ORDENAMENTO TERRITORIAL DA MINERAÇÃO DE AGREGADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORDENAMENTO TERRITORIAL DA MINERAÇÃO DE AGREGADOS"

Transcrição

1 ORDENAMENTO TERRITORIAL DA MINERAÇÃO DE AGREGADOS Eng de Minas Ayrton Sintoni IPT- In Esta de São Paulo

2 Resolução Conama 369/06 INTRODUÇÃO Atividades de utilidade pública a pesquisa e extração de substâncias minerais, outorgadas pela autoridade competente, exceto areia, argila, saibro e cascalho (alínea c, inciso I, artigo 2º) Atividades de interesse social a pesquisa e extração de areia, argila, saibro e cascalho, outorgadas pela autoridade competente ( alínea d, inciso II, artigo 2º) Condicionamento ao ordenamento territorial

3 Modelo de governabilidade gestão território desenvolvimento regional planejamento territorial ORDENAMENTO TERRITORIAL Dispositivos constitucionais Competência Esta (União, Estas, Distrito Federal e Municípios) Vinculação ao desenvolvimento econômico e social Política Nacional de Ordenamento Territorial - PNOT Conhecimento meio físico

4 HISTÓRICO Experiências anteriores Planos diretores de mineração Distritos Mineiros Zoneamento mineral Planos Diretores Municipais

5 ZONEAMENTO MINERÁRIO potencial mineral situação da atividade produtiva disponibilidade de recursos minerais Ordenamento Territorial Geomineiro (OTGM): Base fundamental para o ordenamento territorial.

6 PLANOS DE INFORMAÇÃO suscetibilidade meio biótico (mapeamento de biótopos) aracterização meio físico: informações disponíveis sobre geologia, geomorfologia, pelogia, hidrogeologia e geotecnia suscetibilidade meio físico (cartas geotécnicas) levantamento de paisagens e monumentos naturais notáveis;

7 PLANOS DE INFORMAÇÃO Potencial geológico para recursos minerais: conhecimento geológico território estuda, depósitos de recursos minerais de interesse econômico, mapas temáticos por tipo ou grupo de substâncias minera

8 PLANOS DE INFORMAÇÃO Zoneamento institucional parcelas território em estu oneradas na forma de leis(áreas de proteção ambiental e de amortecimento,parques, APAs, APP, APM e demais unidades de conservação), áreas especialmente reservadas (terras indígenas, terras de quilombolas, terrenos da Marinha, faixas de fronteira e outras), zoneamentos de uso e ocupação solo,

9 Planos de informação Uso e ocupação solo situação de uso e ocupação solo áreas de cobertura vegetal nativa atividades agrícolas, pastagens áreas urbanas e industriais

10 PLANOS DE INFORMAÇÃO Perfil socioeconômico da região bases da economia regional papel da mineração no contexto geoeconômico (loca regional e nacional), previsão de demandas, fluxos de merca logística de transporte, abastecimento de energia e de água caracterização da infra-estrutura mecanismos de cooperação, e outros

11 PLANOS DE INFORMAÇÃO Caracterização setor produtivo mineral situação legal (mapeamento de áreas oneradas por títulos ou requerimentos perante o DNPM, cadastros de licenciamento ambiental); aspectos técnicos (métos de lavra e de beneficiamento produção e capacidade instalada, projetos de expansão, área operacionais, impactos ambientais e medidas de controle segurança e salubridade, reabilitação de áreas mineradas) aspectos econômicos (geração de emprego e renda tributação, procedimentos gerenciais, merca, aglomeração (APL), verticalização, oportunidades).

12 INTEGRAÇÃO DOS PLANOS DE INFORMAÇÃO Zonas Preferenciais para Mineração (ZPM): áreas mais indicadas ao desenvolvimento da mineração e praticamente sem restrições relevantes, além daquelas já definidas em leis Zonas Controladas para Mineração (ZCM): áreas com alguma restrição relevante ou com suscetibilidade acentuada meio físico e biótico, que impõem limitação à produção mineral, carecen de maior controle Zonas Bloqueadas para Mineração (ZBM): áreas onde não é permitida a mineração em decorrência de impedimentos legais, ambientais ou de ocupação local.

13 EXEMPLOS DE APLICAÇÃO O sucesso OTGM depende: da vontade política s poderes públicos entendimento pela sociedade sobre as questões envolvidas acolhimento pelos órgãos de licenciamento, outorga e fiscalização da intenção empresarial Exemplo de aplicação Zoneamento Minerário da Região Norte Município de das Cruzes Vale Parateí", no Esta de São Paulo lano de Aproveitamento de Potencial de Urbanização das

14 22º 22º POTENCIAL GEOLÓGICO PARA RECURSOS MINERAIS evisão potencial de ocorrência de recursos minerais em função da geologia da áre IPT In UNIDADES GEOLÓGICAS Par COMPOSIÇÃO LOCALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO NO ESTADO M S M G das Cruzes R J I S A B E L Depósitos aluvionares (Qa) - colúvios argilo-arenosos, com le ou conglomeráticas - aluviões, constituís por cong sobrepostos por areias grossas que gradam para areias finas a m de argilas arenosas - cascalheiras com seixos arren e quartzito P R Área de Estu OCEANO ATLÂNTICO º15' S A N T A Santa Isabel T a b u ã o Aparecidinha R osa Dr. Noda SENNA Cór r. M or r o F ei t a l Formação São Paulo (Osp) Formação (Orf) Resende (Orl) Corpos e (p vgo complexos graníticos p gn) v - arenitos grossos, conglomerátic e de arenitos de granulação média Orf - lamitos arenosos a argilosos Orl - lamitos seixosos - granitos, granodioritos, monzog indiferencias, em parte gnáis porfiróides, preminantemente foliadas, de granulação variada, gnáissicas, migmatíticas e subordinadas I T A Q U A Q U E C E T U B A B en t o P i u m A R U J Á Rovia Taboão RODOVIA R i b. Estr. T a b u ã o Parateí Santa Isabel Estr. AYRTON João Mineiro I t a p et i A l m ei Supracrustais metamorfisadas (p qx) v - quartzitos e micaxistos, co subordinadas de metassiltitos Contato Geológico Fonte: S an t a Suzano Pedro Cór r. de Eroles R i b Ja gu a r i Itapeti Km Escala 1 : Figura 2 - Mapa Geológico-Previsional de Recursos Min

15 POTENCIAL GEOLÓGICO PARA AREIAS E CASCALHOS S A N T A I S A B E L A R U J Á I T A Q U A Q U E C E T U B A Areia e Cascalho

16 POTENCIAL GEOLÓGICO DAS ROCHAS PARA BRITA, CANTARIA E REVESTIMENTO. S A N T A I S A B E L A R U J Á I T A Q U A Q U E C E T U B A Brita

17 0º P R M G 22º R J T ZONEAMENTO INSTITUCIONAL elimitação das áreas oneradas em função de leis federais staduais ou municipais, representan alguma restrição de uso Pa ocupação. de Pesquisas Tecnológicas º15' I S A B E L AÇÃO DO MUNICÍPIO NO ESTADO Dr. Noda S A N T A OC EANO ATLÂN TICO de Estu das Cruzes Cór r. M or r o M a ri a F ei t a l R osa Aparecidinha Tab uão Santa Isabel SENNA AYRTON Parateí A R U J Á Taboão A l m ei Estr. RODOVIA B en t o T a b u ã o R i b. Mineiro Santa Isabel I T A Q U A Q U E C E T U B A I t a p et i João Rovia P i u m Estr. Suzano L E G E N D A APA Parateí Área rural Área Urbana Estação Ecol. d Pedreira Serra Itapeti ZUD1 ZUPI Limite Serr Estação Ec Pedro S an t a Cór r. de Eroles Fonte : Lei Nº 2.683, de IPT (2002) SMA (200)) APA Parateí Área rural Área Urbana Estação Ecol. Itapeti Pedreira Serra Itapeti ZUD1 ZUPI Limite Serra Itapeti Estação Ecológica Itape R i b. Ja gu a r i Km Figura 8 - Mapa Zoneamento Institucional.. Itapeti

18 P R M G 22º R J T USO E OCUPAÇÃO DO SOLO iversas caracterizações de uso e ocupação solo incidente a região e que também podem significar restrições às atividade e mineração. T o de Pesquisas Tecnológicas P a r a t e í I S A B E L LIZAÇÃO DO MUNICÍPIO NO ESTADO das Cruzes CATEGORIA DE USO E OCUPAÇÃO DAS TERRAS Par CATEGORIA DE VEGETAÇÃO DE PORTE ALTO A MÉDIO Vegetação natural de porte arbóreo e capoeiras L Reflorestam ento VEGETAÇ ÃO º15' Dr. Noda S A N T A Cór r. M or r o Es trada F ei t a l R osa Aparecidinha T a b u ã o Santa Isabel SEN NA P ar a t e í AYR TO N Parateí A R U J Á Taboão E s tra A l m ei Estr. R ODOVIA B en t o T a b u ã o R i b. Mineiro Santa Isabel I T A Q U A Q U E C E T U B A I t a p et i J o ão Rovia P i u m E s tr. Suzano Vegetação n Reflorestam VEGETAÇ ÃO OC EA NO A TLÂN TICO Área de Estu Culturas per VEGETAÇ ÃO Pastagem e Culturas tem OUTROS US Área urbaniz Mineração Fonte: Landsat-7/ET Cenas: 218/7 VEGETAÇÃO DE PORTE MÉDIO A BAIXO Culturas perenes VEGETAÇÃO DE PORTE BAIXO A RASTEIRO Pastagem e cam po antrópico Culturas tem porárias OUTROS USOS: NATURAIS E ANTRÓPICOS Área urbanizada, chácaras e obras de engenhar Mineração Pedro S a n t a Có r r. de Eroles R i b. (S P ) J a gu a r i Km Figura 10 - Mapa de Uso e Ocupação. Escala 1 : Itapeti

19 22º 22º T SUSCETIBILIDADE DO MEIO FÍSICO CARTA GEOTÉCNICA DA REGIÃO Induz certos controles no manejo solo. IPT n LOCALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO NO ESTADO M S M G das Cruzes R J I S A B E L Ri o Unidade FORMAS Geot. DE RELEVO 1 2a Planícies e terraços aluv ionares Colinas Pa PRINCIPAIS PROBL Áreas sujeitas a inundação. Áreas sujeitas Solos com baixa capacidade de suporte. Grande quantidade de partículas finas im extração de areia. No que tange à erosão, dev i à presença de partículas f inas, é m P R Área de Estu OCEANO ATLÂNTICO S A N T A 2b 2c Colinas Colinas Presença de argila expansível. Maior susc Comparativamente à Unidade 2b, o solo d menos suscetív el à erosão º15' Santa Isabel Tabu ã o Aparecidinha R osa Dr. Noda SENNA Cór r. M or r o F ei t al 3 4a Morros e morrotes Morros e pequenos trechos de serras alongadas Acamamento da rocha potencializan pla nos setores com declividades mais altas. Muito alta suscetibilidade à erosão, partic nos setores com declividades mais altas. Presença de blocos de rocha pequenos para f undação de edif icações. Alta susce declividades mais altas I T A Q U A Q U E C E T U B A B en t o P i u m A R U J Á Rovia Taboão RODOVIA R i b. Estr. Ta b u ã o Parateí Santa Isabel Estr. AYRTON João Mineiro I t a p et i A l m ei 4b Presença marcante de blocos de rocha gra Serras alongadas problemas para f undação de edif icações e (Serra Mar) e mais altas, poden ocorrer queda ou rolam serras restritas Alta suscetibilidade à erosão, particularmen (Serra Itapeti) S an t a Suzano Pedro Cór r. de Eroles Ri b Fonte: Relatório IPT Nº Ja gu a r i Itapeti Km Figura 11 - Carta Geotécnica.

20 22º M S P R M G 22º R J T ZONEAMENTO MINERÁRIO esulta da integração e análise das informações técnicas obtidas na iversas fases anteriores, configuran o ordenamento territorial geomineiro ela delimitação de das zonas preferenciais, controladas ou bloqueadas par ineração. IPT n Z B M Pa º15' I S A B E L LOCALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO NO ESTADO Dr. Noda S A N T A OC EANO ATLÂN TICO Área de Estu das Cruzes Cór r. M or r o F ei t a l Aparecidinha T a b u ã o R osa Santa Isabel SENNA AYRTON Parateí A R U J Á Taboão A l m ei Estr. RODOVIA B en t o T a b u ã o R i b. Mineiro Santa Isabel I T A Q U A Q U E C E T U B A I t a p et i João Rovia P i u m Estr. Suzano Z C M Z P M Pedro S an t a Cór r. de Eroles R i b. Ja gu a r i Km Figura 19 - Zoneamento Minerário. Escala 1 : Itapeti

21 22º M S P R M G 22º R J T Requerimentos de Pesquisa IPT In º15' I S A B E L LOCALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO NO ESTADO das Cruzes Dr. Noda S A N T A Cór r. M or r o F ei t a l Aparecidinha T a b u ã o R osa Santa Isabel SENNA 5 AYRTON Parateí A R U J Á Taboão A l m ei Estr. RODOVIA B en t o T a b u ã o R i b. 2 Mineiro Santa Isabel I T A Q U A Q U E C E T U B A I t a p et i João Rovia P i u m Estr. 1 3 OC EANO ATLÂN TICO Área de Estu Suzano C ó d P r o c e s s o / / / / / Par Cód Processo Titular /98 PEDREIRA ANHANGUERA S/A /03 ITAQUAREIA - INDÚSTRIA EX /03 MINERAÇÃO FEMA LTDA /04 PEDRO DE SOUZA MELLO /05 DUTRA EXTRAÇÃO DE AREIA Pedro S an t a Cór r. de Eroles R i b. J a gu a r i Km Figura 24 - Localização s Processos em fase de Requ em relação ao Zoneamento Minerário. Itapeti Escala 1 : 75000

22 AUTORIZAÇÕES DE PESQUISA IPT In LOCALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO NO ESTADO 22º M S P R Área de Estu M G I T A Q U A Q U E C E T U B A Cór r º OCEANO ATLÂNTICO B en t o Ri b P i u m das Cruzes R J A R U J Á J a gu a r i 20 de Itapeti 46º15' Suzano 9 Rovia S an t a Pedro Taboão 4 RODOVIA 21 Ri b. Eroles S A N T A 10 Santa Isabel Estr. Ta b uã o T a b u ã o Parateí Santa Isabel Estr Aparecidinha R osa AYRTON João I S A B E L Ri o 14 Mineiro Dr. Noda SENNA Km Cór r. M or r o I t a p et i F ei t al A l m ei Cód Processo Titular /87 NAOYUKI GYOROKU /93 JOSÉ ROBERTO BAHIA MARTINS /93 PEDREIRA ANHANGUERA S/A - EM /95 ITAQUAREIA - INDÚSTRIA EXTRAT /98 EMPRESA DE MINERAÇÃO J.B.S. L /98 ANTERO SARAIVA /98 JOSÉ AURÉLIO GONÇALVES DE F /98 RAUL ARDITO LERARIO /01 MINERADORA PONTE ALTA LTDA /01 MINERADORA PONTE ALTA LTDA /01 MINERADORA PONTE ALTA LTDA /01 MINERADORA PONTE ALTA LTDA /01 MINERADORA PONTE ALTA LTDA /01 MINERADORA PONTE ALTA LTDA /01 EMPRESA DE MINERAÇÃO FIORI D /01 MINERADORA PONTE ALTA LTDA /01 MINERADORA PONTE ALTA LTDA /01 MINERADORA PONTE ALTA LTDA /01 SILVA MINERAÇÃO LTDA /01 CARLOS ALBERTO PALHANO MA /01 CARLOS ALBERTO PALHANO MA /01 CARLOS ALBERTO PALHANO MA /02 ROBERTO DE AZEVEDO AMADO J /03 CIVIL OBRAS CONSTRUÇÕES LTD /04 JOSÉ MELONI NETO Figura 25 - Localização s Processos em fase de Auto Par Cód Processo / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / /03

23 REQUERIMENTOS DE CONCESSÃO DE LAVRA IPT n LOCALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO NO ESTADO 22º M S P R Área de Estu M G I T A Q U A Q U E C E T U B A 22º OCEANO ATLÂNTICO B ento P i u m das Cruzes R J 12 A R U J Á º15' Rovia Taboão RODOVIA R i b. S A N T A 4 Santa Isabel Estr. Ta b u ã o Parateí T a b u ã o Santa Isabel Aparecidinha 6 Estr. R osa AYRTON João I S A B E L Ri o Mineiro 3 Dr. Noda SENNA Cór r. M or r o I t a p et i F ei t al A l m ei 2 Cód Processo Titular /71 EMPRESA DE MINERAÇÃO LOPES /75 PROVIGA IND. DE MINERAÇÃO LTDA /91 ITAQUAREIA - INDÚSTRIA EXTRATIVA /91 ITAQUAREIA - INDÚSTRIA EXTRATIVA /95 DUTRA EXTRAÇÃO DE AREIA LTDA /95 DUTRA EXTRAÇÃO DE AREIA LTDA /98 EMPRESA DE MINERAÇÃO FIORI DO TA /98 MINERAÇÃO MARIA ROSA LTDA /98 MINERAÇÃO MARIA ROSA LTDA /01 EMPRESA DE MINERAÇÃO FIORI DO TA /01 EMPRESA MINERADORA BOA SORTE LT /01 CIMENTO TUPI S.A. Cód Processo T / / / / / / / / / / / / S an t a Suzano Pedro Cór r. de Eroles Ri b Ja gu a r i Itapeti Km Escala 1 : Figura 26 - Localização s Processos em fase de R em relação ao Zoneamento Minerário.

24 Á gua IPT n LOCALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO NO ESTADO 22º M S P R Área de Estu M G I T A Q U A Q U E C E T U B A 22º OC EANO ATLÂN TICO B en t o CONCESSÕES DE LAVRA P i u m das Cruzes R J 12 A R U J Á Águ a 46º15' Rovia Taboão RODOVIA R i b. S A N T A 4 Santa Isabel Estr. T a b u ã o Parateí T a b u ã o Santa Isabel Aparecidinha 6 5 Estr. R osa AYRTON João 8 I S A B E L Mineiro 9 3 Dr. Noda SENNA Cór r. M or r o I t a p et i F ei t a l A l m ei 2 Cód Processo T / / /91 Cód Processo Titular /71 EMPRESA DE MINERAÇÃO LOPES / /75 PROVIGA IND. DE MINERAÇÃO LTDA /91 ITAQUAREIA - INDÚSTRIA EXTRATIVA / /91 ITAQUAREIA - INDÚSTRIA EXTRATIVA /95 DUTRA EXTRAÇÃO DE AREIA LTDA / /95 DUTRA EXTRAÇÃO DE AREIA LTDA /98 EMPRESA DE MINERAÇÃO FIORI DO TA / /98 MINERAÇÃO MARIA ROSA LTDA /98 MINERAÇÃO MARIA ROSA LTDA / /01 EMPRESA DE MINERAÇÃO FIORI DO TA /01 EMPRESA MINERADORA BOA SORTE LT /01 CIMENTO TUPI S.A / / / / S an ta Suzano Pedro Cór r. de Eroles R i b Ja gu a r i Itapeti Km Escala 1 : Figura 26 - Localização s Processos em fase de R em relação ao Zoneamento Minerário.

25 CONCLUSÕES Mineração em convivência harmônica com as outras formas de uso e ocupação solo e respeito ao meio ambiente Parte integrante s Planos Diretores Municipais Zoneamentos minerários regionalmente integras

26 CONCLUSÕES Mudanças de comportamento Apropriação de recursos naturais (bens da União), que devem ser lavras atenden ao interesse nacional (incluin utilidade pública ou social).

27 Dinâmica da análise RECOMENDAÇÕES O poder público municipal deve incorporar a mineração como forma de uso e ocupação solo e contemplá-la nos planos de gestão territorial. O poder público estadual (licenciar) deve (e pode) considerar o ordenamento territorial geomineiro como estu ambiental na definição das condições de licenciamento.

28 Dinâmica da análise RECOMENDAÇÕES O poder púbico federal (concedente), valen-se seu poder discricionário, pode (e deve) incorporar condições de operação e limitação de áreas em seus atos de outorga. A sociedade precisa entender que a mineração é desenvolvida para suprir suas necessidades e em seu benefício.

29 AGRADECIMENTOS O autor agradece a colaboração s autores trabalho apresenta como exemplo, em especial ao Engº de Minas Amilton s Santos Almeida, e à Técnica Lúcia Santos Szendler Balare, que colaborou na preparação da palestra.

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

ROTEIRO. APRESENTAÇÃO DO DADOS COLETADOS o Cadastro Mineiro, DNPM MA, CPRM; Títulos outorgados, requerimentos e CFEM (ano base 2013).

ROTEIRO. APRESENTAÇÃO DO DADOS COLETADOS o Cadastro Mineiro, DNPM MA, CPRM; Títulos outorgados, requerimentos e CFEM (ano base 2013). ROTEIRO INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO DO DADOS COLETADOS o Cadastro Mineiro, DNPM MA, CPRM; Títulos outorgados, requerimentos e CFEM (ano base 2013). Estudo de caso: Município de Godofredo Viana X Mineração

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE Considerando que esse processo é temporário e que a intenção é a continuidade dos trabalhos, para ampliar a produção e o aproveitamento dos recursos de interesse, encaminhamos o Termo de Referência para

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1

ANEXO 3. Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira. Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 ANEXO 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do Parque Estadual da Cantareira Anexo 3 Imagens das Unidades de Terreno e Relevo do PEC 1 2 Anexo 3 Imagens das Unidades de Relevo e Terreno do PEC Foto

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição Eng. Patrícia Maria Mafra Macedo CEMIG Distribuição S.A pmafra@cemig.com.br

Leia mais

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM I.UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente

Leia mais

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA O presente capítulo foi elaborado em atenção ao determinado pelo Ibama em seu Termo de Referência visando a formulação de um quadro referencial das condições ambientais da

Leia mais

Belo Horizonte, 23 de novembro de 2012. Controle Processual. Do Relatório

Belo Horizonte, 23 de novembro de 2012. Controle Processual. Do Relatório Belo Horizonte, 23 de novembro de 2012. Controle Processual Interessado: Núcleo de Regularização Ambiental de Belo Horizonte/MG Requerente: Taquaril Mineração S.A. Fazenda Ana Cruz Processo n 090100003969/12

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

Considerações sobre o Decreto nº 7.154, de 2010

Considerações sobre o Decreto nº 7.154, de 2010 Considerações sobre o Decreto nº 7.154, de 2010 ILIDIA DA ASCENÇÃO GARRIDO MARTINS JURAS ROSELI SENNA GANEM Consultoras Legislativas da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial,

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA.

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 379, de 19/10/2006 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

PROGRAMA DE ORDENAMENTO DA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO

PROGRAMA DE ORDENAMENTO DA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DO AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO PROGRAMA DE ORDENAMENTO DA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.37 Elaborar estudos sobre os impactos ambientais

Leia mais

Reserva da Biosfera da Amazônia Central

Reserva da Biosfera da Amazônia Central Reserva da Biosfera da Amazônia Central Estudo de caso da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Seminário Internacional sobre Mineração e Sustentabilidade Socioambiental em Reservas da Biosfera

Leia mais

Ao CONAMA Propostas do Fórum Nacional da Reforma Urbana, do Centro pelo Direito à Moradia contra Despejos (COHRE) e Instituto POLIS

Ao CONAMA Propostas do Fórum Nacional da Reforma Urbana, do Centro pelo Direito à Moradia contra Despejos (COHRE) e Instituto POLIS 1 Ao CONAMA Propostas do Fórum Nacional da Reforma Urbana, do Centro pelo Direito à Moradia contra Despejos (COHRE) e Instituto POLIS À Resolução do CONAMA que dispõe sobre os casos excepcionais, de utilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal

Leia mais

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca

Natália da Costa Souza. Ana Paula Camargo Larocca USO DE GEOTECNOLOGIAS APLICADO AO ESTUDO DA SUSCETIBILIDADE E ANÁLISE DE RISCO DE PROCESSOS EROSIVOS EM FAIXAS DE DOMÍNIO DE LINHAS FÉRREAS - SUBSÍDIO AOS PROCESSOS DE LICENCIAMENTO OPERACIONAL E AMBIENTAL

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

DIRETORIA DE MINERAÇÃO

DIRETORIA DE MINERAÇÃO Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços DRM-RJ Serviço Geológico do Estado do Rio de Janeiro DIRETORIA DE MINERAÇÃO Principais

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 368, de 2012, da Senadora Ana Amélia, que altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO MUNICIPIO DE ITIQUIRA PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE TURISMO E MEIO AMBIENTE

ESTADO DE MATO GROSSO MUNICIPIO DE ITIQUIRA PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE TURISMO E MEIO AMBIENTE LEI Nº. 535 de 07 de Abril de 2005. Institui o Plano Diretor Ambiental de Conservação e Uso do Entorno do Reservatório do Aproveitamento Hidroelétrico de Ponte de Pedra, localizado nos Municípios de Itiquira,

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES Guilherme Mendonça da Cunha (PETROBRAS), Giovani Schifino Dellamea, Renato Fernandes, Wilson José de Oliveira. RESUMO Este Trabalho apresenta

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

Geomorfologia e Planejamento. Rosangela do Amaral Geógrafa, Pesquisadora Científica Instituto Geológico - SMA

Geomorfologia e Planejamento. Rosangela do Amaral Geógrafa, Pesquisadora Científica Instituto Geológico - SMA Geomorfologia e Planejamento Rosangela do Amaral Geógrafa, Pesquisadora Científica Instituto Geológico - SMA O que é a GEOMORFOLOGIA? Dolatimgeo=terra,morfo=forma,logos=estudo CiênciadaNaturezaqueestudaeexplicaasformasdaTerra.

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

Planejamento e gestão da expansão urbana

Planejamento e gestão da expansão urbana CURSO GESTÃO DA VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA: Contribuição de Melhoria, Reajuste de Terrenos e Redesenvolvimento Belo Horizonte, 24 a 26 de outubro de 2012 Planejamento e gestão da expansão urbana Daniel Todtmann

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

PARECER TÉCNICO n 005/2015

PARECER TÉCNICO n 005/2015 PARECER TÉCNICO n 005/2015 Processo: 122/2015 Requerente: Mineração Mercedes Ltda. CNPJ: 05.830.499/0001-88 Atividade: Lavra a céu aberto com ou sem tratamento rochas ornamentais e de revestimento (exceto

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO

LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO LEI ESTADUAL Nº 7.438, DE 16 DE JULHO DE 1991 - SÃO PAULO Declara Área de Proteção Ambiental - APA, regiões que específica, dando providências correlatas. O Governador do Estado de São Paulo. Faço saber

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA MINERAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DA MINERAÇÃO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DA MINERAÇÃO II ENCONTRO DE GERENTES DE EXPLORAÇÃO MINERAL Desafios das

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo

O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo Seminário: Compostagem na Cidade de São Paulo 10 de agosto de 2012 O licenciamento ambiental de unidades de compostagem no Estado de São Paulo Eng. Cristiano Kenji Iwai Divisão de Apoio ao Controle de

Leia mais

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ 1 DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ Brasília, 29 de novembro de 2012 DIRETRIZES URBANÍSTICAS Marco Legal 2 Lei nº 6.766/79: Art. 6 - Antes da elaboração do projeto de loteamento, o interessado

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento

11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO. 11.1 Zona de Amortecimento 11. IDENTIFICAÇÃO DA ZONA DE AMORTECIMENTO 11.1 Zona de Amortecimento Vilhena (2002) menciona que o conceito de zona de amortecimento surgiu pela primeira vez em 1979, com o programa Man and Biosfere,

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO VALEC NAVA - 06 1 de 8 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO VALEC NAVA - 06 2 de 8 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 6 EXTRAÇÃO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES...

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli LEI 11.284/2006 LEI DA CONCESSÃO DE FLORESTAS SUMÁRIO 1 Introdução 2 Serviço

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

PAINEL III. Licenciamento Ambiental Municipal

PAINEL III. Licenciamento Ambiental Municipal PAINEL III Licenciamento Ambiental Municipal Licenciamento Ambiental Municipal Em 1978 Supressão de vegetação (construções e em áreas públicas) (Código de Posturas de 1974); Em 1981 Supressão de vegetação

Leia mais

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO *Thomaz Alvisi de Oliveira 1 ; Paulina Setti Riedel 2 ; Célia Regina de Gouveia Souza 3

Leia mais

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil

Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil IV SESSÃO DA PLATAFORMA REGIONAL PARA A REDUÇÃO DO RISCO DE DESASTRES NAS AMÉRICAS (PR14) Construção de uma Política Regional de Gestão de Riscos na Região do Grande ABC São Paulo - Brasil Guayaquil, Maio

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

Fotografia: DNPM - PA AGREGADOS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL E ARGILA PARA CERÂMICA VERMELHA PANORAMA E IMPORTÂNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO PARÁ

Fotografia: DNPM - PA AGREGADOS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL E ARGILA PARA CERÂMICA VERMELHA PANORAMA E IMPORTÂNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO PARÁ Fotografia: DNPM - PA AGREGADOS PARA CONSTRUÇÃO CIVIL E ARGILA PARA CERÂMICA VERMELHA PANORAMA E IMPORTÂNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO PARÁ DIRETORIA DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO MINERAL

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

Impactos Ambientais Provenientes da Expansão Urbana Desordenada no Município de Campos dos Goytacazes-RJ.

Impactos Ambientais Provenientes da Expansão Urbana Desordenada no Município de Campos dos Goytacazes-RJ. Impactos Ambientais Provenientes da Expansão Urbana Desordenada no Município de Campos dos Goytacazes-RJ. Aline Nogueira Costa e Helena Polivanov Departamento de Geologia de Engenharia e Ambiental, Universidade

Leia mais

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico gico-econômico Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Étnica Stuckert Cardeal,

Leia mais

Mineração e Áreas Protegidas

Mineração e Áreas Protegidas Márcio Silva Pereira Salvador, 08.06.2010 Rua da Assembléia, 66-17 Andar - Centro - Rio de Janeiro / RJ - CEP: 20011-000 tel: (55 21) 2114-1700 - fax: (55 21) 2114-1717 - http://www.svmfa.com.br I. Recursos

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

2. METODOLOGIA DE TRABALHO

2. METODOLOGIA DE TRABALHO TRAÇADO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO TÉCNICA AUXILIAR NA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS DEGRADADAS Autores: Adriana Gomes de Souza Pesquisadora

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 42 DE 17 DE AGOSTO DE 2012 DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES QUE CAUSAM OU POSSAM CAUSAR IMPACTO AMBIENTAL LOCAL, FIXA

Leia mais

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO (Lei Federal n. 12.651/12) PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Fundamentos e Temas de Trabalho na Questão Florestal

Leia mais

Workshop: Marco Regulatório da Mineração. Celebração do dia do Geólogo (30/maio) Evento: 07jun13

Workshop: Marco Regulatório da Mineração. Celebração do dia do Geólogo (30/maio) Evento: 07jun13 Workshop: Marco Regulatório da Mineração Celebração do dia do Geólogo (30/maio) Evento: 07jun13 Cenário Instável - Principais Dificuldades Anteprojeto ainda não divulgado. Debate teórico, sem a apresentação

Leia mais

CARTAS DE DERIVAÇÕES AMBIENTAIS E TRANSGRESSÕES LEGAIS: DESTAQUE AS ÁREAS DE PLANICIE E TERRAÇOS FLUVIAIS NO ANTIGO E NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

CARTAS DE DERIVAÇÕES AMBIENTAIS E TRANSGRESSÕES LEGAIS: DESTAQUE AS ÁREAS DE PLANICIE E TERRAÇOS FLUVIAIS NO ANTIGO E NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL CARTAS DE DERIVAÇÕES AMBIENTAIS E TRANSGRESSÕES LEGAIS: DESTAQUE AS ÁREAS DE PLANICIE E TERRAÇOS FLUVIAIS NO ANTIGO E Silveira, A. 1 ; Cunha, C.M.L. 2 ; 1 CEETEPS Email:silveira_81@yahoo.com.br; 2 UNESP

Leia mais

CONGRESSO TOCANTINENSE DE ENGENHARIA E MINERAÇÃO. Gestão para a Sustentabilidade na Mineração 20 anos de história

CONGRESSO TOCANTINENSE DE ENGENHARIA E MINERAÇÃO. Gestão para a Sustentabilidade na Mineração 20 anos de história CONGRESSO TOCANTINENSE DE ENGENHARIA E MINERAÇÃO Gestão para a Sustentabilidade na Mineração 20 anos de história Palmas, 13 de maio de 2014 IBRAM-Instituto Brasileiro de Mineração Organização privada,

Leia mais

Constituição Estadual CAPÍTULO IV Do Meio Ambiente, dos Recursos Naturais e do Saneamento

Constituição Estadual CAPÍTULO IV Do Meio Ambiente, dos Recursos Naturais e do Saneamento Constituição Estadual CAPÍTULO IV Do Meio Ambiente, dos Recursos Naturais e do Saneamento O SEÇÃO I Do Meio Ambiente Art. 191. O Estado e os Municípios providenciarão, com a participação da coletividade,

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR DA DEGRADAÇÃO POR MINERAÇÃO: O CASO DO MUNICÍPIO DE TIMON/MA

ESTUDO PRELIMINAR DA DEGRADAÇÃO POR MINERAÇÃO: O CASO DO MUNICÍPIO DE TIMON/MA 1 ESTUDO PRELIMINAR DA DEGRADAÇÃO POR MINERAÇÃO: O CASO DO MUNICÍPIO DE TIMON/MA MARQUES, Rafael José Graduando em Geografia Universidade Estadual do Piauí UESPI Técnico em Tecnologia Ambiental IFPI. (rafaeljmarques.geo@gmail.com)

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 I Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Brasília, 29 de março de 2012 SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - SISNAMA O

Leia mais

PORTARIA Nº 541/2014 - CONSIDERAÇÕES E ANÁLISE COMPARATIVA

PORTARIA Nº 541/2014 - CONSIDERAÇÕES E ANÁLISE COMPARATIVA PORTARIA Nº 541/2014 - CONSIDERAÇÕES E ANÁLISE COMPARATIVA INTRODUÇÃO Em 19 de dezembro de 2014, foi publicada no DOU a Portaria nº 541, expedida pelo Diretor-Geral do Departamento Nacional de Produção

Leia mais

3º SIMPÓSIO DE OBRAS RODOVIÁRIAS

3º SIMPÓSIO DE OBRAS RODOVIÁRIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA E AMBIENTAL 3º SIMPÓSIO DE OBRAS RODOVIÁRIAS (Avanço no Licenciamento Ambiental de Rodovias) Lucio Lima da Mota São Paulo. 21 de Outubro de 2010 Adaptado

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL

DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL RODRIGO ANDREOTTI MUSETTI I-) INTRODUÇAO. A exploração de florestas de domínio privado (não sujeitas ao regime de utilização limitada

Leia mais

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS ESTUDO ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS Roseli Senna Ganem Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal UHE PCH Roberto Huet de Salvo Souza - I B A M A N Ú C L E O D E L I C E N C I A M E N T O A M B I E N T A L NLA/SUPES- RJ O que é licenciamento ambiental? Para que serve?

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

Planejamento Urbano e Ambiental e estado da arte: da municipalidade à sustentabilidade, da legalidade à realidade.

Planejamento Urbano e Ambiental e estado da arte: da municipalidade à sustentabilidade, da legalidade à realidade. Planejamento Urbano e Ambiental e estado da arte: da municipalidade à sustentabilidade, da legalidade à realidade. Fernanda Raggi (1); Neimar Freitas Duarte (2); Arnaldo Freitas de Oliveira Júnior (2)

Leia mais

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL

SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Serviço Geológico do Brasil SIG DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA DO BRASIL Autoria: Luiz Fernando Costa Bomfim José Domingos Alves de Jesus junho/2006 OBJETIVOS DESENVOLVER UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

Leia mais

CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA. Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor.

CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA. Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor. CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor. INSTITUTO PÓLIS 2009 Heliópolis São Paulo Estatuto da

Leia mais

EXPANSÃO URBANA E DINÂMICA DEMOGRÁFICA: GESTÃO E TERRITÓRIO NO (EN)TORNO DA COMPERJ.

EXPANSÃO URBANA E DINÂMICA DEMOGRÁFICA: GESTÃO E TERRITÓRIO NO (EN)TORNO DA COMPERJ. 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 EXPANSÃO URBANA E DINÂMICA DEMOGRÁFICA: GESTÃO E TERRITÓRIO NO (EN)TORNO DA COMPERJ. Cristiano F. Lima (UFF) cristiano@vm.uff.br Jacob Binsztok (UFF) jacob.binsztok@terra.com.br

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Desoneração de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014 SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011 Ricardo Carneiro Junho/2014 Constituição da República Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

Prefeitura Municipal de Valença publica:

Prefeitura Municipal de Valença publica: Prefeitura Municipal de Valença 1 Sexta-feira Ano VII Nº 1291 Prefeitura Municipal de Valença publica: Edital de Reti-Ratificação do Edital do Concurso Público Municipal nº 01/2015. Gestor - Jucelia Sousa

Leia mais

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 2330-00-EIA-RL-0001-00 Julho de 2010 Rev. nº 00 GASODUTO DO PARÁ ÍNDICE II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6 II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 II.5.2.3.2 - Áreas Prioritárias para

Leia mais

A Mineração em Unidades de Conservação

A Mineração em Unidades de Conservação A Mineração em Unidades de Conservação Mina de Água Limpa Foto: Marcelo Rosa ESSENCIALIDADE DA MINERAÇÃO O Banco Mundial já se pronunciou destacando a imprescindibilidade da mineração para a vida em sociedade:

Leia mais

REQUERIMENTO DE REGISTRO DE LICENÇA I. O QUE É LICENCIAMENTO

REQUERIMENTO DE REGISTRO DE LICENÇA I. O QUE É LICENCIAMENTO REQUERIMENTO DE REGISTRO DE LICENÇA Este orientativo tem como objetivo fornecer aos interessados instruções necessárias ao preenchimento e entrega do requerimento de registro de licença. I. O QUE É LICENCIAMENTO

Leia mais