Produção de Concreto Celular utilizando resíduo industrial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produção de Concreto Celular utilizando resíduo industrial"

Transcrição

1 Produção de Concreto Celular utilizando resíduo industrial Douglas Luis Carissimo Robaldo (1), Carlos Alberto de Almeida Junior (1), Alencar Lill (1), Manoel Victor Peres(1), (2), Alvaro Pereira, Daiane Folle (3) Rodrigo de Almeida Silva (3) (1) Aluno da Escola de Engenharia Civil, IMED, Brasil. (2) Aluno da Escola de Engenharia Civil, IMED, Brasil. (3) Rodrigo de Almeida Silva Professor da Escola de Engenharia - IMED. (3) Alvaro Pereira Professor da Escola de Engenharia - (3) Daiane Folle Coordenadora Acadêmica Faculdade IMED. Resumo: Atualmente, a indústria da construção civil no Brasil é um dos setores que mais tem se desenvolvido. Isso se deve ao bom momento econômico que o país esta vivendo, revertendo a estagnação ocorrida nos anos 90 com relação à habitação, infraestrutura e o nível de industrialização do país. Com relação à construção civil, vários materiais com novas propriedades, de alta tecnologia e desempenho estão sendo incorporados aos sistemas produtivos, trazendo benefícios econômicos, ambientais e tecnológicos aos processos produtivos. Um bom exemplo são os blocos de concreto leve, também conhecido como concreto celular ou aerado, que segundo a ABNT NBR 13438:94 são blocos de concreto expandido pela formação de bolhas de gases e estabilizados por pressão e temperatura em ambiente saturado de vapor de água. Os blocos de concreto leve apresentam características construtivas muito interessantes, tais como baixa massa específica e bom isolamento térmico e acústico, entretanto apresentam também modificações importantes na resistência mecânica, módulo de deformação, retração e fluência entre outras. Este trabalho tem por objetivo apresentar resultados preliminares com relação à utilização de um resíduo da indústria de pedras preciosas em substituição da areia para a produção dos blocos de concreto celular aerado com agente espumígeno (BCCA). Os resultados preliminares de densidade e resistência mecânica a compressão demonstraram coerência com a literatura. Cabe salientar a que os efeitos da absorção de água foram grandemente afetados pelo resíduo, entretanto este estudo ainda não foi efetuado satisfatoriamente. Palavras-chave: Concreto aerado; Concreto leve; Concreto espumoso. Abstract: Actuality, the construction industry in Brazil is a major sector that has developed. This is due the good times that the country is living, reversing the stagnation occurred in the 90s with respect to constructions, infrastructure and the level of industrialization of the country. With respect to construction, various materials with new properties, high technology and performance are being incorporated into production systems, with low cost economic and preservation of the environmental improvement. A good example are the blocks of lightweight concrete, also known as cellular concrete or aerated (AAC) which according to ABNT NBR 13438:94 concrete blocks are expanded by the formation of gas bubbles and stabilized in the high temperature and pressure saturated with water vapor. The lightweight concrete blocks have very interesting design characteristics, such as low density and good thermal and acoustic insulation, but also show important changes in mechanical strength, modulus of elasticity, shrinkage and creep among others. This paper aims to carry out a literature review on the main production processes and suitable applications of Aerated Concrete Blocks (ACB) in order to start the development of academic research on the said topic. Keywords: aerated concrete, lightweight concrete, foamed concrete. 2

2 1. INTRODUÇÃO Segundo Helene e Andrade (2009), o concreto Portland deve conter cimento, água e agregados, onde o cimento e a água formam uma pasta mais ou menos fluída, em função do percentual de água que envolve as partículas de agregados com diversas dimensões. Esta mistura, nas primeiras horas apresenta a capacidade de ser moldada em qualquer formato. Com o passar do tempo, a mistura endurece pela reação irreversível da água com o cimento, adquirindo resistência mecânica capaz de torná-lo um material estrutural de desempenho excelente, sob os mais diversos ambientes de exposição. Dentro da classe dos concretos, os concretos leves tem ganhado espaço devido a suas características físicas e químicas. Os registros mais antigos sobre o concreto leve relatam uma patente de 1889 por um habitante de Praga. Segundo Bessey (1968) o concreto com agregado leve foi utilizado pelos romanos, há anos, para a construção do domo Pantheon. Supõese que, além da baixa massa específica, os romanos acreditavam na durabilidade deste material (Ferreira, 1955). Neste contexto, a presente introdução tem por finalidade abordar de forma genérica o tema de produção concreto celular, que segundo Allende et al (2005) é produto formado basicamente por bolhas de ar ou gás em matriz sólida, geralmente cimentícia, podendo ser incorporado à matriz por processos químicos ou mecânicos. Apesar de suas excelentes vantagens no uso como isolante térmico de baixo peso específico, ainda vem sendo pouco utilizado na indústria de prémoldados da construção civil, seja como bloco de alvenaria ou placas de divisórias. Segundo Motta (2001) os pesquisadores de materiais da construção civil do início do século XX tinham por missão elaborar um concreto com boa isolação térmica, estrutura sólida e facilidade de manuseio, similar a madeira, mas sem as desvantagens da combustibilidade. Até a segunda guerra mundial, a exploração comercial do concreto aerado ocorria quase que totalmente nos países escandinavos (Suécia e Dinamarca). As razões principais eram as fissuras apresentadas pelas paredes da alvenaria executadas com este material, quando o mesmo era curado à temperatura ambiente ou com temperatura abaixo de 100 C. Somente após o desenvolvimento de métodos de produção em massa, amplamente mecanizados e sofisticados, o concreto aerado curado em autoclave tornou-se um material competitivo, frente a outros materiais tradicionais (Motta, 2001). No Brasil, os BCCA vêm sendo utilizados na execução de paredes de alvenaria, a partir de tecnologia construtiva insuficiente para o adequado desempenho das paredes, ocasionando assim diversos problemas patológicos que tenderam a prejudicar o desempenho comercial deste produto no mercado nacional. O principal problema é que este material, cuja tecnologia de produção foi importada dos países de origem, está sendo vendido e aplicado sem a adaptação à cultura construtiva encontrada no Brasil (Mota, 2001). Segundo a NBR 13438:1995, o concreto celular autoclavado é definido como uma mistura expandida obtida através da utilização de produtos formadores de gases, água e aditivos, se forem o caso, sendo submetidos à pressão e temperatura através de vapor saturado. Esta mesma norma especifica as características dimensionais, bem como sua densidade e resistência a compressão. Conforme indicam as Tabelas 1 e Tabelas 2. O controle de qualidade dos blocos de BCCA abrange o acompanhamento das propriedades e características físicas de: dimensão, resistência à compressão e densidade de massa seca. 3

3 Tabela 1: Dimensões normais e modulações dos blocos Espessura (mm) Altura (mm) Comprimento (mm) Mínima de 75 modulando de 25 em 25 Mínima de 200, modulando de 25 em 25 Fonte: Adaptada de ABNT NBR 13438:1995 Mínimo de 200, modulando de 25 em 25 Estas medidas são coletadas com uma escala metálica com resolução de 1 mm apoiadas por duas réguas metálicas paralelas, contemplando parâmetros de espessura, altura e comprimento, sendo permitido uma variação das dimensões de +/- 3 mm. A Tabela 2 apresenta os limites de resistência à compressão em função da densidade aparente seca. Esta relação é devido a proporcionalidade inversa entre a quantidade de poros e a resistência do material. Ou seja, quanto mais porosa, menos densa e menos resistência irá apresentar. Tabela 2: Classes, resistência à compressão e densidade de massa aparente seca. Resistência à compressão seca Densidade Aparente seca Classes Valor médio mínimo Menor valor isolado (MPa) (MPa) 450 Kg.m -3 C12 1,2 1,0 450 C15 1,5 1,2 500 C25 2,5 2,0 550 C45 4,5 3,6 650 Os concretos celulares podem ser divididos em dois grandes grupos, os aerados com agente espumígeno (espuma pré-formada) e os aerados quimicamente (também chamados de gasosos), onde as diferenças encontram-se na forma dos poros e sua origem. (Melo, 2009). A Figura 1 apresenta um fluxograma distribuindo o Concreto Celular de acordo com sua obtenção. Figura 1: Classificação do concreto celular (fonte: Mello,2009) Segundo Goual et al, 2006, o concreto celular apresenta vantagens e desvantagens na aplicação. Sua estrutura de poros fechados garante excelente grau de isolamento térmico e acústico, além de boa resistência à absorção de água. Outra grande vantagem é sua resistência ao fogo, conferida por sua composição completamente inorgânica. Entretanto, todas essas propriedades são obtidas em detrimento da resistência mecânica do material, a qual diminui com o aumento da porosidade do mesmo. 4

4 Como exposto por Venquiaruto (2014), o aproveitamento de resíduos industriais como carga, substituição ao cimento ou dos agregados na produção de concretos tem se mostrado, ao longo dos anos, muito benéfico. O uso desses rejeitos pode melhorar as propriedades do concreto, além de possibilitar um destino sustentável a resíduos que, de outro modo seriam descartados no meio ambiente ou em aterros industriais. Neste trabalho foi estudada a possibilidade de substituição total da areia de origem natural. O processo de geração do resíduo é um sistema similar a um moinho de bolas, onde o corpo moedor e substrato a ser moído são constituídos pelos pedaços dos geodos de ágatas. O produto é conhecido como Pedra Rolada, como resíduo é gerado um pó com baixa granulometria com características especiais, tais como: grande área superficial, alto teor de sílica e alta capacidade de absorção de água. A capacidade atual da empresa que forneceu o resíduo gira em torno de 60 ton/mês de pedra ornamental bruta, com uma recuperação em torno de 15% de produto comercializável. 2. Materiais e Métodos Os materiais e o método utilizado foram definidos a partir de um estudo prévio no método de produção em escala industrial de uma empresa parceira na pesquisa, que produz e comercializa blocos de concreto celular na Região de Passo Fundo - RS. O processo de produção foi reduzido para adaptar a escala de bancada, com o objetivo de reduzir o número de variáveis de resposta, buscando avaliar a possibilidade da substituição total da areia natural pelo resíduo de sílica. 2.1 Materiais a) Cimento: Como aglomerante hidráulico foi utilizado o cimento Portland CPV ARI-RS, que tem alto conteúdo de Alita (Ca 3 SiO 5 ) e Alumínio Tricálcico C 3 A, além de apresentar uma moagem mais fina, conferindo elevada resistência em um menor de tempo pega. Segundo o relatório de ensaio da fabricante (Itambé, 2013), este material possui massa específica média de 3,00 g.cm -3, superfície específica Blaine média 4.723, finura média da peneira de malha # 200(mesh) igual a 0,63% e a finura média da peneira de malha # 300(mesh) igual a 2,09%. a) Sílica: O resíduo utilizado para substituição da areia natural de granulometria média, com grãos de diâmetros compreendidos entre 0,20 mm e 0,60 mm, (ABNT NBR 6502/95) por resíduo de sílica com granulometria inferior a 0,074 mm (200 mesh). Este resíduo apresenta massa específica ao redor de 2,5g.cm -3, é composto por 98 % de SiO 2, na fase cristobalita, com área superficial de 60 m 2.g -1, medido pelo método do azul de etileno. Estes resultados podem ser vistos no Quadro 1 (Marisco et al, 2009). 5

5 d=4,04551 Quadro 1: Resumo da composição do resíduo de industrial (Fonte: Marisco et al, 2009) Composição Resultado SiO 2 98,94% FeO 2 0,64% Al 2 O 3 0,19% CaO 0,08% SO 3 0,06% K 2 O 0,04% TiO 2 0,04% a) Coleta da amostra b) Composição Química Lin (Counts) Tridimita d=4,25591 d=4,31051 d=4,04671 Cristobalita d=3,82242 Anatásio d=3,51654 d=3,34148 Quartzo d=3,13869 d=2,97382 d=2,84738 d=2,48659 Amostra Theta - Scale Rodrigo - File: Amostra 1.RAW - Type: 2Th/Th locked - Start: End: Step: Step time: 1. s - Temp.: 25 C (Room) - Time Started: 2 s - 2-Theta: Theta: Phi: 0. Operations: X Offset Import (C) - Cristobalite alpha, syn - SiO2 - Y: % - d x by: 1. - WL: I/Ic PDF 5. - S-Q 71.4 % (D) - Quartz, syn - SiO2 - Y: % - d x by: 1. - WL: I/Ic PDF S-Q 18.4 % (C) - Anatase - TiO2 - Y: 1.63 % - d x by: 1. - WL: I/Ic PDF S-Q 1.2 % (C) - Tridymite low, syn - SiO2 - Y: 3.99 % - d x by: 1. - WL: I/Ic PDF S-Q 8.9 % - a) Composição das fases mineralógicas d=2,27912 d=2,23596 d=2,11958 d=2,02232 d=1,93231 d=1,87303 d=1,81640 d=1,69414 d=1,61244 d=1,53616 d=1,49564 d=1,43303 d=1,40125 d=1,36837 d=1,35290 b) Água: A água nos ensaios foi de abastecimento, com qualidade potável de origem subterrânea, captada por em poço artesiano, apresentando como características principais o ph com valor de 7,5 e condutividade de 2000 µs/cm 2. c) Agente Espumígeno: O agente gerador de espuma utilizado, para a incorporação de ar, foi uma mistura já estabelecida nas proporções que a indústria utiliza. O agente espumígeno é composto por uma mistura de detergente, resina vegetal, um aditivo plastificante e um estabilizador de bolhas. As proporções e os produtos não foram identificados pela empresa. 2.2 Método Os ensaios de obtenção dos blocos de concreto celular foram conduzidos no Laboratório de Materiais da Faculdade Meridional. Como avaliação preliminar, definiu-se que a geração da espuma seria efetuada por agitação mecânica em alta rotação para incorporação de ar. Ficou estabelecido que a incorporação de ar fosse efetuada até que todo o líquido fosse convertido em espuma e que a relação entre o concentrado gerador de espuma e a água de diluição seria de 1:30. Outro aspecto importante foi o estabelecimento da quantidade mínima de água para formação da pasta. A relação água/cimento inicial para a formação da pasta foi estabelecida em 0,86 variando esta relação ao limite de 1,7. Esta alta relação de água/cimento (a/c) concordo com o que está descrito em Venquiaruto (2014), onde relata que o acréscimo de 10 e 20% de rejeito, mantida a relação de água original, reduz a resistência á compressão aos 28 dias. Quando a relação de água é aumentada, a resistência á compressão em 28 dias apresenta uma tendência de aumento considerável. O procedimento de obtenção dos blocos de concreto celular seguiu a seguinte metodologia. Foram fixados os valores de 72g de cimento e 72 g de rejeito, os dois sólidos foram homogeneizados manualmente. Após foi adicionada água para a produção da pasta inicial. Paralelamente a espuma foi produzida por agitação mecânica. O volume de mistura para a geração de espuma foi de 30 ml utilizando a relação de 1:30 de concentrado espumígeno/ volume de água. O processo mecânico de geração de espuma foi estabelecido de forma que todo 6

6 o líquido estivesse com ar incorporado apresentado bolas pequenas, apresentando uma resistência física de não escoamento quando vertida verticalmente. Dessa forma, procedeu-se a mistura da espuma e da pasta cimentícea, sob agitação vigorosa mecânica por 1 minuto, produzindo uma boa homogeneização, levando a uma perda de volume considerável da espuma. Os blocos foram moldados em formas cônicas em um total de 7 amostras. Por ser um estudo inicial, não foram projetados repetições, nem variações no procedimento de cura, que foi efetuado em condições normais de ambiente, durante 7 dias. A única condição de variação na confecção dos corpos de prova foi à quantidade de água adicionada na preparação da pasta inicial de cimento, que iniciou em 32 ml, com um aumento linear de 10 ml a cada corpo de prova, até o volume de 92 ml. Esta variação teve como objetivo estabelecer uma relação entre água adicionada para a pasta e densidade do bloco em 7 dias. Com a adição das quantidades de água a relação água/cimento mudou consideravelmente. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Para a verificação da influencia da quantidade de água na variável resposta (resistência a compressão), as amostras forma rompidas em uma prensa hidráulica de acionamento elétrico, modelo PC200C marca EMIC, com capacidade máxima 200 toneladas (2MN) com unidade hidráulica de comando manual de velocidade. A resolução de leitura é de 0,1 kn (10kgf, com a precisão garantida de ±1% de carga lida, com Classe de Medição de Força: Classe 1, segundo a Norma NM ISO7500-1). Para o processo de ruptura dos blocos, os mesmos foram colocados individualmente na prensa, tendo o cuidado de ajustar a altura do cursor, através do módulo eletrônico foi ajustado o tipo de ensaio (ensaio em corpo cilíndrico), e a velocidade de ensaio (0,4MPa/s). A Tabela 3 apresenta a matriz experimental, bem como a variável resposta (variável dependente), bem como o volume água adicionado, relação água/cimento (variáveis independentes) Amostras Massa de cimento (g) Massa de resíduo (g) Água Total Adicionada (ml) Relação água/ciment o (peso) Densidade (g/cm³) Resistência á compressão (MPa) I ,86 1,16 4,17 II ,00 1,11 6,06 III ,14 0,94 1,2 IV ,28 0,66 0,8 V ,42 0,88 2,5 VI ,56 0,75 0,93 VII ,69 0,65 0,76 Para uma melhor compreensão dos dados demonstrados na Tabela 3, foram plotados três gráficos avaliando como ocorre o comportamento da resistência a compressão com relação á água adicionada, relação água/cimento e densidade. 7

7 Resitência a compressão (MPa) Resitência a compressão (MPa) A Figura 2 apresenta a tendência da variação da resistência com o aumento da relação água cimento. Este tendência segue o descrito na literatura clássica, pois com o aumento do teor de água, com descrito por Tutikian e Helene (2011). A resistência á compressão é influenciado por todos os vazios, neste caso, com aumento da relação água/cimento, ocorre o aumento dos poros capilares. Cabe salientar que o concreto celular apresenta ar incorporado como gerador de vazios. Figura 2: Gráfico com o comportamento da resistência a compressão em relação a relação água / cimento Variação da resistência em função da relação a/c 0 0,00 0,50 1,00 1,50 2,00 Relação água/cimento (peso) A densidade aparente seca é uma medida que define a massa do bloco pelo seu volume após curado. Esta relação tem proporcionalidade inversa entre a quantidade de poros e a resistência do material. Ou seja, quanto mais porosa, menos densa e menos resistência irá apresentar. A Figura 3 demonstra a tendência dos resultados nas amostras ensaiadas, assim, verifica-se que quanto maior a densidade, maior a resistência a compressão. Figura 3: Gráfico com o comportamento da resistência a compressão em relação a densidade. 7 Variação da resistência em função a densidade ,5 1 1,5 Densidade dos blocos (g.cm- 3 ) Um aspecto interessante na incorporação de ar pela adição de espuma a pasta é que o volume de ar incorporado é diretamente afetada pela quantidade de água adicionada ao processo (Figura 4). Os resultados demosntram qua o aumento da adição água causa um aumento no volume de incorporação de ar incorporado. Acredita-se que a afinindade do rejeito pela água seja 8

8 Volume de água adicionado ml responsável pela redução de volume da espuma, assim reduzindo a incorporação de ar produzida pelo agente espumígeno. Assim, com o aumento do volume pela adição de uma maior quantidade de água, ocorre uma redução da densidade aprente seca. Figura 4: Gráfico com o comportamento da resistência a compressão em relação a densidade. 250,0 Incremento de volume da água adicionada 200,0 150,0 100,0 50,0 0,0 0,5 0,7 0,9 1,1 1,3 1,5 Densidade g.cm -3 CONCLUSÃO A partir da observação das tendências do comportamento dos Blocos Concreto Celular Autoclavado (BCCA), e de avaliação dos efeitos dos fatores controláveis sobre as variáveis resposta, estudou-se a possibilidade de substituição total da areia de origem natural, pelo pó de ágata, resíduo gerado através do polimento de pedras preciosas. O concreto celular aerado apresenta vantagens e desvantagens na sua aplicação. Sua estrutura com poros fechados garante um excelente grau de isolamento acústico e térmico, além da boa resistência á absorção de água. Outra grande vantagem é sua resistência ao fogo, por ser uma composição completamente inorgânica. Constatou-se através dos experimentos iniciais, que quanto mais poroso o Bloco de Concreto Celular Autoclavado (BCCA) for, menor será a sua resistência. Em amostras iniciais manteve-se as mesmas quantias de massas de cimento, areia e sílica e o agente espumígeno, variando apenas o volume de água para cada amostra produzida. Os ensaios de resistência á compressão axial mostraram duas tendências, que o aumento de água/cimento implicou na redução da sua resistência, como era esperado. Com este estudo pode-se perceber o grande potencial da utilização do pó de ágata como um agente de melhoramento de empacotamento em concretos convencionais, em substituição da 9

9 areia. Porém novos estudos devem ser realizados, apontando que o pó não interfere em outras propriedades de concretos moldados, frente a sua durabilidade. 10

10 REFERÊNCIAS ALLENDE, K.A; FREITAS, I,M; DARWISH, F, A, I; Otimização da produção do concreto celular espumoso orgânico com adição de cinasita ou rejeito plástico e areia. In: XXII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 07 a 09 de Novembro de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 13438: Blocos de concreto celular auto-clavado. especificação. Rio de Janeiro, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 6502: Rochas e Solos. Especificação. Rio de Janeiro BESSEY, G. E. The world development and economic significance of the aerated concrete industry. In: International Congress on Lightweight Concrete, , London. Proceedings... London: Cement and Concrete Association, v. 1, p FERREIRA, O. A. R.. Concretos Leves: O Concreto Celular Espumoso Dissertação de Mestrado. São Paulo, USP, 1987,134 p. GOUAL, M.S.; BALI, A. ; BARQUIN, F. ; DHEILLY, R.M. ; QUÉNEUDEC, M. Isothermal moisture properties of Clayey Cellular Concretes elaborated from clayey waste, cement and aluminium powder. Cement And Concrete Research, v. 36, p , HELENE, Paulo ; ANDRADE, Tibério W. C. O. Concreto de cimento Portland. in: Materiais de Construção Civil e Princípios de Ciência e Engenharia de Materiais. São Paulo: IBRACON, 2007, v. 2, p MELO. Guilherme Fábio. Concreto Celular Polimérico: Influência da adição deresíduo de poliéster insaturado termofixo. Natal: UFRN, p. Tese (Doutorado) Centro de Ciências Exatas e da Terra, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Marisco, V.M ; Silva, R. de A. ; Tubino, R. M. C. ; Orellana, D.. Resíduo de ágatas composto por silica microcristalina e sua possibilidade de utilização como adsorvente. In: XXIII Encontro Nacional de Tratamento de Minérios e Metalurgia Extrativa, 2009, Gramado-RS. XXIII Encontro Nacional de Tratamento de Minério e Metalurgia Extrativa. Porto Alegre-RS: UFRGS, VENQUIARUTO, S.; OSSORIO, A.; ZANINI, C.; Passuello, A. C. B. ; KIRCHHEIM, Ana Paula ; DAL MOLIN, D. C. C. ; MASUERO, A. B.. Aproveitamento de resíduos de ágata reciclada em materiais cimentícios sustentáveis.. In: Léo Afraneo Hartman, Juliano Tonezer da Silva, Maciel Donato. (Org.). Tecnologia e inovação em gemas, joias e mineração. 1ed.Porto Alegre: IGEO/UFRGS, 2014, v. 1, p TUTIKIAN, B. F. ; HELENE, P.. Dosagem dos concretos de cimento Portland. In: Ibracon. (Org.). Concreto: Ciência e Tecnologia - Ed. Geraldo Isaia. 1ed. São Paulo: Ibracon, 2011, v. I, p

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS)

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) Janaina de Melo Franco 1, Célia Regina Granhen Tavares 2,

Leia mais

5 Resultados e Discussões

5 Resultados e Discussões 5 Resultados e Discussões O mercado para reciclagem existe e encontra-se em crescimento, principalmente pelo apelo exercido pela sociedade por produtos e atitudes que não causem agressão ao meio ambiente,

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade

Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Concretos celulares espumosos de alto desempenho Avaliação do comportamento de durabilidade Eduardo Mesquita Cortelassi

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA Alessandra L. de Castro; Rafael F. C. dos Santos; Givani Soares de Araújo 54º Congresso Brasileiro do Concreto

Leia mais

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Influência do índice de forma do agregado graúdo na resistência a compressão do concreto Resumo Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Josué A. Arndt(1); Joelcio de

Leia mais

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES Prof Dr.Jorge Creso Cutrim Demetrio OBJETIVOS 1. Analisar a viabilidade

Leia mais

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto

Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto Incorporação de Embalagens Pós-Consumo de Poliestireno Expandido (EPS) na Produção de Blocos de Concreto CASTRO, M. V. a, ANTUNES, M. L. P. a* a. UNESP, Campus Sorocaba, NATEL Núcleo de Automação e Tecnologias

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO

INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO INFLUÊNCIA DAS ADIÇÕES MINERAIS NA CORROSÃO DE ARMADURAS INDUZIDA POR CLORETOS E POR CARBONATAÇÃO NO CONCRETO ARMADO 1 OLIVEIRA, Andrielli Morais (1), CASCUDO, Oswaldo (2) Palavras chave: Corrosão, adições

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo Esta pesquisa tem como proposta

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES Angelo Just da Costa e Silva (1); João Manoel de Freitas Mota (2); Fred Rodrigues Barbosa (3); José Orlando Vieira Filho (4) (1)

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO

AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU RESUMO AVALIAÇÃO DO BIOCRETO COM FIBRAS MINERALIZADAS DE BAMBU VIVIANE DA COSTA CORREIA 1, JOSÉ DAFICO ALVES 2, CÍRIO JOSÉ COSTA 3 1 Bolsista PBIC/UEG, acadêmico do curso de Engenharia Agrícola da UnUCET - UEG

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-065 - AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE VIDRO COMINUIDO COMO MATERIAL AGREGADO AO CONCRETO

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE POLIPROPILENO PÓS-CONSUMO NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO LEVE

INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE POLIPROPILENO PÓS-CONSUMO NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO LEVE INFLUÊNCIA DA ADIÇÃO DE POLIPROPILENO PÓS-CONSUMO NAS PROPRIEDADES DO CONCRETO LEVE Priscila Marques Correa e-mail: priengenheira@gmail.com Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Avenida Bento

Leia mais

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho

Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Método Simples para Explicar a Resistência à Compressão do Concreto de Alto Desempenho Dario de Araújo Dafico Resumo: Um modelo para explicar a resistência à compressão do concreto de alto desempenho foi

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado

Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado Propriedades Mecânicas do Concreto Com Adição de Vidro Reciclado Carlos Cabreira Gomes (1), Fernando Pelisser (2). (1) Acadêmico do curso de Engenharia Civil, Universidade do Extremo Sul Catarinense. (2)

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES Profa Lia Lorena Pimentel Aglomerantes: Terminologia (NBR 11172) Aglomerante de origem mineral Produto com constituintes minerais que, para sua aplicação,

Leia mais

O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO

O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO O USO DE CD S COMO AGREGADO PARA O CONCRETO Giovana Davanço Sabeh 1 ; Judson Ricardo Ribeiro da Silva 2 RESUMO: A importância da sustentabilidade está cada dia mais presente na sociedade, métodos são pesquisados

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

Ficha Técnica de Produto

Ficha Técnica de Produto Ficha Técnica de Produto GLENIUM 3400 NV Aditivo hiperplastificante. GLENIUM 3400 NV é um aditivo com alto índice de redução de água, pronto para o uso. O GLENIUM 3400 NV é uma nova geração de aditivos

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade.

Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Adição de polímeros ao concreto visando durabilidade. Prof. Luciano Martin Teixeira, M.Sc. Eng. INTRODUÇÃO O emprego de polímeros no concreto tem como objetivo intensificar certas qualidades devido a diminuição

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS Lucas Palma Tasca 1 ; Francislaine Facina 2, Janaina de Melo Franco³, Judson Ribeiro RESUMO: O concreto é um dos materiais mais utilizados

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL III-267 EMPREGO DE AREIA DE FUNDIÇÃO LIGADA QUIMICAMENTE EM ARGAMASSAS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL Keilla Boehler Ferreira (1) Engenheira Agrícola pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Especialista

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

CONCRETO DE PÓS REATIVOS ECOEFICIENTE NA INDÚSTRIA DO CONCRETO PRÉ-MOLDADO*

CONCRETO DE PÓS REATIVOS ECOEFICIENTE NA INDÚSTRIA DO CONCRETO PRÉ-MOLDADO* CONCRETO DE PÓS REATIVOS ECOEFICIENTE NA INDÚSTRIA DO CONCRETO PRÉ-MOLDADO* L.M. Barreto¹ F.L. Da Costa 2 RESUMO Este trabalho trata da confecção de concreto ecoeficiente com baixo consumo de cimento Portland

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO AVALIAÇÃO DO EFEITO DO AGREGADO RECICLADO DE CONCRETO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO COMPÓSITO CIMENTÍCIO Evaluation of the effect of recycled aggregate concrete in mechanical properties of composite cimentitius

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais

Concreto Convencional

Concreto Convencional TIPOS DE CONCRETO Concreto Convencional Pode-se dizer que o Concreto Convencional é aquele sem qualquer característica especial e que é utilizado no dia a dia da construção civil. Seu abatimento (Slump)

Leia mais

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM

CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM CONCRETO LEVE ESTRUTURAL COM METACAULIM João A. Rossignolo Professor outor, epartamento de Arquitetura e Urbanismo da Escola de Engenharia de São Carlos USP, e-mail:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Adailton de O. Gomes; (2) Cleber M. R. Dias; (3) Alexandre T. Machado; (4) Roberto J. C. Cardoso;

Leia mais

Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada

Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada Mesa Redonda Módulo de Elasticidade, influências diretas sobre a estrutura pré-moldada Módulo de Elasticidade do Concreto Normalização, fatores de influência e interface com o pré-moldado Enga. Inês Laranjeira

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CASCA DE ARROZ E SEMENTES DE BRAQUIÁRIA EM TIJOLOS SOLO-CIMENTO

A UTILIZAÇÃO DA CASCA DE ARROZ E SEMENTES DE BRAQUIÁRIA EM TIJOLOS SOLO-CIMENTO A UTILIZAÇÃO DA CASCA DE ARROZ E SEMENTES DE BRAQUIÁRIA EM TIJOLOS SOLO-CIMENTO RIBEIRO, Renato Rodrigo FAIT - Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva BILESKY, Luciano Rossi FAIT - Faculdade

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Caio Henrique Tinós Provasi

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS.

UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. UTILIZAÇÃO DE CINZAS PROVENIENTES DA QUEIMA DE MADEIRA EM CALDEIRA DE AGROINDÚSTRIA COMO ADITIVO EM ARGAMASSAS PARA FINS NÃO ESTRUTURAIS. Alexsandro Luiz Julio (1) Biólogo pela Universidade Comunitária

Leia mais

CONCRETO COLORIDO DE ALTA RESISTÊNCIA COCAR 2015

CONCRETO COLORIDO DE ALTA RESISTÊNCIA COCAR 2015 REGULAMENTO DO 2º CONCURSO CONCRETO COLORIDO DE ALTA RESISTÊNCIA COCAR 2015 1/11 1 OBJETIVO 1.1 Este Concurso tem por objetivo testar a habilidade dos competidores na preparação de concretos resistentes

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Ensaio de Compressão de Corpos de Prova Resistência do Concreto

Leia mais

FICHA TÉCNICA - MASSA LEVE -

FICHA TÉCNICA - MASSA LEVE - FICHA TÉCNICA - MASSA LEVE - Massa Leve é um aditivo capaz de produzir concreto poroso de baixa massa especifica aparente, com ótima estabilidade, isto é, com reduzida queda de volume na aplicação. Características

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes II Materiais de Construção CONCRETO Definição:

Leia mais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais

Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA Utilização de microesferas de aço nos concretos estruturais Khalil Elias Khalil Ajaime. Itapeva São Paulo

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO.

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO. ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA ORDEM DE MISTURA DE AGREGADO GRAÚDO RECICLADO DE CONCRETO (AGRC) NO DESEMPENHO MECÂNICO DE CONCRETO. Luciana de Nazaré Pinheiro Cordeiro (1), Edison Estivalete Bilhalva Junior

Leia mais

BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO

BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO 2 nd International Workshop on Advances in Cleaner Production Orientadora: Profª.Dra. Ana Elena Salvi Abreu, Ricardo M. a ; Lopes, Ricardo W. b ; Azrak, Roberto c a. Universidade

Leia mais

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A

PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil. Disciplina Materiais de Construção Civil A PUC-CAMPINAS Faculdade de Engenharia Civil Disciplina Materiais de Construção Civil A CONCRETO Profa. Lia Lorena Pimentel CONCRETO 1. DEFINIÇÃO Aglomerado resultante da mistura de cimento, água, agregados

Leia mais

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes

MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes MACO II PUC GO Professora Mayara Moraes Argamassas NBR13281 Histórico 1º. registro de emprego na construção: Pré-História Piso polido de 180 m² feito com pedras e argamassa cal e areia: ~ 7000 a 9000

Leia mais

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP Paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA AUTORES : Engº Roberto J. Falcão Bauer (Diretor técnico) Engº Rubens Curti (Gerente técnico) Engº Álvaro Martins

Leia mais

Informativo técnico SIO2

Informativo técnico SIO2 Informativo técnico SIO2 INFORMATIVO TÉCNICO Sílica Ativa ASTM C494 Active Silic é um produto decorrente do processo de fabricação do sílico metálico ou do ferro sílico, de onde é gerado o gás SiO, que

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA

ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA ESTUDO DAS PROPRIEDADES DOS CONCRETOS UTILIZANDO CINZA PESADA COMO PARTE DA AREIA KREUZ, Anderson Luiz (1); CHERIAF, Malik (2); ROCHA, Janaíde Cavalcante (3) (1) Engº. Civil, Mestrando do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM SUBSTITUIÇÃO À AREIA (PARTE 1) SELF-COMPACTING CONCRETE: EVALUATION OF INDUSTRIAL WASTES REPLACING THE SAND (PART 1) Silva, Cláudia

Leia mais

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO

TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Texto base para o Mini-curso da Comunidade da Construção da Cidade do Recife TECNOLOGIA DE DOSAGEM DE CONCRETO Apresentação Os textos apresentados como base para o este mini-curso são artigos publicados

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS

IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais IMPORTÂNCIA DA CURA NO DESEMPENHO DAS ARGAMASSAS Prof.Dra Vanessa Silveira Silva 1 IMPORTÂNCIA DA CURA

Leia mais

COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS

COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS Tatiana Nunes Oliveira CEFET-MG Ricardo André Fiorotti Peixoto CEFET-MG Viviane de Jesus Gomes Alves CEFET - MG Introdução

Leia mais

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento

Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Propriedades físicas de concretos com substituição do cimento Sidiclei Formagini 1, Matheus Piazzalunga Neivock 1, Paulo Eduardo Teodoro 2, Mario Henrique Quim Ferreira 2, Willian de Araujo Rosa 1, Cristian

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Período: 2º semestre de 2014 Docente: Priscila Borges Alves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Prontuário: 20.006-2 Regime de trabalho: [ X ] RDE [ ] 40h [ ] 20h Área: [ ]

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

Influência do capeamento de corpos-de-prova cilíndricos na resistência à compressão do concreto

Influência do capeamento de corpos-de-prova cilíndricos na resistência à compressão do concreto pesquisa e desenvolvimento controle tecnológico do concreto Influência do capeamento de corpos-de-prova cilíndricos na resistência à compressão do concreto Fred R.Barbosa Pr o f e s s o r João M. F. Mota

Leia mais

. INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA EVOLUÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CIMENTO PORTLAND

. INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA EVOLUÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CIMENTO PORTLAND INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NA EVOLUÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CIMENTO PORTLAND INFLUENCE FROM TEMPERATURE ON EVALUATION OF COMPRESSION STRENGTH OF CEMENT PORTLAND Angelo Just da Costa e Silva (1);

Leia mais

Concretos de retração controlada e de pós reativos: características, aplicações e desafios.

Concretos de retração controlada e de pós reativos: características, aplicações e desafios. e de pós reativos: características, aplicações e desafios. Wellington L. Repette, Prof. Dr., Eng. Civil (Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC) Retração! Fissuras 1 Estruturas novas Reparo H2O

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

FISSURAS NO CONCRETO: PRINCIPAIS CAUSAS E COMO PREVENIR

FISSURAS NO CONCRETO: PRINCIPAIS CAUSAS E COMO PREVENIR FISSURAS NO CONCRETO: PRINCIPAIS CAUSAS E COMO PREVENIR COMITÊ GO 12.211 FISSURAÇÂO DO CONCRETO Coordenador: José Dafico Alves Membro: Luciano Martin Teixeira INTRODUCÃO As fissuras são eventos importantes

Leia mais

Conceitos de Projeto e Execução

Conceitos de Projeto e Execução Pisos Industriais: Conceitos de Projeto e Execução Públio Penna Firme Rodrigues A Importância do Pavimento Industrial Conceituação Piso - Pavimento Quanto à fundação Fundação direta (sobre solo ou isolamento

Leia mais

Sumário. 1 Cimento Portland 1

Sumário. 1 Cimento Portland 1 Sumário 1 Cimento Portland 1 Histórico 1 Fabricação do cimento Portland 2 Composição química do cimento Portland 8 Hidratação do cimento 13 Silicatos de cálcio hidratados 14 Aluminato tricálcico hidratado

Leia mais

Avaliação de propriedades de concretos produzidos com três tipos de cimentos na região Agreste de Pernambuco.

Avaliação de propriedades de concretos produzidos com três tipos de cimentos na região Agreste de Pernambuco. Avaliação de propriedades de concretos produzidos com três tipos de cimentos na região Agreste de Pernambuco. Evaluation of concrete properties produced with three types of cement in the Agreste region

Leia mais

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO

ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO ESTUDO DO EFEITO DAS FIBRAS DE VIDRO E POLIPROPILENO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO CONCRETO Jéssica Spricigo da Rocha Bonifácio (1), Daiane dos Santos da Silva Godinho (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia

17/04/2015 AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO REFERÊNCIAS CAL HIDRÁULICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) AGLOMERANTES HIDRÁULICOS PARA PAVIMENTAÇÃO Prof. Ricardo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO Maressa Soares de Sousa (1) Mestranda em Tecnologia e Gestão Ambiental pelo IFCE.

Leia mais

Avaliação da influência de altas dosagens de aditivo polifuncional em concreto dosado em central. Estudo de caso Sul do Brasil

Avaliação da influência de altas dosagens de aditivo polifuncional em concreto dosado em central. Estudo de caso Sul do Brasil Avaliação da influência de altas dosagens de aditivo polifuncional em concreto dosado em central. Estudo de caso Sul do Brasil Evaluation of the influence of high dosages of midrange admixtures in concrete

Leia mais

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha

Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha Pneus Inservíveis como Agregados na Composição de Concreto para Calçadas de Borracha A. C. A Romualdo a, D. E. dos Santos a, L. M. de Castro a, W. P. de Menezes b, A. Pasqualetto c, O. R. dos Santos c

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICA DO USO DE CONCRETO CELULAR ADICIONADO DE PET TRITURADO NA FABRICAÇÃO DE RESIDÊNCIAS E SEU IMPACTO ECOLÓGICO

ESTUDO DA VIABILIDADE TÉCNICA DO USO DE CONCRETO CELULAR ADICIONADO DE PET TRITURADO NA FABRICAÇÃO DE RESIDÊNCIAS E SEU IMPACTO ECOLÓGICO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO

ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO ESTUDO DAS RESISTÊNCIAS DE CONCRETOS DOSADOS COM RESÍDUO OLEOSO DE PETRÓLEO Ana Maria Gonçalves Duarte Mendonça 1, Milton Bezerra das Chagas Filho 2, Taíssa Guedes 3, Yane Coutinho Lira 4, Daniel Beserra

Leia mais

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO Ronaldo Alves de Medeiros Junior Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco (POLI/UPE), Recife, Brasil,

Leia mais

SESSION 3: Mix Design

SESSION 3: Mix Design SESSION 3: Mix Design Prof. Bernardo F Tutikian btutikian@terra.com.br bftutikian@unisinos.br Métodos de Dosagem Brasileiros para o CAA Gomes (2002) Tutikian (2004) Melo-Repette (2005) Tutikian & Dal Molin

Leia mais

PROCESSAMENTO DE MASSAS CERÂMICAS A BASE DE RESÍDUOS VÍTREOS PARA USO EM CONCRETOS

PROCESSAMENTO DE MASSAS CERÂMICAS A BASE DE RESÍDUOS VÍTREOS PARA USO EM CONCRETOS VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil PROCESSAMENTO

Leia mais

Concreto de Cimento Portland

Concreto de Cimento Portland Concreto de Cimento Portland Concreto é uma mistura de agregados miúdos e graúdos, cimento e água. Estes três materiais, reunidos e bem misturados, constituem uma massa plástica que endurece no fim de

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO. Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA

CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO. Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA VII ERUR ENCONTRO DE REFRATÁRIOS E USUÁRIOS DE REFRATÁRIOS CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA RESUMO Definição Concretos

Leia mais