Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS PROJETO PEDAGÓGICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS PROJETO PEDAGÓGICO"

Transcrição

1 Instituto de Ciências Exatas e Tecnológicas CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS PROJETO PEDAGÓGICO Novo Hamburgo, junho de 2011.

2 SUMÁRIO 1. OBJETIVOS DO CURSO Objetivo Geral Objetivos Específicos PROPOSTA PROFISSIONAL Habilidades Perfil profissional JUSTIFICATIVAS Justificativa Social Justificativa Acadêmica Justificativa Legal ENSINO Regime Acadêmico Abordagens de Ensino Avaliação Turmas, Vagas e Formas de Acesso PESQUISA EXTENSÃO INTEGRAÇÃO ENTRE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CURRÍCULO Organização Curricular Módulos Disciplinas Estágio Estágio Curricular Obrigatório Objetivos Caracterização... 15

3 Avaliação Atividades Complementares CARGA HORÁRIA E INTEGRALIZAÇÃO DO CURSO Aproveitamento de competências profissionais anteriormente desenvolvidas CERTIFICAÇÃO E DIPLOMA MATRIZ CURRICULAR EMENTAS E BIBLIOGRAFIA BÁSICA PESSOAL TÉCNICO E DOCENTE EDIFICAÇÕES E INSTALAÇÕES LABORATÓRIOS E EQUIPAMENTOS... 48

4 4 1. OBJETIVOS DO CURSO 1.1. Objetivo Geral Formar tecnólogos habilitados a planejar, gerenciar e executar edificações empregando técnicas qualificadas e industrializadas Objetivos Específicos Formar profissionais capazes de planejar, gerenciar e executar edificações em suas diversas etapas, desde o canteiro de obras até a finalização dos acabamentos. Formar profissionais conhecedores da tecnologia da construção, e promotores de inovações na área. Formar profissionais gestores da construção civil, com foco na qualidade e responsabilidade ambiental. Formar profissionais críticos e com perfil investigativo, capazes de construir seu conhecimento a partir de sua realidade. 2. PROPOSTA PROFISSIONAL 2.1. Habilidades A proposta profissional do Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios, com vistas a atender o perfil desejado, pressupõe o desenvolvimento das habilidades listadas a seguir: Capacidade para planejar, gerenciar e executar edificações considerando os fatores de custo, de durabilidade, de manutenção e de especificações, bem como os regulamentos legais; Conhecimento especializado para o emprego adequado e econômico dos materiais de construção e das técnicas e sistemas construtivos, para a

5 5 definição de instalações e equipamentos prediais e para a organização de obras e canteiros; Compreensão dos sistemas estruturais e o domínio da execução destes; Capacidade de atuar na gestão e planejamento de obras civis com vistas à qualidade e economia de meios; Capacidade para diagnosticar patologias da construção e promover a manutenção das edificações Perfil profissional O Tecnólogo em Construção de Edifícios deve apresentar características em consonância com o perfil do egresso definido no Projeto Pedagógico Institucional acrescido das especificidades listadas abaixo: Dinâmico e organizado com vistas a permitir o planejamento, a gerência e a execução das edificações, tendo como meta a qualidade e a economia de meios; Flexível e investigador com vistas à compreensão dos diversos sistemas envolvidos na execução das edificações; Empreendedor, buscando inovar na área da construção civil, através do emprego do conhecimento científico-tecnológico; Líder com vistas ao gerenciamento das diversas equipes de trabalho ligadas à execução de obras civis; Ético, com conduta coerente à boa prática da profissão. 3. JUSTIFICATIVAS 3.1. Justificativa Social O contexto regional torna-se cada dia mais complexo e globalizado e as Instituições de Ensino devem estar atentas para suprir as necessidades de seus

6 6 cidadãos, ampliando sua participação, principalmente em emergentes áreas profissionais, nas quais o crescimento tem se acelerado nos últimos anos. Assim, a oferta de novas e diferenciadas alternativas, pela Instituição de Ensino Superior, ancora-se na capacidade econômica, social e cultural da região. A Feevale, integrada com a comunidade na qual está inserida, tem por meta qualificar os acadêmicos como profissionais voltados ao emprego da tecnologia nos diversos ramos da sociedade civil. Segundo estudos recentes realizados no setor imobiliário brasileiro é necessária a construção de 27,7 milhões de moradias até 2020 para absorver o crescimento das famílias e zerar o déficit habitacional. Até 2006 o país produzia em média 1,6 milhões de moradias por ano e a partir de 2007 precisará construir algo em torno de 2 milhões de moradias, um crescimento nada desprezível de 25% da produção atual. Com um cenário de estabilização da economia, esta demanda não é mais virtual, mas cada vez mais real e inevitável pela exigência da sociedade. Apesar da indústria da construção civil representar aproximadamente 5% do PIB nacional, ela não encontra respaldo nas escolas profissionalizantes e tão pouco nas de nível superior para atender a demanda por profissionais qualificados e habilitados nesta área. Assim, a partir do diagnóstico da crescente demanda por profissionais da construção civil, se propôs a realização do Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios. A proposta vem a suprir a demanda por profissionais focados no emprego da tecnologia da construção neste crescente mercado de trabalho, ainda visto como artesanal. Neste sentido, é que nasce a necessidade de se capacitar profissionais de nível superior, especializados e capazes de empregar a tecnologia no ramo da construção civil. Identifica-se ainda, através do contato com empresas construtoras da região, um grande interesse neste profissional, hoje inexistente no contexto estadual e nacional.

7 Justificativa Acadêmica A Feevale, a partir de sua concepção de Instituição de Ensino Superior comunitária, regional e inovadora, forma profissionais qualificados para a atuação frente às demandas emergentes da sociedade. Assim, a proposta do Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios nasce a partir da experiência extensionista do curso de Arquitetura e Urbanismo, o qual têm mantido estreita ligação com a cadeia produtiva da construção civil. A partir deste contato, verificou-se a falta de um profissional com perfil técnico e prático, capaz de fazer a articulação entre os profissionais responsáveis pelos projetos e os profissionais executores da construção civil. Para tal, a organização curricular visa à prática constante, através dos laboratórios e dos estágios supervisionados, como forma de responder às necessidades do mercado, aliada a conhecimentos avançados de tecnologia da construção, como forma de introduzir inovações em uma área ainda caracterizada como artesanal Justificativa Legal O Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios atende à Resolução CNE/CP 3, de 18 de dezembro de 2002, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a organização e o funcionamento dos cursos superiores de Tecnologias, ao Parecer CNE/CES 436/2001 e ao disposto no Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia. Ressaltando-se, ainda, a coerência com o exposto no PPI e Regimento da Universidade Feevale. 4. ENSINO 4.1. Regime Acadêmico O regime acadêmico adotado para o curso é o de matrícula semestral seriada Abordagens de Ensino O currículo do Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios é desenvolvido através da articulação entre teoria e prática, adotando um modelo

8 8 pedagógico no qual os alunos são motivados para a construção de sua própria aprendizagem, partindo de suas experiências. A relação entre teoria e prática deve ser o foco das disciplinas, sendo as aulas organizadas de forma a contemplar a participação e o comprometimento do acadêmico, tendo a pesquisa como princípio educativo. O curso oferecerá ao aluno uma sequência de disciplinas de prática de canteiro de obras, que indissociadas das disciplinas teóricas, permitirão a integração e consolidação dos saberes. A estas disciplinas, desenvolvidas ao longo dos dois primeiros anos de formação, se seguirão estágios supervisionados, que permitirão o aprendizado a partir da realidade local, bem como a aplicação dos conhecimentos aprendidos nos primeiros anos Avaliação A avaliação deve respeitar o que define o Regimento da Universidade Feevale e o Projeto Institucional Pedagógico, devendo a abordagem qualitativa preponderar sobre a quantitativa. Os critérios de avaliação, utilizados nas disciplinas que compõe o currículo do Curso, devem privilegiar o aprofundamento teórico, a interdisciplinaridade e a relação teoria-prática. Os critérios específicos a cada disciplina constam nos respectivos Planos de Ensino Turmas, Vagas e Formas de Acesso Serão oferecidas 65 (sessenta e cinco) vagas anuais para o regime acadêmico semestral seriado, sendo que a oferta de vagas avaliada a cada processo seletivo. O ingresso no curso se dará mediante aprovação em processo seletivo, sendo destinado aos egressos do Ensino Médio. 5. PESQUISA A pesquisa é a principal ferramenta de produção de novos conhecimentos, para o desenvolvimento profissional e do cidadão, para tanto, a participação em programas de iniciação científica promovidos pela Instituição e a adesão à projetos de pesquisa, são formas/meios, para a construção do perfil pesquisador do egresso da Feevale.

9 9 No curso, a pesquisa é incentivada e desenvolvida durante as atividades acadêmicas, enquanto princípio educativo a partir de disciplinas que compõem o currículo do curso. As atividades práticas e de pesquisa possuem complexidade crescente e serão desenvolvidas, gradualmente, desde o início do curso em disciplinas afins. Também são estimuladas ações interdisciplinares entre cursos e áreas afins e a inserção dos acadêmicos em projetos desenvolvidas pelo Instituto Acadêmico. O currículo do curso se articula com os grupos e linhas de pesquisa institucionais, principalmente através das seguintes: Grupo de Pesquisa em Tecnologia e Gerenciamento Ambiental, através da linha: Gestão de Resíduos, que estuda a geração, disposição e aproveitamento de resíduos por meio da simulação, previsão de cenários e zoneamento ambiental, objetivando o planejamento sustentável. Grupo de Pesquisa em Materiais, que objetiva desenvolver e caracterizar materiais para o desenvolvimento de produtos e processos de fabricação, a partir de pesquisa básica e aplicada que atenda às demandas tecnológicas da região. A partir da participação das linhas de pesquisa acima, com projetos próprios ou multidisciplinares, o Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios se vincula também aos Cursos de Mestrado em Materiais e Processos Industriais, através do desenvolvimento de novos materiais e processos, e em Qualidade Ambiental, através da temática da gestão de resíduos. 6. EXTENSÃO Conforme concebido no PPI, a extensão na Feevale é vista como uma prática pedagógica que cumpre uma função peculiar: integrar os processos e resultados de pesquisa através de uma prática pedagógica interdisciplinar que ocorre no interior das relações sociais. A extensão produz conhecimento através da integração ao movimento dos saberes sociais que se manifestam, não na academia, mas no interior dos movimentos, dos processos e das relações sociais (PPI, 2005). Na extensão, o ponto de partida é a prática, para, a partir dela, chegar à teoria e retornar à prática através da intervenção, no mesmo movimento do pensamento que

10 10 permite articular atividade e trabalho intelectual. Neste sentido, as ações de extensão da Feevale oportunizam a participação em projetos, programas e atividades de extensão como forma de privilegiar a relação teoria e prática no percurso de formação dos acadêmicos, configurando-se em espaço de vivência pré-profissional e de formação cidadã. Dentre as diversas áreas temáticas adotadas no âmbito da Extensão na Feevale, o Curso Superior de Tecnologia na Construção de Edifícios atua prioritariamente nas áreas de Meio Ambiente e Tecnologia. Dentro destas, o curso prioriza, em função de sua proposta profissional, o desenvolvimento de projetos que visem à capacitação profissional no campo da Construção Civil com vistas à inclusão social, que sem perder de vista o crescimento acadêmico, visam ao desenvolvimento da consciência de responsabilidade social, além de contribuir para a qualificação da mão-de-obra da construção. Estes projetos se desenvolverão aproveitando as experiências dos Laboratórios de Tecnologia da Construção, os quais recebem atividades de ensino e de pesquisa, aliando assim as três dimensões e propiciando a circulação dos conhecimentos gerados. Atuando a partir da proposta de ensino pautada pela flexibilização curricular, na qual as práticas extensionistas permeiam a trajetória acadêmica, contribuindo para a formação de um profissional cidadão, em contato constante com a realidade regional, a extensão também é desenvolvida no curso como forma de se buscar a constante atualização dos acadêmicos, professores e a comunidade externa. Esta modalidade visa a promover e a possibilitar outras formas de aprendizado através de cursos, oficinas, palestras, visitas técnicas, entre outros, abordando temas relevantes e inovadores da construção civil e áreas afins. O curso atua ainda no oferecimento de serviços técnicos e consultorias especializadas à comunidade, difundido o saber acadêmico e transferindo tecnologia. 7. INTEGRAÇÃO ENTRE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Segundo o PPI, o compromisso social com o conhecimento, de uma Universidade com forte perfil comunitário, como se propõe a ser a Feevale, vai além do seu compromisso com o ensino superior, incorporando a pesquisa e a extensão como

11 11 dimensões indissociáveis do ensino, a conferir excelência acadêmica às ações institucionais (PPI, 2005). O Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios, em sua proposta eminentemente teórico-prática, prioriza, no processo de formação acadêmica, práticas de ensino que integrem os saberes estabelecidos com a produção de novos conhecimentos advindos das atividades de pesquisa e extensão. A integração se dá também de forma sistemática e contínua nos diversos laboratórios do curso, que atuam como elos entre as três dimensões, sendo os principais espaços da produção e da difusão do conhecimento. A pesquisa, no curso, se apropriando do já conhecido desenvolve os processos de produção do conhecimento novo. Já a extensão permite conhecer os problemas e necessidades da sociedade e da comunidade local, assim como possibilita a comprovação, no campo das hipóteses, de resultados encontrados na pesquisa. Outra forma de integração estimulada pelo curso é a participação em grupos de pesquisa através da iniciação científica, a participação em eventos científicos e culturais, como a Feira de Iniciação Científica e o Salão de Extensão e as visitas técnicas. O curso promove, ainda, a participação de empresas do ramo da construção civil em atividades de ensino, as quais apresentam ferramentas e metodologias, por meio do relato de experiências, vivências e práticas. Estes relatos podem ser utilizados como objetos de estudos nas disciplinas. 8. CURRÍCULO 8.1. Organização Curricular Para atender aos objetivos propostos para o curso, a organização curricular compreende as competências profissionais tecnológicas, gerais e específicas, dispostas em semestralmente e agrupadas em módulos, incluindo os fundamentos científicos e humanistas necessários ao desempenho profissional do graduado em tecnologia.

12 Módulos A estrutura curricular do Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios organiza-se em três módulos de formação, que são estruturados através da semestralidade das disciplinas e dos pré-requisitos. Os módulos de formação estão estruturados da seguinte forma: Módulo de Formação Básica, no qual são abordados os conhecimentos fundamentais e humanistas, necessários à prática profissional, como desenho, geometria e matemática. Módulo de Formação Profissional em Execução e Acompanhamento de Obras, no qual são abordados os conhecimentos técnicos necessários ao planejamento e execução de edificações, através de disciplinas teóricopráticas e de práticas de canteiro de obras. Este módulo desenvolve as competências relacionadas ao planejamento e execução de edificações, ao emprego de adequado e econômico dos materiais e técnicas construtivas e à compreensão dos sistemas estruturais. Módulo de Formação Profissional em Gestão e Administração de Obras, no qual são abordados os conhecimentos técnicos necessários ao planejamento e gerenciamento da construção civil, através de disciplinas teórico-práticas e de estágios supervisionados. Este módulo desenvolve as competências relacionadas ao gerenciamento e organização de obras, à gestão da construção com vistas à qualidade e ao diagnóstico das patologias da construção Disciplinas O Currículo é formado por um conjunto de disciplinas inter-relacionadas e distribuídas de forma semestral. O currículo visa propor ao acadêmico uma visão sistêmica do processo de planejamento e execução de edificações. O conhecimento construído atende aos objetivos definidos para a formação tecnológica no Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia.

13 13 A composição de disciplinas segue a organização em três módulos, sendo assim distribuídas: Módulo de Formação Básica, que abarca as disciplinas de Desenho Técnico Civil, Matemática Aplicada à Construção Civil, Geometria Descritiva I, Introdução à Construção Civil, Psicologia Geral e Fundamentos da Realidade Brasileira e Cidadania. Módulo de Formação Profissional em Acompanhamento e Execução de Obras, que abarca um grupo de disciplinas inter-relacionadas, que compreendem a sequência de disciplinas de Materiais de Construção Civil, Tecnologia da Construção Civil e Sistemas Prediais, cujos conhecimentos teórico-práticos são aplicados na sequência de disciplinas de Práticas de Construção, promovendo o desenvolvimento das habilidades através da prática constante e assistida. Além destas, este módulo compreende disciplinas de Topografia, Mecânica dos Solos e Fundações, Orçamentos na Construção, Análise dos Sistemas Estruturais, Gerenciamento de Resíduos e Empreendedorismo. Módulo de Formação Profissional em Gestão e Administração de Obras, que abarca uma sequência de disciplinas de Administração e Gerência de Obras, voltadas ao gerenciamento das construções, e uma sequência de disciplinas de Estágio. Além destas, este módulo compreende disciplinas voltadas à aplicação e desenvolvimento de novas tecnologias, sendo elas Inovação na Construção, Logística aplicada à Construção Civil, Industrialização da Construção, Gerenciamento de Projetos, Tópicos Especiais, Patologia das Construções. O módulo conta ainda com uma disciplina de Segurança e Legislação. As disciplinas de caráter eminentemente prático manterão a proporção de um professor para cada 20 alunos, como forma de garantir a qualificação e assessoramento adequado ao desenvolvimento das disciplinas. O Curso oferece, ainda, a disciplina de Libras como optativa eletiva, de livre escolha do acadêmico e de caráter não obrigatório.

14 Estágio O estágio, parte integrante da educação superior, é um espaço privilegiado de articulação entre teoria e prática, entre Universidade e Sociedade, entre formação acadêmica e trabalho. O estágio, ao se constituir como uma das estratégias de aprendizagem através da atividade determina que sua concepção tome como ponto de partida as formas de articulação entre teoria e prática através da mediação dos processos educativos, para que se evitem reducionismos, tanto teoricistas quanto pragmatistas. A Universidade Feevale oportuniza a realização de Estágio nas modalidades de estágio curricular obrigatório e estágio curricular não-obrigatório. O estágio curricular obrigatório é parte integrante da estrutura curricular dos cursos superiores, em conformidade aos dispositivos legais, estando afeto à Pró-Reitoria de Ensino. O estágio curricular não obrigatório compreende a realização de atividades práticas e de complementação da aprendizagem, ligadas direta e especificamente à área de formação profissional do acadêmico, sendo prevista sua remuneração, podendo ser realizado em empresas públicas ou privadas. O estágio nas diferentes modalidades deverá estar intimamente relacionado à área de conhecimento e de atuação profissional do curso superior no qual está matriculado o estagiário. Cabe a Central de Estágios, que está subordinada à Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários, regulamentar os estágios curriculares não obrigatórios, criando um sistema próprio de acompanhamento, que garanta o planejamento, a orientação, a avaliação e a validação do mesmo, bem como orientar às unidades concedentes do estágio, às quais deverão designar um profissional da mesma área de estudos do acadêmico ou com experiência profissional na área, para realizar a supervisão local do estagiário. As atividades relacionadas à área de conhecimento do Curso a serem desenvolvidas pelo acadêmico estagiário serão especificadas pelo respectivo Coordenador, através das Normas de Estágio do Curso, disponibilizadas à Central de Estágios.

15 Estágio Curricular Obrigatório 8.6. Objetivos Objetivo Geral: Oportunizar ao acadêmico o exercício dos conhecimentos produzidos por meio da atuação prática. Objetivos Específicos Oportunizar a experimentação prática em canteiro de obra em situação real. Oportunizar o desenvolvimento pleno e a aplicação das habilidades desenvolvidas ao longo do curso. Oportunizar o convívio em equipe e a atuação em grupos de trabalho Caracterização Os estágios curriculares obrigatórios possuem uma carga horária de 220 horas cada, e são constituídos de 160 horas de atividades práticas no local de estágio e 60 horas em atividades na IES, alocadas em disciplinas. Estas disciplinas são destinadas à supervisão acadêmica das atividades do estágio por parte de um professor supervisor, bem como à socialização das experiências práticas entre os acadêmicos. As atividades a serem desenvolvidas no estágio curricular obrigatório consistem no acompanhamento e auxílio nas atividades de um profissional ligado à área da Construção Civil. São considerados campos de estágio as empresas e/ou Instituições, públicas e/ou privadas, que tenham relação direta com a área de formação Avaliação A avaliação do estágio curricular obrigatório será processual e contínua, observando a atuação do estagiário com relação ao comprometimento com as atividades, ao relacionamento profissional e à consolidação do conhecimento, considerando o seu desempenho com relação à aplicação dos conhecimentos teóricopráticos desenvolvidos no curso, na execução das atividades práticas planejadas para o estágio. Os instrumentos de avaliação serão: seminários de socialização, Fichas de Avaliação Parciais e Relatório Final de Estágio.

16 16 As demais diretrizes para elaboração do Estágio Curricular Obrigatório constam em documento específico, intitulado Diretrizes para Estágio Curricular Atividades Complementares Todo acadêmico deve cumprir, além da carga horária de disciplinas obrigatórias, 120 (cento e vinte) horas de atividades complementares. O objetivo das atividades complementares é de flexibilizar o currículo do curso, de maneira a propiciar aos seus alunos a possibilidade de aprofundamento temático e interdisciplinar. As atividades complementares podem incluir ensino, pesquisa, extensão. Além disso, devem possuir relação direta com os objetivos do curso e serem comprovadas mediante a apresentação de certificados de cunho institucional. A seguir, apresenta-se a descrição das atividades complementares e suas respectivas cargas horárias de aproveitamento. Atividades Complementares Carga horária aproveitada Aproveitamento de disciplinas de currículos em Aproveitamento de até 60h extinção (troca de currículo dentro do curso). Participação em cursos de Extensão, Aproveitamento de até 60h Participação em Palestras, Seminários e Congressos Aproveitamento de até 60h relacionados com a área de estudo. Participação em Concursos e Exposições Aproveitamento de até 40h relacionados com a área de estudo. Estágio curricular não obrigatório. Aproveitamento de até 60h Participação em Programa de Iniciação Científica na Aproveitamento de até 60h Universidade Feevale Publicação de artigo em Anais de Congressos, Aproveitamento de 20h por Seminários, Iniciação Científica ou Revista. publicação Premiação de trabalhos Aproveitamento de 20h por premiação Publicação de resumos em Anais de Congressos, Aproveitamento de 10h por Seminários, Iniciação Científica ou Revista. publicação Monitoria Aproveitamento de até 60h Visitas Técnicas, Viagens de Estudo 1. Aproveitamento de até 30h Participação não remunerada em projetos de pesquisa e/ou extensão, vinculado à Universidade Aproveitamento de até 60h Feevale ou entidades parceiras. Participação em serviço voluntário relacionado com a Aproveitamento de até 20h área do curso (conforme legislação). Disciplinas cursadas em outras Universidades conveniadas (intercâmbios) com a Universidade Aproveitamento de até 60h Feevale.

17 17 Disciplinas cursadas em outros cursos da Instituição que contemplem a área de estudos atual do Aproveitamento de até 60h acadêmico. Curso de Línguas. Aproveitamento de até 40h Os casos não previstos serão decididos pelo Colegiado do Instituto 1 A carga horária das visitas técnicas ou viagens de estudos só será aproveitada, como atividade complementar, se não estiver prevista como um recurso das disciplinas do currículo. 9. CARGA HORÁRIA E INTEGRALIZAÇÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios possui carga horária total de 2720h, sendo 2280h em disciplinas, 320h em Estágio Supervisionado e 120h em Atividades Complementares. O prazo mínimo para integralização do currículo é de 06 semestres e o máximo de 12 semestres Aproveitamento de competências profissionais anteriormente desenvolvidas O aluno poderá aproveitar as competências profissionais adquiridas no trabalho mediante realização de processo avaliativo seguindo as normas do extraordinário aproveitamento de estudos previstos na Resolução 046/2007 da PROGRAD.

18 CERTIFICAÇÃO E DIPLOMA Ao concluir as 2720 horas que compõem o curso, o aluno receberá Diploma de Tecnólogo em Construção de Edifícios. Poderão ser emitidos, também, certificados de conclusão dos módulos de Formação Profissional em Acompanhamento e Execução de Obras e de Formação Profissional em Gestão e Administração de Obras.

19 MATRIZ CURRICULAR Sem Disciplina Carga Horária 1 o 2 o 3 o 4 o 5 o 6 o Desenho Técnico Civil 60 Matemática Aplicada à Construção Civil 60 Geometria Descritiva I 60 Introdução à Construção Civil 90 Psicologia Geral 60 Fundamentos da Realidade Brasileira e Cidadania 60 Total do semestre 390 Topografia 60 Materiais de Construção Civil I 60 Sistemas Prediais I 60 Práticas da Construção I 90 Tecnologia da Construção I 60 Mecânica dos Solos e Fundações 60 Total do semestre 390 Orçamentos na Construção 60 Materiais de Construção Civil II 60 Sistemas Prediais II 60 Práticas da Construção II 90 Tecnologia da Construção II 60 Sistemas Estruturais 60 Total do semestre 390 Gerenciamento de Resíduos 60 Materiais de Construção Civil III 60 Sistemas Prediais III 60 Práticas da Construção III 90 Tecnologia da Construção III 60 Empreendedorismo 60 Total do semestre 390 Inovação na Construção 60 Logística aplicada à Construção Civil 60 Estágio I 60 Administração e Gerência de Obras I 90 Industrialização da Construção 60 Gerenciamento de Projetos 60 Total do semestre 390 Tópicos Especiais 60 Patologia das Construções 60 Estágio II 60 Administração e Gerência de Obras II 90 Segurança e Legislação 60 Libras optativa eletiva** Total do semestre 330 CARGA-HORÁRIA DE HORA-AULA EM DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 2280 CARGA-HORÁRIA EM ATIVIDADES COMPLEMENTARES 120 HORAS DE ESTÁGIO 320 TOTAL DE CARGA-HORÁRIA 2720 ** LIBRAS discipliina optativa eletiva: de livre escolha do acadêmico de caráter não obrigatório.

20 EMENTAS E BIBLIOGRAFIA BÁSICA 1º semestre Desenho Técnico Civil Estuda os materiais, instrumentos e técnicas de desenho técnico; aborda os conhecimentos básicos para o desenvolvimento, interpretação e leitura do desenho arquitetônico. NEIZEL, Ernst. Desenho técnico para a construção civil. São Paulo, SP: EPU - Editora Pedagógica e Universitária, VOLLMER, Dittmar. Desenho técnico: noções e regras fundamentais padronizadas, para uma correta execução de desenhos técnicos. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, RIBEIRO, Claudia Pimentel Bueno do Valle; PAPAZOGLOU, Rosarita Steil. Desenho técnico para engenharias. Curitiba, PR: Juruá, CHING, Frank. Manual de dibujo arquitectónico. 3. Ed. México: Gustavo Gili, CHING, Frank; JUROSZEK, Steven P. Representação gráfica para desenho e projeto. Barcelona, España: Gustavo Gili, MOLITERNO, Antonio. Caderno de projetos de telhados em estrutura de madeira. 2 ed., ampl. São Paulo, SP: Edgard Blücher, BORNANCINI, José Carlos M.; PETZOLD, Ivan.; OLANDI JÚNIOR, Henrique. Desenho Técnico básico: Fundamentos teóricos e exercícios à mão livre. Porto Alegre: Sulina, WONG, Wucius. Princípios de forma e desenho. 1. ed. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1998 Matemática aplicada à Construção Civil

21 21 Aborda conceitos matemáticos básicos, direcionados à construção civil. Bibliografia básica: DANTE, Luiz Roberto. Matemática: contexto & aplicações: volume único. São Paulo, SP: Ática, IEZZI, Gelson et al.. Matemática: volume único. São Paulo: Atual, LOURENÇO,Márcia; SILVA, Ana Paula. Matemática Elementar: lembrando e exercitando. Novo Hamburgo, RS: Feevale, BIANCHINI, Edwaldo; PACCOLA, Herval. Curso de matemática: volume único. 2. ed. São Paulo, SP: Moderna, GIOVANNI, José Ruy,; BONJORNO, José Roberto; GIOVANNI JUNIOR, José Ruy. Matemática fundamental: uma nova abordagem : ensino médio volume único : com ENEM e vestibulares recentes. São Paulo, SP: FTD, 2002 IEZZI, Gelson. Fundamentos de matemática elementar: trigonometria. 7. ed. São Paulo, SP: Atual, [1998]. DOLCE, Osvaldo; POMPEO, José Nicolau. Fundamentos de matemática elementar: geometria plana. 7. ed. São Paulo, SP: Atual, c1999. [1] p DOLCE, Osvaldo; POMPEO, José Nicolau. Fundamentos de matemática elementar: geometria espacial, posiçao e métrica. 5. ed. São Paulo, SP: Atual, [2008]. Geometria Descritiva I Estuda a representação dos entes geométricos básicos através do método mongeano e processos descritivos. Bibliografia básica: BORGES, Gladis Cabral de Mello et al. Noções de Geometria Descritiva: teoria e exercícios. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, GAMA, Carlos Costa da. Geometria Descritiva: Problemas e Exercícios. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, PRINCIPE JÚNIOR, Alfredo dos Reis. Noções de Geometria Descritiva. São Paulo Nobel, 1983.

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Aplicação de softwares na confecção de textos, planilhas, e projetos. 2. Interpretação e desenvolvimento de desenhos técnicos e de projetos arquitetônicos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Cargo: ENGENHEIRO/ÁREA: CIVIL

Cargo: ENGENHEIRO/ÁREA: CIVIL Cargo: ENGENHEIRO/ÁREA: CIVIL 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Desenvolver projetos de engenharia; executar obras; planejar, orçar e contratar empreendimentos; coordenar a operação e a manutenção dos mesmos.

Leia mais

RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa

RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa Bacharelado em Engenharia Civil bibliografia complementar ALMEIDA, Márcio de Souza S. Aterros sobre solos moles: projeto e desempenho. 1. reimpr.

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFRA ESTRUTURA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES FORMA/GRAU:(X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Cargo: ENGENHEIRO/ÁREA: CIVIL

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Cargo: ENGENHEIRO/ÁREA: CIVIL Cargo: ENGENHEIRO/ÁREA: CIVIL 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Desenvolver projetos de engenharia; executar obras; planejar, orçar e contratar empreendimentos; coordenar a operação e a manutenção dos mesmos.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL PONTUAÇÃO-LIMITE DOS QUESITOS DA PROVA DE TÍTULOS DO CONCURSO PARA PROVIMENTO DE VAGA DE PROFESSOR ASSISTENTE EM REGIME DE 20 HORAS SEMANAIS PARA O DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 003/2010

RESOLUÇÃO N 003/2010 RESOLUÇÃO N 003/2010 Institui regulamento para o cumprimento das atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia da FCH/ FUMEC. O PRESIDENTE DO COLEGIADO DE CURSOS NO USO DE SUAS

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DA MATRIZ CURRICULAR DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR E ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM MARKETING E O REGULAMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE 2009 SUMÁRIO 1. JUSTIFICATICA... 3 2. OBJETIVO... 3 3. REQUISITOS

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS -

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS - Direção da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Dom Bosco / AEDB Prof. Ms. Antonio Carlos Simon Esteves Coordenação do Curso de Pedagogia Profa. Ms. Sueli Sardinha Guedes 2 MISSÃO DA FFCLDB/AEDB Promover

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

DISCIPLINA: ORÇAMENTO E GERENCIAMENTO DE OBRAS 2013/1

DISCIPLINA: ORÇAMENTO E GERENCIAMENTO DE OBRAS 2013/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: ORÇAMENTO E GERENCIAMENTO DE OBRAS 013/1 Mônica Santos Salgado Professor Associado IV - D.Sc monicassalgado@ufrj.

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, RESOLUÇÃO Nº 07/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Viçosa, Minas Gerais 2014 1 INTRODUÇÃO As atividades complementares, inseridas no projeto pedagógico, têm por finalidade proporcionar

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

Objetivo do Programa

Objetivo do Programa Objetivo do Programa O Programa Futuros Engenheiros visa favorecer o desenvolvimento de competências técnicas e habilidades comportamentais de universitários dos cursos de Engenharia para atuar na indústria.

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG SUMÁRIO 1. Introdução 4 2. Obrigatoriedade das atividades complementares 5 3. Modalidades de Atividades Complementares

Leia mais

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A P r ó - R e i t o r i a d e E n s i n o d e G r a d u a ç ã o Palácio da Reitoria - Rua Augusto Viana s/n - Canela - 40.110-060 - Salvador Bahia E-mails:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

INSTITUTO METROPOLITANO DE ENSINO SUPERIOR NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO EM EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

INSTITUTO METROPOLITANO DE ENSINO SUPERIOR NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO EM EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares dos Cursos de Graduação do Ministério da Educação, as Atividades Complementares passaram a figurar como importante componente dos Cursos Superiores

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Aplicação de softwares na confecção de textos, planilhas, e projetos 2. Interpretação e desesenvolvimento de desenhos técnicos e de projetos arquitetônicos

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO Este documento regulamenta os estágios obrigatórios e não obrigatórios do Curso de Bacharelado em Biomedicina visando à formação integral do

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Edificações Subsequente DISCIPLINA: Desenho Técnico CÓDIGO: Currículo: 2010 /02 Ano / Semestre: 2011/02 Carga Horária total: 40 h/a Turno:

Leia mais

REGULAMENTO MES MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS Universidade Ibirapuera Aprovado pela Res. CONSUN nº 10/07, de 19.09.07 REGULAMENTO MES - MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO - CONSUP Nº 001/2012 REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA NATUREZA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA CIVIL MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Civil do CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTACIO RADIAL DE SÃO PAULO tem por missão graduar Engenheiros Civis

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

Projeto Edificar - Arquitetando Sonhos. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Projeto Edificar - Arquitetando Sonhos. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Projeto Edificar - Arquitetando Sonhos Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Instituto Filadélfia de Londrina

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: Engenharia Civil SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da UNESA tem por missão formar Engenheiros Civis com sólida formação básica e profissional, alinhada com as diretrizes

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

Curso de Nutrição MANUAL DO ACADÊMICO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Curso de Nutrição MANUAL DO ACADÊMICO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso de Nutrição MANUAL DO ACADÊMICO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Caxias do Sul 2014 Escola de Educação e Saúde Curso de Nutrição Esp. Nelson Felipe de Vargas Diretor da Da. Delzimar da Costa Lima Coordenadora

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: AJUDANTE DE OBRAS - PRONATEC 160 horas ÁREA: CONSTRUÇÃO MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT GURUPI Plano de Curso Simplificado FP.EP.04.08

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR O currículo proposto busca atender além do perfil do formando, também competências e habilidades necessárias ao profissional para garantir uma boa formação tanto teórica quanto prática

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES S COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir de referência

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA Universidade Federal de Goiás Instituto de Química ORIENTAÇÕES E NORMAS SOBRE O ESTÁGIO CURRICULAR PARA ESTUDANTES DO CURSO DE

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico:

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: O Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial da Faculdade Sul Fluminense FASF, tendo como Entidade Mantenedora o Instituto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 27 DE SETEMBRO DE 2013 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Relações

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Empreendedorismo

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Empreendedorismo CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Empreendedorismo Código: CTB-251 Pré-requisito: ---------- Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: TAU076 CLASSIFICAÇÃO: PRÉ-REQUISITO: não tem CARGA HORÁRIA: TÉORICA : 60 horas

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: DIREITO Missão O Curso se propõe a formar profissionais conscientes da finalidade do Direito como instrumento de transformação social e construção da cidadania, capazes

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

FACULDADE TRÊS PONTAS FATEPS RECONHECIDA PELA PORTARIA DO MEC Nº 68/14

FACULDADE TRÊS PONTAS FATEPS RECONHECIDA PELA PORTARIA DO MEC Nº 68/14 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS. O presente regulamento, aprovado pela resolução CONSUP 05/2014, estabelece as normas atinentes ao cumprimento

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 006/2013 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara Superior de UF: DF Educação ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de: Filosofia, História,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

FACULDADE SANTA RITA

FACULDADE SANTA RITA FACULDADE SANTA RITA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL BACHARELADO Matriz Curricular 1º SEMESTRE Introdução à Engenharia Geometria Analítica e Álgebra Linear 04 80 Cálculo I 04 80 Tópicos de Economia para Engenharia

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA 1- DO CURSO O Curso de Especialização em Gestão em Análise Sanitária destina-se a profissionais com curso superior em áreas correlatas

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO CURRICULAR

NORMAS DO ESTÁGIO CURRICULAR ANEXO C UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COMISSÃO COORDENADORA DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Fone: (31) 3899-2526. E-mail: cobio@ufv.br NORMAS DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2015 2 1. Identificação Código 1.1 Disciplina: Eletrotécnica 0570098 1.2 Unidade: Centro

Leia mais

Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP

Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP VOTO CONSU 2012-01 de 26/04/2012 Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP Respeitada a legislação vigente, tanto para Licenciatura quanto para Bacharelado

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais