Instituto de Pesquisas Tecnológicas 1 INTRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto de Pesquisas Tecnológicas 1 INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 1 INTRODUÇÃO O presente Relatório apresenta o resultado do trabalho proposto à Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos FINATEC: Coleta e organização de informação para monitoramento tecnológico de cadeias produtivas. Trabalho desenvolvido com objetivo de subsidiar as equipes participantes das cadeias produtivas de Madeira e Móveis (IPT/DPF - São Paulo) e de Têxteis e Confecções (SENAI/CETIQT - Rio de Janeiro), estabelecidas pelo Programa de Prospectiva Tecnológica, editado pelo MDIC/ONUDI, com informações que servirão de suporte para prospectar o ambiente tecnológico de cada cadeia. O enfoque, segundo o termo de referência do Programa, prende-se à questão da informação tecnológica voltada para as cadeias produtivas onde alguns elos tem problemas e limitações tecnológicas, gerenciais e informacionais onde procurou-se atender, o mais preciso possível, a demanda por informação tecnológica e estratégica dos elos das cadeias produtivas. 2 DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2.1 Etapas de atividades A definição, o levantamento e a formatação das informações para prospecção e monitoramento tecnológico das cadeias produtivas foram desenvolvidos cumprindo as seguintes etapas de atividades:

2 Definição do universo de informações Foram discutidos e definidos com os especialistas responsáveis pelas cadeias produtivas, o universo de informações formais e informais necessárias para prospectar o ambiente tecnológico; Desenvolvimento de uma malha de informações Foi realizado o planejamento e a montagem das estratégias de busca das informações e/ou fontes de informação pela equipe do CITEC; Definição das fontes de acesso à informação confiabilidade e relevância; Coleta, formatação e disponibilização da informação De uma forma geral, foram utilizadas fontes confiáveis de informações disponíveis na Internet. Em alguns casos, foram utilizados os bancos de dados comerciais: Dialog e Reuters. As informações coletadas foram formatadas e transferidas aos especialistas atuantes no estudo das cadeias produtivas na medida em que elas foram coletadas. A partir dessa configuração, foram definidos os tipos de informações necessários para o estudo das cadeias produtivas, classificados da seguinte forma: Aspecto tecnológico: Normas técnicas Patentes Artigos técnico-científicos Catálogo de produtos 2

3 Aspecto informativo e concorrencial: Notícias de jornais Relatório de empresas Aspecto legal: Legislação Regulamentação Aspecto mercadológico Acordos comerciais Indicadores sócio-econômicos Aspecto organizacional Institutos de pesquisa e desenvolvimento Ensino técnico / superior Organismos reguladores / fiscalizadores Organismos de certificação / qualidade Entidades de classe Órgãos de fomento Agências de promoção e comercialização Órgãos de defesa do consumidor 2.2 Informação para a Cadeia Produtiva de Madeira e Móveis A Cadeia Produtiva de Madeira e Móveis traçou como objetivo geral fornecer subsídios para o setor moveleiro brasileiro tornar-se a médio prazo entre os maiores e melhores provedores de móveis do mundo. Estabeleceu como objetivos específicos a produção para o mercado externo, de móveis de madeira, agregando valor com design e o emprego de outros materiais, 3

4 amparada em um projeto florestal compatível e com certificação ambiental, e para o mercado interno, a produção de móveis atendendo às exigências normativas e de certificação, imprimindo, assim, a sua valorização no mercado. Entendendo a cadeia produtiva de madeiras e móveis, foi esquematizada de forma simplificada para facilidade de representação e compreensão, como mostra o diagrama a seguir: AMBIENTE INSTITUCIONAL INSUMOS INDÚSTRIA DE MÓVEIS DISTRIBUI- ÇÃO CONSUMI- DOR AMBIENTE ORGANIZACIONAL No fluxograma, as setas largas indicam o fluxo de materiais e as setas finas, em sentido inverso, indicam o fluxo de capital. Fazem parte também da cadeia produtiva, o Ambiente Institucional, que representa o conjunto de políticas e regulamentações que afetam, direta ou indiretamente, em um ou mais elos da cadeia produtiva e o Ambiente Organizacional, que são as instituições e entidades que aplicam ou implementam as ações da cadeia produtiva. 4

5 Para atender aos objetivos traçados para o estudo da cadeia produtiva de Madeira e Móveis, a equipe do CITEC realizou levantamento de informações estratégicas que serviram de suporte para o estudo das cadeias produtivas : t. Todos os levantamentos realizados não se esgotam aqui, uma vez que a informação tem característica de alto grau de atualização. A partir das visitas realizadas pela equipe técnica a empresas representativas dos principais pólos moveleiros do país, com o objetivo de determinar a situação presente e as peculiaridades regionais, foram identificados fatores críticos que poderão afetar no desempenho da cadeia produtiva. Com base nesses resultados, foram realizados diversos levantamentos de informações Levantamento de títulos de periódicos, em nível mundial, nas áreas de madeira e móveis Foi identificado um grande número de títulos de periódicos, cuja fonte de busca foi o International Standard Serial Number ISSN, com registro de aproximadamente títulos em todas as áreas do conhecimento. No Anexo 1 estão relacionados os títulos em tecnologia da madeira e móveis, distribuídos por continente Levantamento de normas técnicas nacionais e estrangeiras em madeira e móveis No aspecto relacionado a sistemas de informação, verificou-se a baixa difusão e uso de normas técnicas na cadeia. Considerando as normas técnicas documentos necessários e importantes para melhorar a qualidade e a competitividade dos produtos, tanto no mercado interno quanto externo, foi realizado um levantamento em bases de dados, onde foram identificadas normas nacionais e estrangeiras, as quais estão relacionadas no Anexo 2. 5

6 2.2.3 Levantamento sobre MDF O MDF - "Medium Density Fiberboard" apontado hoje como um dos insumos mais utilizados no segmento de móveis retilíneos seriados, internamente sua oferta ainda é restrita e a preços altos. Para se conhecer o panorama internacional sobre essa matéria-prima, foi realizado um levantamento em revistas especializadas. No Anexo 3 são apresentados os resultados Levantamento de fontes de informação Uma cadeia produtiva é constituída por dois ambientes: Ambiente Institucional, representando o conjunto de políticas ou regulamentações que direta ou indiretamente afetam um ou mais elos da cadeia, e pelo Ambiente Organizacional, onde se inserem as organizações e entidades que aplicam ou implementam as ações que afetam os elos da cadeia produtiva. Informações de natureza diversa são provenientes desses ambientes, sendo uma rica fonte de informações que auxiliam no monitoramento da cadeia produtiva. Dessa forma, foi realizado um vasto levantamento fontes de informações que englobam todos os aspectos de informações apresentados neste relatório. No Anexo 4 estão relacionadas as diversas fontes de informação para a cadeia produtiva de madeira e móveis, num levantamento preliminar realizado Levantamento de patentes brasileiras sobre mobiliário escolar Para atender a uma fatia específica do setor moveleiro, o segmento de mobiliário escolar, foi realizada uma pesquisa de patentes no banco de dados do Instituto Nacional de Propriedade Industrial - INPI. Os dados foram tabulados com o objetivo de identificar as empresas que mais patentearam em âmbito nacional, os tipos de depósito: patente de invenção, modelo utilidade 6

7 ou desenho industrial e o período de maior concentração de pedidos de depósito. Os resultados são apresentados no Anexo Levantamento de dados estatísticos de exportação e importação no Brasil Foi realizado levantamento de dados de comércio exterior no Brasil como dados complementares e de atualização ao cenário estudado pela equipe, que foi entre o período de As buscas foram realizadas na base de dados Alice-web sistema de informações de comércio exterior da Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Utilizando-se do Sistema Harmonizado de Designação e de Codificação de Mercadorias disponível no sistema AliceWeb, realizou-se o levantamento do capítulo 94 - Móveis, mobiliário médico-cirúrgico; colchões, almofadas e semelhantes; aparelhos de iluminação não especificados nem compreendidos em outros Capítulos; anúncios, cartazes ou tabuletas e placas indicadoras luminosos, e artigos semelhantes; construções pré-fabricadas e do capítulo 44 - Madeira, carvão vegetal e obras de madeira. Os itens de interesse foram selecionados pela equipe técnica da DPF/IPT, os quais estão relacionados abaixo: Capítulo 94 - Móveis, mobiliário médico-cirúrgico; colchões, almofadas e semelhantes; aparelhos de iluminação não especificados nem compreendidos em outros Capítulos; anúncios, cartazes ou tabuletas e placas indicadoras luminosos, e artigos semelhantes; construções préfabricadas: 7

8 ASSENTOS (EXCETO OS DA POSIÇÃO 94.02), MESMO TRANSFORMÁVEIS EM CAMAS, E SUAS PARTES - Assentos giratórios, de altura ajustável De madeira - Assentos (exceto de jardim ou de acampar) transformáveis em camas De madeira Assentos estofados, c/ armação de madeira - Outros assentos, com armação de madeira De madeira - Partes De madeira OUTROS MÓVEIS E SUAS PARTES Móveis de madeira, do tipo utilizado em escritórios Móveis de madeira, do tipo utilizado em cozinhas Móveis de madeira, do tipo utilizado em quartos de dormir Outros móveis de madeira - Partes De madeira Capítulo 44 - Madeira, carvão vegetal e obras de madeira MADEIRA EM BRUTO, MESMO DESCASCADA, DESALBURNADA OU ESQUADRIADA Tratada com tinta, creosoto ou com outros agentes de conservação Outras, de coníferas Dark Red Meranti, Light Red Meranti e Meranti Bakau Outras De carvalho (Quercus spp.) De faia (Fagus spp.) Outras 8

9 ARCOS DE MADEIRA; ESTACAS FENDIDAS; ESTACAS AGUÇADAS, NÃO SERRADAS LONGITUDINALMENTE; MADEIRA SIMPLESMENTE ESBASTADA OU ARREDONDADA, NÃO TORNEADA, NÃO RECURVADA NEM TRABALHADA DE QUALQUER OUTRO MODO, PARA FABRICAÇÃO DE BENGALAS, GUARDACHUVAS, CABOS DE FERRAMENTAS E SEMELHANTES; MADEIRA EM FASQUIAS, LÂMINAS, FITAS E SEMELHANTES De coníferas De não coníferas MADEIRA SERRADA OU FENDIDA LONGITUDINALMENTE, CORTADA EM FOLHAS OU DESENROLADA, MESMO APLAINADA, POLIDA OU UNIDA PELAS EXTREMIDADES, DE ESPESSURA SUPERIOR A 6mm De coníferas Mahogany (Swietenia spp.) Imbuia Outras Dark Red Meranti, Light Red Meranti e Meranti Bakau White Lauan, White Meranti, White Seraya, Yellow Meranti e Alan De Cedro De Ipê De pau-marfim De louro Outras De carvalho (Quercus spp.) De faia (Fagus spp.) De canafístula (Pelthophorum vogelianum) De peroba (Paratecoma peroba) De guaiuvira (Patagonula americana) De cabreúva Parda (Myrocarpus spp.) 9

10 De urundei (Astronium balansae) De amendoim (Pterogyne nitens) De angico preto (Piptadenia macrocarpa) Outras FOLHAS PARA FOLHEADOS (INCLUÍDAS AS OBTIDAS POR CORTE DE MADEIRA ESTRATIFICADA), FOLHAS PARA COMPENSADOS (CONTRAPLACADOS) OU PARA OUTRAS MADEIRAS ESTRATIFICADAS SEMELHANTES E OUTRAS MADEIRAS, SERRADAS CONGITUDINALMENTE, CORTADAS EM FOLHAS OU DESENROLADAS, MESMO APLAINADAS, POLIDAS, UNIDAS PELAS BORDAS OU PELAS EXTREMIDADES, DE ESPESSURA NÃO SUPERIOR A 6MM (De coníferas) Obtidas por corte de madeira estratificada De pinho brasil (Araucaria angustifolia) Outras - De madeiras tropicais mencionadas na Nota 1 de Subposições do presente capítulo Obtidas por corte de madeira estratificada Outras Obtidas por corte de madeira estratificada De Cedro De Pau-marfim Outras - Outras Obtidas por corte de madeira estratificada Outras PAINÉIS DE PARTÍCULAS E PAINÉIS SEMELHANTES (POR EXEMPLO, PAINÉIS DENOMINADOS "ORIENTED STRAND BOARD" E PAINÉIS DENOMINADOS "WAFERBOARD"), DE MADEIRA OU DE OUTRAS MATÉRIAS LENHOSAS, MESMO AGLOMERADAS COM RESINAS OU COM OUTROS AGLUTINANTES ORGÂNICOS 10

11 Em bruto ou simplesmente polidos Outros Em bruto ou simplesmente polidos Recobertos na superfície com papel impregnado de melamina Recobertos na superfície com placas ou com folhas decorativas estratificadas de plástico Outros Outros PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA OU DE OUTRAS MATÉRIAS LENHOSAS, MESMO AGLOMERADOS COM RESINAS OU OUTROS AGLUTINANTES ORGÂNICOS - Painéis de fibras, com densidade superior a 0,8g/cm³ Não trabalhados mecanicamente nem recobertos à superfície Outros - Painéis de fibras, com densidade superior a 0,5g/cm³, mas não superior a 0,8g/cm³ Não trabalhados mecanicamente nem recobertos à superfície Outros - Painéis de fibras, com densidade superior a 0,35g/cm³, mas não superior a 0,5g/cm³ Não trabalhados mecanicamente nem recobertos à superfície Outros Não trabalhados mecanicamente nem recobertos à superfície Outros MADEIRA COMPENSADA, MADEIRA FOLHEADA, E MADEIRAS ESTRATIFICADAS SEMELHANTES Com pelo menos uma face de madeiras tropicais mencionadas na Nota 1 de Subposições do presente Capítulo Outras, com pelo menos uma face de madeira não conífera Outras Com pelo menos uma camada de madeiras tropicais mencionadas na Nota 1 de Subposições do presente Capítulo 11

12 Outras, contendo pelo menos um painel de partículas Outras Outras Outras, contendo pelo menos um painel de partículas Outras MADEIRA "DENSIFICADA", EM BLOCOS, PRANCHAS, LÂMINAS OU PERFIS MOLDURAS DE MADEIRA, P/ QUADROS, FOTOGRAFIAS, ESPELHOS OU OBJETOS SEMELHANTES No Anexo 6 são apresentados os resultados dessa pesquisa Documentos e relatórios auxiliares para estudo de cadeias produtivas Foram identificadas fontes que oferecem informações textuais confiáveis e atualizadas que serviram de parâmetro para preencher algumas lacunas encontradas ao longo do estudo diagnóstico da cadeia produtiva. São documentos e relatórios de governo e organismos representativos dos setores de interesse à cadeia produtiva de madeira e móveis. Esses documentos são apresentados na sua íntegra no Anexo Informação para Cadeia Produtiva de Têxteis e Confecções Em reunião preliminar com os especialistas do SENAI-CETIQT, foram discutidas e levantadas as necessidades por informação. A partir de análise preliminar realizada pela equipe do SENAI/CETIQT, a qual já havia definido pelo estudo prospectivo da Cadeia Produtiva de Vestuário de Malha, delineouse pelo levantamento de informações quanto a: caracterização da cadeia produtiva de têxteis e confecções em outros países, dados estatísticos de exportação/importação do Brasil e países de maior inserção no mercado mundial. 12

13 2.3.1 Levantamento de fontes de informação em têxteis e confecções A pesquisa foi realizada levando-se em conta a confiabilidade da fonte e a relevância do conteúdo. Dessa forma, tomou-se como critério indicar dados provenientes principalmente de fontes governamentais e organizacionais. São indicados em alguns casos, endereço web e, em outros, textos. No Anexo 8 são apresentados o resultado dessa pesquisa Dados estatísticos de exportação/importação de produtos têxteis no Brasil O levantamento de dados de comércio exterior são complementares ao cenário estudado pela equipe, que foi entre o período de Nesse contexto o IPT/CITEC fez a busca dessas informações na base de dados Alice-web sistema de informações de comércio exterior da Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Utilizando-se do Sistema Harmonizado de Designação e de Codificação de Mercadorias disponível no sistema AliceWeb, o IPT/CITEC realizou o levantamento do capítulo 60 - Tecidos de malha e do capítulo 61 - Vestuário e acessórios de malhas. Os itens de interesse foram selecionados pela equipe técnica do CETIQT, os quais são descritos abaixo: Capítulo 60: Tecidos de malha Tecidos de malha de largura não superior a 30 cm, contendo em peso, 5% ou mais de fios de elastômeros ou de fios de borracha, exceto os da posição

14 Tecidos de malha de largura não superior a 30 cm, exceto os das posições e Tecidos de malha de largura superior a 30 cm, contendo,em peso, 5% ou mais de fios de elastômeros ou de fios de borracha, exceto os da posição Tecidos de malha-urdidura (incluindo os obtidos em teares para galões) todas as subdivisões Outros tecidos de malha todas as subdivisões Capítulo 61 - Vestuário e seus acessórios, de malha Mantôs (casacos compridos), capas, anoraques, casacos (blusões) e semelhantes, de malha, de uso feminino Ternos (fatos), conjuntos, paletós (casacos), calças, jardineiras, bermudas e "shorts" (calções) (exceto de banho), de malha, de uso masculino

15 "Tailleurs" (fatos de saia-casaco), conjuntos, "blazers" (casacos), vestidos, saias, saia-calças, calças, jardineiras, bermudas e "shorts" (calções) (exceto de banho), de malha, de uso feminino Camisa de malha, de uso masculino Camisas (camiseiros), blusas, blusas "chemisier", de malha, de uso feminino Suéteres, pulôveres, cardigãs, coletes e artigos semelhantes de malha Outro vestuário de malha No Anexo 9 são apresentadas as tabelas resultantes da pesquisa. 15

16 3 CONCLUSÃO Os resultados apresentados nesse trabalho são dados complementares que permitirão aos atores das cadeias produtivas de Madeira e Móveis e de Têxteis e Confecções estruturar e orientar o estudo para a etapa prognóstica do programa. Sendo a informação tecnológica insumo estratégico para o desenvolvimento da cadeia produtiva e levando-se em conta a dinâmica e a extensão do ambiente no qual a cadeia produtiva está inserida, sugere-se, numa segunda etapa, a transferência do método adotado neste trabalho de forma que possibilite um monitoramento apropriado e eficaz dos ambientes pertinentes à cadeias produtivas, otimizar o tempo e esforço dos especialistas. São Paulo, 20 de maio de Paula Kaori Yamamura Ielo Pesquisadora - CITEC RE: Mario Yoshikazu Miyake Diretor Interino CITEC RE

Capítulo 44 Madeira, carvão vegetal e obras de madeira

Capítulo 44 Madeira, carvão vegetal e obras de madeira Capítulo 44 Madeira, carvão vegetal e obras de madeira Notas. 1.- O presente Capítulo não compreende: a) a madeira, em lascas, em aparas, triturada, moída ou pulverizada, das espécies utilizadas principalmente

Leia mais

IMPORTAÇÃO DE MADEIRA E PRODUTOS DA MADEIRA: CONDICIONALISMOS.

IMPORTAÇÃO DE MADEIRA E PRODUTOS DA MADEIRA: CONDICIONALISMOS. Classificação: 040.05.08 Segurança: Uso Interno Processo: ICNF(1) Direção de Serviços de Regulação Aduaneira Ofício Circulado N.º: 15 280/2014 2014-07-29 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF):

Leia mais

PROPOSTAS PARA POLÍTICA FISCAL QUE INCENTIVE A INDÚSTRIA DE MADEIRA NATIVA RASTREAVEL E CERTIFICADA

PROPOSTAS PARA POLÍTICA FISCAL QUE INCENTIVE A INDÚSTRIA DE MADEIRA NATIVA RASTREAVEL E CERTIFICADA PROPOSTAS PARA POLÍTICA FISCAL QUE INCENTIVE A INDÚSTRIA DE MADEIRA NATIVA RASTREAVEL E CERTIFICADA 1. Contexto Este documento visa contribuir com melhorias na política fiscal, indicando fragilidades e

Leia mais

Normalização. Nomenclatura de Mercadorias Brasileiras NCM

Normalização. Nomenclatura de Mercadorias Brasileiras NCM Nomenclatura de Mercadorias Brasileiras NCM Normalização Segundo a ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, normalização é: "processo de estabelecer e aplicar regras a fim de abordar ordenadamente

Leia mais

Conselho Abit e Sinditêxtil SP Premiére Vision São Paulo. São Paulo, 21 de janeiro de 2014

Conselho Abit e Sinditêxtil SP Premiére Vision São Paulo. São Paulo, 21 de janeiro de 2014 Conselho Abit e Sinditêxtil SP Premiére Vision São Paulo São Paulo, 21 de janeiro de 2014 ECONOMIA PRODUÇÃO, VAREJO E IMPORTAÇÕES NO BRASIL EVOLUÇÃO NA QUANTIDADE EM COMPARAÇÃO AO PERÍODO ANTERIOR 39,3

Leia mais

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A cada dia surgem no mercado novos materiais com o objetivo de tornar a produção mais competitiva, reduzindo as etapas de produção, o tempos de fabricação e os custos. Madeira maciça A madeira

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÕES Nº, DE 2011.

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÕES Nº, DE 2011. REQUERIMENTO DE INFORMAÇÕES Nº, DE 2011. (Do Sr. PEPE VARGAS) Solicita informações ao Sr. Ministro da Fazenda sobre a arrecadação dos impostos Federais do PIS e COFINS para o setor têxtil. Senhor Presidente:

Leia mais

BANGLADESH Comércio Exterior

BANGLADESH Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BANGLADESH Comércio Exterior Fevereiro de 2015 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Capítulo 68. Obras de pedra, gesso, cimento, amianto, mica ou de matérias semelhantes

Capítulo 68. Obras de pedra, gesso, cimento, amianto, mica ou de matérias semelhantes Capítulo 68 Obras de pedra, gesso, cimento, amianto, mica ou de matérias semelhantes Notas. 1.- O presente Capítulo não compreende: a) os produtos do Capítulo 25; b) o papel e cartão revestidos, impregnados

Leia mais

Colocamos a disposição para melhor orientação a tabela do IPI, onde você irá encontrar as Nomenclaturas referidas de acordo com o seu produto.

Colocamos a disposição para melhor orientação a tabela do IPI, onde você irá encontrar as Nomenclaturas referidas de acordo com o seu produto. Colocamos a disposição para melhor orientação a tabela do IPI, onde você irá encontrar as Nomenclaturas referidas de acordo com o seu produto. Observe que para as Indústrias de Confecções que trabalham

Leia mais

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

Capítulo 62 Vestuário e seus acessórios, exceto de malha

Capítulo 62 Vestuário e seus acessórios, exceto de malha Capítulo 62 Vestuário e seus acessórios, exceto de malha Notas. 1.- O presente Capítulo compreende apenas os artefatos confeccionados de qualquer matéria têxtil, com exclusão das pastas ("ouates") e dos

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

Plantas Industriais Pequenas para a Produção de Painéis Aglomerados (MDP) no Brasil

Plantas Industriais Pequenas para a Produção de Painéis Aglomerados (MDP) no Brasil Plantas Industriais Pequenas para a Produção de Painéis Aglomerados (MDP) no Brasil (42) 9926 4348 (42) 8821 5351 Caixa Posta 2339, CEP 84.045-981 1 Os Painéis Aglomerados (MDP)... 1 O que são os Painéis

Leia mais

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL PRINCIPAIS FONTES DE DADOS: CONCLA (Comissão nacional de classificação) Órgão administrado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão criado em

Leia mais

Parecer Técnico de Conformidade NR 17 e NBR 13966 MESA REUNIÃO REDONDA

Parecer Técnico de Conformidade NR 17 e NBR 13966 MESA REUNIÃO REDONDA Parecer Técnico de Conformidade NR 17 MESA REUNIÃO REDONDA Parecer Técnico de Conformidade NR 17 A SEFIT Serviços Especializados de Fisioterapia do Trabalho Ltda, inscrita no CNPJ n.º 04.207.225/0001-74,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARLOS BARBOSA SECRETARIA MUNICIPAL DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARLOS BARBOSA SECRETARIA MUNICIPAL DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: MÓVEIS PARA SECRETARIA DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS RUA ASSIS BRASIL, 11, CENTRO CARLOS BARBOSA GENERALIDADES O presente documento tem por objetivo: Instruir as condições que

Leia mais

Capítulo 70 Vidro e suas obras

Capítulo 70 Vidro e suas obras Notas. Capítulo 70 Vidro e suas obras 1.- O presente Capítulo não compreende: a) os artigos da posição 32.07 (por exemplo: composições vitrificáveis, fritas de vidro e outros vidros em pó, grânulos, lamelas

Leia mais

PAINEIS DE MADEIRAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

PAINEIS DE MADEIRAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho PAINEIS DE MADEIRAS RECONSTITUÍDAS Madeira Reconstituída Madeira reconstituída são aquelas que utilizam partículas, fibras ou lâminas de madeira natural como principal matéria prima, aglutinadas por uma

Leia mais

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Histórico O Grupo Floresteca foi fundada em 1994 tendo como objetivo o desenvolvimento de plantações de teca no Brasil de maneira sustentável

Leia mais

Cadeia: Madeira e Móveis

Cadeia: Madeira e Móveis Universidade Estadual de Campinas Instituto de Economia Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia (UNICAMP-IE-NEIT) Ministério do Desenvolvimento, da Indústria e do Comércio Exterior (MDIC) Ministério

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE MÓVEIS Importação 3,3% Residenciais 67,7% Mercado interno 96,4% Escritório 16,6% INDÚSTRIA

Leia mais

MDF, MDP, OSB... A MADEIRA POR TRÁS DAS SIGLAS INFORMATIVO TÉCNICO 3 - JULHO DE 2008

MDF, MDP, OSB... A MADEIRA POR TRÁS DAS SIGLAS INFORMATIVO TÉCNICO 3 - JULHO DE 2008 Por quê transformar a madeira? Fábrica de painéis de MDP Enquanto trabalhada sob a forma de peças serradas, a madeira maciça apresenta excelentes propriedades mas também alta heterogeneidade e anisotropia

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA Nº 06, DE 28 DE MARÇO DE 2014.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA Nº 06, DE 28 DE MARÇO DE 2014. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA Nº 06, DE 28 DE MARÇO DE 2014. A Secretária do Desenvolvimento da Produção do Ministério

Leia mais

Apresentação MDF E MDP. Definições, comparativos e informações relativas ao material MDF e MDP.

Apresentação MDF E MDP. Definições, comparativos e informações relativas ao material MDF e MDP. Apresentação MDF E MDP Definições, comparativos e informações relativas ao material MDF e MDP. MDF (Medium Density Fiberboard) Fibra de Média Densidade Painel de fibras de madeira encoladas com resina

Leia mais

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução Introdução Existem diversos materiais utilizados pela marcenaria na composição do móvel ou ambiente. Por exemplo os vidros, chapas metálicas, tecidos e etc. O mercado fornecedor da cadeia moveleira lança

Leia mais

Domus Profissional: programa para criação de móveis e ambientes sob medida. Apresenta uma foto realista dos móveis inseridos no ambiente.

Domus Profissional: programa para criação de móveis e ambientes sob medida. Apresenta uma foto realista dos móveis inseridos no ambiente. Os programas Domus são divididos em 4 aplicativos para atender às diferentes necessidades das pequenas e médias fábricas de móveis, ou de profissionais que se dedicam somente ao desenvolvimento de projetos

Leia mais

Capítulo 70. Vidro e suas obras

Capítulo 70. Vidro e suas obras Capítulo 70 Vidro e suas obras Notas. 1.- O presente Capítulo não compreende: a) os artigos da posição 32.07 (por exemplo: composições vitrificáveis, fritas de vidro e outros vidros em pó, grânulos, lamelas

Leia mais

3-3 Compensado [Artigos para o lar]

3-3 Compensado [Artigos para o lar] 3-3 Compensado [Artigos para o lar] 1. Definição da Categoria Compensado (e tábua em partículas) bem como chapas de madeira compensada e chapas de compensados utilizadas para fazer compensado. Números

Leia mais

ANEXO 5 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST.

ANEXO 5 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST. ANEXO 5 AO COMUNICADO: SÃO PAULO E SANTA CATARINA ALTERAÇÃO DE ACORDO DE ST. Abrangência: operações interestaduais originadas do Estado de São Paulo e destinadas ao Estado de Santa Catarina. Produto: materiais

Leia mais

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES.

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES. CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA São planos horizontais que suportam cargas VARIÁVEIS e PERMANENTES. 1 CARGAS NBR 6120 PERMANENTES (g) Peso próprio da estrutura Peso dos elementos

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada para eventual fornecimento, montagem e instalação de mobiliário, para a Procuradoria Regional do Trabalho da 2a Região

Leia mais

Portaria CAT 72, de 19-07-2013

Portaria CAT 72, de 19-07-2013 Portaria CAT 72, de 19-07-2013 Estabelece a base de cálculo na saída das mercadorias que especifica, com destino a revendedores que atuam no segmento de vendas a consumidor final pelo sistema porta-aporta.

Leia mais

RESULTADO Nº QTDADE UNIDADE DESCRIÇÃO NEGOC VENCEDOR 1 10 UNIDADE 148,00 DORNE & DORNE LTDA - EPP 94,00 DORNE & DORNE LTDA - EPP 2 10 UNIDADE

RESULTADO Nº QTDADE UNIDADE DESCRIÇÃO NEGOC VENCEDOR 1 10 UNIDADE 148,00 DORNE & DORNE LTDA - EPP 94,00 DORNE & DORNE LTDA - EPP 2 10 UNIDADE 1 10 UNIDADE CADEIRA modelo secretária executiva, giratória, com braços tipo corsa fechado, em poliuretano injetado; assento e encosto moldados anatomicamente em compensado com espessura mínima de 12 mm,

Leia mais

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO -

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Material elaborado pelo departamento técnico da OfficeBrasil Desenvolvimento de Projetos e Produtos Última atualização: Março de 2013 Belo Horizonte, MG Linha Ohra

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA 1 PRELIMINARES 1.1 Instalações do canteiro de obra vb 1,00 5.000,00 5.000,00 90,09 1.2 Placa de obra 2,00m x 3,00m, conforme orietações da administração vb 1,00 550,00 550,00 9,91 SUB TOTAL PRELIMINARES

Leia mais

Catálogo Argos Prudentina Móveis Hospitalares

Catálogo Argos Prudentina Móveis Hospitalares Catálogo Argos Prudentina Móveis Hospitalares Há mais de 40 anos no mercado a Auto Capas produz Prudentina capotas Ltda., marítimas e atualmente em parceria com a Argos passou a produzir móveis hospitalares.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009. ANEXO 02. Padrões de desempenho e de acabamento de elementos de ocupação predial

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009. ANEXO 02. Padrões de desempenho e de acabamento de elementos de ocupação predial INSTRUÇÃO NORMATIVA N 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009. ANEXO 02 Padrões de desempenho e de acabamento de elementos de ocupação predial 1. ARMÁRIO ALTO Armário com duas portas, revestido com laminado melamínico

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 10. Madeira

Materiais de Construção Civil. Aula 10. Madeira Materiais de Construção Civil Aula 10 Madeira Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Situação atual no Brasil: Complicantes: Poucos cursos de graduação ministram estruturas de madeira; Falta de conhecimento

Leia mais

TABELA DE MVA AJUSTADA - MATERIAL DE CONSTRUÇÃO - RESOLUÇÃO n 08/2012 ORIGEM. Página 1 de 11

TABELA DE MVA AJUSTADA - MATERIAL DE CONSTRUÇÃO - RESOLUÇÃO n 08/2012 ORIGEM. Página 1 de 11 TABELA DE - MATERIAL DE CONSTRUÇÃO - RESOLUÇÃO n 08/2012 ORIGEM Item NCM/SH Descrição das mercadorias (%) 7% 12% 1. 3816.00.1 Argamassas 37 3824.50.00 2..16 Revestimentos de PVC e outros plásticos; forro,

Leia mais

CATÁLOGO DE PORTAS. www.dalcomad.com.br

CATÁLOGO DE PORTAS. www.dalcomad.com.br www.dalcomad.com.br CATÁLOGO DE PORTAS DALGALLO COMÉRCIO DE MADEIRAS LTDA. Rua Ângelo Albino Bertoletti, 480 I Pq. Industrial Pref. Hilário Clivatti Fone +55 (042) 3553 1350 I CEP 84640 000 I Bituruna

Leia mais

Madeira na construção

Madeira na construção Madeira na construção Madeira como material de construção O emprego da madeira na construção civil remonta desde os primórdios da civilização. Esta apresenta-se como material excepcional e como matéria-prima

Leia mais

ÁREAS DE PARTICIPAÇÃO

ÁREAS DE PARTICIPAÇÃO ÁREAS DE PARTICIPAÇÃO 26-29 JUNHO Domingo a Quarta ANHEMBI SP ÁREAS DE PARTICIPAÇÃO FRANCAL 2016 Escolha a sua! A FRANCAL criou diversas opções de participação para atender necessidades específicas de

Leia mais

Produção Industrial Setembro de 2014

Produção Industrial Setembro de 2014 Produção Industrial Setembro de 2014 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - SETEMBRO/14 Conforme esperado, o segundo semestre está sendo melhor do que o primeiro. Estamos no terceiro mês consecutivo de

Leia mais

PROTOCOLO ICMS 85, DE 30 DE SETEMBRO DE 2011

PROTOCOLO ICMS 85, DE 30 DE SETEMBRO DE 2011 PROTOCOLO ICMS 85, DE 30 DE SETEMBRO DE 2011 Publicado no DOU de 13.10.11, pelo Despacho 186/11. Ver, quanto à aplicação no Estado de SE, o Despacho 230/11. Ver, quanto à aplicação no Estado de GO, o Despacho

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00002/2014 (SRP)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00002/2014 (SRP) Pregão Eletrônico 158658.22014.97270.4211.910305653.491 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino-Americana Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00002/2014 (SRP) Às 09:01 horas

Leia mais

Produção Industrial Março de 2015

Produção Industrial Março de 2015 Produção Industrial Março de 201 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - MARÇO/1 Em março, a indústria de Santa Catarina produziu 4,0% menos na comparação com o mesmo mês do ano anterior, sexto resultado

Leia mais

Lift Advanced. Simetria e movimento suave para seus móveis aéreos.

Lift Advanced. Simetria e movimento suave para seus móveis aéreos. Lift Advanced Lift Advanced Os projetos de armários aéreos devem contar com acessórios que irão potencializar sua conveniência, acesso e ergonomia. Para esta necessidade, a Bigfer Acessórios apresenta

Leia mais

CARROS DE APOIO À INDUSTRIA

CARROS DE APOIO À INDUSTRIA Carros de Mão Carros Ligeiros com Carros para Cargas Médias/Elevadas Carros Armário com e sem Prateleiras Carros com Banca de Trabalho Carros de Apoio à Industria Carros de Reboque Carros para Escritóio

Leia mais

São Paulo, 10 de outubro de 2011 Departamento Jurídico

São Paulo, 10 de outubro de 2011 Departamento Jurídico São Paulo, 10 de outubro de 2011 Departamento Jurídico Informação. REF.: Protocolo ICMS nº 82, de 30 de setembro de 2011, que dispõe sobre a substituição tributária nas operações com materiais de construção,

Leia mais

ANÁLISE DA SUBSTITUIÇÃO DA MADEIRA NATIVA PELO MEDIUM DENSITY FIBERBOARD - MDF NA INDÚSTRIA MOVELEIRA

ANÁLISE DA SUBSTITUIÇÃO DA MADEIRA NATIVA PELO MEDIUM DENSITY FIBERBOARD - MDF NA INDÚSTRIA MOVELEIRA ISSN 1984-9354 ANÁLISE DA SUBSTITUIÇÃO DA MADEIRA NATIVA PELO MEDIUM DENSITY FIBERBOARD - MDF NA INDÚSTRIA MOVELEIRA GERALDO VINICIUS RAMOS (UNIPAC) Resumo ResumoEsse artigo faz a análise da substituição

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Portaria 029/2015 EMENTA: Normatiza a padronização do mobiliário existente do CRF-ES e dá outras providências. O Presidente do CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - CRF/ES, no uso

Leia mais

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras.

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras. 1 CÓDIGO SUPRI: 71.654.002.001.0029-1 PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009 1. DESTINAÇÃO Para guarda de materiais de escritório em geral. 2. REQUISITOS GERAIS (VER DESENHOS

Leia mais

Divisórias APRESENTAÇÃO

Divisórias APRESENTAÇÃO DIVDESIGN As divisórias Div Design oferecem classe e beleza preservando o bem estar e o conforto térmico e acústico. Especialista em soluções inteligentes para divisão de espaços corporativos. APRESENTAÇÃO

Leia mais

MDF RINO. não é tudo igual. PROCURE O

MDF RINO. não é tudo igual. PROCURE O MDF não é tudo igual. PROCURE O RINO. Quer MDF assegurado, fabricado com a mais avançada tecnologia mundial, produzido pela empresa que é sinônimo de qualidade? PROCURE O RINO. Tecnologia, qualidade e

Leia mais

FORMULÁRIO-PROPOSTA. Nome da empresa (razão social):... Endereço:... Cidade:... UF:... CEP:... CNPJ/MF n.:... Telefone/fax:... Nome:...

FORMULÁRIO-PROPOSTA. Nome da empresa (razão social):... Endereço:... Cidade:... UF:... CEP:... CNPJ/MF n.:... Telefone/fax:... Nome:... FORMULÁRIO-PROPOSTA Nome da empresa (razão social):... Endereço:... Cidade:... UF:... CEP:... CNPJ/MF n.:... Telefone/fax:... Responsável pela assinatura do contrato: Nome:... Cargo/função:...Telefone/fax:...

Leia mais

PROTOCOLO ICMS 112, DE 29 DE JULHO DE 2010.

PROTOCOLO ICMS 112, DE 29 DE JULHO DE 2010. Publicado no DOU de 10.08.10 PROTOCOLO ICMS 112, DE 29 DE JULHO DE 2010. Altera o Protocolo ICMS 32/09, que dispõe sobre a substituição tributária nas operações com materiais de construção, acabamento,

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia Secretaria de Comércio Exterior SECEX - MDIC Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de Produção Estatística CGPE RADAR COMERCIAL A Croácia foi a sexagésima

Leia mais

Capítulo 59. Tecidos impregnados, revestidos, recobertos ou estratificados; artigos para usos técnicos de matérias têxteis

Capítulo 59. Tecidos impregnados, revestidos, recobertos ou estratificados; artigos para usos técnicos de matérias têxteis Capítulo 59 Tecidos impregnados, revestidos, recobertos ou estratificados; artigos para usos técnicos de matérias têxteis Notas. 1. Ressalvadas as disposições em contrário, a designação tecidos, quando

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO 1. OBJETIVO 1.1. Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração dos

Leia mais

Comércio Externo de Bens (10 9 USD) 8,0 15,0 2009a 2010a 2011a 2012a 2013a 2014b 6,0 10,0

Comércio Externo de Bens (10 9 USD) 8,0 15,0 2009a 2010a 2011a 2012a 2013a 2014b 6,0 10,0 Informação Geral sobre a Palestina População (milhões hab.): 4,5 (estimativa 2014) Unidade monetária: Shequel de Israel (ILS) e Língua oficial: Árabe Dinar Jordano (JOD) Chefe de Estado: Mahmoud Abbas

Leia mais

AVISO DE SELEÇÃO SIMPLIFICADA 2 /2010

AVISO DE SELEÇÃO SIMPLIFICADA 2 /2010 O Fórum Nacional das Atividades de Base Florestal divulga processo seletivo simplificado para contratação de 06 consultores pelo prazo de vigência do objeto, com permissibilidade de renovação dos contratos

Leia mais

Anexo 10 Especificações Mínimas de Mobiliário

Anexo 10 Especificações Mínimas de Mobiliário Anexo 10 Especificações Mínimas de Mobiliário i CONTEXTUALIZAÇÃO... 1 AGRUPAMENTO... 1 1.1 ARQUIVAMENTO... 1 1.2 ASSENTOS... 5 1.3 ESPECIAL... 12 1.4 ACESSÓRIOS... 17 1.5 MARCENARIA... 18 1.6 POSTOS DE

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Portugal. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Portugal. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

BRASIL 16.783.231 13.806.365 21,56 SANTA CATARINA 585.066 578.707 1,10 Fonte: MDIC

BRASIL 16.783.231 13.806.365 21,56 SANTA CATARINA 585.066 578.707 1,10 Fonte: MDIC BALANÇA COMERCIAL DE SC BALANÇA COMERCIAL EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES CATARINENSES 1 EXPORTAÇÕES CATARINENSES - DEZEMBRO/2015 As exportações catarinenses cresceram 1,10 no mês de dezembro de 2015 em relação

Leia mais

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08 PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 1. OBJETIVO: O objetivo deste documento é definir técnicas e procedimentos para intervenções e reparos sobre pisos de concreto moldado in loco, em conformidade

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23%

Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Índice de Preços ao Produtor Fonte IBGE Base: Setembro de 2011 Por Ricardo Bergamini Índice de Preços ao Produtor (IPP) de setembro fica em 1,23% Em setembro de 2011, o Índice de Preços ao Produtor (IPP)

Leia mais

MERCOSUL X CHILE ACE 35 APÊNDICE Nº 3 (CORRESPONDENTE AO ARTIGO 5º)

MERCOSUL X CHILE ACE 35 APÊNDICE Nº 3 (CORRESPONDENTE AO ARTIGO 5º) MERCOSUL X CHILE ACE 35 APÊNDICE Nº 3 (CORRESPONDENTE AO ARTIGO 5º) 1 - ELABORADO DIRETA OU INDIRETAMENTE A PARTIR DE LEITE FRESCO PRODUZIDO EM SUA TOTALIDADE NO TERRITÓRIO DOS PAÍSES SIGNATÁRIOS. LEITE

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

PROJETO MADEIRA E MÓVEIS

PROJETO MADEIRA E MÓVEIS DIRETORIA EXECUTIVA DO SEBRAE/DF PROJETO MADEIRA E MÓVEIS Brasília DF SEBRAE 2010 PLANEJAMENTO José Carlos Moreira De Luca DIRETOR SUPERINTENDENTE Maria Eulália Franco DIRETORA Rodrigo de Oliveira Sá DIRETOR

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

Nº 2 2002 PAINÉIS DE MADEIRA RECONSTITUÍDA. Área de Setores Produtivos 1

Nº 2 2002 PAINÉIS DE MADEIRA RECONSTITUÍDA. Área de Setores Produtivos 1 Nº 2 2002 PAINÉIS DE MADEIRA RECONSTITUÍDA Área de Setores Produtivos 1 PAINÉIS DE MADEIRA RECONSTITUÍDA ÁREA DE SETORES PRODUTIVOS 1 SP1 DIRETOR José Mauro Mettrau Carneiro da Cunha SUPERINTENDENTE Jorge

Leia mais

PERFIL DOS CLIENTES DA MARCENARIA SANTA CRUZ

PERFIL DOS CLIENTES DA MARCENARIA SANTA CRUZ FACULDADE PRUDENTE DE MORAES PERFIL DOS CLIENTES DA MARCENARIA SANTA CRUZ MAURICIO CESAR BOCHINI Itu 2009 Faculdade Prudente de Moraes MBA Executivo PERFIL DOS CLIENTES DA MARCENARIA SANTA CRUZ MAURICIO

Leia mais

MDP e MDF Conceito dos produtos e seus principais USOS & APLICAÇÕES

MDP e MDF Conceito dos produtos e seus principais USOS & APLICAÇÕES MDP e MDF Conceito dos produtos e seus principais USOS & APLICAÇÕES Características MDF MDP O que é Painel de média densidade Painel de média densidade produzido a partir de fibras produzido a partir de

Leia mais

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DE ROTATÓRIAS, CANTEIROS E FAIXAS ELEVADAS EM DIVERSAS VIAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO Local 1: BORGUETTI; Local 2: Local 3: - RUA DO COMÉRCIO, ENTRE AV. INÁCIO CASTELLI E RUA

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Gesso Convenciona O gesso é um material versátil: ele auxilia nas tarefas de embutir a iluminação, esconder ferragens e disfarçar vigas, além de criar efeitos fantásticos, especialmente

Leia mais

Rodada de negócios com empresários alemães do setor têxtil

Rodada de negócios com empresários alemães do setor têxtil 01 Fabricante de correias transportadoras e de a- cionamento. O programa de produtos abrange mais de 400 tipos diferentes de correias de acionamento e de transporte. Estes produtos são utilizados em muitas

Leia mais

Materiais de Construção e Congêneres terão novos IVA-ST a partir de 01/08/2012

Materiais de Construção e Congêneres terão novos IVA-ST a partir de 01/08/2012 CIRCULAR Nº 27/2012 São Paulo, 30 de Julho de 2012. Materiais de Construção e Congêneres terão novos IVA-ST a partir de 01/08/2012 Prezado Cliente, Por meio da Portaria CAT nº 92/2012, publicada na última

Leia mais

Embarque num contacto íntimo com a Natureza sem abdicar do conforto a que tem direito. Fazendo uso da mais desenvolvida técnica de construção

Embarque num contacto íntimo com a Natureza sem abdicar do conforto a que tem direito. Fazendo uso da mais desenvolvida técnica de construção Embarque num contacto íntimo com a Natureza sem abdicar do conforto a que tem direito. Fazendo uso da mais desenvolvida técnica de construção sustentável, a Jular concebeu esta nova colecção de casas modulares

Leia mais

maters Eficiency New Perspectives

maters Eficiency New Perspectives maters Eficiency New Perspectives visão e missão resto do mundo visão Ser reconhecido como um líder mundial sustentável no sector dos painéis derivados de madeira, proporcionando de forma consistente,

Leia mais

ANEXO AO COMUNICADO: ACORDO DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

ANEXO AO COMUNICADO: ACORDO DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO ANEXO AO COMUNICADO: ACORDO DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Abrangência: operações interestaduais originadas do estado de São Paulo e destinadas ao estado do Amapá e ao Distrito Federal.

Leia mais

ArcelorMittal Brasil S.A- % Carga Tributária aproximada dos produtos por NCM

ArcelorMittal Brasil S.A- % Carga Tributária aproximada dos produtos por NCM ArcelorMittal Brasil S.A- % Carga Tributária aproximada dos produtos por NCM NCM Descrição NCM % Carga Tributária Produto 0602 Outras plantas vivas (incluindo as suas raízes), estacas e enxertos; micélios

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS Jun/15 Análise de Competitividade Embalagens Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da

Leia mais

MAGIC - O PROGRAMA EXCLUSIVO FITA DE BORDA QUE INOVA O SEU IMÓVEL. www.rehau.com.br. Construção Automotiva Indústria

MAGIC - O PROGRAMA EXCLUSIVO FITA DE BORDA QUE INOVA O SEU IMÓVEL. www.rehau.com.br. Construção Automotiva Indústria MAGIC - O PROGRAMA EXCLUSIVO FITA DE BORDA QUE INOVA O SEU IMÓVEL www.rehau.com.br Construção Automotiva Indústria Índice A aplicação................................................................ Pág.

Leia mais

ODEBRECHT. Projeto Básico do Canteiro. Projeto Básico do Canteiro RESP. TÉC. APROV. CERTIFICAÇÃO DCNS CREA ELAB. VISTO:

ODEBRECHT. Projeto Básico do Canteiro. Projeto Básico do Canteiro RESP. TÉC. APROV. CERTIFICAÇÃO DCNS CREA ELAB. VISTO: N o Revisões Responsável Data Visto MARINHA DO BRASIL ESTALEIRO E BASE NAVAL (CONTRATO 4/28-6/) ODEBRECHT PROJETO GERENCIAMENTO Projeto Básico do Canteiro Projeto Básico do Canteiro NÚMERO DO DOCUMENTO:

Leia mais

Sistemas de Suporte Horizontal para Espaços Comerciais

Sistemas de Suporte Horizontal para Espaços Comerciais Avenida dos Combatentes, 78 Abrunheira 2710-033 Sintra PORTUGAL T : + (351) 214 253 180 T : + (351) 214 171 796 F : + (351) 214 182 517 www.grupotodo.com comercial@grupotodo.com móvel design laser construções

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO. ICMS/SP - Redução da base de cálculo - Produtos têxteis e confecções - Roteiro de

BOLETIM INFORMATIVO. ICMS/SP - Redução da base de cálculo - Produtos têxteis e confecções - Roteiro de BOLETIM INFORMATIVO ICMS/SP - Redução da base de cálculo - Produtos têxteis e confecções - Roteiro de Procedimentos A legislação paulista atribui tratamento fiscal diferenciado às operações com alguns

Leia mais

ANEXO A.1 Especificações dos Bens de Mobiliário. Lote 1 - Mobiliário de Escritório. # Artigo Características do Artigo Cadeiras

ANEXO A.1 Especificações dos Bens de Mobiliário. Lote 1 - Mobiliário de Escritório. # Artigo Características do Artigo Cadeiras # Artigo Características do Artigo Cadeiras 1.1 Cadeira giratória sem braços 1.2 Cadeira giratória com braços - Cadeira giratória sem braços. - Mecanismo com estrutura e componentes em aço e de contacto

Leia mais

VAREJO INTENSIFICA LIQUIDAÇÕES PARA MINIMIZAR PERDAS EM 2015

VAREJO INTENSIFICA LIQUIDAÇÕES PARA MINIMIZAR PERDAS EM 2015 VAREJO INTENSIFICA LIQUIDAÇÕES PARA MINIMIZAR PERDAS EM 2015 Atravessando seu pior ano em mais de uma década e necessitando reduzir estoques para vendas de final de ano, varejo reduz os preços de 41,6%

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS EDITAL Nº 05/2009/BRA/06/032 CÓDIGO DEFESA AGROPECUÁRIA O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para assessorar

Leia mais

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE ATO DE CONCENTRAÇÃO nº 08012.002930/2005-93 Requerentes: Arauco Brasil Ltda. e Louis Dreyfus S.A.S Advogados: Lauro Celidonio Neto,

Leia mais

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 Comércio Varejista 2000 Comércio a Varejo e por Atacado de VeículosAutomotores 50 Manutenção e Reparação de VeículosAutomotores

Leia mais

MANUAL DE APLICAÇÃO DA MARCA FAPERJ

MANUAL DE APLICAÇÃO DA MARCA FAPERJ MANUAL DE APLICAÇÃO DA MARCA FAPERJ ÍNDICE A marca FAPERJ 01 Malha de construção geométrica 02 Cor institucional 03 Cores monocromáticas 04 Versão preto e branco/negativo 05 Fonte tipográfica padrão 06

Leia mais

Vantagens Comparativas Reveladas do Comércio Internacional Português por Grupos de Produtos

Vantagens Comparativas Reveladas do Comércio Internacional Português por Grupos de Produtos Vantagens Comparativas Reveladas do Comércio Internacional Português por Grupos de Produtos 1. Introdução Pretende-se com esta análise, apresentar de forma sucinta, o Índice das Vantagens Comparativas

Leia mais

Fundação Universidade Estadual de Maringá

Fundação Universidade Estadual de Maringá Fundação Universidade Estadual de Maringá PAD/DIRETORIA DE MATERIAL E PATRIMÔNIO AVISO DE LICITAÇÃO EDITAL N 041/2008 PREGÃO PRESENCIAL PROC.: N 0654/2008 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS ESPECIALIZADAS

Leia mais