CONTESTAÇÃO ADMINISTRATIVA, APRESENTADA EM PERÍODO DE CONSULTA PÚBLICA, REFERENTE AO PROJETO METRÔ CURITIBANO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTESTAÇÃO ADMINISTRATIVA, APRESENTADA EM PERÍODO DE CONSULTA PÚBLICA, REFERENTE AO PROJETO METRÔ CURITIBANO"

Transcrição

1 CONTESTAÇÃO ADMINISTRATIVA, APRESENTADA EM PERÍODO DE CONSULTA PÚBLICA, REFERENTE AO PROJETO METRÔ CURITIBANO A PREFEITURA DE CURITIBA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PR MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO PR TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO CGPP COMISSÃO DE GERENCIAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS CGP COMITÊ GESTOR DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADA FEDERAL 1. INTRODUÇÃO: As seguintes questões são mote à elaboração do presente documento: O atual descompromisso das administrações públicas de nível federal, estadual e municipal na questão da mobilidade urbana e acesso igualitário à cidade, gerando déficits sociais, ambientais e energéticos que comprometerão a viabilidade das metrópoles no longo prazo. Estes locais são unidades de alto consumo de recursos e degradação ambiental, alimentando uma perversa relação campo-cidade, onde devastação, desperdício e êxodo rural tornamse necessários para viabilizar a lógica de um tabu chamado crescimento econômico. Os absurdos e massivos investimentos na mobilidade urbana através do transporte motorizado privado, seja através de obras de infra-estrutura, ocupação de espaço urbano, renúncias fiscais e benesses em favor dos cartéis automobilísticos (em todas as esferas municipal a federal), mostram claramente o descompromisso com soluções para o coletivo e o meio ambiente. A política caudilhista regional, voltada essencialmente para o clientelismo entre governo e grupos empresariais e familiares locais, que se alternam e se confundem nos três poderes regionais executivo, legislativo e judiciário -, política esta operacionalizada através da especulação imobiliária no campo e na cidade, sendo exemplo típico a licitação do transporte coletivo em Curitiba e no presente momento o chamado projeto METRÔ CURITIBANO. A política desenvolvimentista em nível federal, operacionalizada pelo nefasto dispositivo generalizadamente chamado PPP Parceria Público Privada, serve apenas aos interesses das grandes empreiteiras, corporações e empresas. Neste modelo, há um completo desprezo pelo uso racional dos recursos naturais, do meio ambiente e apoio às bases populares, que no médio prazo terão seus postos de trabalho e de subsistência extintos ao mesmo tempo em que se criará um eterno endividamento popular quando da utilização dos empreendimentos construídos por esta mesma base. Página 1 de 11

2 A promoção da alienação popular, tanto pela apropriação do tempo do cidadão (não só do tempo de trabalho mas do tempo de transporte para o trabalho e para acesso a cidade), como pela informação falha que chega na forma de publicidade em si e/ou publicidade travestida de informação, valorizando fetiches de consumo em prejuízo do valor de uso. Tudo com o objetivo de manter a tutela de um povo que já teria atingido autonomia, não fosse esta relação semelhante a de um narcotraficante com seu viciado. 2. BASE LEGAL PARA OS QUESTIONAMENTOS: 2.1.Constituição da República Federativa do Brasil de Lei federal 9074 de 7 de julho de Estabelece normas para outorga e prorrogações das concessões e permissões de serviços públicos e dá outras providências. (concessões/ permissões voltada para energia elétrica) Lei federal 8987 de 13 de fevereiro de Dispõe sobre o regime de concessão e permissão da prestação de serviços públicos previsto no art. 175 da Constituição Federal, e dá outras providências. (concessões/ permissões geral) Lei federal de 10 de julho de 2001.Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências (estatuto das cidades) Lei federal de 30 de dezembro de Institui normas gerais para licitação e contratação de parceria público-privada no âmbito da administração pública. (lei das PPP s) Decreto federal Nº de 4 de março de Institui o Comitê Gestor de Parceria Público-Privada Federal CGP e dá outras providências Lei federal , de 3 de janeiro de Institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana Lei municipal de Curitiba de 17 de janeiro de 2008 e decreto municipal de Curitiba Regulamenta o transporte coletivo em Curitiba Lei municipal de Curitiba nº , de 03 de outubro de Institui o Programa Municipal de Parcerias Público-Privadas e dá disposições Decreto municipal de Curitiba nº 1311, de 29 de novembro de Dispõe sobre a Comissão de Gerenciamento do Programa Municipal de Parcerias Público-Privadas e dá outras providências. 3. AS FRAGILIDADES TÉCNICAS DO PROJETO: Em primeiro lugar, é importante ressaltar que as fragilidades do projeto são apontadas enquanto Plano para Aceleração do Crescimento (PAC) da mobilidade urbana. Assim, é preciso entender de ante-mão que não temos uma postura anti-metrô, ou contra qualquer modal alternativo que se proponha para a cidade. Tampouco temos interesse em defender algum novo modal entre Página 2 de 11

3 os citados, por vez que entendemos que esta deve ser uma decisão da base popular que é a principal afetada pelo transporte coletivo na cidade, através de um processo legítimo de informação / discussão e decisão. No presente tópico nossa denúncia vai se referir a inconsistências técnicas neste empreendimento pontual, chamado METRÔ CURITIBANO TRAÇADO: O traçado do projeto prevê a substituição de um eixo de transporte existente e plenamente funcional, ao invés de ampliar pontos de embarque e transporte, ineficientes e até inexistentes em diversos pontos da grande Curitiba. É fácil entender esta questão: como não havia pesquisa origemdestino, optou-se pela implantação no eixo mais carregado, para garantir o lucro da operação. Uma pesquisa origem-destino foi tacitamente encomendada APÓS O PROJETO, no estilo pesquisa eleitoral, ou seja provavelmente com o resultado já encomendado para sua ratificação. Também não existe um trabalho sério a respeito dos déficits de atendimento do transporte coletivo, nos termos da lei municipal (em especial artigo 4º., parágrafo único1). Nota 1: Como não há na lei definição clara da densidade demográfica que viabilize mercadologicamente o atendimento desta necessidade e direito do cidadão, entendemos que, para não se perder a objetividade da lei, qualquer região deve ser atendida, até porque necessidades e direitos do cidadão não podem ser vinculados à viabilidade de empreendimentos privados que visem lucro de terceiros. É possível criar um paralelo com a análise de um sistema de irrigação de um jardim: uma vez que o jardineiro percebe falta de irrigação nas bordas do gramado, ele deveria preocupar-se em investir em aspersores e tubos adicionais para atender as bordas do gramado. Entretanto, o jardineiro é remunerado pela vazão de água quanto maior, maior a remuneração. Assim, ao invés de fazer a irrigação chegar às áreas faltantes, o jardineiro apenas aumenta o diâmetro da tubulação dos aspersores existentes, já que isso aumentaria a vazão de água a um menor custo, porém permanecendo o problema na periferia do jardim. Outro efeito desta política é que as áreas já servidas do jardim tornariam-se ainda mais verdes e belas enquanto as áreas deficitárias definhariam ainda mais já que as plantas mais robustecidas requerem ainda mais água. Por este paralelo, ilustra-se o transporte como indutor da ocupação do solo urbano e, inadequadamente planejado, um dispositivo a favor da especulação imobiliária MODAL: Toda a análise referente ao pleito pela verba do PAC da Mobilidade do governo federal foi feita como se houvesse apenas um modal de transporte possível: o metrô. Trólebus, VLT (veículo leve sobre trilhos), aeromóvel, bonde, etc., não foram considerados em profundidade. Adequadamente analisadas, podem ser alternativas de menor custo operacional e de implantação, portanto de maior retorno social para um mesmo capital investido IMPACTO DA OBRA: Evidentemente, a propriedade privada só terá benefícios, através da valorização dos imóveis. Ocorre que nem todos que dão função social aos imóveis são proprietários. Uma vez que a obra tem duração de vários anos, e Página 3 de 11

4 não possuindo o necessário Estudo de Impacto de Vizinhança, os pequenos empresários vicinais estão apreensivos. Para os usuários do transporte coletivo, a preocupação é maior ainda: o que acontecerá com o eixo de transporte afetado durante as obras que duram vários anos? Será que o trabalhador e o estudante farão o trajeto em menos tempo durante as obras? E a mobilidade em geral, incluindo automóveis, não terá dificuldades já que haverá compartilhamento de um pesado eixo de transporte coletivo que era segregado? 3.4. TARIFA: Em termos de transporte motorizado, o ônus da mobilidade urbana em Curitiba é concentrado sobre o cidadão que menos polui, menos gasta energia, menos mata e menos tem dinheiro no transporte, que é o usuário do transporte coletivo. Assim, quem pagará a conta da empreitada que busca dar mais fluidez a toda a mobilidade urbana será novamente o usuário do transporte coletivo, principalmente aqueles que não usarão o metrô e que mesmo assim terão aumento em sua passagem. A total indiferença / intransigência do governo municipal fica demonstrada frente a pequenas propostas feitas por iniciativas populares tais como a integração temporal e/ou tarifa horo-sazonal, ou ainda propostas mais ousadas de oneração da propriedade privada, diretamente ligadas a mobilidade urbana (automóveis) ou indiretamente ligadas a mobilidade urbana (imóveis e especulação imobiliária) PROJETO BÁSICO: O empreendimento METRÔ CURITIBANO possui um projeto básico. Nos termos da lei 8666, à qual se vincula a lei das PPP s, o projeto básico deve ser suficientemente detalhado para permitir uma orçamentação satisfatória no processo licitatório, ao mesmo tempo em que não necessita de detalhamento excessivo, que se justificaria apenas na etapa de obras com o projeto executivo, sendo opcional a exigência do projeto executivo prévio ao certame licitatório. Qualquer técnico de tribunais de contas conhece a complexidade de análise dos chamados aditamentos contratuais que envolvem alteração no projeto básico. A possibilidade de alterações resulta em falta de objetividade no edital, criando-se uma faixa de ajuste de valores e itens suprimidos/ aditados, podendo ainda agir como filtros da concorrência ou oneração de riscos. No caso do METRÔ CURITIBANO, o trecho CUT AND COVER, por exemplo, ao mesmo tempo em que onera a obra, criará transtornos maiores a cidade durante sua execução. Este trecho pode ser suprimido / substituído no projeto executivo, causando então dúvidas ao licitante na etapa licitatória (será que meu contratante fará supressão / substituição? e a que valores? ). Importante salientar que estas transações não ocorrem com a mesma publicidade de um edital licitatório, ocorrendo posteriormente, na execução da obra. Na verdade, o desleixo com o projeto e seu descompromisso com a execução é tal, que até mesmo a ilustração do chamado boulevard, que contempla uma ciclovia em zigue-zague, extremamente criticada por usuários ciclistas, por ser anti-ergonômica para o uso funcional diário, teve como resposta a informação de que a ilustração/ projeto não tem nada a ver com o Página 4 de 11

5 que será executado, sendo meramente ilustrativa. Por outro lado, o edital flexibiliza totalmente o objeto do contrato, através de suas cláusulas 4ª. 3º. Inciso II e 46ª. 12º. colocando a possibilidade de um projeto executivo por conta do contratado e restrito apenas por diretrizes técnicas, que liberam o executor de respeitar até mesmo as cotas de estacas do projeto básico, levando-nos a questionar o porquê da contratação de um projeto básico / estudo ambiental que custaram R$2,6 milhões (contratados sem competição de preços, entregues com atraso de mais de 6 meses e com aditivos chegando finalmente a 2,9 milhões). De fato, na página 11 do Anexo III Apêndice I do edital da PPP do METRÔ CURITIBANO lê-se claramente: É responsabilidade da concessionária a definição e execução do projeto de arquitetura, o acabamento, a comunicação visual e o paisagismo das Estações. Importante notar ainda que, pelo contrato, a solução de controvérsias, feita na etapa da obra, onde o controle pela sociedade é muito mais difícil, será feita por apenas 3 pessoas: contratante, contratado e um amigo em comum destes dois. Por fim, o edital / proposta licitatória demonstram-se definitivamente viciados pela ausência de orçamento detalhado, conforme exigido pelo artigo 6º. Inciso IX da lei EIA/RIMA: O EIA/RIMA também possuiu audiência pública, seguida exatamente nos mesmos termos das demais audiências públicas em Curitiba. Assim, a audiência teve baixíssima participação popular e os poucos questionamentos populares que existiram foram respondidos de forma totalmente insatisfatória. Algumas das questões importantes foram tiradas da análise de alguns populares na ocasião Sobre o projeto METRÔ CURITIBANO: Trecho sul da linha azul (trecho mais pobre) sofrerá os maiores impactos ambientais Modal (metrô) e o trajeto (eixo Norte-Sul) não são devidamente justificados. O relatório apresenta informações contraditórias sobre a necessidade do metrô e seu traçado Embora seja uma obra dependente de recursos estaduais e federais (parte a fundo perdido), com algum impacto metropolitano, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SMMA) será o orgão responsável pelo licenciamento ambiental do empreendimento. Há o risco de decisões monocráticas da PMC, sem a participação do IAP e do IBAMA A empreiteira terá autonomia organizacional, financeira, administrativa e operacional do sistema, assumindo funções que seriam da Prefeitura, URBS e outros órgãos públicos Cronograma fantasioso: prevê a construção de 22km de linha e 21 estações em 24 meses em média, quase 1 km de linha e 1 estação entregues por mês Conforme informação dada pela SEMMA, o projeto METRÔ CURITIBANO deve gastar mais energia que o atual modal de transporte coletivo sobre pneus, agravando a situação do balanço energético Página 5 de 11

6 municipal. Apesar do consumo de energia, não há no projeto menção a sistemas regenerativos de energia Há necessidade do E.I.V. Estudo de Impacto de Vizinhança, em virtude do vulto da obra, que deve gerar grandes impactos em fase de execução e posteriormente operação. A SEMMA alega que não é necessário por não estar claramente definido na lei, demonstrando comprometimento com as indefinições das formalidades, e descompromisso com as necessidades reais Sobre o EIA/RIMA em si: O relatório apresenta estudos heterogêneos e inconsistências metodológicas parâmetros de projeto e impactos esperados variam entre as especialidades. Além de dificultar a interpretação dos resultados, isso sugere que a coordenação do EIA não foi satisfatória; Ao longo de todo o relatório é visível a confusão entre aspectos técnicos do projeto e aspectos programáticos (intenções, sonhos, desejos, expectativas ). O resultado é um relatório confuso e inchado; Não é apresentada uma sistemática de ponderação dos impactos ambientais; as conclusões sobre intensidade dos impactos seria melhor visualizada em uma matriz de Leopold, por exemplo, colocando lado a lado a intensidade do impacto e seu peso relativo A resposta ao questionamento sobre custos operacionais é insatisfatória. Ela sequer informa a temporalidade dos custos apresentados (se semestrais, anuais ou bianuais). 4. A AUSÊNCIA DE DISCUSSÃO POPULAR: Devido às estruturas de poder centenárias, Curitiba é uma das cidades mais desiguais do Brasil. A população é mantida não só à margem das decisões, mas acima de tudo à margem das discussões a respeito de uma cidade que sirva igualmente a todas e todos. Um dos fatores a serviço desta alienação é o tempo consumido pela jornada laboral e também o respectivo tempo de deslocamento que pode chegar a 40 ou 60 horas mensais. Toda esta situação, somada a uma política de mercado e de governo que enaltece as soluções individualistas em detrimento do coletivo, criam no cidadão uma mentalidade onde ele se imagina incapaz de decidir em prol do coletivo, ao mesmo tempo em que é induzido a concluir que a culpa pela falta de um transporte decente é dele mesmo (pois ainda não foi capaz de adquirir um automóvel). A culpa por não possuir atendimento de saúde decente é dele, pois não foi capaz de adquirir um plano de saúde. Da mesma forma com a educação, segurança, e assim por diante. A conjugação destes fatores distintos de ordem logística e moral desmotivam o engajamento na discussão cidadã das políticas públicas, consolidando o modelo governamental hierárquico e consequentemente as estruturas de poder seculares. Página 6 de 11

7 Naturalmente, uma resistência local existe e é ativa, bem como as providências por parte da hierarquia local para reprimi-la variam de ações violentas por parte das polícias e serviços de segurança privada até ações mais sutis para calar e desmotivar estes grupos divergentes. As leis são feitas pelas elites em benefício das próprias elites, entretanto através de uma proposta de objetivos sociais, que são burlados através de seu cumprimento meramente pró-forma. Distinguir o cumprimento próforma, desvinculado dos objetivos sociais da lei é a função de pouquíssimos elementos que compõem algumas instituições, tais como aquelas elencadas no cabeçalho deste documento. De fato, torcemos para que a análise do presente caia em mãos comprometidas com os objetivos sociais da lei. Neste sentido, citamos a Lei de 10 de julho de 2001, relacionada ao estatuto das cidades, que define as audiências públicas, preconizando a administração participativa a todos os níveis da sociedade. Como se pode observar nos casos do transporte coletivo (e também em outros casos), isso não vem ocorrendo em Curitiba. As audiências públicas são burocráticas, massivas, insossas e tecnicistas, com objetivo de se afastar da linguagem popular, justamente para inibir sua participação e justificar seu tutelamento. Por outro lado, os conselhos tais como CONCITIBA ou CMT Conselho Municipal de Transporte, também seguem a mesma linha. Só para se ter uma ideia, o CMT possui 09 membros, sendo somente um representante dos usuários, que é uma entidade que declara que todo usuário do transporte coletivo é, automaticamente, seu associado, apesar destes sequer saberem. Esta entidade é presidida por um ex-funcionário do sistema de transporte coletivos que possui grande afinidade com as empresas e políticos que exploram o sistema. A ferramenta utilizada localmente para burlar a lei é o formalismo, o próforma e a burocracia. Assim, as audiências públicas são mínimas, somente na quantidade mínima definida pela legislação correlata no caso do projeto METRÔCURITIBANO, a lei federal 8987 e a legislação ambiental. Estas audiências mínimas são dirigidas a minorias ligadas a classe dirigente, ou a entidades que se auto designam como representantes da sociedade civil organizada. A organização de instâncias decisórias horizontais com capilarização junto a bases populares não é buscada simplesmente por ser indesejável na verdade um óbice aos negócios do mercado. A administração local alega ainda que desta forma é impossível governar pois tais processos demandam tempo. Entretanto o projeto METRÔ CURITIBANO já vem sendo discutido com as elites locais desde 2007, há 5 anos ou mais, enquanto a discussão popular só é permitida durante aproximadamente 1 mês, seguindo formalmente o rigor da lei. Outro importante ator deste processo é o trabalhador do transporte coletivo, deixado a margem da discussão através da completa alienação de seu trabalho com as estratégias de mercado / governo, já elencadas anteriormente. No caso da PPP do projeto METRÔ CURITIBANO, para comprovar o que afirmamos basta analisar a defesa da própria prefeitura a respeito da discussão popular. No link curitiba.pr.gov.br/noticias/audienc... observa-se que a discussão foi conduzida junto a entidades diversas, mas Curitiba possui Página 7 de 11

8 mais de 20 terminais de passageiros, além de ruas de cidadania e outros equipamentos onde podem ser encontrados os cidadãos diretamente afetados por projetos de mobilidade urbana. Estes locais não foram contemplados por audiências públicas e estamos absolutamente certos de que nem sequer 1% da população recebeu informações e debateu o projeto. Finalmente, propomos a seguir um formato mínimo que viabilize a discussão popular de um projeto de mobilidade urbana junto às bases, através das seguintes medidas a serem tomadas em 3 etapas ou mais, incluindo minimamente etapas de informação / conscientização, discussão, e por fim tomada de decisão: promoção de discussão em locais fisicamente próximos às populações afetadas terminais de transporte coletivo, praças, ruas da cidadania, colégios, universidades etc ; propaganda informativa / convocatória nos ônibus, terminais, pontos de ônibus, escolas, etc ; envolvimento direto da base trabalhadora do transporte coletivo, através de publicidade junto ao entorno das garagens do transporte coletivo ou mesmo no interior destas; desenvolvimento e distribuição de textos que ilustrem, em linguagem acessível e popular, as questões e gargalos relacionados a mobilidade urbana, questões energéticas, o prejuízo das soluções individualistas sobre as coletivas, a segurança, a segmentação sócio-espacial, especulação imobiliária, modais alternativos, bicicleta, cooperativismo, autogestão e conselho operário, noções básicas de parcerias público-privadas e suas vantagens e desvantagens, etc ; participação da prefeitura apenas como um ente financiador, virtualmente devolvendo parte do dinheiro que retira das comunidades, vedando-se sua influência na autogestão popular, fato que sempre ocorre através de desvirtuamento da discussão, transformando-a em propaganda de seus próprios projetos ou de personalidades com pretensões eleitorais ou de mercado, e portanto desvinculadas do interesse público; promoção e incentivo do extensionismo estudantil / universitário na discussão técnica, com parcerias junto às bases estudantis que tenham interesse e, se for o caso, por intermédio destas bases subir junto às direções das respectivas escolas / universidades, órgãos / entidades de classe, etc ; liberação e respeito imediato da livre atuação de movimentos sociais, que atualmente são impedidos até mesmo de panfletar nos terminais, em virtude de uma legislação local inconstitucional que visa reprimir a livre comunicação sem fins lucrativos e a iniciativa popular; promoção de organicidade autônoma e independente dos grupos de discussão, na elaboração de documentos e processos decisórios, sempre mantendo a horizontalidade e evitando a burocracia autoritária e tecnicista. desenvolvimento de parceria com o TRE-PR Tribunal Regional Eleitoral do Paraná, no sentido de viabilizar urnas para pesquisas de opinião autônomas em um primeiro momento e processos decisórios em um segundo momento, fisicamente próximos aos usuários do transporte coletivo, junto aos terminais. Enfim, esta proposta requer tempo e investimentos mínimos que seriam alternativas aos investimentos em publicidade eleitoreira ou projetos inúteis de novos modais, atualmente feitos em Curitiba. Página 8 de 11

9 5. DEMANDAS E OBJETIVOS DESTA Dar ciência formal aos organismos e instituições citados no cabeçalho desta, a respeito do que vem ocorrendo em relação a exploração econômica de uma necessidade básica popular, que é o transporte e deslocamento de pessoas em Curitiba. Neste sentido aproveitamos para destacar o protocolo no. 2986/2010, feito em caráter de urgência junto ao MP-PR em 24/02/ :19h, relativo a solicitação de impugnação ao edital de licitação do transporte coletivo por ônibus em Curitiba e que até o momento (mais de 2 anos depois), não gerou qualquer ação judicial por parte do mesmo Requerer às instituições responsáveis as necessárias ações administrativas, judiciais, paralelas e/ou redundantes, no sentido de agir imediatamente na proteção do interesse público difuso, sem desculpas processuais ou burocráticas ou ainda, desculpas relacionadas ao desconhecimento Requerer ao CGP COMITÊ GESTOR DE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADA FEDERAL, ao CGPP COMISSÃO DE GERENCIMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS e demais instituições a imediata suspensão do processo relativo a PPP do METRÔ CURITIBANO, em virtude das irregularidades técnico administrativas apresentadas e também em função da inexistência do diálogo popular real que viabilize a administração participativa, nos termos da real intensão da lei federal (estatuto das cidades) Requerer a imediata articulação junto às bases sociais, relativas a um processo de discussão que envolva fases de conscientização / informação, discussão e decisão em mesmo nível, conforme proposta apresentada através deste documento ou de outra forma construída junto às bases sociais, e que similarmente busque de fato, e não em formalismos burocráticos, a administração participativa da cidade Analisar e, sendo o caso, repreender as atitudes burocráticas e autoritárias da administração local, quais sejam: a relativização de erros, alegação de desconhecimento, omissão de informações existentes, elaboração de respostas meramente formais e insatisfatórias que beiram a atitude pueril e outras desídias ou confusões propositais compõem a chamada estratégia aloprada. Esta estratégia aloprada vem sendo uma constante na administração pública, desde seu lançamento pelo chefe máximo do executivo nacional à época do caso mensalão e precisa ser fortemente questionada pelas chamadas instituições. Entretanto pode-se dizer que o caso do Paraná é muito mais grave, pois os alertas são feitos, formalizados e até protocolados junto a instituições antes da consumação dos fatos viciados Que não haja prejuízo em termos dos investimentos a título de PAC da Mobilidade Urbana e que portanto seja mantido o plano de investimento a fundo perdido por parte do governo federal, estado e município em prol do novo projeto de mobilidade que venha a se criar popularmente. Subscrevem este documento: NOME / RG / ORGANIZAÇÃO / / TELEFONE Página 9 de 11

10 NOME / RG / ORGANIZAÇÃO / / TELEFONE Página 10 de 11

11 Página 11 de 11

COMISSÃO ESPECIAL DE INVESTIGAÇÃO DO CONTRATO ENTRE FOZ DO BRASIL, PREFEITURA DE BLUMENAU E SAMAE.

COMISSÃO ESPECIAL DE INVESTIGAÇÃO DO CONTRATO ENTRE FOZ DO BRASIL, PREFEITURA DE BLUMENAU E SAMAE. 1 COMISSÃO ESPECIAL DE INVESTIGAÇÃO DO CONTRATO ENTRE FOZ DO BRASIL, PREFEITURA DE BLUMENAU E SAMAE. Síntese analítica: 1. Irregularidade na criação da Agir. A agência deveria ter sido criada para elaborar

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa 1 INTRODUÇÃO 1.1 Motivação e Justificativa A locomoção é um dos direitos básicos do cidadão. Cabe, portanto, ao poder público normalmente uma prefeitura e/ou um estado prover transporte de qualidade para

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

Agenda da Mobilidade Urbana - ABDIB

Agenda da Mobilidade Urbana - ABDIB ESTUDOS E PESQUISAS Nº 639 Agenda da Mobilidade Urbana - ABDIB Ricardo A. M. Castanheira * Fórum Nacional (Sessão Especial) O Brasil que Queremos Nova Grande Concepção: Sair da Crise e Enfrentar os Desafios

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL ÀS PRIVADAS

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL ÀS PRIVADAS LEGISLAÇÃO APLICÁVEL ÀS PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS Segundo a Lei Federal 11.079/04, a Parceria Público-Privada é um contrato administrativo de concessão, na modalidade patrocinada ou administrativa: Patrocinada

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC)

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) Professor: Pedro Antônio Bertone Ataíde 23 a 27 de março

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 12672

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 12672 PARECER Nº 12672 Faixas de domínio marginais às estradas de rodagem cuja exploração é objeto de contrato de concessão. Uso por particulares, sem exclusividade. Autorização. Competência. Licitação. Expondo

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador INÁCIO ARRUDA

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador INÁCIO ARRUDA PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA, sobre o Ofício S nº 9, de 2011 (Ofício GS nº 2.097, de 22 de novembro de 2010, na origem), da Secretaria do Planejamento e Gestão do Estado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013

57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013 Araxá, 08/03/13 57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013 O Futuro do Transporte Urbano nas Cidades de Pequeno e Médio Porte Compete à União: XX instituir diretrizes

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas.

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. O Povo de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte

Leia mais

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e

Fundação Institut o de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Fundação Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville, Instituto de Trânsito e Transporte e Secretaria de Infraestrutura UMA UNIDADE DE MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE

Leia mais

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA: PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília, 28 de novembro de 2012 Organização Não Governamental fundada em 2006 com a missão de apoiar a

Leia mais

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA MOBILIDADE URBANA EM REGIÕES METROPOLITANAS Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA Marco Aurélio Spall Maia Diretor Presidente TRENSURB-Porto Alegre Região Metropolitana

Leia mais

DIRETORIA DE TRANSPORTES

DIRETORIA DE TRANSPORTES O que é concessão? É o instrumento previsto em Lei que possibilita a transferência da execução de determinado serviço público a particulares, através da celebração de um contrato, por prazo certo e determinado,

Leia mais

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT]

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] 1. Os Tribunais de Contas somente podem realizar suas tarefas quando são independentes da entidade auditada e são protegidos

Leia mais

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPORTE E TRÂNSITO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE-MS

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPORTE E TRÂNSITO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE-MS PROJETO DE LEI Nº 7.476/13. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPORTE E TRÂNSITO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE-MS A P R O V A: Art. 1º - Fica criado o Conselho

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 PREMISSAS LEGAIS: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTATUTO DA METRÓPOLE (LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi PAC Programa de Aceleração do Crescimento Retomada do planejamento no país Marcel Olivi PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO Lançado em 22/01/2007 o programa é constituído por Medidas de estímulo

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília.

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília. Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília Mobilidade Urbana Renato Boareto 1 Organização Não Governamental fundada em 2006

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

EDITAL PARA LICITAÇAO PARA A GESTÃO DE CURSOS DE LINGUA E CULTURA ITALIANA DO ISTITUTO ITALIANO DI CULTURA DI SAN PAOLO

EDITAL PARA LICITAÇAO PARA A GESTÃO DE CURSOS DE LINGUA E CULTURA ITALIANA DO ISTITUTO ITALIANO DI CULTURA DI SAN PAOLO EDITAL PARA LICITAÇAO PARA A GESTÃO DE CURSOS DE LINGUA E CULTURA ITALIANA DO ISTITUTO ITALIANO DI CULTURA DI SAN PAOLO 1) Ente Ofertante Istituto Italiano di Cultura di San Paolo Av. Higienópolis, 436

Leia mais

Mobilidade com produtividade

Mobilidade com produtividade Curitiba Maio, 2015 > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Mobilidade com produtividade Wagner Colombini Martins Logit Engenharia Documento confidencial para uso e informação do cliente > > > > > >

Leia mais

Apesar da Lei que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, datar de janeiro de 2012, até agora, passados dois anos

Apesar da Lei que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, datar de janeiro de 2012, até agora, passados dois anos O presente projeto de Lei que autoriza a implantação do Corredor Capão Redondo / Campo Limpo / Vila Sonia é apresentado de maneira descolada do Projeto de Lei 0017/2014, ora em 2ª votação, e que autoriza

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

. 61. BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE

. 61. BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE CAPÍTULO BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 61 7 Funcionamento do programa As etapas qualitativa e quantitativa da pesquisa mostraram enorme desconhecimento das famílias beneficiadas com relação às regras

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

DOCUMENTO DE PROVIDÊNCIAS AUDIÊNCIA PÚBLICA: COPA DO MUNDO DE 2014 EM CURITIBA E A UTILIZAÇÃO DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

DOCUMENTO DE PROVIDÊNCIAS AUDIÊNCIA PÚBLICA: COPA DO MUNDO DE 2014 EM CURITIBA E A UTILIZAÇÃO DO POTENCIAL CONSTRUTIVO DOCUMENTO DE PROVIDÊNCIAS AUDIÊNCIA PÚBLICA: COPA DO MUNDO DE 2014 EM CURITIBA E A UTILIZAÇÃO DO POTENCIAL CONSTRUTIVO AS ENTIDADES E MOVIMENTOS DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA PRESENTES NA AUDIÊNCIA PÚBLICA

Leia mais

Justificativa da iniciativa

Justificativa da iniciativa Sumário Justificativa da iniciativa O que é o Framework? Apresentação básica de cada ferramenta Quais projetos serão avaliados por meio do Framework? Fluxo de avaliação Expectativas Justificativa da iniciativa

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2012

PROJETO DE LEI Nº /2012 PROJETO DE LEI Nº /2012 (Dos Senhores Deputados Heuler Cruvinel e Onofre Santo Agostini) Institui a obrigatoriedade de instalação de pontos de recarga para veículos elétricos em vias públicas e em ambientes

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015.

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MORMAÇO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio

Leia mais

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 A gestão pública brasileira é marcada pela atuação setorial, com graves dificuldades

Leia mais

PROVA DE LEGISLAÇÃO Apenas as alternativas II e III são garantias contratuais admitidas para contratos com a Administração Pública.

PROVA DE LEGISLAÇÃO Apenas as alternativas II e III são garantias contratuais admitidas para contratos com a Administração Pública. PROVA DE LEGISLAÇÃO 1 São admitidas como garantias contratuais para as contratações de obras, serviços e compras efetuados pela Administração Pública: I Hipoteca de imóveis. II Seguro-garantia. III Fiança

Leia mais

Parecer Técnico nº 08/2014

Parecer Técnico nº 08/2014 Parecer Técnico nº 08/2014 INTERESSADO: ASSUNTO: ABRANGÊNCIA: Setor Industrial de Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico do Estado do Paraná Plano de Logística Reversa Estadual PROTOCOLO: 13.352.187-9

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

ATUAÇÃO DO TCU CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA

ATUAÇÃO DO TCU CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA SEMINÁRIO INTERNACIONAL CONCESSÃO DE AEROPORTOS ATUAÇÃO DO TCU NO ACOMPANHAMENTO DE CONCESSÕES DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE INFRA ESTRUTURA Francisco Giusepe Donato Martins Secretaria de Fiscalização de Desestatização

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá Carlos Eduardo Silva Promotor de Justiça Abr. 2015 Direito à Cidade/Mobilidade Urbana O ambiente

Leia mais

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Seminário de Licenciamento Ambiental de Destinação Final de Resíduos Sólidos Brasília, DF - Novembro de 2005 Coleta de resíduos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 Regulamenta a concessão de Auxílio para Apoio a Incubadoras

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA SITUAÇÃO ATUAL INTEGRAÇÃO METROPOLITANA NA LEI ORGÂNICA DE CURITIBA TÍTULO IV - DA ORDEM ECONÔMICA E SOCIAL CAPÍTULO I - DA ORDEM ECONÔMICA

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina LEI N. 1925/06 de 25.07.2006. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

VALE ALIMENTAÇÃO PARA FUNCIONÁRIOS

VALE ALIMENTAÇÃO PARA FUNCIONÁRIOS Prezados Senhores, Ref. VALE ALIMENTAÇÃO PARA FUNCIONÁRIOS A Associação Comercial de Ilhabela está disponibilizando para as empresas da cidade, que fornecem para seus funcionários cestas básicas (ou vale-alimentação),

Leia mais

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Mobilidade Urbana Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Apresentação A política de desenvolvimento urbano é estratégica para a promoção de igualdade de oportunidades, para a desconcentração

Leia mais

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae)

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) Novos Modelos Organizacionais dos Municípios Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) 2 Características do modelo Autarquia em regime especial; Autonomia e independência decisória e decisão

Leia mais

Estratégia de Financiamento

Estratégia de Financiamento Sustentabilidade Conforme o art. 29 da Lei nº 11.445/07, os serviços públicos de saneamento básico terão a sustentabilidade econômico-financeira assegurada, sempre que possível, mediante remuneração pela

Leia mais

Parecer Coletivo Município. Transporte de Pacientes e Passageiros. RECEFITUR. DAER. Lista Prévia. Exigência. Multas. Descabimento.

Parecer Coletivo Município. Transporte de Pacientes e Passageiros. RECEFITUR. DAER. Lista Prévia. Exigência. Multas. Descabimento. Parecer Coletivo Município. Transporte de Pacientes e Passageiros. RECEFITUR. DAER. Lista Prévia. Exigência. Multas. Descabimento. Decisão Judicial Trata o presente parecer acerca da imposição do DAER/RS

Leia mais

Privadas O Projeto de Lei em tramitação

Privadas O Projeto de Lei em tramitação BNDES BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Parcerias Público-Privadas Privadas O Projeto de Lei em tramitação MAURÍCIO PORTUGAL RIBEIRO CONSULTOR JURÍDICO DA UNIDADE DE PPP DO MINISTÉRIO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

Cesar Seara Conselheiro ABCON Brasil

Cesar Seara Conselheiro ABCON Brasil Cesar Seara Conselheiro ABCON Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL A SAÚDE COMEÇA PELA BOCA E, PELA ÁGUA QUE SE BEBE! UMA TRISTE REALIDADE! FONTE: ITB ABCON

Leia mais

TERCEIRA ATA DE DIVULGAÇÃO DE RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS FORMULADOS POR EMPRESA INTERESSADA NA CONCORRÊNCIA Nº 1/2014 DA SAC/PR

TERCEIRA ATA DE DIVULGAÇÃO DE RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS FORMULADOS POR EMPRESA INTERESSADA NA CONCORRÊNCIA Nº 1/2014 DA SAC/PR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL TERCEIRA ATA DE DIVULGAÇÃO DE RESPOSTAS AOS QUESTIONAMENTOS FORMULADOS POR EMPRESA INTERESSADA NA CONCORRÊNCIA Nº 1/2014 DA SAC/PR Objeto da Concorrência

Leia mais

COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL

COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL COAPI Coordenação-Geral de Análise de Projetos de Investimento ANÁLISE DO INVESTIMENTO PÚBLICO PELO TESOURO NACIONAL Dezembro de 2011 1 Missão do Ministério da Fazenda: Estruturar as políticas econômicas

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Viajeo Plus City Showcase in Latin America Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Nívea Oppermann Peixoto, Ms Diretora de Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil EMBARQ Brasil auxilia governos e empresas

Leia mais

Política Nacional de Mobilidade Urbana Os Desafios para Efetivação da Lei nº. 12.587/2012

Política Nacional de Mobilidade Urbana Os Desafios para Efetivação da Lei nº. 12.587/2012 Política Nacional de Mobilidade Urbana Os Desafios para Efetivação da Lei nº. 12.587/2012 André Dantas Matteus de Paula Freitas Arthur Oliveira Belo Horizonte (MG), 15/02/2012 1 ESTRUTURA 1. Contexto;

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Conceito Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras

Leia mais

Legislação e outros documentos sobre Educação Ambiental

Legislação e outros documentos sobre Educação Ambiental Legislação e outros documentos sobre Educação Ambiental 1981 Política Nacional de Meio Ambiente 1988 Constituição Brasileira 1992 Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade

Leia mais

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Promoção: O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Rosane Biasotto Coordenadora técnica Planos de Habitação de Interesse Social

Leia mais

Comunicação e informação: desafios para a participação social no SUS

Comunicação e informação: desafios para a participação social no SUS Comunicação e informação: desafios para a participação social no SUS Valdir de Castro Oliveira PPGICS/FIOCRUZ Rio de janeiro, 29 de setembro de 2015 O Sistema Único de Saúde pressupõe - Inclusão e participação

Leia mais

Participação Social enquanto Instrumento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos

Participação Social enquanto Instrumento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos Participação Social enquanto Instrumento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos ISWA 2005 Lúcio Gagliardi Diniz Paiva Wanda Maria Risso Günther Buenos Aires, Argentina - Novembro, 2005 - R u m o a u m s

Leia mais

OBJETIVO prioridade da agenda política.

OBJETIVO prioridade da agenda política. SANEAR É VIVER OBJETIVO Propor ao governo e à sociedade ações que melhorem o desempenho do saneamento do país e elevem o tema ao status de prioridade da agenda política. A exemplo da ação que resultou

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Documento confidencial para uso e informação do cliente Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Apresentação Florianópolis Dezembro

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM

RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República subscrito, no uso de suas atribuições legais, em especial o disposto no art. 6º, XX, da Lei Complementar

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEI N. 1.694, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005 Institui o Sistema Público da Educação Básica do Estado do Acre, face às diretrizes da Educação Nacional e demais instrumentos legais relativos ao regime de colaboração

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE Como Associação que abarca as instituições de educação superior públicas tendo como finalidade o desenvolvimento da educação a distância, a UniRede apresenta abaixo as considerações relativas aos três

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE POLÍTICA INDIGENISTA DELIBERAÇÕES, ENCAMINHAMENTOS E PENDÊNCIAS

COMISSÃO NACIONAL DE POLÍTICA INDIGENISTA DELIBERAÇÕES, ENCAMINHAMENTOS E PENDÊNCIAS COMISSÃO NACIONAL DE POLÍTICA INDIGENISTA DELIBERAÇÕES, ENCAMINHAMENTOS E PENDÊNCIAS Siglas utilizadas CNPI SC SE-CNPI Comissão Nacional de Política Indigenista Subcomissão Secretaria Executiva da CNPI

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 Regina Beatriz Bevilacqua Vieira 1 SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 BRASIL/INEP. SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior:

Leia mais

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES Em atendimento à Decisão Normativa TCU no. 96 de 04/03/2009, especificamente quanto ao conteúdo expresso em seu Anexo II, letra A, item 16, cabe registrar as seguintes atividades:

Leia mais

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 Estabelece medidas administrativas temporárias para contenção e otimização de despesas, no âmbito do Poder Executivo, cria o Conselho Gestor para Eficiência Administrativa

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE FAIXA DE DOMÍNIO POR CONCESSÕES DISTINTAS E O INTERESSE PÚBLICO

A EXPLORAÇÃO DE FAIXA DE DOMÍNIO POR CONCESSÕES DISTINTAS E O INTERESSE PÚBLICO A EPLORAÇÃO DE FAIA DE DOMÍNIO POR CONCESSÕES DISTINTAS E O INTERESSE PÚBLICO Luiz Antonio Sanches Diretor Adjunto da ABCE II Simpósio Jurídico-Tributário da ABCE 13 de novembro de 2006 Problema: Com amparo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme RESPONSÁVEIS Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme - 3350-8628 - ajayme@pmc.curitiba.pr.gov.br - SEPLAN

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO N o 134, DE 2014 Sugere Projeto de Lei que institui o Sistema Carona Legal Transporte Solidário, em âmbito nacional, que visa incentivar e conscientizar o

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL EM SANEAMENTO - PEAMSS

PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL EM SANEAMENTO - PEAMSS PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL EM SANEAMENTO - PEAMSS Anja Meder Steinbach Bióloga Mestre em Desenvolvimento Regional Fundação Agência de água do Vale do Itajaí Camila Schreiber

Leia mais

Observatório do Trânsito do PR Rede Paranaense de Segurança no Trânsito

Observatório do Trânsito do PR Rede Paranaense de Segurança no Trânsito Observatório do Trânsito do PR Rede Paranaense de Segurança no Trânsito Objetivos e funcionamento Ailton Brasiliense ANTP Política Nacional de Trânsito 1 Priorizar a preservação da vida, da saúde e do

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

Propostas para o Plano Diretor de Curitiba

Propostas para o Plano Diretor de Curitiba Propostas para o Plano Diretor de Curitiba Revisão de 2014 Andressa Mendes Fernanda Castelhano Rafaela Scheiffer As propostas contidas nesta cartilha foram resultados de intervenções urbanas e processos

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais