INFLUÊNCIA NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE CONCRETOS COM AGREGADOS RECICLADOS DE CONCRETO EM SUBSTITUIÇÃO AO AGREGADO NATURAL.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIA NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE CONCRETOS COM AGREGADOS RECICLADOS DE CONCRETO EM SUBSTITUIÇÃO AO AGREGADO NATURAL."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRISTIANO GONÇALVES BATISTA INFLUÊNCIA NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE CONCRETOS COM AGREGADOS RECICLADOS DE CONCRETO EM SUBSTITUIÇÃO AO AGREGADO NATURAL. CRICIÚMA, DEZEMBRO DE 2009.

2 2 CRISTIANO GONÇALVES BATISTA INFLUÊNCIA NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE CONCRETOS COM AGREGADOS RECICLADOS DE CONCRETO EM SUBSTITUIÇÃO AO AGREGADO NATURAL. Trabalho de conclusão de curso, apresentado para obtenção do grau de Engenheiro civil no curso de Engenharia Civil da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC. Orientador: Prof.Dr. Leonardo de Brito Andrade CRICIÚMA, DEZEMBRO DE 2009.

3 3 CRISTIANO GONÇALVES BATISTA INFLUÊNCIA NA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE CONCRETOS COM AGREGADOS RECICLADOS DE CONCRETO EM SUBSTITUIÇÃO AO AGREGADO NATURAL. Trabalho de conclusão de curso aprovado pela Banca Examinadora para obtenção do grau de Engenheiro Civil, no Curso de Engenharia Civil da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, com linha de pesquisa em Concretos convencionais e especiais. Criciúma, 07 de Dezembro de BANCA EXAMINADORA Prof. Leonardo de Brito Andrade Doutor (UNESC) Orientador Prof. Fernando Pelisser Mestre (UNESC) Eng. Thiago Spilere Pierre (BPM PRÉ-MOLDADOS)

4 4 Aos meus pais e irmãos, minha filha Isabely e esposa Ionara, pelo incentivo e paciência durante este período.

5 5 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus, pela força e perseverança fornecida nas horas difíceis. Aos meus pais pelo apoio e incentivo durante esta etapa do meu estudo. Ao Professor Orientador Leonardo de Brito Andrade pelo acompanhamento na realização deste trabalho. Obrigado pelo companheirismo e amizade. Agradeço ainda as Professoras e Coordenadoras, Evelise Zancan e Ângela Piccinini pelo companheirismo durante o curso. Ao Professor Alexandre Vargas, que alem de grande educador, tornou-se um grande amigo. A minha esposa Ionara de Souza pelo amor, amizade, paciência e incentivo em mais esta caminhada. Aos meus irmãos, Vanderlei e Fernando.

6 6 Feliz aquele que transfere o que sabe, e aprende o que ensina. Cora Coralina (poetisa brasileira)

7 7 RESUMO Esta pesquisa faz-se avaliar a resistência à compressão do concreto utilizando parcialmente agregados reciclados de concreto, elaborados no LMCC no IPAT da Unesc na cidade de criciúma. Estes foram submetidos a processos mecânicos de britagem até a granulometria desejada para o referido estudo. Nas características do agregado destacou-se a granulometria dos agregados graúdos, absorção dos agregados graúdos reciclados, massa específica e material pulverulento. Nos ensaios de dosagens definiram-se traços experimentais para posteriormente dosar os traços com agregados reciclados de concreto e seus teores de substituição. Para cada concreto foram definidos três traços, sendo 1:2, 1:3 e 1:4, com teores de substituição de 10, 30 e 50% para cada traço, para relação água/cimento fixada em 0,30. Com o objetivo de avaliar a resistência a compressão foram definidos duas idades, aos 7 e 28 dias. No estado fresco do concreto foi realizado apenas ensaio de consistência. Os resultados de concreto produzidos com adição parcial de agregados reciclados de concreto mostraram que devido à baixa taxa de absorção de água desses agregados e a relação água/cimento fixada em 0,30 também considerada baixa, obteve um resultado satisfatório de resistência á compressão e em alguns traços obteve resistência superior ao concreto de referência. Palavras-chave: Resíduos de construção e demolição, Reutilização de resíduos de construção, Agregados reciclados de concreto.

8 8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Blocos de concreto reciclado...18 Figura 2 Resíduos gerados da construção civil...21 Figura 3 Reciclagem do RCD...24 Figura 4 Resíduo classe A...27 Figura 5 Depósito irregular de entulhos...28 Figura 6 Equipamento de reciclagem móvel...35 Figura 7 Agregados prontos para confecção dos concretos...36 Figura 8 Resistência a compressão em função da substituição do agregado reciclado...40 Figura 9 Concreto utilizado para o estudo...41 Figura 10 Distribuição granulométrica da brita...45 Figura 11 Distribuição granulométrica da areia...50 Figura 12 Distribuição granulométrica do agregado reciclado...52 Figura 13 Abatimento do tronco de cone...56 Figura 14 Prensa hidráulica...58 Figura 15 Ensaio de abatimento do concreto reciclado...61 Figura 16 Corpos-de-prova...62 Figura 17 Gráfico de resistência a compressão dos traços de referência...64 Figura 18 Gráfico de resistência conforme porcentagem de substituição...72 Figura 19 Gráfico de resistência conforme porcentagem de substituição...72 Figura 20 Gráfico de resistência conforme porcentagem de substituição...73 Figura 21 Gráfico entre porcentagem de substituição e traço referencia...74 Figura 22 - Gráfico entre porcentagem de substituição e traço referencia...74 Figura 23 - Gráfico entre porcentagem de substituição e traço referencia...75

9 9 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Característica do agregado graúdo natural (Amostra 1)...43 Tabela 2 Característica do agregado graúdo natural (Amostra 2)...44 Tabela 3 Característica do agregado graúdo natural (Amostra 3)...44 Tabela 4 Característica da areia grossa (Amostra 1)...47 Tabela 5 Característica da areia grossa (Amostra 2)...48 Tabela 6 Característica da areia grossa (Amostra 3)...49 Tabela 7 Traços genéricos do concreto convencional...60 Tabela 8 Resistência a compressão dos traços piloto...63 Tabela 9 Traço 1:2 com os teores de substituição...66 Tabela 10 Traço 1:3 com os teores de substituição...67 Tabela 11 Traço 1:4 com os teores de substituição...68 Tabela 12 Resistência a compressão do traço 1:2 aos 7 dias...70 Tabela 13 Resistência a compressão do traço 1:3 aos 7 dias...70 Tabela 14 Resistência a compressão do traço 1:4 aos 7 dias...71

10 10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVO ESPECÍFICO JUSTIFICATIVA REVISÃO BIBLIOGRAFICA IMPACTOS AMBIENTAIS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Consumo de recursos naturais Estudos no Brasil sobre a utilização do agregado de reciclados da Construção civil e demolição RESÍDUOS GERADOS PELA CONSTRUÇÃO CIVIL MANEJO E RECICLAGEM DO ENTULHO DA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA E TRANSPORTE DOS RESIDUOS DE CONSTRÇÃO E DEMOLIÇÃO A RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL NORMAS VIGENTES NO PAÍS PARA PRODUÇÃO DE AGREGADOS Classificação dos resíduos da construção civil Destinação quanto sua classificação A resolução 307 do CONAMA A IMPORTANCIA DA RECICLAGEM DO RCD Vantagens da reciclagem dos RCD Reaproveitamento dos resíduos reciclados Diferentes aplicações Equipamento para reciclagem dos resíduos de construção POTENCIALIDADES DO AGREGADO RECICLADO DE RCD Controle da qualidade dos agregados de RCD reciclados para concreto Considerações sobre amostragem...37

11 Insuficiência dos métodos de controle de qualidade Vetos de uso de concreto com agregados reciclados INFLUENCIA DOS AGREGADOS RECICLADOS NO CONCRETO Durabilidade do concreto com agregados reciclados METODOLOGIA APLICADA COLETAS E PREPARAÇÃO DAS AMOSTRAS CARACTERIZAÇÃO DOS AGREGADOS Composição granulométrica Massa específica Material pulverulento CARACTERIZAÇÃO DA AREIA Granulometria dos agregados miúdos Massa especifica da areia Material pulverulento CARACTERIZAÇÃO DO RCD Absorção de água da brita de RCD CIMENTO UTILIZADO PARA O ESTUDO Aditivo utilizado MÉTODOS DE DOSAGEM ENSAIOS DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO Massa especifica do concreto Ensaio de abatimento PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO ENDURECIDO Resistência a compressão APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS ENSAIOS Dosagens experimentais Amassamento do concreto...60

12 Ensaio de abatimento Moldagem dos corpos-de-prova Resistência a compressão dos corpos-de-prova referencia DOSAGENS DOS CONCRETOS COM AGREGADOS RECICLADOS DE CONCRETO RESISTÊNCIA A COMPRESSÃO DOS CONCRETOS COM SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DO AGREGADO NATURAL POR AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS...77 ANEXOS...81

13 13 1 INTRODUÇÃO A construção civil produz porcentagens expressivas de resíduos sólidos. Há muitos resíduos de construções, como o entulho, e pouca atividade de reutilização e reciclagem do mesmo. Um dos problemas mais críticos no setor é o volume de perdas de materiais em canteiro, acarretando impactos ao meio ambiente em duas pontas: má-exploração dos recursos da natureza e formação de entulho. A reutilização dos resíduos de construção e demolição é praticada desde a antiguidade e foi na 2ª guerra mundial a primeira aplicação relevante de entulhos reciclados resultantes dos escombros dos edifícios demolidos onde foram britados e transformados em agregados e posteriormente beneficiados como novos agregados. A destinação irregular do resíduo de construção e demolição (RCD) é um grande problema em todo o mundo. Essa destinação é uma das maiores causas de danos ambientais em áreas urbanas, sendo estes jogados em terrenos baldios, cursos d água ou beiras de estradas. O gerenciamento adequado dos materiais no canteiro, bem como a construção num todo, tem como propósito evitar desperdícios e reduzir o volume de resíduos sólidos e consequentemente resultando na diminuição dos impactos ambientais ao meio ambiente. Uma organização que une eficiência na produção e uma visão de responsabilidade ambiental torna-se mais competitiva aumentando à sua capacidade financeira, utilizando medidas preventivas proporcionando um custo menor. Sabe-se que no Brasil existe um grande desinteresse dos governantes na questão de incentivos para o setor de reciclagem e reutilização desse resíduo, bem como, a responsabilidade ambiental. Mesmo tímidas iniciativas nesse sentido começam a ser realizadas no Brasil visando, além da preservação ambiental, ganhos de imagem e também financeiros. A reciclagem, além de proporcionar melhorias significativas do ponto de vista ambiental, introduz no mercado um novo material com grande potencialidade de uso, transformando o entulho, novamente, em matéria-prima. Para PATTO (2006), a principal contribuição, no entanto, é mostrar que a reciclagem dos resíduos de construção e demolição pode auxiliar na produção de materiais baixo custo, colaborando para a construção de habitações mais baratas. O uso do RCD é fundamental, pois é cada vez mais necessária a conscientização quanto ao fato de que o ganho com a reciclagem é geral, a partir do momento em

14 14 que existe um melhor aproveitamento de materiais que são descartados como lixo e que podem ser transformados em matéria-prima, passando de problema a solução. Segundo JONH (1996) e LEITE (2001), o mercado da construção civil se apresenta como uma das melhores alternativas para consumir materiais reciclados, pois a atividade de construção é realizada em qualquer região, o que já reduz custos como o de transporte. Na busca da reutilização parcial dos agregados reciclados, este trabalho apresentará as propriedades do concreto no estado endurecido, mostrando etapas do processo de produção e parâmetros de mistura.

15 15 2 OBJETIVOS 2.1 OBJETIVO GERAL Este trabalho tem como objetivo geral avaliar a possível utilização dos agregados reciclados de concreto, com substituição parcial do agregado graúdo natural, frente à resistência à compressão não tendo função estrutural. 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS caracterizar o agregado reciclado e avaliar o desempenho dos agregados reciclados para produção de concretos; analisar os traços dos concretos produzidos com agregados reciclados de concreto; Comparar a resistência à compressão dos concretos nas idades de 7 e 28 dias

16 JUSTIFICATIVA A justificativa para a elaboração deste trabalho de conclusão de curso está ligada basicamente a idéia de que, com o conhecimento adquirido durante a etapa do trabalho, será suficiente e importante para produzir um concreto de qualidade. Nossa região possui vasta área de morro o que facilita a exploração dos mesmos, só que esta exploração cada vez mais provoca um enorme problema, tanto no meio ambiente quanto nos próprios trabalhadores da mina. É provado que essa exploração indiscriminada tem causado sérios problemas ambientais. Existe, portanto, a necessidade de se minimizar estes impactos, buscando alternativas como a utilização de reciclagem de resíduos, para que venha a resultar na redução de custos e do volume de extração de matéria-prima, preservando os recursos naturais. Visando por esse lado tanto na nossa região quanto no Brasil inteiro existe um grande acúmulo de entulhos. Tem-se notado também que há um grande desperdício de material na construção civil. Culturalmente há dificuldade de ver o potencial do entulho, pois é um material que pode ser utilizado, sendo como agregados graúdo e miúdos em argamassas e concretos. Levando-se em conta essa idéia conclui-se que a reciclagem de resíduos na construção civil é fundamental e favorece ao destino final, a reutilização e o meio ambiente. No Brasil, pesquisas com agregados reciclados de resíduos de construção e demolição (RCD) mostram ser possíveis o aproveitamento em concreto, mas para isso é preciso conhecer o resíduo a ser utilizado. A utilização de resíduos como agregados para novas dosagens resultará na diminuição dos custos com a exploração dos agregados naturais. A fabricação dos concretos de resíduos reciclados pode proporcionar um baixo custo, já que os materiais utilizados provem de sobras de construções.

17 17 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Os residuos de construção e demolição (RCD) são conhecidos também como entulhos. O termo entulho significa caliça, pedregullo, areia, terra, tudo que sirva para entupir, aterrar, nivelar depressão de terreno, escavação, fossa, vala, etc.; conjunto de fragmentos ou restos de tijolos, argamassa, madeira, etc.; provenientes da construção de um prédio; materiais inúteis resultantes de demolição; escombros, ruínas (FERREIRA, 1999). A reciclagem de residuos da construção e demolição (RCD) é um tema que, atualmente, está sendo abordado com mais frequência, porém, segundo Santos (2007) no Império Romano já se utilizava tijolos britados ou cacos de telha misturados à cal, areia e água para a realização de construções. A utilização dos RCD de maneira sistemática só se deu após o fim da Segunda Guerra Mundial, diante da urgência de reconstruir as cidades demolidas. Com aquelas montanhas de escombros, entre 400 e 600 milhões de m³, conforme cita Santos (2007), viu-se a necessidade do desenvolvimento de tecnologias voltadas para reciclagem dos RCD. Zordan (1997), Leite (2001), realizaram pesquisas sobre as propriedades mecânicas em concretos reciclados, avaliando propriedades do seu estado fresco (massa específica e trabalhabilidade), e no estado endurecido que tratam, na sua grande maioria, de sua resistência à compressão e, quase sempre, o resultado é o mesmo: a viabilidade técnica dos concretos com agregados reciclados devido ao seu bom desempenho diante dessa propriedade. Apenas algumas recomendações precisam ser feitas para que essa afirmação se confirme que é o tratamento dado ao agregado reciclado antes da concretagem. Chen et al (2003), desenvolveram concretos com agregados reciclados de tijolos e concretos, utilizando os agregados reciclados em lotes separados de agregados graúdos reciclados, lavados e não lavados. Os resultados mostraram que os concretos reciclados, obtidos a partir dos agregados graúdos lavados, obtiveram valores em torno de 90% da resistência à compressão e flexão dos concretos de referência. Enquanto que para os concretos de agregados reciclados não lavados, os valores não passaram de 75%. A alta taxa de absorção de água dos agregados é um ponto a ser discutido. Por ser um agregado mais poroso, obviamente irá precisar de mais água para ter a mesma trabalhabilidade que concretos com agregados convencionais. Baseados nessa

18 18 teoria, muitos autores realizam misturas de concretos variando a quantidade de água para que o abatimento e a trabalhabilidade sejam satisfeitos. Dessa forma, a relação a/c é alterada e a classe de resistência desses concretos também acaba se alterando. A figura 1 expõe um exemplo de artefato produzido com agregados reciclados. Figura 1 blocos de concreto reciclado Fonte: 3.1 IMPACTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL A construção civil no Brasil esta cada vez crescendo mais. Este crescimento reflete um papel gigantesco no setor, estando presente em todas as regiões do planeta ocupadas pelo homem, na cidade ou no campo. De maneira geral o impacto ambiental da construção civil é proporcional a sua tarefa social.

19 Consumo de recursos naturais Além de o setor ser um dos maiores da economia ele produz os bens de maiores dimensões físicas do planeta, sendo consequentemente o maior consumidor de recursos naturais de qualquer economia. Uma das maiores preocupações que são levantadas é o que será feito no momento que esses recursos naturais se tornarem escassos. Estimativas precisas são difíceis de serem realizadas. Para SJOSTROM (1996), a construção civil consome boa parte dos recursos naturais extraídos no planeta, lembrando que estes materiais compreendem somente os materiais que chegam até o local da obra Estudos no Brasil sobre a utilização do agregado de reciclados da construção civil e demolição Em outros lugares como a Europa o uso de resíduo da construção civil é muito comum devido à questões ambientais. Mas, já no Brasil isto vem ganhando êxito desde 2002, com a Resolução CONAMA nº 307 que estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Atualmente existem pesquisas sobre a utilização do agregado reciclado de resíduos sólidos da construção civil e demolição na produção de componentes como blocos de pavimentação, blocos de alvenarias, concretos, na execução do concreto compactado com rolo (CCR) usando pavimento asfáltico ou de concreto. Embora as pesquisas apresentem um bom potencial para utilizar agregados reciclados em concretos das mais variadas classes de resistências, o emprego ainda é relativamente pequeno.

20 RESÍDUOS GERADOS PELA CONSTRUÇÃO CIVIL Resíduo é todo material ou substâncias restantes de qualquer atividade humana, que não se prestem para o uso, consumo ou reincorporação no circuito produtivo em seu estado original. (IBRACON, 2000, p.15). Normalmente, os resíduos gerados pela construção civil são considerados Classe lll (Resíduos Inertes), porque sua composição e características são conhecidas. Deste modo, as análises são dispensadas, já que são relativamente caras e desnecessárias para definição do tratamento e /ou disposição final desses resíduos. A composição básica do resíduo de obras de construção civil e de infraestrutura pode variar em função dos sistemas construtivos e da tecnologia que pode ser empregados na execução de uma obra. Os resíduos gerados pela construção civil possuem diversos materiais como: asfalto, vidro, concreto, argamassa, cal, material cerâmico, pedra brita, madeira, blocos e tijolos, papel, tintas e vernizes, etc. Apresentam potencial de reutilização de quase 100% além de ter características físicas que permitem seu emprego diretamente, ou com pequena intervenção, como moagem, mas sem a necessidade de processos envolvendo alta tecnologia e custo. Os resíduos oriundos de edificações derrubadas e outras estruturas são classificados como resíduos de demolição, enquanto os resíduos de construções novas, remodelagem e reformas de residências, edifícios comerciais e outras estruturas são classificados como resíduos de construção. (TCHOBANOGLOUS, 1997). A figura 2 mostra o percentual de resíduos gerados na construção civil.

21 21 Residencias Novas 20% Edificações novas(acima de 300m²)21% Reformas, Ampliações e Demolições 59% Figura 2 Resíduos gerados da construção civil. Fonte: Já o estudo de PINTO (1999) estimou que nas grandes cidades brasileiras as atividades do canteiro de obras são responsáveis por aproximadamente 50% dos resíduos de construção e demolição (RCD), enquanto que a atividade de demolição e manutenção é responsável pela outra metade. O RCD tem constituição variável, depende da fonte geradora construção ou reforma/demolição, fase de obra, tecnologia construtiva, natureza da obra, etc. Nessa constituição, podemos encontrar: solos, rochas, concreto (armado ou não), argamassas a base de cimento e cal, metais, madeira, plásticos diversos, materiais betuminosos, vidro, gesso (pasta e placa), tintas e adesivos, restos de embalagens, resíduos de cerâmica (tijolos e telhas), cerâmica branca, cimento amianto e produtos de limpeza de terrenos.

22 MANEJO E RECICLAGEM DO ENTULHO DA CONSTRUÇÃO CIVIL A prática de gestão de resíduos deve estar inserida adequadamente numa rede de fatores considerando os instrumentos da legislação, os procedimentos técnicos e operacionais, a inter-relação entre os diferentes órgãos da administração pública envolvidos, além da participação e o envolvimento da sociedade civil (LIMA e CHENNA, 2000). A NBR classifica a atividade de coleta de entulho como uma "coleta especial", citando o seguinte: "[...] A coleta especial contempla os resíduos não recolhidos pela coleta regular tais como entulho, animais mortos e podas de jardins. Pode ser programada para onde e quando houver resíduos a serem removidos [...]". 3.4 COLETA E TRANSPORTE DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO Na maioria das vezes o entulho não se destina a um local apropriado, sendo descarregados em terrenos baldios, sendo que as prefeituras normalmente não possuem recursos o bastante para dar um destino final adequado. Todavia, existem empresas especializadas que, por meio de caçambas metálicas, estocam e transportam todos os resíduos produzidos até o local de disposição final. A coleta e o transporte do RCD para áreas de depósito cada vez mais afastadas das regiões centrais congestionam o tráfego. Além disso, o recolhimento do RCD depositado ilegalmente representa um custo significativo. As estimativas de PINTO (1999) variaram entre US$ 5,4 / ton e US$ 14,8 / ton de RCD recolhido para diferentes cidades e diferentes técnicas de recolhimento. Para que o problema seja resolvido é preciso organizar um sistema de coleta eficiente, onde seja de fácil acesso a todos que seja determinado pela prefeitura e estimular uma campanha de conscientização, onde a comunidade participe.

23 A RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Brasil possui algumas experiências com usinas de reciclagem de RCD. Em novembro de 1991, foi inaugurada a primeira usina de reciclagem de entulho do Hemisfério Sul, localizada no bairro de Santo Amaro, zona sul de São Paulo: a Usina de Reciclagem de Entulho de Itatinga. Possui também as usinas de Santo André, Ribeirão Preto, São José dos Campos e Londrina, com bons resultados (NETO, 2005). O Projeto Entulho Bom, desenvolvido pela Universidade Federal da Bahia em parceria com a Caixa Econômica Federal, que teve como criador e coordenador o Prof. José Clodoaldo Silva Cassa ( ), foi premiado pela ONU, no ano de 2000, como uma das 100 MELHORES PRÁTICAS para melhoria da qualidade de vida e pela Caixa Econômica Federal como uma das 10 MELHORES PRÁTICAS para o desenvolvimento urbano. O foco principal desse projeto é a reciclagem e o reaproveitamento de entulho para materiais de construção, buscando minimizar os impactos sócio-ambientais causados pelo descarte inadequado de resíduos, preservar recursos naturais e melhorar a qualidade de vida na Região Metropolitana de Salvador. Segundo pesquisa de Neto (2005), temos, também, em Belo Horizonte - MG a usina de reciclagem de RCD do bairro de Estoril, que processa cerca de 100 ton/dia de RCD e a usina do bairro da Pampulha, com reciclagem estimada de 8,8 mil ton/mês de RCD, produzindo cerca de m³ de agregados reciclados. As informações a respeito da geração e destinação de RCD são escassas, segundo dados do Ministério das Cidades, porém, a participação no PIB do setor de atividade da qual se originam, é significativa. No Brasil, no ano de 2002, correspondeu a cerca de 8% PIB (CBIC 2003). Essa grande massa de resíduos gerenciada de uma forma inadequada degrada a qualidade da vida urbana, sobrecarrega os serviços municipais de limpeza pública e acentua a desigualdade social, já que muitos recursos são desviados para pagar a conta da coleta, transporte e disposição de resíduos depositados irregularmente em áreas públicas. Sendo a reciclagem uma solução para os impactos do RCD, por exemplo, redução da exploração contínua dos recursos naturais não renováveis e cada vez mais escassos e preservação de

24 24 áreas utilizadas como aterros de inertes, a idéia de aproveitar resíduos da construção civil ainda é vista com descaso em razão da falta de conhecimento técnico dos responsáveis da construção e de muitos que nelas operam. A figura 3 mostra o processo de triagem do RCD. Figura 3 Triagem dos RCD Fonte: 3.6 NORMAS VIGENTES NO PAÍS PARA PRODUÇÃO DE AGREGADOS O Brasil é um dos poucos países a ter aprovado normas específicas para utilização de agregados reciclados. A seguir encontram-se as normas relacionadas: NBR 15112/04 Resíduos de construção e resíduos volumosos: Área de transbordo e triagem; Diretrizes para projeto, implantação e operação. NBR 15113/04 Resíduo sólidos da construção civil e resíduos inertes: Aterros; Diretrizes para projeto, implantação e operação.

25 25 NBR 15114/04 Resíduos sólidos da construção civil: Área de reciclagem; Aterros; Diretrizes para projeto, implantação e operação. NBR 15115/04 Agregados reciclados e resíduos sólidos da construção civil: Execução de camadas de pavimentação; Procedimentos. NBR 15116/04 Agregados reciclados de resíduos sólidos da construção civil: Utilização em pavimentação e preparo de concreto sem função estrutural; Requisitos. Agora fica a disposição da iniciativa privada seguir essas normas, tornando a partir daí a utilização de agregados reciclados em larga escala. Sendo que a norma holandesa prevê a substituição de 20% de agregados naturais por reciclados sendo que não altera as propriedades mecânicas do concreto dependendo da tipologia Classificação dos Resíduos da Construção Civil Classe A - Resíduos reutilizáveis ou recicláveis como agregados, tais como: de construção, demolição, reformas e reparos de pavimentação e de outras obras de infra-estrutura, inclusive solos provenientes de terraplanagem; de construção, demolição, reformas e reparos de edificações: componentes cerâmicos (tijolos, blocos, telhas, placas de revestimento etc.), argamassa e concreto;

26 26 de processo de fabricação e/ou demolição de peças pré-moldadas em concreto (blocos, tubos, meios fios etc.) produzidas nos canteiros de obras. Classe B - Resíduos recicláveis para outras destinações, tais como plásticos, papel, papelão, metais, vidros, madeiras e outros. Classe C - Resíduos para os quais não foram desenvolvidas tecnologias ou aplicações economicamente viáveis que permitam a sua reciclagem/recuperação, tais como os produtos oriundos do gesso. Classe D - São resíduos perigosos oriundos do processo de construção, tais como tintas, solventes, óleos e outros ou aqueles contaminados ou prejudiciais à saúde oriundos de demolições, reformas e reparos de clínicas radiológicas, instalações industriais e outros bem como telhas e demais objetos e materiais que contenham amianto ou outros produtos nocivos à saúde Destinação quanto à sua classificação: Classe A: Deverão ser reutilizados ou reciclados na forma de agregados, ou encaminhados a áreas de aterro de resíduos da construção civil, sendo dispostos de modo a permitir a sua utilização ou reciclagem futura. Classe B: Deverão ser reutilizados reciclados ou encaminhados a áreas de armazenamento temporário, dispostos de modo a permitir sua utilização ou reciclagem futura. Classe C: Deverão ser armazenados, transportados e destinados em conformidade com as normas técnicas específicas. Classe D: Deverão ser armazenados, transportados, reutilizados e destinados em conformidade com as normas técnicas específicas. A figura 4 mostra um exemplo de resíduo do tipo classe A.

27 27 Figura 4 Resíduo classe A Fonte: A Resolução 307 do Conselho Nacional do meio Ambiente (CONAMA) Em 2002, o poder público demonstrou a preocupação com a utilização dos resíduos de construção civil, e apresentaram a Resolução n. 307 do Conselho Nacional do meio Ambiente, que tem como objetivo a redução, reutilização, reciclagem e destinação final destes materiais para que diminua os impactos ambientais gerados por estes. Na prática, o órgão criou responsabilidades a toda cadeia envolvida; geradores transportadores, receptores e municípios, gerando um ciclo de novos procedimentos e atividades controladas para fazer valer a regra. Conforme a Resolução 307 todo município deve criar um Programa Municipal de Gerenciamento, a possibilidade de grande parcela dos municípios não estarem aptas a atender à resolução não desobriga os geradores de desenvolverem o projeto e a gestão de resíduos, pois o descumprimento da resolução prevê punições baseadas em leis ambientais. Sendo que os geradores de resíduos são responsáveis por resíduos de atividades da construção civil, reforma reparos, demolições de estruturas, remoção de vegetação.

28 IMPORTANCIA DA RECICLAGEM DOS RCD A reciclagem de resíduos de construção é uma atividade que garante muitas vantagens tanto ambientais como econômicas, e vem sendo implantadas no Brasil, usinas de reciclagem em cidades médias e de grande porte. Esse processo de reciclagem pode ser feito individualmente ou em parcerias com as prefeituras. Os usos dados ao entulho possuem vantagens ambientais, econômicas e sociais: Economia na matéria prima; Diminuição da poluição visual e ambiental gerada pelo entulho; Preservação das reservas minerais; Criação de alternativa para as mineradoras, pois cada vez estão mais sujeitas ás restrições ambientais; Diminuição do gasto de energia e de geração de CO2 na produção e no transporte desses materiais. As vantagens da reciclagem também ajudam de certa forma nos custos de limpeza urbana dos municípios, pois com as empresas de reciclagem retirando esse entulho, as prefeituras não gastariam nada com essa etapa. É muito comum observar entulhos depositados em terrenos e nas margens das estradas, como mostra a figura 5. Figura 5 Depósito irregular dos entulhos

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica

ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica ESTUDO DO CONCRETO UTILIZANDO AGREGADO MIÚDO RECICLADO: Avaliação da Resistência Mecânica Danielle OLIVEIRA(1); Munique LIMA (2); Gibson MEIRA(3) ; Raphaele LIRA (4) Marcos PADILHA(5) (1) Centro Federal

Leia mais

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 NOME: AVALIAÇÃO DO USO DE AGREGADO MIÚDO OBTIDO ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE ENTULHOS EM CONCRETO DE CIMENTO

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO Problema transformado em oportunidade Hewerton Bartoli Presidente hewerton@abrecon.org.br Panorama da apresentação O que é RCC Legislação

Leia mais

MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) Ministério das Cidades Secretaria de Saneamento Ambiental

MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) Ministério das Cidades Secretaria de Saneamento Ambiental MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) RESOLUÇÃO CONAMA 307 Art. 3 o Os resíduos da construção civil deverão ser classificados, para efeito desta Resolução, da seguinte forma: I-Classe

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS

PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS XV INIC / X EPG - UNIVAP 2011 Emerson Carlos Miranda Cavalcanti1, Rogério Penna Forte

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS.

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. Ana Cláudia Santos da Silva Graduanda em Engenharia Ambiental e Sanitária Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS

Leia mais

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico.

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico. CONTROLE DE REVISÃO Código do Documento: Nome do Documento: ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Responsável pela Elaboração: Gerente de Segurança e Meio NE/SE Responsável

Leia mais

Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil. Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151

Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil. Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151 Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151 PROBLEMATIZAÇÃO Coleta do RCD: um problema logístico Uma empresa de coleta

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Adailton de O. Gomes; (2) Cleber M. R. Dias; (3) Alexandre T. Machado; (4) Roberto J. C. Cardoso;

Leia mais

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil.

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. RESÍDUOS SÓLIDOSS 1 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. 2 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do

Leia mais

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Ronaldo Alves de Medeiros Junior Universidade de Pernambuco-UPE, Recife, Brasil,

Leia mais

O REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SÓCIOAMBIENTAL NA CIDADE DE MONTES CLAROS-MG

O REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SÓCIOAMBIENTAL NA CIDADE DE MONTES CLAROS-MG O REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SÓCIOAMBIENTAL NA CIDADE DE MONTES CLAROS-MG Warley Barroso Silva Acadêmico do 2 Período do Curso de Engenharia Civil das

Leia mais

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente - SEPesq Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente Micheli Gonçalves Zamarchi Arquiteta e Urbanista Centro Universitário Metodista - IPA arquiteta.mz@gmail.com

Leia mais

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012.

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012. PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA 1 São José, dezembro de 2012. CONSIDERAÇÕES INICIAIS: Atendendo às determinações do Contrato 697/2012, as informações

Leia mais

REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS

REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS Evanisa F. R. Q. Melo (1); Rubens M. Astolfi (2); Leunir Freitas (3); Ricardo Henryque Reginato Quevedo

Leia mais

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Rosa do Carmo de Oliveira Lima¹ (Orientadora) - Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS

AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS Júlia Chaves BORGES (1); Raquel Jucá de Moraes SALES (2); Maria Elane Dias de OLIVEIRA (3); Antonio

Leia mais

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 1. Marcos legais no município 2. Resoluções Conselho Nacional do Meio Ambiente 3. Classificação dos resíduos de construção civil 4. Plano Integrado de Gerenciamento de

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA POTENCIAL DE RECICLAGEM DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA POTENCIAL DE RECICLAGEM DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO 606 ENTECA 2003 POTENCIAL DE RECICLAGEM DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO KAMIKAWA, Miriam Yoshie(1); ANGELIS NETO, Generoso De(2), VERONES, André Luiz Garbim(1), SANCHEZ, Victor Bortolo(1), ANGELIS,

Leia mais

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO Ronaldo Alves de Medeiros Junior Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco (POLI/UPE), Recife, Brasil,

Leia mais

Gestão, Arquitetura e Urbanismo

Gestão, Arquitetura e Urbanismo CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) CIVIL JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: CIVIL Gestão, Arquitetura e Urbanismo Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO Produzido por Exatas

Leia mais

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO.

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005.

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005.

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - CONSEMA RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. "Estabelece diretrizes para elaboração do Plano Integrado

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Caio Henrique Tinós Provasi

Leia mais

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010.

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil do Município de Porto Alegre, estabelece as diretrizes, os critérios e os procedimentos

Leia mais

GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha

GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha Andrew Motta Daher 1 Érika Silva Fabr2 RESUMO: A geração de rejeitos oriundos da construção civil promove severos

Leia mais

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR Maria Cristina Rodrigues Halmeman 1 ; Paula Cristina de Souza 2 ; André Nascimento Casarin 3 1 Professora Mestre, Universidade Tecnológica Federal Campo Mourão, Departamento de Engenharia de Produção Civil.

Leia mais

REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES

REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES Maria Edelma Henrique de Carvalho Porto (ISECENSA) maria_edelma@hotmail.com Simone Vasconcelos Silva (ISECENSA) simonevsinfo@yahoo.com.br

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa.

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa. Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Dosar um concreto é compor os materiais constituintes em proporções convenientemente

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO

DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO Afonso Maria Araújo (1) (1) Mestrando, Programa de Pós-Graduação em Geotecnica e Construção Civil, Universidade Federal

Leia mais

RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM

RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM Produção: Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall. Apoio Institucional: Sindicato da Indústria

Leia mais

PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL

PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL Nelma Miriam Chagas de Araújo (1); Tânia Maria Gomes Voronkoff Carnaúba (2); (1) Instituto Federal de Educação, Ciências

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA 614 LEVANTAMENTO E ANÁLISE COMPARATIVA DA CONSTITUIÇÃO DO RCD DE OBRAS DE REFORMA E DEMOLIÇÃO NA CIDADE DE LONDRINA-PR MENDES, Thiago Melanda 1 & MORALES, Gilson 2 1.Aluno de Iniciação Científica e bolsista

Leia mais

Estudo da trabalhabilidade em argamassas e concretos com utilização de RCD

Estudo da trabalhabilidade em argamassas e concretos com utilização de RCD Estudo da trabalhabilidade em argamassas e concretos com utilização de RCD Patrícia Krüger (Universidade Estadual de Ponta Grossa) E-mail: pkruger@uepg.br Annelise Breus de Souza (Universidade Estadual

Leia mais

Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha GTZ

Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha GTZ PROJETO COMPETIR Projeto COMPETIR Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha SENAI GTZ SEBRAE OBJETIVO Ampliar a competitividade das empresas da cadeia produtiva da Construção Civil, visando:

Leia mais

Resíduos de Construção e. Vanderley M. John Dr.Eng., Prof. Associado Depto. Eng. Construção Civil Escola Politécnica da USP

Resíduos de Construção e. Vanderley M. John Dr.Eng., Prof. Associado Depto. Eng. Construção Civil Escola Politécnica da USP Resíduos de Construção e Demolição Vanderley M. John Dr.Eng., Prof. Associado Depto. Eng. Construção Civil Escola Politécnica da USP Roteiro Desenvolvimento sustentável Resíduos e desenvolvimento sustentável

Leia mais

PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS RESUMO

PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS RESUMO PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS *Acadêmicos do Centro Universitário Filadélfia UniFil **Docente do Centro Universitário Filadélfia UniFil. faganello.adriana@unifil.br

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM 1 Régis Budke, 1 Jackson Rainério Cardoso & 2 Silvio Bispo do Vale 1 Graduandos em Engenharia de Minas e Meio Ambiente - UFPA. 2 Prof. da

Leia mais

Resíduos de construção e demolição (RCD) e agregados reciclados em Curi8ba e Região Metropolitana

Resíduos de construção e demolição (RCD) e agregados reciclados em Curi8ba e Região Metropolitana Twin Cities Solos das Regiões Metropolitanas de São Paulo e Curitiba Resíduos de construção e demolição (RCD) e agregados reciclados em Curi8ba e Região Metropolitana Andrea Sell Dyminski Universidade

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D )

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D ) SESSÃO TÉCNICA GESTÃO DE RESIDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) Fundamentoda Sessão; - Esta iniciativa partiu no âmbito do processo de RVCC Profissional onde o tema foi abordado por uma empresa parceira

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos Humberto Marques e Humberto Gonçalves Tomar, 3 de Março 2012 INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO A indústria da construção

Leia mais

Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade. Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA

Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade. Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA Impacto dos Resíduos de Construção Resíduos nas obras Impacto dos Resíduos de Construção Resíduos

Leia mais

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL Decreto / Norma Emissor Assunto Diretrizes e procedimentos / Resíduos da Construção Civil. Define a tipologia de resíduos da construção civil Artigo2º, tem I: Resíduos da construção civil: São os provenientes

Leia mais

ESTUDO E ANÁLISE DA FABRICAÇÃO DE CONCRETO A PARTIR DO USO DE RESÍDUOS DE BORRACHA DE PNEUS

ESTUDO E ANÁLISE DA FABRICAÇÃO DE CONCRETO A PARTIR DO USO DE RESÍDUOS DE BORRACHA DE PNEUS 99 ESTUDO E ANÁLISE DA FABRICAÇÃO DE CONCRETO A PARTIR DO USO DE RESÍDUOS DE BORRACHA DE PNEUS Camila Dias Pinaffi¹; Nayara Coelho Silva¹; Marina Ramos Furlan Solina¹; Filipe Bittencourt Figueiredo²; Leila

Leia mais

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA - (17) 3463-9014 TEL. (17) 3463-1495 O CER também comercializa materiais reciclados para obra de ótima qualidade como areia,

Leia mais

IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil

IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil Usina de Reciclagem de Resíduos: Aplicações para os RCD e Modelo de inclusão social Luísa Andréia Gachet Barbosa Professor Doutor do Centro Superior de Educação Tecnológica CESET UNICAMP e-mail: gachet@ceset.unicamp.br

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação

Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação Felipe Torres Tavares Cerveira Proença Mestrando do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Reciclagem e Reaproveitamento de resíduos sólidos da construção civil em São Luís MA: um processo sustentável 1

Reciclagem e Reaproveitamento de resíduos sólidos da construção civil em São Luís MA: um processo sustentável 1 REVISTA DO CEDS Periódico do Centro de Estudos em Desenvolvimento Sustentável da UNDB N. 1 agosto/dezembro 2014 Semestral Disponível em: http://www.undb.edu.br/ceds/revistadoceds Reciclagem e Reaproveitamento

Leia mais

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS PARA O CONTROLE TECNOLÓGICO E DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Engº.. Roberto José Falcão Bauer JUNHO / 2006 SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 2. PREMISSAS VISANDO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE APUCARANA

CÂMARA MUNICIPAL DE APUCARANA www.apucarana.pr.leg.br - Centro Cívico José de Oliveira Rosa, ~5A - 86800-235 - Fone (43) 3420-7000 ESTADO DO PARANA SÚMULA - Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil

Leia mais

Arquitetura Sustentável: Reciclagem de Resíduos da Construção Civil

Arquitetura Sustentável: Reciclagem de Resíduos da Construção Civil Arquitetura Sustentável: Reciclagem de Resíduos da Construção Civil Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br Texto adaptado a partir da Dissertação de Mestrado: CORCUERA,

Leia mais

RECICLAGEM DE RESIDUOS SOLIDOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NO MUNICIPIO DE GOIANIA BENEFICIOS AMBIENTAIS

RECICLAGEM DE RESIDUOS SOLIDOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NO MUNICIPIO DE GOIANIA BENEFICIOS AMBIENTAIS RECICLAGEM DE RESIDUOS SOLIDOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NO MUNICIPIO DE GOIANIA BENEFICIOS AMBIENTAIS Francyana Pereira Lima(*) Acadêmica do curso de Engenharia Ambiental da Unversidade Católica de Goiás

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA CONSTRUÇÃO CIVIL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA CONSTRUÇÃO CIVIL UNIVERSIDADE: Universidade Estadual de Campinas UNICAMP TÍTULO DO TRABALHO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA CONSTRUÇÃO CIVIL AUTORES: Paulo Sérgio Bardella; Gladis Camarini E-MAIL DOS AUTORES: pbardela@uol.com.br

Leia mais

Cartilha de gestão de entulho de obra

Cartilha de gestão de entulho de obra Cartilha de gestão de entulho de obra Introdução O Sinduscon-CE anualmente investe na publicação de manuais de segurança e sustentabilidade para o setor, com forma de incentivar as boas-práticas na construção

Leia mais

Estudo da Aplicação do Resíduo Grits na Fabricação de Elementos de Concreto

Estudo da Aplicação do Resíduo Grits na Fabricação de Elementos de Concreto Estudo da Aplicação do Resíduo Grits na Fabricação de Elementos de Concreto Adair José Magalhães 1 Élcio Cassimiro Alves 2 Resumo O presente estudo tem como objetivo principal avaliar a viabilidade técnica

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Período: 2º semestre de 2014 Docente: Priscila Borges Alves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Prontuário: 20.006-2 Regime de trabalho: [ X ] RDE [ ] 40h [ ] 20h Área: [ ]

Leia mais

COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS

COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS Tatiana Nunes Oliveira CEFET-MG Ricardo André Fiorotti Peixoto CEFET-MG Viviane de Jesus Gomes Alves CEFET - MG Introdução

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DO BLOCO DE CONCRETO COM ADIÇÃO DE FRESAGEM ASFÁLTICA.

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DO BLOCO DE CONCRETO COM ADIÇÃO DE FRESAGEM ASFÁLTICA. AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DO BLOCO DE CONCRETO COM ADIÇÃO DE FRESAGEM ASFÁLTICA. Luiz Humberto de Souza (*),Vanessa Rosa Fidelis, Breno França Martins, Laianne Batista Vieira Fogaça, Lara Letícia Galdino

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P11 BASE DE CONCRETO MAGRO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 3.1 CIMENTO... 3 3.2 AGREGADOS...

Leia mais

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM 1 Importância A dosagem do concreto: É o processo de obtenção da combinação correta de cimento, agregados, águas, adições e aditivos Os efeitos da dosagem

Leia mais

DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Claudiceia Silva Mendes 1 Resumo: A construção civil é reconhecida como uma das mais importantes

Leia mais

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP Paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

Gerenciamento dos Resíduos da Construção

Gerenciamento dos Resíduos da Construção Gerenciamento dos Resíduos da Construção Resíduos da Construção e Demolição Engenheiro Civil e Doutor em Engenharia Ambiental Joácio Morais Júnior João Pessoa - 2013 Problemática 2 ANÁLISE DO CICLO DE

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BRITADOR IMPACTO DE EIXO VERTICAL (VSI) ZL EQUIPAMENTOS. 1. DESCRIÇÃO. Os Britadores de eixo vertical VSI, projetado pela ZL Equipamentos, são confeccionados aqui no Brasil, ou

Leia mais

5 Resultados e Discussões

5 Resultados e Discussões 5 Resultados e Discussões O mercado para reciclagem existe e encontra-se em crescimento, principalmente pelo apelo exercido pela sociedade por produtos e atitudes que não causem agressão ao meio ambiente,

Leia mais

DESAFIOS DA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RCC CASE GR2 SANTA MARIA

DESAFIOS DA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RCC CASE GR2 SANTA MARIA DESAFIOS DA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RCC CASE GR2 SANTA MARIA PALESTRANTES GILSON TADEU AMARAL PIOVEZAN JUNIOR Engenheiro Civil - UFSM Especialista em Gestão de Recursos Hídricos - UFSM

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO)

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão e aproveitamento dos resíduos da construção civil e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

1.2 Número de cursos sobre resíduos da construção civil realizados 5 1.3. Número de intervenções realizadas em canteiros de obras de construção civil

1.2 Número de cursos sobre resíduos da construção civil realizados 5 1.3. Número de intervenções realizadas em canteiros de obras de construção civil SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Sensibilização para o Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil Edvaldo Sabino 04/06/2013 + = TERMO DE PARCERIA 022/2008 Sensibiliz. para

Leia mais

INSTITUTO NOVA ÁGORA DE CIDADANIA INAC Pça. Da Liberdade, 262 2º andar CEP: 01503-010 São Paulo-SP PROPOSTA COMERCIAL. Eng Rafael Clemente Filgueira

INSTITUTO NOVA ÁGORA DE CIDADANIA INAC Pça. Da Liberdade, 262 2º andar CEP: 01503-010 São Paulo-SP PROPOSTA COMERCIAL. Eng Rafael Clemente Filgueira PROPOSTA COMERCIAL Eng Rafael Clemente Filgueira Coordenador de Pesquisas CRCD O Instituto Nova Ágora de Cidadania, é uma instituição do terceiro setor, uma organização não governamental sem fins lucrativos,

Leia mais

ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL PARA DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS CLASSE A: AVALIAÇÃO DA RECICLAGEM EM CANTEIROS DE OBRAS

ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL PARA DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS CLASSE A: AVALIAÇÃO DA RECICLAGEM EM CANTEIROS DE OBRAS ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL PARA DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS CLASSE A: AVALIAÇÃO DA RECICLAGEM EM CANTEIROS DE OBRAS Patricia P. A. Evangelista (1); Dayana Bastos Costa (2); Viviana Maria Zanta (3) (1) Área de

Leia mais

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor 1. CONCEITO: Produto resultante da associação íntima entre um aglomerante mais um agregado miúdo, mais um agregado graúdo e água (+ ferragens). 2. CARACTERÍSTICAS Quanto aos esforços: compressão, tração

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECICLADOS DE CERÂMICA VERMELHA

UTILIZAÇÃO DE RECICLADOS DE CERÂMICA VERMELHA UTILIZAÇÃO DE RECICLADOS DE CERÂMICA VERMELHA OLIVEIRA, André, S.¹ Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva- FAIT SANTOS, Ivan, R.² Docente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias

Leia mais

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento

Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria do Agregado Miúdo para Uso em Argamassas de Revestimento FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Engenharia Civil - Joinville Nome do projeto: Estudo Comparativo da Granulometria

Leia mais

ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 1/11 LEI Nº 3645, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012. (Regulamentada pelo Decreto nº 6101/2015) ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina AVALIAÇÃO DO POTENCIAL QUANTITATIVO DO ENTULHO DE CONSTRUÇÃO

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente. RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente. RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015 PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015 Disciplina a apresentação de Planos de Gerenciamento de Resíduos da Construção

Leia mais

Panorama dos Resíduos de Construção e Demolição

Panorama dos Resíduos de Construção e Demolição Artigo Técnico Panorama dos Resíduos de Construção e Demolição * Mayko de Sousa Menezes, Fernanda Veronesi Marinho Pontes e Júlio Carlos Afonso Departamento de Química Analítica, Instituto de Química -

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC 1.0 DADOS DO GERADOR/CONSTRUTOR (folha de 8 itens) PROCESSO Nº: CAD Nº: 1.1. Razão Social: 1.2 Endereço: 1.3 Fone: Fax: 1.4 E-mail: 1.5 CPF:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS Lucas Palma Tasca 1 ; Francislaine Facina 2, Janaina de Melo Franco³, Judson Ribeiro RESUMO: O concreto é um dos materiais mais utilizados

Leia mais

TÉCNICAS DE MANEJO E GESTÃO ADEQUADAS DE USINAS DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - RCC

TÉCNICAS DE MANEJO E GESTÃO ADEQUADAS DE USINAS DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - RCC TÉCNICAS DE MANEJO E GESTÃO ADEQUADAS DE USINAS DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - RCC Gilson Morales (1) Doutor em Engenharia Civil/EPUSP e École des Ponts et Chaussées de Paris, Professor

Leia mais

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO PAINEL: MATERIAIS ALTERNATIVOS AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO ROSÂNGELA MOTTA Laboratório de Tecnologia de Pavimentação Departamento de Engenharia de Transportes

Leia mais