CONSIDERAÇÕES SOBRE A MICROESTRUTURA DO CONCRETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSIDERAÇÕES SOBRE A MICROESTRUTURA DO CONCRETO"

Transcrição

1 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE A MICROESTRUTURA DO CONCRETO Luís Fernando Kaefer 1 Introdução O concreto de cimento Portland é um material poroso, com uma estrutura bastante heterogênea e complexa. Analisando sua macroestrutura identificamos dois constituintes principais: a pasta de cimento endurecida e partículas de agregado. Entretanto, analisando sua microestrutura com o auxílio de um microscópio, distinguimos que a pasta de cimento em contato com o agregado graúdo (numa espessura de 10 a 50 µm segundo MEHTA e MONTEIRO (1994)) possui características diferentes do restante da pasta, podendo ser considerada mais uma componente do concreto. Figura 1 Macroestrutura do concreto (MEHTA e MONTEIRO (1994)) Além disso, segundo MEHTA e MONTEIRO (1994): Cada uma das fases é de natureza multifásica. Toda partícula de agregado pode conter vários minerais, além de microfissuras e vazios. Analogamente, tanto a matriz da pasta como a zona de transição contêm geralmente uma distribuição heterogênea, de diferentes tipos e quantidades de fases sólidas, poros e microfissuras, acrescentando-se ainda o fato de estarem sujeitas a modificações com o tempo, umidade ambiente e temperatura, o que torna o concreto, diferentemente de outros materiais de engenharia, um material com características parcialmente intrínsecas ao material.

2 Atualmente, o desenvolvimento do concreto está intimamente ligado ao estudo de sua microestrutura. O estudo da microestrutura do concreto permite uma melhor caracterização de cada constituinte e de seu relacionamento com os demais. Desta forma, identificam-se mecanismos responsáveis pela resistência, estabilidade dimensional e durabilidade das misturas, permitindo que se atue de maneira a melhorar as características dos concretos (MEHTA e MONTEIRO, 1994). O objetivo deste trabalho é caracterizar a microestrutura do concreto, relacionando-a com a performance final do concreto, principalmente nos aspectos durabilidade e resistência mecânica. Discutiremos também maneiras de atuarmos sobre esta microestrutura tal que possamos melhorar o comportamento do concreto. Obviamente, neste trabalho não teremos como nos aprofundar muito em cada tópico relacionado. Desta forma, para o início de uma leitura mais completa sobre a microestrutura do concreto, indicamos a bibliografia consultada neste trabalho. 2 2 A Estrutura do Concreto 2.1 Agregado Os agregados miúdo e graúdo são obtidos diretamente da natureza, como a areia; da britagem de rochas, como a brita; de processos industriais, como as argilas expandidas; ou ainda do reaproveitamento de rejeitos urbanos e industriais, como a escória de alto forno e concreto reciclado. A fase agregado é a principal responsável pela massa unitária, módulo de elasticidade e estabilidade dimensional do concreto (MEHTA e MONTEIRO, 1994). Desta forma as características mais importantes de um agregado são sua massa específica, textura, granulometria, resistência à abrasão e sanidade. A composição química da rocha matriz, quando não são detectados elementos reativos com o cimento ou meio ambiente, é menos importante que suas características físicas. A massa específica do agregado graúdo influi diretamente na massa específica final do concreto. A massa específica do agregado é também diretamente proporcional à resistência à compressão do concreto, pois quanto mais leve o agregado, em geral é maior a sua porosidade (índice de vazios) e consequentemente menos resistente torna-se o agregado, que acaba se tornando o elo fraco da mistura.

3 A forma do agregado, caracterizada pela granulometria e textura, também influi, embora de maneira menos significativa nas propriedades do concreto. Agregados com grande diâmetro característico ou de forma lamelar facilitam a formação de um filme de água junto às paredes do agregado (exsudação interna), enfraquecendo sua ligação com a pasta. Diâmetros máximos menores aumentam a superfície de contato entre o agregado e a pasta de cimento, reduzindo as tensões de aderência, aumentando a resistência do concreto. Agregados com grande diâmetro máximo possuem também maior probabilidade de conter vazios e microfissuras internas. Agregados com textura lisa, como os seixos rolados tendem também a ter uma ligação mais fraca com a pasta. A distribuição granulométrica do agregado influencia segundo JENNIGNS apud DAL MOLIN (1995), o empacotamento dos grãos e, como resultado pode alterar a fração volumétrica de agregado a ser incorporada em uma mistura de concreto. A fração volumétrica está relacionada principalmente ao módulo de deformação do concreto e à demanda de água da mistura (DAL MOLIN, 1995). Deve-se notar que a resistência requerida do agregado deve ser consideravelmente superior à resistência normal do concreto pois as tensões reais nos pontos de contato das partículas individuais com o concreto podem ser bem maior que a tensão nominal de compressão aplicada (NEVILLE, 1988). As rochas sedimentares apresentam resistência um pouco abaixo das ígneas Rochas Ígneas Resistência à Compressão MPa granito (Serra da Cantareira, SP) 154 granito (Rio, RJ) 120 basalto 150 Tabela 1 Resistência média à compressão de rochas ígneas brasileiras utilizadas normalmente como agregado para o concreto (BAUER, 1994) Rocha Resistência à Compressão MPa Granito 181 Felsite 324 Trap 283 Rocha calcária 159 Arenito 131 Mármore 117 Quartzito 252 Gnaisse 147 Schist 170 Tabela 2 Resistência média à compressão de rochas norte-americanas utilizadas normalmente como agregado para o concreto (WOOLF apud NEVILLE, 1988) Analisando as tabelas 1 e 2 verificamos que nos concretos de massa específica normal (entre e kg/m 3 ) com resistência característica à compressão aos 28 dias de até aproximadamente 50 MPa, o agregado pouco influi na resistência final do concreto, pois é muito mais resistente que os demais elementos da mistura. 3

4 4 Entretanto, quando eleva-se a resistência à compressão do concreto, muitas vezes a resistência da pasta de cimento supera a do agregado. A próxima tabela apresenta resultados interessante obtidos por GONÇALVES et al. apud DAL MOLIN (1995) aonde se mostra que dependendo do agregado, a resistência à compressão parece ser controlada pelo agregado (gnaisse e granito), pela argamassa (traquito) ou da zona de transição pasta agregado (calcário com presença de material pulverulento e do seixo: superfície lisa e arredondada). Tipo de Rocha f c (MPa) Gnaisse Traquito Calcário Granito Seixo (Quartzo) Rocha 76,6 178,3 95,0 78,5 110,0 Argamassa 93,2 93,2 93,2 93,2 93,2 Concreto: a/(c+ms) = 0,27 79,8 90,7 73,2 * 82,0 71,8 * foi identificado material pulverulento na superfície dos agregados Tabela 3 Resistência à compressão de rochas, argamassas e concretos aos 28 dias de idade (GONÇALVES et al. apud DAL MOLIN, 1995) O agregado deve também estar isento de substâncias deletérias como impurezas orgânicas, torrões de argila, materiais pulverulentos (ver o caso do calcário na Tabela 3) e cloretos. A presença destas substâncias pode alterar a resistência do concreto e sua durabilidade. Deve-se também ater a possíveis reações álcali-agregado que podem deteriorar (desagregar) completamente o concreto. No projeto de pavimentos, torna-se importante também a caracterização da resistência à abrasão do agregado. 2.2 Matriz (Pasta de Cimento) Chamamos de matriz a pasta de cimento que envolve os grãos de areia e o agregado graúdo. Ela é constituída por diferentes tipos de compostos hidratados do cimento. Os mais importantes são os silicatos hidratados C-S-H que podem parecer como estruturas fibrosas, carbonato de cálcio Ca(OH) 2 que cristaliza em grandes placas hexagonais superpostas e a etringita, que cristaliza no início da pega na forma de agulhas. A porosidade total da pasta de cimento Portland fica entre 25 e 30% em volume para uma relação água / cimento de 0,5. Esta porosidade é decomposta em dois tipos de cavidades ou vazios: poros entre os cristais C-S-H, de alguns nanometros de comprimento, poros capilares entre os compostos hidratados, bolhas e fissuras, com tamanho variando entre 100 nm e alguns mm (MORANVILLE-REGOURD, 1992).

5 5 1: C-S-H 2: Ca(OH) 2 ou (C-H) 3: Vazio Capilar Figura 2 Microestrutura do concreto (MORANVILLE (1992)) A matriz é constituída pela zona de transição entre agregado e pasta e na pasta de cimento propriamente dita. De maneira a caracterizar a argamassa que preenche os vazios entre o agregado graúdo, caracterizaremos em primeiro lugar o cimento Portland, discorrendo sobre seus constituintes anidros, seu processo de hidratação e sobre os elementos gerados através da sua reação de hidratação. Em seguida discorreremos sobre os vazios sempre presentes na pasta de cimento endurecida e finalmente identificaremos as diferenças entre a pasta de cimento que fica na zona de transição da que não está em contato próximo com o agregado Cimento Portland O cimento tipo Portland é o aglomerante mais utilizado na produção do concreto. O cimento tipo Portland é um aglomerante hidráulico obtido da moagem do clínquer ao qual é adicionado gipsita (CaSO 4 ). O clínquer é obtido do aquecimento a altas temperaturas de uma mistura de calcário e argila. Desta forma o cimento Portland é formado essencialmente por compostos que possuem cálcio e sílica em sua composição. Outros minerais surgem como impurezas Composição Química Os principais constituintes do cimento Portland são os silicatos de cálcio: C 3 S (silicato tricálcico 3CaO. SiO 2 ) e C 2 S (silicato dicálcico 2CaO. SiO 2 ); os aluminatos de cálcio: C 3 A (aluminato tricálcico 3CaO. Al 2 O 3 ) e o C 4 AF (ferroaluminato de cálcio 4CaO. Al 2 O 3. Fe 2 O 3 ) e a gipsita adicionada para inibir a tendência à pega instantânea ocasionada grande reatividade do C 3 A.

6 As estruturas cristalinas do cimento Portland apresentam grandes vazios estruturais que são responsáveis pela alta energia e reatividade dos cimentos. Os cimentos apresentam também impurezas (magnésio, sódio, potássio e sílica) na estrutura cristalina (MEHTA e MONTEIRO, 1994). Nos cimentos comerciais aparecem sempre como impurezas o óxido de magnésio (MgO) proveniente do dolomito que aparece como impureza nas rochas calcárias e o óxido de cálcio (quase inexistente nos cimentos modernos). O teor de periclásio (forma cristalina do óxido de magnésio) deve ser restringido, pois sua hidratação é uma reação lenta e expansiva. Outras impurezas que sempre aparecem são os compostos alcalinos (sódio e potássio) provenientes da argila ou do carvão e que podem reagir com o agregado (reações álcaliagregado); e os sulfatos provenientes do combustível e que influenciam as reações iniciais de hidratação. Como já foi dito, ao clínquer finamente moído é adicionada uma pequena quantidade (em torno de 5%) de sulfato na forma de gipsita (CaSO 4. 2H 2 O) ou gesso de paris (CaSO 4. ½ H 2 O) para inibir a pega instantânea do clínquer. Dependendo da finalidade do cimento, são adotados limites diferenciados para seus componentes básicos (C 3 S, C 2 S, C 3 A e C 4 AF) e limites máximos para as impurezas. Definem-se ainda adições ao cimento. Desta forma surgem cimentos com diferentes características de resistência a ataques químicos e evolução da resistência à compressão. A tabela abaixo apresenta a proporção genérica dos componentes químicos do cimento Portland. Teor de óxidos (%) Teor de compósitos (%) CaO 63,0 C 3 S 54-1 (45-60) * SiO 2 20,0 C 2 S 16-6 (45-60) * Al 2 O 3 6,0 C 3 A 10-8 (6-12) * Fe 2 O 3 3,0 C 4 AF 9-1 (6-8) * MgO 1,5 SO 3 2,0 K 2 0 1,0 Na 2 O ( * ) MEHTA E MONTEIRO (1994) Outros 1,0 Perdas na ignição 2,0 Resíduos insolúveis 0,5 Tabela 4 Composição típica de um cimento Portland (NEVILLE, 1988) Hidratação do Cimento Portland O mecanismo de hidratação é constituído por um processo de dissolução-precipitação nas primeiras fases seguido de um processo topoquímico (MEHTA e MONTEIRO, 1994).

7 7 O enrijecimento da pasta é caracterizado pela hidratação dos aluminatos e a evolução da resistência (endurecimento) é realizada pelos silicatos. a) Hidratação dos Aluminatos A reação do C 3 A com água é imediata e por isto há a necessidade da adição de sulfato para retardar a reação. A hidratação dos aluminatos na presença de sulfato resulta na etringita (C 6 AS 3 H 32 ) que assumem formas aciculares e em monossulfatos hidratados com a forma placas hexagonais delgadas. Figura 3 Micrografia eletrônica de varredura de cristais hexagonais típicos de monossulfato hidratado e cristais aciculares de etringita formados pela mistura de soluções de aluminato de cálcio e de sulfato de cálcio (MEHTA e MONTEIRO, 1994) A formação das agulhas de etringita começa minutos após o início da hidratação, sendo responsáveis pelo fenômeno da pega e desenvolvimento da resistência inicial. Após alguns dias, dependendo da proporção alumina-sulfato do cimento Portland, a etringita pode tornar-se instável e decompor-se para formar o monossulfato hidratado, que é uma forma mais estável (MEHTA e MONTEIRO, 1994). O processo de hidratação do C 4 AF, pelo fato deste designar genericamente uma série de compostos, é de difícil caracterização e tem pouca influência na pasta endurecida. Segundo MEHTA e MONTEIRO (1994) seus compostos resultantes são estruturalmente similares aos formados a partir do C 3 A.

8 8 b) Hidratação dos Silicatos A hidratação dos silicatos se dá algumas horas após o início da hidratação do cimento. A hidração do C 3 S e do C 2 S origina silicatos de cálcio hidratados que possuem composição química muito variada e são representados genericamente por C-S-H e hidróxido de cálcio Ca(OH) 2, compostos estes que preenchem o espaço ocupado pela água e pelas partículas do cimento em dissolução. Os cristais de C-S-H formados são pequenos e fibrilares e o Ca(OH) 2 forma grandes cristais prismáticos (MEHTA e MONTEIRO, 1994). Cálculos estequiométricos determinaram que a reação de hidratação do C 3 S resulta em 61% de C 3 S 2 H 3 e 39% de Ca(OH) 2 e a do C 2 S em 82% de C 3 S 2 H 3 e 18% de Ca(OH) 2. O C 3 S precisa de 24% de água para hidratar e o C 2 S apenas 21%. As reações de hidratação aproximadas podem ser escritas como (NEVILLE, 1988): 2C 3 S + 6H 2 0 C-S-H + 3 Ca(OH) 2 2C 2 S + 4H 2 0 C-S-H + Ca(OH) 2 Como o C-S-H é o principal responsável pela resistência da pasta endurecida e que uma maior quantidade de Ca(OH) 2 diminui a resistência do concreto a ataques de ácidos e de sulfatos, verifica-se que um cimento com maior teor de C 3 S resulta em um concreto mais suscetível ao ataque químico e com menor resistência mecânica. Entretanto, o C 3 S hidrata mais rapidamente e é responsável por desenvolver a resistência do concreto nas primeiras etapas, sendo que a gipsita aumenta a velocidade de hidratação do C 3 S Compostos Resultantes da Hidratação do Cimento Conforme visto no tópico anterior, a hidratação do cimento resulta em três elementos principais, que caracterizam a pasta de cimento endurecida: C-S-H: que representa, segundo MEHTA e MONTEIRO (1994), 50 a 60% do volume de sólidos em uma pasta de cimento Portland completamente hidratada. São estes compostos os responsáveis pela resistência da pasta a esforços mecânicos. Sua a morfologia das placas varia de fibras pouco cristalinas a uma malha reticulada (MONTEIRO, 1985) (DAL MOLIN, 1995);

9 9 Figura 4 Micrografia eletrônica de varredura de uma pasta de cimento Portland com 3 dias de idade mostrando os cristais de C-S-H (MEHTA e MONTEIRO, 1994) Ca(OH) 2 : que ocupa, segundo MEHTA e MONTEIRO (1994), 20 a 25% do volume de sólidos da pasta. Sua morfologia é bem definida, formando cristais prismáticos, sendo que o tamanho dos cristais aumenta conforme também aumenta o espaço livre (aumento da relação água/cimento). O hidróxido de cálcio contribui pouco para a resistência da pasta de cimento endurecida e em virtude de sua baixa superfície específica, que lhe confere um baixo poder de adesão, é facilmente carreado pela água. Aparentemente, o único aspecto positivo da presença do hidróxido de cálcio é a alcalinidade conferida ao meio, responsável pela passivação das armaduras (DAL MOLIN, 1995); Figura 5 Micrografia eletrônica de varredura de uma pasta de cimento Portland com 3 dias de idade, mostrando os grandes cristais de Ca(OH) 2 e a estrutura fibrosa formada pelo C-S-H (MEHTA e MONTEIRO, 1994) sulfoaluminatos de cálcio: ocupam de 15 a 20% do volume de sólidos da pasta hidratada (MEHTA e MONTEIRO, 1994). Os principais compostos são a etringita e o monossulfato de cálcio.

10 Vazios A resistência da pasta é fortemente relacionada com a porosidade da mesma, uma vez que somente os elementos sólidos resistem aos esforços. A porosidade da pasta de cimento hidratada distribui-se da seguinte forma (MEHTA e MONTEIRO, 1994): poros de gel ou entre camadas de C-S-H: vazios muito pequenos (com largura entre 5 e 25 Å), que não influem na resistência da pasta; vazios capilares: representam o espaço não preenchido pelos componentes sólidos da hidratação do cimento. O volume total, e principalmente, a distribuição do tamanho dos poros afetam a resistência da pasta. Poros de pequeno diâmetro (< 50 nm) são descritos como pouco prejudiciais ao comportamento mecânico; poros de ar incorporado: possuem forma esférica, com dimensões superiores aos vazios capilares. Podem ser decorrentes de uma má vibração do concreto ou terem sido intencionalmente incorporados. Devido a suas grandes dimensões reduzem bastante a resistência do concreto e aumentam a permeabilidade Zona de Transição entre a Pasta e o Agregado Como já exposto anteriormente, a zona de transição é a porção da pasta de cimento em contato com o agregado graúdo. Normalmente ela apresenta características diferentes do restante da pasta. A espessura e as características desta zona variam conforme os componentes da pasta e do agregado graúdo. A zona de transição é caracterizada por ser uma região com maior porosidade e heterogeneidade do que o restante da pasta. Esta porosidade é decorrente da elevação da relação água/cimento na mistura em decorrência do filme de água que se forma em torno do agregado graúdo. Os maiores espaços permitem a formação de grandes cristais de Ca(OH) 2 com seu eixo C orientado perpendicularmente ao agregado, o que cria planos preferenciais de ruptura, conforme pode ser visto nas figuras 7 e 8. Verifica-se também falha na aderência entre a pasta e o agregado, podendo-se relacionar este fato aos grandes cristais formados, com superfície específica menor, o que diminui a força de adesão (forças de Van der Waals). Figura 6 Cristais de Ca(OH) 2 na zona de transição visualizados por microscópio eletrônico de varredura (MEHTA e MONTEIRO, 1994)

11 11 Zona de Transição Figura 7 Representação esquemática da zona de transição entre a pasta de cimento e o agregado (MONTEIRO, 1985) Verifica-se também que há uma concentração maior de agulhas finas de etringita na zona de transição, conforme ilustra a figura abaixo. Figura 8 Representação esquemática da zona de transição entre a pasta de cimento e o agregado (MEHTA e MONTEIRO, 1994)

12 Para o concreto convencional a espessura da zona de transição é de aproximadamente 50µm (MEHTA e MONTEIRO, 1994). A zona de transição é também considerada o elo fraco do conjunto, estando sujeita à microfissuração muito facilmente, com pequenos acréscimos de carregamento, variações de volume e umidade. A Figura 9, extraída de MONTEIRO (1985) é muito interessante pois condensa os resultados obtidos pelo autor e mostram o caminho das microfissuras para diferentes idades do concreto utilizando ou não agregado reativo. Monteiro conclui em sua pesquisa que quando o concreto é carregado nas primeiras idades, as microfissuras tendem a se propagar zona de transição bastante porosa. Entretanto, com o tempo, a zona de transição é preenchida com produtos da hidratação e as fissuras passam a se propagar pelo filme de hidróxido de cálcio depositado sobre o agregado. Quando se utilizam rochas carbonáticas como agregado, a pasta adere fortemente ao agregado através de processos químicos, mostrando-se na figura que o filme de hidróxido de cálcio pode deixar de ser o elo mais fraco da mistura, fazendo com que as fissuras possam se propagar pelo agregado. 12 Figura 9 Representação esquemática do caminho de propagação de fissuras na zona de transição (MONTEIRO, 1985)

13 Na próxima figura mostramos duas microfotografias com fatores de magnificação diferentes da zona de transição entre o agregado e a pasta de cimento de um concreto convencional. Na foto da esquerda ( 20000) observa-se uma microfissura entre o agregado e a pasta de cimento e na foto da direita ( 60000) grandes cristais orientados de Ca(OH) Figura 10 Microfotografias da zona de transição entre o agregado e a pasta de cimento (G) = agregado, (P) e (C) = pasta de cimento (MORANVILLE-REGOURD, 1992) A fotografia abaixo foi tirada da zona de transição de um concreto de alto desempenho com adição de pozolana. Destaca-se que a baixa relação água/cimento e as reações pozolânicas formam uma densa zona de transição com pequenos cristais não orientados. Figura 11 Microfotografia de um concreto de alto desempenho com adição de pozolana (G) = agregado, (C) = pasta de cimento (MORANVILLE-REGOURD, 1992) Microestrutura do Concreto Neste tópico apresentaremos micrografias obtidas com microscópio eletrônico de varredura, apresentadas por Dal Molin em sua tese de doutorado (DAL MOLIN, 1995). Com estas micrografias, a autora mostra como o fator a/c e a adição de microssílica agem sobre a microestrutura do concreto, comprovando-se que a adição de microssílica e a redução do fator a/c aumentam o desempenho do concreto.

14 14 Para compreender as micrografias é importante conhecer como se apresentam os componentes do concreto. De acordo com MONTEIRO apud DAL MOLIN (1995), os grãos anidros de cimento possuem a coloração mais clara, o hidróxido de cálcio cinza claro, o C-S-H cinza escuro e os vazios, coloração preta. As partículas de microssílica são de difícil visualização em virtude do reduzido tamanho, e quando aparecem possuem forma esférica e cor clara. A próxima figura ilustra estas afirmações. A Agregado C Cimento anidro H Pasta hidratada, com C-S-H e Ca(OH) 2 PC Poros capilares PA Poro de ar aprisionado Figura 12 Micrografia de um concreto com adição de microssílica obtida com microscópio eletrônico de varredura (elétrons retro-espalhados) (DAL MOLIN, 1995) O conjunto de micrografias da Figura 13 ilustra a maior porosidade do concreto com maior relação água cimento, sem adição de microssílica. Observa-se que a coloração da pasta em contato com o agregado (c) é mais escura, refletindo um maior número de vazios. Na Figura 14 observa-se que a maior coesão da pasta nos concretos preparados com relação a/c baixa e com adição de microssílica dificulta a expulsão do ar incorporado. Desta forma, conclui-se o processo de vibração deve ser mais cuidadoso no concreto de alto desempenho, fazendo com que estes concretos possam alcançar resistências ainda superiores. A Figura 15 ilustra o fato de que quando se utilizam fatores a/c inferiores a 0,43, nem todo o cimento anidro hidrata, permanecendo como material de enchimento na matriz, aumentando a compacidade.

15 15 Figura 13 Micrografias de concretos com 3 dias de idade, com: (a) relação a/c = 0,25, sem microssílica; (b) relação a/(c+ms) = 0,25, com 10% de microssílica; (a) relação a/c = 0,50, sem microssílica; (b) relação a/(c+ms) = 0,50, com 10% de microssílica. (DAL MOLIN, 1995) Figura 14 Volume de ar incorporado em concretos, aos 28 dias de idade, com: (a) relação a/c = 0,25, sem microssílica; (b) relação a/(c+ms) = 0,25, com 10% de microssílica; (a) relação a/c = 0,50, sem microssílica; (b) relação a/(c+ms) = 0,50, com 10% de microssílica. (DAL MOLIN, 1995)

16 16 Figura 15 Grão anidros de cimento e microssílica existente, aos 28 dias de idade, com: (a) relação a/c = 0,25, sem microssílica; (b) relação a/(c+ms) = 0,25, com 10% de microssílica; (a) relação a/c = 0,50, sem microssílica; (b) relação a/(c+ms) = 0,50, com 10% de microssílica. (DAL MOLIN, 1995) A Figura 16 mostra que a morfologia de uma pasta de cimento com relação água cimento maior apresenta um aspecto mais aberto e poroso, com cristais maiores. Figura 16 Morfologia típica de uma pasta de cimento Portland com 24 horas de idade, preparada com relação a/c = 0,50 (esquerda) e 0,25 (direita) (Microscopia de varredura com elétrons secundários (DAL MOLIN, 1995)

17 17 3 Técnicas e Materiais Utilizados para Melhorar o Desempenho do Concreto Conforme visto no item anterior, o comportamento do concreto é governado pelo seu grau de homogeneidade, pela presença de microfissuras na zona de transição e por sua permeabilidade (índice de vazios). Desta forma neste tópico apresentaremos algumas técnicas e materiais utilizados para melhorar o desempenho do concreto, mostrando como eles modificam a microestrutura original do concreto, principalmente aumentando a homogeneidade da mistura e diminuindo a permeabilidade e porosidade. 3.1 Superplastificantes A maneira mais usual, simples e barata de obtermos concretos com melhores características é utilizar superplastificantes. Os superplastificantes envolvem as partículas de cimento, carregando-as negativamente, causando repulsão eletrostática entre elas, provocando a defloculação dos grãos de cimento. Segundo DAL MOLIN (1995) o resultado é uma dissociação dos aglomerados de cimento em partículas isoladas, com conseqüente decréscimo da viscosidade da pasta. Segundo MALHOTRA (apud DAL MOLIN, 1995) o superplastificante também diminui a tensão superficial da água e produz um filme lubrificante na superfície das partículas de cimento. O resultado final é que com o uso de superplasficante, é possível obter uma dosagem, para uma dada trabalhabilidade, com uma menor quantidade de água, o que diminui a porosidade do concreto e consequentemente aumenta sua resistência. (a) Figura 17 Micrografias de duas pastas de cimento Portland com mesma relação água/cimento, no estágio inicial de hidratação, onde (a) não possui aditivo e (b) possui aditivo superplastificante (MEHTA E MONTEIRO, 1994) (b) Segundo MORANVILLE-REGOURD (1992), superplastificantes como os naftalenos sulfonados, melaninas e lignosulfatos conseguem reduzir a relação a/c para até 0,16, relatando ainda que resistências à compressão de até 200 MPa já foram obtidas desta forma com uma porosidade de aproximadamente 5% em volume, obtendo-se matriz (pasta endurecida) homogênea e amorfa.

18 Adição de Partículas Ultrafinas Entende-se como partículas ultrafinas ou pozolanas, o fumo de sílica, as pozolanas naturais e a escória de alto forno. Possuem características de atuação diferente, mas o resultado final é sempre o mesmo. Figura 18 Micrografia de partículas de microssílica (MEHTA E MONTEIRO, 1994) A microssílica ocorre como microesferas com aproximadamente 0,5 µm de diâmetro que preenchem os espaços intersticiais entre os grãos de cimento que possuem um diâmetro médio de 30 a 100 µm. Primeiro a microssílica age como material de preenchimento (filler). Todas as partículas são bem dispersas com o uso de um superplastificante (é indispensável o uso de superplastificantes). Em seguida, durante a hidratação do cimento, as esferas de microssílica reagem como pozolanas, removendo o excesso de hidróxido de cálcio da pasta de cimento hidratado, conferindo uma aparência homogênea e amorfa ao C-S-H, conforme pode ser visto na Figura 19. Ação pozolânica da microssílica Microssílica + CH + H C-S-H (que preenche espaços capilares) A próxima figura ilustra o mecanismo de ação da microssílica na região de transição, transformando os grandes cristais de hidróxido de cálcio em C-S-H amorfo e homogêneo, preenchendo inclusive os espaços vazios.

19 19 (a) (b) Figura 19 - (a) Zona de transição pasta / agregado de um concreto convencional típico (b) Zona de transição pasta / agregado de um concreto de alta resistência, obtidas por microscopia eletrônica (DAL MOLIN, 1995) 3.3 Aplicação de Vibração e Pressão, e Cura a Alta Temperatura Moranville-Regourd (MORANVILLE-REGOURD, 1992) relata a experiência de um concreto obtido com cura a alta pressão e temperatura (1020 MPa e 150 o C), com vibração, que atingiu uma resistência à compressão de 644 MPa e porosidade total de 2% em volume. O grau de hidratação do cimento atingiu apenas 30%. Os compostos hidratados (C-S-H) foram identificados como um gel envolvente às partículas de cimento anidro e comportaram-se como uma cola entre partículas densas. Tanto os compostos hidratados como o clínquer contribuíram para a alta resistência da pasta de cimento endurecida. A vibração eliminou bolhas de ar criadas durante a mistura que poderiam diminuir a resistência final do concreto. Podemos citar outra aplicação desta técnica por REDA et al. (1999), aonde investigaram-se concretos reforçados com microfibras de carbono com resistências de até 240 MPa. O concreto foi misturado em um misturador de argamassa de três velocidades por vibração durante 15 minutos. Após a moldagem dos corpos de prova, aplicou-se pressão de 80 MPa por quatro horas e finalmente os corpos de prova foram curados em um banho de água quente a 50 C. Alguns espécimes foram secados em um forno a 200 C dois dias antes do ensaio de compressão, verificando-se um acréscimo médio de 25% na máxima tensão de compressão aos 7 e 28 em relação aos espécimes de mesmo traço que não sofreram secagem no forno. Nos experimentos realizados em São Paulo por Dal Molin (DAL MOLIN, 1995) para concretos de alto desempenho com adição de microssílica verificou-se também que uma cura eficiente e mais prolongada melhora as características finais do concreto. 3.4 Escolha do Agregado Graúdo Como já foi dito anteriormente a escolha do agregado graúdo pode influir bastante na resistência do concreto, principalmente nos de alta resistência.

20 Desta forma podemos dizer que em termos gerais, melhora-se a resistência do concreto quando: diminui-se o diâmetro máximo do agregado; escolhe-se agregados mais resistentes; adota-se uma distribuição granulométrica que propicie um maior empacotamento da mistura; utiliza-se agregado com forma de partículas mais próximas às de um cubo, com arestas rugosas; emprega-se agregado reativo com os compostos do cimento como por exemplo rochas carbonáticas, fortalecendo a aderência entre a pasta e o agregado Fibras As fibras mais utilizadas atualmente são as fibras de aço. Segundo MEHTA E MONTEIRO (1994), inicialmente considerou-se que tanto a resistência do concreto à tração e à compressão do concreto podiam ser aumentadas, com a introdução de fibras que combatessem a propagação de fissuras. Entretanto, experimentalmente descobriu-se que a quantidade de fibras que pode efetivamente ser incorporada é muito pequena, não conseguindo combater a formação d fissuras. Desta forma sua adição não altera significativamente a resistência do concreto. Entretanto, os ensaios mostraram que as fibras melhoraram bastante o comportamento pós-fissuração do concreto, permitindo que o concreto deformasse bem mais quando tracionado. Desta forma, a adição de fibras metálicas não aumenta a resistência à compressão ou tração do concreto, entretanto aumenta bastante sua tenacidade, a resistência ao impacto e resistência à flexão. Reda (REDA et al., 1999) relata a utilização de microfibras de carbono em concretos de altíssima resistência (UHPC), com resistência à compressão de até 240MPa. Nos ensaios verificou-se que os espécimes reforçados com microfibras obtiveram em média resistências últimas à compressão 15% superiores a seus pares obtidos sem a adição das microfibras. Comparando-se também o concreto com adição de microfibras com um concreto de alto desempenho de resistência a compressão igual (100MPa) verificou-se que as microfibras aumentaram muito pouco a tenacidade do concreto (cerca de três vezes), com influência muito limitada sobre o comportamento pós-pico. Os autores verificaram que isto se deve à grande aderência detectada entre as fibras e a pasta de cimento: a ruptura das fibras e não o seu arrancamento governou o comportamento pós-pico.

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

Materiais de Construção ( TC- 030) A ESTRUTURA DO CONCRETO

Materiais de Construção ( TC- 030) A ESTRUTURA DO CONCRETO Estrutura Ministério Interna da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Construção Civil Materiais de Construção ( TC- 030) A ESTRUTURA DO CONCRETO Prof. José de Almendra

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Materiais constituintes do Concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Agregados Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: ELETROBRAS FURNAS ABNT NBR 9935:2011 ABNT NBR 7211:2009 Mehta and Monteiro, 2008 Pacelli,

Leia mais

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso

CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO. Prof. Ruy Alexandre Generoso CORROSÃO EM ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Ruy Alexandre Generoso É um dos materiais mais importantes de engenharia usado em construções. É usado nos mais variados tipos de construções tais como: barragens,

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

Sumário. 1 Cimento Portland 1

Sumário. 1 Cimento Portland 1 Sumário 1 Cimento Portland 1 Histórico 1 Fabricação do cimento Portland 2 Composição química do cimento Portland 8 Hidratação do cimento 13 Silicatos de cálcio hidratados 14 Aluminato tricálcico hidratado

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A CONCRETO Profa. Lia Lorena Pimentel CONCRETO 1. DEFINIÇÃO Aglomerado resultante da mistura de cimento, água, agregados

Leia mais

2 Desta forma, os primeiros capítulos deste trabalho, apresentam uma revisão bibliográfica sobre assuntos de fundamental importância para o

2 Desta forma, os primeiros capítulos deste trabalho, apresentam uma revisão bibliográfica sobre assuntos de fundamental importância para o 1 INTRODUÇÃO Entre os diversos problemas enfrentados atualmente pelo setor industrial, um dos principais é a necessidade de minimizar, quando não é possível eliminar, os efeitos da agressão ambiental que

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º Instrutor Março/2005 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO 1- Generalidades PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Todas as misturas de concreto devem ser adequadamente dosadas para atender aos requisitos de: Economia; Trabalhabilidade; Resistência; Durabilidade. Esses

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES Profa Lia Lorena Pimentel Aglomerantes: Terminologia (NBR 11172) Aglomerante de origem mineral Produto com constituintes minerais que, para sua aplicação,

Leia mais

CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE

CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE CONCRETO E ARGAMASSAS JAQUELINE PÉRTILE Concreto O concreto é um dos produtos mais consumidos no mundo, perdendo apenas para a água, o que o torna muito importante para a construção civil. Ele não é tão

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A AGLOMERANTES MINERAIS Notas de aula: Material baseado em apostilas dos professores: Ercio Thomaz, Gladis Camarini e

Leia mais

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Materiais constituintes do Concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Adições Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: Egydio Herve Neto Dario Dafico Silvia Selmo Rubens Curti, 3/42 Adições Adições minerais são

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MÓDULO DE DEFORMAÇÃO DO CONCRETO EM DIFERENTES IDADES E COM DIFERENTES RELAÇÕES ÁGUA/CIMENTO.

AVALIAÇÃO DO MÓDULO DE DEFORMAÇÃO DO CONCRETO EM DIFERENTES IDADES E COM DIFERENTES RELAÇÕES ÁGUA/CIMENTO. Leonardo E. Guimarães Deusair R. dos Santos AVALIAÇÃO DO MÓDULO DE DEFORMAÇÃO DO CONCRETO EM DIFERENTES IDADES E COM DIFERENTES RELAÇÕES ÁGUA/CIMENTO. Monografia apresentada à Escola de Engenharia Civil

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

Concreto de Cimento Portland

Concreto de Cimento Portland Concreto de Cimento Portland Concreto é uma mistura de agregados miúdos e graúdos, cimento e água. Estes três materiais, reunidos e bem misturados, constituem uma massa plástica que endurece no fim de

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

Hidratação do Cimento Portland

Hidratação do Cimento Portland 1 / 14 Com a recém criada microscopia ESEM ( Environmental Scanning Electron Microscopy ) analisa-se a microestrutura do concreto ou do cimento hidratado sem fazer vácuo na câmara do microscópio e sem

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral Universidade Federal do Ceará Curso de Engenharia Civil Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento Prof. Eduardo Cabral Definições Aglomerantes É o material ligante, ativo, geralmente pulverulento,

Leia mais

Concreto Convencional

Concreto Convencional TIPOS DE CONCRETO Concreto Convencional Pode-se dizer que o Concreto Convencional é aquele sem qualquer característica especial e que é utilizado no dia a dia da construção civil. Seu abatimento (Slump)

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Prof.: Mayara Moraes CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA TIPO CP XXX RR Cimento Portland Composição Classe - Resistência aos 28 dias(mpa) SIGLA Ex.:

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Idade do concreto. Verificação da resistência. Módulo de

Leia mais

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP Paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila.

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. Cimento Portland O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. A calcinação dessa mistura dá origem ao clinker, um produto de natureza granulosa, cuja

Leia mais

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO

DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO DETERIORAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO (CAUSAS QUÍMICAS ATAQUE ÁLCALI/AGREGADO) Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 REAÇÕES ENVOLVENDO A FORMAÇÃO DE PRODUTOS EXPANSIVOS Ataque por sulfatos Ataque

Leia mais

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS

ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS ESTUDO DA DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO - COMPARATIVO DE CUSTOS Tatiana Pereira Jucá (1), Fernando Alves Teixeira (1),Cláudio Henrique de Almeida Feitosa Pereira (1), Keila Regina Bento de Oliveira

Leia mais

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO Engº Rubens Curti DOSAGEM DEFINIÇÃO DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados, adições e aditivos 2 DOSAGEM

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO Jéssica Spricigo da Rocha Bonifácio (1), Daiane dos Santos da Silva Godinho (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO

DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO Objetivo Assegurar que a estrutura satisfaça, durante o seu tempo de vida, os requisitos de utilização, resistência e estabilidade, sem perda significativa de utilidade nem excesso de manutenção não prevista

Leia mais

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO Prof. Ricardo

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Apoio às aulas práticas Joana de Sousa Coutinho FEUP 2002 MC2 0 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Calda de cimento Argamassa Betão Cimento+água (+adjuvantes) Areia+ Cimento+água (+adjuvantes)

Leia mais

+LVWyULFR. mais elevadas em relação aos outros mais regularmente utilizados, denominados concretos comuns.

+LVWyULFR. mais elevadas em relação aos outros mais regularmente utilizados, denominados concretos comuns. &21&5(72'($/72'(6(03(1+2 Inicialmente, é apresentado um breve histórico sobre a utilização do concreto, assim como da evolução do incremento em sua resistência. A partir desta abordagem, poderá ser feita

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

Aditivos para argamassas e concretos

Aditivos para argamassas e concretos Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Aditivos para argamassas e concretos Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Introdução Mehta: Quarto componente do concreto ; Estados

Leia mais

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1 Vandoir Holtz 1 ARGAMASSA Classificação das argamassas: Segundo o emprego: Argamassas para assentamento de alvenarias. Argamassas para revestimentos; Argamassas para pisos; Argamassas para injeções. DOSAGEM

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

E.C.S. Thomaz - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha MICROSÍLICA

E.C.S. Thomaz - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha MICROSÍLICA E.C.S. - Susana L.S.Costa - Claudia A. Rocha 1 / MICROSÍLICA Microsilica (SiO 2 ) é um sub-produto da fabricação do silício metálico e das ligas de ferrosilício em fornos elétricos a temperaturas de 2000

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA

ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA ESTUDOS DE DURABILIDADE EM CONCRETOS E ARGAMASSAS COM ADIÇÃO DE MICROSSÍLICA VIEIRA, Fernanda P. (1); KULAKOWSKI, Marlova P.(2) DAL MOLIN, Denise (3); VILELA, Antônio C. F. (4) (1) Eng. Civil, Doutoranda

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RELATÓRIO CONVÊNIO CAMARGO CORRÊA INDUSTRIAL - NORIE/CPGEC/UFRGS 1996/1997 Porto Alegre 1997 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Definição de concreto hidráulico e de argamassa. Componentes; indicação das proporções

Leia mais

Concretos de retração controlada e de pós reativos: características, aplicações e desafios.

Concretos de retração controlada e de pós reativos: características, aplicações e desafios. e de pós reativos: características, aplicações e desafios. Wellington L. Repette, Prof. Dr., Eng. Civil (Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC) Retração! Fissuras 1 Estruturas novas Reparo H2O

Leia mais

Aditivos para argamassas e concretos

Aditivos para argamassas e concretos Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Aditivos para argamassas e concretos Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Introdução Mehta: Quarto componente do concreto ; Estados

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º Instrutor Março/2005 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

Conceitos de Projeto e Execução

Conceitos de Projeto e Execução Pisos Industriais: Conceitos de Projeto e Execução Públio Penna Firme Rodrigues A Importância do Pavimento Industrial Conceituação Piso - Pavimento Quanto à fundação Fundação direta (sobre solo ou isolamento

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos, Thiago Catoia, Bruna Catoia Março de 2010 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior,

Leia mais

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM João A. Rossignolo Professor outor, epartamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos USP, e-mail:

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO

DURABILIDADE DURABILIDADE DO CONCRETO DURABILIDADE DO CONCRETO DEFINIÇÃO Durabilidade é a capacidade do concreto de resistir à ação das intempéries O concreto é considerado durável quando conserva sua forma original, qualidade e capacidade

Leia mais

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1)

TÉCNICA CONSULTORIA A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO 2. CONCRETO SECO X CONCRETO PLÁSTICO. Paula Ikematsu (1) A IMPORTÂNCIA DA COMBINAÇÃO GRANULOMÉTRICA PARA BLOCOS DE CONCRETO Paula Ikematsu (1) Gerente de área de Produto e Canais Técnicos da InterCement S/A Mestre em Engenharia Civil (Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Informativo técnico SIO2

Informativo técnico SIO2 Informativo técnico SIO2 INFORMATIVO TÉCNICO Sílica Ativa ASTM C494 Active Silic é um produto decorrente do processo de fabricação do sílico metálico ou do ferro sílico, de onde é gerado o gás SiO, que

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil CONCRETOS TIPOS DE CONCRETOS 1) CONCRETO SIMPLES Define-se concreto como sendo um compósito originado da mistura de pelo menos um aglomerante (cimento), agregados (areias e britas) e água, que tem por

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO de Oliveira, Arquiteta Urbanista - 2010 DEFINIÇÃO Produto resultante do endurecimento de uma mistura, em determinadas proporções, de cimento, agregado miúdo, agregado graúdo e

Leia mais

Ficha Técnica de Produto

Ficha Técnica de Produto Ficha Técnica de Produto GLENIUM 3400 NV Aditivo hiperplastificante. GLENIUM 3400 NV é um aditivo com alto índice de redução de água, pronto para o uso. O GLENIUM 3400 NV é uma nova geração de aditivos

Leia mais

Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido

Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Propriedades físicas e mecânicas do cimento Presa Métodos de definição do início de presa: condutibilidade eléctrica viscosidade desenvolvimento de calor, etc. Difícil de determinar

Leia mais

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS

ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS ESTUDO MECÂNICO DE CONCRETOS ATACADO POR CLORETOS E SULFATOS Helton Gomes ALVES 1, Kátya Dias NERI 1, Eudésio Oliveira VILAR 1 1 Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

& CHIMICA EDILE DO BRASIL. apresenta: DRY D1 NG

& CHIMICA EDILE DO BRASIL. apresenta: DRY D1 NG & CHIMICA EDILE DO BRASIL apresenta: DRY D1 NG Aditivo/adição a controlo absoluto da retração para preparação de concretos para piso industrial (JointLees) sem Junta em quadra grande Page1 DRY D1 NG de

Leia mais

O que é durabilidade?

O que é durabilidade? DURABILIDADE DAS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO Profa. Eliana Barreto Monteiro 1 Conceito de Durabilidade O que é durabilidade? A durabilidade é a capacidade que um produto, componente ou construção possui

Leia mais

Refratários não formados

Refratários não formados Refratários não formados Os não formados são os que não apresentam forma física definida e são constituídos pelos concretos, massas de socar, plásticos e argamassas, que podem ser fornecidos em baldes,

Leia mais

RECICLAGEM DE ESCÓRIA DE ALTO FORNO NO BRASIL

RECICLAGEM DE ESCÓRIA DE ALTO FORNO NO BRASIL RECICLAGEM DE ESCÓRIA DE ALTO FORNO NO BRASIL Vanderley M. John (1), Vahan Agopyan (2) (1) Prof. Dr., john@poli.usp.br (2) Prof. Titular, vahan.agopyan@poli.usp.br Departamento de Engenharia de Construção

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO TECNOLOGIA DO CONCRETO CR - CONCRETO ROLADO CS - CONCRETO SIMPLES CONCRETO ROLADO CONCEITUAÇÃO Concreto de consistência seca e trabalhabilidade que permita

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Adailton de O. Gomes; (2) Cleber M. R. Dias; (3) Alexandre T. Machado; (4) Roberto J. C. Cardoso;

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira GESSO É um aglomerante natural resultante da queima do CaSO4 2H2O (gipsita). Também chamado de gesso de estucador, gessoparisougessodepegarápida.

Leia mais

IPT IPT. Instituto de Pesquisas Tecnológicas

IPT IPT. Instituto de Pesquisas Tecnológicas Relatório Técnico Nº 85 176-205 - 121/192 Foto 39 - Ondulada refeitório. Perfil de alteração da BAS. Zona de corrosão, carbonatação e pouco carbonatada. Notar grãos de clínquer e fibras como inertes e

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo Esta pesquisa tem como proposta

Leia mais

ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO

ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO E. Bacarji 1 E. W. Ramirez Perez¹ L. Hamer¹ M. A. Lima¹ M. V. Martins 2 T. F. Campos

Leia mais

CONCRETOS ESPECIAIS PROPRIEDADES, MATERIAIS E APLICAÇÕES

CONCRETOS ESPECIAIS PROPRIEDADES, MATERIAIS E APLICAÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - CAMPUS DE BAURU/SP FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA Bolsa de Iniciação Científica FAPESP Processo n. 06/55978-1

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Caio Henrique Tinós Provasi

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Estruturas de Concreto

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Estruturas de Concreto UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Estruturas de Concreto Concreto Armado Brita Cimento, areia Adições, aditivos + aço Cimento Hidratado Cimento

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

ARGAMASSAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

ARGAMASSAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho ARGAMASSAS Conceito A argamassa é uma mistura de aglomerantes, agregados e água, dotada de capacidade de endurecimento e aderência, cuja dosagem varia de acordo com a utilização. Tempo de Pega É o tempo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL "MATERIAIS POZOLÂNICOS" Autor: Rafael Mantuano Netto Orientador: Prof. Dalmo Lúcio M. Figueiredo Dezembro/2006 RAFAEL MANTUANO

Leia mais

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante

Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Durabilidade da camada de cobrimento ao ataque por cloretos de protótipos de concreto estrutural com altos teores de cinza volante Bianca P. Moreira 1, Geraldo C. Isaia 2, Antônio L. G. Gastaldini 3 1

Leia mais

Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert

Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert Aços Longos Dramix Dramix : marca registrada da N.V. Bekaert Produtos Drawings, photo s: copyright N.V. Bekaert Dramix As fibras de aço Dramix são produzidas a partir de fios de aço trefilados tendo como

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA)

Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) Otimização do consumo de cimento por meio da adição da Sílica da casca do arroz (SCA) GOMES, C.E.M. 1, a e MARTON, L.F.M. 2,b 1 UNICAMP Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Departamento

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

CONCRETO BRANCO. - Ana Cláudia Amorim - Júlia Wolff - Guilherme Pavei - Vanessa Lazzaris

CONCRETO BRANCO. - Ana Cláudia Amorim - Júlia Wolff - Guilherme Pavei - Vanessa Lazzaris CONCRETO BRANCO - Ana Cláudia Amorim - Júlia Wolff - Guilherme Pavei - Vanessa Lazzaris Aplicabilidade Ciudad de las Artes y las Ciencias, em Valência, Espanha Ciudad de las Artes y las Ciencias, em Valência,

Leia mais

PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC CAMPINAS Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Disciplina Materiais de Construção Civil A Agregados para concreto Profa. Lia Lorena Pimentel 1 1. AGREGADOS PARA ARGAMASSAS E CONCRETOS Uma vez que cerca

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO PARA ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS Considerations on the production process of high-performance concretes for precast structures Alessandra

Leia mais