Empresa de Locação. Apresentação de avaliação financeira. São Paulo, Novembro de 2011 Confidencial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empresa de Locação. Apresentação de avaliação financeira. São Paulo, Novembro de 2011 Confidencial"

Transcrição

1 Empresa de Locação Apresentação de avaliação financeira São Paulo, Novembro de 2011 Confidencial

2 A IGC Partners Sobre a empresa Líder em operações de Estrutura local e internacional Fusões e Aquisições Fundada em 1997 Venda Total ou Parcial Maior equipe de M&A (Fusões e Aquisições) entre as butiques independentes Preparação de Empresas para Venda e Oferta Inicial de Ações (IPO) 52 transações concluídas desde 2007, com volume financeiro de aproximadamente R$ 8,0 bilhões Captação de Recursos - Fundos de investimento em participação (Private Equity) e Oferta Inicial de Ações (IPO) Sócia exclusiva do IMAP no Brasil, maior organização mundial de fusões e aquisições, fundada em 1971 Acordos comerciais (Joint-ventures) e Alianças Estratégicas Presente nas principais economias do mundo 2

3 Credenciais IGC Experiências da IGC Experiência em Projetos de Locação Experiência em Projetos de engenharia e Construção 3

4 Princípios da Avaliação Financeira (Valuation) Premissas básicas e princípios de uma avaliação financeira (Valuation) Avaliação Financeira (Valuation) A Avaliação Financeira (Valuation) é apenas uma ferramenta de referência, quem define o preço no final é o comprador/ investidor (mesma lógica do preço de locação); Consiste no fluxo de caixa da empresa trazido a valor presente por uma taxa de desconto. Taxa de desconto É utilizada a taxa de juros livre risco somada a um prêmio de risco que depende do setor, da liquidez e tamanho da empresa. Pontos relevantes para efetivação da transação Possíveis diferenças na avaliação Para efetivar uma transação não basta um Avaliação Financeira. Outros pontos relevantes: Momento. Empresa preparada. Sócios preparados para o processo. A avaliação de uma empresa que pretende captar recursos é diferente do que a avaliação para a venda. 4

5 Projeções de resultado da empresa Empresa de Locação - DRE 2009R 2010R DRE - R$ '000 Receita Bruta Locação de Equipamentos Impostos e Deduções (750) (943) (1.119) (1.231) (1.354) (1.489) (1.638) Receita Líquida Custos dos Serviços Prestados (4.164) (8.025) (8.273) (9.143) (10.103) (11.165) (12.339) Lucro Bruto % Margem Bruta 70,8% 57,9% 60,4% 60,2% 60,0% 59,8% 59,6% Despesas Indiretas (4.723) (4.151) (4.557) (5.011) (5.508) (6.050) (6.643) Despesas Gerais e Administrativas (4.046) (2.569) (2.824) (3.105) (3.411) (3.744) (4.106) Despesas Comerciais (677) (1.581) (1.733) (1.906) (2.096) (2.306) (2.537) LAJIDA % Margem LAJIDA 37,6% 36,1% 38,6% 38,4% 38,2% 38,1% 37,9% Depreciação e Amortização (1.300) (1.600) (3.121) (3.564) (4.028) (4.508) (5.054) LAJIR % Margem LAJIR 28,5% 27,7% 23,6% 22,9% 22,3% 21,8% 21,4% Receita (Despesa) Não Operacional Resultado Financeiro (200) (300) (91) (89) (85) (82) (82) LAIR Imposto de Renda e Contribuição Social (820) (1.200) (1.645) (1.755) (1.884) (2.036) (2.194) Lucro Líquido % Margem Líquida 21,7% 20,6% 15,3% 14,8% 14,5% 14,2% 13,9% 5 1 Receitas 2 Custos e Margem de contribuição 3 Despesas Indiretas 4 LAJIDA

6 Projeções de resultado da empresa Projeções de Receita Empresa de Locação - DRE 2009R 2010R DRE - R$ '000 Receita Bruta Locação de Equipamentos Impostos e Deduções (750) (943) (1.119) (1.231) (1.354) (1.489) (1.638) Receita Líquida Custos dos Serviços Prestados (4.164) (8.025) (8.273) (9.143) (10.103) (11.165) (12.339) Lucro Bruto % Margem Bruta 70,8% 57,9% 60,4% 60,2% 60,0% 59,8% 59,6% Despesas Indiretas (4.723) (4.151) (4.557) (5.011) (5.508) (6.050) (6.643) Despesas Gerais e Administrativas (4.046) (2.569) (2.824) (3.105) (3.411) (3.744) (4.106) Despesas Comerciais (677) (1.581) (1.733) (1.906) (2.096) (2.306) (2.537) LAJIDA % Margem LAJIDA 37,6% 36,1% 38,6% 38,4% 38,2% 38,1% 37,9% Depreciação e Amortização (1.300) (1.600) (3.121) (3.564) (4.028) (4.508) (5.054) LAJIR % Margem LAJIR 28,5% 27,7% 23,6% 22,9% 22,3% 21,8% 21,4% Receita (Despesa) Não Operacional Resultado Financeiro (200) (300) (91) (89) (85) (82) (82) LAIR Imposto de Renda e Contribuição Social (820) (1.200) (1.645) (1.755) (1.884) (2.036) (2.194) Lucro Líquido % Margem Líquida 21,7% 20,6% 15,3% 14,8% 14,5% 14,2% 13,9% 6 1 Receitas A receita Bruta é função do preço de aluguel dos equipamentos multiplicado pela quantidade de equipamentos alugados pelos clientes; A projeção da receita é definida de acordo com expectativa de investimento da empresa, demanda do mercado, concorrência e portfólio de equipamentos; Após a redução dos impostos e deduções chegamos ao valor da receita líquida.

7 Projeções de resultado da empresa Projeções de Custos Empresa de Locação - DRE 2009R 2010R DRE - R$ '000 Receita Bruta Locação de Equipamentos Impostos e Deduções (750) (943) (1.119) (1.231) (1.354) (1.489) (1.638) Receita Líquida Custos dos Serviços Prestados (4.164) (8.025) (8.273) (9.143) (10.103) (11.165) (12.339) Lucro Bruto % Margem Bruta 70,8% 57,9% 60,4% 60,2% 60,0% 59,8% 59,6% Despesas Indiretas (4.723) (4.151) (4.557) (5.011) (5.508) (6.050) (6.643) Despesas Gerais e Administrativas (4.046) (2.569) (2.824) (3.105) (3.411) (3.744) (4.106) Despesas Comerciais (677) (1.581) (1.733) (1.906) (2.096) (2.306) (2.537) LAJIDA % Margem LAJIDA 37,6% 36,1% 38,6% 38,4% 38,2% 38,1% 37,9% Depreciação e Amortização (1.300) (1.600) (3.121) (3.564) (4.028) (4.508) (5.054) LAJIR % Margem LAJIR 28,5% 27,7% 23,6% 22,9% 22,3% 21,8% 21,4% Receita (Despesa) Não Operacional Resultado Financeiro (200) (300) (91) (89) (85) (82) (82) LAIR Imposto de Renda e Contribuição Social (820) (1.200) (1.645) (1.755) (1.884) (2.036) (2.194) Lucro Líquido % Margem Líquida 21,7% 20,6% 15,3% 14,8% 14,5% 14,2% 13,9% 7 2 Custos e Margem de contribuição Custos dos Serviços Prestados considera os custos com manutenção, mão de obra direta, combustível, sublocação de equipamentos, fretes e carretos, entre outros; Projeção de custos diretos de acordo idade média da frota, portfolio de equipamentos, tipo de aluguel (spot, contratos de longo prazo) entre outros fatores. Geralmente como um percentual proporcional à receita; A margem de contribuição é a razão entre o Lucro Bruto e a Receita líquida.

8 Projeções de resultado da empresa Projeções de Despesas Indiretas Empresa de Locação - DRE 2009R 2010R DRE - R$ '000 Receita Bruta Locação de Equipamentos Impostos e Deduções (750) (943) (1.119) (1.231) (1.354) (1.489) (1.638) Receita Líquida Custos dos Serviços Prestados (4.164) (8.025) (8.273) (9.143) (10.103) (11.165) (12.339) Lucro Bruto % Margem Bruta 70,8% 57,9% 60,4% 60,2% 60,0% 59,8% 59,6% Despesas Indiretas (4.723) (4.151) (4.557) (5.011) (5.508) (6.050) (6.643) Despesas Gerais e Administrativas (4.046) (2.569) (2.824) (3.105) (3.411) (3.744) (4.106) Despesas Comerciais (677) (1.581) (1.733) (1.906) (2.096) (2.306) (2.537) LAJIDA % Margem LAJIDA 37,6% 36,1% 38,6% 38,4% 38,2% 38,1% 37,9% Depreciação e Amortização (1.300) (1.600) (3.121) (3.564) (4.028) (4.508) (5.054) LAJIR % Margem LAJIR 28,5% 27,7% 23,6% 22,9% 22,3% 21,8% 21,4% Receita (Despesa) Não Operacional Resultado Financeiro (200) (300) (91) (89) (85) (82) (82) LAIR Imposto de Renda e Contribuição Social (820) (1.200) (1.645) (1.755) (1.884) (2.036) (2.194) Lucro Líquido % Margem Líquida 21,7% 20,6% 15,3% 14,8% 14,5% 14,2% 13,9% 8 3 Despesas Indiretas Despesas Gerais e Administrativas são compostas por gastos com pessoal administrativo, ocupação, utilidades, entre outros; Despesas comerciais são compostas por despesas com vendas, com pessoal comercial comissões pagas, viagens, entre outros; As projeções das despesas indiretas podem ser um percentual proporcional à receita considerando também o efeito do aumento no número de funcionários e correções no valor dos salários médios.

9 Projeções de resultado da empresa Projeções de LAJIDA Empresa de Locação - DRE 2009R 2010R DRE - R$ '000 Receita Bruta Locação de Equipamentos Impostos e Deduções (750) (943) (1.119) (1.231) (1.354) (1.489) (1.638) Receita Líquida Custos dos Serviços Prestados (4.164) (8.025) (8.273) (9.143) (10.103) (11.165) (12.339) Lucro Bruto % Margem Bruta 70,8% 57,9% 60,4% 60,2% 60,0% 59,8% 59,6% Despesas Indiretas (4.723) (4.151) (4.557) (5.011) (5.508) (6.050) (6.643) Despesas Gerais e Administrativas (4.046) (2.569) (2.824) (3.105) (3.411) (3.744) (4.106) Despesas Comerciais (677) (1.581) (1.733) (1.906) (2.096) (2.306) (2.537) LAJIDA % Margem LAJIDA 37,6% 36,1% 38,6% 38,4% 38,2% 38,1% 37,9% Depreciação e Amortização (1.300) (1.600) (3.121) (3.564) (4.028) (4.508) (5.054) LAJIR % Margem LAJIR 28,5% 27,7% 23,6% 22,9% 22,3% 21,8% 21,4% Receita (Despesa) Não Operacional Resultado Financeiro (200) (300) (91) (89) (85) (82) (82) LAIR Imposto de Renda e Contribuição Social (820) (1.200) (1.645) (1.755) (1.884) (2.036) (2.194) Lucro Líquido % Margem Líquida 21,7% 20,6% 15,3% 14,8% 14,5% 14,2% 13,9% 9 4 LAJIDA LAJIDA: significa lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização; Seu valor representa a geração de caixa operacional da empresa, ou seja, a geração de recursos apenas através de suas atividades operacionais, desconsiderando os efeitos financeiros, impostos e não operacionais (não recorrentes); Elimina os efeitos dos financiamentos e decisões contábeis, sendo uma ferramenta mais precisa da produtividade e eficiência do negócio

10 Projeções de fluxo de caixa Fluxo de caixa 2010R LAJIDA (-) Depreciação LAJIR (-) Impostos (+) Depreciação (-) Investimentos (-) Variação do Capital de Giro Fluxo de Caixa da Empresa (R$ mm) % Crescimento 88,2% 61,6% 10,1% 9,9% 10,0% Fluxo de Caixa da Empresa e da Perpetuidade Fluxo de Caixa da Empresa Perpetuidade E 2012E 2013E 2014E 2015E Investimento Investimentos em equipamentos e veículos necessários para o crescimento da empresa e reposição da frota. Em linha com histórico, necessidade de investimentos acompanha o crescimento. Capital de Giro Necessidade de capital de giro para manter a empresa em operação. O capital de giro acompanha o crescimento da empresa. 10

11 Projeções de fluxo de caixa Desconto dos fluxos de caixa e da perpetuidade Em R$ mil Fluxo de Caixa da Empresa Perpetuidade Fluxo de Caixa da Empresa Perpetuidade Valor Presente dos Fluxos (Valor Total da Empresa) R$ 33,2 MM Fator de Desconto¹ E 2012E 2013E 2014E 2015E 1,19 1,42 1,69 2,01 2, Valor em Caixa R$ 1,0 MM Dívida Total R$ 6,0 MM Valor Total das Ações R$ 28,2 MM E 2012E 2013E 2014E 2015E VP do Fluxo de Caixa VP da Perpetuidade ¹O fator de desconto de cada ano é: (1 + Taxa de desconto) elevado ao número de anos decorrido (Ex. Em 2012: (1+19%)²=1,42) ²Dívida Líquida é composta pela dívida da empresa menos os caixa. 11 Múltiplos de Avaliação EV/LAJIDA ,8x EV/LAJIDA ,1x EV/LAJIDA ,8x A taxa de desconto considerada foi de 19%.

12 Análise por Múltiplos Múltiplos das Empresas Comparáveis Análise de Comparáveis Valores em MM de USD Empresa Empresa Valuation Múltiplos País Código da Ação Preço da Ação Número de ações (MM) Valor das ações Dívida Valor da Empresa EV EV/LAJIDA 11E EV/LAJIDA 12E EV/LAJIDA 13E Aggreko Plc Inglaterra (LSE:AGK) 27,2 266, ,2x 8,3x 7,4x United Rentals, Inc. EUA NYSE: (URI) 23,5 62, ,1x 4,4x 4,2x RSC Holdings, Inc. EUA NYSE: (RRR) 9,4 103, ,9x 4,9x 4,3x Ashtead Inglaterra (LSE:AHT) 2,6 497, ,1x 4,6x 4,1x Mills Brasil (BOVESPA:MILS3) 10,1 125, ,5x 6,1x 4,8x Ramirent Oyj Finlândia (HLSE:RMR1V) 8,4 108, ,6x 5,2x 4,7x Cramo Oyj Finlândia (HLSE:CRA1V) 11,6 41, ,9x 4,6x 4,2x Média 6,3x 5,4x 4,8x Empresas com porte pequeno e sem liquidez possuem múltiplos menores por terem um risco maior. Múltiplos resultantes da Empresa avaliada Múltiplos de Avaliação EV/LAJIDA ,1x EV/LAJIDA ,8x EV/LAJIDA ,4x Fonte: Capital IQ Valores atualizados em 26/10/

ENTENDENDO OS DIVERSOS CONCEITOS DE LUCRO

ENTENDENDO OS DIVERSOS CONCEITOS DE LUCRO ENTENDENDO OS DIVERSOS CONCEITOS DE LUCRO LAJIDA OU EBITDA LAJIR OU EBIT SEPARAÇÃO DO RESULTADO OPERACIONAL DO FINANCEIRO Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante

Leia mais

Laudo de Avaliação da Ferronorte. Data Base: Novembro de 2004

Laudo de Avaliação da Ferronorte. Data Base: Novembro de 2004 Laudo de Avaliação da Ferronorte Data Base: Novembro de 2004 Contexto Os administradores da Brasil Ferrovias nos solicitam a avaliação do preço das ações da Ferronorte a serem emitidas no aumento de capital

Leia mais

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS! O que é alavacagem?! Qual a diferença entre a alavancagem financeira e operacional?! É possível

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T11

Apresentação de Resultados 2T11 Apresentação de Resultados 2T11 Aviso Legal Aviso Legal Encontra-se em curso a distribuição pública inicial primária e secundária de certificados de depósitos de ações ( Units ) de emissão da Abril Educação

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro Projeções dos Demonstrativos Contábeis Prof. Isidro Planejamento Financeiro O planejamento financeiro de uma empresa busca determinar suas necessidades de caixa e é feito em dois níveis: Curto prazo (operacional)

Leia mais

CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA

CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA CONSTRUINDO E ANALISANDO O EBITDA NA PRÁTICA! O que é o EBITDA?! Como construir e analisar o EBITDA na prática? EBITDA! Que adaptações devem ser efetuadas nos DRE s para apresentar o cálculo do EBITDA?

Leia mais

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III

SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III SEM0531 Problemas de Engenharia Mecatrônica III Prof. Marcelo A. Trindade Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos - USP Sala 2º andar Prédio Engenharia Mecatrônica (ramal

Leia mais

Divulgação dos Resultados 1T15

Divulgação dos Resultados 1T15 Divulgação dos Resultados 1T15 Sumário Resultado Itens Patrimoniais Índices Financeiros e Estruturais Guidance 2 Resultado Margem Financeira (em e %) * 1T15 / 1T14 1T15 / 4T14 1T15 / 1T14 21,1% 5,4% 21,1%

Leia mais

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? Qual a rentabilidade do Patrimônio Líquido de sua empresa? Quais os itens que estão disponíveis

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS. Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006

ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS. Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006 ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006 No balanço real de uma empresa ativos e capacitações são financiados

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T05

Apresentação de Resultados 3T05 Apresentação de Resultados 3T05 Destaques Crescimento do Lucro Líquido foi de 316% no Terceiro Trimestre Crescimento da Receita no 3T05 A receita bruta foi maior em 71% (3T05x3T04) e 63% (9M05x9M04) Base

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

SUBMARINO ANUNCIA RESULTADOS DO 1T2006, CRIAÇÃO DO SUBMARINO FINANCE E CONCLUSÃO DA OFERTA DE AÇÕES

SUBMARINO ANUNCIA RESULTADOS DO 1T2006, CRIAÇÃO DO SUBMARINO FINANCE E CONCLUSÃO DA OFERTA DE AÇÕES SUBMARINO ANUNCIA RESULTADOS DO 1T2006, CRIAÇÃO DO SUBMARINO FINANCE E CONCLUSÃO DA OFERTA DE AÇÕES São Paulo, 03 maio de 2006 - Submarino S.A. (Bovespa: SUBA3), empresa líder dentre aquelas que operam

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T12. 10 de agosto de 2012

Apresentação de Resultados 2T12. 10 de agosto de 2012 Apresentação de Resultados 2T12 10 de agosto de 2012 Aviso Legal Esta apresentação contém certas declarações futuras e informações relacionadas à Companhia que refletem as visões atuais e/ou expectativas

Leia mais

NUTRIPLANT ON (NUTR3M)

NUTRIPLANT ON (NUTR3M) NUTRIPLANT ON (NUTR3M) Cotação: R$ 1,79 (18/06/2014) Preço-Alvo (12m): R$ 2,10 Potencial de Valorização: 18% 4º. Relatório de Análise de Resultados (1T14) Recomendação: COMPRA P/L 14: 8,0 Min-Máx 52s:

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

Apresentação dos Resultados de 2T07. 15 de agosto de 2007

Apresentação dos Resultados de 2T07. 15 de agosto de 2007 Apresentação dos Resultados de 2T07 15 de agosto de 2007 1 Equipe da Cyrela Brazil Realty Diretor Presidente Elie Horn Diretor Financeiro e de Relações com Investidores Luis Largman Diretor de Controle

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS

11 MODELO DE PLANO DE CONTAS 11 MODELO DE PLANO DE CONTAS Apresentamos a seguir uma sugestão de plano de contas, para as empresas de construção civil, utilizável também por aquelas que trabalham com obras por empreitada MODELO DE

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

2010 Incapital Finance - 3

2010 Incapital Finance - 3 METODOLOGIAS PARA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BELO HORIZONTE - MG Apresentação: Palestra Fusões e Aquisições Cenários e Perspectivas Valuation Metodologias e Aplicações Desenvolvimento: Índice: 1. Introdução

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 8 de maio de 2015 Magazine Luiza Destaques do Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Luizacred Lucro Líquido Ganhos de market share, principalmente em tecnologia Receita

Leia mais

Projeção do Fluxo de Caixa Caso Prático

Projeção do Fluxo de Caixa Caso Prático Projeção do Fluxo de Caixa Caso Prático! Caso Prático envolvendo o Calculo da Depreciação, Investimentos, Capital de Giro e Financiamentos. Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

Apresentação de Resultados 4T06 / 2006

Apresentação de Resultados 4T06 / 2006 Apresentação de Resultados 4T06 / 2006 16 de Março de 2007 1 / 17 Visão Geral da São Carlos Rolando Mifano Presidente 2 / 17 Visão Geral da São Carlos A São Carlos é uma das principais empresas de investimentos

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

Apresentação Investidores

Apresentação Investidores Apresentação Investidores Abril de 2011 Aviso Importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros.tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia, e envolve riscos

Leia mais

BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO

BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO BUSINESS TO WORLD COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO Teleconferência e Webcast de Resultados Sexta-feira, 5 de novembro de 2010 Horário: 12:00 p.m. (Brasil) 10:00 a.m. (US EDT) Telefone: +55 (11) 4688.6361 Código:

Leia mais

Apresentação dos Resultados 3T06

Apresentação dos Resultados 3T06 Apresentação dos Resultados 3T06 Aviso Legal Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e às perspectivas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

BRASIL BROKERS. Reunião Anual com Investidores APIMEC-Rio 2010

BRASIL BROKERS. Reunião Anual com Investidores APIMEC-Rio 2010 BRASIL BROKERS Reunião Anual com Investidores APIMEC-Rio 2010 2010 Brasil 2010 Brokers Brasil Brokers Todos os Direitos Todos os Reservados Direitos Reservados Esta apresentação não constitui uma oferta,

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

RESULTADOS BRASIL BROKERS

RESULTADOS BRASIL BROKERS RESULTADOS BRASIL BROKERS 3º Trimestre 2010 Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro instrumento financeiro,

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos Exemplos de Aplicação de Projetos Cálculo do Valor de um Negócio ou Empresa; Avaliar Viabilidade de Projetos; Projetos para solicitação de Financiamentos.

Leia mais

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 14 de maio de 2012 - A Unidas S.A. anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto quando indicado o contrário.

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

Divulgação de Resultados do 4T13 e 2013

Divulgação de Resultados do 4T13 e 2013 R$ milhões R$ milhões R$ milhões R$ milhões Divulgação de Resultados do 4T13 e 2013 As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto quando indicado o contrário e, a partir de 2011,

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas AVALIAÇÃO PELO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO Valor da Empresa Determinado pelo fluxo de caixa projetado, descontado a uma taxa que reflita o risco associado ao investimento.

Leia mais

MÉTODO DE FLUXOS DE CAIXA LIVRES DO PASSADO Uma nova ferramenta para calcular o valor da sua empresa

MÉTODO DE FLUXOS DE CAIXA LIVRES DO PASSADO Uma nova ferramenta para calcular o valor da sua empresa MÉTODO DE FLUXOS DE CAIXA LIVRES DO PASSADO Uma nova ferramenta para calcular o valor da sua empresa O que é o Fluxo de Caixa Livre (FCL)? Qual as semelhanças e diferenças entre o FCL e o FCD (Fluxo de

Leia mais

Crescimento de 11,2% na. Receita Líquida. Controladora R$ 2,2 bi. +11,2% Consolidado R$ 4,0 bi. +10,5% Crescimento de 18,5% no EBITDA

Crescimento de 11,2% na. Receita Líquida. Controladora R$ 2,2 bi. +11,2% Consolidado R$ 4,0 bi. +10,5% Crescimento de 18,5% no EBITDA Resultados 3T15 GMV Receita Líquida Crescimento SSS GMV alcançou R$ 4,9 bilhões Crescimento de 11,2% na Receita Líquida Receita Líquida mesmas lojas de 9% no Trimestre Controladora R$ 2,2 bi. +11,2% Consolidado

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 06-11-2013 aula revisão 1 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 06-11-2013 aula revisão 1 Representação de Ativos 1) Um projeto produz um fluxo de caixa líquido depois de descontados

Leia mais

B2W DIGITAL Divulgação de Resultados 4T12/2012

B2W DIGITAL Divulgação de Resultados 4T12/2012 Estar Mais Próximo do Cliente B2W DIGITAL Divulgação de Resultados 4T12/2012 Considerações Gerais Considerações referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros,

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

Análise de Viabilidade Econômica

Análise de Viabilidade Econômica UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Análise de Viabilidade Econômica Régis Kovacs Scalice DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Objetivos

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO. Aracaju - SE BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O CIRCULANTE 160.805.445 138.417.

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO. Aracaju - SE BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O CIRCULANTE 160.805.445 138.417. BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O 2008 2007 CIRCULANTE 160.805.445 138.417.550 DISPONIBILIDADES 19.838.758 6.355.931 Caixa e bancos 2.931.388 3.021.874 Aplicações de liquidez imediata 16.907.370

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14 27 de fevereiro de 2015 Magazine Luiza Destaques 2014 Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Ajustado Luizacred Lucro Líquido Ajustado Crescimento da receita

Leia mais

Métricas empresariais

Métricas empresariais Métricas empresariais 1 Índice 1. Lista de Indicadores Setoriais Pág. 4 2. Métricas de Marketing Geral Pág. 5. Métricas de Propaganda Pág. 4. Métricas de Promoção Pág. 7 5. Métricas de Distribuição Pág.

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Balanço de Pagamentos Agosto/2015 22 de setembro de 2015 Resumo dos Resultados Em agosto de 2015, o déficit em Transações Correntes foi de US$ 2,5 bilhões, resultado superior ao observado em agosto de

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

Destaques Financeiros e Operacionais Consolidados

Destaques Financeiros e Operacionais Consolidados nte São Paulo, 7 de maio de 2010 A General Shopping Brasil S/A [BM&FBovespa: GSHP3], empresa com expressiva participação no mercado de shoppings centers do Brasil, anuncia hoje seus resultados do primeiro

Leia mais

Resultados do 1T14 09 de Maio de 2014

Resultados do 1T14 09 de Maio de 2014 Resultados do T4 09 de Maio de 204 Destaques do T4 x T3 FINANCEIROS Receita Bruta: R$ 287,6 milhões 7,6% Lucro Líquido Ajustado (cash earnings): R$ 33,3 milhões 4,7% Unidade de Títulos e Valores Mobiliários:

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2T15 31 de julho de 2015 Magazine Luiza Destaques do 2T15 Vendas E-commerce Ganho consistente de participação de mercado Redução na receita líquida de 10,1% para R$2,1 bilhões

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Elias Pereira Apresentação Professor Alunos Horário 19:00h às 23:00 h com 15 min. Faltas Avaliação

Leia mais

Apresentação à XP Corretora

Apresentação à XP Corretora Apresentação à XP Corretora Fonte: Bloomberg (gráfico GP em 27/Set/12) SÃO CARLOS EMPREENDIMENTOS ticker: SCAR3 (R$ 39,6/ação, +64% em 2012 e +83% em 12 meses) website: www.scsa.com.br 28/Set/12 YTD 2012

Leia mais

B2W Companhia Digital Divulgação de Resultados 1T13

B2W Companhia Digital Divulgação de Resultados 1T13 Estar Mais Próximo do Cliente B2W Companhia Digital Divulgação de Resultados 1T13 Considerações Gerais Considerações referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros,

Leia mais

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS! Se as linhas de crédito estão escassas, qual a melhor estratégia para suprir a empresa com recursos?! É possível manter a

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas CICLO APIMEC 2010 Índice RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas 3 RS no Brasil DADOS DEMOGRÁFICOS RS BRASIL População

Leia mais

Resultados 2T12 FLRY 3. Agosto / 2012

Resultados 2T12 FLRY 3. Agosto / 2012 Resultados 2T12 FLRY 3 Agosto / 2012 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS 2012 Aviso Legal Esta apresentação pode conter informações sobre eventos futuros. Tais informações não seriam apenas fatos históricos,

Leia mais

Teleconferência Resultados 3T10

Teleconferência Resultados 3T10 Teleconferência Resultados 3T10 Sexta-feira, 5 de Novembro de 2010 Horário: 14:00 (horário de Brasília) 12:00 (horário US EDT) Tel: + 55 (11) 4688-6361 Código: LASA Replay: + 55 (11) 4688-6312 Código:

Leia mais

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP:

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: 1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: a) Constituição de uma sociedade com capital totalmente integralizado de R$ 30.000 b) Compra à vista de mercadorias para

Leia mais

SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS

SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS Análise Econômica e Financeira Este relatório, elaborado pela Projeobra Engenharia Ltda., apresenta a análise econômica e financeira da implantação de um Shopping Popular

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

Resultados 4T05 e 2005

Resultados 4T05 e 2005 Resultados 4T05 e 2005 LUCRO DO SUBMARINO SOBE 192% EM 2005, A COMPANHIA APRESENTOU FLUXO DE CAIXA POSITIVO NO 4T05 E REVISOU O GUIDANCE PARA 2006 São Paulo, 13 de Fevereiro de 2006 - O Submarino S.A.

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA

MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA Amanda de Campos Diniz 1, Pedro José Raymundo 2

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

Como funciona a análise fundamentalista de ações

Como funciona a análise fundamentalista de ações Como funciona a análise fundamentalista de ações Entenda como os investidores analisam balanços e fazem contas para avaliar se determinada empresa está ou não barata Julia Wiltgen, de EXAME.com GETTY IMAGES

Leia mais

APLICABILIDADE E IMPORTÂNCIA DOS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

APLICABILIDADE E IMPORTÂNCIA DOS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Número do ISSN: 1981-2892 APLICABILIDADE E IMPORTÂNCIA DOS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS RESUMO O presente estudo versa sobre a importância dos aspectos relacionados ao desenvolvimento e a conceituação

Leia mais

Apresentação de Resultados do 2º trimestre de 2011. Agosto, 2011

Apresentação de Resultados do 2º trimestre de 2011. Agosto, 2011 Apresentação de Resultados do 2º trimestre de 2011 Agosto, 2011 2 Destaques Operacionais DESTAQUES OPERACIONAIS DO 2T11 & 1S11 2T11 LANÇAMENTOS PRO RATA PDG ALCANÇARAM R$2,05 BILHÕES NO 2T11, REPRESENTANDO

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP Renda Fixa Privada Notas Promissórias - NP Uma alternativa para o financiamento do capital de giro das empresas O produto A Nota Promissória (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper,

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2T12 e 1S12

EARNINGS RELEASE 2T12 e 1S12 São Paulo, 15 de agosto de 2012 - A Inbrands S.A. ( Inbrands ou Companhia ), uma empresa de consolidação e gestão de marcas de lifestyle e moda premium do Brasil, anuncia hoje os resultados do segundo

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

Divulgação de Resultados do 4T10

Divulgação de Resultados do 4T10 Divulgação de Resultados do 4T10 23 de fevereiro de 2011 Aviso Importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros.tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia,

Leia mais