APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS"

Transcrição

1 Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC II Workshop Tecnológico APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo IPT

2 Apoio tecnológico ao desenvolvimento da indústria nacional IPT Instituto de Pesquisas Tecnológicas Início: 1899

3 IPT - Centros Tecnológicos CME Centro de Metrologia Mecânica e Elétrica CMQ Centro de Metrologia em Química CMF Centro de Metrologia de Fluidos CINTEQ Centro de Integridade de Estruturas e Equipamentos CNaval Centro de Engenharia Naval e Oceânica CETAC Centro de Tecnologia do Ambiente Construído CT-Obras Centro de Tecnologia de Obras de Infra-estrutura CETAE Centro de Tecnologias Ambientais e Energéticas CTPP Centro de Tecnologia de Processos e Produtos CT-Floresta Centro de Tecnologia de Recursos Florestais CIAM Centro de Tecnologia da Informação, Automação e Mobilidade CETIM Centro de Têxteis Técnicos e Manufaturados NT MPE Núcleo Tecnológicos de Suporte às PMEs

4 Centro de Engenharia Naval e Oceânica Tanque de provas Tanque de Provas (280 m x 6 m x 4 m) Túnel de cavitação Ensaios de estruturas offshore Ensaios de efeitos de ondas em modelos

5 Apoio Tecnológico à Industria de Construção Naval e Offshore Hidrodinâmica de cascos, hélices e plataformas oceânicas Engenharia de hidrovias e navegação interior Instrumentação em tempo real de embarcações e sistemas oceânicos

6 PROJETO NACIONAL DE EMBARCAÇÕES DE APOIO OFFSHORE Resultados parciais do projeto Rede de pesquisa: Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade de São Paulo (USP) e o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) Apoio: FINEP

7 Oportunidade para inovação Novas Unidades Item Até 2015 Até 2020 Plataformas de Perfuração(drillships e semi-sub) Plataformas de Produção(FPSO e Semi-sub) Barcos de Apoio Marítimo Plano de Investimento da Petrobras 2011 a 2015 Estimativa para Construção Naval Fonte: Petrobras

8 1. Funcionalidades exigidas para as operações offshore no pré-sal

9 Características operacionais da Bacia de Santos Grandes distâncias da costa: de 150 a 185 milhas (270 a 350 km) Estados de mar ainda piores que os verificados em Campos Correntezas mais elevadas

10 BACIA DE SANTOS Fonte: FORMIGLI, J. (a) Estratégia da Petrobras para Atendimento às Futuras Demandas do Pré-sal. Palestra proferida em Reunião do PROMINP em 2 Jul 2008

11 Problemas operacionais observados na Bacia de Campos Correntezas elevadas: de 3 a 4 a nós (podendo atingir 6 nós) Sobrecarga nos sistemas DP Excesso de ruído dos sistemas DP Falta de equipamentos de manuseio de cargas no convés (pontes rolante, guindastes) Seakeeping ruim das embarcações menores Limitação de calado do Porto: até 6 m

12 Funcionalidades desejáveis para os novos supply vessels Elevar as velocidades de serviço de 12 para 15 nós (sem aumento excessivo do consumo) Desenvolver sistemas DP para suportar correntezas de até 4 nós Aumento de autonomia de 20 para 40 dias

13 Outras Funcionalidades desejáveis Propulsão diesel-elétrica com aumento da reserva de potência do sistema DP Reduzir o nível de ruído do sistema DP Melhorar seakeeping das embarcações Instalar mais equipamentos de movimentação de carga

14 Metodologia Navio fluideiro (UFRJ)* Metodologia: Otimização de formas do casco baseado em avaliação hidrodinâmica de resistência ao avanço e comportamento em ondas; Navio oleiro (USP)* Metodologia: Definição do projeto por otimização paramétrica em função das funcionalidades exigidas para a embarcação. O sistema de propulsão será Diesel-elétrico para os dois navios

15 2. Projeto hidrodinâmico do navio

16 Projeto de PSV - Fluideiro Especificações deduzidas das necessidades: Capacidade: 4500 DWT, Velocidade de serviço: 15 kt Projeto de formas minimizando potência (resistência) e movimentos em ondas (seakeeping), a volume constante. Dimensões principais baseadas em semelhantes e forma inicial baseada em embarcações de maior sucesso no mercado e melhor desempenho.

17 Semelhantes avaliados: 724 Semelhantes com DWT de 4300 a 4900: 45 Potência Total y = -2,7905x Potência Total PSV BR

18 Projeto de PSV - Fluideiro Com base em uma forma inicial, variação sistemática de tipos de popa, tipos de proa bulbosa (todas projetadas pelo método de Kratch) e variações de LCB (centro de carena). Proas do tipo: LCBs: 1) Sem bulbo de -2.5% a 2.5% de Lwl 2) Bulbo Delta intervalos de 0.5% (11 LCBs) 3) Bulbo Nabla Popas do tipo: 4) Bulbo Lente Emersa 5) X Bow Padrão Imersa Variações pelo método de Lackenby, para volume constante Resistência (Holtrop) de 165 formas: 5 proas x 3 popas x 11 LCBs

19 Projeto de PSV - Fluideiro Popa Emersa Popa Imersa Popa Padrão

20 Projeto de PSV - Fluideiro Sem Bulbo 3 popas x 11 LCBs

21 Projeto de PSV - Fluideiro Bulbo Delta 3 popas x 11 LCBs

22 Projeto de PSV - Fluideiro Bulbo Nabla 3 popas x 11 LCBs

23 Projeto de PSV - Fluideiro Bulbo Lente 3 popas x 11 LCBs

24 Projeto de PSV - Fluideiro X Bow 3 popas x 11 LCBs

25 Resistência (kn) Projeto de PSV - Fluideiro Resistência ao Avanço - Todas as formas, V = 15 knots SEM BULBO SEM BULBO EMERSO SEM BULBO IMERSO NABLA NABLA EMERSO NABLA IMERSO DELTA DELTA EMERSO DELTA IMERSO LENTE LENTE EMERSO LENTE IMERSO XBOW ,5-2 -1,5-1 -0,5 0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 XBOW EMERSO XBOW IMERSO XBOW ST Variação do LCB (%)

26 Projeto de PSV - Fluideiro A Forma Lente, popa emersa com 2.5% de LCB a vante mostrou-se a melhor forma. A partir destes resultados uma Nova Forma (do Projeto) foi criada, incorporando aperfeiçoamentos. Esta Nova Forma, e mais 6~10 das melhores formas sofrerão ajuste fino de parâmetros: Linhas D água, Cp, ajustes de proas e popas, etc. e serão processadas em programa de CFD para análise comparativa.

27 3. Pesquisa de equipamentos nacionais para a propulsão

28 Navio PSV Diesel-elétrico

29 Propulsão Diesel-Elétrica

30 Arranjo de Geradores e Motores

31 Componentes principais de uma propulsão Diesel- elétrico Transformadores Conjunto Diesel Gerador Motores Elétricos Quadros Elétricos Conversores Eletrônicos Propulsores

32 Principais equipamentos requeridos Sistema de Propulsão Diesel-Elétrica (geradores, propulsores, etc.), Sistema de Posicionamento Dinâmico (bow, stern thrusters), Sistemas de Controle e Automação, Os Equipamento de Convés, Sistema de Fundeio, etc.

33 Estrutura de custos Item de custo Custo Índice (%) (%) Aço processado Propulsão: inclui azimutais e bow thrusters Equipamentos elétricos Equipamentos Eletrônicos e de 0 Comunicação: inclui DP, comando e controle Sistemas auxiliares: redes, tubulação, válvulas, etc. Mão-de-obra Total

34 Potencial de Nacionalização Pacote elétrico inteiramente nacional: geradores, transformadores, quadros elétricos, conversores de frequência Propulsores azimutais podem ser nacionalizados A integração motor gerador poderá ser nacionalizada

35 Potencial de nacionalização de equipamentos Pesquisa de fornecedores identificou empresas interessadas em fornecer componentes nacionais para o sistema de propulsão: WEG pacote elétrico e software de controle Wartsila pacote completo GE pacote completo MAN motores diesel ABB - pacote elétrico e propulsores Voith - propulsores

36 Conclusões A indústria brasileira está amplamente capacitada para a fabricação de geradores elétricos, quadros elétricos, cabos e barramentos, transformadores, conversores eletrônicos de potência e motores elétricos de alta potência; Certas empresas já instaladas no Brasil tem potencial para fornecer determinados tipos de propulsores devido a sua capacitação industrial já implementada. Há fabricantes de motores Diesel aumentando a capacidade produtiva e outros se instalando no Brasil com foco no fornecimento no setor naval e oceânico. Há iniciativas para fornecimento integrado do sistema Diesel-elétrico

37 Obrigado! IPT Instituto de Pesquisas Tecnológicas Av. Prof. Almeida Prado, 532 Cidade Universitária São Paulo SP

38 Centro de Metrologia de Fluidos Laboratórios de calibração e certificação de medidores de gases e líquidos Laboratório de Ensaio de Bombas Hidráulicas Túnel de vento de camada limite atmosférica Laboratório de Ensaio de Ventiladores

39 Centro de Integridade de Estruturas e Equipamentos Laboratório de Equipamentos Mecânicos e Estruturas Ensaio dinâmico de umbilical Ensaio de fricção em colar hidráulico Ensaio de tração em risers Ensaios dinâmicos em cabos de aço Ensaios dinâmicos em molas de atuadores hidráulicos

APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS

APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC II FPSO Workshop Tecnológico Campinas, 24-25 de abril de 2012 APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS Carlos Daher Padovezi Instituto de Pesquisas

Leia mais

A modernização do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo

A modernização do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo A modernização do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Eng. Dr. Fulvio Vittorino Diretor do Centro Tecnológico do Ambiente Construído São Paulo, 16 de fevereiro de 2011 O que é 1899:

Leia mais

Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Soluções tecnológicas

Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Soluções tecnológicas Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Soluções tecnológicas O que é Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. Uma das primeiras instituições de P&D&I aplicados

Leia mais

24º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore

24º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore 24º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore Rio de Janeiro, 15 a 19 de Outubro de 2012. Desenvolvimento de supply boats para operações na Bacia de Santos James M. G. Weiss

Leia mais

PLATEC FPSO. 1º WORKSHOP TECNOLÓGICO Campinas 24 e 25/04/2012. Floating Production Storage and Offloading. Realização: Apoio:

PLATEC FPSO. 1º WORKSHOP TECNOLÓGICO Campinas 24 e 25/04/2012. Floating Production Storage and Offloading. Realização: Apoio: Floating Production Storage and Offloading 1º WORKSHOP TECNOLÓGICO Campinas 24 e 25/04/2012 Realização: Apoio: Brasil - mundo Demanda brasileira nos estaleiros do mundo PLATEC FPSO 2 Plataformas Tecnológicas

Leia mais

Projeto Conceitual e parte de projeto Básico de uma embarcação Platform Supply Vessel para operar no Pré-sal da Bacia de Santos

Projeto Conceitual e parte de projeto Básico de uma embarcação Platform Supply Vessel para operar no Pré-sal da Bacia de Santos Projeto Conceitual e parte de projeto Básico de uma embarcação Platform Supply Vessel para operar no Pré-sal da Bacia de Santos Caio César Rosa de Oliveira Projeto de Graduação apresentado ao Curso de

Leia mais

Oportunidades Tecnológicas na Indústria Naval e Offshore

Oportunidades Tecnológicas na Indústria Naval e Offshore Oportunidades Tecnológicas na Indústria Naval e Offshore Conselho Estadual de Petróleo e Gás Natural do Estado de São Paulo - CEPG Workshop Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores 25/10/1011 Luis Mendonça

Leia mais

Política de Conteúdo Local - Oportunidades de Negócios para Pequenas Empresas. 19 de novembro de 2013

Política de Conteúdo Local - Oportunidades de Negócios para Pequenas Empresas. 19 de novembro de 2013 Política de Conteúdo Local - Oportunidades de Negócios para Pequenas Empresas 19 de novembro de 2013 Agenda PNG 2013-2017 Política de Conteúdo Local da Petrobras Oportunidades de Negócio Ações de Fomento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO. São Luís, 25 de Novembro de 2011 TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PARA O SETOR DE P&G

DESENVOLVIMENTO. São Luís, 25 de Novembro de 2011 TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PARA O SETOR DE P&G DESENVOLVIMENTO São Luís, 25 de Novembro de 2011 TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PARA O SETOR DE P&G CONVÊNIO PETROBRAS - SEBRAE OBJETIVO GERAL Promover a inserção competitiva e sustentável de micro e pequenas

Leia mais

Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC ONSHORE. Workshop Tecnológico Sondas de Perfuração Onshore FIEBE Salvador/BA 31 de julho de 2012

Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC ONSHORE. Workshop Tecnológico Sondas de Perfuração Onshore FIEBE Salvador/BA 31 de julho de 2012 Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC ONSHORE Workshop Tecnológico Sondas de Perfuração Onshore FIEBE Salvador/BA 31 de julho de 2012 PLATEC - CONCEITUAL Plataformas Tecnológicas É uma base de conhecimentos

Leia mais

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. Soluções tecnológicas

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. Soluções tecnológicas Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Soluções tecnológicas O que é Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. Uma das primeiras instituições de P&D&I aplicados

Leia mais

PLATEC PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS PLATEC FPSO automação e instrumentação do top side

PLATEC PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS PLATEC FPSO automação e instrumentação do top side Programa de Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor de Óleo e Gás - MULTIFOR PLATEC PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS PLATEC FPSO automação e instrumentação do top side São Paulo - 16/10/2013 ONIP - MULTIFOR

Leia mais

SKM é uma empresa de engenharia, industrialização e serviço, 100% brasileira e, desde 1992, esta focada em fornecer soluções abrangentes e serviços

SKM é uma empresa de engenharia, industrialização e serviço, 100% brasileira e, desde 1992, esta focada em fornecer soluções abrangentes e serviços Engenharia de Automação & Assistência Técnica SKM é uma empresa de engenharia, industrialização e serviço, 100% brasileira e, desde 1992, esta focada em fornecer soluções abrangentes e serviços para a

Leia mais

Curso Embarcações de Apoio Marítimo Logística Offshore

Curso Embarcações de Apoio Marítimo Logística Offshore Curso Embarcações de Apoio Marítimo Logística Offshore Autor: Prof. Josué Octávio Plácido Mathedi Instituição de Ensino: METHODUS - Ensino a Distância Descrição: O curso aborda os princípios básicos de

Leia mais

HORNBECK OFFSHORE FROTA DP-2 OSV

HORNBECK OFFSHORE FROTA DP-2 OSV HORNBECK OFFSHORE FROTA DP-2 OSV HORNBECK OFFSHORE SERViCES APRESENTA A NOVA FROTA HOSMAX, SUAS MAIS MODERNAS EMBARCAÇÕES DE APOIO MARÍTIMO (CLASSE 300 PÉS). ESTES PSVs DP-2, BANDEIRAS AMERICANAS EM CONFORMIDADE

Leia mais

Nosso Negócio. Tintas líquidas e em pó e vernizes eletroisolantes. Serviços. Variação de Velocidade. Geração De Energia. Subestações.

Nosso Negócio. Tintas líquidas e em pó e vernizes eletroisolantes. Serviços. Variação de Velocidade. Geração De Energia. Subestações. 1. INSTITUCIONAL Nosso Negócio Serviços Geração De Energia Variação de Velocidade Subestações Motores Transformadores Componentes elétricos Geradores Quadros Elétricos Automação Industrial Tintas líquidas

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás

Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor Petróleo e Gás Santos Offshore Alfredo Renault Santos, 10 de abril de 2014. Sumário I PERSPECTIVAS E INVESTIMENTOS DO SETOR II A CADEIA DE FORNECEDORES III

Leia mais

Petróleo e Marítimo. Custo Total de Propriedade Sistemas de Propulsão e Geração de Energia. Rodrigo Feria Gerente de Vendas 11/09/2015

Petróleo e Marítimo. Custo Total de Propriedade Sistemas de Propulsão e Geração de Energia. Rodrigo Feria Gerente de Vendas 11/09/2015 Petróleo e Marítimo Custo Total de Propriedade Sistemas de Propulsão e Geração de Energia 11/09/2015 Rodrigo Feria Gerente de Vendas 1 11/09/2015 2 Sumário Custo Total de Propriedade Definição O que deve

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Engenharia Naval e Oceânica

Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Engenharia Naval e Oceânica Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Engenharia Naval e Oceânica Avaliação de Sistemas Diesel Elétrico, Mecânico e Híbrido para embarcações de Apoio a Plataformas. Projeto de Graduação

Leia mais

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia Pós-Graduação Stricto Sensu Pós-Graduação Lato Sensu Extensão Graduação Diagnósticos Tecnológicos Soluções de Problemas Empresariais

Leia mais

Segen F. Estefen Diretor de Tecnologia e Inovação Caminhos para a Inovação Painel Mecanismos de Financiamento Senado Federal, Brasília, 14 de junho

Segen F. Estefen Diretor de Tecnologia e Inovação Caminhos para a Inovação Painel Mecanismos de Financiamento Senado Federal, Brasília, 14 de junho Segen F. Estefen Diretor de Tecnologia e Inovação Caminhos para a Inovação Painel Mecanismos de Financiamento Senado Federal, Brasília, 14 de junho de 2012 UFRJ Ilha da Cidade Universitária Campus da Universidade

Leia mais

PLATEC Plataformas Tecnológicas

PLATEC Plataformas Tecnológicas Programa de Desenvolvimento de Fornecedores para o Setor de Óleo e Gás - MULTIFOR PLATEC Plataformas Tecnológicas Barcos de Apoio Offshore Porto Alegre - RS em 26/03/2013 ONIP - MULTIFOR PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Titulo: PROJETO SIBRATEC: FERRAMENTAS DE GESTÃO DA PRODUÇÃO E SERVIÇOS TECNOLÓGICOS

Titulo: PROJETO SIBRATEC: FERRAMENTAS DE GESTÃO DA PRODUÇÃO E SERVIÇOS TECNOLÓGICOS Titulo: PROJETO SIBRATEC: FERRAMENTAS DE GESTÃO DA PRODUÇÃO E SERVIÇOS TECNOLÓGICOS Palestrantes: Vicente Nelson Giovanni Mazzarella Mari Tomita Katayama 25 / 02 / 2010 CIESP - Sorocaba Edifício Adriano

Leia mais

Automation Engineering and Technical Support

Automation Engineering and Technical Support Automation Engineering and Technical Support SKM é uma empresa de engenharia, fabricação e serviço, 100% brasileira e, desde 1992, esta focada em fornecer soluções abrangentes e serviços para a Marinha

Leia mais

PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA

PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA Parte l Rev TRANSPORTE DE ALUNOS ATIVIDADES DIDÁTICAS EM TRÂNSITO ATIVIDADES DIDÁTICAS TEMÁTICAS Arquitetura Naval catamarã para transporte de passageiros/alunos embarcação de

Leia mais

Soluções para o Segmento Naval

Soluções para o Segmento Naval Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Soluções para o Segmento Naval Presença Global Estrutura A WEG é uma empresa brasileira fundada em 1961 no sul do país, com mais de 31.000 funcionários

Leia mais

EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO- EQUIPAMENTOS UTILIZADOS

EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO- EQUIPAMENTOS UTILIZADOS PROCESSOS INDUSTRIAIS ORGÂNICOS EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO- EQUIPAMENTOS UTILIZADOS PERFURAÇÃO - INTRODUÇÃO A perfuração de um poço de petróleo é realizada através de uma sonda, conforme ilustrado nas figuras

Leia mais

24º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore

24º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore 24º Congresso Nacional de Transporte Aquaviário, Construção Naval e Offshore Rio de Janeiro, 15 a 19 de Outubro de 212 Análise paramétrica da resistência ao avanço de cascos de embarcações de apoio: comparação

Leia mais

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br

Isaias Quaresma Masetti. Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br Inovação Tecnológica Frente aos Desafios da Indústria Naval Brasileira Isaias Quaresma Masetti Gerente Geral de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica masetti@petrobras.com.br ... O maior obstáculo à indústria

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina. Djonatan Guilherme Erbs Schoeping

Universidade Federal de Santa Catarina. Djonatan Guilherme Erbs Schoeping Universidade Federal de Santa Catarina Djonatan Guilherme Erbs Schoeping PROJETO PRELIMINAR DE SISTEMA PROPULSIVO DE UMA EMBARCAÇÃO DE APOIO OFFSHORE DO TIPO PLATFORM SUPPLY VESSEL Trabalho de Conclusão

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Alternadores Síncronos Linha AN10. Novo

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Alternadores Síncronos Linha AN10. Novo Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Alternadores Síncronos Linha AN10 Novo Alternadores Síncronos Linha AN10 Os alternadores da linha AN10 foram desenvolvidos para aplicação em

Leia mais

Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Departamento de Engenharia Marítima

Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Departamento de Engenharia Marítima Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Departamento de Engenharia Marítima Hidrodinâmica e Propulsão Questões e Exercícios Outubro 2013 2 Questão/Exercício 1 Um modelo com 6 m de um navio de 180 m

Leia mais

Terceiro nível Quarto nível Quinto nível

Terceiro nível Quarto nível Quinto nível SEMINÁRIO JURÍDICO-FISCAL E WORKSHOP TÉCNICO DA 4 a RODADA DE LICITAÇÕES DA ANP CAPACIDADE Clique para editar NACIONAL os estilos do texto DA mestre CADEIA Segundo DE nível SUPRIMENTO PARA PETRÓLEO E GÁS

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio:

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio: Catálogo Apoio: APRESENTAÇÃO O (CE-EÓLICA) se consolida como uma ação estratégica da PUCRS em função do crescimento das competências nesta área, a partir de atividades especificas realizadas pelo NUTEMA,

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO E DETERMINAÇÃO DE UM SISTEMA DE AQUECIMENTO DE MISTURA ÁGUA/ÓLEO PARA AVALIAÇÃO AUTOMÁTICA DE MEDIDORES DE VAZÃO

Leia mais

A Indústria naval e offshore no Estado do Rio De Janeiro

A Indústria naval e offshore no Estado do Rio De Janeiro A Indústria naval e offshore no Estado do Rio De Janeiro Rio de Janeiro Localização Sudeste do Brasil (56% do PIB nacional) Área 43.90 km 2 (0,5% do território brasileiro) População 5,4 Mi (8,4% do total)

Leia mais

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios.

Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Conhecer o cenário de atuação de micro e pequenas empresas é fundamental para subsidiar estratégias de atuação do Sebrae junto a esses negócios. Só assim é possível identificar oportunidades de melhorias

Leia mais

PROMINP Tecnológico 22 de Julho de 2010

PROMINP Tecnológico 22 de Julho de 2010 PROMINP Tecnológico 22 de Julho de 2010 Estudo de Competitividade da Indústria Fornecedora de B&S para o Setor de P&G BLOCO II Estudo da Competitividade Competitividade Classe Mundial Setores Industriais

Leia mais

ID Engenharia SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA NAVAL

ID Engenharia SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA NAVAL SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA NAVAL O grupo. Ingenieria é formada por uma série de empresas multidisciplinares capacitadas para dar resposta a grande variedade de requisitos de nossos clientes.

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171091. Nanotecnologia: possibilidades de atuação

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171091. Nanotecnologia: possibilidades de atuação COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171091 Nanotecnologia: possibilidades de atuação Natália Neto Pereira Cerize Palestra apresentada na Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO DE ESTAGIÁRIOS PROGRAMA IPT NOVOS TALENTOS Aditivo Nº 03/2013 de abertura de inscrições Edital Nº 01/2013

PROCESSO SELETIVO PÚBLICO DE ESTAGIÁRIOS PROGRAMA IPT NOVOS TALENTOS Aditivo Nº 03/2013 de abertura de inscrições Edital Nº 01/2013 PROCESSO SELETIVO PÚBLICO DE ESTAGIÁRIOS PROGRAMA IPT NOVOS TALENTOS Aditivo Nº 03/2013 de abertura de inscrições Edital Nº 01/2013 O Diretor Presidente do INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO

Leia mais

Tecnologia Offshore Trabalho pesado em águas turbulentas

Tecnologia Offshore Trabalho pesado em águas turbulentas Tecnologia Offshore Trabalho pesado em águas turbulentas 3 Tecnologia Offshore - Trabalho pesado em águas turbulentas Trabalho pesado em águas turbulentas. A quem você recorre quando necessita de soluções

Leia mais

Tecnologia e inovação a serviço da sociedade

Tecnologia e inovação a serviço da sociedade Tecnologia e inovação a serviço da sociedade Apresentação Institucional Novembro de 2005 Histórico Institucional 1899 -GABINETE Gabinete de Resistência de Materiais (Poli) 1926 - LABORATÓRIO Laboratório

Leia mais

Secretário Executivo da CESPEG

Secretário Executivo da CESPEG PROSPECÇÃO E PREPARO DE FORNECEDORES PARA O PRÉ SAL Instrumentação e Automação em Petróleo e Gás José Roberto dos Santos Secretário Executivo da CESPEG São Paulo, 26 de Novembro de 2009 Envolvimento e

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

Programa Indústria Marítima

Programa Indústria Marítima Programa Indústria Marítima Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Carlos Eduardo Macedo Coordenador-Geral das Indústrias de Transporte Aéreo

Leia mais

Contribuição para o Aperfeiçoamento de uma Política para a Indústria Naval e a Marinha Mercante

Contribuição para o Aperfeiçoamento de uma Política para a Indústria Naval e a Marinha Mercante Contribuição para o Aperfeiçoamento de uma Política para a Indústria Naval e a Marinha Mercante NOVAS CONSTRUÇÕES Eng. Agenor C. Junqueira Leite Presidente Trabalhos Publicados -Política Governamental

Leia mais

ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS - APP

ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS - APP ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS Pág. 1/19 ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS CLIENTE PETROBRAS REV. 00 DATA Out/2010 FOLHA 1/19 INSTALAÇÃO Unidade Marítima de Perfuração NS-21 (Ocean Clipper)

Leia mais

Ações IFPE Área Naval

Ações IFPE Área Naval Ações IFPE Área Naval PROF. ENIO CAMILO DE LIMA DIRETOR GERAL DO CAMPUS IPOJUCA CURSO TÉCNICO EM CONSTRUÇÃO VISITA AO ARSENAL DA MARINHA, ESCOLA TÉCNICA NAVAL DA MARINHA E FEMAR NO RIO DE JANEIRO MARCO

Leia mais

Pré-Sal: Desafios e Oportunidades Tecnológicas

Pré-Sal: Desafios e Oportunidades Tecnológicas Pré-Sal: Desafios e Oportunidades Tecnológicas Aloisio Nóbrega Superintendente ONIP CCT do Senado Federal Outubro de 2008 Introdução Província Pré-Sal Fonte: Petrobras Situação da Perfuração dos Poços

Leia mais

Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão

Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão 6 a 1 de Outubro de 28 Olinda - PE Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão Ronaldo R. B. de Aquino Zanoni D. Lins Pedro A. C. Rosas UFPE UFPE UFPE rrba@ufpe.br zdl@ufpe.br prosas@ufpe.br

Leia mais

Indústria Oceânica (offshore) do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Agosto de 2011 Rev. 6

Indústria Oceânica (offshore) do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Agosto de 2011 Rev. 6 Indústria Oceânica (offshore) do Rio Grande do Sul Porto Alegre, Agosto de 2011 Rev. 6 Panorama Ciclo econômico do Pré-Sal Prioridade de Governo Sustentabilidade socioeconômica e ambiental Indústria offshore

Leia mais

Encontro para fomento da Micro e Pequena Empresa no entorno do EEP SICM Salvador - 04/06/2013

Encontro para fomento da Micro e Pequena Empresa no entorno do EEP SICM Salvador - 04/06/2013 Encontro para fomento da Micro e Pequena Empresa no entorno do EEP SICM Salvador - 04/06/2013 Gerente de Relações Institucionais Marcio Mendonça Cruz Revitalização Revitalização da da indústria indústria

Leia mais

O potencial do Rio Grande do Sul na indústria de Petróleo, Gás, Naval e Offshore. Comitê de Competitividade em Petróleo, Gás, Naval e Offshore

O potencial do Rio Grande do Sul na indústria de Petróleo, Gás, Naval e Offshore. Comitê de Competitividade em Petróleo, Gás, Naval e Offshore O potencial do Rio Grande do Sul na indústria de Petróleo, Gás, Naval e Offshore Comitê de Competitividade em Petróleo, Gás, Naval e Offshore Porto Alegre, 27 de julho de 2011 Panorama Brasileiro Novo

Leia mais

Painel 13. Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária.

Painel 13. Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária. Senado Federal AUDIÊNCIA PÚBLICA P DA COMISSÃO DE INFRAESTRUTURA Painel 13 Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica e Aquaviária Luiz Felipe

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho / 2014

Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho / 2014 Os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País As Políticas Industrial e de Inovação no setor de Petróleo e Gás Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho

Leia mais

Embarcações de Apoio Offshore e Barcos de Trabalho

Embarcações de Apoio Offshore e Barcos de Trabalho Embarcações de Apoio Offshore e Barcos de Trabalho - Líder Mundial em C Em 2012, a tornou-se a primeira classificadora do mundo a possuir mais de 200 milhões de toneladas de arqueação bruta em seu registro.

Leia mais

Noemi Cristina Hernandez

Noemi Cristina Hernandez Noemi Cristina Hernandez METROLOGISTA Metrologia, gerência de laboratorio, instrumentação, certificação/normalização QUALIFICAÇÕES Experiência de 09 anos em metrologia de fluidos, atuando em laboratório

Leia mais

MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a

MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a 2014 MISSÃO Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. São 165 unidades

Leia mais

O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10

O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10 S UNIDADE 1 U M Á R I O O mundo da energia...9 1. Uma presença universal... 10 ENERGIA, SEMPRE MUDANDO DE FORMA...11 ENERGIA AO LONGO DA HISTÓRIA...16 NA VIDA MODERNA...18 Buscando a sustentabilidade...20

Leia mais

Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP

Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP Coordenadoria de Conteúdo Local Marintec South America / 12ª Navalshore, 12/08/15 A Política de Conteúdo Local Definição: Política

Leia mais

1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES

1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES 1º Workshop Tecnológico PLATEC Sondas de Perfuração Marítima Vitoria/ES FEV - 2013 Mercado de atuação do EEP descobertas do pré-sal: o Brasil se transformou no grande mercado para diversos equipamentos

Leia mais

Publicação. Produtos para aplicações navais Desempenho e confiabilidade em condições exigentes

Publicação. Produtos para aplicações navais Desempenho e confiabilidade em condições exigentes Publicação Produtos para aplicações navais Desempenho e confiabilidade em condições exigentes Os produtos, soluções e serviços da ABB para aplicações navais entregam altos níveis de desempenho e confiabilidade

Leia mais

Evolução dos Sistemas de Controle de Máquinas. Por: Nicolau Sebastião e Antônio Penna

Evolução dos Sistemas de Controle de Máquinas. Por: Nicolau Sebastião e Antônio Penna Evolução dos Sistemas de Controle de Máquinas Por: Nicolau Sebastião e Antônio Penna Sistemas de Controle de Máquinas Fonte de Energia para a Propulsão Vapor Diesel / Gás Mecânica Elétrica Diesel - Elétrica

Leia mais

Oportunidades e desafios de qualificação profissional. III Balanço do Setor Naval e Offshore do Rio de Janeiro FIRJAN - 06/06/2014

Oportunidades e desafios de qualificação profissional. III Balanço do Setor Naval e Offshore do Rio de Janeiro FIRJAN - 06/06/2014 Oportunidades e desafios de qualificação profissional III Balanço do Setor Naval e Offshore do Rio de Janeiro FIRJAN - 06/06/2014 Petrobras Plano de Negócios 2014-2018 Inovação e Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

INDÚSTRIA NAVAL BRASILEIRA

INDÚSTRIA NAVAL BRASILEIRA UM NOVO MOMENTO DA INDÚSTRIA NAVAL BRASILEIRA ENSEADA. A QUALIDADE, A PRODUTIVIDADE E A TECNOLOGIA DOS MELHORES ESTALEIROS DO MUNDO AGORA NO BRASIL Resultado da associação entre Odebrecht, OAS, UTC e Kawasaki,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS DA PETROBRAS PROJETOS DA BACIA DE SANTOS. José Luiz Marcusso E&P / UN-BS. São Paulo, 11 de maio de 2010

PLANO DE NEGÓCIOS DA PETROBRAS PROJETOS DA BACIA DE SANTOS. José Luiz Marcusso E&P / UN-BS. São Paulo, 11 de maio de 2010 PLANO DE NEGÓCIOS DA PETROBRAS PROJETOS DA BACIA DE SANTOS José Luiz Marcusso E&P / UN-BS São Paulo, 11 de maio de 2010 1 1 AVISO As apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais

Leia mais

PORTFÓLIO DE SERVIÇOS SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO, VAZÃO E NÍVEL

PORTFÓLIO DE SERVIÇOS SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO, VAZÃO E NÍVEL PORTFÓLIO DE SERVIÇOS SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO, VAZÃO E NÍVEL Com experiência consolidada em quase três décadas de atividades no mercado brasileiro, a Hirsa oferece soluções de alta tecnologia e serviços

Leia mais

SP 03/95 NT 188/95. Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal. Engº Marcio Antonio Anselmo. 1. Introdução

SP 03/95 NT 188/95. Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal. Engº Marcio Antonio Anselmo. 1. Introdução SP 03/95 NT 188/95 Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal Engº Marcio Antonio Anselmo 1. Introdução A sinalização horizontal contribui com a segurança dos usuários da via, influi na velocidade

Leia mais

27º Fórum de Debates BRASILIANAS.ORG. A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas. Painel 3: Normatização e Certificação

27º Fórum de Debates BRASILIANAS.ORG. A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas. Painel 3: Normatização e Certificação 27º Fórum de Debates BRASILIANAS.ORG A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas Painel 3: Normatização e Certificação Palestrante: Mari Tomita Katayama São Paulo, 09 de Julho de 2012 Apresentação sucinta

Leia mais

Indústria Naval e Offshore no Brasil

Indústria Naval e Offshore no Brasil Indústria Naval e Offshore no Brasil Agenda 1. A Política de Conteúdo Local e a Retomada da Indústria Naval no Brasil. 2. Cadeia Produtiva do Setor Naval (Navipeças). 3. Produtividade da Indústria Naval

Leia mais

Reabilitação, manutenção e eficiência Poços

Reabilitação, manutenção e eficiência Poços CONSULTORÍA DE INGENIERÍA PARA SOLUCIONES INTEGRADAS Reabilitação, manutenção e eficiência Poços Reabilitação, manutenção e eficiência Reabilitação de poços Ações imediatas, funcionamento ótimo Investimento

Leia mais

Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo

Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo Automação, Controle e Otimização em Sistemas de Produção de Petróleo Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina Apresentação da Rede Temática GeDIg, Março de 2008 Sumário

Leia mais

Ciclo de. Presidente Maria das Graças as Silva Foster. Coletiva de Imprensa. Rio de Janeiro, 05 de Março de 2012

Ciclo de. Presidente Maria das Graças as Silva Foster. Coletiva de Imprensa. Rio de Janeiro, 05 de Março de 2012 Lançamento amento do 6º 6 Ciclo de Qualificação do Prominp Coletiva de Imprensa Presidente Maria das Graças as Silva Foster Rio de Janeiro, 05 de Março de 2012 Política de Conteúdo Local da Petrobras Aprovada

Leia mais

Linhas de Pesquisa ENGENHARIAS III

Linhas de Pesquisa ENGENHARIAS III Projeto Isolado Descrição: de Projetos Isolados Área de Concentração: Acústica Submarina e Instrumentação Oceanográfica: Descrição: Estudos sobre a propagação do som no oceano e sua aplicação a problemas

Leia mais

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica - Niterói O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás Dezembro 2013 Tópicos Cenário P&G Rede de Núcleos de P&G - CNI e Federações Desenvolvimento de APLs

Leia mais

Tecnologia de controle para máquinas operatrizes móbil.

Tecnologia de controle para máquinas operatrizes móbil. Tecnologia de controle para máquinas operatrizes móbil. HYDAC Matriz na Alemanha Seu parceiro competente para máquinas operatrizes móbil. HYDAC Itália HYDAC Holanda HYDAC França HYDAC Coréia HYDAC China

Leia mais

Sumário. Atendimento e Qualidade em Manuseio, Transporte e Controle de Fluidos. www.amboretto.com.br. Quem Somos?...4. Política de Qualidade...

Sumário. Atendimento e Qualidade em Manuseio, Transporte e Controle de Fluidos. www.amboretto.com.br. Quem Somos?...4. Política de Qualidade... Atendimento e Qualidade em Manuseio, Transporte e Controle de Fluidos. Sumário Quem Somos?...4 Política de Qualidade...5 Amboretto Bombas...6 Amboretto Corporation...8 Centro de Engenharia e Projetos...

Leia mais

Tabela - Produtos x Aplicação x Equipamentos. Tipo de indústria produtos aplicação

Tabela - Produtos x Aplicação x Equipamentos. Tipo de indústria produtos aplicação Tabela - Produtos x Aplicação x Equipamentos Tipo de indústria produtos aplicação - Equipamentos para - Laboratórios ensaios de trafos e capacitores - Reguladores e estabilizadores de tensão, tipo indução

Leia mais

PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411

PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411 PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411 Eng. João Marcos Castro Soares (Diretor de P&D) São Paulo, 29 de abril de 2015 REIVAX

Leia mais

SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA PROCESSOS ININTERRUPTOS DE PRODUÇÃO

SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA PROCESSOS ININTERRUPTOS DE PRODUÇÃO SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA PROCESSOS ININTERRUPTOS DE PRODUÇÃO Quem Somos Missão: Ser reconhecida como referência em sistema de adequação de energia com responsabilidade social e ambiental e alto grau de

Leia mais

Orientadora: Marta Cecilia Tapia Reyes

Orientadora: Marta Cecilia Tapia Reyes PSV 1500 OR: ASPECTOS DO PROJETO DE CONVERSÃO DE UM PSV 1000 Jorge Schubert Neto Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Naval e Oceânica da Escola Politécnica, Universidade Federal do

Leia mais

Acumuladores hidráulicos na tecnologia híbrida.

Acumuladores hidráulicos na tecnologia híbrida. Acumuladores hidráulicos na tecnologia híbrida. HYDAC Matriz na Alemanha Seu parceiro competente para acumuladores hidráulicos inovadores e sistemas híbridos. Todos os requerimentos para eficientes soluções

Leia mais

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO !" AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO 1- INTRODUÇÃO O transporte de água (ADUÇÃO) pode ser realizado das seguintes formas: a) Por GRAVIDADE Utilizando Conduto Livre (Canal) b) Por GRAVIDADE Utilizando

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões

CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões CALIBRAÇÃO DE PRESSÃO Conhecendo e Comparando Padrões WIKA Referência Mundial em produtos para medição, controle e calibração de pressão e temperatura, a WIKA está presente em mais de 75 países, fornecendo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA NAVAL

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA NAVAL PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA NAVAL Profa. M.Sc. Jose Luiz Sansone Junho de 2011. Breve Histórico 1974 UTAM Primeiro Vestibular para Eng. Operacional Mecânica 1985 UTAM Primeiro Vestibular

Leia mais

EMBARCAÇÕES DE PESCA (Construção em Alumínio Marítimo)

EMBARCAÇÕES DE PESCA (Construção em Alumínio Marítimo) Divisão de Construção Naval SOUNETE - FÁBRICA DE APRESTOS METÁLICOS, LDA. RUA DA SEARA, 588 - OLIVEIRA DO DOURO APARTADO, 290 4431-904 VILA NOVA DE GAIA - PORTUGAL TELEFONES (351) 227860930 - FAX (351)

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Motores de Indução Trifásicos Refrigerados por manto d água

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Motores de Indução Trifásicos Refrigerados por manto d água Motores Automação Eneria Transmissão & Distribuição Tintas Motores de Indução Trifásicos Refrierados por manto d áua www.we.net Motores de Indução Trifásicos Refrierados por manto d áua Os motores WGM,

Leia mais

Offshore. Exploração Produção Suprimento

Offshore. Exploração Produção Suprimento Offshore Exploração Produção Suprimento MAN Diesel & Turbo O principal impulsionador da indústria offshore Motores para Propulsão MAN Grupos geradores MAN r/min Engine type r/min Engine type 500-514 L51/60DF

Leia mais

Ônibus Híbrido Plug-In a Etanol Antonio Otélo Cardoso

Ônibus Híbrido Plug-In a Etanol Antonio Otélo Cardoso Ônibus Híbrido Plug-In a Etanol Antonio Otélo Cardoso Diretoria Técnica de ITAIPU Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável Visão de Futuro: Ônibus eficientes, emissão ZERO! Os ônibus são um dos principais

Leia mais

Powertrain WEG: Inovação a serviço da eficiência e redução de emissão em veículos

Powertrain WEG: Inovação a serviço da eficiência e redução de emissão em veículos Powertrain WEG: Inovação a serviço da eficiência e redução de emissão em veículos Fábricas e Filiais Do primeiro prédio ao parque instalado total Brasil Argentina Chile Colômbia Venezuela Peru México Estados

Leia mais

Atuando no mercado brasileiro, fabricando equipamentos nas áreas de caldeiraria e serralheria industrial.

Atuando no mercado brasileiro, fabricando equipamentos nas áreas de caldeiraria e serralheria industrial. Atuando no mercado brasileiro, fabricando equipamentos nas áreas de caldeiraria e serralheria industrial. A trabalha dentro de normas. Como: NBR, ASME, DIN, API e etc. Nosso galpão industrial comporta

Leia mais

A visão empresarial da operação da hidrovia Paraguai Paraná

A visão empresarial da operação da hidrovia Paraguai Paraná A visão empresarial da operação da hidrovia Paraguai Paraná 2o S eminário Internacional s obre Hidrovias B ras ília, 29 de Ag os to de 2007 Jos é Luiz de C arvalho Introdução Não podemos dizer que apresentaremos

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro Superintendência de Regulação dos Serviços de Geração - SRG Workshop: Repotenciação de Usinas Hidrelétricas Brasília-DF 14 de julho de 2011 Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP

Leia mais