EAPS - EMPRESA DE ANÁLISE, PREVENÇÃO E SEGURANÇA, S.A.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EAPS - EMPRESA DE ANÁLISE, PREVENÇÃO E SEGURANÇA, S.A."

Transcrição

1 EAPS - EMPRESA DE ANÁLISE, PREVENÇÃO E SEGURANÇA, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2013 Grupo Caixa Geral de Depósitos

2 Relatório e Contas EAPS 2013 Índice 2 Índice Relatório do Conselho de Administração Demonstrações Financeiras Anexo às Demonstrações Financeiras Relatório Sobre o Governo da Sociedade Relatório e Parecer do Fiscal Único e Certificação Legal das Contas

3 Relatório e Contas EAPS 2013 Órgãos Sociais 3 Órgãos Sociais Mesa da Assembleia Geral Presidente Secretário Conselho de Administração Presidente Vogais Fiscal Único Efetivo Suplente Maria Isabel Toucedo Lage Carla Cristina Curto Coelho COMPANHIA DE SEGUROS FIDELIDADE-MUNDIAL, S.A., que nomeou para exercer o cargo em nome próprio, António Manuel Marques de Sousa Noronha Francisco de Assis Andermatt Brás de Oliveira Ramiro José de Sousa Martins DELOITTE & ASSOCIADOS, SROC, S.A., Representada por Paulo Alexandre Rosa Pereira Antunes, ROC Carlos Luís Oliveira de Melo Loureiro, ROC

4 01 RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

5 Relatório e Contas EAPS 2013 Relatório do Conselho de Administração 5 1. Considerações Gerais Em 2013, e apesar da situação económica menos favorável, a EAPS procurou direcionar a sua ação no sentido de desenvolver e consolidar a posição que a empresa detém no mercado. Nesse sentido, a EAPS procedeu ao recentramento da atividade em três áreas de negócio: Análise de Riscos, Medidas de Auto Proteção, e Higiene e Saúde no Trabalho e lançou as bases para uma quarta linha de negócio Medicina no Trabalho. Prosseguiu-se igualmente no desenvolvimento do portfólio de serviços disponibilizados, no âmbito das três áreas de negócio enunciadas. A empresa procedeu à implementação de novas ações de âmbito comercial, tendo por objetivos o crescimento do volume de vendas e o incremento da faturação no segmento de clientes externos ao Grupo Caixa Geral de Depósitos. Assim a EAPS promoveu a realização de inúmeras reuniões com potenciais clientes, para apresentação de propostas de prestação de serviços e angariação de novos contratos. Paralelamente, desenvolveu também um produto experimental de informação sobre HST, denominado Safemode Safety Benchmark, com o objetivo de potenciar a contratação dos serviços da EAPS não só para gerar um benchmark em termos de SST mas também para funcionar como indutor de contratação para melhorar a posição no benchmark em anos subsequentes. Na sua linha principal de negócio Análise de Risco - a empresa manteve a prestação de serviços à Fidelidade, através de novos modelos de relatório contribuindo para tornar mais rigorosos e mais competitivos os produtos oferecidos pela Seguradora. Apesar de ter aumentado a complexidade desse mesmo serviço, mantiveram-se os fees cobrados, o que contribuiu para a competitividade da Seguradora. De igual modo, a EAPS deu continuidade à atividade de suporte técnico às instalações da Caixa Geral de Depósitos, e em empresas do Grupo CGD e da Caixa Seguros e Saúde.

6 Relatório e Contas EAPS 2013 Relatório do Conselho de Administração 6 2. Estrutura e Organização da Empresa Dadas as reestruturações, a nível funcional, implementadas na EAPS durante 2013, o Organograma da Empresa passou a ter a seguinte configuração: Organograma da EAPS Administração Gabinete de Apoio à Gestão Gabinete de Comunicação SGQ (9001 e 17025) Direção Análise Risco Direção Segurança no Trabalho Direção Segurança Património Direção de Vendas EAPS Lab Laboratório de Ensaios Direção Administrativa Direção Medicina no Trabalho

7 Relatório e Contas EAPS 2013 Relatório do Conselho de Administração 7 3. Recursos Humanos 3.1. Efetivos Em 31 de dezembro de 2013, o efetivo de pessoal da EAPS era constituído por 41 colaboradores, 14 dos quais com contratos de cedência temporária, sendo 13 oriundos da Fidelidade e 1 da Multicare. Relativamente ao ano anterior, alterou-se o número de colaboradores (de 42 para 41), sendo de referir as seguintes situações: Rescisão contratual de uma técnica da Direção de Segurança no Trabalho; Suspensão de contrato de trabalho de um técnico da Direção de Segurança no Trabalho, para exercício de cargo político; Conclusão de um estágio profissional, na Direção de Segurança de Património; Cedência pela Fidelidade de dois novos colaboradores, para exercerem funções nas Direções de Medicina no Trabalho e Análise de Risco. A revisão salarial anual foi de 0%, em consonância com o definido pelo acionista, tendo ainda sido aplicadas as medidas de redução salarial estabelecidas para o Setor Empresarial do Estado em Os gastos com pessoal incluem o montante total de relativo aos contratos de cedência temporária. A evolução verificada nos gastos totais com pessoal, face ao ano anterior, reflete o impacto das contratações dos novos colaboradores cedidos. Pessoal Evolução nos últimos 4 anos Contratados Efetivos Cedidos Próprios Estagiários Nº de Colaboradores a 31/ Entradas Saídas

8 Relatório e Contas EAPS 2013 Relatório do Conselho de Administração 8 Gastos com Pessoal e Faturação Evolução nos últimos 4 anos Colaboradores (Milhões de Euros) ,2 2,0 1,8 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2 0,0 Estagiários Contratados a termo Próprios Cedidos Faturação Gastos com Pessoal Totais Formação Em 2013, a EAPS continuou a investir na formação dos seus colaboradores, para atualização e desenvolvimento de competências, visando dotar os Órgãos de Estrutura da empresa dos meios humanos e técnicos necessários, nomeadamente através do realocação de recursos existentes. Foi igualmente importante garantir o cumprimento dos requisitos mínimos, de qualificações académicas e de formação profissional, exigidos pelo Sistema de Qualidade. Nesse sentido, realizaram-se 43 ações de formação externas, frequentadas por 27 colaboradores, perfazendo 1530 horas Perfis Etários e Habilitacionais (em Termos Académicos) Nos gráficos em anexo é apresentada a caracterização dos recursos humanos da EAPS, por perfis etários, habilitacionais e por sexo. Recursos Humanos - Por Faixa Etária 14 Masculino Feminino >50

9 Relatório e Contas EAPS 2013 Relatório do Conselho de Administração 9 Recursos Humanos - Por Habilitações Académicas 37 Masculino Feminino 1 3 9º Ano 12º Ano Ens. Superior Recursos Humanos - Por Sexo Evolução nos últimos 4 anos Masculino Feminino Áreas de Negócio Desenvolvidas 4.1. Análise de Riscos Serviços: Análises de Risco Patrimoniais, de Acidentes de Trabalho e Ambientais. Início do serviço Safety Global Analysis (SGA) para o acompanhamento da carteira AT. Prestação de serviços de apoio a liquidações, processos de peritagem e processos em contencioso com a DSP (Direção de Sinistros Patrimoniais). Na Área da Certificação Energética: Intervenções no âmbito da Certificação Energética de Edifícios (emissão de certificados RSECE). Inspeções de sistemas AVAC e Legionella. Na área da Proteção do Ambiente: SafeEco - Dimensionamento do Risco Ambiental. Outros serviços: Avaliações de Ruído Ambiente e Caracterização de Efluentes Gasosos Segurança do Património Serviços: Elaboração e implementação de medidas de autoproteção exigíveis, Safecheck - Auditorias de Segurança, no âmbito da segurança contra incêndio e intrusão, Safeplace - Gestão de medidas de autoproteção, Compliance com a Diretiva ATEX (Atmosferas Potencialmente Explosivas). Projetos de Segurança e Consultoria.

10 Relatório e Contas EAPS 2013 Relatório do Conselho de Administração Segurança e Saúde do Trabalho Serviços: Prestação de Serviços de Higiene e Segurança do Trabalho; Higiene Ocupacional (avaliações de agentes físicos-ruído, vibrações, conforto/stress térmico, iluminância, agentes químicos - partículas, compostos orgânicos voláteis, metais, ácidos, outros e agentes biológicos - identificação e contagem de bactérias e fungos); Safelife - Desenvolvimento de competências em Segurança nas Organizações; Coordenação de Segurança em Obra. 5. Qualidade Em 2013 teve lugar a Auditoria de acompanhamento da TÜV do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ), no âmbito da ISO 9001, e a Auditoria de renovação do IPAC, no âmbito da ISO Destas auditorias resultaram a manutenção da certificação do SGQ e da acreditação do EAPS Lab. Na sequência da notificação por parte da DGERT, foi entregue em Agosto o respetivo pedido de certificação da EAPS como entidade formadora, aguardando-se o parecer positivo desta entidade. Para além das auditorias externas, foram ainda realizadas, pela equipa de Auditores Internos, as auditorias anuais que cobrem todos os processos do SGQ, de acordo com o previsto no respetivo Plano Anual, tendo-se verificado, mais uma vez, que as constatações decorrentes contribuíram significativamente para a melhoria da funcionalidade e conformidade do Sistema. 6. Atividade nos Principais Segmentos de Negócio 6.1. Atividade Seguradora A prestação de serviços de Análises de Risco como suporte à atividade da Fidelidade permanece como papel fulcral da EAPS no contexto da Caixa Seguros, conferindo vantagens competitivas à Seguradora e respetivos parceiros de negócio, que se traduzem na fidelização dos clientes e na melhoria da sinistralidade. Com a constituição da Direção de Análise de Riscos (DAR) e consequente junção das três áreas que a constituem, ou seja, acidentes de trabalho, património e responsabilidade ambiental, tornou-se exequível a existência de um único interlocutor com as áreas de Subscrição da Fidelidade. Deste modo, em 2013, no âmbito desta atividade foram realizadas pela DAR, um total de 462 intervenções, a nível de análises de risco patrimoniais (223), análise e prevenção dos acidentes de trabalho (62 e 90, respetivamente) e análises de risco ambiental (87).

11 Relatório e Contas EAPS 2013 Relatório do Conselho de Administração 11 Neste âmbito, efetuaram-se ainda ações de formação técnica relacionadas com as intervenções para redução de risco de acidentes de trabalho, com um total de 72 horas de formação e que envolveram 104 formandos Outras Atividades no Grupo Caixa Geral de Depósitos A EAPS prosseguiu a execução regular dos trabalhos de auditoria técnica às condições de segurança e higiene nos locais de trabalho da Fidelidade, realizando intervenções em 50 Agências de Clientes, 24 Centros de Mediadores, 1 Edifício Central e 2 DOP. Foram realizados exercícios de simulacro, no âmbito das condições de segurança contra incêndio, nos edifícios centrais (Chiado, Malhoa, Scala, Boavista e CC Évora) tendo sido asseguradas as respetivas ações formativas aos colaboradores que constituem as Equipas de Intervenção dos edifícios da Fidelidade. Foi dada continuidade aos trabalhos de assessoria nos Hospitais Privados de Portugal, no âmbito da Higiene e Segurança do Trabalho e avaliações dos parâmetros ambientais e de qualidade do ar interior, com a intervenção realizada aos 5 estabelecimentos localizados em Porto, Lisboa, Cascais, Faro e Lagos. Em 2013 foi dada prossecução à prestação dos serviços de Higiene e Segurança do Trabalho às empresas do Grupo CGD, VIA DIRETA, MULTICARE, CARES E CARES RH, GEP, LCS, CETRA num total de 14 estabelecimentos. Neste ano foi adjudicada à Safemode a prestação de serviços de Higiene e Segurança do Trabalho da Companhia Portuguesa de Resseguros (CPR), também empresa do Grupo CGD. Foram ainda executados serviços no âmbito do RSECE, de Avaliação da Qualidade do Ar Interior e respetiva certificação, em 4 edifícios da Caixa Geral de Depósitos (José Malhoa, Calhariz, Camões e 31 de Janeiro). Todos os processos de certificação energética nos imóveis geridos pela Fundger (Hospitais dos Lusíadas, Lagos, Boavista, Clínica da Boavista e UCC) foram concluídos. A CGD renovou a licença de utilização do software de gestão de emergência onde estão disponíveis os Planos de Emergência Internos dos edifícios Sede (João XXI) e 5 de Outubro. Foi dada continuidade à prestação do serviço de Coordenação de Segurança em Obra, à CGD, tendo sido adjudicadas 5 empreitadas, sendo que uma de grande dimensão relativa ao edifício Camões, na cidade do Porto. Em abril, iniciou-se a prestação de serviços de apoio a liquidações, processos de peritagem e processos em contencioso com a DSP - Direção de Sinistros Patrimoniais, da Fidelidade.

12 Relatório e Contas EAPS 2013 Relatório do Conselho de Administração 12 No que respeita à atividade de formação, foram asseguradas duas ações formativas sobre Segurança e Higiene do Trabalho no HPP Cascais, tendo sido também realizadas ações formativas, teóricas e práticas, de Combate a Incêndios com meios de 1ª intervenção aos colaboradores do HPP Boavista, e à empresa Coelima - Indústrias Têxteis, SA, esta última em colaboração com a DCC Direção Comercial Corretores e Grandes Clientes, da Fidelidade Clientes Externos ao Grupo CGD Na atividade efetuada para clientes externos em 2013, salientam-se as Auditorias de Serviços Externos no âmbito dos SST, as Medidas de Auto Proteção, a Higiene Ocupacional, e a Certificação Energética dos Edifícios QAI, e também as intervenções no âmbito de produtos recentemente lançados, Safeplace e Safelife. Neste segmento, à semelhança de anos anteriores, e apesar da conjuntura empresarial desfavorável, conseguiu-se um alargamento da base de clientes de cerca de 5%. Foi igualmente mantido um elevado grau de fidelização, apesar de uma evolução em baixa dos preços médios praticados. Em 2013, tal como no ano anterior, verificou-se uma maior prevalência das empresas clientes pertencentes ao setor de serviços, face ao setor industrial. 7. Evolução da Empresa 7.1. Resultados Obtidos A faturação da Empresa teve, nos últimos 4 anos, a alteração de composição evidenciada no gráfico em anexo. A evolução apresentada é indissociável da forte contração económica sentida no período em análise, caracterizada por uma redução acentuada da procura interna, com um impacto negativo no desempenho das empresas. Assim, verifica-se uma ligeira recuperação, face ao ano anterior, na faturação dos segmentos Grupo Caixa Seguros, e também no de Clientes Externos, refletindo uma melhoria no número total de intervenções. A nível dos clientes externos ao Grupo CGD, e apesar das fortes condicionantes referidas anteriormente, nomeadamente em termos de preços médios praticados, foi possível obter, entre 2012 e 2013, um crescimento de 26%, reforçando a posição relativa deste segmento para 13,6% da faturação total da empresa. Foi também assegurada a continuidade e consolidação das relações comerciais estabelecidas com a quase totalidade dos clientes da empresa.

13 Relatório e Contas EAPS 2013 Relatório do Conselho de Administração 13 Prestação de Serviços Evolução nos últimos 4 anos (Milhões de Euros) Ativ. Seguradora Outras Ativ. Grupo CGD Clientes Externos TOTAL ,04 2,12 2,01 13,6% 11,4% 23,0% 11,1% 19,7% 25,1% 2,08 13,6% 19,8% Ativ. Seguradora (Milhões de Euros) 61,3% 65,6% 69,2% 66,6% Outras Ativ. Grupo CGD Clientes Externos Faturação a Clientes Externos Por segmento-alvo 2% 14% Empresas Industriais Empresas de Serviços Administração Pública Central 84% 7.2. Perspetivas Futuras A EAPS, em 2014, incluirá na oferta de serviços a Medicina no Trabalho. Dará ainda sequência à implementação da metodologia SSB - Safemode Safety Benchmark, estando prevista a realização de uma segunda edição de recolha de informação junto de novas empresas, para ampliação da base de amostragem e confirmação dos dados já obtidos. Por outro lado, a EAPS vai continuar a aproveitar o potencial de negócio SSB - Safemode Safety Benchmark, através da oferta comercial a clientes de informação sobre HST Higiene e Segurança no Trabalho, e também quanto ao seu posicionamento de competências em segurança, face aos principais concorrentes.

14 Relatório e Contas EAPS 2013 Relatório do Conselho de Administração 14 Proceder à renovação do site institucional da EAPS/Safemode, adaptando-o ao novo posicionamento da empresa, e desenvolver e implementar um site sobre a legislação associada à atividade. Em 2014 serão igualmente asseguradas as atividades necessárias à manutenção das Certificações e Acreditações existentes, no âmbito do SGQ. A EAPS procurará manter a sua estratégia de investimento na formação profissional do Quadro Técnico da empresa, como forma de promover a valorização e a motivação destes profissionais, e de aumentar a sua polivalência. Mercê do lançamento da linha de Medicina no Trabalho, espera-se um crescimento importante da faturação da empresa. Acredita-se que esta linha irá induzir o crescimento da faturação da linha de Higiene e Segurança no Trabalho. A Direção de Vendas continuará a prospetar diretamente potenciais clientes fora do portfólio de clientes da Seguradora. Mercê de todas esta ações espera-se um crescimento mais vigoroso da faturação da empresa, do que o observado nos últimos exercícios, o qual não obstante a crise que atravessa a economia portuguesa foi marginalmente positivo.

15 Relatório e Contas EAPS 2013 Relatório do Conselho de Administração Proposta de Aplicação de Resultados A atividade desenvolvida pela EAPS, durante o exercício de 2013, permitiu apurar um Resultado Líquido positivo, no montante de ,35. A Administração propõe, nos termos das disposições legais aplicáveis, que os resultados tenham a seguinte aplicação: Para reservas livres 895,92 Para resultados transitados ,43

16 Relatório e Contas EAPS 2013 Relatório do Conselho de Administração Considerações Finais A Administração renova o seu reconhecimento ao Acionista pelo apoio e confiança manifestados durante o exercício, e expressa o seu agradecimento a todos os colaboradores pelo empenho na prossecução dos objetivos da empresa, o qual permitiu à EAPS alcançar um maior desenvolvimento nas suas áreas de atividade. De igual modo, pretende expressar um agradecimento particular a todos os clientes que distinguiram a EAPS com a sua preferência, tornando-se dessa forma num estímulo permanente de melhoria da qualidade de serviço. Por último, a Administração congratula-se com todos os fornecedores que souberam encarar a relação comercial com a EAPS dentro de um espírito de parceria, levando a que ambas as partes pudessem sair solidariamente beneficiadas. Lisboa, 20 de fevereiro de 2014 O Conselho de Administração António Manuel Marques de Sousa Noronha Presidente Francisco de Assis Andermatt Brás de Oliveira Vogal Ramiro José de Sousa Martins Vogal

17 02 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

18 Relatório e Contas EAPS 2013 Demonstrações Financeiras 18 Balanços em 31 de dezembro de 2013 e 2012 ATIVO Notas ATIVO NÃO CORRENTE: Ativos fixos tangíveis 5 21,040 32,392 Ativos intangíveis 5 20,319 26,544 Participações financeiras 6 89,590 89,112 Total do ativo não corrente 130, ,048 ATIVO CORRENTE: Clientes 7 428, ,450 Adiantamentos a fornecedores 8 8,104 21,237 Acionistas 9-14 Outras contas a receber 7 12,140 13,559 Diferimentos 10 11,734 26,840 Caixa e depósitos bancários 4 139, ,300 Total do ativo corrente 599, ,400 Total do ativo 730, ,448 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO Notas CAPITAL PRÓPRIO: Capital realizado 11 50,000 50,000 Reserva legal 11 13,885 13,885 Outras reservas 11 82,365 42, , ,185 Resultado líquido do exercício 11 17,918 75,065 Total do capital próprio 164, ,250 PASSIVO: PASSIVO NÃO CORRENTE: Outras contas a pagar Total do passivo não corrente PASSIVO CORRENTE: Fornecedores 13 98,021 90,428 Estado e outros entes públicos , ,755 Acionistas 9 139, ,990 Outras contas a pagar , ,973 Diferimentos 15 1,935 1,422 Total do passivo corrente 566, ,568 Total do passivo 566, ,198 Total do capital próprio e do passivo 730, ,448

19 Relatório e Contas EAPS 2013 Demonstrações Financeiras 19 Demonstrações dos Resultados por Naturezas dos Exercícios Findos em 31 de dezembro de 2013 e 2012 RENDIMENTOS E GASTOS Notas Serviços prestados 16 2,076,244 2,013,095 Fornecimentos e serviços externos 17 (412,391) (490,663) Gastos com o pessoal 18 (1,558,627) (1,374,436) Imparidade de dívidas a receber ((perdas) / reversões) 7 (15,591) (5,957) Outros rendimentos e ganhos ,010 Outros gastos e perdas 20 (20,164) (11,141) Resultado antes de depreciações, gastos de financiamento e impostos 69, ,908 Gastos com depreciação e amortização 5 (30,766) (26,650) Resultado operacional (antes de gastos de financiamento e impostos) 38, ,258 Juros e rendimentos similares obtidos Juros e gastos similares suportados 21 (71) (266) Resultado antes de impostos 38, ,535 Imposto sobre o rendimento do exercício 22 (20,719) (31,470) Resultado líquido do exercício 17,918 75,065 Resultado por ação básico Demonstração das Alterações no Capital Próprio nos Exercícios Findos em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Resultado Total do Capital Reserva Outras líquido do capital Notas realizado legal reservas exercício próprio Posição em 31 de dezembro de ,000 13,885 6,017 71, ,185 Alteração no exercício: - Aplicação do resultado de ,283 (36,283) - - Distribuição de dividendos (35,000) (35,000) - Resultado líquido do exercício ,065 75,065 Posição em 31 de dezembro de ,000 13,885 42,300 75, ,250 Alteração no exercício: - Aplicação do resultado de ,065 (40,065) - - Distribuição de dividendos (35,000) (35,000) - Resultado líquido do exercício ,918 17,918 Posição em 31 de dezembro de ,000 13,885 82,365 17, ,168

20 Relatório e Contas EAPS 2013 Demonstrações Financeiras 20 Demonstrações dos Fluxos de Caixa dos Exercícios Findos em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Notas FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS: Recebimentos de clientes 2,033,632 1,997,275 Pagamentos a fornecedores (420,645) (531,074) Pagamentos ao pessoal (1,528,454) (1,406,368) Caixa gerada pelas operações 84,533 59,833 Pagamento/recebimento do imposto sobre o rendimento (62,001) (21,346) Outros recebimentos/pagamentos (19,026) 47,341 Fluxos das atividades operacionais [1] 3,506 85,828 FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO: Pagamentos respeitantes a: Ativos fixos tangíveis 5 (8,491) (1,188) Ativos intangíveis 5 (4,700) (6,280) Participações financeiras 6 (59,062) (72,253) - (7,468) Recebimentos provenientes de: Juros e rendimentos similares Fluxos das atividades de investimento [2] (72,253) (6,925) FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO: Pagamentos respeitantes a: Juros e gastos similares 21 (71) (266) Dividendos 11 (35,000) (35,000) Outras operações de financiamento - (35,071) - (35,266) Fluxos das atividades de financiamento [3] (35,071) (35,266) Variação de caixa e seus equivalentes [4]=[1]+[2]+[3] (103,818) 43,637 Caixa e seus equivalentes no início do exercício 4 243, ,663 Caixa e seus equivalentes no fim do exercício 4 139, ,300

21 03 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

22 Relatório e Contas EAPS 2013 Anexo às Demonstrações Financeiras Nota Introdutória A EAPS Empresa de Análise, Prevenção e Segurança, S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade anónima com sede em Lisboa, constituída em 1996, tendo como atividade principal a prestação de serviços de análise e prevenção de riscos, bem como de consultoria técnica e formação para incremento das condições de higiene, segurança e saúde em locais de trabalho, de apoio laboral, de planeamento e acompanhamento de intervenções de recuperação ambiental e de gestão de instalações industriais para tratamento, recuperação e reciclagem. A Sociedade poderá ainda adquirir e alienar participações em sociedades com objeto social diferente, de responsabilidade limitada, em sociedades reguladas por leis especiais e em agrupamentos complementares de empresas. Conforme indicado na Nota 11, o capital social da Sociedade é detido integralmente pela Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A. (Fidelidade), entidade pertencente ao Grupo Caixa Geral de Depósitos, sendo as suas demonstrações financeiras consolidadas na Caixa Seguros e Saúde, SGPS, S.A.. Neste sentido, as suas operações e transações são influenciadas pelas decisões do Grupo onde se insere. Os principais saldos e transações com empresas do Grupo encontram-se detalhados na Nota 23. As demonstrações financeiras da Sociedade em 31 de dezembro de 2013 foram aprovadas pelo Conselho de Administração em 20 de fevereiro de 2014, não tendo sido ainda objeto de aprovação pela Assembleia Geral de Acionistas. No entanto, o Conselho de Administração admite que as mesmas venham a ser aprovadas sem alterações significativas. 2. Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras As demonstrações financeiras anexas foram preparadas no quadro das disposições em vigor em Portugal, em conformidade com o Decreto-Lei nº 158/2009, de 13 de julho, e de acordo com a estrutura conceptual, normas contabilísticas e de relato financeiro e normas interpretativas aplicáveis ao exercício findo em 31 de dezembro de Principais Políticas Contabilísticas As principais políticas contabilísticas adotadas na preparação das demonstrações financeiras anexas foram as seguintes:

23 Relatório e Contas EAPS 2013 Anexo às Demonstrações Financeiras Bases de apresentação As demonstrações financeiras anexas foram preparadas no pressuposto da continuidade das operações, a partir dos livros e registos contabilísticos da Sociedade, de acordo com as Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro Ativos fixos tangíveis Os ativos fixos tangíveis encontram-se registados ao custo de aquisição, o qual inclui o custo de compra e quaisquer custos diretamente atribuíveis às atividades necessárias para colocar os ativos na localização e condição necessárias para operarem da forma pretendida, deduzido de amortizações e perdas de imparidade acumuladas. As amortizações são calculadas, após o momento em que o bem se encontra em condições de ser utilizado, de acordo com o método das quotas constantes, em conformidade com o período de vida útil estimado para cada grupo de bens. As taxas de amortização utilizadas correspondem aos seguintes anos de vida útil estimada: Anos Equipamento básico 4-8 Equipamento administrativo 4-8 Outros objetivos tangíveis 4-8 As vidas úteis e o método de amortização dos vários bens são revistos anualmente. O efeito de alguma alteração a estas estimativas é reconhecido prospetivamente na demonstração dos resultados Locações As locações são classificadas como financeiras sempre que os seus termos transferem substancialmente todos os riscos e benefícios associados à propriedade do bem para o locatário. As restantes locações são classificadas como operacionais. A classificação das locações é feita em função da substância e não da forma do contrato. Os ativos adquiridos mediante contratos de locação financeira, bem como as correspondentes responsabilidades são contabilizados pelo método financeiro. De acordo com este método, a locação é registada como um ativo tangível pelo menor de entre o justo valor do ativo e o valor presente dos pagamentos mínimos da locação e a correspondente responsabilidade é refletida no passivo, enquanto

24 Relatório e Contas EAPS 2013 Anexo às Demonstrações Financeiras 24 os juros incluídos no valor das rendas e a amortização do ativo são registados como gastos na demonstração dos resultados do exercício a que respeitam. Nas locações consideradas como operacionais, as rendas são reconhecidas como gastos do exercício na rubrica da demonstração dos resultados Fornecimentos e serviços externos, de forma linear durante o período do contrato de locação Ativos intangíveis Os ativos intangíveis correspondem, essencialmente, a custos com a aquisição de software utilizado no desenvolvimento das atividades da Sociedade. Os ativos intangíveis são registados ao custo de aquisição deduzido de amortizações e perdas por imparidade acumuladas. As amortizações de ativos intangíveis são reconhecidas numa base linear durante a vida útil estimada dos ativos, a qual corresponde a um período de 3 anos. As despesas de manutenção e reparação (dispêndios subsequentes) que não são suscetíveis de gerar benefícios económicos futuros adicionais são registadas como gastos no exercício em que são incorridas Participações financeiras As participações financeiras dizem respeito a partes de capital da Sociedade Universal Seguros, S.A., a qual é maioritariamente detida pela Fidelidade. As participações financeiras quando dizem respeito a entidades cujos instrumentos de capital próprio não são negociados em mercado ativo e cujo justo valor não possa ser determinado com fiabilidade, são mensuradas ao custo de aquisição, deduzido de eventuais perdas por imparidade acumuladas. Os rendimentos resultantes de participações financeiras registadas ao custo (dividendos ou lucros distribuídos) são registados na demonstração dos resultados no exercício em que é decidida e anunciada a sua distribuição Ativos e passivos financeiros Os ativos e os passivos financeiros são reconhecidos no balanço quando a Sociedade se torna parte das correspondentes disposições contratuais, sendo aplicado o previsto na NCRF 27 Instrumentos financeiros.

25 Relatório e Contas EAPS 2013 Anexo às Demonstrações Financeiras 25 Os ativos e os passivos financeiros são assim mensurados de acordo com os seguintes critérios: (i) ao custo ou custo amortizado e (ii) ao justo valor com as alterações reconhecidas na demonstração dos resultados. Em 31 de dezembro de 2013 e 2012, a Sociedade não detinha ativos ou passivos ao justo valor. (i) Ativos e passivos financeiros ao custo ou custo amortizado São mensurados ao custo ou custo amortizado os ativos e os passivos financeiros que apresentem as seguintes características: Sejam à vista ou tenham uma maturidade definida; Tenham associado um retorno fixo ou determinável; e Não sejam um instrumento financeiro derivado ou não incorporem um instrumento financeiro derivado. O custo amortizado é determinado através do método da taxa de juro efetiva. Nesta categoria, incluem-se, consequentemente, os seguintes ativos e passivos financeiros: a) Clientes e outras contas a receber Os saldos de clientes e de outras contas a receber são registados ao custo ou ao custo amortizado deduzido de eventuais perdas por imparidade. Usualmente, o custo amortizado não difere do seu valor nominal. b) Caixa e depósitos bancários Os montantes incluídos na rubrica de Caixa e depósitos bancários correspondem aos valores de caixa, depósitos à ordem, depósitos a prazo e outras aplicações de tesouraria com vencimento a menos de três meses e para os quais o risco de alteração de valor é insignificante. Estes ativos são mensurados ao custo ou ao custo amortizado. Usualmente, o custo amortizado destes ativos financeiros não difere do seu valor nominal. c) Fornecedores e outras contas a pagar Os saldos de fornecedores e de outras contas a pagar são registados ao custo ou ao custo amortizado. Usualmente, o custo amortizado não difere do seu valor nominal.

EAPS - Empresa de Análise, Prevenção e Segurança, S.A.

EAPS - Empresa de Análise, Prevenção e Segurança, S.A. EAPS - Empresa de Análise, Prevenção e Segurança, S.A. Relatório e Contas 2011 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas EAPS 2011 Índice 2 Índice 4 15 19 41 45 Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) Relatório Anual 2012 2 Relatório Anual 2012 3 Relatório Anual 2012 4 Relatório Anual 2012 5 Relatório

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester

Relatório e Contas. Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2011 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/16 Índice Balanço individual Demonstração dos resultados individuais Demonstração das Alterações dos fundos patrimoniais Demonstração

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

Relatório de Contas 2013. Aon Portugal - Corretores de Seguros, SA

Relatório de Contas 2013. Aon Portugal - Corretores de Seguros, SA Relatório de Contas 2013 Aon Portugal - Corretores de Seguros, SA Anexo às Demonstrações Financeiras Aon Portugal Corretores de Seguros, S.A. 31 de Dezembro de 2013 Aon Portugal Corretores

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2013 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) RelatórioAnual 2014 2 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MINIGOLFE UPD FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MINIGOLFE UPD BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

EAPS - Empresa de Análise, Prevenção e Segurança, S.A.

EAPS - Empresa de Análise, Prevenção e Segurança, S.A. EAPS - Empresa de Análise, Prevenção e Segurança, S.A. Relatório e Contas 2008 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas EAPS 2008 Índice 2 Índice 4 5 6 7 10 11 11 12 13 14 16 17 18 22 38 41 Relatório

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

1 - Identificação da entidade

1 - Identificação da entidade ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2014 ATAS Apartamentos Turísticos Amorim Santos, Lda 1 - Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade: Apartamentos Turísticos Amorim

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

5.5. ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014. 1 Nota introdutória

5.5. ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014. 1 Nota introdutória 5.5. ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 Nota introdutória A Empresa foi constituída em 26 de Junho de 1997, tem a sua sede na Av. Tenente Coronel João Luis de Moura, Loja A cave

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras

Anexo às Demonstrações Financeiras Anexo às Demonstrações Financeiras EXERCÍCIO DE 2012 1. Nota introdutória A Empresa «António Marques, Corretor de Seguros EIRL», foi constituída em 07-12-1999, tem a sua sede na Rua António José Baptista,

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS 2014 1 Nome: SEDE: Rua Infante D. Henrique - Beja NIF: 500875030 Instituição Particular de Solidariedade Social RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS Índice RELATÓRIO DE GESTÃO... 3 2 BALANÇO EM 31 DE

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO

Anexo às Demonstrações Financeiras - ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Prefabricação em Betão ANEXO ANEXO IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Designação ANIPB - Associação Nacional dos Industriais de Morada Rua Dona Filipa de Vilhena, Nº 9-2.º Direito Código postal 1000-134 Localidade LISBOA DADOS DA ENTIDADE

Leia mais

NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO

NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO NOTAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade IDFG Instituto D. Francisco Gomes - Casa dos Rapazes 1.2 Sede Bom João 8000-301 Faro 1.3 NIPC 500868395

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL

Balanço e Demonstração de Resultados. Conheça em detalhe a Avaliação de Risco. Risco Elevado SOCIEDADE EXEMPLO, LDA AVALIAÇÃO DO RISCO COMERCIAL Balanço e Demonstração de Resultados Data 26-6-215 SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º, 125-44 LISBOA TEL.: 213 5 3 FAX: 214 276 41 ana.figueiredo@ama.pt

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A Formulários ANEXO A 90) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? O preenchimento deve ser efetuado em euros, com duas casas decimais. 91) COMO DEVO PREENCHER O QUADRO 02-A? Este

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012

ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 ANEXO ANEXO DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 1 Nota introdutória A Empresa foi constituída em 26 de Junho de 1997, tem a sua sede na Rua São Gonçalo de Lagos, Pavilhão de Exposições em Torres

Leia mais

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A.

BOMPISO COMERCIO DE PNEUS, S.A. Exercício 2012 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2010 Balanço Individual em 31 de Dezembro de 2010 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 31

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010

SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 SONAE, SGPS, SA DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA PARA OS EXERCÍCIO FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 (Montantes expressos em euros) ATIVO Notas 31 dezembro 2011 31 dezembro 2010

Leia mais

Contas do Exercício e Anexos

Contas do Exercício e Anexos Contas do Exercício e Anexos As melhores vistas da cidade Contas do Exercício e Anexos 126 Índice 7 CONTAS DO EXERCÍCIO 130 8 OUTRA INFORMAÇÃO 190 8.1 PAINEL DE INDICADORES DE ATIVIDADE 190 8.2 PAINEL

Leia mais

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 1 Identificação da Entidade A Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira é uma instituição sem fins lucrativos, constituída sob

Leia mais

Energia em movimento. Relatório de Contas Individuais 2014

Energia em movimento. Relatório de Contas Individuais 2014 Energia em movimento Relatório de Contas Individuais 2014 Energia em movimento Relatório de Contas Individuais 2014 www.galpenergia.com Relatório de Contas Individuais 2014 01 02 03 04 Contas individuais

Leia mais

relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas

relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas relatório e contas 2012 Volume 2 demonstrações financeiras consolidadas Índice 01 02 Demonstrações financeiras consolidadas 6 Demonstração

Leia mais

Relatório e Contas 2012

Relatório e Contas 2012 Relatório e Contas 2012 Índice Temático Relatório de Gestão - Balanço e Contas (Balanço, Demonstração de Resultados, Demonstração de Fluxos de Caixa e Mapa de Demonstração das alterações do Capital Próprio)

Leia mais

CARES - Companhia de Seguros, S.A.

CARES - Companhia de Seguros, S.A. CARES - Companhia de Seguros, S.A. Relatório e Contas 2007 Grupo Caixa Geral de Depósitos Relatório e Contas CARES 2007 Índice 2 Índice 3 4 8 14 49 58 Órgãos Sociais Relatório do Conselho de Administração

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4958 Diário da República, 1.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 218/2015 de 23 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

APDP- Associação Protectora Diabéticos Portugal Anexo 2 de Abril de 2015

APDP- Associação Protectora Diabéticos Portugal Anexo 2 de Abril de 2015 APDP- Associação Protectora Diabéticos Portugal Anexo 2 de Abril de 2015 Índice 1 Identificação da Entidade... 3 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 4 3 Principais

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (Montante expressos em euros) As notas que se seguem foram preparadas de acordo com as Normas Contabilísticas de Relato Financeiro

Leia mais

Relatório e Contas. Índice

Relatório e Contas. Índice Índice MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SGPS 3 PRINCIPAIS INDICADORES 4 SÍNTESE DO ANO 6 ESTRATÉGIA EMPRESARIAL 6 QUALIDADE DE SERVIÇO 6 RECURSOS HUMANOS 6 SUSTENTABILIDADE 6 ANÁLISE

Leia mais

RAR SOCIEDADE DE CONTROLE (HOLDING), S.A. Relatório e Contas 31 de dezembro de 2012

RAR SOCIEDADE DE CONTROLE (HOLDING), S.A. Relatório e Contas 31 de dezembro de 2012 RAR SOCIEDADE DE CONTROLE (HOLDING), S.A. Relatório e Contas 31 de dezembro de 2012 RAR SOCIEDADE DE CONTROLE (HOLDING), S.A. PASSEIO ALEGRE, 624 4169-002 PORTO PORTUGAL TEL. +351 226 190 500 FAX +351

Leia mais

Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014

Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014 2013 Demonstrações Financeiras 27 Março, 2014 Índice 1. Mensagem do Presidente... 3 2. Demonstrações financeiras de 2013... 4 2.1. Situação patrimonial... 4 2.2. Demonstração de resultados... 5 2.3. Fluxos

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira

Relatório de Gestão. Exercício de 2014 INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA. Audite Gestão Financeira Relatório de Gestão INSTITUTO CARDIOLOGIA PREVENTIVA DE ALMADA Audite Exercício de 2014 11-03-2015 Linda-a Velha, 11 de Março de 2015 Estimado cliente, O presente relatório pretende dar-lhe um flash da

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

O fundo patrimonial é representado por 10 465,64, encontrando-se realizado na totalidade.

O fundo patrimonial é representado por 10 465,64, encontrando-se realizado na totalidade. 01 -IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE A ASSOCIACAO ENTRE FAMILIA - BRAGANÇA é uma sociedade Anónima, constituída a 13-08-2009, com sede em RUA EMIDIO NAVARRO TRAS IGREJA, BRAGANCA, 5300-210, BRAGANCA, e tem como

Leia mais

III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço

III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço III. DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 0.1. Balanço 1 1.2.1.Demonstração de Resultados por Naturezas 2 1.3.Demonstração de Fluxos de Caixa 3 1.4.Demonstração das Alterações no Capital Próprio 4 1. Identificação

Leia mais

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2008 4ª MINUTA EXERCÍCIO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PÁGINAS RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE 1 2 BALANÇO 3 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO 2014 AIDGLOBAL- ACÃO E INTEG. PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL ONG BALANÇOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (VALORES EXPRESSOS EM EUROS) Notas 2014 2013 Activo Activos

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras fevereiro de 2015 Este relatório contém 64 páginas Capital Social 22.375.000 o matricula na CRCL com o número único de matricula e identificação de pessoa coletiva 501 836 926

Leia mais

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 5.476.537.589 6.035.355.458

TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 5.476.537.589 6.035.355.458 DEMONSTRAÇÕES DA POSIÇÃO FINANCEIRA CONSOLIDADA A 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Montantes expressos em euros) ATIVO Notas 31 dez 2013 31 dez 2012 ATIVOS NÃO CORRENTES: Ativos fixos tangíveis 10 1.827.164.403

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

Relatório e Contas 2013

Relatório e Contas 2013 Relatório e Contas ÍNDICE PRINCIPAIS INDICADORES 3 SÍNTESE DO ANO 5 ESTRATÉGIA EMPRESARIAL 5 QUALIDADE DE SERVIÇO 5 RECURSOS HUMANOS 5 SUSTENTABILIDADE 5 ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA 6 PROPOSTA DE APLICAÇÃO

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Federação Portuguesa de Aeromodelismo

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Federação Portuguesa de Aeromodelismo ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Federação Portuguesa de Aeromodelismo Exercício de 214 Página 1 Caracterização da entidade FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AEROMODELISMO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 quer sejam de sua propriedade, quer estejam em regime de locação financeira. Compreende os investimentos financeiros, as propriedades de investimento,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 6.3 Contabilização de uma alteração no estatuto de uma entidade de investimento 46 Quanto uma entidade deixar de ser uma entidade de investimento,

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social ANEXO para as Contas do Ano 2014 1/ IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1 / Designação da entidade: OASIS Organização de Apoio e Solidariedade para

Leia mais

«APCAS- Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal» Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014

«APCAS- Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal» Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 «APCAS- Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal» Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 30 de Junho de 2015 Nos termos da Portaria nº 105/2011 de 14 de Março, as divulgações a efetuar

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4984 Diário da República, 1.ª série N.º 143 24 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 220/2015 de 24 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 EMPRESA: UNISEGUROS- CORRETORES DE SEGUROS, LDA SEDE: Rua de Castilho nº 65 2º Dto. Sala 10 Lisboa, Concelho de Lisboa Nº CONTRIBUINTE

Leia mais

RAR SOCIEDADE DE CONTROLE (HOLDING), S.A. Relatório e Contas 31 de dezembro de 2011

RAR SOCIEDADE DE CONTROLE (HOLDING), S.A. Relatório e Contas 31 de dezembro de 2011 RAR SOCIEDADE DE CONTROLE (HOLDING), S.A. Relatório e Contas 31 de dezembro de 2011 RAR SOCIEDADE DE CONTROLE (HOLDING), S.A. PASSEIO ALEGRE, 624 4169-002 PORTO PORTUGAL TEL. +351 226 190 500 FAX +351

Leia mais

6 RELATÓRIO E CONTAS 2012 7 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Nº Mulheres 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 N = 53 Masculino Feminino 29 A SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA ANOS PROCURA INTERNA 1 EXPORTAÇÕES (FOB)

Leia mais