LEVANTAMENTO DOS ENSAIOS REALIZADOS POR LABORATÓRIOS PRESTADORES DE SERVIÇOS NA ÁREA DE IMPLANTES ORTOPÉDICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEVANTAMENTO DOS ENSAIOS REALIZADOS POR LABORATÓRIOS PRESTADORES DE SERVIÇOS NA ÁREA DE IMPLANTES ORTOPÉDICOS"

Transcrição

1 LEVANTAMENTO DOS ENSAIOS REALIZADOS POR LABORATÓRIOS PRESTADORES DE SERVIÇOS NA ÁREA DE IMPLANTES ORTOPÉDICOS Pesquisa elaborada pela Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública - GGLAS Coordenador: Galdino Guttmann Bicho - GGLAS Elaboração: Emyr Ferreira Mendes - GGLAS Colaboração: Valeria Figueiredo Felisbino Barbosa - GGTES Brasília DF, 04 de abril de 2003 Pesquisa de Implantes Ortopédicos Abril/2003

2 Diretor-Presidente Gonzalo Vecina Neto Diretores Claudio Maierovitch Pessanha Luiz Carlos Wanderley Lima Luiz Milton Veloso Costa Ricardo Oliva Gerente-Geral de Laboratórios de Saúde Pública Galdino Guttmann Bicho Gerente-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saude Davi Rumel Coordenação Galdino Guttmann Bicho Elaboração Emyr Ferreira Mendes Colaboração Valeria Figueiredo Felisbino Barbosa Lay-Out de Apresentação e Digitação José Lúcio dos Santos Costa Leonardo Carvalho de Lima Página 2 de 311

3 ÍNDICE 1 Objetivo 7 2 Metodologia Utilizada 7 3 Resultados Obtidos Total de Questionários Respondidos Distribuição dos laboratórios participantes com total de análises declaradas, por grupo de ensaios (I, II, III, IV, V), respectivamente 10 4 Apresentação dos Laboratórios Distribuídos por Regiões Contendo as Respectivas Declarações de Realização e Terceirização dos Ensaios Relativos aos Grupos I, II, III, IV e V Região Sudeste INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Análises Inorgânicas LABAI INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Análises Orgânicas LANOR INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Ensaios Mecânicos LAMEC INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Corrosão LACOR INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Metalografia e de Dureza LAMED INSTITUTO DE PESQUISAS ENERGÉTICAS IPEN IPT - Laboratório de Análises Químicas Inorgânicas/Divisão de Química IPT - Laboratório de Processamento Pirometalúrgico / Divisão de Metalurgia IPT - Laboratório de Avaliação Mecânica de Materiais e Componentes IPT - Laboratório de Metalografia e Análise de Falhas Divisão de Metalurgia IPT - Laboratório de Plásticos e Borrachas IPT - Laboratório de Caracterização Física de Materiais / Divisão de Química IPT - Laboratório de Tecnologia Cerâmica / Divisão de Química IPT - Laboratório de Metrologia / Divisão de Mecânica e Eletricidade IPT - Laboratório de Análises Químicas Orgânicas / Divisão de Química LABMAT Análises e Ensaios de Materiais S/C Ltda UFRJ - FUNDAÇÃO COPPETEC Laboratório do Programa de Engenharia Metalúrgica e de Materiais UFRJ INSTITUTO DE MACROMOLÉCULAS PROF a ELOISA MANO Laboratório de Apoio de Serviços LAPSER UFSCAR Fundação de Apoio Institucional ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico Centro de Caracterização e Desenvolvimento de Materiais USP Faculdade de Ciências Farmacêuticas Laboratório de Controle de Medicamentos, cosméticos, Domissanitários e Produtos Afins e as respectivas Matérias-Primas Representação Gráfica do Total dos Laboratórios e Determinações Declaradas Distribuídas da Região Sudeste 4.2 Região Sul TECPAR - Laboratório de Materiais Metálicos LAMM TECPAR - Laboratório de Metal Mecânica LAME TECPAR - Laboratório de Química Industrial LAQI Representação Gráfica do Total dos Laboratórios e Determinações Declaradas Distribuídas Página 3 de 311

4 da Região Sul 5 Representação do Total de Laboratórios que Declararam Executar as Determinações dos Ensaios Relativos aos Grupos I, II, III, IV e V 5.1 Ensaios do Grupo I - Ensaios de Materiais e Produtos Metálicos Ensaios do Grupo II Ensaios de Materiais Poliméricos Ensaios do Grupo III Ensaios de Materiais Cerâmicos e Materiais Cerâmicos à Base de Zircônia 288 Tetragonal Estabilizada com Ítria 5.4 Ensaios do Grupo IV Ensaios de Caracterização de Cimento Ósseo Ensaios do Grupo V - Ensaios de Caracterização da Cerâmica à Base de Hidroxipatita Representação Gráfica do Total dos Laboratórios e Determinações Declaradas Distribuídas por Regiões Geográficas 7 Percentual de Laboratórios por itens do Sistema da Qualidade Conclusões Anexos Índice de Figuras Figura 01 Distribuição dos Laboratórios por Região Geográficas 8 Figura 02 Distribuição de laboratórios em regiões, por número de determinações do Grupo I, 11 realizadas Figura 03 Percentual das determinações do Grupo I, declaradas pelos laboratórios, distribuído 11 por regiões geográficas Figura 04 Distribuição de laboratórios em regiões, por número de determinações do Grupo II, 13 realizadas Figura 05 Percentual das determinações do Grupo II, declaradas pelos laboratórios, distribuído 13 por regiões geográficas Figura 06 Distribuição de laboratórios em regiões, por número de determinações do Grupo III, 15 realizadas Figura 07 Percentual das determinações do Grupo III, declaradas pelos laboratórios, distribuído 15 em 2 regiões geográficas Figura 08 Distribuição de laboratórios em regiões, por número de determinações do Grupo IV, 16 realizadas Figura 09 Percentual das determinações do Grupo IV, declaradas pelos laboratórios, localizado 16 na Região Sudeste Figura 10 Distribuição de laboratórios em regiões, por número de determinações do Grupo V, 17 realizadas Figura 11 Percentual das determinações do Grupo V, declaradas pelos laboratórios, da região 17 sudeste Figura 12 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Análises 28 Inorgânicas - LABAI Figura 13 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Análises 38 Orgânicas Figura 14 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pela INT/RJ Laboratório de 49 Ensaios Mecânicos LAMEC Figura 15 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Corrosão 59 LACOR Figura 16 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Metrologia e de 71 Dureza LAMED Figura 17 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo IPEN 81 Figura 18 Figura 19 Figura 20 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Análises Químicas Inorgânicas Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Processamento Pirometalúrgico/Divisão Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Avaliação Mecânica de Materiais e Componentes Página 4 de 311

5 10 Índice de Figuras Figura 21 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Metalografia e 126 Análise de Falhas/Divisão de Metalurgia Figura 22 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Plásticos e 137 Borrachas Figura 23 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Caracterização 148 Física de Materiais Figura 24 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Tecnologia 158 Cerâmica Figura 25 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Metrologia 169 Figura 26 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Análises 180 Químicas Orgânicas Figura 27 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Labmat Análises e Ensaios de 193 Materiais S/C Ltda Figura 28 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pela Laboratório do Programa de 204 Engenharia Metalúrgica e de Materiais Figura 29 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Apoio de 215 Serviços LAPSER Figura 30 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Centro de Caracterização e 226 Desenvolvimento de Materiais Figura 31 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Controle de 237 Medicamentos, Cosméticos, Domissanitários e Produtos afins Figura 32 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados da Região Sudeste 239 Figura 33 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Materiais 252 Metálicos LAMM Figura 34 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Metal Mecânica 262 LAME Figura 35 Ensaios executados e/ou terceirizados declarados pelo Laboratório de Química 273 Industrial LAQI Figura 36 Número de Laboratórios por Realização do Grupo II Ensaios de Materiais Poliméricos 275 (Polietileno de Ultra Alto Peso Molecular: Produtos nas Formas de Pó e Moldada; e Poli (L-Lactato)) Figura 37 Representação gráfica por determinação declarada do Grupo I Ensaios de Materiais 282 e Produtos Metálicos Figura 38 Representação gráfica por determinação declarada do Grupo II Ensaios de Materiais 287 Poliméricos (Polietileno de Ultra Alto Peso Molecular: Produtos nas Formas de Pó e Moldada; e Poli (L-Lactato)) Figura 39 Representação gráfica por determinação declarada do Grupo III Ensaios de Materiais 288 Cerâmicos e Materiais Cerâmicos à Base de Zircônia Tetragonal Estabilizada com Ítria Figura 40 Representação gráfica por determinação declarada do Grupo IV Ensaios de 289 Caracterização de Cimento Ósseo Figura 41 Representação gráfica por determinação declarada do Grupo V Ensaios de 290 Caracterização da Cerâmica à Base Figura 42 Representação do Total dos Laboratórios e Determinações Distribuídos por Regiões Índice de Tabelas Tabela 01 Codificação dos laboratórios 9 Tabela 02 Laboratórios que declararam ensaios do Grupo I 10 Tabela 03 Laboratórios que declararam ensaios do Grupo II 12 Tabela 04 Laboratórios que declararam ensaios do Grupo III 14 Tabela 05 Laboratórios que declararam ensaios do Grupo IV 16 Tabela 06 Laboratórios que declararam ensaios do Grupo V 17 Tabela 07 Relação de laboratórios da Região Sudeste que declararam realizar ensaios 18 Tabela 08 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 19 Tabela 09 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 30 Página 5 de 311

6 11 Índice de Tabelas Tabela 10 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 40 Tabela 11 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 51 Tabela 12 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 61 Tabela 13 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 73 Tabela 14 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 83 Tabela 15 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 94 Tabela 16 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 105 Tabela 17 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 117 Tabela 18 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 128 Tabela 19 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 139 Tabela 20 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 150 Tabela 21 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 160 Tabela 22 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 171 Tabela 23 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 182 Tabela 24 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 195 Tabela 25 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 206 Tabela 26 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 217 Tabela 27 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 228 Tabela 28 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 243 Tabela 29 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 254 Tabela 30 Relação das Determinações Declaradas pela Organização 264 Tabela 31 Total de Laboratórios por Determinação declarada do Grupo I 277 Tabela 32 Total de Laboratórios por Determinação declarada do Grupo II 286 Tabela 33 Total de Laboratórios por Determinação declarada do Grupo III 288 Tabela 34 Total de Laboratórios por Determinação declarada do Grupo IV 289 Tabela 35 Total de Laboratórios por Determinação declarada do Grupo V 289 Tabela 36 Percentual de Laboratórios por itens do Sistema da Qualidade Anexos Grupo I Ensaios de Materiais e Produtos Metálicos 10 Grupo II Ensaios de Materiais Poliméricos 12 Grupo III Ensaios de Materiais Cerâmicos e Materiais Cerâmicos à Base de Zircônia Tetragonal 14 Estabilizada com Ítria Grupo IV Ensaios de Caracterização do Cimento Ósseo 16 Grupo V Ensaios de Caracterização da Cerâmica à Base de Hidroxipatita 17 Anexo I Relação das Determinações Declaradas 298 Página 6 de 311

7 1 OBJETIVO Este trabalho teve como objetivo: Identificar os laboratórios que atuam na área de Implantes Ortopédicos e respectivos ensaios exigidos pela legislação sanitária em vigor; avaliar, de forma preliminar, a capacidade laboratorial das unidades prestadoras de serviços na área de Implantes Ortopédicos, visando atender as ações da Gerência Geral de Segurança Sanitária de Produtos para a Saúde Pós-Comercialização da ANVISA; avaliar previamente a capacitação técnica dos laboratórios visando a habilitação dos mesmos pela Rede Brasileira de Laboratórios em Saúde Pública REBLAS/ANVISA. 2- METODOLOGIA UTILIZADA Foi encaminhado por via postal a todos os endereços de empresas conhecidas ao mesmo tempo que disponibilizado na internet no site da ANVISA (www.anvisa.gov.br/reblas/index.htm), entre e , a Pesquisa REBLAS N o 04 - Avaliação Preliminar da Capacitação de Laboratórios sobre Ensaios para Implantes Ortopédicos (anexo 1). A pesquisa é composta de relação de ensaios divididos em cinco grupos, Grupo I Ensaios de Materiais e Produtos Metálicos, com 140 determinações; Grupo II Ensaios de Materiais Poliméricos (Polietileno de Ultra Alto Peso Molecular: Produtos nas Formas de Pó e Moldada; e Poli (L-Lactato)) para Implantes Cirúrgicos, com 34 determinações, Grupo III Ensaios de Materiais Cerâmicos e Materiais Cerâmicos à Base de Zircônia Tetragonal Estabilizada com Ítria, com 8 determinação, Grupo IV Ensaios de Caracterização do Cimento Ósseo, com 6 determinações e Grupo V Ensaios de Caracterização da Cerâmica à Base de Hidroxipatita, com 3 determinações, totalizando 191 determinações com as respectivas metodologias adotadas e exigidas pela Gerência Geral de Segurança Sanitária de Produtos para a Saúde Pós-Comercialização. Consta, ainda, de Questionário sobre os Sistema da Qualidade e Ficha Cadastral (Anexos 2 e 3). Foram contabilizados 23 laboratórios de organizações diferenciadas, realizados levantamentos quantitativo dos mesmos com dados cadastrais, o levantamento dos ensaios executados e terceirizados, com as respectivas metodologias e os requisitos de Sistema de Qualidade adotados. Para melhor compreensão e visualização dos gráficos, os laboratórios foram codificados em uma tabela e representados por letras de A até X, divididos por regiões geográficas, com as respectivas cidades e unidade da federação. Na classificação por regiões geográficas, os laboratórios foram distribuídos conforme apresentação da figura 1, sendo que as Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste não obtiveram representação. A capacitação declarada dos laboratórios quanto ao número de determinações e o percentual realizados por grupos específicos de ensaios ( I, II, III, IV e V), está representada por gráficos relacionando o número de determinações por cada laboratório e por gráficos de percentual de determinações realizadas (figuras 2 a 11). A apresentação dos laboratórios distribuídos por regiões contendo as declarações de realização e terceirização dos ensaios relativos aos Grupos I, II, III, IV e V, está disposta em quadros que contemplam inicialmente o nome e endereço do laboratório, as determinações dos respectivos grupos de ensaios, com informações de execução e ou terceirização das determinações e as respectivas metodologias/referência bibliográficas adotadas. Os laboratórios estão, ainda, divididos por regiões. Ao final de cada quadro, há um gráfico que resume as determinações executadas e/ou terceirizadas. O número de laboratórios por realização de determinações específicas está disposto em tabelas que indicam a quantidade de laboratórios que executam os ensaios dos Grupos I, II, III, IV e V. O último quadro demonstra o número e o percentual de laboratórios que informaram adequação aos itens do Sistema da Qualidade. A conclusão foi realizada analisando os resultados obtidos com a pesquisa. Página 7 de 311

8 3- RESULTADOS OBTIDOS 3.1 Total de Questionários Respondidos Totalizando 23 questionários respondidos, sendo 20 da região sudeste e três da região sul, os laboratórios foram distribuídos de acordo com a figura 1, por região geográfica e na tabela 1 foram codificados com as letras de A a X. Figura 1: Distribuição dos Laboratórios por Região Geográficas Nº de Laboratórios Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Região A figura acima apresenta os laboratórios distribuídos por regiões geográficas, sendo que as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste não participaram da pesquisa. A região Sudeste participou com 20 laboratórios e a região Sul com 3 Laboratórios. Página 8 de 311

9 Codificação dos Laboratórios Nome do Laboratório/Região Geográfica Cidade/UF A B C REGIÃO SUDESTE INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Análises Inorgânicas LABAI INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Análises Orgânicas LANOR INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Ensaios Mecânicos LAMEC D INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Corrosão - LACOR E INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Metalografia e Dureza LAMED Rio de Janeiro/RJ Rio de Janeiro/RJ Rio de Janeiro/RJ Rio de Janeiro/RJ Rio de Janeiro/RJ F INSTITUTO DE PESQUISAS ENERGÉTICAS E NUCLEARES - IPEN São Paulo/SP G H I J K L M N O INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Análises Químicas Inorgânicas INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Processamento Pirometalúrgico INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Avaliação Mecânica de Materiais e Componentes INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Metalografia e Análise de Falhas INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Plásticos e Borrachas INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Caracterização Física de Materiais INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Tecnologia de Cerâmica INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Metrologia INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Análises Químicas Orgânicas São Paulo/SP São Paulo/SP São Paulo/SP São Paulo/SP São Paulo/SP São Paulo/SP São Paulo/SP São Paulo/SP São Paulo/SP P LABMAT Análises e Ensaios de Materiais S/C Ltda Piracicaba/SP Q R S T U V X UFRJ Fundação COPPETEC Laboratório do Programa de Engenharia Metalúrgica e de Materiais UFRJ Instituto de Macromoléculas Professora Eloísa Mano Laboratório de Apoio de Serviços - LAPSER UFRSCar Fundação de Apoio Institucional ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico Centro de Caracterização e Desenvolvimento de Materiais USP Faculdade de Ciências Farmacêuticas - Laboratório de Controle de Medicamentos, Cosméticos, Domissanitários e Produtos afins e as respectivas Matérias-Primas REGIÃO SUL INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ/TECPAR Laboratório de Materiais Metálicos - LAMM INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ/TECPAR Laboratório de Metal Mecânica LAME INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ/TECPAR Laboratório de Química Industrial - LAQI Tabela 1 Codificação dos laboratórios Rio de Janeiro/RJ Rio de Janeiro/RJ São Carlos/SP Cidade Universitária - SP Curitiba/PR Curitiba/PR Curitiba/PR Página 9 de 311

10 3.2 Distribuição dos laboratórios participantes com total de análises declaradas, por grupo de ensaios (I, II, III, IV e V), respectivamente Grupo I - Ensaios de Materiais e Produtos Metálicos Codificação dos Laboratórios Nome do Laboratório/Região Geográfica Cidade/UF A C REGIÃO SUDESTE INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Análises Inrgânicas LABAI INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Ensaios Mecânicos LAMEC D INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Corrosão - LACOR E INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Metalografia e Dureza LAMED Rio de Janeiro/RJ Rio de Janeiro/RJ Rio de Janeiro/RJ Rio de Janeiro/RJ F INSTITUTO DE PESQUISAS ENERGÉTICAS E NUCLEARES - IPEN São Paulo/SP G H I J N INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Análises Químicas Inorgânicas INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Processamento Pirometalúrgico INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Avaliação Mecânica de Materiais e Componentes INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Metalografia e Análise de Falhas INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Metrologia São Paulo/SP São Paulo/SP São Paulo/SP São Paulo/SP São Paulo/SP P LABMAT Análises e Ensaios de Materiais S/C Ltda Piracicaba/SP Q S U V UFRJ Fundação COPPETEC Laboratório do Programa de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Rio de Janeiro/RJ UFRSCar Fundação de Apoio Institucional ao Desenvolvimento Científico São Carlos/SP e Tecnológico Centro de Caracterização e Desenvolvimento de Materiais REGIÃO SUL INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ/TECPAR Laboratório de Materiais Metálicos LAMM INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ/TECPAR Laboratório de Metal Mecânica LAME Curitiba/PR Curitiba/PR Tabela 2 Laboratórios que declararam ensaios do Grupo I Página 10 de 311

11 Figura 2: Distribuição de laboratórios em regiões, por número de determinações do Grupo I, realizadas. Nº de Determinações Sudeste A C D E F G H I J N P Q S U V Laboratórios/Região Regiões Sul Como podemos ver na figura 2, Grupo I - Ensaios de Materiais e Produtos Metálicos, a Região Sudeste é representada por 13 laboratórios dos quais sete executam entre 111 a 135 determinações. A Região Sul é representada por dois laboratórios, um deles executando aproximadamente 50% do total de determinações. 6 8 Figura 3: Percentual das determinações do Grupo I, declaradas pelos laboratórios, distribuído por regiões geográficas Inst.de Tecnol. do Paraná/TECPAR - Lab. Metal Mecânica - LAME 42,9% INT/SP - Lab. Análises Inorgânicas LABAI 1,4% INT/SP - Lab. Ensaios Mecânicos - LAMEC 40% INT/RJ - Lab. Corrosão - LACOR 4,2% Inst. de Tecnol. do Paraná/TECPAR - Lab. Materiais Metálicos - LAMM 5,7% INT/RJ - Lab. Metalografia e Dureza - LAMED 32,1% UFRSCar - Fund. Apoio Instit. ao Desenv. Científico e Tecnol. - Centro de Caract. e Desenv. Materiais 89,3% IPEN/SP 91,4% IPT/SP - Lab. Análises Químicas Inorgânicas 5,7% UFRJ - Fund. COPPETEC - Lab. Prog de Engenharia Metal e de Materiais 96,4% IPT/SP - Lab. Processamento Pirometalúrgico 6,4% Sudeste LABMAT - Análises e Ensaios de Materiais S/C Ltda 80% Regiões Sul IPT/SP - Lab. Metrologia 4,2% IPT/SP - Lab. Metalografia e Análises de Falhas 79,3% IPT/SP - Lab. Avaliação Mecânica de Materiais e Componentes 81,4% Página 11 de 311

12 Grupo II - Ensaios de Materiais Poliméricos (Polietileno de Ultra Alto Peso Molecular: Produtos nas Formas de Pó e Moldada; e Poli (L-Lactato)) para Implantes Cirúrgicos Codificação dos Laboratórios Nome do Laboratório/Região Geográfica Cidade/UF B REGIÃO SUDESTE INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Análises Orgânicas Rio de Janeiro/RJ F INSTITUTO DE PESQUISAS ENERGÉTICAS E NUCLEARES - IPEN São Paulo/SP G K L M O Q R S T X INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Análises Químicas Inorgânicas INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Plásticos e Borrachas INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Caracterização Física de Materiais INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Tecnologia de Cerâmica INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO IPT Laboratório de Análises Químicas Orgânicas UFRJ Fundação COPPETEC Laboratório do Programa de Engenharia Metalúrgica e de Materiais UFRJ Instituto de Macromoléculas Professora Eloísa Mano Laboratório de Apoio de Serviços - LAPSER São Paulo/SP São Paulo/SP São Paulo/SP São Paulo/SP São Paulo/SP Rio de Janeiro/RJ Rio de Janeiro/RJ UFRSCar Fundação de Apoio Institucional ao Desenvolvimento Científico São Carlos/SP e Tecnológico Centro de Caracterização e Desenvolvimento de Materiais USP Faculdade de Ciências Farmacêuticas - Laboratório de Controle de Medicamentos, Cosméticos, Domissanitários e Produtos afins e as respectivas Matérias-Primas REGIÃO SUL INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ/TECPAR Laboratório de Química Industrial - LAQI Cidade Universitária - SP Curitiba/PR Tabela 3 Laboratórios que declararam ensaios do Grupo II Página 12 de 311

13 Figura 4: Distribuição de laboratórios em regiões, por número de determinações do Grupo II, realizadas. Nº de Determinações B F G K L M O Q R S T X Regiões Laboratórios/Região Sudeste Sul Na figura 4, para o Grupo II - Ensaios de Materiais Poliméricos (Polietileno de Ultra Alto Peso Molecular: Produtos nas Formas de Pó e Moldada; e Poli (L-Lactato)) para Implantes Cirúrgicos, a região Sudeste e Sul apresentam pelo menos uma determinação das 34 determinações constantes do grupo. Na região Sudeste 34 determinações são distribuída entre onze laboratórios. Dois laboratórios executam 100% das determinações na região Sul, sendo que 13 são realizadas por apenas um laboratório. Figura 5: Percentual das determinações do Grupo II, declaradas pelos laboratórios, distribuído por regiões geográficas. UFRSCar - Fund. Apoio Instit. ao Desenv. Científico e Tecnol. - Centro de Caract. e Desenv. Materiais 47% Inst. de Tecnol. do Paraná/TECPAR - Lab. Química Industrial - LAQI 38% Inst. de Tecnol. do Paraná/TECPAR - Lab. Química Industrial - LAQI 8,8% INT/SP - Lab. Análises Orgânicas 17,8% IPEN/SP 100% IPT/SP - Lab. Análises Químicas Inorgânicas 2,9% UFRJ - Inst. Macromoléculas Profª Eloísa Mano - Lab. Apoio de Serviços - LAPSER 100% Sudeste Regiões UFRJ - Fund. COPPETEC - Lab. Prog de Engenharia Metal e de Materiais 55,9% Sul IPT/SP - Lab. Análises Químicas Orgânicas 14,7% IPT/SP - Lab. Plásticos e Borrachas 85,3% IPT/SP - Lab. Caracterização Física de Materiais 2,9% IPT/SP - Lab. Tecnologia de Cerâmica 2,9% Página 13 de 311

14 Grupo III - Ensaios de Materiais Cerâmicos e Materiais Cerâmicos à Base de Zircônia Tetragonal Estabilizada com Ítria Codificação dos Nome do Laboratório/Região Geográfica Cidade/UF Laboratórios REGIÃO SUDESTE F INSTITUTO DE PESQUISAS ENERGÉTICAS E NUCLEARES - IPEN São Paulo/SP G INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO São Paulo/SP IPT Laboratório de Análises Químicas Inorgânicas M INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO São Paulo/SP IPT Laboratório de Tecnologia de Cerâmica O INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO São Paulo/SP IPT Laboratório de Análises Químicas Orgânicas Q UFRJ Fundação COPPETEC Laboratório do Programa de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Rio de Janeiro/RJ S UFRSCar Fundação de Apoio Institucional ao Desenvolvimento São Carlos/SP Científico e Tecnológico Centro de Caracterização e Desenvolvimento de Materiais REGIÃO SUL X INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ/TECPAR Laboratório de Química Industrial - LAQI Curitiba/PR Tabela 4 Laboratórios que declararam ensaios do Grupo III Página 14 de 311

15 Figura 6: Distribuição de laboratórios em regiões, por número de determinações do Grupo III, realizadas. 8 Nº de Determinações F G M O Q S X Regiões Laboratórios/Região Sudeste Sul Na figura 6, para o Grupo III Ensaios de Materiais Cerâmicos e Materiais Cerâmicos à Base de Zircônia Tetragonal Estabilizada com Ítria, sete laboratórios realizam as determinações deste Grupo, seis da Região Sudeste e um da Região Sul. Um laboratório executa 100% das determinações e dois executam 63%. Figura 7: Percentual das determinações do Grupo III, declaradas pelos laboratórios, distribuído em 2 regiões geográficas. UFRSCar - Fund. Apoio Instit. ao Desenv. Científico e Tecnol. - Centro de Caract. e Desenv. Materiais 37,5% Inst. de Tecnol. do Paraná/TECPAR - Lab. Química Industrial - LAQI 37,5% IPEN/SP 100% UFRJ - Fund. COPPETEC - Lab. Prog de Engenharia Metal e de Materiais 62,5% IPT/SP - Lab. Análises Químicas Orgânicas 37,5% IPT/SP - Lab. Tecnologia de Cerâmica 62,5% IPT/SP - Lab. Análises Químicas Inorgânicas 25% Sudeste Regiões Sul Página 15 de 311

16 Codificação dos Laboratórios Q Grupo IV - Ensaios de Caracterização do Cimento Ósseo Nome do Laboratório/Região Geográfica REGIÃO SUDESTE UFRJ Fundação COPPETEC Laboratório do Programa de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Cidade/UF Rio de Janeiro/RJ Tabela 5 Laboratórios que declararam ensaios do Grupo IV Figura 8: Distribuição de laboratórios em regiões, por número de determinações do Grupo IV, realizadas. 8 Nº de Determinações Região Sudeste Q 1 Laboratórios/Região Na figura 8 Grupo IV Ensaios de Caracterização do Cimento Ósseo dos 23 laboratórios participantes da pesquisa (20 da Região Sudeste e 3 da Região Sul) somente um laboratório executa uma determinação das seis constantes do Grupo IV. Embora execute apenas 18% das determinações do Grupo, o laboratório codificado com a letra Q é o único representante das Regiões Sudeste e Sul, cabendo na figura 9 a representação gráfica total. Figura 9: Percentual das determinações do Grupo IV, declaradas pelos laboratórios, localizado na Região Sudeste Região Sudeste UFRJ - Fund. COPPETEC - Lab. Prog de Engenharia Metal e de Materiais 17,6% Página 16 de 311

17 Codificação dos Laboratórios A Q Grupo V - Ensaios de Caracterização da Cerâmica à Base de Hidroxipatita. Nome do Laboratório/Região Geográfica REGIÃO SUDESTE INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Análises Inorgânicas LABAI UFRJ Fundação COPPETEC Laboratório do Programa de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Tabela 6 Laboratórios que declararam ensaios do Grupo V Cidade/UF Rio de Janeiro/RJ Rio de Janeiro/RJ Figura 10: Distribuição de laboratórios em regiões, por número de determinações do Grupo V, realizadas 3 Nº de Determinações Regiões Sudeste 0 A Laboratórios/Região Q Na figura 10, para o Grupo V Ensaios de Caracterização da Cerâmica à Base de Hidroxipatita, as 3 determinações constantes são executadas por dois laboratórios na Região Sudeste, duas com um laboratório e um com o outro Figura 11: Percentual das determinações do Grupo V, declaradas pelos laboratórios, da região sudeste UFRJ - Fund. COPPETEC - Lab. Prog de Engenharia Metal e de Materiais 33% Região Sudeste INT/SP - Lab. Análises Inorgânicas - LABAI 66,7% Página 17 de 311

18 4 Apresentação dos Laboratórios da Região Sudeste e Sul Contendo as Respectivas Declarações de Realização e Terceirização dos Ensaios Relativos aos Grupos I, II, III, IV e V 4.1 Região Sudeste Codificação dos Laboratórios Nome do Laboratório/Região Geográfica Cidade/UF REGIÃO SUDESTE A INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Análises Inrgânicas LABAI Rio de Janeiro/RJ B INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Análises Orgânicas Rio de Janeiro/RJ C INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Ensaios Mecânicos LAMEC Rio de Janeiro/RJ D INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Corrosão - LACOR Rio de Janeiro/RJ E INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Metalografia e Dureza LAMED Rio de Janeiro/RJ F INSTITUTO DE PESQUISAS ENERGÉTICAS E NUCLEARES - IPEN São Paulo/SP G INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO São Paulo/SP IPT Laboratório de Análises Químicas Inorgânicas H INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO São Paulo/SP IPT Laboratório de Processamento Pirometalúrgico I INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO São Paulo/SP IPT Laboratório de Avaliação Mecânica de Materiais e Componentes J INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO São Paulo/SP IPT Laboratório de Metalografia e Análise de Falhas K INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO São Paulo/SP IPT Laboratório de Plásticos e Borrachas L INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO São Paulo/SP IPT Laboratório de Caracterização Física de Materiais M INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO São Paulo/SP IPT Laboratório de Tecnologia de Cerâmica N INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO São Paulo/SP IPT Laboratório de Metrologia O INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO São Paulo/SP IPT Laboratório de Análises Químicas Orgânicas P LABMAT Análises e Ensaios de Materiais S/C Ltda Piracicaba/SP Q UFRJ Fundação COPPETEC Laboratório do Programa de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Rio de Janeiro/RJ R UFRJ Instituto de Macromoléculas Professora Eloísa Mano Laboratório de Apoio de Serviços - LAPSER Rio de Janeiro/RJ S UFRSCar Fundação de Apoio Institucional ao Desenvolvimento São Carlos/SP Científico e Tecnológico Centro de Caracterização e Desenvolvimento de Materiais T USP Faculdade de Ciências Farmacêuticas - Laboratório de Controle de Medicamentos, Cosméticos, Domissanitários e Produtos afins e as respectivas Matérias-Primas Cidade Universitária - SP Tabela 7 Relação de laboratórios da Região Sudeste que declararam realizar ensaios Página 18 de 311

19 4.1.1 INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Laboratório de Análises Inorgânicas LABAI A Av. Venezuela 82, 2º Andar Sala 210 Rio de Janeiro RJ CEP: Tabela 8 Relação das Determinações Declaradas pela Organização Laboratório A I Análise de Materiais e Produtos Metálicos: Executa Terceiriza 1 Análise química em amostras de aço inoxidável para produtos Implantáveis (análise de carbono, silício, manganês, fósforo, enxofre, nitrogênio, cromo, molibdênio, níquel, cobre, ferro) 2 Análise química em amostras de titânio puro para produtos implantáveis (análise de nitrogênio, carbono, hidrogênio, ferro, oxigênio, titânio) 3 Análise química em amostras de liga conformada de titânio 6- alumínio-4- vanádio para produtos Implantáveis (análise de alumínio, vanádio, ferro, oxigênio, carbono, nitrogênio, hidrogênio, titânio) 4 Análise química em amostras de liga fundida de cobalto cromo-molibdênio para produtos Implantáveis (análise de cromo, molibdênio, níquel, ferro, carbono, manganês, silício, cobalto) 5 Análise química em amostras de liga conformada de cobalto-cromo-tungstênio-níquel para produtos Implantáveis (análise de cromo, tungstênio, níquel, ferro, carbono, silício, manganês, cobalto) 6 Análise química em amostras de liga conformada de cobalto-níquel-cromo-molibdênio para produtos Implantáveis (análise de níquel, cromo, molibdênio, ferro, titânio, manganês, silício, carbono, fósforo, enxofre, cobalto) 7 Análise química em amostras de liga forjada e conformada a frio de cobalto-cromo-níquelmolibdênio-ferro para produtos Implantáveis (análise de cobalto, cromo, níquel, molibdênio, manganês, silício, carbono, fósforo, enxofre, berílio, ferro) 8 Análise química em amostras de liga conformada de cobalto-níquel-cromo-molibdênio-tungstênioferro para produtos Implantáveis (análise de cobalto, níquel, cromo, molibdênio, tungstênio, ferro, titânio, carbono, manganês, silício, enxofre) 9 Análise química em amostras de aço inoxidável conformado de alto teor de nitrogênio para produtos Implantáveis (análise de carbono, silício, manganês, níquel, cromo, molibdênio, nióbio, enxofre, fósforo, cobre, nitrogênio, ferro) Sim ASTM E 353, POQ/ME 601, POQ/ME 637, POQ/ME 631, POQ/ME 639 Sim POQ/ME 639 Página 19 de 311

20 Laboratório A I Análise de Materiais e Produtos Metálicos: Executa Terceiriza 10 Análise química em amostras de liga conformada de titânio 5-alumínio-2,5-ferro para produtos Implantáveis (análise de alumínio, ferro, oxigênio, carbono, nitrogênio, hidrogênio, titânio) 11 Análise química em amostras de liga conformada de titânio 6-alumínio-7-nióbio para produtos Implantáveis (análise de alumínio, nióbio, tântalo, ferro, oxigênio, carbono, nitrogênio, hidrogênio, titânio) 12 Análise química em amostras de liga conformada de cobalto-cromo-molibdênio para produtos Implantáveis (níquel, cromo molibdênio, ferro, manganês, silício, carbono, nitrogênio, cobalto) 13 Análise química em amostras de tântalo puro para produtos Implantáveis (análise de carbono, oxigênio, nitrogênio, hidrogênio, nióbio, ferro, titânio, tungstênio, molibdênio, silício, níquel, tântalo) 14 Ensaios mecânicos em amostras de aço inoxidável conformado para produtos implantáveis: 14.1 Limite de resistência à tração 14.2 Limite convencional de elasticidade 14.3 Alongamento percentual 15 Análise microestrutural para o aço inoxidável conformado para produtos implantáveis: 15.1 Tamanho de grão 15.2 Ausência de ferrita delta 15.3 Teor de inclusões Sulfetos 15.4 Teor de inclusões Aluminatos 15.5 Teor de inclusões Silicatos 15.6 Teor de inclusões Óxidos 15.7 Teor de inclusões Globular 16 Ensaios mecânicos em amostras de titânio puro para produtos implantáveis: 16.1 Resistência à tração 16.2 Limite convencional de elasticidade 16.3 Alongamento percentual 16.4 Estricção 16.5 Dobramento 17 Análise da microestrutura da amostra de titânio puro para produtos implantáveis: 17.1 Tamanho de grão Página 20 de 311

REMATO-REDE MULTICÊNTRICA DE. Dra. Iêda Caminha. Instituto Nacional de Tecnologia/INT Centro Coordenador REMATO

REMATO-REDE MULTICÊNTRICA DE. Dra. Iêda Caminha. Instituto Nacional de Tecnologia/INT Centro Coordenador REMATO REMATO-REDE MULTICÊNTRICA DE AVALIAÇÃO DE IMPLANTES ORTOPÉDICOS O E SUAS NECESSIDADES METROLÓGICAS Dra. Iêda Caminha Instituto Nacional de Tecnologia/INT Centro Coordenador REMATO VII Seminário Rio-Metrologia

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

TM229 - Introdução aos Materiais

TM229 - Introdução aos Materiais TM229 - Introdução aos Materiais Propriedades mecânicas 2009.1 Ana Sofia C. M. D Oliveira Propriedades mecânicas Resistência - Tração - Escoamento - Compressão - Flexão - Cisalhamento - Fluência - Tensão

Leia mais

Utilização de aços inoxidáveis em implantes

Utilização de aços inoxidáveis em implantes Utilização de aços inoxidáveis em implantes Buss GAM 1 ; Donath KS 2 ; Vicente MG 1 1 Unidade de Tecnovigilância NUVIG/Anvisa 2 Gerência de Materiais GGTPS/Anvisa Introdução Os requisitos gerais para a

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «21. A grafia incorreta do resultado da medição propicia problemas de legibilidade, informações desnecessárias e sem sentido. Considerando

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual a estrutura cristalina

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Dr. Carlos Eduardo Pinedo Diretor Técnico 1. Considerações Iniciais Aços Ferramenta Dentre os diferentes materiais utilizados pelo homem em seu cotidiano,

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS ENSAIOS REALIZADOS POR LABORATÓRIOS PRESTADORES DE SERVIÇOS NA ÁREA DE AGROTÓXICOS, SEUS COMPONENTES E AFINS

LEVANTAMENTO DOS ENSAIOS REALIZADOS POR LABORATÓRIOS PRESTADORES DE SERVIÇOS NA ÁREA DE AGROTÓXICOS, SEUS COMPONENTES E AFINS LEVANTAMENTO DOS ENSAIOS REALIZADOS POR LABORATÓRIOS PRESTADORES DE SERVIÇOS NA ÁREA DE AGROTÓXICOS, SEUS COMPONENTES E AFINS Pesquisa elaborada pela Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública Coordenação

Leia mais

Disciplina: Materiais para produção industrial Prof.: Sidney Melo

Disciplina: Materiais para produção industrial Prof.: Sidney Melo Disciplina: Materiais para produção industrial Prof.: Sidney Melo 1 Introdução Aço é uma liga metálica formada essencialmente por ferro e carbono, com percentagens deste último variáveis entre 0,008 e

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

ENCOMENDA TRANSVERSAL REDES TEMÁTICAS SIBRATEC SERVIÇOS TECNOLÓGICOS Redes Temáticas de Serviços Tecnológicos em Produtos para a saúde

ENCOMENDA TRANSVERSAL REDES TEMÁTICAS SIBRATEC SERVIÇOS TECNOLÓGICOS Redes Temáticas de Serviços Tecnológicos em Produtos para a saúde Memorial de reunião Datas: 30 e 31 de março de 2009 Local: Brasília Participantes: em lista anexada Relator: André Luiz CERTI aeo@certi.org.br ENCOMENDA TRANSVERSAL REDES TEMÁTICAS SIBRATEC SERVIÇOS TECNOLÓGICOS

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

ESTRUTURA CRISTALINA DOS METAIS

ESTRUTURA CRISTALINA DOS METAIS ESTRUTURA CRISTALINA DOS METAIS Estrutura cristalina dos metais 1 DEFINIÇÃO DE CRISTAL - Sólidos cristalinos: Uma substância pode ser considerada cristalina quando os átomos (ou moléculas) que a constitui

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 03 PVC A tabela a seguir lista valores típicos de algumas propriedades físicas, mecânicas, térmicas e elétricas de compostos de PVC rígidos e flexíveis. Os valores são simplesmente de caráter informativo e são

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

Normalização de ensaios em componentes 1

Normalização de ensaios em componentes 1 Ponto Focal de Barreiras Técnicas às Exportações Portal: http://www.inmetro.gov.br/barreirastecnicas Contato: barreirastecnicas@inmetro.gov.br Os artigos assinados são de exclusiva responsabilidade dos

Leia mais

Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica. Brasília, 31 de março de 2009.

Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica. Brasília, 31 de março de 2009. Ata de reunião do Grupo de Manufatura Mecânica Brasília, 31 de março de 2009. Local: Centro de convenções Israel Pinheiro Presentes: Afonso Reguly ( LAMEF-UFRGS RS-S reguly@ufrgs.br), Gustavo Donatelli

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIVISÃO DE ENSINO

Universidade Estadual de Ponta Grossa PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIVISÃO DE ENSINO Universidade Estadual de Ponta Grossa PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIVISÃO DE ENSINO PROGRAMA DE DISCIPLINA SETOR: Ciências Agrárias e de Tecnologia DEPARTAMENTO: Engenharia de Materiais DISCIPLINA: Ensaios

Leia mais

Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale

Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale ARTIGO Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale Isaias Moreira de Freitas 1, Bruno Teieira Barros 2, Francisco Nascimento Chagas 3 1 Ger. de Engenharia Ferroviária, Av. Dante Micheline,

Leia mais

Prof André Montillo www.montillo.com.br

Prof André Montillo www.montillo.com.br Prof André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a deterioração de um material, geralmente metálico, por ação eletroquímica ou química do meio ambiente, associada ou não a esforços mecânicos. Isto

Leia mais

Pesquisa para identificação de laboratórios que realizam análise quantitativa de transgênicos em alimentos no Brasil

Pesquisa para identificação de laboratórios que realizam análise quantitativa de transgênicos em alimentos no Brasil .1 Pesquisa para identificação de laboratórios que realizam análise quantitativa de transgênicos em alimentos no Brasil Pesquisa realizada pela Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública GGLAS Abril

Leia mais

As informações e opiniões contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade dos autores.

As informações e opiniões contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade dos autores. AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE PRÓTESE TOTAL DE QUADRIL DE AÇO INOXIDÁVEL AUSTENÍTICO REMOVIDA DE PACIENTE E.H. de S. Cavalcanti (1), S.M.C. de Souza (1), C. de A. Ferreira (1), M.M.Campos (1),

Leia mais

Em aços trabalhados mecanicamente, é usual a presença de uma

Em aços trabalhados mecanicamente, é usual a presença de uma Figura 2.13: Amostra do aço SAF 2205 envelhecida a 850ºC por 30 minutos. Ferrita (escura), austenita (cinza) e sigma (sem ataque). Nota-se morfologia lamelar de sigma e austenita, no centro da micrografia.

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1/28 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO LAB SYSTEM DE PESQUISAS E S LTDA. ACREDITAÇÃO N FIOS, CABOS E CORDÕES S MECÂNICOS Ensaio de tração e alongamento

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

ENQUALAB-2009 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 01 a 04 de junho de 2009, São Paulo, Brasil

ENQUALAB-2009 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 01 a 04 de junho de 2009, São Paulo, Brasil ENQUALAB-2009 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 01 a 04 de junho de 2009, São Paulo, Brasil Implantação de Sistema de Gestão segundo a Norma ABNT NBR

Leia mais

O AÇO ESTRUTURAL (uma parte do material desta página foi extraída do site www.gerdau.com.br) Aços CA-50 e CA-25

O AÇO ESTRUTURAL (uma parte do material desta página foi extraída do site www.gerdau.com.br) Aços CA-50 e CA-25 O AÇO ESTRUTURAL (uma parte do material desta página foi extraída do site www.gerdau.com.br) Os aços são classificados conforme sua resistência, definida pela sua composição e processo de fabricação. Assim,

Leia mais

Novos Materiais de Engenharia

Novos Materiais de Engenharia LOGO Novos Materiais de Engenharia - Propriedades e Aplicações Industriais - Júlio F. Baumgarten, Mestre Eng. de Materiais & Processos Avançados METALAB Análise de Materiais Ltda. Centro Tecnológico de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE RODA MICROLIGADA COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL. Eng. (MSc) Domingos José Minicucci

DESENVOLVIMENTO DE RODA MICROLIGADA COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL. Eng. (MSc) Domingos José Minicucci COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL Eng. (MSc) Domingos José Minicucci CONTEÚDO: Evolução da carga por eixo na Austrália Contato roda trilho Especificação AAR para rodas classe D microligadas Nióbio

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas TABELA DE ESCOLHA DO TIPO DE FRESA TIPO DE FRESA MATERIAL A SER CORTADO Com geometria de corte N aço com resistência até 80 kg/mm² aço beneficiado até 100 kg/mm² ferro fundido até

Leia mais

Darlan Dallacosta, M. Eng. Diretor

Darlan Dallacosta, M. Eng. Diretor Escopo de Serviços I- Sumário Executivo (Laboratório de Ensaios Mecânicos) A SCiTec aparece como uma empresa de base tecnológica apta para prestar serviços de forma integrada com o setor empresarial. Constituída

Leia mais

Compósitos. Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA,

Compósitos. Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA, Os materiais compostos são formados apenas por duas fases: MATRIZ, que é contínua e envolve a outra fase, denominada FASE DISPERSA, As propriedades são obtidas através da quantidade, da geometria da fase

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO SCITEC SOLUÇÕES EM ENSAIOS DE MATERIAIS E PRODUTOS LTDA / LABORATÓRIO DE ENSAIOS MECÂNICOS

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO SCITEC SOLUÇÕES EM ENSAIOS DE MATERIAIS E PRODUTOS LTDA / LABORATÓRIO DE ENSAIOS MECÂNICOS ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO SCITEC SOLUÇÕES EM ENSAIOS DE MATERIAIS E S LTDA /

Leia mais

PROCESSOS E VARIÁVEIS DE FUNDIÇÃO

PROCESSOS E VARIÁVEIS DE FUNDIÇÃO PROCESSOS E VARIÁVEIS DE FUNDIÇÃO Sergio Mazzer Rossitti maio/1993 Fundição não é uma arte! É um campo do conhecimento tecnológico, bastante complexo e com um grande numero de variáveis. Exige pois, do

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

ISOFLAMA Indústria e Comercio de Equipamentos Ltda SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO. J.C.Vendramim 1

ISOFLAMA Indústria e Comercio de Equipamentos Ltda SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO. J.C.Vendramim 1 SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO J.C.Vendramim 1 [1] João Carmo Vendramim Engenheiro metalurgista, mestrado em engenharia de materiais pela universidade de Campinas Unicamp. Introdução A seleção do

Leia mais

METAIS MCC1001 AULA 9

METAIS MCC1001 AULA 9 METAIS MCC1001 AULA 9 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil TIPOS DE MATERIAIS Metais:

Leia mais

Apostila de Metalurgia da Soldagem

Apostila de Metalurgia da Soldagem Apostila de Metalurgia da Soldagem METAIS E LIGAS METÁLICAS... 3 PROPRIEDADES E ENSAIOS DOS METAIS... 18 PRINCÍPIOS DOS CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM... 36 PROPRIEDADES DO METAL DE SOLDA... 38 DEFEITOS DO METAL

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 11 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO SENAI/CETEPO CENTRO TECNOLÓGICO DE POLÍMEROS LABORATÓRIO

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

OEstudo de Materiais Elétricos constitui-se em um tema básico para que sejam estudados tópicos

OEstudo de Materiais Elétricos constitui-se em um tema básico para que sejam estudados tópicos 1 - Materiais Elétricos Carlos Marcelo Pedroso 28 de julho de 2009 1 Introdução OEstudo de Materiais Elétricos constitui-se em um tema básico para que sejam estudados tópicos de Instalações Elétricas,

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS E ENSAIOS QUÍMICOS:

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS E ENSAIOS QUÍMICOS: COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS E ENSAIOS QUÍMICOS: Áreas de Metalurgia, Produtos Metálicos, Máquinas e Equipamentos Apoio: Programa PEP REDE 1405 Rodada 010/2015 (Instruções aos Participantes,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS EXERCÍCIOS Questão 01) O correto uso da tabela periódica permite determinar os elementos químicos a partir de algumas de suas características. Recorra a tabela periódica

Leia mais

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. PARA FURAR MATERIAIS DE ALTA RESISTÊNCIA OU EM CONDIÇÕES EXTREMAS, UTILIZE NOSSA GAMA DE SOLUÇÕES. ALTA PERFORMANCE COM MÁXIMA

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 62 CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 63 SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO É um processo de soldagem por fusão a arco elétrico que utiliza um eletrodo consumível, no qual o calor

Leia mais

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição O que possuem em comum equipamentos e peças tão diversos como torneiras, chuveiros, grampeadores, lanternas, peças para luminotécnica, alto-falantes

Leia mais

Reciclagem do Lodo da Estação de Tratamento de Efluentes de uma Indústria de Revestimentos Cerâmicos. Parte 2: Ensaios Industriais

Reciclagem do Lodo da Estação de Tratamento de Efluentes de uma Indústria de Revestimentos Cerâmicos. Parte 2: Ensaios Industriais Reciclagem do Lodo da Estação de Tratamento de Efluentes de uma Indústria de Revestimentos Cerâmicos. Parte 2: Ensaios Industriais P.F. Fernandes 1,2, A.P.N. Oliveira 2,3, D. Hotza 1,2 1 Universidade Federal

Leia mais

CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS

CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS 231 CAPÍTULO 10 PROPRIEDADES MECÂNICAS DE MATERIAIS Sumário Objetivos deste capítulo...232 10.1 Introdução...232 10.2 Conceitos de tensão e deformação...233 10.3 Discordâncias e sistemas de escorregamento...233

Leia mais

Aula 2: O estudo da matéria

Aula 2: O estudo da matéria KROTON S.A. UNIC EDUCACIONAL LTDA. ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2015/1 Aula 2: O estudo da matéria A Matéria Conceitos; Tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. - O que é massa? - Como se afere a massa de

Leia mais

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Ensaiar é preciso! Introdução Como você se sentiria se a chave que acabou de mandar fazer quebrasse ao dar a primeira volta na fechadura? Ou se a jarra de

Leia mais

ISOLANTES TÉRMICOS. Isolantes Térmicos e Refratários LTDA. catalogofinal25.05.indd 1 25/5/2010 12:56:00

ISOLANTES TÉRMICOS. Isolantes Térmicos e Refratários LTDA. catalogofinal25.05.indd 1 25/5/2010 12:56:00 ISOLANTES TÉRMICOS Isolantes Térmicos e Refratários LTDA. catalogofinal25.05.indd 1 25/5/2010 12:56:00 catalogofinal25.05.indd 2 25/5/2010 12:56:01 ÍNDICE Apresentação 5 Tecido de fibra de vidro 6 Fio

Leia mais

Constituintes estruturais de equilíbrio dos aços

Constituintes estruturais de equilíbrio dos aços Constituintes estruturais de equilíbrio dos aços Austenita: É uma solução sólida de carbono em ferro gama. Somente é estável as temperaturas superiores a 723 ºC, desdobrando-se por reação eutetóide, a

Leia mais

Ficha Técnica de Produto

Ficha Técnica de Produto Ficha Técnica de Produto GLENIUM 3400 NV Aditivo hiperplastificante. GLENIUM 3400 NV é um aditivo com alto índice de redução de água, pronto para o uso. O GLENIUM 3400 NV é uma nova geração de aditivos

Leia mais

Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205.

Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205. Projeto de iniciação científica Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205. Relatório Final Bolsista: RODRIGO DI PIETRO GERZELY e-mail: rpietro@fei.edu.br

Leia mais

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt ENSAIO DE MATERIAIS Profº Diógenes Bitencourt BASES TECNOLÓGICAS Diagrama Tensão-Deformação; Ensaio de Tração; Ensaio de Compressão; Ensaio de Cisalhamento; Ensaio de dureza Brinell; Ensaio de dureza Rockwell;

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Laboratório rio de Polímeros e Materiais

Laboratório rio de Polímeros e Materiais Laboratório rio de Polímeros e Materiais 26 Novembro Novembro 2003 de Mecânica Panorâmica Geral Introdução Este laboratório, criado no ano lectivo de 1989/90, possui vários equipamentos de ensaio de materiais.

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02 ASSISTÊNCIA TÉCNICA Caderno 02 Julho/2004 CONFORMAÇÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Comportamento dos Aços Inoxidáveis em Processos de Estampagem por Embutimento e Estiramento 1 Estampagem Roberto Bamenga Guida

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

Análise de Óleo. Artigo Técnico

Análise de Óleo. Artigo Técnico Análise de Óleo O uso da análise de óleo como técnica de manutenção começou a ser aplicada na década 50. A crise do petróleo intensificou o uso da análise de óleo, que passou a cumprir uma nova função

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias Estruturas Metálicas Módulo I Normas e Matérias NORMAS DE ESTRUTURA ABNT NBR 8800/2008 PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO EM EDIFICIOS - ABNT NBR 6120/1980 Cargas para o cálculo de estruturas de edificações

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ALEXANDRE PASCHOALIN ANDERSON LUÍS JACINTHO INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE

Leia mais

Agora disponível online CINDAS Banco de Dados de Propriedades Termofísicas de Matérias (TPMD) Características da Interface

Agora disponível online CINDAS Banco de Dados de Propriedades Termofísicas de Matérias (TPMD) Características da Interface Industry Benchmark for Critically Evaluated Materials Properties Data Agora disponível online CINDAS Banco de Dados de Propriedades Termofísicas de Matérias (TPMD) O Banco de Dados de Propriedades Termofísicas

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

Lista exercícios N1 Química Geral Tabela Periódica, distribuição eletrônica e ligações químicas.

Lista exercícios N1 Química Geral Tabela Periódica, distribuição eletrônica e ligações químicas. 1 Parte I - Considere as informações abaixo: Lista exercícios N1 Química Geral Tabela Periódica, distribuição eletrônica e ligações químicas. Núcleo: Prótons e nêutrons. Eletrosfera: elétrons Os átomos

Leia mais

(AÇO SEM MANCHAS) Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

(AÇO SEM MANCHAS) Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho AÇO INOXIDÁVEL OU AÇO INOX STAINLESS STEEL (AÇO SEM MANCHAS) Conceito Aço inox é o termo empregado para identificar uma família de aços contendo no mínimo 10,5% de cromo. Este cromo está presente homogênea

Leia mais

BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE

BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE BT 0014 BOLETIM TÉCNICO RESINA PC 6NF_ENDURECEDOR G 130 BLUE Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina PC 6NF_Endurecedor G 130 Blue Resina para aplicação

Leia mais

Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Instituto de Química UFRJ. Profa. Eliane D Elia

Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Instituto de Química UFRJ. Profa. Eliane D Elia Laboratório de Eletroquímica e Eletroanalítica (634 A) Departamento de Química Inorgânica Instituto de Química UFRJ Profa. Eliane D Elia Linhas de Pesquisa: Corrosão Dissolução metálica Inibidores de Corrosão

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA TABELA ANEXA AO DECRETO Nº14824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA 11 Para execução de ligação de água em tubos de plásticos, com reenchimento da escavação e repavimentação da faixa de rolamento

Leia mais

Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado por quilo na base seca.

Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado por quilo na base seca. Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15 Objeto: LOTE 1: Fornecimento parcelado de 5 (cinco) toneladas de Ortopolifosfato a 55%. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado

Leia mais

CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO. Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA

CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO. Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA VII ERUR ENCONTRO DE REFRATÁRIOS E USUÁRIOS DE REFRATÁRIOS CONCRETOS REFRATÁRIOS PARA CIMENTO E CAL: EVOLUÇÃO, PROPRIEDADES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO Waldir de Sousa Resende IBAR LTDA RESUMO Definição Concretos

Leia mais

Materiais têm personalidade?

Materiais têm personalidade? Materiais têm personalidade? Introdução O pior é que têm! Como? Pense um pouco. Por que o plástico é plástico? Por que o alumínio é mais leve que o ferro? Por que a borracha depois de esticada volta a

Leia mais

Tratamento Térmico e Materiais

Tratamento Térmico e Materiais Tratamento Térmico e Materiais ISOFLAMA Indústria e Comércio de Equipamentos Ltda João Carmo Vendramim João Carmo Vendramim Engenheiro Metalurgista, MSc Mestrado Fem-Unicamp Depto.Enga.Materiais Projeto

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 PELA TÉCNICA NÃO DESTRUTIVA DE CORRENTES PARASITAS PULSADAS

CARACTERIZAÇÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 PELA TÉCNICA NÃO DESTRUTIVA DE CORRENTES PARASITAS PULSADAS CARACTERIZAÇÃO DO AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX UNS S31803 PELA TÉCNICA NÃO DESTRUTIVA DE CORRENTES PARASITAS PULSADAS Jessica Pisano Loureiro Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Metalúrgica

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

Metalografia não Destrutiva pelo Método de Réplicas.

Metalografia não Destrutiva pelo Método de Réplicas. Metalografia não Destrutiva pelo Método de Réplicas. 1 Conceito: As propriedades das ligas metálicas e suas transformações estão intimamente ligadas ao seu estado metalúrgico ou microestrutural. O exame

Leia mais

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA ASPERSÃO TÉRMICA PROCESSO Resumidamente, Aspersão Térmica consiste em um grupo de processos em que materiais metálicos e não metálicos são projetados na forma fundida ou semifundida sobre uma superfície

Leia mais

Plano de Aula Estruturada

Plano de Aula Estruturada Plano de Aula Estruturada Curso: Engenharia Mecânica Disciplina: Ensaios e Conformação Mecânica Semestre: 8º semestre Corpo Docente: Hélder Alves de Almeida Júnior Coordenador(a): Edmar Aderson Mendes

Leia mais

CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES

CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES Os produtos SODRAMAR em Aço Inox são fabricados utilizando matéria prima com alto padrão de qualidade, e como tal merecem cuidados. Preocupados em manter a beleza

Leia mais

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO O produto OXY-PRIMER é um tipo de tinta de cobertura cimentosa que não é composto de resinas normais, mas que adere como cimento. O cimento adere

Leia mais

Juntas sobrepostas: sobreposição de 3 a 5 vezes a espessura das chapas

Juntas sobrepostas: sobreposição de 3 a 5 vezes a espessura das chapas SOLDAGEM 1. Introdução Junção de peças metálicas por contato e aquecimento. Processos por fusão: fusão local das partes, necessidade de metal de adição (geralmente). Processos por pressão: aquecimento

Leia mais

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para Ferramenta de Corte Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para ferramentas de cortes Nas operações mais comuns, utiliza como ferramenta um material mais duro que o da peça. Por outro

Leia mais

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA FREIRE EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM OSASCO 2011 2 MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA

Leia mais

Libânio M. Pinheiro, Andreilton P. Santos, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos

Libânio M. Pinheiro, Andreilton P. Santos, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Andreilton P. Santos, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2010 AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA O aço é uma liga de ferrocarbono

Leia mais

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO Centro Universitário de Brasília Disciplina: Química Tecnológica Geral Professor: Edil Reis MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO No estudo dos processos corrosivos devem ser sempre consideradas as variáveis

Leia mais