TENTATIVA DE ZONEAMENTO SíSMICO DO SUDESTE BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TENTATIVA DE ZONEAMENTO SíSMICO DO SUDESTE BRASILEIRO"

Transcrição

1 TENTATIVA DE ZONEAMENTO SíSMICO DO SUDESTE BRASILEIRO por JOSÉ AUGUSTO MIOTO Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de são Paulo S.A., Divisão de Geologia de Engenharia e Mecãnica de Rochas,\BSTRACT The seismic conditions of zones at a distance from lithospheric plate borders (intraplate zones) make it impossible to obtain satisfactory correlations between geologic structure and seismic áctivity. Following the suggestion made by the l's~rc's Standards Development Departament (1979), a correlation method designed to overcome this limitation was developed for southeastern Brazil.Thus, it proved impossible to define seismotectonic provinces as otherwise suggested by a number of authors; therefore it was decided, since 1981, to de1imit seismogenic zones as those areas concentrating epicenters related to greater ar smaller tectoníc and epeírogenic instability. INTRODUÇÃO Diversas tentativas de regionalização sísmica do Brasil (e, particularmente, da Região Sudeste) foram realizadas nestes últimos dez 0nos considerando a presença de zonas de fraqueza crustal, cuja mobi ]idade intermitente remonta, por vezes, do Arqueano e chega até o R~ '..:ente. A interpretação baseada em feições geológicas e geotectõnicas "ribuídas ao Evento Brasiliano e aos processos pós-brasilianos é uma, ~ra linha de pesquisa em desenvolvimento desde o fim dos anos ":(,rk~hor Nco t c-cro. p Sod í.rn, Con t, Ce no., no SE Br a s i l,., Belo Horizonte, Junho 1990

2 s.mi J,!.Jl J.il'<:'Jra linha de inlc:<rpret.élçdo contempla o que d o m.i i :,dlj 1 ~c: oric on t.ra na abo rda qorn da s í ci dadc intraplaca, pois a lt'l:wi(!) '; com elementos de t.e c t.o n ica rcssurgente e ncotectônica (N(~ogcno-f.<,,(:, te), permitindo o empreyo dos enfoques modernos de Geologia EstLut~ ral e Tecl6nica, a16m do uso de elementos geofisicos profundos ~tjd v~s de m&todos gravim~tricos e aeromagn~ticos. A ocorrência de sismos em regi6es intraplaca constitui umj tlds feições mais notáveis da atividade neotectônica, cujo e nt.end i mc nto é feito com elementos de geomorfog~nese, fluxo geot~rmico, descont ij1ui dades geológicas, tensões intraplaca, dentre outros. - Dentro desta linha de estudo foram definidas várias zona~ de maior incid~ncia de sismos no Sudeste Brasileiro e regi~o central de Goiás, algumas delas de interesse imediato ao quadro de estabilidade geológica do sul e oeste de Minas Gerais. DISTRIBUIÇÃO DOS SISMOS EM MINAS GERAIS O quadro da sismicidade em Minas Gerais apresentado anexo foi complementado por eventos dos estados vizinhos se ter um panorama melhor da distribuição epicentral e traços geológicos. no mapa r'r'! a fim dc~ os mei orcs Aproximadamente, as coordenadas epicentrais restrinqira~-5e ri 14-24Q S/39,5-52Q W; a listagem dos eventos foi retirada de BERP':.;(':' et a I. (1984) e dos boletins sísmicos da Revista Brasileira de Geofí sica. O mapa, propositalmente, ~ de apenas distribuição epicentral ~ segregação de eventos em áreas de maior atividade sísmica. Os Li mi ~f's das províncias tectônicas sugeridos por ALMEIDA et ai. (1977) foram suprimidos; tamb~m não foram incluídos os traços que limitam as des continuidades crustais observadas por HARALY e HASUI (1982), HARALYl et al, (1985) e HASUI et al, (1989). Os epicentros distribuem-se difusamente por áreas cratônicas, de bradas e de acumulação sedimentar sendo a incid~ncia menor nesta úi tima. Há uma concentração de eventos nos limites e a sul do Cráton do são Francisco, nos domínios das províncias tectônicas do são Fran cisco, Tocantins e Mantiqueira. No domínio da provincia tectônica pa raná, aos limites dos estados de são Paulo e Minas Gerais, também ha registros de sismos. Os eventos da área oceânica foram omitidos por questão de distribuição geográfica. A princípio, a constatação de sismos em todos os dominios lito16 gicos leva a uma id~ia de que a instabilidade pode ser generalizada para toda a área do mapa, principalmente pela deficiência da instru mentaçâo sismológica regional. Entretanto, não pode ser desvincu]ad~ deste panorama o fato de que muitos registros sísmicos t~m sido coin cidentes com locais de sismicidade hist6rica. Evidentemente, os ora~ des vazios (~reas sem registrqs sismicos) existentes poder~o ser- Gl minuídos com uma instrumentação mais acurada, como de fato se t2w v; rificado. Outra anotação proposital ~ a do erro de localização epice~tral, admitida até 50 km (circulos hachurados). Ela é importagte para ~ão t ~'ansmitir ao observador a idéia de que o sismo está vinculado 2. U~;;(1 ou outra descontinuidade geológica. No Sudeste Brasileiro e na ~sca Ia de abordagem realizada não foi possível ainda relacionar uri e~"'r, to sísmico com uma falha. Uma abordagem melhor desta questão é tratar l.o l c-r lrn i\ Sh( - i\úclfjo :lir-:as C~r.1is

3 nc QS ~l~nos 0m termos de magnitude, o que nâo foi ti:;! r'ntc, ma s que foi considerado numa tentativa DiAS NETO (1986) sem resultado satisfat6rio. executado pre~~,~de interprc LI Ç.30 :_ O cunjunto de informações do mapa em ro Ee r ô i a t amb ern ijj<' uma série de polígonos irregulares, muitos deles.i ncomp Le to s,,::j( constituem as zonas sismog~nicas ou geradoras de sismos ou si~:~o~~~~ ticas, que serão descritas mais a frente. As identificadas l'omo Je porangatu (HASUI e MIOTO 1988) e Presidente Prudente (HASUI et ~l ) foram incluidas no mapa por serem estreitamente associadas a limites de blocos crustais supostos deslocados lateralmente da re gião central de Goiãs até a divisa de são Paulo com o paraná. A Z~na sismogênica do Rio Grande possui a mesma estruturação geométrica ~as de Presidente Prudente e de Porangatu. Embora alguns pesquisadores não se reportam aos sismos induziãos provocados por enchimento de reservatórios de barragens ou extra;ão de água de poços profundos com o mesmo entusiasmo dispensado aos sis mos naturais, aqueles eventos relacionados à barragens-reservatórios são indicativos de que as rochas sob e nas proximidades das mes~as estavam na situação de equilíbrio limite entre suas resistências me cânicas e o quadro de tensões natural. O Sudeste Brasileiro tem vários exemplos deste tipo de instabili dade, tais como: Cajuru (MG), Marimbondo (MG/SP),Emborcação (MG!G~I~ volta Grande/Porto Colõmbia (MG/SP), Paraibuna-Paraitinga (SP),Jê-:'.la ri (SP) e Capivara (SP/PR). Aliás, alguns sismos induzidos alcar;a= ram magnitudes "elevadas" em relação às regiões vi zinhas como os.ie Conceição das Alagoas (24/02/1974) e Primeiro de Maio (27/03/1979 l. Com exceçâo dos sismos de Paraibuna-Paraitinga e Jaguari, todos ~s eventos foram incluídos no mapa. Os contornos de zonas sismogênicas, como se verá adiante, sao re sultantes dos estudos de estabilidade geológica efetuados com qrar.de aporte de dados tectônicos, geomorfogenéticos, geotérmicos, gravim~ tricos e aeromagnéticos disponíveis até o momento. Infelizmente, os pesquisadores que integraram tais fatores nâo tiveram a oportunidade de estender a análise entre os paralelos 14 e 209S, ficando restrita a proposta de zoneamento sismológico em Minas Gerais. DISCUSSÕES SOBRE REGIONALIZAÇÃO E ZONEAMENTO S1SMICO As idéias sobre regiona1ização sísmica no Brasil foram objeto de vários pesquisadores e instituições (LISBOA 1909; BP~NNER 1920 STERNBERG 1953; HABERLEHNER 1978; SADOWSKI et ai. 1978; HASUI E ron ÇANO 1978; UNB 1979; IAG 1981; BERROGAL et ai ) originando uma terminologia variada para indicar regiôes sísmicas, províncias sísmi cas e as províncias sismotectônicas e regiões sismotectônicas. - Em se tratando da vincu1ação dos sismos a fenômenos tectônicos, os trabalhos de 1978 marcaram, efetivamente, o uso das causas te,'tô nicas para explicar a ocorrêncià de sismos no Brasil, embora já em 1920 J.C. Branner abordara o assunto para os eventos de Bom Sucesso, Recôncavo Baiano e Ceará. A correlação entre elementos geológicos e sismológicos em árt'as afastadas das bordas de placas tectônicas (intrap1aca) é sempre nui to difícil de ser feita, em virtude da atividade sísmica ser rel:lti vamente baixa. Quando neste quadro interferem os fatores de n si d.ute populacional e car~ncia de estações sisrnográficas o grau de difit'lll dade pode ser ampliado, como no caso brasileiro. '. l~ ~orkshop so~re Neotect~njc~

4 o í\ J inha de pc s q ui s a a do tada )J'lr) lp1. (;[:, 1(}8J pllr:l t()jld.l (1:\r'1. I!c[ a d i s rr Lb u íc â d0!'; :=;i:c;mos nr) SuJ("s~c.! l~r(lsi]c ir() ill(,'uri,()!(lll I;~, I'COc(:dimcntos c st abo Lo ci do s pc La USNlíC ( 1~'l7 c ls'19 ) h ir.!)jlardoçii() d~~ centrais nucleares, cuja f inal f daoc é de, proqre ssi vamc.n Lc, vi ncu lar os elementos de geologia e sismologii1. Esta pesquisa foi integralmente divulgada por HASUI ct a L, (l982). Como resultado prático deste estudo ficou demonstri1do que as províncias tectõnicas apresen tavam áreas restritas passíveis de sofrerem acomodações, tornando di fieii a identificação de 'províncias sísmicas ou províncias sismo= tectônicas. A qualificação destas áreas de instabilidade foi realizada em termos de zonas sismogênicas (ou geradoras de sismos ou sismogenêti cas), como sugerem HÁRNIK e ALGERMISSEN (l980), incjusive corn limites transitórios. Esta linha de pesquisa vem sendo mantida no IPT por ser a mais compatível com a evolução geotectónica e a atividade neotectõnica re regionais, assimilando as críticas construtivas elaboradas por ASSUMPÇÂO e BURTON (1985) e DIAS NETO (1986). A metodologia emprega da foi adotada na análise sismotectõnica do Mêdio Tocantins (THEMA~: 1987) revelando, surpreendentemente, uma área restrita de mobilidade crustal no interior da província Tocantins, que HASUI e r-noto (1988) designaram de Zona Sismogênica de Porangatu. As zonas sismogênicas estabelecidas para a Região Sudeste indic~ vam em 1981, uma incidência maior da atividade sísmica fora dos lin~ tes cratõnicas e da Bacia Sedimentar do paraná, cuja segregação co~ duziu a definição das zonas sismogênicas de Bom Sucesso, Pinhal, Ca xambu, Cunha, Cabo Frio e Campos (FIGURA 1). Em 1983, MIOTO sugeriu a existência de outra, de Cananêia ou paranaguá. Com os estudos de risco sísmico do Estado de são Paulo executados pelo IPT em 1984 cs ta passou a se designar Canan~ia; e foi criada uma outra, a do Rio Grande.. É interessante observar este quadro de "zonas de instabilidade geológica" do Sudeste com o mapa de regiões sismotectõnicas sugerldas pela UNB em 1979, discutidas por MIOTO e HASUI (1982) e,mioto (1983). O "zoneamento sísmico" da UNB (1979) ilustrado na FIGURA 2, con templa 4 regiões de maior atividade: a Região I (NE de são Paulo! SK do Rio de Janeiro) foi relacionada ã "reativação dos grandes falhamentos transcorrentes paralelos ao litoral"; a Região 2 (~ do Rio Je Janeiro!S do Espiríto Santo), de menor atividade que a anterior, "re lacionada aos movimentos ao longo de falhamentos paralelos à cost.a ll ; a Região 3 (de Canan~ia a Florianópolis), considera de pequena atividade sísmica; a Região 4 (direção e porção do curso do?io Grande), com "registro de muitos sismos induzidos e do sismo de pinhal".!-\s regi6es 1 e 2 foram consideradas como pertencentes a uma ffi2sma prc víncia sismotectõnica. A região 4, admitido alguma "coincidªncia d~ sismos com a região de fratura ao longo do Rio Grande e o lineamento de in trus6es alcalinas" configura um ãngulo reto com as req i óe s I e 2; tal observação permitiu considerar que, a exemplo de outras regiões no mundo, "a intersecção de regiões si smo t ect ór. i c e s êlpresenta sismicidade mais elevada". As questões da vinculação dos sismos a lineamentos estrutur~cs e intrusões alc a Li nao, particularmente daqueles Li rie ar-o nt o-, '\)Ja en tidade ê procurada no domínio marinho, a i r.d a ne cc ssi t a-. _-,~ es ':'os mai~ acurados do que aqueles elaborados por SADO~SYI e DIAS._ TG J:u1 tin. \~) 11 - S!;" - \t~cl", ~ :s _r:li~

5 (19r:1) e DlAS i:i :TO(1986), corno retratam as observações de ALl'1EJIJI\ (1~'P3 c 1986). J~ecc:n t ornent e, a de fin ição da s zona s si srno q e ni cas vêm sendo r-ea l i 7ada com um suporte geofisico (principalmente da gravimetria) mais olaborado, no sentido de caracterizar as feições estruturais em prq [und idade. Es ta diretriz foi empregada para a Zona Si smogênica de PC2. rangatu (GO) e, de modo generalizado, para as zonas sismogênicas do Estado de são Paulo e regiões vizinhas (HASUI et alo 1989). ~esse m~ do, foram conjugados os maiores traços estruturais de evoluçao tectq nica e as feições neotectõnicas à distribuição epicentral,definindose as zonas sismõgenicas do Rio Grande, Passos, Pinhal, Caxambu, CQ nha, Cananêia e Presidente Prudente. De acordo com a proposição de traçado de limites (caráter transitório), estes modificaram-se sensi velmente para se ajustarem ao arcabouço crustal, obtido pela interpretação da gravimetria. QUADRO DA ESTABILIDADE REGIONAL o quadro da estabilidade regional de Minas Gerais e regiões vi zinhas ê dado por HASUI (1990), enfatizando a evolução tectônica dos terrenos e as feições neotectõnicas mais notáveis. Pelo estágio de desenvolvimento dos estudos de neotectônica no país, o maior número de contribuições verifica para os estudos de são Paulo, Rio de Janeiro, Sul e Oeste de Minas Gerais. Processos tectônicos rúpteis atuais não foram caracterizados na área emersa, nela incidindo feições de "relevo em vias de afeiçoamen to, com intemperismo, movimento de solos, erosão e sedimentação". Na bacia de Santos "os sedimentos mais jovens apresentam falhas, existindo apenas uma referência sobre diápiro ativo no Holoceno e pos sivelmente ainda em movimento" (BACCAR 1970). - Feições de costas em afogamento (entre Santos e Sepetiba) e de emersão (litoral sul de são Paulo e litoral acima do Rio de Janeiro) são atribuídas a um processo de subsidência da Bacia de Santos e ascenção da região do Vale do paraíba. "decorrente de uma vasta flexão na zona intermediária,ainda ativa e residual de toda a evolução meso zóico-cenozóica". "Essa tectônica parece resultar de um desequilíbrio entre a po!. ção continental emersa e a profunda bacia, cujo soalho se acha a cer ca de 11 km abaixo dos cimos das serras do mar e da Mantiqueira.TaI vez um processo de deslizamento gravitacional, como o sugerido por ILLIES (L970), tivesse provocado o deslocamento de blocos de falha em direção à bacia e seu conseqüente basculamento para o interior do continente" aproveitando as direções de fraqueza de falhas mais anti gas, apoiando as idêias lançadas por Almeida em 1976 (HASUI et al~ J 982). Na porção mais interior são reconhecidas influencias de áreas cra tõnicas e cinturões móveis na história tectônica proterozócia e fa nerozóica. Consolidada a Plataforma Sulamericana, após o Ciclo BrasI liano, a região permaneceu relativamente estável acolhendo sedimenta ção nos limites de subsidencia da Bacia do paraná, com movimentos tectônicos oscilatórios e relativamente lentos e os arcos associados. No Permiano-Triássico ocorreu um amplo soerguimento dõmico no Sudeste Brasileiro (atual domínio das bacias de Santos, Campos e Es ~iríto Santo), prenunciando novas condições de instabilidade a par tir do Jurássico Superior que acarretaram soerguimentos,deslocamentos

6 120 10ngc; de falhas normais,!'".edimel1taç50,_ma<;jmatismo e.n'o.rfo'.3;::-'~'("(>;. No Cretaceo, com a abertura do Oc oa no At Lant i co, os mov i rrent o s l;:(.<to nicos foram acentuados, decrescendo em intensidade at~ o T0rciãrio.- A esta fase sâo associadas atividades magmãticas bãsicas,ultrabã sicas e alcalinas principais, a formação das bacjas tafrogênicas de Taubaté, Resende, Volta Redonda, Guanabara e Santos, além do apareci ment6 das 'serras da Mantiqueira, do Mar, da Bocaina, dos 6rgãos e i elevação dos planaltos de Caldas e Senador Amaral, dentre outros. Em termos estruturais, com exceção da Bacia do paraná, configuravam-se blocos se abatendo no rumo da Bacia de Santos com adernamento para o continente, incidindo mais intensamente a tectônica na Margem Conti nental. Atualmente, as condições tectõnicas parecem ser residu2is e a acomodação dos blocos mais movimentados no Terciário não ª genet~ lizada, como indicam as zonas sismogênicas propostas. ZONEAMENTO SíSMICO O exame da distribuição dos epicentros sísmicos em Minas Gerais e regiôes vizinhas, e considerando-se os limites das províncias tectõ nicas do paranã, Tocantins, sâo Francisco e Mantiqueira, mostra que nâo existe correlaçâo direta entre elas. O que se observa é que alg~ mas áreas destas províncias são mais ativas sismicamente, sendo deno minadas de zonas sismogênicas. Os estudos morfogenéticos indicam que tais zonas refletem o rele vo mais saliente, relacionado às áreas de maior movimentação tectôni ca terciária. As zonas definidas pelo 1PT em 1981 não foram enfoca~ das quanto à gravimetria, fluxo geotérmico e tensôes tectônicas, den tre outros fatores; estes foram incluídos em estudos muito recentcs~ como os realizados por HASUI et alo (1989). O arranjo das descontinuidades crustais observado nos territórios paulista e mineiro (em parte) leva a interpretação de que elas correspondem a suturas de colisão de blocos que se acham justapostas por zona de subducção do tipo A. A Sutura Alterosa (NW-SE), possivelmente ao término dos estudo~ gravimétricos nos limites de são Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, se conectada à de Ubatuba (NE-SW), permitirã estabelecer uma junção tríplice no local. A Sutura Ribeirão Preto se articula com as suturas de Alfenas e de Itumbiara sob a Bacia do paraná,configurando outra junção tríplice no local. Outras anomalias gravimªtricas detectadas nos estudos de HASUl et a L, (1989) revelaram-se como lineamentos coincidentes a zcria s de cisalhamento transcorrente em ãreas de embasamento exposto, como a~ de Jacutinga e Além Paraíba. As energias liberadas pelos sismos do Sudeste Brasileiro ocorrerr., preferencialmente, em determinadas ãreas cuja coincidência com as su turas e lineamentos antigos é notãvel. O mesmo ocorre com os dados de fluxo geotérmico. A caracterização suc inta das zona s si smogênica s.i de nti fi cada s n.. mapa em anexo ~ feita para as do Rio Grande, Pinha, Cunlla,Campos, Ca xambu, Bom Sucesso e Passos. As de Cabo Frio e Cananéia e~~ão muito afastadas da ~rea de an~lise; e as de Porangatu e Presic]ente pruden te foram incluidas por apresentarem estruturas geometrica~ente semelhantes deslocadas lateralmente. A Zona Sismogênica do Rio Grande decorre, em parte, da região

7 si~!' )U"('tônica suqc ri da pela UNB em 1979 (FIGUEA 2); seus lirritr.. :" rlaj1,.,~mpljado~ pelo IP'r Cem 1984, uma VE'Z que fora~ verificadas i r.r. biljoadcs ate a altura de Votuporanga (SP). Ela ln~lue os SlSmG~ duzidos pelas barragens-reservatórios de Marimbondo, Volta GTéJD(jr /1"'.; to Colômbia e aqueles associados ã extração de ~gua de poços pj'o[u~dos como os de Nuporanga; tamb~m os sismos naturais de Orlãndia, B~r retos, Frutal e Nuporanga. A maior magnitude ~ do sismo de Conc(:iç~~ das 1\.lagoas (MG) que atingiu 4,2. Aparentemente, o relevo das Cucs tas Bas~lticas/D~pressão Perif~rica/Planalto Ocidental não d~n0ta feições de movimentação expressiva na área. Entretanto, mais a oeste, na altura de Fernandõpolis, foram observados abatimentos de blocos em torno de 50 a 10 m (PROMON e THEMAG 1978) envolvendo rochas sedimentares do Grupo Bauru durante o Terciário. Seus limites envolvem segmentos das suturas de Presidente Prudente e Ribeirão Preto a oeste e leste, enquanto a nordeste ele é dado pela Sutura de Itumbiara e em parte pela Sutura Alterosa. Praticamente ela se situa no interior da província Tectônica do paraná. A Zona Sismog~nica de Pinhal foi definida pelo 1PT em 1981 e co~ preende a área de Soerguimento de Moji-Guaçu, onde se constataram m~ vimentos de acomodação cenozóica relacionados à espirogênese, princl palmente na região da divisa São Paulo-Minas Gerais. No seu interio~ ocorrem falhas de caráter normal em sedimentos fanerozóicos e falhas transcorrentes das faixas de cisalhamento Campo do meio e Ouro Fino nas rochas do embasamento que se situam às bordas da Bacia do Parária. Os registros sísmicos incluem os eventos de Guaran~sia, Guaxupé, Ca conde, Poços de Caldas e de Pinhal, este, detentor da maior magnitu de da região (5,2). Fisiograficamente, apresenta dois planaltos so= brelevados, de Poços de Caldas e Senador Amaral, nos quais a Superfí cie Japi foi alçada a 1800 m de altitude e hoje se acha em processo de estalhamento pelos rios Pardo, Moji-Guaçu, Tietê, Sapucaí e seus tributários. Apesar das inúmeras e expressivas falhas observadas não h~ relação direta entre elas e os sismos. Seu limite nordeste é bali zado pela Sutura Alterosa; os limites a leste e oeste pela extensão atribuída ao Soerguimento de Moji-Guaçu. Esta zona sismogênica se si tua nos limites das províncias tectônicas Pàraná'e Mantiqueira. A Zona Sismogênica de Cunha também foi caracterizada pelo 1PT em 1981 e compreende a extensão do Soerguimento da Mantiqueira.Nela são incluídos os sismo de Lorena, são Pedro e são Paulo, Cunha e Al~m Pa raíba, a1~m daqueles eventos mais ~estritos de Juiz de Fora e Monsua ba. Não estão representados no mapa mas há registros de sismos indu zidos pelas barragens-reservatórios de Paraibuna-paraitinga e Jagua ri. As maiores magnitudes dos sismos naturais são em torno de 4,0~ Nesta zona sismogenica há evidencias de movimentação mesozóico-ceno zóica resultando os grandes desníveis das serras da Mantiqueira, do Mar, Bocaina e dos Órgãos e das bacias tafrogênicas de Taubaté,Resen de, Volta Redonda, 1taboraí e Guanabara. Alguns locais das serra da Mantiqueira foram elevados a cerca de 2000 m de altitude.falhamentos normais de inversos ocorrem em sedimentos terciários das bacias ta frogênicas. Contudo, os maiores são do tipo transcorrente das faixas cisalhamentes de são Paulo e Minas Gerais. A partir dos limites se tentrionais das bacias tafrogênicas e em direção a Bacia de Santos ~ as feiçôes de blocos basculados para o interior desta são notáveis, isto é, evidenciam-se em perfis o caráter gravitacional até a Margem Continental. As descontinuidades mais importantes são a segmentada Sutura Ubatuba e os lineamentos transcorrentes que praticamente cons 'ituem seus limites a sul e norte. A localização desta zona é na pro ~incia Tectônica Mantiqueira e, em parte, na da Margem Continental.. 1_. h'orkshop sot.rc ~f'ot('("tõni("il

8 li, Zona Si srnoqc n i ca di? Campos foi propo st e }Je10 1PT em 1981 p,_,r t c1csigr,ar urna área de atividade sísmica fora e a nordeste do SO(>F]'_ii mento da Mantiqueira. A exemplo da zona anterior, ela exibe (;\".-'l(~ c i a s de mov imen ta ção rneso z ó i co-ccnozói ca e tem como fei çõcs de ro J (. vo as áreas elevadas da Serra dos 6rgãos e seu reverso, morros e pj~ nície costeira. Os sismos se localizam junto a Campos,as f alhas trli.~ correntes naquele segmento da provincia Mantiqueira são esparsas, ao contrário das gravitacionais na área marinha. A Zona Sismogênica de Caxambu foi caracterizada pelo 1PT em lj81 e se restringe aos eventos da Área do Circuito das Águas de Minas Ge rais. Observam-se várias falhas na região mas não há evidências de atividade tectõnica moderna. No relevo acidentado do Planalto do AI to Rio Grande há ocorrência de numerosas fontes hidrominerais e a Su perfície Japi encontra-se destruida pela erosão. As instabilidades talvez se relacionem mais à circulação de fluidos em profundidade des tas fontes hidrominerais. Em termos de descontinuidade crustais, ela se encontra próxima da Sutura Ubatuba, talvez na área do possivel en contra desta com a Sutura Alterosa. Ela se situa na provincia Tecto nica Mantiqueira. A Zona Sismogênica de Bom Sucesso tamb~m foi definida pelo 1PT em 1981, à borda sul do limite do Cráton do são Francisco e engloba~ do, para norte, os eventos de Cajuru e Mariana. Em 1983, MIOTO res tringiu seus limites para sul, a fim de segregar da mesma aquejes eventos que ocorriam no domínio da extensão das anomalias aeromd0n~ ticas NW-SE da região do Soerguimento do Alto Paranaiba. Desse moêc~ os eventos nela incluídos têm epicentros em são João DeI Rei,Lavras, Bom Sucesso e Formiga acompanhando os traços do Cráton do são Fran cisco e o limite nordeste do Planalto do Alto Rio Grande com o PIa nalto de Belo Horizonte. Não há influências tectônicas diretas na ge nese do relevo desta zona sismogênica, mas a sismicidade indica que ocorrem acomodações tectõnicas sem precisar relações entre sismos e falhas. Sua localização está nos limites das provincias tectõnicas são Francisco, Tocantins e Mantiqueira. A Zona Sismogênica de Passos proposta pelo 1PT (HASUI et al.1989) decorre, em parte, da região sismotectônica do norte-nordeste de S20 Paulo e Vale do Rio Grande sugerida pela UNB em Em 1984, o 1PT considerou parte dela na Zona Sismogênica do Rio Grande. Os sismos desta zona ocorreu em Varginha, Alfenas, Passos e Araxá,praticamente na provincia Tectônica Tocantins, do seu limite meridional para no roeste. Seu desenvolvimento ê exclusivo da área em dissecamento de relevo do Planalto do Alto Rio Grande. Seus limites a oeste são dados pelas suturas Itumbiara e Alterosa; a sul e leste pelas zonas sismogênicas de Caxambu e Bom Sucesso; e a norte, ele é dado pelo traço de anomalias aeromagnêticas do Soerguimento do Alto Paranaíba. Como se depende da descrição das zonas sismogênicas, elas representam talvez uma das melhores alternativas encontradas para en tender a estabilidade regional com base nas evidências de tectônica ressurgente e neotectônica. Outro ponto a enfatizar é que elas podem admitir alterações de contorno~à medida em que os conhecimentos geo lógicos e simológicos envo Lu am Pelo menos, atê o momento, elas tên; sido propostas em razão do quadro de evolução geotectônica regional no qual se observam áreas restritas de mobilidade crustal, mais e l:k~ nos acentuadas. bo l c t im t.;0!1 - SHC - \úc]eo ~1in3s Cerai s

9 l.:ynclusúes o estabelecimento de zonas sismogênicas no Sudeste Brasileiro e região central de Goiãs estã vinculado ã constatação de que no País (domínio de intraplaca), não foi possível, até o momento,definir prq víncia sísmica ou província sismotectônica. Para algumas regiões brasileiras, elas vêm sendo (mais recentemente) caracterizadas em termos de tectônica ressurgente e feições neotectônicas com um suporte geofísico dado pela gravimetria, magn~ tometria e fluxo geotérmico. A metodologia aplicada na caracterização das mesmas ainda é pouco empregada no País. No caso de são Paulo seus contornos foram con siderados na análise de risco sísmico e na avaliação da potenciali dade de ocorrência de sismos induzidos com a construção de barragem= reservatôrios. No caso de Minas Gerais seus contornos foram conside rados na anãlise de risco sísmico do Sudeste Brasileiro e na identi ficação das ãreas de instabilidade para suporte à implantação das usinas nucleares de Angra dos Reis. No caso da região central de Goiãs, seu contorno foi empregado na definição de coeficientes sísmi cos para verificação da estabilidade de barragens no Médio Tocantins-:- BIBLIOGRAFIA ALMEIDA, F.F.M The system of continental rifts bordering the Santos Basin, Brazil. Anais da Academia Brasileira de Ciên cias, 48 (Suplemento) : ALMEIDA, F.F.M Relações tectônicas das rochas alcalinas me sozóicas na região meridional da Plataforma Sulamericana. Revis ta Brasileira de Geociências, 13(3) ALMEIDA, F.F.M.i HASUI, Y.i BRITO NEVES, B.B. e FUCK, R.A Pro vincias Estruturais Brasileiras. Atas do VIII Simpósio de Geol~ gia do Nordeste, Campina GranQe (PB), p ASSUMPçAo, M. e BURTON, P.W Atenuação de intensidades macro sismicas no Brasil e estimativa de risco sismico no Sudeste. Tra balho apresentado no lº Encontro Regional de Geofísica, são Jose dos Campos (SP), 33p. ASSUMPÇÃO, M.i VELOSO, J.A.V.i CARVALHO, J.i BARBOSA, J.R.i NEVES, E.i BASSINI, A. e BLUM, M Os sismos de Manga, MG, de mar ço de Trabalho encaminhado ao XXXVI Congresso Brasileirc de Geologia, Natal (RN), 7p. BACCAR, M.A Evidências geofísicas do pacote sedimentar no PIa tô de são Paulo. Anais do XXIV Congresso Brasileiro de Geologia Brasilia (DF), p BASSINI, A.M Levantamentos sismográficos na região sudeste do Brasil. Dissertação de Mestrado apresentada ao Instituto As' éonômico e Geofísico-USP, são Paulo (SP), l62p. BERROCAL, J.i ASSUMPÇÃO, M.i ANTEZANA, R.; DIAS NETO, C.M.; ORTEGA, R.i FRANÇA, H. e VELOSO, J.A.V Sismicidade do Brasil, Ins tituto Astronômico e Geofisico-USP e Comissão Nacional de Ener gia Nuclear são Paulo (SP), 320p. BR.ANNER, J.C Recente earthquakes in Brazil. Bu11etin of the Seismo1ogical Society of America, 10:32-J4.

10 co Li DII\S NFTU, C.M Corrt r ilu ic âo Zl an á so s i srnot.o c t.on i c a (la!j(_- ~Ji Z!o Sudeste do I3r é) ~c~i 1. [)j ó: S c r l ij ç ií o d c Me s l r a d o a rj r c s c' n 1..() ri ClI () Ln sti t.uto de GC'ociê-ncias-llSP,são Paulo (SP), 12lp. HABERLEI!NER, H Análise si smo t. ct oni ca do Brasil. Notas ('/::-1 I cativas sobre o mapa s ismo t oc t.ôn í do Brasil e r eqi ôo s COííC'1,,- cionadas. Anais do 29 Co nq ro sso Brasileiro de Geologia de lll(j,.:- nharia, são paulo (SP), vol.l, p HARALYI, N.L.E. e HASUI, Y Cornpartimentação geotectônica do Brasil Oriental com base na informação geofísica. Anais do XXXII Congresso Brasileiro de Geologia, Salvador (BA),vol.l, p HARALYI, N.L.E.; HASUI, Y.: MIOTO, J.A.; HAMZA, V.M. e RODRIGUES, C. R.V Ensaio sobre a estruturação crustal pré-cambriana do Estado de Minas Gerais com base na informação geofísica e geológica. Boletim Especial da Sociedade Brasileira de Geologia, Núcleo de Minas Gerais, volume Djalma Guimarães, p HASUI, Y Aspectos fundamentais da tectônica ressurgente no Brasil. Trabalho apresentado no I Workshop sobre Neotectônica e sedimentação cenozóica continental no Sudeste Brasileiro.Socieda de Brasileira de Geologia, NGcleo de Minas Gerais, Belo Horizo~= te (MG)_ 27-3 O / O 6/9 O HASUI, Y.e MIOTO, J.A A Zona Sismogênica de Porangatu (GO). Anais do XXXV Congresso Brasileiro de Geologia, Belém (PA),vol.S HASUI, Y. e PONÇANO, W.L Geossuturas e sismicidade no Brasil. Anais do 2º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia, são Paulo (SP), vol. 1, p HASUI, Y.; ALMEIDA, F.F.M.; MIOTO, J.A. e MELO, M.S Geologia tectônica, geomorfologia e sismologia regionais de interesses às usinas nucleares da praia de Itaorna. Publicações IPT n9 1225, série Monografias-7, 149p. HASUI, Y.; HARALYI, N.L.E.; MIOTO. J.A.; SAAD. A.R.; CAMPANHA, V.A.; HAMZA, V.M.; GALLI, V.A.; FRANGIPANI, A. e PULEGHINI FILHO, P Compartimentação estrutural e evolução tectõnica do Estado de são Paulo. Relatôrio IPT nº , 2 vol, 288p. ILLIES, J.H Graben tctonics as related to crust-mantle intera cion.international Upper Mantle Project.Scientific Report, (27) INSTITUTO ASTRONOMICO E GEOFlSICO (USP) Regionaliza~ão Slsml ca do Brasil. Relatório Científico Final para a Comissão Nacional de Energia Nuclear. são paulo (Sp) vol. 1, 214 p. INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOL6GICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO Geologia, tectônica e sismologia regional de interesse às usinas nucleares da praia de Itaorna. Relatório no , 170 p. INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOL6GICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO Análise de risco sísmico do Estado de são Paulo e regiões vizinhas. Estabelecimento de medidas de proteção comunitária. Relató rio nº , 110 p. INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO Compartimentação estrutural e evolução tectônica do Estado de são Paulo. Relatório n , 2 vol., 288 p.

shirley_ufrj@yahoo.com.br

shirley_ufrj@yahoo.com.br INFLUÊNCIA NEOTECTÔNICA NA COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO E NA DISTRIBUIÇÃO DA SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA DEPRESSÃO INTERPLANÁLTICA DO MÉDIO VALE PARAÍBADO SUL (SP/RJ) Shirley Cristina de Barros 1 ; Claudio

Leia mais

ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO

ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ASTRONOMIA, GEOFÍSICA E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS Departamento de Geofísica EXPOSIÇÃO ITINERANTE DO MUSEU DE CIÊNCIAS DA USP ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO

Leia mais

Reflexos nobrasil deterremotos distantes

Reflexos nobrasil deterremotos distantes Reflexos nobrasil deterremotos distantes 2 0 C I Ê N C I A H O J E vol. 42 nº 2 49 Moradores de prédios em diversas cidades brasileiras, em especial São Paulo, Brasília e Manaus, têm se assustado, nas

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL O Brasil apresenta, em seu território, um dos mais completos registros da evolução geológica do planeta Terra, com expressivos testemunhos geológicos das primeiras

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA SANTO ANTÔNIO

USINA HIDRELÉTRICA SANTO ANTÔNIO USINA HIDRELÉTRICA SANTO ANTÔNIO Programa de Monitoramento Sismológico Avaliação Ocorrência Sismos Induzidos EMPRESA: WW Consultoria e Tecnologia Ltda. DATA DO RELATÓRIO: Janeiro de 2013 RESPONSÁVEL DA

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

3º BOLETIM MENSAL DE MONITORAMENTO DA FASE DE ENCHIMENTO (MC-02 EC-10)

3º BOLETIM MENSAL DE MONITORAMENTO DA FASE DE ENCHIMENTO (MC-02 EC-10) (Contrato Copel SLS/DCSE N o 45858/2009) 3º BOLETIM MENSAL DE MONITORAMENTO DA FASE DE ENCHIMENTO (MC-02 EC-10) PERÍODO SETEMBRO DE 2012 PROGRAMA DE MONITORAMENTO SISMOGRÁFICO DA USINA HIDROELÉTRICA DE

Leia mais

4º BOLETIM MENSAL DE MONITORAMENTO DA FASE DE ENCHIMENTO (MC-02 EC-11)

4º BOLETIM MENSAL DE MONITORAMENTO DA FASE DE ENCHIMENTO (MC-02 EC-11) (Contrato Copel SLS/DCSE N o 45858/2009) 4º BOLETIM MENSAL DE MONITORAMENTO DA FASE DE ENCHIMENTO (MC-02 EC-11) PERÍODO OUTUBRO DE 2012 PROGRAMA DE MONITORAMENTO SISMOGRÁFICO DA USINA HIDROELÉTRICA DE

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO SISMOLÓGICO

PROGRAMA DE MONITORAMENTO SISMOLÓGICO PLANO BÁSICO AMBIENTAL DO AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO PROGRAMA DE MONITORAMENTO SISMOLÓGICO Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.8.2 Quanto à Área de Influência Direta (AID), realizar o seguinte

Leia mais

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Rafael KÖENE e Mário Sérgio de MELO Universidade Estadual de Ponta Grossa A região de Piraí da Serra é um representante remanescente

Leia mais

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA Segunda 7 às 9h Quarta 9 às 12h museu IC II Aula 2 Deriva continental e Tectônica de placas Turma: 2015/2 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Dinâmica da Terra Deriva

Leia mais

Interior de SP. Mailing Jornais

Interior de SP. Mailing Jornais São Paulo AGORA SÃO PAULO BRASIL ECONÔMICO D.C.I. DESTAK (SP) DIÁRIO DO COMMERCIO (SP) DIÁRIO DE SÃO PAULO DIÁRIO DO GRANDE ABC EMPREGO JÁ (SP) EMPREGOS & CONCURSOS (SP) EMPRESAS & NEGÓCIOS (SP) FOLHA

Leia mais

Plano Básico Ambiental

Plano Básico Ambiental Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e Plano Básico Ambiental SEÇÃO VI - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO RÁDIOLÓGICO Projeto 3 Monitoramento Sismológico 0 Emissão inicial 14/06/2010

Leia mais

Mapa do Ensino Superior no Brasil

Mapa do Ensino Superior no Brasil Mapa do Ensino Superior no Brasil 2015 Índice Índice Palavra do Presidente...5 Brasil...6 Região Sudeste... 16 Estado de São Paulo...17 Estado de Minas Gerais...24 Estado do Rio de Janeiro...31 Estado

Leia mais

Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2

Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2 Questões para Revisão Cap. 3-7ºs anos - prova 2 1. Um pesquisador visitou as cidades de Salvador, Brasília e Manaus para caracterizar o compartimento geomorfológico de cada uma delas. Ao final do trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA 47 CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA Este capítulo se refere ao estudo das estruturas geológicas rúpteis e do resultado de sua atuação na compartimentação morfoestrutural da área. Para tanto, são

Leia mais

Página 1 de 8 IPI - Jurisdição - Regiões fiscais 18 de Maio de 2012 Em face da publicação da Portaria MF nº 203/2012 - DOU 1 de 17.05.2012, este procedimento foi atualizado (novas disposições - tópico

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

MESA 4 - Acidentes e desastres naturais

MESA 4 - Acidentes e desastres naturais Porquê ocorre erosão da costa? Falta de sedimentos Exaustão da fonte Retenção de sedimentos Tempestades Elevação do nível do mar Datação C14 sem correção reservatório Datação com correção com calibração

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

Deriva Continental LITOSFERA

Deriva Continental LITOSFERA LITOSFERA Deriva Continental De acordo com determinadas teorias científicas, a crosta terrestre não é uma camada rochosa inteiriça, e sim, fragmentada. A primeira teoria a defender essa tese ficou conhecida

Leia mais

Ana Catarina Fernandes Coriolano 1 ; Emanuel Ferraz Jardim de Sá 2 & Carlos César Nascimento da Silva 3

Ana Catarina Fernandes Coriolano 1 ; Emanuel Ferraz Jardim de Sá 2 & Carlos César Nascimento da Silva 3 IMPLICAÇÕES DA NEOTECTÔNICA NO CONDICIONAMENTO ESTRUTURAL DE ÁGUA SUBTERRÂNEA EM TERRENOS CRISTALINOS: EXEMPLO DO SEMI-ÁRIDO DO LESTE DO RIO GRANDE DO NORTE, NORDESTE DO BRASIL 1 Ana Catarina Fernandes

Leia mais

Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano. Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites.

Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano. Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites. Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites. 1. Comparação entre as Classificações do Relevo Brasileiro

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

AULA 9: BORDAS DE PLACAS TRANSFORMANTES

AULA 9: BORDAS DE PLACAS TRANSFORMANTES GEOTECTÔNICA TECTÔNICA GLOBAL Prof. Eduardo Salamuni AULA 9: BORDAS DE PLACAS DIVERGENTES E TRANSFORMANTES EVOLUÇÃO DAS BORDAS DIVERGENTES A evolução se faz em 3 estágios Rifting: abertura de vale em rift

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 21.1 Conteúdo Região Sudeste 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Leia mais

Relatório Gerencial TECNOVA

Relatório Gerencial TECNOVA Relatório Gerencial TECNOVA Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados - DPDE Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia - ACIT Fevereiro de 2015 Marcelo Nicolas Camargo

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

A NECESSIDADE DE AUDITORES-FISCAIS DO TRABALHO NO BRASIL: UMA ANÁLISE CONTEMPLANDO O GRAU DE DESCUMPRIMENTO DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA

A NECESSIDADE DE AUDITORES-FISCAIS DO TRABALHO NO BRASIL: UMA ANÁLISE CONTEMPLANDO O GRAU DE DESCUMPRIMENTO DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA A NECESSIDADE DE AUDITORES-FISCAIS DO TRABALHO NO BRASIL: UMA ANÁLISE CONTEMPLANDO O GRAU DE DESCUMPRIMENTO DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA RELATÓRIO FINAL ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA IPEA/SINAIT Nº 25/2010

Leia mais

AULA 12: BACIAS SEDIMENTARES

AULA 12: BACIAS SEDIMENTARES GEOTECTÔNICA TECTÔNICA GLOBAL Prof. Eduardo Salamuni AULA 12: BACIAS SEDIMENTARES BACIAS SEDIMENTARES Depressão decorrente da subsidência do terreno, que passa a receber sedimentos provenientes das áreas

Leia mais

TOTAL DO ORGAO : R$ 780.749.368 QUADRO SINTESE POR FUNCOES QUADRO SINTESE POR SUBFUNCOES

TOTAL DO ORGAO : R$ 780.749.368 QUADRO SINTESE POR FUNCOES QUADRO SINTESE POR SUBFUNCOES QUADRO SINTESE POR ORGAO 32000 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 780.749.368 6.0.0.0.00.00 RECURSOS DE CAPITAL - ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO 677.449.495 6.1.0.0.00.00 RECURSOS PRÓPRIOS 167.672.207 6.1.1.0.00.00

Leia mais

3. do Sul-Sudeste. Sudeste.

3. do Sul-Sudeste. Sudeste. A Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA O Brasil apresenta hidrografia bastante diversificada e rica. Para se ter uma idéia, a Bacia Amazônica, que é a maior do mundo, tem 7.050.000 km, enquanto a do Congo,

Leia mais

45 mm CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO FUNDO MARINHO DO TALUDE CONTINENTAL DA BACIA DE CAMPOS, RJ.

45 mm CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO FUNDO MARINHO DO TALUDE CONTINENTAL DA BACIA DE CAMPOS, RJ. CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO FUDO MARIHO DO TALUDE COTIETAL DA BACIA DE CAMPOS, RJ. Anderson Gomes de Almeida 1 ; Renato Oscar Kowsmann 2 andersongomes@petrobras.com.br 1 - PETROBRAS S. A. E&P-SERV

Leia mais

7º Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade Brasília - 17 a 20 de maio de 2015

7º Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade Brasília - 17 a 20 de maio de 2015 7º Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade Brasília - 17 a 20 de maio de 2015 GT1 Turismo, Ambiente e Sociedade Coordenadores do GT: Maria Goretti da

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental CARTA DE SUSCETIBILIDADE A MOVIMENTOS GRAVITACIONAIS DE MASSA E INUNDAÇÃO DO MUNICÍPIO DE BOM JESUS DO NORTE - ES Marcely Ferreira Machado

Leia mais

- Principal agente das mudanças de estado: Tectônica Global.

- Principal agente das mudanças de estado: Tectônica Global. Classificação de bacias sedimentares: mecanismos de subsidência e contexto tectônico - Bacias sedimentares: áreas da superfície terrestre que sofrem ou sofreram subsidência continuada. - Subsidência resposta

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL CONCURSO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA PARA O CARGO DE TÉCNICO BANCÁRIO NOVO CARREIRA ADMINISTRATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL CONCURSO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA PARA O CARGO DE TÉCNICO BANCÁRIO NOVO CARREIRA ADMINISTRATIVA Técnico Bancário Novo AC Cruzeiro do Sul 1618 CR* Técnico Bancário Novo AC Rio Branco 6648 CR * Técnico Bancário Novo AC Sena Madureira 1065 CR* Técnico Bancário Novo AL Maceió 22524 CR * Técnico Bancário

Leia mais

45 mm. Av. Cel. Francisco H dos Santos, 100 - Centro Politécnico - Bloco 5, Sala PH17, Curitiba, Paraná

45 mm. Av. Cel. Francisco H dos Santos, 100 - Centro Politécnico - Bloco 5, Sala PH17, Curitiba, Paraná INFLUÊNCIA MORFOESTRUTURAL NA EVOLUÇÃO DAS DRENAGENS DO ALTO IVAÍ RIO ALONZO SUL DO BRASIL Edivando Vitor do Couto 1 ; Edison Fortes 2 ; Bruno Aurélio Camolezi 2 edivandocouto@gmail.com 1 - Universidade

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO- Longa Distância Nacional CARTÃO TELEFÔNICO BRASTEL (PAS02)

PLANO ALTERNATIVO- Longa Distância Nacional CARTÃO TELEFÔNICO BRASTEL (PAS02) PLANO ALTERNATIVO- Longa Distância Nacional CARTÃO TELEFÔNICO BRASTEL (S02) 1. EMA ALPHA NOBILIS CONSULTORIA E SERVIÇOS LTDA. 2. NOME DO PLANO S 02 - PLANO ALTERNATIVO Longa Distância Nacional CARTÃO TELEFÔNICO

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 EQUIPE TÉCNICA DO IPETURIS Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: César Melo Tamiris Martins Viviane Silva Suporte: Gerson

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

Políticas de garantia de acesso aos recursos naturais: como evoluir?

Políticas de garantia de acesso aos recursos naturais: como evoluir? EXPOSIBRAM 2011 14º Congresso Brasileiro de Mineração Painel 5 Políticas de garantia de acesso aos recursos naturais: como evoluir? Márcio Pereira Meio Ambiente e Sustentabilidade Belo Horizonte, 28.9.2011

Leia mais

7a. Edição Editora Atlas

7a. Edição Editora Atlas FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU Pós-graduação em Auditoria, Controladoria e Finanças Disciplina: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO Slide 1 Professor: MASAKAZU HOJI ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO *Thomaz Alvisi de Oliveira 1 ; Paulina Setti Riedel 2 ; Célia Regina de Gouveia Souza 3

Leia mais

2 Aspectos geológicos, geomorfológicos, hidrológicos e pedológicos da região do Maciço do Itatiaia: uma revisão.

2 Aspectos geológicos, geomorfológicos, hidrológicos e pedológicos da região do Maciço do Itatiaia: uma revisão. 41 2 Aspectos geológicos, geomorfológicos, hidrológicos e pedológicos da região do Maciço do Itatiaia: uma revisão. 42 2.1 Contextualização do Maciço do Itatiaia na América do Sul e no sudeste brasileiro

Leia mais

OS DOMÍNIOS DA BACIA DA PARAÍBA

OS DOMÍNIOS DA BACIA DA PARAÍBA Copyright 2005, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015

Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 Expectativas da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Verão 2014-2015 PRESIDENTE: Marciano Gianerini Freire EQUIPE TÉCNICA: Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: Heike Duske César Melo

Leia mais

UF MUNICÍPIO TIPO TELEFONE 1 TELEFONE 2 E-MAIL INSTITUCIONAL 1

UF MUNICÍPIO TIPO TELEFONE 1 TELEFONE 2 E-MAIL INSTITUCIONAL 1 AC Rio Branco Cerest Estadual (68) 3223-4266 cerest.saude@ac.gov.br AL Maceió Cerest Estadual (82) 3315-2759 (82) 3315-3920 cerest@saude.al.gov.br AL Maceió Cerest Regional (82) 3315-5260 cerest@sms.maceio.al.gov.br

Leia mais

MACRO CAPTURA FLUVIAL NO NORDESTE DO PLANALTO CENTRAL: RESULTADOS PRELIMINARES

MACRO CAPTURA FLUVIAL NO NORDESTE DO PLANALTO CENTRAL: RESULTADOS PRELIMINARES MACRO CAPTURA FLUVIAL NO NORDESTE DO PLANALTO CENTRAL: Cherem, L.F.S. 1 ; Zancopé, M.H.C. 2 ; Bayer, M. 3 ; 1 UFG Email:luis.cherem@gmail.com; 2 UFG Email:zancope@terra.com.br; 3 UFG Email:maxibayer@yahoo.com.ar;

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

OAB/RN RELATÓRIO DE APROVADOS NA PROVA OBJETIVA POR INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

OAB/RN RELATÓRIO DE APROVADOS NA PROVA OBJETIVA POR INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR OAB/RN RELATÓRIO DE APROVADOS NA PROVA OBJETIVA POR INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR Tabela 01 - Aprovados Prova Objetiva - Exame de Ordem 2009.3, Natal/RN, 2009. UF MUNICÍPIO DA IES IES INSCRITOS PRESENTES

Leia mais

Objetivo da aula: conhecer a estrutura interna da Terra, e os fenômenos associados a essa estrutura como os terremotos e vulcões.

Objetivo da aula: conhecer a estrutura interna da Terra, e os fenômenos associados a essa estrutura como os terremotos e vulcões. Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Estrutura Interna da Terra (pag. 59 a 69 Objetivo da aula: conhecer a estrutura interna da Terra, e os fenômenos associados a essa

Leia mais

Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915)

Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915) ESTRUTURA GEOLÓGICA Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915) - Harry Hess (1960) Teoria da Tectônica de Placas Sismos A conseqüência do choque entre placas tectônicas são chamadas de abalos

Leia mais

Deriva Continental e Tectônica de Placas

Deriva Continental e Tectônica de Placas Deriva Continental e Tectônica de Placas 1 A teoria da tectônica de placas é muito recente, e tem trazido grande ajuda na compreensão dos fenômenos observados na Terra. Abraham Ortelius, um elaborador

Leia mais

2012 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA

2012 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 24/03/2012 Nota: Professor(a): Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número de

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

TOPEX/POSEIDON Jason 1

TOPEX/POSEIDON Jason 1 SISMOLOGIA Um dos primeiros terremotos a ser analisado cientificamente foi o terremoto de Lisboa, em novembro de 1755. Esse terremoto, que foi seguido de um tsunami, praticamente destruiu a cidade de Lisboa.

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 7 A - aula 21 FRNTE 8 A - aula 22 Profº André Tomasini Clima Fatores de influência do Clima Latitude; Altitude; Continentalidade / Maritimidade; Correntes Marinhas; Massas de

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS

SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS SEDIMENTAÇÃO QUATERNÁRIA NA BACIA DO RIO MACAÉ (RJ): ESPACIALIZAÇÃO E ANÁLISE DE TERRAÇOS FLUVIAIS Renato de Lima Hingel 1;3 ; Mônica dos Santos Marçal 2 ; Telma Mendes da Silva 2 rengeografia@yahoo.com.br;

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

Mapeamento morfoestrutural e características gerais das Furnas Gêmeas, Município de Ponta Grossa, Campos Gerais do Paraná

Mapeamento morfoestrutural e características gerais das Furnas Gêmeas, Município de Ponta Grossa, Campos Gerais do Paraná Mapeamento morfoestrutural e características gerais das Furnas Gêmeas, Município de Ponta Grossa, Campos Gerais do Paraná Pontes, H.S. (MESTRADO EM GEOGRAFIA - UEPG / GUPE) ; Massuqueto, L.L. (MESTRADO

Leia mais

Ranking Município P2i - Lead Alto Padrão Médio Padrão Baixo Padrão

Ranking Município P2i - Lead Alto Padrão Médio Padrão Baixo Padrão 1 São Bernardo do Campo -SP 0,8200 Ótimo Ótimo Ótimo 2 Campo Grande -MS 0,7670 Ótimo Ótimo Ótimo 3 Santo André -SP 0,7670 Ótimo Ótimo Ótimo 4 Osasco -SP 0,7460 Ótimo Ótimo Ótimo 5 Natal -RN 0,7390 Ótimo

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

Endereços das Secretarias Estaduais de Educação

Endereços das Secretarias Estaduais de Educação Endereços das Secretarias Estaduais de Educação ACRE MARIA CORRÊA DA SILVA Secretária de Estado da Educação do Acre Rua Rio Grande do Sul, 1907- Aeroporto Velho CEP: 69903-420 - Rio Branco - AC Fone: (68)

Leia mais

GEOLOGIA! Professor: Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.tk

GEOLOGIA! Professor: Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.tk GEOLOGIA! Professor: Adilson Soares E- mail: adilson.soares@unifesp.br Site: www.geologia.tk TERREMOTOS (Cap. 19) Earthquake Effects - Ground Shaking Northridge, CA 1994 Earthquake Effects Ground Shaking

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Regionalização de dados de cartografia geológica utilizando técnicas de Sensoriamento Remoto: o exemplo da Folha-Sobral-CE.

Regionalização de dados de cartografia geológica utilizando técnicas de Sensoriamento Remoto: o exemplo da Folha-Sobral-CE. Regionalização de dados de cartografia geológica utilizando técnicas de Sensoriamento Remoto: o exemplo da Folha-Sobral-CE. Márcia Valadares dos Santos 1 Thais Cristina de Castro Oliveira 1 Francisco de

Leia mais

Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000

Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000 5. órgãos do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Unidade I: SEPN 515 - Bloco B - Ed. Ômega CEP: 70770-502 - Brasília - DF Telefone: (61) 3448-1000

Leia mais

SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN NO DIA 10/11/2009 ÀS 22h13min

SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN NO DIA 10/11/2009 ÀS 22h13min PERTURBAÇÃO NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN NO DIA 10/11/2009 ÀS 22h13min Audiência Pública Brasília, 16 de dezembro de 2009 Sumário Condições Operativas no Instante da Perturbação Descrição da Perturbação

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 O mês de julho foi caracterizado pela presença de sete sistemas frontais,

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015

MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 MICROCEFALIA DENGUE CHIKUNGUNYA ZIKA NOVEMBRO DE 2015 Situação da microcefalia no Brasil Até 21 de novembro, foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para mapear os hábitos de consumo e compras para época

Leia mais

A fórmula da Alterdata. Ladmir Carvalho

A fórmula da Alterdata. Ladmir Carvalho A fórmula da Alterdata Ladmir Carvalho Transformações expressivas ao longo do tempo 1989 A Alterdata é fundada em Petrópolis/RJ com sistemas de DP e Contabilidade 1990 Nasce a Escrita Fiscal 1991 Filial

Leia mais

CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS.

CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS. Aula 19: Conhecendo a hidrosfera do Brasil I CORREÇÃO DAS ATIVIDADES DE SALA E TAREFAS. Correção atividade sala: PG 3: Canadá, Brasil, EUA, Canadá, R.U etc... Bolívia, República do Congo, Mongólia, etc...

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3o Bimestre 5o ano Geografia Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia os dados e o gráfico do censo do

Leia mais