INTERAÇÃO DA PESQUISA TECNOLÓGICA COM VITIVINICULTORES: APRENDIZAGEM E TRANSBORDAMENTO DA CONSTRUÇÃO SOCIAL DE INDICAÇÃO GEOGRÁFICA 1 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTERAÇÃO DA PESQUISA TECNOLÓGICA COM VITIVINICULTORES: APRENDIZAGEM E TRANSBORDAMENTO DA CONSTRUÇÃO SOCIAL DE INDICAÇÃO GEOGRÁFICA 1 2"

Transcrição

1 INTERAÇÃO DA PESQUISA TECNOLÓGICA COM VITIVINICULTORES: APRENDIZAGEM E TRANSBORDAMENTO DA CONSTRUÇÃO SOCIAL DE INDICAÇÃO GEOGRÁFICA 1 2 Thomaz Fronzaglia 3 Vicente Galileu Ferreira Guedes 4 João Filho Neto Falcão 5 1. INTRODUÇÃO Este estudo explora aprendizagem e transbordamento do conhecimento desenvolvido por meio da interação entre associação de vitivinicultures e um instituto de pesquisa tecnológica (IPT) para a construção da Indicação Geográfica (IG) para o Vale dos Vinhedos, e posteriormente para Pinto Bandeira. O método partiu da pesquisa documental, exame e interpretação das informações mineradas e diálogo com pares nos espaços da pesquisa, guiadas por referências do institucionalismo e dos estudos sociais da ciência e tecnologia. Procurou-se compreender o processo em seu contexto, buscando as interações e o aprendizado dinâmico e acumulativo dos atores, tendo a denominação de origem como produto nos diferentes locais de forma interdependente. Foi revisada a literatura sobre o surgimento e a evolução e funcionamento de sistemas de certificação com foco na interação das organizações locais Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Aprovale e geração de conhecimento na dinâmica de transbordamento da experiência e os impactos no desenvolvimento territorial. Aqui opera-se com uma construção entre a micro e a meso análises, sob perspectiva multidisciplinar, importante para compreender dinâmicas territoriais e do desenvolvimento social e econômico. Entende-se que este trabalho interesse às ciências sociais aplicadas, particularmente à economia da inovação, aos estudos de do desenvolvimento e aos campos dos estudos sociais da ciência e da tecnologia. A preocupação com mecanismos 6 de interação, criação de conhecimento aplicado e 1 Trabalho apresentado no VIII Congresso Latino-americano de Sociologia Rural. ALASRU (www.alasru.org). Porto de Galinhas PE, Brasil, Análises e opiniões contidas neste trabalho são de responsabilidade dos autores e não implicam, necessariamente, em posições institucionais das organizações a que são vinculados e nem daquelas citadas no texto. 3 Mestre em Administração pela FEA/USP. Embrapa (www.embrapa.br) 4 Mestre em Agronegócios pela FAV/UnB. Aluno de doutorado no Programa de Pós-Graduação em Política Científica e Tecnológica do Instituto de Geociências da UNICAMP (www.ige.unicamp.br) 5 Mestre em Ciências Agrárias pela FAV/UnB. Embrapa. (www.embrapa.br) 6 Ratton Junior e Morais (2003) resumem, por meio da discussão sobre as diferentes abordagens de mecanismos sociais, que resultam da ação e interação de indivíduos, que as unidades analíticas devem se restringir àquelas estritamente necessárias, evitando-se indeterminação explicativa, focando-se num modelo analítico, o que por si já é uma contribuição, mesmo que não se tenha a relação causal explicitada. 1

2 transferência, leva ao estudo qualitativo que utiliza estudos de casos inter-relacionados, uma vez que o primeiro evento de IG derivou o segundo. A preocupação deste estudo é também discutir o papel da pesquisa tecnológica no desenvolvimento econômico, atuando por meio de interação na construção de conhecimento em organização social, institucional, para criar um sistema de governança específico para valorar e normatizar atributos tecnológicos e ambientais. Portanto, um conhecimento para além da tecnologia embarcada em artefatos e sistemas de produção. Esse sistema de governança e organização social e produtiva está baseado em instituições, inclusa a cultura 7, com enraizamento local associado a atributos do território. Tal processo e o conhecimento nele construído, inclusive a IG como um dos resultados, ganhou força de realização com a criação de marcos regulatórios para governar seu funcionamento. Portanto, o objeto de estudo é o processo de criação e reprodução da IG, produto da ação coletiva em processo organizacional especializado sobre território determinado. O texto está dividido em quatro partes além desta introdução: na primeira, logo a seguir, cuida-se das IG e do contexto do desenvolvimento territorial, com antecipação de elementos teóricos. O referencial teórico propriamente dito aparece sob o título fundamentação das buscas e discussão, onde as fontes bibliográficas são elencadas com explicitação de sua essência. O passo seguinte, com o tópico olhando para uma experiência a estudar, é dado com a mineração e organização de informações acerca da experiência de construção da IG para vinhos no Sul do Brasil, do Vale dos Vinhedos com transbordamento para Pinto Bandeira. Com isso conduz-se para um conjunto de considerações finais, que, longe de aspirarem-se definitivas, pautam-se pela indicação da necessidade de estudos mais avançados, até mesmo para fundamentar funções organizacionais estratégicas na pesquisa tecnológica como o planejamento, a capacitação e a interação com outros atores e agentes sociais. 2. AS INDICAÇÕES GEOGRÁFICAS No estudo do desenvolvimento agrícola as mudanças institucionais e o papel do estado que determinaram o papel da agricultura familiar no desenvolvimento econômico de países desenvolvidos. No Brasil, há uma diversa estrutura produtiva familiar 7 Segundo Cuvillier (1975:2) a cultura representa um caráter estrutural de adaptação única ao meio, portanto, varia no espaço, evolui no tempo e possui regularidade, o que permite o estudo científico. 2

3 profissionalizada que, por meio de estratégias coletivas, tem conseguido sobrevivência e reprodução e produzido impactos positivos no desenvolvimento local e regional. Quando estamos tratando de desenvolvimento de território rural, cujos indivíduos têm, em suas atividades produtivas, tradições únicas, vinculadas às especificidades locais dos ativos, à forma de organização entre os agentes especializados que cooperam na atividade, cria-se a interdependência comunitária do modo de vida, de produção, de comercialização e interação com o meio ambiente. Sachs (2002) considera que o desenvolvimento sustentável dessas regiões só ocorre quando as dimensões sociais e ambientais são consideradas conjuntamente, dentro de uma dinâmica participativa de planejamento local, com todos os interessados em um limitado território, de forma a eliminar as obstruções ao uso dos recursos latentes (como a liberdade social, a imaginação e a biodiversidade, por exemplo). Assim, arranjos deliberativos para o exercício democrático são essenciais para a criatividade do empreendedorismo local autodeterminar seu futuro 8. Em relação à dimensão ambiental, segundo Peña (2003), sugiram várias vertentes da discussão sobre meio ambiente como da etino-ecologia (antropologia ambiental), que trata do conhecimento ecológico das populações locais, que surgiu dos trabalhos sobre cultura ecológica e antropologia cognitiva. Essa documentação do conhecimento local e o mapeamento de áreas de uso tradicional legitimam os direitos ao uso dos recursos naturais e da terra pelas comunidades e promovem modelos participativos de gestão de ecossistemas. Essa legitimação é importante para a legitimação de direitos de propriedade das comunidades locais baseadas em território. Outra importância para essas comunidades é poder obter a garantia do acesso e uso tradicional dos recursos e outras qualidades ambientais, e a garantia de manutenção do seu sistema de autogovernança do uso do recurso comum. Portanto, a valorização de tal conhecimento leva ao descentralismo como forma de governança para que os agentes locais imponham sua autonomia política em relação ao mercado e ao estado (PENÃ, 2003). As IG são também formas de incentivo ao desenvolvimento territorial rural. As estratégias de ação coletiva e o capital social inerentes ao processo têm sido discutidos como uma alavanca do desenvolvimento em comunidades que utilizam a certificação. A dinâmica do desenvolvimento regional no Brasil, nas últimas décadas, tem progredido fortemente para uma visão financeiro-mercadológica, em detrimento daquela socioeconomica. Segundo Silva et al. (2001), o mundo é percebido como um mercado sem sociedade e, quando a acumulação é o objetivo maior a ser alcançado e 8 Exemplos desse tipo de iniciativa no Brasil são citados por Sachs como: o primeiro Plano Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, e o Plano da parceria entre a Comunidade Solidária e o SEBRAE assessorado pala Agência de Educação para o Desenvolvimento. 3

4 o lucro máximo é o critério mais relevante na tomada de decisão, não há espaço para valores. Sistemas de produção tradicionais ainda existentes e que não se utilizaram de tais estratégias de exclusividade estão sucumbindo pela pressão da maximização de produtividade e padronização, ignorando o valor dos aspectos sociais e ambientais da produção familiar tradicional, trazendo incertezas às comunidades produtoras quanto à sustentabilidade do desenvolvimento local, como no caso das oliveiras do mediterrâneo (LOUMOU; GIORGA, 2003). O processo de definição de estruturas para a ação coletiva de certificação gera vínculos e aprendizagem de interação, liderança e decisão coletiva. Quando os indivíduos estabelecem contratos eficientes, as interdependências de investimentos em ativos específicos criam benefícios no longo prazo em função da aprendizagem organizacional, ou seja, as competências dinâmicas peculiares àquele grupo social que participa da organização. Criam-se vantagens competitivas de adaptação organizacional cooperativa. Pode-se esperar que associado a tal processo, também seja aumentado o capital social, ou seja, coesão e confiança conforme de dá uma intensificação da interação social do grupo (PUTNAM, 2000). As demandas por recursos, conhecimentos e habilidades especializadas do território criam incentivos ao investimento coletivo para ofertar sua capacidade produtiva. Mas a valoração desses recursos aumenta a competição interna por recursos. A valoração dos produtos territoriais e respectivos diferenciais competitivos preservados, mesmo antes da perspectiva de agregação de valor por meio do processamento, empresários e produtores de produtos regionais diferenciados, usam estratégias de proteção por meio da propriedade intelectual - PI. Dentro do espectro de possibilidades da PI, a Indicação Geográfica surge como solução estratégica apropriada, pois segundo Caldas et al. (2003) são, principalmente, uma forma de enfrentar as barreiras não tarifárias estabelecidas no comércio internacional; o rastreamento alimentar, uma das principais reivindicações do consumo alimentar mundial; percepção da qualidade, as características de produção e a procedência do que se está consumindo, além da forma inerente ao modo de vida, de fazer e de gerir trazendo aumento da auto-estima dos que produzem e melhoria de sua qualidade de vida. 9 9 As regiões e os lugares assumem uma perspectiva singular de oportunidades de novas formas de organização do território, desenvolvimento tecnológico, inclusão social e melhoria de qualidade vida das comunidades locais (CALDAS, 2003). No entanto, adicional a isto, faz-se necessário o fortalecimento do capital social local, o saber fazer, a presença do homem integrado ao ambiente, a diferenciação e originalidade dos produtos para tornar possível a criação de uma IG. 4

5 Tem ocorrido mudanças importantes no tema IG no mundo, o que lhe dá um caráter de constante mudança, desta forma, os conceitos apresentado a seguir podem já estar sendo retrabalhado no Brasil. Conforme o INPI, IG é a identificação de um produto ou serviço como originário de um local, região ou país, quando determinada reputação, característica e/ou qualidade possam ser vinculadas essencialmente a esta sua origem particular. Em suma, é uma garantia quanto a origem de um produto e/ou suas qualidades e características regionais. Prossegue indicando que as IG são divididas em duas espécies: Indicação de Procedência IP que é caracterizada por ser o nome geográfico conhecido pela produção, extração ou fabricação de determinado produto, ou pela prestação de dado serviço, de forma a possibilitar a agregação de valor quando indicada a sua origem, independente de outras características; e Denominação de Origem DO cuida do nome geográfico que designe produto ou serviço cujas qualidades ou características se devam exclusiva ou essencialmente ao meio geográfico, incluídos fatores naturais e humanos. O pedido de registro de uma IP é o primeiro patamar a ser alcançado. Para o registro de uma DO existe a exigência de preenchimento de quesitos de qualidade. 10 Ainda segundo Gurgel (2005), os países europeus trabalham historicamente muito bem esta proteção por meio do incremento do capital social e humano, como forma de divulgar as peculiaridades territorial e diferencial competitivo, usando-o como instrumento de desenvolvimento local e da preservação da identidade cultural da comunidade. O sistema de certificação oficial francês 11 é o exemplo mais proeminente. Contém diversos tipos de denominações de origem controlada 12 - DOC (Appellations d'origine contrôlées - AOC) (MINISTERE DE L AGRICULTURE, 2003), outorgado por sistemas oficiais (CHADDAD, 1996). Na França, principalmente na atividade vinícola, tem se buscado um aprofundamento no nível de complexidade das relações e composição de uma DOC, daí fortaleceu-se o conceito de terroir. Conforme Tonietto (2007), não existe terroir sem o homem, mas apresenta uma coerência geográfica, sócio-econômica e jurídica, ele está na base do conceito das Denominações de Origem. No entanto, não se pode considerar que esses sistemas são definidos 10 O registro de reconhecimento de uma IP, ou de uma DO, feito no Instituto Nacional de Propriedade Industrial - INPI, segue um fluxo de tramitação estabelecido por Resolução INPI n.º 075, 28/11/00, e pode se requisitado por organizações locais de produtores ou pessoas jurídicas representativas da coletividade. No âmbito da Propriedade Intelectual as IG, assim como a Marca, são um Sinal Distintivo. Segundo Gurgel (2005), dos institutos incluídos no rol da Propriedade Intelectual, IG provavelmente é o mais antigo e certamente o menos usual, em comparação com patentes, marcas e cultivares. Porem, não foi aquele o primeiro receber a chancela jurídica internacional e nacional. 11 Label rouge, Agriculture biologique, Certification de conformité, Politique de qualité, Signes européens 12 Engloba três tipos gerais de certificação: Spécialité Traditionnelle Garantie (STG): que certifica e valoriza processos e elementos tradicionais do produto. L'Appellation d'origine Protégée (AOP) e L'Indication Géographique Protégée (IGP): que indicam atributos relacionados ao território em que foi produzido e/ou 5

6 perfeitamente. Barjolle e Sylvander (2000:33) 13, avaliam os resultados das DOC na Europa e afirmam ser difícil estimar se a regulação tem tido os efeitos esperados. Por exemplo, a renda rural pode ser determinada por políticas agrícolas que subsidiam a agricultura em determinadas regiões. Assim, conclui não ser tão óbvio que os produtos sob tal regulação teriam sua produção familiar de mão-de-obra intensiva, em escala reduzida, voltada à qualidade, o que deveria garantir melhor preço e rentabilidade. Diz haver localidades em que as especificações da denominação de origem dos produtos não ofereceram as condições, quando compara a produção de queijos Cantal e Cornté. Com base na abordagem político-cultural de Fligstein e de Bourdieu, Garcia-Parpet (2004), estudando o sistema de DOC vitivinícola na França, que dificultou o aparecimento de uma nova geração de vitivinicultores, faz um alerta para o fato de que a competição entre as empresas se transforma em competição pelo poder de regulamentação e a imposição de padrões: As empresas dominantes conseguem assim criar barreiras à entrada, na forma jurídica e cultural. Suas estratégias consistem essencialmente em estabilizar as normas de produção que impedem os concorrentes de entrar no mercado, de modo que a competição não é um conflito direto No caso brasileiro, em que se observa a primeira experiência de construção de IG, o processo torna-se menos espinhoso para novas sub-regiões, quando iniciativas locais tenham obtido êxito na empreitada. Dado que estas iniciativas geram externalidades na conformação de um ambiente organizacional apropriado, experiente e motivado a assumir novos desafios na construção de novos projetos de IG. Dada essa importância, a experiência de criação desse mecanismo de governança em diferentes espaços rurais é uma forma de transbordamento, fenômeno já conceituado e estudado na economia da inovação. 3. INTERAÇÃO E APRENDIZADO NOS SISTEMAS LOCAIS DE INOVAÇÃO Grassi (2006) analisa as diferentes abordagens sobre interaçao no processo inovativo e criaçao de competências dinâmicas. Uma abordagem é a que levam em conta o regime de apropriabilidade dos produtos dos arranjos cooperativos, dos autores principais Teece e Pisano, que se aproximam mais da análise contratual da relação inter-organizaçoes. A outra abordagem é o dos autores Freeman e Lundvall, que tem processado o produto. 13 No relatório final para a Comissão Européia que discute a regulação e política de produtos de origem controlada para os países membro. 6

7 mais interfaces com a socioeconomia, e ressaltam a questão do aprendizado por interação sob as mais diferentes formas. Aqui no caso estressam-se aquelas derivadas da realização (o aprender fazendo no processo de inovação) e da interação (o aprendizado que deriva da interação de atores e agentes nos espaços sociais e econômicos). A sociologia econômica sugere a análise da ação humana nas dimensões de subordinação, coerção, cooperação, solidariedade, confiança, poder, identidade e normas sociais só podem ser entendidas em termos relacionais, no entanto, sem deixar de lado o fato de que os indivíduos seguem os incentivos em espaços sociais bem definidos (GRANOVETTER, 2000). Nesse sentido, o trabalho procura levar em conta as limitações de todas essas abordagens, conforme Abramovay (2006), que compara a análise institucionalista, e a sociologia econômica para o tratamento do contexto do desenvolvimento territorial. Portanto, dentro de um espaço definido, a interação de organizações não concorrentes entre si, como é o caso de um instituto de pesquisa tecnológica IPT e uma associação de produtores, a visão Freeman e de Lundvall, sobre cooperação socialmente construída com base em laços de confiança, configura-se mais coerente com o fenômeno que estamos estudando. A conexão entre o progresso socio-tecnico-economico e a mudança social visando competitividade internacional em territórios específicos depende da superação da readaptação das instituições ultrapassadas e dos padrões culturais que não correspondem aos requerimentos de um novo padrão competitivo e tecnológico. Esses ajustes estão difusos nas práticas gerenciais, no sistema educacional, na organização setorial e política. Dessa forma, caracteriza-se esse descasamento institucional como um lock-in: que são travamentos dependentes de um caminho histórico de evolução dessas instituições, da cultura e dos modelos mentais. Uma crise ou oportunidade pode gerar uma ação coletiva, na qual a interação leva ao aprendizado, que pode ser: i) adaptativo em que operam apenas algumas opções de um caminho de desenvolvimento tecnico-econômico-social; ii) enquanto o aprendizado inovativo distingue-se por levar a mudanças fundamentais no paradigma técnico-economico-social (COOK; MEMEDOVIC, 2003). Com relação às diferentes formas como os arranjos produtivos buscam sair de crises setoriais, McDermott (2005) e McDermott et al. (2006) compararam por meio de uma perspectiva da economia política, o resultado de dois tipos de políticas públicas de desenvolvimento dos sistemas vitivinícolas de Mendoza e San Juan, na Argentina, respectivamente, de articulação (fomento da interação coordenada em rede) e o da competição (políticas setoriais clássicas de incentivos). Sendo que o primeiro implicou 7

8 na interação de diversas organizações do sistema de inovação entre si e junto da cadeia de produção gerando desenvolvimento, enquanto o segundo acirrou a rivalidade entre os atores provocando desarticulação e estagnação. Na descrição do sistema de inovação local da Serra Gaúcha, Vargas (2007) advoga que o aprendizado institucional e o papel das organizações de apoio caracterizam a dinâmica do sistema de inovação vitivinícola brasileiro, com a preocupação de elucidar seus principais componentes, ligações e interações. Argumenta que além desses elementos analíticos serem críticos na dinâmica inovativa dos produtores vitivinícolas, somente a abordagem de sistemas nacionais ou setoriais de inovação, tão somente, negligenciam as especificidades emergentes de contextos institucionais e históricos que são específicos a territórios. Nestes, a dinâmica inovativa é altamente específica ao local e baseada em competências locais, estas últimas são difíceis de se transferir, uma vez que são baseadas em redes complexas e participantes com contribuições especializadas (Vargas, 2007). Do relatório de Vargas (2007), nós tomamos por base apenas aqueles mecanismos que são referência, como dados secundários relevantes ao fenômeno deste estudo, que são os seguintes: 1. Desenho institucional e o papel da infra-estrutura tecnológica e de treinamento para que se organizasse e promovesse o fluxo de tecnologias e conhecimentos. 2. Elos de interação entre os diferentes agentes e organizações no sistema de inovação vitivinícola. Este presente trabalho, apesar de partir da contribuição de Vargas, foca mais ainda no aspecto da interação e aprendizado buscando caracterizar dentro de uma processo especifico, a formação da IG. 3.1 Aprendizagem na interação O aprendizado em interação, no tocante à inovação (institucional, tecnológica ou organizativa) é um construto social decorrente da ação dos diferentes atores, individuais ou coletivos. Destacam as organizações em função de sua condição de grupos articulados para um determinado propósito. O aprendizado entre organizações é construído no contexto em que as mesmas existem e operam, caracterizado por elementos institucionais e ambientais. Trata-se de uma formulação que contribui para o entendimento da mudança técnica e/ou institucional e a dinâmica do desenvolvimento econômico. Uma das raízes dessa 8

9 idéia de aprendizado cresceu rumo ao conceito econômico de economias de aglomeração (PERROUX, 1967). Lundvall apresenta o aprendizado como uma resultante na dinâmica das interações, com o que resgata a dimensão social da mudança tecnológica ou institucional. O mesmo autor propõe que compreensão da interação no processo de inovação permite (ou requer) estudos de diversos níveis. Para Lundvall (2001)...indivíduos e organizações que solucionam conjuntamente problemas, ao final de um projeto específico, terão partilhado o conhecimento original do parceiro, do mesmo modo como terão partilhado o novo conhecimento tácito gerado pelo trabalho conjunto. O aprendizado partilhado é chave para o conhecimento tácito gerado em conjunto e implica, naturalmente, que o contexto social é importante para esse tipo de aprendizado... Cuvillier (1975:68) caracteriza a busca de uma sociologia do conhecimento como a ligação descritiva-histórica entre estrutura social e estrutura do saber (técnico, artístico, religioso, político, organizacional, cientítifico), trazendo a interpretação/explicação da origem das idéias, sem que se confunda com a epistemologia, essa última que circunscreve o conhecimento. O autor discute mentalidades, ideologias, crenças e representações, determinadas por fatores físicos, biológicos e sociais. 3.2 Transbordamento O transbordamento aplicado ao desenvolvimento e à propriedade de conhecimentos tecnológicos e organizacionais é uma proposição alternativa à transferência direta de conhecimento, o qual ocorre, por exemplo, pela aquisição de firmas em circunstâncias de investimento estrangeiro direto (por exemplo). Em um modo indireto de desenvolvimento tecnológico e inovação, surgem as chamadas relações competitivas intra-setoriais, as quais podem dar ensejo ao transbordamento horizontal das capacidades. Essa modalidade de transbordamento tem como barreiras e limitadores o comportamento defensivo das firmas, sempre incentivadas à adoção de mecanismos para proteção da informação associada ao próprio desempenho e que poderia ser aplicada à melhoria do desempenho de concorrentes. Em associação dentro da idéia do transbordamento surge o fenômeno da transferência no âmbito inter-setorial: no contexto dos mercados de insumos e produtos, para alguns autores caracterizando o transbordamento vertical. Para as reflexões associadas a essa idéia a noção de cadeias (ou de complexos) é especialmente aplicada. 9

10 Fenômeno curioso de ser estudado é a possibilidade de que construções locais (tratáveis mediante as referências da economia de aglomeração ), são transferíveis para outras circunstâncias (outros contextos) com base no desdobramento da atuação de um ou mais agentes envolvidos na dinâmica de aprendizado. Em outras palavras: o fato da Embrapa Semi-Árido ter absorvido modus operandi e tecnologia na interação com a Embrapa Uva e Vinho e o fato de firmas das regiões vinícolas sul-riograndenses abrirem operações no Vale do São Francisco são casos de inovação que podem ser compreendidos pelo transbordamento? A interação entre centros de pesquisa é muito possível que sim; a expansão geográfica das operações das firmas industriais e comerciais para a nova região de produção é muito possível que não. A economia industrial e da inovação tem outras formas conceituais para caracterizar esse processo que não a do transbordamento. 4. EXPERIÊNCIA A ESTUDAR: criação e reprodução das indicações geográficas Na primeira seção, são descritos os atores do Sistema de Inovação Vitivinícola na Serra Gaúcha, por meio da caracterização da infra-estrutura tecnológica e de treinamento, e as associações setoriais. Na segunda, trata-se da interação e aprendizagem e na terceira do transbordamento. No sistema de inovação vitivinícola na Serra Gaúcha existem algumas organizações chave na conexão e coordenação das relações inter-firmas e com as instituições de pesquisa, desenvolvimento tecnológico e treinamento de recursos humanos Vargas (2007). Historicamente, as instituições evoluíram desde a década de 1920, com a regulação dos preços, posteriormente a criação de cooperativas na década de 1930, processo que até então teve pouco impacto no aumento da qualidade. Uma segunda fase iniciou-se na década de 1970 com a criação da Embrapa Uva e Vinho e atuação mais intensa da Escola Agrotécnica Juscelino Kubitschek que se tornara o Centro de Educação Tecnológica Bento Gonçalves CEFET, cujos objetivos claros era de aumentar a qualidade na produção vitivinícola e treinar enólogos, respectivamente. Uma terceira fase foi o estabelecimento de várias associações e outras organizações voltadas para o aumento da qualidade por meio da ação coletiva, no final da década de Na década de 1990, o CEFET passa a oferecer curso de nível superior de viticultura e enologia, formado 500 alunos da região em 10 anos, em parceria com 10

11 ENFA Escola Nacional de Formação Agronômica, de Toulouse, França, e com a UFRGS (VARGAS, 2007). A Embrapa Uva e Vinho conta com 43 pesquisadores, 64% deles doutores. Embrapa Uva e Vinho mantém uma forte ligação com o CEFET, a Universidade de Caxias do Sul (UCS) e a UFRGS, com projetos conjuntos desde a década de noventa e recebendo muitos estudantes dessas organizações de ensino como estagiários. A principal unidade Embrapa Uva e Vinho localiza-se em Bento Gonçalves, e conta com estações experimentais em Garibaldi e Vacaria no RS, Jales em SP, e além dessas unidades, também possui, em Petrolina, no Vale do São Francisco, na Embrapa Semi-Árido, um laboratório de teste de qualidade de uva e vinho. No Vale do São Francisco, onde a vitivinicultura tem se desenvolvido nas últimas duas décadas, organizações de apoio são o Instituto do Vinho do Vale do São Francisco (Vinhovasf) e a Associação Instituto Tecnológico de Pernambuco, a FINEP (como financiadora) e a VALEXPORT. Estas organizações hoje têm papel significativo na difusão, promoção da troca de experiências entre as vinícolas, organizando viagens internacionais e apoiando a participação de pequenas vinícolas em eventos internacionais. No Rio Grande do Sul, o principal fórum que reúne as associações de produtores, cooperativas, governo do estado, para promover o desenvolvimento setorial é o Instituto Brasileiro do Vinho (IBRAVIN), criado em na década de 1990, inicialmente para gerir o Fundovitis, fundo de suporte à coordenação, informação de mercado, melhora tecnológica, qualidade, cooperação, indicadores geográficos e propostas de regulação. Esse modelo se assemelha ao INAVI do Uruguai. Diversas são as associações setoriais dentro desse sistema de governança setorial, para citar algumas: UVIBRA AGAVI e FECOVINHO estão entre as associações de produtores, e também existe a Associação Brasileira de Enologia que promove a Fenavinho, ocasião em que se faz a Avaliação Nacional de Vinhos (VARGAS, 2007) Desse emaranhado de relações muito próximas, tem-se os fluxos de conhecimento por meio das interações entre os atores do sistema local de inovação vitivinícola. De acordo com o levantamento anterior de Vargas (2000) 30% das vinícolas da Serra Gaúcha consideram haver interação com as instituições de pesquisa locais para atividades de P&D em produtos e processos, um considerável nível de cooperação. As principais inovações alcançadas pelas vinícolas eram, na maior parte, em processamento de uvas, onde o papel da Embrapa Uva e Vinho teria sido menor. Apesar de que as firmas por estarem direcionadas ao mercado locais não observam o papel dos centros de pesquisa como a fonte de informação mais importante, o papel 11

12 significativo das organizações locais na formação de recursos humanos pode ser considerado como uma notável externalidade positiva. 4.1 Do Vale dos Vinhedos à Pinto Bandeira: interação e aprendizado No que se refere à vitivinicultura, a variabilidade de ecossistemas é tamanha que praticamente cada região produtora constitui uma situação peculiar, seja pelo clima, pelo solo ou pela interação destes dois componentes mais importantes do meio geográfico (TONIETTO, 2001). Esta peculiaridade permite uma distinção entre as regiões e sub-regiões produtoras, por meio da criação de IG. O exemplo brasileiro caracteriza estas peculiaridades, onde em uma mesma região próximo a Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, há diferenças 14 básicas de ecossistemas e, conseqüentemente, nas características dos vinhos, demonstrada na caracterização geográfica de uma sub-região da Serra Gaúcha o Vale dos Vinhedos como descrito em estudo de Falcade et al. (1999). No entorno de Bento Gonçalves, Garibaldi e Monte Belo do Sul, o Vale dos Vinhedos compreende 81 km 2 de clima propício a produção de vinho fino e alta qualidade. Colonizada a partir de 1875, por imigrantes italianos das regiões de Trento e de Vêneto, Itália. O distrito Vale dos Vinhedos foi criado em 1990, agrupando as linhas Leopoldina, Graciema e Zamith, que por sua vez são divididas em comunidades (nomeadas por capela ou números dos lotes iniciais. Um grande número de pequenas vinícolas familiares 15 num intenso processo de melhoria da qualidade por meio da interação e coesão social em torno de um objetivo comum. Na região do Vale dos Vinhedos todas estas forças foram tomando corpo muito claramente no sentido da criação de uma Indicação Geográfica. Podemos vislumbrar isto primeiro pelo fortalecimento do capital social que resultou, como produto palpáveis, na criação de cooperativas e associações de produtores vitivinícolas. A semente básica para as conquistas posteriores foi a APROVALE. No mesmo sentido os parceiros locais componentes do sistema de inovação vitivinícola, não apenas se mobilizaram para o apoio tanto na organização dos produtores, como nas pesquisas visando a melhoria do produto final. Melhoria esta que 14 É necessário valorizar estes ecossistemas, segundo Tonietto (2001), no sentido de distinguir seus potenciais na elaboração de vinhos de qualidade. Esta valorização se consolida estabelecendo as distintas IG sub-regionais, com tipicidades próprias. 15 As vinícolas associadas à APROVALE em 1995 eram: Adega Casa de Madeira, Adega Cavalleri, Adega de Vinhos Finos Dom Cândido, Angheben Adega de Vinhos Finos, Casa Graciema, Casa Valduga, Tecnovin do Brasil, Vallontano, Villaggio Larrentis, Vinhos Don Laurindo, Vinhos Reserva da Cantina, Vinhos Titton, Vinícola Miolo, Vinícola Pizzato (Gollo, 2006). 12

13 exigia desde cultivares para vinhos finos, apropriadas para as condições edafoclimáticas da região, à seleção de leveduras específicas. Quanto às forças exógenas, tanto o crescimento do mercado de vinhos finos no Brasil, quanto o fortalecimento de políticas públicas voltadas para a agregação de valor a produtos regionais e locais, por meio do incentivo à criação de arranjos produtivos locais (APLs) e do incentivo à criação de Indicações Geográficas, foram fundamentais para as iniciativas dos produtores do Vale dos Vinhedos, no sentido de assumir os rumos estratégicos dos sistemas produtivos vitivinícolas da região, para isto, estabelecendo o marco legal das Indicações Geográficas como forma de agregação de valor à produção de vinhos local. No entanto, tudo se iniciou por volta de 1880, com imigrantes italianos produzindo vinhos artesanalmente, a partir de variedades americanas. A partir da década de 60 do século passado, iniciou-se o processo de instalação de variedades de uvas finas, novos sistemas de condução dos parreirais e avanços nas práticas culturais (FLORES et al., 2005). Além disso, o processo de organização por meio de cooperativas e associações passou por um refinamento e ajuste muito intenso no final do século passado, amadurecendo as relações, fortalecendo as ações conjuntas, minimizando o oportunismo. Face ao estádio maduro e competitivo dos sistemas e regiões produtivas européias, ficava claro a necessidade de uma abordagem diferenciada dos potenciais que o Brasil oferecia, no entanto faltava uma base metodológica cientificamente estruturada para a alavancagem de diferenciais produtivos e organizacionais. Para isto a Embrapa enviou um de seus pesquisadores para realizar seu doutorado na França, no sentido de submergir naquele conhecimento, construído por vários séculos. A partir daquele evento a Embrapa passou a atuar de modo importante no processo, numa ação conjunta de três de suas unidades: Embrapa Uva e Vinho (Bento Gonçalves - RS); Clima Temperado (Pelotas - RS) e Solos (Rio de Janeiro RJ). Em conjunto com a Embrapa, em ação articulada formando uma rede, operavam organizações como a Universidade de Caxias do Sul (UCS); Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); com apoio ainda da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (Fapergs) e do Sebrae. Esse trabalho resultou no reconhecimento pelo INPI do Vale dos Vinhedos como IG, mais precisamente como Indicação de Procedência, em 2002, após aproximadamente cinco anos de tramitação. Em 2009 ocorre o registro da mesma região como Denominação de Origem. Por outro lado, neste período, a Embrapa na Região Sul tem desenvolvido vários projetos voltados para o desenvolvimento de Indicações Geográficas, principalmente 13

14 no Rio Grande do Sul, até mesmo com instalação de laboratório voltados à pesquisa e ao suporte das IGs de vinhos. A equipe que foi formada entorno deste trabalho credenciou a Embrapa como uma referência nacional para o tratamento do tema IG. Essa experiência na Embrapa alcançou as diversas Unidades por todo o Brasil, gerando diversos projetos sobre o tema Indicações geográficas, nos quais a equipe formada na Embrapa Uva e Vinho tem realizado visitas e assessoria direta nestes projetos. O que acabou gerando um projeto na Embrapa sede para a organização destas ações e um melhor aproveitamento da experiência já adquirida pela Embrapa. Este projeto teve como uma de suas atividades a realização de evento, no final de 2009, onde foram apresentadas todas as atividades e projetos desenvolvidos pela Embrapa sob o tema de Indicações Geográficas. Em junho de 2010, a Embrapa assumiu mais um compromisso que é o Convênio para Execução da Rede de Centros de Inovação em Vitivinicultura, integrante do Sistema Brasileiro de Tecnologia (Sibratec) - MCT/FINEP, que terá sua estrutura e base organizacional na Sede da Embrapa Uva e Vinho, em Bento Gonçalves (RS). A Rede de Centros de Inovação em Vitivinicultura funcionará como uma estrutura envolvendo diferentes instituições vinculadas à ciência e tecnologia, visando a desenvolver pesquisas integradas para o zoneamento vitivinícola e inovação tecnológica em parceria com empresas, voltadas para a agregação de valor nestas cadeias vitivinícolas, o que certamente gerará novas Indicações Geográficas por todo o País. Recentemente, o Vale dos Vinhedos foi a primeira região não européia a conquistar o reconhecimento pela Comunidade Européia, como região de origem controlada, o que permite que os vinhos ali produzidos possam ser comercializados nos países pertencentes (ROESE, 2008). 4.2 Transbordamentos São diversas as iniciativas a serem relatadas, partido da IG alcançada por Pinto Bandeira, seguem nesse mesmo processo Belo Monte e muitas outras. Com o apoio da Embrapa Uva e Vinho em parceria com a Universidade de Caxias do Sul e com a UFRGS e financiamento da FINEP, seguindo a iniciativa do Vale dos Vinhedos, recentemente, sete anos depois, em 2010, a região de Pinto Bandeira, no distrito de Bento Gonçalves na Serra Gaúcha requereu e obteve no INPI a Indicação Geográfica, por meio do esforço coletivo na ASPROVINHO que conta com oito vinícolas e 1200 ha de produção (FLORES et al., 2005). 14

15 Em Monte Belo do Sul, RS, município grande produtor de uvas para vinhos finos, porém, vinificador de vinhos de mesa, iniciou seu processo de IG, em 2003, quando as vinícolas locais criaram a Associação dos Produtores de Vinhos Finos de Monte Belo do Sul - APROBELO 16, para iniciar a produção de vinhos finos com o apoio da Embrapa Uva e Vinho. Tendo-se identificado as ações necessárias para valorizar os vinhos da região através de uma indicação geográfica, em 2004, foi constituída uma Comissão Técnica entre a APROBELO, Embrapa Uva e Vinho e a Universidade de Caxias do Sul, para elaborar a normativa de produção da Indicação de Procedência para vinhos finos da região de Monte Belo (TONIETO et al., 2008). A partir de 2005, o Conselho Regulador - encarregado da aplicação da normativa de produção, foram elaborados os primeiros vinhos comerciais da indicação geográfica Monte Belo. Na fase de reconversão, reestruturação e aperfeiçoamento tecnológico das vinícolas, a cantina semi-industrial da Embrapa Uva e Vinho, em parceria com a APROBELO, têm elaborado vinhos, com o repasse de tecnologias na forma de incubação de empresas. Desde 2005, a Embrapa Uva e Vinho e a Embrapa Clima Temperado, executam pesquisa e desenvolvimento da indicação geográfica Monte Belo, com diversas instituições de pesquisa, desenvolvimento e fomento, incluindo, além da UCS a UFRGS e a Finep. Por fim, a APROBELO implementou a "Unidade Coletiva de Elaboração e Engarrafamento de Vinhos" (TONIETTO et al., 2008). O Instituto Nacional do Semiárido (INSA/MCT), localizado em Campina Grande, PB, sediou a primeira reunião de 2010 do Fórum de Indicação Geográfica e Marcas Coletivas da Paraíba. Participaram do encontro representantes do INSA, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/Superintendência Federal de Agricultura do Estado da Paraíba (MAPA/SFA), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), Embrapa Algodão, além das Universidades Estadual e Federal da Paraíba (UEPB e UFPB) (GUEDES, 2010). A referência da experiência no Vale dos Vinhedos serviu para o Ministério de Ciência e Tecnologia, através de um projeto coordenado pelo Museu Paraense Emílio Goeldi, instituição de pesquisa e desenvolvimento, promover a interação com novos interessados no desenvolvimento da IG dos Brinquedos 17 de Miriti de Abaetetuba, no Estado do Pará. O projeto e conta com os seguintes parceiros: Associação dos 16 Atualmente, as vinícolas associadas à APROBELO no projeto da indicação geográfica são: Vinícola Armênio, Adega de Vinhos Finos Reginato, Vinhos Megiolaro, Vinhos Casa Fantin, Adega Del Monte, Vinhos Faé, Calza Vinhos Finos, Vinhos Beija Flor, Vinhos Caturetã, Vinícola Monte Belo e Vinhos Milani. Todas elas são micro ou pequenas empresas, tendo, as mais antigas, menos de 30 anos de existência (TONIETO et al., 2008). 17 Os Brinquedos de Miriti, feitos com a fibra leve da palmeira também conhecida como Buriti e chamada de isopor da Amazônia, são fabricados há 200 anos no Pará. A expressão lúdica da sensibilidade e da representação do cotidiano do universo do caboclo e do ribeirinho da região de Abaetetuba, por meio de cobras, lagartos, pássaros e cenas do cotidiano dos moradores, tudo com cores vibrantes e com articulações e movimentos, que chamam a atenção. 15

16 Artesãos de Miriti de Abaetetuba (ASAMAB), SEBRAE e Secretaria de Ciência e Tecnologia do Pará. Também conta com o apoio da Rede NIT Pará, que congrega os núcleos de inovação tecnológica de universidades e institutos de pesquisa do Estado do Pará, da qual faz parte a Embrapa Amazônia Oriental. O trabalho começou com o Sebrae promovendo a organização da associação de produtores e uma das primeiras tarefas entender melhor o processo da obtenção da Indicação Geográfica. O Museu Paraense Emílio Goeldi levantou dados da história dos brinquedos para a elaboração do referencial de originalidade dos brinquedos de Miriti de Abaetetuba. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia do Museu Goeldi buscou a cooperação da Embrapa Uva e Vinho (Bento Gonçalves, RS), depois de terem assistido uma palestra de um pesquisador da Embrapa Uva e Vinho sobre IG (ZANELLA, 2010). Neste último caso, os diferentes sistemas locais de inovação interagem por meio do apoio do Sistema Nacional de Inovação. Esse fenômeno mostra a importância fundamental da interação entre si dos sistemas locais, regionais e nacionais de inovação possibilitando os processos de transbordamento. Assim como concluído por Ho (2009), o desafio é haver o papel essencial de conectores entre esses sistemas de inovação, pois a heterogeneidade e a clara proeminência de algumas redes em relação a outras, em função de diversas variáveis contextuais, pode trazer grandes possibilidades de aprendizagem mútua. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS O trabalho explorou a interação entre um Instituto de Pesquisa Tecnológica (IPT) - Embrapa Uva e Vinho e uma organização de produtores vitivinícolas - APROVALE, no contexto social de construção do conhecimento rumo à criação de uma indicação geográfica (IG). Por meio da consulta a fontes documentais e às instituições objeto do estudo, constatou-se que as partes têm tecido importantes vínculos, cuja rede convertendo-se em protagonista do desenvolvimento local. No exercício das interações, a pesquisa tem acumulado conhecimento para além das informações tipificadoras da região com as zonas de produção e sobre produção por localidade. Tem se contabilizado em decorrência do learning-by-doing e learning-byinteracting, recursos fundamentais para a própria pesquisa, a rede e o desenvolvimento local. 16

17 Neste processo, a Embrapa e as demais partes envolvidas, por meio da interação obtiveram importante aprendizado abstraído das bases materiais em que foi gerado (o vale, a uva e o vinho), o que pode ser objeto de observação, interpretação e adaptação para outras circunstâncias. Igualmente o podem a experiência e os frutos sociais dela colhidos. Nos procedimentos de pesquisa, observa-se também que há um transbordamento para outros contextos de natureza semelhante, em outras regiões. Encontram-se no espaço estudado características relevantes e compatíveis com as noções de tecnologia adaptada e da adequação sociotécnica. O fato da Embrapa Uva e Vinho em interação com a APROVALE ter replicado a experiência do processo de Indicação Geográfica do Vale dos Vinhedos para Pinto Bandeira em interação com a ASPROVINHO, e o fato de firmas das regiões vinícolas sul-riograndenses abrirem operações no Vale do São Francisco com o apoio tecnológico da Embrapa Uva e Vinho estendido na Embrapa Semi Árido são casos de inovação institucional e tecnológica, para além das fronteiras de uma primeira experiência bem sucedida. Em grande medida tal exercício pode ser compreendido pelas idéias do transbordamento da inovação. O conhecimento construído na interação das diversas organizações, caracterizando um processo de mudança institucional, pode ser valorizado por organizações de pesquisa, de extensão, de agricultores e por formuladores de políticas públicas. REFERÊNCIAS ABRAMOVAY, R. Para una teoría de los estudios territoriales. In: Desarrollo rural: organizaciones, instituciones y territorios / compilado por Mabel Manzanal y Guillermo Nieman - 1a ed. - Buenos Aires : Fund. Centro Integral Comunicación, Cultura y Sociedad - CICCUS, ISBN: X BARJOLLE, D.; SYLVANDER, B. Protected designations of origin and protected geographical indications in Europe: regulation or policy? Recommendations. European Commission. FAIR 1 - CT Final Report, June, CALDAS A. S., CERQUEIRA P. S., PERIN T. F. Mais além dos arranjos produtivos locais: as indicações geográficas protegidas como unidades de desenvolvimento local. Revista de Desenvolvimento Econômico. Ano V - Nº 8, Jul,

18 CALDAS, A. S. As denominações de origem como unidade de planejamento, desenvolvimento local e inclusão social. Revista de Desenvolvimento Econômico, Ano V - Nº 8, jul., CHADDAD, F. R. Denominações de origem controlada: uma alternativa adição de valor no agribusiness. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP. São Paulo, p. (Dissertação MS). COOK, P.; MEMEDOVIC, O. Strategies for Regional Innovation Systems: Learning Transfer and Applications. Policy Papers. Centre for Advanced Studies, Cardiff University and United Nations Industrial Development Organization - UNIDO, Strategic Research and Economics Branch. Viena, p. FALCADE, I.; MANDELLI, F.; FLORES, C. A. (orgs.) Vale dos vinhedos: caracterização geográfica da região. Caxias do Sul: UCS e Embrapa Uva e Vinho, p. FLORES, C. A.; MANDELLI, F.; FALCADE, I.; TONIETTO, J.; SALTON, M. A.; SANUZS, M. C. Vinhos de Pinto Bandeira: características de identidade regional para uma Indicação Geográfica. Circular Técnica 55. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho, dez./ p. GARCIA-PARPET, M. -F. Mundialização dos mercados e padrões de produção. Vinho: o modelo francês em questão. Tempo Social. São Paulo, v. 16, n. 2, p , nov (trad. Paulo Neves) GRANOVETTER, M. A Theoretical Agenda for Economic Sociology. In. GUILLEN, M. F.; COLLINS, R.; ENGLAND, P.; MEYER, M. Economic Sociology at the Millenium. New York: Russel Sage Foundation, GRASSI, R. A. Capacitações dinâmicas, coordenação e cooperação interfirmas: as visões Freeman-Lundvall e Teece-Pisano. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 36, n. 3, Set GUEDES, A. Fórum de indicação geográfica e marcas coletivas se reúne em CG. Instituto Nacional do Semiárido (INSA/MCT). Comunicado distribuído por meio eletrônico de 03/02/2010. GURGEL V. A. Aspectos jurídicos das indicações geográficas. In: LAGES, V., LAGARES, L.; BRAGA, C. L.(org.). Valoração de produtos com diferencial de qualidade e identidade: indicações geográficas e certificação para a competitividade dos negócios. Brasília: Sebrae,

19 HO, M. H, -C. How Regional Innovation Systems Play a Relative Competitive Role Within Knowledge Networks. European Planning Studies. 17: 12, pp , INPI Instituto Nacional de Propriedade Industrial. O que é indicação geográfica. Acessado em 13/04/2010 LOUMOU, A.; GIORGA, C. Olive grooves: the live and identity of the Mediterranean. Agriculture and Human Values. 20: 87-95, LUNDVALL, B. Å. Interactive learning, social capital and economic performance. Advancing Knowledge and the Knowledge Economy Conference. Washington: EC, OECD and NSF-US. January, 10-11, LUNDVALL, B. -Å. Políticas de inovação na economia do aprendizado. Parcerias Estratégicas, n. 10: mar./2001. MANTZAVINOS, C.; NORTH, D. C.; SHARIQ, S. Learning, Change and Economic Performance. Paper presented at the 5th Annual Conference of the International Society of New Institutional Economics, September 13-15, Berkeley, California McDERMOTT, G. A. The Politics of Institutional Renovation and Economic Upgrading: Lessons from the Argentine Wine Industry. Mack Center Working Paper, Wharton School McDERMOTT, G. A.; CORREDOIRA, R.; KRUSE, G. Public-private networks as sources of knowledge and upgrading capabilities: Lessons from the transformation of the argentine wine industry. In.: IBMEC I Research Workshop on Institutions and Organizations. Sao Paulo, Brazil, July 17-18, MINISTERE DE L AGRICULTURE, DE L ALIMENTATION, DE LA PECHE ET DES AFFAIRES RURALES. Reserche Thématic. Signe De Qualité Et D'Origine. Le Label Rouge. Disponível em: <http://www.agriculture.gouv.fr/spip/ressources.themes.alimentationconsommation.quali tedesproduits.signedequaliteetdorigine.labelrouge_r178.html> Acessado em junho de PEÑA, D. G. The scope of latino/a environmental studies. Latino Studies, 1, (47 78) PERROUX, F. A economia do século XX. Porto: Herder, PUTNAM, R. D. Bowling alone. The collapse and revival of american community. New York: Simon & Chuster, p. 19

20 RATTON JUNIOR, J. L. A.; MORAIS, J. V. To read John Elster: limits and possibilities of explanation by mechanisms in the social sciences. Dados Revista de Ciências Sociais. Vol. 46, número Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro. pp ISSN: ROESE, M. O mondovino de cabeça para baixo: as transformações no mercado internacional do vinho e o novo empresariado vinícola. Revista de Sociologia Política, Curitiba, v. 16, n. 31, Nov SACHS, I. Inclusive development and decent work for all. World Commission on the Social Dimension of Globalization, ILO. October, SILVA, J. S.; PELÁEZ, J. C.; ROMERO, J. C. La cuestión institucional: de la vulnerabilidad a la sostenibilidad institucional en el contexto del cambio de época. Serie Innovación para a Sostenibilidad Institucional. San José, Costa Rica: Proyecto ISNAR Nuevo Paradigma, TONIETTO J. Afinal, o que é terroir? Jornal Bon Vivant. Maio de Disponível em: <http://www.cnpuv.embrapa.br/publica/artigos> TONIETTO J. Valorização do ecossistema: importância da regionalização vitivinícola na produção de vinhos de qualidade. In: Viticulture and Enology Latin-American Congress, 8., 2001, Montevideo, Uruguai. Anais... Montevideo: Asociacion de Enólogos del Uruguai: INAVI: OIV, TONIETTO, J.; GUERRA, C.C.; MANDELLI, F.; SILVA, G.A.; MELLO, L. M. R. de; ZANUS, M. C.; HOFF, R.; FLORES, C. A.; FALCADE, I.; HASEANCK, H; WEBER, E.; CALZA, A. A.; FAÉ, R. MONTE BELO: Características da Identidade Regional para uma Indicação Geográfica de Vinhos. Circular Técnica 76. Bento Gonçalves: Embrapa Uva e Vinho, mar./ p. VARGAS, M. A. Learning, localized innovation and competitive performance: a preliminary analysis on the Brazilian system of innovation in wine. Rio de Janeiro: Projeto Brics - RedeSist/IE/UFRJ, Centro de Gestão e Estudos Estratégicos - CGEE. Julho de VARGAS, M. A. Local Systems of Innovation in Developing Countries: A Study of Technological Learning in Local Productive Arrangements in Brazil. Paper prepared for the DRUID s Winter Conference on Industrial Dynamics Disponível em: <http://www.druid.dk/conferences/winter2000/vargas.pdf> ZANELLA, V. Vale dos Vinhedos inspira indicações geográficas. Notícia da intranet da Embrapa Sede. Embrapa Uva e Vinho, 16/04/

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL VALE DOS VINHEDOS

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL VALE DOS VINHEDOS ARRANJO PRODUTIVO LOCAL VALE DOS VINHEDOS Design: Base de Comunicação ELABORAÇÃO Jorge Tonietto - Embrapa Uva e Vinho Jaime Milan Aprovale Períodos Evolutivos da Vitivinicultura Brasileira Período 1º Período

Leia mais

AFINAL, O QUE É O TERROIR?

AFINAL, O QUE É O TERROIR? AFINAL, O QUE É O TERROIR? Jorge Tonietto 1 Se eu não tivesse morado na França, escrever sobre terroir seria certamente mais fácil: eu teria menor consciência da complexidade do termo. É que o terroir

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1 POLÍTICA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Versão para Discussão do GT Interministerial

Leia mais

Produtos de qualidade, Patrimônio cultural e Desenvolvimento Territorial: O Caminhos de Pedra e o Vale dos Vinhedos

Produtos de qualidade, Patrimônio cultural e Desenvolvimento Territorial: O Caminhos de Pedra e o Vale dos Vinhedos Produtos de qualidade, Patrimônio cultural e Desenvolvimento Territorial: O Caminhos de Pedra e o Vale dos Vinhedos Claire Cerdan CIRAD-UFSC Introdução Ilustrar o uso do patrimônio cultural como elemento

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PROCEDÊNCIA PINTO BANDEIRA: CARTAS IMAGEM

CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PROCEDÊNCIA PINTO BANDEIRA: CARTAS IMAGEM CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DE REFERÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PROCEDÊNCIA PINTO BANDEIRA: CARTAS IMAGEM Loiva Maria Ribeiro de Mello Carlos Alberto Ely Machado André Rodrigo Farias Sonia Marliza

Leia mais

Redes de empresa e inovação

Redes de empresa e inovação Redes de empresa e inovação Disciplina: Gestão da Tecnologia e da Inovação Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro BA Colegiado de Engenharia de Produção Professor MSc. Marcel

Leia mais

Juliana Santilli, Promotora de Justiça, MPDFT e Doutora (Direito Socioambiental)- PUC-PR

Juliana Santilli, Promotora de Justiça, MPDFT e Doutora (Direito Socioambiental)- PUC-PR Juliana Santilli, Promotora de Justiça, MPDFT e Doutora (Direito Socioambiental)- PUC-PR 1 Igs identificam e agregam valor a produtos associados a determinados territórios, concebidos em suas dimensões

Leia mais

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2 Training of Trainers Program on Effective Intellectual Property Asset Management by Small and Medium Sized Enterprises (SMEs) in Portuguese-Speaking African Countries (PALOP) Lisboa, Portugal 11 de abril

Leia mais

PROMOÇÃO DA VITIVINICULTURA. Moacir Mazzarollo Presidente do Conselho Deliberativo Carlos Raimundo Paviani Diretor Técnico

PROMOÇÃO DA VITIVINICULTURA. Moacir Mazzarollo Presidente do Conselho Deliberativo Carlos Raimundo Paviani Diretor Técnico ORDENAMENTO E PROMOÇÃO DA VITIVINICULTURA Moacir Mazzarollo Presidente do Conselho Deliberativo Carlos Raimundo Paviani Diretor Técnico Histórico Conavin: Lei Federal Nº 7.298/1984 Decreto Federal Nº 92.152/1985

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Manual da Indicação Geográfica do Vale dos Vinhedos

Manual da Indicação Geográfica do Vale dos Vinhedos Manual da Indicação Geográfica do Vale dos Vinhedos Uma conquista O Brasil do futuro é agora: a vida melhorando, o mercado crescendo, novos produtos chegando, tudo acontecendo ao mesmo tempo. E com isto

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

REDES COMUNITÁRIAS: PARCERIAS PARA FORMAÇÃO DE CAPITAL SOCIAL

REDES COMUNITÁRIAS: PARCERIAS PARA FORMAÇÃO DE CAPITAL SOCIAL REDES COMUNITÁRIAS: PARCERIAS PARA FORMAÇÃO DE CAPITAL SOCIAL GILBERTO FUGIMOTO 1 LUIZ FERNANDO SARMENTO 2 1 Engenheiro. Agrônomo - UFV e Assessor de Projetos Comunitários - SESC / RJ 2 Economista e Técnico

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

APL como Estratégia de Desenvolvimento

APL como Estratégia de Desenvolvimento APL como Estratégia de Desenvolvimento Marco Crocco Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional 3a Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais 1 A Difusão da Perspectiva de APL Um balanço

Leia mais

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social 1 Resumo por Carlos Lopes Nas próximas paginas, apresento uma fundamental estratégia para o estabelecimento de relacionamento

Leia mais

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO COMUNICADO no 002/2012 ÁREA DE ZOOTECNIA E RECURSOS PESQUEIROS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Zootecnia e Recursos Pesqueiros PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Economia Local (Não Capital)

Melhor Prática vencedora: Economia Local (Não Capital) 1 Melhor Prática vencedora: Economia Local (Não Capital) Eventos Alavancadores do Turismo em Bento Gonçalves: Bento em Vindima e Congresso Latino-Americano de Enoturismo DESTINO: Bento Gonçalves/RS INSTITUIÇÃO

Leia mais

I d ei a s Fu n d a d o r a s. Apresentação. Paulo Bastos Tigre

I d ei a s Fu n d a d o r a s. Apresentação. Paulo Bastos Tigre I d ei a s Fu n d a d o r a s Apresentação Paulo Bastos Tigre Professor titular do Instituto de Economia da UFRJ Ideias fundadoras são aquelas que efetivamente abrem novos caminhos para o pensamento científico

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

Capacitación en turismo ecológico. Turª Ms. Ivane Fávero Secretária de Turismo e Cultura de Garibaldi Vice-Presidente da Aenotur

Capacitación en turismo ecológico. Turª Ms. Ivane Fávero Secretária de Turismo e Cultura de Garibaldi Vice-Presidente da Aenotur Capacitación en turismo ecológico Turª Ms. Ivane Fávero Secretária de Turismo e Cultura de Garibaldi Vice-Presidente da Aenotur Hospitalidade: Rede de Valores REDE HOTELEIRA PRESTADORES DE SERVIÇOS VINÍCOLAS

Leia mais

Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA: 23/06/05

Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA: 23/06/05 RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: Eixo dos Arranjos Produtivos Locais APL s - GRUPO DE TRABALHO 07: Oportunidades para Desenvolvimento Tecnológico na Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA:

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD A INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS DE CURITIBA, LONDRINA E MARINGÁ (PR): UMA ABORDAGEM À LUZ DO DEBATE SOBRE AGLOMERAÇÕES PRODUTIVAS ESPECIALIZADAS Miguel Faria

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

AE R SEB 26 A Lavoura NO 694/2013 A Lavoura NO

AE R SEB 26 A Lavoura NO 694/2013 A Lavoura NO 26 A Lavoura N O 694/2013 ESPECIAL: INDICAÇÃO ESPECIAL: INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PRODUTOS de VALOR Diferencial que valoriza as produções locais, as Indicações Geográficas (IGs), que se subdividem entre Indicação

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD Instrumento de Solicitação de Manifestação de Interesse- Qualificação de Parceiros para a Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva 2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD 1. OBJETO DO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Research briefing: Como a EMBRAPA catalisou os ganhos de produtividade nas Indústrias de Soja e Pasta & Papel

Research briefing: Como a EMBRAPA catalisou os ganhos de produtividade nas Indústrias de Soja e Pasta & Papel O que podem os países africanos aprender do desenvolvimento e crescimento inclusivo do Brasil? Research briefing: Como a EMBRAPA catalisou os ganhos de produtividade nas Indústrias de Soja e Pasta & Papel

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa

Os fundos de confiança como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa César Jaramillo Avila - aurbana@quito.gov.ec Coordenador do Programa Municipal de Agricultura Urbana da

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL CARLOS ALBERTO TAVARES Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, Pernambuco. A história da educação agrícola no meio rural tem sido analisada por diversos

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP DADOS JURÍDICOS O Instituto SAVIESA DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA é uma associação, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede no município de Vitória, Estado do Espírito Santo, à Rua

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL Departamento de Planejamento, Pesquisa e Desenvolvimento - DPD Diretoria de Engenharia 1 ÍNDICE 1 PÚBLICO ALVO... 3 2 FINALIDADE...3 3 FUNDAMENTOS...

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E URBANO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PROCESSOS URBANOS E REGIONAIS DO DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E URBANO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PROCESSOS URBANOS E REGIONAIS DO DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E URBANO Áreas de Concentração / Linhas de Pesquisa ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PROCESSOS URBANOS E REGIONAIS DO DESENVOLVIMENTO As transformações em curso

Leia mais

Boletim Benchmarking Internacional. Extensão Tecnológica

Boletim Benchmarking Internacional. Extensão Tecnológica Boletim Benchmarking Internacional Extensão Tecnológica Dezembro de 2012 Apresentação Visando contribuir para os objetivos estratégicos do SEBRAE, são apresentadas neste boletim informações relacionadas

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

Anais do 6º Congresso Brasileiro de Agroinformática SBIAgro 2007, São Pedro, Brasil, 8-11 outubro 2007, Embrapa Informática Agropecuária, p.396-400.

Anais do 6º Congresso Brasileiro de Agroinformática SBIAgro 2007, São Pedro, Brasil, 8-11 outubro 2007, Embrapa Informática Agropecuária, p.396-400. ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS DO PROCESSO INOVATIVO NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE LIVRE CÁSSIA ISABEL COSTA MENDES 1 ANTÔNIO MÁRCIO BUAINAIN 2 RESUMO: Este artigo tem por objetivo discutir em que medida

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

Empresas e tecnologias na nova conjuntura vinícola brasileira do início do século XXI

Empresas e tecnologias na nova conjuntura vinícola brasileira do início do século XXI Empresas e tecnologias na nova conjuntura vinícola brasileira do início do século XXI Felipe Athia Armando Dalla Costa RESUMO - A partir do final da década de 1980, o Brasil observou um acentuado crescimento

Leia mais

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais Marco A. Silveira Dezembro, 2011 SUMÁRIO Introdução à sustentabilidade Cooperação Capital intelectual Cooperação e

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

I - Introdução: II - A Missão da Escola Politécnica e a Missão do NUDI: - Da Escola: - Do NUDI: III - A estrutura de funcionamento do NUDI/EPUSP:

I - Introdução: II - A Missão da Escola Politécnica e a Missão do NUDI: - Da Escola: - Do NUDI: III - A estrutura de funcionamento do NUDI/EPUSP: O PROCESSO DE CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS E DE INOVAÇÃO DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (NUDI/EPUSP). Luiz Fernando de Gouveia Buffolo

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Larissa Bueno Ambrosini Carlos Alberto Oliveira de Oliveira Pesquisadores Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária Porto Alegre, 21 de novembro de 2012. O debate

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1

Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1 Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1 No mundo atual, um dos campos prioritários de intervenção do Estado está sendo a promoção do desenvolvimento tecnológico,

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ELABORAÇÃO, E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA O PROJETO AGRICULTURA DE BAIXO CARBONO E DESMATAMENTO EVITADO PARA A REDUÇÃO DE POBREZA NO BRASIL. País - Brasil Projeto

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para prestar

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP) Programa de extensão universitária vinculada à Pró Reitoria de

Leia mais

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Inovação e Tecnológia na Gestão Pública Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Doutorado em Administração (UnB) Mestrado em Contabilidade e Controladoria (UFMG) Graduação em Ciências Contábeis

Leia mais

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE: ESTUDO DE CASOS COM OPERADORES LOGÍSTICOS

INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE: ESTUDO DE CASOS COM OPERADORES LOGÍSTICOS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE: ESTUDO DE CASOS COM OPERADORES LOGÍSTICOS Projeto de Pesquisa Período: Agosto de 2010 a Julho de 2011 PIBIC Programa Institucional de Iniciação Científica Aluno: Aline Loureiro

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil.

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. GIRÃO, Enio G. Eng. Agrônomo, Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza CE, enio@cnpat.embrapa.br; OLIVEIRA, Francyálisson

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ.

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros Agosto/2013 Introdução É notória nos dias de hoje a dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego nas empresas

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

Analisando a cadeia de valor: estratégias para inovar em produtos e serviços

Analisando a cadeia de valor: estratégias para inovar em produtos e serviços Artigo em publicação na Revista DOM Fundação Dom Cabral edição de Julho/2009 Analisando a cadeia de valor: estratégias para inovar em produtos e serviços POR Lia Krucken Quais são as melhores estratégias

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

Network and Economic Life

Network and Economic Life Network and Economic Life Powell and Smith Doerr, 1994 Antonio Gilberto Marchesini Doutorado DEP INTRODUÇÃO Antropólogos e sociólogos desde bem antes já buscavam compreender como os indivíduos são ligados

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais