ADSORÇÃO QUÍMICA DE FLUORETOS EM CÂMARA TERMO ATIVADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADSORÇÃO QUÍMICA DE FLUORETOS EM CÂMARA TERMO ATIVADA"

Transcrição

1 ADSORÇÃO QUÍMICA DE FLUORETOS EM CÂMARA TERMO ATIVADA Projeto PTA nº: 093/05 Ciclo 2004/2005 do Programa Anual de Pesquisa e Desenvolvimento e de Conservação de Energia e Racionalização do uso do Gás Natural

2 EQUIPE TÉCNICA Geólogo Dr. José Francisco Marciano Motta Laboratório de Minerais Industriais CT-Obras Gerente do Projeto Química Dra. Kátia Regina Ferrari Coordenação e Responsabilidade Técnica Pesquisadora Colaboradora - IPT

3 Execução: Dra. Kátia Regina Ferrari - CRQ 4º Região nº Pesquisadora colaboradora - IPT Geólº Dr. Paulo Miranda de Figueiredo Filho CREASP Nº Pesquisador colaborador - IPT Geóloga Carolina Del Roveri (Bolsista) Hudson B Brito Companhia de Gás de São Paulo COMGÁS José Roberto da Silva - Kei-Tek Equipamentos Industriais Ltda. Diretor Presidente Engenheiro Hélio Gaeta Leonardo Rodrigues - Kei-Tek Equipamentos Industriais Ltda. Gerente de Vendas Roberto Marchi - Kei-Tek Equipamentos Industriais Ltda. Assistente Técnico

4 OBJETIVO Desenvolvimento de um sistema de depuração de fluoretos das emissões gasosas decorrentes do processo de fabricação de revestimentos cerâmicos, utilizando-se adsorção química em Câmara Termo Ativada.

5 Caracterização do Problema Emissões atmosféricas: Hidrocarbonetos: óleos de prensagem, matéria orgânica e matérias-primas Dióxido de enxofre decomposições de argilas do suporte Partículas combustível e matérias-primas Fluoretos (ácidos fluorídrico, tetrafluoreto de silício decomposições de argilas do suporte Fluoreto pode ser proveniente de processos industriais de produção de alumínio, de produção de fertilizantes e de fabricação de cerâmicas e vidros Fonte: Lopes, 2001

6 Caracterização do Problema Emissões do processo de queima de Pisos e Revestimentos: Concentração de fluoreto entre 500 e 800mg/kg na argila Valores para queima em forno de rolo combustível gás natural Fonte: CETESB-2008

7 Caracterização do Problema Emissões do processo de queima de Louça de Mesa: Valores de gás residual e dados de operação na queima da louça de mesa - combustível gás natural Fonte: CETESB-2008

8 Caracterização do Problema Emissões do processo de queima de Louça Sanitária: Composição dos gases brutos e dos gases tratados na queima de louça sanitária Fonte: CETESB-2008

9 Caracterização do Problema Emissões do processo de queima de Isoladores Elétricos: Concentração do gás residual na queima de isoladores elétricos (ref. a 18% vol.o2 : gás natural) Fonte: CETESB-2008

10 Caracterização do Problema Parâmetros para Controle Biológico de Exposição a Fluoreto: Agente Químico Indicador Biológico Mat. Biológ. Análise IBMP Índice biológico máximo permitido Método Analítico VR Valor de referência da normalidade Amostragem Flúor e Fluoretos Urina Fluoreto até 0,5 mg/g creat. 3 mg/g creat. no início da jornada e 10 mg/g creat. no final da jornada Eletrodo íon específico Pré e pós a 4a jornada da semana Fonte: Portaria 3214/78 NR7

11 Caracterização do Problema Fluoreto: extremamente fitotóxicos, podendo causar danos em concentrações de 10 a 100 vezes menores que outros poluentes atmosféricos; fluoreto gasoso é a forma mais tóxica para a vegetação se comparado aos fluoretos particulados Indústria Cerâmica via Seca Valor máximo estabelecido 5mg/Nm 3 Fonte: Lopes, 2001

12 Caracterização do Problema Fluoreto: Fitotoxicidade HF e tetrafluoreto de sílica provavelmente são os principais responsáveis pela injúria à vegetação. A injúria à vegetação é um resultado do gradual acúmulo nos tecidos da planta. A entrada principal é pelas folhas; Os fluoretos gasosos aparentemente entram através dos estômatos ou diretamente pelas células e posteriormente são absorvidos. Eles se movimentam com a transpiração em direção as margens das folhas onde são acumulados. Fonte:

13 Caracterização do Problema Fluoreto: Fitotoxicidade Os sintomas de toxicidade de F - em plantas sensíveis podem ser induzidos por extensiva exposição a concentrações de F - atmosférico de 0,6 mg.m -3 (0,8 ppb HF v/v) ou menos; Os sintomas podem aparecer no milho quando os teores foliares de F - estão na faixa de 29 a 48 mg.kg-1, comprometendo o rendimento da cultura acima desses valores; Os valores médios de F - nas áreas a 350 e m da cerâmica foram de 159,5 mg.kg -1 e 126,4 mg.kg -1 respectivamente. Esses teores são cerca de quatro vezes acima do normal aceitável para o milho. Fonte: Fortes, C. et al., 2003

14 Sintomas de fitotoxicidade causada por fluoretos atmosféricos em folhas de milho Fonte: Fortes, C. et al., 2003 IPT Caracterização do Problema

15 Caracterização do Problema Fluoreto: Estudos realizados no Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro CTCV, em Coimbra, Portugal indicaram concentrações totais de flúor em amostras coletadas em diferentes litologias de uma mesma jazida da Formação Corumbataí (entre 112 e 4896 mgf /kg) e na massa cerâmica de 15 indústrias deste Pólo, composta por este minério (entre 875 e 1429 mgf /kg). Fonte: Ferrari, K.R. Pesquisa Pós-Doutorado FAPESP processo nº. 00/ e Pesquisa no exterior processo FAPESP nº 02/

16 Origem do Flúor Presente na estrutura dos minerais argilosos; Em média o conteúdo de flúor nos argilominerais varia de 0,5 a 1,2%, decrescendo, entre os minerais de mais ampla ocorrência, na seguinte ordem: GRUPO DE ILLITAS MONTMORILLONITA CLORITA CAOLINITA HALLOYSITA Fonte: Ferrari, K.R. Pesquisa Pós-Doutorado FAPESP processo nº. 00/ e Pesquisa no exterior processo FAPESP nº 02/

17 Emissão de Flúor fluoreto contido no corpo cerâm ico fluoreto na atm osfera do forno fluoreto liberado nos dutos de exaustão em issão HF absorção HF fluoreto no corpo cerâm ico fluxo de ar fluoreto retido no corpo cerâm ico zona de pré-aquecimento zona de queima resfriam ento Figura 01 Esquema de circulação do flúor dentro de um forno túnel (modificado de FRAJNDLICH et al, 2002)

18 Gráfico 01 Curva de queima com determinação simultânea do teor de flúor emitido, destacando em verde a temperatura de início da emissão. Fonte: Ferrari, K.R. Pesquisa Pós-Doutorado FAPESP processo nº. 00/ e Pesquisa no exterior processo FAPESP nº 02/ IPT Emissão de Flúor

19 Sistemas de Depuração Via Seca Ca(OH) 2 (pó seco) reator tipo venturi (contra Fluxo) Via Seca ativada idem via seca, porém com pulverização de água a cal nova e a de recirculação Via Semi-Seca Utiliza argamassa de cal Nos tratamentos via seca, seca ativada e semi seca, utilizam-se filtros de mangas ou eletrofiltros Via Úmida pulverização de água + argamassa de cal Nos tratamentos via úmida, o líquido de lavagem dos gases purga para posterior tratamento. Câmara Termo Ativada pelotas de cal, com ativação térmica

20 Reações de neutralização dos gases ácidos Ca(OH) 2 + 2HCl CaCl 2 + 2H 2 O Ca(OH) 2 + 2HF CaF 2 + 2H 2 O Ca(OH) 2 + SO 2 CaSO 3 + 2H 2 O CaSO 3 + ½ O 2 CaSO 4

21 Câmara Termo Ativada Ativação térmica (> 500ºC) otimização da absorção do fluoreto; dióxido de enxofre e oxidação de HC (~800ºC) Alternativa mais competitiva e econômica: Eletricidade Manutenção Uso para depuração de outros poluentes Uso em outros segmentos industriais

22 Montagem do Laboratório de campo

23 Metodologia Medidas de fluoreto com phmetro íon seletivo para fluoreto (ISF) (marca ORION, mod. 710A) Medidas em tempo real escala laboratorial Primeira medida: Branco do sistema Segunda medida: Branco do sistema com depurador. Terceira medida: Chaminé com depurador Quarta medida: Chaminé sem depurador A segunda medida e a terceira medida foram repetidas com aquecimento das pelotas de cal. Amostragem e ensaio por Laboratório Analítico independente Primeira medida: Chaminé antes da depuração Segunda medida: Chaminé após a depuração

24 COLETA DOS GASES NA INDÚSTRIA Análise de fluoreto em tempo real Esquema da aparelhagem BOMBA VÁCUO PHMETRO ISF MEDIDOR VAZÃO SISTEMA P/ DETERMINAÇÃO DE FLUORETO EM TEMPO REAL DEPURADOR PELOTAS DE CAL

25 Testes Preliminares

26 Resultados e Discussões Testes efetuados durante os meses de agosto a dezembro de ~700 medições

27 Chaminé Depurador 25ºC Depurador 90ºC (500 ml) Resultados da determinação da concentração de fluoreto (mgf - /L ) nos gases emitidos durante a queima das peças cerâmicas.

28 mgf/l Retenção de 67% de F - pelo depurador à 25ºC Retenção de 89% de F - pelo depurador à 90ºC 22% a mais de retenção de F - entre os depuradores à 25ºC e 90ºC Área azul: Valor de fluoreto (mgf - /L) emitido pela chaminé, sem depurador Área Vermelha: Valor de fluoreto (mgf - /L) após a passagem por 500 ml de depurador à temperatura ambiente (25 ºC) Área Amarela: Valor de fluoreto (mgf - /L) após a passagem por 500 ml de depurador aquecido (90 ºC)

29 Chaminé Depurador 25ºC Depurador 90ºC (500 ml) Depurador 90ºC (700 ml) Resultados da determinação da concentração de fluoreto (mgf - /L) nos gases emitidos durante a queima das peças cerâmicas.

30 mgf/l IPT Retenção de 67% de F - pelo Depurador à 25ºC Retenção de 88% de F - pelo Depurador à 90ºC Retenção de 93% de F - pelo Depurador à 90ºC 26% a mais de retenção de F - entre os depuradores com 500 ml e 700 ml Área azul: Valor de fluoreto (mgf - /L) emitido pela chaminé, sem depurador Área Vermelha: Valor de fluoreto (mgf - /L) após a passagem por 500 ml de depurador à temperatura ambiente (25 ºC) Área Amarela: Valor de fluoreto (mgf - /L) após a passagem por 500 ml de depurador aquecido (90 ºC) Área Verde: Valor de fluoreto (mgf - /L) após a passagem por 700 ml de depurador aquecido (90 ºC)

31 Os resultados alcançados indicaram que, em escala laboratorial e nas condições do estudo, há aumento da eficiência de depuração de fluoreto pelas pelotas de cal tanto com o aumento da temperatura como com o aumento de volume deste adsorvedor químico.

32 De acordo com a decisão 11/03/C de 10/07/2003 da CETESB, o limite de emissão para fluoretos provenientes da operação de fornos tipo monoqueima das indústrias cerâmicas não pode ser superior a 5mg/Nm 3 (18% de O2).

33 O "equipamento termo-ativado para tratamento de emissões gasosas" consiste, basicamente, em um sistema adsorvedor de fluoretos, composto por uma fornalha, um retificador de fluxo, uma câmara termoativada com um ou mais leitos contendo material adsorvedor de fluoreto e uma chaminé de exaustão de gases e outros dispositivos periféricos

34 Protótipo do equipamento para tratamento das emissões gasosas IPT

35 Foi contratado o Laboratório de Análises São Lucas S/C. Ltda. para efetuar as amostragens dos gases de exaustão para determinação da concentração de fluoreto emitido pela Cerâmica Nardini, bem como efetuar amostragem dos gases após a passagem pelo Sistema de Depuração com Câmara Termo Ativada

36 Resultados da determinação da emissão de fluoretos nos gases de exaustão do forno da Cerâmica Nardini e do Sistema de Depuração com Câmara Termo- Ativada. Amostras coletadas, em triplicata, antes e após a depuração, com cálculo da eficiência de depuração com base nos valores da Taxa de Emissão.

37 Concentração de fluoreto nas Condições Normais (Base Seca) (mgf/nm 3 ) Concentração de fluoreto nas Condições Normais (Base Seca) corrigida a 18% de oxigênio (mgf/nm 3 ) Primeira campanha de amostragem de fluoreto (em triplicata) Chaminé Depurador (120ºC) Taxa de emissão de fluoreto (g/h) 13,13 1,605 Concentração de fluoreto nas Condições Normais (Base Seca) (mgf/nm 3 ) Concentração de fluoreto nas Condições Normais (Base Seca) corrigida a 18% de oxigênio (mgf/nm3) Taxa de emissão de fluoreto (g/h) 7,952 0,246 Concentração de fluoreto nas Condições Normais (Base Seca) (mgf/nm 3 ) Concentração de fluoreto nas Condições Normais (Base Seca) corrigida a 18% de oxigênio (mgf/nm 3 ) Parâmetro Eficiência (%) Parâmetro Concentração de fluoreto nas Condições Normais (Base Seca) (mgf/nm 3 ) Concentração de fluoreto nas Condições Normais (Base Seca) corrigida a 18% de oxigênio (mgf/nm3) Taxa de emissão de fluoreto (g/h) 21,08 1,851 Segunda campanha de amostragem de fluoreto (em triplicata) Chaminé Depurador (120ºC) Chaminé Depurador (100ºC) Eficiência (%) Média dos valores Chaminé Depurador Eficiência (%) 14,26 1,862 15,92 4,102 15,09 2,982 10,97 3,103 87,78 10,16 5,594 73,87 10,565 4, ,74 3,852 13,935 2,7285 8,634 0,285 13,47 2,106 11,052 1,1955 6,642 0,475 96,91 8,599 2,872 84,15 7,6205 1, ,48 1,978 10,216 1,112 22,89 2,147 29,39 6,208 26,14 4, ,61 3,578 91,22 18,76 8,465 78,59 18,185 6, ,22 5,829 8,634 0,285 6,642 0,475 Taxa de emissão de fluoreto (g/h) 7,952 0,246 24,15 3,84 Eficiência (%) 80,42 96,91 89,12 84,10

38 IPT mgf - /Nm 3 18% O 2 20 VME 5 Máxima eficiência 97% 0 Área Azul: Valor da emissão de fluoreto (mgf - /Nm 3 ) antes da passagem pela Câmara Termo Ativada Área Verde: Valor da emissão de fluoreto (mgf - /Nm 3 ) após a passagem pela Câmara Termo Ativada (120 ºC)

39 Conclusão Na maior eficiência, os resultados das emissões após tratamento no Sistema de Depuração com Câmara Termo Ativada foi menor que 1mg/Nm 3 (18% de O2), com temperatura de ativação de 120ºC, apresentando eficiência de absorção de até 97%.

40 Considerações Finais O equipamento opera na depuração de fluoreto sob temperaturas acima de 100 C e inferiores a 1000 C promovendo o aumento da reatividade do adsorvedor químico e, consequentemente, sua eficiência na depuração de fluoreto e demais contaminantes ácidos presentes nos gases de combustão.

41 Considerações Finais Outra característica ímpar deste modelo de utilidade em relação aos sistemas de depuração de fluoreto existentes está no uso do adsorvedor químico na forma de pelotas, dispensando, portanto, o uso de filtros no tratamento auxiliar para remoção de material particulado. Com isto, este modelo de utilidade também apresenta vantagens em relação aos custos e ao consumo de energia elétrica, quando comparados com os outros sistemas existentes no mercado.

42 Considerações Finais Cabe ressaltar, ainda, que o modelo de utilidade apresentado não necessita de água para sua operação e, principalmente, após a saturação, o depurador químico (pelotas de cal) tem grande potencial de ser utilizado como sub-produto em alguns segmentos industriais.

43 Considerações Finais Finalmente, a eficiência do presente modelo de utilidade para depuração de fluoreto está acima de 95%, podendo atingir 99%.

44 Desdobramento Equipamento termo ativado para tratamento de emissões gasosas. Patente número: MU

45 AGRADECIMENTOS Dr. Sebastião Gomes de Carvalho; Margarita Torres Moreno; Antenor Zanardo do Departamento de Petrologia e Metalogenia DPM/IGCE/UNESP -Rio Claro, pelo apoio de infraestrutura e discussões técnicas Dra. Monica Speck Cassola; Dra. Sandra Lucia de Moraes e técnicos do Laboratório de Resíduos e Áreas Contaminadas do IPT, pela confecção das pelotas de cal; Diretor Presidente Sr. Vladimir Nardini; Tecnólogo Fabio Antonio Silvestre; Benedito Donizete Rosa e demais técnicos da Indústria Cerâmica Nardini pelo apoio e suporte técnicos.

46 Bibliografia ALMEIDA, M.; CORREIA, A.S. Licenciamento Ambiental: Decreto-lei n. 194/ documentos de referência Kéramica, ano XXVI, revista n. 246, março / abril 2001(a) pp ALMEIDA, M.; FRADE, P.; CAMPANTE, H.; MARQUES, J.C.; CORREIA, A.M.S. Redução do teor em flúor nos efluentes gasosos da indústria cerâmica. Kéramica, ano XXVI, n. 246, março / abril 2001, pp In. Cerâmica Industrial, 6 (3) Maio/Junho, 2001(b), pp Governo do Estado de São Paulo, Secretaria do Meio Ambiente, CETESB - Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, FIESP - Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Guia técnico ambiental da indústria de cerâmica branca e de revestimento - série P+L, 2008 FERRARI, K. R.; FIGUEIREDO FILHO, P.M.; ZANARDO, A.; ALMEIDA, E.B.; DEL ROVERI, C.; CARVALHO, S.G.; BOSCHI, A.O.; ALMEIDA, M.; FRADE, P.; CORREIA, A.M.S. Estudo da emissão laboratorial de flúor em massas cerâmicas do Pólo de Santa Gertrudes para proposição de medidas preventivas. In: I FÓRUM DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS: CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS, 2003, São Pedro. Anais do I Fórum das Universidades Públicas: Ciência e Tecnologia em Resíduos FERRARI, K.R. Pesquisa Pós-Doutorado FAPESP processo nº. 00/ e Pesquisa no exterior processo FAPESP nº 02/

47 Bibliografia FERRARI, K.R., P.M. FIGUEIREDO FILHO, E.B. ALMEIDA,C.DEL ROVERI, S.G. CARVALHO, A.O. BOSCHI, M. ALMEIDA, P. FRADE, A.M. SOUSA CORREA, A. ZANARDO. Determinação das Emissões de Fluoreto Durante a Queima de Amostras de Massas Cerâmicas, Cerâmica Industrial, 8 (5/6) Setembro/Dezembro, 2003 FORTES C.; DUARTE, A.P.; MATSUOKA, S.; HERMANN P. HOFFMAN; LAVORENTI, N.A. Toxicidade de flúor em cultivares de milho em área próxima a uma indústria cerâmica, Araras (SP), Bragantia vol.62 no.2 Campinas 2003 FRAJNDLICH, E. U. C.; RIELLA H.G. Estudo da Liberação de Fluoreto na Etapa de Queima de Produtos da Indústria Cerâmica Estrutural. In: 46 CONGRESSO BRASILEIRO DE CERÂMICA, 2002, SÃO PAULO. Anais do 46 Congresso Brasileiro de Cerâmica / Proceedings of the 46 Annual Meeting of the Brazilian Ceramic Society, LOPES, C.F.F. Avaliação dos níveis de fluoretos no Município de Cordeirópolis. Relatório CETESB, Diretoria de Recursos Hídricos e Engenharia Ambiental - EQQA PARÂMETROS PARA CONTROLE BIOLÓGICO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A ALGUNS AGENTES QUÍMICOS Portaria 3214/78 NR7 Quadro I

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO: PROCESSO DE RECICLAGEM Processo de valorização de resíduos, que consiste no reaproveitamento/reciclagem

Leia mais

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br Principais atividades da Zetec Tecnologia Ambiental Engenharia de Combustão Diagnósticos energéticos.

Leia mais

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira.

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Artigo - Ficam aqui definidos os limites máximos para a emissão de

Leia mais

Voestalpine Stahl, Linz, Áustria. Redução Maximizada de Emissões de Sinterização - Planta SIMETAL CIS MEROS. Metals Technologies

Voestalpine Stahl, Linz, Áustria. Redução Maximizada de Emissões de Sinterização - Planta SIMETAL CIS MEROS. Metals Technologies Voestalpine Stahl, Linz, Áustria Redução Maximizada de Emissões de Sinterização - Planta SIMETAL CIS MEROS Metals Technologies 1 Atendendo agora às futuras demandas ambientais! O desafio As exigências

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Controle de Poluição do Ar

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Controle de Poluição do Ar Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova

Leia mais

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos;

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de satisfação, de forma sustentável. Solução analítica para

Leia mais

DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS

DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS DZ-1314.R-0 - DIRETRIZ PARA LICENCIAMENTO DE PROCESSOS DE DESTRUIÇÃO TÉRMICA DE RESÍDUOS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 2 968, de 14 de setembro de 1993 Publicada no DOERJ de 05 de outubro de

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

Combustão de madeira e controle de poluição em cerâmicas

Combustão de madeira e controle de poluição em cerâmicas Combustão de madeira e controle de poluição em cerâmicas Engenheiro Mecânico Harald Blaselbauer A geração de calor para os processos de queima e secagem em cerâmicas vermelhas, realizada pela combustão

Leia mais

FILTRO DE MANGAS E DESSULFURIZADOR DE GASES NO TRATAMENTO DOS GASES DE COMBUSTÃO. Rodrigo Lopes Missel Rodrigo Silva de Campos

FILTRO DE MANGAS E DESSULFURIZADOR DE GASES NO TRATAMENTO DOS GASES DE COMBUSTÃO. Rodrigo Lopes Missel Rodrigo Silva de Campos FILTRO DE MANGAS E DESSULFURIZADOR DE GASES NO TRATAMENTO DOS GASES DE COMBUSTÃO Rodrigo Lopes Missel Rodrigo Silva de Campos Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 24 de Agosto 2013

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Uma das formas mais empregadas para produção

Leia mais

Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota)

Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota) Eficiência Energética e Cuidados Ambientais em Empreendimentos a Carvão - a experiência da UTE CANDIOTA III - 350 MW (Fase C da Usina de Candiota) Apresentação 2 Thermal Energy LatAm Rio de Janeiro, 01/02/2012

Leia mais

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria PROGRAMA SENAI + COMPETITIVIDADE INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA (60) MA Construção Civil CE EletroMetalmecânica Energias Renováveis RN Petróleo

Leia mais

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 262/2009/P, de 20 de outubro de 2009.

DECISÃO DE DIRETORIA Nº 262/2009/P, de 20 de outubro de 2009. COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Referente ao Relatório à Diretoria Nº 030/2009/P, de 19.10.2009. Relator: Fernando Rei DECISÃO DE DIRETORIA Nº 262/2009/P, de 20 de outubro de 2009. Dispõe sobre

Leia mais

Seminário Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos. Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto 20/07/11

Seminário Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos. Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto 20/07/11 Seminário Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos Eng.º Pedro Penteado de Castro Neto 20/07/11 Sumário Situação Atual de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) Definição de URE Instrumentos Legais

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE DIÓXIDO DE ENXOFRE. Método de ensaio

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE DIÓXIDO DE ENXOFRE. Método de ensaio CETESB DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE DIÓXIDO DE ENXOFRE Método de ensaio L9.226 MAR/92 SUMÁRIO Pág. 1 Objetivo...1 2 Documentos complementares...1 3 Aparelhagem...1 4 Execução

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL Hugo Renan Bolzani 1, Sandro Rogério Lautenschlager

Leia mais

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE ENXOFRE REDUZIDO TOTAL (ERT) Método de ensaio

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE ENXOFRE REDUZIDO TOTAL (ERT) Método de ensaio CETESB DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE ENXOFRE REDUZIDO TOTAL (ERT) Método de ensaio L9.227 MAR/93 SUMÁRIO 1 Objetivo...1 2 Documentos complementares...1 3 Definições...1 4 Aparelhagem...2

Leia mais

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS 1. Objetivo: Considerando os limites estabelecidos pela CONAMA 382 como referências para as fontes existentes, este documento

Leia mais

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA Cristine Kayser cristine@trisolutions.com.br Simone Maria Marcon simone@trisolutions.com.br Augusto dos Santos

Leia mais

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Apesar de existir um grande número de tipos

Leia mais

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes

GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes GT CONAMA Fontes Fixas limites emissões fontes existentes Proposta REFINARIAS Subgrupo : CETESB, PETROBRAS Visão do Setor 12 Refinarias PETROBRAS: REMAN AM RPCC - RN RLAM BA LUBNOR CE REGAP MG REDUC RJ

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS PRODUZIDOS EM USINA DE RE-REFINO DE ÓLEO LUBRIFICANTE USADO VISANDO SEU APROVEITAMENTO

CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS PRODUZIDOS EM USINA DE RE-REFINO DE ÓLEO LUBRIFICANTE USADO VISANDO SEU APROVEITAMENTO CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS PRODUZIDOS EM USINA DE RE-REFINO DE ÓLEO LUBRIFICANTE USADO VISANDO SEU APROVEITAMENTO Silvio Rainho Teixeira (*) Universidade Estadual Paulista - UNESP, Faculdade de Ciências

Leia mais

Certa vez, durante um serviço

Certa vez, durante um serviço CONTROLE DO AR DIAGNOSE DE FILTROS DE MANGAS Métodos de diagnose de filtros de mangas identificam a causa primária do entupimento e/ou alta emissão, tanto em filtros de despoeiramento como os de processo

Leia mais

Combustão Industrial

Combustão Industrial Combustão Industrial JOSÉ EDUARDO MAUTONE BARROS Professor Adjunto da Universidade Federal de Minas Gerais Coordenador do Laboratório de Combustíveis e Combustão Doutor em Engenharia Mecânica - Térmica

Leia mais

ANÁLISE DO CICLO DE VIDA DE PRODUTOS CERÂMICOS DA INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

ANÁLISE DO CICLO DE VIDA DE PRODUTOS CERÂMICOS DA INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL ANÁLISE DO CICLO DE VIDA DE PRODUTOS CERÂMICOS DA INDÚSTRIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Sebastião Roberto Soares(*) Universidade Federal de Santa Catarina. Professor do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS.

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. Sueli Farias de Souza (1) Graduanda do Curso de Química Industrial da UEPB. Bolsista de Iniciação Cientifica do CNPq/PIBIC/UEPB.

Leia mais

FONTES FIXAS EXISTENTES

FONTES FIXAS EXISTENTES FONTES FIXAS EXISTENTES SUBGRUPO FERTILIZANTES PROPOSTA DE PADRÕES DE EMISSÃO DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS PARA FONTES FIXAS EXISTENTES DO SETOR DE FERTILIZANTES E ÁCIDOS SULFÚRICO, NÍTRICO E FOSFÓRICO EM

Leia mais

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura Geração de Energia Elétrica a partir de Combustível Inovador Proveniente da Conversão a Baixa Temperatura de Biomassas e Resíduos e Análise de Desempenho em Motores R.G. Pereira 1 ; G. A. Romeiro 2 ; R.

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

Casos de estudo de técnicas adoptadas pela indústria

Casos de estudo de técnicas adoptadas pela indústria Casos de estudo de técnicas adoptadas pela indústria Marisa Almeida / Pedro Frade Unidade de Ambiente e Sustentabilidade 29-11-2011 Seminário Qualidade do Ar Coimbra 29.Novembro.2011 1 Conteúdo Documentos

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

Efeitos da poluição do ar

Efeitos da poluição do ar Efeitos da poluição do ar Por: Vânia Palmeira Campos UFBA IQ -Dpto Química Analítica - LAQUAM (Laboratório de Química Analítica Ambiental) Campus Universitário de Ondina, s/n, CEP:40-170-290, Salvador-BA

Leia mais

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES Felipe de Lima Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio grande do Sul Campus Sertão, Acadêmico do Curso

Leia mais

Geradores de Vapor. 4º ano Aula 8

Geradores de Vapor. 4º ano Aula 8 Geradores de Vapor 4º ano Aula 8 2 Perdas de Calor nos geradores de vapor Tópicos Balanço de energia Perdas de Calor Método do Balanço Directo Método do Balanço Indirecto Perdas de Calor com Gases Efluentes

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares

Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares Inventário de Emissões das Fontes Estacionárias do Estado de São Paulo Dados Preliminares Apresentado por Engº Eduardo Luís Serpa eduardols@cetesbnet.sp.gov.br Baseada em apresentação elaborada por Engªs.

Leia mais

Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais

Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais Legislação Classificação dos Resíduos NORMA ABNT 10.004 CLASSE I - PERIGOSOS CLASSE II - NÃO PERIGOSOS classe II A não inertes

Leia mais

Aspectos gerais sobre preparo de amostras. Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br

Aspectos gerais sobre preparo de amostras. Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br Aspectos gerais sobre preparo de amostras Joaquim A. Nóbrega djan@terra.com.br Técnicas Espectroanalíticas - FAAS - GFAAS - ICP OES - ICP-MS - Aspecto comum: amostras são usualmente introduzidas como soluções

Leia mais

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0.

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. 4 JACIRO JOHNSON PEREIRA JACQUIMINOUT jaciro.jacquiminout@am.senai.br

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS E PASSIVOS AMBIENTAIS XEROX

GESTÃO DE RESÍDUOS E PASSIVOS AMBIENTAIS XEROX GESTÃO DE RESÍDUOS E PASSIVOS AMBIENTAIS XEROX Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Leonardo A. Forte leonardoforte@manaus.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da

Leia mais

Versão Limpa. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA

Versão Limpa. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA Versão Limpa SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA Proposta de Resolução do Grupo de Trabalho sobre Emissão de Poluentes Atmosféricos por Fontes

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º Processo n.º 3580 / 2014-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765,

Leia mais

Apêndice I Os equipamentos de controle para poluição do ar

Apêndice I Os equipamentos de controle para poluição do ar Apêndice I Os equipamentos de controle para poluição do ar 173 Apêndice I - Os equipamentos de controle para poluição do ar Sempre que possível, busca-se a minimização da geração de poluente, quando isto

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula A UU L AL A Poluição do ar Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador do laboratório de poluição atmosférica experimental da Faculdade de Medicina da USP, a relação entre o nível de poluição e a

Leia mais

Soluções tecnológicas em tratamento de água, efluentes, gases e superfícies metálicas

Soluções tecnológicas em tratamento de água, efluentes, gases e superfícies metálicas Soluções tecnológicas em tratamento de água, efluentes, gases e superfícies metálicas w w w. s t e u l e r. c o m Temos que nos reinventar a todo tempo e nos tornar melhores a cada ano O Grupo Steuler

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ PORTARIA SEMA/IAP Nº 001, DE 09 DE JANEIRO DE 2008 (D.O.E.PR. Nº 0000 DE 00/01/2008) Aprova e determina o cumprimento da Instrução Normativa IAP/DEPAM nº 001/2008, referentes às diretrizes para apresentação

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N o 382, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2006 Estabelece os limites máximos de emissão de poluentes atmosféricos para fontes fixas. O CONSELHO

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 Joinville Santa Catarina VI021 CONTROLES E MONITORAMENTOS AMBIENTAIS EM INDÚSTRIAS DE BENEFICIAMENTO DE CASTANHAS DE

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Gerador de nitrogênio Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Aplicações de nitrogênio Comidas e bebidas O nitrogênio é um gás ideal para armazenar (fumigação) e transportar alimentos e bebidas.

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

Controle da Poluição Atmosférica Parte 1

Controle da Poluição Atmosférica Parte 1 CEFET-MG Departamento de Engenharia Ambiental Gestão da Qualidade do Ar Controle da Poluição Atmosférica Parte 1 Prof. Marcos Vinicius Ribeiro Departamento de Engenharia Ambiental CEFET-MG Belo Horizonte,

Leia mais

Controle da Poluição Sonora e do Ar

Controle da Poluição Sonora e do Ar controle da poluição do ar - pronar RESOLUÇÃO CONAMA nº 382 de 2006 RESOLUÇÃO CONAMA n o 382, de 26 de dezembro de 2006 Publicada no DOU nº 1, de 2 de janeiro de 2007, Seção 1, página 131-137 Estabelece

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS Ana Cláudia Ueda (*), Magali Bernardes Maganhini * Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana.

Leia mais

ENTALPIA DE COMBUSTÃO DE CASTANHA DO PARÁ: PROPOSTA DE EXPERIMENTO DE TERMOQUÍMICA 1

ENTALPIA DE COMBUSTÃO DE CASTANHA DO PARÁ: PROPOSTA DE EXPERIMENTO DE TERMOQUÍMICA 1 ENTALPIA DE COMBUSTÃO DE CASTANHA DO PARÁ: PROPOSTA DE EXPERIMENTO DE TERMOQUÍMICA 1 ALINE MARQUES DA SILVA 2 ; ANA CARLA PENTEADO FELTRIN 3 ; ANÁLIA MARIA LOPES 4 ; CANDICE KEMMERICH 5 ; GILMAR BENINI

Leia mais

Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa.

Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa. EXERCÍCIO 3 Módulo 3 Questões ambientais de uma empresa Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa. Muitos gerentes têm difi culdades em reconhecer as questões ambientais

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO POR TPH EM SOLO CONTAMINADO COM DERIVADOS DE PETRÓLEO UTILIZANDO O AQUECIMENTO POR RADIAÇÃO MICROONDAS

AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO POR TPH EM SOLO CONTAMINADO COM DERIVADOS DE PETRÓLEO UTILIZANDO O AQUECIMENTO POR RADIAÇÃO MICROONDAS AVALIAÇÃO DA CONTAMINAÇÃO POR TPH EM SOLO CONTAMINADO COM DERIVADOS DE PETRÓLEO UTILIZANDO O AQUECIMENTO POR RADIAÇÃO MICROONDAS Rayana Hozana Bezerril, Adriana Margarida Zanbotto Ramalho, Márcio Henrique

Leia mais

Aula 3: Química do Solo

Aula 3: Química do Solo DISCIPLINA: QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Aula 3: Química do Solo Prof a. Lilian Silva 2012 Solo: O solo pode ser conceituado como um manto superficial formado por rocha desagregada e, eventualmente, cinzas

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais

1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais 1 INTRODUÇÃO 1.1 Conceitos gerais A atmosfera da Terra é fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos. Evoluiu, a partir do gás carbônico (CO 2 ) e vapor d água (H 2 O),

Leia mais

Volkswagen Autoeuropa, Lda. Volkswagen Autoeuropa, Lda.

Volkswagen Autoeuropa, Lda. Volkswagen Autoeuropa, Lda. 5.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL nº 1/2004 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 5.º Aditamento à Licença Ambiental do operador Volkswagen

Leia mais

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS 4a Reunião Ordinária do GT Interinstitucional sobre Uso de Resíduos Industriais Indicados como Matéria-Prima para Fabricação de Produtos Fornecedores de Micronutrientes Utilizados como Insumo Agrícola

Leia mais

Gases de processos indústria cerâmica

Gases de processos indústria cerâmica Gases de processos indústria cerâmica PROCESSOS DE FABRICAÇÃO DE CIMENTO E CAL REDUÇÃO DE FUMAÇA E NO X Matéria-prima TRATAMENTO DE EFLUENTES Superoxigenação Lança de queimador Oxigás O 3 C LABORATÓRIO

Leia mais

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DOS TEMPOS DE FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO A SEREM APLICADOS NO JARTESTE DA ETA CENTRAL DE JACAREÍ

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DOS TEMPOS DE FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO A SEREM APLICADOS NO JARTESTE DA ETA CENTRAL DE JACAREÍ AVALIAÇÃO EMPÍRICA DOS TEMPOS DE FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO A SEREM APLICADOS NO JARTESTE DA ETA CENTRAL DE JACAREÍ NELSON GONÇALVES PRIANTI JUNIOR (1) - Biólogo (UNITAU), Pedagogo (UNIFRAN), Especialista

Leia mais

Química Ambiental. Grupo: João Fernando G. Barreto Marcio Michihiko Fujii

Química Ambiental. Grupo: João Fernando G. Barreto Marcio Michihiko Fujii Química Ambiental Grupo: João Fernando G. Barreto Marcio Michihiko Fujii Definição A Química Ambiental estuda os processos químicos (mudanças) que ocorrem no meio ambiente. Essas mudanças podem ser naturais

Leia mais

b) explique duas medidas adotadas pelo poder público para minimizar o problema da poluição atmosférica na cidade de São Paulo.

b) explique duas medidas adotadas pelo poder público para minimizar o problema da poluição atmosférica na cidade de São Paulo. 1. (Fuvest 2013) Observe a imagem, que apresenta uma situação de intensa poluição do ar que danifica veículos, edifícios, monumentos, vegetação e acarreta transtornos ainda maiores para a população. Trata-se

Leia mais

Art. 2o Para o estabelecimento dos limites de emissão de poluentes atmosféricos são considerados os seguintes critérios mínimos:

Art. 2o Para o estabelecimento dos limites de emissão de poluentes atmosféricos são considerados os seguintes critérios mínimos: RESOLUÇÃO CONAMA no 382, de 26 de dezembro de 2006 Publicada no DOU nº 1, de 2 de janeiro de 2007, Seção 1, página 131-137 Correlações: Complementada pela Resolução nº 436, de 2011. Estabelece os limites

Leia mais

Divirta-se com o Clube da Química

Divirta-se com o Clube da Química Divirta-se com o Clube da Química Produzido por Genilson Pereira Santana www.clubedaquimica.com A idéia é associar a Química ao cotidiano do aluno usando as palavras cruzadas, o jogo do erro, o domino,

Leia mais

Controle da Poluição Atmosférica e Sonora

Controle da Poluição Atmosférica e Sonora CEFET-MG Departamento de Engenharia Ambiental Gestão da Qualidade do Ar Controle da Poluição Atmosférica e Sonora Prof. Marcos Vinicius Ribeiro Departamento de Engenharia Ambiental CEFET-MG Belo Horizonte,

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.197.05 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

CREMATÓRIO EMISSÕES ATMOSFÉRICAS - ROTEIRO DO ESTUDO

CREMATÓRIO EMISSÕES ATMOSFÉRICAS - ROTEIRO DO ESTUDO CREMATÓRIO EMISSÕES ATMOSFÉRICAS - ROTEIRO DO ESTUDO Esse roteiro foi elaborado com base no disposto na Resolução CONAMA 316/2002 e na Norma Técnica CETESB E15.011. Apresentar estudo de análise de alternativas

Leia mais

CETESB/L9.217 5. 5.3.1 Preparaçao preliminar

CETESB/L9.217 5. 5.3.1 Preparaçao preliminar DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DE MATERIAL PARTICULADO COM O L9.217 CETESB SISTEMA FILTRANTE NO INTERIOR DO DUTO E CHAMINÉ NOV/89 Método de ensaio SUMÁRIO Pág. 1 Objetivo...1 2 Documentos

Leia mais

Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão

Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão Desde a inauguração, em 1983, a ArcelorMittal Tubarão segue uma gestão orientada pela busca contínua da inovação e da qualidade em processos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização

Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização A qualidade do ar em um sistema de ar comprimido tem variações e todas elas estão contempladas no leque de opções de produtos que a hb ar comprimido oferece.

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

Incineração. Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Fabiano do Vale de Souza Setembro/2010

Incineração. Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Fabiano do Vale de Souza Setembro/2010 Incineração Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Fabiano do Vale de Souza Setembro/2010 O que é Incineração? É a decompos ição de produtos e/ou s ubprodutos via oxidação térmica à alta temperatura (

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS No momento em que se decide ter uma Indústria Cosmética um dos fatores preponderantes é providenciar as diversas licenças requeridas que

Leia mais

Recuperação de Metais Contidos em Catalisadores Exauridos.

Recuperação de Metais Contidos em Catalisadores Exauridos. Recuperação de Metais Contidos em Catalisadores Exauridos. Flávio de Almeida Lemos Bolsista Capacitação Institucional, D.Sc. Ivan Ondino de Carvalho Masson Orientador, Engenheiro Químico, D. Sc. Resumo

Leia mais

ANALISE DE RESÍDUOS MINERAIS E ORGÂNICOS AGROINDUSTRIAIS COM O USO DA TÉCNICA DE XRF

ANALISE DE RESÍDUOS MINERAIS E ORGÂNICOS AGROINDUSTRIAIS COM O USO DA TÉCNICA DE XRF ANALISE DE RESÍDUOS MINERAIS E ORGÂNICOS AGROINDUSTRIAIS COM O USO DA TÉCNICA DE XRF 1* Ferreira, Ricardo R. F.; 1 Assunção, Hildeu Ferreira.; 1 Ribeiro, Dinalva Donizete Ribeiro; 1** Martins, Alessandro.

Leia mais

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência.

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. 2 Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Therm 8000 S Soluções de aquecimento de água para altas

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil.

TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO. Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. TRATAMENTO DE ÁGUA PARA CALDEIRAS DE ALTA PRESSÃO Palavras chaves: geração de vapor, cogeração, tratamento químico, arraste volátil. Eng ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Nos dias atuais, onde o meio ambiente,

Leia mais

Porcelanas da Costa verde

Porcelanas da Costa verde Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas Empresas Porcelanas da Costa verde CTCV - Coimbra 25 de Fevereiro de 2014 A COSTA VERDE concebe, desenvolve, fabrica e comercializa Louça cerâmica

Leia mais

ANEXOS. da Proposta DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS. da Proposta DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 18.12.2013 COM(2013) 919 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa à limitação das emissões para a atmosfera de certos

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE VINHAÇA NO SOLO ATRAVÉS DE MÉTODO DE PROSPEÇÃO GEOELÉTRICO JOSE RODRIGO DOS SANTOS SILVA Instituto Federal de Goiás (Campus Goiânia) - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMFOS 700 A Código do produto: CF700A Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMFOS 700 A Código do produto: CF700A Página 1 de 5 Código do produto: CF700A Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: CF700A Telefone de emergência: (19) 3864-6000 FOSFATO ÁCIDO DE

Leia mais

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL 1 SÍNTESE DO TRABALHO A SER APRESENTADO A existência de dois poços

Leia mais

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro 2.º ADITAMENTO À LICENÇA AMBIENTAL nº 300/2009 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 2.º Aditamento à Licença Ambiental do operador EDP - Gestão

Leia mais

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DO SULFETO DE HIDROGÊNIO. Método de ensaio

DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DO SULFETO DE HIDROGÊNIO. Método de ensaio CETESB DUTOS E CHAMINÉS DE FONTES ESTACIONÁRIAS DETERMINAÇÃO DO SULFETO DE HIDROGÊNIO Método de ensaio L9.233 DEZ/90 SUMÁRIO Pág. 1 Objetivo...1 2 Sensibilidade do método...1 3 Principio do método...1

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: chumbo, cromo, tratamento, recuperação, resíduos.

RESUMO. Palavras-chave: chumbo, cromo, tratamento, recuperação, resíduos. TRATAMENTO E RECUPERAÇÃO DE RESÍDUOS DE CHUMBO E ÍONS CROMATO GERADOS NO LABORATÓRIO DE ENSINO DE QUÍMICA ANALÍTICA DO CENTRO DE EDUCAÇÃO E SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Tácia Thaisa

Leia mais