SISTEMA DE MONITORAMENTO DE PARADAS DE MÁQUINA EM UMA LINHA DE USINAGEM - UM ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE MONITORAMENTO DE PARADAS DE MÁQUINA EM UMA LINHA DE USINAGEM - UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro de SISTEMA DE MONITORAMENTO DE PARADAS DE MÁQUINA EM UMA LINHA DE USINAGEM - UM ESTUDO DE CASO Gustavo Sevegnani (SOCIESC) Adelmo Anselmo Martins (SOCIESC) Tacila Berkenbrock (SOCIESC) Gece Wallace Santos Renó (3M Brasil) Diogo Augusto Fischer (SOCIESC) No mercado competitivo atual, as empresas cada vez mais buscam o melhor aproveitamento do parque fabril reduzindo assim investimentos e custos de produção. Para isso a gestão da produção necessita evoluir, utilizar novas tecnologias e conceeitos de gerenciamento de máquina. Portanto, é proposto um sistema de monitoramento de máquina que consiste na coleta de dados automática, no processamento desses dados e a disponibilização deles como informação precisa e rápida, para auxiliar a gestão da produção no processo de tomada de decisão e identificação de perdas. Palavras-chaves: Gestão da produção, sistema de monitoramento, Identificação de perdas

2 1. Introdução O panorama mundial impõe que as indústrias de manufatura sejam competitivas para se manter no mercado. Para tal existem várias possibilidades como, redução de custos de produção, melhorias na qualidade, redução do lead time, aumento da produtividade, eliminação de desperdícios e melhoria no processo de tomada de decisão. Essas alternativas quando bem utilizadas influenciam diretamente no preço final do produto, permitindo que a empresa seja mais competitiva. Para uma indústria, é no processo produtivo que estão concentradas as maiores perdas e também o maior potencial de ganho. Portanto, a evolução do sistema de monitoramento de produção, utilizando novas tecnologias é fundamental para facilitar a identificação dessas perdas. A gestão da produção envolve todos os processos relacionados à produção em uma empresa de manufatura. O ambiente competitivo destas empresas está se tornando cada vez mais disputado, para Souza & Ires (1999), fazendo com que a busca por melhorias no processo de gestão da produção se dê em várias iniciativas. Entre estas melhorias, a busca por uma alta eficiência dos recursos produtivos, como forma de maximizar o rendimento operacional, é freqüentemente perseguida em muitas empresas. Um sistema de monitoramento de máquina automático elimina os apontamentos manuais, que possuem grandes potenciais de erros e facilita a coleta de dados. Também fornece para o gestor diversas informações sobre o desempenho e status de cada máquina, além de gerar relatórios e históricos dos equipamentos. O objetivo deste artigo é identificar os benefícios da utilização de um sistema de monitoramento automático de paradas e supervisão de equipamentos. O estudo proposto neste trabalho é direcionado para uma empresa de Joinville, que implantou em uma de suas linhas de usinagem de peças automotivas um sistema que monitora automaticamente os centros de usinagem desta. 2. Revisão bibliográfica 2.1 Gestão e administração da produção Se uma função de manufatura potente é o alicerce do sucesso estratégico, então todas as empresas deveriam ter visão estratégica das suas operações de manufatura. Pensar estrategicamente sobre o lado operacional dos negócios não é mais a contradição que um dia pareceu ser. Para Costa & Caulliraux (1995) o fundamento da necessidade de uma estratégia de produção é que todo sistema tecnológico tem sua atuação limitada pelas tecnologias de equipamentos, processos, materiais e de sistemas gerenciais e de informação que utiliza. É preciso escolher entre opções tecnológicas diversas, pois cada combinação produz a diferentes desempenhos nos diversos parâmetros operacionais de um sistema produtivo. Conforme Slack, Chambers & Johnston (2002), a primeira responsabilidade de qualquer equipe de administração da produção é entender o que se está tentando atingir, ou seja, quais são os objetivos organizacionais, desempenho da produção, qualidade, velocidade, confiabilidade e custo. Para Slack (1993) a manufatura é importante demais para ser gerenciada de forma estanque, segura no conforto de sua própria rotina. Ela precisa de direcionamento estratégico, caso se espera que seu potencial como motor competitivo da empresa, seja completamente realizado. 2

3 As principais atividades do processo de gestão da produção são o planejamento, a programação e o controle da produção (CORRÊA, 2001). A integração das funções de planejamento e programação da produção pode introduzir melhorias significativas para a eficiência das condições de produção, através da redução de conflitos de programação, redução do tempo de fluxo e dos materiais em processo, aumento da utilização dos recursos de produção e adaptação a eventos irregulares do chão de fábrica. Segundo Slack, Chambers & Johnston (2002) cada parte da operação precisa ser monitorada para assegurar que as atividades planejadas estão de fato ocorrendo. Neste ambiente, é essencial que o controle da produção seja realizado em tempo hábil, que em alguns casos pode ser em tempo real. De acordo com Corrêa, Gianesi & Caon (2001) os sistemas de administração da produção são genericamente chamados os sistemas de informação utilizados para apoio à tomada de decisão. Independente da lógica utilizada pela empresa, destes sistemas para cumprir o seu papel de suporte ao cumprimento dos objetivos estratégicos da empresa deve ser capaz de apoiar o tomador de decisões a: Planejar as necessidades futuras de capacidade produtiva da organização; Planejar níveis adequados de estoques de matérias-primas, semi-acabados e produtos finais, nos pontos certos; Programar atividades de produção para garantir que os recursos produtivos envolvidos estejam sendo utilizados, em cada momento, nas coisas certas e prioritárias; Ser capaz de informar corretamente a respeito da situação corrente dos recursos (pessoas, equipamentos, instalação, materiais) e das ordens de compra e de produção; Ser capaz de prometer os menores prazos possíveis aos clientes e depois fazer cumpri-los. Para Costa & Caulliraux (1995), o conceito de sistema de administração da produção revela severas limitações quanto à resposta a eventos de curto prazo, tais como quebra de máquinas ou materiais defeituosos. Para solução desse problema é necessário a utilização de sistemas de coleta de dados operacionais para garantir a alimentação de informações atualizadas sobre as ocorrências na produção. 2.2 Monitoramento e supervisão da produção Somente através do monitoramento e supervisão da produção pode-se avaliar o desempenho de um sistema produtivo. Para isso é necessário coletar os dados da produção e controlá-los. Quanto maior o grau de informação controlada pela gestão da produção, maior a capacidade do time para visualizar as perdas que ficam escondidas atrás de indicadores que não são controlados. Esta situação é demonstrada na figura 1. 3

4 Figura 1 Perdas escondidas devido à falta do monitoramento Fonte: Adaptado de Slack, Chambers & Johnston (2002) Mesmo com o crescente desenvolvimento tecnológico, as técnicas de monitoramento da produção ainda são bastante deficientes. Os apontamentos de produção e dados das máquinas, na maior parte dos casos são coletados de forma manual gerando uma disparidade em relação à realidade do chão de fábrica. Conseqüentemente, as informações geradas a partir desses apontamentos manuais são inseridas nos sistemas ERP, que por sua vez geram respostas irreais para análises em um processo de tomada de decisão. Em um ambiente produtivo, a falta de informações confiáveis de chão de fábrica cria uma perspectiva que não retrata a realidade. Um monitoramento que forneça informações de forma rápida e confiável pode ser um grande diferencial para manter a competitividade das empresas de manufatura (CAETANO et. al., 1999) Os sistemas de monitoramento da produção que são responsáveis pela geração de informações do chão de fábrica estão se tornando inevitáveis, devido à demanda por qualidade e rapidez destas informações (JEMIELNIAK, 1999). A utilização de sensores instalados nos equipamentos de produção podem ser integrados a sistemas que criam informações em forma gráfica e em tempo real para monitoramento do processo (SIEGEL, 1997). 2.3 Perdas segundo a manutenção produtiva total (TPM) e o just in time (JIT) O sistema de monitoramento de máquina visa melhorar o desempenho da produção, para isso é utilizado como ferramenta de identificação de perdas. As perdas identificadas pela filosofia TPM podem ser combatidas desde que sejam identificadas pelo administrador da produção. Segundo Slack, Chambers & Johnston (2002) para aumentar a produtividade dos equipamentos e, conseqüentemente, de toda a empresa a filosofia do TPM recomenda o ataque á seis grandes perdas: quebras, ajustes (setup), pequenas paradas ou tempo ocioso, baixa velocidade, qualidade insatisfatória, perdas com start-up. A filosofia JIT visa atender à demanda instantaneamente, com qualidade perfeita e sem desperdícios. O just in time é uma abordagem disciplinativa que visa aprimorar a produtividade global e eliminar desperdícios. A utilização de informações precisas é de extrema importância para o processo de identificação e eliminação dos desperdícios. Para Slack, Chambers & Johnston (2002), a base do JIT é uma coleção de ferramentas e técnicas que representam os meios para a eliminação 4

5 do desperdício. Algumas das principais práticas e ferramentas utilizadas pelo JIT na redução dos desperdícios são a manutenção produtiva total (TPM) e redução do set-up. A filosofia JIT utiliza a visibilidade como ferramenta de comunicação e também como identificadora de desperdícios para qualquer colaborador. As medidas de visibilidade incluem: Exibição de gráficos de desempenho no local de trabalho; Luzes, sistemas que indicam paradas de equipamentos; Exibição de gráficos de controle da qualidade. Para identificar com maior precisão os desperdícios, pode-se atuar com sistemas de monitoramento de paradas. O sistema proposto neste trabalho é o sistema Injet, pois além de coletar os dados de paradas também os disponibiliza como informação para o gestor da produção analisar. 2.4 Sistema Injet de coleta de dados O sistema Injet é uma solução integrada de hardware e software desenvolvidos para monitorar o processo de produção em tempo real quantificando e qualificando as perdas de produção por áreas responsáveis e causas. Estas perdas são contabilizadas por paradas (manutenção, falta de operador, setup e outras), tempo de ciclo elevado e falta de programação para máquina. Além disso, o sistema Injet apresenta um diagnóstico instantâneo da eficiência, eficácia e efetividade da produção realizada em cada máquina em relação a sua capacidade padrão programada. O sistema é capaz de gerar relatórios precisos dos históricos de produção por produto, bem como de todo processo produtivo. A proposta do sistema Injet vai além da monitoração do processo no chão de fábrica. Grande parte de sua contribuição está no suporte a decisão gerencial. Pois basta lembrar que trata-se de um sistema de controle em tempo real. Os dados são obtidos e processados no momento em que as atividades acontecem. Esse processamento gera informações precisas que podem ser apresentadas em forma de relatórios e gráficos que facilitam a análise e a interpretação necessárias para às tomadas de decisão imediatas (YOSHIKAWA 2006). Para a empresa criadora do sistema, o aumento da produtividade está muitas vezes relacionado a detalhes imperceptíveis pelo homem, mas que quando tratados adequadamente podem levar a resultados surpreendentes. A arquitetura física e lógica que o sistema Injet necessita para que o fluxo de dados conforme figura 2. 5

6 São elementos desta arquitetura: Figura 2 Arquitetura física e lógica do sistema Injet Fonte: Adaptado de Injet (2010) a) Aquisição de dados das máquinas: é baseada na utilização de IPÊS, que são controladores lógicos programáveis, que além das interfaces para sensores e atuadores responsáveis pelas coletas de dados automáticas também, possuem teclado e display para coleta de dados manuais e visualização de informações b) Servidor: software do sistema Injet é baseado na arquitetura cliente-servidor, ou seja, as principais rotinas de processamento de análise dos dados coletados do processo produtivo estão escritas em store procedures no banco de dados. Isso permite que apenas os dados de consulta, feitos pelo software dos terminais de monitoração, trafeguem na rede corporativa, enquanto o processamento, que exige mais desempenho de hardware, seja feito no servidor de banco de dados. Assim é possível maior confiabilidade na integração dos dados e melhor desempenho para acessos feitos por terminais de monitoramento remotos, com ligações de baixa velocidade de transmissão de dados com rede corporativa c) Computador mestre: é o que gerencia o recebimento de dados, que são coletados pelos IPÊS em tempo real, e os escreve no banco de um servidor da rede corporativa. 6

7 d) Terminal de monitoramento (TM): são computadores que já são estações de trabalho da rede corporativa existente. Nestes computadores serão processados os programas de monitoramento em tempo real, que acessam o banco de dados do servidor para apresentar as análises de desempenho de produção das máquinas em tempo real e apresentar relatórios de resultados já realizados, em forma gráfica ou descritiva. 3. Materiais e Métodos Para que se alcance à de identificação dos benefícios do sistema de monitoramento automático, será elaborada uma pesquisa classificada como descritiva, assumindo a forma de estudo de caso. O desenvolvimento do estudo de caso será realizado através da coleta de dados e também da comparação dos resultados obtidos com dois tipos de sistemas de monitoramento de máquina. O objeto deste estudo de caso é um sistema de monitoramento de paradas de máquina automático, que foi instalado em uma linha de usinagem de cabeçotes de motor de uma empresa do setor metalúrgico. Esta empresa visa utilizar este sistema como fonte de informação para tomada de decisão e melhoria do desempenho do sistema produtivo. A empresa aqui estudada não será identificada por solicitação da mesma. A linha Vista, linha de usinagem estudada, foi projetada e instalada no ano de 2005 com o objetivo de atender a uma montadora estrangeira. O projeto foi concebido utilizando conceito de produção em linha gerando um fluxo entre as operações. A linha é composta de: Quatro fresadoras; Duas furadeiras especiais; Três lavadoras; Duas máquinas de montagem de componentes; Uma cabine de inspeção final e embalagem; Quatro centros de usinagem verticais; Três centros de usinagem horizontais; Uma máquina de teste de estanqueidade. É predominante a utilização de máquinas que trabalham automaticamente, porém estas necessitam de operadores para abastecer, desabastecer, controlar a qualidade e trocar ferramentas. Por se tratar de uma linha de produção na qual há um gargalo que delimita o ritmo de produção, o estudo de caso será feito apenas na operação gargalo da linha. Os períodos definidos para coletas de dados para avaliação dos benefícios são os meses de março (caso 1) e setembro (caso 2) de 2007 representando o período anterior e posterior à implantação do sistema respectivamente. As áreas envolvidas são planejamento da produção, produção, gestão da produção e manutenção dessa linha de usinagem. A coleta de dados da máquina gargalo será feita de maneira diferente para os dois casos: Em março de 2007 (caso 1) serão coletados dados de paradas de máquina e de produção nos cadernos utilizados na empresa como meio de comunicação e registro; Em setembro de 2007 (caso 2) serão coletados os dados de parada de máquina e de produção utilizando um Terminal de Monitoração do sistema Injet. 7

8 Nesta etapa, através dos dados coletados serão calculados os indicadores de desempenho da produção dos dois sistemas de coleta de dados. A avaliação dos resultados será feita através da comparação dos resultados obtidos na fábrica utilizando os indicadores, e também das informações disponíveis para gestão da produção em cada sistema de coleta de dados. 4. Dados obtidos 4.1 Sistema de coleta de dados manual - caso 1 O sistema de coleta de dados manual necessita da interação entre as pessoas envolvidas no processo para que a informação flua. Na empresa estudada as pessoas envolvidas no processo de coleta e apresentação das informações são: Operadores; Técnicos de linha; Líderes de produção. Cada nível possui uma função no processo de coleta de dados que serão descritas a seguir. Os operadores são a principal fonte de informação, eles sabem em detalhe o que aconteceu com o equipamento durante seu turno. Para isto é utilizado o caderno de registro de acompanhamento de processo (RAP) que é preenchido pelo operador, neste caderno devem estar registradas as seguintes informações: Peças produzidas; Paradas por manutenção; Trocas de ferramenta de corte; Controles de qualidade realizados. No final de cada turno de produção os técnicos de linha passam por todas as operações verificam as anotações, filtram alguns dados irrelevantes e repassam as informações para o caderno de controle diário de produção (CDP). Este caderno contém a quantidade produzida e as paradas de produção. Os líderes de produção por sua vez são os responsáveis pela apresentação do desempenho da linha de produção nas reuniões diárias. Para isso utilizam-se das informações do caderno CDP. As informações contidas neste caderno são repassas para um mural, o quadro de CDP, no qual é possível visualizar o histórico do mês. Nessas reuniões diárias de produção participam todas as equipes de apoio tais como; coordenadores de manutenção, ferramentas, qualidade, produção, manufatura e Gerência. O objetivo da participação das equipes de apoio é identificar problemas ou perdas e no mesmo momento, tomar decisões e definir pendências para serem corrigidas. Através dos registros dos cadernos RaP e CDP de março de 2007 para a operação 90, o gargalo da linha de produção em estudo, foram extraídas informações relevantes e condensadas na tabela 1. Informação Valor Produção horária padrão (peças/hora) 11,46 Quantidade de peças boas produzidas QIC (unidades) 6365 Quantidade de refugo produzido QP (unidades) 39 Tempo total disponível TTD (horas) 744 8

9 Paradas apontadas PA (horas) 87,09 Tempo de Operação TO (horas) 656,91 Paradas não apontadas PNA (horas) 101,50 Tabela 1 Informações condensadas para março de 2007 (caso 1) Através dessas informações, calcula-se os indicadores de desempenho da produção do mês de março da linha Vista conforme demonstrado na tabela 2. Indicador Valor Índice de disponibilidade (ID = TO/TTD) 88,29% Índice de eficiência (IE = [TO PNA]/TO) 84,55% Índice de qualidade (IQ = [QIC QP]/QIC 99,39% Índice de eficiência global do equipamento (OEE = ID * IE * IQ) 74,19% Tabela 2 Indicadores de desempenho para março de 2007 (caso 1) 4.2 Sistema de coleta de dados automática - caso 2 O sistema de coleta de dados automático foi instalado na empresa com a função de identificar problemas, registrá-los e demonstrá-los como informação. Desta forma os problemas ficam visíveis e com essas informações as equipes de apoio podem solucioná-los. O sistema instalado na empresa foi o sistema Injet do fornecedor MAP Cardoso, pois o mesmo utiliza uma estrutura de hardware simples e para operá-lo não é necessário muito treinamento em informática. A supervisão do equipamento é feita automática pelos IPÊS em tempo integral e a única interação humana necessária quando o operador deve informar a causa das paradas. Com este sistema as pessoas envolvidas da coleta até a apresentação dos dados foi alterada necessitando de: Operadores e IPÊS; Líderes e terminais de monitoramento O sistema Injet instalado na empresa conta com a seguinte estrutura: Sete IPÊS; Um computador mestre; Um servidor; Número de terminais de monitoramento determinado segundo a necessidade, com software disponível na rede coorporativa. Para melhor visualização da estrutura de funcionamento do sistema na empresa ver figura 3. 9

10 Figura 3 Estrutura do sistema Injet na empresa Com este sistema, quando o equipamento pára de funcionar o IPÊ gera um alarme visual e começa a apontar no sistema como equipamento parado, tendo o motivo da parada como Parada Não Informada. Para que o status de Parada Não Informada seja alterado, o operador deve atribuir alguma causa para esta parada. Isto é feito com o auxílio de uma tabela que correlaciona todos os tipos de paradas com números. No momento que o código da causa de parada for digitado no IPÊ o status da parada muda. E assim que o equipamento voltar a trabalhar o alarme deixa de atuar automaticamente e o sistema considera que o equipamento está em operação. Com a coleta automática os líderes de produção deixaram de ser a única fonte de informação. Com este sistema toda a equipe de apoio pode acessar o Injet por um computador ligado a rede cooperativa. Cada computador se torna um terminal de monitoramento no qual se pode verificar o desempenho da produção. Através dos terminais de monitoramento todos os dados coletados são apresentados e condensados na forma de informação. O sistema permite a elaboração de inúmeros relatórios que demonstram o desempenho dos equipamentos. Os relatórios podem ser: Tempo e motivos das paradas; Histórico dos tempos de ciclo; Quantidade produzida; Utilização do equipamento; OEE do equipamento. 10

11 A empresa se utiliza desses relatórios para identificação das perdas e desenvolve ações de melhoria contínua para que o mesmo problema não se repita e prejudique o desempenho da produção. O procedimento de coleta dos dados através do sistema automático é simples e rápido. Utilizando um computador ligado a rede coorporativa pode-se acessar ao banco de dados e solicitar ao software a elaboração dos gráficos conforme a necessidade. A figura 4 demonstra o gráfico de paradas por área responsável e a porcentagem que cada uma contribui para o total de horas paradas. Figura 4 Gráfico de paradas por área responsável Divergências entre o tempo de ciclo padrão e o realizado podem ser identificadas através da tela de monitoramento de ciclo. A figura 5 demonstra em amarelo quais ciclos tiveram um tempo acima do programado no padrão do software. 11

12 Figura 5 Gráfico dos últimos tempos de ciclo Foram extraídas do banco de dados do sistema automatizado as informações relevantes à pesquisa e condensadas na tabela 3. Informação Valor Produção horária padrão (peças/hora) 11,46 Quantidade de peças boas produzidas QIC (unidades) 7009 Quantidade de refugo produzido QP (unidades) 30 Tempo total disponível TTD (horas) 720 Paradas apontadas PA (horas) 81 Tempo de Operação TO (horas) 639 Paradas não apontadas PNA (horas) 27,39 Tabela 3 Informações condensadas para setembro de 2007 (caso 2) Através dessas informações, calcula-se os indicadores de desempenho da produção do mês de setembro da linha Vista conforme demonstrado na tabela 4. Indicador Valor Índice de disponibilidade (ID = TO/TTD) 88,75% Índice de eficiência (IE = [TO PNA]/TO) 95,71% Índice de qualidade (IQ = [QIC QP]/QIC 99,57% Índice de eficiência global do equipamento (OEE = ID * IE * IQ) 84,58% Tabela 4 Indicadores de desempenho para setembro de 2007 (caso 2) 4.3 Comparação dos resultados obtidos entre os Casos 1 e 2 Através da comparação dos indicadores dos dois períodos foi possível identificar qual foi a variável que influenciou nos resultados obtidos. O melhor resultado do índice de eficiência global OEE foi obtido no caso 2, no qual foi utilizado o sistema automatizado para registro de apontamento de paradas. O ganho obtido em relação ao caso 1 foi de 14%. Para a melhor identificação das variáveis que influenciaram na melhora do OEE a figura 6 demonstra em porcentagem quanto cada índice (ID, IE e IQ) contribuiu para os 14% de ganho em OEE no caso 2. Porcentagem de contribuição na melhora do OEE 1% 4% 95% Índice de Disponíbilidade Índice de Eficiência Índice de Qualidade Figura 6 Gráfico da porcentagem de contribuição do OEE 12

13 A partir da análise da figura 6 fica evidente que o principal fator que determinou o ganho de 14% de OEE foi o índice de eficiência (95% do total). A melhora deste indicador que no caso 1 foi de IE de 84,55% para 95,71% no caso 2 é atribuída ao sistema automatizado, pois, através do acompanhamento instantâneo da operação gargalo o gestor pode identificar as perdas 3 e 4 da filosofia TPM (perda 3 pequenas paradas/tempo ocioso, perda 4 baixa velocidade) e tomar ações para eliminá-las. Na empresa, é de cultura a utilização de registros manuais para a produção. Estes são considerados eficientes quando é necessário um maior detalhamento de informações, porém quando é preciso analisar o histórico ou um acompanhamento de minuto a minuto os registros manuais perdem competitividade. Por outro lado, o sistema de apontamentos de paradas automático se destaca em vários aspectos: No monitoramento instantâneo; Na análise dos históricos registrados; Nas várias opções gráficas de divulgação de informações; Na utilização da visibilidade como ferramenta para identificação de desperdícios; Na redução da possibilidade de conter informações a divergentes, pois a quantidade de pessoas envolvidas no fluxo de dados é menor; No auxílio à gestão da produção no processo de tomada de decisão; Na fluidez das informações pela rede coorporativa a todos os departamentos que a necessitem. Apesar de todas as qualidades do sistema, o mesmo não soluciona problema sozinho, a função do sistema de apontamentos de paradas automático não é resolver problemas e aumentar a produção. Sua função é coletar dados e demonstrá-los de maneira que as perdas fiquem visíveis. As ações de melhoria que são desenvolvidas com base nessas informações é que dão produtividade para empresa. 5. Considerações finais No mercado competitivo atual, as empresas cada vez mais buscam o melhor aproveitamento do parque fabril reduzindo assim investimentos e custos de produção. Ao final desta pesquisa fica evidente que a utilização do sistema de monitoramento automático de paradas contribuiu para o melhor aproveitamento da máquina gargalo da linha de usinagem. A utilização deste sistema proporcionou uma melhora em 14% do OEE. Este valor é representativo, pois houve um aumento de produção sem investimentos em novas máquinas ou mão de obra. A evolução da gestão da produção é contínua, os métodos antigos com registros totalmente manuais apresentam inúmeros problemas como a necessidade de tempo para que os operadores façam os apontamentos, o lento fluxo de informações, o envolvimento de muitas pessoas, o risco de apontamentos incorretos, a falta de acompanhamento histórico e também a falta de apontamentos. O sistema automatizado Injet se destaca em relação ao modelo antigo, pois as informações sobre os apontamentos são disponibilizadas na tela do computador rapidamente e com minimizado risco de erro, facilitando assim o fluxo e a gestão da informação do processo produtivo da empresa. O gestor da produção e todos da equipe de apoio possuem acesso às mesmas informações. E a grande variedade de gráficos que sistema disponibiliza é importante para o processo de 13

14 tomada de decisão e identificação de perdas. No final deste estudo de caso verificou-se que o sistema de monitoramento automático de máquina propicia ganhos produtivos e também coopera na gestão das informações dos dados da linha de montagem, facilitando assim o processo de tomada de decisão e o fluxo de informação. A empresa na qual foi realizada a pesquisa obteve sucesso com a utilização da nova tecnologia de monitoramento de máquina. O aumento da eficiência da sua produção na manufatura tornou-se mais um diferencial competitivo em relação a seus concorrentes. Referências CAETANO, A. G. L. S; MEIRELES; G. S. C.; OLIVEIRA, J. F. G.; LEÃO E SOUZA, G W. Informações de chão de fábrica num ambiente de manufatura integrada. Congresso e Exposição Internacionais da Tecnologia da Mobilidade (SAE Brasil 99), CORRÊA, Henrique L., GIANESI, Irineu G. N., CAON, Mauro. Planejamento, Programação e Controle da Produção. São Paulo: Atlas, COSTA, Luis Sergio Salles, CAULLIRAUX. Manufatura Integrada por Computador. Rio de Janeiro: Campus, INTERNET: Injet. Disponível: Acesso em: 10 set JEMIELNIAK, K.. Commercial tool condition motoring systems. The International Journal of Advanced Manufacturing Technology MARTINS, Petrônio G; LAUGENI, Fernando P. Administração da produção. São Paulo: Saraiva, SIEGEL, D. S.; WALDMAN, D. A.; YOUNGDAHL, W. E. The adoption of Advanced Manufacturing Technologies: human resource management implications SLACK, Nigel, CHAMBERS, Stuart; JOHNSTON, Robert. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, SLACK, Nigel. Vantagens Competitivas em Manufatura Atingindo competitividade nas operações industriais. São Paulo: Atlas, SOUZA, F. B.; IRES, S. R. I (1999). Análise e proposições sobre o balanceamento e uso de excesso de capacidade em recursos produtivos. Vol YOSHIKAWA, Plínio. Sistema Injet. Map Cardoso. Versão

O que se espera de um sistema de administração da produção?

O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? Segundo Corrêa (2001), independente da lógica que utilize, os sistemas da administração

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS GUSTAVO SEVEGNANI

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS GUSTAVO SEVEGNANI UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS GUSTAVO SEVEGNANI BENEFÍCIOS DA UTILIZAÇÃO DE UM SISTEMA DE MONITORAMENTO DE PARADAS

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

TECNOLOGIA NC-MES. Coleta de dados no chão de fábrica. ApontamentoS PRECISOS Coleta de dados no local e no momento de origem

TECNOLOGIA NC-MES. Coleta de dados no chão de fábrica. ApontamentoS PRECISOS Coleta de dados no local e no momento de origem Supervisão e monitoração da produção Análise de perdas, falhas e causas Indicadores de desempenho OEE e TRS O chão de fábrica em tempo real Mesmo quando todas as variáveis são idênticas mesmo produto,

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

Coleta de dados e monitoramento de chão de fábrica na manufatura discreta integração com as ferramentas de gestão

Coleta de dados e monitoramento de chão de fábrica na manufatura discreta integração com as ferramentas de gestão Coleta de dados e monitoramento de chão de fábrica na manufatura discreta integração com as ferramentas de gestão Neury Boaretto (CEFET-PR) neury@pb.cefetpr.br João Luiz Kovaleski (CEFET-PR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Administração da Produção e Operações II Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 7º 1 - Ementa (sumário, resumo) Natureza

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Cristian Dekkers Kremer (UTFPR) cristian_dk@ig.com.br João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Rodrigo Tito Nova CS Informática Cristiano Oliveira ConsultCAD É sabido por todos que hoje, o processo de desenvolvimento do produto

Leia mais

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS Celeste Maria de Almeida (1) Resumo Objetivo do trabalho é demonstrar como os recursos disponíveis no Sistema Informatizado de Manutenção

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva.

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva. Brochura BX PRODUCTION Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva SAP Business One para manufatura discreta e repetitiva A combinação de

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas Administração das Operações Produtivas MÓDULO 5: PAPEL ESTRATÉGICO E OBJETIVOS DA PRODUÇÃO Segundo Slack, para que se entenda a contribuição da função produção devese responder a duas questões: qual papel

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação Objetivo da Aula Tecnologia e as Organizações, importância dos sistemas de informação e níveis de atuação dos sistemas de informação Organizações & Tecnologia TECNOLOGIA A razão e a capacidade do homem

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

A função produção apresenta três papéis importantes para a estratégia empresarial:

A função produção apresenta três papéis importantes para a estratégia empresarial: FASCÍCULO 2 Papel estratégico e objetivo da produção Segundo Slack, para que se entenda a contribuição da função produção devese responder a duas questões: qual papel se espera que a produção desempenhe

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Gerenciador de Mudanças automatizadas

Gerenciador de Mudanças automatizadas Benefícios para os Negócios Minimizando a dependência em processos manuais e reduzindo risco de erro humano Reduz o tempo, esforço e risco de erro humano que existem ao mudar a configuração em dispositivos

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO BX MRO. Brochura. Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos

Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO BX MRO. Brochura. Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos Brochura BX MRO Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos Manutenção, Reparo & Revisão para SAP Business One Esta combinação de SAP Buisness One

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de Campus Marquês - SP Atividades para NP2 Curso: Semestre: Turma: Disciplina: Tec. Aplicada a Segurança Professor: Fragoso Aluno (a): RA: GABARITO - 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Responda

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Um Único Dispositivo para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

PIMS Process Information Management System

PIMS Process Information Management System INTRODUÇÃO O setor industrial vem sofrendo constantes pressões para alcançar a excelência operacional, objetivando garantir sua competitividade. Algumas das principais pressões observadas são: redução

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI CUSTOMER SUCCESS STORY Março 2014 AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI PERFIL DO CLIENTE Indústria: Manufatura Empresa: AT&S Funcionários: 7.500 Faturamento: 542 milhões

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

MARCELO RONALDO DE OLIVEIRA

MARCELO RONALDO DE OLIVEIRA IMPLANTAÇÃO DO ÍNDICE DE EFICIÊNCIA GLOBAL DOS EQUIPAMENTOS EM UMA CÉLULA DE MANUFATURA DE UMA EMPRESA DE GRANDE PORTE DO SETOR AUTOMOTIVO SEGMENTO DE EMBREAGENS MARCELO RONALDO DE OLIVEIRA ( marcelotlf@yahoo.com.br

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02 Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Introdução A informação sempre foi importante, essencial mesmo,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Laboratório de tecnologia de manufatura - uma experiência aplicada ao ensino da engenharia de produção Wilson de Castro Hilsdorf (FEI) wicastro@fei.edu.br Alexandre Augusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

Maurus Joenk Diretor / Consultor Técnico QUALIDADE COM PRODUTIVIDADE

Maurus Joenk Diretor / Consultor Técnico QUALIDADE COM PRODUTIVIDADE Maurus Joenk Diretor / Consultor Técnico QUALIDADE COM PRODUTIVIDADE QUALIDADE COM PRODUTIVIDADE A ARTPOL Assessoria, Consultoria e Treinamento Empresarial Ltda, atua em empresas transformadoras de plásticos

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS

Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS Módulos QM de sistemas ERP ou MES x Sistemas LIMS Módulos de controle ou gestão da qualidade de sistemas ERP ou MES X sistemas para automação e gestão de laboratórios LIMS e suas diferenças conceituais

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos.

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fundada em 1989, a MicroStrategy é fornecedora líder Mundial de plataformas de software empresarial. A missão é fornecer as plataformas mais

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais