A comicidade criativa: uma análise do risível na prática publicitária a partir do Anuário do Clube de Criação de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A comicidade criativa: uma análise do risível na prática publicitária a partir do Anuário do Clube de Criação de São Paulo"

Transcrição

1 Confederación Iberoamericana de Asociaciones Científicas y Académicas de la Comunicación A comicidade criativa: uma análise do risível na prática publicitária a partir do Anuário do Clube de Criação de São Paulo Talita Guimarães 1 Marcio Acselrad 2 Resumo: Em 1999 a revista Propaganda publicou uma matéria relatando que 80% dos comerciais inscritos em Cannes traziam o humor como alicerce de suas mensagens. Uma rápida olhada ao nosso redor mostrou que a grande presença do risível não estava somente nas premiações internacionais, mas também nas nacionais, a exemplo dos anuários do Clube de Criação de São Paulo (CCSP). A presença deste elemento na nossa publicidade se dá por ele poder tornar a mensagem mais leve e disfarçar sua função mercadológica. A sedução está intimamente relacionada ao cômico no sentido de que ela gera no espectador uma sensação de proximidade com o objeto. Assim é que o presente trabalho busca apresentar uma análise da publicidade brasileira com o objetivo de compreender melhor a opção pela comicidade criativa. Para isto serão analisadas peças da categoria revista do 25º ao 30º Anuário do CCSP. Tais peças serão submetidas às classificações de três teóricos do riso: Propp, Freud e Bergson. Palavras-chave: Brasil, comicidade, publicidade, CCSP. Abstract: In 1999, Propaganda magazine published an issue stating that 80% of all commercials submitted do the Cannes Festival had humor as the main basis for their messages. A quick look around us showed that the great presence of laughter was not exclusively related to international awards but to national ones as well, as can be seen in the Annuary of the São Paulo Creation Club (CCSP). Such ingredient is present in our publicity campaigns because it can turn the message into something light, disguising (so to speak) its market function. Seduction is closely related to the comic in the sense that it generates in the spectator a feeling of closeness with the object. Therefore the present work aims at presenting an analysis of Brazilian publicity in order to better understand the creative comicity. In order to achieve so, we shall analyze pieces from the magazine category of the 25 th to 30 th Annuary of CCSP. The pieces were submitted to the classifications of three important scholar that dealt with the subject of laughter. Keywords: Brazil, comicity, publicity, CCSP. Introdução Em 1999 a revista Propaganda publicou uma matéria que relatava que 80% dos comerciais inscritos em Cannes traziam o humor como alicerce das suas mensagens. Observações empíricas mostram que a grande presença do risível 3 não está somente nas 1 Talita Garcez Guimarães. Mestranda em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa, especialista em Teorias da Comunicação e da Imagem pela UFC e professora da Faculdade 7 de Setembro e Faculdades Nordeste. 2 Marcio Acselrad. Doutor em Comunicação pela UFRJ e professor titular da Universidade de Fortaleza. Coordenador do Cineclube Unifor e do LABGRAÇA - Laboratório de Estudos do Humor e do Riso. 3 Para Alberti (2002), o risível é o objeto do riso em geral, aquilo de que se ri. Isto pode ser a piada, o jogo, a sátira etc.

2 premiações internacionais, mas também em premiações nacionais a exemplo dos anuários do Clube de Criação de São Paulo (CCSP). A presença marcante do rizível na publicidade se dá porque ele pode tornar a mensagem mais leve e disfarçar a sua função mercadológica. A sedução está relacionada ao cômico no sentido de que ela envolve, gera no espectador uma sensação de proximidade com o objeto. Propp (1992) afirma que inicialmente pode parecer desnecessária uma teoria do riso, mas que qualquer teoria correta tem além do valor teórico, um significado prático que pode ser aplicado. Assim, este trabalho busca apresentar uma análise da publicidade brasileira com o objetivo de compreender melhor a opção pelo cômico no tratamento criativo. O trabalho tem 3 partes. A primeira trata do estudo teórico de Propp, Freud e Bergson sobre o rizível. A segunda trata do rizível como um importante elemento para seduzir o público-alvo na publicidade. A terceira apresenta categorias, que foram criadas a partir de uma pesquisa bibliográfica dos autores. Através de uma pesquisa documental foram selecionadas peças da categoria revista do 25º ao 30º Anuário do CCSP e tais peças foram submetidas a uma espécie de cruzamento das classificações dos três teóricos. Parte 1. Uma breve teoria sobre o rizível Propp (1992) cita alguns elementos que possuem caráter cômico e são ligados ao riso de zombaria, entre eles: caricatura (quando uma particularidade é ampliada de modo que todos a percebam), homem com aparência ou com características negativas que lembram animais (já quando a analogia é feita para elogiar ou demonstrar afeto não é cômica), paródia (exagero de algumas características através da imitação. Mais uma vez, o que é exposto é o negativo), terminologia científica específica de algumas profissões (não para os profissionais que estão acostumados a elas, mas para os leigos que acham os termos ridículos, pois os mesmos soam estranhos a eles), paradoxo (quando conceitos que se excluem são reunidos), ironia (artifício retórico que consiste em dar a entender o contrário do que foi dito), jogo de palavras (um interlocutor entende a palavra num sentido amplo ou geral e o outro substitui esse significado por aquele

3 mais restrito ou literal, assim anula-se o argumento do interlocutor e é mostrada sua inconsistência), malogro da vontade (ocorre quando as pessoas se deparam com algo desagradável e imprevisto. Geralmente é um fracasso que se dá no dia-a-dia provocado por circunstâncias banais). Propp também cita mais elementos cômicos, entre eles: o disforme (exemplo: defeitos físicos das pessoas ou a aparência na sala de espelhos onde as partes do corpo são distorcidas tornam-se na maioria das vezes engraçados), a comicidade também está presente nas semelhanças (no caso de gêmeos quem os conhece sabe que cada um tem sua individualidade, mas quem descobre duas pessoas idênticas fisicamente conclui inconscientemente que também o são no aspecto espiritual. É a descoberta deste defeito que causa o riso), diferenças (algo que foge ao nosso conceito de normalidade, como as pessoas acharem engraçados os estrangeiros, pois muitas vezes seus costumes e normas próprias causam estranhamento). Freud (1987) apresenta um sumário, dividido em três partes, das principais técnicas que operam na elaboração dos chistes: I Condensação: (a) com formação de palavra composta, (b) com modificação. II Múltiplo uso do mesmo material: (c) como um todo e suas partes; (d) em ordem diferente; (e) com leve modificação; (f) com sentido pleno e sentido esvaziado. III Duplo sentido: (g) significado como um nome e como uma coisa; (h) significados metafóricos e literais; (i) duplo sentido propriamente dito (jogo de palavras); (j) double entendre (entendimento duplo); (k) duplo sentido com uma alusão. A condensação ocorre quando há fusão de palavras/letras ou uma leve modificação de palavras, muda-se o sentido original e/ou seus significados são ampliados. O múltiplo uso do mesmo material é caracterizado por casos em que a pessoa nota que uma mesma palavra tem um determinado significado e ela dividida em sílabas já adquire outro. Esta técnica está presente sempre que a mesma palavra ou o mesmo material verbal representar múltiplos usos em uma sentença. O duplo sentido ocorre quando uma palavra opera em mais de um significado em uma determinada frase possibilitando mais do que uma interpretação.

4 Outra técnica que Freud cita é o nonsense: quando algo que estúpido e absurdo (não tem relação com a realidade ou com a vida social organizada) é apresentado. Bergson (2001) destaca 3 procedimentos do vaudeville que têm a capacidade de produzir uma cena, um efeito cômico. São eles: repetição (a mesma situação se reproduz, quando os acontecimentos de uma cena se reproduzem entre as mesmas personagens em novas circunstâncias ou entre personagens novas em situações idênticas. Exemplo: quando um personagem pobre repete a mesma cena de seu patrão); inversão (quando papéis são trocados, um assume a posição do outro e a situação se volta contra quem a criou. Exemplo: o ladrão que é roubado) e interferência das séries ( uma situação é sempre cômica quando pertence ao mesmo tempo a duas séries de acontecimentos absolutamente independentes e pode ser interpretada ao mesmo tempo em dois sentidos diferentes (BERGSON, 2001, p.71). Esta situação também mantém uma coincidência parcial entre as séries de acontecimentos. Exemplo: um qüiproquó - quando um dos sentidos que a situação apresenta é possível e é o que os atores lhe atribuem e outro significado é o real, que é o revelado ao público. Do campo da comicidade de situação para o da comicidade das palavras, aqui cabem três leis fundamentais: a repetição (quando a mesma frase é transportada para outro ambiente que não é o mesmo em que ela foi criada - frases típicas de determinadas profissões), inversão (exemplo: sujeito no lugar do objeto e objeto no lugar do sujeito) e interferência (exemplo: trocadilho). A diferença é que esta comicidade é a que a linguagem cria, já a outra que Bergson cita é a comicidade que a linguagem exprime. Parte 2. Risível. Uma ferramenta de diferenciação na publicidade Todos os dias recebemos um bombardeio de informações. A publicidade para estar em evidência precisa ser ousada, inteligente e pertinente. O risível vem sendo muito utilizado como ferramenta de sedução do target. Cada cultura tem seu modo de trabalhar o humor, mas também é possível observar que existem situações próprias do ser humano, e portanto, universais. Marcas mundiais necessitam do cômico que possa ser entendido em qualquer lugar. No filme publicitário Sai da frente II, da Mizuno, por exemplo, um atleta vence uma corrida

5 mas não consegue reduzir sua velocidade e acaba atingindo a câmera que filmava o evento, entra o letreiro: Mizuno ajuda você a ir mais rápido. Frear é problema seu. Em tempos em que a concorrência anda tão acirrada e que os produtos não diferem substancialmente entre si, a publicidade tem um papel fundamental na conquista do consumidor, na consolidação de uma marca. Para isso é preciso utilizar bem a criatividade. E o cômico, quando bem usado, adequado ao público vem mostrando resultados satisfatórios na construção de marcas. Muitas até tornaram-se referência na publicidade mundial como as Havaianas. ( O humor conquista, reforça a marca e vende produtos. Ao menos essa é a opinião unânime do mercado publicitário. (CAMARGO, 1999, p.38) Fedrizzi (2003) afirma que pesquisas demonstram que as marcas que utilizam humor são geralmente as preferidas e as mais lembradas pelo público. Nos anos 80, a agência multinacional Ogilvy & Mather encomendou uma pesquisa cujo resultado ajudou David Ogilvy a mudar sua opinião em relação ao risível na publicidade (o publicitário tinha chegado a afirmar: consumidor não compra de palhaços ). A Associação Brasileira de Propaganda (ABP) encomendou ao IBOPE três pesquisas sobre A imagem da propaganda no Brasil. 4 A primeira, realizada em 2002, revelou que a maioria dos entrevistados indagados sobre a propaganda que fica respondeu que é a criativa, a surpreendente, a inteligente, a bem humorada e a que apresenta novidade na informação. O humor foi citado pelo público entre as principais características das propagandas brasileiras com 78%. No item atitude frente à propaganda a amostra respondeu que se diverte vendo propaganda (62%) e que ela é tema de conversa entre amigos e familiares (63%). A segunda pesquisa foi realizada em Ao compará-la com a de 2002, observa-se um aumento na percepção do humor agora com 83%. No item influência da propaganda no comportamento muitos declararam que pelo fato de a propaganda brasileira ser divertida, freqüentemente se torna tema de conversa entre amigos. A terceira pesquisa, de 2006, aponta o humor ainda como um dos principais pontos fortes da propaganda brasileira com 80%. Embora, de 2004 para 2006, o item 4 Pesquisas no site:

6 humor tenha sofrido uma ligeira baixa de 3%, a sua porcentagem ainda é maior do que a de A publicidade deve ter cuidado ao associar o cômico a uma marca. É aconselhável que se destaque algo que só o anunciante possua e deixar aquilo na mente do target para que não se torne só mais uma piada que poderia ser contada por qualquer um. Deve-se evitar que o público lembre somente da brincadeira e esqueça o produto ou o confunda com os concorrentes. O propósito principal do anúncio não é somente divertir, fazer rir, e sim estimular as vendas. Não estamos tentando escrever uma série de piadas, mas sim criar uma peça de comunicação que seja única para o produto que estamos anunciando. A idéia precisa se entrelaçar com a trama da marca (HEGARTY, 2003, p.71). Apesar das várias campanhas bem-sucedidas que optaram pelo cômico, vários anunciantes ainda são reticentes e preferem conduzir sua marca para uma imagem mais séria. Para aplicar as teorias estudadas, o corpus foi restrito ao Anuário de Criação de São Paulo 5, do 25 ao 30 (de 2000 a 2005). O meio escolhido foi revista e foram selecionados anúncios que possuem características risíveis. Alguns deles podem não obter o seu objetivo: fazer rir, porém não é este motivo que fará com que os seus conteúdos deixem de ser risíveis. ( Lá, onde um ri, outro não ri. (PROPP, 1992, p.31). Quando se assiste a um filme dramático, o espectador não necessariamente vai chorar ou se emocionar, mas a intenção de tal produto é esta. O mesmo ocorre com a publicidade cômica, ela é feita para divertir e, logicamente, num momento posterior levar o indivíduo a consumir o produto anunciado. Parte 3. Análise do risível na publicidade nacional É preciso pontuar que a proposta a seguir de categorias para a análise do risível na publicidade não está fechada. ( Não há mais classificações que pretendam cercar todas as possibilidades do risível (ALBERTI, 2002, p.205). O objetivo é aplicar a teoria ao estudo de peças contemporâneas e provocar uma discussão sobre a publicidade 4 O Anuário de Criação de São Paulo é uma premiação de peças publicitárias nacionais feitas sob a forma de um livro e um DVD. As peças selecionadas recebem o título Prêmio Anuário e algumas entram nas categorias ouro, prata e bronze, que são dividida por tipos de mídia (imprensa, rádio, TV/cinema, Internet etc.).

7 a partir de uma reflexão do risível. Deste modo, também pretende-se ter uma maior compreensão da sociedade. As categorias a seguir são fruto das categorizações propostas pelos teóricos estudados, mas com algumas adaptações: todas têm como objeto a publicidade e algumas das teorias aplicadas ao universo da palavra foram aplicadas também ao da imagem. Além disso, houve categoria compactada, por exemplo: o que Freud dividiu em três partes (as técnicas que operam na elaboração dos chistes) foram reunidas sob o nome jogo de palavras, porque tanto a condensação, o duplo sentido, quanto o múltiplo uso do mesmo material são uma espécie de brincadeira com as palavras. O mesmo se pode dizer sobre a interferência de séries de Bergson. Outra questão é que foi eleita uma peça por categoria, embora algumas sejam parte de campanhas publicitárias 6. Esta escolha deu-se pelo limite de espaço do trabalho. Algumas categorias foram ignoradas pelo fato de não terem representatividade junto ao objeto - até existem na publicidade, porém de maneira ínfima, de modo que não foram encontradas na amostra. Tudo foi contextualizado (lição aprendida com Propp), isto é, a análise específica para cada peça. Geertz (1989) afirma que o homem não apenas cria e dá sentido às coisas, mas está enredado numa tarefa ininterrupta de criação e manutenção de significados. A análise tenta encontrar essas teias, a partir da leitura de tais peças foram construídos significados utilizando para isto associações e interpretações que o saber cultural fornece. CARICATURA 6 As pertencentes às seguintes categorias: ironia, homem com aparência de animal, jogo de palavras, paródia, semelhanças, malogro da vontade, disforme e nonsense.

8 Anuário: 26º, Prata, Pág. 94 Agência: DM9DDB Anunciante: Valisère Título: Water Bra. O sutiã com enchimento de água e óleo que aumenta seu seio. Imagem 1 A caricatura é uma forma de exagero muito presente na comicidade e na publicidade também. Propp afirma que ela é caracterizada quando uma particularidade, um detalhe é ampliado, exagerado de modo que atraia a atenção para que todos a percebam. Aqui a ironia é mostrada de maneira sutil, já que não exibe o seio da modelo de forma gigantesca, e sim somente sugere tal forma pela distância que ela se encontra do homem à sua frente na fila. ( A caricatura sempre deforma um pouco (e às vezes de modo substancial) o que é representado (PROPP, 2002, p.89). IRONIA Imagem 2 Anuário: 26º, Bronze, Pág. 110 Agência: AlmapBBDO Anunciante: Escola Pamericana de Arte Texto ( jornal): Loira Manhosa. Olhos verdes, boca carnuda, corpo escultural, 1,80 de curvas. Fogosa e carinhosa. Sigilo Total. F: Título (abaixo do jornal): Quando o visual não ajuda, não há texto que salve. Texto (canto direito): Art Directors Club N.Y. in Panamericana. Venha ver os melhores trabalhos de propaganda e design do mundo. Âncorado nos estudos de Propp, percebe-se que este é um caso de ironia. O texto escrito no quadrado simula um anúncio de jornal, dando a entender algo (que a mulher descrita é linda, deslumbrante) e, na verdade, a imagem mostra o contrário do que foi

9 dito. O contraste do que se diz e do que se vê é grande. O risível está presente na interação destes dois elementos: palavra e imagem. A própria personagem já sugere o cômico ao fugir do comum, chamar atenção e ser apresentada de forma espalhafatosa. O belo não suscita o riso. Para demonstrar isto, pode-se fazer o exercício de imaginar que no lugar do travesti estivesse uma morena linda, de olhos castanhos. Neste caso, a imagem continuaria sendo oposta ao que foi dito, mas não causaria tamanha estranheza, não seria, portanto, engraçada. O padrão cultural dita uma utilização do corpo diferente para homens e mulheres. O jeito feminino é diferente do masculino. Deste modo, é estranho, engraçado, quando algo foge a isso, como é o caso desta peça em que um homem imita o modo feminino e evidencia ser um travesti. Este tipo de imitação é uma forma de quebrar a norma de conduta social, de provocar estranhamento. A transgressão deste código, a desobediência aos padrões culturais estabelecidos é vista como a descoberta de um defeito e isto se torna cômico. Para além do lado cômico, o que se observa neste tipo de situação é o estereótipo de paradigmas cristalizados. Isto leva o risível a uma situação de violência simbólica, de um paradigma que limita determinados aspectos físicos em detrimento de outros que certamente podem ser encontrados no objeto passível de chacota. HOMEM COM APARÊNCIA DE ANIMAL Imagem 3 Anuário: 26º, Ouro, Pág. 72 Agência: AlmapBBDO Anunciante: Effem Título: Ele pode ter a sua cara, mas não precisa ter a mesma comida. César. Para cachorros especiais. Propp cita esta categoria, que, embora não frequente na publicidade brasileira, está muito presente em nossa vida. É comum as pessoas identificarem em outros indivíduos elementos que os façam parecer com animais. E isto é cômico. Estas peças,

10 além de possuírem caracteres risíveis nos elementos plásticos (justamente pela semelhança dos donos com seus cães), também possuem no registro verbal (já que brincam como se dissessem ele tem a sua cara, mas não é igualzinho a você em tudo ). Aqui está presente o riso de zombaria, o rir do outro. Você acha engraçado alguém se parecer com um cão. Isto é um defeito, é negativo. Caso fosse um elogio ou uma forma de demonstrar carinho (apelidos como gatinha ) não seria cômico. Segundo Ferrari (1994) o cômico se faz presente além da verbalização. O fato de haver semelhança entre os donos e os animais já se torna cômico por si só. Porém, o texto reforça esta característica. JOGO DE PALAVRAS Anuário: 26º, Bronze, Pág. 113 Agência: Central Anunciante: Hustler Título: É colocar esse nome que você enxerga sacanagem. Imagem 4 O duplo sentido é um tipo de jogo de palavras onde algo é insinuado, mas o significado verdadeiro da situação é outro. Este será percebido somente em um segundo momento. Neste exemplo o duplo sentido se dá através da interação palavra/imagem. Aqui dois sentidos estão presentes quando lemos Daniela destaque do mês. A primeira interpretação é a de que a garota foi a atendente que melhor cumpriu sua função em alguma lanchonete, pois este é um quadro típico de tais estabelecimentos. Porém, quando o leitor vê a caixa de texto amarela com os dizeres Hustler. É só colocar esse nome que você enxerga sacanagem. e associa a revista ao seu conteúdo erótico, logo percebe a outra acepção da peça (a conotação sexual). Este sentido de duplicidade do pensamento ocorre quando elementos verbais operam em mais de um significado e possibilitam múltipla interpretação, tendo sido observado tanto por Freud quando por Propp.

11 Muitas vezes o duplo sentido está associado ao sexo. Na cultura brasileira é comum que se relacione elementos risíveis à conotação sexual. ( (...) em nossa cultura a piada deve ser temperada com uma boa dose de sexo (LARAIA, 1992, p.71). Aqui também percebemos que o conteúdo censurado por nossa sociedade, proibido (dizer que a garota se destacou pelo seu desempenho sexual) só é aceito porque está inserido na esfera cômica. PARÓDIA Anuário: 28, Pág. 120 Agência: DM9/DDB Anunciante: Morel Speakers Título: Grande no som, pequeno no tamanho. Imagem 5 Neste anúncio, que faz parte de uma campanha, pode-se ver ídolos da música internacional retratados na forma de paródia. A paródia é configurada pelo exagero cômico e irônico, da imitação de algumas características de tais personagens por não serem retratados de uma forma bela ou normal (no sentido dos imitadores ficarem realmente idênticos aos ídolos). A intenção da paródia é satirizar o imitado, não tem a intenção de homenagear ou elogiar. Bergson afirma que os defeitos humanos, quando não causam piedade ou compaixão, são passíveis de risos. E este é o caso porque os anões não estão em uma situação que gere nenhum tipo de emoção parecida com as citadas. Anões são considerados engraçados porque não fazem parte do padrão cultural, do fenótipo da maioria da população. Novamente o estereótipo de paradigmas cristalizados. DIFERENÇAS

12 Anuário: 27º, Bronze, Pág. 85 Agência: DM9DDB Anunciante: Tam Título: Rio-Miami-Rio todos os dias. Imagem 6 ( A comicidade pode ter como causa diferenças não apenas sociais, mas de costumes, por exemplo, entre dois povos diferentes numa mesma época (PROPP, 1992, p.61). Quando normas não são correspondidas (trajes, falas dos estrangeiros) é possível se constatar a presença do risível. ( Do mesmo modo que são ridículas as modas ou as roupas antiquadas também é ridículo o vestuário dos estrangeiros (PROPP, 2002, p.64). Neste anúncio a diferença é ressaltada pelo contraste, pela falta de correspondência que existe entre a moda praiana do Brasil e dos Estados Unidos. Embora só a brasileira esteja evidente, a dos EUA também está sugerida, representada na forma da ausência de bronze que o sol deixa na pele. É comum que os brasileiros façam piadas, estranhem o tamanho avantajado que os biquínis dos EUA têm em relação aos do Brasil. Sob o viés do chamado estranhamento podem repousar facetas de etnocentrismo. E aí, a publicidade tanto reproduz (em sua maioria o faz) quanto questiona. No exemplo em questão, reforçam-se os dois códigos: a moda brasileira como correta, bonita, e a americana como estranha, ridícula. SEMELHANÇAS

13 Imagem 7 Anuário: 27º, Ouro, Pág. 78 Agência: F/Nazca Saatchi & Saatchi Anunciante: Natan Título: O poder dos quilates. Propp cita as semelhanças como outro recurso que pode suscitar o riso. Neste caso, ela pode ser conferida pela duplicação da cena onde em uma o homem está mais feio que na outra ( pequenas diferenças contribuem para reforçar as semelhanças (PROPP, 1992, p. 56). Já foi dito que o risível está presente também na descoberta de algum defeito. Aqui ao fazer um comparativo do antes e depois é possível perceber isto. O homem antes de oferecer o presente à mulher é mostrado de forma que seus defeitos sejam realçados. Já quando a mulher vê a jóia estes defeitos desaparecem, ele imediatamente torna-se mais bonito, simpático e charmoso. Caso fosse mostrado primeiramente um homem feio e depois aparecesse um outro bonito, a peça perderia sua sutileza e elegância. INVERSÃO Anuário: 25º, Pág. 86 Agência: DM9DDB Anunciante: Parmalat Título: Leite com ferro Parmalat. Muito mais energia para você. Imagem 8 Segundo Bergson a inversão se dá quando papéis são trocados, um assume a posição do outro. É o chamado mundo às avessas. Aqui é um exemplo claro desta categoria. Geralmente o gato é perseguido, dominado e tem seus limites territoriais

14 impostos pelo cachorro. Já a peça mostra, para surpresa de todos, um felino na casa do cão e a marca de arranhão não deixa dúvidas que ele impôs ao canino aquela situação e a casinha não fora simplesmente abandonada. REPETIÇÃO Imagem 9 Anuário: 27º, Pág. 143 Agência: F/Nazca Saatchi & Saatchi Anunciante: Natan Título: Finalmente localizado o ponto G Texto (abaixo canto esquerdo): Anel Together: a partir de R$1.300 Esta peça é um exemplo de transformação cômica das frases (BERGSON, 2001, p.91). No campo das palavras, a repetição está presente quando o registro verbal é deslocado do seu ambiente. O autor cita que efeitos grosseiros são obtidos quando há a transposição do solene para o familiar, ou vice-versa. Aqui percebe-se, através da interação entre registro verbal e visual, que a expressão ponto G desloca-se da conotação sexual para outra. No caso, o autor da peça quis associar a idéia do prazer feminino ao ato de ganhar uma jóia. O nome anel Together e o dedo que o título aponta (no que se usa anel de noivado) também são sugestivos, porque pelos nossos padrões culturais um dos maiores desejos das mulheres é casar. Mais uma vez, um conteúdo não permitido (sexo) passa sem chocar porque está dentro da temática cômica. PARADOXO

15 Imagem 10 Anuário: 28º, Pág. 123 Agência: Young Rubicam Brasil Anunciante: Wyeth Whitehall Laboratories Título (canto superior direito): Acabe com o stress: tome Stresstabs. No campo das palavras, o paradoxo é apresentado quando são reunidos conceitos que se excluem. Neste caso, ele está no fato da peça querer vender um produto que tranqüiliza mostrando uma imagem que indica que uma pessoa estressada passou por ali. Geralmente para vender um produto farmacêutico são mostrados os efeitos que o remédio produz e não os danos que a doença causa. NONSENSE Imagem 11 Anuário: 30º, pág Agência: Lew Lara Anunciante: Nokia Título (em destaque): Silas tem uma pedra de estimação. Textos principais em ordem de leitura (página direita): E os dois são inseparáveis./ Ele tira fotos dela, baixa suas músicas preferidas./ Mas um dia Silas se distraiu./ E os doze viveram felizes para sempre. Freud afirma que o nonsense ocorre quando algo estúpido e absurdo (que não estabelece relação com a realidade ou com a vida social organizada) é apresentado. Este é o caso da peça da Nokia. Este anúncio causou um certo estranhamento por não ser muito comum ver aqui no Brasil este tipo de cômico, e, além do mais, o conteúdo nonsense já é motivo para impressionar as pessoas. O nonsense é caracterizado pela falta de sentido, situações ilógicas e absurdas. Esta conduta é contrária ao bom senso,

16 como, no caso, uma pessoa ter uma pedra como bicho de estimação e conseqüentemente tratá-la com todo o carinho. DISFORME Imagem 12 Anuário: 28º, Pág. 162 Agência: Loducca Sul Anunciante: Bergerson Título: Algumas mulheres têm inveja. Outras têm Bergerson. Aristóteles já admitia que o disforme tem o potencial de suscitar o riso. Propp também. Da beleza, perfeição, ninguém ri. Na medida em que essa linda mulher do anúncio sofre interferência e passa a possuir defeitos (problemas de visão, pêlos em excesso etc.) o disforme aparece. Mais uma vez, as pessoas tendem a rir e isso também se dá devido ao já citado rir do outro. A inveja está representada nesta peça na forma dos rabiscos. Este é um dos pecados que poucos confessam, muitos abominam, mas quando se encontra no universo cômico (e na publicidade isto é recorrente) isto se torna permitido. Mais uma vez, estão presentes os conteúdos proibidos que Freud afirmava que somente eram aceitos deste modo. MALOGRO DA VONTADE Imagem 13 Anuário: 26º, Ouro, Pág. 81 Agência: AlmapBBDO Anunciante: Dental Prev Diálogo: -Oi - Oi - Você está esperando alguém?

17 - Uma amiga, mas ela não pode vir. - Se incomoda se eu me sentar? - Não, não, de jeito nenhum. - Bar legal, heim? Você vem sempre aqui? - Não, primeira vez. - Nem nos apresentamos. Hélio. - Laura. Muito (observação: aqui tem uma interferência gráfica representando um pedaço de comida no dente) prazer Algum problema? - Não, é que eu me lembrei de um compromisso.. Desculpa, preciso ir. Prazer, heim? -? Título: Polyflan dental prev. O fio dental mais indicado contra as gafes. Propp cita o malogro da vontade como um dos exemplos de situações que podem suscitar o riso. Este é um tipo de riso um tanto cruel. Ocorre em situações desagradáveis, geralmente é um fracasso imprevisto que ocorre no cotidiano e é provocado por motivos banais. Comumente uma das causas que leva ao malogro da vontade é a falta de atenção (distraída, a pessoa pode cometer algum deslize e isso causar o riso. Porém, se a conseqüência deste erro for grave, normalmente não haverá lugar para o cômico). Desta vez, o anúncio se destaca pelo conteúdo verbal e não pela imagem. Nele um rapaz está interessado em uma mulher e, quando nota que o seu dente está sujo, perde o interesse e se retira do lugar. Ela, que também demonstrava interesse em iniciar um romance, tem sua expectativa frustrada. Tudo parece estar caminhando para uma direção e de repente há uma quebra. Esta falta de etiqueta causa estranhamento porque em nossa sociedade o fato de a pessoa ter um pedaço de alimento nos dentes configura-se em uma gafe. Mais uma vez, é constatada a interferência dos padrões culturais estabelecidos. CLICHÊ ÀS AVESSAS Imagem 14 Anuário: 25º, Pág. 117 Agência: LoweLintas Anunciante: Gessy Lever Título: O efeito Axe. Aqui é proposta uma nova categoria. Quando um clichê é mostrado de modo não familiar, ele causa estranhamento e abre-se possibilidade para o cômico. Neste anúncio

18 isto se dá através da fuga da normalidade. O comum é ver bolos de casamento com um noivo e uma noiva felizes (este é o padrão, é o modelo básico). Aqui os criativos buscaram representar, através dos noivos assustados e das várias mulheres dispostas a se casar com ele, transmitir a idéia de que o homem que usa Axe torna-se irresistível, todas à sua volta o atacam. O risível vem deste fato inesperado - elemento encontrado nos estudos de Propp e Alberti. Cada sociedade tem seus sistemas de símbolos. Na brasileira o bolo de casamento representa como os noivos devem ser no futuro: felizes. O símbolo do bolo é uma convenção social e por isso é estranho ver os bonecos da forma como foram retratados. O modo como estão também sugere uma conotação sexual (o desespero, as roupas e as poses das pretendentes). Percebe-se a comicidade além da verbalização, basta ver a imagem e a marca do desodorante para entender o cômico. É concluída aqui a sugestão de análise do risível na publicidade brasileira. Através dela é possível reiterar que o cômico e a cultura são indissociáveis. Conclusões O cômico, fenômeno inapreensível, um tanto quanto inexplicável e sempre recriado, marca sua presença na publicidade brasileira. Se por vezes despertou o questionamento, a renovação, neste caso desperta a reafirmação, o consumo e vira entretenimento. Seduz pela leveza, faz o consumidor por alguns segundos esquecer seus sofrimentos. Tratado como uma valiosa estratégia de comunicação, o risível ajuda a publicidade a unificar, padronizar, criar o paradoxo de a pessoa se sentir única sendo igual a todo mundo. Não é possível que se produza algo universalmente engraçado, cada um tem sua forma particular de sentir este fenômeno. Os parâmetros biológicos, sociais e culturais devem ser vistos de forma conjunta (Geertz, 1989). O homem é resultado do seu meio cultural, e o cômico, a linguagem, os costumes etc. são produtos da cultura. A publicidade deve ter o cuidado de conhecer o seu público-alvo. E para se conhecer o target é preciso compreender a cultura na qual ele está inserido pois, a comicidade e também a publicidade estão intrinsecamente ligadas à cultura. Nossas idéias, valores, atos e emoções são produtos culturais. O entendimento das peças bem humoradas é condicionado ao contexto sócio-cultural no qual elas estão inseridas. Foi

19 notado que o enorme uso de elementos risíveis na publicidade se dá porque os publicitários acreditam que esta opção de tratamento garante uma maior simpatia, um retorno positivo por parte dos consumidores. Os criativos utilizam recursos risíveis aplicados no dia-a-dia na elaboração dos seus anúncios por que assim é possível causar certo estranhamento mas sem ferir radicalmente as normas sociais. Futuros estudos podem investigar mais a fundo se, de fato, o uso risível na publicidade, quando usado de forma consciente e consistente, é uma excelente forma de chamar atenção, disfarçar o apelo de venda, conquistar a simpatia do público e atair mais consumidores para um determinado anunciante. Na realidade em que vivemos, fazer rir é algo bastante bem-vindo, mesmo que a motivação disto venha de intenções de venda. Referências ALBERTI, V., O riso e o risível na história do pensamento. 2 ed., Jorge Zahar Editor. Rio de Janeiro, BAUDRILLARD, J., Significação da publicidade. Em: LIMA, L. (Org.), Teoria da cultura de massa. 6 ed., Paz e terra. São Paulo, CAMARGO, P. Fórmula (quase) infalível. Humor na criação. Revista Propaganda. A alma e o negócio. São Paulo, n. 577, p , julho de BERGSON, H., O riso: ensaio sobre a significação da comicidade., Martins Fontes. São Paulo, FEDRIZZI, A., Rir ainda é o melhor remédio. Em: FEDRIZZI, A. (Org.), O humor abre corações e bolsos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003, pp FREUD, S., Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud: Os chistes e sua relação com o inconsciente. 2 ed. Volume VIII, Imago. Rio de Janeiro, GEERTZ, C., A interpretação das culturas., LTC. Rio de Janeiro, 1989.

20 HEGARTY, J., Quando eles não estão sorrindo. Em: FEDRIZZI, A. (Org.), O humor abre corações e bolsos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003, pp LARAIA. R., Cultura. Um conceito antropológico. 6 ed., Jorge Zahar Editor. Rio de Janeiro, PROPP, V., Comicidade e riso., Ática. São Paulo, 1992.

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis)

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (Este

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

Campanha ONG Animais 1

Campanha ONG Animais 1 Campanha ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera Santa Bárbara, Santa

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

O que você faria... Liliana e Michele Iacoca

O que você faria... Liliana e Michele Iacoca Nome: Ensino: F undamental 4 o ano urma: Língua Por ortuguesa T ata: D 13/8/09 Você já pensou no significado da palavra conviver? Assim como cada pessoa tem suas características físicas, cada um tem também

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o Chapeuzinho Vermelho ou Branca de Neve? O sincretismo imagem, texto e sentido. 1 Autor: Fernanda Rodrigues Pucci 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um anúncio de publicidade impressa em

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

O que Vês na Imagem?

O que Vês na Imagem? O que Vês na Imagem? Fonte: Farol, versão portuguesa do COMPASS: www.humanaglobal.com Duração aproximada: 30 minutos a 1 hora Palavras-chave: direitos humanos, interpretação/visão individual dos direitos

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Projeto ESCOLA SEM DROGAS. Interpretando o texto Por trás das letras. Nome: Escola: Série: Título: Autor:

Projeto ESCOLA SEM DROGAS. Interpretando o texto Por trás das letras. Nome: Escola: Série: Título: Autor: Projeto ESCOLA SEM DROGAS Interpretando o texto Por trás das letras Nome: Escola: Série: Título: Autor: O que a capa do livro expressa para você? Capitulo 1 - Floresta Amazônia Por que a autora faz uma

Leia mais

Associação Comercial e Empresarial de São João da Boa Vista

Associação Comercial e Empresarial de São João da Boa Vista Programa de Treinamento Contínuo Baseado nos Dvds Commit para Associação Comercial e Empresarial de São João da Boa Vista Introdução: Um programa de treinamento bem estruturado, além de qualificar os funcionários,

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo:

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I Conteúdo: - Alguns aspectos que interferem na saúde das pessoas - Saúde como Direito Constitucional dos brasileiros

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

MANUAL DO PROJETO BRINCADEIRAS EM DIREITOS HUMANOS

MANUAL DO PROJETO BRINCADEIRAS EM DIREITOS HUMANOS MANUAL DO PROJETO BRINCADEIRAS EM DIREITOS HUMANOS INTERNATIONAL FEDERATION OF LONDRINA MEDICAL STUDENTS - IFLMS STANDING COMMITTEE ON HUMAN RIGHTS AND PEACE SCORP BRINCADEIRAS EM DIREITOS HUMANOS HISTÓRICO:

Leia mais

Pesquisas e seminários Como fazer?

Pesquisas e seminários Como fazer? +++ + COLÉGIO DOS SANTOS ANJOS Avenida Iraí, 1330 - Planalto Paulista - Telefax: 5055.0744 04082-003 - São Paulo - e-mail: colsantosanjos@colegiosantosanjos.g12.br Site: www.colegiosantosanjos.g12.br Q

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

QUESTÃO 1 Nessa charge, o autor usou três pontos de exclamação, na fala da personagem, para reforçar o sentimento de

QUESTÃO 1 Nessa charge, o autor usou três pontos de exclamação, na fala da personagem, para reforçar o sentimento de Nome: N.º: endereço: data: telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Disciplina: Prova: português desafio nota: Texto para a questão 1. (Disponível em: )

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

TIPOS DE RELACIONAMENTOS

TIPOS DE RELACIONAMENTOS 68 Décima-Segunda Lição CONSTRUINDO RELACIONAMENTOS DE QUALIDADE Quando falamos de relacionamentos, certamente estamos falando da inter-relação de duas ou mais pessoas. Há muitas possibilidades de relacionamentos,

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA:

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: CRESCENDO PESSOAL E PROFISSIONALMENTE. 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Onde você estiver que haja LUZ. Ana Rique A responsabilidade por um ambiente

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

Aula 4 Lugares de argumentação

Aula 4 Lugares de argumentação Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Design Disciplina Seminário de desenvolvimento de tese Aula 4 Lugares de argumentação Profa. Dra. Jackeline Lima Farbiarz

Leia mais

Manual prático de criação publicitária. (O dia-a-dia da criação em uma agência)

Manual prático de criação publicitária. (O dia-a-dia da criação em uma agência) Manual prático de criação publicitária (O dia-a-dia da criação em uma agência) MANUAL final2.indd 1 14/3/2006 23:19:58 Flávio Waiteman Manual prático de criação publicitária (O dia-a-dia da criação em

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

Análise Semiótica de Anúncio de TV

Análise Semiótica de Anúncio de TV Análise Semiótica de Anúncio de TV DADOS TÉCNICOS: Título: Segredos; Anunciante: Etti ; Criação: Fábio Fernandes e Renata Flori; Agência: F/Nazca; Produto: Molho de Tomate Salsaretti; Ano de veiculação

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

1 Briefing de Criação

1 Briefing de Criação 1 Briefing de Criação Antecedentes do processo de criação Para se criar uma campanha ou mesmo uma única peça é imprescindível que antes seja feito um briefing para orientar o trabalho do planejamento,

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Future School Idiomas

Future School Idiomas Future School Idiomas Sumário Quem somos... pag 2 Sobre o curso... pag 3 Sobre a aula... pag 4 Vantagens em se fazer nosso curso on line... pag 5 Objetivo do curso... pag 6 Como entrar na sala de aula...

Leia mais

14 segredos que você jamais deve contar a ele

14 segredos que você jamais deve contar a ele Link da matéria : http://www.dicasdemulher.com.br/segredos-que-voce-jamais-deve-contar-aele/ DICAS DE MULHER DICAS DE COMPORTAMENTO 14 segredos que você jamais deve contar a ele Algumas lembranças e comentários

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Já imaginou a monotonia da vida e dos negócios sem as cores?

Já imaginou a monotonia da vida e dos negócios sem as cores? AS CORES E OS NEGÓCIOS Já imaginou a monotonia da vida e dos negócios sem as cores? Conhecer o significado das cores, na vida e nos negócios, aumenta as suas possibilidades de êxito. Aproveite. Sabia,

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Daniel de Castro Brainer Pereira PIRES 1 Thatiane Oliveira de ALENCAR 2 Alessandra Oliveira ARAÚJO 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE RESUMO

Leia mais

10 DICAS PARA USAR AS REDES SOCIAIS SEM PREJUDICAR O SEU NEGÓCIO

10 DICAS PARA USAR AS REDES SOCIAIS SEM PREJUDICAR O SEU NEGÓCIO 10 DICAS PARA USAR AS REDES SOCIAIS SEM PREJUDICAR O SEU NEGÓCIO 10 DICAS PARA USAR AS REDES SOCIAIS SEM PREJUDICAR O SEU NEGÓCIO Todo cuidado é pouco quando se esta nas redes sociais. A sensação que a

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva CR I S G U E R R A p u b l i c i tá r i a, e s c r i to r a e pa l e s t r a N t e PERFIL Começou sua trajetória na internet em 2007, escrevendo o blog Para Francisco, que virou livro em 2008 e irá para

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Quem te fala mal de. 10º Plano de aula. 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também." 2-Meditação da semana:

Quem te fala mal de. 10º Plano de aula. 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também. 2-Meditação da semana: 10º Plano de aula 1-Citação as semana: Quem te fala mal de outra pessoa, falará mal de ti também." Provérbio Turco 2-Meditação da semana: Mestre conselheiro- 6:14 3-História da semana: AS três peneiras

Leia mais

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio

Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio Desvios de redações efetuadas por alunos do Ensino Médio 1. Substitua as palavras destacadas e copie as frases, tornando os fragmentos abaixo mais elegantes, além de mais próximos à língua padrão e à proposta

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013. (Do Sr. JOSÉ STÉDILE)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013. (Do Sr. JOSÉ STÉDILE) PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. JOSÉ STÉDILE) Determina que empresas de direito público, no âmbito federal, ao patrocinarem clubes de futebol, destinem 5% do valor do patrocínio para ser utilizado em

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

08/11/2012. Palestrante: Jéssica Pereira Costa Mais frequente na população universitária

08/11/2012. Palestrante: Jéssica Pereira Costa Mais frequente na população universitária A arte da apresentação oral de trabalhos científicos Como se comportar durante a apresentação de um pôster em um evento científico? Fobia Social ou Timidez??? (Medo excessivo contato ou exposição social)

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo RELATÓRIO DE ARTES 1º Semestre/2015 Turma: 7º ano Professora: Mirna Rolim Coordenação pedagógica: Maria Aparecida de Lima Leme 7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo Sinto que o 7º ano

Leia mais

Teste de Usabilidade BEEQO. Data Versão do wireframe Descrição

Teste de Usabilidade BEEQO. Data Versão do wireframe Descrição BEEQO Teste de Usabilidade Data Versão do wireframe Descrição 21/03/2012 1.1 Entender o comportamento do usuário com a interface proposta e avaliar os principais problemas de usabilidade. Página 1 de 8

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

Período composto. Orações subordinadas adverbiais

Período composto. Orações subordinadas adverbiais Período composto Orações subordinadas adverbiais Orações subordinadas Orações que mantém relação de dependência sintática e semântica entre a oração subordinada e a oração principal. Ex.: Eu tenho dúvida

Leia mais

Colégio Nomelini Ensino Fundamental II LISTA Nº 04 9º ANO

Colégio Nomelini Ensino Fundamental II LISTA Nº 04 9º ANO Trazer a tarefa resolvida no dia: 22/03/2013 (Sexta-feira) Prof. Vanessa Matos Interpretação de textos LISTA Nº 04 9º ANO DESCRIÇÃO: A seleção de atividades é para a leitura e interpretação. Responda os

Leia mais

APRENDIZAGEM EMOCIONAL

APRENDIZAGEM EMOCIONAL APRENDIZAGEM EMOCIONAL Escrito por Mauricio Aguiar Saudações a você que vem acompanhando o trabalho do POINT DOS AMORES e com a sua participação e interesse contribui para o crescimento do POINT. Nesta

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

Portadores. Luz. Por Neale Donald Walsch. Autor de Conversando com Deus

Portadores. Luz. Por Neale Donald Walsch. Autor de Conversando com Deus Portadores da Luz Por Neale Donald Walsch Autor de Conversando com Deus Em memória de Francis H. Treon um Futzu (Mestre) em Gohn Dagow (uma clássica, chinesa, suave, monacal forma de autodesenvolvimento)

Leia mais

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS REFERÊNCIA: LEFFA, Vilson J. ; LOPES, Rita de Cássia Campos. Determinação sócio-lingüística do conceito de leitura. 46 a Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Vitória, 17 a 22 de

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional Sequencia Didática destinada aos Anos Finais do Ensino

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO 1 AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO O Sr. Asdrúbal Matrimônio, proprietário da gráfica Casamentos & Casórios Ltda., especializada em convites de casamento com dobras e cortes especiais, oferecia um

Leia mais

1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO

1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO BEM VINDO AO GUIA DE 10 PASSOS DE COMO MELHORAR MUITO A SUA VIDA FINANCEIRA! APROVEITE! 1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO Quando se trata do nosso dinheiro, a emoção sempre tende a ser um problema.

Leia mais

Homens. Inteligentes. Manifesto

Homens. Inteligentes. Manifesto Homens. Inteligentes. Manifesto Ser homem antigamente era algo muito simples. Você aprendia duas coisas desde cedo: lutar para se defender e caçar para se alimentar. Quem fazia isso muito bem, se dava

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

Os cinco papeis do homem e da mulher

Os cinco papeis do homem e da mulher Os cinco papeis do homem e da mulher Por Lincoln Máximo Alves 2014 O que uma mulher espera de um homem? Sigla: P.A.P.A.S Pai Amigo Príncipe Amante Servo 1 Papel de PAI A esposa perdeu o pai quando saiu

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

Estar presente quando seu cliente está buscando seus serviços e produtos é fundamental.

Estar presente quando seu cliente está buscando seus serviços e produtos é fundamental. Estar presente quando seu cliente está buscando seus serviços e produtos é fundamental. Atualmente o meio mais imediato e eficaz, desde que bem configurado e com acompanhamento constante, são as campanhas

Leia mais

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA Ivania Skura 1, Julia Cristina Paixão 2, Joaquim

Leia mais

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 15 2. COMUNICAÇÃO E DIÁLOGO ENTRE PAIS E FILHOS 23 2.1 O problema da comunicação entre pais

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

Ambos os métodos possuem vantagens e desvantagens, por isso deve se analisar cada caso para decidir qual o mais apropriado.

Ambos os métodos possuem vantagens e desvantagens, por isso deve se analisar cada caso para decidir qual o mais apropriado. Módulo 4 Como Organizar a Pesquisa O questionário e a observação são dois métodos básicos de coleta de dados. No questionário os dados são coletados através de perguntas, enquanto que no outro método apenas

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista Uma longa viagem começa com um único passo. - Lao-Tsé Ser Otimista não é uma tarefa fácil hoje em dia, apesar de contarmos hoje

Leia mais

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Henrique Innecco Longo e-mail: hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas Escola de Engenharia,

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

As sacolas das lojas são outdoors que circulam pelos shopping centers

As sacolas das lojas são outdoors que circulam pelos shopping centers ASSUNTO em pauta As sacolas das lojas são outdoors que circulam pelos shopping centers As lojas de shopping não estão explorando todo o potencial desta poderosa ferramenta de marketing. P o r Fábio Mestriner

Leia mais

A Criança e os Mimos. "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..."

A Criança e os Mimos. Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível... A Criança e os Mimos "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..." Autora: Anne M. Lucille[1] "Respeito é quando ensinamos, não quando corrigimos..."

Leia mais

MARKETING E A NATUREZA HUMANA

MARKETING E A NATUREZA HUMANA MARKETING E A NATUREZA HUMANA Prof. Franklin Marcolino de Souza, M.Sc. Slide 07 Introdução O que é preciso para que algo faça sucesso? Dito de outra forma: o que é preciso para que algo (uma idéia, uma

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Reuniões Mediúnicas Palestrante: Carlos Feitosa Rio de Janeiro 04/10/2002 Organizadores da Palestra: Moderador: "_Alves_"

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 Índice 1. Semiótica...3 1.1. Conceito... 3 1.2. Objetivos da Semiótica... 4 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Signo... 4 1.3.2. Índices... 4 1.3.3. Símbolo... 4 1.4. Conceito...

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Introdução à Netiqueta. Como escrever na Internet

Introdução à Netiqueta. Como escrever na Internet Texto retirado do endereço: http://www.icmc.usp.br/manuals/bigdummy/netiqueta.html Introdução à Netiqueta Ao conjunto de regras de etiqueta (comportamento) na Internet, chamamos Netiqueta. Essas regras

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

09/09/2004. Discurso do Presidente da República

09/09/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na solenidade de recepção da delegação brasileira que participou das Olimpíadas de Atenas Palácio do Planalto, 09 de setembro de 2004 Meu caro Grael, Meu querido René Simões,

Leia mais

Teste sua empregabilidade

Teste sua empregabilidade Teste sua empregabilidade 1) Você tem noção absoluta do seu diferencial de competência para facilitar sua contratação por uma empresa? a) Não, definitivamente me vejo como um título de cargo (contador,

Leia mais