SUSTAINABILITY AS SYSTEMIC CONCEPT RELATED TO THE CONTINUITY OF SOCIAL, ECONOMIC, CULTURAL AND ENVIRONMENT ASPECTS THAT INFLUENCE HUMAN HEALTH

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUSTAINABILITY AS SYSTEMIC CONCEPT RELATED TO THE CONTINUITY OF SOCIAL, ECONOMIC, CULTURAL AND ENVIRONMENT ASPECTS THAT INFLUENCE HUMAN HEALTH"

Transcrição

1 A SUSTENTABILIDADE COMO UM CONCEITO SISTÊMICO RELACIONADO COM A CONTINUIDADE DOS ASPECTOS SÓCIO-ECONÔMICO-CULTURAL E AMBIENTAL INFLUENCIADOR DA SAÚDE HUMANA. SUSTAINABILITY AS SYSTEMIC CONCEPT RELATED TO THE CONTINUITY OF SOCIAL, ECONOMIC, CULTURAL AND ENVIRONMENT ASPECTS THAT INFLUENCE HUMAN HEALTH NOME DA AUTORA- Márcia Cançado Figueiredo (APRESENTADORA) MINI CURRICULUM Mestre e Doutora em Odontopediatria pela Faculdade de Odontologia de Bauru - USP Especialista em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública -ESP Professora Adjunta da Disciplina de Odontopediatria da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS; Coordenadora do Curso de Extensão Universitária: Bebê Clínico da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS; Professora Regente da Disciplina de Odontologia para Pacientes com Necessidades Especiais da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS PROVENIÊNCIA - Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil ENDEREÇO - Rua Ramiro Barcelos 2492 BOMFIM CEP Fone/Fax: / Celular E.mail CO AUTORES: Isolda Cerqueira Cruz; Daniel Demétrio da Silva;Alessandro Bof de Oliveira; Dante Augusto Couto Barone

2 RESUMO A sustentabilidade é um conceito sistêmico, relacionado com a continuidade dos aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade humana.propõe-se a ser um meio de configurar a civilização e atividades humanas, de tal forma que a sociedade, os seus membros e as suas economias possam preencher as suas necessidades e expressar o seu maior potencial no presente, e ao mesmo tempo preservar a biodiversidade e os ecossistemas naturais, planeando e agindo de forma a atingir próeficiência na manutenção indefinida desses ideais.certamente a sustentabilidade abrange vários níveis de organização e, para um empreendimento humano ser sustentável, acreditamos que seja ecologicamente correto; economicamente viável; socialmente justo e culturalmente aceito. Colocando em termos reais, nosso trabalho provem o melhor para as pessoas e para o ambiente tanto agora suprindo as necessidades da geração presente sem afetar a habilidade das gerações futuras. Este ao ser apresentado estará baseado na EDUCAÇÀO EM SAÚDE desenvolvendo o objetivo de fazer com que as pessoas realizem seus próprios instrumentos para manutenção de sua SAÚDE BUCAL/GERAL.Deste modo, hoje este é utilizado amplamente em todas as classes sociais, gerando um crescimento sustentável por consistir no aumento das entradas ou saídas reais que podem solucionar problemas por longos períodos de tempo. ABSTRACT The sustainability is an systemic concept,related to the continuityof economic,social, cultural and environment aspects of human society.it has the purpose to shape human activities and civilization,providing that its members and their economies could fill their needs and express their biggest potential in present time. Simultaneously they can preserve the biodiversity and natural ecosystems,planning and acting in order to attain high efficiency in these ideals search. Sustainability, for sure, include different levels of organization, and a `correct` environment,if it exists, must be ecologicaly correct, as well economic sustainable, socialy fair and accepted by the society, through its culture.putting these words in the meaning of our real actions and purposes, our work aims to provide excellent conditions both to people as well to the environment, granting for sure, good live conditions to present time human beings,preserving the same capabilities and conditions for future generations.this work has emphasis in EDUCATION IN HEALTH, enabling people to develop their own instruments for the sustainability of their MOUTH/GENERAL HEALTH CONDITIONS. In this sense, Education in Health is widely used in all social classes,granting an sustainable growth, since it provides the rising of the inputs and real outputs that can solve human problems for long periods of time.

3 CONTEXTUALIZAÇÃO O Brasil é um país de dimensões continentais, com uma população em torno de 170 milhões de habitantes.organiza-se, geopoliticamente, em 27 estados e distrito federal e municípios.apresenta grande desigualdade social com 51% de sua população recebendo menos de 04 salários mínimos. Dimensão Universal do SUS apenas 21% da população brasileira tem plano de saúde. Transição Epidemiológica - doenças típicas da pobreza coexistindo com doenças do desenvolvimento, gerando demandas crescentes por serviços de ponta. Transição Demográfica EVN aumentou de 44,9 anos em 1940 para 68,55 anos em Gasto Público com saúde apresenta per capita muito baixo (R$180,00), comparável com países que mantêm esquemas de pacotes básicos universais. Sobre as CONDIÇÕES DE SAÚDE BUCAL DA POPULAÇÃO BRASILEIRA no ano de 2003, foi realizado um levantamento epidemiológico em escolas e domicílios na zonas urbana e rural de 250 municípios brasileiros, onde foram examinadas no total pessoas (SB Brasil), com a finalidade de subsidiar o planejamento-avaliação de ações nessa área nos diferentes níveis de gestão do Sistema Único de Saúde - SUS. Conduzida através da coordenação de um amplo esforço nacional para o estudo destas condições e para a CRIAÇÃO E MANUTENÇÃO DE UMA BASE DE DADOS ELETRÔNICA relativa aos principais problemas nesse campo, articulando diferentes agências e unidades de saúde, contribuindo na perspectiva da ESTRUTURAÇÃO DE UM SISTEMA NACIONAL DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SAÚDE BUCAL. Os resultados do SB Brasil encontrados foram:doenças da Gengiva Menos de 22% dos adultos apresentam gengiva sadia Menos de 8% dos idosos apresentam gengiva sadiaacesso aos Serviços Adolescentes: Mais de 2,5 milhões (13% desta população) nunca foram ao dentista. Adultos: quase 3% nunca foram ao dentista Idosos:quase 6% nunca foram ao dentistaperda dos dentes A perda dentária precoce é grave. A necessidade de prótese total é identificada já entre os adolescentes Mais de 28% dos adultos não possuem nenhum dente funcional em pelo menos uma arcada (inferior ou superior): o Dessas pessoas, 15% ainda não têm prótese total. Três a cada quatro idosos (75%) não possuem nenhum dente funcional em pelo menos uma das arcadas: o Desses, mais de 36% necessitam de pelo menos uma prótese total (FOTOS 1,2 e 3)

4 CPO-D FOTOS 1, 2 e 3- Mulher idosa e mãe jovem com extensas lesões carioss e avançada doença a a a 74 0,00 5,00 2,78 Cariado 10,00 6,17 Obt/Cariado 15,00 Obturado 20,00 20,13 Perdido 25,00 27,79 30,00 periodontal e/ou sem dentes funcionais em pelo menos uma de suas arcadas. Cárie dentária GRÁFICO 1 - Índice de cárie - medida pelo índice CPO (dentes cariados, perdidos ou obturados) POLÍTICA DE SAÚDE SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO visa a Integralidade, Universalização, Controle Social e Equidade. PRINCÍPIO DA INTEGRALIDADE NA ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE 1º- refere-se à Atenção Integral ao indivíduo, sem fragmentação da assistência, ex: médico generalista; 2º - aborda a Atenção á Saúde considerando os aspectos sociais em que o indivíduo está inserido, ex: Saúde da Família; 3º- forma de organização das práticas de saúde, não dissociando as ações de promoção, prevenção, assistência conceito Atenção à Saúde. Equipes multiprofissionais, trabalho transdisciplinar, integrado; 4º - garantia de acesso aos diferentes níveis complexidade de atenção à saúde, de forma integrada e hierarquizada.

5 PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF A SAÚDE DA FAMÍLIA é uma estratégia que incorpora diversos sentidos da INTEGRALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE em suas diretrizes básicas: humanização, vínculo e responsabilização fortalecimento da relação entre profissionais de saúde e usuários continuidade da atenção; articulação promoção, prevenção, cura e reabilitação; articulação entre saúde pública e assistência individual; acesso aos diversos níveis de atenção do sistema de saúde a partir da atenção básica resolutiva; território identificação de problemas e estímulo a intervenções intersetoriais. PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA - PERSPECTIVAS DE IMPACTO SÓCIO POLÍTICO: Resolve 85% das demandas à Unidade Básica de Saúde - UBS; Efetiva a vigilância à saúde; Racionaliza os serviços de alta complexidade/ continuidade da assistência; Amplia as ações de promoção à saúde na intersetorialidade; ACS: identifica e fortalece redes de proteção social governamental e/ou não governamental. PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA - PRINCIPAIS DESAFIOS Responsabilização de todos os gestores e trabalhadores municipais na (re) organização da ABS.Otimização da utilização dos recursos disponíveis com inserção da SF nas redes de serviços Priorização política do investimento financiamento Implantação dos instrumentos de gestão disponíveis (SIAB, PPI, Pacto da Atenção Básica)Capacitação, formação e contratação de recursos humanosavaliação e acompanhamento permanente. PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA - AS ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE BUCAL: Planejamento, acompanhamento e avaliação das ações desenvolvidas pelas Unidades Básicas da Família - UBF Avaliação das necessidades e expectativas da população em relação à Saúde Bucal

6 Promoção da saúde, atividades preventivas e educativas em Saúde Bucal Vigilância epidemiológica Prioridades das ações de SAÚDE BUCAL sob o enfoque epidemiológico, quatro grupos etários: 1º -De 06 (seis) a 12 (doze) anos 2º- De 13 (treze) a 19 (dozenove) anos 3º-De 02 (dois) a 05 (cinco) anos - 4º- Adultos O interessante, é que existe a flexibilização do critério de relação entre: ESB e a ESF. Esta definição fica a critério dos planejamentos municipais, a partir das bases populacionais atualmente preconizadas pelo PSF. PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA - SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE / SUS O SUS e seus princípios e diretrizes, como conceitos norteadores das práticas sanitárias, constitucionalmente institucionalizados, devem ser exaustivamente divulgados, estudados e aplicados, permitindo maior apropriação do corpo doutrinário do SUS por parte dos cirurgiõesdentistas dos serviços públicos, recomendação extensiva aos demais trabalhadores de saúde pública. A Educação Permanente em Saúde parece ser, mais que atividade secundária do SUS, fator primordial para seu pleno desenvolvimento. Deste modo, a capacitação profissional, não somente técnica, mas político-ideológica, como espaço de avaliação, crítica, reflexão e planejamento coletivos, pode possibilitar aos profissionais o reconhecimento da importância de seu papel nos serviços de saúde, e além, na sociedade em que se encontram inevitavelmente inseridos. Neste sentido, o Programa Saúde da Família parece ser uma estratégia mais adequada, por propiciar uma melhor contextualização do profissional a partir do maior contato com a comunidade, e dos conceitos como universalidade, equidade, integralidade, distrito sanitário, territorialização, adstrição da clientela, entre outros, no contexto de suas práticas cotidianas. Para tanto, o PSF deve, contudo, ser entendido enquanto projeto transformador, e não como um formalismo administrativo, engessado pela burocracia. Para tanto, mais que atividades clínicas, os profissionais devem ousar desempenhar novos papéis junto à sociedade, entendendo a necessidade de novas práticas e conhecimentos, notadamente os relativos às ciências sociais. O SUS configura-se em um fascinante e necessário desafio de mudança das práticas de Saúde no Brasil, no intuito de atender plenamente as necessidades não satisfeitas de nossa sociedade. 6

7 INTRODUÇÃO O município de Governador Valadares está localizado no Vale do Rio Doce, no Estado de Minas Gerais, na região sudeste do Brasil Foi fundado no ano de 1937, e, possui hoje, uma população média de habitantes situados em grande maioria na periferia. Sua área total é de 2.355,4 km², altitude de 170 m, densidade demográfica de 98,38 hab/km². (FOTOS 4,5 e 6). FOTOS 4,5 e 6- Vista aérea da região central do Município de Governador Valadares, Rio Doce e exemplos das ruas, casas de bairro onde o programa foi realizado Governador Valadares, em termos de atenção básica de saúde bucal, contava, até 2001, com o Programa Saúde do Escolar em algumas escolas municipais e estaduais e poucos consultórios em Unidades Básicas de Saúde. Nos meses de agosto/setembro de 2001 foi realizado um levantamento de necessidades em algumas escolas públicas onde foram avaliadas crianças, de 05 a 16 anos, observando-se que a demanda reprimida nesta faixa etária era alta. Os altos índices encontrados indicaram a necessidade urgente de inserção destas crianças na atenção odontológica e possibilitou crer que na população adulta a situação seria bem mais crítica FOTOS 7,8 FOTOS 7 e 8- Levantamento epidemiológico realizado em Escolas Públicas do Município e avaliação das condições bucais das crianças

8 Com a inserção de 03 (três) Equipes de Saúde Bucal (Modalidade I* - 01 CD e 01ACD e Modalidade II** - 01 CD, 01THD e 01ACD) na estratégia Saúde da Família 7, optou-se prioritariamente capacitar os profissionais, formar os recursos humanos em saúde apoiados no papel inalienável de um educador que seria: preparar convenientemente os diversos solos, para que as sementes possam se desenvolver, abastecendo e saciando plenamente as necessidades da sociedade 6. Com este preparo que durou aproximadamente 3 meses com reforços periódicos: - Incrementou-se as ações restauradoras/curativas através da Técnica Restauradora Atraumática (ART) com o uso do cimento de ionômero de vidro condensável VITROMOLAR DFL, dado à sua eficiência nas lesões cariosas e alta resolutividade, compatível à alta demanda da doença. Incentivou-se as ações de promoção da saúde bucal através de visitas domiciliares, reuniões de grupos terapêuticos e ações educativas (individuais e coletivas) e preventivas como escovação supervisionada, aplicação tópica de flúor e uso do fio dental alternativo. Apoiados no conceito de chances de vida onde 18 o objetivo de se promover maior eqüidade não pode estar isolado do objetivo de melhorar as chances de vida de modo mais geral ambos os objetivos devido às interconexões causais na estrutura socioeconômica e devido às questões de custo-efetividade e dilemas decisórios, onde os recursos são escassos. FOTOS 9 e 10 FOTOS 9 e 10 - Ações de promoção da saúde bucal através de visitas domiciliares: ação educativas individual preventiva como o uso do fio dental alternativo. O não uso do fio dental pela população foi uma das dificuldades encontradas. O baixo poder aquisitivo, somado aos fatores culturais e/ou pela falta de uma lei que exige a sua distribuição 1, levou à inserção do fio dental alternativo, feito com saco de ráfia desfiado e esterilizado, o qual passou a ser amplamente divulgado (orientado como confeccioná-lo) e distribuído nos grupos e visitas domiciliares. Fechado os dois anos de implementação do programa, avaliou-se 197 crianças com idade média de 8,38 anos representantes das distintas comunidades, encontrando um resultado expressivo e satisfatório com relação a mudança de paradigmas, uma vez que a população tornou-se mais consciente, mudando seus hábitos com relação a sua higiene bucal.

9 Apenas 26 crianças apresentaram placa visível, tendo um maior acesso aos serviços públicos odontológicos e, conseqüentemente, diminuição expressiva das doenças bucais: 173 crianças tornaram-se cárie inativa. (FOTOS 11 e 12). FOTOS 11 e 12 - Crianças inseridas no programa - cárie inativa Das 969 restaurações atraumáticas realizadas em 661 dentes decíduos e 308 permanentes, obtevese 86,1% de retenção das mesmas nos dentes decíduos e de 96,8% nos dentes permanentes.confirmando o excelente comportamento clínico do cimento de ionômero de vidro utilizado na técnica restauradora atraumática utilizada( FOTOS 13 e 14) FOTOS 13 e 14 Restaurações avaliadas após 24 meses confirmando o excelente comportamento clínico do cimento de ionômero de vidro utilizado na técnica restauradora atraumática utilizada OBJETIVO GERAL Permitir o acesso de toda a população carente do Município cadastrada nos serviços públicos odontológicos, com conseqüente prevenção das doenças bucais, possibilitando a promoção e recuperação de sua saúde geral e bucal, concedendo a cada ator social direitos preconizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) do Brasil; 9

10 Reforçar a necessidade da integração e sinergia entre Serviços Públicos e a Academia, para que seja alcançado o objetivo maior das referidas instituições: servir a comunidade em função da qual suas existências são plenamente justificadas 6 ; Propor uma reforma democrática e transformadora, que desafia todos os cidadãos para a construção de uma sociedade mais justa, solidária e fraterna, cabendo aos homens, através do conhecimento aliado ao desejo ativo de mudança, realizarem sempre, visando os interesses maiores da coletividade 6. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Utilizar o curso de capacitação desta equipe do PSF para abordar os aspectos político-ideológicos relativos ao SUS, para que seus conceitos sejam divulgados e discutidos com toda a comunidade, em todos os possíveis espaços sociais; Incentivar o exercício de cidadania pelo usuário do SUS ao acolher sua demanda; Recuperar a auto-estima do usuário ao restabelecer, em parte, as funções dentárias: mastigatórias e estéticas; Conscientizar toda a Equipe de Saúde da Família PSF sobre as ações odontológicas e sua interação com a saúde geral dos indivíduos, ressaltando o Programa Saúde da Família como estratégia que incorpora diversos sentidos da INTEGRALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE; Implementar o Tratamento Restaurador Atraumático preconizado pela OMS, com o intuito de diminuir as doenças bucais: cárie e periodontal na população carente, utilizando-se de ações restauradoras/curativas que elimina parcialmente o tecido cariado e prioriza o uso do cimento de ionômero de vidro dentro da Técnica Restauradora Atraumática (ART), e, de ações educativas/ preventivas como palestras educativas, escovação supervisionada, uso do fio dental alternativo e aplicação tópica de flúor, desfile em praça pública, dentre outros; Promover a saúde integral do indivíduo, diminuindo o grau de infecção/contaminação uma vez conhecer a influência negativa dos microorganismos bucais na saúde geral do indivíduo, através do fechamento das cavidades e a utilização de fluoretos; Avaliar após a cada dois anos o programa instituído e estas equipes de saúde bucal na estratégia saúde da família. ETODOLOGIA Para preparar o programa de saúde bucal voltado para a população do município, procurou-se inicialmente realizar um levantamento epidemiológico das necessidades bucais de crianças em 2001 onde foi encontrado:em crianças

11 177 crianças com casos de urgência (abscessos, dor espontânea); 961 crianças com necessidades de extrações dentárias 692 crianças cárie ativas apresentando dentes com comprometimento pulpar aparente; crianças cárie ativas apresentando lesões de cáries pequenas e problemas periodontais e crianças sem cárie aparente e doença periodontal Por conseqüência deste resultado encontrado, em outubro de 2.001, foram inseridas três (03) equipes de saúde bucal no Programa de Saúde da Família de Governador Valadares.A constituição destas 03 (três) ESB s é uma na modalidade I composta por 01 (um) dentista e 01 (uma) Auxiliar de Consultório Dentário (ACD) e duas na modalidade II que acrescenta um Técnico em Higiene Dental (THD) em sua composição. Estas equipes e demais dentistas da rede pública de saúde, foram capacitados por uma professora doutora na área, para trabalharem com a técnica restauradora atraumática (ART) com o uso do cimento de ionômero de vidro. 4 Foram aulas teóricas e práticas, durante semanas com reforços periódicos. Em janeiro de 2002, as equipes já capacitadas incrementaram suas atividades com as seguintes estratégias: Promovendo Saúde Bucal e prevenindo doença bucal ESTRATÉGIAS PROFISSIONAIS Diagnóstico/detecção precoce de doenças bucais mais freqüentes e monitoramento das mesmas; educação/aconselhamento para redução de risco das doenças bucais mais prevalentes: cárie e periodontal com orientações específicas de higiene bucal e geral, noções de sanitarismo, meio ambiente e dieta não cariogênicas; controle do biofilme placa dentária através de profilaxia profissional; utilização de um antimicrobiano - flúor em baixa e alta concentração - crianças cárie ativas; reabilitação do paciente realizando as restaurações atraumáticas ART; (FOTOS de18 a 25); visitas domiciliares feitas inicialmente às famílias detectadas pelas ACS s com maior carência social. procurando agir com equidade, e posteriormente todas as demais famílias são visitadas.salvo em casos onde o domicílio já está adequado, o que é raro em nossas comunidades. ESTRATÉGIAS COMUNITÁRIAS Promoção de saúde na comunidade em geral; uso do flúor (água de abastecimento público e/ou uso tópico através da pasta de dente); reforço da higiene pessoal e bucal (escovação, fio dental alternativo); participação da equipe em datas comemorativas, desfiles em datas festivas, passeatas como reforço educativo/preventivo (FOTO 15); confecção e utilização de um recipiente para conservar e armazenar as escovas de dente, bem como, a confecção do fio dental e ráfia (FOTO16 e 17).

12 FOTO 15- Participação da equipe desfile de 7 de setembro FOTO 16 e 17 Recipiente para conservar e armazenar as escovas de dente e o fio dental de ráfia ESTRATÉGIAS INDIVIDUAIS Estar informado sobre todas as ações que seriam executadas; utilização de flúor em baixa concentração e alta freqüência (creme dental / uso tópico); Incentivo a higiene pessoal; Trabalho de conscientização para evitar tabaco e bebidas alcoólicas. 11 DESENVOLVIMENTO DESTAS ESTRATÉGIAS As estratégias acima foram implantadas, sendo que através das reuniões de grupos terapêuticos, visitas domiciliares, assistência às escolas e creches públicas das áreas adstritas que é realizado o levantamento de necessidades individuais 8 a fim de organizar a demanda para atendimento clínico e desenvolve-lo sempre entendendo que os avanços referentes à saúde, pela lógica do paradigma da produção social do processo saúde-doença, socialmente determinado, proposto pelo SUS, são conquistas de caráter intersetorial. Os pacientes hipertensos e diabéticos são atendidos prioritariamente nos grupos terapêuticos com os demais componentes da equipe de Saúde da Família. Após as orientações feitas em grupo, são encaminhados ao consultório odontológico para o exame clínico e diagnóstico de doença cárie, periodontal e lesões bucais. O tratamento de suas necessidades é realizado conforme a capacidade de absorção do sistema local de saúde, ou seja, as lesões de mucosa detectadas são todas diagnosticadas e tratadas, tendo como referência a estomatologia.as exodontias são realizadas somente quando indicadas. As lesões cariosas são tratadas utilizando a Técnica Restauradora Atraumática (ART). Os Técnicos em Higiene Dental (THD s ) e Auxiliares de Consultório Dentário (ACD s ) executam as raspagem periodontais, escovação supervisionada e aplicação tópica de flúor, conforme lhes permite suas atribuições.nas visitas domiciliares são dadas orientações sendo sempre reforçado o que se aprendeu na Unidade de Saúde da Família, e,aqueles que não estão inseridos nos grupos, são encaminhados à unidade para se integrarem.

13 Todos os pacientes receberam, durante as visitas domiciliares, um kit usando garrafas PET 02 litros lavados e desinfetadas com álcool, contendo 01 creme dental e escovas de dente em número ideal para cada membro da família, conforme determina as ações para saúde bucal para o SUS/MG. Devido ao baixo poder aquisitivo da população, a alta incidência de cáries interproximais bem como a não obrigatoriedade dos órgãos públicos em dar o fio dental convencional, fabrica-se artesanalmente fio dental de ráfia, utilizando sacos de ráfia fina, que são lavados com áqua sanitária, quarados e depois cortados pela metade, em 04 (quatro) partes iguais, para serem desfiados em tamanhos convencionais de aproximadamente 30 cm. Os feixes são colocados em vidros de conserva lavados para serem utilizados. (FOTO 15 e 17) Toda a comunidade aprende e é estimulada para preparar o seu fio dental importante para ser utilizado intermitentemente, visto à necessidade de cada um, principalmente no caso dos pacientes diabéticos.clarkson, et al 3 O importante no processo educativo é que a população compreenda que não se separa a boca do resto do corpo e, que existem várias doenças bucais que se manifesta individualmente ou em combinação com outras doenças sistêmicas, como é o caso da doença periodontal e o infarto; perda de dentes e doença cardiovascular; doença periodontal e doença cardíaca coronariana; doença periodontal e abortos e doença periodontal tratada com antibióticos e diabete no controle da glicemia. 6 O Tratamento Restaurador Atraumático (ART) foi preconizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) sendo apresentado no Dia Mundial da Saúde, 7 de abril de 1994, com metas de erradicar a doença cárie em países subdesenvolvidos e em desenvolvimento. Estas metas foram previamente definidas pelo Conselho Mundial de Saúde (CMS), durante o IV Congresso Mundial de Odontologia Preventiva, em Umea na Suécia em Em1998 foi aprovada pela Federação Dentária Internacional (FDI), durante uma reunião em Barcelona. E em 2001, reconhecida como uma técnica de máxima prevenção e mínima intervenção (MI). Diferentemente do tratamento odontológico convencional, a ART raramente causa dor, os pacientes não precisam ser anestesiados, proporciona uma adequação do meio bucal selecionando microrganismos menos cariogênicos,os motores de baixa e alta rotação não são utilizados, baixando o custo do tratamento sendo possível realiza-lo em qualquer local, 9,10,11 e, especificamente neste programa, a maioria delas foram realizadas em campo na casa dos pacientes durante as visitas domiciliares. O material utilizado na restauração foi o cimento de ionômero de vidro, condensável, útil, uma vez que se ligam quimicamente aos dentes e liberaram continuamente o flúor prevenindo recidivas de cáries ao redor da restauração. 10

14 FOTOS de 18 a 25 Seqüência clinica da restauração atraumática realizada com o cimento de ionômero de vidro VITROMOLAR (DFL), no dente 84 em uma criança de 2,3 anos de idade RESULTADOS E DISCUSSÃO Utilizando dados fornecidos pelo SIAB e através de exames clínicos em pacientes que retornaram para a manutenção dos tratamentos realizados, avaliou-se os resultados alcançados pelas 3 equipes de saúde bucal nas comunidades assistidas assim denominadas, verificando que de janeiro de 2002 a dezembro de 2003, foi um período que serviu de parâmetro para se traçar os pontos fracos e fortes das estratégias traçadas para o referido programa. ESTRATÉGIA - PONTOS FORTES 1. Este Programa Saúde da Família foi uma estratégia adequada, pois propiciou uma melhor contextualização do profissional a partir do maior contato com a comunidade, e dos conceitos como universalidade, equidade, integralidade, distrito sanitário, territorialização, adstrição da clientela, entre outros, no contexto de suas práticas cotidianas; 2. Redução visível dos índices das doenças bucais; 3. Diminuição na presença de placa visível e sangramento gengival, devido a distribuição gratuita de escova e pasta de dente fluoretada, escova dental e KIT de conservação das mesmas; 4. Melhora da halitose na população; 5. Estratégia no uso do cimento de ionômero de vidro na técnica restauradora atraumática, bem como no uso do fio dental alternativo; 6. Restaurações demostrando uma boa performance clínica; 4. Hábitos gerais e bucais deletérios reduzidos; 5. Referência em estomatologia para diagnóstico e tratamento das lesões bucais ; 6. Mudança de paradigma na visão da comunidade sobre a saúde geral e bucal; 7. Resgate da auto-estima dos usuários do sistema; 8. Visitas domiciliares bem aceitas pela população; 9. Maior acesso da população aos serviços de saúde;

15 10. Desempenho inter e multidisciplinar dos profissionais das equipes de saúde da família; 11. Cumplicidade entre comunidade e profissionais da saúde. 12. Este Programa Saúde da Família foi uma estratégia adequada, pois propiciou uma melhor contextualização do profissional a partir do maior contato com a comunidade, e dos conceitos como universalidade, equidade, integralidade, distrito sanitário, territorialização, adstrição da clientela, entre outros, no contexto de suas práticas cotidianas; 13. Redução visível dos índices das doenças bucais; 14. Diminuição na presença de placa visível e sangramento gengival, devido a distribuição gratuita de escova e pasta de dente fluoretada, escova dental e KIT de conservação das mesmas; 15. Melhora da halitose na população; 16. Estratégia no uso do cimento de ionômero de vidro na técnica restauradora atraumática, bem como no uso do fio dental alternativo; 17. Restaurações demostrando uma boa performance clínica; 18. Hábitos gerais e bucais deletérios reduzidos; 19. Referência em estomatologia para diagnóstico e tratamento das lesões bucais ; 20. Mudança de paradigma na visão da comunidade sobre a saúde geral e bucal; 21. Resgate da auto-estima dos usuários do sistema; 22. Visitas domiciliares bem aceitas pela população; 23. Maior acesso da população aos serviços de saúde; 24. Desempenho inter e multidisciplinar dos profissionais das equipes de saúde da família; 25. Cumplicidade entre comunidade e profissionais da saúde. ESTRATÉGIA - PONTOS FRACOS 1. Perda de elementos dentários sem condição de reabilitação protética e estética do paciente 2. Impossibilidade de atuação sobre a maloclusão dos pacientes; 3. Baixo controle social. Tendo como um outro objetivo específico avaliar após a cada dois anos o programa instituído por estas equipes de saúde bucal de PSF, com estratégicas baseados no tratamento restaurador atraumático. No final de dezembro de 2004 e início de janeiro de 2005 foram por um único examinador calibrado, avaliadas 197 pacientes de idade variando de 2,7 a 16 anos de idade com uma média de 8,38 anos (Desvio Padrão =2.49) representantes de distintas comunidades que esta equipe atua.

16 Cada paciente possuía várias fichas preenchidas por depender do número de restaurações atraumáticas que ele havia recebido. Eles eram identificados pelo nome e de qual equipe de saúde bucal pertencia. Avaliou-se sua atividade de cárie, presença de placa visível e de sangramento gengival após a escovação dentária realizada pelas THD. (FOTOS de 26 a 29) FOTOS 26,27,28 e 29 - Avaliação realizada pelas THDs com relação a presença de placa visível e de sangramento gengival após a escovação Das 197 crianças com idade média de 8,38 anos encontrou-se um resultado expressivo e satisfatório com relação a mudança de paradigmas, uma vez que a população tornou-se mais consciente, mudando seus hábitos com relação a sua higiene bucal. Apenas 26 crianças apresentaram placa visível, tendo um maior acesso aos serviços públicos odontológicos e, conseqüentemente, diminuição expressiva das doenças bucais: 173 crianças tornaram-se cárie inativa. Para avaliar as restaurações atraumáticas, procurou-se estabelecer critérios específicos, práticos, fáceis de usar e reproduzir. Os resultados encontrados após estes 2 anos de realização destas restaurações utilizando o cimento ionômero de vidro VITROMOLAR (DFL), demonstraram claramente ser este, um material formulado para esta abordagem, forte e resistente ao desgaste. Encontrou-se uma percentagem alta de longevidade das restaurações ART em uma e múltiplas faces, tanto nos dentes decíduos e principalmente nos permanentes, elevando os índices de sucesso deste estudo.

17 FOTOS 30, 31 e 32, Aparência clínica das restaurações atraumáticas - ART avaliadas RECOMENDAÇÕES 1. Deve haver uma interassimilação, por permeabilidade recíproca, de conceitos e práticas entre Odontologia e SUS, para que os propósitos da Reforma Sanitária Brasileira sejam plenamente alcançados, notadamente na atenção em Saúde Bucal e, de forma integral, a todas as áreas da Saúde 2. Acesso aos incentivos financeiros e propostas do Ministério da Saúde para os Municípios ampliado através de oportunidades de obtenção dos mesmos; 3. Maior comprometimento dos profissionais com a causa social/humanitária para que se alcance com mais facilidade as metas de formação de cidadãos saudáveis; 4. Uso de materiais alternativos e métodos que busquem a concretização das propostas na estratégia saúde da família PSF; 5. O cimento ionômero de vidro condensável deve ser o utilizado nas restaurações atraumáticas ART realizadas nos serviços públicos; Não acreditar que a ART é fácil, é necessário requer boa compreensão de sua filosofia, do processo da doença cárie, do material utilizado, da técnica atual para assegurar que os resultados do tratamento proposto seja previsível. CONCLUSÕES Das 197 crianças com média de idade 8,38 anos encontrou um resultado expressivo e satisfatório com relação à mudança de paradigmas, uma vez que a população tornou-se mais consciente, mudando seus hábitos com relação a sua higiene bucal (apenas 26 crianças apresentaram placa visível), tendo um maior acesso aos serviços públicos odontológicos e, conseqüentemente, diminuição expressiva das doenças bucais (das 197 crianças cárie ativas, 173 crianças tornaram-se cárie inativa); O ART é uma prática odontológica bem sucedida que beneficia tanto o paciente quanto os profissionais, oferecendo uma atenção odontológica eficiente, segura, sem dor, a um custo razoável, indo ao encontro das necessidades das pessoas que não estão sendo atendidas; Os profissionais que atuaram nesta pesquisa conscientizaram do fato de que já se encontram inseridos no SUS, configurando nitidamente uma mudança das práticas de Saúde do Município de Governador Valadares, uma vez que atenderam plenamente as necessidades não satisfeitas daquela sociedade;

18 Há uma necessidade de maior integração e sinergia entre Serviços Públicos e a Academia, para que seja alcançado o objetivo maior das referidas instituições: servir a comunidade em função da quais suas existências são plenamente justificadas; Toda pesquisa científica em qualquer área do conhecimento humano, e especificamente da Odontologia só adquire sentido se estiver voltada para a melhora da qualidade de vida dos pacientes, minimizando o sofrimento causado pela dor de dente, superando desigualdades e contribuindo na construção de um mundo onde todos apresentarão um sorriso saudável. O desencanto com o aprendizado democrático não roubou desta sociedade seu desejo de mudança, sua capacidade de sonhar, ou, como queiram os teóricos, de estabelecer imagens-objetivo condizentes com as aspirações legítimas da sociedade brasileira, exemplificando: FOTOS de 33 a 41 Exemplo de uma família atendida pelo programa onde a mãe catadora de lixo (portadora de prótese total) e seus onze filhos menores de 18 anos (crianças cárie inativas e sem atividade de cárie), vivem e alimentam de lixo.

19 A moradia com apenas 2 cômodos, mas com um quadro enfeitando a sua entrada no formato de um coração feito de papel com os seguintes dizeres: O amor é paciente, não se faz de importante, não se irrita,tudo espera e tudo suporta. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE /SES/MG, PSF, Belo Horizonte - Ações de saúde bucal para o SUS a serem desenvolvidas nas equipes de PSF em Minas Gerais, BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE /Projeto de Inserção do Odontólogo nas Equipes de Saúde da Família. PMGV/SMS/DSC/SSB BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE /Relatório Geral. Levantamento de Necessidades. PMGV/SMS/DSC/SSB BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE /SUS: O que você precisa saber sobre o Sistema Único de Saúde, v.1, Editora Atheneu, São Paulo, BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Projeto SB Brasil 2003.Brasília DF, 67p, 2004.(c) 6. CAMARGO S. X.de. SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE: PARADIGMA VÁLIDO PARA A ODONTOLOGIA? Representações dos Cirurgiões-Dentistas sobre o SUS.Dissertação de Mestrado em Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Londrina, Mestrado, CAMPOS-JÚNIOR, A. et al. - Análise comparativa entre a fita convencional e materiais alternativos - Rev. Odont. USP, v. 41, p , CLARKSON, J.J, et al. International collaborative research on fluoride. J. Dent. Res., v. 79, n. 4, p , 2000, in: Boletim Informativo sobre Avanços em Odontologia e Saúde Bucal, v. 11, n. 1, p. 6, EDELBERG, M. H; BASSO, M. L. Tratamiento Restaurador Atraumático. Rev. Assoc. Odontol. Argent., Buenos Aires, v. 88, n. 1, p , FEHR,F.R. VON DER,et al Experimental caries in man. Caries Res.v.4,n.2,p , FIGUEIREDO, M.C.; GARCIA, A. F. G. A Utilização do Cimento Ionômero de Vidro FUJI IX na Técnica de Restauração Atraumática (ART) em Dentes Decíduos. Rev. Fac. Odontol. Univ. Passo Fundo, Passo Fundo, v.1, n. 2, p. 31-8, jul./ dez FRENCKEN, J. E. Atraumatic Restorative Treatment (ART). A Special Tissue Preservative and Patient- Friendly Approach. Ned Tijdschr Tandheelkd. Netherlands, Utrecht, v. 110, no. 6, p , June., 2003 Abstrat Medline PMID FRENCKEN, J. E.; HOLMGREN, C. J. Tratamento Restaurador Atraumático (ART), para a Cárie Dentária. São Paulo: Santos, P FRENCKEN, J. E. et al. Manual ART: Atraumatic Restorative Tretament Approach to Control Dental Caries. 3.ed. Washington: WHO, 1997.

20 15. GAO, W. et al. Comparasion of Atraumatic Restorative Treatment and Conventional Restorative Procedures in a Hospital Clinic: Evaluation After 30 Months. Quintessence Int., Berlin, v. 34, n. 1, p , Jan GJERMO,P.;FLOTRA The effect of different methods of interdental cleaning. J. Periodont. Res. v.5, n.3, p.230-6, IMPARATO,J.P. et al. Tratamento Restaurador Atraumático(ART): Técnica de Mínima Intervenção para o Tratamento da Doença Cárie. Curitiba: Maio, p JOSHIPURA, K.J.; DOUGLAS C.W.; WILLETT, W.C. Possible explanations for the tooth loss and cardiovascular disease relationship. Ann Periodontal, v. 31, n.1, p , 1998, in: Boletim Informativo sobre Avanços em Odontologia e Saúde Bucal, v. 10, n. 4, p. 6-10, KADT, E.; TASCA, R. Promovendo a Equidade: um novo enfoque com base no setor saúde. São Paulo- Salvador: HUCITEC p 20. LO, E. C.; HOLMGREN, C. J. Provision of Atraumatic Restorative Treatment (ART) Restorations to Chinese Pre-School Children-a 30-Month Evaluation.. Int. J. Paediatric. Dent., Oxford, v. 11, n. 1, p. 3-10, Jan LOUW, A. J et al. One-Year Evaluation of Atraumatic Restorative Treatment and Minimum Intervention Techniques on Primary Teeth. SADJ, Houghton, v. 57, n..9, p , Sept Abstrat Medline PIMD MANDARI, G. J.; FRENCKEN, J. E.; vant HOF, M. A. Six Year Success Rates of Occlusal Amalgam and Glass-lonomer Restorations Placed Using Three Minimal Intervention approaches. Caries Res., Basel, v. 37, n. 4, p , July/Aug MICKENAUTSCH, S.; MUNSHI, I. GROSSMAN, E. S. Comparative Cost of ART and Conventional Treatment Within a Dental School Clinic. SADJ, Houghton, v. 57, n. 2, p , Feb Abstract Medline PIMD OLIVEIRA, L. M. C. Avaliação de um Programa de Tratamento Restaurador Atraumático em Crianças Institucionalizadas p.tese (Doutorado em Odontologia) - Faculdade de Odontologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 25. PHANTUMVANIT, P. et al. Atraumatic Restorative Treatment (ART): A Three-Year Community Field Trial in Thailand-Survival of One-Surface Restorations in the Permanent Dentition. J. Public Health Dent., Raleigh, v. 56, no 3, Spec. Issue., p , June RODRIGUES, C. D. T. et al. Restaurações Atraumáticas em Dentes Decíduos. Pesq. Odontol. Brasil., São Paulo, v. 14, Resumo SCHRIKS, M. C.; VAN AMERONGEN, W. E. Atraumatic Perspectives of ART: Psychological and Physiological Aspects of Treatment With and Without Rotary Instruments. Community Dent. Oral Epidemiol., Copenhagen, v. 31, no. 1, p , Feb

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Atualizado por Danusa em Nov/2007 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Para organizar um serviço local de atenção à saúde é necessário que o administrador, coordenador, gerente

Leia mais

Faculdade de Odontologia. PROFA. DRA.MÁRCIA CANÇADO FIGUEIREDO E.MAIL- mcf1958@gmail.com

Faculdade de Odontologia. PROFA. DRA.MÁRCIA CANÇADO FIGUEIREDO E.MAIL- mcf1958@gmail.com Faculdade de Odontologia PROFA. DRA.MÁRCIA CANÇADO FIGUEIREDO E.MAIL- mcf1958@gmail.com SUSTENTABILIDADE COMO UM CONCEITO SISTÊMICO RELACIONADO COM A CONTINUIDADE DOS ASPECTOS SÓCIO-ECONÔMICO-CULTURAL

Leia mais

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA

AUTOPERCEPÇÃO EM SAÚDE BUCAL: IDOSOS E FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/SAÚDE DA FAMÍLIA III CONCURSO NACIONAL DE EXPERIÊNCIAS EM SAÚDE DA FAMÍLIA 05 A 08 DE AGOSTO DE 2008 -

Leia mais

4. PROGRAMAS DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA PARA BEBÊS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES

4. PROGRAMAS DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA PARA BEBÊS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES 4. PROGRAMAS DE ATENÇÃO ODONTOLÓGICA PARA BEBÊS, CRIANÇAS E ADOLESCENTES Elaborado por: Marcelo S. Bönecker (Coordenador) Adriana Modesto Luiz Reynaldo de Figueiredo Walter Objetivo A Associação Brasileira

Leia mais

5 50% ceo = zero 40% 12 CPO-D < 3,0 CPO-D = 2,78. 18 80 % com todos os dentes 55% 35-44 75% com 20 ou mais dentes 54%

5 50% ceo = zero 40% 12 CPO-D < 3,0 CPO-D = 2,78. 18 80 % com todos os dentes 55% 35-44 75% com 20 ou mais dentes 54% Saúde e sociedade: desafios para a epidemiologia em saúde bucal 3/10/2011 20:02 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Metas da OMS para o ano 2000 e a situação brasileira IDADE META DA OMS PARA 2000 SB Brasil

Leia mais

Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE NA COMUNIDADE

Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE NA COMUNIDADE Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE BUCAL DA FAMÍLIA: A BOCA E A SAÚDE NA COMUNIDADE Seminário de Atualização de ACS A AÇÃO DOS ACS NOS CUIDADOS DE SAÚDE BUCAL DA FAMÍLIA:

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DOS MEMBROS DAS EQUIPES DE AB I - Participar do processo de territorialização e mapeamento da área de atuação da equipe, identificando grupos, famílias e indivíduos

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

O presente trabalho visa relatar um programa de promoção de saúde. desenvolvido como atividade de Extensão Universitária da Faculdade de

O presente trabalho visa relatar um programa de promoção de saúde. desenvolvido como atividade de Extensão Universitária da Faculdade de TÍTULO:PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE ALUNOS DA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PERNAMBUCO FOP/UPE AUTORES: BARROS, E.S,, MACIEL, A*. E, MENEZES, V. A**., MESQUITA, M. F INSTITUIÇÃO: Faculdade de Odontologia

Leia mais

Sorriso de criança... Questão de educação!

Sorriso de criança... Questão de educação! Cidade Sorridente Sorriso de criança... Questão de educação! Dados oficiais (Mesmo entre os cidadãos com renda mensal acima de 6 SM) O Brasil é campeão mundial de cárie 60% dos dentes cariados estão sem

Leia mais

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA

Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Título: PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL NA EMEB JOÃO MARIA GONZAGA DE LACERDA Autores: Ana Cláudia Morandini Sanchez, CD Serviço de saúde: Unidade de Saúde da Família VILA ANA Palavras-chaves: cárie dentária,

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES:

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES: SAÚDE BUCAL INTRODUÇÃO A evolução da Odontologia enquanto ciência da saúde é uma realidade incontestável. Dentro deste contexto de mudanças de paradigma, no qual a Promoção de Saúde toma o lugar da prática

Leia mais

PROJETO VIGILANTES DO SORRISO

PROJETO VIGILANTES DO SORRISO PROJETO VIGILANTES DO SORRISO Juliana Santos Oliveira NOVAFAPI Cosme José Albergaria da Silva Filho NOVAFAPI Marissol Antunes Fernandes NOVAFAPI Adriana Oquendo Machado NOVAFAPI INTRODUÇÃO O PETI (Programa

Leia mais

PORTARIA Nº 267, DE 06 DE MARÇO DE 2001

PORTARIA Nº 267, DE 06 DE MARÇO DE 2001 PORTARIA Nº 267, DE 06 DE MARÇO DE 2001 Publicada no DOU de 07/03/2001, seção 1, pg. 67 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando a necessidade de: - regulamentação da Portaria

Leia mais

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Feira da Mata sorrindo para o futuro Área temática Estudos Epidemiológicos / Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Feira

Leia mais

PROJETO ESCOLARES: A INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE BUCAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL/RS

PROJETO ESCOLARES: A INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE BUCAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL/RS PROJETO ESCOLARES: A INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE BUCAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL/RS Autor (a): Daiane kuczynski Co Autor (a): Tássia Silvana Borges, Michele Chabat, Cláudia Fabiana

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA DA EXTENSÃO:

ÁREA TEMÁTICA DA EXTENSÃO: TÍTULO: PROMOÇÃO DE SAÚDE E VIDA NA TERCEIRA IDADE AUTORES: ALVES, M.S.C.F.(socorrofeitosa@dod.ufrn.br); MEDEIROS JUNIOR, A.; PIRES, J.A.S.(jaspires@uol.com.br); QUEIROZ, C.M.F.(cristinamaria.inga@bol.com.br);

Leia mais

Saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família Oral health in the Family Health Strategy

Saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família Oral health in the Family Health Strategy 1 Saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família Oral health in the Family Health Strategy Adrielly Oliveira Barbosa 1 Angélica Haíssa Galvão 1 Petrônio José de Lima Martelli 2 1 Alunas do Curso de Graduação

Leia mais

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO BARROS, Ítala Santina Bulhões 1 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 2 SILVA, Ariadne Estffany Máximo da

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO DIAS, Larissa Nadine Silva 1 FARIAS, Luciana Lombardi Pedrosa de 2 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 3 RESUMO A adolescência

Leia mais

Projeto Dentista em casa

Projeto Dentista em casa Projeto Dentista em casa Oscip : 08071.001062/2010-97, publicado no diário oficial de 02 de março de 2010. Cnpj: 10.200.021/0001-04 SOS Dental Assistência Médica Odontologica SDAMO Consiste em levar à

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES AVISO DE RETIFICAÇÃO DE EDITAL Nº 01 A Comissão de Concurso torna publica

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

Profª Márcia Rendeiro

Profª Márcia Rendeiro Profª Márcia Rendeiro CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA AMBIENTES INSTRUMENTOS MATERIAIS RECURSOS HUMANOS O PROCESSO DE TRABALHO ODONTOLÓGICO VEM SOFRENDO TRANSFORMAÇÕES AO LONGO

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Indicador 24. Cobertura de primeira consulta odontológica programática

Indicador 24. Cobertura de primeira consulta odontológica programática Indicador 24 Cobertura de primeira consulta odontológica programática É o percentual de pessoas que receberam uma primeira consulta odontológica programática no Sistema Único de Saúde (SUS), A primeira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PREFEITURA DE JUIZ FORA SECRETARIA DE SAÚDE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PET SAÚDE UAPS INDUSTRIAL Construindo planejamento em saúde JUIZ DE FORA

Leia mais

De portas abertas para as comunidades

De portas abertas para as comunidades De portas abertas para as comunidades VALÉRIA DOS SANTOS NORONHA 1 Apresentação Este projeto de gestão é fruto da experiência vivenciada no Programa Saúde da Família de Macaé em 2005 enquanto assessora

Leia mais

DENTPLAQUE Uma ferramenta lúdica e eficaz na construção da autonomia do indivíduo e no controle das doenças bucais.

DENTPLAQUE Uma ferramenta lúdica e eficaz na construção da autonomia do indivíduo e no controle das doenças bucais. DENTPLAQUE Uma ferramenta lúdica e eficaz na construção da autonomia do indivíduo e no controle das doenças bucais. INTRODUÇÃO A evolução do conhecimento científico trouxe uma mudança radical nos paradigmas

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Tratamento restaurador atraumático: uma alternativa de recuperação da qualidade de vida

Tratamento restaurador atraumático: uma alternativa de recuperação da qualidade de vida Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo 2008 maio-ago; 20(2): 204-8 Tratamento restaurador atraumático: uma alternativa de recuperação da qualidade de vida Atraumatic restorative treatment:

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ.

EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ. EDUCAÇÃO EM SAÚDE BUCAL: UMA EXPERIÊNCIA NA CRECHE DA COMUNIDADE MARIA DE NAZARÉ. Wilton Wilney Nascimento Padilha 1 Fátima Regina Nunes de Sousa 2 Yana Talita de Souza 3 Dayane Franco Mangueira 3 Renata

Leia mais

Saúde Bucal Coletiva. 1/9/2008 16:10 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1

Saúde Bucal Coletiva. 1/9/2008 16:10 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Promoção e Prevenção em Saúde Bucal Coletiva 1/9/2008 16:10 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 S 2 1 Programa Promoção de saúde bucal baseada em evidências científicas Estratégias comuns de prevenção de

Leia mais

o PROGRAMA DE SAÚDE BUCAL PARA CRIANÇAS PRÉ-ESCOLARES EM ARARAQUARA - SP

o PROGRAMA DE SAÚDE BUCAL PARA CRIANÇAS PRÉ-ESCOLARES EM ARARAQUARA - SP ... _ Rev. Odont. UNESP, São Paulo, 17(112): 191-196,1988. o PROGRAMA DE SAÚDE BUCAL PARA CRIANÇAS PRÉ-ESCOLARES EM ARARAQUARA - SP Maria do Carmo Costa VASCONCELLOS" Cleide BARONETTO"" Edney Pereira LÉO"'"

Leia mais

PRIMEIRO TERMO DE RETIFICAÇÃO

PRIMEIRO TERMO DE RETIFICAÇÃO PRIMEIRO TERMO DE RETIFICAÇÃO A Comissão do Processo Seletivo da Prefeitura Municipal de Planura comunica a seguinte alteração no Edital de seu Processo Seletivo nº 01/2014: ONDE SE LÊ: 3 - DAS CONDIÇÕES

Leia mais

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS Saúde Oral das Pessoas Idosas A saúde oral é considerada como uma parte integrante da saúde geral. As doenças da boca e dos dentes têm consequências negativas na qualidade

Leia mais

Avaliação de um Programa de Promoção de Saúde Bucal para Crianças

Avaliação de um Programa de Promoção de Saúde Bucal para Crianças TRABALHO DE PESQUISA Avaliação de um Programa de Promoção de Saúde Bucal para Crianças Evaluation of a Program of Oral Health Promotion for Children Maria Laura Menezes BONOW* Janusa de Fátima CASALLI**

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB)

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) INFORMAÇÕES SOBRE O CURSO CARGA HORÁRIA: 1.200 HORAS COM ESTÁGIO DURAÇÃO : 2 ANOS PERIODICIDADE: SEMANAL (2ª, 3ª E 4ª) HORÁRIO DAS AULAS: 19H AS 21H INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005

ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 ANEXO I EDITAL Nº 20/2010-SEADM DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DA FUNÇÃO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA PSF - LEI Nº 6.938/2005 FUNÇÃO: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Realizar mapeamento de sua área; Cadastrar as famílias

Leia mais

VIVÊNCIAS NA CONSTRUÇÃO DE NOVOS HÁBITOS DE HIGIENE E SAÚDE ORAL EM ESCOLARES

VIVÊNCIAS NA CONSTRUÇÃO DE NOVOS HÁBITOS DE HIGIENE E SAÚDE ORAL EM ESCOLARES VIVÊNCIAS NA CONSTRUÇÃO DE NOVOS HÁBITOS DE HIGIENE E SAÚDE ORAL EM ESCOLARES Anne Gomes Carneiro 1 ; Renally Cristine Cardoso Lucas 2 ; Severina Silvana Soares dos Santos 3 ; Yêska Paola Costa Aguiar

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

Placa bacteriana espessa

Placa bacteriana espessa A IMPORTÂNCIA DA SAÚDE BUCAL A saúde bucal é importante porque a maioria das doenças e a própria saúde começam pela boca. Por exemplo, se você não se alimenta bem, não conseguirá ter uma boa saúde bucal,

Leia mais

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL Protocolo Nº: 002-S. Unidade(s) de aprendizagem ou disciplina de referência: Diagnóstico Bucal ( Unidade de Aprendizagem); Patologia Buco Dental e Estomatologia I e II ( disciplina de referência) Ementa:

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Palestrante: Carolina Ferri Programa de Saúde da Família Estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes

Leia mais

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica Edson

Leia mais

ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA

ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA Áreas temáticas: Educação e Saúde Coordenador: Profª Norma Suely Falcão De Oliveira Melo Equipe executora: Orientadoras: Profª Norma Suely Falcão De Oliveira Melo (coordenador);

Leia mais

Política Nacional de Saúde Bucal

Política Nacional de Saúde Bucal MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Política Nacional de Saúde Bucal Brasil Sorridente, suas ações, abrangências e como as

Leia mais

A Participação da Faculdade de Odontologia da UFMG no Programa Sorriso no Campo

A Participação da Faculdade de Odontologia da UFMG no Programa Sorriso no Campo Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Participação da Faculdade de Odontologia da UFMG no Programa Sorriso no Campo Área Temática de Saúde

Leia mais

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro PRÁTICA ODONTOLÓGICA= FATORES EXTERNOS + FATORES INTERNOS CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA RECURSOS HUMANOS AMBIENTES RECURSOS HUMANOS

Leia mais

I Encontro Nacional de Centros de Especialidades Odontológicas CEO e Equipes de Saúde Bucal da Estratégia Saúde da Família II Encontro Internacional dos Coordenadores de Saúde Bucal dos Países Latino-Americanos

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB -

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - 1 MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - Porto Alegre, 2014. 1 2 S ODONTOLÓGICOS PARA AUXILIARES E TÉCNICOS EM SAÚDE BUCAL Tabela 1: Tipos de Procedimentos Odontológicos para

Leia mais

Brasil Sorridente e Pronatec. Brasil Sem Miséria 2013. Ministério da Saúde

Brasil Sorridente e Pronatec. Brasil Sem Miséria 2013. Ministério da Saúde Brasil Sorridente e Pronatec Brasil Sem Miséria 2013 Ministério da Saúde Introdução O Plano Brasil Sem Miséria coordena, integra e amplia programas e ações com a finalidade de superar a condição de pobreza

Leia mais

CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS

CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS CÁRIE DENTÁRIA: CONSCIENTIZANDO ESCOLARES DE UMA ESCOLA PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA- RS SANTOS, Aniúsca V¹; MANGGINI, Bruna K¹; MACIESKI, Franciele¹; SOARES, Jéssica Cavalheiro 1 ; TAMANHO, Jiana¹;

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE PROJETO GLOBAL DE SAÚDE BUCAL APROVADO NO PLENÁRIO DO CMS-BH EM 13 DE JULHO DE 2006

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE PROJETO GLOBAL DE SAÚDE BUCAL APROVADO NO PLENÁRIO DO CMS-BH EM 13 DE JULHO DE 2006 Sistema Único de Saúde SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE PROJETO GLOBAL DE SAÚDE BUCAL APROVADO NO PLENÁRIO DO CMS-BH EM 13 DE JULHO DE 2006 1- Introdução A população brasileira possui altos

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

EXCELÊNCIA NOS RESULTADOS

EXCELÊNCIA NOS RESULTADOS INSTITUCIONAL 31 anos no mercado odontológico; Presença com sedes em 10 cidades brasileiras, dentre elas 9 capitais; Solidez e tradição na atenção à Saúde Bucal; Mais de 2 milhões de beneficiários; Mais

Leia mais

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Elizabeth Leitão Secretária Municipal Adjunta de Assistência Social Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Março de 2012 Conceito

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA ODONTOCLÍNICA CENTRAL DA MARINHA PROGRAMA PARA A PREVENÇÃO DA CÁRIE DENTÁRIA E DA DOENÇA PERIODONTAL Serviço de Odontologia

Leia mais

I Seminário dos Coordenadores Regionais de Saúde Bucal de Goiás Indicadores de Saúde Bucal

I Seminário dos Coordenadores Regionais de Saúde Bucal de Goiás Indicadores de Saúde Bucal I Seminário dos Coordenadores Regionais de Saúde Bucal de Goiás Indicadores de Saúde Bucal Carlos Rodolfo Mohn Neto carl.mohn@hotmail.com carlos.neto@saude.go.gov.br 2012 Indicador de Saúde Uma medida

Leia mais

As escolas podem transformar os cenários de atuação?

As escolas podem transformar os cenários de atuação? As escolas podem transformar os cenários de atuação? Jorge Harada COSEMS/SP Premissas Relação da Instituição de Ensino com o serviço... com a gestão local é mais amplo do que a autorização ou disponibilização

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: RESUMO INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO:  RESUMO INTRODUÇÃO TÍTULO: ATENDIMENTO A PACIENTES ESPECIAIS: UMA PRÁTICA DE INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Roger Keller Celeste; Luiz Alberto de Lorenzi Arteche; Carine Bertotto; Luciane Bertotto; Luciana Pacheco; Sergio Miguens

Leia mais

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC A) TIPOS DE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A.1 Consulta Inicial Entende-se como exame clínico,

Leia mais

CONEXÃO SISTEMAS DE PRÓTESE AGÊNCIA USP DE NOTÍCIAS

CONEXÃO SISTEMAS DE PRÓTESE AGÊNCIA USP DE NOTÍCIAS CONEXÃO SISTEMAS DE PRÓTESE 18/08/2005-22:14 Construindo Sorrisos O objetivo do projeto Construindo Sorrisos é conscientizar a população sobre os cuidados necessários para evitar cáries. Todos os profissionais

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC)

Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) ISSN 1806-7727 Estudo da prevalência de cárie dentária na dentição permanente em crianças de 6 a 12 anos da rede pública de ensino no município de Joinville (SC) Evaluated the prevalence of dental caries

Leia mais

CUIDE DOS SEUS DENTES

CUIDE DOS SEUS DENTES SENADO FEDERAL CUIDE DOS SEUS DENTES SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuide dos seus dentes apresentação Pesquisas científicas comprovam que dentes estragados provocam outras doenças que aparentemente não têm

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

AÇÕES COLETIVAS E INDIVIDUAIS DE SAÚDE BUCAL EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL

AÇÕES COLETIVAS E INDIVIDUAIS DE SAÚDE BUCAL EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL AÇÕES COLETIVAS E INDIVIDUAIS DE SAÚDE BUCAL EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL Autores: Cynthia de Freitas Real (Acadêmica do Curso de Odontologia da Universidade Federal de Pelotas Rio Grande do Sul,

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

Maria Rachel Jasmim de Aguiar

Maria Rachel Jasmim de Aguiar III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família A ATENÇÃO PRIMÁRIA E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO EM UM MODELO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE Maria Rachel Jasmim de Aguiar Orientação: Carlos Eduardo Aguilera

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Dentistas-Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos de Odontologia-Alteração RESOLUÇÃO

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Educação/Secretaria de Educação

Leia mais

PROMOÇÂO DE SAÙDE BUCAL EM CRIANÇAS CARENTES DE CURITIBA

PROMOÇÂO DE SAÙDE BUCAL EM CRIANÇAS CARENTES DE CURITIBA PROMOÇÂO DE SAÙDE BUCAL EM CRIANÇAS CARENTES DE CURITIBA Área temática: Saúde Coordenador: Elaine Machado Benelli Equipe executora: Mayra Xavier e Silva *, Luciana Schneider e Elaine Machado Benelli ***

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE BUCAL

DIRETRIZES DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE BUCAL MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE BUCAL DIRETRIZES DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE BUCAL BRASÍLIA 2004 2 APRESENTAÇÃO Este documento

Leia mais

MANUAL DO COORDENADOR REGIONAL VOLUNTÁRIO E TERMO DE COMPROMISSO DO COORDENADOR REGIONAL

MANUAL DO COORDENADOR REGIONAL VOLUNTÁRIO E TERMO DE COMPROMISSO DO COORDENADOR REGIONAL MANUAL DO COORDENADOR REGIONAL VOLUNTÁRIO E TERMO DE COMPROMISSO DO COORDENADOR REGIONAL 2010 TURMA DO BEM A Turma do Bem é uma OSCIP Organização da Sociedade Civil de Interesse Público fundada em 2002

Leia mais

A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 295/08 CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a regionalização dos serviços de saúde no Sistema Único de Saúde conforme PDR/RS; a

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Estágio Curricular Supervisionado em Saúde Coletiva IV Código: 3451 Carga Horária:

Leia mais

Elizabeth Azevedo Soares TJPE 2011

Elizabeth Azevedo Soares TJPE 2011 Elizabeth Azevedo Soares TJPE 2011 Organograma PROGRAMA Promoção de saúde em seu conceito mais amplo, ou seja, despertar nos pacientes a importância da higiene bucal, da prevenção e a associação destas

Leia mais

SulAmérica Odonto Empresarial

SulAmérica Odonto Empresarial SulAmérica Odonto Empresarial O sorriso dos seus colaboradores está em nossos planos. A partir de 100 vidas sulamerica.com.br Sobre a SulAmérica A SulAmérica Seguros, Previdência e Investimentos, com 116

Leia mais

Avaliação da percepção das equipes de saúde bucal da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba (PR) sobre o tratamento restaurador atraumático (ART)

Avaliação da percepção das equipes de saúde bucal da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba (PR) sobre o tratamento restaurador atraumático (ART) 1017 Avaliação da percepção das equipes de saúde bucal da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba (PR) sobre o tratamento restaurador atraumático (ART) Evaluation of the perception of the oral health

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha MANUAL DE DIREITOS E RESPONSABILIDADES DOS PACIENTES www.ocm.mar.mil.br MARINHA DA BRASIL ODONTOCLÍNICA

Leia mais

II MOSTRA NACIONAL DO PSF

II MOSTRA NACIONAL DO PSF II MOSTRA NACIONAL DO PSF TEMÁRIO: SAÚDE BUCAL BRASILA-DF JUNHO / 2004 PROGRAMA DE INTERSETORIALIDADE NAS AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE BUCAL NAS ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE ARACAJU O POR QUE? A HISTÓRIA.

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde Patrícia Constante Jaime CGAN/DAB/SAS/MS Encontro sobre Qualidade na Formação e Exercício Profissional do Nutricionista Brasília,

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2014/01

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2014/01 RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2014/01 A Associação Beneficente de Saúde ASBESAAN, entidade de direito privado e sem fins lucrativos, qualificado como Organização Social, através do Decreto

Leia mais

Desempenho clínico de restaurações ART (Tratamento Restaurador Atraumático) em crianças atendidas na clínica de cariologia da UFPB

Desempenho clínico de restaurações ART (Tratamento Restaurador Atraumático) em crianças atendidas na clínica de cariologia da UFPB Revista de Odontologia da UNESP. 2008; 37(4): 351-355 2008 - ISSN 1807-2577 Desempenho clínico de restaurações ART (Tratamento Restaurador Atraumático) em crianças atendidas na clínica de cariologia da

Leia mais

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus ERRATA Secretaria de Saúde do DF AUXILIAR EM saúde - Patologia Clínica Sistema Único de Sáude - SUS Autora: Dayse Amarílio D. Diniz Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais

Leia mais

Odontologia Hospitalar Rio de Janeiro. Outubro de 2008. Projeto de Implantação da odontologia hospitalar. Em Hospital do Estado do Rio de Janeiro

Odontologia Hospitalar Rio de Janeiro. Outubro de 2008. Projeto de Implantação da odontologia hospitalar. Em Hospital do Estado do Rio de Janeiro Odontologia Hospitalar Rio de Janeiro Outubro de 2008 Projeto de Implantação da odontologia hospitalar Em Hospital do Estado do Rio de Janeiro O atual formato de atualização do CD nos hospitais está com

Leia mais

A Implantação da Gestão Local no Município de Contagem

A Implantação da Gestão Local no Município de Contagem A Implantação da Gestão Local no Município de Contagem Ao modelar um governo para ser exercido por homens sobre homens, a maior dificuldade é esta: primeiro, é preciso aparelhar o governo para que controle

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS QUESTÃO 1 A responsabilidade do Poder Público em relação à saúde: a. É exclusiva. b. É privativa. c. É concorrente. d. Não exclui o papel da família, da comunidade e dos próprios

Leia mais