Regras de validação do APLIC para 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regras de validação do APLIC para 2015"

Transcrição

1 Regras de validação do APLIC para 2015 Obs.1: Este documento contém as regras de validação divulgadas em Obs.2: Além das regras contidas neste documento, podem existir regras de validação oriundas de textos contidos no Anexo I Leiaute das Tabelas do APLIC. Obs.3: As regras de validação que constam como e que possuem conteúdo na coluna serão convertidas para na data indicada. ATI Ativo ER52 ATI01 O total de bens imóveis registrados na contabilidade ( ) deve ser igual aos bens registrados na tabela BENS_IMOVEIS, considerando as baixas, exceto as depreciações (BAIXA_BENS_IMOVEIS, todas as modalidades, exceto a 6). Obs.1: Na carga inicial esta regra tratada como ALERTA, já que as depreciações não estão separadas em bens móveis e imóveis nas contas contábeis do APLIC. A regra está sendo flexibilizada, assim, não há impacto no envio de arquivos da carga inicial que impossibilitasse o envio, pois as UG's teriam a opção de enviar o saldo das contas do ativo permanente, já deduzidas das depreciações. Nas cargas mensais, a regra considera apenas as informações enviadas no mês, sem levar em consideração as informações enviadas anteriormente. Obs.2: flexibilizada para o envio da Carga Inicial. O total de bens imóveis registrados na contabilidade ) => Saldo R$ 99999,99) está diferente da soma dos bens registrados na tabela BENS_IMOVEIS, considerando as baixas, exceto as depreciações (BAIXA_BENS_IMOVEIS, todas as modalidades, exceto a 6 Saldo R$ ,99) erro 2011 ATI02 O total de bens móveis registrados na contabilidade O total de bens móveis registrados na contabilidade erro 2011 ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 1/31

2 ATI03 ATI04 ( e ) deve ser igual aos bens registrados na tabela BENS_MOVEIS, considerando as baixas, exceto as depreciações (BAIXA_BENS_MOVEIS, todas as modalidades, exceto a 8) e as reavaliações para menos ou para mais ITEM_REAVALIACAO_BENS_MOVEIS, campos IRVMOV_Valor e IRVMOV_ResultadoAvaliacao ou igual a soma dos bens registrados na tabela BENS_MOVEIS, considerando as baixas, exceto as depreciações (BAIXA_BENS_MOVEIS, todas as modalidades, exceto a 8) e a tabela ITEM_COMODATO_BENS_MOVEIS (ICOMD_Tipo = 2 Recebido). Obs.1: A verificação é realizada sem considerar e considerando a tabela ITEM_COMODATO_BENS_MOVEIS (ICOMD_Tipo = 2 Recebido). Obs.2: Na carga inicial esta regra tratada como ALERTA, já que as depreciações não estão separadas em bens móveis e imóveis nas contas contábeis do APLIC. A regra está sendo flexibilizada, assim, não há impacto no envio de arquivos da carga inicial que impossibilitasse o envio, pois as UG's teriam a opção de enviar o saldo das contas do ativo permanente já deduzidas das depreciações. Nas carga mensais, a regra considera apenas as informações enviadas no mês, sem levar em consideração as informações enviadas anteriormente. Obs.3: flexibilizada para o envio da Carga Inicial. A soma dos saldos das contas bancárias registrado na contabilidade( exceto as contas ) está diferente da soma dos saldos bancários informados na tabela MOVIMENTO_BANCO. A soma do saldo de caixa registrado na contabilidade ( ) deverá ser igual ao saldo do caixa informado na tabela MOVIMENTO_CAIXA. ( e Saldo R$ ,99) está diferente da soma dos bens registrados na tabela BENS_MOVEIS, considerando as baixas, exceto as depreciações (BAIXA_BENS_MOVEIS, todas as modalidades, exceto a 8 Saldo R$ ,99). A soma dos saldos das contas bancárias registrado na contabilidade ( exceto as contas Saldo R$ ,99) está diferente da soma dos saldos bancários informados na tabela MOVIMENTO_BANCO (R$ ,99). A soma do saldo de caixa registrado na contabilidade ( ) está diferente do saldo do caixa informado na tabela MOVIMENTO_CAIXA Inicial e Inicial e erro 2011 erro 2011 ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 2/31

3 ATI05 O saldo contábil da Dívida Ativa Tributária ( ) deve ser igual ao informado na tabela INSCRICAO_DIV_ATIVA_TRIBUT, considerando as baixas (BAIXA_DIV_ATIVA_TRIBUT) ATI06 ATI07 CON CON01 O saldo contábil da Dívida Ativa Não Tributária ( ) deve ser igual ao informado na tabela INSCRICAO_DIV_ATIVA_NAO_TRIBUT, considerando as baixas (BAIXA_DIV_ATIVA_NAO_TRIBUT) Caso o veículo seja vinculado a algum termo de comodato (ITEM_COMODATO_BENS_MOVEIS, campo ICOMD_Tipo = 1-cedido e VEIC_Identificacao), na tabela VEICULO, o campo 'VEIC_Propriedade' deverá ser informado como '2-comodato'. Obs.: Regra necessária conforme situação identificada em algumas UG's (exemplo: CM Cláudia em 2011) que enviaram um veículo vinculado a um termo de comodato e ainda informaram na tabela veículo que a propriedade do mesmo é 'Própria UG' em vez de 'comodato'. Obs.: Divulgada na minuta em 17/04/2012. Contabilidade O saldo anterior da conta contábil (tabela MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL) deverá ser igual ao saldo atualizado conforme os envios anteriores. CON02 As contas com tipo de encerramento igual a 1 Transfere Saldo devem possuir lançamentos do tipo Abertura de exercício. (R$ ,99). O saldo contábil da Dívida Ativa Tributária ( R$ ,99) deve ser igual ao informado na tabela INSCRICAO_DIV_ATIVA_TRIBUT (R$ ,99) subtraindo as baixas (R$ 99999,99) O saldo contábil da Dívida Ativa Tributária ( R$ ,99) deve ser igual ao informado na tabela INSCRICAO_DIV_ATIVA_NAO_TRIBUT (R$ ,99) subtraindo as baixas na tabela BAIXA_DIV_ATIVA_NAO_TRIBUT(R$ 99999,99) O saldo anterior da conta contábil (tabela MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL R$ 99999,99) está divergente do saldo atualizado conforme os envios anteriores (R$ ,99). As contas com tipo de encerramento igual a 1 Transfere Saldo devem possuir lançamentos do tipo Abertura de exercício. Inicial e Inicial e Inicial e erro 2011 erro alerta 2011 Carga Inicial erro 2011 ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 3/31

4 CON03 O saldo atual de cada conta contábil não pode ser negativo (invertido), considerando o saldo anterior e o movimento mensal, conforme a natureza de cada conta contábil obedecendo a seguinte fórmula: a) Conta Natureza Credora Saldo Atual = Saldo do dia Anterior + Movimento Credor do dia Movimento Devedor do dia b) Conta Natureza Devedora Saldo Atual = Saldo do dia Anterior + Movimento Devedor do dia Movimento Credor do dia Obs.: exceto para a conta e suas filhas, e suas filhas, além das contas contábeis , GER1 CON04 A soma das contas filhas devem corresponder ao total das contas mães. GER2 CON05 Na carga inicial devem ser recebidos somente os grupos 1 e 2 (ativo e passivo). Obs.: No início já era assim, no entanto, posteriormente foi alterado no sistema para permitir o recebimento das contas 5 e 6 (resultado). O sistema voltará a receber apenas os grupos 1 e 2 na carga inicial, porque as contas de resultado devem ser encerradas no final do exercício, transferindo-se o saldo para as contas do patrimônio líquido (2.4.). O sistema deverá aceitar na carga inicial os seguintes grupos de contas , , , , , e , , e GER3 CON06 Nas cargas mensais, considerando-se apenas os lançamentos contábeis do tipo Movimento mensal (tabela MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL), para cada sistema (financeiro, orçamentário, compensação e patrimonial), separadamente, o total de créditos deve ser A conta XXXXXXX apresentou saldo atual (R$ 99999,99) indevidamente, pois está negativo (natureza da conta invertida) considerando o saldo anterior (R$ 99999,99), o movimento devedor (R$ 99999,99) e o movimento credor (R$ 99999,99). A soma das contas filhas não correspondem ao total das contas mães. Na carga inicial devem ser recebidos somente os grupos 1 e 2 (ativo e passivo), porque as contas de resultado devem ser encerradas no final do exercício, transferindo-se o saldo para as contas do patrimônio líquido (2.4.). O total de créditos deve ser igual ao total de débitos, considerando-se apenas os lançamentos contábeis do tipo Movimento mensal (tabela MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL), para cada sistema (financeiro, orçamentário, compensação e erro 2011 Todas erro out/ Todas erro out/ Todas erro out/ ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 4/31

5 igual ao total de débitos. Já nas cargas das peças de planejamento e inicial, a soma dos lançamentos contábeis de crédito deve ser igual à soma dos débitos (tabela MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL). Obs: Esta regra foi alterada para que nas cargas mensais fossem considerados apenas os lançamentos contábeis do tipo Movimento mensal. Já nas peças de planejamento e na carga inicial, a regra foi alterada para que a comparação fosse geral e não por sistema, isoladamente. CON07 O saldo das contas transitórias (Grupo ) devem ser igual a zero. (Tabelas MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL e LANCAMENTO_CONTABIL_DIARIO_TCE). CON08 DES As contas transitórias (Grupo ) devem ser remetidas somente nas cargas: Peças de Planejamento e Carga Inicial (Tabelas MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL e LANCAMENTO_CONTABIL_DIARIO_TCE). Despesas DES1 DES01 Nos Informes mensais, o saldo do movimento contábil de despesa (tabela MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL), para cada dotação orçamentária até o nível de elemento de despesa, deve ser igual à soma das despesas liquidadas (tabelas LIQUIDACAO_EMPENHO e ANULACAO_LIQUIDACAO_EMPENHO) com a inscrição em restos a pagar não-processados (tabela INSCRICAO_RESTO_PAGAR). DES2 DES02 A conta (CRÉDITO EMPENHADO INSCRITO EM RESTOS A PAGAR) só deve possuir lançamentos contábeis no informe de dezembro. patrimonial), separadamente. Já nas cargas das peças de planejamento e inicial, a soma dos lançamentos contábeis de crédito deve ser igual à soma dos débitos (tabela MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL). O saldo das contas transitórias (Grupo ) devem ser igual a zero: Peças de Planejamento e Carga Inicial. Conta 9XXXXXXXXXX: R$ 0,00 As contas transitórias (Grupo ) devem ser remetidas somente nas cargas: Peças de Planejamento e Carga Inicial (Tabelas MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL e LANCAMENTO_CONTABIL_DIARIO_TCE). O saldo do movimento contábil de despesa (tabela MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL), para a dotação (R$ ,99) está divergente da soma das despesas liquidadas (tabelas LIQUIDACAO_EMPENHO e ANULACAO_LIQUIDACAO_EMPENHO) com a inscrição em restos a pagar não-processados (tabela INSCRICAO_RESTO_PAGAR) R$ ,99. A conta contábil (CRÉDITO EMPENHADO INSCRITO EM RESTOS A PAGAR) só deve possuir lançamentos em 31/12/AAAA. Peças de Planejame nto e Carga Inicial. Jan/ Jan/ erro OUT/ Inicial e erro OUT/ ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 5/31

6 DES3 DES03 No informe de dezembro, o saldo da conta (CRÉDITO EMPENHADO - A LIQUIDAR) deverá ser igual ao saldo da conta (zero), considerando toda movimentação anual. DES4 DES04 Nos Informes mensais, o valor empenhado por função de despesa (tabelas EMPENHO e ANULACAO_EMPENHO) deverá ser igual à soma dos movimentos credores menos os movimentos devedores das contas filhas de (CRÉDITO EMPENHADO - A LIQUIDAR), (CRÉDITO EMPENHADO EM LIQUIDAÇÃO), (CRÉDITO EMPENHADO LIQUIDADO), (CRÉDITO EMPENHADO INSCRITO EM RESTOS A PAGAR) da tabela MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL e (CRÉDITO EMPENHADO LIQUIDADO PAGO). DES5 DES05 Nos Informes mensais, por função de despesa, o valor liquidado (tabela LIQUIDACAO_EMPENHO) subtraindo as anulações de liquidação (ANULACAO_LIQUIDACAO_EMPENHO) deverá ser igual ao movimento credor menos o movimento devedor das contas filhas de (CRÉDITO EMPENHADO - LIQUIDADO) e (CRÉDITO EMPENHADO LIQUIDADO PAGO) da tabela MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL. DES6 DES06 Nos Informes mensais de janeiro a novembro, por função de despesa, a soma das anulações de empenhos (tabela ANULACAO_EMPENHO) com as liquidações (LIQUIDACAO_EMPENHO) deverá ser igual ao movimento devedor das contas filhas de (CRÉDITO EMPENHADO - A LIQUIDAR). DES7 DES07 A anulação de empenho só poderá ocorrer caso exista a anulação da liquidação, sendo que o controle é realizado No informe de dezembro, o saldo da conta (CRÉDITO EMPENHADO - A LIQUIDAR) deverá ser igual ao saldo da conta (zero). O valor empenhado por função de despesa deverá ser igual à soma dos saldos das contas filhas de , , , da tabela MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL. O valor liquidado por função de despesa deverá ser igual ao saldo das contas filhas de da tabela MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL. A soma das anulações de empenhos, por função de despesa, com as liquidações deverá ser igual ao movimento devedor das contas filhas de Não se pode anular um empenho que já tenha sido liquidado. Verifique se foi enviada a anulação da de Dezembro erro OUT/ erro OUT/ erro OUT/ (de janeiro a novembro) erro OUT/ erro OUT/ ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 6/31

7 pelo valor. DES8 DES08 A anulação da liquidação só poderá ocorrer caso exista o estorno do pagamento, sendo que o controle é realizado pelo valor. DES09 DES10 DES11 DES12 DES13 Se na tabela ITEM_LIQUIDACAO_EMPENHO for informado o elemento 36 e subelemento 22 ou elemento 39 e subelemento 16 e caso o campo EMP_ TipoServicoEngenharia da tabela EMPENHO esteja preenchido com 4, deverá ser enviada a tabela EMPENHO_OBRA_PROJETO. O valor da tabela PAGAMENTO_EMPENHO deverá ser igual a soma dos valores informados na tabela PAGAMENTO_EMPENHO_DOCUMENTO. Na carga mensal relativa à abertura do concurso público em que a forma de contratação seja com contrato formal (CONCAR_TipoContratacao = 2-Prestação de Serviços com contrato formal deverá existir um contrato vinculado ao concurso. As despesas nos elementos de despesa 30 Material de Consumo e 52 Equipamentos e Material Permanente (LIQUIDACAO_EMPENHO) deverão estar vinculadas a uma Nota Fiscal Eletrônica NF-e (NOTA_FISCAL, campo NTFSC_NumeroNFE). Na carga mensal relativa à abertura do concurso em que a forma de contratação seja com contrato formal(concar_tipocontratacao = 2) ou em meses liquidação, pois o valor do empenho com as anulações é de R$ ,99 e o valor liquidado com as anulações é de R$ ,99. Não se pode anular uma liquidação que já tenha sido paga. Verifique se foi enviada a anulação do pagamento, pois o valor da liquidação com as anulações é de R$ ,99 e o valor pago com as anulações é de R$ ,99. A tabela EMPENHO_OBRA_PROJETO não foi enviada e ela é obrigatória se na tabela ITEM_LIQUIDACAO_EMPENHO for informado o elemento 36 e subelemento 22 ou elemento 39 e subelemento 16 e caso o campo EMP_ TipoServicoEngenharia da tabela EMPENHO esteja preenchido com 4. O valor da tabela PAGAMENTO_EMPENHO (R$ 99999,99) está divergente da soma dos valores informados na tabela PAGAMENTO_EMPENHO_DOCUMENTO (R$ ,99). Na carga mensal relativa à abertura do concurso público em que a forma de contratação seja com contrato formal (CONCAR_TipoContratacao = 2- Prestação de Serviços com contrato formal deverá existir um contrato vinculado ao concurso. As liquidações (chave da tabela LIQUIDACAO_EMPENHO) não estão vinculadas a uma Nota Fiscal Eletrônica NF-e. Foi informado nos arquivos de envio imediato o concurso público ou processo seletivo simplificado ou processo seletivo público nº XX com forma de erro OUT/ erro 2011 erro 2011 alerta 2011 alerta DEZ/2010 erro 2011 ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 7/31

8 DES14 DES15 DIV anteriores, deverá existir um contrato vinculado ao concurso. As liquidações nos elementos de despesa 30 e 52 devem estar vinculadas a uma Nota Fiscal Eletrônica(NF-e). Nos Informes mensais, por função de despesa, o valor liquidado (tabela LIQUIDACAO_EMPENHO) subtraindo as anulações de liquidação (ANULACAO_LIQUIDACAO_EMPENHO) deverá ser igual ao movimento credor menos o movimento devedor das contas filhas de (CRÉDITO EMPENHADO - LIQUIDADO) e (CRÉDITO EMPENHADO LIQUIDADO PAGO) da tabela MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL. Dívida Pública (fundada e flutuante) DIV2 DIV02 A partir de 2011, devido à criação das contas e suas filhas, a regra será alterada para: No final do exercício, a soma das Inscrições em Restos a Pagar Processados no exercício (INSCRICAO_RESTO_PAGAR) (R$ ,99) deverá ser igual ao movimento credor da conta (R$ ,99), sem considerar os lançamentos do tipo estorno, sem considerar os lançamentos do tipo estorno e igual ao movimento devedor da conta (R$ ,99), sem considerar os lançamentos do tipo estorno e a partir de 2012, também deverá ser igual ao saldo da conta Crédito Empenhado Liquidado (R$ ,99). Obs.: Correção da regra para excluir a conta contratação igual a Contrato formal e na carga mensal correspondente à abertura ou em meses anteriores não foi enviado o contrato vinculado a este concurso (CONTRATO, campos CONC_Numero e CONC_Tipo). Esta liquidação refere-se a uma despesa nos elementos 30 e 52 cuja operação tem incidência do ICMS e conforme regras estipuladas pela SEFAZ- MT, o documento fiscal válido é uma NF-e Nota Fiscal Eletrônica e a mesma não foi enviada. No final do exercício de 2010, o saldo da conta Crédito Empenhado Liquidado, subtraindo os pagamentos (PAGAMENTO_EMPENHO_LIQUIDACAO) e somando os estornos de pagamento (ANULACAO_PAGAMENTO_EMPENHO) (R$ ,99) deve ser igual à soma das Inscrições em Restos a Pagar Processados no exercício (INSCRICAO_RESTO_PAGAR) R$ ,99. de Dezembro alerta 2011 erro 2011 erro 12/2010 ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 8/31

9 que representa restos a pagar não processados e não deveria estar na comparação. Situação identificada pelo RPPS Campo Verde (SERPREL), além de flexibilizar a comparação com a conta pois não estava claro no Elenco de contas que nos pagamentos, deveria haver movimento devedor na conta e credor na conta DIV3 DIV03 No Informe mensal de dezembro, para cada função de despesa, o total de inscrição de restos a pagar nãoprocessados (INSCRICAO_RESTO_PAGAR) deverá ser igual ao saldo contábil da conta Obs.: Esta regra de validação foi alterada para que fossem comparados, para cada função de despesa, apenas os restos a pagar não-processados na tabela INSCRICAO_RESTO_PAGAR, além do movimento contábil, na qual a comparação passa a ser com o saldo contábil. DIV4 DIV04 Só deverá existir registro na tabela INSCRICAO_RESTO_PAGAR e na conta em 31 de dezembro. Durante o exercício, com exceção de 31 de dezembro, só deverá existir movimento credor nas contas contábeis de obrigações de restos a pagar (tabela MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL, contas e ) se existir um estorno de pagamento de restos a pagar (tabela MOVIMENTO_RESTO_PAGAR, campo TMOVRP_ModalidadeMovimento = 5 e 8). DIV05 O saldo da conta Crédito Empenhado Inscrito em Restos a Pagar deve ser igual à soma das Inscrições em Restos a Pagar Não-Processados no exercício (INSCRICAO_RESTO_PAGAR) e igual ao movimento credor da conta , sem O total de inscrição de restos a pagar nãoprocessados (INSCRICAO_RESTO_PAGAR) para a função 99 é de R$ ,99 e está divergente do saldo contábil da conta Há Inscrições em restos a Pagar (conta R$ ,99 e R$ 99999,99) em data diferente de 31/12/AAAA. Ou Há movimento credor nas contas contábeis de obrigações de restos a pagar (tabela MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL, contas e ) sem existir um estorno de pagamento de restos a pagar (tabela MOVIMENTO_RESTO_PAGAR, campo TMOVRP_ModalidadeMovimento = 5 e 8). O saldo da conta Crédito Empenhado Inscrito em Restos a Pagar (R$ 99999,99) deve ser igual à soma das Inscrições em Restos a Pagar Não-Processados no exercício (INSCRICAO_RESTO_PAGAR) (R$99999,99) e de Dezembro Inicial e erro OUT/ out/ ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 9/31

10 DIV06 DIV07 considerar os lançamentos do tipo estorno e igual ao movimento devedor da conta , sem considerar os lançamentos do tipo estorno. Para cada função de despesa, o saldo contábil de Crédito Empenhado a Liquidar somado ao saldo contábil da conta Crédito Empenhado Inscrito em Restos a Pagar deve ser igual ao valor dos empenhos (EMPENHO) subtraindo as anulações de empenho (ANULACAO_EMPENHO) e as liquidações (LIQUIDACAO_EMPENHO) e somando os estornos de liquidação (ANULACAO_LIQUIDACAO_EMPENHO). Na Carga de dezembro, para cada função de despesa e considerando todo o exercício, o valor líquido das liquidações (LIQUIDACAO_EMPENHO ANULACAO_LIQUIDACAO_EMPENHO) subtraindo o valor líquido das retenções na liquidação (DESCONTO_LIQUIDADO ANULACAO_ESTORNO_DESC_LIQUIDAD), o valor líquido dos pagamentos (PAGAMENTO_EMPENHO_LIQUIDACAO ANULACAO_PAGAMENTO_EMPENHO) e somando o valor líquido das retenções registradas no pagamento (DESCONTO_LIQUIDADO_PAGO - ANULACAO_ESTORNO_DESC_LIQ_PAGO) (R$ 99999,99) deve ser igual à soma das Inscrições em Restos a Pagar Processados no exercício (INSCRICAO_RESTO_PAGAR). A partir de 14/02/2012: Obs.: o sistema realiza o teste também sem considerar o valor líquido das retenções registradas no pagamento igual ao movimento credor da conta (R$ 99999,99), sem considerar os lançamentos do tipo estorno e igual ao movimento devedor da conta (R$ 99999,99), sem considerar os lançamentos do tipo estorno. Para cada função de despesa, o saldo contábil de Crédito Empenhado a Liquidar (R$99999,99) somado ao saldo contábil da conta Crédito Empenhado Inscrito em Restos a Pagar (R$99999,99) está divergente do valor dos empenhos (EMPENHO) subtraindo as anulações de empenho (ANULACAO_EMPENHO) e as liquidações (LIQUIDACAO_EMPENHO) e somando os estornos de liquidação (ANULACAO_LIQUIDACAO_EMPENHO). 1 - Na competência de dezembro, Para cada função de despesa e considerando todo o exercício, o valor líquido das liquidações(liquidacao_empenho ANULACAO_LIQUIDACAO_EMPENHO) subtraindo o valor líquido das retenções na liquidação(desconto_liquidado ANULACAO_ESTORNO_DESC_LIQUIDAD), o valor líquido dos pagamentos(pagamento_empenho_liquidac AO ANULACAO_PAGAMENTO_EMPENHO) e somando o valor líquido das retenções registradas no pagamento(desconto_liquidado_pago - ANULACAO_ESTORNO_DESC_LIQ_PAGO) deve ser igual à soma das Inscrições em Restos a Pagar Processados no exercício(inscricao_resto_pagar). 2 - Na competência de dezembro, para cada função de despesa e considerando todo o exercício, o valor líquido das liquidações(liquidacao_empenho ANULACAO_LIQUIDACAO_EMPENHO) subtraindo erro 2011 de Dezembro até 15/03 e alerta a partir de 15/ ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 10/31

11 (DESCONTO_LIQUIDADO_PAGO ANULACAO_ESTORNO_DESC_LIQ_PAGO) e caso funcione, o sistema valida com sucesso. A partir de 08/03/2012: Obs.: o sistema realiza também o teste sem considerar o valor líquido das retenções registradas na liquidação (DESCONTO_LIQUIDADO ANULACAO_ESTORNO_DESC_LIQUIDAD) e caso funcione, o sistema valida com sucesso. A partir de 15/03/2012 A regra de validação foi transformada em ALERTA para o exercício de 2011 em 15/03/2012 devido às reclamações dos fiscalizados sobre a dificuldade em corrigir as informações. O TCE-MT entende que a regra de validação está consistente e que até 15/03 às 10:48, 309 UG's enviaram a carga mensal de dezembro/2011, mas diante das dificuldades constatadas, entende que a flexibilização da regra é a melhor medida para o momento. ER60 DIV08 Os valores de precatórios que compõem a dívida fundada informados na contabilidade ( , , , , , , , ) devem ser iguais ao saldo informado na tabela DIVIDA_PUBLICA_SALDO informado na carga inicial, subtraindo as baixas (MOVIMENTO_DIVIDA_PUBLICA, campo MDVPB_Tipo = 2 ou 3 ou 4 ou 5) para o tipo 11 Precatórios e somando a correção monetária (MOVIMENTO_DIVIDA_PUBLICA, campo MDVPB_Tipo = 1). DIV09 Os valores de adiantamento recebidos que compõem a dívida fundada informados na contabilidade o valor líquido das retenções na liquidação(desconto_liquidado ANULACAO_ESTORNO_DESC_LIQUIDAD), o valor líquido dos pagamentos(pagamento_empenho_liquidac AO ANULACAO_PAGAMENTO_EMPENHO) deve ser igual à soma das Inscrições em Restos a Pagar Processados no exercício(inscricao_resto_pagar). 3 - Na competência de dezembro, para cada função de despesa e considerando todo o exercício, o valor líquido das liquidações(liquidacao_empenho ANULACAO_LIQUIDACAO_EMPENHO) subtraindo o valor líquido dos pagamentos(pagamento_empenho_liquidac AO ANULACAO_PAGAMENTO_EMPENHO) deve ser igual à soma das Inscrições em Restos a Pagar Processados no exercício(inscricao_resto_pagar). Os valores de precatórios que compõem a dívida fundada informados na contabilidade ( , , , , , , , R$ 99999,99) estão diferentes do saldo informado na tabela DIVIDA_PUBLICA_SALDO para o tipo 11 Precatórios (R$ ,99). Os valores de adiantamento recebidos que compõem a dívida fundada informados na Inicial e Inicial e erro 2011 erro 2011 ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 11/31

12 ( e ) devem ser iguais ao saldo informado na tabela DIVIDA_PUBLICA_SALDO informado na carga inicial, subtraindo as baixas (MOVIMENTO_DIVIDA_PUBLICA, campo MDVPB_Tipo = 2 ou 3 ou 4 ou 5) para o tipo 14 adiantamento recebidos e somando a correção monetária (MOVIMENTO_DIVIDA_PUBLICA, campo MDVPB_Tipo = 1). ER58 DIV10 Os valores da dívida fundada informados na contabilidade ( e ) devem ser iguais ao saldo informado na tabela DIVIDA_PUBLICA_SALDO informado na Carga Inicial, subtraindo as baixas (MOVIMENTO_DIVIDA_PUBLICA, campo MDVPB_Tipo = 2 ou 3 ou 4 ou 5) para todos os tipos, exceto 01 ARO, 11 Precatório e 14 Adiantamentos Recebidos e somando a correção monetária (MOVIMENTO_DIVIDA_PUBLICA, campo MDVPB_Tipo = 1). DIV11 EEX O valor do estorno de pagamento e cancelamento (tabela MOVIMENTO_RESTO_PAGAR, tipo = 5 e 8) deve ser igual ao movimento credor de estorno na contabilidade (MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL_TCEMT, conta e e filhas TMC_Codigo = 6, MCC_ValorCredito). Além disso, o valor do estorno de liquidação (tabela MOVIMENTO_RESTO_PAGAR, tipo = 9) deve ser igual ao movimento devedor do estorno na contabilidade (MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL_TCEMT, conta , TMC_Codigo = 6, MCC_ValorDebito). EEX - Regras de Consistência para Encerramento de Exercício contabilidade ( e R$ ,99) estão diferentes do saldo informado na tabela DIVIDA_PUBLICA_SALDO para o tipo 14 Adiantamentos Recebidos. Os valores da dívida fundada informados na contabilidade ( e R$ 99999,99) estão diferentes do saldo informado na tabela DIVIDA_PUBLICA_SALDO (todos os tipos, exceto 01 ARO, 11 Precatório e 14 Adiantamentos Recebidos Saldo R$ 99999,99) O valor do estorno (tabela MOVIMENTO_RESTO_PAGAR, tipo = 5 R$ ,99) está divergente do valor do estorno na contabilidade (MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL_TCEMT, conta , TMC_Codigo = 6 R$ ,99) Inicial e erro 2011 erro 2011 EEX1 e EEX01 As contas com tipo encerramento igual a 2 Encerra A conta possui o atributo 'Tipo de erro 2012 ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 12/31

13 EEX2 saldo devem possuir lançamentos do tipo encerramento do exercício EEX02 As contas com tipo encerramento diferente de "2 - Encerra saldo" não devem possuir lançamentos do tipo encerramento do exercício(tmc_codigo = 3). EEX3 EEX03 As contas 3 e 4 encerram os saldos no final do exercício, obedecendo ao seguinte esquema: 1. Para os tipos de administração 1 a 4 As contas devedoras (3) deverão ser creditadas e debitadas nas contas abaixo obedecendo ao esquema a seguir definido: (a) Para as contas do tipo 3XXX1XXXXXXX) o crédito será realizado na conta ; (b) Para as contas do tipo 3XXX2XXXXXXX) o crédito será realizado na conta ; (c) Para as contas do tipo 3XXX3XXXXXXX) o crédito será realizado na conta ; (d) Para as contas do tipo 3XXX4XXXXXXX) o crédito será realizado na conta ; (e) Para as contas do tipo 3XXX5XXXXXXX) o crédito será realizado na conta ; 2. Para os tipos de administração 5 a 6 As contas devedoras (3) deverão ser creditadas e debitadas nas contas abaixo obedecendo ao esquema a seguir definido: (a) Para as contas do tipo 3XXX1XXXXXXX) o crédito será realizado na conta ; (b) Para as contas do tipo 3XXX2XXXXXXX) o crédito será realizado na conta ; (c) Para as contas do tipo 3XXX3XXXXXXX) o crédito será realizado na conta ; (d) Para as contas do tipo 3XXX4XXXXXXX) o crédito será realizado na conta ; encerramento' igual a 2 Encerra saldo, portanto, deve possuir lançamento(s) do tipo encerramento do exercício. A conta possui o atributo 'Tipo encerramento' diferente de "2 - Encerra saldo", portanto, não deve deve possuir lançamentos do tipo encerramento do exercício(tmc_codigo = 3). As contas 3, 4, 5 e 6 devem encerrar os saldos no final do exercício. Dezembro de Dezembro de dezembro erro 2012 erro 2011 ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 13/31

14 (e) Para as contas do tipo 3XXX5XXXXXXX) o crédito será realizado na conta ; EEX04 ER ER005 Regra EEX04 - No final do exercício, as seguintes contas contábeis devem possuir saldo igual a 0 (zero): DESPESAS EMPENHADAS EM LIQUIDAÇÃO. 2.Todas as contas dos grupos 3, 4, 5 e 6 que encerram saldo (após o encerramento das contas resultado), exceto as contas , e As contas 21XXX Obrigações Financeiras a Pagar Obs.: Orientação apenas para incluir as contas filhas da conta , no intuito de facilitar a descoberta do erro que deverá ser corrigido. s Gerais Para cada lançamento contábil das contas filhas, deve existir um lançamento nas contas pai. No final do exercício, as seguintes contas contábeis devem possuir saldo igual a 0 (zero): a) (R$ 99999,99) b) 3XXXXXXXXXXX (R$ 99999,99) c) 4XXXXXXXXXXX (R$ 99999,99) d) 5XXXXXXXXXXX (R$ 99999,99) e) 6XXXXXXXXXXX (R$ 99999,99) Esperado lancamento na conta pai: ' p_descricaoerro de Dezembro erro 12/2010 erro 2005 ER007 Para cada lançamento contábil da conta pai, devem exisitir lançamentos nas contas filhas cuja soma correponda ao lançamento da conta pai. Não encontrado filhos da conta pai: ' p_descricaoerro. Todas erro 2005 ER018 Para cada conciliação bancária informada na tabela CONCILIACAO_BANCARIA é obrigatório informar, no mínimo, as ocorrências 1 - Saldo conforme extrato bancário e 6 - Saldo conforme contabilidade. ER021 Nas contas bancária da própria UG (CONTA_BANCARIA, campo CB_ContaUG for: S-Sim) deve ser informada uma conta contábil analítica filha da conta ou ou ou ou É necessário informar na tabela conciliação bancária as ocorrências: 1 - Saldo conforme extrato bancário e 6 - Saldo conforme contabilidade para essa conta bancária. A conta informada deve ser filha (analítica) das contas , , , ou erro 2009 Inicial e erro 2010 ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 14/31

15 Ex.: Se a conta for do RPPS, deve-se informar ER023 O campo LIQ_TipoDocumentoHabil (tabela LIQUIDACAO_EMPENHO) deve ser preenchido para os elementos de despesa (30,32,35,36,37,38,39,51,52,62). O campo LIQ_TipoDocumentoHabil deve ser preenchido para os elementos de despesa (30,32,35,36,37,38,39,51,52,62). erro 2010 ER024 ER038 ER039 Para cada conta bancária da própria UG, as conciliações informadas devem satisfazer a seguinte fórmula: 1+2-4=6+3-5 (CNBCO_TipoOcorrencia) Nos Entes que possuem empresas públicas ou sociedades de economia mista é obrigatório enviar as tabelas UG_RECEITA e UG_DESPESA para fins de consolidação das contas municipais. Para cada dotação, a soma dos valores informados na tabela LRF_CRONOGRAMA_DESEMBOLSO deve ser igual ao valor informado na tabela DOTACAO, desde que o saldo da conta seja igual a zero O valor deve satisfazer: 1+2-4=6+3-5 (CNBCO_TipoOcorrencia). É obrigatório enviar a tabela ' p_descricaoerro ' referente as Empresas Públicas e Soc. de Econ. Mista do município. A soma dos valores informado na tabela ' p_tabela ' esta diferente do valor informado na tabela ' p_descricaoerro. erro 2009 erro 2009 erro 2010 ER040 ER047 Ao informar as tabelas UG_RECEITA e UG_DESPESA, o campo UG_Codigo deve se referir a uma Empresa Pública ou Sociedade de Economia Mista, ou seja, caso não existam no Ente, esta tabela não deverá ser informada. Na tabela LANCAMENTO_CONTABIL_DIARIO_TCE deve-se informar somente contas filhas(analíticas) O campo UG_Codigo deve se referir a uma Empresa Pública ou Sociedade de Economia Mista. Não é permitido o envio de contas sintéticas. erro 2009 erro ER48 ER048 O valor liquidado (LIQUIDACAO_EMPENHO e ANULACAO_LIQUIDACAO_EMPENHO) não deve ser maior que o valor empenhado (EMPENHO e ANULACAO_EMPENHO) O total liquidado (LIQUIDACAO_EMPENHO e ANULACAO_LIQUIDACAO_EMPENHO) R$ XXXXX não deve ser maior que o total empenhado (EMPENHO e ANULACAO_EMPENHO) R$ XXXX alerta 03/2010 ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 15/31

16 ER49 ER049 O valor pago (PAGAMENTO_EMPENHO_LIQUIDACAO e ANULACAO_PAGAMENTO_EMPENHO) não deve ser maior que o valor liquidado (LIQUIDACAO_EMPENHO e ANULACAO_LIQUIDACAO_EMPENHO) ER58 ER058 O saldo contábil da dívida fundada (conta e ) deve ser igual ao informado na tabela DIVIDA_PUBLICA_SALDO, desconsiderando ainda os tipos de dívida 1 ARO e 11 Precatórios. Em 13/04/2010, incluída a conta na fórmula para comparação. O teste deve ser feito com a conta e sem a conta. Se em uma das duas formas os valores baterem, pode validar com sucesso. ER59 ER059 O saldo contábil de operações de crédito por ARO (conta e ) deve ser igual ao informado na tabela DIVIDA_PUBLICA_SALDO (tipo 1 ARO) ER59 ER059 Os empenhos no elemento de despesa 30, 36 ou 39 em nome de um servidor (PESSOAL) devem possuir um registro correspondente na tabela ADIANTAMENTO, caso contrário, o servidor também será considerado como um fornecedor ou prestador de serviços da UG. ER60 ER060 A soma do saldo contábil de obrigações da UG com precatórios (contas , , , , , , , , , , , , , ) deve ser igual ao informado na tabela DIVIDA_PUBLICA_SALDO (tipo 11 Precatórios) ER61 ER061 Os restos a pagar inscritos (INSCRICAO_RESTO_PAGAR) deverão referenciar um ER49 - O total pago (PAGAMENTO_EMPENHO_LIQUIDACAO e ANULACAO_PAGAMENTO_EMPENHO) R$ XXX não deve ser maior que o total liquidado (LIQUIDACAO_EMPENHO e ANULACAO_LIQUIDACAO_EMPENHO) R$ XXXX ER58 - O saldo contábil de dívida fundada (conta e/ou ) está diferente do informado na tabela DIVIDA_PUBLICA_SALDO, desconsiderando os tipos 1 ARO e 11 Precatórios. ER59 O saldo contábil de operações de crédito por ARO (conta e ) está diferente do informado na tabela DIVIDA_PUBLICA_SALDO (tipo 1 ARO). ER59 - O empenho está em nome do servidor e não existe registro correspondente na tabela ADIANTAMENTO. ER60 A soma do saldo contábil de obrigações da UG com precatórios (contas , , , , , , , , , , , , , ) deve ser igual ao informado na tabela DIVIDA_PUBLICA_SALDO (tipo 11 Precatórios). ER61 - O empenho informado não foi enviado no exercício anterior. alerta 03/2010 Carga Inicial Carga Inicial erro 03/2010 erro 03/2010 alerta 05/2010 Carga Inicial Carga Inicial erro 03/2010 erro 03/2010 ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 16/31

17 empenho enviado anteriormente. ER62 ER062 Nas tabelas que possuem campos que recebam o nº do CPF e nome, caso exista o CPF na tabela CADASTRO_GERAL, o nome deverá ser idêntico. ER63 e ER73 ER063 e ER073 Ao enviar o cancelamento de um restos a pagar processado (MOVIMENTO_RESTO_PAGAR, campo LEI_Numero), a natureza da lei deverá ser igual a 35. ER64 ER064 Nas cargas mensais de janeiro a novembro, para cada função de despesa, a soma dos empenhos com as anulações de liquidação devem ser iguais ao movimento credor das contas filhas da conta contábil Crédito Empenhado a liquidar. ER66 ER066 Na tabela INSCRICAO_DIV_ATIVA_TRIBUT, a especificação da receita deverá ser uma conta do grupo ou ou ou ER67 ER067 Na tabela INSCRICAO_DIV_ATIVA_NAO_TRIBUT, a especificação da receita deverá ser uma conta do grupo ER068 Na tabela INSCRICAO_RESTO_PAGAR, se o empenho for de anos anteriores, o código da função deve ser a mesma informada no empenho ER62 - Este CPF foi informado na tabela CADASTRO_GERAL com outro nome. ER63 - A lei informada não possui a natureza correspondente para cancelamento de restos a pagar; natureza correta 35. (erro) ER73 É obrigatório informar a lei para cancelamento de restos a pagar. (alerta) ER64 - A soma dos empenhos com as anulações de liquidação na função especificada está diferente do movimento credor da conta filha da conta contábil Crédito Empenhado a liquidar. ER66 - A conta contábil não corresponde a uma dívida ativa tributária. ER67 - A conta contábil não corresponde a uma dívida ativa não tributária. O código da função informado está diferente do código que foi informado na tabela EMPENHO'. Todas alerta 03/ (janeironovembro) Carga Inicial Carga Inicial alerta/ erro 03/ /2010 erro 03/2010 erro 03/2010 erro 03/2010 erro ER069 Na tabela INSCRICAO_RESTO_PAGAR, se o empenho for de anos anteriores, o código da subfunção deve ser a mesma informada no empenho O código da subfunção informado está diferente do código que foi informado na tabela EMPENHO. erro ER070 Na tabela INSCRICAO_RESTO_PAGAR, se o empenho for de anos anteriores, o código da fonte de recurso deve O código da fonte de recurso informado está diferente do código que foi informado na tabela erro ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 17/31

18 ser a mesma informada no empenho EMPENHO. ER073 É obrigatório informar a lei para cancelamento de restos a pagar (tabela MOVIMENTO_RESTO_PAGAR, se o campo TMOVRP_ModalidadeMovimento = 1 e irp_tipo = 2, o campo LEI_Numero deverá ser informado). ER76 ER076 Os movimentos contábeis do tipo (MOVIMENTO_CONTA_CONTABIL) nas contas analíticas deverão possuir o detalhamento com todos os lançamentos contábeis na tabela LANCAMENTO_CONTABIL_DIARIO_TCE ER77 ER077 Considerando toda a movimentação anual, o saldo das obrigações com restos a pagar (contas e e ) deve ser igual ao valor informado nas tabelas INSCRICAO_RESTO_PAGAR(da carga inicial e mensal MOVIMENTO_RESTO_PAGAR (subtraindo os tipos 1, 2, 3, 6 e 7 e somando os tipos 5, 8 e 10). Obs.: Alteração na regra para incluir a conta na comparação, já que conforme o evento contábil , na inscrição em RP do serviço da dívida a pagar o lançamento é na conta ER79 ER079 No informe mensal de janeiro é obrigatório o envio das metas bimestrais de arrecadação (LRF_META_ARRECADACAO) com detalhamento de todas as receitas previstas (PREVISAO_RECEITA), confrontado inclusive o valor das previsões com o valor informado nas metas bimestrais de arrecadação. Em 15/04/2010, foi alterada para que a tabela LRF_META_ARRECADACAO não seja exigida nos casos em que a tabela PREVISAO_RECEITA não é enviada ou é enviada com valor 0,00. Regra não válida para Câmaras, Associações e Consórcios. É obrigatório informar a lei para cancelamento de restos a pagar. ER76 Para cada registro de movimento contábil do tipo mensal nas contas analíticas deverá existir o detalhamento dos lançamentos na tabela LANCAMENTO_CONTABIL_DIARIO_TCE ER77 - Considerando toda a movimentação anual, o saldo das obrigações com restos a pagar nas contas e (R$ XXXXX) está diferente do valor informado nas tabelas INSCRICAO_RESTO_PAGAR da carga inicial e mensal (R$ XXXXX) e MOVIMENTO_RESTO_PAGAR, somando os tipos 1(R$ XXX), 2 (R$XXX) e 3 (R$XXX) e subtraindo os tipos 5 (R$XXXX), 8(R$XXXX) e 9(R$XXX). ER79 O valor informado para essa receita na tabela PREVISAO_RECEITA está diferente das metas bimestrais de arrecadação informadas na tabela LRF_META_ARRECADACAO. alerta 2009 erro 03/2010 Carga Inicial e alerta 03/ erro 03/2010 ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 18/31

19 ER80 ER080 O valor da aquisição de cada bem imóvel (BENS_IMOVEIS, campo IMOV_Valor) deve ser igual ao valor empenhado para compra de bens imóveis (BENS_IMOVEIS_EMPENHO e EMPENHO) somado ao valor da dívida contraída (DIVIDA_PUBLICA, campo DVPB_ValorContratado). ER81 ER081 O valor da aquisição de cada bem móvel (BENS_MOVEIS, campo MOV_Valor) deve ser igual ao valor liquidado para compra de bens móveis (BENS_MOVEIS_EMPENHO e LIQUIDACAO_EMPENHO ou, caso o empenho seja de anos anteriores, MOVIMENTO_RESTO_PAGAR, TMOVRP_ModalidadeMovimento = 4 subtraindo o estorno, ou seja, TMOVRP_ModalidadeMovimento = 9), somado ao valor da dívida contraída (DIVIDA_PUBLICA, campo DVPB_ValorContratado). ER82 ER082 Se existirem empenhos no elemento de despesa 14 para uma pessoa jurídica, o sistema deverá alertar a UG. ER83 ER083 Os empenhos vinculados a uma licitação nas modalidades Tomada de Preços ou Concorrência devem possuir um contrato vinculado, conforme o art. 62 da lei nº 8666/93. ER84 ER084 Os empenhos nos elementos de despesa 30,35,36,39 e 52 com valor acima de R$ ,00 devem possuir um contrato, conforme o art. 62 da lei nº 8666/93 ER85 ER085 Os empenhos nos elementos de despesa 30,35,36,39 e 52 cujo valor individual seja superior a R$ 8.000,00 devem possuir uma licitação, ou uma dispensa, ou inexigibilidade vinculada. O valor da aquisição do bem imóvel (BENS_IMOVEIS, campo IMOV_Valor R$ 99999,99) está diferente de R$ ,00 que é o valor empenhado para compra de bens imóveis (BENS_IMOVEIS_EMPENHO e EMPENHO R$ ,99) somado ao valor da dívida contraída (DIVIDA_PUBLICA, campo DVPB_ValorContratado R$ ,99). O valor da aquisição do bem móvel (BENS_MOVEIS, campo MOV_Valor R$ 99999,99) está diferente do valor empenhado para compra de bens móveis (BENS_MOVEIS_EMPENHO e EMPENHO R$ ,99) somado ao valor da dívida contraída (DIVIDA_PUBLICA, campo DVPB_ValorContratado R$ ,99). ER82 Este empenho refere-se a uma diária e o credor é uma pessoa jurídica. Favor verificar. ER83 O empenho está vinculado a uma licitação nas modalidades Tomada de Preços ou Concorrência e não possui um contrato vinculado. ER84 Os empenhos nos elementos 30,35,36,39 e 52 com valor acima de R$ ,00 devem possuir um contrato, conforme o art. 62 da lei nº 8666/93. ER85 - Não existe licitação vinculada a um empenho com valor superior ao limite para dispensa. Verifique se houve licitação, ou formalização do processo de dispensa, ou inexigibilidade para o caso. erro 03/2010 alerta 03/ alerta 03/2010 alerta 03/2010 alerta 03/2010 alerta 03/2010 ER86 ER086 Nas despesas com elemento de despesa 30, 32, 35, 36, ER86 - Nas despesas com elemento de despesa 30, alerta 03/2010 ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 19/31

20 37, 38, 39, 51, 52 e 62, o documento utilizado na liquidação (LIQUIDACAO_EMPENHO) deve ser uma Nota Fiscal. ER93 ER093 Considerando toda a movimentação anual (movimento do tipo 1 e 2), o saldo contábil da dívida fundada (conta e ) deve ser igual ao informado na tabela DIVIDA_PUBLICA_SALDO e MOVIMENTO_DIVIDA_PUBLICA, somando os tipos de movimento 1, 2, 3, 8 e 9 (correção, encargos, juros e multa, estorno de liquidação e estorno de cancelamento) e subtraindo os 5, 6 e 7 (cancelamento, liquidação e estorno de correção e/ou encargos e/ou juros e/ou multas) somado ao informado no respectivo mês na tabela DIVIDA_PUBLICA (campo DVPB_ValorContratado), desconsiderando ainda os tipos de dívida 1 ARO e 11 Precatórios. Se o saldo da dívida fundada for diferente do informado nas tabelas é acrescentado no cálculo o saldo da conta , , , , , , , , , ER94 ER094 Considerando toda a movimentação anual (movimento do tipo 1 e 2), o saldo contábil de operações de crédito por ARO (conta e ) deve ser igual ao informado na tabela DIVIDA_PUBLICA_SALDO e MOVIMENTO_DIVIDA_PUBLICA, somando os tipos de movimento 1, 2, 3, 8 e 9 (correção, encargos, juros e multa, estorno de liquidação e estorno de cancelamento) e subtraindo os 5, 6 e 7 (cancelamento, liquidação e estorno de correção e/ou encargos e/ou juros e/ou multas) somado ao informado no respectivo mês na tabela DIVIDA_PUBLICA (campo DVPB_ValorContratado), considerando apenas o tipo de 32, 35, 36, 37, 38, 39, 51, 52 e 62, o documento utilizado na liquidação (LIQUIDACAO_EMPENHO) deve ser uma Nota Fiscal, salvo algumas situações eventuais ou casos como das tarifas bancárias. ER93 Considerando toda a movimentação anual, o saldo contábil da dívida fundada (conta e ) está diferente do informado na tabela DIVIDA_PUBLICA_SALDO e MOVIMENTO_DIVIDA_PUBLICA, somando os tipos de movimento 1, 2 e 3 (correção, encargos, juros e multa) e subtraindo os tipos 4 e 5 (pagamento e cancelamento) somado ao informado no respectivo mês na tabela DIVIDA_PUBLICA (campo DVPB_ValorContratado), desconsiderando ainda os tipos de dívida 1 ARO e 11 Precatórios. ER94 Considerando toda a movimentação anual, o saldo contábil de operações de crédito por ARO (conta e ) está diferente do informado na tabela DIVIDA_PUBLICA_SALDO e MOVIMENTO_DIVIDA_PUBLICA, somando os tipos de movimento 1, 2 e 3 (correção, encargos, juros e multa) e subtraindo os 4 e 5 (pagamento e cancelamento) somado ao informado no respectivo mês na tabela DIVIDA_PUBLICA (campo DVPB_ValorContratado), considerando apenas o tipo 1 ARO. alerta 04/ alerta 04/ ADECEX_Regras de Validação do APLIC para 2015 ( ).odt 20/31

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação ao arquivos publicados em 03/06/2014: Item alterado/incluído Motivo Regras de consolidação. b.8 Numeração errada. Regras de consistência, b Exclui-se as consignações do passivo financeiro

Leia mais

Alterações Efetuadas no Sistema

Alterações Efetuadas no Sistema Alterações Efetuadas no Sistema 2014 - Alterações efetuadas na versão 10.02 1) Correção CON 250 - Verifica a existência do Arquivo Texto com a natureza Plano de Trabalho para Convênio (Alerta); 2) Correção

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1 - RECEITAS 1.1 - Orçamento da Receita 1.2 - Receita Prevista 1.3 - Execução Orçamentária da Receita ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA I - Verificar se os registros das

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação aos arquivos publicados em 10/11/2014: Item alterado/incluído Evento 1.9 Evento 2.20.8 Evento 2.72.13 Motivo Obs: Os créditos relativos à Dívida Ativa podem ser registrados somente

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SAGRES 2015

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SAGRES 2015 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SAGRES 2015 Versão 14.00 25/11/2014 I - ESTRUTURA DOS ARQUIVOS INTERMEDIÁRIOS DE DADOS A partir de arquivos gerados pelos sistemas de gestão da Unidade Gestora, seguindo as

Leia mais

Assunto: Contabilização de Obrigações Tributárias Renegociadas

Assunto: Contabilização de Obrigações Tributárias Renegociadas NOTA TÉCNICA n. 007/2009/GECON Vitória, 03 de julho de 2009. Alterados os itens 1 e 6 em 19 de agosto de 2009. Assunto: Contabilização de Obrigações Tributárias Renegociadas Prezados (as) Senhores (as),

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA E CAPACITAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA FECHAMENTO DO BALANÇO GERAL

DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA E CAPACITAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA FECHAMENTO DO BALANÇO GERAL DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA E CAPACITAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA FECHAMENTO DO BALANÇO GERAL 012/2011 Elaborada em 28/12/2011 Este documento descreve os procedimentos que devem ser adotados para o fechamento

Leia mais

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo 10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público CH: 1:20 h Conteúdo: 1. Aspectos gerais do Plano

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno INSTRUÇÃO NORMATIVA UCCI 001/2014 Versão 01 ASSUNTO: Instrução Normativa

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade

Conselho Federal de Contabilidade Processo CFC n.º 2015/000011 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 10/2015 Assunto: Orientação para encerramento do Exercício de 2014, elaboração do processo de Prestação de Contas do Sistema CFC/CRCs e alteração

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

E&L Contabilidade Pública Eletrônica

E&L Contabilidade Pública Eletrônica E&L Contabilidade Pública Eletrônica Instruções para envio da prestação mensal do CIDADESWEB. Está disponível no menu Utilitários, uma opção de Implantação do CIDADESWEB. Neste utilitário estão os 9 passos

Leia mais

Contabilidade / Orçamento pag.: 4.1 Descrição dos Fluxos de Trabalho

Contabilidade / Orçamento pag.: 4.1 Descrição dos Fluxos de Trabalho Contabilidade / Orçamento pag.: 4.1 4.1.1 - FLUXOGRAMA ORÇAMENTO LEGISLAÇÃO. Planejamento e Orçamento PPA Audiência Pública Legislativo Apreciação Executivo - Sanção Audiência Pública LDO Legislativo -

Leia mais

PCASP UNIÃO LANÇAMENTOS CONTÁBEIS

PCASP UNIÃO LANÇAMENTOS CONTÁBEIS PCASP UNIÃO LANÇAMENTOS CONTÁBEIS Data de Emissão: 28 de agosto de 2012 Coordenador Geral de Contabilidade e Custos da União Francisco Wayne Moreira Coordenadora de Contabilidade da União Bárbara Verônica

Leia mais

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional;

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional; Código: MAP-DIFIN-001 Versão: 00 Data de Emissão: XX/XX/XXXX Elaborado por: Gerência de Contabilidade Aprovado por: Diretoria de Finanças e Informações de Custos 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF 01 No momento da elaboração do projeto de lei orçamentária anual deve se atentar para algumas normas contidas nas legislações pertinentes à matéria.

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO E ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO E ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO E ELABORAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS As orientações constantes deste manual devem ser observadas pelas Unidades Gestoras para encerramento do exercício,

Leia mais

RESUMÃO. Administração Direta dos entes públicos;

RESUMÃO. Administração Direta dos entes públicos; RESUMÃO CONTABILIDADE PÚBLICA A Contabilidade Pública é um ramo da ciência contábil e tem o objetivo de captar, registrar e interpretar os fenômenos que afetam as situações orçamentárias, financeiras e

Leia mais

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente:

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Assunto: Procedimentos contábeis, administrativos e patrimoniais para o fechamento das contas do exercício de 2011 e abertura das contas de 2012. Dentro

Leia mais

Sistema de Informações Gerenciais (Roteiro de Demonstração)

Sistema de Informações Gerenciais (Roteiro de Demonstração) #.1.1 Disponibilizar informações de interesse do administrador, através de integração com diversos sistemas da administração municipal; Arquivos > Customização do Sistema #.1.2 #.1.3 #.1.4 #.1.5 Permitir

Leia mais

INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE PÚBLICA

INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE PÚBLICA Resumo de Contabilidade Pública Assunto: INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE PÚBLICA Autor: SÉRGIO LUIZ RAMOS 1 ÍNDICE: 1. NOÇÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA 1.2 SISTEMAS 1.3 RESTOS A PAGAR 1.4 VARIAÇÕES PATRIMONIAIS

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2015).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3.

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2015).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3. MANUAL DE ABERTURA DO EXERCÍCIO 2015 E ENCERRAMENTO DE 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2015)...5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS...5 3 TABELAS A SEREM PREENCHIDAS

Leia mais

MANUAL - ORÇAMENTO MANUAL - CONTABILIDADE MANUAL - TABELAS CONTÁBEIS E ORÇAMENTÁRIAS

MANUAL - ORÇAMENTO MANUAL - CONTABILIDADE MANUAL - TABELAS CONTÁBEIS E ORÇAMENTÁRIAS MANUAL - ORÇAMENTO MANUAL - CONTABILIDADE MANUAL - TABELAS CONTÁBEIS E ORÇAMENTÁRIAS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. MÓDULO ORÇAMENTO...4 2.1. ORÇAMENTO - ARRECADAÇÃO...4 2.1.1. Importação Lançamentos Tributos...4

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2014).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3.

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2014).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3. MANUAL DE ABERTURA DO EXERCÍCIO 2014 E ENCERRAMENTO DE 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2014)...5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS...5 3 TABELAS A SEREM PREENCHIDAS

Leia mais

1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2012).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3.1.2.7 3.

1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2012).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3.1.2.7 3. MANUAL DE ABERTURA DO EXERCÍCIO 2012 E ENCERRAMENTO DE 2011 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2012)...5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS...5 3 TABELAS A SEREM PREENCHIDAS

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

MARCELO OLÍMPIO CARNEIRO TAVARES

MARCELO OLÍMPIO CARNEIRO TAVARES D E C L A R A Ç Ã O O Secretário da Fazenda, no uso das suas atribuições e consoante o disposto no artigo 42, 1º, incisos I e IV, da Constituição do Estado do Tocantins, DECLARA para fins de cumprimento

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PÚBLICA - SICAP/CONTÁBIL ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público Portaria Conjunta STN/SOF nº 02/2012 Portaria STN nº 437/2012

Leia mais

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA Versão 1.3 - março de 2013 Permitida a reprodução desde que citada a fonte 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1. SOBRE O PORTAL...

Leia mais

Tribunal de Contas SAGRES CAPTURA 2015. Ed Wilson Fernandes de Santana Marcos Uchôa de Medeiros Severino Claudino Neto

Tribunal de Contas SAGRES CAPTURA 2015. Ed Wilson Fernandes de Santana Marcos Uchôa de Medeiros Severino Claudino Neto Tribunal de Contas SAGRES CAPTURA 2015 Ed Wilson Fernandes de Santana Marcos Uchôa de Medeiros Severino Claudino Neto Sumário Sagres Captura para 2015 Informações de Obras Arquivo PDF da Lei de criação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERROLÂNDIA BAHIA CNPJ 14.196.703/0001-41

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERROLÂNDIA BAHIA CNPJ 14.196.703/0001-41 DECRETO Nº. 075, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2015. Dispõe sobre os procedimentos para o encerramento do exercício financeiro de 2015 no âmbito da Administração Pública Municipal e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA

2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 1 2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA... 1 3. PROCEDIMENTOS E CONTABILIZAÇÃO NO FIPLAN... 3 3.1 REGISTROS CONTÁBEIS DA DÍVIDA ATIVA... 5 3.1.1 REGISTRO DA INSCRIÇÃO DO CRÉDITO EM DÍVIDA

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Brasília 14 de agosto de 2014 EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E EXECUÇÃO FINANCEIRA Ocorrem concomitantemente; e Estão intrinsecamente relacionadas uma à outra. A despesa não poderá

Leia mais

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE PATRIMÔNIO CONCEITO: Compreende o conjunto de bens, direitos e obrigações avaliáveis em moeda corrente, das entidades que compõem a Administração Pública.

Leia mais

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC.

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC. 1 ANEXO III - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 MODELOS E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SÃO AS EXTRAÍDAS DOS LIVROS, REGISTROS E

Leia mais

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O Nº 11.028, de 10 de novembro de 2014 EMENTA: Dispõe sobre os procedimentos e prazos para o Encerramento do Exercício Financeiro de 2014, no âmbito da Administração Pública Municipal e, dá

Leia mais

MANUAL PARA IMPLANTAÇÃO DO SALDO DA DISPONIBILIDADE FINANCEIRA

MANUAL PARA IMPLANTAÇÃO DO SALDO DA DISPONIBILIDADE FINANCEIRA MANUAL PARA IMPLANTAÇÃO DO SALDO DA DISPONIBILIDADE FINANCEIRA Para controlar o novo grupo da disponibilidade financeira do PCASP (grupo 8), temos que primeiramente apurar a disponibilidade do Órgão e

Leia mais

Lançamentos Típicos de entidades do setor público

Lançamentos Típicos de entidades do setor público Lançamentos Típicos de entidades do setor público Efetue os lançamentos típicos a partir das informações captadas em cada caso típico do município de Sinopolandia do Norte. etermine inicialmente a Natureza

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

Balanço Patrimonial. Art. 105. O Balanço Patrimonial demonstrará: I o Ativo Financeiro

Balanço Patrimonial. Art. 105. O Balanço Patrimonial demonstrará: I o Ativo Financeiro Segundo o MCASP, o é a demonstração contábil que evidencia, qualitativa e quantitativamente, a situação patrimonial da entidade pública, por meio de contas representativas do patrimônio público, além das

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA

NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA NOTAS EXPLICATIVAS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA 1. CONTEXTO ORGANIZACIONAL O Tribunal de Contas é um órgão com autonomia orçamentária e financeira de auxílio ao

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro RELAÇÃO DE DOCUMENTOS INTEGRANTES DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA (CONTAS DE GOVERNO) EXERCÍCIO DE 2014 CONFORME OFÍCIO-CIRCULAR Nº 14/2015 PRS/GAP RESPONSABILIZAÇÃO CADASTROS do Prefeito

Leia mais

TCE-TCE Auditoria Governamental

TCE-TCE Auditoria Governamental TCE-TCE Auditoria Governamental Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Considere as informações extraídas do Balanço Orçamentário, referentes ao exercício financeiro de 2014, de uma entidade pública:

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013.

DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013. DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013. Altera o Decreto nº 016/2012, que instituiu o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos

Leia mais

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 Balanço Financeiro Período: 01/01/2012 a 31/12/2012 INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO Exercício Anterior

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012 Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012 Brasília-DF Dezembro/2012 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 005/2012 Processo CFC n.º 2012/000258

Leia mais

Aplicação FUNCIONALIDADES

Aplicação FUNCIONALIDADES O sistema Advice é uma solução Corpdigital baseada na web que centraliza, de forma totalmente integrada, as atividades de um conselho de fiscalização profissional. A ferramenta apresenta módulos integrados

Leia mais

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG CONCURSO: APO/MPOG/2010 66. (ESAF APO/MPOG/2010) Assinale a opção verdadeira a respeito do objeto, regime e campo de aplicação da contabilidade

Leia mais

SERPREL INFORMÁTICA. Ápice Contábil - Fechamento de Balanço/2014

SERPREL INFORMÁTICA. Ápice Contábil - Fechamento de Balanço/2014 SERPREL INFORMÁTICA. Ápice Contábil - Fechamento de Balanço/2014 SUMÁRIO MANUAL DE ENCERRAMENTO DO EXERCICIO 1 Introdução 1 1.1 Recomendações 1 2. Procedimentos de Encerramento de Exercício 1 2.1.01 Lançamento

Leia mais

621.927,10 284.748,83 239.680,43 666.995,50 111115099000 F OUTRAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS DE LIQUIDEZ IMEDIATA

621.927,10 284.748,83 239.680,43 666.995,50 111115099000 F OUTRAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS DE LIQUIDEZ IMEDIATA Código BALANCETE ANALÍTICO CONTÁBIL SIMPLIFICADO BALANCETE - JANEIRO DE 2015 Saldo Inicial Débito Crédito Movimentação Débitos Créditos 111111901000 F BANCOS CONTA MOVIMENTO - DEMAIS CONTAS 621.927,10

Leia mais

Manual de Treinamento

Manual de Treinamento 1 SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO PÚBLICA SUBSISTEMA: CONTABILIDADE PÚBLICA Manual de Treinamento MOVIMENTO E FICHAS: Inclusões e Relatórios 2 1 - DESPESA ORÇAMENTÁRIA - movimentos Esta opção permite que o

Leia mais

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal.

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal. PORTARIA Nº O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria nº 403, de 2 de dezembro de 2005, do Ministério da Fazenda, e Considerando o disposto no 2º do art. 50 da

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

SICOM EM PAUTA. Juiz de Fora 27/05/2014

SICOM EM PAUTA. Juiz de Fora 27/05/2014 SICOM EM PAUTA Juiz de Fora 27/05/2014 2 Municípios Mineiros e a Transparência... Administração Pública 2012 2013 2014 Sistema Informativo de Contas dos Municípios SICOM REMESSA ANUAL Plano Plurianual

Leia mais

www.casponline.com.br

www.casponline.com.br 1 Autores: Comissão de Estudos em CASP do CRC RS 2 Autor: Diogo Duarte Barbosa 3 Casp Online Social 1 www.casponline.com.br Aquisição pelo site: www.gestaopublica.com.br Administração Orçamentária e Financeira

Leia mais

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 Apresentação Este volume compõe o Balanço Geral do Estado do exercício financeiro 2010. Nele são apresentados os anexos exigidos na LEI 4.320/64. LUIZ MARCOS DE LIMA SUPERINTENDENTE

Leia mais

Help Encerramento do Exercício E&L Produções de Software

Help Encerramento do Exercício E&L Produções de Software Help Encerramento do Exercício Note: To change the product logo for your ow n print manual or PDF, click "Tools > Manual Designer" and modify the print manual template. Contents 5 Table of Contents Foreword

Leia mais

Expositor: Simão Cirineu Dias

Expositor: Simão Cirineu Dias Expositor: Simão Cirineu Dias Lei Orçamentária Anual; Execução Orçamentária; Fundos, Divida Ativa e Dívida Pública; Contabilidade Pública; Controle e Avaliação Controle Interno, Externo e Social e Avaliação

Leia mais

O Controle na Gestão Orçamentária, Financeira e Patrimonial

O Controle na Gestão Orçamentária, Financeira e Patrimonial O Controle na Gestão Orçamentária, Financeira e Patrimonial Base Legal Lei 4.320 de 1964 LC 101 de 2000 Carta Magna de 1988 Normas e Jurisprudências TCE/MG Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público

Leia mais

Empresa Munic. de Transporte Urbano Presidente Figueiredo

Empresa Munic. de Transporte Urbano Presidente Figueiredo 03698709/000109 Exercício: 2015 BALANCETEISOLADO EMPRESA MUNICIPAL DE TRANSPORTE URBANO EMTU (UG:5) Página 1 de 5 100000000 05 ATIVO 343.632,70 139.134,52 114.972,75 367.794,47 110000000 05 ATIVO CIRCULANTE

Leia mais

Assunto: Fechamento Contábil do Exercício de 2014 e Abertura de 2015

Assunto: Fechamento Contábil do Exercício de 2014 e Abertura de 2015 NOTA TÉCNICA DE PROCEDIMENTO CONTÁBIL N 002/2014 Florianópolis, 07 de novembro de 2014. Assunto: Fechamento Contábil do Exercício de 2014 e Abertura de 2015 Trata-se de revisão da Orientação Técnica DCOG/GECOC

Leia mais

Execução Orçamentária e Financeira

Execução Orçamentária e Financeira Execução Orçamentária e Financeira Introdutório aos cursos dos Sistemas de Contabilidade e Gastos Públicos Setembro / 2008 Administração Pública Classifica-se, conforme a CF/88 em: Administração Direta

Leia mais

03/06/2013. Tendo em vista a necessidade de diminuir o custo do controle e evitar a duplicidade de remessa de dados, o SICOM substituirá outros

03/06/2013. Tendo em vista a necessidade de diminuir o custo do controle e evitar a duplicidade de remessa de dados, o SICOM substituirá outros O SICOM é um instrumento de suporte ao controle concomitante e de obtenção de dados sobre os jurisdicionados que permite conhecer as especificidades e a realidade dos órgãos e entidades, além de subsidiar

Leia mais

Art. 1º Aprovar Norma de Execução, na forma do Anexo a esta Portaria. ANEXO UNIDADE RESPONSÁVEL 31/12/2013 PROCESSO

Art. 1º Aprovar Norma de Execução, na forma do Anexo a esta Portaria. ANEXO UNIDADE RESPONSÁVEL 31/12/2013 PROCESSO PORTARIA Nº 2, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013 O AUDITOR-CHEFE DA AUDITORIA INTERNA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO, no uso de suas atribuições, e tendo em vista a competência que lhe foi atribuída pelo inciso

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE IGREJINHA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE IGREJINHA DECRETO N.º 3.543, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Execução das Atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

Previsão da receita e fixação da despesa referente à aprovação do orçamento com base na Lei Orçamentária Anual, no valor de R$ 50.000.

Previsão da receita e fixação da despesa referente à aprovação do orçamento com base na Lei Orçamentária Anual, no valor de R$ 50.000. Olá, pessoal! Comento neste toque as questões de Contabilidade Pública que caíram no concurso para conselheiro substituto do TCE-CE. A banca foi a Fundação Carlos Chagas. Aproveito a oportunidade para

Leia mais

SEÇÃO TÉCNICA DE FINANÇAS

SEÇÃO TÉCNICA DE FINANÇAS SEÇÃO TÉCNICA DE FINANÇAS Missão A Seção Técnica de Finanças tem a missão de Controlar e Executar os recursos orçamentários e financeiros, fornecendo informações técnicas e legais que fundamentem as decisões

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA Demonstrações Contábeis José Rafael Corrêa Quanto mais eu sei, mais eu descubro que nada eu sei Sócrates 1 Conceitos CONTABILIDADE INFORMAÇÃO Informação

Leia mais

PCASP e os Consórcios Públicos

PCASP e os Consórcios Públicos Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF V FÓRUM MINEIRO DE CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL Junho/2015 Conteúdo PCASP: introdução,

Leia mais

Demonstrativo das Variações Patrimoniais

Demonstrativo das Variações Patrimoniais RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 28.393.390.678,55 RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 28.527.468.836,27 RECEITAS 13.532.898.028,40 ORÇAMENTÁRIA 13.532.898.028,40 DESPESA ORÇAMENTARIA 10.266.008.652,65

Leia mais

Corrigir detalhamento das Contas Correntes.

Corrigir detalhamento das Contas Correntes. Corrigir detalhamento das Contas Correntes. A seguir, tem-se o Informativo AUDESP-SP, publicado no dia 24/09/2014, no site do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo 1 : VARIAÇÃO NA NATUREZA DO SALDO

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO Existe conceito de Contabilidade como um todo. Contabilidade é a ciência que estuda e pratica as funções de orientação e controle relativas aos atos e

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis Contabilidade Pública Aula 4 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Plano de Contas Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão Consiste em um rol ordenado de forma sistematizada de contas

Leia mais

ANEXO DE RISCOS FISCAIS TABELA 1 - DEMONSTRATIVO DE RISCOS FISCAIS E PROVIDÊNCIAS 2013 ARF (LRF, art. 4º, 3º) PASSIVOS CONTINGENTES PROVIDÊNCIAS Descrição Valor Descrição Valor Abertura de créditos adicionais

Leia mais

Lançamentos Típicos de entidades do setor público

Lançamentos Típicos de entidades do setor público Lançamentos Típicos de entidades do setor público Efetue os lançamentos típicos a partir das informações captadas em cada caso típico do município de Transparência de Pombal. etermine inicialmente a Natureza

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE CENÁRIO ANTERIOR Gestão Dívida Financeira Pública ORÇAMENTO PUBLICO Contabilidade Receita e Despesa Demonstrativos Contábeis:

Leia mais

Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015

Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015 Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015 Estabelece normas para execução orçamentária, e define a programação financeira para o exercício de 2015 e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Paraná Diretoria de Contas Municipais. Sistema SIM-AM. Elaboração: Núcleo SIM-AM TCE/PR

Tribunal de Contas do Estado do Paraná Diretoria de Contas Municipais. Sistema SIM-AM. Elaboração: Núcleo SIM-AM TCE/PR Tribunal de Contas do Estado do Paraná Diretoria de Contas Municipais Sistema SIM-AM Elaboração: Núcleo SIM-AM TCE/PR Sistema SIM-AM Histórico Funcionamento Conteúdo Aplicações Pca Anual em Papel LC 101/2000

Leia mais

ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO CHECKLIST

ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO CHECKLIST ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO CHECKLIST Para auxiliar nas providências que devem ser tomadas para o encerramento de exercício, foi elaborada uma série de verificações, em formato de checklist, que devem ser

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal Contabilidade e Conciliação Contábil Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Contabilidade e Conciliação Contábil, que fazem parte do Bloco Contábil

Leia mais

DECRETO 011 / 2012. ATENDER aos dispositivos da Portaria nº 828, de 14 de dezembro de 2011, da Secretaria do Tesouro Nacional, e;

DECRETO 011 / 2012. ATENDER aos dispositivos da Portaria nº 828, de 14 de dezembro de 2011, da Secretaria do Tesouro Nacional, e; DECRETO 011 / 2012 Institui o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público MCASP.

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 006/2013

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 006/2013 Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 006/2013 Brasília-DF Janeiro/2013 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 006/2013 Processo CFC n.º 2013/000020

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 01. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 01. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Aula 01 MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Abordaremos os seguintes pontos: 01.03.03 reconhecimento da receita orçamentária. 01.03.03.01 relacionamento do regime orçamentário com o regime

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44. Apresentação

Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44. Apresentação Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44 Apresentação Este Plano de Contas tem o propósito de atender, de maneira uniforme e sistematizada, ao registro contábil dos atos e

Leia mais

ESTRUTURA DE LAYOUT DOS ARQUIVOS VERSÃO 3.0

ESTRUTURA DE LAYOUT DOS ARQUIVOS VERSÃO 3.0 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA GERAL DE INFORMÁTICA ESTRUTURA DE LAYOUT DOS ARQUIVOS VERSÃO 3.0 Atualizado em 28/01/2011 Colaboração Secretaria Geral de Controle Externo Secretaria

Leia mais

12.109,00 12.109,00 384.684,77 384.684,77 30.080,00 30.080,00 211110101000 F SALÁRIOS, REMUNERAÇÕES E BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO

12.109,00 12.109,00 384.684,77 384.684,77 30.080,00 30.080,00 211110101000 F SALÁRIOS, REMUNERAÇÕES E BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO Código MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM BALANCETE ANALÍTICO CONTÁBIL SIMPLIFICADO BALANCETE - Saldo Inicial Movimentação s s 111110200999 F BANCOS CONTA MOVIMENTO 443.573,70 313.822,66 257.740,04 499.656,32

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO CRC-DF DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO Domingos Poubel de Castro Brasília/DF, 18 de Maio de 2012 NECESSIDADES PERMANENTES DO GESTOR INFORMAÇÕES CONTROLE Cenário Externo 0800 570 0800

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO 11º Congresso Catarinense de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO 1 Professor João Eudes Bezerra

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CONTROLADORIA-GERAL DO MUNICIPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CONTROLADORIA-GERAL DO MUNICIPIO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CONTROLADORIA-GERAL DO MUNICIPIO Manual Técnico de Normas e Procedimentos da Controladoria-Geral (MTNP-CGM-POA) ANEXO NOR 002 Glossário

Leia mais

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA ANEXO II VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS QDCC_Sistn A planilha abaixo ilustra a aplicação da metodologia simplificada descrita no item 10 da Nota Técnica nº 4/2015/CCONF/SUCON/STN/MFDF ao Plano de

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE PLANEJAMENTO, CONTABILIDADE E FINANÇAS DO ESTADO DA BAHIA

SISTEMA INTEGRADO DE PLANEJAMENTO, CONTABILIDADE E FINANÇAS DO ESTADO DA BAHIA SUMÁRIO 1. Objetivo... 1 2. Motivação e Justificativa... 1 3. Procedimentos e Contabilização no FIPLAN... 2 3.1 Inscrição Do Crédito Em Dívida Ativa Na Unidade Competente... 2 3.2 Atualização Monetária,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO TÉRMINO DE MANDATO MANUAL DE UTILIZAÇÃO.

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO TÉRMINO DE MANDATO MANUAL DE UTILIZAÇÃO. TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO TÉRMINO DE MANDATO MANUAL DE UTILIZAÇÃO Versão 2008 Janeiro/2009 SIGFIS-Sistema Integrado de Gestão Fiscal : Manual

Leia mais

TESTE RÁPIDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA (A)

TESTE RÁPIDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA (A) TESTE RÁPIDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA (A) ADMINISTRAÇÃO FINANCEEIRA E ORÇAMENTÁRIA (AFO) 1) (CESPE - Analista Administrativo Administrador - ANP 2013) De acordo com o princípio da especialização,

Leia mais