e da gengivite em pacientes dentados com carcinoma carcinoma espinocelular de boca submetidos à radioterapia pósoperatória.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "e da gengivite em pacientes dentados com carcinoma carcinoma espinocelular de boca submetidos à radioterapia pósoperatória."

Transcrição

1 Artigo Original Triclosan versus clorexidina no controle químico da placa e da gengivite em pacientes dentados com carcinoma espinocelular de boca submetidos à radioterapia pós-operatória Triclosan versus chlorhexidine on the control of the dental bacterial plaque and gingivitis in dentate patients with oral squamous cell carcinoma undergone postoperative radiation therapy RESUMO ABSTRACT 1 Karima Yustra Jaber Sergio Altino Franzi, 3 Laurindo Moacir Sassi, Abrão Rapoport Maria Isabela Guebur Rogério A. Dedivitis 6 Introdução: o acúmulo de placa bacteriana na superfície dos dentes está relacionado ao aparecimento das duas principais doenças dentárias, cárie e doença periodontal. Pacientes tratados com radioterapia de cabeça e pescoço apresentam xerostomia, que dificulta os cuidados com a boca e que requer o uso de solução de bochecho como adjunto no controle químico da placa bacteriana dental. O uso da clorexidina como bochecho já é prática comum em muitos centros de tratamento de câncer apresentando, todavia, alguns pára-efeitos. Objetivo: avaliar os efeitos clínicos do uso do triclosan versus a clorexidina no controle químico da placa bacteriana dental e da gengivite em pacientes dentados com carcinoma espinocelular de boca submetidos à radioterapia pósoperatória. Casuística e método: estudo prospectivo, duplo-cego, que avaliou o efeito clínico do triclosan e da clorexidina em solução de bochecho como adjunto ao controle mecânico da placa bacteriana dental em pacientes que receberam radioterapia pósoperatória para o tratamento de carcinoma espinocelular de boca. Trinta dias de estudo em vinte pacientes, sendo dez em cada grupo. Todos os pacientes apresentaram, no mínimo, 10 dentes na boca, sem utilizarem próteses ou aparelhos ortodônticos e não apresentando dificuldades motoras. Todos receberam orientação de higiene oral e tratamento periodontal inicial no dia 1. Medidas de índice gengival e índice de placa foram tomadas nos dias 1, 1 e 30. As médias de cada superfície de cada dente de cada paciente foram tomadas. A inferência estatística foi avaliada pela aplicação da analise de variância (ANOVA) complementada pela aplicação do teste de medidas repetidas do modelo geral linear. Em todas as avaliações foi fixado um valor de % para descartar a hipótese de nulidade (p< 0,0). Resultados: os pacientes que utilizaram a substância clorexidina apresentaram menos gengivite do que os pacientes que utilizaram a substância triclosan. As médias de placa do grupo utilizando o triclosan foram menores, mas não houve a mesma redução nos índices de gengivite. Conclusões: o uso de solução de bochecho com clorexidina como adjunto ao controle de placa bacteriana dental mostrou ser efetivo no combate à gengivite em pacientes submetidos à radioterapia pós-operatória por carcinoma espinocelular de boca. O uso de solução de bochecho com triclosan não apresentou a mesma efetividade que a clorexidina no controle da gengivite, embora seu uso demonstrasse redução dos níveis de placa bacteriana dental. Introduction: the presence of dental plaque is related to the development of the two major dental diseases, caries and periodontal disease. Some special situations such as radiotherapy impair proper plaque control since the irradiated patient develops xerostomia which dificults the oral care. In those cases, chemical plaque control thorough the use of mouthrinse solutions has become a common practice in many cancer treatment centers. Chlorhexidine has been the substance of choice but it has some side-effects. Objective: to evaluate the clinical effects of a substance containing triclosan versus chlorhexidine on the plaque control and gingivitis in dentate patients with oral squamous cell carinoma receiving radiotherapy after surgery. Materials and methods: a double-blind, prospective, thirty-day study evaluated clinically the efficacy of triclosan and chlorexidine mouthrinses on the plaque control and gingivitis in dentate patients with oral squamous cell carcinoma 3 to 6 months after surgery and receving adjuvant radiation therapy. Twenty patients were studied, being 10 in each group. All patients had at least 10 teeth, without prosthetics or orthodontic appliances, neither with any incapability to perform oral hiegiene measurements. They received oral hygiene instructions and initial periodontal treatment on day 1. Baseline examinations were performed on days 1, 1 and 30. The mean values for each tooth surface in each tooth of every patient were taken in all three examinations. Statistical inference was performed by applying the analysis of variance (ANOVA) plus the test of repeated measurements from the general linear model. The confidence limit was 9% in all evaluations (p<0,0). Results: the patients in the chlorhexidine group demonstrated less gingivitis than the patiens in the triclosan group, despite the fact that the patients in the triclosan group had less plaque that the patients in the chlorhexidine group. Conclusions: the use of chlorhexidine mouthrinse as an adjunct to mechanical plaque control disclosed to be effective to reduce gengivitis in patients undorgoing radiotherapy after surgery for treatment of squamous cell carcinoma of the mouth. The use of triclosan did not show the same efficacy of that shown by chlohexidine to reduce gingivitis, despite the fact that triclosan reduced the bacterial dental plaque level. Key words: triclosan; Chlorhexidine; Squamous cell cancer; Radiotherapy. Descritores: triclosan; clorexidina; carcinoma espinocelular; radioterapia. 1) Mestranda do Curso de Pós-Graduação em Ciências da Saúde do Hospital Heliópolis Hosphel, São Paulo. ) Doutor em Medicina pelo Curso de Pós-Graduação de Oncologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Docente do Curso de Pós-Graduação em Ciências da Saúde do Hospital Heliópolis Hosphel, São Paulo. 3) Mestre pelo Curso de Pós-Graduação em Ciências da Saúde do Hospital Heliópolis, São Paulo. Chefe do Departamento de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Erasto Gaertner, Curitiba. ) Professor Livre Docente pelo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo. Coordenador do Curso de Pós-Graduação em Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Hospital Heliópolis. ) Mestra em Ciências da Saúde pelo Curso de Pós-Graduação em Ciências da Saúde do Hospital Heliópolis Hosphel, São Paulo. Pesquisadora do Departamento de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Erasto Gaertner, Curitiba, Paraná. 6) Doutor em Medicina pelo Curso de Pós-Graduação em Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina. Docente do Curso de Pós-Graduação em Ciências da Saúde do Hospital Heliópolis, São Paulo. Instituição: Departamento de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Erasto Gaertner, Curitiba. Correspondência: Laurindo Moacir Sassi, Av. Sete de Setembro, 698 sala Curitiba, PR. Recebido em: 13/0/007; aceito para publicação em: 8/03/007; publicado on line em 1/06/007. Rev. Bras. Cir. Cabeça Pescoço, v. 36, nº, p. 7-79, abril / maio / junho 007 7

2 INTRODUÇÃO A correlação das doenças bucais com a presença de microorganismos associados à placa bacteriana dental já está comprovada desde o clássico estudo da gengivite experimental 1 de Löe et al., 196. Muito embora a teoria deste adviesse de uma flora bacteriana comensal e tornou-se patogênica pelo simples acúmulo de placa na superfície do dente, outros pesquisadores demonstraram que muitas bactérias periodontais apresentam propriedades para a invasão tecidual, tendo como vetor o Actinomyces actinomycetencomitans e em relação à Porphyromonas gingivalis, sustentando uma outra corrente de pensamento que acredita ser a doença periodontal 3 uma infecção. O controle de placa tornou-se uma necessidade de saúde pública, uma vez que a presença de patógenos bucais pode interferir negativamente no status de saúde do paciente. Há necessidade de medidas adjuntas ao controle mecânico da placa bacteriana (escovação e uso de fio ou fita dental) como, por exemplo, o uso de substâncias químicas, como o triclosan no controle químico da placa bacteriana. Inúmeros trabalhos têm demonstrado o efeito do digluconato de clorexidina no controle da placa bacteriana. No entanto, sabe-se dos efeitos indesejáveis da substância de bochecho clorexidina como, a queimação na língua, a pigmentação de dentes e de restaurações de resina, bem como a alteração do paladar. Faz-se necessário investigar o efeito do triclosan como enxagüatório bucal em pacientes que foram submetidos à radioterapia pós-operatória, que já saíram do período crítico de ação da radioterapia convencional (6 a 9 semanas) e que necessitam de um bom padrão de higiene oral. A presença de restaurações dentárias mal adaptadas e com excesso que propiciam o acúmulo de placa bacteriana, próteses dentárias mal ajustadas, entre outros cuidados devem ser tomados anteriormente ao tratamento radioterápico, bem como o cuidado com a manutenção de saúde bucal deve ser mantido durante todo o período de tratamento e após o tratamento radioterápico e/ou quimioterápico. Uma extensa revisão da literatura coloca-nos a importância dos vários aspectos de manutenção de saúde bucal em pacientes que irão 6 submeter-se ao tratamento radioterápico e/ou quimioterápico. A injúria ao osso pela radioterapia são extensamente descritos na literatura e o fenômeno da osteoradionecrose é bastante evidente, particularmente em mandíbula e, muito provavelmente, devido à menor vascularização da mandíbula em relação à 7 maxila. A ação nociva da radioterapia pode ser observada também nos tecidos pulpares, levando à fibrose pulpar provocada pela alteração na vascularização. Alterações ocorrem nas fibras do ligamento periodontal, aumento do espaço ligamentar e propiciando as infecções que provavelmente precedem o processo de osteradionecrose. A radioterapia pode afetar também as glândulas salivares, o que leva à xerostomia e, consequentemente, ao aumento de aparecimento de lesões cariosas. Há extensa perda de estruturas de suporte periodontal em paciente com doença periodontal e 8 cárie, irradiado em ausência de cuidados de higiene oral. O triclosan, em diferentes doses, apresenta efeitos antibacteri- 9 anos semelhantes aos da clorexidina. Em estudo comparativo da clorexidina, triclosan e outros dois produtos incluindo substâncias-controle, o índice de placa e a superfície de placa foram avaliados em 0 participantes em cinco modalidades 10 terapêuticas. A clorexidina foi o mais efetivo, seguido pelo triclosan e ambos foram bem mais efetivos que a solução salina usada como controle. O efeito do triclosan com flúor fora avaliado em comparação à clorexidina (controle positivo) e ao placebo (controle negativo). Nesse estudo de quatro dias de formação de placa, o triclosan com flúor apresentou um efeito antibacteriano significativo. Outros trabalhos também se referem ao triclosan na forma de pasta ou creme dental como agente antibacteriano e antiinfla matório, porém, sem relatos de efeitos indesejáveis quando do uso da substância triclosan. A eficácia das soluções de bochecho contendo clorexidina foi estudada e oito voluntários abandonaram o estudo na sexta semana do estudo devido aos efeitos indesejáveis da clorexidina na mucosa (0,%) e na 1 língua. A clorexidina era utilizada em diferentes concentrações, 0,1% e 0,%. Em outro estudo comparativo entre a clorexidina e outras substâncias, dois de nove participantes tiveram ulceração na mucosa e um teve queimação na língua quando do uso da 1 clorexidina a 0,1%. Outro problema do uso da clorexidina é a pigmentação dentária e de próteses e a perda do paladar quando do seu uso contínuo, como relatado em muitos trabalhos. Isso se deve ao fato de que a clorexidina apresenta bastante substantividade (capacidade de se manter no sítio de ação) e, por essa razão, ela se liga a todas as estruturas da cavidade oral, inclusive aos dentes, às restaurações e ao dorso da língua. Ainda, os indivíduos tabagistas ou que ingiram bebidas coloridas como café, vinho tinto, chocolates e demais alimentos coloridos, terão mais pigmentações quando do uso da clorexidina em soluções de bochecho, ao passo que o triclosan reduziu o número de aftas em pacientes portadores de 16 afta recorrente e a clorexidina parece contribuir para a formação de lesões na mucosa oral. Essas lesões em pacientes irradiados constituem um problema, pois pacientes irradiados terão menor produção de saliva. A xerostomia, um dos mais importantes efeitos deletérios da radioterapia na região de cabeça e pescoço, provoca um desequilíbrio significativo na flora oral bacteriana e confirma o importante papel desempe- 17 nhado pela saliva na manutenção da saúde dental. A perda da capacidade protetora salivar em conjunção com as alterações microbianas e as mudanças nos hábitos gera uma agressiva atividade cariogênica, que pode minimizada com o uso de flúor. O edema e a presença de infiltrado inflamatório são comuns durante o período inicial da irradiação e, mais tarde, acontecem fibrose intersticial e degeneração dos ácinos com atrofia glandular e degeneração e fibrose dos vasos sangüíneos 18 de pequeno calibre, reduzindo a vascularização dos tecidos. Portanto, escolhemos o triclosan como solução de bochecho teste a fim de idealizarmos uma nova substância com propriedades anti-sépticas, mas com menor risco de causar danos à mucosa dos pacientes. No caso da clorexidina entendemos que os dados disponíveis na literatura são irrefutáveis, possuindo excelente atividade antimicrobiana. No entanto, seus efeitos colaterais, somado ao fato de que o triclosan está bem documentado e apresenta importantes propriedades antimicrobianas e antiinflamatórias convida a estudar o tema. O objetivo foi avaliar a resposta gengival dos pacientes dentados portadores de carcinoma espinocelular de boca submetidos à radioterapia após trinta dias do uso de um enxaguatório bucal a base de triclosan versus um enxaguatório bucal contendo clorexidina e quantificar superfícies de placa bacteriana dental formada como medida adjunta na promoção de higiene oral em pacientes dentados. PACIENTES E MÉTODO Avaliamos 0 pacientes portadores de carcinoma espinocelular de boca, submetidos ao tratamento cirúrgico e radioterapia pósoperatória, após três meses e menos de seis meses do término do tratamento radioterápico, os quais foram selecionados dentre 00 prontuários do Hospital Erasto Gaertner, Curitiba, para um estudo prospectivo duplo-cego teste-controle, no período de outubro de 00 a julho de 006. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Erasto Gaertner. Foram incluídos somente indivíduos com, no mínimo, 10 dentes na boca. Foram fatores de exclusão: indivíduos portadores de próteses parciais extensas, restaurações extensas, aparelhos 76

3 ortodônticos, indivíduos apresentando dificuldade motora que impeça seu desempenho no auto-controle mecânico da placa (escovação dos dentes). Após criterioso exame clínico intrabucal, todos os indivíduos selecionados foram alocados aleatoriamente em dois grupos. Após criterioso exame clínico intra-bucal todos os indivíduos selecionados foram alocados aleatoriamente em dois grupos. A escolha dos pacientes: o primeiro foi sorteado para o grupo teste (grupo B) ou controle (grupo A) após consecutivamente e alternando até o número 0. Todos os indivíduos selecionados para participar do experimento receberam raspagens radicular e profilaxias na semana que antecedeu ao início do experimento. O experimento teve início no dia primeiro denominado D1 e terminou no dia 30 (D30). Após exame intrabucal e profilaxias com raspagem e alisamento radicular para a remoção de cálculo e placa dental, os dois grupos receberam instruções em higiene oral minuciosa no primeiro dia do experimento e cada grupo recebeu aleatoriamente frascos contendo 1000 ml da solução triclosan ou da 1000 ml da solução de clorexidina, para uso como bochecho duas vezes ao dia durante trinta dias. As instruções de higiene oral foram passadas de maneira verbal e demonstrativa, com a utilização de modelos, fios e fitas dentais, escovas e escovas interdentais, pela periodontista responsável pelos exames intrabucais. Cada paciente recebeu um kit contendo escova dental macia número 3, fio dental, escova interdental e frasco com enxaguatório bucal contendo as substâncias utilizadas no ensaio clínico. Utilizamos a técnica de escovação de Bass modificada, onde se colocava a escova dental posicionada a graus em relação à superfície do dente e a realizava-se movimentos de vai-e-vém curtos e firmes; o uso de fio dental foi demonstrado a cada paciente; o uso das escovas interdentais, quando possível (tendo espaço interdental), também foi demonstrado a cada paciente. Orientações, profilaxias e mensurações clínicas realizadas em nos dias 1, 1 e 30. Exame clínico e sondagem foram realizados nos mesmos dias. Avaliação objetiva foi feita utilizando-se 19 dos seguintes parâmetros: índice gengival; índice de placa foram utilizados para mensurar os níveis de placa bacteriana e de gengivite nos participantes por uma periodontista (autora) calibrada com um nível de concordância intra-examinador e através de uma sonda periodontal calibrada. Os parâmetros clínicos foram avaliados em cada superfície de cada dente presente (superfícies mesial, distal, palatina ou lingual e vestibular). Superfícies com lesões cariosas e ou extensas restaurações (restaurações com mais de três superfícies) foram excluídas. A inferência estatística foi avaliada pela aplicação da análise de variância (ANOVA) complementada pela aplicação do teste de medidas repetidas do modelo geral linear. Em todas as avaliações foi fixado um valor de % para descartar a hipótese de nulidade (p <0,0). RESULTADOS Os resultados relativos a inflamação gengival como medido através do índice gengival podem ser observados na tabela 1. Os resultados relativos a placa bacteriana dental medidos através do índice de placa podem ser observados na tabelas. Tabela 1 Comparação entre o índice gengival (médias desvio padrão) dos pacientes submetidos a diferentes tratamentos nos dias 1, 1 e 30. Períodos de tratamento** Grupos de estudo* Dia 1 Dia 1 Dia 30 Clorexidina 0,88 0,3 0,7 0,6 0,6 0,36 Triclosan 0,1 0,10 0,33 0,10 0,6 0,6 * p = 0,018; ** p = 0,08 Tabela Comparação entre o índice de placa (médias desvio padrão) dos pacientes submetidos a diferentes tratamentos nos dias 1, 1 e 30. Grupos de estudo* Triclosan 0,73 0,0 0,68 0,6 0, 0,1 * p = 0,1; ** p = 0,3. DISCUSSÃO Períodos de tratamento** Dia 1 Dia 1 Dia 30 Clorexidina 0,81 0, 0,9 0,6 0,79 0,3 O conceito original para o uso de antissépticos em enxaguatórios bucais surgiu com a finalidade de reduzir a placabacteriana 0 dental e também para inibir a gengivite, que pode progredir para uma periodontite com conseqüente perda de osso alveolar e tecidos de suporte periodontal. Outra finalidade seria de reduzir os níveis de patogenicidade da placa bacteriana dental. Inúmeros estudos demonstraram preocupação com o teor de acidez da placa bacteriana dental e que bochechos rápidos com certos antissépticos podem inibir a formação da placa bacteriana dental por algumas horas. Presume-se que similar efeito seja obtido em pacientes suscetíveis à doença periodontal. Antissépticos são amplamente usados em periodontia como agentes de prevenção primária da formação da placa bacteriana dental. A clorexidina, por exemplo, é usada há trinta anos na 1 periodontia e também reage com glicoproteínas salivares, diminuindo a formação da película adquirida. A clorexidina é uma bisguanadina catiônica, com um amplo espectro antimicrobiano, incluindo contra os microorganismos gram-positivos, reduzindo o número de bactérias na boca por uma via bactericida direta e/ou através de propriedades bacteriostáticas. Ela se prende às proteínas da saliva e impede a adesão das mesmas à superfície dental, aderindo às bactérias da saliva, portanto, interferindo na colonização bacteriana da superfície do dente. Previne a aglutinação de bactérias na superfície do dente 1 através da competição com íons de cálcio. O triclosan tem sido usado como antimicrobiano tópico, sendo incolor e cristalino, solúvel em água e esta solubilidade aumenta rapidamente quando em soluções alcalinas. Possui efeito antimicrobiano de largo espectro, sendo eficaz contra grampositivos e gram-negativos, micobacteria, anaeróbicos, esporos e fungos como cândida. Age na membrana citoplasmática das bactérias, induzindo a quebra dos constituintes celulares, causando lise da bactéria. Antes de sua inclusão na Odontologia, fazia parte dos produtos cosméticos, sabões e produtos dermatológicos, para o armanezamento e durante o uso, reduzindo a contaminação dos mesmos. A toxicidade é baixa. Foi recentemente introduzido nos cremes dentais e em soluções de bochecho a fim de reduzir a formação da placa bacteriana dental. Apresentou resultados antimicrobianos promissores em estudos in vitro. Mudanças quantitativas e qualitativas na placa ocorrem com o uso do triclosan, com 3 redução da espessura da placa bacteriana. Foi também observado que o número de bactérias anaeróbicas e de Actinomyces na placa reduziram em 1 dias de exposição ao triclosan, podendo atuar na maturação da placa. Não houve relato de mudanças na flora quando do uso do triclosan e, portanto, não há relato de formação de espécies resitentes a ele. O triclosan é solúvel em lipídios e deve ser solubilizado em detergentes, soluções alcalinas ou solventes orgânicos para o seu uso clínico. Essa solubilidade é considerada crítica para a sua ação anti-placa e pode explicar sua melhor ação na gengivite do que na placa. Seu melhor efeito dá-se após três a seis meses de uso, situação que difere consideravelmente da clorexidina. Durante duas semanas sem limpeza mecânica, mais placa bacteriana dental formou-se em participantes de estudo que não utilizaram uma solução de bochecho a base de triclosan do que em participantes que utilizaram uma solução de 77

4 6 bochecho a base de triclosan. No entanto, o grau de gengivite foi significativamente menor quando do uso do triclosan, sendo sugerido algum efeito anti-inflamatório do triclosan junto aos tecidos periodontais. Cento e vinte voluntários foram divididos em dois grupos, um utilizando creme dental contendo triclosan e outro grupo, não. Exames dos índices gengivais e índices de placa foram realizados a cada seis semanas, durante seis meses. Houve melhora significativa no grupo utilizando o 7 creme dental com triclosan. Os pára-efeitos da clorexidina constituem um problema, especialmente quando há uma condição diferente na cavidade oral, como em pacientes submetidos à radioterapia em cabeça e pescoço. A xerostomia provoca um desequilíbrio significativo na flora oral bacteriana e confirma o importante papel desempenhado pela saliva na 17 manutenção da saúde dental. A perda da capacidade protetora salivar em conjunção com as alterações microbianas e as mudanças nos hábitos gera agressiva atividade cariogênica. Assim, o objetivo de testar a substância triclosan foi baseado nesse fato. A clorexidina apresentou-se eficaz em reduzir a inflamação gengival, mesmo com os índices de placa elevados, reiterando seu uso em situações de dificuldade em cooperar, como ocorre em pacientes sob o estresse do tratamento radioterápico. Estudos longitudinais realizados em países escandinavos demonstraram que pacientes que recebem orientações e cuidados profissionais regulares apresentam reduções siginficativas em seus índices de 8,9 doenças periodontais e cáries. A motivação dos pacientes 30 também foi extensivamente estudada, concluindo-se que, para haver melhora na condição de saúde bucal, os pacientes precisam entender o proceso de formação da doença e como este é parte fundamental no seu controle. Para os pacientes em tratamento radioterápico, existem muitos outros fatores que ainda podem influenciar no processo de obtenção e manutenção da saúde bucal. Geralmente se encontram debilitados, sentem dor e estão sob grande estresse emocional devido à sua condição. Mais ainda, as alterações produzidas na mucosa em função das alterações na qualidade e na quantidade da 31 saliva irão dificultar o processo de cooperação. Nosso estudo foi iniciado após cuidadosa orientação de higiene oral, onde macro-modelos e brochuras foram utilizados, bem como o uso de substância corante da placa bacteriana dental, a fim de que o paciente fosse conscientizado do seu real estado de higiene bucal. Todos os pacientes receberam cuidadoso tratamento periodontal prévio, a fim de que não houvesse a presença de placa, cálculo ou inflamação gengival prévia. A presença de inflamação dos tecidos gengivais gera maior acúmulo de placa 1 do que tecidos gengivais normais. A introdução de um novo fármaco, o triclosan, como adjunto ao controle mecânico da placa bacteriana dental foi o objetivo deste trabalho, uma vez que a substância utilizada nos centro de tratamento de câncer, a clorexidina, apresenta alguns páraefeitos que podem ser intoleráveis aos pacientes irradiados de cabeça e pescoço, como a queimação na língua e a perda do paladar quando do uso contínuo. No entanto, a redução da inflamação dos tecidos gengivais foi significativamente maior no grupo utilizando a clorexidina do que no grupo utilizando o triclosan. Essa redução observada nos índices gengivais quando do uso da clorexidina está de acordo com achados de,11 outros pesquisadores. A redução de gengivite ocorreu com o uso da clorexidina, apesar de os níves de placa terem-se elevado nas medidas seguintes. Os pacientes submetidos ao tratamento radioterápico apresentam dificuldade em cooperar, por sentirem-se debilitados, o que dificulta cooperar. Mesmo assim, pareceu-nos que a substância clorexidina foi capaz de manter os índices gengivais melhorados mesmo quando os níveis de placa bacteriana apresentaram-se elevados. Isso não aconteceu com o triclosan. O triclosan vem sendo pesquisado e empregado com bons 7 resultados em pacientes de manutenção periodontal. Em pacientes submetidos à radioterapia não havia relatos na literatura. Em estudo para avaliar o efeito da clorexidina no tratamento de mucosites após radioterapia, observou-se que pode agravar o estado de mucosa daqueles pacientes em 3 comparação ao placebo. Em outro estudo comparativo entre a benzidamina e a clorexidina no tratamento preventivo de mucosites orais em pacientes irradiados de cabeça e pescoço, observou-se tendência para melhores resultados com o uso da 33 benzidamina, apesar de a amostra ser pequena. O uso de substâncias de bochecho como adjuntos na escovação é bem fundamentada e a clorexidina demonstra os melhores,3,3 resultados. Uma questão importante da clorexidina é a sua substantividade que faz com que ela se mantenha na boca por 3 muito mais tempo do que outros antissépticos. A clorexidina 9 não forma micelas e isso a torna mais potente. A falta de micelas faz com que suas moléculas possam ficar livres e em grande número presentes na solução de bochecho e os monômeros de clorexidina possam unir-se ao dente e à mucosa oral muito mais efetivamente. O efeito do triclosan associado a um co-polímero em dentifrício foi estudado em uma população de pacientes periodontalmente susceptíves durante três anos. No grupo que usou o dentifrício contendo o triclosan mais o co- 1 polímero, a recorrência foi estatisticamente menor. O presente estudo demonstrou que os pacientes apresentaram menos placa e menos gengivite em ambos os grupos. Houve redução na placa e na gengivite da primeira para a segunda medição, no entanto, da segunda medida para a terceira, apenas o grupo da clorexidina manteve os níveis menores de placa e gengivite. A redução de gengivite no grupo da clorexidina está de acordo 36, com outros achados. O presente estudo avaliou o efeito de duas substâncias de bochecho no controle de placa bacteriana e do estado de saúde da gengiva de pacientes submetidos à radioterapia pós-operatória de carcinoma espinocelular de boca. Mais estudos controlados são necessários para que estabeleçamos o uso de outro fármaco que não a clorexidina em pacientes submetidos à radioterapia pós-operatória. CONCLUSÃO O uso de solução de bochecho com clorexidina como adjunto ao controle de placa bacteriana dental mostrou ser efetivo no combate à gengivite em pacientes submetidos à radioterapia pós-operatória portadores de carcinoma espinocelular de boca. REFERÊNCIAS 1. Löe H, Theilade E, Jansen S B. Experimental gingivitis in man. J Periodontol. 196;36: Christersson LA, Wikesjö UM, Albini B, Zambon JJ, Genco RJ. Tissue localization of Actinobacillus actinomycetemcomitans in human periodontitis. II. Correlation between immunofluorescence and culture techniques. J Periodontol. 1987;8(8): Madianos PN, Papapanou PN, Nannmark U, Dahlén G, Sandros J. Porphyromonas gingivalis FDC381 multiplies and persists within human oral epithelial cells in vitro. Infect Immun. 1996;6():660-. Rölla G, Kjaerheim V, Waaler M. The role of antiseptics in primary nd prevention Proceeding of the European Worshop on Periodontology Chemical in Periodontics Quintessence Publ.. Ciancio SG. Agents for the management of plaque and gingivitis. J Dent Res. 199;71(7): Rees T, Cochran DL, Blieden T, Cohen RR, Greenstein G, Hallmon WW. Periodontal considerations in the management of the cancer patient. J Periodontol. 1997;68: Beumer J, Brady FA. Dental management of the irradiated patient. Int J Oral Surg. 1978;7(3): Silverman JR, Chierici G. Radiation Therapy of Oral Carcinoma. J Periodontol. 196;36: Kjaerheim V, Waaler SM. Experiments with triclosan-containing mouthrinses: dose response--and an attempt to locate the receptor site(s) of triclosan in the mouth. Adv Dent Res. 199;8(): Renton-Harper P, Addy M, Moran J, Doherty FM, Newcombe RG. A comparison of chlorhexidine, cetylpyridinium chloride, triclosan, and C31G mouthrinse products for plaque inhibition. J Periodontol. 1996;67():

5 11. Ramberg P. Studies on the novo plaque formation in man [thesis] Göteborg (Sweden), Göteborg Univ Rosling B, Wannfors B, Volpe AR, Furuichi Y, Ramberg P, Lindhe J. The use of a triclosan/copolymer dentifrice may retard the progression of periodontitis. J Clin Periodontol. 1997;(1): Furuichi Y, Ramberg P, Krok L, Lindhe J. Short-term effects of triclosan on healing following subgingival scaling. J Clin Periodontol. 1997;(10): Axelsson P, Lindhe J. Efficacy of mouthrinses in inhibiting dental plaque and gingivitis in man. J Clin Periodontol. 1987;1(): Gusberti FA, Sampathkumar P, Siegrist BE, Lang NP. Microbiological and clinical effects of chlorhexidine digluconate and hydrogen peroxide mouthrinses on developing plaque and gingivitis. J Clin Periodontol. 1988;1(1): Skaare AB, Herlofson BB, Barkvoll P. Mouthrinses containing triclosan reduce the incidence of recurrent aphthous ulcers (RAU). J Clin Periodontol. 1996;3(8): Brown LR, Dreizen S, Daly TE, Drane JB, Handler S, Riggan LJ, Johnston DA. Interrelations of oral microorganisms, immunoglobulins, and dental caries following radiotherapy. J Dent Res. 1978;7(9-10): Rubin RL, Doku HC. Therapeutic radiology--the modalities and their effects on oral tissues. J Am Dent Assoc. 1976;9(): Löe H. The Gingival Index, the Plaque Index and the Retention Index Systems. J Periodontol. 1967;38(6):Suppl: Slanetz LW, Brown EA Studies on the number of bacteria in the mouth and their reduction by the use of oral antiseptics. J Dent Res.199;8: Rölla G, Melsen B. On the mechanism of the plaque inhibition by chlorhexidine. J Dent Res. 197; Spec No B:B7-6;. Saxton CA. The effects of a dentifrice containing zinc citrate and,,' trichloro-'-hydroxydiphenyl ether. J Periodontol. 1986;7(9): Gaffar A, Nabi N, Kashuba B, Williams M, Herles S, Olsen S, Afflitto J. Antiplaque effects of dentifrices containing triclosan/copolymer/naf system versus triclosan dentifrices without the copolymer. Am J Dent. 1990;3 Spec No:S7-1.. Jones CL, Saxton CA, Ritchie JA. Microbiological and clinical effects of a dentifrice containing zinc citrate and Triclosan in the human experimental gingivitis model. J Clin Periodontol. 1990;17(8):70-.. Walker C, Borden LC, Zambon JJ, Bonta CY, DeVizio W, Volpe AR. The effects of a 0.3% triclosan-containing dentifrice on the microbial composition of supragingival plaque. J Clin Periodontol. 199;1(): Ramberg P, Furuichi Y, Sherl D, Volpe AR, Nabi N, Gaffar A, Lindhe J. The effect of triclosan on developing gingivitis. J Clin Periodontol. 199;(6): Lindhe J, Rosling B, Socransky SS, Volpe AR. The effect of a triclosan-containing dentifrice on established plaque and gingivitis. J Clin Periodontol. 1993;0(): Axelsson P, Lindhe J. The significance of maintenance care in the treatment of periodontal disease. J Clin Periodontol. 1981;8(): Hugoson A, Koch G, Bergendal T, Hallonsten AL, Laurell L, Lundgren D, Nyman JE. Oral health of individuals aged 3-80 years in Jönköping, Sweden, in 1973 and II. A review of clinical and radiographic findings. Swed Dent J. 1986;10(): Glavind L. Means and methods in oral hygiene instruction of adults. A review. Tandlaegebladet. 1990;9(6): Guebur MI.Alterações quantitativas do fluxo salivar em pacientes com carcinoma espinocelular de boca e orofaringe submetidos a radioterapia convencional e hiperfracionamento [tese]. São Paulo (SP) : Hosphel; Foote RL, Loprinzi CL, Frank AR, O'Fallon JR, Gulavita S, Tewfik HH, Ryan MA, Earle JM, Novotny P. Randomized trial of a chlorhexidine mouthwash for alleviation of radiation-induced mucositis. J Clin Oncol. 199;1(1): Kin-Fong Cheng K, Ka Tsui Yuen J. A pilot study of chlorhexidine and benzydamine oral rinses for the prevention and treatment of irradiation mucositis in patients with head and neck cancer. Cancer Nurs. 006;9(): Collaert B, Attström R, De Bruyn H, Movert R. The effect of delmopinol rinsing on dental plaque formation and gingivitis healing. J Clin Periodontol. 199;19(): Gjermo P. Chlorhexidine and related compounds. J Dent Res. 1989;68: Theilade E, Wright WH, Jensen SB, Löe H. Experimental gingivitis in man. II. A longitudinal clinical and bacteriological investigation. J Periodontal Res. 1966;1:

Dedico este trabalho a todos os que me apoiaram direta e indiretamente para a sua realização.

Dedico este trabalho a todos os que me apoiaram direta e indiretamente para a sua realização. KARIMA YUSTRA JABER Triclosan versus clorexidina no controle químico da placa e da gengivite em pacientes dentados com carcinoma epidermóide de boca submetidos à radioterapia pós-operatória Tese apresentada

Leia mais

Efeito do uso de Peroxyl na redução da formação de placa bacteriana

Efeito do uso de Peroxyl na redução da formação de placa bacteriana Artigo Inédito Efeito do uso de Peroxyl na redução da formação de placa bacteriana Janice de Castro Quiles*, Bianca Luz Salazar*, Márcio Salazar*, Maurício Guimarães Araújo* Palavras-chave Clorexidina.

Leia mais

Aliança para um Futuro Livre de Cárie

Aliança para um Futuro Livre de Cárie Creme dental com alto teor de fluoreto Resumo completo Descrição: Os dentifrícios fluoretados foram introduzidos pela primeira vez na década de 1950. [1] O primeiro dentifrício fluoretado continha fluoreto

Leia mais

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL PLACA DENTAL OU BACTERIANA = BIOFILME DENTAL BIOFILME pode ser definido como uma comunidade bacteriana, em uma matriz composta por polímeros extracelulares, aderidas

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

Remoção da placa bacteriana em pacientes ortodônticos. Plaque Removal in Orthodontic Patients

Remoção da placa bacteriana em pacientes ortodônticos. Plaque Removal in Orthodontic Patients Remoção da placa bacteriana em pacientes ortodônticos Plaque Removal in Orthodontic Patients Mariana de Pinho Noronha (aluna de doutorado em Ortodontia FO UERJ) Fabrício Batistin Zanatta (Especialista

Leia mais

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas ODONTOLOGIA PERIODONTIA I 5º Período / Carga Horária: 90 horas 1. PRÉ-REQUISITO: Biossegurança e Orientação Profissional Odontológica; Diagnóstico por Imagem I; Patologia Buço Denta. 2. EMENTA: O aluno

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: ODONTÓLOGO CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

Avaliação da higiene bucal em pacientes ortodônticos

Avaliação da higiene bucal em pacientes ortodônticos Trabalho original Ortopesquisa Avaliação da higiene bucal em pacientes ortodônticos Evaluation of oral hygiene in orthodontic patients Ana Carolina Ficho 1, Anderson Capistrano 2, Renata Cristina Faria

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de Tratamento Odontológico Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2009 A EQUIPE DE SAÚDE BUCAL NA UTMO Fernanda de Paula Eduardo Letícia Mello Bezinelli Pacientes que

Leia mais

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO

Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO SAÚDE BUCAL Dra. Rosângela Ap. de Freitas Albieri TSB: Andre Santos e Clarice R.Silva Secretaria Municipal de Saúde Centro de Especialidades Odontologicas- CEO ANATOMIA BUCAL ANATOMIA DENTAL TIPOS DE DENTES

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Odontologia geriátrica

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida. Fundamentação Teórica: Odontologia geriátrica CASO COMPLEXO 6 Dona Margarida : Maria Angela M. Mimura As alterações e patologias apresentadas no caso de Dona Margarida são diversas e de etiologias diferentes, portanto serão tratadas por itens de modo

Leia mais

Doenças gengivais induzidas por placa

Doenças gengivais induzidas por placa Doenças gengivais induzidas por placa Definição Inflamação dos tecidos gengivais sem afetar irreversivelmente o aparato de inserção Classificação (AAP 1999) Doenças Gengivais Induzidas por placa Não

Leia mais

Palavras-Chave Cor, Espectrofotometria, Própolis, Resina composta, Café

Palavras-Chave Cor, Espectrofotometria, Própolis, Resina composta, Café Ciências da Vida - Odontologia AVALIAÇÃO ATRAVÉS DA ESPECTROFOTOMETRIA DAS ALTERAÇÕES DE COR EM DUAS RESINAS COMPOSTAS COM O USO DE SOLUÇÃO A BASE DE PRÓPOLIS TIPIFICADA ASSOCIADA OU NÃO À INGESTÃO DE

Leia mais

Bem-vindo Revista Periodontia Janeiro/Junho-2000

Bem-vindo Revista Periodontia Janeiro/Junho-2000 Bem-vindo Revista Periodontia Janeiro/Junho-2000 PARTICIPAÇÃO DA PERIODONTIA NO TRATAMENTO ORTODÔNTICO Sinopse Marcelo Diniz CARVALHO* Getúlio da R. NOGUEIRA Filho** Abstract Viniciua A. TRAMONTINA***

Leia mais

Instituição Educacional: Universidade de São Paulo USP Ribeirão Preto

Instituição Educacional: Universidade de São Paulo USP Ribeirão Preto PESQUISA 1º colocado Título do Trabalho: Avaliação dos conhecimentos relativos aos cuidados com as escovas dentais, após sua utilização, em adultos, crianças e pacientes especiais. Autor (a): Dr. Jerônimo

Leia mais

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral PALESTRA A Importância da Saúde Bucal na Saúde Geral A saúde começa pela boca Os dentes são importantes na mastigação dos alimentos, fala, e estética, influenciando diretamente na auto-estima do indivíduo

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ODONTOPEDIATRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ODONTOPEDIATRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO ODONTOPEDIATRIA THAISA CEZÁRIA TRICHES CONDIÇÃO MICROBIOLÓGICA APÓS TRATAMENTO

Leia mais

Cassiano Kuchenbecker Rösing Professor Adjunto de Periodontia da UFRGS e da ULBRA

Cassiano Kuchenbecker Rösing Professor Adjunto de Periodontia da UFRGS e da ULBRA uma publicação da colgate-palmolive para promover a educação continuada aos profissionais de odontologia ano 2 número 3 - janeiro 2009 Colgate Total 12 A prescrição de cremes dentais pelo dentista e os

Leia mais

Victor Silvano Resende. Estabilidade da margem gengival após cirurgia para recuperação do espaço biológico - avaliação clínica

Victor Silvano Resende. Estabilidade da margem gengival após cirurgia para recuperação do espaço biológico - avaliação clínica Victor Silvano Resende Estabilidade da margem gengival após cirurgia para recuperação do espaço biológico - avaliação clínica Brasília 2014 Victor Silvano Resende Estabilidade da margem gengival após cirurgia

Leia mais

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL HIGIENE BUCAL A Higiene bucal é considerada a melhor forma de prevenção de cáries, gengivite, periodontite e outros problemas na boca, além de ajudar a prevenir o mau-hálito (halitose). Higiene bucal é

Leia mais

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS Saúde Oral das Pessoas Idosas A saúde oral é considerada como uma parte integrante da saúde geral. As doenças da boca e dos dentes têm consequências negativas na qualidade

Leia mais

Eficácia da Suplementação de Ômega-3 como Agente Modulador da Periodontite Crônica. Reduz o Sangramento e a Inflamação Gengival

Eficácia da Suplementação de Ômega-3 como Agente Modulador da Periodontite Crônica. Reduz o Sangramento e a Inflamação Gengival Eficácia da Suplementação de Ômega-3 como Agente Modulador da Periodontite Crônica Reduz o Sangramento e a Inflamação Gengival Novo Tratamento para Estomatite Aftosa Recorrente Ômega-3 Reduz os Sinais

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A EFICÁCIA DA ESCOVAÇAO ORIENTADA E SUPERVISIONADA E A PROFILAXIA PROFISSIONAL NO CONTROLE DA PLACA BACTERIANA DENTÁRIA

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A EFICÁCIA DA ESCOVAÇAO ORIENTADA E SUPERVISIONADA E A PROFILAXIA PROFISSIONAL NO CONTROLE DA PLACA BACTERIANA DENTÁRIA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A EFICÁCIA DA ESCOVAÇAO ORIENTADA E SUPERVISIONADA E A PROFILAXIA PROFISSIONAL NO CONTROLE DA PLACA BACTERIANA DENTÁRIA Cléa Adas SALIBA* Nemre Adas SALIBA* Ana Laura ALMEIDA**

Leia mais

Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia*

Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia* UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE EXTENSÃO E CULTURA Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia* VIEIRA,Denise Ferreira 1 ; SOARES,Mariana

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO PROTOCOLO DE ATENDIMENTO EM PERIODONTIA 1 - DIAGNÓSTICO 2 - TRATAMENTO PERIODONTAL 3 - ACOMPANHAMENTO 1. DIAGNÓSTICO 1.1- ANAMNESE 1.2- EXAMES COMPLEMENTARES 1.3- AVALIAÇÕES CLÍNICA 1.1. ANAMNESE História

Leia mais

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV?

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Oncologista Clínico Onco-Vida,

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB -

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - 1 MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - Porto Alegre, 2014. 1 2 S ODONTOLÓGICOS PARA AUXILIARES E TÉCNICOS EM SAÚDE BUCAL Tabela 1: Tipos de Procedimentos Odontológicos para

Leia mais

HOSPITAL DA MARINHA CURSO DE MEDICINA HIPERBÁRICA E SUBAQUÁTICA

HOSPITAL DA MARINHA CURSO DE MEDICINA HIPERBÁRICA E SUBAQUÁTICA HOSPITAL DA MARINHA CURSO DE MEDICINA HIPERBÁRICA E SUBAQUÁTICA OSTEORRADIONECROSE MIGUEL DA NÓBREGA OSTEORRADIONECROSE A osteorradionecrose é o patológico que às vezes ocorre após a radiação intensa do

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

* Testes in vitro. Uma bomba na sua higiene oral.

* Testes in vitro. Uma bomba na sua higiene oral. 8 0 0 2 A S N E R P M I E D R E I S S DO * Testes in vitro Uma bomba na sua higiene oral. Uma Bomba na sua Higiene Oral! LISTERINE: O ELIXIR Nº 1 NO MUNDO A utilização de escova de dentes e fio dentário

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU- USP

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU- USP PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Título da Pesquisa: TERAPIA FOTODINÂMICA ANTIMICROBIANA NO TRATAMENTO DA DOENÇA PERIODONTAL EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN Pesquisador: Carla

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

Doença Periodontal Orientações para manter uma boca saudável Anatomia Estrutura saudável Gengivas A A figura mostra as gengivas de uma pessoa que tenha a constituição clara. As pessoas de pele escura têm

Leia mais

Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia.

Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia. Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia. Descrição. O entendimento dos processos fisiológicos, celulares e moleculares associados com o uso de diversos materiais, medicamentos e demais

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1.NOME DO MEDICAMENTO Corsodyl Dental 2 mg/ml solução para lavagem da boca 2.COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada mililitro de Corsodyl Dental solução para

Leia mais

ANTIBIOTICOTERAPIA EM OBSTETRÍCIA

ANTIBIOTICOTERAPIA EM OBSTETRÍCIA ANTIBIOTICOTERAPIA EM OBSTETRÍCIA DOENÇA PERIODONTAL Professora Melania Amorim IMIP UFCG IPESQ ISEA melamorim@uol.com.br CONCEITOS BÁSICOS Doença periodontal => doença infecto-inflamatória que acomete

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

Agentes Antissépticos e enxaguatórios na Odontologia

Agentes Antissépticos e enxaguatórios na Odontologia Agentes Antissépticos e enxaguatórios na Odontologia Amanda de Freitas Ferreira Naila Aparecida de Godoi Machado Paulinne Junqueira Silva Andresen Strini Alfredo Júlio Fernandes Neto Denildo de Magalhães

Leia mais

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES:

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES: SAÚDE BUCAL INTRODUÇÃO A evolução da Odontologia enquanto ciência da saúde é uma realidade incontestável. Dentro deste contexto de mudanças de paradigma, no qual a Promoção de Saúde toma o lugar da prática

Leia mais

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO BARROS, Ítala Santina Bulhões 1 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 2 SILVA, Ariadne Estffany Máximo da

Leia mais

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Doenças Periodontais Tratamento e Prevenção 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Gengivite e Periodontite Guia para o paciente Aprenda mais sobre as Doenças Periodontais (de gengiva) As doenças

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

5 RESULTADOS. Resultados 56

5 RESULTADOS. Resultados 56 Resultados 56 5 RESULTADOS Este capítulo foi dividido em tópicos, no primeiro diz respeito à caracterização da amostra, seguido da verificação se grupos estudados eram semelhantes entre si antes e também

Leia mais

Quadro 1. Tipologia do desenho de investigação da pesquisa. Adaptação de Rouquayrol e Almeida Filho (1999) 3.

Quadro 1. Tipologia do desenho de investigação da pesquisa. Adaptação de Rouquayrol e Almeida Filho (1999) 3. Metodologia 37 4 METODOLOGIA 4.1 Tipo de estudo O presente trabalho foi um Ensaio clínico, não-controlado, randomizado e cego, o estudo pode ser considerado ainda individuado, pois avaliou indivíduos como

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

Informativo para pacientes com boca seca (xerostomia)

Informativo para pacientes com boca seca (xerostomia) Informativo para pacientes com boca seca (xerostomia) O nosso objetivo com este ebook é prover o leitor que padece de boca seca com informações úteis a fim de contribuir para a melhoria de sua qualidade

Leia mais

A doença periodontal e o fumo

A doença periodontal e o fumo A doença periodontal e o fumo Hubert Chamone Gesser ( h_gesser@hotmail.com ) - Cirurgião Dentista - Especialista em Odontologia em Saúde Coletiva pela ABO-SC - Mestrando em Engenharia de Produção Bioestatística

Leia mais

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS DESCRIÇÃO DO SERVIÇO 01. DIAGNÓSTICO Exame clínico inicial Consultas com hora marcada Exame clínico final Exame admissional (exame de sanidade dentária) 02. ATENDIMENTO DE

Leia mais

Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico

Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico Os efeitos do controle farmacológico no comportamento futuro de pacientes menores de três anos no consultório odontológico Denise Espíndola ANTUNES; Luciane Ribeiro de Rezende Sucasas da COSTA; Cristiana

Leia mais

Ação antimicrobiana do triclosan sobre

Ação antimicrobiana do triclosan sobre Ação antimicrobiana do triclosan sobre microbiota cariogênica ANTIMICROBIAL ACTIVITY OF TRICLOSAN IN ORAL MICROBIOTA Davi Romeiro Aquino José Roberto Cortelli Ivan da Silva Faria Departamento de Odontologia

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

Novo Enxaguatório Bucal Trata a Periodontite em 1 Mês

Novo Enxaguatório Bucal Trata a Periodontite em 1 Mês Novo Enxaguatório Bucal Trata a Periodontite em 1 Mês Promove Redução de 17% das Bactérias Patogênicas Causadoras da Placa Mecanismo de Ação Inovador Sem Efeitos Adversos Relatados Curcumina e Periodontite

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO 474 UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO Fábio André Werlang 1 Marcos Massaro Takemoto 2 Prof Elton Zeni 3 RESUMO

Leia mais

Dra. Elena Portes Teixeira Will CUIDADOS AO PACIENTE COM GENGIVITE OU PERIODONTITE: DOENÇA PERIODONTAL:

Dra. Elena Portes Teixeira Will CUIDADOS AO PACIENTE COM GENGIVITE OU PERIODONTITE: DOENÇA PERIODONTAL: CUIDADOS AO PACIENTE COM GENGIVITE OU PERIODONTITE: 1Muita atenção na escovação. Siga as dicas abaixo: Escovar sempre depois das refeições. Mesmo quando fizer apenas um lanchinho ; Sempre usar o fio dental

Leia mais

Abordagens Atuais para o Tratamento da Gengivite

Abordagens Atuais para o Tratamento da Gengivite Revisão de Literatura Abordagens Atuais para o Tratamento da Gengivite Current Approaches for the Treatment of Gingivitis Daiane Cristina Peruzzo* Ivana Ferreira Gomes Rodrigues** Sérgio de Toledo*** Antonio

Leia mais

Cristiana Andreia Rodrigues Tavares

Cristiana Andreia Rodrigues Tavares Cristiana Andreia Rodrigues Tavares Técnicas de Recobrimento Radicular Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciências da Saúde Porto, 2013 Cristiana Andreia Rodrigues Tavares Técnicas de Recobrimento

Leia mais

Cranberry. Tratamento e prevenção infecção urinária

Cranberry. Tratamento e prevenção infecção urinária Cranberry Tratamento e prevenção infecção urinária Nome científico: Vaccinium macrocarpon Família: Ericaceae Parte utilizada: fruto Ativos: antocianidinas, flavonóides, proantocianidinas, taninos condensados

Leia mais

UMA ESCOVA PARA CADA USO

UMA ESCOVA PARA CADA USO UMA ESCOVA PARA CADA USO Nem só das importantes medidas preventivas(alimentação sadia e Flúor na água/tópico),vive o cuidado adequado com os dentes e cavidade bucal...tem aquele diário, cada vez que você

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

VEJA COMO A CÁRIE É FORMADA

VEJA COMO A CÁRIE É FORMADA VEJA COMO A CÁRIE É FORMADA E AJUDE A PREVENÍ-LA Sua dieta e seus hábitos de saúde bucal podem fazer uma grande diferença A RELAÇÃO ENTRE OS DENTES, BACTÉRIAS E OS ÁCIDOS DO AÇÚCAR Esses fatores desencadeiam

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

Doença Periodontal na Infância

Doença Periodontal na Infância Universidade de São Paulo Faculdade de Odontologia Doença Periodontal na Infância Profa. Dra. Ana Estela Haddad Camilla V. Galatti / Dr. Cássio Alencar Doença periodontal é uma afecção da fase adulta?

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

A QUÍMICA E A CONSERVAÇÃO DOS DENTES RESUMO

A QUÍMICA E A CONSERVAÇÃO DOS DENTES RESUMO A QUÍMICA E A CONSERVAÇÃO DOS DENTES Lidiani Terenciani Nazaro¹; Jandira Aparecida Simoneti² UEMS - Caixa postal 351 - CEP: 79804-970 Dourados - MS¹ E-mail: lidi.nazaro@gmail.com, Bolsista de Extensão.

Leia mais

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A IMUNOEXPRESSÃO DO PCNA, KI-67 E CICLINA B1 SPÍNDULA FILHO, José Vieira de ;

Leia mais

XEROSTOMIA. Complicações Bucais no Tratamento Radioterápico RESUMO INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA

XEROSTOMIA. Complicações Bucais no Tratamento Radioterápico RESUMO INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA Complicações Bucais no Tratamento Radioterápico Alexandre Cursino de Moura Santos Professor da Disciplina de Clínica Integrada III do Departamento de Odontologia da UNITAU Fernanda Noguti Flávia de Cássia

Leia mais

MISSÃO DA EMPRESA. O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus

MISSÃO DA EMPRESA. O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus MISSÃO DA EMPRESA O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus Manual sinônimo do Dentista de excelência Credenciado em

Leia mais

REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni

REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni REAÇÕES DE PELE Enfermeiro Ricardo Isaias Testoni Especialista em Enfermagem Oncológica- Hospital Erasto Gaertner Mestrando em Distúrbios da Comunicação UTP Coordenador do Serviço de Oncologia - Hospital

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ODONTOPEDIATRIA 1. ODONTOPEDIATRIA PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

ESTUDO SOBRE MOTIVAÇÁO E EM ESCOLARES DE 7 A 10 ANOS

ESTUDO SOBRE MOTIVAÇÁO E EM ESCOLARES DE 7 A 10 ANOS Rev. Odont. UNESP, São Paulo, 18:217-223,1989. ESTUDO SOBRE MOTIVAÇÁO E REFORÇO DE MOTIVAÇÃO EM )i:scovação DENTÁRIA, EM ESCOLARES DE 7 A 10 ANOS Luiz Fernando de Almeida CANDELÁRIA* Lúcia TERAMOTO** Adriene

Leia mais

Antibióticos na Doença Periodontal Canina

Antibióticos na Doença Periodontal Canina Atualização em Terapêutica Veterinária Distribuído por Farmácia Veterinária de Manipulação Antibióticos na Doença Periodontal Canina A adequação ao tratamento é muito importante na obtenção da recuperação

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

Os dentifrícios são produtos cosméticos utilizados na limpeza da cavidade bucal. Sua composição se encontra na Figura 1.

Os dentifrícios são produtos cosméticos utilizados na limpeza da cavidade bucal. Sua composição se encontra na Figura 1. OS DENTIFRÍCIOS OS DENTIFRÍCIOS E A HIGIENE ORAL Diferentes tipos de microrganismos se desenvolvem na cavidade oral. Muitos são inofensivos, outros não. Algumas bactérias fermentam os carboidratos (predominantemente

Leia mais

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Lesões Periodontais Doença inflamatória dos tecidos de suporte dos

Leia mais

RESUMO. A principal causa da gengivite é o acúmulo de placa

RESUMO. A principal causa da gengivite é o acúmulo de placa R. Periodontia - Dezembro 2007 - Volume 17 - Número 04 O PAPEL DA CLOREXIDINA NO TRATAMENTO DE PACIENTES COM GENGIVITE NO DISTRITO DE SÃO CARLOS DO JAMARI - RO The role of chlorexidine on the treatment

Leia mais

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental

Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Curso Técnico em Saúde Bucal Aula disponível: www.portaldoaluno.bdodonto.com.br Aspectos microbiológicos da Cárie Dental Prof: Bruno Aleixo Venturi 1 O que é a doença cárie? 2 CÁRIE DENTAL Do#La&m# Carious

Leia mais

16/03/12 INTRODUÇÃO OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS MATERIAL E MÉTODOS

16/03/12 INTRODUÇÃO OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS MATERIAL E MÉTODOS PROFILAXIA ANTIBIÓTICA EM CIRURGIA DE TERCEIROS MOLARES (Antibioticoterapia profilática) Mestrandos: Érika Maria Carvalho Bitencourt Iury Oliveira Castro Rafaella Mosquera Chaves Thiago Oliveira Sousa

Leia mais

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS PERIODONTAIS PERIODONTIA

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS PERIODONTAIS PERIODONTIA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DAS DOENÇAS PERIODONTAIS Cirurgiã-Dentista CONCEITO: PERIODONTIA Especialidade Odontológica que estuda os tecidos normais e as doenças do sistema de implantação e sustentação dos

Leia mais

A placa dental. 1 ª Jornada Nacional para Técnicos e Auxiliares de 10/11/2008. A placa dental como um biofilme. A placa dental como um biofilme

A placa dental. 1 ª Jornada Nacional para Técnicos e Auxiliares de 10/11/2008. A placa dental como um biofilme. A placa dental como um biofilme 1 ª Jornada Nacional para Técnicos e Auxiliares de Odontologia A placa dental como um biofilme Biofilme Comunidade microbiana relativamente indefinida associada à superfície de qualquer material duro não-descamativo

Leia mais

Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia

Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia Juliana Marotti 1, Pedro Tortamano Neto 2, Dieter Weingart 3 1 Doutoranda do Departamento de Prótese da Faculdade de Odontologia da USP,

Leia mais

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber

Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Cárie Dental Conceitos Etiologia Profa Me. Gilcele Berber Perda localizada dos tecidos calcificados dos dentes, decorrentes da fermentação de carboidratos da dieta por microrganismos do biofilme Princípios

Leia mais

Controle químico e mecânico de placa bacteriana

Controle químico e mecânico de placa bacteriana 45 Controle químico e mecânico de placa bacteriana Mauro Pessoa Gebran (Mestre) Curso de Odontologia - Universidade Tuiuti do Paraná Ana Paula Oliveira Gebert (Mestre) Curso de Odontologia - Universidade

Leia mais

HIPERSENSIBILIDADE. Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM

HIPERSENSIBILIDADE. Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM HIPERSENSIBILIDADE Produto em processo de aprovação junto à ANVISA www.colgateprofissional.com.br Apresentando Pro-Argin

Leia mais

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 2 Manual de Orientação Julho/2013 (2 a edição) Indice Orientação ao Paciente Introdução 04 Implantes dentais 04 Titânio - a matéria-prima dos implantes 05 Osseointegração

Leia mais

CUIDE DOS SEUS DENTES

CUIDE DOS SEUS DENTES SENADO FEDERAL CUIDE DOS SEUS DENTES SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuide dos seus dentes apresentação Pesquisas científicas comprovam que dentes estragados provocam outras doenças que aparentemente não têm

Leia mais

CUIDADOS COM A SAÚDE BUCAL DE PACIENTES HOSPITALIZADOS: CONHECIMENTO E PRÁTICAS DOS AUXILIARES DE ENFERMAGEM

CUIDADOS COM A SAÚDE BUCAL DE PACIENTES HOSPITALIZADOS: CONHECIMENTO E PRÁTICAS DOS AUXILIARES DE ENFERMAGEM CUIDADOS COM A SAÚDE BUCAL DE PACIENTES HOSPITALIZADOS: CONHECIMENTO E PRÁTICAS DOS AUXILIARES DE ENFERMAGEM ORAL HEALTH CARE OF HOSPITALIZED PATIENTS: KNOWLEDGE AND PRACTICES OF NURSES' AIDES Andréa Moreira

Leia mais

ANAIS DA 11ª JORNADA ACADÊMICA DE ODONTOLOGIA UFPI ISSN 2318-616X

ANAIS DA 11ª JORNADA ACADÊMICA DE ODONTOLOGIA UFPI ISSN 2318-616X FÓRUM CIENTÍFICO ODONTOPEDIATRIA Acadêmico Projeto de Pesquisa 18 HÁBITOS DE HIGIENE BUCAL EM CRIANÇAS RELACIONADO AO NÍVEL SOCIOECONÔMICO Josué Junior Araujo Pierote*; Helleny Alves de Santana Neta; Pablo

Leia mais

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências CONGRESSO DE AUDITORIA - NATAL - 2015 Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do Câncer de Cabeça e Pescoço Contexto da Medicina Baseada em Evidências Tratamento do Câncer de Cabeça e

Leia mais

Avaliação de um programa de higiene bucal em estudantes universitários* Evaluation of an oral hygiene program in undergraduate students

Avaliação de um programa de higiene bucal em estudantes universitários* Evaluation of an oral hygiene program in undergraduate students Rev Inst Ciênc Saúde 2005 jan-mar; 23(1):53-9 Avaliação de um programa de higiene bucal em estudantes universitários* Evaluation of an oral hygiene program in undergraduate students Juliana Pasti Villalba**

Leia mais

CUIDADOS COM A SAÚDE DA BOCA

CUIDADOS COM A SAÚDE DA BOCA CUIDADOS COM A SAÚDE DA BOCA CD Elaine C. Camargo Especialista em Odontologia Preventiva e Social, Odontologia para Pacientes com Necessidades Especiais e em Administração Hospitalar. Mestranda em Imaginologia

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 QUESTÃO 31 Com relação aos tecidos dentários, analise as afirmativas abaixo: 1) O esmalte é um tecido duro, que constitui a maior parte do dente, determinando a forma da coroa.

Leia mais

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 K00 - Distúrbios do Desenvolvimento e da Erupção Dos Dentes K00.0 - Anodontia K00.1 - Dentes Supranumerários

Leia mais

Guia para um. Sorriso Saudável

Guia para um. Sorriso Saudável Guia para um Sorriso Saudável Fotos meramente ilustrativas. Seja bem-vindo ao serviço odontológico do Sesc Rio! 3 Serviços Nosso serviço está disponível em diversas Unidades Operacionais, exclusivamente

Leia mais

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli LIMA, Richard Presley 1 ; DOS SANTOS, Mateus Veppo 2 ; DE MOURA, Cariacy Silva 3 ; GUILLEN, Gabriel Albuquerque 4 ; MELLO, Thais Samarina Sousa

Leia mais

ANDREA MARIA DE SOUSA

ANDREA MARIA DE SOUSA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA MESTRADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: CLÍNICA INTEGRADA ANDREA MARIA DE SOUSA ESTUDO IN

Leia mais