Empresas. Caixa EXPORTAÇÕES. Nova oferta da Caixa põe os negócios a mexer

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empresas. Caixa EXPORTAÇÕES. Nova oferta da Caixa põe os negócios a mexer"

Transcrição

1 Caixa Empresas Esta revista faz parte integrante do Diário Económico n.º 5456 de 29 de Junho de EXPORTAÇÕES Nova oferta da Caixa põe os negócios a mexer Hoberman Collection/Corbis/VMI

2

3 Índice Pág. 4 e 5 ENQUADRAMENTO CAIXA: O PASSAPORTE PARA OS NEGÓCIOS Pág. 6 e 7 ENTREVISTA NUNO FERNANDES THOMAZ, ADMINISTRADOR DA CGD Pág. 8 e 9 ENTREVISTA JOSÉ CABRAL DOS SANTOS, ADMINISTRADOR DA CGD Pág. 10 e 11 PRODUTOS CAIXA OFERTA EXPORTAÇÃO: NO ESTRANGEIRO COMO SE ESTIVESSE EM PORTUGAL Pág. 12 e 13 LITERACIA FINANCEIRA SALDO POSITIVO EMPRESAS: O MELHOR AMIGO DO EMPRESÁRIO Pág. 14 OFERTA SEGUROS FIDELIDADE MUNDIAL: EXPORTAR COM SEGURANÇA Pág. 15 AGENDA EVENTOS DE JUNHO A SETEMBRO As emissões de gases com efeito de estufa, geradas pela produção deste suporte, são compensadas.

4 ENQUADRAMENTO EXPORTAÇÕES Caixa: o passaporte para os negócios CAIXA EMPRESAS JUNHO Quem tem a certeza de que a sua empresa pode triunfar no estrangeiro já não tem razão para não arriscar. A Caixa está por perto. Com soluções concretas e com presença em todo o mundo. Num momento em que vender para outros países é fundamental à economia portuguesa, a Caixa Geral de Depósitos lançou uma nova Linha Caixa Empresas para empresas exportadoras ou empresas produtoras de bens substitutos de importações Esta é a resposta da Caixa à exigência do presente, crente no seu papel de motor da economia nacional enquanto agente de desenvolvimento do tecido empresarial. E quem melhor para o fazer do que o banco que trabalha com uma em cada quatro empresas portuguesas 1 e que é recomendado por 89 por cento das suas empresas clientes 2? Assim, no programa alargado de apoio à exportação emerge, desde logo, a nova Linha Caixa Empresas. Através desta, a Caixa alivia a tesouraria da empresa sob três formas: flexibilização de prazos e condições; vantagens e benefícios para empresas com relacionamento bancário global centrado na Caixa (domiciliação de vencimentos em contas da CGD, serviços de cobranças e produtos de tesouraria na ordem interna e externa, incluindo pagamentos e recebimentos, entre outros); e antecipação de recebimentos de exportação. Com a Linha Caixa Empresas, uma empresa de alumínios, sediada em Braga e que venda material para França, pode receber mais cedo o pagamento do seu cliente através do adiantamento de

5 Paul Giamou/Aurora Photos/Corbis/VMI remessas livres (para clientes Caixa com limites contratados para dívida comercial na ordem externa). Já o Caixa Maistesouraria é uma preciosa ferramenta para organizar financeiramente os negócios da empresa, na medida em permite a gestão integrada de pagamentos e recebimentos. Esta solução inovadora integra a gestão de fluxos de tesouraria (saídas e entradas), antecipando créditos sobre devedores e/ou garantindo pagamentos a fornecedores. Através do Caixa Maistesouraria, o empresário que exporta calçado para a China não tem de esperar pelo pagamento de clientes (sejam eles quais forem) para poder encomendar mais produtos aos fornecedores, ou seja, não tem de parar o seu negócio enquanto não recebe de quem lhe comprou. Num tipo de transação onde a distância aumenta os custos e dificulta a cobrança, o equilíbrio entre o calendário da receita e a exigência do custo de produção/aquisição constitui uma das grandes preocupações dos exportadores. Pois bem, os adiantamentos concedidos pelo banco que foi considerado, globalmente, como o mais sólido do mercado 3 são a garantia de menos uma dor de cabeça para os empresários que acreditam que os seus produtos e serviços podem vingar no estrangeiro. As Remessas de Exportação permitem o desconto de remessas simples (em que a Caixa procede apenas à antecipação de uma receita futura proveniente de uma exportação) ou documentárias (a Caixa envia ao seu banco correspondente no estrangeiro os documentos financeiros ou documentos comerciais para cobrança, assegurando o cumprimento das condições definidas). Nos Créditos Documentários de Exportação, em especial relativamente aos mercados emergentes, a Caixa assume a garantia de pagamento, através da confirmação de cartas de crédito, eliminando riscos comerciais, políticos e de transferência. O crédito para investimento é igualmente um vetor importante no suporte às exportações. A Linha PME Crescimento disponibiliza 1500 milhões de euros para apoio, entre outras áreas, ao investimento novo em ativos fixos e ao reforço do fundo de maneio ou dos capitais permanentes. Recorde-se que, em 2011, 36 por cento da Linha PME Investe VI para empresas exportadoras foi financiada pela Caixa 4. O banco que tem como clientes 65 por cento das PME Líder e PME Excelência 5 promove (por intermédio da Oferta Ibérica ) ou está associado a outros mecanismos de estímulo à exportação: instrumentos de médio e longo prazo de apoio à exportação (créditos diretos ao importador numa ótica comercial, através de linhas de financiamento com cobertura de risco pela Cosec) e linhas de Uma vasta REDE INTERNACIONAL e o conhecimento e experiência nos mercados de destino fazem da CGD um bom parceiro para empresas que pretendam EXPORTAR. apoio governamental (desde as linhas concessionais de apoio à exportação, aos programas com instituições supranacionais, passando pelas garantias e avales bancários na ordem externa, e acordos e linhas especiais). A suportar todos estes instrumentos de apoio está uma plataforma internacional, constituída por uma rede própria em 23 países (que cobre 80 por cento dos destinos das exportações nacionais), por protocolos com bancos correspondentes (mais de 1400 bancos, que permitem efetuar cobranças/pagamentos em euros ou qualquer outra moeda) e por acordos com bancos supranacionais. É também por isto que a Caixa é um bom parceiro para as empresas que pretendem investir na exportação e na internacionalização, face ao grande conhecimento e experiência nos mercados de destino. A Caixa constitui-se, assim, como um forte parceiro das empresas portuguesas que pretendam crescer também para o estrangeiro. Sem restrições, uma vez que o apoio é dado tanto em latitudes mais próximas (Espanha, França e outros países da Europa Ocidental), como nas mais longínquas, associadas aos mercados emergentes ou aos de países de língua oficial portuguesa (Brasil, Angola, Moçambique, Marrocos, Tunísia, Índia, Rússia, China, entre outros). Fontes de informação: 1 Data E Barómetro Empresas 2010; 2 Programa de satisfação dos clientes PME realizado em parceria com a Qmetrics; 3 Data E Barómetro Empresas 2010; 4 Sociedade Portuguesa de Garantia Mútua (SPGM), dados a 26/04/2012; 5 Listagem IAPMEI cruzada com base de dados CGD. EXPORTAÇÕES: NOVA OFERTA DA CAIXA PÕE OS NEGÓCIOS A MEXER 5

6 ENTREVISTA NUNO FERNANDES THOMAZ ADMINISTRADOR DA CGD Fotos: Pedro Aperta A Caixa tem investido no desenvolvimento da sua rede externa CAIXA EMPRESAS JUNHO Qual a importância das empresas, e em particular das empresas exportadoras, na estratégia da Caixa? A Rede de Agências da Caixa é responsável pela gestão dos clientes particulares, profissionais liberais, empresários em nome individual e PME com volume de faturação anual até 3,5 milhões de euros. É crescente o enfoque da rede no crescimento do negócio através do reforço do apoio à atividade económica no seu âmbito de atuação, assumindo-se a área de negócio das empresas como estratégica e crítica no plano de desenvolvimento comercial. Dentro deste segmento de negócio, a rede tem como fator crítico de sucesso o apoio aos sectores de bens transacionáveis, nomeadamente as unidades exportadoras, pelo contributo que estas podem dar ao relançamento da economia e pelo efeito de arrastamento no desenvolvimento e sustentação das empresas que dependem do mercado interno. A maior aposta da rede da Caixa tem sido visível no incremento da abordagem comercial junto das empresas, com vista apoiar o desenvolvimento das suas capacidades para a entrada em novos mercados, no apoio corrente do ciclo de exploração, bem como na prestação de serviços que permitem suportar e apoiar empresas nas transações comerciais com mercados não domésticos. Ao trabalho interno acresce todo o projeto de potenciação de negócio na rede externa da CGD. Alicerçada na presença em 23 mercados em quatro continentes, e com 450 agências no exterior, a Caixa tem investido no desenvolvimento desta rede externa como suporte e complemento do trabalho efetuado pela rede nacional junto das nossas empresas clientes. O fortalecimento da interligação e complementaridade de esforços no apoio aos nossos clientes nacionais, com vista à deteção de oportunidades, o apoio à exportação e à internacionalização, o suporte dado ao desenvolvimento de parcerias cross-border, etc., são também outras linhas de ação em curso na Caixa, e nas quais trabalhamos afincadamente. O resultado de todo este trabalho de fundo é visível na captação de novos clientes e na consolidação do envolvimento com os clientes atuais, na persecução da ambição da Caixa de ser A Referência da Banca no apoio aos empreendedores e às empresas, nomeadamente às PME, oriundas em particular dos setores de bens transacionáveis. Esta ambição é assumida pelas nossas equipas comerciais e é bem visível no trabalho diário de toda a estrutura, desde o gestor de cliente da Agência ao administrador responsável pela Rede. O estímulo ao empreendedorismo implica iniciativas e propostas muito concretas. Que ações têm sido desenvolvidas na rede comercial? O reforço da aposta da Caixa no desenvolvimento de negócio com empresas passa

7 Nuno Fernandes Thomaz, administrador da CGD A Caixa pretende ser a REFERÊNCIA DA BANCA no apoio a empreendedores e empresas, em particular PME oriundas dos sectores de bens transaccionáveis. necessariamente pelo apoio e promoção do empreendedorismo: desde a start-up que nasce de uma ideia inovadora de um profissional altamente qualificado, à criação de auto-emprego com a abertura de um pequeno negócio por parte de um trabalhador por conta de outrem que se viu envolvido num processo de downsizing. Passa também pelo desenvolvimento de novos produtos ou de novos mercados em empresas já consolidadas, bem como pela aposta em novas áreas de negócio para este tipo de empresas. A rede da Caixa está atenta e sensibilizada para a necessidade de analisar, suportar e estar presente no apoio a estes projetos, utilizando para tal todas as soluções de produtos e serviços disponíveis na CGD e que respondem diretamente às distintas necessidades destes clientes: desde o financiamento à exploração, com soluções tão simples como o cartão Caixaworks, até ao desenvolvimento de soluções mais complexas de apoio ao investimento em novos produtos e estruturas produtivas, ou mesmo o apoio à internacionalização. O sucesso das PME é fundamental para o bom desempenho da Rede Comercial. Nesse âmbito, que resultados foram obtidos até agora? O desempenho da Rede Comercial da Caixa, e em especial da Rede de Particulares e Pequenos Negócios que é composta pelas 861 Agências dispersas por todo o nosso território nacional, continental e insular, é medido pela desmultiplicação de negócio na área de apoio às PME. Esta aposta no desenvolvimento do negócio com empresas compreende algum risco adicional, sobretudo num contexto conjuntural desfavorável. No entanto, é uma aposta efetuada dentro dos parâmetros prudenciais da rigorosa análise de risco que caracteriza a CGD, e num contexto de compromisso adequado de risco-rentabilidade presente em qualquer instituição financeira. Creio que o fator diferenciador da Caixa é a sua clara predisposição para a procura e identificação de empreendedores, o comprometimento na análise de soluções que permitam apoiar projetos de negócio viáveis, saudáveis e que possibilitem a criação de emprego, a dinamização da economia local e a geração de efeitos multiplicadores. EXPORTAÇÕES: NOVA OFERTA DA CAIXA PÕE OS NEGÓCIOS A MEXER 7

8 ENTREVISTA JOSÉ CABRAL DOS SANTOS ADMINISTRADOR DA CGD A Caixa procura as empresas que merecem apoio CAIXA EMPRESAS JUNHO Qual tem sido a recetividade das empresas às soluções apresentadas pela Caixa? Muito positiva. A Caixa tem uma relação com os seus clientes que permite ter uma boa noção sobre as suas necessidades e o tipo de apoio que valorizam, o que facilita a construção da nossa oferta e faz com que ela seja bem recebida e muito apreciada. De referir também que junto das empresas que não são nossas clientes ou que, por qualquer motivo, não conhecem a nossa oferta, a recetividade é também muito positiva, o que confirma que Há mais na Caixa do que se imagina. Não tirando valor às soluções que temos vindo a apresentar, a Caixa é, contudo, mais reconhecida pelas relações que constrói e que aprofunda. E hoje uma empresa ter uma relação privilegiada com um banco e um banco ter uma relação privilegiada com uma empresa é talvez o que tem mais valor. Mais do que A Caixa considera prioritário apoiar boas empresas portuguesas, que produzam bens transacionáveis, CRIADORES DE VALOR acrescentado e, se possível, exportadoras. um banco de produtos, a Caixa é, e quer ser, um banco de clientes. Quais os maiores progressos alcançados e como é que estes progressos se têm refletido na relação da Caixa com os empresários? Se as exportações são essenciais para o presente, o empreendedorismo é essencial para o futuro. Todos sabemos que é mais fácil apoiar realidades do que projetos. Mas as instituições conseguem marcar a diferença nas tarefas mais exigentes e, indiscutivelmente, o empreendedorismo é uma delas. Ao mesmo tempo que privilegia junto dos seus clientes o estabelecimento de relações estáveis e mutuamente profícuas, a Caixa tem vindo a oferecer ao mercado um conjunto de instrumentos essenciais para o apoio ao empreendedorismo, ajudando a capitalizar as empresas questão decisiva e financiando-as. Assim, quem quiser empreender novos negócios tem vindo a encontrar na Caixa condições de apoio para o seu arranque e de parceria financeira para o futuro, para os bons e os menos bons momentos. E já começam a surgir bons exemplos destas parcerias. A aposta no apoio às PME, que constituem a maior parte do tecido empresarial português, vai continuar a ser uma prioridade para a Caixa? Ser PME não é, por si só, determinante. Mais do que ser uma prioridade apoiar PME, a Caixa considera prioritário apoiar boas empresas portuguesas, que produzam bens transacionáveis, criadoras de valor acrescentado e, se possível, exportadoras. Mas a tudo isto há que estar associado um aspeto fundamental: vender bem e receber bem. Apoiar quem produz é importante, mas muito mais importante é apoiar quem produz e tem uma estratégia de vendas bem definida e com bons resultados. É esta avaliação que é determinante para a Caixa quando tem que decidir apoiar uma PME ou uma grande empresa Além de se sentirem apoiadas e incentivadas pelas soluções financeiras oferecidas, as empresas procuram a Caixa como parceiro preferencial na generalidade das suas atividades? Sim, procuram. Na atual conjuntura, recheada de incertezas, a Caixa é procurada e é notório que seja normalmente vista como um parceiro preferencial. Mais do que o preço e a qualidade de serviço, em que a Caixa tem que ser uma referência, o que a Caixa sente que é atualmente mais valorizado é um relacionamento estável. Mas a Caixa hoje não fica só à espera que a procurem; tem como objetivo procurar as empresas com quem quer privilegiar um relacionamento comercial. Por outras palavras, de quem a Caixa quer ser o Banco. Mais do que responder a quem nos procura, a Caixa procura as empresas que considera merecerem apoio e procura ser junto delas particularmente eficiente, competitiva e criadora de relações comerciais estáveis e fortes. O futuro da Caixa passa por aqui.

9 D.R. D.R. D.R. José Cabral dos Santos, administrador da CGD 9

10 PRODUTOS CAIXA OFERTA EXPORTAÇÃO Hans Georg Roth/Corbis/VMI No estrangeiro como se estivesse em Portugal CAIXA EMPRESAS JUNHO A Caixa elimina as principais barreiras associadas aos investimentos das empresas portuguesas fora do país. Com produtos e serviços que apenas uma grande rede bancária internacional consegue garantir. Através de soluções concretas alicerçadas na vasta presença e conhecimento em mercados estratégicos para o comércio externo a Caixa apresenta-se como o parceiro dos empresários portugueses nas suas exportações. Uma oferta financeira à medida das necessidades, dos objetivos dos clientes e ajustada ao destino dos investimentos, bem como uma O Banco Caixa Geral Brasil é o principal INTERLOCUTOR com a CGD em Portugal para os empresários portugueses a investir no mercado brasileiro. alargada presença em todo o mundo (por via da extensa rede de bancos do Grupo e de protocolos com outras instituições financeiras internacionais) são os grandes trunfos da oferta Caixa. Da Europa às Américas e à África, do Oriente ao Ocidente. A revista Caixa Empresas debruça-se em dois casos concretos: No Brasil Investir no Brasil é mais fácil quando se está acompanhado pela Caixa. Os produtos, serviços e protocolos abrangidos pela CGD traduzem-se em enormes vantagens para as empresas e empresários em nome individual sediados em Portugal que queiram entrar no atrativo mercado brasileiro, atenuando os inconvenientes da longa distância geográfica, do risco cambial e de um sistema fiscal e administrativo nem sempre bem conhecido. O pivot dos benefícios proporcionados é o Banco Caixa Geral Brasil (BCGB) o banco do Grupo Caixa naquele país, naturalmente que em ligação com a extensa rede da casa-mãe do Grupo, em Portugal, e com a restante rede internacional. Eis sete vantagens concretas traduzidas no acesso mais ágil e eficiente a produtos e serviços que apoiam a atividade de exportação para o Brasil: 1) Abertura de conta num banco brasileiro. Desde logo, e por inerência, ser cliente da Caixa abre a porta a um banco do sistema financeiro brasileiro o BCGB (do Grupo Caixa) com todas as vantagens que este facto acarreta. 2) Câmbio rápido, fixo e vantajoso. Para um mercado longínquo, onde apenas a moeda nacional é válida e as flutuações do câmbio são significativas, a Caixa possibilita aos seus clientes transferências de fundos num prazo até dois dias e com fixação de câmbio com o Real em condições favoráveis, ou seja, o empresário sabe exatamente o contravalor da operação que vai realizar. Tudo isto em ambos os sentidos, entre Portugal e o Brasil, entre o Euro e o Real. 3) Adiantamento ao pagamento da exportação. Consciente da importância da liquidez imediata nos negócios (mais difícil entre sistemas monetários distintos), a Caixa, através do BCGB, garante os pagamentos à empresa vendedora nas datas acordadas, adiantando o respetivo montante em causa. Quer isto dizer que se um cliente da Caixa vender um determinado produto ou serviço a uma empresa do Brasil, com pagamentos diferidos no tempo, o BCGB, após análise do perfil da empresa que na transação assume o papel de compradora, pode assumir o risco da operação. 4) Acolhimento e aconselhamento. Conhecer as caraterísticas do mercado e relacionar-se com os seus vários agentes (empresas, bancos e outras instituições privadas e públicas) são atributos essenciais para prestar um aconselhamento competente, serviço precioso a quem desenvolve os seus negócios num país estrangeiro. O BCGB procura- rá, se necessário, dar a melhor resposta a todas as solicitações e encaminhará os clientes para outros bancos-parceiros brasileiros, na lógica da excelente rede bancária que todos integram. 5) Garantias bancárias. No comércio internacional, as garantias bancárias são sinónimo de maior fluidez nos negócios. Das mais utilizadas, o BCGB disponibiliza cinco tipos diferentes (admissão a concursos; boa execução; devolução de adiantamentos, alugueres de espaços; judiciais ou fiscais). 6) Apoio ao comércio externo. Os instrumentos de apoio especificamente dirigidos ao comércio externo são veiculados pela Caixa, garantindo o crédito a quem compra no Brasil (abertura de créditos documentários para contrapartes de importadores brasileiros) e a quem vende ao Brasil

11 A CGD integra o serviço Connector, uma REDE MUNDIAL DE BANCOS que proporciona às empresas uma gestão de tesouraria global e integrada. (financiamentos a contrapartes exportadores de clientes brasileiros). 7) Acesso ao financiamento estatal brasileiro. O Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) é a entidade bancária estatal responsável pelo financiamento de longo prazo de investimentos em todos os segmentos da economia. O BCGB é agente repassador do BNDES, logo a porta de entrada para as empresas se candidatarem às respetivas linhas de financiamento (além do aconselhamento quanto ao modo como o devem fazer), isto num país onde, por força do crescimento económico e dos objetivos de desenvolvimento social, o investimento público é exponencial. E no resto do mundo... Ao ser cliente da Caixa pode também sê-lo de bancos de mais 28 países, com todos os privilégios inerentes. Este acesso é possivel porque a CGD integra o serviço Connector, uma rede de mundial de bancos que proporciona às empresas uma gestão de tesouraria global e integrada. O Connector permite que os bancos aderentes possam disponibilizar aos seus clientes serviços financeiros internacionais e um leque variado de outros serviços, a nível local, como se do próprio banco se tratasse. Assim, por via de uma única conta residente, o empresário pode aceder aos serviços bancários daquela extensa rede (composta por 13 bancos e 36 mil agências em 29 países). A facilidade na abertura de conta ou a gestão de tesouraria integrada são algumas das vantagens de quem adere ao serviço Connector. Os países dos bancos aderentes são maioritariamente do espaço europeu (24, da Espanha à Rússia), mas são também de outros continentes (Brasil, Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia). EXPORTAÇÕES: NOVA OFERTA DA CAIXA PÕE OS NEGÓCIOS A MEXER 11

12 LITERACIA FINANCEIRA SALDO POSITIVO EMPRESAS O melhor amigo do empresário CAIXA EMPRESAS JUNHO A Caixa lançou um site com toda a informação que os gestores e os empreendedores precisam para lançar, planear ou gerir a sua empresa. Com a marca de qualidade do Saldo Positivo. Descobrir como conseguir o melhor spread. Saber quais os passos para exportar com sucesso. Conhecer os tipos de estímulos que o Governo disponibiliza ao investimento empresarial. Encontrar o guia de sobrevivência do negócio quando se acentuam as dificuldades da respetiva gestão. Todas estas e muitas outras preciosas informações estão à distância de um clique em o site que é uma ajuda vital à gestão empresarial. Lançado em Abril deste ano e enquadrado no programa de literacia financeira da CGD, o Saldo Positivo Empresas constitui uma preciosa ajuda diária para a gestão das empresas, por condensar, na mesma plataforma, informações úteis que demorariam várias horas, ou mesmo dias, a recolher, constituindo-se também uma ferramenta estratégica pela abrangência e sistematização dos seus conteúdos e campo de opções. Os destinatários do Saldo Positivo Empresas são numerosos e incontáveis. Por um lado, quase 350 mil PME e mais de 700 mil profissionais liberais; por outro, todos aqueles que já pensaram em montar um negócio e que precisam de mais informação para avançar. Portanto, a grande parte do tecido empresarial português e aqueles que ambicionam passar a integrá-lo. Neste seu primeiro ano de existência, o Saldo Positivo Empresas estará especialmente vocacionado para duas temáticas: o empreendedorismo (criação de empresas) e a exportação, refletindo

13 Caixa com empresários do centro É no terreno e com soluções concretas que podem ser estimulados os investimentos de empresários portugueses no estrangeiro. Partindo deste princípio, a Caixa realizou, nos dias 24 e 25 de Maio, dois colóquios para apoio à internacionalização da economia. Em Pombal e na Sertã, responsáveis da Caixa, empresários com interesse em expandir o seu negócio a outros países e entidades locais debateram oportunidades, riscos, mecanismos de apoio e instrumentos financeiros para a exportação/internacionalização. No âmbito desta iniciativa, foram oficializadas parcerias entre a Caixa e entidades locais com dinamismo junto do tecido empresarial das regiões em causa. Tomas Rodriguez/Corbis/VMI As PME Líder e PME Excelência da Caixa O bom desempenho e as boas práticas merecem ser distinguidas. Por isso, a Caixa associou-se ao IAPMEI e é dos bancos que disponibiliza um conjunto de benefícios financeiros às PME que ostentem os títulos de Líder 1 (perfil de risco posicionado nos mais elevados níveis dos sistemas internos de notação) ou de Excelência 2. À semelhança de 2010, a Caixa manteve a terceira posição no ranking dos bancos participantes. A Caixa congratulou estas empresas e informou-as das vantagens da Oferta Caixa PME Líder. Ainda na ótica de premiar os méritos destas PME, a Caixa criou troféus que assinalam esta distinção e que serão entregues a estas empresas. O Saldo Positivo Empresas estará especialmente vocacionado para duas temáticas o EMPREENDEDORISMO e a EXPORTAÇÃO, refletindo aquilo que são as maiores necessidades da economia portuguesa. Visite sas 1. Perfil de risco posicionado nos três primeiros níveis de rating;. Resultados líquidos positivos ou crescimento do volume de negócios ou crescimento EBITDA;. Autonomia financeira igual ou superior a 20% em capitais próprios/activo líquido;. Volume de negócios igual ou superior a 500 mil euros. 2 aquilo que são as maiores necessidades da economia portuguesa. Simples e intuitivo Este site da Caixa está organizado em três grandes áreas, todas elas apresentadas numa perspetiva de ação, de modo a facilitar a navegação: Empreender, Gerir e Crescer. Em todos elas surgem quatro rubricas: Apoios, Banco, Como Fazer e Questões Legais. Na área da gestão são desenvolvidos mais quatro vetores Estratégia; Finanças e Impostos; Recursos Humanos; e Vendas e Marketing. Já na rubrica Crescer são exploradas as vertentes do redimensionamento exterior da empresa (Exportação e Internacionalização) e da investigação (I&D). O link Exportação abre a porta a conteúdos muito diversificados sobre esta operação, privilegiando a perspetiva pragmática pela qual o investidor/empresário é guiado no seu processo de decisão. As linhas de apoio financeiro, o relato de casos práticos ou a estatística associada às operações internacionais de comércio da economia portuguesa são alguns dos itens abordados. Na Internacionalização, podem encontrar-se dossiês sobre alguns dos nossos parceiros comerciais, como Espanha e Angola. O Saldo Positivo disponibiliza ainda o Dicionário do Gestor que integra vários conteúdos da rubrica Como Fazer e é muito mais do que a enunciação de um conceito, já que faculta mais informações e é apresentado em formato vídeo. Também disponibiliza um Ponto de Apoio, que. Perfil de risco posicionado nos dois primeiros níveis de rating;. Crescimento do volume de negócios face ao ano anterior igual ou superior a 5%;. Autonomia financeira igual ou superior a 35% em capitais próprios/activo líquido;. Rendibilidade dos capitais próprios igual ou superior a 10%;. Rendibilidade do activo igual ou superior a 3%; Nota: Um dos 2.º, 3.º ou 4.º critérios pode ser flexibilizado (igual ou superior a menos 5%, 30% e 8%, respectivamente). agrupa informações úteis como o nome das associações empresariais, das entidades oficiais que prestam apoio às empresas ou uma agenda com as datas fiscais mais importantes. A versatilidade dos canais e dos meios utilizados (textos, vídeos, slideshows, infografias) é um dos pontos distintivos de todo este projeto. Francisco Viana, Diretor de Comunicação e Marca da CGD, realçou a importância deste instrumento na estratégia de apoio ao tecido empresarial nacional e no trabalho dedicado à área da literacia financeira, ambos da iniciativa da Caixa. Recorde-se que o Saldo Positivo (primeiramente dirigido a particulares e famílias) existe desde 2008 e constituiu-se como a referência da literacia financeira em Portugal. EXPORTAÇÕES: NOVA OFERTA DA CAIXA PÕE OS NEGÓCIOS A MEXER 13

14 OFERTA SEGUROS FIDELIDADE MUNDIAL Blue Jean Images/Corbis/VMI Exportar com segurança CAIXA EMPRESAS JUNHO Negócios internacionais estão expostos a diferentes riscos. Requerem, portanto, outro tipo de seguros e de coberturas. A Fidelidade Mundial juntou-se à CGD e oferece soluções ajustadas às empresas exportadoras. A Fidelidade Mundial associou-se à Caixa e apresenta uma solução integrada de seguros que permite às empresas otimizar custos, potenciar a produtividade e maximizar investimentos. Deste modo, para o setor exportador, a Fidelidade Mundial disponibiliza uma oferta abrangente de produtos e serviços, seccionada numa vertente mais generalista e noutra mais específica, com soluções de proteção e de incentivo adequadas à exposição a que as empresas exportadoras estão sujeitas. Na vertente generalista destacam-se os seguros que visam garantir o património das empresas e os seus ativos, como é o caso do Seguro Multirriscos Negócios e do Seguro de Acidentes de Trabalho. Neste último caso, e tratando-se de um seguro obrigatório para as empresas, a Fidelidade Mundial incluiu uma cobertura inédita no mercado, denominada Renuncia ao Direito de Regresso, que permite apoiar os clientes em momentos difíceis, ao minimizar o impacto financeiro decorrente de situações de acidente em que os clientes são os responsáveis. Por outro lado, destaca-se a possibilidade de subscrição da garantia de despesas de repatriamento e de assistência a trabalhadores deslocados ou em deslocações ao estrangeiro. Na vertente mais específica para a exportação, estas empresas também contam com várias soluções de proteção, como o Seguro de Transportes ou os Seguros de Responsabilidade Civil. O Seguro de Transportes garante as perdas ou danos aos bens e mercadorias seguras, no âmbito de operações de importação/exportação, ou ainda em viagens realizadas no território nacional que ocorram por via marítima, aérea ou terrestre. No que diz respeito aos Seguros de Responsabilidade Civil a oferta é abrangente e cobre tanto a atividade empresarial, como produtos e profissionais. O seguro de Responsabilidade Civil Exploração, por exemplo, destina-se a garantir que a responsabilidade civil seja imputável ao cliente no exercício da sua atividade, ficando abrangida a estrutura empresarial, de caráter industrial, comercial ou de serviços, no exercício das atividades que lhe são próprias. Para empresas com presença no estrangeiro ou com colaboradores deslocados, o âmbito territorial do seguro é alargado em função das suas necessidades específicas. Para empresas exportadoras e importadoras extra-comunitárias é crucial a contratação de seguro de Responsabilidade Civil Produtos, de modo a proteger o seu património em caso de reclamações por danos causados a terceiros devido a produtos defeituosos. Por último, o Seguro de Responsabilidade Civil Profissional visa a proteção dos profissionais pela responsabilidade de erros ou omissões negligentes cometidos no exercício da sua atividade. Para as empresas que estão a alargar a sua prestação de serviços ao estrangeiro, a Caixa Seguros disponibiliza soluções que estendem a abrangência territorial deste seguro, seja ao apresentar soluções nos próprios países de destino, seja ao alargar o âmbito territorial do seguro de Responsabilidade Civil Profissional nacional. A informação apresentada não dispensa a consulta da informação pré-contratual e contratual legalmente exigida. Os seguros acima indicados são da Fidelidade Companhia de Seguros, S.A., comercializados através da Caixa Geral de Depósitos, S.A., na sua qualidade de mediador de seguros. A Caixa Geral de Depósitos, S.A., doravante apenas CGD, pessoa coletiva n.º , matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa, com o capital social de ,00, com sede na Avenida João XXI, n.º 63, Lisboa, solicitou, em 19 de setembro de 2007, a sua inscrição no Instituto de Seguros de Portugal, na categoria de Mediador de Seguros Ligado, nos Ramos de Seguros de Vida e Não Vida e respetiva autorização para trabalhar com a Companhia de Seguros Fidelidade, S.A., encontrando-se registada sob o n.º Os dados da CGD, enquanto Mediador de Seguros, estão disponíveis e podem ser consultados no sítio do Instituto de Seguros de Portugal (www.isp.pt). A Caixa Geral de Depósitos, enquanto mediador, não tem poderes para celebrar contratos de seguro em nome do Segurador, nem assume a cobertura dos riscos. A Caixa Geral de Depósitos, enquanto mediador de seguros ligado não tem poderes de cobrança, pese embora enquanto instituição bancária possa executar as operações próprias desta atividade, designadamente, as operações de débito em conta ou transferência bancária autorizadas pelo respetivo titular.

15 AGENDA 12 Jun./Jul. 30 a 8. Lisboa FIA Feira Internacional do Artesanato AIP Feira Internacional de Lisboa (Parque das Nações) Contatos e informações em /71, em e em Jul. 17 a 22. Luanda FILDA Feira Internacional de Luanda FIL Luanda Contatos e informações em , em e em Ago./Set. 31 a 5. Berlim IFA Eletrónica de Consumo Messe Berlin Contatos e informações em e em b2b.ifa-berlin.com/en Set. 5 a 9. Matosinhos CERANOR Casa, Hotelaria, Decoração e Brinde Exponor Contatos e informações em / , em e em 19 a 23. Matosinhos PORTOJÓIA Feira Internacional de Joalharia, Ourivesaria e Relojoaria Exponor Contatos e informações em , em e em 27 a 30. Batalha EXPOCONSTRÓI Feira de Equipamentos e Materiais para a Construção Civil Exposalão Contatos e informações em , em e em O serviço Caixa Empresas está disponível em: Rede de Agências Aveiro Águeda Anadia Aveiro Avenida Aveiro Espinho Estarreja Eugénio Ribeiro Águeda Feira Fiães Ovar São João da Madeira Beja Beja Odemira Braga Barcelinhos Barcelos Calendário Famalicão Central de Braga Esposende Guimarães Pevidém Vila Nova de Famalicão Bragança Bragança Castelo Branco Covilhã Fundão Sertã Coimbra Cantanhede Central Coimbra Figueira da Foz Oliveira do Hospital Évora Estremoz Évora Vila Viçosa Faro Albufeira Areias de S. João Oura Faro Lagos Loulé Portimão Tavira Vila Real de Santo António Guarda Guarda Leiria Alcobaça Batalha Caldas da Rainha Leiria Marinha Grande Peniche Lisboa Algés Almirante Reis Alvalade Amoreiras Avenida da República Benfica Calhariz Cascais Central Amadora Central de Sintra Central Rua do Ouro Central Sede Loures Moscavide Odivelas Oeiras Parede Pêro Pinheiro Portela Sacavém Torres Vedras Vila Franca de Xira Portalegre Elvas Ponte de Sor Portalegre Porto Castelo da Maia Central do Porto D. Pedro V Trofa Ermesinde Felgueiras Fernão de Magalhães Maia Marco de Canaveses Matosinhos Sul Paços de Ferreira Pç. da Liberdade Porto Póvoa de Varzim Vila do Conde Vila Nova de Gaia Santarém Abrantes Benavente Coruche Ourém Rio Maior Santarém Torres Novas Setúbal Almada Barreiro Costa da Caparica Cova da Piedade Montijo Santiago do Cacém Seixal Sesimbra Setúbal Viana do Castelo Barroselas Viana do Castelo Vila Real Chaves Vila Real Viseu Lamego Mangualde Nelas Tondela Viseu Açores Ponta Delgada Angra do Heroísmo Madeira Funchal Rede de Gabinetes Aveiro Águeda Aveiro Oliveira de Azeméis Ovar Braga Braga Guimarães Vila Nova de Famalicão Castelo Branco Castelo Branco Coimbra Coimbra Faro Faro Portimão Guarda Guarda Leiria Batalha Caldas da Rainha Leiria Pombal Lisboa Lisboa João XXI (Gab. I) Lisboa João XXI (Gab. II) Lisboa R. Ouro Oeiras Sintra Torres Vedras Vila Franca de Xira Porto Maia Penafiel Porto Pç. D. João I Porto Av. França Vila Nova de Gaia Santarém Santarém Torres Novas Setúbal Almada Setúbal Viana do Castelo Viana do Castelo Vila Real Vila Real Viseu Viseu Açores Ponta Delgada Madeira Funchal Gestores Multi-agência Aveiro Aida Albergaria-a-Velha Arouca Avanca Branca Cruz Feira Cucujães Esgueira Esmoriz Gafanha Nazaré Glicínias Aveiro Ílhavo Lobão Lourosa Mealhada Murtosa Nogueira do Cravo Oliveira de Azeméis Oliveira do Bairro Oiã Rio Meão Sá Barrocas S. Bernardo Sever do Vouga Sta. Maria de Lamas Torreira Univ. de Aveiro Vagos Vale de Cambra Beja Aljustrel Almodôvar Alvito Barrancos Castro Verde Cuba Ferreira do Alentejo Moura Mourão Ourique Serpa Vidigueira Braga Amares Arcozelo Barcelos Cabeceiras de Basto Caldas das Taipas Carandá Braga Celeirós Esposende Fafe Gualtar Lamaçães Manhente Barcelos Marinhas Esposende Maximinos Merelim Mira Penha Nogueira Braga Palmeira Braga Ponte-da-Barca Póvoa de Lanhoso Prado Santa Tecla Braga Santo António São Vicente Braga São Víctor Senhora-a-Branca Terras de Bouro Via Todos Barcelos Vieira do Minho Vila Verde Bragança Alfândega da Fé Carrazeda de Ansiães Macedo de Cavaleiros Miranda do Douro Mirandela Mogadouro Sá Carneiro Bragança Vale d Álvaro Vila Flor Vimioso Vinhais Castelo Branco Alcains Amato Lusitano Belmonte Boa Esperança Castelo Branco Idanha-a-Nova Oleiros Penamacor Proença-a-Nova Quinta das Palmeiras S. Tiago Silvares Teixoso Univ. da Beira Interior Vila de Rei Vila Velha de Ródão Coimbra Arazede Arganil Arnado Bairro Novo Buarcos Calhabé Celas Celas Nova Condeixa-a-Nova Estádio Febres Ferreira Borges Góis Lousã Mira Miranda do Corvo Montemor-o-Velho Mortágua Paião Pampilhosa da Serra Penacova Penela Pedrulha Pólo II Portela Pç. da Républica Santa Clara Soure Souselas Tábua Tocha Universidade Vale das Flores Vila Nova de Poiares Évora Alandroal Arraiolos Borba Évora Município Garcia Resende Évora Montemor-o-Novo Mora Portel Qt.ª Moniz Redondo Reguengos de Monsaraz Viana do Alentejo Faro Albufeira Alcoutim Aljezur Almancil Armação de Pêra Baixa Albufeira Castro Marim Gambelas Lagoa Algarve Mercado Vila Real de Sto. Ant.º Monte Gordo Monchique Olhão Penha Faro Quarteira S. Brás de Alportel S. Luís Silves Vilamoura Guarda Almeida Celorico da Beira Lg. João Almeida Guarda Pinhel Manteigas Meda Sabugal São Miguel Seia Sernacelhe Trancoso Vilar Formoso Leiria Alvaiázere Ansião Atouguia da Baleia Bairro Azul Caldas da Rainha Barracão Benedita Bombarral Castanheira de Pêra Caranguejeira Gândara dos Olivais Guimarota Fátima Figueiró dos Vinhos Fonte Nova Pombal Louriçal Maceira Mação Marquês de Pombal Leiria Para mais informações: Monte Redondo Nazaré Nova Leiria Óbidos Pedrogão Grande Pombal Porto de Mós Pousos Pç. República Caldas da Rainha S. Mamede Lisboa Disponível em todas as Agências exceto: CNAI Lisboa ISCTE ISEG Loja do Cidadão Laranjeiras Pólo da Ajuda Torres Vedras Nascente Hospital de Santa Maria Universidade de Lisboa Reitoria Universidade Nova de Lisboa Portalegre Alter do Chão Arronches Avis Campo Maior Castelo de Vide Crato Elvas Piedade Fronteira Gavião Marvão Monforte Nisa Sousel Porto Disponível em todas as Agências Santarém Alcanena Almeirim Cartaxo Entroncamento Golegã Norton de Matos Tomar Santa Margarida Tomar Torres Novas Sta. Maria Vila Nova da Barquinha Setúbal Amora Alcácer do Sal Alcochete Baixa da Banheira Bonfim Canha Cacilhas Charneca da Caparica Colos Combatentes Corroios Cruz de Pau Faralhão Feijó Grândola Joaquim de Almeida Lavradio Loja do Cidadão Moita Montijo Palmela Pinhal Novo Pragal Quinta do Conde Quinta da Lomba Santana Sesimbra S. João Baptista Sesimbra Sines Sto. André S. Sebastião S. Julião Torre da Marinha Vendas Novas Verderena Vila Nova de Mil Fontes Viana do Castelo Caminha Arcos de Valdevez Meadela Viana Melgaço Monção Paredes de Coura Ponte de Lima S. Vicente Viana Senhora da Agonia Viana Sobral Valença Vila Nova de Cerveira Vila Real Alijó Alves Roçadas Araucária Boticas Cerva Mesão Frio Mondim de Basto Montalegre Murça Pedras Salgadas Raposeira Ribeira de Pena Sabrosa Sta. Marta de Penaguião Timpeira Valpaços Vila Pouca de Aguiar Viseu Abraveses Armamar Carregal do Sal Castro Daire Desterro Lamego Expobeiras Fornos de Algodres Moimenta da Beira Oliveira de Frades Penalva do Castelo Penedono Pç. do Comércio Lamego Rua Formosa Resende S. João da Pesqueira S. José Viseu S. Mateus Satão Tabuaço Tarouca Vila Nova de Paiva Vouzela Açores Angra do Heroísmo Angra Avenidas Calheta S. Jorge Capelas Corvo D. João III Fajã de Cima Horta Lajes das Flores Lajes do Pico Lagoa S. Miguel Madalena Pico Nordeste Parque Atlântico Povoação Praia da Vitória Ribeira Grande S. Roque Pico Sta. Cruz Flores Sta. Cruz da Graciosa Velas S. Jorge Vila Franca do Campo Vila do Porto Madeira Calheta Camacha Câmara de Lobos Caniço Fórum Jaime Moniz Lido Funchal Machico Madalenas Nazaré Funchal Ponta do Sol Porto Santo Ribeira Brava Sta. Cruz Madeira Santana S.Vicente Madeira CONTACTOS EXPORTAÇÕES: NOVA OFERTA DA CAIXA PÕE OS NEGÓCIOS A MEXER 15

16

ANEXO II. Página 1 ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA?

ANEXO II. Página 1 ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA? ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA? 2 C. Predial 1 VISEU NÃO 0 C. Predial/Comercial 1 BRAGANÇA NÃO 0 C. Civil/Predial/Comercial 2 VILA NOVA DE CERVEIRA NÃO 0 C. Predial/Comercial 1 VIANA DO CASTELO

Leia mais

DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS 1 ASSOCIADOS POR ESPECIALIDADE E CONSELHO REGIONAL

DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS 1 ASSOCIADOS POR ESPECIALIDADE E CONSELHO REGIONAL DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS Notas: 1 O conselho geral deliberou, em reunião de 15 de outubro, nos termos do n.º 2 do artigo 11.º do EOSAE, agregar as delegações distritais de Beja, Évora e Portalegre numa

Leia mais

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal Information on the videoconferencing equipment in the courts Portugal No Court name & city Equipment type and make 1 Abrantes Tribunal Judicial 3 2 Abrantes Tribunal do Trabalho 1 3 Águeda Juízo de Instrução

Leia mais

https://www.portaldasfinancas.gov.pt/pt/main.jsp

https://www.portaldasfinancas.gov.pt/pt/main.jsp DISTRITO ANGRA DO HEROISMO 1901 ANGRA DO HEROISMO 0,500 % 0,300 % 0,80 % 1902 CALHETA (AÇORES) 0,800 % 0,500 % 0,80 % 1903 SANTA CRUZ DA GRACIOSA 0,500 % 0,300 % 0,80 % 1904 VELAS 0,500 % 0,300 % 0,80

Leia mais

Barreiro 0,00% Fafe 0,25% Meda 0,25% Penalva do Castelo 0,25% São Vicente 0,00% Vila Nova de Foz Côa 0,00% Batalha 0,25% Faro 0,25% Melgaço 0,00%

Barreiro 0,00% Fafe 0,25% Meda 0,25% Penalva do Castelo 0,25% São Vicente 0,00% Vila Nova de Foz Côa 0,00% Batalha 0,25% Faro 0,25% Melgaço 0,00% Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Abrantes 0,25% Boticas 0,25% Figueiró dos Vinhos 0,00% Mirandela 0,25% Pombal 0,25% Sertã 0,25%

Leia mais

Global Map of Irrigation Areas PORTUGAL

Global Map of Irrigation Areas PORTUGAL NUTS3-region NUTS2-region irrigation Area actually (ha) irrigated (ha) Alentejo Central Alentejo 42 675 22 287 Alentejo Litoral Alentejo 40 289 14 427 Alto Alentejo Alentejo 39 974 20 993 Baixo Alentejo

Leia mais

QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04)

QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04) QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04) Z3 ENTRE DOURO E VOUGA (21) AVEIRO (01) VISEU (18) Z4 COIMBRA (06) LEIRIA (10) Z5 CASTELO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas

Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas Por expressa determinação do Código Administrativo, no seu artigo 6.º, a classificação

Leia mais

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2013

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2013 VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO 317 303 716 996 1.601 RIBEIRA BRAVA 127 127 125 123 1.558 PORTIMÃO 1.088 1.140 797 780 1.057 SANTA CRUZ 518 515 566 595 1.049 ALIJÓ 202 208 206 203 827 ÉVORA 541 623 867 843

Leia mais

Entidades Intermunicipais. Entidade Intermunicipal Designação Munícipios População. Comunidade Intermunicipal do Alto Minho

Entidades Intermunicipais. Entidade Intermunicipal Designação Munícipios População. Comunidade Intermunicipal do Alto Minho Intermunicipal Intermunicipal Intermunicipal Área Metropolitana Intermunicipal Intermunicipal do Alto Minho Intermunicipal do Cávado Área Metropolitana do Porto Intermunicipal do Ave Intermunicipal do

Leia mais

Listagem de delegações da IGAC por ordem alfabética

Listagem de delegações da IGAC por ordem alfabética ÁGUEDA AGUIAR DA BEIRA ALBERGARIA-A-VELHA ALBUFEIRA ALCÁCER DO SAL ALCANENA ALCOBAÇA ALCOCHETE ALCOUTIM ALENQUER ALFÂNDEGA DA FÉ ALJEZUR ALJUSTREL ALMADA ALMEIDA ALMEIRIM ALMODÔVAR ALTER DO CHÃO AMADORA

Leia mais

Portugal Mapas e Números

Portugal Mapas e Números Plano Anual de Atividades 2011-12 Portugal Mapas e Números Código da atividade ogf3 Destinatários Toda a comunidade educativa da ESSM Intervenientes Responsáveis Prof. Augusto Cebola e Prof. Jorge Damásio

Leia mais

PMP (n.º dias) a 31-12-2007

PMP (n.º dias) a 31-12-2007 (N.º 20 - Resolução de Conselho de Ministros n.º 34/, publicada no DR n.º 38, 1.ª série, de 22 de Fevereiro) Ordenado por ordem decrescente do PMP em 31-12- a 30-09- a 31-12- VILA FRANCA DO CAMPO 158 182

Leia mais

DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada VIANA DO CASTELO BRAGA PORTO VILA REAL BRAGANÇA

DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada VIANA DO CASTELO BRAGA PORTO VILA REAL BRAGANÇA DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada BRAGANÇA VILA REAL PORTO BRAGA VIANA DO CASTELO ARCOS DE VALDEVEZ 10 de Maio de 2003 14h e 30m Braga Casa dos Crivos Orfeão de Braga CAMINHA 10 de Maio

Leia mais

Ofício-Circulado 20007, de 19/03/1999 - Direcção de Serviços do IRC

Ofício-Circulado 20007, de 19/03/1999 - Direcção de Serviços do IRC Ofício-Circulado 0, de //99 - Direcção de Serviços do IRC Taxas de Derrama lançada para cobrança em 99 (Exercício de 98) Ofício-Circulado 0, de //99 - Direcção de Serviços do IRC Taxas de Derrama lançada

Leia mais

Código - Designação Serviço Finanças

Código - Designação Serviço Finanças 01-AVEIRO 19-AGUEDA 4 01-AVEIRO 27-ALBERGARIA-A-VELHA 2 01-AVEIRO 35-ANADIA 3 01-AVEIRO 43-AROUCA 3 01-AVEIRO 51-AVEIRO-1. 1 01-AVEIRO 60-CASTELO DE PAIVA 1 01-AVEIRO 78-ESPINHO 1 01-AVEIRO 86-ESTARREJA

Leia mais

< 5 4,28 5,57 5,86 6,41 20,48 5 a 10 4,65 6,05 6,14 6,98 28,79

< 5 4,28 5,57 5,86 6,41 20,48 5 a 10 4,65 6,05 6,14 6,98 28,79 Serviço Standard Serviço Especial Peso (Kg) 1 2 3 4 5 Entrega até às 18:00H GRUPOL10H GRUPOL13H GRUPOLSAB GRUPOLMA Entrega até às 10:00H do dia seguinte Entrega até às 13:00H do dia seguinte Entrega ao

Leia mais

RENDA MÁXIMA ADMITIDA PARA O ANO DE 2015 DE ACORDO COM A PORTARIA N.º 1190/2010, DE 18 DE NOVEMBRO (ORDENADA POR MUNICÍPIO)

RENDA MÁXIMA ADMITIDA PARA O ANO DE 2015 DE ACORDO COM A PORTARIA N.º 1190/2010, DE 18 DE NOVEMBRO (ORDENADA POR MUNICÍPIO) ABRANTES MÉDIO TEJO 334,00 468,00 589,00 AGUEDA BAIXO VOUGA 368,00 501,00 645,00 AGUIAR DA BEIRA DÃO LAFÕES 334,00 468,00 589,00 ALANDROAL ALENTEJO CENTRAL 368,00 501,00 645,00 ALBERGARIA-A-VELHA BAIXO

Leia mais

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS 1 ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT 05 002 CGM in situ 2 ÁGUEDA C MUNICIPAL PT 03 004 CGM 3 AGUIAR DA BEIRA C INTERMUNICIPAL PT 03 005 CGM SÁTÃO 4 ALCANENA LVT INTERMUNICIPAL PT 05 005 CGM TORRES NOVAS

Leia mais

(Primeira Verificação e Verificação Periódica) Distribuição de Instrumentos e Sistemas de Medição por Zonas Geográficas

(Primeira Verificação e Verificação Periódica) Distribuição de Instrumentos e Sistemas de Medição por Zonas Geográficas ORGANISMOS DE VERIFICAÇÃO METROLÓGICA QUALIFICADOS PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CONTROLO METROLÓGICO LEGAL (Primeira Verificação e Verificação Periódica) Distribuição de Instrumentos e Sistemas de Medição

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 16/2013. Taxas de derrama a cobrar em 2013 Oficio Circulado n.º 20165

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 16/2013. Taxas de derrama a cobrar em 2013 Oficio Circulado n.º 20165 INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 16/2013 Taxas de derrama a cobrar em 2013 Oficio Circulado n.º 20165 Com a publicação do Ofício Circulado n.º 20165, do passado dia 5 de Março, foram divulgadas a relação dos municípios

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PEDIDO DE HABITAÇÃO O presente documento pretende apoiá-lo/a no preenchimento do formulário Pedido de Habitação, informando que os campos identificados com

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1.ª série N.º 73 14 de Abril de 2008 2193 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n.º 68/2008 de 14 de Abril Nos termos do Programa do XVII Governo Constitucional considera

Leia mais

Empresas. Caixa EXPORTAÇÕES. Nova oferta da Caixa põe os negócios a mexer

Empresas. Caixa EXPORTAÇÕES. Nova oferta da Caixa põe os negócios a mexer Caixa Empresas Esta revista faz parte integrante do Diário Económico n.º 5456 de 29 de Junho de 2012. EXPORTAÇÕES Nova oferta da Caixa põe os negócios a mexer Hoberman Collection/Corbis/VMI Índice Pág.

Leia mais

Memorando apresentado pelo ME sobre "recrutamento e colocação de professores"

Memorando apresentado pelo ME sobre recrutamento e colocação de professores Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Memorando apresentado pelo ME sobre "recrutamento e colocação de professores" 0. QUESTÃO PRÉVIA SOBRE A NEGOCIAÇÃO Em primeiro lugar, a FENPROF pretende

Leia mais

Para conhecimento e informação aos interessados, divulga-se a lista de Municípios, com a

Para conhecimento e informação aos interessados, divulga-se a lista de Municípios, com a Classificação: 2 O 5. O 5. O 2 Segurança: 1-AT autoridade tributária e aduaneira Processo: 428/2014 DIREÇÃO DE SERViÇOS DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS Oficio Circulado N,o: 20170 de

Leia mais

Teresa Almeida Pinto http://cidades.projectotio.net

Teresa Almeida Pinto http://cidades.projectotio.net Amigas das Pessoas Idosas Teresa Almeida Pinto http://cidades.projectotio.net Associação Valorização Intergeracional e Desenvolvimento Activo Amigas das Pessoas Idosas cidades I Estudo nacional sobre amigabilidade

Leia mais

Taxas de derrama em cobrança em 2014 corrigidas pelas Finanças

Taxas de derrama em cobrança em 2014 corrigidas pelas Finanças s de derrama em cobrança em 2014 corrigidas pelas Finanças Após publicação do ofício circulado nº 20170 de 2014-03-1, a Autoridade Tributária emitiu novo ofício circulado o nº20171/2014 de 25-03-2014 no

Leia mais

Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade

Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade Acampamento ocasional Câmara Municipal de Braga Acampamento

Leia mais

Lojas CTT com Espaços Cidadão. agosto 2015

Lojas CTT com Espaços Cidadão. agosto 2015 Lojas CTT com Espaços Cidadão agosto 2015 Lojas CTT com Espaços do Cidadão até final de agosto Distrito Concelho Freguesia- designação atual Loja Lisboa Lisboa Alvalade ALVALADE (LISBOA) Lisboa Amadora

Leia mais

Mais se solicita brevidade no envio da referida lista de candidatos a peritos locais da avaliação geral, se possível até final próxima semana.

Mais se solicita brevidade no envio da referida lista de candidatos a peritos locais da avaliação geral, se possível até final próxima semana. Documento recebido da Autoridade Tributária relativamente ao processo de seleção de peritos locais de avaliação geral a selecionar por Serviço de Na sequência dos contactos efetuados sobre o assunto em

Leia mais

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Documento explicativo sobre o artigo 18.º que estabelece as obrigações dos operadores económicos - Informação aos consumidores sobre as entidades de Resolução Alternativa

Leia mais

Bloom Consulting. Digital Demand. Countries Regions and Cities. Digital Demand - D2. A Atratividade Online dos Municípios Portugueses.

Bloom Consulting. Digital Demand. Countries Regions and Cities. Digital Demand - D2. A Atratividade Online dos Municípios Portugueses. - D2 A Atratividade Online dos Municípios Portugueses Portugal Bem-vindo! Since 2003 Introdução ao A Bloom Consulting desenvolveu a ferramenta (D2) de forma a obter todos os dados relevantes sobre o comportamento

Leia mais

CAPELANIAS HOSPITALARES estimativa de despesas (mensais e anuais) do Estado com vencimentos dos capelães

CAPELANIAS HOSPITALARES estimativa de despesas (mensais e anuais) do Estado com vencimentos dos capelães Estimativa (por aproximação grosseira e por defeito) do custo mensal para o Estado de cada capelão em funções nos estabelecimentos de saúde civis (nota: capelães coordenadores auferem vencimentos mais

Leia mais

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Artigo 18.º - Obrigações dos operadores económicos - Informação aos consumidores sobre as entidades de Resolução Alternativa de Litígios de Consumo SOU UMA EMPRESA OU

Leia mais

Âmbito de Aplicação... 3 Promotores... 3 Enquadramento Territorial... 3

Âmbito de Aplicação... 3 Promotores... 3 Enquadramento Territorial... 3 Linha de Apoio I Território, Destinos e Produtos Ficha Informativa - Junho 2007 Índice Âmbito de Aplicação... 3 Promotores... 3 Enquadramento Territorial... 3 Desenvolvimento de Pólos Turísticos... 3 Desenvolvimento

Leia mais

Parque Automóvel Seguro 2000-2001 INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL

Parque Automóvel Seguro 2000-2001 INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL 2000-2001 INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance

Leia mais

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação - NERSANT. Março, 2014

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação - NERSANT. Março, 2014 Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação - NERSANT Março, 2014 A OxyCapital gere dois fundos (FRE e FRC) e está a lançar um fundo Mezzanine para oportunidades híbridas de dívida/capital

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos -Amb3E - Victor Sousa Uva Amb3E

Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos -Amb3E - Victor Sousa Uva Amb3E Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos -Amb3E - Victor Sousa Uva Amb3E Vila Real, 21 de Fevereiro de 2007 Agenda 1. Enquadramento Legal 2. Amb3E 3. Centros de

Leia mais

Parceria 5àsec - La Redoute 1 de Janeiro a 28 de Fevereiro 2015

Parceria 5àsec - La Redoute 1 de Janeiro a 28 de Fevereiro 2015 Parceria 5àsec - La Redoute 1 de Janeiro a 28 de Fevereiro 2015 Nome Loja Cidade Distrito ÁGUEDA PINGO DOCE ÁGUEDA Distrito Aveiro ALBERGARIA-A-VELHA RUA ALBERGARIA A VELHA Distrito Aveiro AVEIRO GLICÍNIAS

Leia mais

INATEL TURISMO PARA TODOS 267 A PREÇOS ECONÓMICOS

INATEL TURISMO PARA TODOS 267 A PREÇOS ECONÓMICOS www.inatel.pt FUNDAÇÃO INATEL TURISMO PARA TODOS PORTUGAL 2013 Desde 267 INCLUI: TRANSPORTE TERRESTRE + 5 NOITES ALOJAMENTO, REFEIÇÕES, PASSEIOS, ANIMAÇÃO E SEGURO. Descubra o que Portugal tem de melhor

Leia mais

1. TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os Colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

1. TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os Colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1. TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os Colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em

Leia mais

Reabilitação de Coberturas em Tribunais

Reabilitação de Coberturas em Tribunais Gouveia (Seia / Coimbra) Grândola (Santiago do Cacém / Évora) Inaugurado em 10/10/1982 Guarda (Guarda / Coimbra) Inaugurado em 27/04/1953 Guimarães (Guimarães / Porto) Arq. Luís Benavente Inaugurado em

Leia mais

PARTE C PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. 26092-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015

PARTE C PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. 26092-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 26092-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 PARTE C PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Gabinete do Secretário de Estado da Administração Local Despacho n.º 10123-A/2015 Considerando

Leia mais

Onde e como se vive em Portugal 2011

Onde e como se vive em Portugal 2011 Onde e como se vive em Portugal 2011 25 de junho de 2013 Onde e como se vive em Portugal 2011 De acordo com os resultados definitivos dos Censos 2011 na região de Lisboa regista-se a maior densidade populacional,

Leia mais

Multirriscos Habitação

Multirriscos Habitação Produto Âmbito Duração Cliente-alvo Multirriscos Garante casas de habitação em bom estado de conservação, que sejam residência permanente, contra a generalidade dos riscos a que estão sujeitas. Um ano

Leia mais

Estatísticas das redes e serviços de alta velocidade. Preâmbulo

Estatísticas das redes e serviços de alta velocidade. Preâmbulo Estatísticas das redes e serviços de alta velocidade Preâmbulo 1. Tendo em conta que: a) desde o final de 2007 que o Governo assumiu o desenvolvimento das redes de nova geração (RGN) como uma prioridade

Leia mais

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI DELEGAÇÃO REGIONAL DO NORTE Profissional de Vila Real VILA REAL TORRE DE MONCORVO A2000 ARDAD Centro de Emprego do Baixo Ave VILA NOVA DE FAMALICÃO ACIP SANTO TIRSO Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS

Leia mais

GUIA PRÁTICO ISENÇÃO/REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA REGIÕES COM PROBLEMAS DE INTERIORIDADE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO ISENÇÃO/REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA REGIÕES COM PROBLEMAS DE INTERIORIDADE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO ISENÇÃO/REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA REGIÕES COM PROBLEMAS DE INTERIORIDADE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Isenção/Redução da Taxa Contributiva Regiões

Leia mais

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E. 26 de Março, 2014

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E. 26 de Março, 2014 Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E 26 de Março, 2014 A OxyCapital gere dois fundos (FRE e FRC) e estáa lançar um fundo Mezzanine para oportunidades híbridas de dívida/capital

Leia mais

COMPOSIÇÃO DO GRUPO CRÉDITO AGRÍCOLA

COMPOSIÇÃO DO GRUPO CRÉDITO AGRÍCOLA COMPOSIÇÃO DO GRUPO CRÉDITO AGRÍCOLA 133 1. Caixa Central e Empresas do Grupo CAIXA CENTRAL DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, C.R.L. Tel.: 213 809 900 Fax: 213 8 861 CRÉDITO AGRÍCOLA INFORMÁTICA - SISTEMAS DE

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 31 de Janeiro de 2005

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 31 de Janeiro de 2005 PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 31 de Janeiro de 2005 Fundo de Investimento Mobiliário RAIZ POUPANÇA ACÇÕES Tipo de Fundo: Fundo de Poupança em Acções Início de Actividade: 21 de Novembro de 1995

Leia mais

Vistos Gold em Portugal Autorização de Residência para Investidores

Vistos Gold em Portugal Autorização de Residência para Investidores Vistos Gold em Portugal Autorização de Residência para Investidores O programa Vistos Gold, lançado pelas autoridades portuguesas, é um método rápido para investidores estrangeiros obterem uma licença

Leia mais

Seminário AGRICULTURA FAMILIAR E SUSTENTABILIDADE DOS TERRITÓRIOS RURAIS. Isabel Rodrigo

Seminário AGRICULTURA FAMILIAR E SUSTENTABILIDADE DOS TERRITÓRIOS RURAIS. Isabel Rodrigo Seminário AGRICULTURA FAMILIAR E SUSTENTABILIDADE DOS TERRITÓRIOS RURAIS Agricultura Familiar no Rural Baixa Densidade Sul: uma síntese Isabel Rodrigo Instituto Superior de Agronomia (ISA/UL) Sociedade

Leia mais

A REABILITAÇÃO URBANA & O NOVO REGIME DOS GOLDEN VISA

A REABILITAÇÃO URBANA & O NOVO REGIME DOS GOLDEN VISA II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Os investidores, protagonistas na reabilitação urbana 16 de Abril A REABILITAÇÃO URBANA & O NOVO REGIME DOS GOLDEN VISA Hugo Santos Ferreira (Secretário-geral

Leia mais

Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade

Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade O caso dos PROVERE Joaquim Felício CCDRC/MAIS CENTRO Coimbra, 24 novembro 2014 1 política pública

Leia mais

SEMANAEUROPEIADAMOBILIDADE 16-22 SETEMBRO. Escolhe. Muda. Combina. www.dotherightmix.eu. Mobilidade e Transporte

SEMANAEUROPEIADAMOBILIDADE 16-22 SETEMBRO. Escolhe. Muda. Combina. www.dotherightmix.eu. Mobilidade e Transporte SEMANAEUROPEIADAMOBILIDADE 16-22 SETEMBRO Escolhe. Muda. Combina. www.dotherightmix.eu Mobilidade e Transporte Uma nova campanha com um sentimento familiar Para reforçar o potencial das campanhas DO THE

Leia mais

ÉPOCA BALNEAR 2011 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS NO ÂMBITO DO PROJECTO PRAIA ACESSÍVEL, PRAIA PARA TODOS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE

ÉPOCA BALNEAR 2011 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS NO ÂMBITO DO PROJECTO PRAIA ACESSÍVEL, PRAIA PARA TODOS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE ÉPOCA BALNEAR 2011 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS NO ÂMBITO DO PROJECTO PRAIA ACESSÍVEL, PRAIA PARA TODOS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE Caminha V. Praia de Âncora costeira C/ cadeira anfíbia

Leia mais

Feiras de Coleccionismo e Velharias. Localidade Morada Horário Mais Informações/Contactos. 10h00 22h00. 10h00 18h30. 8h00 13h00.

Feiras de Coleccionismo e Velharias. Localidade Morada Horário Mais Informações/Contactos. 10h00 22h00. 10h00 18h30. 8h00 13h00. 1º SÁBADO DO MÊS Abrantes Praça Barão da Batalha 09h00 13h00 Alverca do Ribatejo Coimbra Convento de Santa Clara a Velha 10h00 22h00 Feira Sem Regras Figueira da Foz R João de Lemos Passeio Sul, Jardim

Leia mais

LOJAS CTT QUE PRESTAM O SERVIÇO DE VALIDAÇÃO DE DOCUMENTOS

LOJAS CTT QUE PRESTAM O SERVIÇO DE VALIDAÇÃO DE DOCUMENTOS LOJAS CTT QUE PRESTAM O SERVIÇO DE VALIDAÇÃO DE DOCUMENTOS ALFRAGIDE MONTIJO ABÓBODA ABRANTES ABRAVESES (VISEU) AEROPORTO DAS LAJES (TERCEIRA) AEROPORTO DE FARO AEROPORTO DO FUNCHAL AEROPORTO LISBOA AGUADA

Leia mais

Norte. Aveiro. Braga. Porto. Viana do Castelo

Norte. Aveiro. Braga. Porto. Viana do Castelo Norte Santa Maria da Feira Escola Secundária de Santa Maria da Feira Agrupamento de Escolas Doutor Ferreira de Almeida, Santa Maria da Feira Vale de Cambra Agrupamento de Escolas das Dairas, Vale de Cambra

Leia mais

Itinerários Principais

Itinerários Principais Itinerários Principais Bragança Viana do Castelo Braga IP9 Vila Real IP4 Porto Aveiro IP3 Viseu IP5 Guarda Coimbra Leiria Castelo Branco IP6 Santarém IP2 Portalegre IP1 Lisboa Setúbal IP7 Évora IP8 Beja

Leia mais

Declaração. Fundamento Data Finalidade Município/Freguesia beneficiario

Declaração. Fundamento Data Finalidade Município/Freguesia beneficiario Direcção-Geral do Orçamento Ministério das Finanças e da Administração Pública Declaração Em cumprimento do disposto no número 7 do art.º 8 da lei 2/2007 de 15 de Janeiro que aprova a Lei das Finanças

Leia mais

151506 - Agrupamento de Escolas da Lixa, Felgueiras. 151105 - Agrupamento de Escolas À Beira Douro, Gondomar

151506 - Agrupamento de Escolas da Lixa, Felgueiras. 151105 - Agrupamento de Escolas À Beira Douro, Gondomar Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Manifestação de Preferências para Concurso Interno QZP Amarante (1301) 151099 - Agrupamento de Escolas de Amarante Amarante (1301) 152936 - Agrupamento de

Leia mais

Itinerários Complementares

Itinerários Complementares Itinerários Complementares Viana do Castelo IC28 Bragança IC14 Braga Trofa Vila do Conde Santo Tirso Paços de Ferreira IC25 Matosinhos IC1 IC23 IC2 Espinho Paredes Valongo Porto IC24 Gondomar IC29 Porto

Leia mais

ÉPOCA BALNEAR 2012 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE

ÉPOCA BALNEAR 2012 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE ÉPOCA BALNEAR 2012 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS NO ÂMBITO DO PROJECTO PRAIA ACESSÍVEL, PRAIA PARA TODOS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE Caminha V. Praia de Âncora costeira C/ cadeira anfíbia

Leia mais

ACES com programação completa cobertura total ACES com programação parcial - cobertura ainda incompleta

ACES com programação completa cobertura total ACES com programação parcial - cobertura ainda incompleta ACES Início Conclusão 00 0 0 Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Nov Dez Alto Minho -0-00 -0-0 Alto Tâmega e Barroso 8-06-00-07-0 Aveiro Norte 0-09-00-0-0

Leia mais

REFORMA JUDICIÁRIA - NOVO MAPA JUDICIÁRIO

REFORMA JUDICIÁRIA - NOVO MAPA JUDICIÁRIO REFORMA JUDICIÁRIA - NOVO MAPA JUDICIÁRIO A reforma do Mapa Judicial, aprovada em Conselho de Ministros, insere-se num vasto conjunto de medidas legislativas na área da Justiça que o Governo já realizou

Leia mais

NOTA INFORMATIVA. Quadro legal vigente

NOTA INFORMATIVA. Quadro legal vigente NOTA INFORMATIVA Quadro legal vigente A Portaria nº 721-A/2000, publicada em suplemento ao Diário da República de 5 de setembro, fixou os quadros de pessoal das secretarias judiciais, dos Serviços do Ministério

Leia mais

Listas. Listas de escolas com crédito (Aplicação do Despacho Normativo n.º 6/2014, de 26 de maio)

Listas. Listas de escolas com crédito (Aplicação do Despacho Normativo n.º 6/2014, de 26 de maio) Listas Listas de escolas com crédito (Aplicação do Despacho Normativo n.º 6/2014, de 26 de maio) Os Agrupamentos de Escolas / Escolas não agrupadas (que aqui serão designados, simplesmente, por Escolas

Leia mais

ANEXO. Casa Pronta. 13 de Maio de 2008

ANEXO. Casa Pronta. 13 de Maio de 2008 GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DA JUSTIÇA ANEXO Casa Pronta 13 de Maio de 2008 1. O que é o balcão Casa Pronta? O Casa Pronta é um balcão único onde é possível realizar todas as operações relativas à

Leia mais

Lista de Associados. > Hospital do Montijo + Hospital Nossa Senhora do Rosário, EPE CENTRO HOSPITALAR DE ENTRE O DOURO E VOUGA, EPE

Lista de Associados. > Hospital do Montijo + Hospital Nossa Senhora do Rosário, EPE CENTRO HOSPITALAR DE ENTRE O DOURO E VOUGA, EPE ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DO SISTEMA DE SAÚDE (ACSS) ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO, IP ARS DO ALENTEJO, IP ARS DO ALGARVE, IP ARS DO CENTRO, IP ARS DO NORTE, IP CENTRO DE MEDICINA E REABILITAÇÃO DA REGIÃO CENTRO

Leia mais

BRAGANÇA CASTELO BRANCO

BRAGANÇA CASTELO BRANCO AVEIRO ALBERGARIA-A-VELHA JOÃO AGOSTINHO PINTO PEREIRA, PSD ANADIA LITÉRIO AUGUSTO MARQUES, PSD ESTARREJA JOSÉ EDUARDO VALENTE DE MATOS, PSD SANTA MARIA DA FEIRA ALFREDO OLIVEIRA HENRIQUES, PSD ÍLHAVO

Leia mais

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Manifestação de Preferências para Necessidades Temporárias QZP Concelho Agrupamento ou Escola não agrupada Observações

Leia mais

Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas

Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Concelho Amarante (1301) Amarante (1301) Amarante (1301) Amares (0301) Arcos de Valdevez (1601) Baião (1302) Baião (1302) Baião (1302) Cabeceiras de Basto

Leia mais

DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte

DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte Produção de Pequenos Frutos na Região Norte Em Portugal, à exceção do morango,

Leia mais

Artigo 3.º Objetivos e Competências

Artigo 3.º Objetivos e Competências CAPÍTULO I Objeto, objetivos e competências Artigo.º Objeto O presente regulamento regula as regras relativas ao processo de recrutamento, seleção e afetação de formadores externos da ENB. Artigo.º Definição

Leia mais

REGULAMENTO DAS SECÇÕES SINDICAIS

REGULAMENTO DAS SECÇÕES SINDICAIS REGULAMENTO DAS SECÇÕES SINDICAIS DIRECÇÃO DEZEMBRO DE 2009 REGULAMENTO DAS SECÇÕES SINDICAIS SECÇÃO I Princípios gerais Artigo 1º Âmbito do Regulamento Nos termos dos Estatutos a organização e funcionamento

Leia mais

VERÃO 2010. Acessibilidade nas praias portuguesas, no âmbito do Projecto Praia acessível

VERÃO 2010. Acessibilidade nas praias portuguesas, no âmbito do Projecto Praia acessível VERÃO 2010 Acessibilidade nas praias portuguesas, no âmbito do Projecto Praia acessível NORTE Caminha V. Praia de Âncora (costeira) C/ cadeira anfíbia Caminha (costeira) Viana do Castelo Carreço (costeira)

Leia mais

Postos de Atendimento ao Cidadão (PAC)

Postos de Atendimento ao Cidadão (PAC) Postos de Atendimento ao Cidadão (PAC) Serviços Prestados : Alteração de Elementos da Carta de Condução Revalidação da Carta de Condução Posto de Atendimento ao Cidadão - PAC Abrantes Praça Raimundo Soares,

Leia mais

Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004)

Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004) Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004) http:// www.insa.pt Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento

Leia mais

ELIMINAÇÃO DE HORÁRIOS NAS ESCOLAS E IMPACTO EM HORÁRIOS-ZERO E DESEMPREGO

ELIMINAÇÃO DE HORÁRIOS NAS ESCOLAS E IMPACTO EM HORÁRIOS-ZERO E DESEMPREGO FENPROF FEDERAÇÃO NACIONAL DOS PROFESSORES ELIMINAÇÃO DE HORÁRIOS NAS ESCOLAS E IMPACTO EM HORÁRIOS-ZERO E DESEMPREGO DISTRITO ESCOLA ou AGRUPAMENTO N.º PROFESSORES PROFESSORES A DACL CONTRATADOS OBSERVAÇÕES

Leia mais

COMPOSIÇÃO 06 DO GRUPO

COMPOSIÇÃO 06 DO GRUPO 06 COMPOSIÇÃO 06 COMPOSIÇÃO 1. Caixa Central e Empresas do Grupo CAIXA CENTRAL DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, C.R.L. Rua Castilho, 233-233 A 1099-004 LISBOA Tel.: 213 809 900 Fax: 213 855 861 CRÉDITO AGRÍCOLA

Leia mais

05 Composition of the Group

05 Composition of the Group Composition of the Group 294 1. CAIXA CENTRAL AND GROUP COMPANIES CAIXA CENTRAL DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, C.R.L. Rua Castilho, 233-233 A 1099-004 LISBOA Tel.: 213 809 900 Fax: 213 855 861 CRÉDITO AGRÍCOLA

Leia mais

Direcção Regional do Norte

Direcção Regional do Norte BRAGANÇA Direcção Regional do Norte BRAGA Lojas Institucionais IPJ Lojas Parceiras Direcção Regional do Norte BRAGA GUIMARÃES Rua de Santa Margarida, n.º 6 4710-306 Braga Tel: 253 204 250 Fx: 253 204 259

Leia mais

O SEMINÁRIO CONTA COM 800 PARTICIPANTES INSCRITOS, PROVENIENTES DAS SEGUINTES ENTIDADES:

O SEMINÁRIO CONTA COM 800 PARTICIPANTES INSCRITOS, PROVENIENTES DAS SEGUINTES ENTIDADES: O SEMINÁRIO CONTA COM 800 PARTICIPANTES INSCRITOS, PROVENIENTES DAS SEGUINTES ENTIDADES: ACES DA LEZÍRIA ACES DE ARCO RIBEIRINHO ACES DE CACÉM - QUELUZ ACES DE LISBOA NORTE ACES DE ODIVELAS ACES DE SEIXAL

Leia mais

ÍNDICE QUADROS SÍNTESE 3 PROJECTOS E SUBPROJECTOS POR DISTRITOS E CONCELHOS 33 REGIONALIZAÇÃO POR ÁREA DE INFLUÊNCIA 5 TOTAIS POR NUTS 9

ÍNDICE QUADROS SÍNTESE 3 PROJECTOS E SUBPROJECTOS POR DISTRITOS E CONCELHOS 33 REGIONALIZAÇÃO POR ÁREA DE INFLUÊNCIA 5 TOTAIS POR NUTS 9 M A P A - X V - A ÍNDICE QUADROS SÍNTESE 3 REGIONALIZAÇÃO POR ÁREA DE INFLUÊNCIA 5 TOTAIS POR NUTS 9 TOTAIS POR DISTRITOS 15 TOTAIS POR 19 PROJECTOS E SUBPROJECTOS POR DISTRITOS E 33 QUADROS SÍNTESE

Leia mais

Rede de Referenciação Hospitalar. /Emergência

Rede de Referenciação Hospitalar. /Emergência Rede de Referenciação Hospitalar de/ /Emergência A Rede de Referenciação Hospitalar de /Emergência foi aprovada por Despacho de Sua Excelência a Secretária de Estado Adjunta do Ministro da Saúde, Drª Carmen

Leia mais

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Manifestação de Preferências para Necessidades Temporárias QZP Concelho Agrupamento ou Escola não agrupada Observações

Leia mais

Direcção Regional do Norte

Direcção Regional do Norte BRAGANÇA Direcção Regional do Norte BRAGA Lojas Institucionais IPDJ Lojas Parceiras Direcção Regional do Norte BRAGA GUIMARÃES Antiga Estação de Comboios Av. D. João IV Urgeses 4810-534 Guimarães Tel.

Leia mais

INDICE 0.1 1.1: RESUMO DA REUNIÃO DAS CASAS DO BENFICA _ PÁG.3 1.2: NOVOS CARTÕES DE SÓCIOS CASAS DO BENFICA _ PÁG.4 1.3: BENFICA SEGUROS _ PÁG.

INDICE 0.1 1.1: RESUMO DA REUNIÃO DAS CASAS DO BENFICA _ PÁG.3 1.2: NOVOS CARTÕES DE SÓCIOS CASAS DO BENFICA _ PÁG.4 1.3: BENFICA SEGUROS _ PÁG. INDICE 0.1 1.1: RESUMO DA REUNIÃO DAS CASAS DO BENFICA _ PÁG.3 1.2: NOVOS CARTÕES DE SÓCIOS CASAS DO BENFICA _ PÁG.4 1.3: BENFICA SEGUROS _ PÁG.8 1.4: MODALIDADES NAS CASAS DO BENFICA _ PÁG.9 2.1: MERCHANDISING

Leia mais

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas para efeitos de validação QZP Concelho Agrupamento ou Escola não agrupada QZP 1 Amarante (1301) 151099 - Agrupamento

Leia mais

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM 2009 - A Formação Específica. ANATOMIA PATOLÓGICA Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E.

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM 2009 - A Formação Específica. ANATOMIA PATOLÓGICA Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E. Hospitais Universidade de Coimbra - E.P.E. Hospital Central de Faro - E.P.E. Instituto Português Oncologia de Lisboa Hospital Central do Funchal Hospital Central do Funchal Preferencial Hospital Curry

Leia mais

Problemas com o seu operador? Saiba o que fazer e a quem recorrer. Guia para o utilizador de serviços de comunicações

Problemas com o seu operador? Saiba o que fazer e a quem recorrer. Guia para o utilizador de serviços de comunicações Problemas com o seu operador? Saiba o que fazer e a quem recorrer Guia para o utilizador de serviços de comunicações Guia para o utilizador de serviços de comunicações Índice A informação é a sua maior

Leia mais

Anexo C. Estabelecimentos de Ensino Superior. Índice

Anexo C. Estabelecimentos de Ensino Superior. Índice Anexo C Estabelecimentos de Ensino Superior Índice Anexo C1 - Estabelecimentos de Ensino Superior: Situação em 1980...c.2 Anexo C2 - Estabelecimentos de Ensino Superior: Situação em 1990...c.4 Anexo C3

Leia mais