Estação de metrô Marienplatz Munique, ampliação da plataforma de embarque Avanço sob o gelo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estação de metrô Marienplatz Munique, ampliação da plataforma de embarque Avanço sob o gelo"

Transcrição

1 Estação de metrô Marienplatz Munique, ampliação da plataforma de embarque Avanço sob o gelo

2 Estação de metrô Marienplatz Visualização Marienplatz A estação de metrô Marienplatz é com certeza o entroncamento mais movimentado na rede metroviária de Munique. A possibilidade de baldeação entre as linhas subterrâneas U3 / U6 e as linhas de metrô de superfície que trafegam na linha principal, bem como a localização bem no coração da cidade contribuem para uma enorme afluência de passageiros. Depois que em 2001 foi decidida a construção de um novo estádio de futebol em Fröttmaning o qual deveria ser ligado ao centro da cidade através da linha de metrô 6 ficou estabelecido que a estação de metrô Marienplatz, que há muito tempo já tinha atingido seus limites de capacidade, teria que ser ampliada significativamente antes da Copa de O objetivo era conseguir uma desconcentração eficiente do fluxo de passageiros. Como resultado da análise de diferentes projetos, cristalizou-se uma solução com a qual os dois túneis de alívio que correm paralelamente às plataformas, e que estão ligados a estas através de onze aberturas em forma de galerias, deveriam praticamente duplicar a área da plataforma. A obra de implantação significava intervir no subsolo a apenas aprox. dez metros abaixo da prefeitura de Munique. A edificação histórica sensível não poderia em hipótese alguma ser afetada por problemas de acomodação do solo. Para a execução foi utilizado um processo de perfuração do túnel com o auxílio do congelamento parcial do solo, o que minimizou significativamente a intervenção prevista no subsolo e, além disso, ofereceu vantagens consideráveis na análise de risco quanto à técnica de segurança. A SSF Ingenieure foi responsável pelo planejamento executivo completo desta sugestão, apresentada como proposta acessória, e em 2005 recebeu o Prêmio de Engenharia da Câmara de Engenheiros Civis da Bavária pela ampliação da estação de metrô Marienplatz. Imagem: Lang Hugger Rampp GmbH Architekten O subsolo A camada superior é formada por cascalhos arenosos finos e grossos. Não há um horizonte completo de lençol freático, era de se esperar apenas águas quaternárias isoladas devido à infiltração de águas pluviais. Na camada subjacente de argilas e siltes estão presentes dois estratos de areias finas e médias com espessuras de 7,5 m a 12 m que represam a água subterrânea. Elas conduzem a água subterrânea, parcialmente sob pressão muito alta ( água tensionada ). Não foi fácil lidar com as estruturas remanescentes das primeiras obras de implantação do metrô dos anos de 1966

3 a Naquela época muitos poços de rebaixamento do nível do lençol freático não foram desfeitos de acordo com as técnicas modernas atuais e não podiam mais ser localizados de forma inequívoca. A sequência das obras Atrás da prefeitura foram perfurados dois poços ovais iniciais: duas estacas perfuradas sobrepostas, com diâmetro de 1,2 m cada, as quais atingiram uma profundidade de até 30 metros, foram adicionalmente reforçadas com um anel de concreto armado contra a pressão do solo, na altura de entrada do túnel. Em seguida foram construídas duas galerias-piloto para o congelamento do solo. Essas galerias com aproximadamente cem metros de comprimento tinham um diâmetro interno de dois metros e eram constituídas de anéis de concreto armado pré-fabricados, que foram prensados no solo a partir do poço inicial, um após o outro. A câmara de trabalho da máquina extratora era mantida sob sobrepressão de ar para manter distante a água subterrânea contida no horizonte de areia com 2 a 5 metros de espessura. O congelamento do solo Originalmente, a ampliação da estação de metrô foi planejada para ser realizada por meio de perfuração convencional com rebaixamento do lençol freático e método de construção fechada. Nesse processo o solo deveria ser drenado através de inúmeros poços horizontais. Os rebaixamentos do solo que resultariam da Seção transversal da plataforma de embarque U3 / U6 Sentido sul 1 Plataforma existente 2 Nova plataforma de embarque no túnel de alívio Para que o túnel de alívio possa ser construído com a perfuração do método de construção fechada, é necessário o seguinte: 3 3 Galerias-piloto para a instalação de poços e congelamento 4 Tubos de congelamento 5 Solo congelado como tampa de proteção para a perfuração 6 Pequenos poços para a secagem do solo 7 Arcos de revestimento 8 Concreto injetado revestimento externo, 30 cm 9 Drenagem do fundo 10 Canto inferior da calota Avanço das galerias-piloto 2+3 Avanço do túnel 4 Interligação com o sistema existente 5 Seção transversal da plataforma de embarque Gráfico : ediundsepp Imagens : 1-4 Max Bögl GmbH & Co. KG / 5 SSF Ingenieure GmbH

4 Enchimentos Cascalho Areia, seca Areia, saturada de água Marga (em grande parte impermeável) Zona de solo congelado utilização desse método teriam que ser compensados através de injeções de enchimento (compensation grouting). O processo de construção do túnel desenvolvido no âmbito da elaboração da proposta pela SSF Ingenieure, em cooperação com a empresa construtora e com a alternativa de proteção por congelamento para o método licitado, foi aprovado em vista das melhorias econômicas e técnicas. Com o congelamento do solo pode-se dispensar os dispendiosos poços horizontais. Ao mesmo tempo aumenta a firmeza do solo devido à camada de gelo situada acima, o que facilita muito a posterior perfuração do túnel de alívio da plataforma de embarque e que, além disso, resultou em uma redução considerável do risco relativo às acomodações do solo na área da estrutura histórica da prefeitura. A partir das galerias-piloto foram realizadas 654 perfurações de congelamento em forma de leque com um diâmetro de 88,9 milímetros e um comprimento total de quase metros. O solo foi congelado de forma intermitente, à temperatura de 38 graus negativos, através de duas unidades de refrigeração por dióxido de carbono e amônia com uma potência de 275 KW cada e uma solução de cloreto de cálcio como meio resfriador, respectivamente adaptadas ao andamento da perfuração. Esta medida foi monitorada permanentemente por 180 sondas de temperatura, o que possibilitou um controle dirigido da temperatura para evitar maiores elevações de congelamento (a água se expande em até nove por cento durante o congelamento). O túnel de alívio Embaixo do escudo de gelo foram construídos os dois túneis com perfuração e injeção de concreto no método de construção fechada. A velocidade na perfuração cíclica (calota, piso, leito) com uma área de seção transversal de escavação de 50 metros quadrados, foi de aprox. dois metros a cada 24 horas. Uma peculiaridade foi a posição tangente com relação às plataformas de embarque existentes. Para poder interligálas, os elementos de escoramento de aço antigos remanescentes no solo tiveram que ser removidos. Em seguida foram removidos 15 centímetros do revestimento externo de concreto existente. Chumbadores especiais possibilitaram a ligação da armação à edificação existente. Os novos túneis foram interligados às plataformas de embarque 1 Execução dos dois poços iniciais 2 Perfuração das galerias-piloto 3 Congelamento do solo, alívio da água subterrânea 4 Perfuração do túnel Gráfico : ediundsepp nach SSF Ingenieure GmbH / Max Bögl GmbH & Co. KG Gráfico : ediundsepp existentes através de onze aberturas de passagem. Duas aberturas de passagem adicionais tinham que ser executadas nas extremidades frontais no lado sul. As execução das aberturas de passagem através das paredes dos túneis existentes - concreto armado de dupla camada com 2,5 m de espessura - foram realizadas com serras de fio diamantado em várias etapas individuais, devido à estática. Os blocos de concreto serrados pesavam aprox. 40 toneladas. Eles foram puxados por dispositivos hidráulicos especiais até o túnel de alívio, onde foram triturados e descartados através do poço inicial. Ligações a prova d água e revestimento interno Tendo em vista que as plataformas de embarque ficam completamente dentro do lençol freático, a ligação entre a construção nova e a parte existente foi executada a prova d água. O revestimento externo de concreto injetado foi complementado com um Praça Marienplatz Rua Weinstrasse Nova Prefeitura N Rua Landschaftsstrasse Rua Dienerstrasse revestimento interno de concreto armado impermeável com uma espessura de 50 centímetros. Todos os trabalhos nas obras foram realizadas sem interromper a operação regular do metrô. Durante todo o tempo da construção dos dois túneis de alívio não houve praticamente nenhum transtorno para os passageiros. Apenas na fase da abertura da passagem para a plataforma foi necessário fazer um estreitamento da plataforma e dos corredores de interligação. Dados Marienplatz Contratante da obra Departamento de obras da capital estadual Munique, setor de construção do metrô Comprimento dos túneis 103 m / 95 m Área da seção de abertura 50 m 2 Tempo de construção Tipo construtivo Túnel em construção fechada com ligações transversais ao túnel existente, execução com auxílio de galerias-piloto, congelamento do solo e alívio da água subterrânea SSF Ingenieure Proposta acessória, planejamento executivo Com a planta baixa inalterada ocorreram as seguintes modificações durante a licitação realizada em toda a Europa, em função de uma proposta acessória da SSF Ingenieure: - Poços ovais - Galerias-piloto adicionais para congelamentos dirigidos do solo acima do topo do túnel - BCongelamento do solo e alívio do segundo estrato de água subterrânea Túnel de alívio Plataformas de embarque existentes e caminhos para o metrô de superfície e para a superfície Linhas U3 / U6 Poço inicial com galeria-piloto para a perfuração em construção fechada Conexão para o metrô de superfície

5 Título : Carsten Kykal - Fotolia.com

Túnel do novo trecho Nuremberg Ingolstadt (NBS) Lote norte Túnel Göggelsbuch / Túnel Offenbau

Túnel do novo trecho Nuremberg Ingolstadt (NBS) Lote norte Túnel Göggelsbuch / Túnel Offenbau Túnel do novo trecho Nuremberg Ingolstadt (NBS) Lote norte Túnel Göggelsbuch / Túnel Offenbau Para solucionar as exigências resultantes da intensificação do tráfego ferroviário de pessoas e carga devido

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO. Autor: João Duarte Guimarães Filho

SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO. Autor: João Duarte Guimarães Filho SISTEMAS DE IMPERMEABILIZAÇÃO Autor: João Duarte Guimarães Filho Nos últimos 40 anos temos realizado algumas intervenções para evitar gotejamento de águas e saturação dos sistemas de ventilação e iluminação

Leia mais

Rebaixamento de lençol freático

Rebaixamento de lençol freático Rebaixamento de lençol freático Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR Necessidade do Controle da Água Subterrânea Interceptação da água percolada que emerge nos taludes e fundo de escavações Aumentar a estabilidade

Leia mais

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos):

1. 2 Ocorrência de Água Subterrânea. b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): b) - Solos Pedogênicos (Lateríticos): Evolução Pedogênica ou Pedogenética - por esse nome se agrupa uma complexa série de processos físico-químicos e biológicos que governam a formação de alguns solos.

Leia mais

BMW Welt Munique. Dados e fatos

BMW Welt Munique. Dados e fatos BMW Welt Munique BMW Welt Munique A BMW Welt no norte de Munique é uma obra-prima da arquitetura inovadora. Desde outubro de 2007 ela serve de palco multifuncional para todos os tipos de eventos: concertos,

Leia mais

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente /2009 TRANSPORTE Um caso de obra especial: contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente ALBERTO CASATI ZIRLIS* / CAIRBAR AZZI PITTA** / GEORGE JOAQUIM TELES DE

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

Aula 11 Geologia aplicada às fundações de estruturas

Aula 11 Geologia aplicada às fundações de estruturas Aula 11 Geologia aplicada às fundações de estruturas a decisão de qual fundação se comporta melhor envolve a análise técnica, logística e econômica. Tipos de fundações D B 2,5 D B 2,5 e D 3m Tipos de fundações

Leia mais

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO Índice 1 Rebaixamento por Poços Injetores e Bombas Submersas 2 Método construtivo 3 Rebaixamento à Vácuo 4 Norma 5 Método construtivo 6 Equipe de trabalho 1 Rebaixamento Por Poços Rebaixamento por poços

Leia mais

Rebaixamento do Lençol Freático

Rebaixamento do Lençol Freático Rebaixamento do Lençol Freático Índice 1. Rebaixamento por Poços 2. Bombas Submersas 3. Rebaixamento à Vácuo 4. Norma 5. Método construtivo 6. Equipe de trabalho 1. Rebaixamento Por Poços Rebaixamento

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Gerson Cunha Eng. Maria Francisca

Leia mais

Nota à imprensa 1 / 5

Nota à imprensa 1 / 5 Nota à imprensa A máquina perfuratriz rotativa de grande porte LB 44-510 Liebherr em sua primeira operação na construção de um acelerador de partículas na cidade de Darmstadt Outubro 2013 As primeiras

Leia mais

Check list e Avaliação. Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO - Check list e Avaliação Dados do Imóvel: Endereço:

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

SSF Ingenieure Consultoria, Engenharia e Construção Consulting Engineers

SSF Ingenieure Consultoria, Engenharia e Construção Consulting Engineers Infra-estruturas de tráfego à volta de um estádio desportivo Desencadear um mega-event Integração desses projectos de tráfego no dia-a-dia de uma cidade SSF Ingenieure Consultoria, Engenharia e Construção

Leia mais

Paredes Diafragma moldadas in loco

Paredes Diafragma moldadas in loco Paredes Diafragma moldadas in loco Breve descrição das etapas executivas Introdução A parede diafragma moldada in loco é um elemento de fundação e/ou contenção moldada no solo, realizando no subsolo um

Leia mais

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 1 ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 2 ÍNDICE: 1) Estacas Hélice Continua 2) Provas de Carga Estática 3) Ensaios Dinâmicos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Pedro Henrique Piassa Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. SETEMBRO 1997

Leia mais

BMW Welt Munique Divisões fluidas de ambientes em vários níveis

BMW Welt Munique Divisões fluidas de ambientes em vários níveis BMW Welt Munique BMW Welt Munique A BMW Welt no norte de Munique é uma obra-prima da arquitetura inovadora. Desde outubro de 2007 ela serve de palco multifuncional para todos os tipos de eventos: concertos,

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

Rebaixamento do Lençol Freático

Rebaixamento do Lençol Freático Rebaixamento do Lençol Freático 1 - Introdução A construção de edifícios, barragens, túneis, etc. normalmente requer escavações abaixo do lençol freático. Tais escavações podem exigir tanto uma drenagem,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 1 ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 2 ÍNDICE: 1) Estacas Hélice Continua 2) Provas de Carga Estática 3) Ensaios Dinâmicos

Leia mais

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Tipos de fundações Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com Tipos de

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Disciplina: Estradas e Transportes II Laboratório de Geotecnia e Pavimentação SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO DRENAGEM DO

Leia mais

O leque de nossas possibilidades profissionais

O leque de nossas possibilidades profissionais O perfil da empresa O leque de nossas possibilidades profissionais Perfuração & Explosão Jens Weiss Ltda É uma empresa especializada em serviços de preparação e execução de explosão de todos os tipos.

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO 1. DOCUMENTOS NORTEADORES ISO 9001:2008 ISO 14001:2004 OHSAS 18001:2007 PBQP-H Caderno de Encargos da EMBASA 2. MATERIAIS E EQUIPAMENTOS MÍNIMOS RECOMENDADOS

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 O que são?: São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas

Leia mais

Estaca Strauss CONCEITO

Estaca Strauss CONCEITO CONCEITO A estaca Strauss é uma fundação de concreto (simples ou armado), moldada no local e executada com revestimento metálico recuperável. Pode ser empregada em locais confinados ou terrenos acidentados,

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação 2 Escolha do tipo de fundação Americana, junho de 2005 0 Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação Americana, junho de

Leia mais

Protocolo de instalação de piezômetros em locais com nível freático pouco profundo (áreas sazonalmente encharcadas)

Protocolo de instalação de piezômetros em locais com nível freático pouco profundo (áreas sazonalmente encharcadas) A localização do nível do lençol freático e o conhecimento da sua variação devido às precipitações e outros agentes naturais é de extrema importância para entender a distribuição e abundancia de espécies.

Leia mais

Fundações Profundas:

Fundações Profundas: UNIVERSIDADE: Curso: Fundações Profundas: Tubulões Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, abril de 004. 1 Fundações Profundas: Tubulões A altura H (embutimento)

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Fossa séptica. Resumo. Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave. Fossa séptica; esgoto; tratamento.

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Fossa séptica. Resumo. Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave. Fossa séptica; esgoto; tratamento. RESPOSTA TÉCNICA Título Fossa séptica Resumo Instrução para instalação de fossa séptica. Palavras-chave Fossa séptica; esgoto; tratamento. Assunto Meio ambiente, reciclagem e tratamento de resíduos Demanda

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM

RELATÓRIO DE SONDAGEM Vitória, 19 de junho de 201 RELATÓRIO DE SONDAGEM CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KENNEDY OBRA/LOCAL: SANTA LUCIA - PRESIDENTE KENNEDY CONTRATO: ETFC.0..1.00 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...02 PERFIL

Leia mais

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÃO TEORIA EC8P30/EC9P30 FUNDAÇÕES PROFUNDAS 1 semestre/2012 1. ESTACAS DE DESLOCAMENTO São aquelas introduzidas no terreno através de algum processo

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Cristóvão C. C. Cordeiro Fundações usuais em relação ao porte dos edifícios Pequenos edifícios (casas e sobrados) pequenas cargas Rasas Blocos e alicerces,

Leia mais

SSF Ingenieure Consultoria, Engenharia e Construção Consulting Engineers

SSF Ingenieure Consultoria, Engenharia e Construção Consulting Engineers Infraestruturas de tráfego à volta de um estádio desportivo Projetar um mega evento Integração de projetos de tráfego no dia-a-dia de uma metrópole SSF Ingenieure Consultoria, Engenharia e Construção Consulting

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

SEPARADORES DE GORDURAS E FÉCULAS DE MONTAGEM ENTERRADA

SEPARADORES DE GORDURAS E FÉCULAS DE MONTAGEM ENTERRADA DE MONTAGEM ENTERRADA INDICE Separador de Gorduras em aço inoxidável para montagem enterrada Separador de Gorduras em PEAD para montagem enterrada, para aplicação directa no terreno receptor Zonas de tráfego

Leia mais

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO GGH/006 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH POÇOS DE ALÍVIO PARA RESTABELECER OS CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NA BARRAGEM DE SOBRADINHO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA estado do rio grande do sul PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO INHACORÁ MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA COORDENADAS:

Leia mais

17:44. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1)

17:44. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1) FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1) Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo de Materiais de Construção Versão 2013 1 Fundações indiretas profundas 1.Pré-moldadas 2.Moldadasin loco Prof. Dr. Marcelo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO FILTRANTE NA ESCADA DE DISSIPAÇÃO EM GABIÃO

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO FILTRANTE NA ESCADA DE DISSIPAÇÃO EM GABIÃO UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO ELEMENTO FILTRANTE NA ESCADA DE DISSIPAÇÃO EM GABIÃO Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Ivo Corrêa Meyer Neto AGOSTO 1991 Revisado JANEIRO 2011-

Leia mais

CROQUI DO CANTEIRO DE OBRAS.

CROQUI DO CANTEIRO DE OBRAS. CROQUI DO CANTEIRO DE OBRAS. FOTOS DA OBRA 4.0 - ANEXOS COLOCAÇÃO DA ARMAÇÃO O método de execução da estaca hélice contínua exige a colocação da armação após a sua concretagem. A armação, em forma de

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

Art. 278 - Estas normas não serão aplicadas aos sistemas destinados à proteção de instalações elétricas ou de telecomunicações.

Art. 278 - Estas normas não serão aplicadas aos sistemas destinados à proteção de instalações elétricas ou de telecomunicações. CAPÍTULO XII Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas (SPCDA) SEÇÃO I Das condições de instalações Art. 278 - Estas normas não serão aplicadas aos sistemas destinados à proteção de instalações

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

INFRAESTRUTURA CIVIL - CÂMARAS TRANSFORMADORAS FASCÍCULO. Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras

INFRAESTRUTURA CIVIL - CÂMARAS TRANSFORMADORAS FASCÍCULO. Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras FASCÍCULO Infraestrutura Civil - Câmaras Transformadoras 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para elaboração de Projeto Civil de entradas consumidoras que envolvam a implantação de obras civis subterrâneas

Leia mais

Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats

Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats Nome dos autores: Petrúcio Santos; Fábio Mendonça Bocheni José Roberto de Campos Costa Junior Instituição: Maccaferri

Leia mais

0 EMISSÃO INICIAL 12/2/10 MJDM RF WV Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo ENG. MAURICIO MELLO

0 EMISSÃO INICIAL 12/2/10 MJDM RF WV Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo ENG. MAURICIO MELLO 1 ATENDENDO AO RAT 414MF1/DEPE(PETP-2)/10 28/5/10 MJDM RF WV 0 EMISSÃO INICIAL 12/2/10 MJDM RF WV Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Coord. de Projeto CREA / UF Autor do Projeto/Resp técnico

Leia mais

Orientação e Crescimento. Microtúnel: Elevado desempenho e Eficácia. Engenharia de Excelência a Nível Global

Orientação e Crescimento. Microtúnel: Elevado desempenho e Eficácia. Engenharia de Excelência a Nível Global Microtúnel Orientação e Crescimento Microtúnel: Elevado desempenho e Eficácia O nosso grupo iniciou actividade em 1933 como uma empresa de construção. Começámos por nos especializar em construção de tubulações

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA COBERTURA DE QUADRA POLIESPORTIVA

Leia mais

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA 1-Generalidades Sumário 2-O que é o sumidouro e como funciona? 3-Aspectos Construtivos 4-Prescrições Normativas e Critérios

Leia mais

CAPÍTULO XII DRENAGEM DAS CONSTRUÇÕES ENTERRADAS

CAPÍTULO XII DRENAGEM DAS CONSTRUÇÕES ENTERRADAS CAPÍTULO XII DRENAGEM DAS CONSTRUÇÕES ENTERRADAS 12.1 INTRODUÇÃO A água no solo proveniente da precipitação sob a forma de chuva, neve, nevoeiro, orvalho e durante todo o seu ciclo é o pior inimigo nas

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

SISTEMA T-TRACK. A nova geração em Tecnologia Ferroviária

SISTEMA T-TRACK. A nova geração em Tecnologia Ferroviária SISTEMA T-TRACK A nova geração em Tecnologia Ferroviária O que é o Sistema Tubular Track? 1/5 O Sistema TUBULAR TRACK é uma Tecnologia de Via Permanente Ferroviária de Fixação Direta (sem lastro), na qual

Leia mais

UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE

UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE AUTORES Engenheiro Alberto Casati Zirlis, diretor da Solotrat Engenharia Geotécnica Ltda.

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO PROFESSOR: CÁSSIO FERNANDO SIMIONI

DISCIPLINA: SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO PROFESSOR: CÁSSIO FERNANDO SIMIONI ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

Leia mais

TÚNEL NATM. Índice. 2 Norma. Não existe norma específica da ABNT. 3 Conceitos do NATM. 3.1 Mobilização das tensões de resistência do maciço

TÚNEL NATM. Índice. 2 Norma. Não existe norma específica da ABNT. 3 Conceitos do NATM. 3.1 Mobilização das tensões de resistência do maciço Índice 1 Definição 2 Norma 3 Conceitos do NATM 4 Adaptação as condições Brasileiras 5 Procedimento executivo básico para túneis em solo 6 Equipe de trabalho 7 Manutenção de túneis NATM 1 Definição O Novo

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO e MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO Trabalho em Altura Uma das principais causas de acidentes de trabalho graves e fatais se deve a eventos envolvendo quedas de trabalhadores de diferentes

Leia mais

Túnel Aubing Trecho oeste da auto-estrada federal A99

Túnel Aubing Trecho oeste da auto-estrada federal A99 Túnel Aubing Trecho oeste da auto-estrada federal A99 Histórico do planejamento Já nos anos 30 do século passado foram feitos os primeiros planos, que se concretizaram no início dos anos 80: O setor oeste

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

CAPÍTULO 12 OBRAS ESPECIAIS REVESTIDAS COM GEOMEMBRANA

CAPÍTULO 12 OBRAS ESPECIAIS REVESTIDAS COM GEOMEMBRANA 147 CAPÍTULO 12 OBRAS ESPECIAIS REVESTIDAS COM GEOMEMBRANA Revestimento de Túneis e Galerias 1. Generalidades A construção de túneis é uma das áreas mais complexas da engenharia civil, devido a exigência

Leia mais

Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves. Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt

Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves. Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt Soluções para Execução Pouco Intrusiva de Caves Alexandre Pinto apinto@jetsj.pt Tipos de Fundações Técnicas de Reforço Técnicas de Execução de Caves Casos Práticos Considerações Finais Tipos de Fundações

Leia mais

TÚNEL RASO SOB FUNDAÇÕES DIRETAS DE EDIFICAÇÃO NO PACAEMBÚ, SÃO PAULO : UM CASO PRÁTICO DE UTILIZAÇÃO DE CONCRETO PROJETADO COM FIBRAS DE AÇO

TÚNEL RASO SOB FUNDAÇÕES DIRETAS DE EDIFICAÇÃO NO PACAEMBÚ, SÃO PAULO : UM CASO PRÁTICO DE UTILIZAÇÃO DE CONCRETO PROJETADO COM FIBRAS DE AÇO TÚNEL RASO SOB FUNDAÇÕES DIRETAS DE EDIFICAÇÃO NO PACAEMBÚ, SÃO PAULO : UM CASO PRÁTICO DE UTILIZAÇÃO DE CONCRETO PROJETADO COM FIBRAS DE AÇO ROBERTO KOCHEN 1 ; ALBERTO CASATI ZIRLIS 2 & CAIRBAR AZZI PITTA

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS"

APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS" PALESTRANTE: Eng o Civil Antonio Livio Abraços Jorge 28 de Março de 2008 Marcos na História do Saneamento Tubos cerâmicos são

Leia mais

SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes

SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes SONDAGENS Escolha de solução para fundação e contenção FUNDAÇÕES Palestrantes Engº José Luiz de Paula Eduardo Engº Roberto Nahas I - ESCOLHA DO TIPO DE FUNDAÇÃO I - ESCOLHA DO TIPO DE FUNDAÇÃO 1.Elementos

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT AULA 5 NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT março 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Relação

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

TECNOLOGIA DE BAIXO IMPACTO PARA ESCAVAÇÃO DE TÚNEIS EM CENTROS URBANOS. Márcio Pellegrini Ribeiro- Consórcio Via Amarela

TECNOLOGIA DE BAIXO IMPACTO PARA ESCAVAÇÃO DE TÚNEIS EM CENTROS URBANOS. Márcio Pellegrini Ribeiro- Consórcio Via Amarela TECNOLOGIA DE BAIXO IMPACTO PARA ESCAVAÇÃO DE TÚNEIS EM CENTROS URBANOS Márcio Pellegrini Ribeiro- Consórcio Via Amarela A CONSTRUÇÃO DA LINHA 4 DO METRÔ CENÁRIO EXISTENTE VIAS ARTERIAIS DE TRÁFEGO INTENSO.

Leia mais

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. APARELHAGEM...4 5. ENERGIAS DE COMPACTAÇÃO...7 6. EXECUÇÃO DO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB COMO REFORÇO DE BASE PARA TRÁFEGO DE EQUIPAMENTOS SOBRE SOLO MOLE SÃO PAULO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB COMO REFORÇO DE BASE PARA TRÁFEGO DE EQUIPAMENTOS SOBRE SOLO MOLE SÃO PAULO SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB COMO REFORÇO DE BASE PARA TRÁFEGO DE EQUIPAMENTOS SOBRE SOLO MOLE SÃO PAULO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. PERÍODO 1998 Revisado

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A):

RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A): RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A): Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios - TJDFT PUBLICAÇÃO: Reforsolo 2033/15

Leia mais

O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 70 a 250 cm. www.geoplast.it

O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 70 a 250 cm. www.geoplast.it O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 7 a 25 cm www.geoplast.it ELEVETOR O sistema para fundações ventiladas em forma de galeria de 7 a 25 cm ELEVETOR é um sistema combinado de cofragens

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

15 EncontroTécnicoDER/PR. Eng. Luiz Antonio Maranhão Pereira Gerente de produtos

15 EncontroTécnicoDER/PR. Eng. Luiz Antonio Maranhão Pereira Gerente de produtos 15 EncontroTécnicoDER/PR Eng. Luiz Antonio Maranhão Pereira Gerente de produtos Agenda Sucesso em obras de engenharia com ARMCO STACO Estruturas de aço corrugado na forma de arco Teste de cargas Filme

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 10 Introdução às Fundações Profundas, 227. Capítulo 11 Principais Tipos de Fundações Profundas, 235

SUMÁRIO. Capítulo 10 Introdução às Fundações Profundas, 227. Capítulo 11 Principais Tipos de Fundações Profundas, 235 SUMÁRIO Capítulo 10 Introdução às Fundações Profundas, 227 10.1 conceitos e definições............................................................... 227 10.2 breve histórico......................................................................

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP FUNDAÇÃO 1. TIPO DE SOLO A primeira parte da casa a ser construída são suas fundações, que

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO Uma APLICAÇÃO PARA CADA NECESSIDADE www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria A REABILITAÇÃO, UMA SOLUÇÃO COM SISTEMAS PARA O AQUECIMENTO E O ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES

Leia mais