Caracterização reológica e mecânica de concretos leves autoadensáveis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caracterização reológica e mecânica de concretos leves autoadensáveis"

Transcrição

1 3º Congresso Ibéroamericano sobre betão auto-compactável Avanços e opórtunidades Madrid, 3 e 4 de Dezembro de 2012 Caracterização reológica e mecânica de concretos leves autoadensáveis T. M. Grabois Programa de Engenharia Civil, COPPE, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil. R. D. Toledo Filho Programa de Engenharia Civil, COPPE, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil. G. C. Cordeiro Laboratório de Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Brasil. RESUMO O presente trabalho apresenta os resultados de um estudo experimental sobre o comportamento reológico e mecânico de concretos leves autoadensáveis (CLAA). Duas classes de CLAA foram produzidas, uma contendo apenas agregados graúdos leves e outra com agregados graúdos e miúdos leves. O agregado leve utilizado na composição dos concretos foi a argila expandida, comercialmente disponível no Brasil. Avaliou-se as propriedades do concreto no estado fresco, através de ensaios tradicionais como o espalhamento de tronco de cone, espalhamento com o cone invertido, funil V e teor de ar aprisionado. A segregação e uniformidade da distribuição dos agregados ao longo dos corpos de prova foram avaliadas através de fotografias das seções transversais das amostras. Além das propriedades no estado fresco foram também determinadas propriedades no estado endurecido, como massa específica, resistência à compressão e módulo de elasticidade das diferentes misturas estudadas. Os resultados indicaram que para as diferentes classes de CLAA produzidas o diâmetro de espalhamento esteve entre 600 e 700 mm e o tempo de escoamento no funil V foi inferior a 25 segundos. Os concretos apresentaram valores de massa específica entre 1700 e 1800 kg/m³ com valores de resistência à compressão numa faixa de 35 a 37 MPa e módulo de elasticidade em torno de 20 GPa. PALAVRAS-CHAVE: concreto leve autoadensável; agregado leve; caracterização. 1.- INTRODUÇÃO A utilização de concreto estrutural leve ao longo dos anos vem sendo, cada vez mais, adotada em inúmeros projetos e aplicações devido ao seu bom comportamento mecânico e durabilidade [1]. O desenvolvimento do concreto autoadensável (CAA) facilitou a execução de estruturas de concreto que passaram a depender menos da qualidade da mão-de-obra devido à sua capacidade de autocompactação, mesmo nos cantos mais 411

2 Caracterização reológica e mecânica de concretos leves autoadensáveis estreitos e difíceis de preenchimento dos moldes estruturais, sem a necessidade de adensamento [2]. Diversas características, tanto no que se refere ao comportamento no estado fresco quanto no endurecido, dos concretos leves autoadensáveis (CLAA) proporcionam vantagens na produção deste material em comparação aos concretos de massa específica convencional [3]. No caso particular dos CLAA algumas características podem ser destacadas: redução no peso próprio das estruturas e consequentemente nas cargas sobre as fundações e nos custos finais; redução da poluição sonora no entorno das construções devido à ausência de vibração; excelentes propriedades térmicas e acústicas através da redução da condutividade térmica, redução da massa específica e elevada porosidade dos agregados leves; aumento da resistência ao fogo; excelente acabamento das superfícies devido à sua fluidez, capacidade de adensamento e preenchimento das formas; redução dos custos de transportes, no caso de estruturas pré-fabricadas. [3, 4, 5, 6, 7, 8]. Pesquisas voltadas para a caracterização de concreto leve autoadensável são relevantes devido ao conhecimento ainda restrito sobre suas propriedades. O concreto leve autoadensável é uma técnica recente que propõe a prática, já consagrado na indústria da construção, de redução do peso em estruturas de concreto através da utilização de agregados leves em conjunto à tecnologia contemporânea do concreto autoadensável. Nesse contexto, este trabalho tem por objetivo produzir duas matrizes de CLAA com massa específica entre 1700 e 1800 kg/m³ utilizando agregados leves de argila expandida e investigar o comportamento destes concretos no estado plástico, no que diz respeito à sua capacidade de fluidez e desempenho de autocompactação, e no estado endurecido, avaliando a resistência mecânica sob esforços de compressão e o módulo de elasticidade. 2.- MATERIAIS E METODOLOGIA DE PRODUÇÃO DOS CONCRETOS Materiais Os materiais utilizados na pesquisa foram: cimento Portland de alta resistência inicial (CPV ARI), cinza volante, argila expandida na fração graúda (AE1506) e miúda (AE0500), areia natural quartzosa, aditivo superplastificante (SP) à base de éter policarboxilato, agente modificador de viscosidade (VMA) e água. Os materiais finos foram caracterizados segundo ensaios de granulometria via analisador a laser e massa específica por picnômetro à gás hélio (He). A caracterização dos agregados foi realizada de forma a determinar sua granulometria por peneiramento mecânico e massa específica e absorção de água segundo as normas ABNT NBR NM52 [9] e NBR NM53 [10], respectivamente. Porém, para o caso da argila expandida, uma adaptação aos ensaios de absorção e massa específica foi adotada, e pode ser encontrada com mais detalhes em [11]. Algumas propriedades dos materiais constituintes estão apresentadas na Tabela 1 e suas curvas granulométricas estão na Fig

3 T. M. Grabois, R. D. Toledo Filho, G.C. Cordeiro Materiais Tabela 1. Caracterização dos materiais constituintes do CLAA Massa específica [kg/m³] Absorção-24hs [%] D máx [mm] CPV ARI 3208,6 - - Cinza volante 2404,7 - - Areia 2667,9 1,4 2,36 AE ,4 6,45 4,75 AE ,4 13,95 12,5 Figura 1. Curvas granulométricas dos materiais constituintes dos CLAA Produção dos CLAA Os concretos foram dosados com cimento Portland e cinza volante (30% em massa) como materiais cimentícios. Para ambas as classes de concretos leves autoadensáveis, os agregados graúdos adotados foram, em sua totalidade, de argila expandida (AE1506). As duas classes foram nomeadas de acordo com o material constituinte que as diferenciou, o agregado miúdo. Uma classe foi dosada com 100% de areia natural quartzosa (CLAA1000) e a outra com 70% de areia e 30% de argila expandida na fração miúda (AE0500), denominada de CLAA7030. A relação água-material cimentício (a/mc) da mistura CLAA1000 foi de 0,36 e a relação água-cimento (a/c) foi de 0,51, enquanto que, para a classe CLAA7030 as relações (a/mc e a/c) foram de 0,42 e 0,60, respectivamente. É importante ressaltar que, apesar dos constituintes serem praticamente os mesmos e as propriedades almejadas para os concretos também, as duas classes apresentaram dosagens completamente distintas, conforme apresentado na Tabela

4 Caracterização reológica e mecânica de concretos leves autoadensáveis Tabela 2. Composição dos CLAA em kg/m³ Materiais [kg/m³] Misturas CPV Cinza Areia AE0500 AE1506 Agua SP VMA ARI volante CLAA ,8 12,9 - CLAA ,5 8,9 0, Metodologia de caracterização dos CLAA As propriedades dos CLAA no estado fresco foram determinadas através de ensaios de espalhamento (slump flow test), espalhamento com o cone invertido, fluidez com o funil V e teor de ar aprisionado. A determinação da massa específica (γ) dos concretos foi realizada de acordo com ensaio de absorção total de água por imersão, prescrito pela ABNT NBR 9778 [12], em corpos-de-prova cilíndricos com 100 mm de diâmetro e 100 mm de altura, após 28 dias de cura úmida. A resistência à compressão uniaxial e o módulo de elasticidade dos concretos produzidos foram determinados segundo as prescrições da ABNT NBR 5739 [13], utilizando corpos-de-prova cilíndricos de 100 mm de diâmetro e 200 mm de altura. Os concretos foram avaliados após 1, 3, 7 e 28 dias de cura. Aos 28 dias, além da carga de ruptura, o comportamento tensão versus deformação foi obtido com emprego de transdutores elétricos (LVDT), para medição dos deslocamentos longitudinais, acoplados à região central dos corpos-de-prova. 3.- CARACTERIZAÇÃO DOS CLAA Propriedades no estado fresco Os dados obtidos experimentalmente para caracterização dos CLAA no estado fresco estão apresentados na Tabela 3. Os valores de espalhamento de tronco de cone, na posição original e invertida, indicaram comportamento satisfatório para as misturas CLAA1000 e CLAA7030 e estiveram compreendidos entre 600 mm e 750 mm. Nos ensaios com o funil V, assim como nos resultados de espalhamento, o comportamento dos concretos leves autoadensáveis foi atendido, onde ambos os concretos apresentaram tempo de escoamento inferior a 25 segundos. Estes resultados indicaram comportamento de elevada fluidez e viscosidade nos CLAA sem apresentar nenhum tipo de segregação, conforme apresentado nas imagens da Fig. 2. Além disso, os resultados apresentados estão de acordo com estudos anteriores [3, 5, 7] para diferentes misturas de concretos leves autoadensáveis. 414

5 T. M. Grabois, R. D. Toledo Filho, G.C. Cordeiro Tabela 3. Propriedades dos CLAA no estado fresco Espalhamento Misturas Tronco de cone mm] Cone invertido ([mm] Funil V [s] Teor de ar [%] CLAA ,0 CLAA ,1 (a) (b) (c) (d) Figura 2. Ensaios de espalhamento de tronco de cone para os concretos: (a) e (b) CLAA1000; (c) e (d) CLAA Propriedades no estado endurecido Os concretos CLAA1000 e CLAA7030 apresentaram valores de massa específica iguais a 1764 e 1749 kg/m³, respectivamente. Seções transversais de corpos-de-prova cilíndricos das diferentes misturas também foram analisadas e, com as imagens da Fig. 3, pode-se observar a distribuição uniforme dos agregados leves por toda a amostra confeccionada e a ausência de segregação, já constatada na discussão das propriedades no estado fresco. 415

6 Caracterização reológica e mecânica de concretos leves autoadensáveis (a) (b) Figura 3. Seções transversais dos corpos-de-prova cilíndricos: (a) CLAA1000; e (b) CLAA7030 A evolução da resistência à compressão em função do tempo de cura é apresentada na Fig. 4a, indicando que as duas matrizes leves apresentaram valores elevados de resistência à compressão nas primeiras idades. Neste caso, ambas as misturas apresentaram resistência em torno de 25 MPa com apenas 1 dia de cura, o que equivale a cerca de 70% da resistência alcançada aos 28 dias. Além disso, de acordo com a análise de variância (ANOVA), ao nível de 5% de probabilidade, não houve diferenças significativas com relação à resistência obtida pelas diferentes classes de CLAA em nenhuma das idades avaliadas. Os concretos produzidos neste trabalho podem ser classificados de acordo com o ACI 213R [1], como concretos leves estruturais, pois apresentaram valores de resistência à compressão aos 28 dias bem superiores aos 17 MPa estabelecidos pelo guia do ACI e massa específica inferiores a 1920 kg/m³. Curvas típicas tensão versus deformação, obtidas após 28 dias de cura, são apresentadas na Fig. 4b. Para os resultados de módulo de elasticidade (E) e deformação de pico (ε u ) as diferenças não foram significativas, os valores médios (± desvio padrão) de E foram 21,4 (± 1,3) e 22 (± 1,2) GPa para os concretos CLAA1000 e CLAA7030, respectivamente, enquanto que os resultados de ε u foram 1941(± 142) e 1936 (± 99) με. Observou-se ainda que as misturas CLAA 1000 e CLAA 7030 apresentaram, respectivamente, comportamento linear elástico de cerca de 58 e 62% da carga máxima de ruptura, maiores do que os resultados obtidos em concretos de massa específica convencional de mesma classe de resistência, que de acordo com [14] apresentam desvio da linearidade entre 30 e 50% da carga de ruptura do material, onde as microfissuras da zona de transição na interface aumentam de comprimento, de abertura e em quantidade. Este comportamento ocorre, provavelmente, em função dos valores de módulo de elasticidade dos agregados leves, serem mais próximos aos valores de E da argamassa. Além disso, este tipo de agregado é capaz de promover uma melhor ligação com a argamassa devido à superfície rugosa e o seu interior poroso [15, 16]. 416

7 T. M. Grabois, R. D. Toledo Filho, G.C. Cordeiro (a) (b) Figura 4. Resistência à compressão: (a) evolução da resistência em função do tempo; (b) curvas típicas tensão versus deformação aos 28 dias de cura As imagens da Fig. 5 ilustram o modo de ruptura dos CLAA, onde se observou que a ruptura ocorreu através dos agregados leves de argila expandida. Percebeu-se, assim, que neste caso a zona de transição entre as fases permaneceu integra, provavelmente, em função da melhor ligação matriz cimentícia agregado leve poroso. A literatura técnica [17, 18] aponta que o modo de ruptura típico dos concretos leves é diferente do encontrado em concretos convencionais de mesma classe de resistência, se assemelhando ao modo de fratura encontrado em concretos de alta resistência de massa específica convencional. Em concretos com agregados leves a matriz cimentícia é, normalmente, mais resistente do que os agregados e o colapso do concreto ocorrerá quando a argamassa não for mais capaz de suportar carregamento com superfície de ruptura ocorrendo através dos agregados, enquanto que em concretos convencionais as partículas dos agregados são mais resistentes do que a matriz e a fratura incidirá ao redor do agregado, propiciando o descolamento entre as fases. 417

8 Caracterização reológica e mecânica de concretos leves autoadensáveis (a) (b) 4.- CONCLUSÕES (c) (d) Figura 5. Modo de ruptura dos corpos-de-prova submetidos à esforços de compressão uniaxial: (a) e (b) CLAA1000; (c) e (d) CLAA7030 Com base nos resultados apresentados concluiu-se, de forma geral, que os agregados leves de argila expandida adotados na confecção das misturas permitiram a produção de matrizes de elevada fluidez e plasticidade no estado fresco, assim como em concretos autoadensáveis com agregados de massa específica convencional. As elevadas propriedades reológicas obtidas no estado fresco estiveram associadas a teores de ar aprisionado em torno de 2% e também à distribuição homogênea dos agregados leves de argila expandida por toda a matriz cimentícia, sem a existência de segregação, o que possibilitou classifica-los como concretos leves autoadensáveis. Aos 28 dias de cura a resistência à compressão das duas classes de concretos leves autoadensáveis apresentou valores em torno de 35 MPa e os resultados alcançados para o módulo de elasticidade estiveram entre 21 e 22 GPa. Além disso, ambas as misturas 418

9 T. M. Grabois, R. D. Toledo Filho, G.C. Cordeiro desenvolvidas obtiveram massa específica inferior a 1800 kg/m³ e se encontraram classificadas na faixa de concretos leves estruturais, definida pelo ACI 213R-03. Além disso, os CLAA apresentaram valores de resistência à compressão acima de 20 MPa após 1 dia de cura em função do cimento de alta resistência inicial adotado e sua evolução se mostrou coerente até os 28 dias de cura úmida. O comportamento elástico linear em torno de 60% da carga de ruptura, apresentado pelos CLAA, foi superior ao encontrado em concretos de massa específica convencional de mesma classe de resistência. A ruptura se deu através dos agregados leves, uma vez que a zona de transição na interfase permaneceu integra e a argamassa foi, provavelmente, mais resistente do que o agregado. REFERÊNCIAS [1] AMERICAN CONCRETE INSTITUTE - Guide for Structural Lightweight Aggregate Concrete. ACI Committee 213R-03, Detroit: American Concrete Institute. [2] OKAMURA, H.; OUCHI, M. - Self-Compacting Concrete. Journal of Advanced Concrete Technology. Japan Concrete Institute, v. 1, pp [3] TOUTANJI, H., PIERCE K., NOUMOWE A. - Mix design and Strengh Performance of Lightweight Self-consolidating Concrete: 5th International RILEM Symposium on Self-Compacting Concrete. Ghent: RILEM Publications SARL, [4] COLLEPARDI, M., BORSOI A., COLLERPARDI S., TROLI R. - Recent Developments of Special SCC's. Proceedings of Seventh CANMET/ACI International Conference on Recent Advances in Concrete Technology. Las Vegas: [5] SHI, C.; WU, Y. - Mixture Proportioning and Properties of Self-Consolidating Lightweight Concrete Containing Glass Powder. ACI Materials Journal, [6] HWANG, C.; HUNG, M. - Durability Design and Performance of Self-consolidating Lightweight Concrete. Construction and Buildng Materials: Elsevier, [7] WU, Z., ZHANG Y., ZHENG J., DING Y. - An Experimental Study on the Workability of Self-compacting Lightweight Concrete. Construction and Building Materials: Elsevier, [8] COSTA, H., JÚLIO E., LOURENÇO J. - Formulação e Caracterização de Betões Estruturais de Agregados Leves Auto-compactáveis. 2º Congresso Ibérico sobre betão auto-compactável. Guimarães: BAC, [9] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - Agregado miúdo: Determinação da massa específica e massa específica aparente. NBR NM 52, Rio de Janeiro. 419

10 Caracterização reológica e mecânica de concretos leves autoadensáveis [10] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - Agregado graúdo: Determinação da massa específica, massa específica aparente e absorção de água. NBR NM 53, Rio de Janeiro. [11] GRABOIS, T. - Desenvolvimento e Caracterização Experimental de Concretos Leves Autoadensáveis Reforçados com Fibras de Sisal e Aço. Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE, p. Dissertação de Mestrado. [12] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - Argamassa e concreto endurecidos: Determinação da absorção de água, índice de vazios e massa específica. NBR 9778, 2005, Rio de Janeiro. [13] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - Concreto: Ensaios de compressão de corpos-de-prova cilíndricos. NBR 5739, 2007, Rio de Janeiro. [14] METHA P. K.; MONTEIRO P. J. M. - Concreto: Microestrutura, Propriedades e Materiais. São Paulo: IBRACON, p. Tradução da 3ª edição em Inglês: ISBN [15] DE LARRARD, F. - Concrete Mixture Proportioning: A Scientific Approach, Modern Concrete Technology Series. London: E&FN SPON, v. 9, 421p. [16] ROSSIGNOLO, J. A. - Concreto leve estrutural: Produção propriedades, microestrutura e aplicações. São Paulo: PINI, p. ISBN [17] ZHANG, M. H.; GJØRV, O. E. - Mechanical properties of high strength lightweight concrete. ACI Materials Journal, [18] EUROLIGHTCON - Economic Design and Construction with Light Weight Aggregate Concrete - Mechanical properties of lightweight aggregate concrete. Document BE /R23, p. ISBN

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM João A. Rossignolo Professor outor, epartamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos USP, e-mail:

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

Desenvolvimento e caracterização experimental de concretos autoadensáveis de alto desempenho contendo seixo rolado

Desenvolvimento e caracterização experimental de concretos autoadensáveis de alto desempenho contendo seixo rolado 3º Congresso Ibéroamericano sobre betão auto-compactável Avanços e opórtunidades Madrid, 3 e 4 de Dezembro de 212 Desenvolvimento e caracterização experimental de concretos autoadensáveis de alto desempenho

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo Esta pesquisa tem como proposta

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA. Bruno Carlos de Santis 1. João Adriano Rossignolo 2

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA. Bruno Carlos de Santis 1. João Adriano Rossignolo 2 ENTECA 2013 IX Encontro Tecnológico da Engenharia Civil e Arquitetura 1 a 3 de outubro de 2013 AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA EM CONCRETOS PRODUZIDOS COM AGREGADOS LEVES DE ARGILA CALCINADA Bruno Carlos de Santis

Leia mais

Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis. -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O.

Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis. -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O. Estudo do Mecanismo de Transporte de Fluidos de Concretos Auto-Adensáveis -Mendes,M.V.A.S.; Castro, A.; Cascudo, O. Maceió-Alagoas outubro/2012 Objetivos do Trabalho - Avaliar se a trabalhabilidade do

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN DOSAGEM DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL PELO MÉTODO DE TU- TIKIAN E DAL MOLIN Daniele Kochem (PIBIC/Fundação Araucária-UNIOESTE), Jeferson Marinho Camboin, Lennon Biancato Runke, Maxer Antonio da Rosa, Giovanna

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A CONCRETO Profa. Lia Lorena Pimentel CONCRETO 1. DEFINIÇÃO Aglomerado resultante da mistura de cimento, água, agregados

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade

Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade Eduardo Mesquita Cortelassi

Leia mais

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP Paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Influência do índice de forma do agregado graúdo na resistência a compressão do concreto Resumo Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Josué A. Arndt(1); Joelcio de

Leia mais

Planejamento experimental

Planejamento experimental 3 Planejamento experimental Essa etapa é composta pela exposição das variáveis de estudo, caracterização dos materiais, consistência do concreto fresco, plano experimental com as famílias de concreto estudadas,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO Evaluation of the effect of recycled aggregate concrete in mechanical properties of composite cimentitius

Leia mais

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM SUBSTITUIÇÃO À AREIA (PARTE 1) SELF-COMPACTING CONCRETE: EVALUATION OF INDUSTRIAL WASTES REPLACING THE SAND (PART 1) Silva, Cláudia

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS Tatiana Pereira Jucá (1), Fernando Alves Teixeira (1),Cláudio Henrique de Almeida Feitosa Pereira (1), Keila Regina Bento de Oliveira

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE CONCRETOS LEVES PRODUZIDOS COM ARGILA EXPANDIDA NACIONAL

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE CONCRETOS LEVES PRODUZIDOS COM ARGILA EXPANDIDA NACIONAL ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE CONCRETOS LEVES PRODUZIDOS COM ARGILA EXPANDIDA NACIONAL Study of compressive stregth of lightweight concrete produced with national expanded clay Resumo Maycá, Jeferson

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA Alessandra L. de Castro; Rafael F. C. dos Santos; Givani Soares de Araújo 54º Congresso Brasileiro do Concreto

Leia mais

Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado

Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado Carlos Cabreira Gomes (1), Fernando Pelisser (2). (1) Acadêmico do curso de Engenharia Civil, Universidade do Extremo Sul Catarinense. (2)

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais

MÓDULO DE DEFORMAÇÃO DO CONCRETO LEVE ESTRUTURAL DE ALTO DESEMPENHO

MÓDULO DE DEFORMAÇÃO DO CONCRETO LEVE ESTRUTURAL DE ALTO DESEMPENHO MÓDULO DE DEFORMAÇÃO DO CONCRETO LEVE ESTRUTURAL DE ALTO DESEMPENHO 99 MÓDULO DE DEFORMAÇÃO DO CONCRETO LEVE ESTRUTURAL DE ALTO DESEMPENHO João Adriano Rossignolo Professor Doutor do Depto. de Arquitetura

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Aditivos; Concreto Auto-Adensável Adensável (CAA): Definições,

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Definição de concreto hidráulico e de argamassa. Componentes; indicação das proporções

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

Ficha Técnica de Produto

Ficha Técnica de Produto Ficha Técnica de Produto GLENIUM 3400 NV Aditivo hiperplastificante. GLENIUM 3400 NV é um aditivo com alto índice de redução de água, pronto para o uso. O GLENIUM 3400 NV é uma nova geração de aditivos

Leia mais

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO Costenaro, F. L. (1); Isa M. M. (2) (1) Graduanda de Eng. Civil. Faculdade de Engenharia de Bauru

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA AUTORES : Engº Roberto J. Falcão Bauer (Diretor técnico) Engº Rubens Curti (Gerente técnico) Engº Álvaro Martins

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

agregados leves Anderson de Oliveira Sergio Luis González Garcia Guilherme Chagas Cordeiro

agregados leves Anderson de Oliveira Sergio Luis González Garcia Guilherme Chagas Cordeiro Avaliação do desempenho estrutural em serviço de lajes treliçadas prémoldadas de concretos com agregados leves Evaluation of the structural performance at service of concrete precast truss slabs with lightweight

Leia mais

Sandra Regina Bertocini (1); Victor Rondon Pereira França (2); Henrique Lopes Siqueira (3) Guilherme Azuaga Fleitas (4).

Sandra Regina Bertocini (1); Victor Rondon Pereira França (2); Henrique Lopes Siqueira (3) Guilherme Azuaga Fleitas (4). Resumo Estudo de caso: Adequação de traço de CAA com uso de areia de britagem na indústria de pré-fabricado. Study of case: adequacy of self compacting concrete (SCC) trait using sand from the gsravel

Leia mais

Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert

Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert Aços Longos Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert Produtos Drawings, photo s: copyright N.V. Bekaert Dramix As fibras de aço Dramix são produzidas a partir de fios de aço trefilados tendo como

Leia mais

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS Helton Gomes ALVES 1, Kátya Dias NERI 1, Eudésio Oliveira VILAR 1 1 Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU VIVIANE DA COSTA CORREIA 1, JOSÉ DAFICO ALVES 2, CÍRIO JOSÉ COSTA 3 1 Bolsista PBIC/UEG, acadêmico do curso de Engenharia Agrícola da UnUCET - UEG

Leia mais

Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias?

Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias? Seminário: Concreto: O que utilizar nas diversas Tipologias? EngºArcindo A. Vaquero y Mayor Wish List Veloz Durável Prático (com racionalização) Econômico Baixo Desperdicio Confortável (Desempenho Termico

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA KREUZ, Anderson Luiz (1); CHERIAF, Malik (2); ROCHA, Janaíde Cavalcante (3) (1) Engº. Civil, Mestrando do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais Khalil Elias Khalil Ajaime. Itapeva São Paulo

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO Jéssica Spricigo da Rocha Bonifácio (1), Daiane dos Santos da Silva Godinho (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO. Professora: Mayara Custódio

CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO. Professora: Mayara Custódio CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO Professora: Mayara Custódio CONSISTÊNCIA DO CONCRETO CONSISTÊNCIA TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco que identifica sua maior ou menor aptidão para

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA)

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) GOMES, C.E.M. 1, a e MARTON, L.F.M. 2,b 1 UNICAMP Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Departamento

Leia mais

CONGRESSO NACIONAL DA

CONGRESSO NACIONAL DA Betões Estruturais de Agregados Leves - Desenvolvimentos Recentes - HUGO COSTA ISISE-ISEC-DEC JORGE LOURENÇO ISEC-DEC EDUARDO JÚLIO ISISE-FCTUC-DEC FONTES DE MELO Maxit Institute for Sustainability and

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto CASTRO, M. V. a, ANTUNES, M. L. P. a* a. UNESP, Campus Sorocaba, NATEL Núcleo de Automação e Tecnologias

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Disciplina: Materiais de Construção I Assunto: Concreto II Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br A trabalhabilidade é influenciada pela consistência e pela coesão. As principais

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS Considerations on the production process of high-performance concretes for precast structures Alessandra

Leia mais

Dosagem dos Concretos de Cimento Portland

Dosagem dos Concretos de Cimento Portland (UFPR) (DCC) Disciplina: Materiais de Construção IV - Laboratório Dosagem dos Concretos de Cimento Portland Eng. Marcelo H. F. de Medeiros Professor Dr. do Professor Dr. do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS Lucas Palma Tasca 1 ; Francislaine Facina 2, Janaina de Melo Franco³, Judson Ribeiro RESUMO: O concreto é um dos materiais mais utilizados

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL EM ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS COM CUSTOS INFERIORES AO CONCRETO CONVENCIONAL

UTILIZAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL EM ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS COM CUSTOS INFERIORES AO CONCRETO CONVENCIONAL UTILIZAÇÃO DE CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL EM ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS COM CUSTOS INFERIORES AO CONCRETO CONVENCIONAL 1 OBJETIVOS O presente trabalho tem por objetivo apresentar uma nova técnica para execução

Leia mais

III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL Keilla Boehler Ferreira (1) Engenheira Agrícola pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Especialista

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa.

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa. Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Dosar um concreto é compor os materiais constituintes em proporções convenientemente

Leia mais

Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada

Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada Módulo de Elasticidade do Concreto Normalização, fatores de influência e interface com o pré-moldado Enga. Inês Laranjeira

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO

ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO E. Bacarji 1 E. W. Ramirez Perez¹ L. Hamer¹ M. A. Lima¹ M. V. Martins 2 T. F. Campos

Leia mais

CONCRETO AUTOADENSÁVEL - CONQUISTAS E DESAFIOS: FOCO NO MERCADO BRASILEIRO

CONCRETO AUTOADENSÁVEL - CONQUISTAS E DESAFIOS: FOCO NO MERCADO BRASILEIRO CONCRETO AUTOADENSÁVEL - CONQUISTAS E DESAFIOS: FOCO NO MERCADO BRASILEIRO Wellington Longuini Repette Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil Resumo de Palestra

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

ENSAIO DE FRATURA EM CONCRETO: PARTE 2

ENSAIO DE FRATURA EM CONCRETO: PARTE 2 JORNADAS SAM/ CONAMET/ SIMPOSIO MATERIA 2003 07-03B ENSAIO DE FRATURA EM CONCRETO: PARTE 2 Effting 1, C.; Bressan 2, J.D. 1 Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC),Caixa Postal 631, Joinville,

Leia mais

Dosagem de concretos produzidos com agregado miúdo reciclado de resíduo da construção civil

Dosagem de concretos produzidos com agregado miúdo reciclado de resíduo da construção civil Dosagem de concretos produzidos com agregado miúdo reciclado de resíduo da construção civil Experimental mix proportion of concrete made with recycled aggregate from civil construction waste Clarissa Ribeiro

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Adailton de O. Gomes; (2) Cleber M. R. Dias; (3) Alexandre T. Machado; (4) Roberto J. C. Cardoso;

Leia mais

Novo Paradigma no uso do Concreto Usinado visando cumprimento de prazos, redução de desperdícios e gastos desnecessários na construção civil

Novo Paradigma no uso do Concreto Usinado visando cumprimento de prazos, redução de desperdícios e gastos desnecessários na construção civil CONCRETO REDIMIX DO BRASIL S/A UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL SINDUSCON PREMIUM 2012 Inovação Tecnológica Novo Paradigma no uso do Concreto Usinado visando cumprimento de prazos, redução de

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

ARGAMASSA COM PARTÍCULAS DE BORRACHA DERIVADA DA RECICLAGEM DE PNEUS INSERVÍVEIS

ARGAMASSA COM PARTÍCULAS DE BORRACHA DERIVADA DA RECICLAGEM DE PNEUS INSERVÍVEIS ARGAMASSA COM PARTÍCULAS DE BORRACHA DERIVADA DA RECICLAGEM DE PNEUS INSERVÍVEIS Mara Regina Pagliuso Rodrigues Escola de Engenharia de São Carlos. USP Brasil marar@sc.usp.br Osny Pellegrino Ferreira Escola

Leia mais

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha A. C. A Romualdo a, D. E. dos Santos a, L. M. de Castro a, W. P. de Menezes b, A. Pasqualetto c, O. R. dos Santos c

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Dario de Araújo Dafico Resumo: Um modelo para explicar a resistência à compressão do concreto de alto desempenho foi

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS

PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS XV INIC / X EPG - UNIVAP 2011 Emerson Carlos Miranda Cavalcanti1, Rogério Penna Forte

Leia mais

Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos

Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos William Fedrigo Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, williamfedrigo@hotmail.com

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

citar a trabalhabilidade, a coesão, a segregação, a exsudação e o ar incorporado como sendo as mais importantes.

citar a trabalhabilidade, a coesão, a segregação, a exsudação e o ar incorporado como sendo as mais importantes. Importância do Controle de Qualidade do Concreto no Estado Fresco Prof. Dr. André Luiz Bottolacci Geyer Professor Doutor, Escola de Engenharia Civil da Universidade Federal de Goiás -UFG. Eng. Rodrigo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA DE COMPÓSITOS SOLO- CIMENTO AUTOADENSÁVEIS

DESENVOLVIMENTO E CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA DE COMPÓSITOS SOLO- CIMENTO AUTOADENSÁVEIS DESENVOLVIMENTO E CARACTERIZAÇÃO MECÂNICA DE COMPÓSITOS SOLO- CIMENTO AUTOADENSÁVEIS Martins, Adriana Paiva de Souza 1 ; Silva, Flávio de Andrade 2 ; Toledo Filho, Romildo Dias 3 1 Doutoranda Programa

Leia mais

Avaliação de propriedades de concretos produzidos com três tipos de cimentos na região Agreste de Pernambuco.

Avaliação de propriedades de concretos produzidos com três tipos de cimentos na região Agreste de Pernambuco. Avaliação de propriedades de concretos produzidos com três tipos de cimentos na região Agreste de Pernambuco. Evaluation of concrete properties produced with three types of cement in the Agreste region

Leia mais

Influência do capeamento de corpos-de-prova cilíndricos na resistência à compressão do concreto

Influência do capeamento de corpos-de-prova cilíndricos na resistência à compressão do concreto pesquisa e desenvolvimento controle tecnológico do concreto Influência do capeamento de corpos-de-prova cilíndricos na resistência à compressão do concreto Fred R.Barbosa Pr o f e s s o r João M. F. Mota

Leia mais

PRÉ-MOLDADOS ESBELTOS EM CAD SLENDER PRECAST IN HPC

PRÉ-MOLDADOS ESBELTOS EM CAD SLENDER PRECAST IN HPC ISSN 1809-5860 PRÉ-MOLDADOS ESBELTOS EM CAD Rodrigo Vieira da Conceição 1 & Jefferson Benedicto Libardi Liborio 2 Resumo Até pouco tempo atrás, observou-se que havia uma grande dificuldade no preparo,

Leia mais

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM 1 Importância A dosagem do concreto: É o processo de obtenção da combinação correta de cimento, agregados, águas, adições e aditivos Os efeitos da dosagem

Leia mais

3 Programa Experimental

3 Programa Experimental 3 Programa Experimental 3.1.Planejamento dos experimentos Com o objetivo de quantificar a diferença entre as resistências à compressão de corpos-de-prova moldados e de testemunhos extraídos, e de verificar

Leia mais

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS)

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) Janaina de Melo Franco 1, Célia Regina Granhen Tavares 2,

Leia mais

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharia Civil

Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharia Civil FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Engenharia Civil Curso (s) : Engenharia Civil de Joinville Nome do projeto: ESTUDO DA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Compactável (BAC) Miguel Oliveira / Elson Almeida. Faro, 2007

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Compactável (BAC) Miguel Oliveira / Elson Almeida. Faro, 2007 UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Betão Auto-Compact Compactável (BAC) Miguel Oliveira / Elson Almeida Faro, 2007 Conceito de Betão Auto-Compact Compactável O seu conceito deve-se ás

Leia mais

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas

Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Concreto com adição de fibras de borracha: um estudo frente às resistências mecânicas Wendersen Cássio de Campos Faculdade de Engenharia Civil CEATEC wendersen_campos@puccamp.edu.br Ana Elisabete P. G.

Leia mais

CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO

CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO CONCRETO É UM PRODUTO VERSÁTIL PR SC PR RS SC SC China SC CONCRETO É UTILIZADO EM TODAS AS CLASSES SOCIAIS Tecnologia Formal Tecnologia

Leia mais

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO Engº Rubens Curti DOSAGEM DEFINIÇÃO DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados, adições e aditivos 2 DOSAGEM

Leia mais

Influência da utilização dos endurecedores de superfície na resistência à abrasão de pisos industriais de concreto

Influência da utilização dos endurecedores de superfície na resistência à abrasão de pisos industriais de concreto Influência da utilização dos endurecedores de superfície na resistência à abrasão de pisos industriais de concreto Influence of dry shake hardeners in the abrasion resistance of industrial concrete floors

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES Angelo Just da Costa e Silva (1); João Manoel de Freitas Mota (2); Fred Rodrigues Barbosa (3); José Orlando Vieira Filho (4) (1)

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Caio Henrique Tinós Provasi

Leia mais

Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado

Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado Encontro Nacional BETÃO ESTRUTURAL - BE01 FEUP, 4-6 de outubro de 01 Análise experimental do efeito da fluência e retração em pilares de concreto armado Luciana T. Kataoka 1 Túlio N. Bittencourt RESUMO

Leia mais

FLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO AUTOADENSÁVEL REFORÇADO COM FIBRAS DE AÇO

FLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO AUTOADENSÁVEL REFORÇADO COM FIBRAS DE AÇO Revista da Associação Portuguesa de Análise Experimental de Tensões ISSN 1646-778 FLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO AUTOADENSÁVEL REFORÇADO COM FIBRAS DE AÇO Barros, A.R. 1 ; Gomes, P.C.C. 2 ; Barboza, A.S.R.

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático FEVEREIRO 0 TEO 05 09 11 TEO 1 Definir as regras do curso. Histórico do. P&D e avanços da tecnologia do. tipos e aplicações do cimento. Contexto da indústria do cimento Materiais de Construção Civil II

Leia mais

Realização: Especificação, aplicação e controle do concreto para assegurar o desempenho de estruturas e fundações.

Realização: Especificação, aplicação e controle do concreto para assegurar o desempenho de estruturas e fundações. Realização: Especificação, aplicação e controle do concreto para assegurar o desempenho de estruturas e fundações. Prof. Dr. Luiz Roberto Prudêncio Jr. Prof. Dr. Alexandre Lima de Oliveira Universidade

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais