GESTÃO DOS IMPACTOS DECORRENTES DA CONSTRUÇÃO DA LINHA 4 AMARELA DO METRÔ DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DOS IMPACTOS DECORRENTES DA CONSTRUÇÃO DA LINHA 4 AMARELA DO METRÔ DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI PRISCILLA AMARO ANTUNES GESTÃO DOS IMPACTOS DECORRENTES DA CONSTRUÇÃO DA LINHA 4 AMARELA DO METRÔ DE SÃO PAULO SÃO PAULO 2006

2 2 PRISCILLA AMARO ANTUNES GESTÃO DOS IMPACTOS DECORRENTES DA CONSTRUÇÃO DA LINHA 4 AMARELA DO METRÔ DE SÃO PAULO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi Orientador: Professora Dra. Adir Janete Godoy dos Santos SÃO PAULO 2006

3 3 PRISCILLA AMARO ANTUNES GESTÃO DOS IMPACTOS DECORRENTES DA CONSTRUÇÃO DA LINHA 4 AMARELA DO METRÔ DE SÃO PAULO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do curso de Engenharia Civil da Universidade Anhembi Morumbi Trabalho em: 11 de Novembro de Dra. Adir Janete Godoy dos Santos Dr. Sidney Lazaro Martins Comentários:

4 4 Não apenas este trabalho, mas todas as minhas conquistas profissionais e pessoais são dedicadas aos meus pais, Gilberto e Cleide, que em nenhum momento deixaram de me apoiar. Dedico também, ao meu namorado, Germano, pela importante ajuda no desenvolvimento do trabalho e a toda a minha família pela compreensão e paciência durante este um ano de elaboração e pesquisa.

5 5 AGRADECIMENTOS A Deus, por permitir que me desenvolvesse intelectualmente e profissionalmente através desta graduação. Ao Professor Gabriel Mário Rodrigues, Magnífico Reitor da Universidade Anhembi Morumbi, pelo aprendizado adquirido e pelas diversas conquistas obtidas através desta. À minha orientadora, Professora Dra. Adir Janete Godoy dos Santos pelo constante incentivo, sempre indicando a direção a ser tomada nos momentos de maior dificuldade e interessada em participar de minhas inquietações. Agradeço, principalmente, pela confiança depositada no meu trabalho de conclusão de curso. À coordenadora do curso de Engenharia Civil, professora Dra. Gisleine Coelho de Campos, que me orientou na escolha do tema e no andamento do trabalho. A todo corpo docente do curso de Engenharia Civil, que de uma forma ou de outra, contribuíram para minha formação profissional e às vezes até mesmo, para a minha formação pessoal. A Companhia do Metropolitano de São Paulo Metrô, pela oportunidade de trabalhar em uma obra como esta e de poder participar deste aprendizado. A todos os engenheiros do Metrô que me orientaram e dedicaram um pouco de seu tempo a mim. Ao Consórcio Via Amarela CVA, empresa que me forneceu base para o desenvolvimento deste trabalho e que acrescentou muitos conhecimentos para a minha vida profissional. Ao Eng Cláudio Andrade da Silva, pelo excelente empenho em me orientar e direcionar ao caminho correto e pelo seu tempo que roubei com minhas incansáveis dúvidas.

6 6 A realização deste trabalho contou com a colaboração, consciente ou inconsciente, de um conjunto amplo de familiares, amigos, colegas e instituições, aos quais agradeço sinceramente.

7 7 RESUMO No presente trabalho de conclusão de curso elaborou-se um levantamento sobre todas as exigências ambientais que envolvem a implantação da obra da Linha 4 Amarela do Metrô de São Paulo, uma obra de grande porte em uma área densamente povoada. Em especial, estudando o EIA-RIMA (Estudo de Impacto Ambiental Relatório de Impactos do Meio Ambiente) que estabelece critérios para mitigar os impactos que ocorreram durante a execução da obra, ajudando para o seu processo de licenciamento, e assim viabilizando a execução. O CVA Consórcio Via Amarela elaborou e executou o PAA Plano de Ação Ambiental, documento este baseado no EIA-RIMA, porém com uma linguagem mais prática e objetiva, visando o entendimento mútuo de diversas áreas ligadas ao cotidiano da obra. Para isso, foi criado o setor do Meio Ambiente formando o GMA Grupo do Meio Ambiente, que monitorava o cumprimento das medidas previstas no PAA. A partir do levantamento executado, elaborou-se fluxogramas de atribuições e responsabilidades, inerentes às ações ambientais cumpridas na implantação da obra metroviária. Foi estudado neste trabalho a Estação República, que exemplifica grande maioria das principais intervenções e impactos que decorreram durante a obra. Este trabalho evidenciou a importância de um planejamento voltado à mitigação dos impactos e ao monitoramento dos processos para garantir que esses impactos sejam minimizados para a população residente e transitória no entorno das obras. Palavras Chave: Licenciamento. Estudos Ambientais. Planejamento. Gestão. Impactos. Obra metroviária. Município de São Paulo. Metrô

8 8 ABSTRACT In the present essay a survey has been developed taking into account all the environmental demands surrounding the implementation of São Paulo s subway Line 4 Yellow Line, a major accomplishment in a densely populated area. It has dedicated special attention to the study of the EIA-RIMA (Environment Impact Study Environment Impacts Report) which sets up criteria to mitigate the impacts occurred during the completion of the work, helping its licensing procedure and thus making its accomplishment feasible. The CVA Yellow Route Consortium has elaborated and executed the PAA Environmental Action Plan, which is based on the EIA-RIMA, yet with a more practical and objective language, envisaging the mutual understanding of several areas connected to the daily work. Therefore it was established the Environment Sector forming the GMA Environment Group, which monitored the accomplishment of the measures foreseen in the PAA. Since the completed survey attributions and responsibility fluxograms were elaborated, which were inherent to the environmental actions accomplished in the implementation of the subway building. The Station Republica has been studied in this essay, since it is exemplifies the great majority of the interventions and impacts occurred during the building. This essay has made clear the importance of a layout which takes into account the mitigation of the impacts and the monitoring of processes in order to assure the minimization of such impacts to the resident and transient population around the surroundings of the work. Key Words: Licensing. Environmental Studies. Layout. Management. Impacts. Subway Building. Municipality of São Paulo. Subway

9 9 LISTA DE FIGURAS Figura 5.1 Traçado da Linha 4 Amarela do Metrô de São Paulo (METRÔ, 2006f)...30 Figura 5.2 Treinamento realizado pelo CVA...35 Figura 5.3 Rasga Saco...40 Figura 5.4 Equipamento para medir o nível de poeira...40 Figura 5.5 Execução de leitura com a Escala Ringelmann...41 Figura 5.6 Escala Ringelmann...42 Figura 5.7 Geradores e Compressores blindados...43 Figura 5.8 Execução de leitura com Decibelímetro...44 Figura 5.9 Instrumento para leitura de recalques superficiais...45 Figura 5.10 Instrumento para leitura de recalque em edificações...46 Figura 5.11 Instrumento para leitura de convergência e divergência...46 Figura 5.12 Registro de via antes do início da execução da obra...47 Figura 5.13 Registro de recalque em poço de visita antes do início da execução da obra...48 Figura 5.14 Equipamento de Proteção Individual EPI s...49 Figura 5.15 Treinamento de uso dos EPI s...49 Figura 5.16 Ambulatório instalado no canteiro de obras da Estação Oscar Freire...50 Figura 5.17 Cantinho da Leitura...50 Figura 5.18 Detalhe da fita refletiva no vestuário dos funcionários...51 Figura 5.19 Caminhão coberto com lona...52 Figura 5.20 Baia para contenção de silo de aditivo...53 Figura 5.21 Sistema de Lava-rodas...54 Figura 5.22 Placas de Sinalização...54 Figura 5.23 Desvio de tráfego realizado na Av. Ipiranga Estação República (METRÔ, 2006a)...55 Figura 5.24 Funcionários responsáveis por organizar o desvio de tráfego na Estação Faria Lima (CVA, 2006c)...56 Figura 5.25 Bota-fora Pedreira Embú...57 Figura 5.26 Tambores para coleta seletiva de lixo...59

10 10 Figura 5.27 Caçamba para coleta de lixo doméstico...59 Figura 5.28 ETE Estação de Tratamento de Efluentes...60 Figura 5.29 Sistema de tratamento de efluentes...60 Figura Resultado do teste, menor do que 1ml/l...61 Figura Teste do ph, entre 5 a Figura 5.32 Vistoria em Poço de Visita PV...62 Figura 5.33 Transplante de árvore...65 Figura 5.34 Remanejamento no Largo da Batata...66 Figura 5.35 Remanejamento de rede de gás na estação Fradique Coutinho...68 Figura 5.36 Posto de gasolina no local da Estação Morumbi (CVA-GEOTEC, 2004, p. 99)...69 Figura 5.37 Varredura arqueológica...74 Figura 5.38 Estação da Luz...76 Figura 5.39 Pinacoteca do Estado de São Paulo...77 Figura 5.40 Igreja de São Cristóvão...78 Figura 5.41 Edifício Esther...79 Figura 5.42 Posto de Atendimento da Estação República...85 Figura 5.43 Organograma de elaboração e execução do PAA...94 Figura 5.44 Fluxograma do 1 Programa Ambiental do PAA Gerenciamento Ambiental...95 Figura 5.45 Fluxograma do 2 Programa Ambiental do PAA Relocação de população e Empresas...96 Figura 5.46 Fluxograma do 3 Programa Ambiental do PAA Monitoramento do Meio Ambiente...97 Figura 5.47 Fluxograma do 4 Programa Ambiental do PAA Comunicação Social...98 Figura 5.48 Fluxograma do 5 Programa Ambiental do PAA Interação Institucional...99 Figura 6.1 Início das obras da Estação República Linha 3 Vermelha (METRÔ, 2006b) Figura 6.2 Escavação pelo método invertido Figura 6.3 Esquema de execução de VCA e posterior escavação invertida (MEDEIROS, 2006)...102

11 11 Figura 6.4 Perspectiva da obra da Linha 4 Amarela Estação República (METRÔ, 2006c) Figura 6.5 Armazenamento de sacos de cimento Figura 6.6 Local destinado ao armazenamento e a rasga dos sacos de cimento 107 Figura 6.7 Misturador, sistema de exaustão e sacos de juta Figura 6.8 Canteiro de obra limpo e organizado Figura 6.9 Execução de leituras mensais de fumaça preta Figura 6.10 Carpintaria com sistema de controle de ruídos Figura 6.11 Serra circular em local fechado Figura 6.12 Execução de leituras mensais com decibelímetro Figura 6.13 Árvores dentro do canteiro de obras Figura 6.14 Coreto integrado ao canteiro de obras Figura 6.15 Área de lazer Figura 6.16 Pintura de pés para indicar a direção do lava botas Figura 6.17 Gaiola de remoção e maca Figura 6.18 Sistema de Lava-rodas Figura 6.19 Rua suja devido a ineficácia do sistema de lava-rodas Figura 6.20 Av. Ipiranga antes dos desvios de tráfego (CVA, 2006a) Figura Desvio de tráfego da pista da direita na Av. Ipiranga Figura 6.22 Desvio de tráfego implantado em setembro Figura 6.23 Desvio do tráfego para as faixas da direita (CVA, 2006a) Figura 6.24 Liberação da faixa da esquerda e interdição da faixa da direita (CVA, 2006a) Figura 6.25 Segunda etapa do desvio de tráfego Figura 6.26 Desvio de tráfego e implantação da obra (CVA, 2006a) Figura 6.27 Acesso para pedestre Figura 6.28 Muretas de proteção em todo o perímetro do acesso para pedestre 121 Figura 6.29 Sinalização de bloqueio de calçada Figura 6.30 Sinalização para pedestre Figura 6.31 Funcionário controlando o desvio de tráfego Figura 6.32 Eficácia do desvio de tráfego Figura 6.33 Interdição da Av. Ipiranga da Praça da República até o Instituto Caetano de Campos Figura 6.34 Local destinado a reciclagem...124

12 12 Figura 6.35 Sorteio de cestas básicas, enfoque social de reciclagem Figura 6.36 Cadastramento arbóreo Figura 6.37 Proteção dos troncos das árvores Figura 6.38 Escavação da camada impermeável Figura 6.39 Proteção do torrão Figura 6.40 Transporte das árvores empregando carretas Figura 6.41 Içamento para o plantio da árvore Figura 6.42 Árvores transplantadas para a Praça da República Figura 6.43 Remanejamento de serviços de transporte coletivo Figura 6.44 Tapume telado permitindo que a população pudesse ver a obra Figura 6.45 Pedestre fotografando a obra Figura 6.46 Anteparo realizado para evitar que o Edifício Caetano de Campos fosse atingido pela lama Figura 6.47 Em todo o perímetro do Edifício Caetano de Campos foi executado o anteparo para proteção Figura 6.48 Anteparo executado muito próximo ao Edifício Caetano de Campos134 Figura 6.49 Contenção realizada para execução dos serviços de Jet Grouting Figura 6.50 Anteparo para evitar que os pedestres se sujem com o serviço de Jet Grouting Figura 6.51 Anteparo criado para a proteção do pedestre Figura 6.52 Plataforma central e lateral prontas em estado bruto Figura 6.53 Plataformas prontas em ambos os lados Figura 6.54 Apenas faltando a energização dos trens Figura 6.55 Já localizado emboque para a execução do túnel Figura 6.56 Shield que será utilizado na Linha Figura 6.57 Pilares estruturais da estação no local de passagem do Shield Figura 6.58 Pilares estruturais em todos os andares da Estação Figura 6.59 Fechamento de uma parte da Estação República Figura 6.60 Fechamento de escadas de acesso Figura 6.61 Folheto distribuído sobre o desvio de tráfego Figura 6.62 Folheto distribuído sobre o remanejamento de serviços de transporte coletivo...144

13 13 LISTA DE TABELAS Tabela 5.1 Níveis de Ruídos...44 Tabela 5.2 Classificação do Resíduos...58

14 14 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AIA AGV/ PTS APP ATO CET CETESB CIPA CONAMA CONDEPHAAT CONPRESP CPTM CVA DAEE DECONT DEPAVE DEPRN DPH DUSM EIA ELETROPAULO EPBS EPI ETD ETE Auto de Infração Ambiental Amostrador de Grandes Volumes/ Partículas Totais em Suspensão Áreas de Preservação Permanente Acompanhamento Técnico de Obra Companhia de Engenharia de Tráfego Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Conselho Nacional do Meio Ambiente Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo Companhia Paulista de Trens Metropolitanos Consórcio Via Amarela Departamento de Águas e Energia Elétrica Departamento de Controle da Qualidade Ambiental Departamento de Parques e Áreas Verdes Departamento Estadual de Proteção dos Recursos Naturais Departamento do Patrimônio Histórico Departamento do Uso do Solo Metropolitano Estudo de Impacto Ambiental Eletricidade de São Paulo Earth Pressure Balanced Shield Equipamento de Proteção Individual Estação Transformadora de Distribuição Estação de Tratamento de Efluentes

15 15 GMA GRAPROHAB IBAMA IPTU LI LP METRÔ NATM NBR PAA PE PROCONVE PV RAP RIMA SABESP SPTrans SVMA TCC TDS USP VCA VSE ZML Grupo de Meio Ambiente Grupo de Análise e Aprovação de Projetos Habitacionais Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Imposto Predial e Territorial Urbano Licença Ambiental de Instalação Licença Prévia Companhia do Metropolitano de São Paulo - CMSP New Austrian Tunnelling Method Norma Brasileira Regulamentada Plano de Ação Ambiental Procedimento Executivo Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores Poço de Visita Relatório Ambiental Preliminar Relatório de Impacto do Meio Ambiente Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo São Paulo Transporte Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente Trabalho de Conclusão de Curso Treinamentos Diários de Segurança Universidade de São Paulo Vala a Céu Aberto Ventilação e Saída de Emergência Zona Metrô Leste

16 16 LISTA DE SÍMBOLOS db Decibéis GVA Giga Volts / Ampère km Quilômetro km² Quilômetro Quadrado kv Quilo Volts m² Metro Quadrado ph Potencial Hidrogeniônico

17 17 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO Objetivo Geral Objetivo Específico MÉTODO DE PESQUISA JUSTIFICATIVA PLANO DE AÇÃO AMBIENTAL PARA A GESTÃO DOS IMPACTOS Programa de Gerenciamento Ambiental Subprograma de Treinamento Ambiental Plano de Ação de Emergência Programa de Relocação de População e Empresas Programa de Monitoramento do Meio Ambiente Alterações na qualidade do ar Alterações nos padrões de ruído Alterações nos níveis de vibração e recalque Alterações na estabilidade do pavimento Condições de saúde e segurança Transporte de material e equipamentos Desvio de tráfego Deposição de material excedente Produção de resíduos e rejeitos Resíduos Sólidos Efluentes líquidos Drenagem superficial Remoção de vegetação Remanejamento de serviços de transporte coletivo Remanejamento de redes de utilidade pública Intervenções em áreas risco Interferências na paisagem urbana Intervenções nos sítios arqueológicos... 72

18 Interferências em patrimônio histórico Estação da Luz Jardim da Luz (Parque da Luz) Mosteiro da Imaculada Conceição (Mosteiro da Luz) Quartel da Luz (Batalhão Tobias de Aguiar) Pinacoteca do Estado de São Paulo Igreja de São Cristóvão Edifício Esther Instituto Caetano de Campos Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP Vila Penteado Instituto Mackenzie Bairro dos Jardins Bairro do Pacaembú Casa do Bandeirante Casa do Caxingui Alterações e ajustes nos projetos Programa de Comunicação Social Programa de Interação Institucional IBAMA Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis DEPRN - Departamento Estadual de Proteção dos Recursos Naturais SVMA - Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente / DECONT Departamento de Controle da Qualidade Ambiental / DEPAVE - Departamento de Parques e Áreas Verdes Secretaria Estadual dos Transportes Secretaria Municipal dos Transportes CET Companhia de Engenharia de Tráfego GRAPROHAB Grupo de Análise e Aprovação de Projetos Habitacionais CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental DAEE Departamento de Águas e Energia Elétrica DUSM Departamento do Uso do Solo Metropolitano... 90

19 SABESP Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo ELETROPAULO Eletricidade de São Paulo CONDEPHAAT Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo Corpo de Bombeiros Atribuições na Elaboração e Execução do PAA ESTAÇÃO REPÚBLICA Histórico da Estação República, Linha 3 Vermelha Descrição da Estação República, Linha 4 Amarela Plano de Ação Ambiental aplicado durante a obra República, Linha Programa de Gerenciamento Ambiental Programa de Relocação de População e Empresas Programa de Monitoramento do Meio Ambiente Alterações na qualidade do ar Alterações nos padrões de ruído Condições de saúde e segurança Transporte de material e equipamentos Desvio de tráfego Produção de resíduos e rejeitos Remoção de vegetação Remanejamento de serviço de transporte coletivo Interferências na paisagem urbana Interferências em patrimônio histórico Soluções criativa para impactos não estudados Previsão de impactos na Estação República da Linha 3 Vermelha Programa de Comunicação Social Programa de Interação Institucional ANÁLISE CRÍTICA CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

20 20 1 INTRODUÇÃO Este trabalho mostra os impactos ambientais e suas conseqüências sociais e econômicas decorrentes da construção da Linha 4 Amarela da Companhia do Metropolitano de São Paulo Metrô. O Metrô é o empreendedor desta obra, em parceria com o CVA Consórcio Via Amarela, que é o executor, formado por cinco construtoras: Odebrecht, OAS, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez; e por uma empresa responsável pela área de sistemas e construção dos trens e trilhos, a Alstom. Segundo a Resolução CONAMA Conselho Nacional do Meio Ambiente 001 (1986), impacto ambiental é qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente, causada por qualquer forma de matéria ou energia resultante das atividades humanas que, direta ou indiretamente, afetam: a saúde, a segurança e o bem-estar da população; as atividades sociais e econômicas; a biota; as condições estéticas e sanitárias do meio ambiente; e a qualidade dos recursos ambientais. As conseqüências sociais que uma obra como esta pode trazer para a sociedade são muitas, pois a Linha Amarela ligou o bairro de Vila Sônia ao bairro da Luz interligando todas as outras Linhas do Metrô já existentes, inclusive à rede ferroviária, aumentando assim a malha e a capacidade do transporte coletivo de alta capacidade da cidade de São Paulo. Com isso, melhorou o trânsito de veículos na superfície e ajudou a população a ter acesso mais rápido a diversos pontos da cidade, diminuindo o tempo que seus usuários levariam para chegar ao seu local de destino. Com essas facilidades geradas pela construção da nova Linha 4, o fluxo de pessoas aumentou nas proximidades das novas estações, fortalecendo e ampliando o comércio do local, aumentando o número de empregos e as benfeitorias para a região.

21 21 Foi repensada toda a estrutura das rotas de ônibus para transportar os seus passageiros até as novas estações, aumentando assim as vagas de emprego para esta atividade. Os patrões tiveram mais opções de contratação, pois a distância do local de trabalho deixou de ser um empecilho, entre outras vantagens que ajudaram o desenvolvimento econômico do local. Além de todos os benefícios trazidos pela obra, este trabalho relata principalmente todos os problemas que houve durante a construção, todas as ações que foram tomadas para mitigá-los e toda a preocupação que existiu com o meio ambiente físico e urbano. Antes do início desta obra foi realizado um Estudo de Impacto Ambiental EIA e o seu conseqüente Relatório de Impacto do Meio Ambiente RIMA. Para o EIA foram seguidas as atividades técnicas que constam no Artigo 6 da Resolução CONAMA 001 (1986), que são: Diagnóstico ambiental da área de influência do projeto, completa descrição e análise dos recursos ambientais e suas interações, tal como existem, de modo a caracterizar a situação ambiental da área, antes da implantação do projeto, considerando: a) o meio físico - o subsolo, as águas, o ar e o clima, destacando os recursos minerais e a topografia. Os tipos e aptidões do solo, os corpos d'água, o regime hidrológico, as correntes marinhas, as correntes atmosféricas; b) o meio biológico e os ecossistemas naturais - a fauna e a flora, destacando as espécies indicadores da qualidade ambiental, de valor científico e econômico, raras e ameaçadas de extinção e as áreas de preservação permanente; c) o meio sócio-econômico - o uso e ocupação do solo, os usos da água e a sócio-econômico, destacando os sítios e monumentos arqueológicos, históricos e culturais da comunidade, as relações de dependência entre a sociedade local, os recursos ambientais e a potencial utilização futura desses recursos; Análise dos impactos ambientais do projeto e de suas alternativas, através de identificação, previsão da magnitude e interpretação da importância dos prováveis impactos relevantes, discriminando: os impactos positivos e negativos (benéficos e adversos), diretos e indiretos, imediatos e a médio e

22 22 longo prazos, temporários e permanentes; seu grau de reversibilidade; suas propriedades cumulativas e sinérgicas; a distribuição dos ônus e benefícios sociais; Definição das medidas mitigadoras dos impactos negativos, entre elas os equipamentos de controle e sistemas de tratamento de despejos, avaliando a eficiência de cada uma delas; e Elaboração do programa de acompanhamento e monitoramento dos impactos positivos e negativos, indicando os fatores e parâmetros a serem considerados. De todas as atividades técnicas citadas, foram aplicadas apenas as que compreendiam a realidade do empreendimento em questão. O CVA desenvolveu um Plano de Ação Ambiental PAA, com o intuito de cumprir as exigências do EIA-RIMA, propondo ações para mitigar e monitorar os impactos apontados. O mesmo foi enviado ao Metrô para aprovação e ao ser aprovado, entrou em vigor tornando-se crucial a realização de seu conteúdo. O CVA visando o cumprimento total do EIA-RIMA através do PAA, criou o Grupo de Meio Ambiente GMA. O GMA era formado por um Gerente Ambiental, um funcionário terceirizado (Engenheiro Ambiental) e por representantes do CVA em cada frente de serviço, que tinham a responsabilidade de averiguar o cumprimento do PAA. Este trabalho evidencia as exigências e o cumprimento do PAA das atividades existentes no EIA-RIMA, dando ênfase aos impactos durante a implantação do empreendimento. O cumprimento do EIA-RIMA para qualquer empreendimento civil é essencial, pois garante que os impactos provenientes da obra serão mitigados, todo esse trabalho é fundamental para que se possa garantir a estabilidade do meio ambiente. É muito importante para a engenharia civil o conhecimento da problemática ambiental levantada no EIA-RIMA, pois conhecendo a função e o objetivo deste

23 23 estudo ambiental e relatório é mais fácil minimizar os impactos gerados ao meio ambiente e prejudiciais à cidade e a toda a sociedade. Esta obra exigiu muito tempo, paciência e empenho dos moradores e passageiros da cidade de São Paulo, principalmente tratando-se de grande metrópole que já tem seus próprios problemas e que não podem ser multiplicados.

24 24 2 OBJETIVO Este trabalho pretende ilustrar e discutir o PAA, como uma das ações estratégicas, para o cumprimento do EIA-RIMA, gerado no processo de licenciamento, necessário para a execução e a realização de uma considerável obra de tráfego, na cidade de São Paulo. 2.1 Objetivo Geral Apontar os impactos ao meio ambiente, levantados no estudo ambiental préoperacional, para uma obra de tráfego de grandes proporções em uma cidade do porte de São Paulo. Resumir os impactos ambientais citados no RIMA do trecho Linha 4 Amarela do Metrô de São Paulo, que vai do Pátio de manobras na Vila Sônia até a Estação da Luz. Elucidar o PAA elaborado para o alcance das medidas mitigadoras previstas, durante a implantação do empreendimento. Mostrar todos os pontos onde foi necessário intervir, como por exemplo: infraestrutura urbana (desvio de tráfego, remanejamento de serviços de transporte coletivo, remanejamentos de rede de utilidades públicas), paisagem urbana (remoção de espaços verdes, árvores), meio físico (qualidade do ar, padrões de ruídos, níveis de vibração, estabilidade do solo), interferência da obra na vizinhança (rotinas diárias e noturnas), segurança e muitos outros itens que são imprescindíveis e estão inclusos no planejamento e que deveriam ser cumpridos à risca, para que todos os impactos pudessem ser mitigados. Avaliar a melhoria indireta do ambiente para todos os funcionários dos canteiros, comércio e toda a população residente e transitória, próxima às áreas de interferência.

25 Objetivo Específico O objetivo específico deste trabalho é mostrar todo o planejamento e gerenciamento que existiu durante o período da construção de uma obra como a Linha 4 - Amarela do Metrô de São Paulo, especificamente na Estação da República onde ocorreram os maiores impactos ambientais, sociais e econômicos, e onde foi realizado um maior acompanhamento do GMA.

26 26 3 MÉTODO DE PESQUISA Para a execução deste trabalho empregou-se pesquisa bibliográfica sobre o estudo de impacto ambiental elaborado para o empreendimento, relatório de impactos do meio ambiente nas diversas etapas do licenciamento, fotos, plantas, projetos, licenças ambientais e arquivos de acervo particular do CVA (disponíveis para consulta), tais como: proposta de relatório de mitigação de impactos enviado ao Metrô, procedimentos executivos sobre o monitoramento do meio ambiente (gerados pelo CVA), especificações técnicas e instruções complementares (gerados pelo Metrô), além de estudos de conceitos técnicos, linguagem, exigências e perspectivas. Busca em livros, artigos de revistas e jornais de grande circulação pública. Como fonte de pesquisa usou-se também o levantamento virtual em homepage e sites, principalmente os governamentais. Elaborou-se entrevistas e discussões com profissionais da área e corpo docente da Universidade Anhembi Morumbi. No levantamento bibliográfico executado deu-se ênfase ao aspecto ambiental e toda a regulamentação inerente ao licenciamento, com as suas decorrências econômicas e urbanísticas, sob o aspecto da engenharia, enfocando principalmente a atribuição do engenheiro civil na execução do Plano de Ação Ambiental estabelecido, para que os objetivos propostos na execução do empreendimento fossem plenamente atingíveis. Cabe salientar que muitas das fotografias apresentadas no presente trabalho foram obtidas na execução da Linha 4 Amarela, e compreendem o acervo pessoal de Antunes (2006).

27 27 4 JUSTIFICATIVA É importante a realização deste trabalho para mostrar o planejamento existente durante uma obra civil em área urbana densamente povoada, porque uma obra de grandes proporções, mesmo que planejada, sempre interfere no ambiente onde a mesma está acontecendo. Um bom Plano de Ação Ambiental para mitigar estes impactos será sempre crucial para a preservação do entorno e área sob influência, pois com o planejamento podemos antecipar soluções para problemas que possivelmente ocorrerão durante a execução da obra ou até fazer com que estes não ocorram através de ações preventivas. Este trabalho visa enfatizar e apontar todos os pontos importantes e vitais da cidade nos quais uma obra pode interferir durante a sua execução, como: rede de transporte coletivo e o sentido das vias na malha urbana (gerando atrasos e congestionamentos); poluição sonora, poluição visual ou o decréscimo da harmonia das edificações (afetando o bem estar dos moradores e transeuntes no entorno); e até proporcionar uma mudança brusca na rotina do lugar, pois uma obra de grande porte muitas vezes conta com aproximadamente 300 funcionários, em até três turnos que irão freqüentar as ruas e o comércio daquele lugar mudando a rotina do local e a vida das pessoas ali presentes. No presente trabalho, visou-se o entendimento da problemática ambiental para implantação das medidas mitigadoras previstas no EIA-RIMA e o PAA efetuado para cumprimento dos prazos e metas durante a execução. A realização do PAA foi importante para facilitar a implantação dos procedimentos de mitigação dos impactos decorrentes da obra, e com isso tentar tornar tênue a percepção da população quanto aos impactos causados pela obra enquanto a mesma estava sendo realizada, melhorando assim a qualidade de vida no entorno. Este trabalho mostra toda a importância da identificação e estudo dos impactos ambientais, sociais e econômicos, decorrentes de uma grande obra antes do seu início (EIA-RIMA). Este processo é muito importante para a engenharia civil, pois

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66;

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66; Página 1 de 5 Resoluções RESOLUÇÃO CONAMA Nº 001, de 23 de janeiro de 1986 Publicado no D. O. U de 17 /2/86. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

11ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROVIÁRIA FORUM TÉCNICO MONITORAMENTO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL NAS OBRAS CIVIS DE

11ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROVIÁRIA FORUM TÉCNICO MONITORAMENTO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL NAS OBRAS CIVIS DE 11ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROVIÁRIA FORUM TÉCNICO MONITORAMENTO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO AMBIENTAL NAS OBRAS CIVIS DE EXPANSÃO DA LINHA 2/VERDE DO METRÔ SP (ESTUDO DE CASO) A sociedade consciente, informada

Leia mais

ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA :

ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA : ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA : 1- INFORMAÇÕES GERAIS : IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO : Trata-se de uma Fábrica de Artefatos de Materiais Plásticos ( Sacos para Lixo ). IDENTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL PA para empreendimentos de serviços

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

Relatório Técnico nº 99 642-205 - 1/384 1 INTRODUÇÃO

Relatório Técnico nº 99 642-205 - 1/384 1 INTRODUÇÃO Relatório Técnico nº 99 642-205 - 1/384 1 INTRODUÇÃO Em atenção ao Contrato nº 4006725202, firmado entre a Companhia do Metropolitano de São Paulo Metrô e o Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado

Leia mais

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014.

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. Estabelece os critérios e as diretrizes que deverão ser considerados para execução das auditorias ambientais, no Estado do Rio Grande do Sul. O DIRETOR PRESIDENTE da FUNDAÇÃO

Leia mais

TECNOLOGIA DE BAIXO IMPACTO PARA ESCAVAÇÃO DE TÚNEIS EM CENTROS URBANOS. Márcio Pellegrini Ribeiro- Consórcio Via Amarela

TECNOLOGIA DE BAIXO IMPACTO PARA ESCAVAÇÃO DE TÚNEIS EM CENTROS URBANOS. Márcio Pellegrini Ribeiro- Consórcio Via Amarela TECNOLOGIA DE BAIXO IMPACTO PARA ESCAVAÇÃO DE TÚNEIS EM CENTROS URBANOS Márcio Pellegrini Ribeiro- Consórcio Via Amarela A CONSTRUÇÃO DA LINHA 4 DO METRÔ CENÁRIO EXISTENTE VIAS ARTERIAIS DE TRÁFEGO INTENSO.

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA Associação Alphaville Salvador Residencial 1 PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DE OBRA 1. Entregar uma cópia do jogo de Plantas Aprovadas pela Prefeitura Municipal de Salvador e

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

Obras metroviárias: Interferências e impacto no meio urbano

Obras metroviárias: Interferências e impacto no meio urbano Obras metroviárias: Interferências e impacto no meio urbano Gonçalves, Fernando Leyser. Construtora Andrade Gutierrez S.A., São Paulo, SP, Brasil, fernando.leyser@agnet.com.br Resumo: As obras metroviárias

Leia mais

Prefeitura anuncia plano de escavação dos túneis da Via Binário do Porto

Prefeitura anuncia plano de escavação dos túneis da Via Binário do Porto Prefeitura anuncia plano de escavação dos túneis da Via Binário do Porto A Prefeitura, por meio da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp), da CET-Rio e da Concessionária

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 1 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA PCH Dores de Guanhães ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70%

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% USO DE ENERGIA EMISSÕES DE CO2 USO DE ÁGUA RESÍDUOS SÓLIDOS 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% Certificado Prata Ouro Platina Prevenção de Poluição nas Atividades de Construção: Escolha do terreno Densidade

Leia mais

PROAR - Programa da Qualidade Do Ar de Santo André

PROAR - Programa da Qualidade Do Ar de Santo André PROAR - Programa da Qualidade Do Ar de Santo André Semasa Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André PROAR - Programa da Qualidade Do Ar de Santo André 2003 TEMA: PROAR - Programa da Qualidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

PARECER TÉCNICO FINAL

PARECER TÉCNICO FINAL SMPMA/DEPLAN Em 15/01/2014 Ref.: Processos n 2.532-1/2013 e 16.392-4/2013 PARECER TÉCNICO FINAL Trata-se de um empreendimento que corresponde à construção de um edifício vertical para uso misto, residencial

Leia mais

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações DEFESA CIVIL - ES Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações NR- 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia...

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia... Fortuna II PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.10 Programa de Segurança e Alerta NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 3 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

SAMARCO MINERAÇÃO S.A.

SAMARCO MINERAÇÃO S.A. SAMARCO MINERAÇÃO S.A. MINAS GERAIS E ESPÍRITO SANTO INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DA LINHA 03 DE MINERODUTO PLANO BÁSICO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL DO EMPREENDIMENTO OS Tramitação Via Data 1SAMA013-OS-00003 1SAMA013-TR-000021

Leia mais

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo O presente Termo de Referência tem como objetivo estabelecer um referencial

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000

RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 RESOLUÇÃO No 273 DE 29 DE NOVEMBRO 2000 O Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA, no uso das competências que lhe foram conferidas pela Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

BACIAS HIDROGRÁFICAS E O MEIO AMBIENTE Profa Dra Lilza Mara Boschesi Mazuqui

BACIAS HIDROGRÁFICAS E O MEIO AMBIENTE Profa Dra Lilza Mara Boschesi Mazuqui BACIAS HIDROGRÁFICAS E O MEIO AMBIENTE Profa Dra Lilza Mara Boschesi Mazuqui OQUE É IMPACTO AMBIENTAL???? IMPACTO AMBIENTAL Qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES

III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES Eng. ZULMAR TEIXEIRA Rio, 19/10/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO MODERNA III CBIO - Congresso de Biólogos dos Estados do RJ/ES SUCESSO DO EMPREENDIMENTO ABORDAGEM DE PROCESSO SÉCULO XXI O SÉCULO DO DESAFIO O

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

América Latina Logística Malha Sul ALL

América Latina Logística Malha Sul ALL América Latina Logística Malha Sul ALL Capítulo 21. Gerenciamento de Emissões e Imissões Atmosféricas Rio Grande do Sul Junho/2010 Revisão 0 21.1 INTRODUÇÃO O presente documento visa a elaboração de um

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO CONSUMO/DEMANDAS MAU USO QUANTIDADE E QUALIDADE DOS RECURSOS NATURAIS POPULAÇÃO INDÚSTRIA DEGRADAÇÃO AGRICULTURA HISTÓRICO

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

América Latina Logística Malha Sul ALL

América Latina Logística Malha Sul ALL América Latina Logística Malha Sul ALL Capítulo 06 Programa de Gestão Ambiental Rio Grande do Sul Junho/2010 Revisão 0 6.1 INTRODUÇÃO Segundo Souza (2000), a Gestão Ambiental pressupõe uma ação planejadora

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Avaliação de Impactos Ambientais e Licenciamento Ambiental Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Avaliação de Impactos Ambientais CONAMA 01/1986 estabeleceu

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009 - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.2.4 Programa de Sinalização e Segurança de Tráfego Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.2 Plano Ambiental de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

Procedimentos a serem seguidos para a realização de obras ou grandes reformas na USP 2/12/2012

Procedimentos a serem seguidos para a realização de obras ou grandes reformas na USP 2/12/2012 Procedimentos a serem seguidos para a realização de obras ou grandes reformas na USP 2/12/2012 Rua da Praça do Relógio, nº 9, Bloco K Cidade Universitária São Paulo SP 1 O presente documento pretender

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC 1.0 DADOS DO GERADOR/CONSTRUTOR (folha de 8 itens) PROCESSO Nº: CAD Nº: 1.1. Razão Social: 1.2 Endereço: 1.3 Fone: Fax: 1.4 E-mail: 1.5 CPF:

Leia mais

COMPONENTE AMBIENTAL EM PROJETOS RODOVIÁRIOS. - Conceitos Básicos de Gestão Ambiental

COMPONENTE AMBIENTAL EM PROJETOS RODOVIÁRIOS. - Conceitos Básicos de Gestão Ambiental - Conceitos Básicos de Gestão Ambiental - Empreendimentos Rodoviários - Impacto Ambiental - Legislação vigente - Licenciamento Ambiental - Estudos e Relatórios Ambientais - Componente Ambiental DNIT Conceitos

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO ( ) Este documento Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido e assinado pelo requerente

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.2 Plano Ambiental de Construção

Leia mais

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora: PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

Arborização no contexto do planejamento urbano

Arborização no contexto do planejamento urbano Arborização no contexto do planejamento urbano Eng. Florestal Edinilson dos Santos Prefeitura de Belo Horizonte Dr. Edinilson dos Santos Araçuaí - MG, 20 de maio de 2015 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA Resoluções Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA RESOLUÇÃO Nº 349, DE 16 DE AGOSTO DE 2004 Dispõe sobre o licenciamento ambiental de empreendimentos

Leia mais

MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVAS APLICÁVEIS NAS ESCAVAÇÕES E EM TUBULÕES A CÉU ABERTO E COM PRESSÃO HIPERBÁRICA. Antonio Pereira do Nascimento

MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVAS APLICÁVEIS NAS ESCAVAÇÕES E EM TUBULÕES A CÉU ABERTO E COM PRESSÃO HIPERBÁRICA. Antonio Pereira do Nascimento MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVAS APLICÁVEIS NAS ESCAVAÇÕES E EM TUBULÕES A CÉU ABERTO E COM PRESSÃO HIPERBÁRICA Antonio Pereira do Nascimento ACIDENTES DO TRABALHO Eventos: súbitos, indesejáveis, que ocorrem

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013.

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013. LO N : 0019/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento. Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal. Cadastro Descritivo da Atividade - Geral devidamente

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000 MEMORIAL DESCRITIVO QUADRA 50 SETOR 8 RUA HELVÉTIA, ALAMEDA DINO BUENO, PRAÇA JÚLIO PRESTES E ALAMEDA CLEVELAND DEMOLIÇÃO DAS EDIFICAÇÕES EXISTENTES CAMPOS ELÍSEOS SÃO PAULO/SP Contratação de empresa especializada

Leia mais

Impactos Ambientais UFCG/UAEC/LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA CIÊNCIAS DO AMBIENTE PROFESSORA - MÁRCIA RIBEIRO

Impactos Ambientais UFCG/UAEC/LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA CIÊNCIAS DO AMBIENTE PROFESSORA - MÁRCIA RIBEIRO Impactos Ambientais UFCG/UAEC/LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA CIÊNCIAS DO AMBIENTE PROFESSORA - MÁRCIA RIBEIRO PAULO DA COSTA MEDEIROS Doutorando em Recursos Naturais INTRODUÇÃO CONSUMO/DEMANDAS MAU USO QUANTIDADE

Leia mais

ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA :

ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA : ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA : 1- INFORMAÇÕES GERAIS : IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO : Trata-se de um Auto Posto de Serviços e Comércio de Combustíveis para Veículos Automotores. OBS : Sem

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL 2013 ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL IAB ADMINISTRADORA DE BENS LTDA, CNPJ 08.111.520/0001 POMERODE/SC 03/10/2013 Dados do Projeto O projeto trata-se do empreendimento de um Centro Comercial

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO

SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO Lei nº 6468/09 Disciplina a veiculação de anúncios no Município de Piracicaba Decreto nº 13.512/10 Licenciamento de anúncios Decreto nº 13.513/10 Engenhos Publicitários

Leia mais

SP 01/04/91 NT 128/91

SP 01/04/91 NT 128/91 SP 01/04/91 NT 128/91 Gerenciamento de Grandes Eventos Antonio Carlos Rissardo (DO) Marco Aurélio Reginatto (GET 5) Maria Cecília Figueiredo de Toledo (GDT) Marta Maria Alcione Pereira (AA) Milton Roberto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP

Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP Obra de uma residência no bairro Bauxita Ouro Preto Características da edificação: Área do terreno: 360m²; Área a ser construída: 150m²; Obra de

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111

RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 RESOLUÇÃO CONAMA nº 465, de 5 de Dezembro de 2014 Publicada no DOU n o 237, de 08 de dezembro de 2014, Seção 1, páginas 110-111 Correlação: Revoga a Resolução CONAMA nº 334/2003 Dispõe sobre os requisitos

Leia mais

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4.1. Revitalização do Rio Cheonggyecheon Seul Coréia do Sul Ficha Técnica Localização: Seul, Coréia do Sul Autor do Projeto: KeeYeonHwang Área de Intervenção: 400 hectares, 8

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

PLANOS DE NEGÓCIO DAS OPERADORAS METROPOLITANAS. NEGÓCIOS NOS TRILHOS 2008 04 a 06 de Novembro Expo Center Norte Pavilhão Vermelho São Paulo - SP

PLANOS DE NEGÓCIO DAS OPERADORAS METROPOLITANAS. NEGÓCIOS NOS TRILHOS 2008 04 a 06 de Novembro Expo Center Norte Pavilhão Vermelho São Paulo - SP 1 PLANOS DE NEGÓCIO DAS OPERADORAS METROPOLITANAS NEGÓCIOS NOS TRILHOS 2008 04 a 06 de Novembro Expo Center Norte Pavilhão Vermelho São Paulo - SP Rede Atual de Metrô 2 Rede Atual 3 Atual Extensão 61,3

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais

EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1. São Leopoldo / Novo Hamburgo

EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1. São Leopoldo / Novo Hamburgo EMPRESA DE TRENS URBANOS DE PORTO ALEGRE S.A. Obra de Expansão da Linha 1 São Leopoldo / Novo Hamburgo ESCRITÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Coordenação de Planejamento Coordenação de Medições, Controle Financeiro

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE Considerando que esse processo é temporário e que a intenção é a continuidade dos trabalhos, para ampliar a produção e o aproveitamento dos recursos de interesse, encaminhamos o Termo de Referência para

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA TRATAMENTO SOCIOAMBIENTAL PROJETOS DE SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO)

INSTRUÇÕES PARA TRATAMENTO SOCIOAMBIENTAL PROJETOS DE SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO) APÊNDICE H- INSTRUÇÕES PARA TRATAMENTO SOCIOAMBIENTAL PROJETOS DE SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO) CAPITULO : PROCEDIMENTOS GERAIS PARA AVALIAÇÃO E LICENCIAMENTO AMBIENTAL - PROJETOS DE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente RELAÇAO DE DOCUMENTOS PARA PROJETOS DE IRRIGAÇÃO E /OU SIMILARES. CATEGORIA A PROJETOS COM ÁREA ATÉ 5,0 ha LICENÇA PRÉVIA 1. Requerimento; 3. Guia de recolhimento, quitada; 4. Cópia da Publicação do Requerimento

Leia mais

curitiba / pr Módulos a partir de 1.600m 2 Área bruta locável de 51.000m 2

curitiba / pr Módulos a partir de 1.600m 2 Área bruta locável de 51.000m 2 Perspectiva artística. curitiba / pr Módulos a partir de 1.600m 2 Área bruta locável de 51.000m 2 Commercial Properties HORTOLÂNDIA A LOG ComMercial Properties A LOG Commercial Properties, empresa do grupo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente RELAÇAO DE DOCUMENTOS PARA PROJETOS DE IRRIGAÇÃO E /OU SIMILARES. CATEGORIA A PROJETOS COM ÁREA ATÉ 5,0 ha LICENÇA PRÉVIA 1. Requerimento; 3. Guia de recolhimento, quitada; 4. Cópia da Publicação do Requerimento

Leia mais

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 Aprova Norma Técnica que estabelece as características de localização, construtivas e os procedimentos para uso do abrigo externo de armazenamento de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 09.00 GRUPO/ATIVIDADES 09.07 Postos de Revenda de Combustíveis e Derivados de Petróleo com ou sem lavagem e ou lubrificação de veículos PPD M AGRUPAMENTO NORMATIVO

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

MEMORIAL DE INCORPORAÇÃO

MEMORIAL DE INCORPORAÇÃO MEMORIAL DE INCORPORAÇÃO EDIFÍCIO F17 RUA FIDALGA Nº 787 I - Localização do Terreno Rua Fidalga, onde existiam os prédios n s 775, 779, 783, 787 e 793, demolidos conforme Alvarás de Execuções de Demolições

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pelo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS COIMBRA. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O

A P R E S E N T A Ç Ã O A P R E S E N T A Ç Ã O O presente documento técnico integra o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) referente à Extração de Minério de Ferro, na Fazenda Trindade, no Município de São Mamede no estado da Paraíba,

Leia mais

FLUXO LICENCIAMENTO DE GRANDES EMPREENDIMENTOS À LUZ DAS LEIS 13.885/04 E 16.050/14

FLUXO LICENCIAMENTO DE GRANDES EMPREENDIMENTOS À LUZ DAS LEIS 13.885/04 E 16.050/14 PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO I SEL SECRETARIA EXECUTIVA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS I SEC MANUAL DE EMPREENDIMENTOS DE GRANDE PORTE nr1 nr2 nr3 SÃO PAULO 2014 EMPREENDIMENTOS

Leia mais