Defesa (In)Segurança Virtual Técnicas de Ataque e Defesa Expotec 2009 IFRN- Campus Mossoró Nícholas André - nicholasandreoliveira9@gmail.com www.iotecnologia.com.br Mossoró-RN Setembro-2009 O que é preciso! Engenharia

Leia mais

Wireshark Lab: TCP. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: TCP. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: TCP Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Neste laboratório, investigaremos o comportamento do

Leia mais

Fundamentos de Segurança de Redes. Prof. Fred Sauer, D.Sc. Elaborado por Túlio Alvarez Aula 2 Tipos de Ataques

Fundamentos de Segurança de Redes. Prof. Fred Sauer, D.Sc. Elaborado por Túlio Alvarez Aula 2 Tipos de Ataques Fundamentos de Segurança de Redes Prof. Fred Sauer, D.Sc. Elaborado por Túlio Alvarez Aula 2 Tipos de Ataques 1 Aula 2 - Tipos de Ataques 2 Sniffers Fraudes com uso do EMAIL Phishing SPAM Varredura de

Leia mais

Redes. Entenda o que são ICMP, ping e traceroute Autor: Hélder Garcia Email: hlbognfspam@sounerd.com Março de 2004

Redes. Entenda o que são ICMP, ping e traceroute Autor: Hélder Garcia Email: hlbognfspam@sounerd.com Março de 2004 Entenda o que são ICMP, ping e traceroute Autor: Hélder Garcia Email: hlbognfspam@sounerd.com Março de 2004 O ICMP - - é um protocolo que faz parte da pilha TCP/IP, enquadrando-se na camada de rede (nível

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Neste caso cada computador da rede precisa de, pelo menos, dois parâmetros configurados:

Protocolo TCP/IP. Neste caso cada computador da rede precisa de, pelo menos, dois parâmetros configurados: Protocolo TCP/IP Neste caso cada computador da rede precisa de, pelo menos, dois parâmetros configurados: Número IP Máscara de sub-rede O Número IP é um número no seguinte formato: x.y.z.w Não podem existir

Leia mais

Entendendo como funciona o NAT

Entendendo como funciona o NAT Entendendo como funciona o NAT Vamos inicialmente entender exatamente qual a função do NAT e em que situações ele é indicado. O NAT surgiu como uma alternativa real para o problema de falta de endereços

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Ataques DoS e DDoS. Alessandro Santos Germer Rafael Ambiel Faccioli Roberto Röseling Badô. 1. Introdução

Ataques DoS e DDoS. Alessandro Santos Germer Rafael Ambiel Faccioli Roberto Röseling Badô. 1. Introdução Ataques DoS e DDoS Alessandro Santos Germer Rafael Ambiel Faccioli Roberto Röseling Badô 1. Introdução DoS - Denial of Service DDoS - Distributed Denial of Service Falhas no protocolo TCP/IP Ataques desde

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal

Leia mais

Kerio Exchange Migration Tool

Kerio Exchange Migration Tool Kerio Exchange Migration Tool Versão: 7.3 2012 Kerio Technologies, Inc. Todos os direitos reservados. 1 Introdução Documento fornece orientações para a migração de contas de usuário e as pastas públicas

Leia mais

Segurança em Sistemas de Informação Tecnologias associadas a Firewall

Segurança em Sistemas de Informação Tecnologias associadas a Firewall Algumas definições Firewall Um componente ou conjunto de componentes que restringe acessos entre redes; Host Um computador ou um dispositivo conectado à rede; Bastion Host Um dispositivo que deve ser extremamente

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

01 - Entendendo um Firewall. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

01 - Entendendo um Firewall. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com 01 - Entendendo um Firewall. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com O que são Firewalls? São dispositivos constituídos por componentes de hardware (roteador capaz de filtrar

Leia mais

Firewall. Alunos: Hélio Cândido Andersson Sales

Firewall. Alunos: Hélio Cândido Andersson Sales Firewall Alunos: Hélio Cândido Andersson Sales O que é Firewall? Firewall pode ser definido como uma barreira de proteção, que controla o tráfego de dados entre seu computador e a Internet (ou entre a

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 6 Firewall e Proxy Prof.: Roberto Franciscatto Introdução FIREWALL Introdução Firewall Tem o objetivo de proteger um computador ou uma rede de computadores,

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009 Licenciaturas em Informática e Gestão de Empresas, Engenharia de Telecomunicações e Informática e Engenharia Informática Redes Digitais II Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento

Leia mais

Instalação e Configuração Iptables ( Firewall)

Instalação e Configuração Iptables ( Firewall) Instalação e Configuração Iptables ( Firewall) Pág - 1 Instalação e Configuração Iptables - Firewall Desde o primeiro tutorial da sequencia dos passo a passo, aprendemos a configurar duas placas de rede,

Leia mais

3º Exercício Prático: DNS

3º Exercício Prático: DNS Universidade Estadual da Paraíba Departamento de Matemática, Estatística e Computação Disciplina: Redes de Computadores Professor: Edmar José do Nascimento 3º Exercício Prático: DNS Introdução O Sistema

Leia mais

NAT com firewall - simples, rápido e funcional

NAT com firewall - simples, rápido e funcional NAT com firewall - simples, rápido e funcional Todo administrador de redes aprende logo que uma das coisas mais importantes para qualquer rede é um bom firewall. Embora existam muitos mitos em torno disto,

Leia mais

Kaspersky Security for Virtualization. Overview

Kaspersky Security for Virtualization. Overview Kaspersky Security for Virtualization Overview Idéia da Virtualização Executar um sistema operacional como um programa dentro de outro sistema operacional Executar vários sistemas operacionais no mesmo

Leia mais

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL Documento: Tutorial Autor: Iuri Sonego Cardoso Data: 27/05/2005 E-mail: iuri@scripthome.cjb.net Home Page: http://www.scripthome.cjb.net ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

Leia mais

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL... Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...4 Configurações iniciais...5 Arquivo sudoers no Sistema Operacional

Leia mais

Endereçamento. Endereço IP. Exemplo. Endereço IP. Como verificar? Certo ou errado? 13/12/2011

Endereçamento. Endereço IP. Exemplo. Endereço IP. Como verificar? Certo ou errado? 13/12/2011 Endereçamento Luciana Balieiro Cosme Permite identificar unicamente um equipamento na rede; O endereço IP não pode ser arbitrariamente atribuído; Cada rede possui uma faixa de endereços que podem ser distribuídos

Leia mais

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Definição O Firewal é um programa que tem como objetivo proteger a máquina contra acessos indesejados, tráfego indesejado, proteger serviços que estejam rodando

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

Hardening de Servidores O que é Mitm? Hardening

Hardening de Servidores O que é Mitm? Hardening Hardening de Servidores O que é Mitm? O man-in-the-middle (pt: Homem no meio, em referência ao atacante que intercepta os dados) é uma forma de ataque em que os dados trocados entre duas partes, por exemplo

Leia mais

Firewalls. Prática de Laboratório. Maxwell Anderson INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA

Firewalls. Prática de Laboratório. Maxwell Anderson INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Firewalls Prática de Laboratório Maxwell Anderson INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Sumário Firewall do Windows... 2 O que é um firewall?... 2 Ativar ou desativar o Firewall

Leia mais

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão AS ou SA; IGP e EGP; Vetor de Distância,

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

Pós Graduação Tecnologia da Informação UNESP Firewall

Pós Graduação Tecnologia da Informação UNESP Firewall Pós Graduação Tecnologia da Informação UNESP Firewall Douglas Costa Fábio Pirani Fernando Watanabe Jefferson Inoue Firewall O que é? Para que serve? É um programa usado para filtrar e dar segurança em

Leia mais

DickRips Informatica e Atualidade

DickRips Informatica e Atualidade DickRips Informatica e Atualidade Pagina dedicada ao Linux, Tecnologias e diversidades Início Curriculum Sobre Mim Categorias Carreira Jogos Linux Pessoal Programação Redes Segurança Servidores Tecnico

Leia mais

IDS - Implementando o SNORT Open Source

IDS - Implementando o SNORT Open Source Objetivos : apresentar ferramenta que auxilia na segurança das redes. Pré requisitos : Comandos Básicos Linux Comandos Básicos de Redes Linux Conhecimento do Padrão TCP/IP em especial protocolos : ICMP,

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.

IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc. Endereços IP Endereços IP IP significa Internet Protocol. A Internet é uma rede, e assim como ocorre em qualquer tipo de rede, os seus nós (computadores, impressoras, etc.) precisam ter endereços. Graças

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS NO WINDOWS Se todos os computadores da sua rede doméstica estiverem executando o Windows 7, crie um grupo doméstico Definitivamente, a forma mais

Leia mais

Firewall. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática

Firewall. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Firewall Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Firewall (definições) Por que do nome firewall? Antigamente, quando as casas

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede O sistema de nome de domínio (DNS) é um sistema que nomeia computadores e serviços de rede e é organizado em uma hierarquia de domínios.

Leia mais