EXPERIÊNCIA AMATA NO FORNECIMENTO DE MADEIRA PARA OS JOGOS OLÍMPICOS Patrick Reydams

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXPERIÊNCIA AMATA NO FORNECIMENTO DE MADEIRA PARA OS JOGOS OLÍMPICOS 2016. Patrick Reydams"

Transcrição

1 EXPERIÊNCIA AMATA NO FORNECIMENTO DE MADEIRA PARA OS JOGOS OLÍMPICOS 2016 Patrick Reydams XV ENCONTRO BRASILEIRO EM MADEIRAS E EM ESTRUTURAS DE MADEIRA CURITIBA, DE 9 A 11 DE MARÇO DE 2016

2 NOSSO NEGÓCIO FLORESTAS NOSSO NEGÓCIO MERCADO FLORESTA PLANTADA Madeira Sólida FLORESTA NATIVA MADEIRA CERTIFICADA Origem conhecida PRODUTO OS NÃO MADEIREIROS SERVIÇOS AMBIENTAIS Fibras Energia Fármacos Cosméticos Alimentos Créditos de Carbono

3 ONDE ESTAMOS Rondônia Pará - Castanhal, Paragominas, Ipixuna Mato Grosso do Sul Paraná São Paulo Valinhos 7

4 Jamari Manejo Florestal Sustentável e Indústria Primeira concessão florestal brasileira Área total: 46 mil ha RONDÔNIA Colheita: 21 mil m³ /ano Produção Serrado: 7 mil m³/ano 8

5 +N AMATARO LOCALIZAÇÃO DAS PROPRIEDADES e L L Ci dades FLONA JAMARI UMFIII - - ESTRADAS o = K m

6 UPA 04: ha Censo Área colhida em 2014 Área não colhida c m³/ha Árv/ha 80,7 16 Raras DMC Matrizes Aptas para corte Imagem de 2015 RONDÔNIA m³/ha Árv/ha 20,7 2,6 Ocas Risco. Não Loc Colhidas m³/ha Árv/ha 14,5 2,1 15

7 RASTREABILIDADE 1. Cada árvore tem um número que a identifica - RG 2. Após o corte, o número do RG é mantido no tronco 3. O mesmo número de RG também identifica a tora cortada 4. Quando a madeira é beneficiada, o RG identifica sua origem 5. Nos fardos de madeira, o RG identifica as toras usadas 6. No carregamento, o RG garante a origem do fardos 7. No produto acabado, o RG garante a qualidade e sua origem 11

8 Castanhal, Paragominas e Ipixuna Recuperação de áreas degradadas com plantio de espécies nativas 15 mil ha de área bruta ha de área de plantio Parceria com SCA PARÁ 17

9 AMATA-PA Plantio 1 an no 1 ano e 6 meses 3 ano nos 20

10 Três Lagoas Plantio de eucalipto para uso múltiplo 22 mil ha de área bruta MATO GROSSO DO SUL 14 mil ha de área de plantio 22

11 AMATA-MS 6 meses 1 mês 9 meses 12 meses: 7,5 m 20

12 Paraná Plantio de eucalipto e pinus para uso múltiplo 27 mil ha de área bruta PARANÁ 12 mil ha de área de plantio 26

13 AMATA-PR 5 anos: 4 x 4 m 20

14

15 O QUE A AMATA FORNECEU

16 VILA DOS ATLETAS

17 OLYMPIC GOLF COURSE

18 O QUE A AMATA FORNECEU Para o Complexo da Vila dos Atletas: Pergolados em madeira Tropical - FSC Revestimentos para Áreas externas em madeira Tropical FSC Para o Clube de Golfe: Piso para salão interno em madeira Tropical FSC Brises externos em madeira Tropical - FSC Suporte para Decking em madeira tropical FSC

19 POR QUE A BUSCA PELA MADEIRA CERTIFICADA? Proposta (PL6364/09) Determina que as empresas fornecedoras deverão ter Certificado de Origem da Madeira ambientalmente adequada.

20 DESAFIOS DA MADEIRA NO MERCADO BRASILEIRO Concorrência com Madeira Ilegal ou Legalizada; Pouca preocupação com a origem da Madeira por parte das construtoras e consumidores; Pouco entendimento de que a madeira é um recurso Vivo, com características singulares; Exigências e expectativas acima da realidade do material, comparando-o com recursos inertes como Concreto, Plástico e Metais; Auto custo de Logística; Carga tributária; Menor valorização da madeira, quando comparado com mercados tradicionais como Europa e Estados Unidos;

21 DESAFIOS DA MADEIRA NAS CONSTRUTORAS Especificação da madeira nas obras, baseada principalmente na cor ou aparência da espécie; Especificação feita, normalmente, por arquitetos ou designers, que tem pouco acesso à informações técnicas sobre as características da madeira; Planejamento de curto prazo, com cronogramas de entrega apertados, que dificultam a preparação adequada da madeira, mesmo em obras com prazos de construção longo; Alteração de especificação durante o processo de fabricação, ou especificação sem detalhes suficientes; Falta de local adequado para armazenamento da madeira na obra; A venda da madeira está, normalmente, condicionada a realização do serviço de entrega e instalação dos produtos, exigindo que o fornecedor possua mão de obra especializada;

22 PAPEL DOS PRODUTORES DE MADEIRA ar eventos nas áreas de construção civil e arquitetura para expor porque deve haver preocupação a origem da madeira, e como identificar a madeira LEGAL; Mostrar qual o impacto ambiental causado pela compra da madeira Ilegal; Como a certificação ajuda na garantia da origem e do cumprimento da Legislação Florestal; lhar junto com Arquitetos e Designers realizando Fóruns de compartilhamento de informação ica no uso da madeira; rar todas as possibilidades de espécies, com suas características particulares para cada uso; mos explicar, como é o processo de fabricação de cada produto orçado, mostrando a importância azo de entrega para a qualidade do produto; Teremos que lutar contra a cultura do mercado; ratos precisam conter todas as informações de especificação do produto, prazo e condições de dade do produto; samos entender a logística de entrega de materiais na obra que vamos atender. Muitas delas tem lemas com caminhões grandes, horários certos para descarregamento e falta de mão de obra para arregar o material; essário realizar treinamentos, em parceria com sistema S, para termos instaladores credenciados rincipais mercados e atender com qualidade e eficiência as obras;

23 OLYMPIC GOLF COURSE

24 OLYMPIC GOLF COURSE

25 OLYMPIC GOLF COURSE

26 PROJETO VILA DOS ATLETAS

27 PROJETO VILA DOS ATLETAS

28 PROJETO VILA DOS ATLETAS

29 PROJETO VILA DOS ATLETAS

30 OBRIGADO amatabrasil.com.br facebook.com/tuamata

CONTRATAÇÕES PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS ROBERTO S. WAACK

CONTRATAÇÕES PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS ROBERTO S. WAACK CONTRATAÇÕES PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS ROBERTO S. WAACK DEZEMBRO/2013 1 NOSSO NEGÓCIO FLORESTAS NOSSO NEGÓCIO MERCADO FLORESTA PLANTADA Madeira Sólida MADEIRA CERTIFICADA Fibras Energia FLORESTA NATIVA PRODUTOS

Leia mais

Florestas plantadas (cultivadas)

Florestas plantadas (cultivadas) Florestas plantadas (cultivadas) Curso de Engenharia Industrial Madeireira AT073 Introdução a Engenharia Industrial Madeireira Dr. Umberto Klock Professor - Departamento de Engenharia e Tecnologia Florestal

Leia mais

41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015

41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015 41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015 CENÁRIO MUNDIAL SETOR FLORESTAL PRESSÃO PARA PRESERVAÇÃO DAS FLORESTAS PRESSÃO PARA ABERTURA DE NOVAS FRONTEIRAS FLORESTA RISCO DE ESCASSEZ VALORIZAÇÃO 2 O BRASIL FLORESTAL

Leia mais

O Setor de Celulose e Papel

O Setor de Celulose e Papel O Setor de Celulose e Papel Polpa e Papel Tecnologia de produção de polpa celulósica e papel Dr. Umberto Klock Professor - Departamento de Engenharia e Tecnologia Florestal Setor de Ciências Agrárias UFPR

Leia mais

A empresa EMPRESA DA FAMÍLIA BALDASSO TRADICIONAL NO SETOR MADEIREIRO FUNDADA EM 1986 ATUAÇÃO: DIRETORES: MADEIRAS DE FLORESTA TROPICAL

A empresa EMPRESA DA FAMÍLIA BALDASSO TRADICIONAL NO SETOR MADEIREIRO FUNDADA EM 1986 ATUAÇÃO: DIRETORES: MADEIRAS DE FLORESTA TROPICAL A empresa EMPRESA DA FAMÍLIA BALDASSO TRADICIONAL NO SETOR MADEIREIRO FUNDADA EM 1986 ATUAÇÃO: MADEIRAS DE FLORESTA TROPICAL REFLORESTAMENTO AGRICULTURA DIRETORES: JOÃO CARLOS BALDASSO PRESIDENTE E DIRETOR

Leia mais

RETROSPECTIVA. retrospectiva

RETROSPECTIVA. retrospectiva RETROSPECTIVA retrospectiva Participação do PROGRAMA MADEIRA É LEGAL Expo GBC Brasil 11 a 13 de agosto de 2015 Transamerica Expo Center A Proposta Promover o uso sustentável de espécies de madeiras menos

Leia mais

REALIDADES E PERSPECTIVAS DA FILEIRA FLORESTAL DO BRASIL

REALIDADES E PERSPECTIVAS DA FILEIRA FLORESTAL DO BRASIL REALIDADES E PERSPECTIVAS DA FILEIRA FLORESTAL DO BRASIL A. Sérgio Fabres, sergio.fabres@portucelsoporcel.com RAIZ Instituto de Investigação da Floresta e Papel, Aveiro, Portugal I Encontro de Engenheiros

Leia mais

Banco do Brasil e o Agronegócio. Fevereiro 2012

Banco do Brasil e o Agronegócio. Fevereiro 2012 Banco do Brasil e o Agronegócio Fevereiro 2012 Banco do Brasil e o Agronegócio 61,6% do Crédito Rural/Agroindustrial no País (SNCR 30.09.2011); 77% dos valores aplicados no Pronaf (SNCR); 1,4 milhões de

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 406, DE 02 DE FEVEREIRO DE 2009

RESOLUÇÃO N o 406, DE 02 DE FEVEREIRO DE 2009 RESOLUÇÃO N o 406, DE 02 DE FEVEREIRO DE 2009 Publicado no DOU nº 26, de 06/02/2009, pág. 100 Estabelece parâmetros técnicos a serem adotados na elaboração, apresentação, avaliação técnica e execução de

Leia mais

Seminário Fluminense de Fomento Florestal Câmara Brasil- Alemanha RJ, IF-UFRRJ, IEF/SEMADUER

Seminário Fluminense de Fomento Florestal Câmara Brasil- Alemanha RJ, IF-UFRRJ, IEF/SEMADUER SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS DO FOMENTO FLORESTAL NO BRASIL Rubens Garlipp* Seminário Fluminense de Fomento Florestal Câmara Brasil- Alemanha RJ, IF-UFRRJ, IEF/SEMADUER Rio de Janeiro 31 de agosto 2006 * Engº

Leia mais

O projeto Florestas de Valor promove a conservação na Amazônia ao fortalecer as cadeias de produtos florestais não madeireiros e disseminar a

O projeto Florestas de Valor promove a conservação na Amazônia ao fortalecer as cadeias de produtos florestais não madeireiros e disseminar a Realização Patrocínio O projeto Florestas de Valor promove a conservação na Amazônia ao fortalecer as cadeias de produtos florestais não madeireiros e disseminar a agroecologia. Com o incentivo ao mercado

Leia mais

CRIAÇÃO DA MAIOR EMPRESA DE PAINÉIS DO HEMISFÉRIO SUL

CRIAÇÃO DA MAIOR EMPRESA DE PAINÉIS DO HEMISFÉRIO SUL + CRIAÇÃO DA MAIOR EMPRESA DE PAINÉIS DO HEMISFÉRIO SUL Junho / 2009 + 1 www.duratex.com.br www.satipel.com.br + Índice Disclaimer Objetivos da Associação Resumo da Operação Estrutura Societária Nova Duratex

Leia mais

Atividades de reflorestamento no Brasil, principais mercados estabelecidos e evolução

Atividades de reflorestamento no Brasil, principais mercados estabelecidos e evolução Atividades de reflorestamento no Brasil, principais mercados estabelecidos e evolução dos preços da madeira Carlos José Caetano Bacha Professor Titular da ESALQ/USP E-mail: cjcbacha@esalq.usp.br Fone:

Leia mais

SISTEMA DE DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL/DOF/IBAMA

SISTEMA DE DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL/DOF/IBAMA SISTEMA DE DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL/DOF/IBAMA APRESENTAÇÃO O sistema DOF é um sistema eletrônico de âmbito federal, desenvolvido e mantido pelo IBAMA como ferramenta para o monitoramento e controle

Leia mais

SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO N 6, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010

SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO N 6, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010 SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO N 6, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010 Institui o Sistema de Cadeia de Custódia das Concessões Florestais com o objetivo de controle da produção e controle

Leia mais

Manejo Florestal. 1.Conceito. 2.Criação. 3.Razões para o Manejo Florestal

Manejo Florestal. 1.Conceito. 2.Criação. 3.Razões para o Manejo Florestal Manejo Florestal 1.Conceito A Lei de Gestão de Florestas Públicas define manejo florestal como a administração da floresta para a obtenção de benefícios econômicos, sociais e ambientais, respeitando-se

Leia mais

no campo social, o setor de papel e celulose gera empregos, ajuda a reduzir a pobreza e inclui os pequenos produtores na cadeia da economia.

no campo social, o setor de papel e celulose gera empregos, ajuda a reduzir a pobreza e inclui os pequenos produtores na cadeia da economia. o plantio em mosaico, áreas de florestas plantadas intercaladas com áreas de preservação natural, propicia um ambiente adequado para a conservação dos ecossistemas e a reprodução da fauna e da flora. no

Leia mais

A Prática da Sustentabilidade pelas Empresas de Base Florestal. Celso Foelkel www.eucalyptus.com.br

A Prática da Sustentabilidade pelas Empresas de Base Florestal. Celso Foelkel www.eucalyptus.com.br A Prática da Sustentabilidade pelas Empresas de Base Florestal Celso Foelkel www.eucalyptus.com.br Sustentabilidade Visão Antropocêntrica Visão Dinâmica de Longo Prazo As pessoas que plantam florestas

Leia mais

Consultoria p a r a a t e n d imento à NBR 1 5 5 7 5 CIVIL RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS S E N A I C I M A T E C REALIZAÇÃO

Consultoria p a r a a t e n d imento à NBR 1 5 5 7 5 CIVIL RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS S E N A I C I M A T E C REALIZAÇÃO RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS Programa NORMA DE de adequação DESEMPENHO de processos para GRUPO atendimento MINAS GERAIS a NBR 15575 REALIZAÇÃO O SENAI Minas 74 anos de experiência 3,3 mil funcionários

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 Etimologia e evolução histórica Etimologia Evolução histórica A erva-mate nas diferentes regiões produtoras CAPÍTULO 2

SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 Etimologia e evolução histórica Etimologia Evolução histórica A erva-mate nas diferentes regiões produtoras CAPÍTULO 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... CAPÍTULO 1... Etimologia e evolução histórica... 1. Etimologia... 2. Evolução histórica... 3. A erva-mate nas diferentes regiões produtoras... 3.1. A erva-mate na Argentina... 3.2.

Leia mais

Experiências de manejo florestal envolvendo uma parceria comunidades / empresas. Philippe Sablayrolles, Dr GRET / Projeto Floresta em Pé

Experiências de manejo florestal envolvendo uma parceria comunidades / empresas. Philippe Sablayrolles, Dr GRET / Projeto Floresta em Pé Experiências de manejo florestal envolvendo uma parceria comunidades / empresas Philippe Sablayrolles, Dr GRET / Projeto Floresta em Pé 1 Sequência Contexto da relação E/C (Pará) e problemática Pistas

Leia mais

Romeu Reguengo Novembro 2012. Estruturas Pré-fabricadas em Betão

Romeu Reguengo Novembro 2012. Estruturas Pré-fabricadas em Betão Estruturas Pré-fabricadas em Betão Introdução A pré-fabricação de edifícios surge na Europa, após a II Guerra Mundial, como forma de resposta rápida à falta de habitação nos países mais destruídos. O desenvolvimento

Leia mais

Área de CONSTRUÇÃO CIVIL RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS NORMA DE DESEMPENHO GRUPO MINAS GERAIS S E N A I C I M A T E C REALIZAÇÃO

Área de CONSTRUÇÃO CIVIL RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS NORMA DE DESEMPENHO GRUPO MINAS GERAIS S E N A I C I M A T E C REALIZAÇÃO Palestra - NBR 15575 Desempenho das Edificações RESULTADOS ADEQUAÇÃO DE PROCESSOS NORMA DE DESEMPENHO GRUPO MINAS GERAIS REALIZAÇÃO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA APRESENTAÇÃO A Construtora Lage foi fundada em

Leia mais

Lei da Biodiversidade

Lei da Biodiversidade Lei da Biodiversidade CONCEITOS IMPORTANTES Patrimônio Genético: Informação de origem genética contida nos seres vivos, princípios ativos, proteínas, enzimas... Conhecimento Tradicional Associado: conhecimento

Leia mais

Certificação Florestal: importância Estratégica para o Setor de Celulose e Papel Brasileiro

Certificação Florestal: importância Estratégica para o Setor de Celulose e Papel Brasileiro : importância Estratégica para o Setor de Celulose e Papel Brasileiro Seminário sobre Certificação Florestal Rio de Janeiro, 12 de dezembro de 2007 Rosane Borges Representante da Bracelpa junto ao INMETRO

Leia mais

Financiamento ao Fomento Florestal

Financiamento ao Fomento Florestal Financiamento ao Fomento Florestal 03/10/2012 FINANCIAMENTO A PROJETOS DE FOMENTO FLORESTAL Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Programa ABC / BNDES Automático 1 Agenda

Leia mais

Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos

Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos Murillo Freire Junior Embrapa Agroindústria de Alimentos Rio de Janeiro, RJ 15/03/2016 Perdas e Desperdícios de

Leia mais

Fórum de Desenvolvimento Sustentável de Salesópolis Potencialidades do Eucalipto

Fórum de Desenvolvimento Sustentável de Salesópolis Potencialidades do Eucalipto VISÃO GERAL DA CADEIA PRODUTIVA DO EUCALIPTO TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS Rubens Garlipp* Fórum de Desenvolvimento Sustentável de Salesópolis Potencialidades do Eucalipto Salesópolis- SP 03 de maio 2006 *

Leia mais

Planejamento de Marketing MANUAL DO CURSO

Planejamento de Marketing MANUAL DO CURSO Planejamento de Marketing MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Relacionamento: (11) 5081-8200 (opção 1) Segunda a sexta 9h às 20h45 Sábado 9h

Leia mais

Um modelo sustentável de arranjo produtivo de base florestal. José Totti Diretor Florestal

Um modelo sustentável de arranjo produtivo de base florestal. José Totti Diretor Florestal Um modelo sustentável de arranjo produtivo de base florestal José Totti Diretor Florestal 111 anos de tradição Maior produtora e exportadora e recicladora de papéis do País Líder na produção de papéis

Leia mais

A macaúba pode gerar produtos de alto valor agregado, como óleo para cosméticos, óleos alimentícios e carvão ativado.

A macaúba pode gerar produtos de alto valor agregado, como óleo para cosméticos, óleos alimentícios e carvão ativado. Escrito por: Renato Anselmi Link: Panorama Rural A macaúba pode gerar produtos de alto valor agregado, como óleo para cosméticos, óleos alimentícios e carvão ativado. Minas Gerais está se tornando berço

Leia mais

Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%)

Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%) 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 30/12/1943 - Distância da capital: 71 km - Área: 240 Km 2 - Localização Mesorregião: Agreste Potiguar Microrregião: Agreste Potiguar - População: 14.483 (IBGE/2007)

Leia mais

EXPOMINAS. 06 a 09 de AGOSTO. www.feiraconstruir.com.br/minas

EXPOMINAS. 06 a 09 de AGOSTO. www.feiraconstruir.com.br/minas A FEIRA DE NEGócios e tendências da construção EXPOMINAS 06 a 09 de AGOSTO www.feiraconstruir.com.br/minas A FEIRA O Minascon/Construir Minas Feira Internacional da Construção foi idealizada para unir

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

Diagnóstico. Parceria 21 IBAM - ISER

Diagnóstico. Parceria 21 IBAM - ISER Diagnóstico Parceria 21 IBAM - ISER Algumas das grandes questões sociais no Brasil Conflitos de uso da terra; (grandes latifúndios e trabalhadores sem terra) Respeito e preservação de culturas tradicionais

Leia mais

ROUPAS PROFISSIONAIS DE QUALIDADE

ROUPAS PROFISSIONAIS DE QUALIDADE ROUPAS PROFISSIONAIS DE QUALIDADE ÍNDICE 04 CONCEITO 06 OBJETIVOS 08 QUEM RECOMENDA 10 QUEM PRODUZ 12 QUEM COMPRA 14 QUEM USA 16 QUALIDADE 18 RESPONSABILIDADE SOCIAL 19 RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Introdução

Leia mais

Ivone Satsuki Namikawa Sustentabilidade Florestal Klabin Conselho Diretor FSC Brasil

Ivone Satsuki Namikawa Sustentabilidade Florestal Klabin Conselho Diretor FSC Brasil Conservação Ambiental, Certificação e Fomento Florestal: Princípios e Critérios. 03/10/2012 Ivone Satsuki Namikawa Sustentabilidade Florestal Klabin Conselho Diretor FSC Brasil Certificação Benefícios

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 11029 1000 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Certificação

Leia mais

MÓVEIS ESCOLARES CADEIRA E MESA PARA CONJUNTO ALUNO INDIVIDUAL. Portaria Inmetro 105/2012 e 184/2015 Códigos: 3795 Cadeira e 3796 - Mesa

MÓVEIS ESCOLARES CADEIRA E MESA PARA CONJUNTO ALUNO INDIVIDUAL. Portaria Inmetro 105/2012 e 184/2015 Códigos: 3795 Cadeira e 3796 - Mesa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

A Análise SWOT (FOFA)

A Análise SWOT (FOFA) A Análise SWOT (FOFA) Diagnóstico estratégico que permite estabelecer relação entre os pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças no ambiente organizacional SWOT e FOFA Strenght Weakness Forças Oportunidades

Leia mais

CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO

CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 1 CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 2 CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 23 e 24 de agosto de 2016 FAE BUSINESS SCHOOL Curitiba - PR 3 CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO PROGRAMA Dia 1 23 de agosto

Leia mais

ANTONIO MARTINS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

ANTONIO MARTINS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 08/05/1963 - Distância da capital: 357 km - Área: 245 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Umarizal - População: 6.997 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

" Não importa o tamanho da sua Obra, a Esquadrias Bragança tem a opção mais adequada para você "

 Não importa o tamanho da sua Obra, a Esquadrias Bragança tem a opção mais adequada para você " Não importa o tamanho da sua Obra, a Esquadrias Bragança tem a opção mais adequada para você " Empresa Esquadrias Bragança ESQUADRIAS BRAGANÇA - Nosso atendimento é extremamente diferenciado; - Os produtos

Leia mais

SEBRAE/RS. Regional Centro

SEBRAE/RS. Regional Centro SEBRAE/RS Regional Centro Missão do SEBRAE Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo. Público Alvo do SEBRAE Produtores Rurais:

Leia mais

Instruções para elaboração de TCC ANÁLISE DE MERCADO

Instruções para elaboração de TCC ANÁLISE DE MERCADO INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA PROGRAMAS CERTIFICATES Instruções para elaboração de TCC ANÁLISE DE MERCADO Estas instruções para elaboração de TCC do tipo Melhoria de Processo possuem três tópicos:

Leia mais

Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS

Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS Elaboração do Plano de Gestão de Logística Sustentável do Senado Federal - PGLS Sustentabilidade Contexto Aumento no número de pessoas Maior quantidade de recursos explorados Produção e consumo: compras

Leia mais

Histórico e Objetivos

Histórico e Objetivos Histórico e Objetivos A PINI, ao longo de sua trajetória tem contribuído de forma ativa para a formação, atualização e treinamento profissional de engenheiros, arquitetos, projetistas e gestores da construção

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Readequação de espaços divisórias em drywall FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA Readequação de espaços divisórias em drywall FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Readequação de espaços divisórias em drywall FÁBRICAS DE CULTURA JAÇANÃ ÍNDICE DO TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA 1. OBJETIVO GERAL 2. JUSTIFICATIVA 3. DA MODALIDADE DA CONTRATAÇÃO 4. DISPOSIÇÕES

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Impermeabilização da laje de cobertura do prédio principal FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA Impermeabilização da laje de cobertura do prédio principal FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA laje de cobertura do prédio principal FÁBRICAS DE CULTURA BRASILÂNDIA ÍNDICE DO TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA 1. OBJETIVO GERAL 2. JUSTIFICATIVA 3. DA MODALIDADE DA CONTRATAÇÃO 4. DISPOSIÇÕES

Leia mais

MADEIRA ILEGAL E PREDATÓRIA NA REGIÃO DE SANTARÉM UM ESTUDO DE CASO

MADEIRA ILEGAL E PREDATÓRIA NA REGIÃO DE SANTARÉM UM ESTUDO DE CASO Campanha Amazônia MADEIRA ILEGAL E PREDATÓRIA NA REGIÃO DE SANTARÉM UM ESTUDO DE CASO Outubro 2001 Marcelo Marquesini/Gavin Edwards Segundo o Governo Brasileiro cerca de 80% da madeira retirada da Amazônia

Leia mais

Inventário Florestal Nacional. Funções Socioambientais das Florestas Distrito Federal e Ceará

Inventário Florestal Nacional. Funções Socioambientais das Florestas Distrito Federal e Ceará IV Simpósio Nacional de Inventário Florestal Goiânia, 29/06/2016 Inventário Florestal Nacional Funções Socioambientais das Florestas e Camila Paula de Oliveira Consultora FAO/ Serviço Florestal Brasileiro

Leia mais

Ganha o Brasil, ganha o Ceará, ganham todos os cearenses!

Ganha o Brasil, ganha o Ceará, ganham todos os cearenses! Ganha o Brasil, ganha o Ceará, ganham todos os cearenses! O P A Refinaria Premium do Ceará é um compromisso firmado há alguns anos pelo Governo Federal com o Ceará. Chegou a hora de exigirmos que a Refinaria

Leia mais

SIRENE SEM FIO EXTERNA STK 116 SIRENE SEM FIO EXTERNA STK

SIRENE SEM FIO EXTERNA STK 116 SIRENE SEM FIO EXTERNA STK SIRENE SEM FIO EXTERNA STK 116 www.samtek.com.br SIRENE SEM FIO EXTERNA STK 116 Agradecemos a sua preferência por nossos produtos. Nossos produtos possuem vários certificados nacionais e internacionais

Leia mais

Projetos CUSTOS. Prof. Anderson Valadares

Projetos CUSTOS. Prof. Anderson Valadares Projetos CUSTOS Prof. Anderson Valadares Gerenciamento de custo O gerenciamento de custos visa essencialmente assegurar aos patrocinadores que o projeto será concluído dentro do orçamento aprovado. Gerenciamento

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO SETOR FLORESTAL PARA MINAS GERAIS E BRASIL

IMPORTÂNCIA DO SETOR FLORESTAL PARA MINAS GERAIS E BRASIL IMPORTÂNCIA DO SETOR FLORESTAL PARA MINAS GERAIS E BRASIL Universidade Federal de Viçosa MG Departamento de Engenharia Florestal Professor Márcio Lopes da Silva Florestas Plantadas no Brasil As florestas

Leia mais

Outubro de 2009. Programa de Desenvolvimento Florestal

Outubro de 2009. Programa de Desenvolvimento Florestal Outubro de 2009 Programa de Desenvolvimento Florestal 1. Arranjo Institucional e Normativo 2. Inovar em modelos de financiamento 3 Abastecimento 4. Formação de Estoques 5. Pesquisa e Desenvolvimento 1.

Leia mais

Compensação Vegetal e a Lei Complementar nº 757/15 Inovações, Desafios e Perspectivas

Compensação Vegetal e a Lei Complementar nº 757/15 Inovações, Desafios e Perspectivas Porto Alegre 02 de junho de 2016 Compensação Vegetal e a Lei Complementar nº 757/15 Inovações, Desafios e Perspectivas João Roberto Meira Biólogo Estima-se que 60% das espécies de animais e plantas do

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO REV. 00 Rodovia PR-317 Km 106+200m Maringá PR Tel.: (44) 3033-6000 Fax: (44) 3033-6060 CEP 87065-005 http://www.viapar.com.br Sumário 1. FLUXOGRAMA

Leia mais

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Belém, PA Junho -2016 1 Mercado de Floresta Plantada 2 Mercado de Floresta Plantada Distribuição

Leia mais

O mercado de trabalho na Região Metropolitana de Salvador: uma análise retrospectiva de 2009 e as perspectivas para 2010

O mercado de trabalho na Região Metropolitana de Salvador: uma análise retrospectiva de 2009 e as perspectivas para 2010 ENCONTROS DE ATUALIDADES ECONÔMICAS O mercado de trabalho na Região Metropolitana de Salvador: uma análise retrospectiva de 2009 e as perspectivas para 2010 Prof. Dr. Laumar Neves de Souza Diagrama do

Leia mais

"Projeto Investidor 2009" Mogno Africano. Considerações Ambientais

Projeto Investidor 2009 Mogno Africano. Considerações Ambientais "Projeto Investidor 2009" O projeto diz respeito ao estabelecimento de 1.000 hectares de Mogno Africano, ou seja, o Khaya senegalenses na terra. Na Austrália Ocidental e no Norte do Extremo Queensland

Leia mais

OLIVEIRA TRUST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

OLIVEIRA TRUST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. MAIO Rio de Janeiro, 27 de maio de 2013. À OLIVEIRA TRUST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (na qualidade de administradora do TRX Realty Logística Renda I Fundo de Investimento Imobiliário

Leia mais

FORNECEDORES PETROBRAS

FORNECEDORES PETROBRAS FORNECEDORES PETROBRAS CONTEÚDO LOCAL E&P-CORP/CBS CONTEÚDO LOCAL PRINCÍPIOS DO CONTEÚDO LOCAL IMPORTÂNCIA PARA O BRASIL Aumento do parque fabril; Maior valor agregado do que é produzido no pais; Investimento

Leia mais

DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL

DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL DOF APRESENTAÇÃO O Documento de Origem Florestal (DOF) é uma licença obrigatória de transporte de produtos e subprodutos florestais de Origem de espécies nativas. LEGISLAÇÕES

Leia mais

Questões Gerais de Geometria Plana

Questões Gerais de Geometria Plana Aula n ọ 0 Questões Gerais de Geometria Plana 01. Uma empresa produz tampas circulares de alumínio para tanques cilíndricos a partir de chapas quadradas de metros de lado, conforme a figura. Para 1 tampa

Leia mais

Economia Verde na Amazonia: Desafios na Valorização da Floresta em Pé. USP/Instituto de Estudos Avançados

Economia Verde na Amazonia: Desafios na Valorização da Floresta em Pé. USP/Instituto de Estudos Avançados Economia Verde na Amazonia: Desafios na Valorização da Floresta em Pé. USP/Instituto de Estudos Avançados Roberto S. Waack roberto@amatabrasil.com.br 1 NOSSO NEGÓCIO FLORESTA Floresta Plantadas NOSSO NEGÓCIO

Leia mais

Shopper Marketing: A Influência no Momento da Compra MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP.

Shopper Marketing: A Influência no Momento da Compra MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Shopper Marketing: A Influência no Momento da Compra MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Relacionamento: (11) 5081-8200 (opção 1) Segunda a

Leia mais

Rastreabilidade de Medicamentos. Ana Paola Negretto Serviço de Farmácia Hospital e Maternidade Santa Joana e Pro Matre Paulista

Rastreabilidade de Medicamentos. Ana Paola Negretto Serviço de Farmácia Hospital e Maternidade Santa Joana e Pro Matre Paulista Rastreabilidade de Medicamentos Ana Paola Negretto Serviço de Farmácia Hospital e Maternidade Santa Joana e Pro Matre Paulista 61 anos de história; Acreditação ONA (Organização Nacional de Acreditação)

Leia mais

Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham) POA.

Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham) POA. Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham) POA http://www.amcham.com.br/ Missão do Comitê de Sustentabilidade Promover o diálogo e a mobilização sobre sustentabilidade por meio de diferentes

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Olhando para o Futuro: Brasília 12NOV2015 As portarias do Inmetro que instituem a certificação compulsória das lâmpadas de Led com

Leia mais

FLORESTAS TROPICAIS E PRODUTOS DE MAIOR VALOR AGREGADO NATURAL FORESTS AND ADDED VALUE PRODUCTS. Murilo Granemann. November, 2006

FLORESTAS TROPICAIS E PRODUTOS DE MAIOR VALOR AGREGADO NATURAL FORESTS AND ADDED VALUE PRODUCTS. Murilo Granemann. November, 2006 FLORESTAS TROPICAIS E PRODUTOS DE MAIOR VALOR AGREGADO NATURAL FORESTS AND ADDED VALUE PRODUCTS November, 2006 Murilo Granemann TRIÂNGULO MANOA A FLORESTA TROPICAL E PRODUTOS DE MAIOR VALOR AGREGADO A

Leia mais

SELEÇÃO INTERNA DE PROFESSORES. Curso de Marketing EDITAL DE SELEÇÃO

SELEÇÃO INTERNA DE PROFESSORES. Curso de Marketing EDITAL DE SELEÇÃO SELEÇÃO INTERNA DE PROFESSORES Curso de Marketing EDITAL DE SELEÇÃO O coordenador do curso de Marketing, Prof. Cláudio José Faleiros, nos termos das regras fixadas pela Pró-Reitoria de Graduação do Uni-BH,

Leia mais

LEGISLAÇÃO SANITÁRIA FEDERAL DE LEITE E DERIVADOS

LEGISLAÇÃO SANITÁRIA FEDERAL DE LEITE E DERIVADOS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL SERVIÇO DE INSPEÇÃO DE LEITE E DERIVADOS LEGISLAÇÃO SANITÁRIA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE GARANTIA DE CRÉDITO DA SERRA GAÚCHA. Fórum Permanente Brasília DF Out/2011

ASSOCIAÇÃO DE GARANTIA DE CRÉDITO DA SERRA GAÚCHA. Fórum Permanente Brasília DF Out/2011 ASSOCIAÇÃO DE GARANTIA DE CRÉDITO DA SERRA GAÚCHA Fórum Permanente Brasília DF Out/2011 INSTITUCIONAL Por que criar uma SGC? DIFICULDADES DAS MPES Crédito e Fomento...60 % Acesso a Mercados...21% Consultoria

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PRESIDENTE PRUDENTE LEI Nº 8875/2015

CÂMARA MUNICIPAL DE PRESIDENTE PRUDENTE LEI Nº 8875/2015 CÂMARA MUNICIPAL DE PRESIDENTE PRUDENTE LEI Nº 8875/2015 Dispõe sobre: Institui o Imposto Predial e Territorial Urbano IPTU Ecológico no Município de Presidente Prudente-SP. Autor: Vereador VALMIR DA SILVA

Leia mais

A DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS NO BRASIL

A DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS NO BRASIL A DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS NO BRASIL Perspectivas e Desafios 4º LUBGRAX Meeting agosto 2013 Quem é a ASSOCIQUIM? A Associação Brasileira dos Distribuidores de Produtos Químicos e Petroquímicos,

Leia mais

ENGENHARIA EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS

ENGENHARIA EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS Python, uma história consolidada pela competência. Atuando desde 1976, a Python Engenharia desenvolveu e consolidou uma cultura técnica que permite atuar com desenvoltura e absoluta eficiência no desenvolvimento

Leia mais

SANTARÉM, PARÁ. BELTERRA, PARÁ 2014 AGOSTO, 2016

SANTARÉM, PARÁ. BELTERRA, PARÁ 2014 AGOSTO, 2016 SANTARÉM, PARÁ. BELTERRA, PARÁ 2014 AGOSTO, 2016 Histórico e contextualização Criação da Florestal Nacional dotapajós pelo decreto 73.684em 1974 Termo de ajustamento de conduta celebrado em 1998 em IBAMA

Leia mais

RELATÓRIO DE COMBATE AO INCÊDIO OCORRIDO NA ÁREA DE 32 HECTARES DO PROJETO DE RECUPERAÇÃO, EM NOVA MUTUM PARANÁ

RELATÓRIO DE COMBATE AO INCÊDIO OCORRIDO NA ÁREA DE 32 HECTARES DO PROJETO DE RECUPERAÇÃO, EM NOVA MUTUM PARANÁ Porto Velho, 27/09/2010. RELATÓRIO DE COMBATE AO INCÊDIO OCORRIDO NA ÁREA DE 32 HECTARES DO PROJETO DE RECUPERAÇÃO, EM NOVA MUTUM PARANÁ Entre os dias 20 e 24 de setembro de 2010, foi relatada a ocorrência

Leia mais

Apresentação. Até breve e boa leitura. Denise Hamú. José Amaral Wagner Neto. Secretária-Geral WWF-Brasil. Diretor Executivo Fundação Florestal

Apresentação. Até breve e boa leitura. Denise Hamú. José Amaral Wagner Neto. Secretária-Geral WWF-Brasil. Diretor Executivo Fundação Florestal Apresentação O termo sustentabilidade tem sido empregado no Brasil de forma freqüente. Com os cenários preocupantes das mudanças climáticas, a cada dia um maior número de indivíduos, empresas e governos

Leia mais

O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal

O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Miguel Sampol Pou Diretor Geral, Klabin S.A. Curitiba, PR Agosto

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Mecanismos Financeiros para a Biodiversidade

Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Mecanismos Financeiros para a Biodiversidade Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Mecanismos Financeiros para a Biodiversidade Manaus, Junho de 2010 New Orleans- 2005 Amazonas - 2005 165 billion 9 Movimento das chuvas no planeta Biodiversidade,

Leia mais

Um bairro com novas cores e bem pertinho da praia.

Um bairro com novas cores e bem pertinho da praia. Com acesso facilitado pela orla, o Imbuí sempre se destacou pela sua praticidade. Próximo a grandes shoppings, faculdades e ao principal centro financeiro da cidade, o bairro foi completamente revitalizado,

Leia mais

Live Marketing: Experiências ao Vivo para Estabelecer Envolvimento Relevante com os Consumidores MANUAL DO CANDIDATO ESPM

Live Marketing: Experiências ao Vivo para Estabelecer Envolvimento Relevante com os Consumidores MANUAL DO CANDIDATO ESPM Live Marketing: Experiências ao Vivo para Estabelecer Envolvimento Relevante com os Consumidores MANUAL DO CANDIDATO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Candidatos:

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO E DOS CONSUMOS INTERNO E EXTERNO DE MADEIRA SERRADA DO BRASIL Patrícia Lombardi Perez 1 Carlos José Caetano Bacha 2

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO E DOS CONSUMOS INTERNO E EXTERNO DE MADEIRA SERRADA DO BRASIL Patrícia Lombardi Perez 1 Carlos José Caetano Bacha 2 EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO E DOS CONSUMOS INTERNO E EXTERNO DE MADEIRA SERRADA DO BRASIL Patrícia Lombardi Perez 1 Carlos José Caetano Bacha 2 Este artigo foi publicado na revista Agroanalyses (FGV), Agosto/2006

Leia mais

publicada no DOU de 3 de agosto de 2007, os indicadores a serem utilizados no

publicada no DOU de 3 de agosto de 2007, os indicadores a serem utilizados no Essa Resolução foi publicada no Diário Oficial da União, dia 11 de outubro de 2007, Seção 1, páginas 107, 108 e 109. RESOLUÇÃO N o 03, DE 05 DE OUTUBRO DE 2007 O CONSELHO DIRETOR DO SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO,

Leia mais

Termômetro tributário

Termômetro tributário Termômetro tributário Tendências e desafios do profissional no Brasil Dezembro, 2015 O estudo traz indicadores que demonstram que o gestor tributário tem se mostrado cada vez mais multifacetado, qualificado,

Leia mais

ANEXO XI (CONSOLIDADO) PARÂMETROS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO XI (CONSOLIDADO) PARÂMETROS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO XI (CONSOLIDADO) PARÂMETROS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. INTRODUÇÃO 1.1. Este anexo tem por objetivo orientar as Licitantes na elaboração do Plano de Negócios, conforme requerido no Edital,

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DA QUALIDADE DA MADEIRA COMPENSADOS DE MADEIRA TROPICAL E PINUS PNQM-CT E PNQM-CP

PROGRAMA NACIONAL DA QUALIDADE DA MADEIRA COMPENSADOS DE MADEIRA TROPICAL E PINUS PNQM-CT E PNQM-CP PROGRAMA NACIONAL DA QUALIDADE DA MADEIRA COMPENSADOS DE MADEIRA TROPICAL E PINUS PNQM-CT E PNQM-CP PARÂMETROS REV. 4 (24/09/2004) 1 CLASSIFICAÇÃO DAS TORAS Classe 1: Densidade Classe 2: Densidade Classe

Leia mais

Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 2º Trimestre de 2011

Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 2º Trimestre de 2011 Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial 2º Trimestre de 2011 São Paulo, março de 2011 ASPECTOS GERAIS Objetivo da Pesquisa Obter as expectativas dos profissionais do mercado para os principais

Leia mais

Live Marketing: Experiências ao Vivo para Estabelecer Envolvimento Relevante com os Consumidores MANUAL DO CURSO ESPM

Live Marketing: Experiências ao Vivo para Estabelecer Envolvimento Relevante com os Consumidores MANUAL DO CURSO ESPM Live Marketing: Experiências ao Vivo para Estabelecer Envolvimento Relevante com os Consumidores MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Relacionamento:

Leia mais

FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS -MDIC- GRUPO DE TRABALHO Madeira e Florestas. São Paulo/SP Setembro 2000

FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS -MDIC- GRUPO DE TRABALHO Madeira e Florestas. São Paulo/SP Setembro 2000 FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS -MDIC- GRUPO DE TRABALHO Madeira e Florestas São Paulo/SP Setembro 2000 FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS

Leia mais

Curso de Capacitação de Gestores Municipais para Inventário de GEE e Ações de Mudanças Climáticas

Curso de Capacitação de Gestores Municipais para Inventário de GEE e Ações de Mudanças Climáticas Curso de Capacitação de Gestores Municipais para Inventário de GEE e Ações de Mudanças Climáticas Plano de Ação Municipal em Mudanças Climáticas e Monitoramento dos Resultados Florence Karine Laloë Gerente

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI GUAÇU/SP Secretaria da Fazenda - Divisão de Arrecadação Setor de Cadastro Mobiliário CHECKLIST

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI GUAÇU/SP Secretaria da Fazenda - Divisão de Arrecadação Setor de Cadastro Mobiliário CHECKLIST PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI GUAÇU/SP Secretaria da Fazenda - Divisão de Arrecadação Setor de Cadastro Mobiliário CHECKLIST OBSERVAÇÃO: POR PROPOSTA DESTE SETOR SUGERIMOS ANTES DE EFETUAR OS PROCEDIMENTOS

Leia mais

Programa Municipal HABITAÇÃO SUSTENTÁVEL IBIRAREMA SP

Programa Municipal HABITAÇÃO SUSTENTÁVEL IBIRAREMA SP Programa Municipal HABITAÇÃO SUSTENTÁVEL IBIRAREMA SP THIAGO BRIGANÓ Professor UENP; Especialista em Gestão Pública FEMA; 3 Mandato Eletivo: o Vereador (2005 a 2012); o Presidente da Câmara Municipal (2011

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA OBTER LIGAÇÃO DE ÁGUA E PARA MONTAGEM DA MURETA PADRÃO DE LIGAÇÃO DE ÁGUA DA SANESC

INSTRUÇÕES PARA OBTER LIGAÇÃO DE ÁGUA E PARA MONTAGEM DA MURETA PADRÃO DE LIGAÇÃO DE ÁGUA DA SANESC Instrução Normativa a partir de 01 de Junho de 2014 INSTRUÇÕES PARA OBTER LIGAÇÃO DE ÁGUA E PARA MONTAGEM DA MURETA PADRÃO DE LIGAÇÃO DE ÁGUA DA SANESC Passo 1 Certifique a disponibilidade do serviço de

Leia mais

Negociação e Resolução de Conflitos MANUAL DO CURSO

Negociação e Resolução de Conflitos MANUAL DO CURSO Negociação e Resolução de Conflitos MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Candidatos: (11) 5081-8200 (Opção1) Segunda a sexta 9h às 21h Sábado

Leia mais

Importância do Setor de P&G para Micro e Pequenas Empresas. Paulínia Petróleo e Gás 2013 21 e 22 de Agosto 2013

Importância do Setor de P&G para Micro e Pequenas Empresas. Paulínia Petróleo e Gás 2013 21 e 22 de Agosto 2013 Importância do Setor de P&G para Micro e Pequenas Empresas Paulínia Petróleo e Gás 2013 21 e 22 de Agosto 2013 INSTITUCIONAL VISÃO Ter excelência no desenvolvimento dos pequenos negócios, contribuindo

Leia mais

Código de Boas Práticas para a correta Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RC&D) Serviço de Ambiente

Código de Boas Práticas para a correta Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RC&D) Serviço de Ambiente Código de Boas Práticas para a correta Gestão de Resíduos de Construção e Demolição (RC&D) Serviço de Ambiente Breves Notas O desenvolvimento económico e social lança-nos novos desafios que se traduzem

Leia mais

SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO

SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO Agente Financeiro Banco Nossa Caixa S.A. Agência SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO FEAPBANAGRO PLANO SIMPLES DELIBERAÇÃO CO 3 (29/05/2009) PROJETO DE TURISMO RURAL I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTOR Nome:

Leia mais