INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO BRASIL"

Transcrição

1 INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO BRASIL Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd I 05/05/ :40:40

2 Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd II 05/05/ :41:07

3 RICARDO UBIRACI SENNES ANTONIO BRITTO FILHO (Orgs.) INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO BRASIL DESEMPENHO, POLÍTICAS E POTENCIAL Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd III 05/05/ :41:08

4 2010 Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa Interfarma CULTURA ACADÊMICA EDITORA Praça da Sé, São Paulo SP Tel.: (0xx11) Fax: (0xx11) CIP Brasil. Catalogação na fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ Inovações tecnológicas no Brasil. Desempenho, políticas e potencial / Ricardo Ubiraci Sennes e Antonio Britto Filho (orgs.). São Paulo: Cultura Acadêmica, p.: il. Inclui bibliografia ISBN Ciência Brasil. 2. Tecnologia Brasil. 3. Ciência e Estado Brasil. 4. Tecnologia e Estado Brasil. 5. Inovações tecnológicas Brasil. 6. Inovações tecnológicas Política governamental Brasil. 7. Política industrial Brasil. 8. Pesquisa Brasil. I. Sennes, Ricardo. II. Britto Filho, Antonio CDD: CDU: 5/6(81) Editora afiliada: Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd IV 05/05/ :41:08

5 AGRADECIMENTOS Agradecemos aos autores dos artigos bem como aos entrevistados por suas atuações e memórias, agora materializadas neste livro. Agradecemos também o apoio das equipes da Interfarma Ronaldo Luiz Pires, Tatiane Schofield e Sérgio Ribeiro, da Prospectiva Consultoria Anselmo Takaki, Claudia Mancini e Diogo Galvão e da Fundação Editora da Unesp Jézio Hernani Bomfim Gutierre e Henrique Zanardi. Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd V 05/05/ :41:08

6 Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd VI 05/05/ :41:08

7 SUMÁRIO Apresentação IX Parte 1 Potencial científico do Brasil 1 1 Recursos humanos para ciência e tecnologia no Brasil 7 2 Evolução e perfil da produção científica brasileira 41 3 Avaliação do perfil atual da pesquisa aplicada no Brasil 55 Parte 2 Inovação como estratégia empresarial 79 4 Atração de investimento direto estrangeiro em pesquisa e desenvolvimento 83 5 A inovação na empresa: imperativo para uma mudança estratégica Os movimentos das multinacionais e a internacionalização da pesquisa, desenvolvimento e inovação Inovação à brasileira. Três estilos de internacionalização: Natura, Marcopolo e Embraer 147 Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd VII 05/05/ :41:08

8 Parte 3 Inovação no Brasil: comparações e casos de sucesso Oportunidades, incentivos e dificuldades na atração e estabelecimento de laboratórios de pesquisa no Brasil: o caso da IBM Research-Brasil Avaliação do cotidiano inovador no Brasil: mercado biofarmacêutico, biociências e o papel da Biominas Brasil 217 Parte 4 Inovação no setor da saúde do homem no Brasil Panorama regulatório da pesquisa no Brasil Centros de pesquisa em hospitais de ponta no Brasil Conexões entre inovação e acesso à saúde Inovação nos laboratórios públicos A inovação e o BNDES 341 Referências 353 Sobre os autores 357 Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd VIII 05/05/ :41:08

9 APRESENTAÇÃO O tema da inovação ganhou espaço na agenda nacional nos últimos anos e é objeto de consistente ativismo político desde o final da década de Contudo, apesar da inestimável contribuição dos agentes responsáveis pela pauta de inovação nesse período, o fato é que o esforço ainda não foi suficiente para que o tema se tornasse central na estratégia de desenvolvimento do país. A justificativa para inovar processos e produtos é óbvia, mas a incorporação ao cotidiano das empresas, universidades e instituições públicas, como se sabe, não é tarefa trivial. Alcançar e se manter na fronteira do conhecimento requer uma conjunção de fatores internos e externos que normalmente não se restringem à motivação individual, de uma empresa ou de uma instância governamental, mas da convergência de elementos que impulsionam os agentes promotores da inovação para novos patamares de conhecimento técnico e científico. Diante desse desafio, a Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma) se propôs, com o apoio da Prospectiva Consultoria, a formular um debate que contribua com a avaliação, a proposição e o incremento da inovação no Brasil e, particularmente, na indústria da saúde. Este livro reúne a opinião de especialistas que cooperaram para a disseminação da cultura da inovação em nossas empresas, centros de pesquisa e universidades nas últimas décadas, e cujas experiências certamente servirão de ponto de partida para aperfeiçoar o debate que tanto interessa àqueles que trabalham para o desenvolvimento econômico e, sobretudo, social do Brasil. A pluralidade de perspectivas, autores e experiências refletidas nos artigos e nas entrevistas que compõem este volume permite ao leitor ter uma Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd IX 05/05/ :41:08

10 X RICARDO UBIRACI SENNES ANTONIO BRITTO FILHO (ORGS.) visão bastante ampla sobre o quadro nacional da pesquisa e inovação atualmente. Tal efeito somente pôde ser alcançado por meio das balizadas opiniões formuladas por especialistas das principais universidades e centros de pesquisa do país, representantes de instituições de fomento, cientistas e empreendedores no campo da inovação, líderes de projetos de inovação em empresas nacionais e multinacionais, de vários campos do conhecimento e de diversas regiões do Brasil. O livro identifica inúmeros pontos positivos nas políticas científicas e tecnológicas brasileiras, assim como experiências bem-sucedidas de empresas e instituições públicas nessa matéria. Ao mesmo tempo, pontua várias questões ainda não equacionadas na regulação e procedimentos sobre pesquisa e desenvolvimento no país, deficiências importantes no perfil empresarial, assim como alguns dissensos ainda que reduzidos sobre as melhores práticas no relacionamento público-privado. Pretendemos contribuir para um balanço sobre onde estamos em matéria de políticas públicas, base científica e capacidade empresarial para inovar, assim como indicar alguns passos possíveis a serem tomados no futuro próximo. Esse livro consolida a percepção de que o Brasil já andou muito no campo científico e tecnológico e tem, atualmente, excelentes condições para dar um salto no volume e na qualidade da inovação produzida no país. Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd X 05/05/ :41:08

11 PARTE 1 POTENCIAL CIENTÍFICO DO BRASIL Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd 1 05/05/ :41:08

12 Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd 2 05/05/ :41:08

13 A presente coletânea de artigos sobre inovação no Brasil não poderia ser iniciada de maneira diferente. Como parte introdutória ao tema aqui discutido, se faz necessária uma prévia avaliação do que pode ser chamado de Potencial Científico do Brasil, envolvendo aspectos de mão de obra, da pesquisa no ensino superior e da produção científica universitária, já avançando assim nos tópicos a serem discutidos posteriormente, proporcionando uma desmistificação da pesquisa aplicada como geradora da inovação. Nesse sentido, Carlos Henrique de Brito Cruz, no primeiro capítulo, nos apresenta provocações acerca da formação e da utilização de mão de obra em ciência e tecnologia, e de forma bem objetiva, sugere que o ensino superior no Brasil (incluindo pesquisa e pós-graduação) não é orientado para a geração de conhecimento para inovação via pesquisa básica, o que determina a pouca quantidade de pesquisa aplicada, e seu fruto a inovação. Brito Cruz inicia sua argumentação observando que a política brasileira de incentivo à ciência e tecnologia pode ser considerada uma política de Estado, com programas, projetos e medidas tomadas desde a década de Apresenta uma das principais contradições do Sistema Nacional de C&T: a produção científica é rica, crescente, e ganha relevância; enquanto a quantidade de patentes geradas é baixa, e cresce em ritmo inferior em relação à primeira. Ademais ao já conhecido argumento de que ciência e tecnologia no Brasil não são realizadas em empresas (via atividades de pesquisa e desenvolvimento P&D), mas, sim, em universidades e institutos de pesquisa fato que determina o locus de trabalho dos pesquisadores, Brito Cruz exime Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd 3 05/05/ :41:08

14 4 RICARDO UBIRACI SENNES ANTONIO BRITTO FILHO (ORGS.) parcialmente a responsabilidade do setor privado ao revelar que 66% dos graduandos em 2008 eram das áreas de Ciências Humanas e Sociais; Engenharia e Ciências Exatas respondiam por 14%; e Saúde, 16%. Dados similares e com o mesmo simbolismo refletem a pós-graduação. Ora, o Brasil não forma mão de obra nas especialidades técnicas e científicas necessárias para atividades de pesquisa aplicada. Dessa forma, Brito Cruz propõe uma reavaliação do sistema brasileiro de ensino superior, no sentido de incorporar, pela formação de mão de obra, a necessidade de gerar mais inovação via pesquisa aplicada. Por esse viés, é destacado que a o Brasil possui uma rede de universidades de altíssima competência e qualidade que teria condições de liderar esse processo. Marco Antonio Zago, no segundo capítulo, aborda justamente essa rede de universidades e institutos de pesquisa responsável pela boa e crescente produção científica no país, e que seria incumbida de elevar o Brasil a um alto patamar em termos de ciência, tecnologia e inovação. Zago analisou o perfil da produção científica brasileira, e ponderou que para atingir o nível desejado em termos de C&T&I, há de se atentar para a melhora da qualidade da ciência produzida no país. Essa percepção é apontada pelo fato de, apesar de crescente, a produção científica brasileira ainda gerar pouca repercussão e influência na comunidade científica internacional. Zago apontou que em uma determinada base de dados científica, apenas 0,16% das publicações brasileiras de possuía 200 citações ou mais. E mais: desses poucos exemplos, grande parte era trabalho resultante de cooperação e intercâmbio com pesquisadores e grupos de pesquisa de fora do país, ou seja, não era 100% nacional. Não obstante, Zago apontou as áreas de ciências da vida (incluindo agricultura, ciências biológicas e medicina) como destaque do Brasil em termos da produção científica quantidade e qualidade e observou que esses campos são promissores para investimentos em ciência aplicada e inovação, pois já há qualificação suficiente para uma mudança de patamar. Dentro dessa mesma linha, Fernando Galembeck, no terceiro capítulo, apresenta casos e exemplos de pesquisas aplicadas e inovações de sucesso justamente do campo de ciências da vida, em especial o ramo da agricultura e das ciências biológicas. Galembeck nos presta um bom serviço ao desmitificar a pesquisa aplicada: quantidade de patentes e papers nem sempre significam uma boa, ruim, pouca ou elevada atividade de pesquisa aplicada Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd 4 05/05/ :41:08

15 INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO BRASIL 5 e de inovação. Muitas vezes, avanços em C&T e inovações são absorvidos pela sociedade de maneira natural, sem a devida percepção desse avanço. Ao analisar a pesquisa aplicada no país, em um primeiro momento pelas patentes, Fernando Galembeck constatou o conhecido fato de poucos pedidos de proteção patentária advindos do Brasil, e ainda verificou que essa quantidade reduzida, em sua maioria, é realizada por empresas estrangeiras que performam P&D em suas filiais brasileiras. Não obstante, o Brasil possui qualificadas atividades de pesquisa aplicada e inovação que não são captadas pelos indicadores de patentes e produção científica principalmente nas áreas agrícola e biológica, desempenhados tanto por pequenas e médias empresas, quanto por universidades e institutos de pesquisa. De fato, essas três contribuições comprovam o alto potencial científico brasileiro. No entanto, também mencionam necessidades de sintonia fina no sistema nacional de ciência e tecnologia no sentido de que, tal potencial seja de fato transformado em realidade e o país deixe de ter possibilidade para que se torne potência. Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd 5 05/05/ :41:08

16 Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd 6 05/05/ :41:08

17 1 RECURSOS HUMANOS PARA CIÊNCIA E TECNOLOGIA NO BRASIL Carlos Henrique de Brito Cruz Introdução Políticas duradouras, também caracterizadas como políticas de Estado, têm tido alguma efetividade no desenvolvimento da ciência e da tecnologia no Brasil, especialmente em aspectos mais acadêmicos, relacionados à formação de recursos humanos e à pesquisa científica. Alguns eventos marcantes foram a criação da Universidade de São Paulo (USP) em 1934; a instauração da Constituição Paulista de 1947 com seu artigo 123 que determina a vinculação de 0,5% da receita ordinária do Estado à pesquisa e à criação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp); a criação do Centro Técnico Aeroespacial e do Instituto Tecnológico de Aeronáutica entre 1946 e 1950; a instauração do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) em 1951; do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais de 1961 a 1971; do Regime de Dedicação Integral à Docência e à Pesquisa na USP em 1962; a criação da Financiadora de Estudos e Projetos, da Universidade de Campinas e da Empresa Brasileira de Aeronáutica em 1967; do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico em 1969, do Programa Nacional do Álcool (Pró-Álcool) em 1975 e da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) em 1976; a instituição do Ministério da Ciência e Tecnologia em 1986, do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS) de 1988 a 1996, dos Fundos Setoriais de 1999 a 2002; a extinção do contingenciamento sobre os Fundos a partir de 2008; o estabelecimento do Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd 7 05/05/ :41:08

18 8 RICARDO UBIRACI SENNES ANTONIO BRITTO FILHO (ORGS.) programa de Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia em uma bem- -sucedida parceria entre a União e Estados brasileiros. Mesmo incompleta, essa sequência de eventos ilustra uma política para C&T&I (Ciência, Tecnologia e Inovação) que se desenvolve ao longo de muitos governos e por meio de muitas iniciativas, mesmo em se tratando de governos com diferentes orientações políticas. Como resultados, temos hoje no país um sistema de pós-graduação mundialmente competitivo e uma contínua ascensão no ranking mundial de publicações científicas. Por outro lado, apesar de várias iniciativas governamentais e do interesse do setor privado, especialmente a partir de 1995, o Brasil não conseguiu superar os enormes obstáculos macroeconômicos que compõem um ambiente hostil no país em relação à P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) em empresas. Neste trabalho, pretende-se analisar alguns aspectos da situação atual no que diz respeito à capacitação científica brasileira, especialmente no que tange à formação de recursos humanos para a pesquisa. Dois indicadores relevantes de resultado: artigos e patentes Dois importantes indicadores de resultados em C&T, por ajudarem a formação de um quadro geral da situação nacional, são o número de artigos científicos publicados em revistas científicas de circulação internacional e o número de patentes registradas internacionalmente. O primeiro, o número de artigos, relaciona-se à capacidade acadêmica para a criação de conhecimento. O segundo, o número de patentes, diz respeito à capacidade da indústria em criar tecnologia de impacto mundial. A evolução no número de artigos científicos é mostrada na Figura 1.1, juntamente com um indicador relativo ao seu impacto, que é o número de citações por artigo dois anos após a publicação. O número de artigos apresenta uma evolução bem positiva: de 1994 a 2000, a produção científica cresceu 15% ao ano. No segundo período, de 2000 a 2006, também houve um grande crescimento, embora menor do que no primeiro, com taxa de 10% ao ano. O impacto médio de cada artigo cresceu 13% no primeiro período, elevando-se para 34% no segundo período. Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd 8 05/05/ :41:08

19 INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO BRASIL 9 Quantidade de artigos ISI ,50 Número de artigos Citações por artigo dois anos após publicação 2, , , ,50 0 0, Citações por artigo dois anos após a publicação Figura 1.1. Quantidade de artigos científicos publicados nos anos 1994, 2000 e 2006 por autores com residência no Brasil e quantidade de citações por artigo, dois anos após a publicação. * Dados pesquisados no Web of Science <http://thomsonreuters.com/news_ideas/articles/>. Quanto ao número de patentes concedidas pelo Uspto (United States Patent and Trademark Office) 1 a depositários no Brasil, a evolução é mostrada na Figura 1.2 em intervalos de cinco anos. No primeiro intervalo, de 1994 a 1999, a taxa anual média de variação mostrou crescimento de 8,7% ao ano; no período de 1999 a 2004, essa taxa caiu para 3,1% ao ano; e no quinquênio de 2004 a 2009 a taxa tornou-se negativa, com 0,6% ao ano. A taxa negativa para o último quinquênio é consistente com o resultado da Pesquisa de Inovação Tecnológica (Pintec) 2010 que mostrou uma redução de 10% no número de pesquisadores empregados por empresas entre 2005 e O Escritório norte-americano de Patentes e Marcas é um órgão vinculado ao Departamento de Comércio dos Estados Unidos, cujo mandato analisa e concede patentes bem como garante o registro de marcas; equivalente ao Brasileiro Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) vinculado ao Ministério do Desenvolvimento, da Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd 9 05/05/ :41:08

20 10 RICARDO UBIRACI SENNES ANTONIO BRITTO FILHO (ORGS.) Quantidade de patentes concedidas pelo USPTO para depositários no Brasil Figura 1.2. Quantidade de patentes concedidas pelo USPTO a depositários no Brasil em 1994, 1999, 2004 e Lugares e modalidades de pesquisa Antes de analisar a questão dos recursos humanos para C&T (Ciência & Tecnologia) cabe resumir algumas características importantes das organizações que compõem um sistema nacional de C&T. Do ponto de vista da execução da pesquisa, tal sistema em geral é composto por três tipos de organização de P&D: universidades, institutos de pesquisa (públicos e privados) e empresas. A natureza da pesquisa realizada em cada uma dessas organizações tem características específicas, de acordo com suas missões institucionais. Quando se consideram as outras funções do Sistema Nacional de C&T, como planejamento e financiamento, torna-se necessário agregar o governo, seja em nível federal, estadual ou mesmo municipal. 2 As universidades dedicam-se à educação de jovens estudantes e à pesquisa de natureza fundamental, embora em certas áreas, como as Engenharias e a Medicina, haja alguma intensidade de pesquisa aplicada. 2 Uma análise mais detalhada dos papéis institucionais em um sistema de C&T encontra-se em Cruz, Revista Intresse Nacional. Sobre o papel da universidade, ver Brito Cruz. Pesquisa e a Universidade. In: Steiner; Mahlnic (orgs.). Ensino superior: conceito e dinâmica. p Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd 10 05/05/ :41:08

21 INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO BRASIL 11 De outro lado, as empresas tendem a dedicar-se muito mais às atividades de desenvolvimento experimental ou tecnológico, ligadas diretamente à colocação no mercado de novos produtos ou serviços. Em uma zona intermediária, institutos de pesquisa e laboratórios nacionais tendem a ter as três atividades com alguma ênfase na pesquisa aplicada. Dois valores são essenciais para a vitalidade da universidade: a liberdade acadêmica e a autonomia. Ambos se relacionam intimamente: sem autonomia, não existe liberdade acadêmica; e a liberdade acadêmica é parte fundamental do exercício da autonomia universitária. A liberdade acadêmica, em especial, é hoje um valor mal compreendido. Essa incompreensão deriva do utilitarismo que tem pautado a discussão sobre ciência e tecnologia no Brasil; da cobrança de certos resultados e contribuições que a universidade pode oferecer, mas que não lhe são essenciais, nem fazem parte de sua razão de existir. Com o risco de perder em precisão, mas ganhando em concisão, podem-se observar duas faces desse utilitarismo: a primeira, a do utilitarismo de direita, define como principal função das universidades o apoio às empresas, para que elas se tornem mais competitivas, mantenham o ritmo das exportações, o crescimento da economia do país etc.; a segunda, o utilitarismo de esquerda, define como função principal ajudar a sociedade brasileira, por ações imediatas, a ser menos pobre, mais saudável, menos desigual. Ambos os objetivos são de grande relevância, pois o Brasil precisa efetivamente de indústrias competitivas usuárias e geradoras do conhecimento e de políticas e meios para diminuir a pobreza e a desigualdade. Esses objetivos são legítimos, adequados e necessários para o desenvolvimento nacional; o erro está em atribuir à universidade a responsabilidade por atingi-los. Embora tenha papel importante de produzir uma parte do conhecimento necessário para a indústria ser competitiva, ela desempenha uma função especial, raramente percebida e que, por isso mesmo, precisa ser mais discutida: a universidade forma os profissionais que geram conhecimento na indústria. Aí está a singular e específica função da universidade: educar pessoas para trabalhar com o conhecimento. Se o lugar da ciência e da educação é a universidade, o lugar do desenvolvimento de tecnologia é, por excelência, a empresa. O elemento criador de inovação é o cientista ou engenheiro que trabalha em P&D nas empresas, sejam elas voltadas para produtos ou serviços. Assim é que, nos Estados Unidos, 80% dos cientistas trabalham para empresas. Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd 11 05/05/ :41:08

22 12 RICARDO UBIRACI SENNES ANTONIO BRITTO FILHO (ORGS.) Já em 1776, Adam Smith (1996) observava que as principais fontes de inovação e aprimoramento tecnológico eram os homens que trabalhavam com as máquinas e que descobriam maneiras engenhosas de melhorá-las, bem como os fabricantes de máquinas, que desenvolviam melhoramentos em seus produtos. Os termos usados nos parágrafos anteriores são propositalmente vagos, considerando que as caracterizações não são absolutas nem devem ser entendidas de forma restritiva. Além disso, podem depender muito das tradições locais ou até mesmo institucionais. No Brasil, temos, por exemplo, institutos de pesquisa como o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) ou o Instituto Nacional de Tecnologia (INT) que se dedicam principalmente à pesquisa aplicada e ao desenvolvimento. Há ainda o Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas e o LNLS que se dedicam muito mais à pesquisa básica. De forma análoga, há muitos casos de universidades que contribuíram de maneira excelente em pesquisa aplicada e desenvolvimento e de empresas que deram insubstituíveis contribuições à pesquisa básica. O caso dos Estados Unidos, para o qual há boas medidas e longas séries históricas sobre os investimentos em P&D, auxilia o entendimento sobre o papel das universidades, dos institutos, dos laboratórios nacionais e das empresas. A Figura 1.3 mostra os valores dos dispêndios em Pesquisa Básica, Pesquisa Aplicada e Desenvolvimento, classificados segundo as organizações que fazem uso desses recursos. Na classificação da pesquisa usada pelo National Science Board dos Estados Unidos, as categorias são assim definidas (OMB CIRCULAR, 2010): a. Pesquisa básica: é o estudo sistemático voltado para o conhecimento ou a compreensão mais completa dos aspectos fundamentais dos fenômenos e fatos observáveis, sem ter como foco aplicações específicas em processos ou produtos. No entanto, pode incluir atividades realizadas tendo como objetivo amplas aplicações. b. Pesquisa aplicada: é o estudo sistemático para obter conhecimento ou compreensão necessária para determinar os meios pelos quais uma necessidade específica e reconhecida poderá vir a ser atendida. c. Desenvolvimento: é a aplicação sistemática de conhecimentos ou de entendimento, voltada para a produção de materiais, dispositivos, Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd 12 05/05/ :41:08

23 INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO BRASIL 13 sis temas ou métodos úteis, incluindo a concepção, o progresso e a melhoria de protótipos e novos processos, para atender a requisitos específicos. Dispêndio em pesquisa segundo o executor e o tipo (US$ nominais, 2008) Universidades Indústria Inst. e labs nacionais Básica Aplicada Desenvolvimento Figura 1.3. Dispêndios nas categorias de pesquisa básica, pesquisa aplicada e desenvolvimento, nos Estados Unidos em 2008, segundo a natureza da organização executora. Dispêndio em pesquisa segundo a fonte e o tipo (US$ nominais, 2008) Universidades Indústria Gov. Federal Básica Aplicada Desenvolvimento Figura 1.4. Dispêndios nas categorias de pesquisa básica, pesquisa aplicada e desenvolvimento, nos Estados Unidos em 2008, segundo a fonte dos recursos. Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd 13 05/05/ :41:08

24 14 RICARDO UBIRACI SENNES ANTONIO BRITTO FILHO (ORGS.) Por um lado, observa-se que naquele país a pesquisa básica acontece principalmente (67% dos dispêndios) em universidades, ao passo que o predomínio da empresa em pesquisa aplicada (79%) e em desenvolvimento (93%) é bem claro. De outro lado, observa-se que os recursos destinados ao desenvolvimento são quase cinco vezes maiores do que aqueles destinados à pesquisa básica, indicando o alto custo dessa atividade. As informações da Figura 1.3 são complementadas pelas da Figura 1.4, nas quais se mostram as fontes de recursos para as três categorias. Pode-se verificar que no financiamento à pesquisa básica o papel principal (62% do total) cabe ao Governo Federal e, em certa medida aos governos estaduais, visto que muitas vezes os fundos provenientes da fonte Universidades são recursos estaduais. Já na pesquisa aplicada e no desenvolvimento, o predomínio do financiamento passa a ser aquele com recursos das empresas, sendo 69% e 87%, respectivamente. A intensidade da P&D executada e financiada por empresas no caso dos Estados Unidos sinaliza para o papel central a empresa que tem em matéria de inovação. Adicionalmente, a diferença no tipo de pesquisa que se faz na empresa e na universidade aponta para o erro de se supor, como muitas vezes acontece no debate brasileiro sobre C&T, que a universidade criará tecnologia e a transferirá para a empresa. A realidade que nos mostra o caso norte-americano e na verdade o de todo país que criou desenvolvimento com P&D é muito diferente: a tecnologia é engendrada na empresa, por cientistas empregados da empresa e que trabalham em laboratórios industriais. Universidades contribuem com esse esforço, sempre fornecendo pessoal qualificado que atuará como pesquisador na empresa, e, poucas vezes, criando ideias que serão transferidas para empresas. Em todos os países que têm usado o conhecimento como motor do desenvolvimento, a maioria dos cientistas trabalha em empresas, como pesquisadores nos centros de P&D. No Brasil, ao contrário, temos ainda poucos cientistas em empresas, menos de 50 mil, como veremos mais adiante, os quais competem com 182 mil que trabalham para empresas na Coreia do Sul e mais de um milhão de cientistas em empresas nos Estados Unidos (Organization for Economic Co-operation and Development, 2010/1, p.50). Trata- -se de uma competição desigual. Embora o Brasil tenha demonstrado alguns sucessos nessa área como a Embraer, a Petrobrás ou o agronegó- Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd 14 05/05/ :41:08

25 INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO BRASIL 15 cio movido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), falta-nos a capacidade de realizar isto repetida e continuamente. Os vários bons exemplos demonstram que, para desenvolver a atividade de P&D empresarial é necessário que se considere, na política de C&T nacional e na política para o desenvolvimento industrial, o papel central da empresa como polo realizador de P&D. Só assim será possível tornar a transformação de conhecimento em riqueza em uma atividade empresarial corriqueira no país. Não se trata de o empresário no Brasil não valorizar a inovação tecnológica como importante para seus negócios. Ao contrário, as principais organizações de representação empresarial, como a Confederação Nacional das Indústrias (CNI), a Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), 3 a Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) 4 e outras federações, têm estado extremamente ativas no debate sobre as políticas para C&T&I no Brasil e demonstram reconhecer, de forma cada vez mais efetiva, a importância da inovação e da P&D em empresas para a competitividade. O ambiente econômico instável é extremamente desfavorável e até mesmo hostil, para que as empresas realizem investimentos em P&D e tenham retorno certo por vezes em prazo longo. Note-se que, mesmo em um ambiente menos desfavorável, a atividade de P&D contém uma incerteza intrínseca: pesquisa-se, em geral, sobre o que não se conhece e, muitas vezes, um projeto perfeitamente organizado e planejado pode não ser bem-sucedido. Outra parte desse desempenho se explica pela estrutura industrial brasileira, onde estão sub-representados os setores que mais inovam, como fármacos e eletrônica. Além disso, em muitos setores, não competimos no mercado internacional e nossas empresas muitas vezes se localizam na cadeia de agregação de valor, em mercados onde a liderança não é definida pela tecnologia. Por tudo isso, é essencial que haja apoio estatal às atividades de pesquisa e desenvolvimento em empresas. Nos Estados Unidos, dos 89 bilhões de dólares anuais que o governo federal investiu em 2008 em atividades de P&D, 26 bilhões foram para empresas americanas. Nesse caso, principalmente, 3 Ver htm. 4 Ver Inovacao_tecnologica_(FINAL).indd 15 05/05/ :41:08

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

Instituto de Engenharia

Instituto de Engenharia Instituto de Engenharia Os Caminhos da Engenharia Brasileira A Engenharia como Principal Vetor para a Inovação e Competitividade Benedito G. Aguiar Neto Reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE

AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE ESTUDO AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO NO PNE George de Cerqueira Leite Zarur Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia ESTUDO DEZEMBRO/2004 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Brasília 22 de março o de 2009 Inovação Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil Glauco Arbix Somente a inovação será capaz de reverter o quadro de estagnação da economia brasileira,

Leia mais

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Ministério da Educação Anexos I e II 2º andar Caixa Postal 365 70359-970 Brasília, DF Brasil PLANO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (PNPG) 2005-2010

Leia mais

Políticas de Propriedade

Políticas de Propriedade Políticas de Propriedade Intelectual Rubens de Oliveira Martins SETEC/MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Propriedade Intelectual Conceito: sistema de proteção que gera direito de propriedade ou exclusividade

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

Ciência, Tecnologia, Inovação e Defesa Nacional Seminário sobre Diretrizes Estratégicas de C,T&I para a Defesa Nacional

Ciência, Tecnologia, Inovação e Defesa Nacional Seminário sobre Diretrizes Estratégicas de C,T&I para a Defesa Nacional Ciência, Tecnologia, Inovação e Defesa Nacional Seminário sobre Diretrizes Estratégicas de C,T&I para a Defesa Nacional Painel: Visão da Indústria e da Universidade Hotel Naoum, Brasília, 26 de novembro

Leia mais

INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL

INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL Maria José Lima da Silva e Valquiria Linck Bassani A Pós-Graduação Brasileira apresenta 2.379 programas de pós-graduação (fonte

Leia mais

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 13, N. 26, P. 303-308, DEZ. 2006 VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva Data: 5 a 7 de junho de 2006 Local: Rio de Janeiro (RJ) Representante do

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil: desafios para o período 2011 a 2015

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil: desafios para o período 2011 a 2015 1 Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil: desafios para o período 2011 a 2015 Carlos Henrique de Brito Cruz Artigo publicado em Interesse Nacional, Junho 2010. Desde a criação do CNPq e da CAPES em 1951,

Leia mais

Síntese Usando o Conhecimento para o Desenvolvimento

Síntese Usando o Conhecimento para o Desenvolvimento Síntese Usando o Conhecimento para o Desenvolvimento A Experiência Brasileira Overview Using Knowledge for Development The Brazilian Experience As Sínteses constituem-se em excertos de publicações da OCDE.

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades

Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades Ciência sem Fronteiras: Desafios e Oportunidades Glaucius Oliva Presidente CNPq Jorge Almeida Guimãrães Presidente da CAPES Brasil em 1950 Pouquíssimos cientistas e pesquisadores Falta de ambiente de pesquisa

Leia mais

A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ

A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ Felipe Andrade Martins (UFS) felipe.amartins@yahoo.com.br

Leia mais

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI!

Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! Inovação e Competitividade! João Alberto De Negri! Secretario Executivo MCTI! 1 É preciso elevar a produtividade da economia brasileira (Fonte: BID ECLAC, Índice 1980=100) Produtividade na Ásia (média

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Laboratório da Nokia: a Finlândia é um exemplo de articulação entre universidade e empresa

Laboratório da Nokia: a Finlândia é um exemplo de articulação entre universidade e empresa Política de C & T Competitividade Lições dos inovadores Estudo mapeia estratégias de sete países que produzem pesquisa de classe mundial e faz recomendações para o Brasil Fabrício Marques Edição Impressa

Leia mais

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Pesquisa FAPESP - Maio 2008 - Edição 147 Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Quatro grandes

Leia mais

Pós Graduação Brasileira: Impacto e Perspectivas

Pós Graduação Brasileira: Impacto e Perspectivas Pós Graduação Brasileira: Impacto e Perspectivas Milca Severino Pereira Pró-Reitora de Pós Graduação e Pesquisa PUC Goiás Isac Almeida de Medeiros Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade Federal

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

CNPq. Editais 2002. Chamada de Propostas/Projetos CIAM 10/2002. Colaboração Interamericana em Materiais - CIAM

CNPq. Editais 2002. Chamada de Propostas/Projetos CIAM 10/2002. Colaboração Interamericana em Materiais - CIAM CNPq Editais 2002 Chamada de Propostas/Projetos CIAM 10/2002 Colaboração Interamericana em Materiais - CIAM Prazo para submissão de propostas encerrado em 15/10/2002 1- Introdução O Conselho Nacional de

Leia mais

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Leonardo Pinheiro Morel (FEG-UNESP) pro04096@feg.unesp.br Prof. Dr. Ubirajara Rocha Ferreira (FEG-UNESP) ferreiur@feg.unesp.br

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Max Naytan Rinaldi dos Santos Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração max_naytan_n10@hotmail.com

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: síntese dos trabalhos e principais resultados

A Mobilização Empresarial pela Inovação: síntese dos trabalhos e principais resultados A Mobilização Empresarial pela Inovação: síntese dos trabalhos e principais resultados Pedro Wongtschowski São Paulo - 4/2/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial

Leia mais

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação Tecnológica no Brasil; a Indústria em Busca da Competitividade Global. São Paulo: Associação Nacional de Pesquisa ANPEI, 2006. 117p. Kira Tarapanoff

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

OS CAMINHOS DA ENGENHARIA BRASILEIRA

OS CAMINHOS DA ENGENHARIA BRASILEIRA OS CAMINHOS DA ENGENHARIA BRASILEIRA A Formação dos Engenheiros: Muito Próxima ou Muito Longe do Mercado Prof.Dr. Mario C. F. Garrote Escola de Engenharia Mauá Instituto Mauá de Tecnologia eem@maua.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO Isabela Almeida Pordeus Novembro 2009 A Pós-Graduação em Odontologia Evolução dos Programas: Odontologia Evolução do Programas

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

Boletim Benchmarking Internacional. Extensão Tecnológica

Boletim Benchmarking Internacional. Extensão Tecnológica Boletim Benchmarking Internacional Extensão Tecnológica Dezembro de 2012 Apresentação Visando contribuir para os objetivos estratégicos do SEBRAE, são apresentadas neste boletim informações relacionadas

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional

Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional Satoshi Yokota I Seminário Internacional Livro Branco de Defesa Nacional Transformação da Defesa

Leia mais

Desafios na Realização de Investimento de P&D e a Destinação de Recursos. Chesf Companhia Hidro Elétrica do São Francisco

Desafios na Realização de Investimento de P&D e a Destinação de Recursos. Chesf Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Desafios na Realização de Investimento de P&D e a Destinação de Recursos Chesf Companhia Hidro Elétrica do São Francisco AGENDA 1. Visão Macro do Cenário P&D Nacional 2. A formula da Inovação 3. Desafios

Leia mais

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS Márcio de Souza Pires, Dr.¹ A educação mundial é fortemente analisada e acompanhada por importantes instituições, em busca de avanços no

Leia mais

SEMINÁRIO ANDIFES. Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI

SEMINÁRIO ANDIFES. Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI SEMINÁRIO ANDIFES Ana Gabas Assessora do Ministro Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Brasília, 13 de março de 2012 Percentual do PIB aplicado em C,T&I Comparação Internacional Fontes: Main

Leia mais

SISTEMA DE INOVAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA NO ESTADO DE MINAS GERAIS MAPEAMENTO A PARTIR DA PERSPECTIVA DAS EMPRESAS

SISTEMA DE INOVAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA NO ESTADO DE MINAS GERAIS MAPEAMENTO A PARTIR DA PERSPECTIVA DAS EMPRESAS SISTEMA DE INOVAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA NO ESTADO DE MINAS GERAIS MAPEAMENTO A PARTIR DA PERSPECTIVA DAS EMPRESAS Março de 2011 Objetivo Fortalecer a trajetória do setor de biotecnologia em Minas Gerais Identificar

Leia mais

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Maria Cristina Araújo de Oliveira UFJF mcrisoliveira6@gmail.com Resumo: O artigo apresenta um breve panorama

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR

Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO BRASIL INDÚSTRIA DIVERSIFICADA... outros; 18,8% Alimentos

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP/MS DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS E TECNOLOGIAS PARA A SAÚDE INOVA SAÚDE EQUIPAMENTOS MÉDICOS - 02/2013 Modelo de Plano

Leia mais

Políticas Públicas: Impactos na Formação em Engenharia. Silvia Costa Dutra Unisinos 2014

Políticas Públicas: Impactos na Formação em Engenharia. Silvia Costa Dutra Unisinos 2014 Políticas Públicas: Impactos na Formação em Engenharia Silvia Costa Dutra Unisinos 2014 Regatando o passado Avaliando o presente Pensando o futuro Formação em Engenharia: Alguns marcos Criação da ABENGE-

Leia mais

Fortalecimento do Sistema de Graduação e de Pós- Graduação Stricto Sensu para o Paraná

Fortalecimento do Sistema de Graduação e de Pós- Graduação Stricto Sensu para o Paraná 1 Fortalecimento do Sistema de Graduação e de Pós- Graduação Stricto Sensu para o Paraná Clóvis Pereira UFPR Introdução A sociedade paranaense está sendo solidamente construída por meio de planos, planejamentos,

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

Inovação em fármacos no Brasil. Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009

Inovação em fármacos no Brasil. Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009 Inovação em fármacos no Brasil Alexander Triebnigg, Presidente do Conselho da Febrafarma São Paulo, 28 de maio de 2009 Inovação é consenso no Brasil Indústria farmacêutica brasileira investe de forma crescente

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

Recursos Humanos para inovação: engenheiros e tecnólogos

Recursos Humanos para inovação: engenheiros e tecnólogos Recursos Humanos para inovação: engenheiros e tecnólogos DOCUMENTO COMPLETO Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI) Diretoria de Inovação Confederação Nacional da Indústria Pág. 1/21 1. Introdução

Leia mais

Inovação tecnológica e empreendedorismo:

Inovação tecnológica e empreendedorismo: Inovação tecnológica e empreendedorismo: Ciência, desenvolvimento tecnológico, proteção industrial e geração de novos negócios Prof. Dr. Cleber Gustavo Dias 22/09/2015 Programação da oficina 1. Relações

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação Aprovada na 111ª Reunião do CTC de 24 de agosto de 2009 Considerações preliminares O propósito deste roteiro é estabelecer

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

Educação para o Desenvolvimento

Educação para o Desenvolvimento Educação para o Desenvolvimento FIESC Jornada pela Inovação e Competitividade Florianópolis, 19 de julho de 2012 gustavo.ioschpe@g7investimentos.com.br gioschpe A Educação no Brasil 74% da população brasileira

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Agenda de Políticas para Inovação Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Recursos Humanos para Inovação Horácio Lafer Piva - Klabin A Agenda Promover uma mudança no ensino brasileiro com direcionamento claro

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS

EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas para a Graduação EDUCAÇÃO SUPERIOR: AVANÇOS E PERSPECTIVAS Brasil : ciclo virtuoso na educação Banco Mundial: Última

Leia mais

Avaliação das Políticas de. Incentivo à P&D e. Inovação Tecnológica no Brasil. João Alberto De Negri * Mauro Borges Lemos **

Avaliação das Políticas de. Incentivo à P&D e. Inovação Tecnológica no Brasil. João Alberto De Negri * Mauro Borges Lemos ** Avaliação das Políticas de Incentivo à P&D e Inovação Tecnológica no Brasil João Alberto De Negri * Mauro Borges Lemos ** NOTA TÉCNICA IPEA Avaliação das Políticas de Incentivo à P&D e Inovação Tecnológica

Leia mais

Chamada para proposta de cursos de Mestrado Profissional

Chamada para proposta de cursos de Mestrado Profissional Chamada para proposta de cursos de Mestrado Profissional A Capes abrirá, nos próximos dias, uma chamada para proposição de cursos de Mestrado Profissional, em várias áreas do conhecimento. Os requisitos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA INTRODUÇÃO Os Critérios de Avaliação da área de Artes/Música estão consolidados a partir dos Documentos de Área resultantes da avaliação dos triênios 1998-2000 e 2001-2003 e dos Requisitos Mínimos para

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Forma de coleta e período. Apresentação dos dados. Realização FSB Pesquisa.

Forma de coleta e período. Apresentação dos dados. Realização FSB Pesquisa. Forma de coleta e período Nesta pesquisa exploratória, as entrevistas foram pessoais e telefônicas, tendo sido realizadas entre 25 de novembro de 2014 e 10 de abril de 2015. As entrevistas com os líderes

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Como consequência de políticas governamentais implementadas com o objetivo

Leia mais

Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná. Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR

Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná. Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR 1 Concessão de Bolsas de Estudos para as Universidades do Paraná 1. Introdução Clóvis Pereira UFPR; Clóvis R. Braz - FEPAR Procedimento importante, dentre outros, para o acompanhamento do desenvolvimento

Leia mais

MEC/CAPES. Portal de Periódicos

MEC/CAPES. Portal de Periódicos MEC/CAPES Portal de Periódicos A CAPES e a formação de recursos de alto nível no Brasil Criada em 1951, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma agência vinculada ao

Leia mais

Diego Amorim. Publicação: 17/09/2013 18:26 Atualização: 17/09/2013 18:35

Diego Amorim. Publicação: 17/09/2013 18:26 Atualização: 17/09/2013 18:35 Conhecimentos produzidos em universidades garantem produção de patentes Instituições de ensino superior representam metade das 10 organizações que lideram o ranking de concessões feitas entre 2003 e 2012

Leia mais

O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva.

O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva. O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva. Lia Prado Arrivabene Cordeiro 1. INTRODUÇÃO A pesquisa que em curso tem como objetivo verificar

Leia mais

4º. Congresso de Inovação Educação, na perspectiva da Indústria 16/11/2011

4º. Congresso de Inovação Educação, na perspectiva da Indústria 16/11/2011 4º. Congresso de Inovação Educação, na perspectiva da Indústria 16/11/2011 ABIMAQ: > 4500 empresas e > 260 mil empregos diretos Fotografia do Mercado de Trabalho - RS Dados do Ministério do Trabalho (2010):

Leia mais

Brasil: Política Industrial e Inovação

Brasil: Política Industrial e Inovação Brasil: Política Industrial e Inovação Celso Fonseca Bacharel em Filosofia FFLCH USP Universidade de São Paulo Coordenador Executivo OIC USP 2013 Ex-Chefe de Gabinete Presidência FINEP- Agência Brasileira

Leia mais

Ciências, Tecnologia e Indústria na OCDE: Perspectivas 2006

Ciências, Tecnologia e Indústria na OCDE: Perspectivas 2006 OECD Science, Technology and Industry: Outlook 2006 Summary in Portuguese Ciências, Tecnologia e Indústria na OCDE: Perspectivas 2006 Sumário em Português SUMÁRIO EXECUTIVO Perspectivas mais evidentes

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO A ABRH-ES (Associação Brasileira de Recursos Humanos Seccional Espírito Santo) é integrante do Sistema Nacional ABRH e configura-se como instituição

Leia mais

Curso de Graduação em Administração

Curso de Graduação em Administração Curso de Graduação em Administração O curso de Administração da ESPM forma excelentes profissionais há mais de uma década. Iniciado em 1990, formou sua primeira turma em 1994, quando o curso tinha cinco

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais