Instituto de Pesquisas Tecnológicas 1 INTRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto de Pesquisas Tecnológicas 1 INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 1 INTRODUÇÃO O presente Relatório apresenta o resultado do trabalho proposto à Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos FINATEC: Coleta e organização de informação para monitoramento tecnológico de cadeias produtivas. Trabalho desenvolvido com objetivo de subsidiar as equipes participantes das cadeias produtivas de Madeira e Móveis (IPT/DPF - São Paulo) e de Têxteis e Confecções (SENAI/CETIQT - Rio de Janeiro), estabelecidas pelo Programa de Prospectiva Tecnológica, editado pelo MDIC/ONUDI, com informações que servirão de suporte para prospectar o ambiente tecnológico de cada cadeia. O enfoque, segundo o termo de referência do Programa, prende-se à questão da informação tecnológica voltada para as cadeias produtivas onde alguns elos tem problemas e limitações tecnológicas, gerenciais e informacionais onde procurou-se atender, o mais preciso possível, a demanda por informação tecnológica e estratégica dos elos das cadeias produtivas. 2 DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO 2.1 Etapas de atividades A definição, o levantamento e a formatação das informações para prospecção e monitoramento tecnológico das cadeias produtivas foram desenvolvidos cumprindo as seguintes etapas de atividades:

2 Definição do universo de informações Foram discutidos e definidos com os especialistas responsáveis pelas cadeias produtivas, o universo de informações formais e informais necessárias para prospectar o ambiente tecnológico; Desenvolvimento de uma malha de informações Foi realizado o planejamento e a montagem das estratégias de busca das informações e/ou fontes de informação pela equipe do CITEC; Definição das fontes de acesso à informação confiabilidade e relevância; Coleta, formatação e disponibilização da informação De uma forma geral, foram utilizadas fontes confiáveis de informações disponíveis na Internet. Em alguns casos, foram utilizados os bancos de dados comerciais: Dialog e Reuters. As informações coletadas foram formatadas e transferidas aos especialistas atuantes no estudo das cadeias produtivas na medida em que elas foram coletadas. A partir dessa configuração, foram definidos os tipos de informações necessários para o estudo das cadeias produtivas, classificados da seguinte forma: Aspecto tecnológico: Normas técnicas Patentes Artigos técnico-científicos Catálogo de produtos 2

3 Aspecto informativo e concorrencial: Notícias de jornais Relatório de empresas Aspecto legal: Legislação Regulamentação Aspecto mercadológico Acordos comerciais Indicadores sócio-econômicos Aspecto organizacional Institutos de pesquisa e desenvolvimento Ensino técnico / superior Organismos reguladores / fiscalizadores Organismos de certificação / qualidade Entidades de classe Órgãos de fomento Agências de promoção e comercialização Órgãos de defesa do consumidor 2.2 Informação para a Cadeia Produtiva de Madeira e Móveis A Cadeia Produtiva de Madeira e Móveis traçou como objetivo geral fornecer subsídios para o setor moveleiro brasileiro tornar-se a médio prazo entre os maiores e melhores provedores de móveis do mundo. Estabeleceu como objetivos específicos a produção para o mercado externo, de móveis de madeira, agregando valor com design e o emprego de outros materiais, 3

4 amparada em um projeto florestal compatível e com certificação ambiental, e para o mercado interno, a produção de móveis atendendo às exigências normativas e de certificação, imprimindo, assim, a sua valorização no mercado. Entendendo a cadeia produtiva de madeiras e móveis, foi esquematizada de forma simplificada para facilidade de representação e compreensão, como mostra o diagrama a seguir: AMBIENTE INSTITUCIONAL INSUMOS INDÚSTRIA DE MÓVEIS DISTRIBUI- ÇÃO CONSUMI- DOR AMBIENTE ORGANIZACIONAL No fluxograma, as setas largas indicam o fluxo de materiais e as setas finas, em sentido inverso, indicam o fluxo de capital. Fazem parte também da cadeia produtiva, o Ambiente Institucional, que representa o conjunto de políticas e regulamentações que afetam, direta ou indiretamente, em um ou mais elos da cadeia produtiva e o Ambiente Organizacional, que são as instituições e entidades que aplicam ou implementam as ações da cadeia produtiva. 4

5 Para atender aos objetivos traçados para o estudo da cadeia produtiva de Madeira e Móveis, a equipe do CITEC realizou levantamento de informações estratégicas que serviram de suporte para o estudo das cadeias produtivas : t. Todos os levantamentos realizados não se esgotam aqui, uma vez que a informação tem característica de alto grau de atualização. A partir das visitas realizadas pela equipe técnica a empresas representativas dos principais pólos moveleiros do país, com o objetivo de determinar a situação presente e as peculiaridades regionais, foram identificados fatores críticos que poderão afetar no desempenho da cadeia produtiva. Com base nesses resultados, foram realizados diversos levantamentos de informações Levantamento de títulos de periódicos, em nível mundial, nas áreas de madeira e móveis Foi identificado um grande número de títulos de periódicos, cuja fonte de busca foi o International Standard Serial Number ISSN, com registro de aproximadamente títulos em todas as áreas do conhecimento. No Anexo 1 estão relacionados os títulos em tecnologia da madeira e móveis, distribuídos por continente Levantamento de normas técnicas nacionais e estrangeiras em madeira e móveis No aspecto relacionado a sistemas de informação, verificou-se a baixa difusão e uso de normas técnicas na cadeia. Considerando as normas técnicas documentos necessários e importantes para melhorar a qualidade e a competitividade dos produtos, tanto no mercado interno quanto externo, foi realizado um levantamento em bases de dados, onde foram identificadas normas nacionais e estrangeiras, as quais estão relacionadas no Anexo 2. 5

6 2.2.3 Levantamento sobre MDF O MDF - "Medium Density Fiberboard" apontado hoje como um dos insumos mais utilizados no segmento de móveis retilíneos seriados, internamente sua oferta ainda é restrita e a preços altos. Para se conhecer o panorama internacional sobre essa matéria-prima, foi realizado um levantamento em revistas especializadas. No Anexo 3 são apresentados os resultados Levantamento de fontes de informação Uma cadeia produtiva é constituída por dois ambientes: Ambiente Institucional, representando o conjunto de políticas ou regulamentações que direta ou indiretamente afetam um ou mais elos da cadeia, e pelo Ambiente Organizacional, onde se inserem as organizações e entidades que aplicam ou implementam as ações que afetam os elos da cadeia produtiva. Informações de natureza diversa são provenientes desses ambientes, sendo uma rica fonte de informações que auxiliam no monitoramento da cadeia produtiva. Dessa forma, foi realizado um vasto levantamento fontes de informações que englobam todos os aspectos de informações apresentados neste relatório. No Anexo 4 estão relacionadas as diversas fontes de informação para a cadeia produtiva de madeira e móveis, num levantamento preliminar realizado Levantamento de patentes brasileiras sobre mobiliário escolar Para atender a uma fatia específica do setor moveleiro, o segmento de mobiliário escolar, foi realizada uma pesquisa de patentes no banco de dados do Instituto Nacional de Propriedade Industrial - INPI. Os dados foram tabulados com o objetivo de identificar as empresas que mais patentearam em âmbito nacional, os tipos de depósito: patente de invenção, modelo utilidade 6

7 ou desenho industrial e o período de maior concentração de pedidos de depósito. Os resultados são apresentados no Anexo Levantamento de dados estatísticos de exportação e importação no Brasil Foi realizado levantamento de dados de comércio exterior no Brasil como dados complementares e de atualização ao cenário estudado pela equipe, que foi entre o período de As buscas foram realizadas na base de dados Alice-web sistema de informações de comércio exterior da Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Utilizando-se do Sistema Harmonizado de Designação e de Codificação de Mercadorias disponível no sistema AliceWeb, realizou-se o levantamento do capítulo 94 - Móveis, mobiliário médico-cirúrgico; colchões, almofadas e semelhantes; aparelhos de iluminação não especificados nem compreendidos em outros Capítulos; anúncios, cartazes ou tabuletas e placas indicadoras luminosos, e artigos semelhantes; construções pré-fabricadas e do capítulo 44 - Madeira, carvão vegetal e obras de madeira. Os itens de interesse foram selecionados pela equipe técnica da DPF/IPT, os quais estão relacionados abaixo: Capítulo 94 - Móveis, mobiliário médico-cirúrgico; colchões, almofadas e semelhantes; aparelhos de iluminação não especificados nem compreendidos em outros Capítulos; anúncios, cartazes ou tabuletas e placas indicadoras luminosos, e artigos semelhantes; construções préfabricadas: 7

8 ASSENTOS (EXCETO OS DA POSIÇÃO 94.02), MESMO TRANSFORMÁVEIS EM CAMAS, E SUAS PARTES - Assentos giratórios, de altura ajustável De madeira - Assentos (exceto de jardim ou de acampar) transformáveis em camas De madeira Assentos estofados, c/ armação de madeira - Outros assentos, com armação de madeira De madeira - Partes De madeira OUTROS MÓVEIS E SUAS PARTES Móveis de madeira, do tipo utilizado em escritórios Móveis de madeira, do tipo utilizado em cozinhas Móveis de madeira, do tipo utilizado em quartos de dormir Outros móveis de madeira - Partes De madeira Capítulo 44 - Madeira, carvão vegetal e obras de madeira MADEIRA EM BRUTO, MESMO DESCASCADA, DESALBURNADA OU ESQUADRIADA Tratada com tinta, creosoto ou com outros agentes de conservação Outras, de coníferas Dark Red Meranti, Light Red Meranti e Meranti Bakau Outras De carvalho (Quercus spp.) De faia (Fagus spp.) Outras 8

9 ARCOS DE MADEIRA; ESTACAS FENDIDAS; ESTACAS AGUÇADAS, NÃO SERRADAS LONGITUDINALMENTE; MADEIRA SIMPLESMENTE ESBASTADA OU ARREDONDADA, NÃO TORNEADA, NÃO RECURVADA NEM TRABALHADA DE QUALQUER OUTRO MODO, PARA FABRICAÇÃO DE BENGALAS, GUARDACHUVAS, CABOS DE FERRAMENTAS E SEMELHANTES; MADEIRA EM FASQUIAS, LÂMINAS, FITAS E SEMELHANTES De coníferas De não coníferas MADEIRA SERRADA OU FENDIDA LONGITUDINALMENTE, CORTADA EM FOLHAS OU DESENROLADA, MESMO APLAINADA, POLIDA OU UNIDA PELAS EXTREMIDADES, DE ESPESSURA SUPERIOR A 6mm De coníferas Mahogany (Swietenia spp.) Imbuia Outras Dark Red Meranti, Light Red Meranti e Meranti Bakau White Lauan, White Meranti, White Seraya, Yellow Meranti e Alan De Cedro De Ipê De pau-marfim De louro Outras De carvalho (Quercus spp.) De faia (Fagus spp.) De canafístula (Pelthophorum vogelianum) De peroba (Paratecoma peroba) De guaiuvira (Patagonula americana) De cabreúva Parda (Myrocarpus spp.) 9

10 De urundei (Astronium balansae) De amendoim (Pterogyne nitens) De angico preto (Piptadenia macrocarpa) Outras FOLHAS PARA FOLHEADOS (INCLUÍDAS AS OBTIDAS POR CORTE DE MADEIRA ESTRATIFICADA), FOLHAS PARA COMPENSADOS (CONTRAPLACADOS) OU PARA OUTRAS MADEIRAS ESTRATIFICADAS SEMELHANTES E OUTRAS MADEIRAS, SERRADAS CONGITUDINALMENTE, CORTADAS EM FOLHAS OU DESENROLADAS, MESMO APLAINADAS, POLIDAS, UNIDAS PELAS BORDAS OU PELAS EXTREMIDADES, DE ESPESSURA NÃO SUPERIOR A 6MM (De coníferas) Obtidas por corte de madeira estratificada De pinho brasil (Araucaria angustifolia) Outras - De madeiras tropicais mencionadas na Nota 1 de Subposições do presente capítulo Obtidas por corte de madeira estratificada Outras Obtidas por corte de madeira estratificada De Cedro De Pau-marfim Outras - Outras Obtidas por corte de madeira estratificada Outras PAINÉIS DE PARTÍCULAS E PAINÉIS SEMELHANTES (POR EXEMPLO, PAINÉIS DENOMINADOS "ORIENTED STRAND BOARD" E PAINÉIS DENOMINADOS "WAFERBOARD"), DE MADEIRA OU DE OUTRAS MATÉRIAS LENHOSAS, MESMO AGLOMERADAS COM RESINAS OU COM OUTROS AGLUTINANTES ORGÂNICOS 10

11 Em bruto ou simplesmente polidos Outros Em bruto ou simplesmente polidos Recobertos na superfície com papel impregnado de melamina Recobertos na superfície com placas ou com folhas decorativas estratificadas de plástico Outros Outros PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA OU DE OUTRAS MATÉRIAS LENHOSAS, MESMO AGLOMERADOS COM RESINAS OU OUTROS AGLUTINANTES ORGÂNICOS - Painéis de fibras, com densidade superior a 0,8g/cm³ Não trabalhados mecanicamente nem recobertos à superfície Outros - Painéis de fibras, com densidade superior a 0,5g/cm³, mas não superior a 0,8g/cm³ Não trabalhados mecanicamente nem recobertos à superfície Outros - Painéis de fibras, com densidade superior a 0,35g/cm³, mas não superior a 0,5g/cm³ Não trabalhados mecanicamente nem recobertos à superfície Outros Não trabalhados mecanicamente nem recobertos à superfície Outros MADEIRA COMPENSADA, MADEIRA FOLHEADA, E MADEIRAS ESTRATIFICADAS SEMELHANTES Com pelo menos uma face de madeiras tropicais mencionadas na Nota 1 de Subposições do presente Capítulo Outras, com pelo menos uma face de madeira não conífera Outras Com pelo menos uma camada de madeiras tropicais mencionadas na Nota 1 de Subposições do presente Capítulo 11

12 Outras, contendo pelo menos um painel de partículas Outras Outras Outras, contendo pelo menos um painel de partículas Outras MADEIRA "DENSIFICADA", EM BLOCOS, PRANCHAS, LÂMINAS OU PERFIS MOLDURAS DE MADEIRA, P/ QUADROS, FOTOGRAFIAS, ESPELHOS OU OBJETOS SEMELHANTES No Anexo 6 são apresentados os resultados dessa pesquisa Documentos e relatórios auxiliares para estudo de cadeias produtivas Foram identificadas fontes que oferecem informações textuais confiáveis e atualizadas que serviram de parâmetro para preencher algumas lacunas encontradas ao longo do estudo diagnóstico da cadeia produtiva. São documentos e relatórios de governo e organismos representativos dos setores de interesse à cadeia produtiva de madeira e móveis. Esses documentos são apresentados na sua íntegra no Anexo Informação para Cadeia Produtiva de Têxteis e Confecções Em reunião preliminar com os especialistas do SENAI-CETIQT, foram discutidas e levantadas as necessidades por informação. A partir de análise preliminar realizada pela equipe do SENAI/CETIQT, a qual já havia definido pelo estudo prospectivo da Cadeia Produtiva de Vestuário de Malha, delineouse pelo levantamento de informações quanto a: caracterização da cadeia produtiva de têxteis e confecções em outros países, dados estatísticos de exportação/importação do Brasil e países de maior inserção no mercado mundial. 12

13 2.3.1 Levantamento de fontes de informação em têxteis e confecções A pesquisa foi realizada levando-se em conta a confiabilidade da fonte e a relevância do conteúdo. Dessa forma, tomou-se como critério indicar dados provenientes principalmente de fontes governamentais e organizacionais. São indicados em alguns casos, endereço web e, em outros, textos. No Anexo 8 são apresentados o resultado dessa pesquisa Dados estatísticos de exportação/importação de produtos têxteis no Brasil O levantamento de dados de comércio exterior são complementares ao cenário estudado pela equipe, que foi entre o período de Nesse contexto o IPT/CITEC fez a busca dessas informações na base de dados Alice-web sistema de informações de comércio exterior da Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Utilizando-se do Sistema Harmonizado de Designação e de Codificação de Mercadorias disponível no sistema AliceWeb, o IPT/CITEC realizou o levantamento do capítulo 60 - Tecidos de malha e do capítulo 61 - Vestuário e acessórios de malhas. Os itens de interesse foram selecionados pela equipe técnica do CETIQT, os quais são descritos abaixo: Capítulo 60: Tecidos de malha Tecidos de malha de largura não superior a 30 cm, contendo em peso, 5% ou mais de fios de elastômeros ou de fios de borracha, exceto os da posição

14 Tecidos de malha de largura não superior a 30 cm, exceto os das posições e Tecidos de malha de largura superior a 30 cm, contendo,em peso, 5% ou mais de fios de elastômeros ou de fios de borracha, exceto os da posição Tecidos de malha-urdidura (incluindo os obtidos em teares para galões) todas as subdivisões Outros tecidos de malha todas as subdivisões Capítulo 61 - Vestuário e seus acessórios, de malha Mantôs (casacos compridos), capas, anoraques, casacos (blusões) e semelhantes, de malha, de uso feminino Ternos (fatos), conjuntos, paletós (casacos), calças, jardineiras, bermudas e "shorts" (calções) (exceto de banho), de malha, de uso masculino

15 "Tailleurs" (fatos de saia-casaco), conjuntos, "blazers" (casacos), vestidos, saias, saia-calças, calças, jardineiras, bermudas e "shorts" (calções) (exceto de banho), de malha, de uso feminino Camisa de malha, de uso masculino Camisas (camiseiros), blusas, blusas "chemisier", de malha, de uso feminino Suéteres, pulôveres, cardigãs, coletes e artigos semelhantes de malha Outro vestuário de malha No Anexo 9 são apresentadas as tabelas resultantes da pesquisa. 15

16 3 CONCLUSÃO Os resultados apresentados nesse trabalho são dados complementares que permitirão aos atores das cadeias produtivas de Madeira e Móveis e de Têxteis e Confecções estruturar e orientar o estudo para a etapa prognóstica do programa. Sendo a informação tecnológica insumo estratégico para o desenvolvimento da cadeia produtiva e levando-se em conta a dinâmica e a extensão do ambiente no qual a cadeia produtiva está inserida, sugere-se, numa segunda etapa, a transferência do método adotado neste trabalho de forma que possibilite um monitoramento apropriado e eficaz dos ambientes pertinentes à cadeias produtivas, otimizar o tempo e esforço dos especialistas. São Paulo, 20 de maio de Paula Kaori Yamamura Ielo Pesquisadora - CITEC RE: Mario Yoshikazu Miyake Diretor Interino CITEC RE

Capítulo 44 Madeira, carvão vegetal e obras de madeira

Capítulo 44 Madeira, carvão vegetal e obras de madeira Capítulo 44 Madeira, carvão vegetal e obras de madeira Notas. 1.- O presente Capítulo não compreende: a) a madeira, em lascas, em aparas, triturada, moída ou pulverizada, das espécies utilizadas principalmente

Leia mais

PROPOSTAS PARA POLÍTICA FISCAL QUE INCENTIVE A INDÚSTRIA DE MADEIRA NATIVA RASTREAVEL E CERTIFICADA

PROPOSTAS PARA POLÍTICA FISCAL QUE INCENTIVE A INDÚSTRIA DE MADEIRA NATIVA RASTREAVEL E CERTIFICADA PROPOSTAS PARA POLÍTICA FISCAL QUE INCENTIVE A INDÚSTRIA DE MADEIRA NATIVA RASTREAVEL E CERTIFICADA 1. Contexto Este documento visa contribuir com melhorias na política fiscal, indicando fragilidades e

Leia mais

IMPORTAÇÃO DE MADEIRA E PRODUTOS DA MADEIRA: CONDICIONALISMOS.

IMPORTAÇÃO DE MADEIRA E PRODUTOS DA MADEIRA: CONDICIONALISMOS. Classificação: 040.05.08 Segurança: Uso Interno Processo: ICNF(1) Direção de Serviços de Regulação Aduaneira Ofício Circulado N.º: 15 280/2014 2014-07-29 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF):

Leia mais

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A cada dia surgem no mercado novos materiais com o objetivo de tornar a produção mais competitiva, reduzindo as etapas de produção, o tempos de fabricação e os custos. Madeira maciça A madeira

Leia mais

Conselho Abit e Sinditêxtil SP Premiére Vision São Paulo. São Paulo, 21 de janeiro de 2014

Conselho Abit e Sinditêxtil SP Premiére Vision São Paulo. São Paulo, 21 de janeiro de 2014 Conselho Abit e Sinditêxtil SP Premiére Vision São Paulo São Paulo, 21 de janeiro de 2014 ECONOMIA PRODUÇÃO, VAREJO E IMPORTAÇÕES NO BRASIL EVOLUÇÃO NA QUANTIDADE EM COMPARAÇÃO AO PERÍODO ANTERIOR 39,3

Leia mais

BANGLADESH Comércio Exterior

BANGLADESH Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BANGLADESH Comércio Exterior Fevereiro de 2015 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL PRINCIPAIS FONTES DE DADOS: CONCLA (Comissão nacional de classificação) Órgão administrado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão criado em

Leia mais

Colocamos a disposição para melhor orientação a tabela do IPI, onde você irá encontrar as Nomenclaturas referidas de acordo com o seu produto.

Colocamos a disposição para melhor orientação a tabela do IPI, onde você irá encontrar as Nomenclaturas referidas de acordo com o seu produto. Colocamos a disposição para melhor orientação a tabela do IPI, onde você irá encontrar as Nomenclaturas referidas de acordo com o seu produto. Observe que para as Indústrias de Confecções que trabalham

Leia mais

Capítulo 68. Obras de pedra, gesso, cimento, amianto, mica ou de matérias semelhantes

Capítulo 68. Obras de pedra, gesso, cimento, amianto, mica ou de matérias semelhantes Capítulo 68 Obras de pedra, gesso, cimento, amianto, mica ou de matérias semelhantes Notas. 1.- O presente Capítulo não compreende: a) os produtos do Capítulo 25; b) o papel e cartão revestidos, impregnados

Leia mais

Capítulo 62 Vestuário e seus acessórios, exceto de malha

Capítulo 62 Vestuário e seus acessórios, exceto de malha Capítulo 62 Vestuário e seus acessórios, exceto de malha Notas. 1.- O presente Capítulo compreende apenas os artefatos confeccionados de qualquer matéria têxtil, com exclusão das pastas ("ouates") e dos

Leia mais

Parecer Técnico de Conformidade NR 17 e NBR 13966 MESA REUNIÃO REDONDA

Parecer Técnico de Conformidade NR 17 e NBR 13966 MESA REUNIÃO REDONDA Parecer Técnico de Conformidade NR 17 MESA REUNIÃO REDONDA Parecer Técnico de Conformidade NR 17 A SEFIT Serviços Especializados de Fisioterapia do Trabalho Ltda, inscrita no CNPJ n.º 04.207.225/0001-74,

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

Normalização. Nomenclatura de Mercadorias Brasileiras NCM

Normalização. Nomenclatura de Mercadorias Brasileiras NCM Nomenclatura de Mercadorias Brasileiras NCM Normalização Segundo a ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, normalização é: "processo de estabelecer e aplicar regras a fim de abordar ordenadamente

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÕES Nº, DE 2011.

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÕES Nº, DE 2011. REQUERIMENTO DE INFORMAÇÕES Nº, DE 2011. (Do Sr. PEPE VARGAS) Solicita informações ao Sr. Ministro da Fazenda sobre a arrecadação dos impostos Federais do PIS e COFINS para o setor têxtil. Senhor Presidente:

Leia mais

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando)

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando) INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO I. Objetivos e Metas 1. Liste os 5 principais objetivos de inovação para o horizonte de cinco anos, identificando: Objetivo 1 Objetivo 2 Objetivo 3 Objetivo

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras.

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras. 1 CÓDIGO SUPRI: 71.654.002.001.0029-1 PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009 1. DESTINAÇÃO Para guarda de materiais de escritório em geral. 2. REQUISITOS GERAIS (VER DESENHOS

Leia mais

órgão nacional interveniente no comércio internacional

órgão nacional interveniente no comércio internacional MDIC órgão nacional interveniente no comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC DO COMÉRCIO EXTERIOR. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br

Leia mais

PERSIANAS. XXL (á medida) MULTIUSO-BANHO METÁLICA MULTICANTOS BÁSICA. Para móveis de cozinha, banho, sala de estar, escritório e decoração em geral

PERSIANAS. XXL (á medida) MULTIUSO-BANHO METÁLICA MULTICANTOS BÁSICA. Para móveis de cozinha, banho, sala de estar, escritório e decoração em geral PERSIANAS Para móveis de cozinha, banho, sala de estar, escritório e decoração em geral XXL (á medida) MULTIUSO-BANHO METÁLICA MULTICANTOS BÁSICA KIT PERSIANA Design, Elegância e Modernidade são as características

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia Secretaria de Comércio Exterior SECEX - MDIC Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de Produção Estatística CGPE RADAR COMERCIAL A Croácia foi a sexagésima

Leia mais

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Novos padrões para a medição eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Ditec Cgint - Incubadora Samuel Valle - Eng.º

Leia mais

MDF RINO. não é tudo igual. PROCURE O

MDF RINO. não é tudo igual. PROCURE O MDF não é tudo igual. PROCURE O RINO. Quer MDF assegurado, fabricado com a mais avançada tecnologia mundial, produzido pela empresa que é sinônimo de qualidade? PROCURE O RINO. Tecnologia, qualidade e

Leia mais

PAINEIS DE MADEIRAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

PAINEIS DE MADEIRAS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho PAINEIS DE MADEIRAS RECONSTITUÍDAS Madeira Reconstituída Madeira reconstituída são aquelas que utilizam partículas, fibras ou lâminas de madeira natural como principal matéria prima, aglutinadas por uma

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL CURSO: GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental tem por objetivo formar profissionais capazes de propor, planejar, gerenciar e executar ações

Leia mais

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Histórico O Grupo Floresteca foi fundada em 1994 tendo como objetivo o desenvolvimento de plantações de teca no Brasil de maneira sustentável

Leia mais

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA ,r Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Proposta de atualização da tabela de remuneração de pessoa física para o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Divisão de Planejamento e Projetos

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Plantas Industriais Pequenas para a Produção de Painéis Aglomerados (MDP) no Brasil

Plantas Industriais Pequenas para a Produção de Painéis Aglomerados (MDP) no Brasil Plantas Industriais Pequenas para a Produção de Painéis Aglomerados (MDP) no Brasil (42) 9926 4348 (42) 8821 5351 Caixa Posta 2339, CEP 84.045-981 1 Os Painéis Aglomerados (MDP)... 1 O que são os Painéis

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

SENAI - ALIMENTOS E BEBIDAS - BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO - RDC 216 ME EPP 80,00 CURSO

SENAI - ALIMENTOS E BEBIDAS - BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO - RDC 216 ME EPP 80,00 CURSO FORMATO EVENTO SINOPSE PÚBLICO CARGA- HORÁRIA PREÇO SENAI - ALIMENTOS E BEBIDAS - BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO - RDC 216 80,00 SENAI - AUTOMOTIVO - MECÂNICO DE TRANSMISSÃO AUTOMÁTICA 120

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Catálogo Argos Prudentina Móveis Hospitalares

Catálogo Argos Prudentina Móveis Hospitalares Catálogo Argos Prudentina Móveis Hospitalares Há mais de 40 anos no mercado a Auto Capas produz Prudentina capotas Ltda., marítimas e atualmente em parceria com a Argos passou a produzir móveis hospitalares.

Leia mais

Profissionais formados em Cursos Superiores de Tecnologia ligados à área de Administração podem obter seu registro profissional no CRA/RJ

Profissionais formados em Cursos Superiores de Tecnologia ligados à área de Administração podem obter seu registro profissional no CRA/RJ 19/11/2009 Profissionais formados em Cursos Superiores de Tecnologia ligados à área de Administração podem obter seu registro profissional no CRA/RJ (fonte: CFA) Nos últimos anos cresceu significativamente

Leia mais

REGISTRO PROFISSIONAL

REGISTRO PROFISSIONAL REGISTRO PROFISSIONAL 19/11/2009 Profissionais formados em Cursos Superiores de Tecnologia ligados à área de Administração podem obter seu registro profissional no CRA/RJ (fonte: CFA) Nos últimos anos

Leia mais

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA OBJETO:

Leia mais

EIXO EXERCÍCIO PROFISSIONAL

EIXO EXERCÍCIO PROFISSIONAL SEMINÁRIO CONFEA / CAU APRESENTADAS NOS GTs, ALINHADAS COM AS SOLUÇÕES BUSCADAS PELO SEMINÁRIO Brasília, 24 e 25 de julho de 2014 Eixo 1: Exercício Profissional Eixo 2: Fiscalização Eixo 3: Formação Profissional

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada para eventual fornecimento, montagem e instalação de mobiliário, para a Procuradoria Regional do Trabalho da 2a Região

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Produtos de decoração

Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Produtos de decoração Prêmio Planeta Casa 2012 Regulamento categoria Produtos de decoração O Prêmio Planeta Casa 2012 busca valorizar empresas, organizações da sociedade civil e profissionais das áreas de arquitetura, design,

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Portugal. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Portugal. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário. O que é e para quem é o Comércio Justo e Solidário?

Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário. O que é e para quem é o Comércio Justo e Solidário? Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário Este é um documento que objetiva apresentar a proposta do Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário, sua importância, benefícios

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC Institui o Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos criando o Quadro

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE UM PEDIDO DE PATENTE

INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE UM PEDIDO DE PATENTE INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE UM PEDIDO DE PATENTE O presente trabalho constitui-se numa síntese da Legislação em vigor, destinando-se ao auxílio dos usuários no preparo de um pedido de patente.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

Apresentação MDF E MDP. Definições, comparativos e informações relativas ao material MDF e MDP.

Apresentação MDF E MDP. Definições, comparativos e informações relativas ao material MDF e MDP. Apresentação MDF E MDP Definições, comparativos e informações relativas ao material MDF e MDP. MDF (Medium Density Fiberboard) Fibra de Média Densidade Painel de fibras de madeira encoladas com resina

Leia mais

CARROS DE APOIO À INDUSTRIA

CARROS DE APOIO À INDUSTRIA Carros de Mão Carros Ligeiros com Carros para Cargas Médias/Elevadas Carros Armário com e sem Prateleiras Carros com Banca de Trabalho Carros de Apoio à Industria Carros de Reboque Carros para Escritóio

Leia mais

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO o Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO O intuito deste estudo é analisar os critérios de avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos

Leia mais

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda Guia para iniciar a certificação EDITORIAL Os desafios do desenvolvimento sustentável ampliam a importância das iniciativas da

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Inclusão social e preservação ambiental por meio da reciclagem de resíduos têxteis RETALHO FASHION

Inclusão social e preservação ambiental por meio da reciclagem de resíduos têxteis RETALHO FASHION Inclusão social e preservação ambiental por meio da reciclagem de resíduos têxteis RETALHO FASHION Apoio: Inclusão social e preservação ambiental por meio da reciclagem de resíduos têxteis Plano de gerenciamento

Leia mais

Domus Profissional: programa para criação de móveis e ambientes sob medida. Apresenta uma foto realista dos móveis inseridos no ambiente.

Domus Profissional: programa para criação de móveis e ambientes sob medida. Apresenta uma foto realista dos móveis inseridos no ambiente. Os programas Domus são divididos em 4 aplicativos para atender às diferentes necessidades das pequenas e médias fábricas de móveis, ou de profissionais que se dedicam somente ao desenvolvimento de projetos

Leia mais

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO -

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Material elaborado pelo departamento técnico da OfficeBrasil Desenvolvimento de Projetos e Produtos Última atualização: Março de 2013 Belo Horizonte, MG Linha Ohra

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

Currículo da Docente. Gestão em Marketing. Aula 1. Profa. Me. Karin Sell Schneider. Contextualização. Instrumentalização.

Currículo da Docente. Gestão em Marketing. Aula 1. Profa. Me. Karin Sell Schneider. Contextualização. Instrumentalização. Gestão em Marketing Aula 1 Currículo da Docente Administradora Especialista em Marketing Mestre em Administração Profa. Me. Karin Sell Schneider Experiência Executiva Experiência Docente Contextualização

Leia mais

MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO 05/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 18 de maio de 2015. Aprovado, Tiago Sousa Pereira 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624-05 - Artista (artes visuais) Aquarelista, Artesão (artista visual), Artista plástico, Caricaturista,

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR www.rehau.com.br Construção Automotiva Indústria DESIGN PARA MÓVEIS DA REHAU: SOLUÇÕES INOVADORAS DE SISTEMAS NO MESMO LOCAL A REHAU se estabeleceu como a principal

Leia mais

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES.

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES. CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA São planos horizontais que suportam cargas VARIÁVEIS e PERMANENTES. 1 CARGAS NBR 6120 PERMANENTES (g) Peso próprio da estrutura Peso dos elementos

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09)

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09) Publicada no D.O.U. nº 217, de 13/11/09 Seção 1 Página 183 e 184 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09) Aprova o registro profissional

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARLOS BARBOSA SECRETARIA MUNICIPAL DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARLOS BARBOSA SECRETARIA MUNICIPAL DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: MÓVEIS PARA SECRETARIA DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS RUA ASSIS BRASIL, 11, CENTRO CARLOS BARBOSA GENERALIDADES O presente documento tem por objetivo: Instruir as condições que

Leia mais

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Secretaria de Fiscalização de Pessoal Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Fabiano Nijelschi Guercio Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Brasília-DF, 25 de fevereiro de 2013

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 040/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ARRANJO INSTITUCIONAL O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

ANEXO A.1 Especificações dos Bens de Mobiliário. Lote 1 - Mobiliário de Escritório. # Artigo Características do Artigo Cadeiras

ANEXO A.1 Especificações dos Bens de Mobiliário. Lote 1 - Mobiliário de Escritório. # Artigo Características do Artigo Cadeiras # Artigo Características do Artigo Cadeiras 1.1 Cadeira giratória sem braços 1.2 Cadeira giratória com braços - Cadeira giratória sem braços. - Mecanismo com estrutura e componentes em aço e de contacto

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000

ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 ESTABELECIMENTOS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA POR SUBSETOR DO COMÉRCIO VAREJISTA - 2000 Comércio Varejista 2000 Comércio a Varejo e por Atacado de VeículosAutomotores 50 Manutenção e Reparação de VeículosAutomotores

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS Jun/15 Análise de Competitividade Embalagens Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da

Leia mais

China X Nordeste: Uma Qualificação das Transações Comerciais Bilaterais Recentes

China X Nordeste: Uma Qualificação das Transações Comerciais Bilaterais Recentes China X Nordeste: Uma Qualificação das Transações Comerciais Bilaterais Recentes Maria Cristina Pereira de Melo Doutora epós-doutora em Economiapela Universidade de Paris XIII Professora do Departamento

Leia mais

Transferência de conhecimento, instituições e tradução: experiências recentes no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia - Inmetro

Transferência de conhecimento, instituições e tradução: experiências recentes no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia - Inmetro Transferência de conhecimento, instituições e tradução: experiências recentes no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia - Inmetro André Tortato Rauen, Dr. Pesquisador Tecnologista Objetivo:

Leia mais

Lift Advanced. Simetria e movimento suave para seus móveis aéreos.

Lift Advanced. Simetria e movimento suave para seus móveis aéreos. Lift Advanced Lift Advanced Os projetos de armários aéreos devem contar com acessórios que irão potencializar sua conveniência, acesso e ergonomia. Para esta necessidade, a Bigfer Acessórios apresenta

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

SISTEMA LISROLL. www.lismarca.pt CATÁLOGO TÉCNICO

SISTEMA LISROLL. www.lismarca.pt CATÁLOGO TÉCNICO SISTEMA LISROLL www.lismarca.pt CATÁLOGO TÉCNICO 2 MAIS DO QUE UM ESTORE AJUSTÁVEL, UMA PERSIANA AJUSTÁVEL... Índice Características Especificações técnicas Ficha técnica Motores Certificados pág. 4 pág.

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

PISOS ELEVADOS. Pisos Elevados

PISOS ELEVADOS. Pisos Elevados 1 Sistema de Piso Elevado DataFloor Durabilidade e flexibilidade Branco Mesclado O sistema de piso elevado DataFloor foi desenvolvido para proporcionar máxima flexibilidade no uso do espaço em ambientes

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional Programa 0757 Gestão da Política de Integração Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas da área de integração nacional. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONSULTORIA COORDENADOR/A DE CAPACITAÇÃO 1. Antecedentes Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional O Projeto Cooperação Humanitária Internacional tem por objetivo o desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Rodada de negócios com empresários alemães do setor têxtil

Rodada de negócios com empresários alemães do setor têxtil 01 Fabricante de correias transportadoras e de a- cionamento. O programa de produtos abrange mais de 400 tipos diferentes de correias de acionamento e de transporte. Estes produtos são utilizados em muitas

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

Capítulo 59. Tecidos impregnados, revestidos, recobertos ou estratificados; artigos para usos técnicos de matérias têxteis

Capítulo 59. Tecidos impregnados, revestidos, recobertos ou estratificados; artigos para usos técnicos de matérias têxteis Capítulo 59 Tecidos impregnados, revestidos, recobertos ou estratificados; artigos para usos técnicos de matérias têxteis Notas. 1. Ressalvadas as disposições em contrário, a designação tecidos, quando

Leia mais

HORUS. www.moveisbelo.com.br. Av. Maracanã, 407 Vila Industrial Arapongas PR CEP 86706 000 Tel.: 43 3303 2573 Fax.: 43 3303 2590

HORUS. www.moveisbelo.com.br. Av. Maracanã, 407 Vila Industrial Arapongas PR CEP 86706 000 Tel.: 43 3303 2573 Fax.: 43 3303 2590 Outubro/2010 Av. Maracanã, 407 Vila Industrial Arapongas PR CEP 86706 000 Tel.: 43 3303 2573 Fax.: 43 3303 2590 belo@moveisbelo.com.br vendas@moveisbelo.com.br www.moveisbelo.com.br LINHA bybeloescritórios

Leia mais

Produção Industrial Setembro de 2014

Produção Industrial Setembro de 2014 Produção Industrial Setembro de 2014 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - SETEMBRO/14 Conforme esperado, o segundo semestre está sendo melhor do que o primeiro. Estamos no terceiro mês consecutivo de

Leia mais

Alkym Militar. Sistema Integral de Logística e Gestão de Manutenção de Aeronaves. Mais missões. Custos mais baixos. 1 Alkym Militar by Volartec

Alkym Militar. Sistema Integral de Logística e Gestão de Manutenção de Aeronaves. Mais missões. Custos mais baixos. 1 Alkym Militar by Volartec Alkym Militar Sistema Integral de Logística e Gestão de Manutenção de Aeronaves Mais missões. Custos mais baixos 1 Alkym Militar by Volartec Apresentação Geral VOLARTEC VOLARTEC e uma empresa de tecnologia

Leia mais