Programação Expectativas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programação Expectativas"

Transcrição

1 Programação Expectativas Aprenda a automatizar processos interativos com o Expect. por Aeleen Frisch O Bash contempla uma série de mecanismos para automatizar processos interativos. Por exemplo, o recurso de redirecionamento de input chamado here document pode posicionar o input padrão para um comando dentro de um script, conforme mostra a listagem 1. O pacote de simulação químicocomputacional Gaussian 09 (g09) utiliza um pequeno input que informa qual tipo de previsões são desejadas e qual molécula ou reação deve ser estudada. Um arquivo de input específico pode ser criado para uma tarefa específica, mas inserir comandos como esses em um script permite que o usuário execute uma série de tarefas em cada molécula em um conjunto de forma automatizada. Esta abordagem é claramente mais fácil e mais eficiente do que a criação de dezenas ou centenas de arquivos de entrada manualmente, e torna trivial a Listagem 1: Redirecionamento de entrada 01 for jobname in $jobs; do for molecule in $mlist; do g09 <<END >$molecule.log $charge $spin END done 13 done execução de nova simulação em um conjunto molecular existente. No entanto, como uma solução geral, a técnica do here document tem várias desvantagens. Em primeiro lugar, nem todos os prompts interativos aceitarão o input de scripts dessa forma. Por exemplo, muitas solicitações de senha e o prompt de troca de chaves em uma conexão SSH inicial são configurados para aceitar o input apenas a partir do terminal. Em segundo lugar, quando se usa esta técnica, não é fácil para o script processar a saída do comando e tomar decisões com base nele. Mais importante, embora as respostas a vários comandos possam ser incluídas antes do final do here document, o script não pode examinar as respostas às solicitações individuais para responder adequadamente a elas em tempo real. A facilidade do Expect é um ambiente de script projetado especificamente para automatizar verdadeiros processos interativos. Scripts Expect são exemplos de chat scripts : consistem de uma série de pares esperados de pronta-resposta. O Expect foi escrito por Don Libes e está incluído no Ubuntu por padrão. Podemos encontrar recursos do Expect online [1] [2]. Introdução ao Expect A melhor introdução ao Expect é um simples script que automatiza a conexão SSH inicial para um host especificado como o argumento do roteiro (listagem 2). A versão standalone do Expect é automaticamente combinada com uma linguagem de script chamada Tcl (pronunciase tickle ). A primeira linha neste exemplo é a construção Tcl para atribuir um valor a uma variável neste caso, a variável host. A forma [lindex $argv n] retorna o argumento nth para o script (a numeração começa em 0), assim, o primeiro comando coloca o primeiro argumento de script em uma variável host. O segundo comando atribui o valor 5 à variável timeout, que é uma variável Expect incorporada que define um limite sobre quan- Listagem 2: Conexão SSH automática 03 set host lindex $argv 04 set timeout 5 05 spawn /usr/bin/ssh 06 expect "(yes/no)? " { 07 send "yes\r" expect "password:" 10 send "secret\r" 11 expect "$ " 12 interact Linux Magazine #109 Março de

2 to tempo uma declaração expect examinará a saída. O restante do script é Expect puro, e ilustra as três mais importantes construções do Expect: spawn Inicia um comando e estabelece uma conversação com o processo. expect Examina a saída de comando para uma string ou expressão; espere até que ele apareça ou que o tempo limite expire, ou seja, qualquer coisa que aparece na saída antes que o item especificado seja ignorado, assim o usuário só terá que olhar para a última parte do que deseja. Uma declaração expect expira se não conseguir encontrar o item especificado dentro dos segundos correspondentes ao valor da variável timeout. O padrão é 10 segundos, e um valor de -1 desativa o tempo limite. send Envia uma string para o processo que começou com um spawn. A conversa de script (pelo número da linha) na listagem 2 é: (5) spawn Tente conectar-se ao host remoto com ssh. (6) expect Aguarde pelo "(yes/ no)?" na saída. Este é o fim de várias linhas de saída sobre a troca de chave de host. (7) send Envie a string "yes" mais um retorno de procedimento (\r) se "(yes/no)?" for encontrado. (9) expect Aguarde por "password:" na saída. Este é o prompt de senha. (10) send Envie a sequência de senha mais um retorno de procedimento. (11) expect Espere por um sinal de dólar, o Shell prompt. (12) interact Transferência de controle de input para o terminal, permitindo que o usuário digite os comandos. Observe a diferença entre as duas primeiras declarações expect. Na primeira, o comando send é subordinado ao comando expect, pois está fechado entre chaves. O comando send é executado somente se o comando expect localizar o item especificado na saída do comando. Se o tempo expirar, o comando send é ignorado. Em contraste, os segundos comandos expect e send são independentes um do outro. Se o comando expect falhar ao encontrar uma solicitação de senha dentro do tempo limite, ele vai se encerrar, mas o comando send será executado de qualquer maneira. Uma declaração expect possui o seguinte formato: expect { item1 { statements item2 { statements... As chaves imediatamente após o comando expect somente são necessárias quando mais de um item de pesquisa é especificado. Mostraremos exemplos de declarações expect múltiplas mais à frente neste artigo. Itens são procurados na ordem em que aparecem na declaração, mas o primeiro item correspondente ganha, e as declarações a seguir são executadas. Normalmente, a declaração expect termina neste ponto. Máquina virtual na nuvem Em seguida, examinaremos o script usado para iniciar uma máquina virtual na Amazon Cloud. O objetivo deste script é estabelecer conexões SSH sem senha com uma máquina virtual tanto para o usuário padrão, chamado ec2- -user, como para o root. Ele envia Listagem 3: ec2_ssh_init (Parte 1) 03 set h lindex $argv 04 spawn /usr/bin/scp i /home/aefrisch/. ec2/aef.pem/home/aefrisch/.ssh/id_rsa.pub ec2 06 expect "(yes/no)? " 07 send "yes\r" 08 expect "known hosts" 09 close 10 sleep 10 a chave pública do usuário atual para o host remoto e adiciona-o ao arquivo ~/.ssh/authorized_keys para ambos os usuários remotos. Também muda a configuração SSH para o usuário root remoto, bem como as opções para o servidor sshd remoto, reiniciando o último depois. Uma vez que estas atividades estejam concluídas, nem o ssh nem comando scp exigirão o uso da chave de instância ou de uma senha, e ao usuário atual será permitido executar comandos remotos como root usando ssh. Este script é chamado de ec2_ ssh_init e a listagem 3 exibe sua seção inicial. O script começa salvando seu primeiro argumento na variável h. Em seguida, ele inicia um comando scp e se conecta a ele; o comando scp usa o arquivo de chave EC2 para autenticação através da opção -i. Em seguida, o script procura pelo prompt de troca de chaves de host, responde sim para ele, e aguarda a resposta. Quando o script recebe uma resposta, ele fecha a conexão e, em seguida, aguarda 10 segundos para permitir que o comando scp tenha tempo suficiente para se completar. O restante do script (listagem 4) executa uma série de comandos no sistema remoto gerando um comando ssh. Todos os comandos expect procuram por prompts Shell, tanto para contas ec2-user ou root. Primeiro, o script adicio- 70

3 Listagem 4: ec2_ssh_init (Parte 2) 01 spawn /usr/bin/ssh i /home/aefrisch/.ec2/aef.pem ec2 expect "$" 03 send " cat id_rsa.pub >>.ssh/authorized_keys; rm id_rsa.pub\r" 04 expect "$" 05 send "sudo tcsh\r" 06 expect "#" 07 send " cp.ssh/authorized_keys ~root/.ssh\r" 08 expect "#" 09 send " cd /etc/ssh; cp sshd_config{,.0\r" 10 expect "#" 11 se nd " cat sshd_config.0 sed e 's/forced commands only/yes/' > sshd_config\r" 12 expect "#" 13 send "/etc/init.d/sshd restart\r" 14 expect "#" 15 send "exit\r" 16 expect "$" 17 send "logout\r" 18 close na o arquivo de chave copiado anteriormente para o arquivo authorized_keys para ec2-user no host remoto. Em seguida, ele inicia um Shell root via sudo. Como root, o script copia o arquivo authorized_keys do ec2-user para a conta root. Em seguida, ele muda para o diretório de configuração do servidor SSH, edita a cópia principal do arquivo de configuração do servidor (via sed), instala-o como o arquivo de configuração ativo e reinicia o daemon sshd. O restante do script conclui o Shell root, faz o logout da sessão SSH, e depois encerra o comando spawn. Comunicação com o dispositivo O Expect pode ser utilizado para se comunicar com os dispositivos, bem como com os processos. A listagem 5 mostra a comunicação com um relógio atômico sobre a porta serial para recuperar o tempo atual. O script começa com a definição da variável clock para o arquivo de dispositivo correspondente à porta serial onde o relógio está conectado. Em seguida, ele começa uma conversa com o dispositivo com o comando spawn. O comando stty define as características da linha serial necessária para a comunicação com o dispositivo de acordo com as especificações do fabricante. A recuperação de dados real acontece por meio de dois pares send expect; neste caso, o script desempenha o papel do iniciador, e o dispositivo é a resposta. O Listagem 5: Comunicando com um relógio script começa enviando o caractere o ; o dispositivo irá responder com um caractere qualquer. A opção -re ao comando expect revela que o item especificado é uma expressão regular, ao invés de uma string literal. O script, em seguida, envia um retorno de procedimento, que informa ao dispositivo que deve enviar o tempo. O tempo é devolvido sob a forma de um caractere inicial que não é parte do tempo, seguido de 16 ou mais caracteres. Para capturar este último, a declaração expect novamente usa expressões regulares. A primeira expressão consiste de um período, que vai coincidir com o caractere inicial indesejado. A segunda consiste de 16 pontos e um asterisco entre parênteses. Esta última irá corresponder a 16 ou mais caracteres. Os parênteses não são caracteres literais a serem correspondidos, mas sim definem esta parte da expressão regular como uma entidade que pode ser referenciada posteriormente. O script termina neste ponto, mas ele retorna automaticamente a mais recente expressão correspondente a qualquer processo que o tenha chamado. Neste caso, a string de tempo do dispositivo será retornada. 03 set clock /dev/ttys0 04 spawn open open $clock # set line characteristics for talking to clock 07 stty ispeed 300 ospeed 300 parenb parodd cs7 hupcl cstopb cread clocal icrnl opost isig icanon iexten echo noflsh < $clock send "o" 10 expect re "." 11 send "\r" 12 expect re "." 13 expect re "(...*)" 14 exit Linux Magazine #109 Março de

4 Listagem 6: loop (Parte 1) 03 set cmd lindex $argv 04 if {"$cmd" == "" { 05 se nd "Usage: loop command [refresh\]\n" 06 exit set tout lindex $argv 09 if {"$tout" == "" {set tout 5 10 set timeout $tout Listagem 7: loop (Parte 2) 01 set done 0 stty echo 03 while {$done == 0 { 04 system /usr/bin/clear 05 system $cmd 06 stty raw 07 expect re "." {set done 1 08 stty raw 09 # end while 10 stty echo 11 exit Listagem 8: Script ssh 03 set host lindex $argv 04 set timeout 2 05 set user lindex $argv 06 if {"$user" == "" { set user $env(user) 07 spawn /usr/bin/ssh 08 expect { 09 "(yes/no)? " { 10 send "yes\r" 11 exp_continue "word:" { 15 send "whatever\r" 16 send_tty " Key exchange needed with $host\n" 17 exp_continue re "($ % >) " { interact timeout { 23 send_tty " No response from $host\n" 24 exit Comandos no estilo top O próximo script que cobriremos, o loop (listagem 6), permite que qualquer função de comando seja executado como o comando top: o comando é executado novamente de maneira repetida até que uma tecla seja pressionada. O início do script processa seu argumento (se existir) e define o intervalo de retorno da atualização (que também é o período de tempo limite do Expect). Este script ilustra um método para a verificação da presença de argumentos necessários através da declaração Tcl if. O comando send é usado para imprimir uma mensagem de erro quando o primeiro argumento de script necessário o comando a ser executado é omitido. Antes de qualquer comando spawn, os comandos expect e send interagem com a entrada e saída padrão do script (respectivamente), então o comando send pode ser usado para mensagens do script. O segundo argumento do script pode ser usado opcionalmente para especificar o intervalo de retorno da atualização para o comando especificado; por padrão, é de 5 segundos. A variável timeout do Expect é definida para este valor. O restante do script (listagem 7) executa o comando e espera por um comando de conclusão, quando o usuário pressiona alguma tecla. A variável done é definida como 0, e o caractere repetido está desativado antes do Tcl de loop while. O while se repete desde que o valor de done seja 0. O loop body executa dois comandos Unix externos através do comando system do Expect. Ao contrário de spawn, system executa o comando especificado sem atribuir entrada e retorno. No caso deste script, toda a comunicação ocorre através do padrão I/O (entrada e saída). Note que os colchetes dentro da mensagem de erro (indicando que o segundo argumento do script é opcional) devem ser citados com barras invertidas (listagem 6), porque os colchetes possuem um significado especial para Tcl. Uma vez que o comando especificado pelo usuário é executado, o tty é definido em modo raw. Assim, a entrada do usuário é processada caractere por caractere, em vez de linhas individuais (isto é, à espera de um retorno de procedimento). A declaração expect procura uma expressão regular que consiste de qualquer caractere. Quando um caractere é recebido porque o usuário pressionou uma tecla done é definido como 1 e o script irá terminar na próxima iteração do while loop. Se a declaração expect expirar, o valor de done permanece inalterado. O modo raw é, então, desativado novamente para evitar a interferência com o display de retorno do comando, e a próxima interação do loop while começa. Depois que o loop 72

5 Listagem 9: Processamento de argumentos de comando 03 set xfer lindex $argv 04 set user lindex $argv 05 if {"$user" == "" { set user "root" 06 if {"$xfer" == "" { 07 se nd_user "Usage: xfer item \[user\]\n" 08 exit set timeout 10 termina, a saída do terminal é restaurada e o script termina. Esperando mais de uma coisa A listagem 8 mostra outra versão do script ssh descrita anteriormente. Neste caso, foram combinadas todas as várias declarações expect em uma única declaração, que também funciona como um loop. O script começa como de costume, salvando os argumentos em variáveis (host e user) e definindo seus timeouts. Também ilustra a utilização de uma variável de ambiente Shell dentro de um script Expect. O formulário $env(name) retorna o valor da variável de ambiente NAME. Neste script, evitamos amarrar o nome de usuário ao comando spawn e usar a variável de ambiente USER como um nome de usuário remoto padrão. Desta forma, o script pode ser utilizado por um usuário e não apenas pelo administrador do sistema. O comando expect possui quatro itens de pesquisa: (yes/ no)? O aviso de troca de chaves do host. Se encontrado, a resposta "sim" é enviada, e a declaração expect continua via exp_continue, em vez de terminar, como aconteceria por padrão. word Solicitação da senha, que o script responde com a senha. O script em seguida imprime uma mensagem na tela indicando que a troca de chaves do usuário ainda não foi concluída para o host remoto. O comando send_tty sempre envia um retorno para a tela, independentemente de onde a saída padrão estiver indicada. A declaração expect continua novamente depois de executar as declarações anteriores porque exp_continue está incluído. ($ % >) Uma expressão regular que corresponde a várias versões do prompt de comando do Shell. Quando encontrado, o script executa o comando interact, que permite que o usuário assuma o controle da sessão SSH. O comando expect vai se encerrar neste momento. timeout Esta palavra-chave indica que o tempo limite do Expect expirou. Neste caso, isso normalmente significa que o computador remoto não respondeu. O script imprime uma mensagem na tela indicando isso, e tanto a declaração expect como o script terminam naquele ponto. Coperações de root Embora o script Expect anterior seja bastante útil, ele possui um problema de segurança: a presença da senha do usuário. Esta não é uma boa ideia, no geral, e, no mínimo, o arquivo de script que precisa ser armazenado em um local seguro e devidamente protegido. O próximo script supera esse problema. Ele ilustra a obtenção de uma senha pelo usuário uma vez no início da execução do script e fazendo o loop em uma lista de itens em um script Expect. A listagem 9 exibe a primeira parte do script, que processa os argumentos do comando: o item a se copiar para hosts remotos e o usuário remoto para especificar no comando scp (negligenciado pelo root). Ele também define o período de tempo limite do Expect. O script seguinte lê um arquivo externo chamado xferhosts (no diretório atual) para obter as listas de hosts para as quais deve copiar o item. Podemos usar isso como uma receita para a leitura de itens de um arquivo externo via Tcl: set file [open "xferhosts" r] set hlist [split [read $file] "\n"] close $file Em seguida, o script solicitará a senha remota, uma operação que é especialmente importante quando o usuário remoto é root. Observe o uso da palavra-chave echo para o comando tty para ativar/desativar o caractere de saída de dados na tela: stty echo send_tty "_" Listagem 10: Looping sobre a lista 01 foreach h $hlist { if {"$h"!= "" { 03 spawn scp r $xfer 04 expect { 05 "(yes/no)? " { 06 send "yes\r" 07 exp_continue "word:" { 11 send "$pwd\r" 12 exp_continue re "." { exp_continue timeout { break Linux Magazine #109 Março de

6 expect_tty "\n" set pwd [string trimright U "$expect_out(buffer)" "\n"] stty echo if {"$pwd" == "" { exit Listagem 12: Exemplo de timed prompt O comando set que define a variável pwd usa uma construção Tcl para recuperar o conteúdo do buffer do Expect. Este último consiste de todos os caracteres que recebeu da correspondência anterior através da correspondência atual. Neste exemplo, é o que o usuário digitou no prompt de senha. O script remove a nova linha a partir do fim dos dados interpretados como uma string de caracteres. A listagem 10 mostra o laço sobre a lista de hosts do arquivo. O comando foreach Tcl é executado sobre cada item, por sua vez, e a declaração if assegura que o hostname não seja null. A declaração expect é semelhante no script anterior. Ela lida com a troca de chave de host e solicitação de senha, se ocorrerem, e também conclui a iteração do loop atual se o período de tempo limite expirar através do comando break. O outro item na declaração expect é uma expressão regular que corresponde a qualquer caractere único. O comando scp envia o retorno conforme é executado e, enquanto os caracteres forem recebidos, sabemos que o comando ainda está em execução. A expressão regular será correspondente, e o comando exp_continue será executado, que também possui o efeito de resetar o contador de tempo de espera. Quando nenhum caractere é recebido para a duração do período de tempo limite, então a iteração loop termina. Um prompt com tempo de espera O Shell Bash fornece uma maneira de solicitar a entrada do usuário através do comando read e o salva em uma variável, como neste exemplo: read p "Prompt string: " answer < /dev/tty O prompt irá esperar para sempre até que o usuário insira uma resposta. Às vezes, o usuário pode desejar que o prompt tenha um tempo limite, se o u- suário não responder. Com o Expect, podemos criar um prompt com um período de tempo limite embutido. O script para fazê-lo (listagem 11) começa o processamento dos argumentos. O prompt padrão é "Enter response", e o período de tempo limite padrão é de 5 segundos. O código a seguir mostra a parte do script que exibe prompt string e processa a resposta do usuário (se houver): send_tty "$prompt: " set timeout $tout set response "" expect "\n" { set response [string trimright "$expect_out(buffer)" "\n"] 01 #!/bin/bash 03 # Example use of timed prompt script: 04 # The default response is '"'red'"' 05 color=`./timed_prompt "What is your favorite color? " red 2` 06 echo "Your color is $color" 07 echo 08 color=`./timed_prompt "What is your favorite color? " red 20` 09 echo "Your color is $color" Listagem 11: Prompt e timeout 03 set prompt lindex $argv 04 set response lindex $argv 05 set tout lindex $argv 06 if {"$prompt" == "" { 07 set prompt "Enter response" if {"$tout" == "" {set tout 5 send "$response" O script exibe o prompt string na tela, define o valor do tempo limite, e atribui um valor padrão para a variável response. A declaração expect altera o valor de response para qualquer entrada que o usuário digitar. O script termina retornando o valor da resposta ao seu interlocutor. A listagem 12 mostra um exemplo. As linhas a seguir são a saída do script, quando uma resposta é dada para ao segundo e não ao primeiro prompt: $./use_prompt What is your favorite color? Your color is red What is your favorite color? green Your color is green $ O script mostra a cor padrão (vermelha) na primeira mensagem e a cor escolhida no segunda. Esperamos que tenham gostado do Expect. Temos certeza que o usuário encontrar muitos usos para esta excelente ferramenta de automação de processos interativos. n Gostou do artigo? Queremos ouvir sua opinião. Fale conosco em: Este artigo no nosso site: Mais informações [1] NIST Expect: gov/el/msid/expect.cfm [2] Site do Expect: sourceforge.net 74

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 Comandos para manipulação de diretório 1. ls Lista os arquivos de um diretório. 2. cd Entra em um diretório. Você precisa ter a permissão de execução para entrar no diretório.

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos

Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos Sistemas Operacionais de Rede Linux - Gerenciamento de Arquivos Conteúdo Programático Login e Logout Iniciando e Desligando o Sistema Tipos de arquivo Texto Binário Arquivos e Diretório Manipulação de

Leia mais

Introdução ao Shell Script

Introdução ao Shell Script Faculdade do Pará-FAP Disciplina: Programação em Ambiente de Redes Professor: Armando Hage Introdução ao Shell Script Introdução O que é o Shell Shell Script Primeiro Script Recebendo Parâmetros Exercícios

Leia mais

Uso Eficiente da Linha de Comando com os Shells do Unix. Fábio Olivé (fabio.olive@gmail.com)

Uso Eficiente da Linha de Comando com os Shells do Unix. Fábio Olivé (fabio.olive@gmail.com) Uso Eficiente da Linha de Comando com os Shells do Unix Fábio Olivé (fabio.olive@gmail.com) GUI CLI Tópicos História da Linha de Comando Shells mais comuns Interpretação e transformações da linha digitada

Leia mais

OpenSSH WWW.LINUXCLASS.COM.BR

OpenSSH WWW.LINUXCLASS.COM.BR OpenSSH WWW.LINUXCLASS.COM.BR OpenSSH: Introdução: O projeto OpenSSH veio para substituir antigos métodos inseguros de comunicação e autenticação, podemos dizer que o OpenSSH é um substituto direto do

Leia mais

Manual de Acesso a Servidores SSH

Manual de Acesso a Servidores SSH UFF - Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Curso de Engenharia de Telecomunicações Programa de Educação Tutorial Grupo PET-Tele Manual de Acesso a Servidores SSH Autor : Orientador: Vinicius

Leia mais

FTP - Protocolo. O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para a transferência de arquivos entre computadores.

FTP - Protocolo. O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para a transferência de arquivos entre computadores. FTP FTP - Protocolo O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para a transferência de arquivos entre computadores. A partir do FTP usuários podem receber ou enviar arquivos de ou para outros computadores

Leia mais

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário MODEM USB 3G+ WM31 Manual do Usuário 2 Tabela de Conteúdo 1 Introdução... 3 2. Instalação... 5 3. Descrição da interface do cliente... 6 4. Conexão... 10 5.SMS... 11 6.Contatos... 14 7.Estatística... 18

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO - VERSÃO DE 29/04/2006 15:00.

DESCRIÇÃO DO TRABALHO - VERSÃO DE 29/04/2006 15:00. DESCRIÇÃO DO TRABALHO - VERSÃO DE 29/04/2006 15:00. Descrição Geral do trabalho. O objetivo do trabalho será o desenvolvimento de um programa Cliente/Servidor para o envio e recebimento de arquivos. Os

Leia mais

Disparando o interpretador

Disparando o interpretador Capítulo 2: Usando o interpretador Python Disparando o interpretador O interpretador é frequentemente instalado como /usr/local/bin/python nas máquinas onde está disponível; adicionando /usr/local/bin

Leia mais

Linguagens de Script

Linguagens de Script Rogerio Ferreira Inaugurou a Seção de Segurança da Revista Linux Magazine e a Seção Programando.com da Revista Locaweb. Foi autor de Projeto de Software Livre em Governo Estadual e teve participação em

Leia mais

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto Sistemas Operacionais Aula 4 Comandos Básicos Linux Prof.: Roberto Franciscatto Prompt Ao iniciar o GNU/Linux, a primeira tarefa a ser executada é o login no sistema, o qual deve ser feito respondendo

Leia mais

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH Topologia Tabela de endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de subrede Gateway padrão Objetivos R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 ND S1 VLAN 1 192.168.1.11 255.255.255.0 192.168.1.1 PC-A

Leia mais

Scripts Shell. João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 20

Scripts Shell. João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 20 Scripts Shell João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 / 20 2 / 20 Principais shell conhecidos Bourne Shell (sh) Korn Shell (ksh) C Shell (csh) Bash - Bourne Again Shell (bash) mais utilizada no linux O

Leia mais

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o Sistema Operacinal Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 2 Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 3 Criando um

Leia mais

Comandos Básicos do Linux/Unix

Comandos Básicos do Linux/Unix Comandos Básicos do Linux/Unix Vou partir do pressuposto que você sabe o básico de um sistema Linux/Unix. É importante para qualquer usuário de sistemas baseados em Unix aprender a trabalhar no modo texto

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROFESSOR II INFORMÁTICA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROFESSOR II INFORMÁTICA 17 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROFESSOR II INFORMÁTICA QUESTÃO 21 Analise as seguintes afirmativas sobre as ferramentas disponíveis no Painel de Controle do Microsoft Windows XP Professional, versão

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OPERANDO EM MODO TEXTO... 3 Abrindo o terminal... 3 Sobre o aplicativo Terminal... 3 AS CORES

Leia mais

Introdução a. Shell Script. Clésio Matos clesior.matos@gmail.com

Introdução a. Shell Script. Clésio Matos clesior.matos@gmail.com Introdução a Shell Script Clésio Matos clesior.matos@gmail.com 1 Plano de apresentação O que são shell scripts Comandos básicos Estruturas básicas do BASH - Comandos condicionais - Comandos de repetição

Leia mais

FTP Protocolo de Transferência de Arquivos

FTP Protocolo de Transferência de Arquivos FTP Protocolo de Transferência de Arquivos IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm FTP - Protocolo O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para

Leia mais

Figura 2. Comunicação Cliente/Servidor do Protocolo SSH.

Figura 2. Comunicação Cliente/Servidor do Protocolo SSH. SSH Desenvolvido por Tatu Ylonen em 1995 para uso no Unix, o SSH (Secure Shell) é uma ferramenta de acesso remoto com grande ênfase em segurança. Com o SSH, sempre que os dados forem enviados de uma máquina

Leia mais

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação.

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação. Novell Linux Desktop www.novell.com 27 de setembro de 2004 INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Bem-vindo(a) ao Novell Linux Desktop O Novell Linux* Desktop (NLD) oferece um ambiente de trabalho estável e seguro equipado

Leia mais

Instalação ou atualização do software do sistema do Fiery

Instalação ou atualização do software do sistema do Fiery Instalação ou atualização do software do sistema do Fiery Este documento explica como instalar ou atualizar o software do sistema no Fiery Network Controller para DocuColor 240/250. NOTA: O termo Fiery

Leia mais

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway

Leia mais

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas 1 Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas O DIR 635 tem duas opções para liberação de portas: Virtual server: A opção Virtual Server permite que você defina uma única porta pública

Leia mais

Automatização de Aplicativos Windows usando o AutoHotKey

Automatização de Aplicativos Windows usando o AutoHotKey Automatização de Aplicativos Windows usando o AutoHotKey Muitos processos de negócio dependem de aplicativos de terceiros que assumem a presença de um operador humano para executar determinadas rotinas.

Leia mais

ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador Linux.

ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador Linux. INSTALL 2014-08-12 ================================================== Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux ATENÇÃO: Este manual foi feito para usuários que tenham conhecimentos de administrador

Leia mais

COMO INSTALAR ZIM 8.50 HP-UX, AIX, LINUX E UNIXWARE

COMO INSTALAR ZIM 8.50 HP-UX, AIX, LINUX E UNIXWARE ZIM TECHNOLOGIES DO BRASIL COMO INSTALAR ZIM 8.50 HP-UX, AIX, LINUX E UNIXWARE Próx Antes de Iniciar O objetivo deste documento é apresentar os passos necessários para instalar a versão mais recente do

Leia mais

Configuração de um servidor FTP. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática

Configuração de um servidor FTP. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Configuração de um servidor FTP Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática FTP: o protocolo de transferência de arquivos transferir arquivo de/para hospedeiro remoto modelo cliente/servidor cliente:

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Orientações para BACKUP do SPED

Orientações para BACKUP do SPED Orientações para BACKUP do SPED AS ORIENTAÇÕES A SEGUIR APLICAM-SE AO BACKUP E RESTAURAÇÃO PARA UMA MESMA VERSÃO DO SPED (EX.: 2.6.02 PARA 2.6.02). SE VOCÊ ESTÁ MIGRANDO DE UMA VERSÃO DO SPED PARA OUTRA

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 18 de fevereiro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E AUTOMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E AUTOMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E AUTOMAÇÃO SHELL SCRIPT Allan Robson Silva Venceslau Hélio Batista de Araújo Júnior Rafael Medeiros Teles 1 Apresentar

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH!

TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH! UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP) ESCOLA DE ARTES, CIÊNCIAS E HUMANIDADES (EACH) TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH! Autoria e revisão por: PET Sistemas

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

Manual de Comando Linux

Manual de Comando Linux Manual de Comando Linux 1 Índice Índice... 2 Introdução... 3 Comandos Simples Linux... 3 Gerir Directórios e Ficheiros... 4 Gerir processos... 6 Estrutura de Diretórios do LINUX... 6 Executar comandos

Leia mais

Oficina de ShellScript

Oficina de ShellScript Oficina de ShellScript Segunda Parte Wildcards Variáveis de Ambiente Comans em Shell Script Parâmetros para o programa Mais comans /dev/null Bruno L. Albrecht Felipe A. Chies PET Computação UFRGS Wildcards

Leia mais

Protocolo FTP. Professor Leonardo Larback

Protocolo FTP. Professor Leonardo Larback Protocolo FTP Professor Leonardo Larback Protocolo FTP O FTP (File Transfer Protocol) é um protocolo de transferência de arquivos. Atualmente, o FTP é definido pela RFC 959 File Transfer Protocol (FTP)

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux Versão SIPREV 2.1.13

Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux Versão SIPREV 2.1.13 Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux Versão SIPREV 2.1.13 INSTALL 2010-05-20 ================================================== Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux ATENÇÃO:

Leia mais

GUIA RÁPIDO SISTEMA ANTIFURTO THEFT DETERRENT

GUIA RÁPIDO SISTEMA ANTIFURTO THEFT DETERRENT GUIA RÁPIDO SISTEMA ANTIFURTO THEFT DETERRENT SUMÁRIO Prefácio... 1 A quem se destina... 1 Nomenclatura utilizada neste documento... 1 Tela de login... 2 Tela Inicial... 4 Gestão de Dispositivo Acompanhar

Leia mais

Se não existisse uma variável de ambiente chamada PATH você teria que digitar todo o caminho do comando para listar por exemplo:

Se não existisse uma variável de ambiente chamada PATH você teria que digitar todo o caminho do comando para listar por exemplo: Variáveis de ambiente Denição: São variáveis que guardam informações sobre preferências pessoais usadas por programas para que eles peguem dados sobre seu ambiente sem que você tenha que passar sempre

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB GABRIELA TREVISAN Ambiente de Desenvolvimento Após instalar o Wamp Server, inicie o servidor. Um ícone aparecerá na SystemTray. A cor do ícone indica seu estado: Verde: servidor

Leia mais

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema.

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema. O que é o projeto O PROINFODATA - programa de coleta de dados do projeto ProInfo/MEC de inclusão digital nas escolas públicas brasileiras tem como objetivo acompanhar o estado de funcionamento dos laboratórios

Leia mais

No Fedora, instalamos os pacotes "mysql" e "mysql-server", usando o yum:

No Fedora, instalamos os pacotes mysql e mysql-server, usando o yum: Instalando o MySQL O MySQL é um banco de dados extremamente versátil, usado para os mais diversos fins. Você pode acessar o banco de dados a partir de um script em PHP, através de um aplicativo desenvolvido

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

ZIM 8.50 PRIMEIROS PASSOS (WINDOWS E UNIX)

ZIM 8.50 PRIMEIROS PASSOS (WINDOWS E UNIX) ZIM TECHNOLOGIES DO BRASIL ZIM 8.50 PRIMEIROS PASSOS (WINDOWS E UNIX) Próx Antes de Iniciar O objetivo deste documento é apresentar os primeiros passos para utilizar a versão mais recente do Zim 8.50 para

Leia mais

Brincando de Backup com rsync.

Brincando de Backup com rsync. Brincando de Backup com rsync. Autoria de Thiago J. Ruiz (Neo) 25/09/2006 Última Atualização 06/10/2006 A necessidade de se manter um backup de todas as informações/dados dos clientes se faz cada vez mais

Leia mais

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x

Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Instalação e configuração Linux CentOS 6.x Objetivo: Instalar e configurar o sistema operacional Linux CentOS e efetuar suas configurações iniciais. 1- Abra o Virtuabox e clique em novo, e configure conforme

Leia mais

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange Versão: 4.1 Service pack: 4B SWD-313211-0911044452-012 Conteúdo 1 Gerenciando contas de usuários... 7 Adicionar uma conta de usuário... 7 Adicionar

Leia mais

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway Padrão Objetivos S1 VLAN 1 192.168.1.2

Leia mais

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança 3 SERVIÇOS IP 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança Os serviços IP's são suscetíveis a uma variedade de possíveis ataques, desde ataques passivos (como espionagem) até ataques ativos (como a impossibilidade

Leia mais

MSXDOS GUIA DE CONSULTA RÁPIDA. Escrito e editorado por: Edison Antonio Pires de Moraes eapmoraes@msxall.com www.msxtop.msxall.com

MSXDOS GUIA DE CONSULTA RÁPIDA. Escrito e editorado por: Edison Antonio Pires de Moraes eapmoraes@msxall.com www.msxtop.msxall.com MSXDOS GUIA DE CONSULTA RÁPIDA Escrito e editorado por: Edison Antonio Pires de Moraes eapmoraes@msxall.com www.msxtop.msxall.com 22/05/2004 14 MSXDOS Um pode ser: CON Console PRN Impressora

Leia mais

Manual de Instalação de Telecentros Comunitários. Ministério das Comunicações

Manual de Instalação de Telecentros Comunitários. Ministério das Comunicações Manual de Instalação de Telecentros Comunitários Ministério das Comunicações As informações contidas no presente documento foram elaboradas pela International Syst. Qualquer dúvida a respeito de seu uso

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL url_response série 4.1 Avisos legais Copyright 2013, CA. Todos os direitos reservados. Garantia

Leia mais

Permite o acesso remoto a um computador;

Permite o acesso remoto a um computador; Telnet Permite o acesso remoto a um computador; Modelo: Cliente/Servidor; O cliente faz um login em um servidor que esteja conectado à rede (ou à Internet); O usuário manipula o servidor como se ele estivesse

Leia mais

Manual de operação. BS Ponto Versão 5.1

Manual de operação. BS Ponto Versão 5.1 Manual de operação BS Ponto Versão 5.1 conteúdo 1. Instalação do sistema Instalando o BS Ponto Configurando o BS Ponto 2. Cadastrando usuários Cadastro do usuário Master Alterando a senha Master Cadastro

Leia mais

Padrão ix. Manual do Usuário Q-Ware Command Processor

Padrão ix. Manual do Usuário Q-Ware Command Processor Padrão ix Manual do Usuário Q-Ware Command Processor Copyright 2000-2008 Padrão ix Sistemas Abertos. Todos os direitos reservados. As informações contidas neste manual estão sujeitas a alteração sem aviso

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

Você pode testar se está tudo OK, abrindo um navegador no Debian Linux e acessando qualquer site.

Você pode testar se está tudo OK, abrindo um navegador no Debian Linux e acessando qualquer site. Você pode testar se está tudo OK, abrindo um navegador no Debian Linux e acessando qualquer site. Foi necessário configurar esse segundo adaptador, porque talvez seja necessário fazer o download de alguma

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 26 de agosto de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

Criptografar Conexões da Rede

Criptografar Conexões da Rede Criptografar Conexões da Rede Projeto Libertas-BR http://www.libertasbr.org.br 8 de setembro de 2005 Este documento descreve processos para criptografar as conexões da rede para sistemas operacionais Windows

Leia mais

Índice. Manual Backup Online. 03 Capítulo 1: Visão Geral

Índice. Manual Backup Online. 03 Capítulo 1: Visão Geral Índice 03 Capítulo 1: Visão Geral 04 Capítulo 2: Conta de Usuário 04 Criação 08 Edição 09 Grupo de Usuários 10 Informações da Conta 12 Capítulo 3: Download do Backup Online Embratel 16 Capítulo 4: Cópia

Leia mais

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010.

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010. Guia de Instalação do SolidWorks 2010 INTRODUÇÃO A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010. O SolidWorks pode ser instalado

Leia mais

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2009.

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2009. Guia de Instalação do SolidWorks 2009 INTRODUÇÃO A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2009. O SolidWorks pode ser instalado

Leia mais

Capítulo 5. ARQUIVOS E FUNÇÕES MATEMÁTICAS INTRÍNSECAS

Capítulo 5. ARQUIVOS E FUNÇÕES MATEMÁTICAS INTRÍNSECAS Capítulo 5. ARQUIVOS E FUNÇÕES MATEMÁTICAS INTRÍNSECAS OBJETIVOS DO CAPÍTULO Conceitos de: arquivo de saída, biblioteca, funções matemáticas intrínsecas Criar e usar arquivos para mostrar resultados da

Leia mais

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área OSPF (Open Shortest Path First). Configurar e verificar o roteamento OSPF. Introduzir a

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Ajuda das opções Fiery 1.3 (servidor)

Ajuda das opções Fiery 1.3 (servidor) 2015 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto. 29 de janeiro de 2015 Conteúdo 3 Conteúdo...5 Ativar uma opção Fiery...5

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DE REDE

MANUAL DO USUÁRIO DE REDE MANUAL DO USUÁRIO DE REDE Armazenar registro de impressão na rede Versão 0 BRA-POR Definições de observações Utilizamos o seguinte ícone neste Manual do Usuário: Observações indicam como você deve reagir

Leia mais

Tutorial do administrador do HelpCenterLive (Sistema de Ajuda)

Tutorial do administrador do HelpCenterLive (Sistema de Ajuda) Tutorial do administrador do HelpCenterLive (Sistema de Ajuda) Sumário Introdução...3 Entrar (Login)...3 Página Inicial (Home Page)...4 Ajuda...5 Conversação (Chat)...6 Mensagens Registradas...7 Registros...8

Leia mais

Protocolos Telnet e SSH. Professor Leonardo Larback

Protocolos Telnet e SSH. Professor Leonardo Larback Protocolos Telnet e SSH Professor Leonardo Larback Protocolo Telnet O modelo de referência TCP/IP inclui um protocolo simples de terminal remoto: Telnet. O telnet é tanto um programa quanto um protocolo,

Leia mais

Manual de Instalação. Instalação via apt-get

Manual de Instalação. Instalação via apt-get Manual de Instalação Instalação via apt-get Índice de capítulos 1 - Pré-requisitos para instalação......................................... 01 2 - Instalando o SIGA-ADM.................................................

Leia mais

Cliente Microsoft Outlook do Avaya Modular Messaging Versão 5.0

Cliente Microsoft Outlook do Avaya Modular Messaging Versão 5.0 Cliente Microsoft Outlook do Avaya Modular Messaging Versão 5.0 Importante: as instruções contidas neste guia só serão aplicáveis se seu armazenamento de mensagens for Avaya Message Storage Server (MSS)

Leia mais

Instalação. Descompactando. O sistema V&SPague é fornecido para instalação através de um arquivo compactado, autoextraível

Instalação. Descompactando. O sistema V&SPague é fornecido para instalação através de um arquivo compactado, autoextraível Manual do Usuário O conteúdo desse documento destina-se exclusivamente ao seu destinatário, não podendo ser revelado fora de sua organização, não podendo ser duplicado, usado ou publicado, no total ou

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas

Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas Laboratório 11.2.2b Listas de acesso simples e estendidas 262-294 CCNA 2: Roteadores e Roteamento, Conc. Básicos v 3.1 - Laboratório 11.2.2b Copyright 2003, Cisco Systems, Inc. Objetivo Situação Neste

Leia mais

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0 CAPÍTULO 18 INSTALANDO E CONFIGURANDO O MICROSOFT OFFICE PROJECT SERVER 2003 INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0 Antes de começar a instalação do Microsoft Office Project Server 2003

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.6.0

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.6.0 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.6.0 09 de novembro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

Aula 02. Introdução ao Linux

Aula 02. Introdução ao Linux Aula 02 Introdução ao Linux Arquivos Central de Programas do Ubuntu A Central de Programas do Ubuntu é uma loja de aplicativos integrada ao sistema que permite-lhe instalar e desinstalar programas com

Leia mais

UDPcast Clonagem de HDs via rede utilizando

UDPcast Clonagem de HDs via rede utilizando Manual Clonando Discos com o UDPcast Clonagem de HDs via rede utilizando o UDPCast. Produzido por: Sergio Graças Giany Abreu Desenvolvedores do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Clonando Discos com o UDPcast

Leia mais

BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO

BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO Criação de Conta de Usuário...03 Edição da Conta de Usuário...10 Download do Backup Online Embratel...10 Descrição dos Conjuntos de Cópia de Segurança...19

Leia mais

Agente do Arcserve Unified Data Protection para Linux

Agente do Arcserve Unified Data Protection para Linux Agente do Arcserve Unified Data Protection para Linux Guia do Usuário Versão 5.0 A presente Documentação, que inclui os sistemas de ajuda incorporados e os materiais distribuídos eletronicamente (doravante

Leia mais

NETALARM GATEWAY Manual Usuário

NETALARM GATEWAY Manual Usuário NETALARM GATEWAY Manual Usuário 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Requisitos de Instalação... 3 3. Instalação... 3 4. Iniciando o programa... 5 4.1. Aba Serial... 5 4.2. Aba TCP... 6 4.3. Aba Protocolo...

Leia mais

Prática NAT/Proxy. Edgard Jamhour. Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr.

Prática NAT/Proxy. Edgard Jamhour. Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr. Prática NAT/Proxy Edgard Jamhour Exercícios práticos sobre NAT e Proxy, usando Linux. Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais:.ppgia.pucpr.br OBS. Esse roteiro utiliza

Leia mais

Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Elaborado por: Alexandre Faria de Oliveira Março de 2013 1 P á g i n a Sumário 1. Introdução... 3 2. Visão Geral...

Leia mais

Utilizando License Server com AnywhereUSB

Utilizando License Server com AnywhereUSB Utilizando License Server com AnywhereUSB 1 Indice Utilizando License Server com AnywhereUSB... 1 Indice... 2 Introdução... 3 Conectando AnywhereUSB... 3 Instalação dos drivers... 3 Configurando AnywhereUSB...

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 09 de julho de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Backup

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Backup Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 7 Samba, SSH e Prof.: Roberto Franciscatto Samba Samba Samba Samba Servidor de compartilhamento de arquivos e recursos de rede É compatível com

Leia mais

Agente do Arcserve Unified Data Protection para Linux

Agente do Arcserve Unified Data Protection para Linux Agente do Arcserve Unified Data Protection para Linux Guia do Usuário Versão 5.0 A presente Documentação, que inclui os sistemas de ajuda incorporados e os materiais distribuídos eletronicamente (doravante

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL. url_response série 4.1

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL. url_response série 4.1 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL url_response série 4.1 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se

Leia mais

Guia do Usuário do Cisco Unified CCX Web Chat Agent e Supervisor Desktop versão 9.0(1)

Guia do Usuário do Cisco Unified CCX Web Chat Agent e Supervisor Desktop versão 9.0(1) Guia do Usuário do Cisco Unified CCX Web Chat Agent e Supervisor Desktop versão 9.0(1) Cisco Unified Contact Center Express Maio de 2012 Matriz Américas Cisco Systems, Inc. 170 West Tasman Drive San Jose,

Leia mais

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID PROCESSOS Um processo é um canal de comunicação entre os programas que estão sendo executados no sistema operacional e o usuário, ou seja um processo é um programa que está sendo executado. No Linux /

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

GNU/Linux/Bash. Aula 2

GNU/Linux/Bash. Aula 2 GNU/Linux/Bash Aula 2 O que é? Ubuntu GNU Linux Ubuntu 12.04 Ubuntu é um sistema operacional baseado em Linux desenvolvido pela comunidade e é perfeito para notebooks, desktops e servidores. Ele contém

Leia mais