á W/"* _-/* cilaàfic Uilressvdo nk çfhtst*» dos cíitns} f«rk ^^^^.^^^ ^"^ 'J-J.. -W'i 1 í ctnttv" * "* F"fá Pvoteste

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "á W/"* _-/* cilaàfic Uilressvdo nk çfhtst*» dos cíitns} f«rk ^^^^.^^^ ^"^ 'J-J.. -W'i 1 í ctnttv" * "* F"fá Pvoteste"

Transcrição

1 ANNO 17 CAPITAL FEDERAL, N 649 capital. tubucamp0rg l_llo^o«tlfll. Aiwo 1qJooo a corríspond-ínoia 9 r.olsír»çõ-*m^emt»r d rí i i5 j s^stre 3TI Semestre Trimestre , à R*Uâ m èohçalvi» Dl/.t, l-?s<_sw--»_w> Avuiso ESTA DOS 20SOOO 1 ISOOO UOOO 1 í ^^^^.^^^ ^"^ J-J.. -Wi ir á W/"* _-/* cilaàfic Uilressvdo nk çfhtst*» dos cíitns} f«rk»*t#»»k, «\.*Simo < Jv«o dc s. *«.;.». vz*t&i> J* hei Pvoteste do YO-PlCh-O. ctnttv" * "* F"fá

2 REVISTA ILLUSTKA1M iíl1^- Capital l-hleivl, >7VQcíifcL----XJJ Setembro ele 1S!L>. ESCMPTORIO EI!Kl).\C;Ãii Rim de Gonçalves Dias n. 50, sobrado BBBBMBWBHI1 MM MARECHAL DEODORO ^ncss^^assizssssmíssssexssjzeaa Rendemos hoje em nossas paginas a devida homenagem ao grande eidadão, a quem a pátria deve, além de gloriosos serviços na paz e na guerra, o concurso mais eíficaz e decisivo para a proclainação da Republica. E preciso que o espirito se transporte aos tempos sombrios da monarchia, quando esta se aprestava a resistir ás aspirações nacionaes, revéstindo-se de immensa força, para poder avaliar c heroismo com que Deodoro, tomando o primeiro logar entre os revolucionários de 15 de Novembro, decidiu da sorte das antigas e das novas instituições! Sem duvida já a 15 de Novembro a propaganda republicana tinha avassallado muitos corações e contava pujantes defensores, não só na imprensa, mas no seio das classes mais influentes. Tudo isso, porém, reunido não tinha ainda a força precisa para decidir da sorte da Republica, tornando-a triumphante, se as circumstancias nao têm collocado, no primeiro logar e no posto mais arriscado, a arrebatadora figura e o prestigio incomparavel de um general, que tinha sabido tornar-se o idolo da sua classe e a esperança mais séria dos que sonhavam com a Republica. E esse general e esse cidadão intemerato, que por um rasgo de heroismo louco se poz á frente do povo e da tropa no dia 15 de Novembro, foi o Marechal Deodoro. Um grande preparo estava feito para a gloriosa evolução, pelos trabalhos cie Quintino Bocauva, como chefe do partido republicano, de Benjamin Constam, como guia da mocidade acadêmica, de Ru Barbosa, como redactor do Diário de Noticias, de Glcerio, como chefe republicano em S. Paulo, de Silva Jardim, como propagandista e de tantos outros, que tinham conseguido impressionar profundamente o espirito publico e inclinai-o ao advento da Republica. Estavam todos a postos, como que esperando a rubra alvorada, que o futuro ha de classificar como a entrada do povo brazileiro no regimen de verdadeira democracia. De repente, porém, a noticia pavorosa de que o marechal Deodoro estava prostrado e sem forças para se collocar á frente do movimento levou a desanimação e o desconforto aos mais ardentes apologistas da Republica. Uma grande confusão começou a reinar nos arraiaes revolucionários, até que, na madrugada de 15 de Novembro, Deodoro, que se achava com um cáustico aberto, pôde subjugar a natureza e, fascinado pelo sol da gloria, pôz se á frente da heróica legião que se dirigia ao quartel general a proclamar a Republica. Foi este um rasgo de valor e de patriotismo, dos mais extraordinários que a Historia ha de registrar em suas paginas. E, graças a elle, a mais brilhante victoria coroou os esforços e os sacrifícios inolvidaveis de quantos se arrebatavam no culto da idéa republicana. Proclamada a Republica, nos 15 mezes que se lhe seguiram ou em que dirigiu o paiz o governo provisório, organisado nesse dia, as difficuldades da politica foram grandes, mas o paiz triumphou sempre dos seus inimigos. Não houve carestia de gêneros alimentidos, nem se verteu o sangue brazileiro, nem a pátria se cobriu de lueto, nem o cambio desceu de 22. A dictadura apressou-se en» entregar o paiz aos seus eleitos, e poucos mezes depois funecionava a Constituinte, que, votando a lei orgânica da nação, poz o Brazil a caminho de todas as grandezas. Bradava, porém, aos céos, que liou vesse no mundo uma nação que conquistasse todos os progressos só com hmnos de victoria; que fizesse a abolição com flores e a Republica sem derramar uma gotta de sangue. Coiríeçarani as luetas, dividiram-se as opiniões, surgiram os despeitos e, graças á obra da intriga, a que o imperio nos tinha habituado, abriu-se um periodo de represálias, que só se fechou a 23 de Novembro, diante de uma revolução, escrevendo ainda o Marechal Deodoro uma áurea data da sua vida, resignando o poder para evitar a effusão do sangue brazileiro. Prostrado no seu leito de dor, donde houvera sabido a 15 de Novembro de. 1889, finou-se o incomparavel heroe a 23 de Agosto, gravando-se em todo o paiz, apezar das recentes feridase dos ódios existentes, um sentimento geral de magna e tristeza. Câmara e Senado renderam ao fundador da Republica Brazileira as devidas lucto de uma á terra os restos cidadão. P.iz á sua nome! Homenagens e em meio do nação inteira desceram bravo e heróico mona c gloria ao seu J. V, itíipi% stava muito disposto a escrever um magnífico irtigo sobre o 7 de Se- Lembro. Rellectindo, -éni, posobre a immensa responsabilidade do aslumpto, os encantos de uma chapinha velliota e a grande de dose preguiça, que tanto me caracterisa, resolvi, a bem coinmuni, não escrever coisa alguma. Em matéria politica sou intransigente, não adniitto concessões. Ahi está porque não concordo com estas linhas do Pharol, de Juiz de Fora : "... está exuberantemente provado por extensa serie de factos que esse sstema de governo (republicano) não nos serve absolutamente, por estar em manifesto desaccôrdo com a nossa Índole, com os nossos hábitos, com a nossa maneira de ver, emfim." O Sr. Gil, o muito digno auetor do acima citado, com certeza abusou da mamadeira, em pequeno... O Congresso resolveu prorogar a actual sessão legislativa até o dia 12 de Outubro próximo. Não se pódc negar que tem traba lhado a valer. O Sr. Serzedello Corrêa assumiu a direcçáo da pasta das finanças. O vapor Chaucer, da Companhia Lamport-Hoet, que recebera um tiro de bala, por não ter attendido á intimação da fortaleza de Santa Cruz, já seguiu viagem para Valparaiso. Acham-se entre nós, de volta de Cucuh, os Srs. José do Patrocínio, Campos da Paz e Conde de Leopoldina, desterrados políticos. Voltaram bem dispostos, pelo que muito e muite os felicitamos. Baixo, moreno, reforçado, um perfeito tpo tropical, vejo-o passar sempre pela rua do Ouvidor, a morder no próximo. Ainda hontem encontrei-o, alli pe-

3 Ias endireituras do Londres, numa perfídia de gargalhadas. Que me dizes? Nada. Anda se por aqui esputando a estupidez humana, Schi! Fomos agradavelmente stirprehendidos com a visita pessoal da clistinctissima artista Giulieta Dionesi, que começou a dar no S. Pedro de Alcantara uma serie de concertos. Segundo o Echo tic Paris, ha n esta capital sessenta e tantos theatros. Santa ignorância. Na rua do Ouvidor. Então a restauração do dia 7 de Setembro gorou, hein? Qual, foi adiada para as kalendas gregas... impreterivehiiente. 5 Em Vienna publicou-se, por ordem do ministro do interior, um guia para o tratamento do cholera, redigido Nothnafee e Hakler.... Em Paris e em lours a epidemia pelos professores do cholera continua a fazer grande numero de victimas. Por decreto de 2 do corrente foi aposentado e demittido do cargo de enviado extraordinário e ministro pienipotenciario, em França, o Barão de Penedo S. Thomií COLORIDOS VI Nesse teu lábio, Adalgisa, Rubro, da côr da papoula, Minhalma sempre divisa Vinho bebido em caçoula. Vinho fresco, vinho forte, Cheirando a messes maduras, Vinho de fogo e de morte, De caricias e torturas. Quero bebel-o, tragal-o, Gole a gole, embebedar-me, Como se fosse uir. gendarme Tonto de sol, a cavado. Lord Leep. Frechando Sra. Ignez Sabino, rochonchuda poetisa e est crivona descabellada.pu- Iblicou 110 Tempo um Isoneto delicioso. Após uma serie de _lcoisás sem interesse de espécie alguma, o primeiro tercetto termina por este verso : " Sereno, e sem as vascas da agonia..." que nós, por uni descuido palmar, lemos: " Sereno, e sem as vaccas da agonia..." REVISTA ILMJSTRADA No segundo tercetto, porém, ha uma confissão tristíssima : " Milfliíi"!... «wi ejtmea mau coado, Brtllumdo como o (Jimio que Irradia. Ktt, lulvtt, rtisurffinih) ttu ãontaeto." Coitada da Sra. Ignez Sabino! Quem diria, quem suppol-a hia já tão gasta, tão acabada! Mas a culpa é de S. Exma. Quando se vai attingindo á idade crepuscular, o organismo exige certos cuidados e carinhos para que possa rcsurgir logo ao primeiro contacto... Trate-se, minha dona verseira, Irate-se, que o seu mal é gravissimo. Este trecho é da lavra original e phosphorescente de D. Picolino:... "ás surdas inimizades, ás estúpidas e ferinas insinuações contra este ou aquelle, nunca enchafurdou-se no lamaçai das piadas chulas e aggressivas, tão vergonhosamente exploradas por alguns fetos [fetos?! oh! oh!) da nossa litteratura. Gostaram? pois então lá vai mais: "Digo fetos porque ainda estão no periodo cia gestaçtio (esta explicação veiu mesmo de oceasião) e são justamente os que mais gritam, os que mais atacam (chamo a attenção do leitor para a conclusão) as reputações alheias, algumas já formadas s pelo publico sagradas. " Aqui ha um engano e falta de ciareza. O que são reputações formadas? Qual a fôrma das reputações? Direitãsou tortas? E depois pelo publico sagradas (publico está aqui como snonimo de Papa). Mas porque publico? Pelo publico que sagrou o Castro Urso, o Vinte e Nove e o Barão, ou pelo publico que vai, de sobrecasaca e cartola, assistir as sessões do Congresso? Vamos, D. Picolino, nada de cavaco e venham as explicações. O fetos em gestação! O delicia da Cidade Nova e Saccos do Alferes adjacentes, salve!. Tartarin. MANOEL CARNERO Ê com verdadeira magua que traçamos algumas linhas, noticiando o passamento do másculo escriptor, que soube crear um nome rendilhando phrases, bordando períodos e largas paginas impereciveis de estlo. A sua vida elle a dedicou exclusivamente á Arte,á serena Artedaescripta, E.como ser artista consejencioso é adquirir-se uma corte de invejas, de ódios e de satras ; e, como ser artista de talento é viver-se cuspido, escarrado em fundos de cafés pela bronchite asthmatica dos impotentes, elle passou, na sua profunda malícia tediosa de homem de espirito, corcovado pelo trabalho, sob as mais atrozes infamias. Em rigor de critica não se pôde classificar o Carnero como um original. Em grande numero de traba. Ihos, como 110 Loup, ha vestígios de impressões alheias, assimilações de escriptores francezes, taes como Mezairo, Loti, Maupassant e Flaubert. A sua pbrase, sempre cuidada, destacava-se logo pela nostalgia diaphana, pela vibração aeriforme, de uma tristeza estranha. Este phenomeno deduz-se da continua agitação em que viveu, do conhecimento exacto, preciso, dos homens e das coisas que nos cercam. As suas analses pschofogicas, as suascriticas litterarias, eram sempre amargas, imbuídas de um pessimismo germânico. Nos nltimos tempos de sua vida, como a natureza não lhe fora pródiga em robustecimento orgânico, elle tratava de confeccionar um código para duellos. Esta preoecupação, que no Carnero tornou se inveterada, é mais uma prova robusta do seu modo doentio de ver, do profundo tédio que lhe amargurava a alma. Ultimamente achando impossivel a permanência nesta capital, retirou-se para os campos do Jordão, onde casou-se e falleceu. Não deixou livro definitivo, o romance intimidava-o. O seu espolio litterario, porém, é vastissimo, dá para volumes. E se fosse possivel, se um appello pudesse fazer do alto desta columna despretenciosa, eu pediria ao Diário de Noticias, onde foi redactor effectivo, ao Paiz, em que collaborou, e aos collegas de ofificio, que juntos, cotisando-nos, prestássemos uma dio-na homenagem a tão bello artista e companheiro, publicando em volume os seus principaes trabalhos de Arte. FARFARELLO, A ILLUSTRAÇÀO Sob a direcção artística de Henrique Bernardelli, acaba de ser publicado o primeiro numero da Lllustração, Além da parte musical, eje se compõe de duas lindíssimas árias para piano e canto, traz o novato collega uma parte litteraria, de péssimo effeito, e algumas gravuras bem agradaveis, como seja Clelia! pastel do Sr. Amoedo; o monumento do general Osório, trabalho do Sr. Rodolpho Bernardelli; camponez romano e o busto em bronze do maestro Miguez, Que a /ilustração prospere e se torne um custoso escrinio de jóias artisticas, são os nossos mais Íntimos e sinceros desejos.

4 ife^ ^â*^ ^ \ ltr.ttrcdaitt%. ca mt-monel do Çfneral Aiépmod Adeodoro da Jonsec r IresAeAe. det í^eputèlicct dos Ôstados Unidos dozraxil.

5 POMBOS... \ejo daqui, pela janella aberta do meu atelier, dois pombos brancos, amorosos, que se amam no beirai escuro de uni solar antigo. Ambos amicissimos, ao lado um do outro estão, meigos de arminho, bico contra bico, estalando : corpo sobre corpo, noivando. A fêmea, pouco menor, nunia garridice deliciosa de má, treine por todo o corpo, nervosamente. Forte e glorioso, de olhos vividose vermelhos, o macho nrrtilha, beliscalhe o pescoço, a espinha e o peito. Ella então ciescerra as ajas, inclina a cabeça, agacha-se, para que elle a fecunde, para que elle a ame. E assim, nesse idlio reproduetor de camelias, de messes louras, de trigaes maduros, elles se ficam, confiantes, revivendo-se á luz sadia da manhã, no gozo ideal dessa ventura, que só devia despertar na morte. Arthur de Miranda. THEATRO LIVRE Na opera. Sobe o panno. A scena representa um trecho de mar. Pescadores agglomerados na praia cantam alegres.. Num dos camalotes de primeira Mme. X... conversa com Mme. Y. SCEXA I Mme. X.. Gosto muito desta opera. Para mim é a melhor de todas. Mme. Y... Gosto mais da Cavailaria Rusticana... Só a sciciliana vale uma noite de audição. Mme, Y... Nâo contesto. Mas a Gioconda... A ária IZ amo come il fuigor dcl Creato... O cie/o c maré... a Barcarola... Espera um pouco e verás como é linda... lindissima... extraordinaria... SCEXA II Os pescadores levantam-se. Ouve-se de dentro as primeiras notas do bartono. Mme. X.. Estás ouvindo? Mme. Y... (applicando a. attenção) Ah! é o Wulman quem canta... Mme. X... Qual! é o Camera. Mme, Y... Não ha tal, Aquella voz eu não confunde Affirmo-te que é o Wulman. Mme. X... {nervosa). Ora, Mme. Y.. pois a senhora não sabe que o Wulman tem voz de baixo?]... (Crie o panno.) Brejeiro. likyista ll.l.rstiuha BOATO-0-PATUSCO PKixcirK iioato. Imbecil? ÉLça Imukch., Senhor? O PKINTiri: boato. Vou dizer-te uma coisa que te ha de espantar. Eu, de ordinário tão alegre, tão serelepe, tão Gavroche, eu, que não tinha outra ambição senão ser Boato-o-Patusco, sabes tu que, de algum tempo a esta parle, começo a sentir tédio pela vida? Imbecil. Tenho notado, senhor. Desde o dia em que ambos assistimos á queda da monarchia, dia para nós de um prazer, de um gargalhar incrivei, observei em vós um entristecimento. O prixcipk boato. E verdade! Como sabes, tenho um fraco : adoro o fuzilamento dos grandes lionvms, e, quando esles são inimigos do listado, o meu prazer ainda é maior. Desgraçadamente, meu caro Imbecil, desde que os presos politicos foram amnistiados, não ha mais ninguém a fuzilar. Imbecil Uma idéa! O PRIXCI-PE BOATO. Qual é? Imbecil. An dam por ahi o Tauna, o Laet e o Gomensoro, do Conservatorio. Se se passasse esla gente pelas armas? O príncipe boato. Pá! Imbecil. Vossa senhoria pensa em agraciai os? O príncipe boato. Não é questão de graças. Porém fuzilar... fuzilar... E sempre um pouco da mesma coisa... Eu preferiria uma sensação mais variada, mais pittoresca... Imbecil. Póde-se arranjar alguma coisa de novo. O príncipe boato. Prefiro. Nunca assisti a um lnchaníento... a uma facada na barriga do próximo... Que me dizes? Imbecil. Vossa senhoria quer a minha opinião sincera? Isto causaria má impressão na Europa. O melhor, o mais original, é castral-os. O príncipe boato. Tens razão. Imbecil. Edepois deconsummada a operação mettel-os num banho de pimenta cumar, bem forte, bem forte... O príncipe boato. Oh i adorável! é o sonho da minha vida!... Tu mo promettes? Imbecil. Sob a minha palavra de honra! MOREAL. iuáèá TíiflítiPiS^B^l. LYRICO V Wí I.MICAKE PoNCHUM.U foi um dos mais infelizes -. compositores indianos. jjcomn homem de espi- >:M. tz Y- íi"ito, porém, resistiu, cal- wa"\gjnio e resoluto, :i adver- 7" ^SSÉ-S^idade. Não losse essa lucta, talvez, não tivesse amargurado decepções, estaria o seu nome trancado, desconhecido da historia musical do mundo. A Gioconda, representada pela primeira vez em 1876, foi quem lhe deu nome e o respeito dos posteros. Desde essa epocha até hoje, oseu ge musicai tornou-se admirado pela Europa e pela America, collocando o glorioso maestro ao lado de Verdi. O desempenho que teve á semana passada essa opera pela Companhia Ducci. foi realmente admirável, digno dos maiores applausos. A começar pela orchestra regida por Mancinelli, impeccavel sempre, sempre correcta e dócil á batuta vigorosa ilo extraordinário maestro, atéos coros, não se notou a mais simples indecisão, o mais leve cochilo. Adalgisa Gabbi, que reúne em si todos os elementos necessários a uma.cantora e artista de raça, deu ao papel de Gioconda o brilhantismo que elle exige pelas suas bellezas e difficuldades. No quarto acto, por exemplo, que é o principal da opera, portou-se com uma galhardia distineta, á altura do. seu grande talento dramático e da sua voz sonora, volumosa e educadíssima. Eduardo Camera interpretou o papel de Bamaba, mas interpretou de maneira original e intelligente. No monólogo e na barcarolla do segundoacto, que foi bisada, e 110 duetto final, conservou-se sempre o mesmo artista soberbo, possuidor de um órgão vocal potentissimo. Gibrielesco não desmerece nunca. E sempre o mesmo, consciencioso, criterioso e smpathico. Foi muito applaudido na ária Cielo e maré; noterceiro acto disse com muita expressão a phrase Già tiveggo immota... No papel de cega appareceu-nos a meio-soprano Santarelli, que cantou bem, mormente o trecho Você di dona o dangelo... A Sra. Emma Leonardi esteve magnífica, excepto no trecho ZZamo com fulgor dei Creato, que o exagerou bastante, armando ao effeito. O baixo Wulman, encarregado de

6 m1 it.n i»..i:na»i REVISTA Ibbr.STIÍAIiA interpretar o A/vise e uni bello arlista, movimenladoe si nhor,h, palco. Apezar da péssima emissão da voz, que a ti,rua nntipntliha e ib-sagradavel, pnriou se a contento geral Os coros afiliados ; e muito sobresahindo o bailado das- //oras, como nunca tivemos o prazer de ast.istil o tão hiiin, Uma noite inestpiecivel. VARIEDADES 1 lespeiliu sedo Variedades com. Is moças t/e ouro a actriz Leonor Rivero. RECREIO O drama histórico de Gualtieri e Scalvini /). Sebastião, em 3 actos e 6 quadros. LUCINDA A revista Tim tim por Tim-iim. SANTANNA Beneficiou-se no SantAnna com o drama Helena, de Pinheiro Chagas, o actor André Consta que a Companhia Ferrari, actualmente em S Paulo, dará oito espectaculos no theatro de S. Pedro. Brevemente a Companhia Ducci, em segunda recita de assignatura, levara O escravo, do maestro Carlos Gomes, e O amigo Fritz,útt Mascagni. O professor Roberth continua a fazer prodígios nesta capital Arcadiano. DESILLÜSÃO Desdilosa! li ella a culpa, a culpa unicamente Teve loila em lhe dar na sua alco.va entrada, Porque o vira a seus pés prostrado, impertinente A recusn julgou, do ideal pobre exilada. E a láctea carnaçilo artística do cullo Desnudada esplendeu um poema de belleza E após de um sonho vão, tal sempre busca o Pólo A bússola, ella foi confiando na incerteza. Delia niuitosuccumbiraaotedioqueaoppriniia, Não fosse do adultério o encantador peccado Que como á folha o vento, autômato a hsteria Fatalmente audaciosa impelle-a ao que é vedado E o olhar meio desdém, meio resentimento, Do leito ella saltou: vencera-a o desengano. De mais unia illusão vira o desabamento. E a conquistal-a, quasi, elle gastara um anno! V: - - Alfredo de Magalhães. " ::ü-::.í,-.,-.^.-ai-av.:-..,a v ; Club do Engenho Ve-»lho, que se tornou um Aos mais queridos do kig/i life fl u m i ne use, rea - isou, a 27 do passado, jm lindo saráo-concerto ;m que tomaram parte distuictas virtuoses. A direciona um apertado abraço, e oxalá (pie em breve tenhamos o prazer de assistir uutra reunião tão agradável e smpaihica. Mais uma ^ recita houve logar no Club dn Riachuelo, em 3 do corrente. Pira bens. «Os endiabrados Tenentes não descansam. Aquella gente parece que é ieita de ferro ou de aço Mannesmann: oxd1 se, mas não racha. Agora, não lendo mais nada que fazer, vive a dansar, a lolgar como uns nababos. Pois olhem, meus caros senhores, dansem e folguem para ahi, comtanto que não.se esqueçam... de todos nós. A CYTHARA Melancólica cthara vibrada Por hábeis mãos, um cântico saudoso Eclio plangente de passado gozo Despertou na miiihalma erma e magoada. K ante mim fulgtirou a illumínada Phase em que eu ria inconsciente, e nmbroso Valle pisava, cego e descuidoso, Árias cantando de confusa toada... E, olhos (Palma volvendo para o ninho De onde se evola a cândida fragrancia Da rosa ideal, em que não medra espinho, Como achei dolorosa essa distancia! Como surgiu-me triste esse caminho! Como tão longe pareceu-me a infância! Livro Leoncio Correia. da Porta Durante a semana recebemos e agradecemos : O projecto de reconstrucção e saneamento da zona eonimercial. da capita/, pelos Srs. Heitor Cordoville e Hortencio de Cordoville, O relatório da Companhia Proçrresso Marítimo. Revista do Observatório. Com toda a pontualidade ingleza o The Graphic e o Dail Graphic. Notas sobre o Parahba, por J. Joffel. Da editora Buschmann & Guimaraes, o Hmno a Tiradentes, original de Francisco Flores. Magnífico, como todos os trabalhos que a casa Buschmann edita. Da editora lievilacqna. a polka, O d.biqiu-,-- Saudosa, cançoneta cubana ; /.,/ Lontanunza, romanza ; e a Romanza senzaparo/c. E uma lindíssima coilecção de trabalhos iniisicaes, dignos das mais gentis pianistas. Da editora Fertin & Vasconcellos, a valsa Sou generosa,- a polka si 11 Bois de Boulogne; a habanera como te quiero e a Ida e Berlim. Sem um aperto de mão não passa: toquem lá Srs. editores e compositores Tuut, ataque em 3 de Novembro de 86, por Francisco M. da Cunha Júnior, coronel honorário do exercito. Este opusculo, escripto com muita concisão, representa uma pagina historica sobre a guerra do Paragua. A questão Ceci/ia. Um exemplar do bello discurso pronunciado na câmara dos deputados sobre a amnistia e estado de sitio, pelo Dr. Epitacio Pessoa. Da Companhia Nacional Editora os fasciculos 2, 3, 4 e 5, do romance Os dramas da espada: O Egpio e o Oriundo Furioso. Archivo poético. Detestável. Um Conviteda sociedade Amante da Instrucção, para assistirmos á sessão anniversaria da fundação da mesma sociedade. V Tabeliã de câmbios sobre as principaes praças da Europa e da America, organisada pelo Sr. João M. Guedes Por intermédio dos Srs. Alves & O, um bom trabalho geographico do estado federal do Rio Grande do Sul, propriedade dos editores Joaquim Alves Leite. Como nitidez em impressão, firmeza e correcção de desenho, a carta geographica daquelle estado satisfaz plenamente. Pacifico. Comp. Impressora 7-R.ua Nova do Ouvidor-9

7 A^ AA«A?^A% *vi«íi_^*s*i ^^ :"%-:* frü_, M Snptxav dí todas as rtprtstm- %m cha+nto 1 o íe m tfacdts dirigidas pelos cornmercian[etj stllo i w-m c%n- a roe-ipot,, O imposto do fumo coiitimkih.. rao f«lío- Síll<«,Oí o cftp»rn.tt> 4â 6 O fcvpforio iits»ri_. AsfinKtieas assim exigem-. O déficit g medonho; «r<* >. un ""* ^ ^SS" preduxmds contbitln-o! tncíerrnnm os iilvalis rtbrttfn- tao complicados, etconsei-ua- "fl resolver prot/lemn: triplts.-tio Conaresio, e o penico meio feio ptwhundada. restauracão para o dia r1 des Setent- dt salva., rtirmos cttamotr o cettirt çhff esta. no imposto do sello * w aaeffnteitto calculista professor rs]olrtri%. dv 11 osso sa sidio! (Cotados atrnii,o orador tra nuin mrmtnh. iro, -não se ponde, effectuare. muito comprintentaplo\ j*. "" : -" f-yl *$$mwssw?-af^f^^s^^f^^ ji Coroa 1 foi de novo qeiardadet., O comício doi-nos Caaorc Ao Tofik, CsH-n-mt-. ficartdo «Vae c o pis a transferida um avsimho dc spia, para ts dc HovemPro ou 2 de- Jlezev-i- (traça-, vai sei^mao. faro. (Sc 11 ap cnoverj

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 73 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

QUANDO EU, SENHORA...

QUANDO EU, SENHORA... QUANDO EU, SENHORA... Sá de Miranda Quando eu, senhora, em vós os olhos ponho, e vejo o que não vi nunca, nem cri que houvesse cá, recolhe-se a alma em si e vou tresvariando, como em sonho. Isto passado,

Leia mais

Quando eu, senhora...

Quando eu, senhora... Quando eu, senhora... Sá de Miranda Quando eu, senhora, em vós os olhos ponho, e vejo o que não vi nunca, nem cri que houvesse cá, recolhe-se a alma em si e vou tresvariando, como em sonho. Isto passado,

Leia mais

Olá queridos leitores!

Olá queridos leitores! Poesias de amor Olá queridos leitores! Meu nome é Nagila da Silva ferreira tenho 15 anos e escrevi este livro para vocês que não sabem expressar seus sentimentos facilmente então sempre que puder leia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 31 Discurso em jantar comemorativo

Leia mais

Aos Poetas. Que vem trazer esperança a um povo tristonho, Fazendo os acreditar que ainda existem os sonhos.

Aos Poetas. Que vem trazer esperança a um povo tristonho, Fazendo os acreditar que ainda existem os sonhos. Aos Poetas Venho prestar homenagem a uma grande nação, Que são os nossos poetas que escrevem com dedicação, Os poemas mais lindos e que por todos são bemvindos, Que vem trazer esperança a um povo tristonho,

Leia mais

José Calasans. 2.3 A Guerra de Canudos do fanático Conselheiro

José Calasans. 2.3 A Guerra de Canudos do fanático Conselheiro 2.3 A Guerra de Canudos do fanático Conselheiro José Calasans I No anno de noventa e sete Muita cousa aconteceu, Pegou a guerra em Canudos; Moreira Cesar morreu. O governo precisava De um homem forte e

Leia mais

Era uma vez um país, onde entre o mar e a guerra, vivia o mais feliz dos povos à beira-terra.

Era uma vez um país, onde entre o mar e a guerra, vivia o mais feliz dos povos à beira-terra. É para mim uma honra, enquanto Deputada Municipal eleita Democraticamente pelo Partido Socialista, estar aqui hoje, perante vós e convosco, a comemorar o dia em que há 44 anos atrás, Portugal viveu um

Leia mais

O primeiro suspiro de um poeta insano!

O primeiro suspiro de um poeta insano! 1 O primeiro suspiro de um poeta insano! 2012 2 O primeiro suspiro de um poeta insano Jonas Martins 1ª.Edição..Poesia Todos os direitos reservados ao autor A reprodução total ou parcial desta obra só é

Leia mais

À GLORIA DO SUPREMO ARQUITETO DO UNIVERSO. Peça de Arquitetura. A participação da Maçonaria e dos Maçons no Movimento Republicano. Antônio Carlos Rios

À GLORIA DO SUPREMO ARQUITETO DO UNIVERSO. Peça de Arquitetura. A participação da Maçonaria e dos Maçons no Movimento Republicano. Antônio Carlos Rios À GLORIA DO SUPREMO ARQUITETO DO UNIVERSO Peça de Arquitetura A participação da Maçonaria e dos Maçons no Movimento Republicano Antônio Carlos Rios Marechal Deodoro da Fonseca Iniciado na Maçonaria em

Leia mais

) ) .,. MEB- 50 ANOS ";.. QUANTO AFETO, QUANTA ALEGRIA RENOVADA EM CADA ENCONTRO... VIVA A VIDA! " MARIA ALICE ~ )

) ) .,. MEB- 50 ANOS ;.. QUANTO AFETO, QUANTA ALEGRIA RENOVADA EM CADA ENCONTRO... VIVA A VIDA!  MARIA ALICE ~ ) ) 1 ) ) ).,. I ) I MEB- 50 ANOS ";.. QUANTO AFETO, QUANTA ALEGRIA RENOVADA EM CADA ENCONTRO... VIVA A VIDA! " MARIA ALICE ) ) ~ ) ( ' A MUSICA DA CAMPANHA DAS ESCOLAS RADIOFONICAS LEVANTO JUNTO COM O SOL

Leia mais

Pergaminho dos Sonhos

Pergaminho dos Sonhos Pergaminho dos Sonhos Michel R.S. Era uma vez um poeta... Um jovem poeta que aprendera a amar e deixar de amar. E de uma forma tão simples, assim como o bem e o mal, O amor tornou-se o objetivo de suas

Leia mais

desappareceu, ficou a Espécie, a Humanidade que nãomorre e vae se prolongando. E' esta a significação.do livro que em vez de triumphoda morte, é o

desappareceu, ficou a Espécie, a Humanidade que nãomorre e vae se prolongando. E' esta a significação.do livro que em vez de triumphoda morte, é o E' bastante conhecida a controvérsia levantada em torno do Canaã de Graça Aranha, por muitos autores considerado o iniciador do Modernismo no Brasil. Eis porque nos pareceu oportuno divulgar este autógrafo

Leia mais

Faz a tua própria história

Faz a tua própria história Faz a tua própria história! Faz a tua própria história, Página 1 Estou aqui para vos falar de uma história muito simples. E a história não é sobre um rei, um príncipe, um elefante, ou um rato. A história

Leia mais

CASTRO ALVES O ABOLICIONISTA

CASTRO ALVES O ABOLICIONISTA CASTRO ALVES O ABOLICIONISTA BIOGRAFIA * 14 / 03 /1847 (Curralinho, hoje Castro Alves, BA) + 06 /07 /1871 (Salvador, BA) Aos dezesseis anos foi para o Recife e começou os preparatórios para se habilitar

Leia mais

C G Dm G C Confiei no teu amor, tu me salvas e eu me alegro, C7 F G C Ao Senhor eu cantarei pelo bem que me tem feito!

C G Dm G C Confiei no teu amor, tu me salvas e eu me alegro, C7 F G C Ao Senhor eu cantarei pelo bem que me tem feito! ABERTURA 7º DOMINO DO TEMPO COMUM ANO A SALMO 13(12), 6 Intro: C7 F C... C F C SALMO 31(30) C Dm C Confiei no teu amor, tu me salvas e eu me alegro, C7 F C Ao Senhor eu cantarei pelo bem que me tem feito!

Leia mais

para' 'Pianolas' e Pianos-. 'Pianola'

para' 'Pianolas' e Pianos-. 'Pianola' ., / ---JULHO de 1914-----'- 'IR',

Leia mais

Copyright Alufá-Licutã Oxorongá Direitos desta edição reservados à Alufá-Licutã Oxorongá Recife Pernambuco - Brasil

Copyright Alufá-Licutã Oxorongá Direitos desta edição reservados à Alufá-Licutã Oxorongá Recife Pernambuco - Brasil 1 2 A FERRO E FOGO 3 Copyright Alufá-Licutã Oxorongá Direitos desta edição reservados à Alufá-Licutã Oxorongá alufalicuta@hotmail.com Recife Pernambuco - Brasil 4 Alufá-Licutã Oxorongá A FERRO E FOGO 5

Leia mais

FEIJOADA POÉTICA MUSICAL PARA O DIA DA MULHER

FEIJOADA POÉTICA MUSICAL PARA O DIA DA MULHER FEIJOADA POÉTICA MUSICAL PARA O DIA DA MULHER Poema de Homenagem ao Dia da Mulher Mulher estratégia de Deus para um mundo melhor Para um tempo de crise foi chamada para ser ajudadora Para um tempo de ódio

Leia mais

O QUE DÁ SENTIDO À VIDA: ME ENTREGAR AO TEU AMOR QUERO ME RENDER E ME RASGAR DE TANTO ADORAR

O QUE DÁ SENTIDO À VIDA: ME ENTREGAR AO TEU AMOR QUERO ME RENDER E ME RASGAR DE TANTO ADORAR ESPÍRITO SANTO MEU AMOR EU QUERO SUBIR QUERO FLUIR QUERO MERGULHAR MAIS FUNDO MAIS PERTO DE TI ESPÍRITO SANTO O QUE DÁ SENTIDO À VIDA: ME ENTREGAR AO TEU AMOR QUERO ME RENDER E ME RASGAR DE TANTO ADORAR

Leia mais

16. ORGIA Embebeda-se e, por fim, queima a taberna. E todos pela estrada fora dançam.

16. ORGIA Embebeda-se e, por fim, queima a taberna. E todos pela estrada fora dançam. FAUSTO 16. ORGIA Embebeda-se e, por fim, queima a taberna. E todos pela estrada fora dançam. Fausto na Taberna. Gravura. «Isto de vida é a gente gozar e após gozar gozar mais, entendeste?» Isto de ser

Leia mais

Saudai o Nome de Jesus! 1.Saudai o nome de Jesus; Ó anjos, vos prostrai. O Filho do glorioso Deus, Com glória coroai!

Saudai o Nome de Jesus! 1.Saudai o nome de Jesus; Ó anjos, vos prostrai. O Filho do glorioso Deus, Com glória coroai! ALL HAIL KING JESUS Salve! Rei Jesus Salve! Emanuel Rei dos Reis, Senhor dos Senhores, A Brilhante Estrela da Manhã Por toda eternidade nós cantaremos Seus louvores E reinaremos com Ele por toda eternidade

Leia mais

Auto de manifestação popular e aclamação da República Federal Brazileira na Vila de São Raymundo Nonato

Auto de manifestação popular e aclamação da República Federal Brazileira na Vila de São Raymundo Nonato Auto de manifestação popular e aclamação da República Federal Brazileira na Vila de São Raymundo Nonato Nayanne Magna Ribeiro Viana 1 Ementa: O presente documento consiste em um Auto de proclamação e adesão

Leia mais

Os musicólogos, quando falam sobre a origem do violão, citam duas hipóteses prováveis.

Os musicólogos, quando falam sobre a origem do violão, citam duas hipóteses prováveis. Os musicólogos, quando falam sobre a origem do violão, citam duas hipóteses prováveis. Uma delas é a de que o violão tenha sido derivado do alaúde. A outra, é que o instrumento teria sofrido diversas transformações

Leia mais

ALMA CRUCIFICADA. A alma que o próprio Senhor Quis voltar seu olhar E quis revelar seus mistérios Prá nela habitar

ALMA CRUCIFICADA. A alma que o próprio Senhor Quis voltar seu olhar E quis revelar seus mistérios Prá nela habitar ALMA CRUCIFICADA A alma que o próprio Senhor Quis voltar seu olhar E quis revelar seus mistérios Prá nela habitar Recebe do Crucificado A prova de amor Forjada aos pés do madeiro Sentirá também sua dor

Leia mais

MEU JARDIM DE TROVAS

MEU JARDIM DE TROVAS ANGÉLICA DA SILVA ARANTES MEU JARDIM DE TROVAS PRIMEIRA EDIÇÃO / 2011-1 - SINOPSE: Com intensidade tem se falado sobre o tema trova, acontece que nem todas as pessoas sabem o que é tecnicamente uma trova.

Leia mais

QUÃO GRANDE É O MEU DEUS (Chris T./Jesse R.)

QUÃO GRANDE É O MEU DEUS (Chris T./Jesse R.) QUÃO GRANDE É O MEU DEUS (Chris T./Jesse R.) Com esplendor de um rei Em majestade e luz Faz a terra se alegrar, faz a terra se alegrar Ele é a própria luz E as trevas vão fugir Tremer com sua voz, tremer

Leia mais

Bárbara da Silva. Literatura. Parnasianismo

Bárbara da Silva. Literatura. Parnasianismo Bárbara da Silva Literatura Parnasianismo O Parnasianismo foi um movimento essencialmente poético, surgido na segunda metade do século XIX, reagindo contra o sentimentalismo e o subjetivismo dos românticos.

Leia mais

Fabiany Monteiro do Nascimento. Amor Perfeito

Fabiany Monteiro do Nascimento. Amor Perfeito Fabiany Monteiro do Nascimento Amor Perfeito Dedico este livro a... Grandes pessoas que fizeram de minha vida uma fábula de sonhos reais. Primeiro agradeço a Deus, que mesmo nós momentos ruins, nunca me

Leia mais

Cerimónia Pública de Atribuição da Medalha de Ouro da Cidade de Almada ao Cidadão Joaquim Benite. Teatro Municipal de Almada 31 de Julho de 2009

Cerimónia Pública de Atribuição da Medalha de Ouro da Cidade de Almada ao Cidadão Joaquim Benite. Teatro Municipal de Almada 31 de Julho de 2009 ao Cidadão Joaquim Benite Teatro Municipal de Almada 31 de Julho de 2009 Sr. Presidente da Assembleia Municipal de Almada Sr.ªs e Srs. Presidentes das Juntas de Freguesia Sr.ªs e Srs. Eleitos do Poder

Leia mais

Senhor, Filho De Deus Companheiro, irmão e amigo. Tende piedade de nós, tende piedade de nós! Ó Cristo, Filho do Homem conheceis a nossa fraqueza

Senhor, Filho De Deus Companheiro, irmão e amigo. Tende piedade de nós, tende piedade de nós! Ó Cristo, Filho do Homem conheceis a nossa fraqueza ENTRADA: POR SUA MORTE, A MORTE VIU O FIM! POR SUA MORTE, A MORTE VIU O FIM DO SANGUE DERRAMADO A VIDA RENASCEU. SEU PÉ FERIDO NOVA ESTRADA ABRIU E NESTE HOMEM, O ENFIM SE DESCOBRIU. MEU CORAÇÃO ME DIZ:

Leia mais

HINOS DA HARPA CRISTÃ VIOLINO 1 OSAD

HINOS DA HARPA CRISTÃ VIOLINO 1 OSAD o interessante. Você pode posicionar a caixa tas de Desenho para alterar a formatação HINOS DA HARPA CRISTÃ VIOLINO 1 OSAD NOME louvai-o com instrumentos de cordas... AGRADECIMENTOS Agradecemos ao Deus

Leia mais

Louvor de Raízes: Infinitamente

Louvor de Raízes: Infinitamente Louvor de Raízes: Infinitamente Deus dos Antigos Tu és Santo Em todo o tempo eu louvarei ao Senhor Ergamos nossa voz Nas estrelas louvor Maravilhoso - louvor A Ti Senhor (Nós te buscaremos) Palavra - Infinitamente

Leia mais

- Sou eu mesma, às suas ordens! Pode entrar! Seja bem vinda!

- Sou eu mesma, às suas ordens! Pode entrar! Seja bem vinda! O anúncio dizia que a vidente resolvia todos os pro-blemas, inclusive os do coração. Mesmo ao preço de R$ 20,00 a consulta, Amélia decidiu procurá-la. Bate à porta do endereço indicado. Vem atendê-la uma

Leia mais

Poesia Acústica #3 Capricorniana Clube do Violão. (Intro) Em7 Bm C7M D2. Eu tava doido pra cantar pra ela nosso som C7M D2

Poesia Acústica #3 Capricorniana Clube do Violão. (Intro) Em7 Bm C7M D2. Eu tava doido pra cantar pra ela nosso som C7M D2 Poesia Acústica #3 Capricorniana Clube do Violão (Intro) Eu tava doido pra cantar pra ela nosso som Que escrevi ontem pensando no amanhã E hoje eu tô aqui despreparado Preocupado com tudo ao redor As pernas

Leia mais

O mar na gota de água

O mar na gota de água O mar na gota de água! O mar na gota de água, Página 1 Há uma pergunta que tem de ser feita: seja o que for que esteja a acontecer na minha vida, em qualquer altura, em tempos de alegria, em tempos de

Leia mais

AURORA O CANTONOVELA Luiz Tatit

AURORA O CANTONOVELA Luiz Tatit AURORA O CANTONOVELA Luiz Tatit A) Marcando compasso Oi, estou aqui outra vez Esperando por ela, esperando Você lembra como ela era antes? Você marcava algum encontro A qualquer hora Lá estava ela: Aurora!

Leia mais

CONTO E MINICONTO PAZ NA ESCOLA 03/04/2019 OFICINA DE REDAÇÃO MARÍLIA FERREIRA

CONTO E MINICONTO PAZ NA ESCOLA 03/04/2019 OFICINA DE REDAÇÃO MARÍLIA FERREIRA MARÍLIA FERREIRA OFICINA DE REDAÇÃO CONTO E MINICONTO PAZ NA ESCOLA 03/04/2019 1 TEXTO NARRATIVO CONTO E MINICONTO ESTRUTURA DA NARRATIVA DESCRITORES D10 Identificar o conflito gerador do enredo e os elementos

Leia mais

1 PEQUENO RECADO AMOR!

1 PEQUENO RECADO AMOR! Fa bio De Carvalho 1 PEQUENO RECADO AMOR! PARA MINHA FUTURA NAMORADA: QUERIDA NAMORADA, QUERIDA COMPANHEIRA, QUERIDA POSSÍVEL FUTURA ESPOSA. EU SEI QUE VOCÊ JÁ EXISTE E PROVAVELMENTE ESTÁ POR AÍ FAZENDO

Leia mais

00:09:05,081 --> 00:09:10,571 O Brasil é uma parte do nosso coração.

00:09:05,081 --> 00:09:10,571 O Brasil é uma parte do nosso coração. 0 00:09:05,081 --> 00:09:10,571 O Brasil é uma parte do nosso coração. 1 00:09:11,362 --> 00:09:18,039 Você sabe, uma coisa interessante aconteceu: na Bahia, houve uma reunião com intelectuais de esquerda.

Leia mais

Espectáculos Realizados em Aveiro:

Espectáculos Realizados em Aveiro: Espectáculos Realizados em Aveiro: OUTROS ESPAÇOS 1 : 1 FONTE: Imprensa local sendo, contudo algumas notícias vagas, carecendo, por isso, de uma comprovação. 1. FEIRA DE MARÇO 22 de Fevereiro de 1884 24

Leia mais

Guilherme Lima Bruno E Silveira (Graduando UNESP/Bauru)

Guilherme Lima Bruno E Silveira (Graduando UNESP/Bauru) MISCELÂNEA Revista de Pós-Graduação em Letras UNESP Campus de Assis ISSN: 1984-2899 www.assis.unesp.br/miscelanea Miscelânea, Assis, vol.4, jun./nov.2008 FICÇÃO TRÊS TESOUROS PERDIDOS: QUADRINHOS (Graduando

Leia mais

Há seis coisas que o SENHOR odeia, sete coisas que ele detesta: Seis coisas o SENHOR aborrece, e a sétima a sua alma abomina: Introdução

Há seis coisas que o SENHOR odeia, sete coisas que ele detesta: Seis coisas o SENHOR aborrece, e a sétima a sua alma abomina: Introdução Mensagem 13 de 16 Data: 12/12/2010 ANATOMIA DO MAL: MÃOS, CORAÇÃO E PÉS Introdução 16 Há seis coisas que o SENHOR odeia, sete coisas que ele detesta: 17 olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN /

Cadernos ASLEGIS. ISSN / ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Grande Sertão Alberto

Leia mais

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Primeira Edição Curitiba 2012 PerSe Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) ÍN Matos, Maria Helena Morais

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 1ª Etapa Ano: 7 Turma: 71

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 1ª Etapa Ano: 7 Turma: 71 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: ARTE Professor (a): JANAINA Ano: 7 Turma: 71 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação. Faça

Leia mais

José Pedro Aguiar-Branco Ministro da Defesa Nacional

José Pedro Aguiar-Branco Ministro da Defesa Nacional José Pedro Aguiar-Branco Ministro da Defesa Nacional Intervenção do Ministro da Defesa Nacional por ocasião das Cerimónias de 93º Aniversário do Dia do Armistício, 88º Aniversário da Liga dos Combatentes

Leia mais

MODERNISMO 2ª GERAÇÃO. Por Carlos Daniel S. Vieira

MODERNISMO 2ª GERAÇÃO. Por Carlos Daniel S. Vieira MODERNISMO 2ª GERAÇÃO Por Carlos Daniel S. Vieira CONTEXTO HISTÓRICO-SOCIAL CONTEXTO HISTÓRICO-SOCIAL Duas guerras mundiais Crack da bolsa (1929) Instabilidade social e política O homem busca esperanças......

Leia mais

HINÁRIO. Ana de Souza Ana de Souza Brito A ALVORADA. 01 OH! MEU DIVINO PAI 02 VOU SEGUINDO

HINÁRIO. Ana de Souza Ana de Souza Brito A ALVORADA.  01 OH! MEU DIVINO PAI 02 VOU SEGUINDO HINÁRIO A ALVORADA Ana de Souza Ana de Souza Brito www.hinarios.org 1 2 01 OH! MEU DIVINO PAI 3X 02 VOU SEGUINDO 3X Oh! Meu divino pai Vós mandou me chamar Eu vivo aqui sozinha Saí a procurar Eu vou seguindo,

Leia mais

HINÁRIO. Ana de Souza A ALVORADA. Ana de Souza Brito

HINÁRIO. Ana de Souza A ALVORADA. Ana de Souza Brito HINÁRIO A ALVORADA Ana de Souza Ana de Souza Brito 1 www.hinarios.org 2 01 OH! MEU DIVINO PAI 3X Oh! Meu divino pai Vós mandou me chamar Eu vivo aqui sozinha Saí a procurar 1 02 VOU SEGUINDO 3X Eu vou

Leia mais

Amor & Sociologia Cultural - Oswaldo Montenegro & Raul Seixas

Amor & Sociologia Cultural - Oswaldo Montenegro & Raul Seixas Page 1 of 6 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Sociologia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Amor & Sociologia

Leia mais

Gonzaga Filho Página 2

Gonzaga Filho Página 2 Gonzaga Filho Página 2 Gonzaga Filho O SOL QUE CAIU Primeira Edição São Paulo 2015 Gonzaga Filho Página 3 Gonzaga Filho Página 4 Gonzaga Filho Página 5 Gonzaga Filho Página 6 Para o meu primo-irmão FRANCISCO

Leia mais

Débora Zambi. Aos Olhos do Poeta

Débora Zambi. Aos Olhos do Poeta Débora Zambi Aos Olhos do Poeta Primeira Edição São Paulo 2015 Agradecimentos Primeiro a Deus pelo dom que me deu, pela foça, pela vida, pelas conquistas, pelo seu amor, carinho e cuidado! Para o meu esposo

Leia mais

EU TE OFEREÇO ESSAS CANÇÕES

EU TE OFEREÇO ESSAS CANÇÕES EU TE OFEREÇO ESSAS CANÇÕES Obra Teatral de Carlos José Soares Revisão Literária de Nonata Soares EU TE OFEREÇO ESSAS CANÇÕES Peça de Carlos José Soares Revisão Literária Nonata Soares Personagens: Ricardo

Leia mais

O fado cantado à guitarra

O fado cantado à guitarra Fernando Pessoa O fado cantado à guitarra O fado cantado à guitarra Tem um som de desejar. Vejo o que via o Bandarra, Não sei se na terra ou no ar. Sou cego mas vejo bem No tempo em vez de no ar. Goze

Leia mais

TOMÁS ANTÔNIO GONZAGA

TOMÁS ANTÔNIO GONZAGA TOMÁS ANTÔNIO GONZAGA TOMÁS ANTÔNIO GONZAGA 1744---1810 Amava o solo Brasileiro, tinha o dom da Poesia. Era proibido por inteiro, e mais poesia ele fazia. A Liberdade Dama sagrada, era a sua predileção.

Leia mais

SE TORNANDO UMA PESSOA MAIS AMOROSA E ALEGRE.

SE TORNANDO UMA PESSOA MAIS AMOROSA E ALEGRE. SE TORNANDO UMA PESSOA MAIS AMOROSA E ALEGRE. O crescimento espiritual não é automático. Mudança é uma questão de opção. Não podemos simplesmente ficar sentados inertes sem fazer nada, esperando o crescimento.

Leia mais

SEMPRE ORANDO. Cálida e fervorosa oração penetra os céus e chega a Deus.

SEMPRE ORANDO. Cálida e fervorosa oração penetra os céus e chega a Deus. SEMPRE ORANDO Cálida e fervorosa oração penetra os céus e chega a Deus. AOS ORANTES Que a oração seja sempre em nossas vidas a companheira de todas as horas as asas que nos elevam a melhor ferramenta de

Leia mais

SEMPRE ORANDO. A oração abre caminho para o encontro com o Mestre Interior. Depois nos unifica com Ele.

SEMPRE ORANDO. A oração abre caminho para o encontro com o Mestre Interior. Depois nos unifica com Ele. A oração abre caminho para o encontro com o Mestre Interior. SEMPRE ORANDO Depois nos unifica com Ele. Em seguida, ensina-nos que a vida é comunhão, é trabalho silencioso de almas unidas numa só luz para

Leia mais

Os primeiros anos da República no Brasil MCC

Os primeiros anos da República no Brasil MCC Os primeiros anos da República no Brasil MCC blogs.estadao.com.br A Província de São Paulo, 15 de novembro de 1889. Glorioso centenário da grande revolução. Proclamação da República Brazileira. Recebemos

Leia mais

Entrada: Quem É Esta Que Avança Como Aurora

Entrada: Quem É Esta Que Avança Como Aurora Entrada: Quem É Esta Que Avança Como Aurora Quem é esta que avança como aurora Temível como exército em ordem de batalha Brilhante como o sol e como a lua Mostrando os caminhos aos filhos seus Ah, ah,

Leia mais

Por quanto tempo me aprisionar? Se essa veste um dia vou deixar Am C B7 Face a face a consciência

Por quanto tempo me aprisionar? Se essa veste um dia vou deixar Am C B7 Face a face a consciência Jogos de Ilusão EDUARDO BRAA / DANIEL SILVA CAPOTRASTE NA 3ª C Intro: Em7 Am C B7 (2x) Em7 Por quanto tempo me aprisionar? Se essa veste um dia vou deixar Am C B7 ace a face a consciência Em7 Quanto engano

Leia mais

QUANDO EU TINHA VOCÊ!

QUANDO EU TINHA VOCÊ! QUANDO EU TINHA VOCÊ! Local: Salvador(BA) Data: 02/02/1997 Estúdio:24/12/10 Estilo:Forró arrastapé Tom: C//(Dó sustenido) QUANDO EU TINHA VOCÊ A VIDA ERA TÃO BOA HOJE QUE TE PERDI VIVO COMO UM À TOA. VOCÊ

Leia mais

1. Disse Jesus: Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim jamais terá sede. Jo 6,35

1. Disse Jesus: Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim jamais terá sede. Jo 6,35 1. Disse Jesus: Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim jamais terá sede. Jo 6,35 Senhor Jesus, Tu tens palavras de vida eterna e Tu revelas-te a nós como Pão da vida

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Agrupamento de Escolas de Arraiolos Escola EB 2,3/S Cunha Rivara de Arraiolos Ano Lectivo 2009/2010 HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º Ano Teste de Avaliação nº 5 TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Leia mais

CONCURSO DE POESIA 2014

CONCURSO DE POESIA 2014 Certificados de Participação Alfredo Ferreira Martins Louro Augusto Jorge Ferreira da Silva Helena Cláudia Marques Gonçalves José Altino Pires Manuel Bastos Rodrigues Maria Adélia Jesus Alves Maria Angelina

Leia mais

Salmo - Sl 65. Ah, ah, ah, minha alma glorifica ao Senhor!! Meu espírito exulta em Deus, meu salvador!! Entrada: Quem É Esta Que Avança Como Aurora

Salmo - Sl 65. Ah, ah, ah, minha alma glorifica ao Senhor!! Meu espírito exulta em Deus, meu salvador!! Entrada: Quem É Esta Que Avança Como Aurora Entrada: Quem É Esta Que Avança Como Aurora Quem é esta que avança como aurora Temível como exército em ordem de batalha Brilhante como o sol e como a lua Mostrando o caminho aos filhos seus Ah, ah, ah,

Leia mais

És Real Pra Mim. Tom: C#

És Real Pra Mim. Tom: C# És Real Pra Mim Tom: # # És real pra mim # És fiel a mim # # Tua graça alcançou meu coração # És meu salvador # Que me resgatou # # Tua graça alcançou meu coração m # u cantarei que te encontrei # # u

Leia mais

Cifras de Beth Carvalho por André Anjos

Cifras de Beth Carvalho por André Anjos Cifras de Beth Carvalho por André Anjos Compilado 21/05/2017 http://cifras.andreanjos.org/artist/beth-carvalho/cifras.pdf http://cifras.andreanjos.org Conteúdo 1800 Colinas.....................................

Leia mais

A 13 de Março de 1949 em reunião realizada na Câmara, foram finalmente constituídos os cimeiros corpos gerentes:

A 13 de Março de 1949 em reunião realizada na Câmara, foram finalmente constituídos os cimeiros corpos gerentes: Esta Associação Humanitária cujo lema VIDA POR VIDA significa perfeitamente toda a dedicação e altruísmo do seu Corpo Activo, viu aprovados os seus estatutos no dia 4 de Junho de 1948. Já antes, em 1937,

Leia mais

Chega de saudade Vai, minha tristeza, e diz a ela Que sem ela não pode ser Diz-lhe, numa prece, que ela regresse porque eu não posso mais sofrer

Chega de saudade Vai, minha tristeza, e diz a ela Que sem ela não pode ser Diz-lhe, numa prece, que ela regresse porque eu não posso mais sofrer INTRODUÇÃO Chega de saudade Vai, minha tristeza, e diz a ela Que sem ela não pode ser Diz-lhe, numa prece, que ela regresse porque eu não posso mais sofrer Tristeza Quanta tristeza Há nesta vida Só incerteza

Leia mais

Primeiro dia Jogando eu aprendo a ser feliz

Primeiro dia Jogando eu aprendo a ser feliz Bons dias Primeiro dia Jogando eu aprendo a ser feliz Pensamento do dia O esporte não é somente uma forma de entretenimento, mas também - e eu diria sobretudo - um instrumento para comunicar valores que

Leia mais

Deixo meus olhos Falar

Deixo meus olhos Falar Tânia Abrão Deixo meus olhos Falar 1º Edição Maio de 2013 WWW.perse.com.br 1 Tânia Abrão Biografia Tânia Abrão Mendes da Silva Email: Tania_morenagata@hotmail.com Filha de Benedito Abrão e Ivanir Abrão

Leia mais

Nº 23 C 6º Domingo da Páscoa

Nº 23 C 6º Domingo da Páscoa Nº 23 C 6º Domingo da Páscoa - 1.5.2016 A paz de Cristo A paz de Cristo Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz. Tu nos dás a tua paz, Senhor Jesus, mas também nos convidas ao esforço de fazer a paz. Para

Leia mais

Estação de Braga. Cheguei a Braga. Lá vim eu no meu lugar à janela. E o mundo lá fora

Estação de Braga. Cheguei a Braga. Lá vim eu no meu lugar à janela. E o mundo lá fora Roteiro de Braga Estação de Braga Cheguei a Braga. Lá vim eu no meu lugar à janela. E o mundo lá fora a correr e eu a querer apanhá-lo. E sentada no meu lugar corri, e de olhos atentos via vida e gente,

Leia mais

Identificação. M09 Duração da entrevista 29:38 Data da entrevista Ano de nascimento (Idade) 1953 (58) Local de nascimento/residência

Identificação. M09 Duração da entrevista 29:38 Data da entrevista Ano de nascimento (Idade) 1953 (58) Local de nascimento/residência 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 Identificação M09 Duração da entrevista 29:38 Data da entrevista 23-2-2012 Ano de nascimento (Idade) 1953 (58) Local de nascimento/residência

Leia mais

Amor & Sociologia Cultural - Fernando Pessoa

Amor & Sociologia Cultural - Fernando Pessoa Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Sociologia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Amor & Sociologia

Leia mais

De-Nota Poema de Parras

De-Nota Poema de Parras 5 #parras#humor#popular De-Nota Poema de Parras &poético# Humor satírico poético Rir é o melhor remédio Edição (de autor) limitada COM PINTURAS DO AUTOR edição em Primeira mão 1 2 1ª edição 65 exemplares

Leia mais

SEGUE-ME! ESTOU CONTIGO NO JEJUM!

SEGUE-ME! ESTOU CONTIGO NO JEJUM! 2ª FEIRA 18 de Março Amanhã é dia de São José e é por isso que celebramos também o dia do pai! Neste Bom Dia iremos olhar para a figura dos nossos pais. Ainda se lembram da Semana Missionária Salesiana?

Leia mais

Amigos de santa. Júlia

Amigos de santa. Júlia Amigos de santa Júlia - 2011 JÚLIA EM SEU VIVER Júlia, em seu viver, a bondade testemunhou. Simples e firme, o Senhor sempre imitou. Viver, amar, com bondade sem igual. É ser um instrumento revelando que

Leia mais

O sapo estava sentado à beira do rio. Sentia-se esquisito. Não sabia se estava contente ou se estava triste

O sapo estava sentado à beira do rio. Sentia-se esquisito. Não sabia se estava contente ou se estava triste O sapo estava sentado à beira do rio. Sentia-se esquisito. Não sabia se estava contente ou se estava triste Toda a semana tinha andado como que a sonhar. Que é que teria? Então encontrou o Porquinho. -

Leia mais

Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus

Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus Paróquia de Barco Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus Missa com crianças Entrada: Linda noite, Linda noite Linda noite de Natal (bis) Introdução A imagem de Maria está aqui ao lado, porque hoje celebramos

Leia mais

A arte de escrever um soneto

A arte de escrever um soneto A arte de escrever um soneto Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais

Leia mais

Lembre-se é um momento único, é como se você tivesse a oportunidade de falar com o próprio Criador por 5 minutos

Lembre-se é um momento único, é como se você tivesse a oportunidade de falar com o próprio Criador por 5 minutos Vivência dos 3 dias Vivência dos 3 dias Primeiro dia Limpeza Você tem que encontrar uma hora neste dia para se isolar e ficar a vontade para desabafar com o Universo, com Deus, ou com o seu Santo favorito.

Leia mais

Cifras Corinhos Cd Volume 1

Cifras Corinhos Cd Volume 1 ifras orinhos d Volume 1 1) o céu virá () o céu virá, sim, sim, do céu virá. Sim, a benção do Senhor do céu virá; / /E m/eb Quando os crentes reunidos se unirem para orar. / Em m Sim, a bênção do Senhor

Leia mais

HOSANA REPERTÓRIO. Hosana, Hosana Hosana nas alturas Hosana, Hosana Hosana nas alturas

HOSANA REPERTÓRIO. Hosana, Hosana Hosana nas alturas Hosana, Hosana Hosana nas alturas 1 HOSANA Composição: Brooke Fraser-Hillsong Publishing / Versão: Cia do Louvor Eu vejo o Rei da glória vindo com o Seu poder A Terra vai estremecer Eu vejo Sua graça os pecados perdoar A Terra vai então

Leia mais

DOC: Depois que você casou sempre morou aqui? INF: não eu morava no Pernambuco aí vim pra cá depois, DOC: Hum. Já casada. INF: hum rum, DOC: Né?

DOC: Depois que você casou sempre morou aqui? INF: não eu morava no Pernambuco aí vim pra cá depois, DOC: Hum. Já casada. INF: hum rum, DOC: Né? Ficha Social nº 69 Informante: V.L.N.S. Idade: 32 Anos Faixa II Sexo: Feminino Escolarização: Analfabeta Localidade: Sítio Romualdo Zona Rural Profissão: Cozinheira Documentadora: Fátima Maria Torres Moreira

Leia mais

Missa da Ceia do Senhor

Missa da Ceia do Senhor Missa da Ceia do Senhor Entrada 1: Venham comigo Vamos comer minha Páscoa Isto é meu corpo Isto também é meu sangue Eis o meu testamento Até que se cumpra o Reino de Deus 1. Todo dia é preciso lembrar

Leia mais

Ficar completo Ficar completo, Página 1

Ficar completo Ficar completo, Página 1 Ficar completo Ficar completo, Página 1 A maior parte do que ouvimos na vida é sobre como tudo era ou como poderia ser. Especialmente quando ficamos mais velhos, pensamos em como eram as coisas quando

Leia mais

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai BOM DIA DIÁRIO Segunda-feira (13.04.2015) Ficaram cheios do espírito Santo Guia: 2.º Ciclo: Professor José Martins 3.º Ciclo: Professor Paulo Silva Si+ Mi+ O Espírito de Deus está em mim Si+ Mi+ Enviou-me

Leia mais

3 - Colégio Almeida Garrett Porto (novo pavilhão) (sem legenda) Colégio Almeida Garrett - Trata-se de uma vista do jardim interior, no piso 1.

3 - Colégio Almeida Garrett Porto (novo pavilhão) (sem legenda) Colégio Almeida Garrett - Trata-se de uma vista do jardim interior, no piso 1. 1 - Colégio Almeida Garrett (entrada) - 3 - Colégio Almeida Garrett Porto (novo pavilhão) - 5 - (sem legenda) Colégio Almeida Garrett - Trata-se de uma vista interior da capela. 2 - Maqueta dos Pavilhões

Leia mais

Falando de amor e ilusão.

Falando de amor e ilusão. Falando de amor e ilusão. Sérgio Batista 2 Falando de amor e ilusão Primeira Edição Editora do Livre Pensador Recife, Pernambuco 2013 3 Titulo Original Falando de amor e ilusão Primeira Edição Copyright

Leia mais

SANTA MISSA EM PORTUGUÊS Domingo, 17 de dezembro de :00 p.m. 3º. Domingo do Advento CANTOS CANTO DE ENTRADA: Reunidos Aqui

SANTA MISSA EM PORTUGUÊS Domingo, 17 de dezembro de :00 p.m. 3º. Domingo do Advento CANTOS CANTO DE ENTRADA: Reunidos Aqui SANTA MISSA EM PORTUGUÊS Domingo, 17 de dezembro de 2017 5:00 p.m. 3º. Domingo do Advento CANTOS CANTO DE ENTRADA: Reunidos Aqui Reunidos aqui (reunidos aqui) Só pra louvar ao Senhor (só pra louvar ao

Leia mais

JOAQUIM NABUCO ( ) O ABOLICIONISMO (1893)

JOAQUIM NABUCO ( ) O ABOLICIONISMO (1893) JOAQUIM NABUCO (1849-1910) O ABOLICIONISMO (1893) Professor: Elson Junior Santo Antônio de Pádua, agosto de 2017 O que é o abolicionismo? Obra do presente e do futuro O abolicionismo é, as sim, uma concepção

Leia mais

(Extractos do meu diário)

(Extractos do meu diário) I. T. 1 Q. 10/2/16 17:34 Página 7 DO AMOR (Extractos do meu diário) 1917 Para que seja possível a completa harmonia das almas é necessária a harmonia da respiração, pois que é a respiração senão o ritmo

Leia mais

Seus Escritos no Site da Magrià a Antonio Márcio Uma rosa para a minha Rosa

Seus Escritos no Site da Magrià a Antonio Márcio Uma rosa para a minha Rosa Seus Escritos no Site da Magrià a Antonio Márcio Uma rosa para a minha Rosa Apanhei esta rosa Para o teu olhar. Apanhei esta rosa Para as tuas mãos. Apanhei esta rosa Para o teu olfato. Apanhei esta rosa

Leia mais

COMPOSITOR CÍCERO BAHIA

COMPOSITOR CÍCERO BAHIA CORAÇÃO PARTIDO Local: São Félix (BA) Data: 05/05/2010 Estúdio:14/02/12 /Arrocha Ô MEU AMOR PORQUE VOCÊ DEIXOU MEU CORAÇÃO PARTIDO CHORANDO DE DOR. NOITES SEM DORMIR PASSEI DO SEU LADO COM MIL PROJETOS

Leia mais

As vezes que lhe. Amei

As vezes que lhe. Amei As vezes que lhe Amei Lidiane Cristina As vezes que lhe Amei Poemas Editora Recanto das Letras Lidiane Cristina Editora Executiva: Cássia Oliveira Projeto gráfico: Estúdio Caverna Impressão: Forma Certa

Leia mais

Nº 10 A Domingo III do Tempo Comum

Nº 10 A Domingo III do Tempo Comum Nº 10 A Domingo III do Tempo Comum-26.1.2014 Vinde comigo! - Quem irá anunciar a toda a gente a Boa Nova da ternura de Deus? - Quem irá falar de Jesus Cristo vivo a quem busca razões para viver? - Quem

Leia mais

Presente Perfeito A. D. Feldman

Presente Perfeito A. D. Feldman Presente Perfeito A. D. Feldman Encontramo-nos em algum lugar de um pequeno planeta e observamos a beleza fria e ao mesmo tempo arrebatadora do infinito em sua profundeza impenetrável. Lá a morte e a vida

Leia mais