Túnel Aubing Trecho oeste da auto-estrada federal A99

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Túnel Aubing Trecho oeste da auto-estrada federal A99"

Transcrição

1 Túnel Aubing Trecho oeste da auto-estrada federal A99

2 Histórico do planejamento Já nos anos 30 do século passado foram feitos os primeiros planos, que se concretizaram no início dos anos 80: O setor oeste do rodoanel de Munique deveria interligar a auto-estrada A 96 de Lindau às auto-estradas A 8 e A 99. Através desta obra foi realizado mais um trecho do amplo rodoanel de Munique, que como anel rodoviário contribui para atender as atuais exigências da moderna infraestrutura da metrópole da Baviera. Parte essencial deste trecho da A 99 é o túnel Aubing com metros de extensão, o túnel mais longo da Baviera. Situação inicial Durante a fase de planejamento o conceito do túnel foi alterado diversas vezes, entre outros em virtude do aperfeiçoamento das normas de proteção da natureza e do meio-ambiente. Primeiramente a obra, de início planejada com aprox. 1 km de comprimento no sentido norte, mais tarde também foi prolongada para o sul. Assim o desejo da capital estadual Munique pôde ser atendido, no sentido de uma proteção acústica efetiva para o novo bairro planejado Freiham. Atualmente o Túnel Aubing se estende por todo o trecho entre as duas linhas férreas Munique - Augsburgo e Munique Lindau, que cruzam a autoestrada A 99. A função do rodoanel de Munique é absorver o fluxo do trânsito das auto-estradas de Lindau, Stuttgart, Deggendorf, Nuremberg, Passau e Salzburgo, e desviando-o do perímetro urbano. Isto é principalmente importante para o tráfego de longa distância: através da interligação entre a auto-estrada de Lindau (A 96) e as auto-estradas em direção a Stuttgart (A8 West), Deggendorf/ aeroporto (A 92), Nuremberg (A 9) e Passau (A 94) forma-se um eficiente anel distribuidor. Motoristas em direção a Salzburgo (A 8 leste) utilizam a A 99 como uma boa alternativa ao anel rodoviário central. Foram pesquisados diversos níveis de altura possíveis para o túnel Aubing. Contra a opção de um nível rebaixado em toda a sua extensão havia o obstáculo do nível muito elevado do lençol freático. Por isso o rebaixamento foi feito somente na área do cruzamento com as duas linhas férreas. Na área central a cobertura do túnel foi recoberta e modelada de acordo com a paisagem circundante. Juntamente com as duas rampas, que assim como uma parte do túnel são impermeabilizadas, a construção tem um comprimento total de metros. Em virtude do lençol freático a obra foi realizada num total de dez etapas. Estas docas foram guarnecidas com paredes de estacas-prancha e tem um comprimento de até 250 m. Dados da obra Tempo de construção Contratante da obra Tipo construtivo Túnel Obras preliminares pontes ferroviárias República Federal da Alemanha, representada pela Diretoria de Auto-Estradas do Sul da Baviera Túnel em construção aberta Extensão do túnel: 1,935 km Extensão do túnel incluindo as rampas: 2,425 km Diâmetro interno livre: 2 x14,00 m Profundidade no lençol freático: até 7,50 m Custos da obra: aprox. 91 milhões de euros Descrição da obra Túnel Aubing, parte do trecho oeste da auto-estrada federal A99 Rampa norte (tanque no lençol freático) Nível rebaixado do túnel ao norte com cruzamento por baixo da linha férrea Munique Augsburgo Túnel em nível elevado Túnel em nível rebaixado com cruzamento por baixo da linha férrea Munique Lindau Rampa sul (tanque no lençol freático) Planejamento do prédio de operações com estação de bombas Escoramento da ponte ferroviária sobre o túnel Serviços da SSF 43 fases da obra 2, 3, 5, 6 e 7 51 fases da obra 2, 3 e 6 para o túnel e obras preliminares das pontes ferroviárias (anteprojeto, projeto para licitação, projeto das estruturas provisórias, projeto executivo) Extensão total da obra m Rampa norte 200 m Túnel rebaixado norte m Túnel em nível elevado 510 m Túnel em nível rebaixado sul 335 m Rampa sul 290 m Largura das pistas de rodagem Diâmetro interno livre Altura livre Largura da obra 2 x 12,25 m, 2 faixas: 2 x 3,75 m e faixa lateral (faixa de acostamento) 2 x m 4,80 m 30,40 m À direita em cima: Portal sul do túnel À direita em baixo: Planta de localização do túnel Aubing Gráfico: ediundsepp Figura: SSF Ingenieure AG / Foto de Florian Schreiber A 8 A 99 Túnel Aubing A 96 A 95 Munique Anel Central A 9 A 995 A 8 A 94 A 99

3 Cortes esquemáticos do túnel Aubing Nível rebaixado Pista de rodagem em sentido único Lindau Pista de rodagem em sentido único Salzburg Nível do lençol freático Nível elevado Pista de rodagem em sentido único Lindau Pista de rodagem em sentido único Salzburg Nível do lençol freático Trabalhos prévios Primeiramente foram executadas pontes ferroviárias no método cut&cover para as ferrovias existentes. Os tabuleiros foram fabricados ao lado da linha férrea e introduzidos durante os intervalos da operação ferroviária. A seguir foram complementadas as cabeças de pilar e as quinas dos quadros, o mesmo foi feito no decorrer da construção do túnel no piso e nas paredes do túnel. O conceito O Túnel Aubing foi construído de acordo com um projeto da SSF Ingenieure pelo método de construção aberta em várias etapas. A licença referente às disposições legais sobre água previa a construção com impermeabilização dos fossos de escavação. Não foram permitidos métodos de construção que implicassem na permanência de paredes de retenção no solo após o término da obra. Começando pela rampa norte, em forma de um tanque dentro da Gráfico: ediundsepp água subterrânea com 200 m de comprimento, a obra continua na direção sul com o rebaixamento do túnel ao norte (1.100 m de comprimento) e o cruzamento por baixo da linha férrea Munique Augsburgo. Segue o trecho do túnel em nível elevado (aprox. 500 m), o rebaixamento do túnel ao sul (cruzamento abaixo da linha férrea Munique Lindau, aprox. 300 m), assim como a rampa sul, novamente construído como tanque dentro da água subterrânea, com uma extensão de 300 m.a seção transversal do túnel com 2 x 14,00 m de diâmetro interno resulta das duas pistas de sentido único, com largura de 12,25 m, cada uma com duas faixas de rodagem e uma faixa de acostamento, assim como passagens de emergências em ambos os lados. A menor altura interna na construção do túnel foi fixada em 4,90 m, conforme o pré-acordo, autorizado pelo BMVBW [Ministério do Transporte, Obras e Desenvolvimento Urbano].

4 Corte esquemático em nível rebaixado 1 2 Oeste Nürnberg - Lindau Lindau - Nürnberg Este Tipo de estrutura Rampas (calhas) tanque à prova de água, em grande parte com fundações excedentes laterais para impedir impulsão O gradiente foi planejado próximo à superfície, devido ao elevado nível do lençol freático. As duas linhas férreas existentes nos finais do túneis e a St 2345 se tornaram questões obrigatórias. Nestas áreas a construção se situa no lençol freático. 3 4 Túnel em nível rebaixado Túnel em nível elevado Profundidade no lençol freático Comprimento dos blocos de concreto quadro fechado de 2 células à prova de água (bloqueio de impulsão através do peso próprio ) quadro fechado de 2 células sobre faixas de fundação até 7,50 m 10 m com cintas de união internas 1 Pré-escavação na área do nível rebaixado norte 2 Pranchas da parede divisória entre duas docas 3 Concretagem na doca 4 4 Edificações operacionais centro Ambas as rampas e as áreas adjacentes do túnel foram planejadas como construção em concreto impermeável (WUB-KO). Entre a linha férrea Munique Lindau e a rodovia federal que a cruza, que na área urbana pôde ser levantada apenas um pouco e assim exigia um rebaixamento do gradiente do túnel, o encapsulamento só pôde ser executado numa extensão de 520 m acima do solo sobre o lençol freático sem placa de piso. As vias e caminhos que cruzam aqui foram elevados de forma correspondente. Um coletor de esgoto da capital estadual Munique, que cruza a auto-estrada federal ao norte da estrada estadual, imediatamente abaixo do túnel, representou uma questão obrigatória de gradiente. O canal de concreto, com largura de 4,30 m e altura de 1,63 m apresenta 3 perfis de escoamento separados, situados lado a outro. Figuras: Diretoria de Auto-Estradas do Sul da Baviera

5 Figura: SSF Ingenieure AG A construção Após a pré-escavação, a maior parte do fosso foi feita em taludes. O cascalho molhado retirado foi destinado ao posterior revestimento dos trechos. No ressalto do talude foi construída uma parede de estacas-prancha como parede de vedação simples. Esta parede foi integrada nas camadas de solo do período terciário, retentoras de água subterrânea, que vedaram o fosso de escavação por baixo. Para evitar rompimento do piso dentro do fosso de escavação, a água subterrânea existente dentro do fosso vedado por exemplo, no cascalho lenticular e nas areias terciárias foi despressurizada por meio de poços. O planejamento da SSF Ingenieure previa um total de dez docas, separadas entre si por paredes divisórias. Entre estas seções de retenção à prova d água, com um comprimento máximo de 250 metros, sempre ficou uma doca como vão, de modo que durante a fase da construção pôde ser assegurado o livre fluxo da água subterrânea. Hoje esta função foi assumida por quatro dutos de água subterrânea. Estes estão concretados no fundo do túnel. Um sifão de água subterrânea é composto por uma tubulação (DN 300), que cruza o túnel e desemboca em poços de concreto nas paredes externas do túnel. Nestes poços estão conectadas drenagens horizontais (DN 300) com aprox. 50 a 60 m de comprimento, Planta de níveis e vista superior

6 meio da drenagem. A construção do túnel foi realizada por rebaixamento, como uma estrutura fechada de duas células, conforme o princípio do concreto impermeável, como estrutura em concreto impermeável especificado em seções de 10 m de comprimento. Piso e paredes externas foram concretados de uma só vez para evitar fissuras de contração. Na área superior o túnel foi exe- Figura: SSF Ingenieure AG que correm paralelamente ao túnel. Seu vértice fica aprox. 0,5 m abaixo da cota para os períodos com baixo nível de água subterrânea. Através deste sistema de drenagem, a água subterrânea que aflue largamente, é captada em um lado do túnel e depois, agrupada por meio da tubulação abaixo do túnel, transferida para o lado oposto e da mesma forma desviada extensivamente por cutado como estrutura de dois canteiros sobre faixas de fundação, as rampas são calhas à prova d água e à prova de impulsão. O túnel todo foi executado pelo método de construção aberta. Nas áreas das rampas, dos rebaixamentos e das passagens para o nível elevado, foram utilizadas paredes de retenção de estacas- -prancha, à prova d água, sem prejuízo do lençol freático. Quando havia área com largura suficiente, estas foram colocadas ao lado das escavações em talude, sem ancoragem, nos demais trechos com ancoragem. Elas foram inseridas pelo processo de vibração com lavagem, quando necessário com pré-furação, penetrando pelo menos 1 m dentro do solo argiloso do período terciário. Para Corte transversal da estrutura em calha Valeta de pé de talude Eixo da rodovia Caixa de visita 1.0/1.5 m tampa classe D 400 Nível máximo de cheia 1982 Greide pista esquerda Superfície do terreno 2x20 tubo de escoamento em PVC DN 100 para a estação de bombagem Norte Laje de transição C25/30 Tubagem transversal DN 500 GGG para a estação de bombagem Nortetransporte para o leito de areia Greide pista direita Escadas de acesso 2x20 tubagens impermeáveis Caixa de visita ø 1000 tampa classe D400 Lancil em pedra de granito 120/120 Tubos PVC DN 100 Caixa de visita ø1000 tampa classe D400 Abertura no muro DN 250 da OA 97/6s Grelha com basculamento vertical Braçadeiras de ligação Straub Concreto pobre C12/15 Abertura no muro Tubo de escoamento em PVC DN 150 com ligação à caixa de drenagem Tubagem transversal DN 500 GGG 1x15 e 1x20 tubos DN 100 Tubos PVC DN 50 a cada 5.0 m Enchimento com areia ø 4-8 mm 1x6 e 1x12 tubos de PVC DN 100 Tubo de escoamento em PVC DN 150 com ligação à caixa de drenagem

7 Figura: Figuras: Diretoria de Auto-Estradas do Sul da Baviera a execução das fases de construção adjacentes foram construídas paredes divisórias adicionais. As paredes de estacas-prancha aprofundadas no piso do túnel permaneceram no solo de cada seção de obras concluída. Após a concretagem em prolongamentos laterais da parede do túnel, foi retirada a respectiva parede divisória. O lado superior do teto do túnel Aubing tem um ligeiro declive de 1,1 %, o lado inferior é horizontal. A placa de piso na parte superior no sentido transversal, partindo do eixo central, possui uma inclinação de 2 % para fora para desviar a água infiltrada da via. Nas passagens para o nível elevado foi realizada uma borda 1 Foto aérea durante as obras 2 Fôrma móvel na área de nível elevado 3 Concretagem na doca 4 4 Construção da nova estrutura da pista de rodagem 5 Estado final sem marcação da pista de rodagem

8 Corte transversal do túnel na área da ponte ferroviária DB-95/1 Oeste Este 5 cm concreto de proteção Impermeabilização segundo as AIB (normas da DB) Lindau Munique cota trilho Mu-Li = Superfície do terreno Junta de expansão Fixação da parede da elastomérica estrutura em calha na viga de encabeçamento Nível máximo de cheia +50 cm HGW 1982 Junta de pressão lâmina de duas camadas Camada de regularização com concreto projetado lâmina de duas camadas Greide pista direita Greide pista esquerda Caleira longitudinal em concreto 26 cm camada de pavimentação em concreto 15 cm camada de suporte com ligação hidráulica 29 cm camada de proteção contra congelamento 70 cm revestimento total Caleira longitudinal em concreto C25/30 Camada de regularização com concreto projetado lâmina de duas camadas 8 tubos PVC DN 100 Tubagem de água para extinção de incêndios DN 80 Tubos PVC DN 100 a cada 5.0 m Isolamento segundo Tubo coletor de drenagem ZTV-Bel B1 (regulamento DN400 tubo de ferro fundido em concreto poroso Estacas moldadas 0 90 cm técnico de obras de arte) com tubo x 8 mm com 5 cm camada de proteção Tubo de escoamento Zona dos blocos 31 e 32 em PVC DN 150 Cantoneira de isolamento com cinta 40x6 mm Conector M10, a=20 cm em aço Acima do nível de projeto do lençol freático, o túnel foi executado sem placa de piso à prova d água em forma de estrutura sobre dois canteiros, assentado em faixas de fundação pouco profundas. Para evitar afundamentos, as faixas de fundação foram executadas de forma contínua sem juntas de dilatação, com juntas de construção deslocadas em relação às juntas de dilatação das paredes. Nas fundações do interior do túnel estão dispostas as Figura: SSF Ingenieure AG Lâmina de duas 10 cm painel de aglomerado camadas fibroso suave Concreto de limpeza C8/10 Tubo coletor de drenagem DN400 tubo de ferro fundido em concreto poroso Junta de tubo de escoamento em PVC DN 150 expansão elastomérica elevada em forma de uma saia até abaixo da camada de ligação da estrutura de pavimentação realizada, para evitar a penetração da água subterrânea no final do nível rebaixado. Na camada da cobertura foi formada uma junta. Na área da travessia do coletor principal de esgoto da capital do estado Munique, o piso do túnel teve que ser levantado, devido a sua altitude dentro da área de proteção contra congelamento. Junta de pressão lâmina de duas camadas passagens de saída de emergência, com bandejas de cabos embaixo e regos correndo ao lado. Os regos e bandejas de cabos são protegidos contra a penetração de água subterrânea através de pequenas paredes de concreto armado impermeáveis ligadas à fundação. Nas transições entre nível rebaixado e nível elevado, o primeiro bloco fora da doca em nível rebaixado foi executado com uma pla- Estacas moldadas 0 90 cm ca de piso fechada, tal como um bloco de nível rebaixado. Por motivos operacionais foi necessário iniciar as obras no nível elevado. Inicialmente permaneceu um vão de 10 m de largura entre o nível elevado e o nível rebaixado, para as paredes de estacas-prancha das docas adjacentes. Somente após a execução do nível rebaixado e remoção da parede transversal de estacas-prancha foi possível fechar o vão. Com um rebaixamento limitado do lençol

9 freático, este trecho foi completado com um bloco de piso contínuo. Através deste método de construção foram minimizadas as compressões no solo e as diferenças de acomodação mantiveram- -se pequenas em relação aos blocos vizinhos, cuja acomodação no solo já estava consolidada. As rampas foram confeccionadas em forma de calha, em parte com parede intermediária, em concreto impermeável sem juntas de construção. A extensão (da estrutura em calha) foi predefinida através do valor de projeto do nível da água (HGW - valor limite de higiene ,50 m). Nas extremidades foi executada um borda elevada em forma de uma saia até abaixo da camada de ligação da estrutura de pavimentação realizada. Via de regra foram inseridas juntas de bloco a cada 10 m. Nas seções mais profundas, as cargas constantes das estruturas, mantendo-se a espessura da placa de piso do túnel, não forneciam uma garantia contra impulsão. Além do reforço da placa de piso, por motivos econômicos aproveitaram-se os excedentes laterais das placas de piso, mesmo de modestas dimensões, para a ativação da carga do solo situado acima como garantia contra impulsão. O solo foi colocado como carga sobreposta até 1 m abaixo do nível do terreno. Equipamentos técnicos e dispositivos de segurança Base do planejamento dos equipamentos operacionais foram as diretrizes para equipamentos e operação de túneis rodoviários (RABT). Equipamentos técnicos - Sumário - O suprimento de energia do túnel é composto de dois sistemas de alimentação independentes (redundantes) por meio de estações de transformadores e com auxílio de uma alimentação ininterrupta de energia (USV) - Iluminação de passagem e de entrada, assim como iluminação emergencial de incêndio e identificação das rotas de fuga - O controle de ventilação liga automaticamente os ventiladores, quando necessário - Instalações de chamada de emergência SOS - Sistemas de alarme de incêndio - Sistemas de radiocomunicação e de alto-falantes - Vídeo-monitoramento ininterrupto com detecção automática de ocorrências - Sistema de controle de tráfego - Sistema de controle de nível superior Visualização do túnel Aubing Visualização: ediundsepp

10 Requisitos especiais de segurança: - Duas galerias de túnel com direções independentes, cada uma com faixa lateral ininterrupta (faixa de acostamento) e passagens de emergência em ambos os lados - Saídas de emergência com distância de 60m para a galeria vizinha, assim como saídas adicionais para o ar livre com distância de aprox. 450m - Alimentação de energia elétrica redundante, à prova de interrupção, com dois sistemas de alimentação independentes - Os dispositivos de segurança mais importantes são alimentados por sistema de alimentação ininterrupta (nobreak) em caso de queda de energia - Um sistema de alarme de incêndio com cabo de detecção sensível ao calor e botões de alarme nos postos de chamada de emergência - Um sistema de vídeo-monitoramento ininterrupto com detecção automática de ocorrências em caso de congestionamento, pedestres, veículos parados ou na contra-mão bem como ocorrências de fumaça - Doze postos de chamada de emergência acessíveis em intervalos de 130 m de distância, cada um equipado com 2 extintores de incêndio e telefone de emergência - Sistemas de radiocomunicação para as equipes de resgate e para a emissão ininterrupta de radio FM com transmissão de avisos em caso de emergência - 24 ventiladores em cada galeria, que atuam também em caso de incêndio para remoção da fumaça e entrada de ar fresco - gência com água para extinção de incêndio em hidrantes, rolos com 30 m de mangueira de incêndio, bem como extintores de incêndio e botões de alarme de incêndio - Líquidos derramados no túnel são conduzidos para um tanque de retenção através de um sistema de regos - Todas as informações relevantes de operação e casos de emergência, além das imagens do vídeo-monitoramento, são transmitidas 24 hs por dia através de um sistema de controle de nível superior para a central de controle de tráfego (VRZ) em Munique-Freimann, bem como para a delegacia de polícia in Munique-West e para o Departamento de manutenção rodoviária em lnning - Marcação ótica contínua através de diodos luminosos (LED s) nas passagens de emergência Figura superior: Portal Norte do Túnel Figura inferior: Portal Sul do Túnel - Identificação auto-luminosa das rotas de fuga com indicações de distância - Uma iluminação de emergência de incêndio em altura aprox. de 1 m (orientação para pessoas em fuga em caso de fumaça no túnel ) - Sistema de controle de tráfego da auto-estrada A99 West também presente no túnel Aubing - Dispositivos de bloqueio do túnel com barreiras Operação e segurança Após um período de construção de 34 meses, a obra bruta do túnel foi finalizada em meados de A seguir foram instalados todos os equipamentos operacionais e de segurança do túnel naturalmente dentro do mais moderno padrão técnico. Para manter o túnel operacional a qualquer hora, foram instalações duas estações de bombas. A base para o planejamento dos equipamentos operacionais foi a diretriz para equipamentos e exploração de túneis rodoviários (RABT), edição O suprimento de energia é assegurado por dois sistemas de alimentação independentes redundantes através de transformadores, com auxílio de uma alimentação ininterrupta de energia (USV). Foram instaladas iluminações nas passagens e entradas, assim como iluminação emergencial de incêndio e identificação das rotas de fuga. Em caso de necessidade os ventiladores são ligados automaticamente. Instalações de chamada de emergência SOS, sistema de alarme de incêndio, sistema de radiocomunicação e de alto-falantes, vídeo-monitoramento contínuo e um sistema de controle de tráfego completam os sistemas técnicos de segurança. Naturalmente todos os equipamentos estão integrados em um sistema de controle de nível superior. Também no aspecto construtivo a segurança ganhou prioridade máxima: duas galerias de túnel com direções independentes, cada uma com faixa lateral ininterrupta (faixa de acostamento) e passagens de emergência em ambos os lados, garantem a segurança, além das saídas de emergência para o a galeria do túnel vizinho em intervalos de 60 m, saídas de emergência adicionais a cada 450 m e 12 postos de chamada de emergência acessíveis, equipados com extintores de incêndio e telefone de emergência. Figuras: SSF Ingenieure AG / Florian Schreiber Fotografie Foto de Florian Schreiber

11 SSF do Brasil Consultores e Projetistas em Engenharia Ltda Título: SSF Ingenieure AG / Florian Schreiber Fotografie

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Estação de metrô Marienplatz Munique, ampliação da plataforma de embarque Avanço sob o gelo

Estação de metrô Marienplatz Munique, ampliação da plataforma de embarque Avanço sob o gelo Estação de metrô Marienplatz Munique, ampliação da plataforma de embarque Avanço sob o gelo Estação de metrô Marienplatz Visualização Marienplatz A estação de metrô Marienplatz é com certeza o entroncamento

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO

FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO Rua Rishin Matsuda, 562 Vila Santa Catarina CEP 04371-000 São Paulo SP Tel. 11 5563-6477 Fax 11 5563-3107 www.elevadoreszenit.com.br FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO ORIENTAÇÃO ELEVADORES CARGAS

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA estado do rio grande do sul PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO INHACORÁ MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA COORDENADAS:

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas.

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas. fls. 1/6 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Linhas Físicas de Telecomunicações, com Cabos Metálicos e com Fibras Ópticas. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

MOS - Comunicado de Alteração Nº007

MOS - Comunicado de Alteração Nº007 MOS - Comunicado de Alteração Nº007. Novas orientações para os itens abaixo relacionados visando a melhoria da qualidade das obras. TUBO DE INSPEÇÃO E LIMPEZA (TIL) TERMINAL DE LIMPEZA (TL) TUBO DE QUEDA

Leia mais

Túnel do novo trecho Nuremberg Ingolstadt (NBS) Lote norte Túnel Göggelsbuch / Túnel Offenbau

Túnel do novo trecho Nuremberg Ingolstadt (NBS) Lote norte Túnel Göggelsbuch / Túnel Offenbau Túnel do novo trecho Nuremberg Ingolstadt (NBS) Lote norte Túnel Göggelsbuch / Túnel Offenbau Para solucionar as exigências resultantes da intensificação do tráfego ferroviário de pessoas e carga devido

Leia mais

Autoestrada federal A 111 Túnel Aeroporto Tegel Berlim Reabilitação e reforço segundo requisitos técnicos

Autoestrada federal A 111 Túnel Aeroporto Tegel Berlim Reabilitação e reforço segundo requisitos técnicos Autoestrada federal A 111 Túnel Aeroporto Tegel Berlim Reabilitação e reforço segundo requisitos técnicos A24 A 2 A 9 Rede de autopistas Aeroporto Berlim-Tegel Introdução Em reação aos incêndios em túneis

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda. PAC/BNDES BACIA C Jardim Esmeralda Vila Planalto Cidade Salmen BACIA LUZ D AYARA

Leia mais

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO

CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS TRAVESSIA DE OCUPAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO 1/16 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA COMBATE A INCÊNDIO, IRRIGAÇÃO E LAVAGEM COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC AZUL JACUTINGA - MG

IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA COMBATE A INCÊNDIO, IRRIGAÇÃO E LAVAGEM COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC AZUL JACUTINGA - MG IMPERMEABILIZAÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA COMBATE A INCÊNDIO, IRRIGAÇÃO E LAVAGEM COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC AZUL JACUTINGA - MG AUTOR: Departamento Técnico de Geomembrana NeoPlastic Eng Daniel

Leia mais

Rebaixamento de lençol freático

Rebaixamento de lençol freático Rebaixamento de lençol freático Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR Necessidade do Controle da Água Subterrânea Interceptação da água percolada que emerge nos taludes e fundo de escavações Aumentar a estabilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Disciplina: Estradas e Transportes II Laboratório de Geotecnia e Pavimentação SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO DRENAGEM DO

Leia mais

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação.

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. ESCADAS Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. Componentes da escada: Degraus: São os múltiplos níveis

Leia mais

PROJETO GEOMÉTRICO ELEMENTOS DA SEÇÃO TRANVERSAL

PROJETO GEOMÉTRICO ELEMENTOS DA SEÇÃO TRANVERSAL 1 Largura das faixas de rolamento 2 - Larguras dos acostamentos (Bermas) 3 -Conformação e declividades (caimentos) da pista e dos acostamentos 4 - Canteiro central (Mediano) 5 -Taludes 6 -Faixa de domínio

Leia mais

Paredes Diafragma moldadas in loco

Paredes Diafragma moldadas in loco Paredes Diafragma moldadas in loco Breve descrição das etapas executivas Introdução A parede diafragma moldada in loco é um elemento de fundação e/ou contenção moldada no solo, realizando no subsolo um

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12 Em atenção à solicitação de autorização para construção de Passagem Superior e Inferior, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo para cada Passagem.

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

2013 2014 2015 2016 2017 J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J 01/07

2013 2014 2015 2016 2017 J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J 01/07 ESTALEIRO EISA ALAGOAS S.A. - CRONOGRMA DE CONSTRUÇÃO 45,96 meses 1 LICENÇA AMBIENTAL 29,51 meses 1.1 LICENÇA PRÉVIA 0 meses 1.2 LICENÇA DE INSTALAÇÃO 5,33 meses 1.2.1 PROJETOS EXECUTIVOS 4 meses 1.2.2

Leia mais

1.1. Locação da rede de distribuição

1.1. Locação da rede de distribuição 1. Rodovias O uso da faixa de domínio das estradas de rodagem estaduais e federais delegadas, é regulamentada pela Decisão Normativa nº 35, de 18 de agosto de 2003, emitida pelo DAER/RS. 1.1. Locação da

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais

2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais 34 2.5 Tecnologia empregada Nesta seção, inicialmente, serão expostas as nomenclaturas empregadas nas peças componentes das formas e escoramento em madeira, conforme a bibliografia descreve. A seguir,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Pedro Henrique Piassa Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. SETEMBRO 1997

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTACAS METÁLICAS Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-08/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a utilização de estacas

Leia mais

BMW Welt Munique. Dados e fatos

BMW Welt Munique. Dados e fatos BMW Welt Munique BMW Welt Munique A BMW Welt no norte de Munique é uma obra-prima da arquitetura inovadora. Desde outubro de 2007 ela serve de palco multifuncional para todos os tipos de eventos: concertos,

Leia mais

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Execução e Manutenção de MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Norma de Execução e Manutenção NBR 15953 com peças de concreto - Execução NBR 15953 Escopo Se aplica à pavimentação intertravada com peças de concreto

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL 2 Publicação IPR - 727/2006 Diretrizes Básicas

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1/8 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO AMAPÁ DIVISÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS 1. Normas de referência: NBR 10.897-ABNT 1.1. Outras normas: 2. Nome

Leia mais

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DE ROTATÓRIAS, CANTEIROS E FAIXAS ELEVADAS EM DIVERSAS VIAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO Local 1: BORGUETTI; Local 2: Local 3: - RUA DO COMÉRCIO, ENTRE AV. INÁCIO CASTELLI E RUA

Leia mais

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Construção civil Execução de obras, tais como moradias, edifícios, pontes, barragens, estradas, aeroportos e outras

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS - TE DEPARTAMENTO DE VALORAÇAO PARA EMPREENDIMENTOS - TEV

SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS - TE DEPARTAMENTO DE VALORAÇAO PARA EMPREENDIMENTOS - TEV COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO SABESP BANCO DE PREÇOS DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA BRO/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS - TE DEPARTAMENTO DE VALORAÇAO PARA

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO DE RUA COM LAJOTA DE CONCRETO SEXTAVADA E CALÇADA EM CONCRETO

PAVIMENTAÇÃO DE RUA COM LAJOTA DE CONCRETO SEXTAVADA E CALÇADA EM CONCRETO PREFEITURA MUNICIPAL DE ASCURRA ESTADO DE SANTA CATARINA CNPJ: 83.102.772/0001-61 PAVIMENTAÇÃO DE RUA COM LAJOTA DE CONCRETO SEXTAVADA E CALÇADA EM CONCRETO LOCAL: EM PARTE DA RUA RIBEIRÃO SÃO PAULO CONTEÚDO:

Leia mais

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: CREA/UF: Autor do Projeto Resp. Técnico: CREA/UF: Co-Autor: CREA/UF: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo SUMÁRIO DO PROJETO TORRE 5: 100% executado 95% executado - Revestimento fachada; - 100% concluído - Aplicação de textura; - 95% concluído -

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

Proprietário Página 1 de 6

Proprietário Página 1 de 6 MEMORIAL DESCRITIVO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO ACOPIARA PREFEITURA MUNICIPAL DE ACOPIARA(CE) DATA 10/11/2011 MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

U H E S Ã O S A LVA D O R

U H E S Ã O S A LVA D O R SÃO SALVADOR Estudo de impacto ambiental U H E S Ã O S A LVA D O R Anexos Volume IV Anexo A A-1 Anexo A. Capítulo I Caracterização do empreendimento Anexo A A-2 A1. Fases de Desvio do rio Tocantins para

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo: TORRE 5 100% executado 98% executado - Revestimento fachada; 100% concluído - Aplicação de textura; 100% concluído - Execução do telhado; 100%

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

Obras-de-arte especiais - escoramentos

Obras-de-arte especiais - escoramentos MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D

3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D 3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D Com finalidade de avaliar alguns aspectos da metodologia BIM e algumas das ferramentas computacionais envolvidas, buscou-se um projeto de engenharia

Leia mais

Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente

Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente 151 Com a intenção de mostrar ao empresariado opções simples de adaptação do ambiente de trabalho para o deficiente físico, sugerimos em seguida

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA - DEN

DIRETORIA DE ENGENHARIA - DEN 01 CANTEIRO DE OBRAS 0,00 CANTEIRO DE OBRAS EM BARRACÃO PARA ESCRITÓRIO TIPO A5, CONSTANDO DE CERCA DE 6 FIOS, BARRACÃO ABERTO, SANITÁRIOS E CHUVEIROS, REFEITÓRIO, ALOJAMENTO E MOBILIZAÇÃO E 01.01 DESMOBILIZAÇÃO

Leia mais

SINALIZAÇÃO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL DIRTEC

SINALIZAÇÃO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL DIRTEC Rev. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 DIRTEC ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-SUL-007.04 Rev. 12 CIA DE GÁS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 de 15 REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda. PAC/BNDES BACIA C Jardim Esmeralda Vila Planalto Jardim Novo Horizonte BACIA

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montagem Paredes com estrutura metálica W11 Construção A paredes consistem de uma estrutura metálica revestida com uma mais s de gesso, aparafusadas de ambos os lados. A estrutura metálica

Leia mais

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÃO TEORIA EC8P30/EC9P30 FUNDAÇÕES PROFUNDAS 1 semestre/2012 1. ESTACAS DE DESLOCAMENTO São aquelas introduzidas no terreno através de algum processo

Leia mais

DNIT. Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento /2009 NORMA DNIT - PRO

DNIT. Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento /2009 NORMA DNIT - PRO DNIT /2009 NORMA DNIT - PRO Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PROJETO ARQUITETÔNICO SÍMBOLOS GRÁFICOS PASSOS PARA MONTAGEM DE PLANTA BAIXA: 1. Deve-se estimar o tamanho

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ductilfort são uma linha em PVC dúctil utilizada na construção de redes para condução de água. Perfeitamente intercambiáveis às tubulações de ferro

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE 001 - Construção do Contorno Ferroviário de Curitiba AUTOR DA Luciano Ducci 37050001 539 0141 - Promover a expansão da malha ferroviária federal

Leia mais

SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes

SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes Engº José Luiz de Paula Eduardo Engº Roberto Nahas I - ESCOLHA DO TIPO DE FUNDAÇÃO I - ESCOLHA DO TIPO DE FUNDAÇÃO 1.Elementos

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 O que são?: São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Vila Olinda Parque Universitário Sinalização ao longo das

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Vila Olinda Instalações dos dispositivos de sinalização para

Leia mais

Estaca Strauss CONCEITO

Estaca Strauss CONCEITO CONCEITO A estaca Strauss é uma fundação de concreto (simples ou armado), moldada no local e executada com revestimento metálico recuperável. Pode ser empregada em locais confinados ou terrenos acidentados,

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 2a. parte: ECONÔMICA-ESTUDO DE CASO KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br UNIVERSIDADE

Leia mais

O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 70 a 250 cm. www.geoplast.it

O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 70 a 250 cm. www.geoplast.it O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 7 a 25 cm www.geoplast.it ELEVETOR O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 7 a 25 cm ELEVETOR é um sistema combinado de cofragens

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo LocatelliLtda PAC/OGU BACIA LUZ D AYARA Sinalização das ruas onde serão realizadas as escavações

Leia mais

Id Nome da tarefa Duração %

Id Nome da tarefa Duração % 1 PONTE SOBRE O RIO TOCANTINS - Projeto de Reforço Estrutural 1667 dias 6% Qui 01/12/11 2 PRODUTOS FEL 3 797 dias 51% Qui 01/12/11 3 Escopo do projeto 390 dias 100% Qui 01/12/11 4 FCE 5 dias 100% Qui 01/12/11

Leia mais

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações DEFESA CIVIL - ES Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações NR- 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais